SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
Baixar para ler offline
Seccionamento automático da alimentação
O princípio do seccionamento automático da alimentação está intimamente
ligado aos diferentes esquemas de aterramento e aspectos gerais
referentes à sua aplicação e as condições em que se torna necessária
proteção adicional.
O seccionamento automático destina-se a evitar que uma tensão de contato
se mantenha por um tempo que possa resultar em risco de efeito fisiológico
perigoso para as pessoas, durante uma falta de isolamento em um
componente do circuito. *
Dispositivos a corrente de fuga
Assim como nas instalações hidráulicas ocorrem vazamentos, nas
instalações elétricas também. Só que nestas os vazamentos são chamados
fugas de corrente, causados primordialmente por falha no isolamento ou por
falhas internas dos equipamentos. Ainda que, a rigor, não existam isolantes
perfeitos, podendo- se dizer que em qualquer circuito há fuga de corrente,
alguns fatores a exacerbam, como:
 envelhecimento térmico das isolações, em virtude de excesso de
temperatura (clima, quantidade demasiada de cabos nos eletrodutos,
quadros elétricos mal ventilados, harmônicas, sobrecorrentes);
 forças eletrodinâmicas provocadas por curto-circuito, danificando os
cabos;
 sobretensões de manobra e/ou de descargas atmosféricas;
 equipamentos elétricos de má qualidade, fabricados fora das normas
de isolação das partes vivas.*
Causas Típicas de Fugas de Corrente na Instalação:
1. EMENDAS com isolação inadequada ou imperfeita;
2. Danificação da ISOLAÇÃO dos condutores durante a enfiação;
3. CAIXAS DE PASSAGEM que armazenam água de chuva durante a obra,
afetando as emendas;
4. Fixação e montagem inadequada de LUMINÁRIAS;
5. PARAFUSOS das caixas de passagem que danificam a ISOLAÇÃO dos
condutores, durante a fixação;
6. EQUIPAMENTOS de utilização inadequados, com elevada corrente de fuga
natural (certos chuveiros, aquecedores de passagem, etc.);
7. Erros de ligação entre condutor NEUTRO e de PROTEÇÃO;
8. “Confusão” de NEUTROS em quadros contendo mais de um dispositivo de
proteção contra correntes de fuga.*
O dispositivo é constituído por um transformador de corrente, um
disparador e o mecanismo liga-desliga. Na figura abaixo, em que estão
esquematizadas as partes principais desses dispositivos, observe que,
exceto pelo condutor de proteção (PE), todos os demais (fases e neutro)
devem ser ligados ao DR, passando pelo transformador de corrente. Este
transformador de corrente é quem detecta o aparecimento da corrente de
fuga.*
Os dispositivos variam:
1. Interruptores DR;
2. Disjuntores com proteção DR incorporada;
3. Tomadas com interruptor DR incorporado;
4. Peças avulsas (relés de proteção DR).*
Disjuntor diferencial-residual - DDR
Comercialmente, os DR's podem ser fornecidos acoplados, elétrica e
mecanicamente, a disjuntores termomagnéticos, constituindo, portanto, um
único dispositivo de proteção, chamado disjuntor diferencial-residual,
DDR, disponibilizando, em um mesmo módulo, a proteção dos condutores
contra sobrecargas e curto-circuitos, na parte termomagnética, e a proteção
das pessoas contra choques elétricos, na parte diferencial-residual,
segundo a norma IEC 61009.*
Tetrapolar Bipolar e Tetrapolar
A especificação correta desses dispositivos, além dos dados pertinentes ao
disjuntor termomagnético ao qual está acoplado, requer a indicação da
sensibilidade, que é definida como o maior valor nominal da corrente
diferencial-residual (I ΔN) de atuação. Quanto a isto, existem dois tipos de
DR no mercado:
 Alta sensibilidade (I ΔN ≤ 30 mA ): protegem as pessoas contra
choques elétricos por contato direto ou indireto e as instalações
contra incêndios de origem elétrica;
 Baixa sensibilidade (I ΔN > 300 mA): protegem as instalações
contra fugas excessivas de corrente e contra incêndios de origem
elétrica.*
Principais Causas de Disparo dos DR's
Da experiência internacional com os DR's, podem ser apontadas as
principais causas de disparo desses dispositivos sendo eles:
 uso de equipamentos com elevado nível de corrente de fuga (caso, por
exemplo, dos chuveiros elétricos metálicos com resistência nua);
 faltas em aparelhos eletrodomésticos e de iluminação;
 introdução de agulhas, clipes e correlatos nas tomadas de corrente;
 umidade em condutos metálicos (geralmente ocasionada por
inundações, lavagem de pisos ou condensações);
 danos à isolação dos condutores durante a instalação.*
1. A sensibilidade é de 30mA;
2. O dispositivo é do tipo G, (instantâneo);
3. É do tipo A, (sensível a CA e a CC pulsante);
4. A corrente nominal é de 16A;
5. Se trata de um dispositivo do tipo disjuntor diferencial, com curva de
disparo por curto-circuito, ou disparo magnético do tipo B ( faixa de
disparo entre 3 e 5 x IN);
6. Capacidade de interrupção de 10 kA.
Extra baixa tensão: SELV e PELV
Define-se como:
A. SELV (do inglês “separated extra-low voltage”): Sistema de extra
baixa tensão que é eletricamente separada da terra de outros
sistemas e de tal modo que a ocorrência de uma única falta não
resulta em risco de choque elétrico.
B. PELV (do inglês “protected extra-low voltage”): Sistema de extra baixa
tensão que não é eletricamente separado da terra mas que preenche,
de modo equivalente, todos os requisitos de um SELV.
Os circuitos SELV não têm qualquer ponto aterrado nem massas aterradas.
Os circuitos PELV podem ser aterrados ou ter massas aterradas.
Dependendo da tensão nominal do sistema SELV ou PELV e das
condições de uso.*
Apresentação7

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

NORMAS ABNT SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS
NORMAS ABNT SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NORMAS ABNT SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS
NORMAS ABNT SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DiegoAugusto86
 
Sistema de Aterramento e SPDA
Sistema de Aterramento e SPDASistema de Aterramento e SPDA
Sistema de Aterramento e SPDARodrigo Campos
 
It 01-19-ak (1)
It 01-19-ak (1)It 01-19-ak (1)
It 01-19-ak (1)grupotcm
 
Conceitos de aterramento
Conceitos de aterramentoConceitos de aterramento
Conceitos de aterramentoPaulo H Bueno
 
Manual do-eletricista-residencial
Manual do-eletricista-residencialManual do-eletricista-residencial
Manual do-eletricista-residencialallan
 
Aterramento engenharia manutenção industrial
Aterramento engenharia manutenção industrialAterramento engenharia manutenção industrial
Aterramento engenharia manutenção industrialAngelo Hafner
 
Apresentação Rele CS-AR-08 Pizatto, com as Barreiras receptora e emissora ML...
Apresentação Rele CS-AR-08 Pizatto, com as Barreiras receptora e emissora  ML...Apresentação Rele CS-AR-08 Pizatto, com as Barreiras receptora e emissora  ML...
Apresentação Rele CS-AR-08 Pizatto, com as Barreiras receptora e emissora ML...safetycontrol
 
Apresentação Rele Pizatto, com as Barreiras MLC 500 R.
Apresentação Rele Pizatto, com as Barreiras MLC 500 R.Apresentação Rele Pizatto, com as Barreiras MLC 500 R.
Apresentação Rele Pizatto, com as Barreiras MLC 500 R.safetycontrol
 
Apresentação Barreira de Segurança Intertravada com Rele de Segurança
Apresentação Barreira de Segurança Intertravada com Rele de SegurançaApresentação Barreira de Segurança Intertravada com Rele de Segurança
Apresentação Barreira de Segurança Intertravada com Rele de Segurançasafetycontrol
 
Roteira de Manutenção
Roteira de ManutençãoRoteira de Manutenção
Roteira de Manutençãojccabral
 

Mais procurados (19)

Aterramento elétrico __
Aterramento elétrico  __Aterramento elétrico  __
Aterramento elétrico __
 
Regrasdeouronr10
Regrasdeouronr10Regrasdeouronr10
Regrasdeouronr10
 
NORMAS ABNT SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS
NORMAS ABNT SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NORMAS ABNT SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS
NORMAS ABNT SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS
 
Esquemas de aterramento
Esquemas de aterramentoEsquemas de aterramento
Esquemas de aterramento
 
Sistema de Aterramento e SPDA
Sistema de Aterramento e SPDASistema de Aterramento e SPDA
Sistema de Aterramento e SPDA
 
It 01-19-ak (1)
It 01-19-ak (1)It 01-19-ak (1)
It 01-19-ak (1)
 
Conceitos de aterramento
Conceitos de aterramentoConceitos de aterramento
Conceitos de aterramento
 
Aterramento elétrico
Aterramento elétricoAterramento elétrico
Aterramento elétrico
 
Manual do-eletricista-residencial
Manual do-eletricista-residencialManual do-eletricista-residencial
Manual do-eletricista-residencial
 
Aterramento engenharia manutenção industrial
Aterramento engenharia manutenção industrialAterramento engenharia manutenção industrial
Aterramento engenharia manutenção industrial
 
Apresentação Rele CS-AR-08 Pizatto, com as Barreiras receptora e emissora ML...
Apresentação Rele CS-AR-08 Pizatto, com as Barreiras receptora e emissora  ML...Apresentação Rele CS-AR-08 Pizatto, com as Barreiras receptora e emissora  ML...
Apresentação Rele CS-AR-08 Pizatto, com as Barreiras receptora e emissora ML...
 
Apresentação Rele Pizatto, com as Barreiras MLC 500 R.
Apresentação Rele Pizatto, com as Barreiras MLC 500 R.Apresentação Rele Pizatto, com as Barreiras MLC 500 R.
Apresentação Rele Pizatto, com as Barreiras MLC 500 R.
 
Aterramento
AterramentoAterramento
Aterramento
 
Apresentação Barreira de Segurança Intertravada com Rele de Segurança
Apresentação Barreira de Segurança Intertravada com Rele de SegurançaApresentação Barreira de Segurança Intertravada com Rele de Segurança
Apresentação Barreira de Segurança Intertravada com Rele de Segurança
 
Roteira de Manutenção
Roteira de ManutençãoRoteira de Manutenção
Roteira de Manutenção
 
Fus Veis
Fus VeisFus Veis
Fus Veis
 
Aterramento
AterramentoAterramento
Aterramento
 
Aterramento
AterramentoAterramento
Aterramento
 
Apresentação10
Apresentação10Apresentação10
Apresentação10
 

Destaque

Dialéctica, pgr 2015.
Dialéctica, pgr 2015.Dialéctica, pgr 2015.
Dialéctica, pgr 2015.fomtv
 
Técnicas de Atendimento 3º Trabalho : 2º módulo
Técnicas de Atendimento 3º Trabalho : 2º módulo Técnicas de Atendimento 3º Trabalho : 2º módulo
Técnicas de Atendimento 3º Trabalho : 2º módulo jammescabral96
 
Cardio VR & Blippar for Education
Cardio VR & Blippar for Education Cardio VR & Blippar for Education
Cardio VR & Blippar for Education Juli Whetstone
 
Planeacion de informatica 2
Planeacion de informatica 2Planeacion de informatica 2
Planeacion de informatica 2Yessica Garcia
 
Representaions essay p
Representaions essay pRepresentaions essay p
Representaions essay pJamie Mellors
 
Merchandising
MerchandisingMerchandising
Merchandisingcmalanho
 
Learning Design at Learning 3.0
Learning Design at Learning 3.0Learning Design at Learning 3.0
Learning Design at Learning 3.0Cammy Bean
 
Higiene, saúde e segurança no trabalho
Higiene, saúde e segurança no trabalhoHigiene, saúde e segurança no trabalho
Higiene, saúde e segurança no trabalhocmalanho
 
libro de filosofía de grado décimo parte 2
libro de filosofía de grado décimo parte 2libro de filosofía de grado décimo parte 2
libro de filosofía de grado décimo parte 2fabianyesid09
 
Teacher Tech Tips--Easily Boost Teacher & Student Success
Teacher Tech Tips--Easily Boost Teacher & Student SuccessTeacher Tech Tips--Easily Boost Teacher & Student Success
Teacher Tech Tips--Easily Boost Teacher & Student SuccessRita Phillips
 
Mind the Gap: Crossing the DevOps Chasm
Mind the Gap: Crossing the DevOps ChasmMind the Gap: Crossing the DevOps Chasm
Mind the Gap: Crossing the DevOps ChasmQualiQuali
 
Bruno Franklin- Trabalho ginastica laboral interativa
Bruno Franklin- Trabalho ginastica laboral interativa Bruno Franklin- Trabalho ginastica laboral interativa
Bruno Franklin- Trabalho ginastica laboral interativa Brunofranklin
 
Managing Your Content with Elasticsearch
Managing Your Content with ElasticsearchManaging Your Content with Elasticsearch
Managing Your Content with ElasticsearchSamantha Quiñones
 
Palestra segurança em eletricidade na construção civil
Palestra   segurança em eletricidade na construção civilPalestra   segurança em eletricidade na construção civil
Palestra segurança em eletricidade na construção civilZacarias Junior
 

Destaque (20)

Dialéctica, pgr 2015.
Dialéctica, pgr 2015.Dialéctica, pgr 2015.
Dialéctica, pgr 2015.
 
Técnicas de Atendimento 3º Trabalho : 2º módulo
Técnicas de Atendimento 3º Trabalho : 2º módulo Técnicas de Atendimento 3º Trabalho : 2º módulo
Técnicas de Atendimento 3º Trabalho : 2º módulo
 
Cuestionario 1
Cuestionario 1Cuestionario 1
Cuestionario 1
 
Activity Management, SaaS, Cloud Computing
Activity Management, SaaS, Cloud ComputingActivity Management, SaaS, Cloud Computing
Activity Management, SaaS, Cloud Computing
 
Cardio VR & Blippar for Education
Cardio VR & Blippar for Education Cardio VR & Blippar for Education
Cardio VR & Blippar for Education
 
Planeacion de informatica 2
Planeacion de informatica 2Planeacion de informatica 2
Planeacion de informatica 2
 
Representaions essay p
Representaions essay pRepresentaions essay p
Representaions essay p
 
Merchandising
MerchandisingMerchandising
Merchandising
 
Learning Design at Learning 3.0
Learning Design at Learning 3.0Learning Design at Learning 3.0
Learning Design at Learning 3.0
 
referral_letter_from_capt._haynes
referral_letter_from_capt._haynesreferral_letter_from_capt._haynes
referral_letter_from_capt._haynes
 
Internet
InternetInternet
Internet
 
Higiene, saúde e segurança no trabalho
Higiene, saúde e segurança no trabalhoHigiene, saúde e segurança no trabalho
Higiene, saúde e segurança no trabalho
 
libro de filosofía de grado décimo parte 2
libro de filosofía de grado décimo parte 2libro de filosofía de grado décimo parte 2
libro de filosofía de grado décimo parte 2
 
Teacher Tech Tips--Easily Boost Teacher & Student Success
Teacher Tech Tips--Easily Boost Teacher & Student SuccessTeacher Tech Tips--Easily Boost Teacher & Student Success
Teacher Tech Tips--Easily Boost Teacher & Student Success
 
La salute in sicurezza
La salute in sicurezzaLa salute in sicurezza
La salute in sicurezza
 
Monaco
MonacoMonaco
Monaco
 
Mind the Gap: Crossing the DevOps Chasm
Mind the Gap: Crossing the DevOps ChasmMind the Gap: Crossing the DevOps Chasm
Mind the Gap: Crossing the DevOps Chasm
 
Bruno Franklin- Trabalho ginastica laboral interativa
Bruno Franklin- Trabalho ginastica laboral interativa Bruno Franklin- Trabalho ginastica laboral interativa
Bruno Franklin- Trabalho ginastica laboral interativa
 
Managing Your Content with Elasticsearch
Managing Your Content with ElasticsearchManaging Your Content with Elasticsearch
Managing Your Content with Elasticsearch
 
Palestra segurança em eletricidade na construção civil
Palestra   segurança em eletricidade na construção civilPalestra   segurança em eletricidade na construção civil
Palestra segurança em eletricidade na construção civil
 

Semelhante a Apresentação7

Artigo instalacoes eletricas_em_eas cap.iii
Artigo instalacoes eletricas_em_eas cap.iiiArtigo instalacoes eletricas_em_eas cap.iii
Artigo instalacoes eletricas_em_eas cap.iiiJeanRocha30
 
Teórica resumo PIEL 1
Teórica resumo PIEL 1Teórica resumo PIEL 1
Teórica resumo PIEL 1sergiomart
 
Interruptor diferencial residual
Interruptor diferencial residualInterruptor diferencial residual
Interruptor diferencial residualAnderson Silva
 
ENG04482_aula_15_Proteção_Instalações.pdf
ENG04482_aula_15_Proteção_Instalações.pdfENG04482_aula_15_Proteção_Instalações.pdf
ENG04482_aula_15_Proteção_Instalações.pdfLinoComidas
 
Nbr5410 instalações elétricas de baixa tensão
Nbr5410   instalações elétricas de baixa tensãoNbr5410   instalações elétricas de baixa tensão
Nbr5410 instalações elétricas de baixa tensãoLithlaerion
 
6+ +11+interruptores+diferenciais
6+ +11+interruptores+diferenciais6+ +11+interruptores+diferenciais
6+ +11+interruptores+diferenciaisArnaldo Isac
 
U07 comando controle_e_ protecao_circuitos_eletricos_baixa_tensao
U07 comando controle_e_ protecao_circuitos_eletricos_baixa_tensaoU07 comando controle_e_ protecao_circuitos_eletricos_baixa_tensao
U07 comando controle_e_ protecao_circuitos_eletricos_baixa_tensaoRicardo de Souza
 
APR - Instalações Elétricas..docx
APR - Instalações Elétricas..docxAPR - Instalações Elétricas..docx
APR - Instalações Elétricas..docxARTHURDeoliveiraNeto
 
Guia de proteção de redes elétricas schneider
Guia de proteção de redes elétricas   schneiderGuia de proteção de redes elétricas   schneider
Guia de proteção de redes elétricas schneiderFredson Marques de Oliveira
 
MÓ D U L O I N R 10 Segurança Em Instalações E Serviços Com Eletricidade
MÓ D U L O  I  N R 10   Segurança Em  Instalações E  Serviços Com  EletricidadeMÓ D U L O  I  N R 10   Segurança Em  Instalações E  Serviços Com  Eletricidade
MÓ D U L O I N R 10 Segurança Em Instalações E Serviços Com EletricidadeSantos de Castro
 
MóDulo I Nr 10 SegurançA Em InstalaçõEs E ServiçOs Com Eletricidade
MóDulo I Nr 10  SegurançA Em InstalaçõEs E ServiçOs Com EletricidadeMóDulo I Nr 10  SegurançA Em InstalaçõEs E ServiçOs Com Eletricidade
MóDulo I Nr 10 SegurançA Em InstalaçõEs E ServiçOs Com EletricidadeSantos de Castro
 
Disjuntores e fuzíveis
Disjuntores e fuzíveis Disjuntores e fuzíveis
Disjuntores e fuzíveis cerejn
 
Nbr 5410-abnt-instalaes-eltricas-de-baixa-tenso
Nbr 5410-abnt-instalaes-eltricas-de-baixa-tensoNbr 5410-abnt-instalaes-eltricas-de-baixa-tenso
Nbr 5410-abnt-instalaes-eltricas-de-baixa-tensoConstrutora João de Barro
 
Nbr 05410 1997 - instalações elétricas de baixa tensão
Nbr 05410   1997 - instalações elétricas de baixa tensãoNbr 05410   1997 - instalações elétricas de baixa tensão
Nbr 05410 1997 - instalações elétricas de baixa tensãoSebastian Nunes
 

Semelhante a Apresentação7 (20)

Proteção
ProteçãoProteção
Proteção
 
Ibape
IbapeIbape
Ibape
 
Artigo instalacoes eletricas_em_eas cap.iii
Artigo instalacoes eletricas_em_eas cap.iiiArtigo instalacoes eletricas_em_eas cap.iii
Artigo instalacoes eletricas_em_eas cap.iii
 
Teórica resumo PIEL 1
Teórica resumo PIEL 1Teórica resumo PIEL 1
Teórica resumo PIEL 1
 
Interruptor diferencial residual
Interruptor diferencial residualInterruptor diferencial residual
Interruptor diferencial residual
 
ENG04482_aula_15_Proteção_Instalações.pdf
ENG04482_aula_15_Proteção_Instalações.pdfENG04482_aula_15_Proteção_Instalações.pdf
ENG04482_aula_15_Proteção_Instalações.pdf
 
Nbr5410 instalações elétricas de baixa tensão
Nbr5410   instalações elétricas de baixa tensãoNbr5410   instalações elétricas de baixa tensão
Nbr5410 instalações elétricas de baixa tensão
 
TREINAMENTO NR 10 AT.pptx
TREINAMENTO NR 10 AT.pptxTREINAMENTO NR 10 AT.pptx
TREINAMENTO NR 10 AT.pptx
 
6+ +11+interruptores+diferenciais
6+ +11+interruptores+diferenciais6+ +11+interruptores+diferenciais
6+ +11+interruptores+diferenciais
 
01 cabines primárias parte 1
01 cabines primárias   parte 101 cabines primárias   parte 1
01 cabines primárias parte 1
 
Aula 10 instalação de hardware
Aula 10 instalação de hardwareAula 10 instalação de hardware
Aula 10 instalação de hardware
 
U07 comando controle_e_ protecao_circuitos_eletricos_baixa_tensao
U07 comando controle_e_ protecao_circuitos_eletricos_baixa_tensaoU07 comando controle_e_ protecao_circuitos_eletricos_baixa_tensao
U07 comando controle_e_ protecao_circuitos_eletricos_baixa_tensao
 
APR - Instalações Elétricas..docx
APR - Instalações Elétricas..docxAPR - Instalações Elétricas..docx
APR - Instalações Elétricas..docx
 
Apostila protecao-sel354-2003 !!
Apostila protecao-sel354-2003 !!Apostila protecao-sel354-2003 !!
Apostila protecao-sel354-2003 !!
 
Guia de proteção de redes elétricas schneider
Guia de proteção de redes elétricas   schneiderGuia de proteção de redes elétricas   schneider
Guia de proteção de redes elétricas schneider
 
MÓ D U L O I N R 10 Segurança Em Instalações E Serviços Com Eletricidade
MÓ D U L O  I  N R 10   Segurança Em  Instalações E  Serviços Com  EletricidadeMÓ D U L O  I  N R 10   Segurança Em  Instalações E  Serviços Com  Eletricidade
MÓ D U L O I N R 10 Segurança Em Instalações E Serviços Com Eletricidade
 
MóDulo I Nr 10 SegurançA Em InstalaçõEs E ServiçOs Com Eletricidade
MóDulo I Nr 10  SegurançA Em InstalaçõEs E ServiçOs Com EletricidadeMóDulo I Nr 10  SegurançA Em InstalaçõEs E ServiçOs Com Eletricidade
MóDulo I Nr 10 SegurançA Em InstalaçõEs E ServiçOs Com Eletricidade
 
Disjuntores e fuzíveis
Disjuntores e fuzíveis Disjuntores e fuzíveis
Disjuntores e fuzíveis
 
Nbr 5410-abnt-instalaes-eltricas-de-baixa-tenso
Nbr 5410-abnt-instalaes-eltricas-de-baixa-tensoNbr 5410-abnt-instalaes-eltricas-de-baixa-tenso
Nbr 5410-abnt-instalaes-eltricas-de-baixa-tenso
 
Nbr 05410 1997 - instalações elétricas de baixa tensão
Nbr 05410   1997 - instalações elétricas de baixa tensãoNbr 05410   1997 - instalações elétricas de baixa tensão
Nbr 05410 1997 - instalações elétricas de baixa tensão
 

Mais de Fernandoprotec (20)

Apresentação14
Apresentação14Apresentação14
Apresentação14
 
Apresentação13
Apresentação13Apresentação13
Apresentação13
 
Apresentação12
Apresentação12Apresentação12
Apresentação12
 
Apresentação11
Apresentação11Apresentação11
Apresentação11
 
Apresentação9
Apresentação9Apresentação9
Apresentação9
 
Apresentação8
Apresentação8Apresentação8
Apresentação8
 
Apresentação6
Apresentação6Apresentação6
Apresentação6
 
Apresentação5
Apresentação5Apresentação5
Apresentação5
 
Apresentação4
Apresentação4Apresentação4
Apresentação4
 
Apresentação3
Apresentação3Apresentação3
Apresentação3
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Apresentação2
Apresentação2Apresentação2
Apresentação2
 
Apresentação3
Apresentação3Apresentação3
Apresentação3
 
Apresentação4
Apresentação4Apresentação4
Apresentação4
 
Apresentação5
Apresentação5Apresentação5
Apresentação5
 
Apresentação6
Apresentação6Apresentação6
Apresentação6
 
Apresentação7
Apresentação7Apresentação7
Apresentação7
 
Apresentação8
Apresentação8Apresentação8
Apresentação8
 

Último

A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...DominiqueFaria2
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Mary Alvarenga
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 

Último (20)

A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 

Apresentação7

  • 1. Seccionamento automático da alimentação O princípio do seccionamento automático da alimentação está intimamente ligado aos diferentes esquemas de aterramento e aspectos gerais referentes à sua aplicação e as condições em que se torna necessária proteção adicional. O seccionamento automático destina-se a evitar que uma tensão de contato se mantenha por um tempo que possa resultar em risco de efeito fisiológico perigoso para as pessoas, durante uma falta de isolamento em um componente do circuito. *
  • 2. Dispositivos a corrente de fuga Assim como nas instalações hidráulicas ocorrem vazamentos, nas instalações elétricas também. Só que nestas os vazamentos são chamados fugas de corrente, causados primordialmente por falha no isolamento ou por falhas internas dos equipamentos. Ainda que, a rigor, não existam isolantes perfeitos, podendo- se dizer que em qualquer circuito há fuga de corrente, alguns fatores a exacerbam, como:  envelhecimento térmico das isolações, em virtude de excesso de temperatura (clima, quantidade demasiada de cabos nos eletrodutos, quadros elétricos mal ventilados, harmônicas, sobrecorrentes);  forças eletrodinâmicas provocadas por curto-circuito, danificando os cabos;  sobretensões de manobra e/ou de descargas atmosféricas;  equipamentos elétricos de má qualidade, fabricados fora das normas de isolação das partes vivas.*
  • 3. Causas Típicas de Fugas de Corrente na Instalação: 1. EMENDAS com isolação inadequada ou imperfeita; 2. Danificação da ISOLAÇÃO dos condutores durante a enfiação; 3. CAIXAS DE PASSAGEM que armazenam água de chuva durante a obra, afetando as emendas; 4. Fixação e montagem inadequada de LUMINÁRIAS; 5. PARAFUSOS das caixas de passagem que danificam a ISOLAÇÃO dos condutores, durante a fixação; 6. EQUIPAMENTOS de utilização inadequados, com elevada corrente de fuga natural (certos chuveiros, aquecedores de passagem, etc.); 7. Erros de ligação entre condutor NEUTRO e de PROTEÇÃO; 8. “Confusão” de NEUTROS em quadros contendo mais de um dispositivo de proteção contra correntes de fuga.*
  • 4. O dispositivo é constituído por um transformador de corrente, um disparador e o mecanismo liga-desliga. Na figura abaixo, em que estão esquematizadas as partes principais desses dispositivos, observe que, exceto pelo condutor de proteção (PE), todos os demais (fases e neutro) devem ser ligados ao DR, passando pelo transformador de corrente. Este transformador de corrente é quem detecta o aparecimento da corrente de fuga.*
  • 5. Os dispositivos variam: 1. Interruptores DR; 2. Disjuntores com proteção DR incorporada; 3. Tomadas com interruptor DR incorporado; 4. Peças avulsas (relés de proteção DR).*
  • 6. Disjuntor diferencial-residual - DDR Comercialmente, os DR's podem ser fornecidos acoplados, elétrica e mecanicamente, a disjuntores termomagnéticos, constituindo, portanto, um único dispositivo de proteção, chamado disjuntor diferencial-residual, DDR, disponibilizando, em um mesmo módulo, a proteção dos condutores contra sobrecargas e curto-circuitos, na parte termomagnética, e a proteção das pessoas contra choques elétricos, na parte diferencial-residual, segundo a norma IEC 61009.* Tetrapolar Bipolar e Tetrapolar
  • 7. A especificação correta desses dispositivos, além dos dados pertinentes ao disjuntor termomagnético ao qual está acoplado, requer a indicação da sensibilidade, que é definida como o maior valor nominal da corrente diferencial-residual (I ΔN) de atuação. Quanto a isto, existem dois tipos de DR no mercado:  Alta sensibilidade (I ΔN ≤ 30 mA ): protegem as pessoas contra choques elétricos por contato direto ou indireto e as instalações contra incêndios de origem elétrica;  Baixa sensibilidade (I ΔN > 300 mA): protegem as instalações contra fugas excessivas de corrente e contra incêndios de origem elétrica.*
  • 8. Principais Causas de Disparo dos DR's Da experiência internacional com os DR's, podem ser apontadas as principais causas de disparo desses dispositivos sendo eles:  uso de equipamentos com elevado nível de corrente de fuga (caso, por exemplo, dos chuveiros elétricos metálicos com resistência nua);  faltas em aparelhos eletrodomésticos e de iluminação;  introdução de agulhas, clipes e correlatos nas tomadas de corrente;  umidade em condutos metálicos (geralmente ocasionada por inundações, lavagem de pisos ou condensações);  danos à isolação dos condutores durante a instalação.*
  • 9. 1. A sensibilidade é de 30mA; 2. O dispositivo é do tipo G, (instantâneo); 3. É do tipo A, (sensível a CA e a CC pulsante); 4. A corrente nominal é de 16A; 5. Se trata de um dispositivo do tipo disjuntor diferencial, com curva de disparo por curto-circuito, ou disparo magnético do tipo B ( faixa de disparo entre 3 e 5 x IN); 6. Capacidade de interrupção de 10 kA.
  • 10. Extra baixa tensão: SELV e PELV Define-se como: A. SELV (do inglês “separated extra-low voltage”): Sistema de extra baixa tensão que é eletricamente separada da terra de outros sistemas e de tal modo que a ocorrência de uma única falta não resulta em risco de choque elétrico. B. PELV (do inglês “protected extra-low voltage”): Sistema de extra baixa tensão que não é eletricamente separado da terra mas que preenche, de modo equivalente, todos os requisitos de um SELV. Os circuitos SELV não têm qualquer ponto aterrado nem massas aterradas. Os circuitos PELV podem ser aterrados ou ter massas aterradas. Dependendo da tensão nominal do sistema SELV ou PELV e das condições de uso.*