Bloqueios de energia

2.028 visualizações

Publicada em

sobre energia

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.028
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
99
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Bloqueios de energia

  1. 1. BLOQUEIOS DE ENERGIAS 2013 1
  2. 2. Porquê bloquear as energias? Para não ser surpreendido enquanto realiza uma tarefa em um determinado equipamento. Quais os tipos de energias que encontramos nos equipamentos? Elétrica, hidráulica, pneumática, potencial, térmica e química. 2
  3. 3. •ENERGIA PERIGOSA - qualquer modalidade de energia (pneumática, hidráulica, elétrica, química, mecânica, térmica, etc) que possa causar lesões nos Colaboradores ou Prestadores de Serviços, ou perdas ao processo, equipamentos e meio ambiente. •ENERGIA RESIDUAL - energia remanescente ou armazenada a qual mesmo após o desligamento, bloqueio e sinalização podem causar lesões. 3
  4. 4. •EQUIPAMENTO ENERGIZADO - conectado a alguma fonte de energia ou que mesmo depois de desligado ainda contenha energia residual (remanescente ou armazenada). •ESTADO ZERO ENERGIA - é uma condição alcançada quando as múltiplas formas de energia que se encaminham ou que estão presentes no interior de uma máquina, equipamento, instalação ou sistema foram anuladas, proporcionando condições seguras para a execução de um trabalho. 4
  5. 5. Existem 5 passos para a realização de um bloqueio de energia: Identificar as energias (elétrica, hidráulica, pneumática, etc.) Desligar (chaves, válvulas, registros, etc.) 5
  6. 6. Bloquear e sinalizar (utilizando dispositivos de bloqueios, cadeados e etiquetas) Cada trabalhador (Colaborador ou Prestador de Serviço) que realiza o serviço deve providenciar o seu bloqueio e sua etiqueta. Quando necessário, utilize o multibloqueador ou caixa de 6 bloqueio.
  7. 7. 7 Aliviar as energias residuais. . Aterrar equipamentos elétricos . Descarregar os capacitores . Resfriar superfícies/fluidos aquecidos . Despressurizar tubulações, mangueiras e equipamentos . Dissipar energias cinética (movimento) de partes móveis . Calçar peças que possam se movimentar por gravidades, tais como: eixos, rodas, engrenagens, etc. . Purgar, drenar, ventar.
  8. 8. Testar/Verificar Verificar se realmente a máquina ou equipamento está no estado Zero Energia. Sempre que possível, acionar botoeiras de partida. Se não houver como testar a neutralização de alguma energia, deve-se proceder a verificação. Por exemplo, quando do alívio da energia pneumática, deve-se verificar se o manômetro indica “zero” de pressão. 8
  9. 9. Quem realiza o desligamento das energias é obrigado a testar/verificar o estado zero energia. Os demais que realizam o serviço têm o direito de repeti-lo, no caso de haver dúvida em relação ao estado zero energia. 9
  10. 10. •DIE - DISPOSITIVO DE ISOLAMENTO DE ENERGIA - dispositivo mecânico que previne a transmissão da energia, porém, por si só não representa o bloqueio. Exemplos: disjuntores manuais, chaves, plugs elétricos, válvulas e outros dispositivos similares. Botoeiras de emergência, chaves seletoras ou outros dispositivos similares, não são considerados 10 DIE. Disjuntores •DISPOSITIVOS DE BLOQUEIO - Tubulações: dispositivo padronizado e especialmente utilizado para manter o DIE na posição segura, prevenindo a ligação da máquina/equipamento. Exemplos: cadeados de segurança, multibloqueador, correntes, bloqueadores (de válvulas, disjuntores, plugs elétricos), etc. Botoeiras de emergência, chaves seletoras ou outros dispositivos similares, não são considerados DIE.
  11. 11. . Após o teste, deve-se retornar o acionamento na posição desligada ou neutra, evitando movimentação acidental quando o equipamento for novamente energizado. . Durante a realização do teste, caso o equipamento entre em operação, deve-se suspender imediatamente o serviço ou manutenção, reavaliando-se os problemas ocorridos. 11
  12. 12. •BLOQUEIO - Trata-se do impedimento físico. Consiste na colocação de um dispositivo de bloqueio em um dispositivo de isolamento de energia (DIE) de maneira a garantir que a máquina, equipamento, instalação ou sistema não possa ser operado, ligado ou energizado até que o dispositivo de bloqueio seja fisicamente removido. 12
  13. 13. •Um DIE é considerado capaz de ser bloqueado se possuir, em seu corpo, recurso para o bloqueio (normalmente um furo especial para cadeado) ou se houver no mercado dispositivos de bloqueio que se adaptem a ele. 13
  14. 14. Bloqueios múltiplos: Deve ser utilizado o multibloqueador ou a caixa de bloqueio quando houver a necessidade de efetuar o bloqueio de mais de uma pessoa. 14
  15. 15. Etiqueta de segurança: Aviso padronizado e especialmente utilizada para informar que o DIE está bloqueado e na posição segura para a realização do serviço, e que a máquina, equipamento, instalação ou sistema não pode ser operado, ligado ou energizado 15 até que a etiqueta seja removida. Para diferenciar o tipo de bloqueio efetuado e identificar o solicitante, deve ser utilizada as etiquetas verde (bloqueios hidráulicos, pneumáticos, etc.) ou a amarela (bloqueios elétricos).
  16. 16. RETORNO ÀS CONDIÇÕES INICIAIS •Uma vez terminado o serviço, antes de colocar em funcionamento ou energizar a máquina, equipamento ou sistema, deve-se assegurar que: •Todo o local de trabalho esteja limpo e organizado. •Todo o material, ferramenta e dispositivos de bloqueio e etiquetas utilizados para a execução do serviço tenham sido recolhidos. •Verificar se o local de trabalho encontra-se livre de condições inseguras que possam causar incidentes/acidentes. 16
  17. 17. •As proteções mecânicas, plugs, etc, que eventualmente tenham sido removidas para a execução do serviço tenham sido recolocadas. •O isolamento e sinalização (fitas, telas, placas, luzes, cones, etc) tenham sido removidos. •Todas as pessoas que estiverem envolvidas com o serviço ou se localizam nas proximidades do equipamento sejam alertadas para a religação. 17
  18. 18. QUANDO NÃO HÁ NECESSIDADE DE CONTROLAR E BLOQUEAR AS ENERGIAS •1. As energias envolvidas no serviço ou manutenção não tiverem a possibilidade de causar qualquer tipo de perda aos Colaboradores diretos ou indiretos, ou perdas ao processo, equipamentos e meio ambiente. Exemplo serviço elétrico em cabos telefônicos. •2. Quando for realizado serviço ou manutenção em situações que não possam ser interrompida a continuidade operacional. Neste caso, procedimentos alternativos de segurança devem ser adotados. •3. Operações Normais de Produção, a menos que o trabalho seja de fato realizado no ponto de operação, ou quando existir uma zona de perigo. 18
  19. 19. • 4. Operações normais de Produção, como pequenas mudanças de ferramentas ou ajustes, e outras pequenas atividades de reparos que ocorram dentro das operações normais de operação se forem rotineiras, repetitivas e integrantes à utilização do equipamento para a produção, contanto que o trabalho seja executado utilizando-se medidas alternativas que disponibilizem proteção que seja considerada, pelo Facilitador da área e normas de segurança de máquinas, como sendo eficaz. 19
  20. 20. SERVIÇO ROTINEIRO, REPETITIVO E INTEGRADO À PRODUÇÃO •Serviço realizado por pessoal de Produção, que ocorre ou é esperado ocorrer diversas vezes por turno, em geral rápido, não envolvendo desmontagens maiores, com interrupção mínima do processo de produção, requerendo (necessariamente) pessoal treinado para faze-lo e padrão escrito. Exemplos: câmbio de bitola, troca de fieira, troca de rolete. 20
  21. 21. TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO •Somente poderão realizar serviços em máquinas e equipamentos, os Colaboradores que forem treinados neste padrão. Adicionalmente, todos os liberadores de PT devem ser treinados. •Os prestadores de serviço serão informados dos requisitos deste padrão nas reuniões de Integração de Segurança. •Obs.: Os treinamentos exigidos por lei que habilitam o trabalhador na função, não são suficientes para habilitá-lo a controlar as energias. É obrigatório o treinamento específico de controle de energias. 21
  22. 22. REMOCÃO DOS CADEADOS E ETIQUETAS •A retirada ou solicitação da retirada dos cadeados e etiquetas somente pode ser realizada pelo Colaborador ou Terceiro que os colocou, lembrando que a religação de quaisquer energias só pode ser feita por Colaborador habilitado da Gerdau. •O desbloqueio de um DIE por uma outra pessoa que não aquele que o havia bloqueado ou solicitado o bloqueio, somente pode ser realizado em situação de emergência (possibilidade de acidente), garantindo a segurança do(s) executante(s), registrando, por escrito, ao Gestor da área. 22
  23. 23. •Caso o funcionário que bloqueou o DIE se ausentar da Usina, o mesmo deve ser localizado para retirar o seu bloqueio. •Caso ele não seja localizado, o Gestor da área, juntamente com pelo menos um Colaborador que tenha sido treinado neste padrão, deve realizar uma rigorosa análise para verificar se a remoção do cadeado é segura. •Se a remoção do cadeado for efetuada, o Gestor da área é o responsável por assegurar que o trabalhador que teve seu cadeado removido seja comunicado do seu ato abaixo do padrão. Obs.: 1. A remoção do cadeado deve ser feita através de corte do cadeado e posterior descarte. 2. O Gestor da área, nestas condições, está autorizado a cortar o cadeado. 23
  24. 24. SERVIÇOS PROLONGADOS •Serviço que continua com o mesmo executante O bloqueio continua até a conclusão do serviço. •Serviço que passa para que seja continuado por outra pessoa, onde há a passagem do serviço pessoalmente. •A chave do(s) cadeado(s) deve(m) ser entregue a pessoa que está continuando o serviço, devendo haver a troca da(s) etiqueta(s) . •Serviço que passa para que seja continuado por outra pessoa, onde não há a passagem do serviço pessoalmente,neste caso, a(s) chave(s) deverá (ao) ficar de posse dos plantões das áreas. 24

×