SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 50
É um sistema organizado de forma a conter uma memória
dinâmica de informações pertinentes às instalações, aos
trabalhadores, aos equipamentos de proteção e às
ferramentas utilizadas .
O objetivo é reunir um conjunto de informações técnicas
imprescindíveis para um excelente funcionamento e
garantia total da segurança.
Relevante ressaltar que:
 O Prontuário de Instalações Elétricas deve ser organizado e mantido
atualizado pelo empregador ou pessoa formalmente designada pela
empresa, devendo permanecer à disposição dos trabalhadores
envolvidos nas instalações e serviços em eletricidade;
 Os documentos técnicos previstos no Prontuário de Instalações
Elétricas devem ser elaborados por profissional legalmente habilitado.
1. Os estabelecimentos com carga instalada superior a 75 kW devem
constituir e manter o Prontuário de Instalações Elétricas, contendo no
mínimo:
a. esquemas unifilares atualizados das instalações elétricas dos seus
estabelecimentos com as especificações do sistema de aterramento e
demais equipamentos e dispositivos de proteção.
b. conjunto de procedimentos e instruções técnicas e administrativas de
segurança e saúde, implantadas e relacionadas a esta NR e descrição das
medidas de controle existentes;
c. documentação das inspeções e medições do sistema de proteção contra
descargas atmosféricas e aterramentos elétricos;
d. especificação dos equipamentos de proteção coletiva e individual e o
ferramental, aplicáveis conforme determina esta NR;
e. documentação comprobatória da qualificação, habilitação, capacitação,
autorização dos trabalhadores e dos treinamentos realizados;
f. resultados dos testes de isolação elétrica realizados em equipamentos de
proteção individual e coletiva;
g. certificações dos equipamentos e materiais elétricos em áreas
classificadas;
h. relatório técnico das inspeções atualizadas com recomendações,
cronogramas de adequações, contemplando as alíneas de “a” a “g”.
As empresas que operam em instalações ou equipamentos integrantes do
sistema elétrico de potência devem constituir além dos requisitos
anteriores, os documentos a seguir listados:
 Descrição dos procedimentos para emergências;
 Certificações dos equipamentos de proteção coletiva e individual.
O Método é:
 Uma sequência finita de acontecimentos.
 Um conjunto de movimentos empregados na realização de uma
operação.
 Uma determinada utilização de dispositivos (ferramentas).
O melhor método é aquele que é:
 Mais simples;
 Mais rápido;
 Mais econômico;
 Menos fatigante;
 E sobretudo o mais seguro.
Reunir ideias
No alicerce de uma diretriz, norteado por um escopo capta-se todas as
ideias. Estas ideias devem passar por um processo de associação funcional,
ou seja, devem ser valorizadas através do nível de aplicabilidade,
evidenciando as de maior eficácia .
10.7.9 Todo trabalhador em instalações elétricas energizadas em AT,
bem como aqueles envolvidos em atividades no SEP devem dispor de
equipamento que permita a comunicação permanente com os demais
membros da equipe ou com o centro de operação durante a realização
do serviço.
NORMA REGULAMENTADORA NR 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES
E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE (PORTARIA Nº 3.214)
Processo de comunicação
A comunicação humana para ser estudada, necessita do respaldo da
filosofia, que lhe dá a relação entre “UM HOMEM E O OUTRO”, na
transmissão de um entendimento entre ambos e do sentido e significado
de suas palavras.
Comunicação é o processo que permite transmitir informação de uma
pessoa para outra, ou então compartilhada por ambas. Para existir
comunicação necessita-se que o destinatário da informação a receba com
compreensão.
Percepção social:
Formamos impressões sobre as pessoas por meio das nossas
experiências.
O comportamento das pessoas é que nos leva a percebê-las e julgá-
las.
Percepção correta = relação interpessoal boa
Percepção errônea = relação interpessoal precária
É importante lembrar que temos: “pontos cegos”, ou “atalhos no
modo de pensar”.
Indícios de percepção
Diretos: palavras, gestos, expressões fisionômicas, atitudes e
comportamentos específicos.
Indiretos: comentários, fofocas, cartas de referência, elogios e críticas.
Quando as pessoas não praticam as relações humanas legítimas:
 Não ouvem tão bem quanto falam
 Interrompem os outros quando falam
 São agressivas
 Gostam de impor suas ideias
 Não compreendem as outras pessoas além do seu ângulo de visão
Compreender o outro: é a aptidão para sentir e aceitar o que
o outro pensa e sente = sensibilidade social ou empatia.
Flexibilidade de comportamento: ter um repertório de
condutas que varia, conforme a situação e a pessoa.
Como podemos desenvolver sensibilidade social e
flexibilidade de comportamento?
 Tendo melhor conhecimento de si próprio
 Tendo melhor compreensão dos outros
 Tendo melhor convivência em grupo
 Desenvolvendo aptidões para um relacionamento mais
eficiente para com os outros.
Empatia (ou sensibilidade social) é a extensão com a qual
conseguimos compreender realmente os outros.
Na percepção social temos de considerar três aspectos:
PERCEBEDOR PERCEBIDO
SITUAÇÃO
 Percebedor – É a pessoa que está olhando e tentando
compreender o outro.
 Percebido – É a pessoa que está sendo olhada e percebida.
 Situação – É a soma das forças que atuam no meio, no
momento de perceber.
ESTEREÓTIPO
COMPORTAMENTO
RÍGIDO,
CRISTALIZADO
Você pode passar a ver e a julgar outras pessoas pelos seus estereótipos.
Exemplo:
 A pessoa que fuma e acha que todos deveriam fumar, e que quem não
fuma não vive a vida.
 O indivíduo que é agressivo acredita que todo o mundo vive provocando-
o.
As nossas primeiras impressões de uma pessoa podem
estar alicerçadas em estereótipos.
Ah! é mulher... não sabe dirigir.
É latino-americano, então é sentimental.
Ora, é cabelo de fogo... cuidado com ele.
É loira, só podia... por isso é volúvel.
A arte de ouvir
Comunicação é um processo de duas vias. Se você não
consegue ouvir e entender o que estão dizendo, não há
comunicação. Para que uma comunicação seja efetiva, você
precisa ouvir ativamente. Isto pode parecer óbvio, no entanto
existe sim uma grande diferença entre escutar o que está
sendo dito e ouvir ativamente, o que implica em
compreender o significado da comunicação.
Ouvir ativamente, observar e olhar cuidadosamente seu interlocutor
são habilidades importantes, para que a mensagem alcance seu êxito.
Ao observar as atividades das pessoa notamos que a grande maioria
está bem mais preocupada em falar e persuadir do que escutar
integralmente.
A natureza nos deu dois ouvidos e uma só boca. A velha filosofia
chinesa ensina, falar é plantar e ouvir é colher.
Ouvir é um processo sensorial e emocional que exige atenção e
disciplina.
Os pontos levantados são úteis para refletir sobre o assunto e buscar um
incremento nessa tão importante capacidade e talvez uma arte - a de
ouvir.
Comunicação
A comunicação humana é um dos aspectos mais importantes na segurança
do trabalho.
Mensagens mal formuladas ou mensagens não compreendidas corretamente
podem ser fatores provocadores de acidentes.
Percepção
Define-se a percepção como sendo a interpretação que o indivíduo faz dos
estímulos recebidos do meio ambiente através dos sentidos; tato, audição,
visão, paladar e olfato.
Os estímulos também podem ser internos, tais como a sensação de fome,
sede, frio, emoções, entre outras. A maneira de perceber o mundo e as
situações varia de pessoa para pessoa. As pessoas agem no mundo de
acordo com suas percepções.
Percepção do risco: associado à experiência em relação ao trabalho a ser
desenvolvido e o conhecimento do conceito entre risco-perigo.
Assim, quando a organização fornece os meios adequados, capacitação do
empregado e o estímulo ao trabalho de equipe, ela está adotando uma
característica preventiva na busca do índice zero em acidentes.
Em outras palavras, a constante atualização do saber fortalece a
capacidade do ser humano em cuidar de si e dos outros com
responsabilidade. O trabalho em equipe representa um estímulo à
segurança, oportunidade de discutir suas práticas diárias e ampliar a
percepção do empregado.
Acidente do trabalho
Todo acidente é CAUSADO. Ele não acontece espontaneamente, é por isso
que toda vez que ocorre um acidente, existe uma investigação e analise com
a finalidade de encontrar as causas e indicar as providências ou
recomendações necessárias afim de evitar a repetição de acidentes
semelhantes.
Os acidentes ocorrem por falta cometida pelo empregado contra as regras
de segurança ou por condição de insegurança que existem no ambiente de
trabalho.
Podemos classificar basicamente as causa de um acidente de trabalho em
dois fatores:
ATO ou CONDIÇÃO INSEGURA.
Existe uma terceira classificação de causas de acidentes que são as causas
naturais, responsável por 1 a 2% dos acidentes.
As causas naturais são os fatores da natureza, tais como vulcão,
terremotos, maremotos, tempestades, etc, onde a tecnologia não tem
controle ou previsões mais confiáveis.
Atos e condições inseguras são fatores que, combinados ou não,
desencadeiam os acidentes do trabalho. Assim, pode-se entender que
prevenir acidentes do trabalho, em síntese, é corrigir condições inseguras
existentes nos locais de trabalho, não permitir que outras sejam criadas e
evitar a pratica de atos inseguros por parte das pessoas.
Levantamentos realizados por diversos órgãos e institutos mostraram
que a proporção das causas de acidentes é de aproximadamente:
ATOS INSEGUROS 80%
CONDIÇÕES INSEGURAS 20%
Ato inseguro
É a maneira como as pessoas se expõem, consciente ou inconscientemente,
a riscos de acidentes. São esses os atos responsáveis por muitos dos
acidentes de trabalho e que estão presentes na maioria dos casos de
sinistro.
Nota-se nas investigações de acidentes que atos inseguros se sobressaem
entre os catalogado. Cabe ressaltar que um funcionário sem treinamento
desconhece os riscos inerentes a uma determinada atividade,
descaracterizando o ato inseguro por condição insegura.
Abaixo alguns exemplos de atos inseguros mais conhecidos:
 Ficar junto ou sob cargas suspensas.
 Usar máquinas sem habilitação ou permissão.
 Lubrificar, ajustar e limpar máquina em movimento.
 Inutilizar dispositivos de segurança.
 Uso de roupa inadequada.
 Transportar ou empilhar inseguramente.
 Tentar ganhar tempo.
 Expor partes do corpo, a partes móveis de máquinas ou equipamentos.
 Excesso de velocidade.
 Improvisar ou fazer uso de ferramenta inadequada à tarefa exigida.
 Não utilizar EPI.
 Manipulação inadequada de produtos químicos.
 Fumar em local proibido.
 Consumir drogas, ou bebidas alcoólicas durante a jornada de trabalho.
Condição insegura
Condições inseguras nos locais de serviço são aquelas que compreendem
a segurança do trabalhador. São as falhas, os defeitos, irregularidades
técnicas e carência de dispositivos de segurança que colocam em risco a
integridade física e/ou a saúde das pessoas concomitantes à própria
segurança das instalações e equipamentos.
Convém ter em mente que estas não devem ser confundidas com os
riscos inerentes a certas operações industriais. Por exemplo: a corrente
elétrica é um risco inerente aos trabalhos de eletricidade, aparelhos ou
instalações elétricas. A eletricidade não pode ser considerada uma
condição insegura por ser perigosa. Instalações mal feitas, ou
improvisadas, fios expostos, etc... são condições inseguras.
Abaixo alguns exemplos de condições inseguras mais comumente
conhecidas:
 Falta de proteção em máquinas e equipamentos.
 Deficiência de maquinário e ferramental.
 Passagens perigosas.
 Instalações elétricas inadequadas ou defeituosas.
 Falta de equipamento de proteção individual.
 Nível de ruído elevado.
 Proteções inadequadas ou defeituosas.
 Má arrumação/falta de limpeza.
 Defeitos nas edificações.
 Iluminação inadequada.
 Piso danificado.
 Risco de fogo ou explosão.
CONDIÇÕES INSEGURAS
Desequilíbrio emocional
Compromete
Atitudes no trabalho
Compromete
Empregabilidade
“O bom humor e a presença de espírito
vêm ganhando espaço no mundo dos
negócios, portanto
Profissionais que demonstram o bom
humor mesmo em momentos mais críticos
tendem a ser bem sucedidos.”

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Green Marketing in India – An Overview
Green Marketing in India – An OverviewGreen Marketing in India – An Overview
Green Marketing in India – An OverviewAnto Chacko
 
Alpha weatherapp
Alpha weatherappAlpha weatherapp
Alpha weatherapp强生 王
 
Sistema de comunicación
Sistema de comunicaciónSistema de comunicación
Sistema de comunicaciónjaol95
 
Abidzar gifari 1610530218 s1 ti d
Abidzar gifari 1610530218 s1 ti dAbidzar gifari 1610530218 s1 ti d
Abidzar gifari 1610530218 s1 ti dAbidzar_Gifari
 
Abidzar gifari 1610530218 s1 ti d
Abidzar gifari 1610530218 s1 ti dAbidzar gifari 1610530218 s1 ti d
Abidzar gifari 1610530218 s1 ti dAbidzar_Gifari
 

Destaque (13)

Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Green Marketing in India – An Overview
Green Marketing in India – An OverviewGreen Marketing in India – An Overview
Green Marketing in India – An Overview
 
Encuesta música
Encuesta música Encuesta música
Encuesta música
 
Alpha weatherapp
Alpha weatherappAlpha weatherapp
Alpha weatherapp
 
MIE1
MIE1MIE1
MIE1
 
Sistema de comunicación
Sistema de comunicaciónSistema de comunicación
Sistema de comunicación
 
Abidzar gifari 1610530218 s1 ti d
Abidzar gifari 1610530218 s1 ti dAbidzar gifari 1610530218 s1 ti d
Abidzar gifari 1610530218 s1 ti d
 
Abidzar gifari 1610530218 s1 ti d
Abidzar gifari 1610530218 s1 ti dAbidzar gifari 1610530218 s1 ti d
Abidzar gifari 1610530218 s1 ti d
 
Googleearthpres
GoogleearthpresGoogleearthpres
Googleearthpres
 
Etwiningi treningi
Etwiningi treningiEtwiningi treningi
Etwiningi treningi
 
Presentación Robert Gagne
Presentación Robert GagnePresentación Robert Gagne
Presentación Robert Gagne
 
Apresentação6
Apresentação6Apresentação6
Apresentação6
 
Apresentação13
Apresentação13Apresentação13
Apresentação13
 

Semelhante a Apresentação2

treinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppttreinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
treinamento segurança do trabalgo nwn.pptRaquelDonato2
 
Treinamento segurança do trabalho
Treinamento segurança do trabalho Treinamento segurança do trabalho
Treinamento segurança do trabalho ricardotortora
 
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppttreinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
treinamento segurança do trabalgo nwn.pptJairoRodrigues47
 
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppttreinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
treinamento segurança do trabalgo nwn.pptSANDRARODRIGUESDASIL5
 
treinamento Treinamento de Integração.pptx
treinamento Treinamento de Integração.pptxtreinamento Treinamento de Integração.pptx
treinamento Treinamento de Integração.pptxTalmom Taciano
 
Psicologia do Trabalho - Parte III
Psicologia do Trabalho - Parte IIIPsicologia do Trabalho - Parte III
Psicologia do Trabalho - Parte IIIMasterss Web
 
Dds.livro.zip
Dds.livro.zipDds.livro.zip
Dds.livro.zipnicobelo
 
NR05 CIPA (COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES
NR05 CIPA (COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTESNR05 CIPA (COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES
NR05 CIPA (COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTESGabriel Ribeiro da Cruz
 
Agestodaseguranadotrabalhocomofontedequalidadedevida 120925031647-phpapp01
Agestodaseguranadotrabalhocomofontedequalidadedevida 120925031647-phpapp01Agestodaseguranadotrabalhocomofontedequalidadedevida 120925031647-phpapp01
Agestodaseguranadotrabalhocomofontedequalidadedevida 120925031647-phpapp01Thais Barreto
 
Treinamentos-vale.pdf
Treinamentos-vale.pdfTreinamentos-vale.pdf
Treinamentos-vale.pdfclaudio864549
 
Psicologia do Trabalho - Parte II
Psicologia do Trabalho - Parte IIPsicologia do Trabalho - Parte II
Psicologia do Trabalho - Parte IIMasterss Web
 
Treinamento INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES.pptx
Treinamento INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES.pptxTreinamento INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES.pptx
Treinamento INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES.pptxCristian Briet
 
02. NR05 - Acidentes_Medidas Preventivas_Riscos Ambientais.pptx
02. NR05 - Acidentes_Medidas Preventivas_Riscos Ambientais.pptx02. NR05 - Acidentes_Medidas Preventivas_Riscos Ambientais.pptx
02. NR05 - Acidentes_Medidas Preventivas_Riscos Ambientais.pptxBrunoAlonso24
 

Semelhante a Apresentação2 (20)

treinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppttreinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
 
Treinamento segurança do trabalho
Treinamento segurança do trabalho Treinamento segurança do trabalho
Treinamento segurança do trabalho
 
Liderança e segurança
Liderança e segurançaLiderança e segurança
Liderança e segurança
 
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppttreinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
 
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppttreinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
 
ENCARREGADO DE LIDERANÇA.pdf
ENCARREGADO DE LIDERANÇA.pdfENCARREGADO DE LIDERANÇA.pdf
ENCARREGADO DE LIDERANÇA.pdf
 
treinamento Treinamento de Integração.pptx
treinamento Treinamento de Integração.pptxtreinamento Treinamento de Integração.pptx
treinamento Treinamento de Integração.pptx
 
Psicologia do Trabalho - Parte III
Psicologia do Trabalho - Parte IIIPsicologia do Trabalho - Parte III
Psicologia do Trabalho - Parte III
 
Dds.livro.zip
Dds.livro.zipDds.livro.zip
Dds.livro.zip
 
NR05 CIPA (COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES
NR05 CIPA (COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTESNR05 CIPA (COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES
NR05 CIPA (COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES
 
Integração
IntegraçãoIntegração
Integração
 
Treinamento segurança do trabalgo nwn
Treinamento segurança do trabalgo nwnTreinamento segurança do trabalgo nwn
Treinamento segurança do trabalgo nwn
 
Treinamento segurança do trabalgo nwn
Treinamento segurança do trabalgo nwnTreinamento segurança do trabalgo nwn
Treinamento segurança do trabalgo nwn
 
Agestodaseguranadotrabalhocomofontedequalidadedevida 120925031647-phpapp01
Agestodaseguranadotrabalhocomofontedequalidadedevida 120925031647-phpapp01Agestodaseguranadotrabalhocomofontedequalidadedevida 120925031647-phpapp01
Agestodaseguranadotrabalhocomofontedequalidadedevida 120925031647-phpapp01
 
Treinamentos-vale.pdf
Treinamentos-vale.pdfTreinamentos-vale.pdf
Treinamentos-vale.pdf
 
Psicologia do Trabalho - Parte II
Psicologia do Trabalho - Parte IIPsicologia do Trabalho - Parte II
Psicologia do Trabalho - Parte II
 
Treinamento INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES.pptx
Treinamento INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES.pptxTreinamento INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES.pptx
Treinamento INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES.pptx
 
Tg 5´s pa
Tg   5´s paTg   5´s pa
Tg 5´s pa
 
02. NR05 - Acidentes_Medidas Preventivas_Riscos Ambientais.pptx
02. NR05 - Acidentes_Medidas Preventivas_Riscos Ambientais.pptx02. NR05 - Acidentes_Medidas Preventivas_Riscos Ambientais.pptx
02. NR05 - Acidentes_Medidas Preventivas_Riscos Ambientais.pptx
 
Curso NR 5 Para CIPA
Curso NR 5 Para CIPACurso NR 5 Para CIPA
Curso NR 5 Para CIPA
 

Mais de Fernandoprotec (20)

Apresentação14
Apresentação14Apresentação14
Apresentação14
 
Apresentação12
Apresentação12Apresentação12
Apresentação12
 
Apresentação11
Apresentação11Apresentação11
Apresentação11
 
Apresentação10
Apresentação10Apresentação10
Apresentação10
 
Apresentação9
Apresentação9Apresentação9
Apresentação9
 
Apresentação8
Apresentação8Apresentação8
Apresentação8
 
Apresentação7
Apresentação7Apresentação7
Apresentação7
 
Apresentação5
Apresentação5Apresentação5
Apresentação5
 
Apresentação4
Apresentação4Apresentação4
Apresentação4
 
Apresentação3
Apresentação3Apresentação3
Apresentação3
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Apresentação3
Apresentação3Apresentação3
Apresentação3
 
Apresentação4
Apresentação4Apresentação4
Apresentação4
 
Apresentação6
Apresentação6Apresentação6
Apresentação6
 
Apresentação8
Apresentação8Apresentação8
Apresentação8
 
Apresentação9
Apresentação9Apresentação9
Apresentação9
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 3
 

Último

Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniCassio Meira Jr.
 
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaaulasgege
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Mary Alvarenga
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.keislayyovera123
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADOcarolinacespedes23
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 

Último (20)

Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
 
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 

Apresentação2

  • 1.
  • 2.
  • 3. É um sistema organizado de forma a conter uma memória dinâmica de informações pertinentes às instalações, aos trabalhadores, aos equipamentos de proteção e às ferramentas utilizadas .
  • 4.
  • 5. O objetivo é reunir um conjunto de informações técnicas imprescindíveis para um excelente funcionamento e garantia total da segurança.
  • 6. Relevante ressaltar que:  O Prontuário de Instalações Elétricas deve ser organizado e mantido atualizado pelo empregador ou pessoa formalmente designada pela empresa, devendo permanecer à disposição dos trabalhadores envolvidos nas instalações e serviços em eletricidade;  Os documentos técnicos previstos no Prontuário de Instalações Elétricas devem ser elaborados por profissional legalmente habilitado.
  • 7. 1. Os estabelecimentos com carga instalada superior a 75 kW devem constituir e manter o Prontuário de Instalações Elétricas, contendo no mínimo: a. esquemas unifilares atualizados das instalações elétricas dos seus estabelecimentos com as especificações do sistema de aterramento e demais equipamentos e dispositivos de proteção. b. conjunto de procedimentos e instruções técnicas e administrativas de segurança e saúde, implantadas e relacionadas a esta NR e descrição das medidas de controle existentes; c. documentação das inspeções e medições do sistema de proteção contra descargas atmosféricas e aterramentos elétricos;
  • 8. d. especificação dos equipamentos de proteção coletiva e individual e o ferramental, aplicáveis conforme determina esta NR; e. documentação comprobatória da qualificação, habilitação, capacitação, autorização dos trabalhadores e dos treinamentos realizados; f. resultados dos testes de isolação elétrica realizados em equipamentos de proteção individual e coletiva; g. certificações dos equipamentos e materiais elétricos em áreas classificadas; h. relatório técnico das inspeções atualizadas com recomendações, cronogramas de adequações, contemplando as alíneas de “a” a “g”.
  • 9. As empresas que operam em instalações ou equipamentos integrantes do sistema elétrico de potência devem constituir além dos requisitos anteriores, os documentos a seguir listados:  Descrição dos procedimentos para emergências;  Certificações dos equipamentos de proteção coletiva e individual.
  • 10.
  • 11.
  • 12. O Método é:  Uma sequência finita de acontecimentos.  Um conjunto de movimentos empregados na realização de uma operação.  Uma determinada utilização de dispositivos (ferramentas).
  • 13. O melhor método é aquele que é:  Mais simples;  Mais rápido;  Mais econômico;  Menos fatigante;  E sobretudo o mais seguro.
  • 14. Reunir ideias No alicerce de uma diretriz, norteado por um escopo capta-se todas as ideias. Estas ideias devem passar por um processo de associação funcional, ou seja, devem ser valorizadas através do nível de aplicabilidade, evidenciando as de maior eficácia .
  • 15.
  • 16. 10.7.9 Todo trabalhador em instalações elétricas energizadas em AT, bem como aqueles envolvidos em atividades no SEP devem dispor de equipamento que permita a comunicação permanente com os demais membros da equipe ou com o centro de operação durante a realização do serviço. NORMA REGULAMENTADORA NR 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE (PORTARIA Nº 3.214)
  • 17. Processo de comunicação A comunicação humana para ser estudada, necessita do respaldo da filosofia, que lhe dá a relação entre “UM HOMEM E O OUTRO”, na transmissão de um entendimento entre ambos e do sentido e significado de suas palavras.
  • 18.
  • 19. Comunicação é o processo que permite transmitir informação de uma pessoa para outra, ou então compartilhada por ambas. Para existir comunicação necessita-se que o destinatário da informação a receba com compreensão.
  • 20. Percepção social: Formamos impressões sobre as pessoas por meio das nossas experiências. O comportamento das pessoas é que nos leva a percebê-las e julgá- las. Percepção correta = relação interpessoal boa Percepção errônea = relação interpessoal precária É importante lembrar que temos: “pontos cegos”, ou “atalhos no modo de pensar”.
  • 21. Indícios de percepção Diretos: palavras, gestos, expressões fisionômicas, atitudes e comportamentos específicos. Indiretos: comentários, fofocas, cartas de referência, elogios e críticas.
  • 22. Quando as pessoas não praticam as relações humanas legítimas:  Não ouvem tão bem quanto falam  Interrompem os outros quando falam  São agressivas  Gostam de impor suas ideias  Não compreendem as outras pessoas além do seu ângulo de visão
  • 23. Compreender o outro: é a aptidão para sentir e aceitar o que o outro pensa e sente = sensibilidade social ou empatia. Flexibilidade de comportamento: ter um repertório de condutas que varia, conforme a situação e a pessoa.
  • 24. Como podemos desenvolver sensibilidade social e flexibilidade de comportamento?  Tendo melhor conhecimento de si próprio  Tendo melhor compreensão dos outros  Tendo melhor convivência em grupo  Desenvolvendo aptidões para um relacionamento mais eficiente para com os outros.
  • 25.
  • 26. Empatia (ou sensibilidade social) é a extensão com a qual conseguimos compreender realmente os outros. Na percepção social temos de considerar três aspectos: PERCEBEDOR PERCEBIDO SITUAÇÃO
  • 27.  Percebedor – É a pessoa que está olhando e tentando compreender o outro.  Percebido – É a pessoa que está sendo olhada e percebida.  Situação – É a soma das forças que atuam no meio, no momento de perceber.
  • 28. ESTEREÓTIPO COMPORTAMENTO RÍGIDO, CRISTALIZADO Você pode passar a ver e a julgar outras pessoas pelos seus estereótipos. Exemplo:  A pessoa que fuma e acha que todos deveriam fumar, e que quem não fuma não vive a vida.  O indivíduo que é agressivo acredita que todo o mundo vive provocando- o.
  • 29. As nossas primeiras impressões de uma pessoa podem estar alicerçadas em estereótipos. Ah! é mulher... não sabe dirigir. É latino-americano, então é sentimental. Ora, é cabelo de fogo... cuidado com ele. É loira, só podia... por isso é volúvel.
  • 30. A arte de ouvir Comunicação é um processo de duas vias. Se você não consegue ouvir e entender o que estão dizendo, não há comunicação. Para que uma comunicação seja efetiva, você precisa ouvir ativamente. Isto pode parecer óbvio, no entanto existe sim uma grande diferença entre escutar o que está sendo dito e ouvir ativamente, o que implica em compreender o significado da comunicação.
  • 31. Ouvir ativamente, observar e olhar cuidadosamente seu interlocutor são habilidades importantes, para que a mensagem alcance seu êxito. Ao observar as atividades das pessoa notamos que a grande maioria está bem mais preocupada em falar e persuadir do que escutar integralmente.
  • 32. A natureza nos deu dois ouvidos e uma só boca. A velha filosofia chinesa ensina, falar é plantar e ouvir é colher. Ouvir é um processo sensorial e emocional que exige atenção e disciplina. Os pontos levantados são úteis para refletir sobre o assunto e buscar um incremento nessa tão importante capacidade e talvez uma arte - a de ouvir.
  • 33. Comunicação A comunicação humana é um dos aspectos mais importantes na segurança do trabalho. Mensagens mal formuladas ou mensagens não compreendidas corretamente podem ser fatores provocadores de acidentes.
  • 34.
  • 35. Percepção Define-se a percepção como sendo a interpretação que o indivíduo faz dos estímulos recebidos do meio ambiente através dos sentidos; tato, audição, visão, paladar e olfato. Os estímulos também podem ser internos, tais como a sensação de fome, sede, frio, emoções, entre outras. A maneira de perceber o mundo e as situações varia de pessoa para pessoa. As pessoas agem no mundo de acordo com suas percepções.
  • 36. Percepção do risco: associado à experiência em relação ao trabalho a ser desenvolvido e o conhecimento do conceito entre risco-perigo. Assim, quando a organização fornece os meios adequados, capacitação do empregado e o estímulo ao trabalho de equipe, ela está adotando uma característica preventiva na busca do índice zero em acidentes.
  • 37. Em outras palavras, a constante atualização do saber fortalece a capacidade do ser humano em cuidar de si e dos outros com responsabilidade. O trabalho em equipe representa um estímulo à segurança, oportunidade de discutir suas práticas diárias e ampliar a percepção do empregado.
  • 38. Acidente do trabalho Todo acidente é CAUSADO. Ele não acontece espontaneamente, é por isso que toda vez que ocorre um acidente, existe uma investigação e analise com a finalidade de encontrar as causas e indicar as providências ou recomendações necessárias afim de evitar a repetição de acidentes semelhantes. Os acidentes ocorrem por falta cometida pelo empregado contra as regras de segurança ou por condição de insegurança que existem no ambiente de trabalho. Podemos classificar basicamente as causa de um acidente de trabalho em dois fatores: ATO ou CONDIÇÃO INSEGURA.
  • 39. Existe uma terceira classificação de causas de acidentes que são as causas naturais, responsável por 1 a 2% dos acidentes. As causas naturais são os fatores da natureza, tais como vulcão, terremotos, maremotos, tempestades, etc, onde a tecnologia não tem controle ou previsões mais confiáveis.
  • 40. Atos e condições inseguras são fatores que, combinados ou não, desencadeiam os acidentes do trabalho. Assim, pode-se entender que prevenir acidentes do trabalho, em síntese, é corrigir condições inseguras existentes nos locais de trabalho, não permitir que outras sejam criadas e evitar a pratica de atos inseguros por parte das pessoas. Levantamentos realizados por diversos órgãos e institutos mostraram que a proporção das causas de acidentes é de aproximadamente: ATOS INSEGUROS 80% CONDIÇÕES INSEGURAS 20%
  • 41. Ato inseguro É a maneira como as pessoas se expõem, consciente ou inconscientemente, a riscos de acidentes. São esses os atos responsáveis por muitos dos acidentes de trabalho e que estão presentes na maioria dos casos de sinistro. Nota-se nas investigações de acidentes que atos inseguros se sobressaem entre os catalogado. Cabe ressaltar que um funcionário sem treinamento desconhece os riscos inerentes a uma determinada atividade, descaracterizando o ato inseguro por condição insegura.
  • 42. Abaixo alguns exemplos de atos inseguros mais conhecidos:  Ficar junto ou sob cargas suspensas.  Usar máquinas sem habilitação ou permissão.  Lubrificar, ajustar e limpar máquina em movimento.  Inutilizar dispositivos de segurança.  Uso de roupa inadequada.  Transportar ou empilhar inseguramente.  Tentar ganhar tempo.  Expor partes do corpo, a partes móveis de máquinas ou equipamentos.  Excesso de velocidade.  Improvisar ou fazer uso de ferramenta inadequada à tarefa exigida.  Não utilizar EPI.  Manipulação inadequada de produtos químicos.  Fumar em local proibido.  Consumir drogas, ou bebidas alcoólicas durante a jornada de trabalho.
  • 43. Condição insegura Condições inseguras nos locais de serviço são aquelas que compreendem a segurança do trabalhador. São as falhas, os defeitos, irregularidades técnicas e carência de dispositivos de segurança que colocam em risco a integridade física e/ou a saúde das pessoas concomitantes à própria segurança das instalações e equipamentos.
  • 44. Convém ter em mente que estas não devem ser confundidas com os riscos inerentes a certas operações industriais. Por exemplo: a corrente elétrica é um risco inerente aos trabalhos de eletricidade, aparelhos ou instalações elétricas. A eletricidade não pode ser considerada uma condição insegura por ser perigosa. Instalações mal feitas, ou improvisadas, fios expostos, etc... são condições inseguras.
  • 45. Abaixo alguns exemplos de condições inseguras mais comumente conhecidas:  Falta de proteção em máquinas e equipamentos.  Deficiência de maquinário e ferramental.  Passagens perigosas.  Instalações elétricas inadequadas ou defeituosas.  Falta de equipamento de proteção individual.  Nível de ruído elevado.  Proteções inadequadas ou defeituosas.  Má arrumação/falta de limpeza.  Defeitos nas edificações.  Iluminação inadequada.  Piso danificado.  Risco de fogo ou explosão.
  • 46.
  • 47.
  • 49. Desequilíbrio emocional Compromete Atitudes no trabalho Compromete Empregabilidade
  • 50. “O bom humor e a presença de espírito vêm ganhando espaço no mundo dos negócios, portanto Profissionais que demonstram o bom humor mesmo em momentos mais críticos tendem a ser bem sucedidos.”