SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
OS ANFÍBIOS
(Anfi) 2 + (Bio) Vida
São animais que apresentam 2 formas de vida.
Uma fase larval que se inicia na água (que são os
girinos) e após sofrer uma metamorfose vão se
transformar no indivíduo adulto que é
encontrado no ambiente terrestre.
Ex: sapos, pererecas, rãs, salamandras.
1- Quais as características dos
ANFÍBIOS?
• São animais ectotérmicos, ou seja, a temperatura corporal
varia de acordo com o ambiente;
• Possuem uma respiração cutânea (pela pele, por isso são tão
úmidas para absorver o oxigênio) e respiração pulmonar
(pelos pulmões quando adultos, mas na primeira fase de vida
quando são girinos, tem respiração branquial, pois estão na
água);
• Tem uma longa língua pegajosa e algumas espécies tem
dentes bem pequenos ;
• Sua reprodução é ovípora, ou seja, colocam ovos mas a
fecundação é externa, depende da água.
2. Dar o nome de 3 ordens pertencentes à classe
Amphibia e citar as principais diferenças entre elas.
Anuros – São aqueles que não possuem cauda e
possuem quatro pernas.
Exemplos: sapos, rãs e pererecas.
Urodelos – Possuem um longa calda, corpo alongado,
pele furta cor, quatro patas curtas.
Exemplo: Salamandras e tritões.
Ápodes - Não possuem patas e tem corpo cilíndrico e
comprido.
Exemplos: Cobras-cegas
3. Popularmente, para se diferenciar entre anuros
utilizam-se os nomes sapos, pererecas e rãs.
Como podemos fazer para diferenciar entre estes 3
tipos de anuros? Use imagens.
Sapo
• Habitam em terra firme.
• Possuem de 2 a 25 centímetros.
• Existem cerca de 300 espécies.
Tem a ele rugosa e cheia de
verrugas. Suas patas são adaptadas
a vida terrestre, são curtas, e fazem
com que dê pulos limitados e
desajeitados.
Graças as glândulas na região
dorsal, o sapo libera veneno que
pode irritar nossos olhos e as
mucosas. Mas o veneno só pode
ser expelido se o animal sofrer
uma pressão externa, como ser
pisado por exemplo, ele não
respinga veneno.
Rã
• Habitam principalmente em
lagoas.
• Podem medir de 9,8 milímetros a
30 centímetros.
• Existem mais de 4 mil espécies.
Ela tem a pele lisa e brilhante. Suas
patas são longas e correspondem a
mais da metade do seu tamanho. As
patas traseiras são adaptadas para
saltos e possuem uma membrana que
ligam os dedos e que ajudam a rã a
nadar.
Não possuem glândula de veneno. E
se o sapo assusta pelo veneno, a rã é
considerada um prato sofisticado em
alguns países.
Perereca
• Muito encontrada em galhos de
árvores.
• Possuem menos que 10 centímetros.
• Existem mais de 700 espécies.
Possuem pele lisa, suas pernas finas e
longas permitem grandes saltos
(algumas alcançam a marca de 2 metros
de distância). Na ponta dos dedos da
perereca possuem um tipo de ventosa,
que ajuda a subir nas árvores. Em geral,
a perereca é menor que um sapo ou
uma rã e tem como característica os
olhos esbugalhados, deslocados para
fora.
Não possuem glândulas de veneno, mas
muitas espécies possuem toxinas na
pele, sendo altamente tóxicas.
4. Como os anfíbios se protegem?
R: Tem a pigmentação da pele de acordo com o
ambiente onde vivem para se camuflar.
Os sapos se escondem atrás de pedras, troncos e
arbustos.
As rãs saltam para o fundo d'água, se escondem
também no lodo.
As pererecas vivem escondidas atrás das prateleiras
ou atrás do lavatório nos banheiros.
5. Fazer uma coleção através de fotos ou imagens
retiradas de livro ou internet de 10 diferentes espécies
de anfíbios encontrados em seu Estado ou País.
6. Descrever ou esquematizar o ciclo de vida de um anuro.
1º - Acasalamento
Sapos machos e fêmeas acasalam na água ou nas plantas, dependendo das
espécies.
Então, o macho abraça a fêmea no que é chamado de amplexo.
2º - Desova
O sapo fêmea libera os ovos para que o macho os fertilize. Ao contrário dos
mamíferos, nos sapos a fertilização ocorre fora do corpo.
3º - Ovos
A maioria dos ovos não vai prosperar. Alguns servirão de alimento para outros
pequenos animais e pássaros e outros não serão fertilizados. Também haverá
alguns que secarão ao sol em áreas onde não há água.
Os ovos que sobreviverem eclodem cerca de 7 ou 9 dias depois
4º - O girino
O girino é uma pequena criatura semelhante a um peixe. Nos primeiros 7 dias
de vida, o girino se alimenta da clara de ovo que ainda possui no interior. As
únicas partes que têm um girino são a cauda, ​​boca e brânquias. Após mais 7
dias de desenvolvimento, o girino poderá nadar sozinho e comer algas da
superfície da água.
5º - Desenvolvimento dos girinos
Após quatro semanas de vida, o girino começa a crescer dentes e também a
pele nas brânquias.
Além disso, torna-se um ser social e nada em grupos como peixes. Entre as
semanas 6 e 9, o girino começa a crescer de tamanho e a desenvolver uma
forma de cabeça e pernas.
No final da semana 9, o girino se parece mais com um sapo do que com um
peixe, mas com uma cauda longa. Nesta fase, também começa a se alimentar
de pequenos insetos e larvas também na água.
6º - Metamorfose de sapos
Entre as semanas 9 e 12, a metamorfose do sapo começa a tomar forma.
O girino, que naquele momento parece um pequeno sapo com uma cauda
longa, perde a maior parte dessa cauda. Também cresce a língua do sapo e
começa a parecer um pequeno sapo.
Finalmente, o ciclo de vida é concluído em cerca de 16 semanas, quando o
sapo se torna adulto.
7. Explicar o valor econômico dos anfíbios.
R: Os anfíbios tem grande valor para os agricultores, porque comem
insetos nocivos às plantações.
Eles são úteis porque com seu grande apetite comem muitos vermes,
gafanhotos, lagartas e insetos nocivos de várias espécies. Por isso
não devemos matá-los ou maltratá-los.
Enquanto girinos, se alimentam de larvas, quebrando o ciclo dos
mosquitos vetores de doença, como: Dengue, Zika e Chikungunya
assim menos mosquitos se desenvolvem e menos pessoas adoecem.
Milhões deixam de ser gastos na área da saúde beneficiando a
economia do país.
8. Onde os sapos passam o inverno e a estação
seca
R: Inverno – Alguns sapos que vivem no centro e no norte dos Estados
Unidos fazem parte do grupo das pseudacris – são animais que vivem
em regiões muito frias, passam o inverno congelados.
As pseudacris liberam substâncias no sangue, semelhantes à glicose,
que impedem que o gelo forme pontas cortantes que possam feri-las.
Elas têm ainda mecanismos bioquímicos para se proteger da morte das
células. Enquanto estão congeladas, as pseudacris permanecem em
estado de torpor, semelhante à hibernação. Quando a temperatura
volta a subir, elas descongelam e acordam.
No Brasil, as espécies de sapos acumulam gordura nos períodos mais
quentes e, no inverno, ficam em lugares mais abrigados, como cascas
de árvores, ou se enterram, entrando em estado de torpor sem
congelar.
Estação Seca – A estivação é um fenômeno praticado por
animais que vivem em desertos ou em climas tropicais.
Alguns biólogos definem estivação como o estado de
letargia induzida em animais por calor seco excessivo.
Para se defender, muitos animais entram em sono
profundo ou sono estival, quando as condições climáticas
se tornam muito quentes e secas para ser possível a
sobrevivência. Geralmente neste processo algumas
espécies fazem covas no solo, onde a temperatura
permanece fria, e reduzem a atividade metabólica de
maneira similar à hibernação.
9. Qual parte do corpo é utilizada para amplificar os sons que os
anuros produzem? Tanto machos quanto fêmeas são capazes de
coachar ? Para que os anuros utilizam seus coachos?
R: Os anuros emitem sons que variam desde o alto chiado da
perereca ao forte coaxar do sapo-boi. Esses sons, produzidos
através da expulsão do ar dos pulmões, estão relacionados ao
reconhecimento da espécie e ao acasalamento.
Algumas espécies apresentam sacos vocais, que distendidos,
atuam como caixas de ressonância, amplificando o som.
Os sapos e pererecas possuem apenas um saco vocal; as rãs
têm dois sacos laterais. Somente os machos coaxam e as
fêmeas são mudas.
10. Observar um anfíbio em seu habitat natural
ou cativeiro por cerca de 15 minutos e escrever
um relatório sobre o que você observou.
Item prático
11. Do que e como a maioria dos anuros se alimenta?
R: Na fase adulta todos são carnívoros e se
alimentam principalmente de insetos, minhocas,
aranhas, caramujos, lesmas e de outros animais
invertebrados. Em geral, utilizam a visão para a
detecção de presas e as apanham com sua forte
língua.
Phyllobates terribilis
É uma rã encontrado na Holanda. Ela é a espécie pequena, mas
perigosa do planeta, o suficiente para matar um elefante e 20
pessoas de uma só vez (um ser humano pode morrer, mesmo por
tocá-la). Foram identificadas mais de 100 toxinas nesta espécie. Sua
toxina ataca o coração e leva à insuficiência cardíaca.
Phyllomedusa
bicolor
Eles aparentam como a folha, também conhecidos
como sapo verde da Amazônia. O veneno deste sapo
perigoso causa sedação, distúrbio gástrico e
alucinação, sendo uma das espécies de sapos mais
venenosas do mundo.
O fator mais interessante é que suas toxinas são
usadas em tratamento de câncer e AIDS.
A Maior RÃ do Mundo
A rã-golias , que pode ter 35
centímetros e 3,5 Kg, o seu peso
equivalente ao de um gato! Tem uma
capacidade de salto notória, podendo
saltar cerca de 3 metros de uma só
vez, embora se canse rapidamente
após dois ou três saltos. Vive nas
regiões de Camarões e Guiné
Equatorial. O animal está em extinção
porque é muito procurado por
colecionadores. Nos Estados Unidos,
por exemplo, pode chega a custar até
3 mil dólares!
O Menor Anfíbio do Brasil
Brachycephalus
didactylus é o menor
sapo do Brasil , é do
tamanho de uma mosca
doméstica com
comprimento
aproximado de 7,7
milímetros. Foi
encontrado na Mata
Atlântica do Rio de
Janeiro.
Sapo come escorpião...
Um estudo do Instituto
Butantan, publicado na
revista Toxicon,
comprovou que a
espécie Rhinella icterica
, conhecida como sapo
Cururu ou sapo boi, é
imune ao veneno do
escorpião amarelo,
sendo seu predador
natural.
Especilaidade anfibios.pptx

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Roteiros de aulas práticas roteiro 1 microscópio óptico
Roteiros de aulas práticas roteiro 1 microscópio ópticoRoteiros de aulas práticas roteiro 1 microscópio óptico
Roteiros de aulas práticas roteiro 1 microscópio óptico
Célia Maria Antunes
 
Livro Virtual Nova Versão dos Três Porquinhos
Livro Virtual Nova Versão dos Três PorquinhosLivro Virtual Nova Versão dos Três Porquinhos
Livro Virtual Nova Versão dos Três Porquinhos
SterCoracin
 
7º ano cap 4 biodiversidade e classificação dos seres vivos
7º ano cap 4  biodiversidade e classificação dos seres vivos7º ano cap 4  biodiversidade e classificação dos seres vivos
7º ano cap 4 biodiversidade e classificação dos seres vivos
ISJ
 
Filo artrópodes 04 crustáceos - características e anatomia
Filo artrópodes 04   crustáceos - características e anatomiaFilo artrópodes 04   crustáceos - características e anatomia
Filo artrópodes 04 crustáceos - características e anatomia
prestao
 
7º ano - Estudo da Célula
7º ano - Estudo da Célula7º ano - Estudo da Célula
7º ano - Estudo da Célula
simbiotica.org
 

Mais procurados (20)

As Folhas - Classificação
As Folhas - ClassificaçãoAs Folhas - Classificação
As Folhas - Classificação
 
7 ano Fungos
7 ano Fungos7 ano Fungos
7 ano Fungos
 
Apresentação plantas
Apresentação plantasApresentação plantas
Apresentação plantas
 
Aula tecidos vegetais
Aula tecidos vegetaisAula tecidos vegetais
Aula tecidos vegetais
 
Reprodução das plantas
Reprodução das plantasReprodução das plantas
Reprodução das plantas
 
A Fonte Energética da Vida - O Sol e a Fotossíntese
A Fonte Energética da Vida - O Sol e a FotossínteseA Fonte Energética da Vida - O Sol e a Fotossíntese
A Fonte Energética da Vida - O Sol e a Fotossíntese
 
Aula plantas
Aula plantasAula plantas
Aula plantas
 
Roteiros de aulas práticas roteiro 1 microscópio óptico
Roteiros de aulas práticas roteiro 1 microscópio ópticoRoteiros de aulas práticas roteiro 1 microscópio óptico
Roteiros de aulas práticas roteiro 1 microscópio óptico
 
Doenças bacterianas
Doenças bacterianasDoenças bacterianas
Doenças bacterianas
 
Estrutura e partes das plantas
Estrutura e partes das plantasEstrutura e partes das plantas
Estrutura e partes das plantas
 
BIOMAS 7º ANO.ppt
BIOMAS 7º ANO.pptBIOMAS 7º ANO.ppt
BIOMAS 7º ANO.ppt
 
Livro Virtual Nova Versão dos Três Porquinhos
Livro Virtual Nova Versão dos Três PorquinhosLivro Virtual Nova Versão dos Três Porquinhos
Livro Virtual Nova Versão dos Três Porquinhos
 
Animais domésticos e Selvagens
Animais domésticos e SelvagensAnimais domésticos e Selvagens
Animais domésticos e Selvagens
 
7º ano cap 4 biodiversidade e classificação dos seres vivos
7º ano cap 4  biodiversidade e classificação dos seres vivos7º ano cap 4  biodiversidade e classificação dos seres vivos
7º ano cap 4 biodiversidade e classificação dos seres vivos
 
Exercícios de Ciências extras
Exercícios de Ciências extrasExercícios de Ciências extras
Exercícios de Ciências extras
 
Animais
AnimaisAnimais
Animais
 
Filo artrópodes 04 crustáceos - características e anatomia
Filo artrópodes 04   crustáceos - características e anatomiaFilo artrópodes 04   crustáceos - características e anatomia
Filo artrópodes 04 crustáceos - características e anatomia
 
7º ano - Estudo da Célula
7º ano - Estudo da Célula7º ano - Estudo da Célula
7º ano - Estudo da Célula
 
plantae
plantaeplantae
plantae
 
Reino Vegetal - 7o ano
Reino Vegetal - 7o anoReino Vegetal - 7o ano
Reino Vegetal - 7o ano
 

Semelhante a Especilaidade anfibios.pptx

Aula anfíbios
Aula anfíbiosAula anfíbios
Aula anfíbios
Dacoli
 
RéPteis Slide
RéPteis SlideRéPteis Slide
RéPteis Slide
Daniela
 

Semelhante a Especilaidade anfibios.pptx (20)

ESPECIALIDADE DE ANFIBIOS (2).pdf
ESPECIALIDADE DE ANFIBIOS (2).pdfESPECIALIDADE DE ANFIBIOS (2).pdf
ESPECIALIDADE DE ANFIBIOS (2).pdf
 
Curiosidades sobre os sapos
Curiosidades sobre os saposCuriosidades sobre os sapos
Curiosidades sobre os sapos
 
Aula anfíbios
Aula anfíbiosAula anfíbios
Aula anfíbios
 
Animais
AnimaisAnimais
Animais
 
Répteis
 Répteis Répteis
Répteis
 
Anfibius
AnfibiusAnfibius
Anfibius
 
Anfíbios
AnfíbiosAnfíbios
Anfíbios
 
Anfíbios
AnfíbiosAnfíbios
Anfíbios
 
Anfibios
AnfibiosAnfibios
Anfibios
 
Cap 14 anfíbios
Cap 14 anfíbiosCap 14 anfíbios
Cap 14 anfíbios
 
repteis.pdf.............................
repteis.pdf.............................repteis.pdf.............................
repteis.pdf.............................
 
Matéria de Especialidade - Anfíbios.pdf
Matéria de Especialidade - Anfíbios.pdfMatéria de Especialidade - Anfíbios.pdf
Matéria de Especialidade - Anfíbios.pdf
 
Classe Dos AnfíBios
Classe Dos AnfíBiosClasse Dos AnfíBios
Classe Dos AnfíBios
 
Resumo: Filo Artrópodes
Resumo: Filo ArtrópodesResumo: Filo Artrópodes
Resumo: Filo Artrópodes
 
O Mundo dos Insectos
O Mundo dos InsectosO Mundo dos Insectos
O Mundo dos Insectos
 
Répteis - Biologia
Répteis - Biologia Répteis - Biologia
Répteis - Biologia
 
Formigas @bio noturno 3 e
Formigas @bio noturno  3 eFormigas @bio noturno  3 e
Formigas @bio noturno 3 e
 
RéPteis Slide
RéPteis SlideRéPteis Slide
RéPteis Slide
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
Ambiente terrestre
Ambiente terrestre Ambiente terrestre
Ambiente terrestre
 

Mais de IsmaelMarinho4 (9)

Especialidade Reciclagem 2.pptx
Especialidade Reciclagem 2.pptxEspecialidade Reciclagem 2.pptx
Especialidade Reciclagem 2.pptx
 
especialidade Reciclagem.pptx
especialidade Reciclagem.pptxespecialidade Reciclagem.pptx
especialidade Reciclagem.pptx
 
Especialidade de Gatos.pptx
Especialidade de Gatos.pptxEspecialidade de Gatos.pptx
Especialidade de Gatos.pptx
 
Especialidades de cães.pptx
Especialidades de  cães.pptxEspecialidades de  cães.pptx
Especialidades de cães.pptx
 
Especialidade Orçamento familiar.pptx
Especialidade Orçamento familiar.pptxEspecialidade Orçamento familiar.pptx
Especialidade Orçamento familiar.pptx
 
Especialidade asseio e cortesia Cristã.pptx
Especialidade asseio e cortesia Cristã.pptxEspecialidade asseio e cortesia Cristã.pptx
Especialidade asseio e cortesia Cristã.pptx
 
Especialidade animais peçonheta.pptx
Especialidade animais peçonheta.pptxEspecialidade animais peçonheta.pptx
Especialidade animais peçonheta.pptx
 
ESPECIALIDADE MAPA E BUSSOLA.pptx
ESPECIALIDADE MAPA E BUSSOLA.pptxESPECIALIDADE MAPA E BUSSOLA.pptx
ESPECIALIDADE MAPA E BUSSOLA.pptx
 
Especialidade código Semáforico.ro.ppt
Especialidade código Semáforico.ro.pptEspecialidade código Semáforico.ro.ppt
Especialidade código Semáforico.ro.ppt
 

Último

atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
WelitaDiaz1
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
azulassessoria9
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
azulassessoria9
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
GisellySobral
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Eró Cunha
 
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreFilosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
LeandroLima265595
 

Último (20)

Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Questões sobre o Mito da Caverna de Platão
Questões sobre o Mito da Caverna de PlatãoQuestões sobre o Mito da Caverna de Platão
Questões sobre o Mito da Caverna de Platão
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreFilosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 

Especilaidade anfibios.pptx

  • 1.
  • 2. OS ANFÍBIOS (Anfi) 2 + (Bio) Vida São animais que apresentam 2 formas de vida. Uma fase larval que se inicia na água (que são os girinos) e após sofrer uma metamorfose vão se transformar no indivíduo adulto que é encontrado no ambiente terrestre. Ex: sapos, pererecas, rãs, salamandras.
  • 3. 1- Quais as características dos ANFÍBIOS? • São animais ectotérmicos, ou seja, a temperatura corporal varia de acordo com o ambiente; • Possuem uma respiração cutânea (pela pele, por isso são tão úmidas para absorver o oxigênio) e respiração pulmonar (pelos pulmões quando adultos, mas na primeira fase de vida quando são girinos, tem respiração branquial, pois estão na água); • Tem uma longa língua pegajosa e algumas espécies tem dentes bem pequenos ; • Sua reprodução é ovípora, ou seja, colocam ovos mas a fecundação é externa, depende da água.
  • 4. 2. Dar o nome de 3 ordens pertencentes à classe Amphibia e citar as principais diferenças entre elas. Anuros – São aqueles que não possuem cauda e possuem quatro pernas. Exemplos: sapos, rãs e pererecas.
  • 5. Urodelos – Possuem um longa calda, corpo alongado, pele furta cor, quatro patas curtas. Exemplo: Salamandras e tritões.
  • 6. Ápodes - Não possuem patas e tem corpo cilíndrico e comprido. Exemplos: Cobras-cegas
  • 7. 3. Popularmente, para se diferenciar entre anuros utilizam-se os nomes sapos, pererecas e rãs. Como podemos fazer para diferenciar entre estes 3 tipos de anuros? Use imagens.
  • 8. Sapo • Habitam em terra firme. • Possuem de 2 a 25 centímetros. • Existem cerca de 300 espécies. Tem a ele rugosa e cheia de verrugas. Suas patas são adaptadas a vida terrestre, são curtas, e fazem com que dê pulos limitados e desajeitados. Graças as glândulas na região dorsal, o sapo libera veneno que pode irritar nossos olhos e as mucosas. Mas o veneno só pode ser expelido se o animal sofrer uma pressão externa, como ser pisado por exemplo, ele não respinga veneno.
  • 9. Rã • Habitam principalmente em lagoas. • Podem medir de 9,8 milímetros a 30 centímetros. • Existem mais de 4 mil espécies. Ela tem a pele lisa e brilhante. Suas patas são longas e correspondem a mais da metade do seu tamanho. As patas traseiras são adaptadas para saltos e possuem uma membrana que ligam os dedos e que ajudam a rã a nadar. Não possuem glândula de veneno. E se o sapo assusta pelo veneno, a rã é considerada um prato sofisticado em alguns países.
  • 10. Perereca • Muito encontrada em galhos de árvores. • Possuem menos que 10 centímetros. • Existem mais de 700 espécies. Possuem pele lisa, suas pernas finas e longas permitem grandes saltos (algumas alcançam a marca de 2 metros de distância). Na ponta dos dedos da perereca possuem um tipo de ventosa, que ajuda a subir nas árvores. Em geral, a perereca é menor que um sapo ou uma rã e tem como característica os olhos esbugalhados, deslocados para fora. Não possuem glândulas de veneno, mas muitas espécies possuem toxinas na pele, sendo altamente tóxicas.
  • 11. 4. Como os anfíbios se protegem? R: Tem a pigmentação da pele de acordo com o ambiente onde vivem para se camuflar. Os sapos se escondem atrás de pedras, troncos e arbustos. As rãs saltam para o fundo d'água, se escondem também no lodo. As pererecas vivem escondidas atrás das prateleiras ou atrás do lavatório nos banheiros.
  • 12. 5. Fazer uma coleção através de fotos ou imagens retiradas de livro ou internet de 10 diferentes espécies de anfíbios encontrados em seu Estado ou País.
  • 13. 6. Descrever ou esquematizar o ciclo de vida de um anuro. 1º - Acasalamento Sapos machos e fêmeas acasalam na água ou nas plantas, dependendo das espécies. Então, o macho abraça a fêmea no que é chamado de amplexo. 2º - Desova O sapo fêmea libera os ovos para que o macho os fertilize. Ao contrário dos mamíferos, nos sapos a fertilização ocorre fora do corpo. 3º - Ovos A maioria dos ovos não vai prosperar. Alguns servirão de alimento para outros pequenos animais e pássaros e outros não serão fertilizados. Também haverá alguns que secarão ao sol em áreas onde não há água. Os ovos que sobreviverem eclodem cerca de 7 ou 9 dias depois 4º - O girino O girino é uma pequena criatura semelhante a um peixe. Nos primeiros 7 dias de vida, o girino se alimenta da clara de ovo que ainda possui no interior. As únicas partes que têm um girino são a cauda, ​​boca e brânquias. Após mais 7 dias de desenvolvimento, o girino poderá nadar sozinho e comer algas da superfície da água.
  • 14. 5º - Desenvolvimento dos girinos Após quatro semanas de vida, o girino começa a crescer dentes e também a pele nas brânquias. Além disso, torna-se um ser social e nada em grupos como peixes. Entre as semanas 6 e 9, o girino começa a crescer de tamanho e a desenvolver uma forma de cabeça e pernas. No final da semana 9, o girino se parece mais com um sapo do que com um peixe, mas com uma cauda longa. Nesta fase, também começa a se alimentar de pequenos insetos e larvas também na água. 6º - Metamorfose de sapos Entre as semanas 9 e 12, a metamorfose do sapo começa a tomar forma. O girino, que naquele momento parece um pequeno sapo com uma cauda longa, perde a maior parte dessa cauda. Também cresce a língua do sapo e começa a parecer um pequeno sapo. Finalmente, o ciclo de vida é concluído em cerca de 16 semanas, quando o sapo se torna adulto.
  • 15. 7. Explicar o valor econômico dos anfíbios. R: Os anfíbios tem grande valor para os agricultores, porque comem insetos nocivos às plantações. Eles são úteis porque com seu grande apetite comem muitos vermes, gafanhotos, lagartas e insetos nocivos de várias espécies. Por isso não devemos matá-los ou maltratá-los. Enquanto girinos, se alimentam de larvas, quebrando o ciclo dos mosquitos vetores de doença, como: Dengue, Zika e Chikungunya assim menos mosquitos se desenvolvem e menos pessoas adoecem. Milhões deixam de ser gastos na área da saúde beneficiando a economia do país.
  • 16. 8. Onde os sapos passam o inverno e a estação seca R: Inverno – Alguns sapos que vivem no centro e no norte dos Estados Unidos fazem parte do grupo das pseudacris – são animais que vivem em regiões muito frias, passam o inverno congelados. As pseudacris liberam substâncias no sangue, semelhantes à glicose, que impedem que o gelo forme pontas cortantes que possam feri-las. Elas têm ainda mecanismos bioquímicos para se proteger da morte das células. Enquanto estão congeladas, as pseudacris permanecem em estado de torpor, semelhante à hibernação. Quando a temperatura volta a subir, elas descongelam e acordam. No Brasil, as espécies de sapos acumulam gordura nos períodos mais quentes e, no inverno, ficam em lugares mais abrigados, como cascas de árvores, ou se enterram, entrando em estado de torpor sem congelar.
  • 17. Estação Seca – A estivação é um fenômeno praticado por animais que vivem em desertos ou em climas tropicais. Alguns biólogos definem estivação como o estado de letargia induzida em animais por calor seco excessivo. Para se defender, muitos animais entram em sono profundo ou sono estival, quando as condições climáticas se tornam muito quentes e secas para ser possível a sobrevivência. Geralmente neste processo algumas espécies fazem covas no solo, onde a temperatura permanece fria, e reduzem a atividade metabólica de maneira similar à hibernação.
  • 18. 9. Qual parte do corpo é utilizada para amplificar os sons que os anuros produzem? Tanto machos quanto fêmeas são capazes de coachar ? Para que os anuros utilizam seus coachos? R: Os anuros emitem sons que variam desde o alto chiado da perereca ao forte coaxar do sapo-boi. Esses sons, produzidos através da expulsão do ar dos pulmões, estão relacionados ao reconhecimento da espécie e ao acasalamento. Algumas espécies apresentam sacos vocais, que distendidos, atuam como caixas de ressonância, amplificando o som. Os sapos e pererecas possuem apenas um saco vocal; as rãs têm dois sacos laterais. Somente os machos coaxam e as fêmeas são mudas.
  • 19. 10. Observar um anfíbio em seu habitat natural ou cativeiro por cerca de 15 minutos e escrever um relatório sobre o que você observou. Item prático
  • 20. 11. Do que e como a maioria dos anuros se alimenta? R: Na fase adulta todos são carnívoros e se alimentam principalmente de insetos, minhocas, aranhas, caramujos, lesmas e de outros animais invertebrados. Em geral, utilizam a visão para a detecção de presas e as apanham com sua forte língua.
  • 21.
  • 22. Phyllobates terribilis É uma rã encontrado na Holanda. Ela é a espécie pequena, mas perigosa do planeta, o suficiente para matar um elefante e 20 pessoas de uma só vez (um ser humano pode morrer, mesmo por tocá-la). Foram identificadas mais de 100 toxinas nesta espécie. Sua toxina ataca o coração e leva à insuficiência cardíaca.
  • 23. Phyllomedusa bicolor Eles aparentam como a folha, também conhecidos como sapo verde da Amazônia. O veneno deste sapo perigoso causa sedação, distúrbio gástrico e alucinação, sendo uma das espécies de sapos mais venenosas do mundo. O fator mais interessante é que suas toxinas são usadas em tratamento de câncer e AIDS.
  • 24. A Maior RÃ do Mundo A rã-golias , que pode ter 35 centímetros e 3,5 Kg, o seu peso equivalente ao de um gato! Tem uma capacidade de salto notória, podendo saltar cerca de 3 metros de uma só vez, embora se canse rapidamente após dois ou três saltos. Vive nas regiões de Camarões e Guiné Equatorial. O animal está em extinção porque é muito procurado por colecionadores. Nos Estados Unidos, por exemplo, pode chega a custar até 3 mil dólares!
  • 25. O Menor Anfíbio do Brasil Brachycephalus didactylus é o menor sapo do Brasil , é do tamanho de uma mosca doméstica com comprimento aproximado de 7,7 milímetros. Foi encontrado na Mata Atlântica do Rio de Janeiro.
  • 26. Sapo come escorpião... Um estudo do Instituto Butantan, publicado na revista Toxicon, comprovou que a espécie Rhinella icterica , conhecida como sapo Cururu ou sapo boi, é imune ao veneno do escorpião amarelo, sendo seu predador natural.