Espiral 45

604 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
604
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
297
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Espiral 45

  1. 1. espiral da ANO xiI - fraternitas moviment N.º ternit vimento boletim da associação fraternitas movimento N.º 45 outubrO/dezeMBRO - outubrO/dezeMBRO de 2011 Uma história de NATAL fERNANDO fÉLIXEla faz anos no Natal. Gosta de receber presentes,mas o que a atrai mais são as figuras do presépio. E ele era muito importante para eles?um dia perguntou aos pais: «Porque é que os Magos – Foi. Mas quer dizer ainda mais coisas. Quando os magosestão de joelhos?” se ajoelharam diante de Jesus tinham a certeza de que aquele menino era instrumento de Deus, presença de Deus. Por isso Ela fazia 8 anos. Nasceu a 26 de Dezembro, e, mais uma adoraram-no. É isso o que significa adorar.vez, tinha prendas a dobrar. O pai prosseguiu: Mas aquilo de que ela gostava mesmo era de ajudar os – É por isso que, quando vamos à igreja, nos ajoelhamos:pais a fazer o presépio, a colocar as figuras. E, no presépio porque estamos na presença de Deus. E olhamos para Eledeles, havia muitas figuras, as tradicionais e outras que a ima- com muito carinho, com muita ternura. Dizemos-Lhe palavrasginação e o contexto dos tempos atuais impunham, tipo can- doces, falamos-Lhe da nossa vida.tores, estrelas de cinema, clérigos, bispos, o Papa, e até políti- E a mãe continuou a ensinar a Mariana:cos... – Os magos fizeram uma grande viagem só para se Eles lá sabiam o porquê. encontrarem com Jesus, porque sabiam que o Menino trazia Os reis magos, sim, os reis magos, eram os mais adapta- alegria, paz. Eles, que partiram de um país estrangeiro, sabiamdos: um era o Papa, outro era um politico e outro - surpresa que aquele menino fazia com que todas as pessoas, todos os- tinha as feições do pai. povos se tratassem por irmãos. Ela, um desses dias, olhando para as figuras originais dos E o pai acrescentou:reis magos, que não iam montados nos camelos, mas dois – Isto quer dizer que ajoelhar-se e adorar também signifi-estavam de joelhos e um permanecia em pé, caminhando, ca servir, ajudar os outros. Mais tarde, quando Jesus tinha 30perguntou aos pais: anos, também Ele se pôs de joelhos. Antes de comerem a – Porque é que os reis magos estavam de joelhos? que foi a última ceia, Jesus lavou os pés aos discípulos. E, para A mãe respondeu: isso, ajoelhou-Se diante deles. Ora, os discípulos não eram – Porque foram ao presépio para adorar o Menino Jesus. mais importantes do que Jesus, mas como Ele queria servi- Ela já tinha ouvido dizer que os reis eram pessoas impor- los com todo o coração, tomou essa posição. Jesus gostavatantes. Ouviu-o nas histórias que a mãe lhe contava. Por isso, tanto deles que, para manifestar esse amor, dispôs-Se a fazermostrou-se perplexa: de tudo, até a ajoelhar-se diante deles, para os aliviar do peso – Mas, se eram reis, porque estão de joelhos diante de um do dia, lavando-lhes os pés.bebé? E a mãe concluiu: O pai retorquiu, docemente: – Ou seja, os magos prostraram-se diante de Jesus por- – Bem... Dizemos que eles eram reis, mas, na verdade, que O reconheciam como muito importante, porque envia-não eram. Eram pessoas importantes, sim. Eram estudiosos. do por Deus, porque era Deus mesmo. E eles viram DeusConheciam as estrelas do céu e interpretavam a mensagem naquele bebé pobre, nascido de uma família humilde. E oque se dizia que os astros tinham. Foi a olhar o céu que desco- mais bonito de tudo é que reconheceram Deus onde nin-briram uma estrela nova e concluíram que ia nascer um meni- guém suspeitava que Ele estivesse. Depois, Jesus, ao lavar osno muito importante, um rei. pés aos discípulos, mostrou que Deus pode ser aquilo que E a mãe explicou de outro modo: não imaginamos que podia ser: aquele que serve.Mas o pai – Quando tu nasceste, eu e o teu pai passávamos horas a ainda acrescentou:olhar para ti, muitas vezes de joelhos. Sabes porquê? Porque – Por isso nós também nos ajoelhamos para ajudar a avótu eras a coisinha mais importante para mim e para o teu pai. quando quer trocar de sapatos, ou não é capaz de apanhar – Então, os magos ajoelharam-se diante de Jesus porque alguma coisa. Aprendemos com Jesus a servir o próximo.
  2. 2. fraternitas fraternit ternitas 2 espiral Mulher(es) na sociedade e na Igreja O QUE MUDOU? O QUE FALTA MUDAR? A Este foi o tema do Encontro conteceu no sábado 1 de sociedade tradicionalista com laivos de Nacional da Associação outubro, no Seminário do modernidade. A partir da revolução de Fraternitas Movimento, que se Verbo Divino. Este tema 1974, as mudanças acontecem a um realizou em Fátima, de 30 de começou por ser trabalhado ao nível de ritmo acelerado. Neste cenário setembro a 2 de outubro. quatro pequenos grupos. Participaram 33 migratório, as mulheres ficam no Conduziu a vertente teórica das palestras e os trabalhos em pessoas: 29 sócios - 9 casais e 11 singles e continente e tomam atitudes de Dra Teresa Martinho grupo a Dr a Teresa Mar tinho 4 não associados – 1 casal e 2 singles protagonismo e liderança na família, nas oldy, doutor orada Teologia Toldy, dout or ada em Teologia (mulheres). tarefas fora de casa (campos, …), nos Teologia Feminis eminista) (área da Teologia F eminis ta) pela Primeiramente, debateu-se: “Quais múltiplos afazeres no espaço público. Philosophisch- foram as mudanças a que assistimos na Consequências: TheologischeHochschuleSankt SOCIEDADE. Como é que isso afetou - (Re)Adaptações do desempenho Georgen (Frankfurt/Alemanha), tanto homens como mulheres, na minha do papel de género. Mestre Teologia (ramo Mes tre em Teologia (r amo de perspectiva”, seguindo-se o plenário, - Permuta de ideias, conceitos, Sist Teologia Sis t emática) pela com a partilha de reflexões sob a valores entre as sociedades. Universidade Católica orientação magistral desta primeira e Mas as mudanças mais significativas Portuguesa, Licenciada em Univer ersidade Teologia pela Univ er sidade única teóloga portuguesa. Constituirá a operam-se, de facto, ao nível do papel Católica Portuguesa. Pós- parte I. Depois tratou-se com idêntico da mulher. Considerando universos ditos doutorada pelo Centro de Estudos figurino pedagógico a temática aplicada masculino e feminino e o fluxo para a Sociais da Universidade de à IGREJA, sendo agora a parte II. entrada no universo que, normalmente, Coimbra. Docente em regime de não é o seu, as mulheres caminham mais exclusividade na Universidade I. MUDANÇAS EM PORTUGAL velozmente que os homens. Eis alguns Fernando Pessoa (Porto), onde A partir dos anos 1960, há tópicos de/para análise da situação, ensina nas áreas da Ética, dos movimentos de pessoas significativos – particularmente em PORTUGAL: Estudos de Género e da para as colónias para outros países No ENSINO – Na década dos anos Cidadania. Coordenadora do europeus e fluxos migratórios internos, 1960, há muito mais analfabetas mulheres Mestrado em Cidadania e Responsabilidade Social da do campo para a cidade. Era uma do que homens. Universidade Fernando Pessoa. Vice-Presidente da Comissão de Ética da mesma instituição. Urtélia Silva Urtélia Silv NOTA PRÉVIA O que se segue não são, nempretendem ser, apenas as conclusões.Trata-se de um registo trabalhado combase nessas partilhas inter e intragrupais,nos “frutos” - já amadurecidos -distribuídos pelas intervenções da Teresae na altura saboreados, nas “sementes”por si lançadas. Cuidada a sementeiradurante dois meses e buscando outrosfrutos escritos seus, especialmente paraa parte II, e de outros autores para aparte I, deu a colheita que se segue. Estouconsciente de que, tratando deste campocultivado, não cuidei de muitas sementes
  3. 3. fraternitas fraternit ternitas l espiral 3 Conquista do 25 de Abril: homem é que ganhava,democratização do acesso à assegurava o sustento daUniversidade, que constitui um família. Uma margem dilatadaimportante progresso. A de mulheres trabalhava noseducação, ao nível escolar, campos à frente daspermitiu uma ascensão social, explorações.ascensão social esta que se Havia um elevado númeroverificou rapidamente numa de mães solteiras e de filhosgeração. ilegítimos. Ocorre a massificação Nas INTERAÇÕESescolar que tarda no nosso País, ENTRE AS CLASSESrelativamente a outros países SOCIAIS – Não existiaeuropeus. As mulheres entram permeabilidade. As mudançasem mais elevada percentagem foram significativas, mase alcançam mais êxitos, pois atualmente continua a sersabem captar os proventos desse havia uma circulação da roupa e livros pouco representativa.processo de ensino-aprendizagem. escolares dos irmãos mais velhos para Nos ASPETOS SOCIAIS que Grandes mudanças da educação: as os irmãos mais novos. Verifica-se agora contribuíram para a EMANCIPAÇÃOrelações de género mudaram uma delimitação muito maior, ou até da MULHER – Por exemplo, a pílularadicalmente, havendo uma maior um estabelecimento de fronteiras da contracetiva que começou a seraproximação das “trajetórias”sexuais de pertença de cada irmão, bem definido, comercializada em Portugal em 1962. Ahomens e de mulheres. do espaço (quartos, …). Paralelamente taxa de fecundidade começa a baixar. No ESPAÇO DOMÉSTICO – vão crescendo certos meios sociais em O que é que justifica a procura social,Considerando as tarefas domésticas, a Portugal de exclusão e de pobreza, onde outrora, essencialmente por parte das(maior) utilização de máquinas encorajou as pessoas, homens e mulheres se mulheres e depois num crescendo poros homens para a “lida da casa”. E amontoam … parte dos casais? Famílias de 4 filhosouve-se, muitas vezes, por parte das No MODELO DE CONJUGALI- outrora eram reduzidas, hoje sãomulheres: “Ele ajuda”. Ora, se ajuda, DADE “ideal” – O homem era o chefe consideradas numerosas. Até já com 3!...não é corresponsável – é um estatuto de família, a autoridade máxima. A E fica uma questão: A mulherdiferente!... mulher dependia do seu marido. Por moderna é, ou deve ser, polivalente?!... Na PARENTALIDADE – Houve ex.º, a mulher necessitava de autorização Sugiro como bibliografia: “Históriauma alteração tão grande de valores que para sair do país. À mulher associava- da Vida Privada”, último volume daa decisão de ter filhos é particular e se, especificamente, o mundo dos afetos: série com o mesmo nome, direção decontinuadamente ponderada. Outrora, ao cuidar da casa, dos filhos… O José Mattoso. II. MUDANÇAS NA IGREJA função litúrgica e pastoral, no exercício experiência feminina tem recebido uma Aproveitando o livro “História da do poder e tomada de decisões. certa interpretação masculinaVida Privada”, acabado de citar, a partir - Há carismas específicos nasdos anos 1960, a sociedade portuguesa mulheres. O que falta mudar na Igreja?caracterizada de “dualista”, onde havia - Discursos/palavras da Bíblia e da A situação da mulher na Igreja queuma manta tradicional com alguns hierarquia da Igreja que subjugam as tem uma história complexa e que incluirasgões de modernidade (que tinham a mulheres, de poder. tanto a discriminação quanto aver com as áreas urbanas), movendo-se Das palavras ditas por nós sobre esta promoção… A situação denum país pobre, pequeno e católico, temática do Encontro: marginalização da mulher na Igreja quecomeça a MUDAR. O que mudou na Igreja? é inadmissível, é um “escândalo”... Do Encontro - Não registando todas Ser um espaço de liberdade (enorme) É preciso denunciar que, entre osas respostas/afirmações nas partilhas, embora com bloqueios… cargos/quadros na hierarquia/igrejaredundaram nesta tentativa de síntese: Sinais de mudança, que devem ser institucionalizada há uma ausência - Presença/ausência da mulher na reconhecidos e valorizados… Mas, se (absoluta) de representação das mulhe-Igreja (hierárquica), na Palavra, nos tudo isso deva constituir um facto a res, que devem ser entendidos comoMinistérios (inclusive o ordenado), na salientar, não podemos esquecer que a SERVIÇOS…
  4. 4. fraternitas fraternit ternitas4 espiral E no plenário, as achegas da múltiplas opressões (1992). Os textos 2. Interpretações canónicas eorientadora foram esclarecedoras, bíblicos e as interpretações a que os silenciamento das mulheres – aresultando para mim, numa trama mesmos foram sujeitos ao longo dos violência das palavrascomplexa. A utilização da sua séculos constituíram uma peça Seria longa a lista de textos bíblicosterminologia específica e adequada importante do «discurso kyriárquico», que descrevem actos de violência sobrelevou-me a n rascunhos para este para utilizar a expressão de Fiorenza mulheres. Mas tão ou mais relevantes doapontamento escrito, optando então pela (1994). Parece existir, realmente, um que os textos bíblicos que descrevembusca e consulta de bibliografia/ «cânone da opressão», que, nas religiões actos violentos sobre as mulheres foramartigosseus, que divulgo: monoteístas, passa pelos livros sagrados os textos que foram utilizados ao longo - “DEUS E A PALAVRA DE e pelas suas interpretações e dos séculos (e continuam a ser) paraDEUS NA TEOLOGIA reinterpretações por parte das instâncias legitimar o silenciamento (frequente-FEMINISTA” (1998), Lisboa: Ed emissoras dos discursos oficiais (sempre mente violento) das mulheres, invocandoPaulinas, [14x 21, 472 pp,14,50•]. masculinas!). O patriarcado não é a sua pretensa inferioridade em relação (“ Obra pioneira e que revela grande compreendido nos termos de um ao homem, inferioridade essacoragem …”); sistema sexual binário, mas sim como estabelecida pela própria criação, - “A VIOLÊNCIA E O PODER uma complexa estrutura piramidal de portanto «natural», já que não pode serDA(S) PALAVRA(S): A o «corpo» - a mulher- aRELIGIÃO CRISTÃ E AS comandar a «cabeça» - oMULHERES”– Revista Crítica homem. O que está emde Ciências Socias (do CES), 89, causa é a hierarquização,Junho de 2010: 171-183. inspirada na 1ª Carta de S. Decidi então partilhar Paulo os Coríntios (11, 3),excertos deste artigocujos cortes onde se diz que a «a cabeçaestão traduzidos por (…), de todo o homem é Cristo,estando à disposição de quem a cabeça da mulher é omo solicitar na íntegra. homem, e a cabeça de Na súmula: “(…) Falaremos Cristo é Deus.»de discursos de poder. Mas Está criada aquela quetambém da possibilidade de será a matriz da exclusão dasoutros discursos, de formas de mulheres. De facto, elaempowerment «subalternas», a resulta de uma teologia quepartir dos «sem poder». Neste foi desenvolvendo pro-segundo aspecto, dar-se-á gressivamente toda umaparticularmente relevância ao domínio político e de subordinação, reflexão antropológica centrada napensamento e teóloga feminista estratificada segundo taxonomias de temática da imagem e semelhança comElisabeth ShüsslerFiorenza”, que sexo, raça, classe, religião e cultura. Deus e do pecado original. Estareferenciou várias vezes no plenário e que Mas o cânone também pode ser lido contribui decisivamente para uma visãono texto aparecerá apenas como numa outra perspectiva. É sabido que a da mulher com ser inferior e tentadora,Fiorenza. libertação dos véus impostos pela á semelhança de Eva. Associada a uma Palavras – chave: antropologia tradição androcêntrica cristã conheceu biologia e estratificação social aristo-teológica; hermenêutica feminista; um momento decisivo nas lutas pela télicas, esta cosmovisão «empurrou» amulheres; religião cristã; teologia abolição da escravatura, por exemplo. maioria das mulheres para o domíniofeminista. Ora o cânone bíblico desempenhou um do privado, do lar, e para os papéis papel decisivo nessa luta, ainda que se sociais relacionados com ele, universo 1. Violência e cânone possa dizer, simultaneamente, que a único onde seria possível manter o seu Fiorenza chama a atenção para aquilo força mais poderosa na manutenção da espírito e o seu corpo «inferiores eque ela considera ser a produção de uma submissão da mulher era a religião. As pecaminosos» resguardados da perdiçãoideologia religiosa baseada numa memórias inspiradoras desse percurso (para si e para os outros).”dominação masculina estrutural, isto é, de libertação desempenham um papel [(…): corte das páginas 174 até partepolítica, de raça e de classe, que se traduz decisivo na reconstrução da identidade da 177 “correspondente à reflexãonuma opressão global, isto é, num feminina, mais, são mesmo invocadas teológica mencionada, começando,sistema kyriocêntrico, numa pirâmide de com «texto sagrado» (…) precisamente, pela figura de Eva”,
  5. 5. fraternitas fraternit ternitas l espiral 5embora com interesse, mas por este choque com a maternidade, «papel carácter e a dinâmica androcêntrico –assunto não ter sido analisado no natural da mulher» 3/ - mas também de patriarcal do texto e da sua interpretaçãoencontro.] certas funções eclesiais. (cf. Fiorenza,1988a). O seu objectivo é “Ora, os documentos eclesiais, pelo retomar os fios perdidos do tecido damenos, a partir de João XXIII (1958- vida das mulheres, que os textos não1963), insistem na igual dignidade do retratam, antes, ocultam. Mas, estahomem e da mulher, baseada numa revisão da história não é um processoteologia de ambos à imagem e tanto histórico-crítico, teológico ousemelhança de Deus, procurando, assim, filosófico, quanto um processo poéticoultrapassar definitivamente o modelo – o seu objectivo não é tanto adesigual, proveniente de uma intromissão reconstituição quanto a reformulaçãoda filosofia dualista na antropologia retórica do lugar das mulheres nos textos,cristã. resultante da sua leitura e interpretação Porém, nestes documentos verifica- pelas próprias mulheres.se sempre a necessidade de acrescentar O segundo passo é constituído pelamais qualquer coisa para definir as hermenêutica darecordação(cf. Fiorenza,mulheres: elas são mães e esposas, 1988a; 1998). Esta etapa procura ir maisessencialmente. 1/ Deus assim o longe, buscando as raízes profundas dadeterminou, dadas as características vida e da luta das mulheres na igrejabiológicas com que as modelou. Estas primitiva, portanto o contexto históricoditam a sua psicologia e, inclusivamente, 3. Para uma her menêutica do texto. Implica a identificação dosas suas tarefas sociais. 2/ (Note-se que, feminista da libertação ou a(s) «interesses» (…) subjacentes ao texto e ona teologia católica, não existe uma palavra(s) entregue(s) às mulheres. seu objectivo último é reconstruir areflexão paralela sobre os homens como Haverá possibilidade de fazer outras história do cristianismo primitivo comopais e esposos. Nem se caracteriza a sua leituras do cânone bíblico? A questão não a história de homens e mulheres, comodimensão social como uma «macro - é tanto saber se esteé conciliável com o a memória e a herança da igreja daspaternidade» …). feminismo, mas, sobretudo, se é possível mulheres (cf. Fiorenza, 1992), de forma A tendência, diria mais, a opção por fazer uma leitura feminista dos a poder legitimar a prática feministauma reflexão antropológica que recorre documentos, que mais afectam as actual numa tradição de libertaçãoconstantemente a definições essencialistas mulheres, no Ocidente, isto é, da Bíblia. ininterrupta, apesar de silenciada pelada mulher, baseadas, fundamentalmente, Estes textos serviram, ao longo da versão triunfante.na sua biologia, introduz uma história, para legitimar a submissão das O terceiro momento é o da avaliaçãocontradição no discurso eclesial actual, mulheres, mas foi igualmente com base ou proclamação(Fiorenza, 1992; 1988a).que alterna entre uma antropologia neles que muitas mulheres reagiram depois de identificados os sinais centraisgenérica igualitária e uma antropologia contra esta submissão. A Bíblia, constitui, de androcentrismo revelados no texto,específica de desigualdade. De facto, portanto, uma «arma contra as mulheres» assim como a sua contextualização nasenquanto na teologia se afirmou (1998) mas é também a sua «herança». estruturas patriarcais e na lutas dasprogramaticamente que a mulher é um Na primeira obra de relevo - In Memory mulheres contra elas, procura-se avaliarhomem falhado, como o fez S. Tomás of Her – Fiorenza declara que a herança o alcance do texto para a libertação dasde Aquino (…), não se insistia, das mulheres constitui a fonte do seu mulheres. Se o texto lhe era contrário,evidentemente, numa antropologia que poder (1988a). 4/Os textos que deixam não deve ser considerado Palavra dereconhecesse a igualdade entre os sexos. transparecer uma luta contra o Deus: uma hermenêutica daPor isso, a subalternização era coerente patriarcalismo constituem uma fonte, um proclamação deve insistir para que oscom o discurso antropológico. Agora, reser vatório no qual as mulheres teógos não revistam um texto patriarcalque a igualdade entre os sexos é encontram alimento para o processo da com autoridade divina, proclamando-odefendida explicitamente, o discurso da sua libertação (cf, ibidem). Contudo, é a Palavra de Deus (cf.Fiorenza, 1992). NãoIgreja entra em contradição consigo experiência das mulheres e não os textos quer dizer que um texto deste tipo nãomesmo, ao insistir num antropologia em si, que constitui a referência última possa ser utilizado pela Igreja. Mas, nesseespecífica (isto é , numa reflexão concreta da hermenêutica feminista. Esta caso, deve ser lido criticamente, isto é desobre a mulher) que fundamente procederá em vários passos. forma a ficar claro o seu carácter e a suaexclusões, nomeadamente, da vida O primeiro é o da hermenêutica função opressora. Este passopública – sempre que esta entrar em dasuspeita, que procede identificando o hermenêutico deve avaliar, igualmente,
  6. 6. fraternitas fraternit ternitas6 espiralo contexto sociopolítico pelo significado. O objectivo sobre as mulheres, cfToldy (1998:27-77).em que o texto bíblico é final é provar que a questão 3/ A este propósito, cf, por exemplo,lido e recebido, não é o da busca de uma Sacra Congregatio Pro DoctrinaFideiactualmente. Resumindo, interpretação “correcta” , da (1974…);Paulo VI (1971…);João Paulouma hermenêutica da interpretação exacta, mas sim II (1981…, 1889…, 1992,…); Ratzingeravaliação e proclamação é da exploração dos (5/04/1991).aquela que pondera as paradigmas subjacentes a 4/ A expressão provémimplicações de um cada interpretação originalmente de Judy Chicago, que adeterminado texto para (cf.Fiorenza,1998). utiliza na sua obra TheDinnerPartyuma leitura feminista, para No entanto, para que (1979).”.a pregação, o aconselhamento e o estudo este passo hermenêutico não se torne um Não é fácil debruçarmo-nos sobreindividual da Bíblia (cfFiorenza, ibidem). jogo infindável de interpretações, no qual este tema com um otimismo Por último, uma hermenêutica todas as leituras têm validade, é preciso confortável, ainda que a espera emfeminista crítica que procura reconstituir validar uma escala de valores e de visões, Esperança nunca nos deva faltar. Éa história das mulheres, supõe, em ordem a julgar a indeterminação do consolador termos presente que oigualmente, uma hermenêutica da texto e dos seus significados. Fiorenza Espírito de Jesus Cristo e o Espíritoimaginação (cf.Fiorenza,1988b). Esta apresenta então, o último passo, que Santo continuam a animar a Sua Igreja eprocura fazer uma nova interpretação consiste numa «her menêutica da a conduzi-la à novidade da “nova terrados textos bíblicos, uma interpretação transformação radicalmente e novos céus”...não - androcêntrica, criativa, de forma democrática» (cf.Fiorenza,1998). As “As mulheres católicas esperam destaa recriar o texto. O contexto desta interpretações devem ser avaliadas, para Igreja que amam em grau variado e àreinterpretação ou recriação é a igreja se saber se favorecem ou advogam qual pertencem de pleno direito emdas mulheres, para a qual é transferida a valores kyriocêntricos ou libertadores. razão do seu baptismo, pelo qualautoridade da interpretação dos textos. Estes critérios de avaliação e esta escala comungam no múnus profético, Numa das suas últimas obras, de valores não podem ser estáticos: o sacerdotal e real de Jesus Cristo, é queaFiorenza situa este discipulado de iguais lugar da decisão e enunciação dos hierarquia se alicerce mais na práxis deno horizonte de uma hermenêutica do mesmos tem que ser a ekklesiaofwo/ Jesus e no testemunho da Igreja nascentedesejo (cf.1998), isto é, que procura uma men como realidade e como visão que dava prioridade à FRATERNI-reconstituição dos textos, ou melhor, do político-cultural e teológica: a primeira DADEe vivia na nova ordem radicalcontexto dos mesmos, que não está tarefa teológica de uma hermenêutica dos sexos, e, tendo em conta a evoluçãopreocupada com a apresentação dos crítica libertadora consiste em fazer um cultural das sociedades atuais, oiça osfactos dos primórdios igualitários do escrutínio e em assinalar até que ponto clamores das mulheres que pedem a suacristianismo ou com a legitimação deter minados textos bíblicos e inclusão na Igreja de pleno direito, comoteológica das origens cristãs, mas sim determinadas interpretações promovem pessoas adultas, livres e responsáveis. (…)com reconstituição dos primórdios do um ethoskyriarcal e uma visão religiosacristianismo que deram origem a visões desumanizante, que legitima a injustiça ecristãs e a movimentos igualitários, ao a opressão.longo dos tempos. Sendo assim, o KwokPui-lan comenta este percursodiscipulado de iguais já é e ainda não é. do seguinte modo: Segundo Fiorenza, para que uma «(…) Se a Bíblia foi o ‘grandehermenêutica do desejo não caia na código´ subjacente à civilização ocidentalarmadilha de se tornar uma forma de [… ], as mulheres em todo o mundoleitura fundamentalista ou positivista, tem reclamam, agora, o poder e a autoridadeque ser acompanhada de uma para re- contar, reescrever e reinterpretarhermenêutica de indeter minação este importante documento. (Pui- lan,(cf.Fiorenza,1998), isto é, uma 2005 )”hermenêutica que tenha em conta o [“Referências bibliográficas” (…):facto de a possibilidade de corte das páginas 181 à 183.]interpretações plurais do texto apelar a 1/ -Mulierisdignitatem (1988).uma hermenêutica de interpretação 2/– Para uma análise mais detalhadacrítica, ou seja, uma interpretação que da antropologia subjacente aosconsidere o texto como um lugar de luta documentos oficiais da Igreja católica
  7. 7. reflexão l espiral 7 Jesus era feminista,“De facto, “no princípio era a práticade Jesus. Nela estava a vida, e dela todase todos nós recebemos, por igual, graçae verdade. Começa assim um novomundo.” Tem continuado?!... Como estaria a disposição originalda Oração que se segue, eu não sei. dizem elasEncontrei-o em “texto corrido” e Há linguagens sobre Deus que moldam modos de ver e de configurar aarticulei-o assim: realidade, diziam as primeiras teologias feministas. “Senhor da minha alma, Hoje, Portugal deixa de ser o único país da Europa a não ter uma quando peregrinavas cá em baixo associação de teólogas feministas. Elas não querem ser padres. Antessobre a terra não desprezastes as ajudar a reler imagens de Deus e o papel da mulher na Igreja.mulheres. Marujo Por António Marujo Mas pelo contrário, sempre as Público Públic o, 18/11/2011favorecestes com muita benevolência e encontrastes nelas tanto amor e até Jesus era feminista. Isto é ummais fé que nos homens. anacronismo. Mas a afirmação é No mundo Tu as honravas. verdadeira, dizem estas mulheres. Maria Parece-me incrível não podermos Julieta Dias, freira das Religiosas dofazer publicamente algo de válido para Coração de Maria, é uma dasTi. participantes do Colóquio Internacional Que não ousemos dizer algumas de Teologia Feminista, iniciativaverdades que choramos em segredo. fundadora da Associação Portuguesa de Que não devas escutar-nos quando Teólogas Feministas, que hoje e amanhãTe dirigimos um pedido justo. decorre em Lisboa. Nele irá defender a Eu não creio, Senhor, porque confio “afirmação anacrónica verdadeira” dena Tua bondade e justiça. que “Jesus era feminista”. Vejo perspectivarem-se tempos “No tempo de Jesus, o conceito de em que já não haverá razões para feminismo não existia”, diz Julieta Diassubavaliar ânimos valiosos e fortes ao P2. “Mas, se olharmos para a atitude surpreendente, contada no Evangelho de pelos simples facto de serem de Jesus perante as mulheres, quando elas São João. É que, por contraste, explicamulheres. “ Teresa d´ tomam a iniciativa ou quando Jesus se Julieta Dias, em outros textosÁvila, Caminho da Perfeição dirige a elas, ele é um verdadeiro equivalentes, quando os discípulos lhe feminista, no sentido de reconhecer à dizem que é ele o messias, Jesus ordena- “ Voltei para Nazaré (*), para a mulher a mesma dignidade do homem.” lhes que se calem.minha pequena casa, e percorri todos os E para Jesus, recorda, citando São Paulo Perante uma cananeia, estrangeira queseus caminhos, sentei-me em todas as na Carta aos Gálatas, “não há judeu nem procura ajuda para a filha “cruelmentepedras conhecidas … Voltei aos cenários grego, não há escravo nem livre, não há atormentada por um demónio”, Jesusdas nossas paisagens e às horas das homem nem mulher, pois são todos não responde no primeiro momento eminhas alegrias e das minhas lágrimas. iguais em dignidade”. chega mesmo a ser “antipático”,Porque o meu filho, é certo, iluminou- Julieta Dias vai mais além: “Se acrescenta a irmã Julieta. Depois danos a todos com a sua vida e as suas alguma coisa há de diferente, é que, com insistência da mulher, ele acaba porpalavras. Mas para mim o melhor as mulheres, Jesus se sente mais ceder, percebendo que a sua missãocontinua e há-de continuar a ser o reconhecido e dá mesmo saltos “não é confinada ao judaísmo, mas seperfume concentrado daquelas vivas e qualitativos na inteligência da sua missão.” destina a todo o mundo”.doces recordações, as palavras caladas, E guia-nos por episódios bíblicos para A Bíblia foi o ponto de partida daque guardo com infinita ternura e que confirmar o que pretende dizer. No teologia feminista. Alguns dos trabalhostodos os dias medito no meu coração.” diálogo com a samaritana, que fazia parte pioneiros começaram por corrigir as( Maria de Nazaré) de um povo que não se dava com os traduções que enviesavam os textos com Lamet, Pedro Miguel, As Palavras judeus, o judeu Jesus começa por a terminologia masculina acerca de Deus,Caladas, Diário de Maria de Nazaré entabular conversa e acaba a dizer-lhe explica Teresa Toldy, autora do primeiro(2005), Tenacitas, p. 281 que é o messias. Uma revelação livro em português sobre o tema: Deus
  8. 8. reflexão8 espirale a Palavra de Deus na Teologia que diz ter chegado à teologia feminista expressão e originalidade”. UmaFeminista (ed. Paulinas), publicado em também depois de se pôr a estudar a associação pode também estimular as1998. Bíblia. Os evangelhos contam que várias pessoas interessadas a investigar nesta Não se trata apenas de passar a usar mulheres acompanhavam Jesus, tendo área.uma linguagem politicamente correcta, algumas colocado os seus bens ao A teologia feminista, que se inicia na serviço do grupo, recorda. década de 1960, “continua a fazer “Foram elas que tomaram sentido no interior do catolicismo”, diz a iniciativa de aderir ao Teresa Toldy. Por causa das imagens movimento de Jesus e ele “androcêntricas de Deus” e pela não as rejeitou.” E, depois “insistência na masculinidade de Jesus da ressurreição, recorda, é como argumento para excluir as às mulheres que ele pede mulheres”. que congreguem de novo Também está em causa, claro, o lugar os seguidores. das mulheres no interior da Igreja Portugal será, talvez, o Católica e a possibilidade de acesso aos último país da Europa a ter ministérios – à ordenação como padres. uma associação de teólogas Mas essa não é a questão fundamental, feministas, diz Teresa Toldy. insistem todas. “Não gostamos que nos Incluindo nesta afirmação digam que queremos ser padres. A os países do Leste. Só em intenção não é repetir um modelo de Espanha, são vários os Igreja que não nos agrada, mas contribuirdiz Teresa Toldy, que é teóloga e grupos, associações e cursos para um serviço onde caberiam tambémprofessora universitária. “Só por isso, não universitários nesta área. pessoas casadas”, diz Roser Solé. Eadianta fazer teologia feminista. Mas o Roser Solé Besteiros, formada em também, por exemplo, definindo se ofacto de a linguagem mudar pode ter Filosofia, do Colectiu de Dones en Papa é aquele que manda ou se é umum impacto directo na forma como as l’Església, da Catalunha, que participa primus inter pares.pessoas estabelecem a sua relação com também no colóquio de Lisboa, diz ao Roser admite que as igrejasDeus.” P2 que o objectivo da sua associação é protestantes com mulheres pastoras e Toldy cita os trabalhos pioneiros de “manter a atitude crítica em relação ao bispos não resolveram o problema doElisabeth Schüssler Fiorenza nos Estados sistema patriarcal em todas as suas paradigma. “Não é uma mudançaUnidos. “Fez uma revisão da linguagem dimensões”. E ajudar tambémmachista das traduções bíblicas. Mas, a “mudar as estruturascomo estava ligada a sociedades patriarcais da Igreja”. Oantiesclavagistas, reconheceu, na Colectivo de Mulheres nalinguagem dessas traduções, formas de Igreja tem uma dimensãosubmissão e escravidão da mulher.” interconfessional, não se Há um terceiro episódio citado por limitando ao catolicismo, masJulieta Dias: quando Jesus visita uma a sua aposta fundamental é nafamília de amigos, Marta censura a irmã, formação na base, ajudandoMaria, por se ter sentado a escutá-lo, em a que as mulheres possamvez de a ajudar na lide de casa. A interiorizar o seu lugarrepreensão reflecte a opinião de que as próprio, explica.mulheres deviam tratar da casa, cabendo “A teologia pretende dizeraos homens as tarefas públicas. Mas Jesus Deus a partir do lugar que se“não só aceita a iniciativa de Maria como ocupa”, diz Maria Carlosa louva por ela ter escolhido a atitude Ramos, licenciada emda verdadeira sabedoria”. Porque escutar Teologia pela Universidade Católica rápida, é um processo lento e não seo mestre é a atitude do discípulo, nota Portuguesa e que integra o Graal, trata de fazer ascender a mulher a lugaresJulieta Dias. movimento internacional de mulheres da hierarquia.” Cita o caso de Inglaterra, O lugar da mulher católicas. O ser mulher é também um onde muitas pessoas recusam receber Seguidoras eram também várias ponto de partida, diz, e a Teologia como mulheres negras como pastoras, paraoutras mulheres, acrescenta esta religiosa, área do saber “tem cada vez mais dizer: “Há que reinventar a ecclesia, a página oficial na Internet: www.fraternitas.pt * e-mail: direccao@fraternitas.pt * blogue: http://fraternitasmovimento.blogspot.
  9. 9. reflexão l espiral 9 Novos Igreja, como comunidade ao serviço dos outros.” As teologias feministas – o mais exacto é falar no plural, tendo em conta as diferentes correntes que existem – vão desde as que propõem uma linguagem igualitária Rumos! às que recuperam o discurso da O Espírito surpreende-nos! diferença, embora não para Inexplicável, contra todas as expectativas. estabelecer hierarquias, explica Mexe connosco, com nossos hábitos, Teresa Toldy. até estruturas tradicionalmente Há também as que discutem a reconhecidas e assumidas, desinstala- essência do cristianismo, na linha da nos, sentimo-nos na ‘corda bamba”… teologia da libertação partindo da Provoca! Até nós duvidamos, se de perspectiva dos mais pobres. Ou, facto é o Espírito que está presente e ainda, as que analisam a nos estimula. permanência dos factores do 1. Despreocupado, caiu-me colonialismo nas mentalidades. debaixo dos olhos, uma comunicação Há as teologias que procuram do Cardeal Gianfrano Ravasi, feita no encontrar o Jesus feminista e há as Instituto Francês – Centro São Luís – que dizem que o que importa é o sentido compositora, médica e escritora, em Roma. Já há muito andava inquieto, geral do texto bíblico e da relação que, aconselhou e afrontou Papas e bispos e insatisfeito, com muitas celebrações em com ele, as pessoas vão estabelecendo descreve visões com mulheres no altar, que ocasionalmente participo. Homilias ao longo da história. no lugar do padre. “É uma grande académicas, teóricas, abstratas, Se a Bíblia foi o ponto de partida, as erudita”, comenta Teresa Toldy. desincarnadas. Sempre saía, arrependido teologias feministas afirmaram-se, A linguagem acerca de Deus, do tempo ali vivido. Perdido? Não. A depois, no estudo de um conjunto de predominantemente masculina, pode Fé ou os hábitos infundidos garantiam- áreas temáticas: desde logo a história da legitimar uma ordem social patriarcal, diz me que Deus consegue sempre os seus Igreja, recuperando fi guras de mulheres Teresa Toldy. “Quando se fala da objetivos. Por isso, não há motivo para relevantes, mesmo do ponto de vista paternidade de Deus, o que interessa é alarmismos! “A Fé remove montanhas teológico. Maria Madalena, ainda no falar da relação. Por isso, Deus pode ser e supera todos os obstáculos” – dizia- tempo de Jesus, várias líderes das visto como pai, mas também como me... Vencido, não convencido! O Sr. comunidades fundadas por São Paulo, mãe.” E acrescenta: são metáforas, mas Cardeal rotula muitos “sermões” como abadessas e místicas como Hildegarda as metáforas configuram também “incolores, inodoros e sem sabor”. Sinto nestas de Bingen, Juliana de Norwich ou Teresa modos de ver e de fazer. Julieta Dias vai palavras uma lufada de ar fresco. Ilusão? d’Ávila são apenas alguns dos nomes de à Bíblia buscar outro exemplo para dizer Necessariamente, penso nas causas. um largo panteão, cita Teresa Toldy. No o mesmo. No Evangelho de São Lucas, Se um pastor preside a eucaristias em caso de Teresa d’Ávila, diz a teóloga, o Jesus conta três parábolas sobre o amor série, corre que corre, falta-lhe tempo, grau de complexidade dos seus escritos de Deus, usando as imagens de um novidade, alegria, paz interior, liberdade. “é semelhante ao dos textos de São João pastor, uma mulher e um pai. A do meio Senhor, dai-nos pastores que nos da Cruz”. Mas, como as mulheres não fala de uma mulher que ajudem pela Tua palavra, saboreada. podiam ser teólogas, Teresa d’Ávila foi perde uma dracma e não descansa Ajudai os responsáveis da tua Igreja a designada como mística. Em 1970, o enquanto não a encontra. Em todas as discernir e a atuar nas causas dos Papa Paulo VI acabaria por proclamá- três há “a mesma dedicação e a mesma problemas. la como “doutora da Igreja” – mas, de vontade de fazer festa” depois de se 2. Onofre Tavares é um padre forma per versa, o documento do encontrar o que se perdera. O que, casado, de Campinas, no Brasil. Vive o Vaticano que diz que a Igreja não pode recorda, vem no seguimento das sacerdócio entre o ideal que lhe foi mudar a prática de apenas ordenar imagens do livro de Isaías, no Antigo impedido e a realidade humana da sua homens foi assinado, em 1976, no dia Testamento: “Sereis amamentados, sereis opção. Como tantos de nós! E sonha da festa de Santa Teresa d’Ávila, a 15 de levados ao colo e acariciados sobre os em servir, na sua condição de Outubro. joelhos. Como a mãe consola o seu filho, consagrado. Um bispo amigo abriu Hildegarda de Bingen, além de assim Eu vos consolarei.” caminho de esperança: “Vocês – os.com * e-mail: secretariado@fraternitas.pt * página oficial na Internet: www.fraternitas.pt * e-mail: tesouraria@fraternitas.pt
  10. 10. reflexão10 espiral padres casados - não devem perguntar à Entremos em grupos, formemo-los, que se obrigavam as crianças, à Igreja o que devem fazer, pois nesse assunto e no pequenos, com dimensão humana, de memorização, como condição a serem tempo atual, ela não tem essa experiência. Vocês gente inquieta que busca a Verdade… admitidas à Profissão Solene... Houve devem ir fazendo. Com a atenção de vocês é que Caminhemos por vias novas. “Não se melhoria na prática religiosa destas ela vai aprendendo e conclui o que fazer nos deita vinho novo em odres velhos…” crianças, dos seus pais e até da vida da tempos atuais”. Palavras sábias? Não. Eu Já reparaste nos horizontes, vastos, que paróquia? Tudo isto são partes de um digo: palavras inspiradas. Longe de mim se abrem mesmo nas tuas barbas? Não problema mais profundo que nos custa acicatar os amigos à indisciplina ou é fácil. Temos o peso da estrutura, da enfrentar. Temos medo de tomar rebeldia. Só um apelo de amigo! Vamos nossa formação, do deixa correr. Mas consciência! Ora é melhor viver abrir-nos ao Espírito. Percamos o medo o tempo urge. O Espírito interpela e adormecidos, na ilusão de que tudo está de “mal comportadinhos” e não se cala! Não esperes. Segue o bem. Eis a questão: que opções – a nível arrisquemos. “Há caminhos não impulso do Espírito. pessoal e de grupo - temos de fazer para andados” que esperam palavras de 3. Parece que houve um inquérito vivermos Jesus, morto e ressuscitado? compreensão, de estímulo, de a alguns padres que desconheciam os O presente é cinzento. O Espírito está encorajamento, de bênção e perdão. A mandamentos. Isto passou-se no connosco. Precisamos ouvi-lo, e discerni- caminhada que fizemos, fez muito bem Vaticano. Mas podia ser entre nós. Não lo. Fala pelos diversos meios de que à Igreja. Precisamos de ir mais além. me admiro, nem estranho. Memorizar dispõe. Estejamos nós atentos e Corajosos, alegres, afoitos! Para a nossa verdades fundamentais da nossa Fé, não dispostos a ouvir, melhor, dispostos a realização sacerdotal não precisamos de significa viver a Fé. Não desculpo a arriscar, vivendo Aquele em quem regressar às paróquias. São estruturas ignorância, mas não lhe atribuo um valor acreditamos. pesadas, entorpecidas. Libertemo-nos. absoluto. Não vai longe o tempo em Jo a q uim Soares Joa Soares Recordando um passado em ordem ao futuro Associação clara, os caminhos percorridos para a os escolhidos, e terminar de uma vez de Antigos Alunos do Funchal sua criação. por todas com a distância que os tem celebrou Dia Anual Com efeito, segundo o orador, tudo separado no tempo. começou com a realização do Segundo o António Agostinho, esse A associação de Antigos Alunos do Seminário Diocesano do Funchal celebrou o seu Dia Anual, no Congresso dos Antigos Alunos dos Seminários, em Fátima, em Abril de 2009, em que tomaram parte cerca de tempo aproxima-se, e para tal deverá contribuir decididamente a «UASP» recentemente criada. dia 4 do mês corrente, comemorando 350 congressistas. Um número Um dos objectivos da UASP ao mesmo tempo os vinte e sete anos considerável, mas muito aquém dos também ressaltado pelo orador, é a da sua criação. O encontro serviu cerca de cem mil alunos que nos últimos consciencialização do antigo aluno do também para antecipar o convívio cinquenta anos frequentaram os Seminário, como testemunho de vida na tradicional das festas natalícias. Seminários, dos quais só uma pequena sociedade, portador dos valores Cerca de três dezenas de antigos percentagem ficou a fazer parte dos evangélicos apreendidos nos Seminários, alunos, certamente dos mais antigos, «escolhidos». de honradez, justiça, amor, paz, «mataram» as saudades de antigos Cabe salientar que muitos dos outros, confraternização, equilíbrio entre o ter e colegas, recordando vivências e que foram «chamados mas não o ser, para além da sua formação cultural episódios da sua juventude nos espaços escolhidos», embora alimentem ainda e intelectual, que os habilita a serem leigos do Seminário que, apesar de tudo, um certo grau de gratidão ao Seminário, responsáveis na vida e acção pastoral da marcaram definitivamente a sua vida também conservam o negativismo da mesma Igreja. Um potencial por vezes cultural, religiosa, social e até familiar. exclusão. Alguns até ostentam na ignorado, esquecido, desprezado ou até Como foi antecipadamente camisola a palavra «excluídos». Uma propositadamente excluído! informado, veio de Leiria o vice- exclusão que sentem continuar pelos Foi uma noite de «matar saudades», presidente da Associação de Antigos tempos além, mas injustificável nos dias de alegria, confraternização e reflexão, Alunos dos Seminários Portugueses, pós-conciliares. E essa foi uma das onde também fez gala a gastronomia «UASP», recentemente criada, Dr. conclusões do mesmo Congresso: regional. António Agostinho dos Santos Pereira, contribuir para maior aproximação entre Manuel Gama quem explanou, de forma acessível e os antigos alunos, entre os chamados e Jorn al da Madeira Jorn da
  11. 11. reflexão l espiral 11 No coração da Fraternitas, como no de Jesus, têm lugar privilegiado os(as) marginalizados(as) e os Sinais dos Tempos Luís Cunha F ez parte integrante do 30.º exíguo de sócios; a desvirtuação que desde o início, em 1996, os Encontros Encontro Nacional da adviria para a Associação se os Estatutos foram abertos a pessoas, mesmo não Fraternitas uma Assembleia Geral fossem alterados no sentido de admitir sendo sócios, mas interessadas nos temasExtraordinária, na qual era ponto forte: como sócios pessoas que aí se não que sempre são desenvolvidos. Sem“Discussão e deliberação quanto à viabilidade enquadram, no caso, consagrados(as) não pretender, de maneira nenhuma, desviar,da abertura da FRATERNITAS a ordenados(as) desvinculados(as) dos seus quer sacerdotes, quer consagrados(as),consagradas e consagrados não ordenados”. votos. Por tudo isto, da votação da apostarão, pois, na linha de comunhão, Na discussão, foram ponderados: a proposta resultou um não aprovada por no acolhimento, também, das pessoasidentidade e os objetivos que constam maioria. referidas.nos Estatutos da Fraternitas aprovados Outra viabilidade de abertura, Os(as) consagrados(as) têm índole epela Conferência Episcopal Portuguesa; porém, se apresentou, não a dos dinâmica próprias, especiais e únicas.o respeito e profundo apreço devidos Estatutos, mas a do coração, ao jeito de Podem contar com a ajuda da Fraternitasao genial e “santo” fundador já falecido, Jesus e também de acordo com o desejo até para fundar as suas associações, seCón. Filipe de Figueiredo; a conveniência e espírito do fundador, apóstolo assim o pretenderem, ou até formarde aumentar o número cada vez mais destacado dos marginalizados. Quase uma federação/união de associações. Faculdade e obrigação canónicas de os sacerdotes dispensados do exercício absolverem “em perigo de morte” diferem dos anteriormente referidos nos N o Encontro, numa tertúlia, vieram à baila os cânones doDireito Canónico em vigor, desde 27/ rescritos enviados aos sacerdotes peticionários da dispensa, cc. 882 e 892 a que junta o imprescindível e concomitan-11/1983, promulgado por João Paulo § 2 do C.D.C. de 1917, que continha te, sem falar emII, que passaram a constar nos rescritos 2414 cc. Houve redução significativa da almas, e amarás oenviados aos sacerdotes que pedem a quantidade de cc. no C.D.C. de 1983, próximo como a tidispensa do exercício do Ministério tendo incluído no último (c. 1752) : […] mesmo.Ordenado, cujos cânones se transcrevem: tendo-se sempre diante dos olhos a salvação das Parece nãoc. 976 – Qualquer sacerdote, ainda que careça almas, que deve ser sempre a lei suprema na caber na dou-da faculdade de ouvir confissões, absolve válida e Igreja. De qualquer maneira, ultrapassam trina da Igreja,licitamente quaisquer penitentes que se encontrem muito os 613 preceitos contidos nos muito menosem perigo de morte, de todas as censuras e livros sagrados, com múltiplas nas palavras re-pecados, ainda que esteja presente um sacerdote interpretações dos rabinos, que os feridas de Jesus, o desprezo e aaprovado; c. 986 § 2 – Em caso de necessidade fariseus bem conheciam. Tantas leis dos marginalização de quem quer que seja.urgente, qualquer confessor tem obrigação de ouvir homens, que tanto se esquecem do tão Tem sido feita caminhada, sim, mas comas confissões dos fiéis; e em perigo de morte, fundamental mandamento do Amor! que lentidão (e às vezes insensatez)! 66qualquer sacerdote. Foi a resposta à pergunta do doutor da anos distam do C.D.C. de 1917 para o Estes cânones transcritos do C.D.C. Lei: Qual o maior mandamento da Lei? Jesus, de 1983, da correção (incorreta!) dede 1983, que contém 1752 cc., pouco o Mestre, responde que é o amor a Deus, “redução ao estado laical”, com que
  12. 12. reflexão12 espiraljulgaram ofender os leigos, para “perda são claros o direito dos fiéis à absolvição,do estado clerical” (cc. 290-293). Padres, a faculdade e a obrigação de o padresim ou não?! Resposta dada por muitos: casado/dispensado/auto-dispensado/“Nim”! E o caráter indelével do marginalizado do exercício das Ordenssacramento da Ordem? Os fiéis católicos atender aqueles fiéis, e o correlativodesertam… Não compreendem, por dever de a Hierarquia o tornar possível.exemplo, embora todos irmãos, o todos Isto tem sido letra morta, pouco disto éao molho em: tanto quem pediu a cumprido, o que é grave, sobretudo,dispensa do exercício da Ordem e neste tempo de míngua de proclamaçãoobteve essa graça com a de poder da Palavra salvífica de Deus. Mais grave,receber outro sacramento (Matrimónio), ainda que esporadicamente, o tempocomo os penalizados, punidos, destinado, na liturgia, à Palavra, ouautodispensados, degradados, misturado com ela, ser para palavrasdemitidos… perversas contra os padres dispensados/ Voltando à tertúlia, foi lembrado que casados, e tantas vezes a fé no carátero grande Papa João XXIII, em 1959, indelével do sacramento da Ordem, queanunciou ter decidido a reforma do seria automaticamente afirmado eCódigo de Direito Canónico de 1917, compreendido, sai aniquilada com taljuntamente com a intenção de realizar o pregação.Sínodo de Roma e de convocar o c) Reconheceram a importância doConcílio Ecuménico Vaticano II. Dadas tema, motivador, por amor à Igreja/as implicações daqueles cc., os presentes Povo de Deus, de uma proposta, depoisna tertúlia fizeram algumas constatações apresentada na Assembleia Gerale comentários: referida: Discussão e decisão quanto à a) No Código de Direito Canónico faculdade e obrigação canónicas deAnotado – Edições Theológicas, Braga, administração do sacramento da1984 –, donde foram extraídos os Penitência em perigo de vida, por todoscânones transcritos, diz-se que o novo os sacerdotes.Código foi promulgado a fim de que a Nesta Assembleia Geralnova legislação se tornasse um meio eficaz para procuraram ter em conta, não sabem de Extraordinária, por falta de tempo, nãoque a Igreja possa aperfeiçoar-se, de acordo com quem (não) tem interesse nesta pôde ser cumprido esse desiderato doo espírito do Vaticano II, e cada dia esteja em divulgação/ocultação. ponto introduzido na Ordem demelhores condições de realizar a sua missão de b) Numa anotação do mesmo livro Trabalhos, mas ficou mais arreigada asalvação neste mundo. Causa perplexidade ao c. 986 § 2, é referido o dom do convicção de que é dever de todoso facto de a esmagadora maioria dos perdão no Sacramento da Penitência contribuir para que a credibilidadefiéis desconhecer o disposto naqueles como uma acção graciosa da misericórdia humana da Hierarquia aumente e de quecânones. Sabendo da corrente opinativa/ divina, mas que à Hierarquia foi conferido é urgente reconhecer e ler, atuandodecisória contra o disposto nos por Cristo este dom salvífico, donde se seguidamente com coerência, os Sinaisdocumentos do Concílio referido e que cita: Aqui é onde surge o direito do fiel, e o dos Tempos em que Deus também Seas diversas comissões que intervieram na correlativo dever de Bispos e sacerdotes de tornar manifesta, como, com frequência, referiaelaboração do Código supostamente os possível o exercício daquele direito. Portanto, João XXIII. Abr braço Pai O Abr aço do Pai * Manuel Sousa Gonçalves abraçou Nacionais,em definitivo o Pai, em 20 de profissão de professor. Residia em Fátima, emnovembro de 2011, domingo, Bagunte, Vila do Conde. 1996 (no 2º),Solenidade de Cristo Rei Era casado com Felisbela Azevedo e 1998 (5º); Nasceu em 20 de Maio de 1930, em Lopes Sousa Gonçalves. Tiveram dois *S. Gens, concelho de Fafe (Braga). filhos - Paulo Alexandre e Sónia Dulce. Regionais no Foi ordenado presbítero em 15 de O casal - sócio fundador nº25 - Sameiro emagosto de 1954, em Braga. Exerceu a participou nos seguintes encontros: 1996 e 1997.
  13. 13. notícias l espiral 13 REUNIÃO NO SEMINÁRIO DE CUCUJÃES, DA SOCIEDADE MISSIONÁRIA DA BOA NOVA João Simão R espondendo a um pedido nem sequer o atributo de leigo lhes do mosso Presidente, reconhece, pois recusa atribuir-lhes acompanhei a nossa Secretá- tarefas que permite aos leigos.ria ao Seminário dos Missionários da Quando o nosso Presidente daBoa Nova, em Cucujães, para, a convite Fraternitas me pediu para acompanhardo Superior Geral daquela Instituição, a nossa Secretária a essa reunião paradarmos o nosso contributo numa falarmos da nossa experiência dasreunião, a primeira, dos membros da primeiras reuniões da nossa associação,Sociedade Missionária da Boa Nova que não pude recusar.decidiram abandonar o exercício do A meu ver, aquela reunião correuministério. bem. Apareceram vários elementos que No convite do Superior Geral a foram da SMBN, alguns com asesses padres e irmãos leigos falava-se respectivas esposas. Sentámo-nos todosem reconciliação. É claro que uma no mesmo plano formando um largoreconciliação pressupõe um exercício de círculo. compreensivo, soube escutar e entenderboa vontade das duas partes: da O Presidente/Superior Geral a situação de cada um e manifestouInstituição e dos membros que se começou por saudar todos os presentes, interesse pelos seus problemas. Mesmoafastaram. A boa vontade da instituição agradecendo-lhes a comparência. Em não tendo a possibilidade de mudar aestava lá – era o convite do Superior. A seguida deu a palavra ao primeiro a situação jurídica da cada um, porque nãoda outra parte também lá estava – contar da esquerda. depende dele, fez-lhes sentir que podemnaqueles que vieram. Um a um, todos foram descrevendo contar com a SMBN. E, sobretudo, Como o tempo aplana muitos a traços largos o seu caso. Tal como restabeleceu os laços de afectividadeescolhos, as mentalidades mudam, os acontecia nos nossos primeiros com estes irmãos. Porque a Instituiçãopróprios indivíduos amadurecem. encontros da Fraternitas. No que diziam faz parte integrante do percurso da vidaEntão vai-se atenuando a agudeza dos notava-se que havia mágoa pelo não de cada um deles, este convite foi umagravos e o passar dos anos ensina a reconhecimento do trabalho realizado reatar da conexão ao ideal que osreconhecer o justo alcance daqueles enquanto estiveram ao serviço da formou, cujos valores cultivarão porincidentes que outrora foram causa de Instituição, por alguma arbitrariedade na toda a vida na situação concreta em quedesentendimento. for ma como foram tratados e, se encontram. Este novo Superior Geral estava sobretudo, pelo ostracismo a que foram Este encontro de irmãos desavindospreocupado, falava em reconciliação. votados. Depois, agradeciam o convite com a sua Instituição terá sido o inícioNão podendo juridicamente fazer para estarem ali. Vivendo sós, uns, e de um novo relacionamento, novo porreverter o afastamento acontecido, deu casados, outros, faltava-lhes o contacto começar agora e novo por ser diferente.um sinal de que a Instituição pensa daqueles com quem haviam crescido e Agora assenta em premissas detambém naqueles irmãos que se partilhado o mesmo ideal. Por isso compreensão e de aproximação, que,afastaram, começando por lhes dar uma exprimiam satisfação por voltarem de embora nada mudando no terreno,primeira ajuda afectiva: és um amigo. novo à casa onde se formaram e onde mudou tudo em termos de Do outro lado está alguém que passaram anos felizes. entendimento. A alma serenou, a alegriaachou que fez o que devia ser feito, que Pela Fraternitas foi dito que nos voltou. Mesmo ficando tudo na mesmaconsiderou o casamento como uma revíamos naquela reunião, historiámos em termos legais.opção legítima e respeitável. Se isso um pouco o que tem sido o nosso Aquela fotografia do conjunto, tiradaimplica a cessação do exercício do desenvolvimento e pusemo-nos à no claustro junto do monumento deministério, então que seja, fica leigo. Mas, disposição para o que for necessário. Nossa Senhora, será bem o sinal de queem termos práticos, a instituição Igreja O Superior, jovem ainda, afável e algo de novo começou ali.
  14. 14. notícias14 espiral«O seu primeiro encontro, em tudo, foi semelhante às primeiras reuniões da Fraternitas.» Urtélia Silva Urtélia Silv Foi a FRATERNITAS convidada a e ao momento. Para começar colocámos mal interpretadas. Se recusares perdoar,participar num Encontro com os “Ex- um texto à consideração da se recusares a reconciliação, onde estará,Membros (Padres e Irmãos) “ da “assembleia”, magistralmente todos em ti, o reflexo de Cristo? Em umaSMBN, em Cucujães, no passado dia 15 colocados em círculo, sobre oração para o opositor, quanta treva emde outubro, através de uma palestra ou reconciliação pensando em I Pedro 2, ti! Se perderes a misericórdia, terásmesa redonda. O objetivo deste 23-24 e Isaías 5, 37: “Ao sofrer, não perdido tudo. Sozinho, não podes fazerencontro foi o de “reunir os ex- ameaçava, antes, punha a sua causa nas muita coisa em favor do outro. (…) Omembros da SMBN numa jornada de mãos d´Aquele que julga com justiça… que caracteriza aqueles que buscam areflexão e confraternização”. Assim se Por Suas feridas fomos curados.” reconciliação é que, seguindo a Cristo,nos dirigiu o Pe. Albino dos Anjos, Reproduzo tal texto do irmão Roger desejam mais cumprir que abolir,Superior Geral: “Move-nos o desejo de (Comunidade de Taizé,1989), com compreender do que exortar. Mantêm-refletir convosco sobre as relações que vários cortes, após pedidos da sua se no interior, até que as própriasexistem entre cada um de vós e esta divulgação: “Tu que, sem olhar para trás, fragilidades da Igreja se transfigurem.Instituição e, se possível, aprofundar e queres seguir o Cristo, prepara-te com Ao invés de acender fogos de palha, dáincrementar os laços existentes, os quais uma vida cheia de simplicidade, para a tua vida até ao fim, ela se tornará, diaexprimem o compromisso de serviço à lutar com um coração reconciliado. No após dia, criação com Deus.”Igreja e à Missão. lugar que te cabe, não receies a luta (…). “(…) não apagar o carisma que A SMBN vive este ano pastoral sob A palavra por si só, pode transformar- está em nós, nos que se afastaram.(…)”a luz da “reconciliação”. Acredito e se numa droga. Custe o que custar, Ora se um carisma for como umcelebro esta expressão da fé cristã, como prepara-te também para a luta dentro arco-íris, ele está lá… Se corrermos paracontínua fonte da nossa redenção. Junto de ti mesmo, para que te encontrem fiel ele - está mais lá! Nessa corrida afastamo-de si gostaria de a testemunhar como a Cristo até à morte. Com esta nos de facto de algo, que deixámos parairmão em Cristo. A nossa missão visa continuidade de uma existência inteira, trás, mas aproximamo-nos de outroconcretizar a redenção na vida do constrói-se em ti uma unidade interior algo, mais além, que queremos alcançar!...homem nas suas múltiplas formas de que per mite transpor todos os Qual é, onde está a meta?!expressão. (…)”. Noutro momento, obstáculos. Lutar com um coração Se os objetivos foram alcançados dereafirmou-nos ser importante ter reconciliado supõe manter-se firme no parte a parte? Para tal início da caminhadapresente: “ Motivar a reconciliação meio das mais fortes tensões. Longe de ou corrida, cremos que sim. Esperemosonde há corações feridos: não apagar abafar as tuas energias, uma luta assim em Esperança que sejam para continuar.o carisma que está em nós, nos que convida-te a concentrar todas as tuas Este tipo de encontros poderiase afastaram. Como ser ou como forças vivas. Talvez tuas intenções sejam continuar, tendo o atual Superior Geralsomos pedras vivas na Igreja?” E a encetado tal caminhada ou corrida.nós especificamente, a questão: «Sinto-me profundamente em O arco-íris também está em nós. “Como é que a FRATERNITAS comunhão com vosso sentido de Como presença do Espírito Santo, dompromove a reconciliação dos membros presença e amor à Igreja o qual nos gratuito oferecido tanto aos movimentosconsigo mesmos, com a Igreja, com a faz a todos moldar nossa vida de como aos cristãos, para que uns e outrossua Diocese e/ou Instituto, com Deus?” acordo com jesus Cristo. testemunhem e “façam” Igreja no Estiveram presentes da nossa parte Alegro-me de ter dado um singelo Mundo e santidade no coração.o primeiro presidente da direção, a atual contributo na construção da Igreja. E tal como os outros asecretária e o casal Reis. Da SMBN, 15 Agradeço vossa presença, vossas FRATERNITAS recebeu 2 livros:membros acrescidos de 4 esposas e o palavras e partilha connosco. “Missionários da Boa Nova – 75 anosfilho de um dos membros. De minha parte, guardarei em meu de memória (1930 – 2005)”, maio de Sendo o seu primeiro encontro, coração, em lugar bem quentinho, a 2007, 587 páginas e - “Sociedadeem tudo foi semelhante às primeiras memória deste encontro. Por Missionária da Boa Nova-1930-2005-reuniões da Fraternitas. O nosso todos,em oraçao, vos recordarei Documentos da Fundação ealinhamento previsto foi assim alterado diante de Deus Pai Orientação”, 2007, 183 páginas, ambose adaptado às circunstâncias, ao tempo P.e Albino dos Anjios, SMBN de Pe. Manuel Castro Afonso.
  15. 15. fraternitas fraternit ternitas l espiral 15 «Virtudes da família, exemplo para resolver crise», afirma Bento XVI Zenit O Bento XVI propôs as Centesimus Annus, Domingo outubro, os debates se desenvolveram de virtudes da família como Sugranyes, explicou que “mesmo nas maneira especialmente viva, com exemplo para resolver a gravíssimas tensões e incertezas que experiências pessoais sobre temas comocrise económica, ao receber os enfrentamos em nosso trabalho o assistencialismo, benefícios sociais,participantes da jornada “Família, empresarial”, a Fundação tenta mercado, produtividade, solidariedade,empresa: superar a crise com novas contribuir com a “nova empresas sociais, sempre cotejados comformas de solidariedade”, a doutrina social da Igreja.organizada pela Fundação O reitor de Ciências Políticas daCentesimus Annus. Universidade Católica de Milão, Durante a audiência, o papa Alberto Quadrio Curzio, explicou adestacou que o mundo do trabalho, ZENIT que “às vezes há equívocosda economia e da empresa têm que porque cada um de nós tem umase guiar pela cáritas, pelo amor, experiência pessal de vida concreta”.porque “o modelo familiar da “O aluno tende a exagerar o que faz,lógica do amor, da gratuidade e da e nem sempre se dá conta de que adoação tem uma dimensão vida cotidiana é mais complexa. Ouniversal”. empresário, por sua vez, insiste no seu O pontífice explicou que a próprio negócio”.justiça comutativa e a distributiva Devem-se focar “os valoresnão são suficientes na convivência comuns, que devemos não só viver,social: “Para a verdadeira justiça, é mas aprender a comunicar partindonecessária a gratuidade e a da nossa experiência”.solidariedade.” Para o reconhecido economista, “A solidariedade é todos se o ápice do congresso foi “a naturezasentirem responsáveis por todos; polivalente da solidariedade: dentropor isso ela não pode ser deixada da família, também quando ela sesó nas mãos do Estado.” enfraquece, podemos reconstruí-la “Antes, pensava-se que a justiça participando em comunidades maisvinha primeiro e a gratuidade amplas de solidariedade, em formasdepois, como um complemento, associativas”.mas hoje é necessário dizer que sem O congresso destacou aa gratuidade não se consegue nem Centesimus Annus, que vê a empresasequer a justiça.” como uma comunidade e a O papa indicou que “não é comunidade familiar como modelodever da Igreja definir as vias para para a empresa.encarar a crise actual”. “Porém”, evangelização de que o mundo Os participantes apontaram que osprosseguiu, “os cristãos têm o dever de moderno precisa urgentemente”. bens económicos devem ficar em funçãodenunciar os males, testemunhar e manter Por isso, anunciou o lançamento do trabalho e da pessoa, visão que avivos os valores em que se fundamenta a de um curso virtual de doutrina social encíclica Caritas in veritate aprofunda,dignidade da pessoa, e promover as da Igreja, organizado em estreita propondo a lógica da gratuidade e doformas de solidariedade que favorecem colaboração com a Universidade dom, não como filantropia, mas comoo bem comum, para que a humanidade Pontifícia Lateranense. relação de responsabilidade ese torne a família de Deus”. Na segunda jornada da solidariedade em que todos devem O presidente da Fundação conferência de dois dias, em 14 de sentir-se responsáveis por todos.
  16. 16. Continuamos em alegre | P.Ta Malmequeres, 4 - 3.º Esq | 2745-816 QUELU Z | E-mail: fernfelix@gmail.com e ativa esperança Continuamos à espera. É isso mesmo o que é o Advento, os quatro domingos de espera até ao dia em que Deus Se fez menino e veio viver entre nós, e o advento de todos os dias, em que rezamos: «Vem, Senhor Jesus!» sem esta esperança que renasce, sem esta visita do amor que se faz vida, andariamos inquietos. «NATAL Mais uma vez, cá vimos Boletim de Fraternitas Movimento | Trimestral | Festejar o teu novo nascimento, QUELU Nós, que, parece, nos desiludimos Do teu advento! A t od o s Cada vez o teu Reino é menos deste mundo!Mas vimos, com as mãos cheias dos nossos pomos, Festejar-te, - do fundo Da miséria que somos. Os que à chegada Te vimos esperar com palmas, frutos, hinos, Um Santo Somos - não uma vez, mas cada - Teus assassinos. À tua mesa nos sentamos: e FelizTeu sangue e corpo é que nos mata a sede e a fome; Mas por trinta moedas te entregamos; E por temor, negamos o teu nome. N a ta l P.Ta Sob escárnios e ultrajes, Ao vulgo te exibimos, que te aclame; Te rojamos nas lajes; Redacção: Fernando Félix Te cravejamos numa cruz infame. Depois, a mesma cruz, a erguemos, Como um farol de salvação, Sobre as cidades em que ferve extremos A nossa corrupção. Os que em leilão a arrematamos Como sagrada peça única, De voltar, - e te esqueces Somos os que jogamos, De que a nossa indigência Recusa Tudo que lhe ofereces? Para comércio, a tua túnica. Mas, se um ano tu deixas de nascer, espiral Tais somos, os que, por costume, Se de vez se nos cala a tua voz, Vimos, mais uma vez, Se enfim por nós desistes de morrer, Aquecer-nos ao lume Jesus recém-nascido! o que será de Que do teu frio e solidão nos dês. nós?!» Como é que ainda tens a infinita paciência José Régio

×