Apresentação5

Apresentação5
Apresentação5
 A técnica de trabalho com linha energizada (linha
viva), foi desenvolvida em função da dificuldade de
desligamento em alguns circuitos importantes.
 Essa atividade deve ser realizada mediante a adoção de
procedimentos e de metodologia de trabalho.
 Técnica de trabalho com linha viva método a distância;
 Técnica de trabalho com linha viva método ao contato;
 Técnica de trabalho com linha viva método ao
potencial;
 Técnica de segurança para trabalhos em painéis de
cubículos.
Técnica de trabalho com
linha viva método a
distância
Primeiro método desenvolvido, o eletricista executa as
operações com o auxilio de ferramentas montadas nas
extremidades dos bastões isolantes. Com este método, é
possível trabalhar em todas as classes de tensão. Todo
conjunto de equipamento é projetado para facilitar os
movimentos dos eletricistas, no alto dos postes ou das
estruturas, com total segurança, tanto na manobra das
articulações para afastamento dos condutores, como nas
manipulações das cadeias de isoladores.
Neste método, o eletricista deve observar rigorosamente a
distância de trabalho, ou seja, a sua distância com o
condutor energizado.
Os eletricistas trabalham em potencial de terra, ou seja,
posicionados em escadas isoladas, ou até mesmo em
“esporas” executando todos os serviços usando
ferramentas e equipamentos adequados.
Este é o método no qual o trabalhador interage com a
parte energizada a uma distância segura, por meio do
emprego de procedimentos, estruturas, equipamentos,
ferramentas e dispositivos isolantes apropriados.
Na execução de serviços que utilizam esse método de
trabalho, o eletricista deverá estar perfeitamente
acomodado na escada, e todo o serviço será executado
através de bastões. Em hipótese nenhuma será
permitido que o eletricista toque nas redes
diretamente.
Apresentação5
O trabalhador tem contato com a rede energizada
mas não fica no mesmo potencial da rede elétrica.
O serviço é executado com luvas e mangas
isolantes, auxílio de uma plataforma, andaime ou
veículo equipado com cestas aérea, ele executa os
serviços diretamente com as mãos.
Toda a zona de trabalho é protegida por coberturas
isolantes apropriadas e, à medida que decorrem as
tarefas, via-se descobrindo o espaço estritamente
necessário à operação em causa, tais como executar
uma derivação, substituir um isolador, efetuar
uma emenda, etc.
Os eletricistas se posicionam em um potencial
intermediário ficando isolados do potencial de terra.
Na execução de serviços, nesse método de trabalho, o
eletricista se acomoda em uma cesta aérea ou em cima
de uma plataforma isolada ou, ainda, numa escada
isolada (fiberglass) devidamente aparamentado com
mangas de borracha, luva de borracha de cobertura na
classe de tensão da rede e, todo o serviço será
executado diretamente na fase energizada.
Praticamente todos os serviços que se fazem
necessários nas redes de distribuição aérea, podem ser
executados com as redes energizadas, especialmente
agora com o desenvolvimento de ferramentas e de
equipamentos que garantem a segurança dos
trabalhadores.
Apresentação5
Permitir maiores recursos na manutenção, principalmente
em linhas de extra alta tensão, acima de 345 kV, nas quais as
distâncias de trabalho são superiores a 3 metros, bem como
nas subestações a partir de 69 KV.
O trabalho ao potencial baseia-se no princípio da Gaiola de
Faraday e consiste no contato direto do eletricista com o
condutor energizado, em tensões de até 800 KV.
Consiste levar o eletricista ao condutor energizado por meio
de escada isolante, cestas (cujo isolamento é previamente
testado) ou helicópteros.
O eletricista conecta a sua vestimenta a esse condutor, que
estará no mesmo potencial da linha. Antes da utilização da
escada, da cadeira isolada, do andaime ou da cesta aérea,
que permite o acesso ao potencial, efetuam-se testes elétricos
nas mesmas por meio de um micro amperímetro, para
assegura-se de que seu isolamento está dentro dos limites de
segurança.
Quando estiver no helicóptero, primeiro equipotencializar a
carcaça da máquina tanto no início quanto no término da
atividade
Apresentação5
O sono é a principal queixa dos trabalhadores noturnos. Durante o dia, o
barulho, a claridade e movimentação de pessoas em casa prejudicam o
sono, tornando-o menos reparador. A privação do sono provoca fadiga
crônica e queda no desempenho, o que contribui para o “erro humano” e
os acidentes de trabalho. O risco de ocorrerem acidentes no trabalho
noturno é três vezes maior, quando comparado ao trabalho diurno.
Ritmo biológico
O corpo humano tem ritmos biológicos, que o preparam para a vigília do
dia. Antes de acordarmos, o corpo secreta um hormônio chamado
cortisol, que nos prepara para reagir e desempenhar as atividades. Esse
ritmo praticamente não muda, mesmo quando a pessoa fica acordada à
noite, prejudicando o sono diurno.
Em relação à alimentação, estudos mostram que o trabalhador noturno
tem maior habito de ingerir alimentos pré-cozidos e congelados. Além
disso, algumas empresas que oferecem refeições não se preocupam em
preparar um cardápio especial para o trabalhador noturno, incluindo até
feijoada para essa população.
São frequentes as queixas de trabalhadores noturnos em relação à azia,
dores abdominais, constipação. Esses sintomas podem se agravar e
chegar a uma gastrite crônica ou úlcera. Isso porque nosso sistema
digestivo está preparado para trabalhar melhor durante o dia.
É importante que a empresa permita pequenos cochilos durante o
horário de trabalho, quando possível. Quanto à dieta, deve-se planejar
melhor o horário das refeições e a qualidade dos alimentos; problemas
cardíacos podem ser evitados.O relaxamento, prática de atividade física e
maior exposição à luz natural permitem melhores qualidades de vida.
Em todos os locais de trabalho deve haver iluminação adequada, natural
ou artificial, geral ou suplementar, apropriada a natureza das atividades.
A iluminação geral deve ser uniformemente distribuída e difusa.
A iluminação que se refere à quantidade de luminosidade que incide no
local de trabalho do empregado. Não se trata da iluminação em geral,
mas a quantidade de luz no ponto focal do trabalho. Assim, os padrões
de iluminação são estabelecidos de acordo com o tipo de tarefa visual
que o empregado deve executar: quanto maior a concentração visual do
empregado em detalhes e minúcias tanto mais necessária a luminosidade
no ponto focal de trabalho.
A má iluminação causa fadiga à vista, prejudica o sistema nervoso,
concorre para a má qualidade do trabalho e é responsável por razoável
parcela dos acidentes. Um sistema de iluminação deve possuir os
seguintes requisitos:
a) Ter suficiência: de forma que cada foco luminoso forneça toda
quantidade de luz necessária a cada tipo de trabalho.
b) Estar sempre constante e uniformemente distribuído: de modo que
evite a fadiga dos olhos, decorrente das sucessivas acomodações em
virtude das variações da intensidade da luz.
Importância da boa iluminação
Na segurança - diminui as probabilidades das ocorrências de acidentes,
facilitando a visualização;
Na produtividade – aumenta o rendimento.
No fator humano - age de forma psíquica ao tornar o ambiente de
trabalho mais propício.
Fatores de influência
Tipos de lâmpadas ou luminárias
A escolha do tipo de lâmpadas e luminárias tem fundamental importância
para a qualidade final da iluminação, pois cada equipamento tem seu
respectivo índice de eficácia
Quantidades de luminárias
As luminárias devem ser distribuídas de forma tal que proporcionem um
nível de iluminação compatível com a necessidade da atividade e do
ambiente.
Distribuição das luminárias
Devem ser distribuídas no ambiente de forma a proporcionar uma
iluminação homogênea e uniforme, com um certo cuidado de não criar
sombras ou contrastes nos locais onde se deseja iluminar.
Manutenção
Periodicamente devem ser realizadas operações de limpeza das
luminárias para evitar acúmulo de poeiras ou insetos, substituição de
lâmpadas defeituosas a fim de obter o mínimo de depreciação do fator
de iluminação.
A iluminação geral ou suplementar deve ser projetada e instalada de
forma a evitar ofuscamento, reflexos incômodos, sombras e contrastes
excessivos.
Os níveis mínimos de iluminação a serem observados nos locais de
trabalho são os valores de iluminâncias estabelecidos na NBR 5413,
norma brasileira registrada no INMETRO.
A medição dos níveis de iluminamento previstos no subitem 17.5.3.3
deve ser feita no campo de trabalho onde se realiza a tarefa visual,
utilizando-se de luxímetro com fotocélula corrigida para a sensibilidade
do olho humano e em função do ângulo de incidência.
Durante o trabalho noturno ou em condições de pouca visibilidade em
subestações, dentro de todas as instalações do SEP “Sistema Elétrico de
Potência’’ devem possuir iluminação suficiente.
Quando as condições atmosféricas impedirem a visibilidade, mesmo
com iluminação artificial, os trabalhos e o tráfego de veículos e
equipamentos móveis deverão ser suspensos.
Apresentação5
Para trabalhos realizados no SEP, em instalações e serviços elétricos em
ambientes subterrâneos, os requisitos abaixo deverão ser seguidos:
As galerias devem ser projetadas e construídas de forma compatível
com a segurança do profissional da área de elétrica e equipamentos que
por elas transitam, assegurando posição confortável e impedindo o
contato acidental com o teto e paredes.
Os acessos às bancadas devem ser identificados e sinalizados.
Ventilação em atividades de subsolo
As atividades em subsolo devem dispor de sistema de ventilação
mecânica que atenda aos seguintes requisitos:
a) Suprimento de oxigênio;
b) Renovação contínua do ar;
c) Diluição eficaz de gases inflamáveis ou nocivos e de poeiras do
ambiente de trabalho;
d) Temperatura e umidade adequadas ao trabalho humano ;
e) Ser mantido e operado de forma regular e contínua.
As instalações e serviços de eletricidade devem ser projetados,
executados, operados, mantidos, reformados e ampliados, correta
proteção contra fugas de corrente, curtos-circuitos e choques elétricos
de forma a permitir a adequada distribuição de energia e isolamento.
Os serviços de manutenção ou reparo de sistemas elétricos só podem
ser executados com o equipamento desligado, etiquetado, bloqueado e
aterrado, exceto se forem:
a) Utilizadas técnicas adequadas para circuitos energizados;
b) Utilizadas ferramentas e equipamentos adequadas à classe de
tensão;
c)Tomadas precauções necessárias para a segurança dos trabalhadores.
O bloqueio durante as operações de manutenção e reparo de instalações
elétricas deve ser realizado utilizando-se de cadeado e etiquetas
sinalizadoras, fixadas em local visível, contendo, no mínimo, as seguintes
indicações:
a) Horário e data do bloqueio;
b) Motivo da manutenção e
c) Nome do responsável pela operação.
Os equipamentos e máquinas de emergência, destinados a manter a
continuidade do fornecimento de energia elétrica e as condições de
segurança no trabalho, devem ser mantidos permanentemente em
condições de funcionamento.
A instalação: carcaça, invólucro, blindagem ou peça condutora, que não
faça parte dos circuitos elétricos mas que, eventualmente, possa ficar sob
tensão, deve ser aterrada, desde que esteja em local acessível a contatos.
Havendo possibilidade de contato com água, devem ser projetadas,
executadas e mantidas com especial cuidado quanto à blindagem,
estanqueidade, isolamento, aterramento e proteção contra falhas
elétricas.
1 de 32

Recomendados

2 A Metodologia Das Equipes De Linha Viva 14 11 2005 por
2 A Metodologia Das Equipes De Linha Viva 14 11 20052 A Metodologia Das Equipes De Linha Viva 14 11 2005
2 A Metodologia Das Equipes De Linha Viva 14 11 2005Santos de Castro
1.2K visualizações21 slides
NR10 - TREINAMENTO NR 10 ATUALIZADO.ppt por
NR10 - TREINAMENTO NR 10 ATUALIZADO.pptNR10 - TREINAMENTO NR 10 ATUALIZADO.ppt
NR10 - TREINAMENTO NR 10 ATUALIZADO.pptTalmom Taciano
2.8K visualizações54 slides
treinamento nr 18 por
treinamento nr 18treinamento nr 18
treinamento nr 18pwolter
12.4K visualizações30 slides
Apresentação NR 35 - Trabalho em altura lino por
 Apresentação NR 35 - Trabalho em altura   lino Apresentação NR 35 - Trabalho em altura   lino
Apresentação NR 35 - Trabalho em altura linolino1250
3K visualizações104 slides
1. introdução à segurança com eletricidade.eps por
1. introdução à segurança com eletricidade.eps1. introdução à segurança com eletricidade.eps
1. introdução à segurança com eletricidade.epsMA Consultoria e Treinamentos LTDA
7.1K visualizações19 slides
Nr10/SEP - Segurança em instalações e serviços com eletricidade por
Nr10/SEP - Segurança em instalações e serviços com eletricidadeNr10/SEP - Segurança em instalações e serviços com eletricidade
Nr10/SEP - Segurança em instalações e serviços com eletricidadeAlexandre Grossi
3.8K visualizações55 slides

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

MEDIDAS DE CONTROLE DOS RISCOS ELÉTRICOS por
 MEDIDAS DE CONTROLE DOS RISCOS ELÉTRICOS MEDIDAS DE CONTROLE DOS RISCOS ELÉTRICOS
MEDIDAS DE CONTROLE DOS RISCOS ELÉTRICOSDiegoAugusto86
304 visualizações24 slides
A nova nr 10 - implantação do pie por
A nova nr 10 - implantação do pieA nova nr 10 - implantação do pie
A nova nr 10 - implantação do pieWallace Silva
6.4K visualizações141 slides
Nr 10 segurança do trabalho por
Nr 10   segurança do trabalhoNr 10   segurança do trabalho
Nr 10 segurança do trabalhotatytf
6.3K visualizações23 slides
Nr 10 sep por
Nr 10 sepNr 10 sep
Nr 10 sepLeonardo Marteleto Bernini
1.3K visualizações214 slides
Trabalho nr10 segurança do trabalho por
Trabalho nr10 segurança do trabalhoTrabalho nr10 segurança do trabalho
Trabalho nr10 segurança do trabalhoUTFPR
1.4K visualizações24 slides
Treinamento NR-18 Construção Civil.ppt por
Treinamento NR-18 Construção Civil.pptTreinamento NR-18 Construção Civil.ppt
Treinamento NR-18 Construção Civil.pptssuser3b3997
537 visualizações20 slides

Mais procurados(20)

MEDIDAS DE CONTROLE DOS RISCOS ELÉTRICOS por DiegoAugusto86
 MEDIDAS DE CONTROLE DOS RISCOS ELÉTRICOS MEDIDAS DE CONTROLE DOS RISCOS ELÉTRICOS
MEDIDAS DE CONTROLE DOS RISCOS ELÉTRICOS
DiegoAugusto86304 visualizações
A nova nr 10 - implantação do pie por Wallace Silva
A nova nr 10 - implantação do pieA nova nr 10 - implantação do pie
A nova nr 10 - implantação do pie
Wallace Silva6.4K visualizações
Nr 10 segurança do trabalho por tatytf
Nr 10   segurança do trabalhoNr 10   segurança do trabalho
Nr 10 segurança do trabalho
tatytf6.3K visualizações
Trabalho nr10 segurança do trabalho por UTFPR
Trabalho nr10 segurança do trabalhoTrabalho nr10 segurança do trabalho
Trabalho nr10 segurança do trabalho
UTFPR1.4K visualizações
Treinamento NR-18 Construção Civil.ppt por ssuser3b3997
Treinamento NR-18 Construção Civil.pptTreinamento NR-18 Construção Civil.ppt
Treinamento NR-18 Construção Civil.ppt
ssuser3b3997537 visualizações
Procedimento de segurança na operação de serra circular por Adams David
Procedimento de segurança na operação de serra circularProcedimento de segurança na operação de serra circular
Procedimento de segurança na operação de serra circular
Adams David30.5K visualizações
Apresentação NR 10 Reciclagem.pptx por Douglas703492
Apresentação NR 10 Reciclagem.pptxApresentação NR 10 Reciclagem.pptx
Apresentação NR 10 Reciclagem.pptx
Douglas703492272 visualizações
TREINAMENTO BLOQUEIO VALE-PAULO.ppt por BaltazarGeraldoJnior
TREINAMENTO BLOQUEIO VALE-PAULO.pptTREINAMENTO BLOQUEIO VALE-PAULO.ppt
TREINAMENTO BLOQUEIO VALE-PAULO.ppt
BaltazarGeraldoJnior594 visualizações
Nr 10 por mjmcreatore
Nr 10Nr 10
Nr 10
mjmcreatore7.1K visualizações
Apt industrial-10-corte-serra-circular-bancada por Luis Araujo
Apt industrial-10-corte-serra-circular-bancadaApt industrial-10-corte-serra-circular-bancada
Apt industrial-10-corte-serra-circular-bancada
Luis Araujo2.1K visualizações
Treinamento em Altura NR - 35.ppt por EmersonluizNeves1
Treinamento em Altura NR - 35.pptTreinamento em Altura NR - 35.ppt
Treinamento em Altura NR - 35.ppt
EmersonluizNeves1718 visualizações
Ordem de-servico-vigia por Marcelo Santos
Ordem de-servico-vigiaOrdem de-servico-vigia
Ordem de-servico-vigia
Marcelo Santos630 visualizações
Seguranca Eletricidade - Apresentação por Jonas Abilio Sestrem Jr
Seguranca Eletricidade - ApresentaçãoSeguranca Eletricidade - Apresentação
Seguranca Eletricidade - Apresentação
Jonas Abilio Sestrem Jr12.5K visualizações
TRABALHO EM ALTURA - Treinamento (SENAI).ppt por PalomaRibeirodeOlive
TRABALHO EM ALTURA - Treinamento (SENAI).pptTRABALHO EM ALTURA - Treinamento (SENAI).ppt
TRABALHO EM ALTURA - Treinamento (SENAI).ppt
PalomaRibeirodeOlive153 visualizações
Nfpa70 e.n1.ufel .ppt por whag
Nfpa70 e.n1.ufel .pptNfpa70 e.n1.ufel .ppt
Nfpa70 e.n1.ufel .ppt
whag1.9K visualizações
Aula IV - Nr 10 - Parte I por Jonatas Rodrigues
Aula IV - Nr 10   - Parte I Aula IV - Nr 10   - Parte I
Aula IV - Nr 10 - Parte I
Jonatas Rodrigues1.6K visualizações

Destaque

Apresentação1 por
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1Fernandoprotec
340 visualizações59 slides
ServiçOs Em Redes De DistribuiçãO AéReas Energizadas por
ServiçOs Em Redes De DistribuiçãO AéReas EnergizadasServiçOs Em Redes De DistribuiçãO AéReas Energizadas
ServiçOs Em Redes De DistribuiçãO AéReas EnergizadasSantos de Castro
5.3K visualizações14 slides
5 900 versão 2015 (vigência 26 11-2015) por
5 900 versão 2015 (vigência 26 11-2015)5 900 versão 2015 (vigência 26 11-2015)
5 900 versão 2015 (vigência 26 11-2015)Richard Freitas
241 visualizações37 slides
2 A Metodologia Das Equipes De Linha Viva 14 11 2005 por
2 A Metodologia Das Equipes De Linha Viva 14 11 20052 A Metodologia Das Equipes De Linha Viva 14 11 2005
2 A Metodologia Das Equipes De Linha Viva 14 11 2005Santos de Castro
2.8K visualizações21 slides
2 B Equipamentos De Linha Viva 31 10 2005 por
2 B Equipamentos De Linha Viva   31 10 20052 B Equipamentos De Linha Viva   31 10 2005
2 B Equipamentos De Linha Viva 31 10 2005Santos de Castro
4K visualizações60 slides
Modulo 3 (64 A 81) por
Modulo 3 (64 A 81)Modulo 3 (64 A 81)
Modulo 3 (64 A 81)Santos de Castro
5.5K visualizações53 slides

Destaque(8)

Apresentação1 por Fernandoprotec
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
Fernandoprotec340 visualizações
ServiçOs Em Redes De DistribuiçãO AéReas Energizadas por Santos de Castro
ServiçOs Em Redes De DistribuiçãO AéReas EnergizadasServiçOs Em Redes De DistribuiçãO AéReas Energizadas
ServiçOs Em Redes De DistribuiçãO AéReas Energizadas
Santos de Castro5.3K visualizações
5 900 versão 2015 (vigência 26 11-2015) por Richard Freitas
5 900 versão 2015 (vigência 26 11-2015)5 900 versão 2015 (vigência 26 11-2015)
5 900 versão 2015 (vigência 26 11-2015)
Richard Freitas241 visualizações
2 A Metodologia Das Equipes De Linha Viva 14 11 2005 por Santos de Castro
2 A Metodologia Das Equipes De Linha Viva 14 11 20052 A Metodologia Das Equipes De Linha Viva 14 11 2005
2 A Metodologia Das Equipes De Linha Viva 14 11 2005
Santos de Castro2.8K visualizações
2 B Equipamentos De Linha Viva 31 10 2005 por Santos de Castro
2 B Equipamentos De Linha Viva   31 10 20052 B Equipamentos De Linha Viva   31 10 2005
2 B Equipamentos De Linha Viva 31 10 2005
Santos de Castro4K visualizações
Modulo 3 (64 A 81) por Santos de Castro
Modulo 3 (64 A 81)Modulo 3 (64 A 81)
Modulo 3 (64 A 81)
Santos de Castro5.5K visualizações
1 Normas E Procedimentos De Linha Viva 13 11 2005 por Santos de Castro
1 Normas E Procedimentos De Linha Viva 13 11 20051 Normas E Procedimentos De Linha Viva 13 11 2005
1 Normas E Procedimentos De Linha Viva 13 11 2005
Santos de Castro19.8K visualizações
9 SubstituiçãO De Poste PrimáRio Com Rede SecundáRia Energizada X por Santos de Castro
9 SubstituiçãO De Poste PrimáRio Com Rede SecundáRia  Energizada X9 SubstituiçãO De Poste PrimáRio Com Rede SecundáRia  Energizada X
9 SubstituiçãO De Poste PrimáRio Com Rede SecundáRia Energizada X
Santos de Castro3.5K visualizações

Similar a Apresentação5

NR_10_SEP_Equipamentos_de_Protecao_Indiv.pdf por
NR_10_SEP_Equipamentos_de_Protecao_Indiv.pdfNR_10_SEP_Equipamentos_de_Protecao_Indiv.pdf
NR_10_SEP_Equipamentos_de_Protecao_Indiv.pdfJoshuaBrown621645
3 visualizações10 slides
DA - Unidade 14- INST ELETRICAS.pdf por
DA - Unidade 14- INST ELETRICAS.pdfDA - Unidade 14- INST ELETRICAS.pdf
DA - Unidade 14- INST ELETRICAS.pdfUniversidade Federal do Rio Grande - FURG
44 visualizações47 slides
Segurança No Trabalho - NR 10.pptx por
Segurança No Trabalho - NR 10.pptxSegurança No Trabalho - NR 10.pptx
Segurança No Trabalho - NR 10.pptxGeoesteAssistente
65 visualizações51 slides
TREINAMENTO NR 10 AT.pptx por
TREINAMENTO NR 10 AT.pptxTREINAMENTO NR 10 AT.pptx
TREINAMENTO NR 10 AT.pptxSURICATASoluesemSegu
84 visualizações30 slides
NR10 - Aterramento, EPI, EPC, Responsabilidades-1.ppt por
NR10 - Aterramento, EPI, EPC, Responsabilidades-1.pptNR10 - Aterramento, EPI, EPC, Responsabilidades-1.ppt
NR10 - Aterramento, EPI, EPC, Responsabilidades-1.pptCristianadaSilvaOLiv2
8 visualizações38 slides
00 - NR 10 Rev_02- 01.01.2021. por
00 - NR 10 Rev_02- 01.01.2021.00 - NR 10 Rev_02- 01.01.2021.
00 - NR 10 Rev_02- 01.01.2021.NewAge16
25 visualizações136 slides

Similar a Apresentação5(20)

NR_10_SEP_Equipamentos_de_Protecao_Indiv.pdf por JoshuaBrown621645
NR_10_SEP_Equipamentos_de_Protecao_Indiv.pdfNR_10_SEP_Equipamentos_de_Protecao_Indiv.pdf
NR_10_SEP_Equipamentos_de_Protecao_Indiv.pdf
JoshuaBrown6216453 visualizações
Segurança No Trabalho - NR 10.pptx por GeoesteAssistente
Segurança No Trabalho - NR 10.pptxSegurança No Trabalho - NR 10.pptx
Segurança No Trabalho - NR 10.pptx
GeoesteAssistente65 visualizações
NR10 - Aterramento, EPI, EPC, Responsabilidades-1.ppt por CristianadaSilvaOLiv2
NR10 - Aterramento, EPI, EPC, Responsabilidades-1.pptNR10 - Aterramento, EPI, EPC, Responsabilidades-1.ppt
NR10 - Aterramento, EPI, EPC, Responsabilidades-1.ppt
CristianadaSilvaOLiv28 visualizações
00 - NR 10 Rev_02- 01.01.2021. por NewAge16
00 - NR 10 Rev_02- 01.01.2021.00 - NR 10 Rev_02- 01.01.2021.
00 - NR 10 Rev_02- 01.01.2021.
NewAge1625 visualizações
Sistema automático por Camila Mairinques
Sistema automáticoSistema automático
Sistema automático
Camila Mairinques357 visualizações
Ordem de-servico-eletricista por Andre Cruz
Ordem de-servico-eletricistaOrdem de-servico-eletricista
Ordem de-servico-eletricista
Andre Cruz640 visualizações
Apresentação10 por Fernandoprotec
Apresentação10Apresentação10
Apresentação10
Fernandoprotec562 visualizações
Apresentação7 por Fernandoprotec
Apresentação7Apresentação7
Apresentação7
Fernandoprotec163 visualizações
Aula nr 10 por everTomandrade
Aula   nr 10Aula   nr 10
Aula nr 10
everTomandrade645 visualizações
MODULO I (1. NR-10 BÁSICO - 40H) por Qualify Capacitação
MODULO I (1. NR-10 BÁSICO - 40H)MODULO I (1. NR-10 BÁSICO - 40H)
MODULO I (1. NR-10 BÁSICO - 40H)
Qualify Capacitação1.3K visualizações
Subestações por jccabral
SubestaçõesSubestações
Subestações
jccabral2.3K visualizações
Medidas de controle de risco eletrico.pdf por Clesio Dias Junior
Medidas de controle de risco eletrico.pdfMedidas de controle de risco eletrico.pdf
Medidas de controle de risco eletrico.pdf
Clesio Dias Junior45 visualizações
Apresentação6 por Fernandoprotec
Apresentação6Apresentação6
Apresentação6
Fernandoprotec296 visualizações
Bloqueios de energia por sandra brizolla
Bloqueios de energiaBloqueios de energia
Bloqueios de energia
sandra brizolla7.4K visualizações
AULA NR 10.pptx por rafael756547
AULA NR 10.pptxAULA NR 10.pptx
AULA NR 10.pptx
rafael75654737 visualizações
Se por Cezar de Barros
SeSe
Se
Cezar de Barros1.5K visualizações

Mais de Fernandoprotec

Apresentação14 por
Apresentação14Apresentação14
Apresentação14Fernandoprotec
169 visualizações67 slides
Apresentação13 por
Apresentação13Apresentação13
Apresentação13Fernandoprotec
1.1K visualizações55 slides
Apresentação12 por
Apresentação12Apresentação12
Apresentação12Fernandoprotec
413 visualizações50 slides
Apresentação11 por
Apresentação11Apresentação11
Apresentação11Fernandoprotec
189 visualizações26 slides
Apresentação9 por
Apresentação9Apresentação9
Apresentação9Fernandoprotec
84 visualizações23 slides
Apresentação8 por
Apresentação8Apresentação8
Apresentação8Fernandoprotec
1.1K visualizações19 slides

Mais de Fernandoprotec(20)

Apresentação14 por Fernandoprotec
Apresentação14Apresentação14
Apresentação14
Fernandoprotec169 visualizações
Apresentação13 por Fernandoprotec
Apresentação13Apresentação13
Apresentação13
Fernandoprotec1.1K visualizações
Apresentação12 por Fernandoprotec
Apresentação12Apresentação12
Apresentação12
Fernandoprotec413 visualizações
Apresentação11 por Fernandoprotec
Apresentação11Apresentação11
Apresentação11
Fernandoprotec189 visualizações
Apresentação9 por Fernandoprotec
Apresentação9Apresentação9
Apresentação9
Fernandoprotec84 visualizações
Apresentação8 por Fernandoprotec
Apresentação8Apresentação8
Apresentação8
Fernandoprotec1.1K visualizações
Apresentação7 por Fernandoprotec
Apresentação7Apresentação7
Apresentação7
Fernandoprotec96 visualizações
Apresentação6 por Fernandoprotec
Apresentação6Apresentação6
Apresentação6
Fernandoprotec127 visualizações
Apresentação5 por Fernandoprotec
Apresentação5Apresentação5
Apresentação5
Fernandoprotec153 visualizações
Apresentação4 por Fernandoprotec
Apresentação4Apresentação4
Apresentação4
Fernandoprotec78 visualizações
Apresentação3 por Fernandoprotec
Apresentação3Apresentação3
Apresentação3
Fernandoprotec80 visualizações
Apresentação1 por Fernandoprotec
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
Fernandoprotec224 visualizações
Apresentação1 por Fernandoprotec
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
Fernandoprotec161 visualizações
Apresentação2 por Fernandoprotec
Apresentação2Apresentação2
Apresentação2
Fernandoprotec168 visualizações
Apresentação3 por Fernandoprotec
Apresentação3Apresentação3
Apresentação3
Fernandoprotec187 visualizações
Apresentação4 por Fernandoprotec
Apresentação4Apresentação4
Apresentação4
Fernandoprotec268 visualizações
Apresentação8 por Fernandoprotec
Apresentação8Apresentação8
Apresentação8
Fernandoprotec57 visualizações
Apresentação9 por Fernandoprotec
Apresentação9Apresentação9
Apresentação9
Fernandoprotec31 visualizações
Aula 1 por Fernandoprotec
Aula 1Aula 1
Aula 1
Fernandoprotec280 visualizações
Aula 2 por Fernandoprotec
Aula 2Aula 2
Aula 2
Fernandoprotec272 visualizações

Último

sorteados Livre Concorrência 2024.pdf por
sorteados Livre Concorrência 2024.pdfsorteados Livre Concorrência 2024.pdf
sorteados Livre Concorrência 2024.pdfJornal do Commercio
2.3K visualizações3 slides
b) Estime, com base no modelo obtido em (A), a massa de uma mulher de 160 cm. por
b) Estime, com base no modelo obtido em (A), a massa de uma mulher de 160 cm.b) Estime, com base no modelo obtido em (A), a massa de uma mulher de 160 cm.
b) Estime, com base no modelo obtido em (A), a massa de uma mulher de 160 cm.azulassessoriaacadem3
34 visualizações2 slides
4) Explique a diferença dos coxibes em relação aos AINEs convencionais, consi... por
4) Explique a diferença dos coxibes em relação aos AINEs convencionais, consi...4) Explique a diferença dos coxibes em relação aos AINEs convencionais, consi...
4) Explique a diferença dos coxibes em relação aos AINEs convencionais, consi...HelpEducacional
59 visualizações3 slides
Apresentação Alunos SARESP 2023.pptx por
Apresentação Alunos SARESP 2023.pptxApresentação Alunos SARESP 2023.pptx
Apresentação Alunos SARESP 2023.pptxGlauber Eduardo Aragon Pereira
20 visualizações47 slides
5) Anexo do folder e da foto de distribuição do folder: Após elaborado o fold... por
5) Anexo do folder e da foto de distribuição do folder: Após elaborado o fold...5) Anexo do folder e da foto de distribuição do folder: Após elaborado o fold...
5) Anexo do folder e da foto de distribuição do folder: Após elaborado o fold...azulassessoriaacadem3
38 visualizações3 slides
Slides Lição 11, Betel, O Verdadeiro Discípulo é uma referência no serviço cr... por
Slides Lição 11, Betel, O Verdadeiro Discípulo é uma referência no serviço cr...Slides Lição 11, Betel, O Verdadeiro Discípulo é uma referência no serviço cr...
Slides Lição 11, Betel, O Verdadeiro Discípulo é uma referência no serviço cr...LuizHenriquedeAlmeid6
49 visualizações56 slides

Último(20)

sorteados Livre Concorrência 2024.pdf por Jornal do Commercio
sorteados Livre Concorrência 2024.pdfsorteados Livre Concorrência 2024.pdf
sorteados Livre Concorrência 2024.pdf
Jornal do Commercio2.3K visualizações
b) Estime, com base no modelo obtido em (A), a massa de uma mulher de 160 cm. por azulassessoriaacadem3
b) Estime, com base no modelo obtido em (A), a massa de uma mulher de 160 cm.b) Estime, com base no modelo obtido em (A), a massa de uma mulher de 160 cm.
b) Estime, com base no modelo obtido em (A), a massa de uma mulher de 160 cm.
azulassessoriaacadem334 visualizações
4) Explique a diferença dos coxibes em relação aos AINEs convencionais, consi... por HelpEducacional
4) Explique a diferença dos coxibes em relação aos AINEs convencionais, consi...4) Explique a diferença dos coxibes em relação aos AINEs convencionais, consi...
4) Explique a diferença dos coxibes em relação aos AINEs convencionais, consi...
HelpEducacional59 visualizações
5) Anexo do folder e da foto de distribuição do folder: Após elaborado o fold... por azulassessoriaacadem3
5) Anexo do folder e da foto de distribuição do folder: Após elaborado o fold...5) Anexo do folder e da foto de distribuição do folder: Após elaborado o fold...
5) Anexo do folder e da foto de distribuição do folder: Após elaborado o fold...
azulassessoriaacadem338 visualizações
Slides Lição 11, Betel, O Verdadeiro Discípulo é uma referência no serviço cr... por LuizHenriquedeAlmeid6
Slides Lição 11, Betel, O Verdadeiro Discípulo é uma referência no serviço cr...Slides Lição 11, Betel, O Verdadeiro Discípulo é uma referência no serviço cr...
Slides Lição 11, Betel, O Verdadeiro Discípulo é uma referência no serviço cr...
LuizHenriquedeAlmeid649 visualizações
1. Faça uma autoanálise da escolha do seu candidato na eleição de 2022 expres... por azulassessoriaacadem3
1. Faça uma autoanálise da escolha do seu candidato na eleição de 2022 expres...1. Faça uma autoanálise da escolha do seu candidato na eleição de 2022 expres...
1. Faça uma autoanálise da escolha do seu candidato na eleição de 2022 expres...
azulassessoriaacadem371 visualizações
B. Orientações para as mamães que tem bebês com mais de 7 meses de idade e qu... por azulassessoriaacadem3
B. Orientações para as mamães que tem bebês com mais de 7 meses de idade e qu...B. Orientações para as mamães que tem bebês com mais de 7 meses de idade e qu...
B. Orientações para as mamães que tem bebês com mais de 7 meses de idade e qu...
azulassessoriaacadem351 visualizações
Você é um(a) assistente social trabalhando em um Centro de Referência da Assi... por azulassessoriaacadem3
Você é um(a) assistente social trabalhando em um Centro de Referência da Assi...Você é um(a) assistente social trabalhando em um Centro de Referência da Assi...
Você é um(a) assistente social trabalhando em um Centro de Referência da Assi...
azulassessoriaacadem363 visualizações
5) Anexo do folder e da foto de distribuição do folder: Após elaborado o fold... por azulassessoriaacadem3
5) Anexo do folder e da foto de distribuição do folder: Após elaborado o fold...5) Anexo do folder e da foto de distribuição do folder: Após elaborado o fold...
5) Anexo do folder e da foto de distribuição do folder: Após elaborado o fold...
azulassessoriaacadem338 visualizações
Slides Lição 12, CPAD, O Modelo de Missões da Igreja de Antioquia.pptx por LuizHenriquedeAlmeid6
Slides Lição 12, CPAD, O Modelo de Missões da Igreja de Antioquia.pptxSlides Lição 12, CPAD, O Modelo de Missões da Igreja de Antioquia.pptx
Slides Lição 12, CPAD, O Modelo de Missões da Igreja de Antioquia.pptx
LuizHenriquedeAlmeid632 visualizações
a) Explique como ocorre a circulação do sangue dentro do coração (câmaras car... por HelpEducacional
a) Explique como ocorre a circulação do sangue dentro do coração (câmaras car...a) Explique como ocorre a circulação do sangue dentro do coração (câmaras car...
a) Explique como ocorre a circulação do sangue dentro do coração (câmaras car...
HelpEducacional173 visualizações
a) Elenque de forma sucinta as dificuldades apresentadas no relato do caso e ... por azulassessoriaacadem3
a) Elenque de forma sucinta as dificuldades apresentadas no relato do caso e ...a) Elenque de forma sucinta as dificuldades apresentadas no relato do caso e ...
a) Elenque de forma sucinta as dificuldades apresentadas no relato do caso e ...
azulassessoriaacadem335 visualizações
a) Explique como ocorre a circulação do sangue dentro do coração (câmaras car... por HelpEducacional
a) Explique como ocorre a circulação do sangue dentro do coração (câmaras car...a) Explique como ocorre a circulação do sangue dentro do coração (câmaras car...
a) Explique como ocorre a circulação do sangue dentro do coração (câmaras car...
HelpEducacional465 visualizações
Você como nutricionista precisa estudar sobre alguns conceitos, para conhecer... por azulassessoriaacadem3
Você como nutricionista precisa estudar sobre alguns conceitos, para conhecer...Você como nutricionista precisa estudar sobre alguns conceitos, para conhecer...
Você como nutricionista precisa estudar sobre alguns conceitos, para conhecer...
azulassessoriaacadem333 visualizações
6- Sabendo que o caso do paciente 3 está sendo causado por uma condução elétr... por azulassessoriaacadem3
6- Sabendo que o caso do paciente 3 está sendo causado por uma condução elétr...6- Sabendo que o caso do paciente 3 está sendo causado por uma condução elétr...
6- Sabendo que o caso do paciente 3 está sendo causado por uma condução elétr...
azulassessoriaacadem3147 visualizações
ATIVIDADE PROPOSTA Considerando o exposto acima, elabore um texto dissertat... por azulassessoriaacadem3
ATIVIDADE PROPOSTA   Considerando o exposto acima, elabore um texto dissertat...ATIVIDADE PROPOSTA   Considerando o exposto acima, elabore um texto dissertat...
ATIVIDADE PROPOSTA Considerando o exposto acima, elabore um texto dissertat...
azulassessoriaacadem330 visualizações
Etapa 2: a segunda etapa da seleção consiste em definir a forma de pagamento ... por azulassessoriaacadem3
Etapa 2: a segunda etapa da seleção consiste em definir a forma de pagamento ...Etapa 2: a segunda etapa da seleção consiste em definir a forma de pagamento ...
Etapa 2: a segunda etapa da seleção consiste em definir a forma de pagamento ...
azulassessoriaacadem340 visualizações
REVISÃO PARA O PROVÃO DE HISTÓRIA.pptx por profesfrancleite
REVISÃO PARA O PROVÃO DE HISTÓRIA.pptxREVISÃO PARA O PROVÃO DE HISTÓRIA.pptx
REVISÃO PARA O PROVÃO DE HISTÓRIA.pptx
profesfrancleite48 visualizações
A Ciência Contábil desempenha um papel fundamental no mundo dos negócios, for... por HelpEducacional
A Ciência Contábil desempenha um papel fundamental no mundo dos negócios, for...A Ciência Contábil desempenha um papel fundamental no mundo dos negócios, for...
A Ciência Contábil desempenha um papel fundamental no mundo dos negócios, for...
HelpEducacional22 visualizações

Apresentação5

  • 3.  A técnica de trabalho com linha energizada (linha viva), foi desenvolvida em função da dificuldade de desligamento em alguns circuitos importantes.  Essa atividade deve ser realizada mediante a adoção de procedimentos e de metodologia de trabalho.  Técnica de trabalho com linha viva método a distância;  Técnica de trabalho com linha viva método ao contato;  Técnica de trabalho com linha viva método ao potencial;  Técnica de segurança para trabalhos em painéis de cubículos.
  • 4. Técnica de trabalho com linha viva método a distância
  • 5. Primeiro método desenvolvido, o eletricista executa as operações com o auxilio de ferramentas montadas nas extremidades dos bastões isolantes. Com este método, é possível trabalhar em todas as classes de tensão. Todo conjunto de equipamento é projetado para facilitar os movimentos dos eletricistas, no alto dos postes ou das estruturas, com total segurança, tanto na manobra das articulações para afastamento dos condutores, como nas manipulações das cadeias de isoladores. Neste método, o eletricista deve observar rigorosamente a distância de trabalho, ou seja, a sua distância com o condutor energizado.
  • 6. Os eletricistas trabalham em potencial de terra, ou seja, posicionados em escadas isoladas, ou até mesmo em “esporas” executando todos os serviços usando ferramentas e equipamentos adequados. Este é o método no qual o trabalhador interage com a parte energizada a uma distância segura, por meio do emprego de procedimentos, estruturas, equipamentos, ferramentas e dispositivos isolantes apropriados. Na execução de serviços que utilizam esse método de trabalho, o eletricista deverá estar perfeitamente acomodado na escada, e todo o serviço será executado através de bastões. Em hipótese nenhuma será permitido que o eletricista toque nas redes diretamente.
  • 8. O trabalhador tem contato com a rede energizada mas não fica no mesmo potencial da rede elétrica. O serviço é executado com luvas e mangas isolantes, auxílio de uma plataforma, andaime ou veículo equipado com cestas aérea, ele executa os serviços diretamente com as mãos. Toda a zona de trabalho é protegida por coberturas isolantes apropriadas e, à medida que decorrem as tarefas, via-se descobrindo o espaço estritamente necessário à operação em causa, tais como executar uma derivação, substituir um isolador, efetuar uma emenda, etc.
  • 9. Os eletricistas se posicionam em um potencial intermediário ficando isolados do potencial de terra. Na execução de serviços, nesse método de trabalho, o eletricista se acomoda em uma cesta aérea ou em cima de uma plataforma isolada ou, ainda, numa escada isolada (fiberglass) devidamente aparamentado com mangas de borracha, luva de borracha de cobertura na classe de tensão da rede e, todo o serviço será executado diretamente na fase energizada. Praticamente todos os serviços que se fazem necessários nas redes de distribuição aérea, podem ser executados com as redes energizadas, especialmente agora com o desenvolvimento de ferramentas e de equipamentos que garantem a segurança dos trabalhadores.
  • 11. Permitir maiores recursos na manutenção, principalmente em linhas de extra alta tensão, acima de 345 kV, nas quais as distâncias de trabalho são superiores a 3 metros, bem como nas subestações a partir de 69 KV. O trabalho ao potencial baseia-se no princípio da Gaiola de Faraday e consiste no contato direto do eletricista com o condutor energizado, em tensões de até 800 KV. Consiste levar o eletricista ao condutor energizado por meio de escada isolante, cestas (cujo isolamento é previamente testado) ou helicópteros.
  • 12. O eletricista conecta a sua vestimenta a esse condutor, que estará no mesmo potencial da linha. Antes da utilização da escada, da cadeira isolada, do andaime ou da cesta aérea, que permite o acesso ao potencial, efetuam-se testes elétricos nas mesmas por meio de um micro amperímetro, para assegura-se de que seu isolamento está dentro dos limites de segurança. Quando estiver no helicóptero, primeiro equipotencializar a carcaça da máquina tanto no início quanto no término da atividade
  • 14. O sono é a principal queixa dos trabalhadores noturnos. Durante o dia, o barulho, a claridade e movimentação de pessoas em casa prejudicam o sono, tornando-o menos reparador. A privação do sono provoca fadiga crônica e queda no desempenho, o que contribui para o “erro humano” e os acidentes de trabalho. O risco de ocorrerem acidentes no trabalho noturno é três vezes maior, quando comparado ao trabalho diurno.
  • 15. Ritmo biológico O corpo humano tem ritmos biológicos, que o preparam para a vigília do dia. Antes de acordarmos, o corpo secreta um hormônio chamado cortisol, que nos prepara para reagir e desempenhar as atividades. Esse ritmo praticamente não muda, mesmo quando a pessoa fica acordada à noite, prejudicando o sono diurno.
  • 16. Em relação à alimentação, estudos mostram que o trabalhador noturno tem maior habito de ingerir alimentos pré-cozidos e congelados. Além disso, algumas empresas que oferecem refeições não se preocupam em preparar um cardápio especial para o trabalhador noturno, incluindo até feijoada para essa população. São frequentes as queixas de trabalhadores noturnos em relação à azia, dores abdominais, constipação. Esses sintomas podem se agravar e chegar a uma gastrite crônica ou úlcera. Isso porque nosso sistema digestivo está preparado para trabalhar melhor durante o dia.
  • 17. É importante que a empresa permita pequenos cochilos durante o horário de trabalho, quando possível. Quanto à dieta, deve-se planejar melhor o horário das refeições e a qualidade dos alimentos; problemas cardíacos podem ser evitados.O relaxamento, prática de atividade física e maior exposição à luz natural permitem melhores qualidades de vida.
  • 18. Em todos os locais de trabalho deve haver iluminação adequada, natural ou artificial, geral ou suplementar, apropriada a natureza das atividades. A iluminação geral deve ser uniformemente distribuída e difusa.
  • 19. A iluminação que se refere à quantidade de luminosidade que incide no local de trabalho do empregado. Não se trata da iluminação em geral, mas a quantidade de luz no ponto focal do trabalho. Assim, os padrões de iluminação são estabelecidos de acordo com o tipo de tarefa visual que o empregado deve executar: quanto maior a concentração visual do empregado em detalhes e minúcias tanto mais necessária a luminosidade no ponto focal de trabalho.
  • 20. A má iluminação causa fadiga à vista, prejudica o sistema nervoso, concorre para a má qualidade do trabalho e é responsável por razoável parcela dos acidentes. Um sistema de iluminação deve possuir os seguintes requisitos: a) Ter suficiência: de forma que cada foco luminoso forneça toda quantidade de luz necessária a cada tipo de trabalho. b) Estar sempre constante e uniformemente distribuído: de modo que evite a fadiga dos olhos, decorrente das sucessivas acomodações em virtude das variações da intensidade da luz.
  • 21. Importância da boa iluminação Na segurança - diminui as probabilidades das ocorrências de acidentes, facilitando a visualização; Na produtividade – aumenta o rendimento. No fator humano - age de forma psíquica ao tornar o ambiente de trabalho mais propício.
  • 22. Fatores de influência Tipos de lâmpadas ou luminárias A escolha do tipo de lâmpadas e luminárias tem fundamental importância para a qualidade final da iluminação, pois cada equipamento tem seu respectivo índice de eficácia Quantidades de luminárias As luminárias devem ser distribuídas de forma tal que proporcionem um nível de iluminação compatível com a necessidade da atividade e do ambiente.
  • 23. Distribuição das luminárias Devem ser distribuídas no ambiente de forma a proporcionar uma iluminação homogênea e uniforme, com um certo cuidado de não criar sombras ou contrastes nos locais onde se deseja iluminar. Manutenção Periodicamente devem ser realizadas operações de limpeza das luminárias para evitar acúmulo de poeiras ou insetos, substituição de lâmpadas defeituosas a fim de obter o mínimo de depreciação do fator de iluminação.
  • 24. A iluminação geral ou suplementar deve ser projetada e instalada de forma a evitar ofuscamento, reflexos incômodos, sombras e contrastes excessivos. Os níveis mínimos de iluminação a serem observados nos locais de trabalho são os valores de iluminâncias estabelecidos na NBR 5413, norma brasileira registrada no INMETRO. A medição dos níveis de iluminamento previstos no subitem 17.5.3.3 deve ser feita no campo de trabalho onde se realiza a tarefa visual, utilizando-se de luxímetro com fotocélula corrigida para a sensibilidade do olho humano e em função do ângulo de incidência.
  • 25. Durante o trabalho noturno ou em condições de pouca visibilidade em subestações, dentro de todas as instalações do SEP “Sistema Elétrico de Potência’’ devem possuir iluminação suficiente. Quando as condições atmosféricas impedirem a visibilidade, mesmo com iluminação artificial, os trabalhos e o tráfego de veículos e equipamentos móveis deverão ser suspensos.
  • 27. Para trabalhos realizados no SEP, em instalações e serviços elétricos em ambientes subterrâneos, os requisitos abaixo deverão ser seguidos: As galerias devem ser projetadas e construídas de forma compatível com a segurança do profissional da área de elétrica e equipamentos que por elas transitam, assegurando posição confortável e impedindo o contato acidental com o teto e paredes. Os acessos às bancadas devem ser identificados e sinalizados.
  • 28. Ventilação em atividades de subsolo As atividades em subsolo devem dispor de sistema de ventilação mecânica que atenda aos seguintes requisitos: a) Suprimento de oxigênio; b) Renovação contínua do ar; c) Diluição eficaz de gases inflamáveis ou nocivos e de poeiras do ambiente de trabalho; d) Temperatura e umidade adequadas ao trabalho humano ; e) Ser mantido e operado de forma regular e contínua.
  • 29. As instalações e serviços de eletricidade devem ser projetados, executados, operados, mantidos, reformados e ampliados, correta proteção contra fugas de corrente, curtos-circuitos e choques elétricos de forma a permitir a adequada distribuição de energia e isolamento.
  • 30. Os serviços de manutenção ou reparo de sistemas elétricos só podem ser executados com o equipamento desligado, etiquetado, bloqueado e aterrado, exceto se forem: a) Utilizadas técnicas adequadas para circuitos energizados; b) Utilizadas ferramentas e equipamentos adequadas à classe de tensão; c)Tomadas precauções necessárias para a segurança dos trabalhadores.
  • 31. O bloqueio durante as operações de manutenção e reparo de instalações elétricas deve ser realizado utilizando-se de cadeado e etiquetas sinalizadoras, fixadas em local visível, contendo, no mínimo, as seguintes indicações: a) Horário e data do bloqueio; b) Motivo da manutenção e c) Nome do responsável pela operação. Os equipamentos e máquinas de emergência, destinados a manter a continuidade do fornecimento de energia elétrica e as condições de segurança no trabalho, devem ser mantidos permanentemente em condições de funcionamento.
  • 32. A instalação: carcaça, invólucro, blindagem ou peça condutora, que não faça parte dos circuitos elétricos mas que, eventualmente, possa ficar sob tensão, deve ser aterrada, desde que esteja em local acessível a contatos. Havendo possibilidade de contato com água, devem ser projetadas, executadas e mantidas com especial cuidado quanto à blindagem, estanqueidade, isolamento, aterramento e proteção contra falhas elétricas.