Ebook sbv-no-adulto-dea

1.066 visualizações

Publicada em

suporte basico de vida em adultos e o uso do DEA

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.066
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
79
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ebook sbv-no-adulto-dea

  1. 1. Um livro por Leonardo Clément SUPORTE BÁSICO DE VIDA Í Ú
  2. 2. www.ibraph.com.br A versão mais recente desse e-Book será enviada periodicamente por e-mail para os seguidores do IBRAPH Este livro é fornecido gratuitamente, porque simplesmente queremos difundir conhecimento, e o fato dele ter chegado até você já nos dá satisfação suficiente. No entanto, existe uma maneira de juntos compartilharmos ainda mais esse conhecimento. Você no entanto pode nos ajudar! Entre em nossa página no Facebook e curta-nos para receber mais informações sobre Suporte Básico de Vida e outros assuntos relacionados ao Atendimento Pré- Hospitalar (APH). www.facebook.com.br/cobraph
  3. 3. Índice Sobre Nós............................................................................3 O que é PCR........................................................................10 Ritmos de PCR....................................................................14 Quando Não Começar?......................................................23 RCP no Adulto....................................................................26 Avaliação.............................................................28 Compressões Cardíacas.......................................35 Ventilação no SBV................................................40 Mais de um de Socorrista....................................45 Desfibrilador Externo Automático.....................................47 Até Quando Reanimar?......................................................51 Acha que Acabou?..............................................................58
  4. 4. Sobre Nós Olá todos, bem vindos ao Instituto Brasileiro de Atendimento Pré-Hospitalar – IBRAPH. Eu sou Leonardo Clement, moro atualmente em Salvador/Ba desde 2005. Antes disso cresci no Sudeste da França (1992 a 2005). Sou médico, 100% de minha atuação está voltada para o APH e fundei IBRAPH. Realmente, dentro da medicina, apesar de existiram diversas áreas encantadoras para atuar, minha VERDADEIRA PAIXÃO está no APH, não adianta lutar contra a natureza, esse é meu destino e talvez seja o seu também...
  5. 5. Além do APH, tenho outra grande Paixão: ENSINAR... Descobri essas duas vocações ainda durante a faculdade. Quando ainda estava no quarto ano de medicina, fundei o ISI Cursos, grupo esse destinado a realizar capacitações presenciais. Atuamos durante 3 anos com cursos de Suporte Básico de Vida, Sutura, ECG, Atendimento inicial ao Trauma e neste período tivemos a oportunidade de alcançar mais de 5 mil alunos presencialmente. Todos esses cursos foram realizados na Bahia, sendo mais de 90% em Salvador. Tivemos muitos alunos vindos de outros Estados para realizar os cursos conosco. Porém alguns nos procuraram alegando a vontade de participar porém a impossibilidade devido a distância. Neste momento surgiu a ideia, diante da demanda, de disponibilizar esses conteúdos ONLINE. Desta forma podemos levar os conteúdos para dentro das casas de todo o Brasil. Associando a paixão pelo o APH e pelo o ensino e além disso a vontade de levar conteúdos de qualidade para dentro das casas de todos os apaixonados por APH de todo o Brasil, decidi em Abril de 2014, fundar o Instituto Brasileiro de Atendimento Pré-Hospitalar, - o IBRAPH. 4 www.ibraph.com.br2015
  6. 6. Um livro porO Instituto Brasileiro de Atendimento Pré-Hospitalar, é uma empresa de iniciativa privada, CNPJ: 147.175.150.001-11. Nosso objetivo consiste em criar um canal de comunicação nacional que integre os profissionais de diferentes áreas dentro do APH em todo o Brasil. Para isso fornecemos 80% do conteúdo que produzimos gratuitamente e 100% Online. Assim, temos certeza que não excluiremos ninguém do processo. Os conteúdos que disponibilizamos consistem em entrevistas com profissionais de APH de todo o país e até do exterior, mini aulas em vídeo, palestras, cursos e congressos 100% Online. Após a fundação do IBRAPH, já tivemos a oportunidade de realizar o 1º Congresso Brasileiro de Atendimento Pré-Hospitalar 100% e Gratuito (COBRAPH). Nesta oportunidades tivemos mais de 16 mil inscritos e uma participação forte durante a transmissão das palestras. Para quem deseja ir além e se aprofundar no estudo de assuntos relacionados com APH, oferecemos o ACESSOU OURO ao COBRAPH que proporciona um nível ainda maior de aprendizado. Além das gravação de todas as palestras o Acesso Ouro ainda oferece diversos bônus de APH com alto valor e uma possibilidade de Networking com os palestrantes e com APAIXONADOS por APH em todo o território Nacional. 5 www.ibraph.com.br2015
  7. 7. Ao conversar e observar muitos colegas de profissão e até mesmo a população em geral, é frequente observar pessoas que não vivem uma vida de forma 100% realizada e feliz... o que é uma pena já que a priori temos apenas uma vida para viver.... O pior é que não é tão incomum assim encontrar pessoas assim... Muitas vezes, o motivo por trás disso é uma atividade profissional que por algum motivo não está preenchendo o que deveria preencher da melhor forma. Existe uma tríade na qual me guio para não deixar que o corre-corre do dia a dia me afaste de minha auto realização e assim de minha felicidade. Conheci essa tríade lendo um livro de um autor de desenvolvimento humano, que por sinal eu admiro muito, chamado Anthony Robbins. Segue para você o Tripé desta Tríade de Sucesso TALENTO, PAIXÃO e RENDA Muitas vezes o que nos une no APH é justamente a Paixão, já que de fato, trate-se de uma profissão APAIXONANTE! Desta forma, nossa frustação profissional pode ser o que nos mantém afastados de nossa auto realização, através da falta de TALENTO e a RENDA satisfatória. A boa notícia é que esses dois aspectos podem ser melhorados e assim nossa “Tríade do Sucesso” ser Contemplada. 6 www.ibraph.com.br2015
  8. 8. O talento muitas vezes é inato, mas também pode ser adquirido com o treinamento. E para o profissional de APH, treinamento significa CAPACITAÇÃO + EXPERIÊNCIA A boa notícia é que capacitação + experiência leva a CRESCIMENTO PESSOAL e PROFISSIONAL... E Crescimento Pessoal e Profissional leva a RECONHECIMENTO PROFISSIONAL... Sendo que Reconhecimento Profissional leva a um aumento de OPORTUNIDADES e assim a uma MELHOR REMUNERAÇÃO... Neste pronto completamos nossa TRÍADE DO SUCESSO Portanto segue a Fórmula da AUTO REALIZAÇÃO 7 www.ibraph.com.br TALENTO + PAIXÃO + RENDA = 2015
  9. 9. Além disso, é possível ter algo que muitas vezes, infelizmente é comum a muitos profissionais que atuam com urgência e emergência e principalmente APH... Será que você também acha que trabalha muito e ganha pouco? Para ajudar nessa questão, criamos o projeto Multiplicadores do Bem. Essa é uma fundação, sem fins lucrativos que se destinada a realizar treinamentos de Suporte Básico de Vida cobrando valores mínimos que sirvam exclusivamente para remunerar os instrutores Multiplicadores do bem. E você pode ser um deles! Que tal reduzir um pouco a carga horária de trabalho, para substitui-la por uma atividade de ensino remunerada em treinamento práticos de SBV para profissionais de saúde e para a população? Torne-se um multiplicador do bem! Para isso estamos criando núcleos e âncoras multiplicadoras Estaduais e Municipais espalhadas pelo o Brasil para que você também possa participar desse projeto. Ainda estamos estruturando esse lindo projeto que em breve estará fazendo uma grande diferença tanto para a população quando para os profissionais de APH! 8 www.ibraph.com.br2015
  10. 10. Eu não faço ideia de como começar! Eu não tenho acesso a treinamentos e capacitações porque não tenho tempo, não tenho dinheiro, não tenho motivação. Fique tranquilo! A gente vai resolver tudo isso!
  11. 11. O que é PCR? Quando falo de Parada Cardiorrespiratória (PCR), e mais especificamente de sua definição, sempre costumo perguntar? Numa PCR, o coração está PARADO ou em MOVIMENTO? Se você respondeu “Parado” então você está certo, porém se respondeu “Em movimento” também está certo... O que define uma PCR não é o fato do coração estar parado ou em movimento e sim a SUA CAPACIDADE EM BOMBEAR O SANGUE PARA PERFUNDIR OS ÓRGÃO NOBRES. É possível fazer essa verificação no exame físico através de checagem de PULSO CENTRAL...
  12. 12. Existem quatro ritmos de PCR. Nos iremos conhecer melhor os 4 ritmos no próximo capítulo. Mas já posso adiantar que em algumas situações de PCR o coração está sem movimento e em outras ele está em movimento, porém... ...não possui a capacidade de bombear o sangue ou possui essa capacidade porém não tem o que bombear. Nosso coração tem um “chefe de orquestra” responsável por ditar o ritmo e assim comandar a contração cardíaca, o nó sinusal. Em algumas situações esse controle é perdido e o coração começa a se contrair de forma extremamente acelerada ou de forma extremamente desorganizada. Em ambas as situações, não haverá condição de enchimento ventricular na diástole e esvaziamento ventricular na sístole. 11 www.ibraph.com.br2015
  13. 13. Outro exemplo de causa de PCR ocorre quando perdemos muito líquido, seja por desidratação, sangramento ou infecção grave. Quando o choque hipovolêmico é muito intenso, ou seja, a quantidade de líquido perdido é muito grande, não haverá sangue suficiente retornando ao coração. Consequentemente o coração não terá como bombear o sangue (apesar da atividade elétrica estar normal). Ainda existe uma quarta possibilidade. Neste caso, toda a atividade elétrica do coração desaparece e o coração fica “desligado”. Sendo assim, o miocárdio passa a não receber estímulos para contrair e consequentemente permanece totalmente sem movimento. 12 www.ibraph.com.br2015
  14. 14. Principais Causas de PCR Hipóxia Hipovolemia Hipotermia Hipo/Hipercalemia Acidose Pneumotórax Hipertensivo Intoxicações Infarto Agudo do Miocárdio Tromboembolismo Pulmonar Tamponamento Cardíaco Dica: Para memorização utilizar o mnemônico 5 “H” e 5 “T” descrito no material didático do ACLS
  15. 15. Ritmos de PCR Como foi mencionado no capítulo anterior, existem apenas quatro ritmos de PCR. Para se familiarizar com esses ritmos, irei lhe apresentar uma forma associativa que fará você aprender e nunca mais esquecer esse conteúdo. Para isso gostaria de lhe apresentar “Os 4 Irmãos da Família Pinto...”
  16. 16. XY
  17. 17. 16 www.ibraph.com.br ASSIS – É o mais velho dos irmãos. Sua maior característica é a tranquilidade. A sua tranquilidade é tão grande que chega a incomodar. Por isso todos o classificam como uma pessoa “PARADONA”. Assis representa um dos ritmos de PCR: ASSISTOLIA. A Assistolia caracteriza um ritmo de PCR no qual não existe atividade elétrica. Neste caso o coração não apresenta movimentação. Segue a representação gráfica da ASSISTOLIA... 2015
  18. 18. 17 www.ibraph.com.br ANTÔNIO EDUARDO SILVA PINTO – É o segundo da prole. Fenotipicamente aparenta ser uma pessoa do sexo feminino apenar de geneticamente ser do sexo masculino por possuir um cromossomo “Y”. Antônio Eduardo Silva Pinto representa um dos ritmos de PCR: ATIVIDADE ELÉTRICA SEM PULSO (AESP).. Neste ritmo a atividade elétrica pode estar totalmente normal, porém por algum outro motivo (hipovolemia por exemplo) o coração não está bombeando o sangue. Por isso, apesar de PARECER ser um ritmo com pulso...não é! Segue a representação gráfica da AESP... XY 2015
  19. 19. 18 www.ibraph.com.br “TÁ VELOZ” – É o terceiro da prole. Carrega esse apelido por ser uma pessoa extremamente acelerada. É um empresário que vive correndo para cima e para baixo, por esse motivo está sempre exausto. O “Tá Veloz” apesar de ser muito acelerado, é bem ORGANIZADO! Tá Veloz representa um dos ritmos de PCR: TAQUICARDIA VENTRICULAR (TV) Neste ritmo o coração assume um ritmo EXTREMAMENTE ACELERADO de origem ventricular porém ORGANIZADO. As frequências Cardíaca costumam ser superiores a 250 batimentos por minuto. Apesar do coração estar em movimento o bombeamento não ocorre. Segue a representação gráfica da Taquicardia Ventricular (TV)... 2015
  20. 20. 19 www.ibraph.com.br FLAVINHA – É a caçulinha da turma. Ama música eletrônica, e sempre foi uma criança muito ativa. Flavinha é extremamente acelerada assim como seu irmão “Tá Veloz”, porém diferente dele, ela é TOTALMENTE DESORGANIZADA. Flavinha representa um dos ritmos de PCR: Fibrilação Ventricular (FV) Neste ritmo o coração assume um ritmo EXTREMAMENTE ACELERADO de origem ventricular porém DESORGANIZADO. As frequências Cardíaca costumam ser superiores a 250 batimentos por minuto. Apesar do coração também estar em movimento o bombeamento não ocorre assim como na Taquicardia Ventricular. Segue a representação gráfica da Fibrilação Ventricular (FV)... 2015
  21. 21. Esses são os quatro ritmos de PCR ASSISTOLIA, AESP, TV e FV. Iremos ver agora que o tratamento elétrico, ou seja a indicação de Desfibrilação (Choque elétrico) irá variar a depender do ritmo. Para entendermos melhor, o porquê dessa variação, precisamos conhecer a função do Choque. Você já se perguntou para quê serve um Choque no Coração? Se respondeu que serve para normalizar o ritmo cardíaco ou para fazer o coração voltar bater, está certo, porém temos uma forma mais precisa de definir a função do choque realizado durante a Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP). Caso a função do choque fosse simplesmente a citada anteriormente, então pela a lógica o mesmo estaria indicado em todos os quatro ritmos de PCR... 20 www.ibraph.com.br2015
  22. 22. Porém, a desfibrilação está indicada em apenas dois ritmos, na TVe na FV. Enquanto a Assistolia e AESP não possuem indicação de Desfibrilação. Isso se explica pelo fato da função do choque ser de PARAR o CORAÇÃO, ou seja, ZERAR a atividade elétrica anteriormente DESORGANIZADA. Desta forma, nosso marca passo natural, o nó sinusal terá uma maior probabilidade de reassumir um ritmo eficaz que gere pulso central. Como na AESP não há desorganização de ritmo e na assistolia não há ritmo, consequentemente NÃO EXISTE INDICAÇÃO de DESFIBRILAÇÃO, cuja função é de “PARAR COM UM RITMO DESORGANIZADO”. 21 www.ibraph.com.br2015
  23. 23. Ritmos de PCR Assistolia TV FV Dica: Em todos os 4 ritmos devemos manter as Compressões Cardíacas A desfibrilação é indicado APENAS em dois ritmos  FV e TV XY AESP
  24. 24. Quando não começar? O profissional de APH não médico, que atua com Suporte Básico de Vida (SBV) não está autorizado legalmente a constatar um óbito, sendo essa função EXCLUSIVA do médico. Antes de tomar a decisão de iniciar a Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP), o profissional deve avaliar a vítima. A avaliação da vítima será vista detalhadamente mais adiante. Basicamente são três os achados durante a avaliação inicial que conduzem ao diagnóstico de Parada Cardiorrespiratória (PCR): Inconsciência, ausência de movimentos respiratórios e ausência de pulso central (no adulto utilizamos o pulso carotídeo).
  25. 25. A não identificação desses sinais de PCR, representa a primeira indicação para não iniciar a RCP. Além disso existem mais 5 situações no SBV, que autoriza o socorrista a não iniciar a RCP, veremos essas situações na próxima página. • Decapitação • Carbonização • Evisceração • Decomposição • Rigor Mortis (Rigidez Cadavérica) Todas as situações descritas anteriormente não são compatíveis com a vida, por esse motivo os esforços de Ressuscitação seriam inúteis. Além disso as 5 situações descritas, são facilmente identificáveis, desta forma, um profissional que esteja atuando no Suporte Básico de Vida não corre o risco de deixar de reanimar um paciente com chances de sobrevida. 24 www.ibraph.com.br2015
  26. 26. Decomposição Evisceração Carbonização Decapitação Dica: Os Médicos são os únicos profissionais autorizados legalmente a constatar um óbito Quando não começar a RCP Rigor Mortis
  27. 27. RCP no Adulto São considerados adultos todos os seres a partir dos primeiros sinais de puberdade, pelos nas axilas para os meninos e aparecimento de mamas nas meninas. A American Heart Association (AHA) separa os protocolos de SBV em adultos, crianças e lactentes. A principal causa de PCR no adulto é a doença coronariana com o Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) sendo 90% dos ritmos iniciais de PCR no adulto representados por FV/TV. O melhor tratamento para esses dois ritmos é a desfibrilação, que não deve ser retarda.
  28. 28. A AHA criou a cadeia na sobrevivência da para pacientes vítimas de PCR, representando as 5 etapas fundamentais para a SOBREVIDA dos pacientes vítimas de PCR 27 www.ibraph.com.br 1. Acesso precoce - Identificar a PCR e pedir ajuda precocemente 2. RCP Precoce - Iniciar as manobras de Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) Compressões Cardíacas + Ventilações, precocemente 3. Desfibrilação Precoce - Ter acesso de preferência no local na PCR a um Desfibrilador Externo Automático (DEA) e aplicar o choque, quando indicado, precocemente 4. Suporte Avançado Rápido – Esse passo como o anterior, depende do primeiro elo da cadeia. Não devemos esquecer de PEDIR AJUDA! 5. Cuidados PÓS-PCR – Todo paciente vítima de PCR, quando reanimado deverá ter a causa da PCR tratada e receber os cuidados pós PCR em unidade de terapia intensiva 2015
  29. 29. Avaliação Inicial A avaliação inicial deve envolver a avaliação da cena e a avaliação do paciente. Essa avaliação se aplica em pacientes a priori inconscientes dentro do Suporte Básico de Vida (SBV). O objetivo da avaliação inicial consiste em checar o nível de consciência qualitativamente, a respiração e a presença de pulso carotídeo. Quando necessário, o socorrista deverá pedir ajuda ainda dentro da avaliação inicial. Veremos nas próximas páginas os 5 passos de uma boa avaliação inicial no SBV para pacientes vítimas de morte súbita. 28 www.ibraph.com.br2015
  30. 30. Os 5 Passos da Avaliação Inicial Checar a Segurança do Local A segurança da cena é primordial para a equipe de saúde. Não cabe ao profissionais de saúde adentrar a “zona quente”, sendo esse papel reservado ao corpo de bombeiro e policia, autoridades absolutas nessas circunstâncias. A equipe da saúde deve aguardar a liberação do corpo de bombeiro e/ou policia, uma vez que a segurança da cena esteja garantida, para acessar o local. Em algumas situações, as vítimas são retiradas da zona quente e trazidas para a zona fria para que o atendimento seja efetuado. A segurança do socorrista vem sempre em primeiro lugar! 29 www.ibraph.com.br2015
  31. 31. Checar a Responsividade Esse segundo paciente possui diversas funções. Ao mesmo tempo checamos a consciência do paciente, e caso o paciente esteja consciente a perviedade das vias aéreas. Lembrando que neste momento não devemos quantificar o nível de consciência aplicando a escala de Glasgow ou outras e sim qualificar a consciência do paciente em PRESENTE ou AUSENTE. Para isso, devemos adotar a posição do socorrista com um joelho no chão, apoiar as duas mãos na região superior do tórax e aplicar estímulos vigorosos ao mesmo tempo que chamamos o paciente: “SENHOR, SENHOR, PODE ME OUVIR?” 30 www.ibraph.com.br2015
  32. 32. Checar a Respiração Caso o paciente não responda aos estímulos táteis e verbais do segundo passo da avaliação, devemos então proceder ao terceiro passo que consiste em chegar a respiração. Para isso devemos observar o tóraxda vítima embusca de movimentos de elevação torácica, compatíveis com uma respiração eficaz. Vale salientar que é possíveis encontrar movimentos compatíveis com respiração agônica ou gasping (mais comum em crianças e lactentes), que deverão ser considerados como PARADA RESPIRATÓRIA). 31 www.ibraph.com.br2015
  33. 33. Pedir Ajuda Uma vez identificada a Parada Respiratória, devemos imediatamente PEDIR AJUDA! Para isso devemos Designar alguém que deverá LIGAR PARA O 192 (SAMU) e BUSCAR um DESFIBRILADOR EXTERNO AUTOMÁTICO (DEA). “Você! Ligue para o 192 e Traga um DEA!” Idealmente deveria ter um DEA por perto para que a desfibrilação não seja retardada (3º Elo da Cadeia da Sobrevivência). Existe uma Lei, que obriga ter um DEA nos Locais públicos com mais de 1500 transeuntes por dia. A tendência é que esse equipamento seja cada vez mais popularizado e disponível em locais públicos e privados pela importância que possui na Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP). 32 www.ibraph.com.br2015
  34. 34. Checar o Pulso Central Após pedir ajuda os profissionais de saúde treinados deverão checar o Pulso Central (Pulso Carotídeo no Adulto). A população leiga e profissionais de saúde NÃO treinados previamente em checar o pulso, deverão “PULAR” esse passo e iniciar IMEDIATAMENTE as COMPRESSÕES CARDÍACAS. A checagem de pulso por profissionais não treinados pode atrasar o inicio da RCP e levar a erros de diagnóstico. O profissional de saúde que identificar presença de pulso central e ausência de movimento respiratórios, poderá definir a Parada Respiratória e indicar o início imediato das VENTILAÇÕES de RESGATE. Ausência de movimentos respiratórios e ausência de pulso central caracterizam a Parada Cardiorrespiratória e requer o Início IMEDIATO das RCP 33 www.ibraph.com.br2015
  35. 35. Avaliação Inicial Dica: A sequência de avaliação para pacientes vítimas de trauma e afogamento diferem da sequência utilizada para pacientes vítimas de morte súbita Ajuda  SAMU + DEA Respiração Responsividade Local Pulso Central
  36. 36. Um livro porCompressões Cardíacas Para falar das compressões, vamos relembrar das Leis de Isaac Newton: Lei 1: Inércia Lei 2: Fr = m.a Lei 3: Ação e Reação Lei 1 – Inércia Toda objeto que está em repouso tende a continuar em repouso, todo objeto que está em movimento tende a ficar em movimento. Para descolocar um objeto que está em repouso ou parar um objeto que está em movimento, devemos APLICAR UMA FORÇA EXTERNA Aplicabilidade da 1º Lei na RCP – Um coração que se encontra em PCR, tende a ficar em PCR, a não ser que uma FORÇA EXTERNA seja aplicada (COMPRESSÕES + VENTILAÇÕES + DESFIBRILAÇÃO) 35 www.ibraph.com.br2015
  37. 37. Lei 2: Fr = m.a A Força Resultante de um objeto em deslocamento é Diretamente Proporcional a Massa do Objeto e a Aceleração do Objeto. Quanto maior a Massa do Objeto e quanto maior a Aceleração  MAIOR A FORÇA RESULTANTE. Aplicabilidade da 2ª Lei na RCP – A Força Resultante equivale ao Débito Cardíaco durante a RCP. Para obter um Débito Cardíaco OTIMIZADO devemos comprimir FORTE e RÁPIDO. FORTE = PROFUNDIDADE > 5cm RÁPIDO = FREQUENCIA > 100 vezes/min Atenção! A profundidade e a frequência são inversamente proporcionais. Para atingir a meta de profundidade e frequência devemos equilibrar essas duas variáveis fazendo compressões (UM POUCO) acima de 5cm e (UM POUCO) acima de 100 vezes por minuto. 36 www.ibraph.com.br2015
  38. 38. Lei 3: Ação e Reação Toda ação terá uma reação proporcional. Aplicabilidade da 3º Lei na RCP – Uma Compressão bem realizada, atendendo a todas as recomendações técnicas de execução terá uma reação BOA PROPORCIONALMENTE. Além de realizar compressões FORTES (> 5cm) e RÁPIDAS (>100x/min) também é necessário posicionar corretamente 3 PARTES CRÍTICAS  como veremos nas ilustrações a seguir... 37 www.ibraph.com.br2015
  39. 39. Um livro porPasso a passo para realização de Compressões Cardíacas 1. Localizar a linha Inter mamilar no corpo do Esterno 2. Posicionar a Região Hipotênar no tórax da vítima 3. Posicionar a outra mão por cima da primeira entrelaçando os dedos 4. Posição correta dos cotovelos e dos ombros Os cotovelos devem estar ESTENDIDOS Os ombros acima da vítima formando um ângulo de 90º 5. Aplicar Compressões FORTES e RAPIDO 38 www.ibraph.com.br 4 2015
  40. 40. Compressões Cardíacas Dica: A velocidade e profundidade das compressões são inversamente proporcionais. Cuidado para não comprimir rápido de mais porque você irá correr o risco de estar comprimindo superficialmente Diminuir Interrupções Retorno do Tórax Rápido > 100/min Forte > 5 cm
  41. 41. Ventilações no SBV Para ventilar um paciente em Parada Cardiorrespiratória no Suporte Básico de Vida, existem três formas: 1. Boca a Boca 2. Dispositivo Válvula Máscara (Pocket-Mask) 3. Dispositivo Bolsa-Válvula-Máscara (AMBU) 40 www.ibraph.com.br2015
  42. 42. Boca a Boca O Boca a boca fornece cerca de 17% de oxigênio para o paciente. Apesar de não existir relatos na literatura de contaminação de socorristas ao realizar essa manobra, é recomendado que profissionais de saúde usem os dispositivos de barreira para realização das ventilação (Veremos a seguir). Para realizar uma ventilação boca a boca eficaz, seguir o passo a passo: 1. Abria via aérea através da inclinação da cabeça com elevação do queixo 2. Vedar 100% a boca do paciente com a boca do socorrista (Boca de peixe). 3. Obstruir as narinas do paciente para evitar o refluxo de ar. 4. Aplicar ventilações observando a elevação do tórax. 41 www.ibraph.com.br2015
  43. 43. Válvula Máscara (Pocket-Mask) A ventilação com esse dispositivo fornece cerca de 17% de oxigênio para o paciente a não ser que esteja acoplado a um cilindro de O2, neste caso podemos chegar a mais de 90% de O2. A Pocket-Mask permite tanto com proteção de contato graças a sua estrutura de silicone quanto uma proteção respiratória graças a sua Válvula UNIDIRECIONAL. Alguns modelos podem ser acoplados a uma fonte de O2 e outros não. Para realizar uma ventilação com Pocket-Mask eficaz, seguir o passo a passo: 1. Acoplar a máscara no rosto da vítima de forma a vedar 100% a boca e o nariz do paciente e a não permitir escape de ar pelas laterais. 2. Abrir a via aérea com a manobra de inclinação da cabeça com elevação do queixo. 3. Aplicar ventilações observando a elevação do tórax. 42 www.ibraph.com.br2015
  44. 44. Bolsa-Válvula-Máscara (A.M.B.U) A ventilação com esse dispositivo fornece cerca de 21% de oxigênio para o paciente a não ser que esteja acoplado a uma fonte de O2, neste caso podemos chegar a mais de 90% de O2. O A.M.B.U permite tanto com proteção de contato graças a sua estrutura de plástico quanto uma proteção respiratória já que a ventilação é feita pela reserva de ar contida na bolsa. Para realizar uma ventilação eficaz com o dispositivo bolsa-válvula-máscara, seguir o passo a passo: 1. O Socorrista deve se posicionar na cabeça da vítima. Acoplar a máscara no rosto da vítima de forma a vedar 100% a boca e o nariz do paciente e a não permitir escape de ar pelas laterais, utilizando a técnica do “C” e do “E”. 2. Abrir a via aérea com a manobra de inclinação da cabeça com elevação do queixo. 3. Aplicar ventilações observando a elevação do tórax. 43 www.ibraph.com.br2015
  45. 45. Ventilações no SBV Dica: Cuidado com a insuflação gástrica, a mesma pode causar aumento da pressão intra-abdominal, vômitos e bronco-aspiração Observar Elevação do Tórax A.M.B.U Pocket-Mask Boca a boca Abertura das Vias Aéreas
  46. 46. Mais de 1 Socorrista na Cena Quando temos a oportunidade de ter mais de um socorrista na cena precisamos aproveitar da melhor forma. Cada um terá uma função durante o atendimento. Enquanto o 1º Socorrista está realizando as compressões cardíacas, o segundo Socorrista se posiciona na cabeça da vítima, mantém a via aéreas aberta e aplica ventilações com o AMBU. Após 2min ou 5 ciclos de 30:2, deve ocorrer a troca de funções entre os socorristas, de forma organizada para que não ocorra perda de tempo. Caso tenha um terceiro socorrista na cena, o mesmo poderá segurar a máscara do A.M.B.U no rosto da vítima, realizando uma vedação otimizada, enquanto o segundo socorrista aplica as ventilações. 45 www.ibraph.com.br2015
  47. 47. Mais de 1 Socorrista na Cena Dica: Dois socorristas na cena aumentam as chances de sobrevida do paciente. Precisamos utilizar essa oportunidade da melhor forma possível. O entrosamento é tudo. Devemos TREINAR em equipe! Contar em Voz Alta 2 em 2’ ou 5 Ciclos Troca de Funções Funções Ventilação com AMBU
  48. 48. DEA O Desfibrilador Externo Automático (DEA) é um aparelho fantástico, desenvolvido para que qualquer pessoa, mesmo não sendo profissional de saúde pudesse administrar uma desfibrilação em um paciente vítima de PCR sempre que houver indicação. O DEA é de simples utilização e foi programado para analisar o ritmo cardíaco do paciente e reconhecer uma FV/TV indicando o choque sempre que necessário. Além disso, o aparelho se comunica por voz e por sinais luminosos no seu painel, com o socorrista, o orientando durante toda a Ressuscitação Cardio Pulmonar (RCP).
  49. 49. O Equipamento Existem alguns tipos de Desfibriladores Externos Automáticos no mercado, de diferentes marcas. Todos eles possuem um funcionamento muito similar. Vamos conhecer o equipamento e seus acessórios. Posteriormente iremos aprender o passo a passo para o seu manuseio. 48 www.ibraph.com.br Ligar Controladores de Volume Choque Conector Das pás Alto FalanteLâmina para tricotomia Toalha seca Pás (01 par Adulto e 01 par pediátrico) 2015
  50. 50. Passo a Passo O passo a passo para o uso do DEA é muito simples. Devemos agir de forma rápida e precisa. 49 www.ibraph.com.br Posicionar ao lado da cabeça da vítima + LIGAR Colar as Pás no tórax da Vítima Encaixar o Conector das Pás Ouvir! Analisando Ritmos  AFASTAR! Choque Indicado? Sim Não Carregar + Chocar Reiniciar RCP Reiniciar RCP 2015
  51. 51. Desfibrilador Externo Automático - DEA Dica: Não devemos retardar o uso do DEA, quando mais rápida a desfibrilação, maior as chances de sobrevida do paciente... Colar as Pás Abrir e Ligar Posicionar ao lado da Cabeça Análise  AFASTAR Choque Indicado? Ouvir Não Sim RCP AFASTAR CHOCAR RCP
  52. 52. Um livro por Até Quando? Uma das perguntas muito frequentes quando falamos de Suporte Básico de Vida é: “Uma vez iniciada a RCP, até quando devemos manter os esforços de Ressuscitação? Os médicos são os únicos profissionais autorizados legalmente a constatar o óbito. Os demais profissionais de saúde, não poderão parar a RCP por achar que o paciente morreu. Porém existem 5 situações que autorizam o profissional de Suporte Básico a interromper a RCP. Veremos as 5 situações a seguir.
  53. 53. Um livro por 1. Chegada do Suporte a Avançado Quando o Suporte Avançado de Vida chega na cena, através do SAMU 192 ou de qualquer outro grupo de Atendimento Pré-Hospitalar com médico, o Socorrista do Suporte Básico poderá interromper a RCP e passar a responsabilidade pelo atendimento para o Suporte Avançado. Os socorristas do Suporte Básico devem ficar a disposição para auxiliar no atendimento. 52 www.ibraph.com.br2015
  54. 54. Um livro por 2. Paciente Reanima A segunda situação que autoriza o socorrista a interromper a RCP é quando o paciente REANIMA. É importante salientar que REANIMA significa que o paciente... TOSSE, RESPIRA ou se MOVIMENTA. O Mnemônico TRM, ajuda a lembrar desses 3 sinais sugestivos. Quando o paciente Reanima o paciente deve ser colocado na posição lateral de segurança e deve ser monitorizado continuamente até a chegada do Suporte Avançado. O paciente corre o risco de ter uma nova PCR a qualquer momento. 53 www.ibraph.com.br2015
  55. 55. Um livro por 3. Exaustão O Socorrista exausto está autorizado a interromper a RCP. Aqui devemos salientar que exaustão é diferente de cansaço. Costumo definir exaustão como o nível de cansaço que você interromperia os esforços caso a vítima fosse a pessoa mais querida de sua vida. Sempre que houver mais de um socorrista na cena, é imprescindível REVEZAR as compressões a cada 2 min ou 5 ciclos de 30:2 no máximo! Exaustão = Cansaço 54 www.ibraph.com.br2015
  56. 56. Um livro por 4. Ambiente de Risco Caso um ambiente inicialmente seguro, evolua para um ambiente de risco ou zona quente, durante o atendimento, o socorrista está... ...autorizado a interromper a RCP para preservar a sua integridade. Quando a vítima for uma criança pequena, e for possível transportar essa vítima com facilidade, o socorrista poderá realizar o transporte para um local mais seguro, ou zona fria. Exemplos de zona quente no APH, são, incêndios, riscos de explosão, tiroteios, rodovias com movimento de automóveis entre outros... 55 www.ibraph.com.br2015
  57. 57. Um livro por 5. Mudança de prioridade No APH quando estamos falando de incidentes com Múltiplas Vítimas, devemos sempre realizar uma triagem rápida para classificar os paciente com risco de morte. Dentre os paciente graves, devemos priorizar aqueles que possuem a maior chance de sobrevida. Caso esteja sendo realizada RCP em um paciente e que durante o atendimento surja outro paciente que necessite de atendimento e que se encontra com maior chance de sobrevida, devemos interromper o atendimento inicial e voltar os esforço para o segundo paciente. Quando existem socorristas suficientes para atender ambos os pacientes, neste caso é claro, podemos manter o atendimento para ambos. 56 www.ibraph.com.br2015
  58. 58. Até Quando Reanimar no SBV? Dica: Para memorização utilizar o mnemônico 5 “H” e 5 “T” descrito no material didático do ACLS Ambiente de Risco Exaustão Reanima (T.R.M) Chegada do Suporte Avançado Mudança de Prioridade
  59. 59. Um livro por Acha que acabou? Esse E-book deve funcionar como ponto de partida para algo muito maior. Trata-se de um ótimo começo. Se você leu com atenção e estudou esse e- book, então você já tem uma boa noção de Suporte Básico de Vida em Adultos e do uso do Desfibrilador Externo Automático. Quando falando de Suporte Básico de Vida, podemos separar os conteúdos em 3 grandes grupos. Veremos a seguir...
  60. 60. Um livro por Visão Geral do MUNDO Suporte Básico de Vida - SBV 1. Suporte Básico de Vida em pacientes clínicos 2. Suporte Básico de Vida no Afogamento 3. Suporte Básico de Vida no Trauma Esse E-book focou em uma parte no primeiro grande grupo: Suporte Básico de Vida em Pacientes Clínicos. Segue o conteúdo programático completo do curso de Suporte Básico de Vida em Pacientes Clínicos: 1. RCP no Adulto (ABORDADO NESSE E-BOOK) 2. Desfibrilador Externo Automático (ABORDADO NESSE E-BOOK) 3. RCP na Criança 4. RCP no Lactente 5. Desobstrução das Vias Aéreas em Adultos/Crianças 6. Desobstrução das Vias Aéreas em Lactentes Portanto se deseja aprofundar seu conhecimento no Suporte Básico de Vida, gostaria de lhe dizer que você está no caminho certo! Estarei com minha equipe a sua disposição para trazer todos os conteúdos que precisa para aprofundar os estudos e se tornar um MULTIPLICADOR do BEM! 59 www.ibraph.com.br
  61. 61. Tem Mais... Dica: Lembre-se que a vida não é um Sprint e sim uma Maratona... Um passo de cada vez nos levará ao Horizonte... Engasgo Lactentes Crianças SBV ONLINE Afogamento Trauma
  62. 62. Gostou?Querirmaislonge? NósdoInstitutoBrasileirodeAPHtemosumcursoonline queensinavocêemvídeotudoqueestánestee-book. Alémdissolheexplicareicomorealizarapratica simultaneamentecomseuINSTRUTORVIRTUAL... FiqueatentoparanossoTreinamento CompletodeSuporteBásicodeVida ProgramaMultiplicadoresdoBem. ProgramaessequepodelhetransformaremuminstrutordeSBV credenciadopeloIBRAPH...

×