espiral                                            boletim da associação                FRATERNITAS MOVIMENTO             ...
2                                                                                                              espiral(con...
espiral                                                                                                              3    ...
4                                                                                                     espiral             ...
espiral                                                                                                      51. Quando su...
6                                                                                                              espiralEntr...
espiral                                                                                                              7    ...
ESCLARECIMENTO                           “O meu futuro está No seu n.º 9 de Setembro de                                   ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Espiral 12

578 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
578
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
306
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Espiral 12

  1. 1. espiral boletim da associação FRATERNITAS MOVIMENTO Nº 12 - Julho / Setembro de 2003UM CAMINHO NOVOHá dias um colega nosso, que tem vindo a informar-se A psicoterapeuta Christl Picker, num artigo publicadopelo Espiral sobre o que é o nosso Movimento, dizia- na Kirche In, 04/2003, p. 14, sob o título “Não há umame o seguinte: “ainda não me revejo na Fraternitas”. vocação celibatária”, escreve a dada altura:Isto tanto pode significar que a Fraternitas não é aquiloque ele gostaria que fosse, como querer dizer que ele “Cada um deveria poder viver em conformidade comainda não está psicologicamente sintonizado com um as suas possibilidades. Quem se sentir melhor sozi-ambiente como o da Fraternitas. nho, pois bem que viva sozinho, mas não lhe chameOra o que a Fraternitas virá a ser vai depender do seu (continua na pág. 2)crescimento e sedimentação. Mas uma coisa podemosafirmar desde já: “a Fraternitas não é o lugar geométri-co dos padres casados saudosos do exercício do minis-tério”. É antes o ponto de confluência daqueles padres Sumário:que decidiram em consciência deixar o exercício do mi-nistério e, tendo constituído família ou não, entendem Novos Padres: chamados e enviados 3que fizeram o que devia ser feito. Encontram-se para Ode triunfal dos hodiernos Cruzados 4partilhar experiências, para mutuamente se apoiarem epara viverem a sua fé dando testemunho de uma vida Paz eficaz 5coerente com os princípios básicos da sua formação. Sagradas mãos 5Muitos deles subscreveriam a frase dum padre da diocesede Aveiro: “Sempre desejei ser padre, até o ser.” Cartas 7Mas eles não gostam de viver só para si. Percebem que Breves 7a sua atitude, pelas consequências pastorais que impli- Esclarecimento 8cou, pode constituir um factor de mudança e ser ummotivo mais para que sejam repensadas em Igreja as Encontro regionais 8condições de admissão ao sacerdócio ordenado. Entrevista com J. Gaillot 8Neste contexto é incontornável a velha questão do celi-bato sacerdotal obrigatório. Será uma vocação?
  2. 2. 2 espiral(continuação da pág. 1) só acontece através dum processo tese-antítese.vocação divina. Aquele(a) que necessitar de outra(o) Esta época de pós-modernidade em que vivemos é ca-– como corresponde à ordem da criação – deve poder racterizada pelo forte contraste social entre ricos e po-encontrá-la(o), pois é próprio do ser humano adulto bres. Enquanto os ricos vivem opulentamente em man-ter uma sexualidade vivida.(…) sões circundadas por altos muros fortemente guardadosNos séculos IV, V… existiram na orla do deserto os por homens bem armados - afinal prisioneiros da suasantos estilitas, muito considerados pelo povo como opulência, os pobres são cada vez mais pobres. Portan-conselheiros e intercessores. Quem se aguenta duran- to não é de estranhar que um tal antagonismo exacerba-te anos em oração no alto duma coluna, é certamente do origine a angústia e a sensação de que já nada fazdigno de admiração e, se fosse hoje, entraria no sentido, nada tem significado. Então, se o mundo nãoGuinness Book dos recordes, mas duvido que a men- tem significado, ele será destruído. Não é por acaso quetalidade actual possa considerar isso uma graça divi- a expressão social se concretiza em tendênciasna. Os cristãos santificam-se pelo amor, não pelas prá- destrutivas, em manifestações de revolta contra a socie-ticas ascéticas. dade tal como está organizada, contra os falsos valores.Concluindo, eu acredito na vocação para seguir Je- Onde quer que haja uma reunião do capital, aí surgemsus Cristo, a qual se manifesta das mais variadas for- manifestações contrárias, não raro destrutivas.mas, mas não acredito numa vocação “celibatária”,porque ela não faz sentido. A vocação cristã vive-se Face a isto, qual é o contributo que se nos pede, a nós,pela fé, pela esperança e pela caridade, mas não pela homens de fé?ascese. Em primeiro lugar, temos de ter consciência de que uma revolta é sempre a explosão de injustiças sociais acu-No nosso último Encontro Nacional, alguém da assem- muladas e não resolvidas. Então a explosão, sendo ableia, sentindo-se feliz naquele ambiente de irmãs e ir- aniquilação da matéria explosiva, é o início duma novamãos, onde compreensão e entreajuda não são meras ordem a instaurar.palavras, lembrou as mulheres que, tendo sido freiras, É urgente que o lugar outrora ocupado pelo marxismodecidiram sair e casar – também elas se sentiriam en- seja rapidamente ocupado por uma teologia da liberta-tendidas e apoiadas se formassem uma organização ção e se desenvolva na Igreja uma espiritualidade decongénere à nossa. Porque não fomentar o aparecimen- risco, que consiga descobrir, nos movimentos esotéricosto dum movimento de freiras, casadas ou não, e respec- ou revolucionários que entusiasmam tanta gente, as no-tivos maridos, à semelhança desta Fraternitas de padres, vidades que o Espírito Santo nos quer sugerir atravésque casaram ou não, e respectivas esposas? Poderemos deles. O que actualmente existe é uma espiritualidadefazer alguma coisa por elas? de octogenários, receosa de tudo quanto é novo, pres-Interpelado na qualidade de presidente, disse que, se sentindo inimigos em todo o lado e perigos em qualquerum pedido nesse sentido nos fosse feito, acolhê-lo-ía- movimento nascente. Ora a mensagem do Evangelho é:mos com toda a simpatia. Mais tarde pensei o seguinte: “Não temais!”.se a Fraternitas espontaneamente pensa em ajudar osoutros, já está a abrir-se a novos horizontes, o que é Precisamos de pessoas clarividentes, capazes de desco-sinónimo de consolidação interna. brir no meio da poeira da explosão o caminho certo e justo. Um caminho novo que não é exactamente nem oTal como tem acontecido connosco, também as freiras, percorrido pela autoridade contestada, nem o dosbem como os membros de outros institutos e movimen- contestatários. Um caminho de dignificação de todos, atos, ao saírem, são votadas ao ostracismo e proposita- assumir o que de bom existe de ambos os lados, umdamente esquecidas, em vez de serem pastoralmente caminho de entendimento, de humildade. Ninguém temaproveitadas. em si a verdade toda.Todavia, não é de perder a esperança, pois, tal como na Aveiro, Agosto de 2003sociedade, também na comunidade eclesial o progresso João Simão
  3. 3. espiral 3 Este Domingo, 6 de Julho, temlugar a ordenação geral, na Diocese Novos Padres: Padr adres:do Porto. Serão ordenados três pa- que é de todos. O problema das vo- -nos partir para a vida pastoral e fi-dres e um diácono para serviço da cações parece, pois, um problema do cam com alguma preocupação, de-diocese. Escassa colheita, dirão uns. próprio seguimento de Jesus. vido às difíceis condições de perse-Aceitamo-los como uma dádiva à verança. É que a cultura pós-moder-Igreja. O facto a reter é que a voca- Os padres de hoje estão sobre- na minou, com alguma profundida-ção sacerdotal continua a despertar carregados e dão uma imagem de de, o fundamento de alguns elemen-em alguns, segundo uma regra que pressa e de desconforto. É bom lem- tos da espiritualidade sacerdotal. En-nos escapa. Antes gostávamos que brar-lhes que eles são um elemento tre outras coisas, é bem de ver a di-os padres fossem mais e que fossemdiferentes, neste ou naquele sentido.E no entanto, eles aí estão, com as chamados e enviados *qualidades e defeitos de todos osseres humanos. Para lá de todo o estruturante da Igreja mas não são a ficuldade que há em ligar a vida deestudo sociológico, sempre útil, a Igreja toda. A eficácia da sua acção castidade a um sinal do absoluto deorigem dos presbíteros leva-nos às depende mais da sua forma de pre- Deus na história pessoal. E o mes-fontes da vida cristã. A vocação para sença do que da quantidade de tra- mo se pode dizer da obediência e dao ministério ordenado tem origem no balho realizado. Mas dir-se-á: o pobreza. Aquilo que pode ser tra-apelo ao apostolado que Jesus ini- povo tem direito à celebração da dução existencial concreta do valorciou nas margens do Lago de Eucaristia e aos outros sacramentos. absoluto de Deus e do seu Reino,Tiberíades. A pregação do Reino e Esse trabalho coloca os poucos pa- como eram e são esses valores, é,o chamamento de discípulos são dres muito próximo da exaustão. Aí na cultura de hoje, algo percebidoigualmente originários. Jesus con- é necessário repensar vários cami- de forma diferente. Urge religar oscentrou-se sobre um pequeno grupo nhos do futuro do ministério orde- conselhos evangélicos com o servi-entre esses chamados, os quais par- nado, partindo sempre do princípio ço do outro, sobretudo do pobre eticipam de maneira especial no seu de que a Eucaristia é o centro da vida do último, com o testemunho de umamistério de consagração em Deus e cristã e que o povo de Deus tem di- liberdade para o amor, com a afir-de envio ao mundo. Mas o sentido reito a essa celebração. Nenhum fac- mação de uma cultura da fra-da vocação é um só: viver com Cris- tor pode ter precedência em relação ternidade.to a criação e da redenção do mun- a este. Os jovens padres de hoje le- vam- se bastante a sério e partem * Jorge Teixeira da Cunhado. Mais do que os outros crentes, oministro ordenado tem a particula- para a missão cheios de generosida- in Voz Portucalense,ridade de viver mais de perto aquilo de e de entusiasmo. Muitos vêem- 2 de Julho de 2003 VII CURSO DE FORMAÇÃO TEOLÓGICA Fátima (Casa Nª Senhora das Dores) 28 de Novº a 1 de Dezº 2003 Tema: A IGREJA NO MUNDO CONTEMPORÂNEO (SEGUNDO A GS) Orienta: Dr. José Nunes, OP (prof. na Universidade Católica)
  4. 4. 4 espiral ODE TRIUNFAL TRIUNFAL HODIERNO CRUZADOS DOS HODIERN OS CR UZADOS “Deus o quer!” (Grito guerreiro dos Cruzados Medievais)Deus o quer!Nós o queremos!Nós queremos que Deus queira! Tomai a Liberdade e agradeceiDeus queira que nós queiramos! às armas que Deus nos facultou prodigamenteE se Deus não quiser queremos nós! Para conquistarmos a vossa Liberdade!Mas Deus quer porque nós queremos! Sede livres, Povos, sede livres!Anjos Custódios do Mundo. Sede Livres, Democratas e Felizes!Polícias do Deus dos Exércitos. Sede Livres, quer queirais quer não!Zelosos Guardiões da Liberdade.Da Democracia. Aceitai Livremente a Liberdade que vos impomos!Da Felicidade das Nações. Dos Povos. Aceitai Livremente a Liberdade que vos mandamos,De todos os Povos do Mundo. se preciso for (e é preciso!), nos bombonachões dos nossos bombardeiros!Deus o quer nós o queremos! nos balagranadões da nossa Infantaria!Nós queremos que Deus queira! nos morteirões da nossa Artilharia!Deus queira que nós queiramos! nos monstrogivões da nossa Missilaria!Deus queira que Deus queira!Deus quer porque nós queremos! Sede Livres, Democratas e Felizes! Nós o queremos Deus o quer!Felizes os Povos Submissosà nossa Protecção Devastadora!Mais felizes ainda os Insubmissos! Anjos CustódiosNós os submeteremos à salvífica Submissão! do !!!!!!!!!!!!!!!! doNós queremos que sejam felizes! Mun !!!!!!!!!!!!!!!!!!! DeusNós queremos que sejam livres dos tiranos! do !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! dos(somos também nós quem define os tiranos! ...) as !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! ExMesmo que eles não queiram! ci ! ! ! ! ! ! ! ! ! ! ! ! ! ! ! ! ! ! ! ! érSobretudo se não quiserem! lí nós velaremos pela vossa Felicidade ciNós é que sabemos o que mais lhes convém! Po !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! tos !! !! !! !! !! !! !! !! !! !! !!Felizes os Povos submetidos à nossa Devastação! para sermos todos (nós!) prósperos e pacíficosDevastamos porque só queremos o seu Bem! !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!Devastamos porque só queremos os seus Bens! ! ! ! ! ! ! ! ! ! ! !!! ! ! ! ! ! ! ! ! !Nada pagará o Bem que lhes queremos! !!!!!!!!!!!!!! IN PACE NOSTRA !!!!!!!!!!!!!Nada pagará os Bens que lhes queremos!Daqui vos anunciamos, Povos, sede livres! António ÍnsuloEscolhei a Liberdade que vos impomos! (in UMA GUERRA GÓLFICANão queirais ser pobres-e-mal-agradecidos! Poema satírico, inédito)
  5. 5. espiral 51. Quando surgem os grandes conflitos: • Os diplomatas reúnem-se em cimeiras. Os diplomatas são actores pró-paz. • Os pacifistas protestam nas ruas das cidades. Os pacifistas são activistas pró-paz. • As religiões convidam seus fiéis à oração. Estes crentes são activados pró-paz. Nenhuma destas acções, embora positivas, consolidam a paz na sociedade humana, porque o estado de guerra interior incendeia o mundo exterior.2. Os pacíficos, os activadores da paz, porque cultivam a paz intrapessoal, fazendo-a emergir do seu Ser existencial e irradiando-a, continuamente, para o Universo, são os verdadeiros construtores do rio da paz.3. O RIO da PAZ aprofunda-se e alarga-se quando: • os bens materiais são adquiridos com transparência, desfrutados com satisfação e partilhados com alegria. • os bens psicológicos são adquiridos em fontes puras, desfrutados em harmonia e partilhados sem discriminação. • os bens espirituais são adquiridos na profundidade do SER, desfrutados em simplicidade e partilhados sem medida.4. A PAZ EFICAZ, porque dá estabilidade ao psíquico, maior segurança, mais imparcialidade e simplicidade, assegura à dimensão fisiológica maior imunidade. Cristo Martins SAGRADAS MÃOS Mãos ungidas, sagradas, consagradas; Mãos de enlevo, eleitas, escolhidas; Mãos de rei, de profeta, abençoadas; Mãos que abraçam, que traçam o perdão, Sacerdotais, de Cristo bem queridas. Que levantam quem cai, e encaminham, Que indicam a Verdade para Deus... Mãos que baptizam, ungem e perdoam, Consagram, distribuem Pão da Vida; Mãos erguidas por nós, em oração, Crismam; aos noivos unem e abençoam, Que agradecem, suplicam e ensinam... Aos doentes preparam despedida... Um dia, cantarão a Deus... nos Céus! J. Silva Pinto – Fontes -SMP
  6. 6. 6 espiralEntrevista com o bispo Jacques Gaillot(continuação da pág. 8) versa pessoal, recebeu-me fraternal- guerra, mas não como nem quando mente, pôs-me na presidência da ela vai terminar. Não sabemos comoto às pessoas que dizem: não per- mesa e citou S. Agostinho: “Em reagirão os árabes, o que farão ostenço à Igreja mas o senhor é o meu tudo o que conta é a caridade”. curdos e os turcos. Oxalá que sebispo; por exemplo, aos muçulma- Agostinho diz que podemos ter opi- possa limitar a guerra e se regressenos em Paris quando afirmam: este niões diferentes sobre muitas coisas, tão cedo quanto possível às negoci-é o nosso bispo. mas no fim o que conta é o amor. ações. Tenho muita pena que se te- nha começado uma tal guerra.KI — Francisco de Assis vi-veu doutra maneira, deu o KI — O Senhor é uma espé-exemplo duma vida alterna- De manhã rezo sempre pelas cie de cosmopolita da solida-tiva para a Igreja da Idade pessoas que vou encontrar riedade – por quanto tempoMédia, sem ele próprio criti- manterá esta vida? nesse dia e à noite outra vezcar a Igreja. O Senhor vê-se Gaillot — Eu acho que é por aqueles que encontrei. Deus que determina o meu ca-num papel semelhante?Gaillot — É uma honra para Esta oração põe-me em minho. Há acontecimentos queS. Francisco não ter criticado contacto com muita gente, são para mim sinais. Eu vivoa Igreja e ter convidado os assim um pouco o dia a dia e, dá-me força e apoio. Aseus irmãos a corresponderem enquanto puder, continuo. Nãoàs expectativas do papa e dos oração é a minha verdadeira tenho planos para acabar combispos. Também eu não me fonte de energia. isto ou para ordenar a minhasinto vocacionado para criti- vida doutra maneira. Hoje en-car a Igreja ou os bispos, isso contro-me com esta ou aquelanão é tarefa minha. Eu acho que crí- KI — Esteve há pouco tempo em pessoa – e amanhã é outro dia.tica, raiva e indignação só relativa- Bagdade a engrossar as hostes dosmente às injustiças deste mundo. inimigos da guerra. Qual a sua opi- KI — Donde lhe vem a força paraNinguém se pode calar quando há nião sobre esta guerra? manter esta vida, para estar sem-miséria neste mundo. Gaillot — É uma guerra que não pre a intervir a favor dos outros? devia ter começado, uma guerra ile- Gaillot — De manhã rezo sempreKI — O bispo Kurt Krenn pelas gal, uma guerra de destruição hu- pelas pessoas que vou encontrar nes-suas atitudes ultraconservadoras é mana terrível. Considero-a um re- se dia e à noite outra vez por aque-para muita gente na Áustria escân- cuo da humanidade, um fracasso das les que encontrei. Esta oração põe-dalo e pedra de fricção. Porque é negociações e das capacidades de me em contacto com muita gente, dá-que o visitou e como é que se en- entendimento. Em vez do direito, me força e apoio. A oração é a mi-tende com ele? usa-se o poder e a força. nha verdadeira fonte de energia.Gaillot — Quando venho oficial-mente à Fundação Melk e ao Liceu, KI — Que consequências podemé costume informar o bispo advir desta guerra localmente limi- * Esta entrevista foi conduzida pordiocesano competente. Isso foi feito tada, pode degenerar num incên- Werner Ertel no dia 1 de Abril de 2003antes por Katharina Haller [a edito- dio mais vasto? no paço episcopal em St. Pölten duran-ra do novo livro de Gaillot – Gaillot — Sim, infelizmente isso é te a visita de Jacques Gaillot ao seu“Machtlos, aber Frei” (= Sem Po- possível. Quando se ateia um fogo colega Kurt Krenn.der, Mas Livre)]. Ora ele convidou- não se sabe como se pode extingui-me para um almoço e para uma con- lo. Sabe-se como se começa uma in KI, 05/2003, pp. 14,15
  7. 7. espiral 7 ✑ Cartas... Estimados Consócios da Fraternitas A todos, que de algum modo tiveram alguma deferência paracom o Casal Nabais, e em especial àqueles que partilharam comigoa dor da separação da Maria José (16 de Agosto), a todos repitomuito obrigado. Por ela bem-hajam. A nossa união — livre e responsável — teve sempre como lema: oamor / perdão. Assim, ao agradecermos a Deus o Dom da vidaagradecíamos sempre o Dom recíproco do amor / perdão. Aceito o sofrimento mas... aqui a semana da paixão (acamada)durou quatro longos anos... “Atravessámos o limiar da esperança...” creio que posso inscrevê-la no meu dicionário dos Santos. Caros colegas da Fraternitas, como metade (de um só corpo / umasó alma) e renovando os agradecimentos, faço votos para que todospossam dizer como eu: obrigado, Senhor, por me terdes permitido oamor conjugal. Paz em Cristo Com o amor das vossas Esposas Manuel Nabais Sesimbra, 29/08/2003 b r e v e s . . . logótipo da nossa associação, está trado em franca fase de recupera- ! Matrimónio: Daniel Lima presente numa exposição de pintura ção. Canito, filho de Manuel Ramos em Florença (Itália). Tem tembém Continuação de rápidas melho- Canito (falecido) e de Maria obras suas presentes em Londres em ras. Joaquina Ferreira de Freitas Lima galeria de arte. ! Na mão de Deus: Tivemos no- Canito, vai contrair matrimónio no Parabéns. tícia do passamento, em tempo de dia 11 de Outubro próximo, na ! Em recuperação: O Sampaio, férias, do irmão do senhor Cónego igreja de Vila Chã, freguesia do marido da muito querida Secretária, Filipe de Figueiredo, assistente es- concelho de Vila do Conde. e que já fez parte activa dos mem- piritual e “fundador” do nosso Mo- Felicidades para os noivos. bros da Direcção da nossa associa- vimento. ! Exposição de pintura: O ção, foi há pouco operado à anca es- A certeza da nossa oração e união Alberto Videira d’Assumpção, querda. Tudo correu bem, graças a espiritual. membro da Fraternitas e autor do Deus, tendo regressado a casa e en- Os nossos sentidos pêsames.
  8. 8. ESCLARECIMENTO “O meu futuro está No seu n.º 9 de Setembro de Entrevista com o Bispo Jacques Gaillot * em ficar de fora” 2002 o Espiral publicou uma entrevista de Julio Perez Pinillos ao “El País”, que começava assim: “Júlio Pérez O Bispo francês Jacques Gaillot, 67, destituído há oito anos da Pinillos é presidente da diocese de Évreux na Normandia, desde então bispo de Partenia, Federação Internacional de cidade submersa nas areias do Sahara, esteve na Áustria, no princí- Sacerdotes Católicos Casados pio de Abril de 2003, a convite da ACUS — Acção Cristianismo e e exerce plenamente o Socialismo — para falar, na Fundação Melk, sobre “Política com o “Política sacerdócio numa comunidade Sermão da Montanha”. Falou do seu trabalho em França a favor Montanha” cristã de Vallecas, um bairro dos estrangeiros indocumentados, os chamados “sem papéis”. Werner operário de Madrid (…)”. Ertel entrevistou este bispo “apaixonado”. A este propósito recebemos do Secretariado da CEP uma Kirche In — Desde que foi afasta- mesmo que Roma o instalasse no- carta a chamar-nos a atenção do da diocese de Évreux já passa- vamente como bispo duma diocese? para um documento da ram sete anos. Foram para si sete Gaillot — Eu não creio que o meu Congregação para o Clero, anos magros ou sete anos gordos? futuro esteja em dar um passo atrás dirigido ao Senhor Patriarca, Jacques Gaillot — Vivi sempre para uma diocese ou um paço epis- no qual esta Congregação, anos gordos, adorei ser bispo, de- copal. O meu futuro está em eu fi- após ter consultado o Ex.mo sempenhei essas funções o melhor car de fora. O reconhecimento por Cardeal Arcebispo de Madrid, que pude, tive muito gosto nisso. E parte dos outros bispos é muito im- lugar de residência de Júlio agora os anos após Évreux também portante, eles já o expressaram no Pinillos, pode informar que os vivi apaixonadamente. Hoje a “ele não exerce o ministério minha vida é totalmente diferente sacerdotal nem celebra os — outra vida, outro povo. Eu sacramentos em nenhum penso que a Providência Encontros Regionais templo daquela planeou as coisas de tal circunscrição eclesiástica, nem tal facto seria tolerado forma que eu hoje per- ☞ Norte (Litoral) corro uma parte da minha 8 de Novembro – 10:00 horas pelas autoridades da vida por outro caminho: Colégio do Sardão (V. N. Gaia) Arquidiocese, por ser agora anuncio o Evangelho ENCONTRO / MAGUSTO claramente contrário à extra muros. legislação canónica vigente”, e manda que, em KI — Seria difícil imaginá-lo a atenção à verdade, esta regressar a um paço episcopal. Participa! Vem! Convida outros! informação seja publicada no Apesar disso não gostaria de próximo número do Espiral. sentir algum reconhecimento da meu jubileu. Mas eu já tinha parte dos seus colegas bispos ou sentido um reconhecimento muito antes do dos bispos: o reconhecimen- boletim da to vindo das pessoas, dum povo que espiral associação fraternitas movimento eu não procurei, das pessoas que meRua Lourinha, 429 - Hab 2 = 4435-310 RIO TINTO receberam e adoptaram. Estou gra- Responsável: Alberto Osório de Castro e-mail: fraternitas@iol.pt Nº 12 - Jul/Setº de 2003 (continua na pág. 6)

×