SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 33
INVERTEBRADOS
São animais sem coluna vertebral. 
Os mais numerosos são: 
- artrópodos: insetos, aranhas, escorpiões 
e crustáceos; 
- moluscos: como caracóis, lesmas, 
mariscos, lulas e polvos. 
Embora algumas espécies possam 
causar prejuízos ao ser humano, 
inclusive em termos de saúde pública, 
muitas são benéficas, direta ou 
indiretamente.
• Existem descritas mais de um milhão de 
espécies animais. 
• Deste número, cerca de 5% possuem 
coluna vertebral e são conhecidos como 
vertebrados. Todas as outras (95%), o 
que inclui a maior parte do reino animal, 
são invertebrados.
• Os invertebrados possuem peculiaridades 
estruturais, terminologia anatômica 
especial e distinta classificação. 
• Todos estes fatores tendem a exagerar as 
diferenças entre os grupos e a ofuscar as 
semelhanças funcionais e estruturais que 
resultam de modos similares de existência 
e das condições similares do ambiente.
• Os mecanismos de alimentação desses animais 
estão intimamente relacionados ao seu modo de 
vida, que pode ser fixo ou séssil. 
• Apresentam patas ou podem se arrastar, nadar 
e flutuar. 
• Seus aparelhos digestivos podem ser completos 
(boca-ânus) ou não, podem retirar oxigênio da 
água ou do ar. 
• Vivem em todos os tipos de ambientes. 
• Sua alimentação é bastante variada 
• Se reproduzem de forma sexuada ou 
assexuada, podendo também ser hermafroditas.
• poríferos 
• celenterados 
• platelmintos 
• nematelmintos 
• anelídeos 
• moluscos 
• artrópodes 
• equinodermos.
Os poríferos 
Ou esponjas, surgiram há 
cerca de 1 bilhão de anos e, 
provavelmente, se 
originaram de seres 
unicelulares e heterotróficos 
que se agruparam em 
colônias. Possuem tecidos, 
mas não apresentam 
órgãos nem sistemas; são 
animais exclusivamente 
aquáticos. 
Haliclona
• As esponjas somente se locomovem quando 
elas ainda são bem jovens e pequenas. 
Esponja calcárea 
Pericharax 
Esponja silicanosa 
Cinachyra 
Esses animais 
não possuem 
órgãos 
especializados 
para digestão, 
excreção ou 
reprodução. 
Todas essas 
funções são 
realizadas por 
diferentes 
células.
• A reprodução dos poríferos pode ser 
assexuada ou sexuada. 
• A assexuada ocorre, por exemplo, por 
brotamento. Neste caso, formam-se 
brotos, que podem se separar do corpo 
do animal e dar origem a novas esponjas. 
• A sexuada é menos freqüente que a 
reprodução assexuada, mas ocorre em 
alguns tipos de esponjas.
Os celenterados 
Surgiram provavelmente 
entre 1 bilhão e 800 
milhões de anos atrás, 
depois dos poríferos, 
portanto. Ao contrário 
dos poríferos, os 
celenterados 
apresentam cavidade 
digestiva. São também 
animais exclusivamente 
aquáticos. 
anêmona 
Holuturia
Coral - pólipo 
crinóide 
Physalia
Moluscos: animais de corpo mole e 
protegido por concha 
Os moluscos são 
invertebrados que possuem 
um corpo mole geralmente 
protegido por uma concha 
calcária, ou valva. Se essa 
concha for formada por 
uma única peça, dizemos 
que o molusco é univalve; 
se a concha se dividir em 
duas partes, dizemos que 
ela é bivalve. Mas há 
também moluscos que não 
possuem concha, com a 
lesma e o polvo. 
Nautilus - polvo
• Grande parte dos 
moluscos vive no 
mar, como, por 
exemplo, a lula, o 
polvo e a maioria dos 
mariscos. Alguns, 
como a lesma e o 
caracol, vivem em 
terra; outros, como o 
caramujo dos rios, 
vivem em água doce.
Os moluscos e o Ser Humano 
Muitos moluscos são 
usados na alimentação ou 
como matéria-prima para a 
indústria. 
Polvos, mariscos, 
ostras e lulas, entre outros, 
além de saborosos, são 
muito nutritivos e ricos em 
proteínas, vitaminas, cálcio, 
fosfatos e outras 
substâncias.
Alguns moluscos são 
filtradores e acumulam 
resíduos de águas 
contaminadas no corpo. Por 
isso é importante comprá-los 
em locais que garantam 
segurança para serem usados 
na alimentação. 
Na indústria, as conchas dos 
moluscos são usadas para 
fabricar botões e bijuterias e 
também para fazer adubos.
As pérolas verdadeiras, de grande valor comercial, 
são produzidas por ostras. É a forma pela qual se 
defendem de objetos estranhos que penetram em 
seu corpo e ficam entre o manto e a concha. Assim, 
quando um grão de areia, por exemplo, penetra 
nesta região, a ostra produz camadas de 
madrepérola ao redor do grão, originando a pérola.
Equinodermos 
Animais exclusivamente 
marinhos, são dotados 
de uma esqueleto 
interno (endoesqueleto) 
calcário que emite 
espinhos salientes; daí o 
nome desse grupo 
(echinos = "espinho"; 
derma = "pele"). 
ouriço
Os asteróides são as 
estrelas-do-mar. Seu corpo 
geralmente contém cinco 
braços, mas há estrelas com 
até cinqüenta braços. 
As estrelas-do-mar não 
possuem olhos verdadeiros, 
mas apresentam, na 
extremidade de cada braço, 
uma mancha capaz de 
detectar diferenças na 
intensidade da luz. Na ponta 
de cada braço, possuem 
também um pé sem função 
locomotora, que serve para 
tatear o ambiente Throomidia catalari
Apresentam sexos separados. Em 
cada espécie existem machos e 
fêmeas. 
Reprodução: os machos lançam 
os espermatozóides na água e as 
fêmeas fazem o mesmo com os 
óvulos. Na água, um 
espermatozóide une-se a um 
óvulo, dando origem ao ovo. Dos 
ovos desenvolvem-se larvas, que 
se locomovem, próximas à 
superfície da água, por meio de 
cílios. Depois de algum tempo, as 
larvas vão para o fundo do mar e 
se transformam em equinodermos 
adultos. 
Holoturya pepino-do-mar 
ouriço
Platelmintos, Nematelmintos e Anelídeos - 
prox. Cap. 
Platelmintos - vermes de 
corpo achatado, em forma de 
fita; 
• Nematelmintos - vermes de 
corpo homogeneamente 
cilíndrico e afilado em ambas 
as extremidades; 
• Anelídeos - vermes de corpo 
dividido em anéis.
Apesar de os fósseis 
dos platelmintos, 
nematelmintos e 
anelídeos serem 
relativamente muito 
raros, calcula-se que 
esses animais 
surgiram 
provavelmente entre 1 
bilhão e 600 milhões 
de anos atrás. 
poliqueta
Os artrópodes 
formam o conjunto 
mais numeroso de 
animais. Eles 
habitam os mais 
diversos ambientes e 
podem ser terrestres 
ou aquáticos. 
cracas 
eupagouro
Os artrópodes 
Se você observar atentamente 
as pernas dos artrópodes, verá 
que elas tem "juntas" ou 
articulações. Daí o nome 
artrópodes. É uma palavra que 
vem do grego, onde arthron 
significa "articulação" e podos 
significa "pé". Artrópodes, 
portanto, é o mesmo que "pés 
articulados". 
Ácaro
• Possuem um esqueleto 
externo, denominado 
exoesqueleto. É o que se 
chama de "casca" na lagosta, 
no siri, no camarão, na 
barata, etc. 
•
• O exoesqueleto é 
resistente e limita o 
crescimento do animal. 
Assim, o exoesqueleto 
"velho" e limitante é 
trocado por um "novo" e 
"folgado", que permite a 
continuidade do 
crescimento. Essa troca 
de exoesqueleto, que 
pode ocorrer várias 
vezes durante a vida do 
animal, é chamada de 
muda ou ecdise. 
Comparação com 
armadura 
Cigarra trocando a 
muda
Curiosidades gerais 
• Você deve conhecer 
lagartas ou taturanas, 
mas talvez não saiba 
que elas são, na 
verdade, borboletas no 
estágio larval. A palavra 
taturana (ou tatarana) 
vem da língua tupi e 
significa "semelhante 
ao fogo" (tata = "fogo"; 
rana = "semelhante"). 
Lonomia 
Taturana
A extraordinária resistência 
da barata: a barata já estava 
presente na Terra quando 
surgiram os dinossauros, há 
cerca de 200 milhões de 
anos. Dinossauros e muitos 
outros animais se 
extinguiram, mas a barata 
continua por aqui. As 
baratas possuem uma 
glândula que produz o seu 
mau cheiro característico, 
que contribui para afastar 
alguns animais predadores.
• Os aracnídeos estão divididos em vários 
grupos. Dentre eles seguem as 
informações sobre os mais importantes: 
• Araneídeos - as aranhas; 
• Escorpionídeos - os escorpiões; e 
• Acarinos - os carrapatos e os ácaros.
• Aranha : sua teia é construída com uma 
espécie de proteína e quanto mais 
velhas elas ficam mais perfeitas são as 
teias que elas constroem com auxílio 
das fiandeiras. Borboleta importantes 
para a polinização das flores adaptam-se 
muito bem a vida na cidade e podem 
até agüentar bem altos índices de 
poluição servindo até como 
indicadores de alguns produtos 
tóxicos.
• Estrela do mar com seu grande poder 
de regeneração é capaz de reconstruir 
seus braços e voltar a sua forma 
normal. 
• Inseto a luz elétrica os atrai, pois os 
insetos noturnos se orientam pelo luar 
e quando saem para buscar alimento 
sabem que devem voar em certa 
direção em relação a Lua, como ela 
está muito longe, eles transferem este 
referencial para as lâmpadas.
• Mosca: os olhos compostos 
da mosca são formados por 
cerca de 400 facetas 
hexagonais. Sua vida média 
é 30 dias.
• Trabalho: 
• Invertebrados: Marinhos ou terrestres 
• Características físicas principais; 
• Habitat 
• Reprodução 
• Como obtêm alimento 
• Peçonha
fontes 
• http://www.animalshow.hpg.ig.com.br/invert.htm 
• http://www.todabiologia.com/zoologia/animais_in 
vertebrados.htm 
• http://paginas.terra.com.br/educacao/sariego/inv 
ertebrados.htm 
• http://paginas.terra.com.br/educacao/sariego/inv 
ertebrados.htm#Poriferos 
• http://images.google.com.br/images? 
q=exoesqueleto&ndsp=20&svnum=10&um=1&hl 
=pt-BR&start=60&sa=N

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula - Anfíbios e Répteis (7° ano)
Aula - Anfíbios e Répteis (7° ano)Aula - Anfíbios e Répteis (7° ano)
Aula - Anfíbios e Répteis (7° ano)Janaina Alves
 
Classificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres VivosClassificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres VivosJuliana Mendes
 
Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)
Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)
Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)Leonardo Kaplan
 
Aula completa reino protista
Aula completa reino protistaAula completa reino protista
Aula completa reino protistaNelson Costa
 
I.3 classificação seres vivos
I.3 classificação seres vivosI.3 classificação seres vivos
I.3 classificação seres vivosRebeca Vale
 
Aula de Biologia - Vertebrados (Peixes e Anfíbios) - 2° Ano Ensino Médio
Aula de Biologia - Vertebrados (Peixes e Anfíbios) - 2° Ano Ensino MédioAula de Biologia - Vertebrados (Peixes e Anfíbios) - 2° Ano Ensino Médio
Aula de Biologia - Vertebrados (Peixes e Anfíbios) - 2° Ano Ensino MédioRonaldo Santana
 
Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidáriosPoríferos e cnidários
Poríferos e cnidáriosFabiano Reis
 
V.2 Briófitas e Pteridófitas
V.2 Briófitas e PteridófitasV.2 Briófitas e Pteridófitas
V.2 Briófitas e PteridófitasRebeca Vale
 
Animais invertebrados parte 1
Animais invertebrados   parte 1Animais invertebrados   parte 1
Animais invertebrados parte 1Grazi Grazi
 
Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)Bio
 

Mais procurados (20)

Aula - Anfíbios e Répteis (7° ano)
Aula - Anfíbios e Répteis (7° ano)Aula - Anfíbios e Répteis (7° ano)
Aula - Anfíbios e Répteis (7° ano)
 
Classificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres VivosClassificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres Vivos
 
Reino Plantas
Reino PlantasReino Plantas
Reino Plantas
 
Poriferos
PoriferosPoriferos
Poriferos
 
Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)
Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)
Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)
 
IV.4 aves
IV.4 avesIV.4 aves
IV.4 aves
 
Células
CélulasCélulas
Células
 
Aula completa reino protista
Aula completa reino protistaAula completa reino protista
Aula completa reino protista
 
7 ano invertebrados
7 ano invertebrados7 ano invertebrados
7 ano invertebrados
 
Répteis
RépteisRépteis
Répteis
 
I.3 classificação seres vivos
I.3 classificação seres vivosI.3 classificação seres vivos
I.3 classificação seres vivos
 
Aula de Biologia - Vertebrados (Peixes e Anfíbios) - 2° Ano Ensino Médio
Aula de Biologia - Vertebrados (Peixes e Anfíbios) - 2° Ano Ensino MédioAula de Biologia - Vertebrados (Peixes e Anfíbios) - 2° Ano Ensino Médio
Aula de Biologia - Vertebrados (Peixes e Anfíbios) - 2° Ano Ensino Médio
 
IV.2 Anfíbios
IV.2 AnfíbiosIV.2 Anfíbios
IV.2 Anfíbios
 
Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidáriosPoríferos e cnidários
Poríferos e cnidários
 
V.2 Briófitas e Pteridófitas
V.2 Briófitas e PteridófitasV.2 Briófitas e Pteridófitas
V.2 Briófitas e Pteridófitas
 
Células
CélulasCélulas
Células
 
Animais invertebrados parte 1
Animais invertebrados   parte 1Animais invertebrados   parte 1
Animais invertebrados parte 1
 
Reprodução assexuada e sexuada
Reprodução assexuada  e sexuadaReprodução assexuada  e sexuada
Reprodução assexuada e sexuada
 
Ecologia 3º ano
Ecologia 3º anoEcologia 3º ano
Ecologia 3º ano
 
Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)
 

Semelhante a Inv Marinhos Terrestres (20)

001678868.pdf
001678868.pdf001678868.pdf
001678868.pdf
 
Animais
AnimaisAnimais
Animais
 
Resumo: Filo Artrópodes
Resumo: Filo ArtrópodesResumo: Filo Artrópodes
Resumo: Filo Artrópodes
 
Animais 110913184501-phpapp02
Animais 110913184501-phpapp02Animais 110913184501-phpapp02
Animais 110913184501-phpapp02
 
Animais
AnimaisAnimais
Animais
 
7a série organismos invertebrados
7a série   organismos invertebrados7a série   organismos invertebrados
7a série organismos invertebrados
 
Repteis
RepteisRepteis
Repteis
 
Apresentação animais
Apresentação   animaisApresentação   animais
Apresentação animais
 
Peixes , anfíbios e répteis
Peixes , anfíbios e répteisPeixes , anfíbios e répteis
Peixes , anfíbios e répteis
 
Artropodes
ArtropodesArtropodes
Artropodes
 
repteis.pdf.............................
repteis.pdf.............................repteis.pdf.............................
repteis.pdf.............................
 
Animais invertebrdos e vertebrados
Animais invertebrdos e vertebradosAnimais invertebrdos e vertebrados
Animais invertebrdos e vertebrados
 
Artópodes e Equinodermos
Artópodes e EquinodermosArtópodes e Equinodermos
Artópodes e Equinodermos
 
Artrópodes e equinodermos
Artrópodes e equinodermosArtrópodes e equinodermos
Artrópodes e equinodermos
 
Invertebrados
InvertebradosInvertebrados
Invertebrados
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
 
Répteis
RépteisRépteis
Répteis
 
Animais vertebrados ectotérmicos
Animais vertebrados ectotérmicosAnimais vertebrados ectotérmicos
Animais vertebrados ectotérmicos
 
AULA ANIMAIS.pptx
AULA ANIMAIS.pptxAULA ANIMAIS.pptx
AULA ANIMAIS.pptx
 

Último

REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdfSíndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdfVctorJuliao
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
GuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdf
GuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdfGuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdf
GuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdfLeandroDoValle2
 
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humanajosecavalcante88019
 
Aula capitulo 10 - Recombinacao Genica.ppt
Aula capitulo 10 - Recombinacao Genica.pptAula capitulo 10 - Recombinacao Genica.ppt
Aula capitulo 10 - Recombinacao Genica.pptAugustoCsar653220
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 

Último (14)

REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdfSíndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
GuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdf
GuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdfGuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdf
GuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdf
 
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
 
Aula capitulo 10 - Recombinacao Genica.ppt
Aula capitulo 10 - Recombinacao Genica.pptAula capitulo 10 - Recombinacao Genica.ppt
Aula capitulo 10 - Recombinacao Genica.ppt
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 

Inv Marinhos Terrestres

  • 2. São animais sem coluna vertebral. Os mais numerosos são: - artrópodos: insetos, aranhas, escorpiões e crustáceos; - moluscos: como caracóis, lesmas, mariscos, lulas e polvos. Embora algumas espécies possam causar prejuízos ao ser humano, inclusive em termos de saúde pública, muitas são benéficas, direta ou indiretamente.
  • 3. • Existem descritas mais de um milhão de espécies animais. • Deste número, cerca de 5% possuem coluna vertebral e são conhecidos como vertebrados. Todas as outras (95%), o que inclui a maior parte do reino animal, são invertebrados.
  • 4. • Os invertebrados possuem peculiaridades estruturais, terminologia anatômica especial e distinta classificação. • Todos estes fatores tendem a exagerar as diferenças entre os grupos e a ofuscar as semelhanças funcionais e estruturais que resultam de modos similares de existência e das condições similares do ambiente.
  • 5. • Os mecanismos de alimentação desses animais estão intimamente relacionados ao seu modo de vida, que pode ser fixo ou séssil. • Apresentam patas ou podem se arrastar, nadar e flutuar. • Seus aparelhos digestivos podem ser completos (boca-ânus) ou não, podem retirar oxigênio da água ou do ar. • Vivem em todos os tipos de ambientes. • Sua alimentação é bastante variada • Se reproduzem de forma sexuada ou assexuada, podendo também ser hermafroditas.
  • 6. • poríferos • celenterados • platelmintos • nematelmintos • anelídeos • moluscos • artrópodes • equinodermos.
  • 7. Os poríferos Ou esponjas, surgiram há cerca de 1 bilhão de anos e, provavelmente, se originaram de seres unicelulares e heterotróficos que se agruparam em colônias. Possuem tecidos, mas não apresentam órgãos nem sistemas; são animais exclusivamente aquáticos. Haliclona
  • 8. • As esponjas somente se locomovem quando elas ainda são bem jovens e pequenas. Esponja calcárea Pericharax Esponja silicanosa Cinachyra Esses animais não possuem órgãos especializados para digestão, excreção ou reprodução. Todas essas funções são realizadas por diferentes células.
  • 9. • A reprodução dos poríferos pode ser assexuada ou sexuada. • A assexuada ocorre, por exemplo, por brotamento. Neste caso, formam-se brotos, que podem se separar do corpo do animal e dar origem a novas esponjas. • A sexuada é menos freqüente que a reprodução assexuada, mas ocorre em alguns tipos de esponjas.
  • 10. Os celenterados Surgiram provavelmente entre 1 bilhão e 800 milhões de anos atrás, depois dos poríferos, portanto. Ao contrário dos poríferos, os celenterados apresentam cavidade digestiva. São também animais exclusivamente aquáticos. anêmona Holuturia
  • 11. Coral - pólipo crinóide Physalia
  • 12. Moluscos: animais de corpo mole e protegido por concha Os moluscos são invertebrados que possuem um corpo mole geralmente protegido por uma concha calcária, ou valva. Se essa concha for formada por uma única peça, dizemos que o molusco é univalve; se a concha se dividir em duas partes, dizemos que ela é bivalve. Mas há também moluscos que não possuem concha, com a lesma e o polvo. Nautilus - polvo
  • 13. • Grande parte dos moluscos vive no mar, como, por exemplo, a lula, o polvo e a maioria dos mariscos. Alguns, como a lesma e o caracol, vivem em terra; outros, como o caramujo dos rios, vivem em água doce.
  • 14. Os moluscos e o Ser Humano Muitos moluscos são usados na alimentação ou como matéria-prima para a indústria. Polvos, mariscos, ostras e lulas, entre outros, além de saborosos, são muito nutritivos e ricos em proteínas, vitaminas, cálcio, fosfatos e outras substâncias.
  • 15. Alguns moluscos são filtradores e acumulam resíduos de águas contaminadas no corpo. Por isso é importante comprá-los em locais que garantam segurança para serem usados na alimentação. Na indústria, as conchas dos moluscos são usadas para fabricar botões e bijuterias e também para fazer adubos.
  • 16. As pérolas verdadeiras, de grande valor comercial, são produzidas por ostras. É a forma pela qual se defendem de objetos estranhos que penetram em seu corpo e ficam entre o manto e a concha. Assim, quando um grão de areia, por exemplo, penetra nesta região, a ostra produz camadas de madrepérola ao redor do grão, originando a pérola.
  • 17. Equinodermos Animais exclusivamente marinhos, são dotados de uma esqueleto interno (endoesqueleto) calcário que emite espinhos salientes; daí o nome desse grupo (echinos = "espinho"; derma = "pele"). ouriço
  • 18. Os asteróides são as estrelas-do-mar. Seu corpo geralmente contém cinco braços, mas há estrelas com até cinqüenta braços. As estrelas-do-mar não possuem olhos verdadeiros, mas apresentam, na extremidade de cada braço, uma mancha capaz de detectar diferenças na intensidade da luz. Na ponta de cada braço, possuem também um pé sem função locomotora, que serve para tatear o ambiente Throomidia catalari
  • 19. Apresentam sexos separados. Em cada espécie existem machos e fêmeas. Reprodução: os machos lançam os espermatozóides na água e as fêmeas fazem o mesmo com os óvulos. Na água, um espermatozóide une-se a um óvulo, dando origem ao ovo. Dos ovos desenvolvem-se larvas, que se locomovem, próximas à superfície da água, por meio de cílios. Depois de algum tempo, as larvas vão para o fundo do mar e se transformam em equinodermos adultos. Holoturya pepino-do-mar ouriço
  • 20. Platelmintos, Nematelmintos e Anelídeos - prox. Cap. Platelmintos - vermes de corpo achatado, em forma de fita; • Nematelmintos - vermes de corpo homogeneamente cilíndrico e afilado em ambas as extremidades; • Anelídeos - vermes de corpo dividido em anéis.
  • 21. Apesar de os fósseis dos platelmintos, nematelmintos e anelídeos serem relativamente muito raros, calcula-se que esses animais surgiram provavelmente entre 1 bilhão e 600 milhões de anos atrás. poliqueta
  • 22. Os artrópodes formam o conjunto mais numeroso de animais. Eles habitam os mais diversos ambientes e podem ser terrestres ou aquáticos. cracas eupagouro
  • 23. Os artrópodes Se você observar atentamente as pernas dos artrópodes, verá que elas tem "juntas" ou articulações. Daí o nome artrópodes. É uma palavra que vem do grego, onde arthron significa "articulação" e podos significa "pé". Artrópodes, portanto, é o mesmo que "pés articulados". Ácaro
  • 24. • Possuem um esqueleto externo, denominado exoesqueleto. É o que se chama de "casca" na lagosta, no siri, no camarão, na barata, etc. •
  • 25. • O exoesqueleto é resistente e limita o crescimento do animal. Assim, o exoesqueleto "velho" e limitante é trocado por um "novo" e "folgado", que permite a continuidade do crescimento. Essa troca de exoesqueleto, que pode ocorrer várias vezes durante a vida do animal, é chamada de muda ou ecdise. Comparação com armadura Cigarra trocando a muda
  • 26. Curiosidades gerais • Você deve conhecer lagartas ou taturanas, mas talvez não saiba que elas são, na verdade, borboletas no estágio larval. A palavra taturana (ou tatarana) vem da língua tupi e significa "semelhante ao fogo" (tata = "fogo"; rana = "semelhante"). Lonomia Taturana
  • 27. A extraordinária resistência da barata: a barata já estava presente na Terra quando surgiram os dinossauros, há cerca de 200 milhões de anos. Dinossauros e muitos outros animais se extinguiram, mas a barata continua por aqui. As baratas possuem uma glândula que produz o seu mau cheiro característico, que contribui para afastar alguns animais predadores.
  • 28. • Os aracnídeos estão divididos em vários grupos. Dentre eles seguem as informações sobre os mais importantes: • Araneídeos - as aranhas; • Escorpionídeos - os escorpiões; e • Acarinos - os carrapatos e os ácaros.
  • 29. • Aranha : sua teia é construída com uma espécie de proteína e quanto mais velhas elas ficam mais perfeitas são as teias que elas constroem com auxílio das fiandeiras. Borboleta importantes para a polinização das flores adaptam-se muito bem a vida na cidade e podem até agüentar bem altos índices de poluição servindo até como indicadores de alguns produtos tóxicos.
  • 30. • Estrela do mar com seu grande poder de regeneração é capaz de reconstruir seus braços e voltar a sua forma normal. • Inseto a luz elétrica os atrai, pois os insetos noturnos se orientam pelo luar e quando saem para buscar alimento sabem que devem voar em certa direção em relação a Lua, como ela está muito longe, eles transferem este referencial para as lâmpadas.
  • 31. • Mosca: os olhos compostos da mosca são formados por cerca de 400 facetas hexagonais. Sua vida média é 30 dias.
  • 32. • Trabalho: • Invertebrados: Marinhos ou terrestres • Características físicas principais; • Habitat • Reprodução • Como obtêm alimento • Peçonha
  • 33. fontes • http://www.animalshow.hpg.ig.com.br/invert.htm • http://www.todabiologia.com/zoologia/animais_in vertebrados.htm • http://paginas.terra.com.br/educacao/sariego/inv ertebrados.htm • http://paginas.terra.com.br/educacao/sariego/inv ertebrados.htm#Poriferos • http://images.google.com.br/images? q=exoesqueleto&ndsp=20&svnum=10&um=1&hl =pt-BR&start=60&sa=N