SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
Baixar para ler offline
Desenergização
A desenergização é um conjunto de ações coordenadas, sequenciadas e
controladas, destinadas a garantir a efetiva ausência de tensão no circuito,
trecho ou ponto de trabalho, durante todo o tempo de intervenção e sob
controle dos trabalhadores envolvidos.
Somente serão consideradas desenergizadas as instalações elétricas
liberadas para trabalho, mediante os procedimentos apropriados e
obedecida a sequência a seguir:
Seccionamento
É o ato de promover a descontinuidade elétrica total, com afastamento
adequado entre um circuito ou dispositivo de outro. Obtida mediante o
acionamento de dispositivo apropriado (chave seccionadora,
interruptor, disjuntor), ativado por meios manuais ou automáticos, ou
ainda através de ferramental apropriado e segundo procedimentos
específicos.
É o estabelecimento de condições que impedem, de modo
reconhecidamente garantido, a reenergização do circuito ou equipamento
desenergizado, assegurando ao trabalhador o controle do seccionamento.
Na prática trata-se da aplicação de travamentos mecânicos, por meio de
fechaduras, cadeados e dispositivos auxiliares de travamento ou com
sistemas informatizados equivalentes.
Impedimento de reenergização
Deve-se utilizar um sistema de travamento do dispositivo de
seccionamento, para o quadro, painel ou caixa de energia elétrica, para
garantir o efetivo impedimento de reenergização involuntária/acidental
do circuito/equipamento durante a execução da atividade que originou
o seccionamento. Deve-se também fixar placas de sinalização alertando
sobre a proibição da ligação da chave e indicar que o circuito está em
manutenção.
O risco de energizar inadvertidamente o circuito é grande em atividades
que envolvam equipes diferentes, onde mais de um empregado estiver
trabalhando.
Nesse caso a eliminação do risco é obtida pelo emprego de tantos
bloqueios quantos forem necessários para execução da atividade.
Dessa forma, o circuito só será novamente energizado apenas quando o
último empregado concluir seu serviço e destravar o bloqueio. Após a
conclusão dos serviços deverão ser adotados os procedimentos de
liberação específicos.
A desenergização de circuito ou mesmo de todos os circuitos numa
instalação deve ser sempre programada e amplamente divulgada para
que a interrupção da energia elétrica reduza os transtornos e a
possibilidade de acidentes. A reenergização deverá ser autorizada
mediante a divulgação a todos os envolvidos.
Constatação da ausência de tensão
É a verificação da efetiva ausência de tensão nos condutores do circuito
elétrico. Deve ser feita com detectores específicos aos níveis de tensão,
sendo realizada por contato ou por aproximação.
Instalação de aterramento temporário com equipotencialização dos
condutores dos circuitos
Constatada a inexistência de tensão, um condutor do conjunto de
aterramento temporário deverá ser ligado a uma haste conectada a terra.
Na seqüência, deverão ser conectadas as garras de aterramento aos
condutores fase, previamente desligados.
OBS.: Trabalhar entre dois pontos devidamente aterrados.
Proteção dos elementos energizados existentes na zona controlada
Define-se zona controlada como, área em torno da parte condutora
energizada, segregada, acessível, de dimensões estabelecidas de acordo
com nível de tensão, cuja aproximação só é permitida a profissionais
autorizados, como disposto no anexo II da Norma Regulamentadora
Nº10. Podendo ser feito com anteparos, dupla isolação invólucros, etc.
Instalação da sinalização de impedimento de reenergização
Deverá ser adotada sinalização adequada de segurança, destinada à
advertência e à identificação da razão de desenergização e informações
do responsável.
Os cartões, avisos, placas ou etiquetas de sinalização do travamento ou
bloqueio devem ser claros e adequadamente fixados. No caso de método
alternativo, procedimentos específicos deverão assegurar a comunicação
da condição impeditiva de energização a todos os possíveis usuários do
sistema. Somente após a conclusão dos serviços e verificação da ausência
de anormalidades, o trabalhador providenciará a retirada de ferramentas,
equipamentos e utensílios e por fim o dispositivo individual de
travamento e a etiqueta correspondente.
Os responsáveis pelos serviços, após inspeção geral e certificação da
retirada de todos os travamentos, cartões e bloqueios, providenciará a
remoção dos conjuntos de aterramento, e adotará os procedimentos de
liberação do sistema elétrico para operação.
A retirada dos conjuntos de aterramento temporário deverá ocorrer em
ordem inversa à de sua instalação.
Os serviços a serem executados em instalações elétricas desenergizadas,
mas com possibilidade de energização, por qualquer meio ou razão,
devem atender ao que estabelece o disposto no item 10.6. da NR 10, que
diz respeito a segurança em instalações elétricas desenergizadas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (18)

secionadores
secionadoressecionadores
secionadores
 
Regrasdeouronr10
Regrasdeouronr10Regrasdeouronr10
Regrasdeouronr10
 
Programa de controle de energias perigosas pcep
Programa de controle de energias perigosas   pcepPrograma de controle de energias perigosas   pcep
Programa de controle de energias perigosas pcep
 
Nbr 5410
Nbr 5410Nbr 5410
Nbr 5410
 
NORMAS ABNT SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS
NORMAS ABNT SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NORMAS ABNT SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS
NORMAS ABNT SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS
 
Controle e bloqueio de energia
Controle e bloqueio de energiaControle e bloqueio de energia
Controle e bloqueio de energia
 
Nbr5410 instalação eletrica
Nbr5410 instalação eletricaNbr5410 instalação eletrica
Nbr5410 instalação eletrica
 
Circuitos elétricos industriais_2014
Circuitos elétricos industriais_2014Circuitos elétricos industriais_2014
Circuitos elétricos industriais_2014
 
Teórica resumo PIEL 1
Teórica resumo PIEL 1Teórica resumo PIEL 1
Teórica resumo PIEL 1
 
Apresentação10
Apresentação10Apresentação10
Apresentação10
 
Nr10 conceitos cp2
Nr10 conceitos cp2Nr10 conceitos cp2
Nr10 conceitos cp2
 
Treinamento Segurança em eletricidade
Treinamento Segurança em eletricidade   Treinamento Segurança em eletricidade
Treinamento Segurança em eletricidade
 
Treinamento bloqueio el_trico
Treinamento bloqueio el_tricoTreinamento bloqueio el_trico
Treinamento bloqueio el_trico
 
2 treinamento de bloqueio 02-05_2013
2   treinamento de bloqueio 02-05_20132   treinamento de bloqueio 02-05_2013
2 treinamento de bloqueio 02-05_2013
 
4100 manual-rev.-04
4100 manual-rev.-044100 manual-rev.-04
4100 manual-rev.-04
 
Curso nr10 básico
Curso nr10 básicoCurso nr10 básico
Curso nr10 básico
 
lockout-tagout-pdf
 lockout-tagout-pdf lockout-tagout-pdf
lockout-tagout-pdf
 
Tagout Lockout by CLT Services
Tagout Lockout by CLT ServicesTagout Lockout by CLT Services
Tagout Lockout by CLT Services
 

Semelhante a Procedimentos de desenergização para garantir segurança em trabalhos em instalações elétricas

Medidas de controle de risco eletrico.pdf
Medidas de controle de risco eletrico.pdfMedidas de controle de risco eletrico.pdf
Medidas de controle de risco eletrico.pdfClesio Dias Junior
 
NR10_Medidas_Controle_de_Risco.pdf
NR10_Medidas_Controle_de_Risco.pdfNR10_Medidas_Controle_de_Risco.pdf
NR10_Medidas_Controle_de_Risco.pdfEduardoRobertodeCicc
 
NR10 - Aterramento, EPI, EPC, Responsabilidades-1.ppt
NR10 - Aterramento, EPI, EPC, Responsabilidades-1.pptNR10 - Aterramento, EPI, EPC, Responsabilidades-1.ppt
NR10 - Aterramento, EPI, EPC, Responsabilidades-1.pptCristianadaSilvaOLiv2
 
1 Normas E Procedimentos De Linha Viva 13 11 2005
1 Normas E Procedimentos De Linha Viva 13 11 20051 Normas E Procedimentos De Linha Viva 13 11 2005
1 Normas E Procedimentos De Linha Viva 13 11 2005Santos de Castro
 
ServiçOs Em Redes De DistribuiçãO AéReas Energizadas
ServiçOs Em Redes De DistribuiçãO AéReas EnergizadasServiçOs Em Redes De DistribuiçãO AéReas Energizadas
ServiçOs Em Redes De DistribuiçãO AéReas EnergizadasSantos de Castro
 
BLOQUEIO E ISOLAMENTO DE ENERGIAS SANDEN.pptx
BLOQUEIO E ISOLAMENTO DE ENERGIAS SANDEN.pptxBLOQUEIO E ISOLAMENTO DE ENERGIAS SANDEN.pptx
BLOQUEIO E ISOLAMENTO DE ENERGIAS SANDEN.pptxLciaGuimares8
 
TREINAMENTO-NR-10_060b07baa0974b39ac8e0e6556b2c899.pptx
TREINAMENTO-NR-10_060b07baa0974b39ac8e0e6556b2c899.pptxTREINAMENTO-NR-10_060b07baa0974b39ac8e0e6556b2c899.pptx
TREINAMENTO-NR-10_060b07baa0974b39ac8e0e6556b2c899.pptxAlexandreSilva472104
 
Medidas de controle do risco elétrico cpn-sp.ppt
Medidas de controle do risco elétrico cpn-sp.pptMedidas de controle do risco elétrico cpn-sp.ppt
Medidas de controle do risco elétrico cpn-sp.pptAlfredoPantoja4
 
(7) NR10 - SEP - Liberação de instalação para serviços.pptx
(7) NR10 - SEP - Liberação de instalação para serviços.pptx(7) NR10 - SEP - Liberação de instalação para serviços.pptx
(7) NR10 - SEP - Liberação de instalação para serviços.pptxEngenheiroBenevides
 
Treinamento de Segurança em Elétrica - NR 10.ppt
Treinamento de Segurança em Elétrica - NR 10.pptTreinamento de Segurança em Elétrica - NR 10.ppt
Treinamento de Segurança em Elétrica - NR 10.pptnxq4pxsv7d
 
Medidas de controle do risco elétrico.ppt
 Medidas de controle do risco elétrico.ppt Medidas de controle do risco elétrico.ppt
Medidas de controle do risco elétrico.pptelmerribeiro
 
5. INSTALAÇÕES ELÉTRICAS.pdf
5. INSTALAÇÕES ELÉTRICAS.pdf5. INSTALAÇÕES ELÉTRICAS.pdf
5. INSTALAÇÕES ELÉTRICAS.pdfThiago Thome
 
Bloqueios de energias
Bloqueios de energias Bloqueios de energias
Bloqueios de energias NewAge16
 

Semelhante a Procedimentos de desenergização para garantir segurança em trabalhos em instalações elétricas (20)

Medidas de controle de risco eletrico.pdf
Medidas de controle de risco eletrico.pdfMedidas de controle de risco eletrico.pdf
Medidas de controle de risco eletrico.pdf
 
NR10_Medidas_Controle_de_Risco.pdf
NR10_Medidas_Controle_de_Risco.pdfNR10_Medidas_Controle_de_Risco.pdf
NR10_Medidas_Controle_de_Risco.pdf
 
NR10 - Aterramento, EPI, EPC, Responsabilidades-1.ppt
NR10 - Aterramento, EPI, EPC, Responsabilidades-1.pptNR10 - Aterramento, EPI, EPC, Responsabilidades-1.ppt
NR10 - Aterramento, EPI, EPC, Responsabilidades-1.ppt
 
1 Normas E Procedimentos De Linha Viva 13 11 2005
1 Normas E Procedimentos De Linha Viva 13 11 20051 Normas E Procedimentos De Linha Viva 13 11 2005
1 Normas E Procedimentos De Linha Viva 13 11 2005
 
ServiçOs Em Redes De DistribuiçãO AéReas Energizadas
ServiçOs Em Redes De DistribuiçãO AéReas EnergizadasServiçOs Em Redes De DistribuiçãO AéReas Energizadas
ServiçOs Em Redes De DistribuiçãO AéReas Energizadas
 
TREINAMENTO NR 10 AT.pptx
TREINAMENTO NR 10 AT.pptxTREINAMENTO NR 10 AT.pptx
TREINAMENTO NR 10 AT.pptx
 
BLOQUEIO E ISOLAMENTO DE ENERGIAS SANDEN.pptx
BLOQUEIO E ISOLAMENTO DE ENERGIAS SANDEN.pptxBLOQUEIO E ISOLAMENTO DE ENERGIAS SANDEN.pptx
BLOQUEIO E ISOLAMENTO DE ENERGIAS SANDEN.pptx
 
TREINAMENTO-NR-10_060b07baa0974b39ac8e0e6556b2c899.pptx
TREINAMENTO-NR-10_060b07baa0974b39ac8e0e6556b2c899.pptxTREINAMENTO-NR-10_060b07baa0974b39ac8e0e6556b2c899.pptx
TREINAMENTO-NR-10_060b07baa0974b39ac8e0e6556b2c899.pptx
 
Nr 10
Nr 10Nr 10
Nr 10
 
Medidas de controle do risco elétrico cpn-sp.ppt
Medidas de controle do risco elétrico cpn-sp.pptMedidas de controle do risco elétrico cpn-sp.ppt
Medidas de controle do risco elétrico cpn-sp.ppt
 
Treinamento bloqueio 2019
Treinamento bloqueio 2019Treinamento bloqueio 2019
Treinamento bloqueio 2019
 
(7) NR10 - SEP - Liberação de instalação para serviços.pptx
(7) NR10 - SEP - Liberação de instalação para serviços.pptx(7) NR10 - SEP - Liberação de instalação para serviços.pptx
(7) NR10 - SEP - Liberação de instalação para serviços.pptx
 
Treinamento de Segurança em Elétrica - NR 10.ppt
Treinamento de Segurança em Elétrica - NR 10.pptTreinamento de Segurança em Elétrica - NR 10.ppt
Treinamento de Segurança em Elétrica - NR 10.ppt
 
Aula nr 10
Aula   nr 10Aula   nr 10
Aula nr 10
 
Medidas de controle do risco elétrico.ppt
 Medidas de controle do risco elétrico.ppt Medidas de controle do risco elétrico.ppt
Medidas de controle do risco elétrico.ppt
 
5. INSTALAÇÕES ELÉTRICAS.pdf
5. INSTALAÇÕES ELÉTRICAS.pdf5. INSTALAÇÕES ELÉTRICAS.pdf
5. INSTALAÇÕES ELÉTRICAS.pdf
 
Bloqueios de energias
Bloqueios de energias Bloqueios de energias
Bloqueios de energias
 
Bloqueios de energia
Bloqueios de energiaBloqueios de energia
Bloqueios de energia
 
5 Rotinas de trabalho.ppt
5 Rotinas de trabalho.ppt5 Rotinas de trabalho.ppt
5 Rotinas de trabalho.ppt
 
Bloqueio e Etiquetagem.pdf
Bloqueio e Etiquetagem.pdfBloqueio e Etiquetagem.pdf
Bloqueio e Etiquetagem.pdf
 

Mais de Fernandoprotec (20)

Apresentação14
Apresentação14Apresentação14
Apresentação14
 
Apresentação13
Apresentação13Apresentação13
Apresentação13
 
Apresentação12
Apresentação12Apresentação12
Apresentação12
 
Apresentação11
Apresentação11Apresentação11
Apresentação11
 
Apresentação9
Apresentação9Apresentação9
Apresentação9
 
Apresentação8
Apresentação8Apresentação8
Apresentação8
 
Apresentação7
Apresentação7Apresentação7
Apresentação7
 
Apresentação6
Apresentação6Apresentação6
Apresentação6
 
Apresentação4
Apresentação4Apresentação4
Apresentação4
 
Apresentação3
Apresentação3Apresentação3
Apresentação3
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Apresentação2
Apresentação2Apresentação2
Apresentação2
 
Apresentação3
Apresentação3Apresentação3
Apresentação3
 
Apresentação4
Apresentação4Apresentação4
Apresentação4
 
Apresentação5
Apresentação5Apresentação5
Apresentação5
 
Apresentação6
Apresentação6Apresentação6
Apresentação6
 
Apresentação7
Apresentação7Apresentação7
Apresentação7
 
Apresentação9
Apresentação9Apresentação9
Apresentação9
 

Último

Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 

Último (20)

Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 

Procedimentos de desenergização para garantir segurança em trabalhos em instalações elétricas

  • 1.
  • 2. Desenergização A desenergização é um conjunto de ações coordenadas, sequenciadas e controladas, destinadas a garantir a efetiva ausência de tensão no circuito, trecho ou ponto de trabalho, durante todo o tempo de intervenção e sob controle dos trabalhadores envolvidos. Somente serão consideradas desenergizadas as instalações elétricas liberadas para trabalho, mediante os procedimentos apropriados e obedecida a sequência a seguir:
  • 3. Seccionamento É o ato de promover a descontinuidade elétrica total, com afastamento adequado entre um circuito ou dispositivo de outro. Obtida mediante o acionamento de dispositivo apropriado (chave seccionadora, interruptor, disjuntor), ativado por meios manuais ou automáticos, ou ainda através de ferramental apropriado e segundo procedimentos específicos.
  • 4. É o estabelecimento de condições que impedem, de modo reconhecidamente garantido, a reenergização do circuito ou equipamento desenergizado, assegurando ao trabalhador o controle do seccionamento. Na prática trata-se da aplicação de travamentos mecânicos, por meio de fechaduras, cadeados e dispositivos auxiliares de travamento ou com sistemas informatizados equivalentes. Impedimento de reenergização
  • 5. Deve-se utilizar um sistema de travamento do dispositivo de seccionamento, para o quadro, painel ou caixa de energia elétrica, para garantir o efetivo impedimento de reenergização involuntária/acidental do circuito/equipamento durante a execução da atividade que originou o seccionamento. Deve-se também fixar placas de sinalização alertando sobre a proibição da ligação da chave e indicar que o circuito está em manutenção.
  • 6. O risco de energizar inadvertidamente o circuito é grande em atividades que envolvam equipes diferentes, onde mais de um empregado estiver trabalhando. Nesse caso a eliminação do risco é obtida pelo emprego de tantos bloqueios quantos forem necessários para execução da atividade.
  • 7. Dessa forma, o circuito só será novamente energizado apenas quando o último empregado concluir seu serviço e destravar o bloqueio. Após a conclusão dos serviços deverão ser adotados os procedimentos de liberação específicos. A desenergização de circuito ou mesmo de todos os circuitos numa instalação deve ser sempre programada e amplamente divulgada para que a interrupção da energia elétrica reduza os transtornos e a possibilidade de acidentes. A reenergização deverá ser autorizada mediante a divulgação a todos os envolvidos.
  • 8. Constatação da ausência de tensão É a verificação da efetiva ausência de tensão nos condutores do circuito elétrico. Deve ser feita com detectores específicos aos níveis de tensão, sendo realizada por contato ou por aproximação.
  • 9. Instalação de aterramento temporário com equipotencialização dos condutores dos circuitos Constatada a inexistência de tensão, um condutor do conjunto de aterramento temporário deverá ser ligado a uma haste conectada a terra. Na seqüência, deverão ser conectadas as garras de aterramento aos condutores fase, previamente desligados.
  • 10. OBS.: Trabalhar entre dois pontos devidamente aterrados. Proteção dos elementos energizados existentes na zona controlada Define-se zona controlada como, área em torno da parte condutora energizada, segregada, acessível, de dimensões estabelecidas de acordo com nível de tensão, cuja aproximação só é permitida a profissionais autorizados, como disposto no anexo II da Norma Regulamentadora Nº10. Podendo ser feito com anteparos, dupla isolação invólucros, etc.
  • 11. Instalação da sinalização de impedimento de reenergização Deverá ser adotada sinalização adequada de segurança, destinada à advertência e à identificação da razão de desenergização e informações do responsável. Os cartões, avisos, placas ou etiquetas de sinalização do travamento ou bloqueio devem ser claros e adequadamente fixados. No caso de método alternativo, procedimentos específicos deverão assegurar a comunicação da condição impeditiva de energização a todos os possíveis usuários do sistema. Somente após a conclusão dos serviços e verificação da ausência de anormalidades, o trabalhador providenciará a retirada de ferramentas, equipamentos e utensílios e por fim o dispositivo individual de travamento e a etiqueta correspondente.
  • 12. Os responsáveis pelos serviços, após inspeção geral e certificação da retirada de todos os travamentos, cartões e bloqueios, providenciará a remoção dos conjuntos de aterramento, e adotará os procedimentos de liberação do sistema elétrico para operação. A retirada dos conjuntos de aterramento temporário deverá ocorrer em ordem inversa à de sua instalação. Os serviços a serem executados em instalações elétricas desenergizadas, mas com possibilidade de energização, por qualquer meio ou razão, devem atender ao que estabelece o disposto no item 10.6. da NR 10, que diz respeito a segurança em instalações elétricas desenergizadas.