SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 59
Baixar para ler offline
Profª Shirley Correia
REINO ANIMAL
Surgem os primeiros animais
REINO ANIMAL
 São pluricelulares, ou seja, seu organismo é formado
por mais de uma célula;
 São eucariontes, ou seja, suas células apresentam
núcleo organizado e envolvido por uma membrana;
 São heterótrofos, ou seja, não produzem seu próprio
alimento, precisando consumir outros seres vivos
para se alimentar.
Características gerais
REINO ANIMAL
Os animais apresentam diferenças entre si
em tamanho, estrutura, modo de vida e em
outras características. Há no mundo grande
quantidade de animais.
REINO ANIMAL – Filogenia possível dos animais
Características:
 Popularmente chamados de esponjas.
 Vivem em diversos ambientes aquáticos, principalmente
no mar, fixados no substrato, como rochas.
 Apresentam corpo coberto por poros (orifícios).
 Animais filtradores.
 Algumas possuem espícula (pontas) – estruturas que
auxiliam na sustentação.
REINO ANIMAL – PORÍFEROS
Representantes
Esponja
REINO ANIMAL - PORÍFEROS
Estruturas do corpo de uma esponja
REINO ANIMAL - PORÍFEROS
As esponjas se alimentam por filtração:
 Através de pequenos poros, a água penetra na
esponja carregando alimento (pequenos animais,
algas, protozoários e restos orgânicos) e gás oxigênio.
 Elas possuem células especiais, denominadas
coanócitos que capturam o alimento.
 O batimento do flagelo dos coanócitos cria um fluxo
de água que entra pelos poros e é eliminada por uma
abertura maior, chamada ósculo.
•
REINO ANIMAL - PORÍFEROS
REINO ANIMAL - PORÍFEROS
1. Por que as esponjas são chamadas de poríferos?
Porque seu corpo apresenta milhares de poros,
pequenas aberturas por onde a água penetra.
2. Por que a alimentação das esponjas é chamada de
filtração?
Porque os coanócitos possuem um flagelo cujo
batimento cria um fluxo de água e captura partículas
de alimento.
REINO ANIMAL – CNIDÁRIOS
Representantes
Água-viva (vida livre)
Corais (são fixos) –
formam estruturas
rochosas, os recifes de
coral
Anêmonas (maior parte do tempo são
fixas, mas podem se deslocar, rastejando)
REINO ANIMAL - CNIDÁRIOS
Características:
 Aquáticos em sua maioria marinhos.
 Possuem tentáculos com células especializadas na
defesa e na captura do alimento: o cnidócito (célula
urticante).
 Primeiros animais a apresentar uma cavidade
digestiva (com abertura única para boca e ânus).
 Podem apresentar duas formas corporais: pólipo
(fixos em substrato) e medusa (livre e natante).
REINO ANIMAL - CNIDÁRIOS
REINO ANIMAL - CNIDÁRIOS
REINO ANIMAL - CNIDÁRIOS
Quando uma pessoa encosta nos tentáculos de uma água-viva,
fazendo com que milhares de células liberem toxinas na pele
da vítima que podem causar “queimaduras”. A dor é intensa e
instantânea, como se fossem ferroadas. No caso da vespa-do-
mar, a vítima pode sofrer até parada cardíaca.
Queimadura de vespa-do-mar
REINO ANIMAL – CNIDÁRIOS
 São providos de esqueleto externo, calcário e duro – colônia de cnidários.
 São ecossistemas com tamanha biodiversidade comparados a biomas como a Mata
Atlântica e a Amazônia – base de boa parte das teias alimentares marinhas.
 Estão sofrendo degradação por ação do homem: o branqueamento do coral
(indicação de que ele morreu) devido à poluição das águas e à descarga de gás
carbônico na atmosfera.
Recifes de coral
REINO ANIMAL - CNIDÁRIOS
1. Os cnidários podem apresentar duas formas de vida. Quais
são elas? Qual delas tem maior capacidade de locomoção?
Pólipo e medusa.
As medusas têm maior capacidade de locomoção; os pólipos
vivem fixos a substratos.
2. Por que o contato físico com os tentáculos de muitas
espécies de águas-vivas pode ser perigoso?
Porque, ao tocar a pele, milhares de células presentes nos
tentáculos disparam toxinas que podem causar irritações,
ardência e até paralisia. Dependendo da espécie, como no
caso da vespa-do-mar, a vítima pode sofrer até parada
cardíaca.
REINO ANIMAL – PLATELMINTOS
Representantes
Planária
Tênia Esquistossomo
REINO ANIMAL - PLATELMINTOS
Características:
 Vermes achatados.
 Muitas espécies habitam ambientes marinhos, de água doce ou
terrestre úmido.
 Podem ser de vida livre, como as planárias, ou parasitas como as
tênias e os esquistossomos.
 Primeiros animais a ter cabeça , dividindo o corpo em regiões
anterior e região posterior.
 Na cabeça concentram-se os órgãos dos sentidos como os
ocelos que percebem a luminosidade.
 Apresentam um sistema digestório incompleto (não possuem
ânus, apenas boca).
REINO ANIMAL – PLATELMINTOS
Planárias
 Se alimentam de matéria orgânica em decomposição ou de outros
animais.
 O alimento é capturado pela boca, passa pela faringe e cai na cavidade
gastrovascular que ocupa praticamente todo o corpo até a cabeça.
 Os ocelos – mecanismo de defesa (fugir da luz, proteger-se do calor,
evitar desidratação e morte.
REINO ANIMAL – PLATELMINTOS
Planárias
Às vezes, uma planária estica o
corpo até se dividir em duas partes
que dão origem a duas novas
planárias.
As planárias têm grande capacidade de regeneração.
Às vezes, ao ser cortada em
pedaços, cada um deles é capaz
de se desenvolver e originar
uma nova planária.
REINO ANIMAL – PLATELMINTOS
1. Qual foi a principal novidade evolutiva dos
platelmintos?
A principal novidade evolutiva foi a aquisição da
cabeça, o que possibilitou a divisão do corpo em
regiões anterior e posterior.
2. Qual o papel dos ocelos?
Os ocelos são incapazes de formar imagens, mas
são sensíveis à luz, o que permite à planária sair
de locais iluminados para se esconder.
REINO ANIMAL – NEMATELMINTOS
Representantes
Lombriga
(Ascaris lumbricoides)
Ancilostoma
(Ancylostoma duodenale)
REINO ANIMAL – NEMATELMINTOS
Características:
 Vermes cilíndricos.
 Vivem em ambientes aquáticos (marinho e doce) e
terrestres úmidos.
 Algumas espécies são parasitas de plantas e animais e
causam doenças lombrigas e os ancilóstomos.
 Em geral, são muito pequenos, microscópio.
 Primeiros animais que adquiriram sistema disgestório
completo, formado por boca, tubo digestório e ânus.
REINO ANIMAL – NEMATELMINTOS
1. Qual foi a principal novidade evolutiva dos
nematelmintos?
Aquisição de um sistema disgestório completo,
formado por boca, tubo digestório e ânus.
2. Por que as lombrigas fêmeas são maiores do
que os machos?
Porque elas produzem milhares de ovos.
REINO ANIMAL – MOLUSCOS
Representantes
Ostra PolvoCaracol
Lesma MexilhãoLula
REINO ANIMAL – MOLUSCOS
Características:
 Apresentam corpo mole.
 Têm o corpo dividido em cabeça, pé e massa visceral.
 Alguns animais o pé modificou-se em tentáculos.
 Muitos são protegidos por uma concha (protege o corpo e
evita sua dessecação), produzida pelo manto.
 Podem ser encontrados em ambientes aquáticos
(marinhos e de água doce) e terrestres úmidos.
REINO ANIMAL – MOLUSCOS
REINO ANIMAL – MOLUSCOS
Nutrição
 Moluscos com duas conchas (ostras e mexilhões)
se alimentam por filtração de matéria orgânica e
plâncton da água.
 Moluscos que possuem uma concha (caramujos
e caracóis) se alimentam raspando algas e
plantas que crescem sobre rochas.
 Moluscos que não possuem conchas (lulas e
polvos) são predadores, caçam peixes e outros
animais com seus tentáculos.
REINO ANIMAL – MOLUSCOS
Reprodução
 Lulas e polvos têm sexos separados (machos e
fêmeas)
 Caracóis são hermafroditas (um único animal
tem ambos os sexos.
Durante a copulação, os
caracóis encostam a abertura
dos órgãos reprodutores e
cada um introduz no outro
seus espermatozoides – ambos
saem fecundados.
REINO ANIMAL – MOLUSCOS
 Ostra é o molusco responsável por produzir
as pérolas, o que pode demorar muitos anos.
 A formação de pérola se dá como resultado de um
processo de defesa contra corpos estranhos.
REINO ANIMAL – MOLUSCOS
REINO ANIMAL – MOLUSCOS
1- Qual a importância da concha para os moluscos?
A concha protege os órgãos internos (massa
visceral) e evita a dessecação do animal.
2- Por que não são encontradas pérolas em todas as
ostras?
Porque as pérolas são resultado de um processo de
defesa das ostras contra corpos estanhos que se
alojam entre o manto e a concha. Para que haja
formação de pérola é necessário que haja um corpo
estranho no interior da concha.
REINO ANIMAL – ANELÍDEO
Representantes
Minhoca
Sanguessuga
Poliqueto
REINO ANIMAL – ANELÍDEO
Características:
 Os anelídeos têm o corpo alongado, cilíndrico e
segmentado (dividido em anéis).
 Os poliquetos (possui
muitas cerdas, pelos) são
exclusivamente
aquáticos, a maioria em
ambientes marinhos e
rastejam pelo fundo do
mar ou em praias sobre
costões rochosos em
busca de alimento.
 Os poliquetos têm sexos
separados (machos e
fêmeas.
REINO ANIMAL – ANELÍDEO
 As sanguessugas vivem em rios, lagos e
charcos.
 São animais hematófagos (se alimentam de
sangue) e possuem na uma substância
anticoagulante.
 São hermafroditas.
 Não têm cerdas pelo corpo.
REINO ANIMAL – ANELÍDEO
 As minhocas vivem em rios, lagos e charcos, apesar de
serem encontradas principalmente em ambientes
terrestres úmidos.
 Têm poucas cerdas pelo corpo.
REINO ANIMAL – ANELÍDEO
 As minhocas são saprofágicas (se alimentam de restos de
vegetais decompostos presentes no solo – renovação da
camada de húmus.
 Vivem em túneis e galerias que constroem – benefício às
plantas, pois facilita a areação do solo e a absorção de
água.
REINO ANIMAL – ANELÍDEO
 As minhocas são hermafroditas.
 No acasalamento as minhocas ficam unidas em sentidos opostos.
 Após a cópula, ambas saem fecundadas e formará o casulo a
partir do clitelo (anel mais claro e mais largo).
 O casulo com os ovos migra em direção à região da boca até sair
completamente.
 Os ovos originarão jovens minhocas.
REINO ANIMAL – ANELÍDEO
1- O que os três grupos de anelídeos têm em
comum?
A segmentação do corpo observada
externamente na forma de vários anéis.
2- Quais características diferenciam
principalmente os três grupos de anelídeos?
A presença e a quantidade de cerdas no corpo.
REINO ANIMAL – ARTRÓPODES
Representantes
REINO ANIMAL – ARTRÓPODES
Características:
 Pernas articuladas e estruturas anexas ao
corpo, chamadas apêndices, que podem
ter várias funções (locomoção, captura de
alimento, defesa, reprodução, etc.)
 Esqueleto externo, espécie de carapaça
que sustenta e protege o corpo.
REINO ANIMAL
ARTRÓPODES AQUÁTICOS
CRUSTÁCEOS:
Caranguejos, siris, lagostas, camarões e cracas
ARTRÓPODES AQUÁTICOS
CRUSTÁCEOS
Os crustáceos têm variados hábitos de vida –
definido pela forma dos apêndices.
 As antenas (dois pares)
permitem a percepção do
ambiente em lagostas e
camarões.
 Com as garras, siris e caranguejos
capturam alimentos, defendem-se
de predadores, brigam entre si e os
machos atraem as fêmeas.
ARTRÓPODES AQUÁTICOS
CRUSTÁCEOS
 As pernas servem para a locomoção –
caminhar ou nadar, e até reprodução.
ARTRÓPODES AQUÁTICOS
CRUSTÁCEOS
 Os microcrustáceos e larvas (como as de
camarão) são importantes componentes do
zooplâncton, juntamente com o fitoplâncton
torna-se o “prato principal” de boa parte da
fauna aquática.
ARTRÓPODES AQUÁTICOS
CRUSTÁCEOS
 As cracas vivem fixas em rochas, cascos de
tartarugas, conchas de moluscos, carapaças
de outros crustáceos, na pele de baleias e
até nos cascos de navios.
ARTRÓPODES AQUÁTICOS
CRUSTÁCEOS
 Vivem dentro de uma espécie de
“vulcãozinho” que elas mesmas produzem, fechado
por duas “tampinhas” (as valvas).
 Se alimentam por
filtração de pequenas
partículas de matéria
orgânica e de plâncton.
 Quando está emersa (fora da água) a craca fecha
suas valvas para se proteger de predadores e da
desidratação.
ARTRÓPODES AQUÁTICOS
1. Quais são as principais características dos
artrópodes?
Pernas articuladas e estruturas anexas ao corpo,
chamadas apêndices e esqueleto externo
(carapaça).
2. Qual a função dos apêndices?
Pode ter várias funções (locomoção, captura de
alimento, defesa, reprodução, etc.)
3. Qual a função do esqueleto externo?
Sustentar e proteger o corpo.
ARTRÓPODES AQUÁTICOS
EQUINODERMOS
Representantes
Serpente-do-mar Ouriço-do-mar Estrela-do-mar
Pepino-do-mar Lírio-do-mar
Bolacha-de-praia
Características:
 Possuem espinhos na superfície do corpo.
 Todas as espécies conhecidas são marinhas.
 Possuem um esqueleto interno, que lhes dá
forma característica. Em geral, ele é composto
por pequenas placas articuladas – permitem
realizar diversos movimentos.
ARTRÓPODES AQUÁTICOS
EQUINODERMOS
ARTRÓPODES AQUÁTICOS
EQUINODERMOS
Características:
 O corpo é dividido em cinco partes iguais,
mesmo que não seja evidente em todas as
espécies. Ex.: A estrela-do-mar tem cinco braços.
 Possuem pés ambulacrais –
são centenas de apêndices
muito pequenos espalhados
por todo o corpo dos
equinodermos que servem para locomoção, levar o
alimento até a boca e fixar-se nas rochas.
ARTRÓPODES AQUÁTICOS
EQUINODERMOS
ARTRÓPODES AQUÁTICOS
EQUINODERMOS
Locomoção:
 Os ouriços-do-mar e as bolachas-da-praia só
se locomovem usando os pés ambulacrais.
 Os lírios-do-mar podem nadar usando os
braços.
 As estrelas-do-mar e as serpentes-do-mar
podem rolar e andar usando os braços.
ARTRÓPODES AQUÁTICOS
EQUINODERMOS
Nutrição:
 As estrelas-do-mar são predadoras carnívoras, se
alimentam preferencialmente de caramujos, mariscos,
crustáceos e outros equinodermos. Elas conseguem abrir
conchas para comer ostras e mexilhões.
 As serpentes-do-mar e os lírios-do-mar se alimentam
filtrando partículas presentes na água e de plâncton.
 Os pepinos-do-mar alimentam-se de algas ou de restos
de outros animais no fundo do mar.
ARTRÓPODES AQUÁTICOS
EQUINODERMOS
Nutrição:
 Os ouriços-do-mar se alimentam de algas,
corais e esponjas usando suas placas
raspadoras para raspar as rochas.
ARTRÓPODES AQUÁTICOS
EQUINODERMOS
1. Quais são as principais características dos
equinodermos?
A presença de espinhos na superfície do corpo,
um esqueleto interno e pés ambulacrais.
2. Como se diferenciam os cinco grupos de
equinodermos?
Principalmente pelo formato do corpo e pelo
número de braços.
Referência bibliográfica
Ensino Fundamental – Manual do
professor (Ciências) – 7º Ano

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)
Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)
Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)Leonardo Kaplan
 
IV. 1 Formação de novas espécies
IV. 1 Formação de novas espéciesIV. 1 Formação de novas espécies
IV. 1 Formação de novas espéciesRebeca Vale
 
Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidáriosPoríferos e cnidários
Poríferos e cnidáriosFabiano Reis
 
Reino Plantae Power Point
Reino Plantae Power PointReino Plantae Power Point
Reino Plantae Power Pointinfoeducp2
 
Classificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres VivosClassificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres VivosJuliana Mendes
 
Briofitas
BriofitasBriofitas
Briofitasjcrrios
 
Cadeia e teias alimentares
Cadeia e teias alimentaresCadeia e teias alimentares
Cadeia e teias alimentaresGabriela de Lima
 
III.2 Platelmintos e Nematelmintos
III.2 Platelmintos e NematelmintosIII.2 Platelmintos e Nematelmintos
III.2 Platelmintos e NematelmintosRebeca Vale
 
Caracteristicas gerais dos seres vivos
Caracteristicas gerais dos seres vivosCaracteristicas gerais dos seres vivos
Caracteristicas gerais dos seres vivosCésar Milani
 
Reino Protista 7 ano
Reino Protista 7 anoReino Protista 7 ano
Reino Protista 7 anoUFMS
 
II.4 Reino Fungi
II.4 Reino FungiII.4 Reino Fungi
II.4 Reino FungiRebeca Vale
 
Aula relações ecológicas
Aula relações ecológicasAula relações ecológicas
Aula relações ecológicasGabriela de Lima
 
I.2 características dos seres vivos
I.2 características dos seres vivosI.2 características dos seres vivos
I.2 características dos seres vivosRebeca Vale
 
Reprodução sexuada e assexuada
Reprodução sexuada e assexuadaReprodução sexuada e assexuada
Reprodução sexuada e assexuadaJocimar Araujo
 
Animais invertebrados parte 1
Animais invertebrados   parte 1Animais invertebrados   parte 1
Animais invertebrados parte 1Grazi Grazi
 

Mais procurados (20)

Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)
Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)
Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)
 
Reino Plantas
Reino PlantasReino Plantas
Reino Plantas
 
Algas aula
Algas aulaAlgas aula
Algas aula
 
Os invertebrados
Os invertebrados Os invertebrados
Os invertebrados
 
IV. 1 Formação de novas espécies
IV. 1 Formação de novas espéciesIV. 1 Formação de novas espécies
IV. 1 Formação de novas espécies
 
Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidáriosPoríferos e cnidários
Poríferos e cnidários
 
Reino Plantae Power Point
Reino Plantae Power PointReino Plantae Power Point
Reino Plantae Power Point
 
Classificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres VivosClassificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres Vivos
 
Briofitas
BriofitasBriofitas
Briofitas
 
Cadeia e teias alimentares
Cadeia e teias alimentaresCadeia e teias alimentares
Cadeia e teias alimentares
 
III.2 Platelmintos e Nematelmintos
III.2 Platelmintos e NematelmintosIII.2 Platelmintos e Nematelmintos
III.2 Platelmintos e Nematelmintos
 
Caracteristicas gerais dos seres vivos
Caracteristicas gerais dos seres vivosCaracteristicas gerais dos seres vivos
Caracteristicas gerais dos seres vivos
 
IV.4 aves
IV.4 avesIV.4 aves
IV.4 aves
 
IV.2 Anfíbios
IV.2 AnfíbiosIV.2 Anfíbios
IV.2 Anfíbios
 
Reino Protista 7 ano
Reino Protista 7 anoReino Protista 7 ano
Reino Protista 7 ano
 
II.4 Reino Fungi
II.4 Reino FungiII.4 Reino Fungi
II.4 Reino Fungi
 
Aula relações ecológicas
Aula relações ecológicasAula relações ecológicas
Aula relações ecológicas
 
I.2 características dos seres vivos
I.2 características dos seres vivosI.2 características dos seres vivos
I.2 características dos seres vivos
 
Reprodução sexuada e assexuada
Reprodução sexuada e assexuadaReprodução sexuada e assexuada
Reprodução sexuada e assexuada
 
Animais invertebrados parte 1
Animais invertebrados   parte 1Animais invertebrados   parte 1
Animais invertebrados parte 1
 

Destaque (20)

123677903 florais-saint-germain
123677903 florais-saint-germain123677903 florais-saint-germain
123677903 florais-saint-germain
 
Diagrama floral e fórmula floral
Diagrama floral e fórmula floralDiagrama floral e fórmula floral
Diagrama floral e fórmula floral
 
Flor
FlorFlor
Flor
 
Morfologia da flor agronomia
Morfologia da flor agronomiaMorfologia da flor agronomia
Morfologia da flor agronomia
 
Substâncias e misturas
Substâncias e misturasSubstâncias e misturas
Substâncias e misturas
 
Ilha Grande 2014
Ilha Grande 2014Ilha Grande 2014
Ilha Grande 2014
 
Densidade
DensidadeDensidade
Densidade
 
Revisão ambiente terrestre - gabarito
Revisão ambiente terrestre - gabaritoRevisão ambiente terrestre - gabarito
Revisão ambiente terrestre - gabarito
 
Rio de janeiro 204
Rio de janeiro   204Rio de janeiro   204
Rio de janeiro 204
 
Exercícios rec. (1)
Exercícios rec. (1)Exercícios rec. (1)
Exercícios rec. (1)
 
Modelos atômicos
Modelos atômicosModelos atômicos
Modelos atômicos
 
Animais ii (2)
Animais   ii (2)Animais   ii (2)
Animais ii (2)
 
Doenças causadas por vermes
Doenças causadas por vermesDoenças causadas por vermes
Doenças causadas por vermes
 
A bienal 2015
A bienal 2015A bienal 2015
A bienal 2015
 
História da química
História da químicaHistória da química
História da química
 
Animais i
Animais   iAnimais   i
Animais i
 
Modelos atômicos 2016
Modelos atômicos 2016Modelos atômicos 2016
Modelos atômicos 2016
 
9 ano | Profª Shirley | substâncias e misturas
9 ano  | Profª Shirley | substâncias e misturas9 ano  | Profª Shirley | substâncias e misturas
9 ano | Profª Shirley | substâncias e misturas
 
Evolução
EvoluçãoEvolução
Evolução
 
Ilha Grande 2015
Ilha Grande 2015Ilha Grande 2015
Ilha Grande 2015
 

Semelhante a Animais do Reino Animal (20)

Poriferos
PoriferosPoriferos
Poriferos
 
Aula 7º ano - Reino Animalia (invertebrados)
Aula 7º ano - Reino Animalia (invertebrados)Aula 7º ano - Reino Animalia (invertebrados)
Aula 7º ano - Reino Animalia (invertebrados)
 
Reino Animalia
Reino Animalia Reino Animalia
Reino Animalia
 
Animais
AnimaisAnimais
Animais
 
Animais
AnimaisAnimais
Animais
 
001678868.pdf
001678868.pdf001678868.pdf
001678868.pdf
 
Peixes , anfíbios e répteis
Peixes , anfíbios e répteisPeixes , anfíbios e répteis
Peixes , anfíbios e répteis
 
Animais 110913184501-phpapp02
Animais 110913184501-phpapp02Animais 110913184501-phpapp02
Animais 110913184501-phpapp02
 
AULA ANIMAIS.pptx
AULA ANIMAIS.pptxAULA ANIMAIS.pptx
AULA ANIMAIS.pptx
 
Animais
AnimaisAnimais
Animais
 
7a série organismos invertebrados
7a série   organismos invertebrados7a série   organismos invertebrados
7a série organismos invertebrados
 
Trabalho de Biologia- Equinodermos e Nematelmintos ou Nematódeos
Trabalho de Biologia- Equinodermos e Nematelmintos ou NematódeosTrabalho de Biologia- Equinodermos e Nematelmintos ou Nematódeos
Trabalho de Biologia- Equinodermos e Nematelmintos ou Nematódeos
 
Artópodes e Equinodermos
Artópodes e EquinodermosArtópodes e Equinodermos
Artópodes e Equinodermos
 
Invertebrados
InvertebradosInvertebrados
Invertebrados
 
Vertebrados
VertebradosVertebrados
Vertebrados
 
Animais Invertebrados
Animais InvertebradosAnimais Invertebrados
Animais Invertebrados
 
Monstros abissais -3º B
Monstros abissais -3º BMonstros abissais -3º B
Monstros abissais -3º B
 
Poríferos e Cnidários
Poríferos e CnidáriosPoríferos e Cnidários
Poríferos e Cnidários
 
Poríferos e Cnidários
Poríferos e CnidáriosPoríferos e Cnidários
Poríferos e Cnidários
 
Peixes e anfíbios(1)
Peixes e anfíbios(1)Peixes e anfíbios(1)
Peixes e anfíbios(1)
 

Mais de Alpha Colégio e Vestibulares

Bioenergética i respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética i   respiração celular - aulas 31 e 32Bioenergética i   respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética i respiração celular - aulas 31 e 32Alpha Colégio e Vestibulares
 
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianasBiologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianasAlpha Colégio e Vestibulares
 
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino moneraBiologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino moneraAlpha Colégio e Vestibulares
 
Vírus - Tipos e Doenças Virais - Biologia A - Profª Lara
Vírus  - Tipos e Doenças Virais -  Biologia A - Profª LaraVírus  - Tipos e Doenças Virais -  Biologia A - Profª Lara
Vírus - Tipos e Doenças Virais - Biologia A - Profª LaraAlpha Colégio e Vestibulares
 
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e VerminosesProfª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e VerminosesAlpha Colégio e Vestibulares
 
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
 Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminosesAlpha Colégio e Vestibulares
 
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese - Aulas 35 e 36
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese  - Aulas 35 e 36Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese  - Aulas 35 e 36
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese - Aulas 35 e 36Alpha Colégio e Vestibulares
 
Bioenergética II - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Bioenergética II  - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.Bioenergética II  - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Bioenergética II - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.Alpha Colégio e Vestibulares
 

Mais de Alpha Colégio e Vestibulares (20)

Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
 
Estudo da Química
Estudo da QuímicaEstudo da Química
Estudo da Química
 
Evolução
EvoluçãoEvolução
Evolução
 
Bioenergética i respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética i   respiração celular - aulas 31 e 32Bioenergética i   respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética i respiração celular - aulas 31 e 32
 
Bioenergética respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética  respiração celular - aulas 31 e 32Bioenergética  respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética respiração celular - aulas 31 e 32
 
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianasBiologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
 
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino moneraBiologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
 
Vírus - Tipos e Doenças Virais - Biologia A - Profª Lara
Vírus  - Tipos e Doenças Virais -  Biologia A - Profª LaraVírus  - Tipos e Doenças Virais -  Biologia A - Profª Lara
Vírus - Tipos e Doenças Virais - Biologia A - Profª Lara
 
O Sistema Endócrino
O Sistema EndócrinoO Sistema Endócrino
O Sistema Endócrino
 
Diversidade da vida - Reinos e domínios
Diversidade da vida - Reinos e domíniosDiversidade da vida - Reinos e domínios
Diversidade da vida - Reinos e domínios
 
Os vírus - características e ação
Os vírus  - características e açãoOs vírus  - características e ação
Os vírus - características e ação
 
Gabarito caderno de exercícios 2
Gabarito caderno de exercícios 2Gabarito caderno de exercícios 2
Gabarito caderno de exercícios 2
 
Gabarito Caderno de Exercícios 2
Gabarito Caderno de Exercícios 2Gabarito Caderno de Exercícios 2
Gabarito Caderno de Exercícios 2
 
A origem da vida
A origem da vidaA origem da vida
A origem da vida
 
Sistemas de transporte
Sistemas de transporteSistemas de transporte
Sistemas de transporte
 
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e VerminosesProfª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
 
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
 Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
 
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese - Aulas 35 e 36
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese  - Aulas 35 e 36Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese  - Aulas 35 e 36
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese - Aulas 35 e 36
 
Bioenergética II - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Bioenergética II  - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.Bioenergética II  - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Bioenergética II - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
 

Último

Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 

Último (20)

“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 

Animais do Reino Animal

  • 2. REINO ANIMAL Surgem os primeiros animais
  • 3. REINO ANIMAL  São pluricelulares, ou seja, seu organismo é formado por mais de uma célula;  São eucariontes, ou seja, suas células apresentam núcleo organizado e envolvido por uma membrana;  São heterótrofos, ou seja, não produzem seu próprio alimento, precisando consumir outros seres vivos para se alimentar. Características gerais
  • 4. REINO ANIMAL Os animais apresentam diferenças entre si em tamanho, estrutura, modo de vida e em outras características. Há no mundo grande quantidade de animais.
  • 5. REINO ANIMAL – Filogenia possível dos animais
  • 6. Características:  Popularmente chamados de esponjas.  Vivem em diversos ambientes aquáticos, principalmente no mar, fixados no substrato, como rochas.  Apresentam corpo coberto por poros (orifícios).  Animais filtradores.  Algumas possuem espícula (pontas) – estruturas que auxiliam na sustentação. REINO ANIMAL – PORÍFEROS Representantes Esponja
  • 7. REINO ANIMAL - PORÍFEROS Estruturas do corpo de uma esponja
  • 8. REINO ANIMAL - PORÍFEROS As esponjas se alimentam por filtração:  Através de pequenos poros, a água penetra na esponja carregando alimento (pequenos animais, algas, protozoários e restos orgânicos) e gás oxigênio.  Elas possuem células especiais, denominadas coanócitos que capturam o alimento.  O batimento do flagelo dos coanócitos cria um fluxo de água que entra pelos poros e é eliminada por uma abertura maior, chamada ósculo. •
  • 9.
  • 10. REINO ANIMAL - PORÍFEROS
  • 11. REINO ANIMAL - PORÍFEROS 1. Por que as esponjas são chamadas de poríferos? Porque seu corpo apresenta milhares de poros, pequenas aberturas por onde a água penetra. 2. Por que a alimentação das esponjas é chamada de filtração? Porque os coanócitos possuem um flagelo cujo batimento cria um fluxo de água e captura partículas de alimento.
  • 12. REINO ANIMAL – CNIDÁRIOS Representantes Água-viva (vida livre) Corais (são fixos) – formam estruturas rochosas, os recifes de coral Anêmonas (maior parte do tempo são fixas, mas podem se deslocar, rastejando)
  • 13. REINO ANIMAL - CNIDÁRIOS Características:  Aquáticos em sua maioria marinhos.  Possuem tentáculos com células especializadas na defesa e na captura do alimento: o cnidócito (célula urticante).  Primeiros animais a apresentar uma cavidade digestiva (com abertura única para boca e ânus).  Podem apresentar duas formas corporais: pólipo (fixos em substrato) e medusa (livre e natante).
  • 14. REINO ANIMAL - CNIDÁRIOS
  • 15. REINO ANIMAL - CNIDÁRIOS
  • 16. REINO ANIMAL - CNIDÁRIOS Quando uma pessoa encosta nos tentáculos de uma água-viva, fazendo com que milhares de células liberem toxinas na pele da vítima que podem causar “queimaduras”. A dor é intensa e instantânea, como se fossem ferroadas. No caso da vespa-do- mar, a vítima pode sofrer até parada cardíaca. Queimadura de vespa-do-mar
  • 17. REINO ANIMAL – CNIDÁRIOS  São providos de esqueleto externo, calcário e duro – colônia de cnidários.  São ecossistemas com tamanha biodiversidade comparados a biomas como a Mata Atlântica e a Amazônia – base de boa parte das teias alimentares marinhas.  Estão sofrendo degradação por ação do homem: o branqueamento do coral (indicação de que ele morreu) devido à poluição das águas e à descarga de gás carbônico na atmosfera. Recifes de coral
  • 18. REINO ANIMAL - CNIDÁRIOS 1. Os cnidários podem apresentar duas formas de vida. Quais são elas? Qual delas tem maior capacidade de locomoção? Pólipo e medusa. As medusas têm maior capacidade de locomoção; os pólipos vivem fixos a substratos. 2. Por que o contato físico com os tentáculos de muitas espécies de águas-vivas pode ser perigoso? Porque, ao tocar a pele, milhares de células presentes nos tentáculos disparam toxinas que podem causar irritações, ardência e até paralisia. Dependendo da espécie, como no caso da vespa-do-mar, a vítima pode sofrer até parada cardíaca.
  • 19. REINO ANIMAL – PLATELMINTOS Representantes Planária Tênia Esquistossomo
  • 20. REINO ANIMAL - PLATELMINTOS Características:  Vermes achatados.  Muitas espécies habitam ambientes marinhos, de água doce ou terrestre úmido.  Podem ser de vida livre, como as planárias, ou parasitas como as tênias e os esquistossomos.  Primeiros animais a ter cabeça , dividindo o corpo em regiões anterior e região posterior.  Na cabeça concentram-se os órgãos dos sentidos como os ocelos que percebem a luminosidade.  Apresentam um sistema digestório incompleto (não possuem ânus, apenas boca).
  • 21. REINO ANIMAL – PLATELMINTOS Planárias  Se alimentam de matéria orgânica em decomposição ou de outros animais.  O alimento é capturado pela boca, passa pela faringe e cai na cavidade gastrovascular que ocupa praticamente todo o corpo até a cabeça.  Os ocelos – mecanismo de defesa (fugir da luz, proteger-se do calor, evitar desidratação e morte.
  • 22. REINO ANIMAL – PLATELMINTOS Planárias Às vezes, uma planária estica o corpo até se dividir em duas partes que dão origem a duas novas planárias. As planárias têm grande capacidade de regeneração. Às vezes, ao ser cortada em pedaços, cada um deles é capaz de se desenvolver e originar uma nova planária.
  • 23. REINO ANIMAL – PLATELMINTOS 1. Qual foi a principal novidade evolutiva dos platelmintos? A principal novidade evolutiva foi a aquisição da cabeça, o que possibilitou a divisão do corpo em regiões anterior e posterior. 2. Qual o papel dos ocelos? Os ocelos são incapazes de formar imagens, mas são sensíveis à luz, o que permite à planária sair de locais iluminados para se esconder.
  • 24. REINO ANIMAL – NEMATELMINTOS Representantes Lombriga (Ascaris lumbricoides) Ancilostoma (Ancylostoma duodenale)
  • 25. REINO ANIMAL – NEMATELMINTOS Características:  Vermes cilíndricos.  Vivem em ambientes aquáticos (marinho e doce) e terrestres úmidos.  Algumas espécies são parasitas de plantas e animais e causam doenças lombrigas e os ancilóstomos.  Em geral, são muito pequenos, microscópio.  Primeiros animais que adquiriram sistema disgestório completo, formado por boca, tubo digestório e ânus.
  • 26. REINO ANIMAL – NEMATELMINTOS 1. Qual foi a principal novidade evolutiva dos nematelmintos? Aquisição de um sistema disgestório completo, formado por boca, tubo digestório e ânus. 2. Por que as lombrigas fêmeas são maiores do que os machos? Porque elas produzem milhares de ovos.
  • 27. REINO ANIMAL – MOLUSCOS Representantes Ostra PolvoCaracol Lesma MexilhãoLula
  • 28. REINO ANIMAL – MOLUSCOS Características:  Apresentam corpo mole.  Têm o corpo dividido em cabeça, pé e massa visceral.  Alguns animais o pé modificou-se em tentáculos.  Muitos são protegidos por uma concha (protege o corpo e evita sua dessecação), produzida pelo manto.  Podem ser encontrados em ambientes aquáticos (marinhos e de água doce) e terrestres úmidos.
  • 29. REINO ANIMAL – MOLUSCOS
  • 30. REINO ANIMAL – MOLUSCOS Nutrição  Moluscos com duas conchas (ostras e mexilhões) se alimentam por filtração de matéria orgânica e plâncton da água.  Moluscos que possuem uma concha (caramujos e caracóis) se alimentam raspando algas e plantas que crescem sobre rochas.  Moluscos que não possuem conchas (lulas e polvos) são predadores, caçam peixes e outros animais com seus tentáculos.
  • 31. REINO ANIMAL – MOLUSCOS Reprodução  Lulas e polvos têm sexos separados (machos e fêmeas)  Caracóis são hermafroditas (um único animal tem ambos os sexos. Durante a copulação, os caracóis encostam a abertura dos órgãos reprodutores e cada um introduz no outro seus espermatozoides – ambos saem fecundados.
  • 32. REINO ANIMAL – MOLUSCOS  Ostra é o molusco responsável por produzir as pérolas, o que pode demorar muitos anos.  A formação de pérola se dá como resultado de um processo de defesa contra corpos estranhos.
  • 33. REINO ANIMAL – MOLUSCOS
  • 34. REINO ANIMAL – MOLUSCOS 1- Qual a importância da concha para os moluscos? A concha protege os órgãos internos (massa visceral) e evita a dessecação do animal. 2- Por que não são encontradas pérolas em todas as ostras? Porque as pérolas são resultado de um processo de defesa das ostras contra corpos estanhos que se alojam entre o manto e a concha. Para que haja formação de pérola é necessário que haja um corpo estranho no interior da concha.
  • 35. REINO ANIMAL – ANELÍDEO Representantes Minhoca Sanguessuga Poliqueto
  • 36. REINO ANIMAL – ANELÍDEO Características:  Os anelídeos têm o corpo alongado, cilíndrico e segmentado (dividido em anéis).  Os poliquetos (possui muitas cerdas, pelos) são exclusivamente aquáticos, a maioria em ambientes marinhos e rastejam pelo fundo do mar ou em praias sobre costões rochosos em busca de alimento.  Os poliquetos têm sexos separados (machos e fêmeas.
  • 37. REINO ANIMAL – ANELÍDEO  As sanguessugas vivem em rios, lagos e charcos.  São animais hematófagos (se alimentam de sangue) e possuem na uma substância anticoagulante.  São hermafroditas.  Não têm cerdas pelo corpo.
  • 38. REINO ANIMAL – ANELÍDEO  As minhocas vivem em rios, lagos e charcos, apesar de serem encontradas principalmente em ambientes terrestres úmidos.  Têm poucas cerdas pelo corpo.
  • 39. REINO ANIMAL – ANELÍDEO  As minhocas são saprofágicas (se alimentam de restos de vegetais decompostos presentes no solo – renovação da camada de húmus.  Vivem em túneis e galerias que constroem – benefício às plantas, pois facilita a areação do solo e a absorção de água.
  • 40. REINO ANIMAL – ANELÍDEO  As minhocas são hermafroditas.  No acasalamento as minhocas ficam unidas em sentidos opostos.  Após a cópula, ambas saem fecundadas e formará o casulo a partir do clitelo (anel mais claro e mais largo).  O casulo com os ovos migra em direção à região da boca até sair completamente.  Os ovos originarão jovens minhocas.
  • 41. REINO ANIMAL – ANELÍDEO 1- O que os três grupos de anelídeos têm em comum? A segmentação do corpo observada externamente na forma de vários anéis. 2- Quais características diferenciam principalmente os três grupos de anelídeos? A presença e a quantidade de cerdas no corpo.
  • 42. REINO ANIMAL – ARTRÓPODES Representantes
  • 43. REINO ANIMAL – ARTRÓPODES Características:  Pernas articuladas e estruturas anexas ao corpo, chamadas apêndices, que podem ter várias funções (locomoção, captura de alimento, defesa, reprodução, etc.)  Esqueleto externo, espécie de carapaça que sustenta e protege o corpo.
  • 45. ARTRÓPODES AQUÁTICOS CRUSTÁCEOS Os crustáceos têm variados hábitos de vida – definido pela forma dos apêndices.  As antenas (dois pares) permitem a percepção do ambiente em lagostas e camarões.  Com as garras, siris e caranguejos capturam alimentos, defendem-se de predadores, brigam entre si e os machos atraem as fêmeas.
  • 46. ARTRÓPODES AQUÁTICOS CRUSTÁCEOS  As pernas servem para a locomoção – caminhar ou nadar, e até reprodução.
  • 47. ARTRÓPODES AQUÁTICOS CRUSTÁCEOS  Os microcrustáceos e larvas (como as de camarão) são importantes componentes do zooplâncton, juntamente com o fitoplâncton torna-se o “prato principal” de boa parte da fauna aquática.
  • 48. ARTRÓPODES AQUÁTICOS CRUSTÁCEOS  As cracas vivem fixas em rochas, cascos de tartarugas, conchas de moluscos, carapaças de outros crustáceos, na pele de baleias e até nos cascos de navios.
  • 49. ARTRÓPODES AQUÁTICOS CRUSTÁCEOS  Vivem dentro de uma espécie de “vulcãozinho” que elas mesmas produzem, fechado por duas “tampinhas” (as valvas).  Se alimentam por filtração de pequenas partículas de matéria orgânica e de plâncton.  Quando está emersa (fora da água) a craca fecha suas valvas para se proteger de predadores e da desidratação.
  • 50. ARTRÓPODES AQUÁTICOS 1. Quais são as principais características dos artrópodes? Pernas articuladas e estruturas anexas ao corpo, chamadas apêndices e esqueleto externo (carapaça). 2. Qual a função dos apêndices? Pode ter várias funções (locomoção, captura de alimento, defesa, reprodução, etc.) 3. Qual a função do esqueleto externo? Sustentar e proteger o corpo.
  • 51. ARTRÓPODES AQUÁTICOS EQUINODERMOS Representantes Serpente-do-mar Ouriço-do-mar Estrela-do-mar Pepino-do-mar Lírio-do-mar Bolacha-de-praia
  • 52. Características:  Possuem espinhos na superfície do corpo.  Todas as espécies conhecidas são marinhas.  Possuem um esqueleto interno, que lhes dá forma característica. Em geral, ele é composto por pequenas placas articuladas – permitem realizar diversos movimentos. ARTRÓPODES AQUÁTICOS EQUINODERMOS
  • 53. ARTRÓPODES AQUÁTICOS EQUINODERMOS Características:  O corpo é dividido em cinco partes iguais, mesmo que não seja evidente em todas as espécies. Ex.: A estrela-do-mar tem cinco braços.  Possuem pés ambulacrais – são centenas de apêndices muito pequenos espalhados por todo o corpo dos equinodermos que servem para locomoção, levar o alimento até a boca e fixar-se nas rochas.
  • 55. ARTRÓPODES AQUÁTICOS EQUINODERMOS Locomoção:  Os ouriços-do-mar e as bolachas-da-praia só se locomovem usando os pés ambulacrais.  Os lírios-do-mar podem nadar usando os braços.  As estrelas-do-mar e as serpentes-do-mar podem rolar e andar usando os braços.
  • 56. ARTRÓPODES AQUÁTICOS EQUINODERMOS Nutrição:  As estrelas-do-mar são predadoras carnívoras, se alimentam preferencialmente de caramujos, mariscos, crustáceos e outros equinodermos. Elas conseguem abrir conchas para comer ostras e mexilhões.  As serpentes-do-mar e os lírios-do-mar se alimentam filtrando partículas presentes na água e de plâncton.  Os pepinos-do-mar alimentam-se de algas ou de restos de outros animais no fundo do mar.
  • 57. ARTRÓPODES AQUÁTICOS EQUINODERMOS Nutrição:  Os ouriços-do-mar se alimentam de algas, corais e esponjas usando suas placas raspadoras para raspar as rochas.
  • 58. ARTRÓPODES AQUÁTICOS EQUINODERMOS 1. Quais são as principais características dos equinodermos? A presença de espinhos na superfície do corpo, um esqueleto interno e pés ambulacrais. 2. Como se diferenciam os cinco grupos de equinodermos? Principalmente pelo formato do corpo e pelo número de braços.
  • 59. Referência bibliográfica Ensino Fundamental – Manual do professor (Ciências) – 7º Ano