SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 55
Ministério da Educação Secretaria de
 Educação Básica Diretoria de Apoio à
          Gestão Educacional

Pacto Nacional pela Alfabetização na
            Idade Certa

     FORMAÇÃO DO PROFESSOR
         ALFABETIZADOR
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO:
PERSPECTIVAS E CONDICIONANTES
     LINGUÍSTICOS E SOCIAIS

Prof.ª Ms Maria de Lourdes Guimarães de
                Carvalho
        CCH - DCL - UNIMONTES
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO:
 PERSPECTIVAS E CONDICIONANTES
      LINGUÍSTICOS E SOCIAIS

• 1- Sobre o sujeito leitor e produtor de textos
• 2- Pensando a leitura: o que é ler, instâncias
  e pressupostos da leitura.
• 3-Aquisição da escrita.
• 4- Pressupostos da escrita.
Quem se dispõe a alfabetizar precisa
estar ciente de aspectos como:

1- Como o homem se constitui
falante, leitor e escritor em nossa
              sociedade?

2- Por que considerar as diferentes
realidades (urbana, rural, classes
sociais, idade, sexo, credos, necessid
ades       educativas      especiais)?
Quem é o sujeito falante, leitor e
escritor de textos?


            Quem é o alfabetizando?
HOMEM/ANIMAL




 IRRACIONAL                                  RACIONAL




    SENTE                                     PENSA


1-NECESSIDADES                          2- PROBLEMAS

                         LINGUAGEM

   4- SOLUÇÕES                              3-SOLUÇÕES



AÇÃO INSTINTIVA / ROTINEIRA             AÇÃO INTELECTUAL


NÍVEL PRÁTICO                              NÍVEL TEÓRICO
O sujeito falante, leitor e produtor de textos
é constituído por aspectos sociais e
históricos.

Então, a escola alfabetizadora precisa
considerar os alunos como seres sociais e
históricos.
“[...] a vocação do homem é a de ser
sujeito e não objeto (...), não existem
senão homens concretos (não existe
homem no vazio). Cada homem está
situado no espaço e no tempo, no sentido
em que vive numa época precisa, num
lugar preciso, num contexto social e
cultural preciso. O homem é um ser de
raízes espaço-temporais. (FREIRE, 1980:
34).
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
• Dois conceitos estreitamente articulados.

• Alfabetizar/letrar     pressupõe o ensino/aprendizagem das
  práticas de leitura e de escrita com vistas à inserção social.

• Implica, também, no bom desempenho da oralidade.

• São práticas que se iniciam no espaço familiar, perpassam por
  todos     os   espaços      de   convívio   social    e   são
  sistematizadas/oficializadas, na escola, por meio de um
  processo pedagógico de responsabilidade da instância escolar e
  dos professores alfabetizadores.

O fracasso de uns, reflete, consequentemente, o fracasso
                        dos outros
ALFABETIZAR
  Contribuir para o ingresso das crianças no
  mundo da LEITURA e da ESCRITA e para a
  participação delas em situações de uso da
                 ORALIDADE

Não termina nos anos iniciais de escolarização.
             Existe a alfabetização
 digital/tecnológica, Letramento acadêmico...
Pensando a leitura
Ler não é
• Simples reconhecimento de letras, sílabas e
  palavras.

• decifrar, como num jogo de adivinhações, o
  sentido de um texto.

• Decodificação do sinal gráfico que se aprende
  no início da alfabetização.
Ler é     • Soletrar                    • Ato primeiro da
                                          leitura
CONTAR    • Repetir fonemas
                                        • Estágios da escrita
          • Agrupar fonemas
Ler é     • Apoderar-se                 • Interpretação

COLHER    • Acatar o sentido            • Localização do tema
(VERBO)                                   e da mensagem
          • Autor é o dono absoluto

Ler é     • Acrescentamento           de • Compreensão
            sentidos a partir de sinais
ROUBAR                                   • Coautoria
(VERBO)   • O leitor é um coautor

          • Relativização dos poderes
            do autor
Sobre a instância de leitura denominada
 roubar, Paulino et al (2001) afirma:

“Não se rouba algo com conhecimento e
autorização do proprietário, logo essa leitura do
texto vai se construir à revelia do autor, ou
melhor, vai acrescentar ao texto outros sentidos
a partir de sinas que nele estão
presentes, mesmo que o autor não tivesse
consciência disso”.
Observe o exemplo a seguir
             “Gosto de marmelada”
Oralidade
• Análise: gos-to-de-mar-me-la-da
• Síntese: gosto de marmelada

• Leitura (colheita) interpretação: gosto do doce
  de marmelo (fruta).

• Leitura (roubar) compreensão - Sentido
  conotativo “negócio desonesto”, “mamata”:
  sou partidário de negócios desonestos.
• As palavras carregam significações que permitem
  ao leitor, passar por diversas e sucessivas
  sondagens.

• A capacidade de transgressão dos sentidos
  propostos pelo autor revela a eficiência e o poder
  do leitor.

• Essa capacidade está diretamente relacionada
  com o contexto de ocorrência da palavra e com os
  conhecimentos prévios do leitor.
CONTEXTO DE OCORRÊNCIA

• Obtém-se o contexto fazendo a leitura perigráfica (ler os entornos do texto, de
  gravuras e de palavras chave que situam a temática, o assunto, a área).
O ADVOGADO E A LARANJA

Um professor de Direito perguntou a um de seus alunos:
     ___ Se você quiser dar a Ronaldo uma laranja, o que deverá dizer?
     ___ Aqui está, Ronaldo, uma laranja – respondeu o aluno.
O professor disse furioso:
    ___ Não! Não! Isso é inadmissível, pense como um advogado!
    ___ Ah, bom..., suspirou o aluno, lá vai: Eu, Nei
Ribeiro, brasileiro, solteiro, portador do documento de identificação
tipo RG nº. 9.213.456-4 SSP/SP, legítimo proprietário e possuidor, por
meio       deste      ato,      cedo     e     transfiro    a    Ronaldo
Falcão, brasileiro, solteiro, portador do documento de identificação
tipo RG nº. 12.524.321 – 8 SSP/SP, a propriedade exclusiva e benefícios
futuros, os direitos, obrigações e vantagens, sumos e insumos, a quem
confiro amplos poderes, sem exclusão de qualquer um, para
desistir, renunciar, transigir, receber e dar quitação do recebimento do
fruto a seguir descrito:
De formato esferoide excêntrico, medindo 10 cm em seu eixo maior
por 7 cm em seu eixo menor, de odor cítrico, pertencente à família
Citrus Sinensis Brasiliensis, conhecida pela alcunha de
laranja, juntamente com sua casca, sumo, polpa e sementes.
Outrossim, afasto, desde este ano, qualquer possibilidade de vir a
pleitear, em juízo ou fora deste, a devolução do fruto retro
descrito, após a primeira osculação labial, ficando autorizado ou
outorgado o uso de todo e qualquer meio para
morder, cortar, chupar, congelar ou de outra forma comer o referido
fruto, dando tudo por bom, firme e valioso, ou cedê-lo a outrem, com
iguais poderes. Qualquer decisão contrária, passada ou futura, em
qualquer instância, ou em instrumentos de qualquer natureza ou tipo
ficam assim revogadas .
DAMIÃO, R. T.; HENRIQUES, A. Curso de português jurídico. São Paulo:
Atlas, 2000.
CONHECIMENTOS PRÉVIOS
Armazenados na memória são recuperados durante o processo de
compreensão de um texto, via inferência, e, em seguida, adicionados à
informação textual.


Inferências são estratégias cognitivas por meio das quais o ouvinte ou
leitor, partindo da informação veiculada pelo texto e levando em conta
o contexto (em sentido amplo), constrói novas representações mentais
e/ou estabelece uma ponte entre segmentos textuais, ou entre
informação explícita e informação não explicitada no texto.
(KOCH, 2000, p. 29-30).


Em um texto, nem tudo que pode ser lido
              está escrito
O que não está escrito mas pode ser
lido/inferido?
Os conhecimentos prévios podem ser:
                        DE MUNDO
     Quanto mais conhecimentos, maior a eficiência leitora
CONHECIMENTOS PRÉVIOS: TEXTUAIS
O fato de saber distinguir tipos e gêneros textuais
               favorece a leitura.

Tipos:              (natureza             linguística)
narrativo, descritivo, argumentativo, injuntivo, info
rmativo e jaculatórios (Marcuschi, 2005).

Gêneros: (natureza sociocomunicativa) abarcam
desde os mais tradicionais até os modernos
(hipertexto) e são em número infinito.
CONHECIMENTOS PRÉVIOS
               LINGUÍSTICOS
Conhecimentos sobre a língua nativa e sobre
    outras línguas favorecem a leitura.
Conhecimentos de mundo
• Também chamados de enciclopédicos
• Adquiridos sócio culturalmente por meio experiência e
   vivência
• Armazenados na memória em blocos denominados
  modelos cognitivos.

Koch e Travaglia (1999), citam alguns exemplos de modelos
cognitivos:

a)        Frames:       rótulos.        Ex:        carnaval
(confete,     serpentina,      desfile,     escola      de
samba, fantasia, baile, mulatas. Apesar de não haver
qualquer ordenação lógica entre esses conhecimentos, eles
vêm á tona quando acionados.
Quais seriam os frames para
                   Alfabetização?

Alfabetização
b) Esquemas: armazenados em sequência temporal ou
causal. Ex: Conhecimentos de como pôr um
eletrodoméstico em funcionamento, a rotina de um dia na
vida de um cidadão .

c) Planos: armazenados na memória e que têm a ver com
o modo de agir para atingir determinado objetivo. Ex: por
exemplo, como vencer uma partida de xadrez .

c) Scripts: Conjunto de conhecimentos sobre modos
estereotipados de agir. Ex: os rituais religiosos (batismo,
casamento, missa), as fórmulas de cortesia, as práxis
jurídicas, etc.
Exercite seus conhecimentos prévios
Conclui-se que: “Um texto assemelha-se a um iceberg: explícito
é apenas uma pequena parte daquilo que fica submerso, ou
seja, implícito.” Koch e Travaglia (1997.p.65):
PRESSUPOSTOS DA LEITURA
“[...] ler é um processo no qual o leitor realiza um trabalho
ativo de compreensão e interpretação do texto.
(PCN, 1998, p. 69).

No processo de interpretar         as informações estão
no texto

No de compreender, elas estão na cabeça de cada
leitor.
Paulino et al (2001): leitura passa, necessária e
simultaneamente, por:

a)   uma teoria do conhecimento
b)   uma psicologia/psicanálise
c)   uma sociologia
d)   uma pedagogia
e)   uma teoria da linguagem
f)   uma análise do discurso
g)   uma teoria literária
a) Ler pressupõe uma teoria do conhecimento

• o autor não é o dono absoluto do texto.

• O leitor é também produtor de sentidos, coautor.

• Ler é um ato produtivo pois o texto é
  recriado, reconstruído pelo leitor, nem sempre
  como o autor desejava.

• No momento da leitura o leitor está em trabalho
  intelectual tanto no plano social quanto no plano
  individual.
Exercite sua habilidade de leitor
B) Ler pressupõe uma pedagogia


• A leitura se desenvolve num processo de
  ensino aprendizagem que faz parte não só da
  escola, mas também da vida do cidadão num
  constante processo de troca.

  Processo é movimento contínuo. Impossível
              precisar início e fim
É na escola que a leitura da palavra escrita ocorre com maior
frequência e de forma diversificada, abrangendo vários níveis do
conhecimento e exteriorização das emoções e da criatividade.
É preciso “ensinar a ler” e não “mandar ler”. A escola é a
   instância, por excelência, de ensino. pela mediação do
  professor, pela interação com os colegas, por ser um lugar de
                 reflexão sobre o mundo letrado
e) Ler pressupõe uma teoria da
               linguagem

Por uma questão política e social o alfabetizador
deve sempre levar em conta os elementos da
comunicação, cada com suas especificidades.
Os discursos precisam ser analisados
                pois:
• O sentido de uma palavra não existe em si
  mesmo.

• Uma mesma palavra, em diferentes
  contextos     e/ou   ditas     por   pessoas
  diferentes, assume sentidos diferentes.
O sentido de uma palavra não existe em si mesmo. Ele é
determinado pelas posições ideológicas colocadas em jogo
no processo histórico no qual as palavras são produzidas.

  "Não te amo mais.          que
  Estarei mentindo dizendo   Alimento um grande amor
  que                        Sinto cada vez mais que
  Ainda te quero como        Já te esqueci!
  sempre quis                E jamais usarei a frase
  Tenho certeza que          Eu te amo!
  Nada foi em vão            Sinto, mas tenho que dizer
  Sinto dentro de mim que    a verdade
  Você não significa nada    É tarde demais..."
  Não poderia dizer mais
A escolha de bons autores e de
metodologias adequadas são fatores
determinantes para que as crianças
  tenham prazer de ler literatura
OBRIGADA!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento Adriana Pereira
 
Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)PamelaAschoff
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoHelena Zanotto
 
Psicogênese da Língua Escrita
Psicogênese da Língua EscritaPsicogênese da Língua Escrita
Psicogênese da Língua EscritaJessica Nuvens
 
SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA
SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA
SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA Claudio Pessoa
 
Concepcoes de alfabetizacao e letramento
Concepcoes de alfabetizacao e letramentoConcepcoes de alfabetizacao e letramento
Concepcoes de alfabetizacao e letramentozetesousa
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoLianeMagnolia
 
AlfabetizaçãO E Letramento
AlfabetizaçãO E LetramentoAlfabetizaçãO E Letramento
AlfabetizaçãO E Letramentohenriqueocarvalho
 
Fases da Escrita
Fases da EscritaFases da Escrita
Fases da Escritaprofmagna
 
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de textoPráticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de textoFernanda Tulio
 
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTOSlides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTOEdna Monteiro
 
Oficina jogos fonológicos e a compreensão do sistema de escrita alfabética me
Oficina  jogos fonológicos e a compreensão do sistema de escrita alfabética   meOficina  jogos fonológicos e a compreensão do sistema de escrita alfabética   me
Oficina jogos fonológicos e a compreensão do sistema de escrita alfabética meVandilma Salvador Cabral
 
Hipóteses da Língua Escrita
Hipóteses da Língua EscritaHipóteses da Língua Escrita
Hipóteses da Língua EscritaRayane Paula
 
Fundamentos teóricos e metodológicos da alfabetização e do
Fundamentos teóricos e metodológicos da alfabetização e doFundamentos teóricos e metodológicos da alfabetização e do
Fundamentos teóricos e metodológicos da alfabetização e doSolange Mendes
 

Mais procurados (20)

Psicogênese da língua escrita
Psicogênese da língua escrita Psicogênese da língua escrita
Psicogênese da língua escrita
 
Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento
 
Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
 
Psicogênese da Língua Escrita
Psicogênese da Língua EscritaPsicogênese da Língua Escrita
Psicogênese da Língua Escrita
 
SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA
SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA
SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA
 
Concepcoes de alfabetizacao e letramento
Concepcoes de alfabetizacao e letramentoConcepcoes de alfabetizacao e letramento
Concepcoes de alfabetizacao e letramento
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
 
AlfabetizaçãO E Letramento
AlfabetizaçãO E LetramentoAlfabetizaçãO E Letramento
AlfabetizaçãO E Letramento
 
Ppt artur gomes ortografia
Ppt artur gomes ortografiaPpt artur gomes ortografia
Ppt artur gomes ortografia
 
Fases da Escrita
Fases da EscritaFases da Escrita
Fases da Escrita
 
Slides leitura
Slides leituraSlides leitura
Slides leitura
 
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de textoPráticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
 
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTOSlides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
 
Oficina jogos fonológicos e a compreensão do sistema de escrita alfabética me
Oficina  jogos fonológicos e a compreensão do sistema de escrita alfabética   meOficina  jogos fonológicos e a compreensão do sistema de escrita alfabética   me
Oficina jogos fonológicos e a compreensão do sistema de escrita alfabética me
 
Metodo Fonico
Metodo FonicoMetodo Fonico
Metodo Fonico
 
Hipóteses da Língua Escrita
Hipóteses da Língua EscritaHipóteses da Língua Escrita
Hipóteses da Língua Escrita
 
Alfabetizaçao e letramento
Alfabetizaçao e letramentoAlfabetizaçao e letramento
Alfabetizaçao e letramento
 
Fundamentos teóricos e metodológicos da alfabetização e do
Fundamentos teóricos e metodológicos da alfabetização e doFundamentos teóricos e metodológicos da alfabetização e do
Fundamentos teóricos e metodológicos da alfabetização e do
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
 

Destaque

Apresentação alfabetização e letramento
Apresentação alfabetização e letramentoApresentação alfabetização e letramento
Apresentação alfabetização e letramentoVivi Veloso
 
PNAIC - Ano 2 unidade 2
PNAIC - Ano 2   unidade 2PNAIC - Ano 2   unidade 2
PNAIC - Ano 2 unidade 2ElieneDias
 
PNAIC - Educação especial censo escolar
PNAIC - Educação   especial censo escolarPNAIC - Educação   especial censo escolar
PNAIC - Educação especial censo escolarElieneDias
 
PNAIC - Ano 2 educação do campo
PNAIC - Ano 2   educação do campoPNAIC - Ano 2   educação do campo
PNAIC - Ano 2 educação do campoElieneDias
 
PNAIC - Ano 3 unidade 2
PNAIC - Ano 3  unidade 2PNAIC - Ano 3  unidade 2
PNAIC - Ano 3 unidade 2ElieneDias
 
PNAIC - Direitos de aprendizagem em história
PNAIC - Direitos de aprendizagem em história PNAIC - Direitos de aprendizagem em história
PNAIC - Direitos de aprendizagem em história ElieneDias
 
Projeto apresentação alfabetização
Projeto apresentação alfabetizaçãoProjeto apresentação alfabetização
Projeto apresentação alfabetizaçãoRegina Angela Depiro
 
Avaliação e aprendizagem na escola: a prática pedagógica como eixo da reflexão
Avaliação e aprendizagem na escola: a prática pedagógica como eixo da reflexãoAvaliação e aprendizagem na escola: a prática pedagógica como eixo da reflexão
Avaliação e aprendizagem na escola: a prática pedagógica como eixo da reflexãoIsabelle Louback
 
Alfabetização slides
Alfabetização slidesAlfabetização slides
Alfabetização slidesAVM
 
Concepções de Alfabetização - PNAIC
Concepções de Alfabetização - PNAICConcepções de Alfabetização - PNAIC
Concepções de Alfabetização - PNAICVera Marlize Schröer
 
Minicurso falando de alfabetizacao e letramento
Minicurso falando de alfabetizacao e letramentoMinicurso falando de alfabetizacao e letramento
Minicurso falando de alfabetizacao e letramentoEunice Mendes de Oliveira
 
Pensando o letramento - Grupo 5/2013
Pensando o letramento - Grupo 5/2013Pensando o letramento - Grupo 5/2013
Pensando o letramento - Grupo 5/2013Perseu Silva
 
Apresentação da Escola
Apresentação da EscolaApresentação da Escola
Apresentação da Escolaisabelpinto
 
°Letramento literário° eja
°Letramento literário° eja°Letramento literário° eja
°Letramento literário° eja19051982
 
Para aprender a ler escrever no eja simone helen drumond
Para aprender a ler escrever no eja simone helen drumondPara aprender a ler escrever no eja simone helen drumond
Para aprender a ler escrever no eja simone helen drumondSimoneHelenDrumond
 
Livro alfabetizando e letrando na eja
Livro alfabetizando e letrando na ejaLivro alfabetizando e letrando na eja
Livro alfabetizando e letrando na ejaCristiane Marinho
 

Destaque (20)

Palestra alfabetização
Palestra alfabetizaçãoPalestra alfabetização
Palestra alfabetização
 
Apresentação alfabetização e letramento
Apresentação alfabetização e letramentoApresentação alfabetização e letramento
Apresentação alfabetização e letramento
 
PNAIC - Ano 2 unidade 2
PNAIC - Ano 2   unidade 2PNAIC - Ano 2   unidade 2
PNAIC - Ano 2 unidade 2
 
PNAIC - Educação especial censo escolar
PNAIC - Educação   especial censo escolarPNAIC - Educação   especial censo escolar
PNAIC - Educação especial censo escolar
 
PNAIC - Ano 2 educação do campo
PNAIC - Ano 2   educação do campoPNAIC - Ano 2   educação do campo
PNAIC - Ano 2 educação do campo
 
PNAIC - Ano 3 unidade 2
PNAIC - Ano 3  unidade 2PNAIC - Ano 3  unidade 2
PNAIC - Ano 3 unidade 2
 
PNAIC - Direitos de aprendizagem em história
PNAIC - Direitos de aprendizagem em história PNAIC - Direitos de aprendizagem em história
PNAIC - Direitos de aprendizagem em história
 
Projeto apresentação alfabetização
Projeto apresentação alfabetizaçãoProjeto apresentação alfabetização
Projeto apresentação alfabetização
 
Avaliação e aprendizagem na escola: a prática pedagógica como eixo da reflexão
Avaliação e aprendizagem na escola: a prática pedagógica como eixo da reflexãoAvaliação e aprendizagem na escola: a prática pedagógica como eixo da reflexão
Avaliação e aprendizagem na escola: a prática pedagógica como eixo da reflexão
 
Educação infantil
Educação infantilEducação infantil
Educação infantil
 
Alfabetização slides
Alfabetização slidesAlfabetização slides
Alfabetização slides
 
Concepções de Alfabetização - PNAIC
Concepções de Alfabetização - PNAICConcepções de Alfabetização - PNAIC
Concepções de Alfabetização - PNAIC
 
Minicurso falando de alfabetizacao e letramento
Minicurso falando de alfabetizacao e letramentoMinicurso falando de alfabetizacao e letramento
Minicurso falando de alfabetizacao e letramento
 
Letra uber
Letra uberLetra uber
Letra uber
 
pnaic formação
pnaic formaçãopnaic formação
pnaic formação
 
Pensando o letramento - Grupo 5/2013
Pensando o letramento - Grupo 5/2013Pensando o letramento - Grupo 5/2013
Pensando o letramento - Grupo 5/2013
 
Apresentação da Escola
Apresentação da EscolaApresentação da Escola
Apresentação da Escola
 
°Letramento literário° eja
°Letramento literário° eja°Letramento literário° eja
°Letramento literário° eja
 
Para aprender a ler escrever no eja simone helen drumond
Para aprender a ler escrever no eja simone helen drumondPara aprender a ler escrever no eja simone helen drumond
Para aprender a ler escrever no eja simone helen drumond
 
Livro alfabetizando e letrando na eja
Livro alfabetizando e letrando na ejaLivro alfabetizando e letrando na eja
Livro alfabetizando e letrando na eja
 

Semelhante a Alfabetização e letramento: perspectivas linguísticas e sociais

Pressupostos da Aprendizagem e do Ensino da Alfabetização
Pressupostos da Aprendizagem e do Ensino da AlfabetizaçãoPressupostos da Aprendizagem e do Ensino da Alfabetização
Pressupostos da Aprendizagem e do Ensino da AlfabetizaçãoCelismara Seleguin
 
As Capacidades Linguísticas da Alfabetização
As Capacidades Linguísticas da AlfabetizaçãoAs Capacidades Linguísticas da Alfabetização
As Capacidades Linguísticas da AlfabetizaçãoCelismara Seleguin
 
SUBSÍDIOS ATPC - A4 - Letramento e capacidade de leitura pra cidadania 2004.pdf
SUBSÍDIOS ATPC - A4 - Letramento e capacidade de leitura pra cidadania 2004.pdfSUBSÍDIOS ATPC - A4 - Letramento e capacidade de leitura pra cidadania 2004.pdf
SUBSÍDIOS ATPC - A4 - Letramento e capacidade de leitura pra cidadania 2004.pdfRitaMuniz9
 
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdf
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdfALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdf
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdfAndrea491870
 
Letramento_e_capacidades_de_leitura_para.pdf
Letramento_e_capacidades_de_leitura_para.pdfLetramento_e_capacidades_de_leitura_para.pdf
Letramento_e_capacidades_de_leitura_para.pdfEdinaAlgarve
 
Formacao paic
Formacao paicFormacao paic
Formacao paicMilbrasil
 
Gêneros textuais.1doc
Gêneros textuais.1docGêneros textuais.1doc
Gêneros textuais.1docelannialins
 
Pnaic producao textos_orais_escritos
Pnaic producao textos_orais_escritosPnaic producao textos_orais_escritos
Pnaic producao textos_orais_escritosClaudio Pessoa
 
alfabetizacao_literacia_numeracia.pptx
alfabetizacao_literacia_numeracia.pptxalfabetizacao_literacia_numeracia.pptx
alfabetizacao_literacia_numeracia.pptxTatiane Costa
 
Prática de metodologia do ensino de leitura
Prática de metodologia do ensino de leituraPrática de metodologia do ensino de leitura
Prática de metodologia do ensino de leituraJamille Rabelo
 

Semelhante a Alfabetização e letramento: perspectivas linguísticas e sociais (20)

Pressupostos da Aprendizagem e do Ensino da Alfabetização
Pressupostos da Aprendizagem e do Ensino da AlfabetizaçãoPressupostos da Aprendizagem e do Ensino da Alfabetização
Pressupostos da Aprendizagem e do Ensino da Alfabetização
 
As Capacidades Linguísticas da Alfabetização
As Capacidades Linguísticas da AlfabetizaçãoAs Capacidades Linguísticas da Alfabetização
As Capacidades Linguísticas da Alfabetização
 
SUBSÍDIOS ATPC - A4 - Letramento e capacidade de leitura pra cidadania 2004.pdf
SUBSÍDIOS ATPC - A4 - Letramento e capacidade de leitura pra cidadania 2004.pdfSUBSÍDIOS ATPC - A4 - Letramento e capacidade de leitura pra cidadania 2004.pdf
SUBSÍDIOS ATPC - A4 - Letramento e capacidade de leitura pra cidadania 2004.pdf
 
Rojo
RojoRojo
Rojo
 
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdf
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdfALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdf
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdf
 
394624.pptx
394624.pptx394624.pptx
394624.pptx
 
394624.pptx
394624.pptx394624.pptx
394624.pptx
 
Letramento_e_capacidades_de_leitura_para.pdf
Letramento_e_capacidades_de_leitura_para.pdfLetramento_e_capacidades_de_leitura_para.pdf
Letramento_e_capacidades_de_leitura_para.pdf
 
Formacao paic
Formacao paicFormacao paic
Formacao paic
 
Gêneros textuais.1doc
Gêneros textuais.1docGêneros textuais.1doc
Gêneros textuais.1doc
 
Estratégias de leitura biologia 2014
Estratégias de leitura   biologia 2014Estratégias de leitura   biologia 2014
Estratégias de leitura biologia 2014
 
Letramento
LetramentoLetramento
Letramento
 
Patativa Cora Coragem
Patativa Cora CoragemPatativa Cora Coragem
Patativa Cora Coragem
 
Patativa Cora Coragem
Patativa Cora CoragemPatativa Cora Coragem
Patativa Cora Coragem
 
1 lingua portuguesa
1 lingua portuguesa1 lingua portuguesa
1 lingua portuguesa
 
Oficina formação de leitores
Oficina formação de leitoresOficina formação de leitores
Oficina formação de leitores
 
Pnaic producao textos_orais_escritos
Pnaic producao textos_orais_escritosPnaic producao textos_orais_escritos
Pnaic producao textos_orais_escritos
 
alfabetizacao_literacia_numeracia.pptx
alfabetizacao_literacia_numeracia.pptxalfabetizacao_literacia_numeracia.pptx
alfabetizacao_literacia_numeracia.pptx
 
Pnaic leitura 2016
Pnaic leitura 2016Pnaic leitura 2016
Pnaic leitura 2016
 
Prática de metodologia do ensino de leitura
Prática de metodologia do ensino de leituraPrática de metodologia do ensino de leitura
Prática de metodologia do ensino de leitura
 

Mais de ElieneDias

PNAIC 2015 - Luas e luas
PNAIC 2015 - Luas e luas PNAIC 2015 - Luas e luas
PNAIC 2015 - Luas e luas ElieneDias
 
PNAIC 2015 - Texto 4 o lugar da cultura escrita na educação da criança
PNAIC 2015 - Texto 4   o lugar da cultura escrita na educação da criançaPNAIC 2015 - Texto 4   o lugar da cultura escrita na educação da criança
PNAIC 2015 - Texto 4 o lugar da cultura escrita na educação da criançaElieneDias
 
Texto 03 A criança, a educaçaõ infantil e o ensino fundamental de nove anos
Texto 03   A criança, a educaçaõ infantil e o ensino fundamental de nove anosTexto 03   A criança, a educaçaõ infantil e o ensino fundamental de nove anos
Texto 03 A criança, a educaçaõ infantil e o ensino fundamental de nove anosElieneDias
 
PNAIC 2015 - Texto 02 A criança no ciclo de alfabetização
PNAIC 2015 - Texto 02 A criança no ciclo de alfabetizaçãoPNAIC 2015 - Texto 02 A criança no ciclo de alfabetização
PNAIC 2015 - Texto 02 A criança no ciclo de alfabetizaçãoElieneDias
 
PNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educação
PNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educaçãoPNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educação
PNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educaçãoElieneDias
 
PNAIC 2015 - Brincadeiras de criança
PNAIC 2015 - Brincadeiras de criança PNAIC 2015 - Brincadeiras de criança
PNAIC 2015 - Brincadeiras de criança ElieneDias
 
PNAIC 2015 - A roda
PNAIC 2015 - A roda   PNAIC 2015 - A roda
PNAIC 2015 - A roda ElieneDias
 
PNAIC 2015 - Jogos e interdisciplinaridade
PNAIC 2015 - Jogos e interdisciplinaridadePNAIC 2015 - Jogos e interdisciplinaridade
PNAIC 2015 - Jogos e interdisciplinaridadeElieneDias
 
PNAIC 2015 - Uma experiência com os textos da tradição oral no ciclo de alfab...
PNAIC 2015 - Uma experiência com os textos da tradição oral no ciclo de alfab...PNAIC 2015 - Uma experiência com os textos da tradição oral no ciclo de alfab...
PNAIC 2015 - Uma experiência com os textos da tradição oral no ciclo de alfab...ElieneDias
 
PNAIC 2015 - Sequência didática majê molê.
PNAIC 2015 - Sequência didática majê molê.PNAIC 2015 - Sequência didática majê molê.
PNAIC 2015 - Sequência didática majê molê.ElieneDias
 
PNAIC 2015 - Formas de apresentação de histórias
PNAIC 2015 - Formas de apresentação de histórias  PNAIC 2015 - Formas de apresentação de histórias
PNAIC 2015 - Formas de apresentação de histórias ElieneDias
 
PNAIC 2015 - Educação do campo
PNAIC 2015 - Educação do campoPNAIC 2015 - Educação do campo
PNAIC 2015 - Educação do campoElieneDias
 
PNAIC 2015 - Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidade
PNAIC 2015 - Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidadePNAIC 2015 - Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidade
PNAIC 2015 - Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidadeElieneDias
 
PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)
PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)
PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)ElieneDias
 
PNAIC 2015 - A dança da lingua e linguagem da dança
PNAIC 2015 - A dança da lingua e linguagem da dançaPNAIC 2015 - A dança da lingua e linguagem da dança
PNAIC 2015 - A dança da lingua e linguagem da dançaElieneDias
 
Lilito um amor de caracol
Lilito um amor de caracolLilito um amor de caracol
Lilito um amor de caracolElieneDias
 
PNAIC 2015 - Caderno 1 Currículo
PNAIC 2015 - Caderno 1 CurrículoPNAIC 2015 - Caderno 1 Currículo
PNAIC 2015 - Caderno 1 CurrículoElieneDias
 
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações na resolução problemas
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações na resolução problemasPNAIC - MATEMÁTICA - Operações na resolução problemas
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações na resolução problemasElieneDias
 
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações com números profa. shirley
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações com números   profa. shirleyPNAIC - MATEMÁTICA - Operações com números   profa. shirley
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações com números profa. shirleyElieneDias
 
PNAIC - MATEMÁTICA - Cálculos e algoritmos
PNAIC - MATEMÁTICA - Cálculos e algoritmosPNAIC - MATEMÁTICA - Cálculos e algoritmos
PNAIC - MATEMÁTICA - Cálculos e algoritmosElieneDias
 

Mais de ElieneDias (20)

PNAIC 2015 - Luas e luas
PNAIC 2015 - Luas e luas PNAIC 2015 - Luas e luas
PNAIC 2015 - Luas e luas
 
PNAIC 2015 - Texto 4 o lugar da cultura escrita na educação da criança
PNAIC 2015 - Texto 4   o lugar da cultura escrita na educação da criançaPNAIC 2015 - Texto 4   o lugar da cultura escrita na educação da criança
PNAIC 2015 - Texto 4 o lugar da cultura escrita na educação da criança
 
Texto 03 A criança, a educaçaõ infantil e o ensino fundamental de nove anos
Texto 03   A criança, a educaçaõ infantil e o ensino fundamental de nove anosTexto 03   A criança, a educaçaõ infantil e o ensino fundamental de nove anos
Texto 03 A criança, a educaçaõ infantil e o ensino fundamental de nove anos
 
PNAIC 2015 - Texto 02 A criança no ciclo de alfabetização
PNAIC 2015 - Texto 02 A criança no ciclo de alfabetizaçãoPNAIC 2015 - Texto 02 A criança no ciclo de alfabetização
PNAIC 2015 - Texto 02 A criança no ciclo de alfabetização
 
PNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educação
PNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educaçãoPNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educação
PNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educação
 
PNAIC 2015 - Brincadeiras de criança
PNAIC 2015 - Brincadeiras de criança PNAIC 2015 - Brincadeiras de criança
PNAIC 2015 - Brincadeiras de criança
 
PNAIC 2015 - A roda
PNAIC 2015 - A roda   PNAIC 2015 - A roda
PNAIC 2015 - A roda
 
PNAIC 2015 - Jogos e interdisciplinaridade
PNAIC 2015 - Jogos e interdisciplinaridadePNAIC 2015 - Jogos e interdisciplinaridade
PNAIC 2015 - Jogos e interdisciplinaridade
 
PNAIC 2015 - Uma experiência com os textos da tradição oral no ciclo de alfab...
PNAIC 2015 - Uma experiência com os textos da tradição oral no ciclo de alfab...PNAIC 2015 - Uma experiência com os textos da tradição oral no ciclo de alfab...
PNAIC 2015 - Uma experiência com os textos da tradição oral no ciclo de alfab...
 
PNAIC 2015 - Sequência didática majê molê.
PNAIC 2015 - Sequência didática majê molê.PNAIC 2015 - Sequência didática majê molê.
PNAIC 2015 - Sequência didática majê molê.
 
PNAIC 2015 - Formas de apresentação de histórias
PNAIC 2015 - Formas de apresentação de histórias  PNAIC 2015 - Formas de apresentação de histórias
PNAIC 2015 - Formas de apresentação de histórias
 
PNAIC 2015 - Educação do campo
PNAIC 2015 - Educação do campoPNAIC 2015 - Educação do campo
PNAIC 2015 - Educação do campo
 
PNAIC 2015 - Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidade
PNAIC 2015 - Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidadePNAIC 2015 - Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidade
PNAIC 2015 - Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidade
 
PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)
PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)
PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)
 
PNAIC 2015 - A dança da lingua e linguagem da dança
PNAIC 2015 - A dança da lingua e linguagem da dançaPNAIC 2015 - A dança da lingua e linguagem da dança
PNAIC 2015 - A dança da lingua e linguagem da dança
 
Lilito um amor de caracol
Lilito um amor de caracolLilito um amor de caracol
Lilito um amor de caracol
 
PNAIC 2015 - Caderno 1 Currículo
PNAIC 2015 - Caderno 1 CurrículoPNAIC 2015 - Caderno 1 Currículo
PNAIC 2015 - Caderno 1 Currículo
 
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações na resolução problemas
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações na resolução problemasPNAIC - MATEMÁTICA - Operações na resolução problemas
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações na resolução problemas
 
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações com números profa. shirley
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações com números   profa. shirleyPNAIC - MATEMÁTICA - Operações com números   profa. shirley
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações com números profa. shirley
 
PNAIC - MATEMÁTICA - Cálculos e algoritmos
PNAIC - MATEMÁTICA - Cálculos e algoritmosPNAIC - MATEMÁTICA - Cálculos e algoritmos
PNAIC - MATEMÁTICA - Cálculos e algoritmos
 

Alfabetização e letramento: perspectivas linguísticas e sociais

  • 1. Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Apoio à Gestão Educacional Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa FORMAÇÃO DO PROFESSOR ALFABETIZADOR
  • 2. ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: PERSPECTIVAS E CONDICIONANTES LINGUÍSTICOS E SOCIAIS Prof.ª Ms Maria de Lourdes Guimarães de Carvalho CCH - DCL - UNIMONTES
  • 3. ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: PERSPECTIVAS E CONDICIONANTES LINGUÍSTICOS E SOCIAIS • 1- Sobre o sujeito leitor e produtor de textos • 2- Pensando a leitura: o que é ler, instâncias e pressupostos da leitura. • 3-Aquisição da escrita. • 4- Pressupostos da escrita.
  • 4. Quem se dispõe a alfabetizar precisa estar ciente de aspectos como: 1- Como o homem se constitui falante, leitor e escritor em nossa sociedade? 2- Por que considerar as diferentes realidades (urbana, rural, classes sociais, idade, sexo, credos, necessid ades educativas especiais)?
  • 5. Quem é o sujeito falante, leitor e escritor de textos? Quem é o alfabetizando?
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14. HOMEM/ANIMAL IRRACIONAL RACIONAL SENTE PENSA 1-NECESSIDADES 2- PROBLEMAS LINGUAGEM 4- SOLUÇÕES 3-SOLUÇÕES AÇÃO INSTINTIVA / ROTINEIRA AÇÃO INTELECTUAL NÍVEL PRÁTICO NÍVEL TEÓRICO
  • 15. O sujeito falante, leitor e produtor de textos é constituído por aspectos sociais e históricos. Então, a escola alfabetizadora precisa considerar os alunos como seres sociais e históricos.
  • 16. “[...] a vocação do homem é a de ser sujeito e não objeto (...), não existem senão homens concretos (não existe homem no vazio). Cada homem está situado no espaço e no tempo, no sentido em que vive numa época precisa, num lugar preciso, num contexto social e cultural preciso. O homem é um ser de raízes espaço-temporais. (FREIRE, 1980: 34).
  • 17. ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO • Dois conceitos estreitamente articulados. • Alfabetizar/letrar pressupõe o ensino/aprendizagem das práticas de leitura e de escrita com vistas à inserção social. • Implica, também, no bom desempenho da oralidade. • São práticas que se iniciam no espaço familiar, perpassam por todos os espaços de convívio social e são sistematizadas/oficializadas, na escola, por meio de um processo pedagógico de responsabilidade da instância escolar e dos professores alfabetizadores. O fracasso de uns, reflete, consequentemente, o fracasso dos outros
  • 18. ALFABETIZAR Contribuir para o ingresso das crianças no mundo da LEITURA e da ESCRITA e para a participação delas em situações de uso da ORALIDADE Não termina nos anos iniciais de escolarização. Existe a alfabetização digital/tecnológica, Letramento acadêmico...
  • 20. Ler não é • Simples reconhecimento de letras, sílabas e palavras. • decifrar, como num jogo de adivinhações, o sentido de um texto. • Decodificação do sinal gráfico que se aprende no início da alfabetização.
  • 21. Ler é • Soletrar • Ato primeiro da leitura CONTAR • Repetir fonemas • Estágios da escrita • Agrupar fonemas Ler é • Apoderar-se • Interpretação COLHER • Acatar o sentido • Localização do tema (VERBO) e da mensagem • Autor é o dono absoluto Ler é • Acrescentamento de • Compreensão sentidos a partir de sinais ROUBAR • Coautoria (VERBO) • O leitor é um coautor • Relativização dos poderes do autor
  • 22. Sobre a instância de leitura denominada roubar, Paulino et al (2001) afirma: “Não se rouba algo com conhecimento e autorização do proprietário, logo essa leitura do texto vai se construir à revelia do autor, ou melhor, vai acrescentar ao texto outros sentidos a partir de sinas que nele estão presentes, mesmo que o autor não tivesse consciência disso”.
  • 23. Observe o exemplo a seguir “Gosto de marmelada” Oralidade • Análise: gos-to-de-mar-me-la-da • Síntese: gosto de marmelada • Leitura (colheita) interpretação: gosto do doce de marmelo (fruta). • Leitura (roubar) compreensão - Sentido conotativo “negócio desonesto”, “mamata”: sou partidário de negócios desonestos.
  • 24. • As palavras carregam significações que permitem ao leitor, passar por diversas e sucessivas sondagens. • A capacidade de transgressão dos sentidos propostos pelo autor revela a eficiência e o poder do leitor. • Essa capacidade está diretamente relacionada com o contexto de ocorrência da palavra e com os conhecimentos prévios do leitor.
  • 25. CONTEXTO DE OCORRÊNCIA • Obtém-se o contexto fazendo a leitura perigráfica (ler os entornos do texto, de gravuras e de palavras chave que situam a temática, o assunto, a área).
  • 26.
  • 27. O ADVOGADO E A LARANJA Um professor de Direito perguntou a um de seus alunos: ___ Se você quiser dar a Ronaldo uma laranja, o que deverá dizer? ___ Aqui está, Ronaldo, uma laranja – respondeu o aluno. O professor disse furioso: ___ Não! Não! Isso é inadmissível, pense como um advogado! ___ Ah, bom..., suspirou o aluno, lá vai: Eu, Nei Ribeiro, brasileiro, solteiro, portador do documento de identificação tipo RG nº. 9.213.456-4 SSP/SP, legítimo proprietário e possuidor, por meio deste ato, cedo e transfiro a Ronaldo Falcão, brasileiro, solteiro, portador do documento de identificação tipo RG nº. 12.524.321 – 8 SSP/SP, a propriedade exclusiva e benefícios futuros, os direitos, obrigações e vantagens, sumos e insumos, a quem confiro amplos poderes, sem exclusão de qualquer um, para desistir, renunciar, transigir, receber e dar quitação do recebimento do fruto a seguir descrito:
  • 28. De formato esferoide excêntrico, medindo 10 cm em seu eixo maior por 7 cm em seu eixo menor, de odor cítrico, pertencente à família Citrus Sinensis Brasiliensis, conhecida pela alcunha de laranja, juntamente com sua casca, sumo, polpa e sementes. Outrossim, afasto, desde este ano, qualquer possibilidade de vir a pleitear, em juízo ou fora deste, a devolução do fruto retro descrito, após a primeira osculação labial, ficando autorizado ou outorgado o uso de todo e qualquer meio para morder, cortar, chupar, congelar ou de outra forma comer o referido fruto, dando tudo por bom, firme e valioso, ou cedê-lo a outrem, com iguais poderes. Qualquer decisão contrária, passada ou futura, em qualquer instância, ou em instrumentos de qualquer natureza ou tipo ficam assim revogadas . DAMIÃO, R. T.; HENRIQUES, A. Curso de português jurídico. São Paulo: Atlas, 2000.
  • 29. CONHECIMENTOS PRÉVIOS Armazenados na memória são recuperados durante o processo de compreensão de um texto, via inferência, e, em seguida, adicionados à informação textual. Inferências são estratégias cognitivas por meio das quais o ouvinte ou leitor, partindo da informação veiculada pelo texto e levando em conta o contexto (em sentido amplo), constrói novas representações mentais e/ou estabelece uma ponte entre segmentos textuais, ou entre informação explícita e informação não explicitada no texto. (KOCH, 2000, p. 29-30). Em um texto, nem tudo que pode ser lido está escrito
  • 30.
  • 31. O que não está escrito mas pode ser lido/inferido?
  • 32. Os conhecimentos prévios podem ser: DE MUNDO Quanto mais conhecimentos, maior a eficiência leitora
  • 33. CONHECIMENTOS PRÉVIOS: TEXTUAIS O fato de saber distinguir tipos e gêneros textuais favorece a leitura. Tipos: (natureza linguística) narrativo, descritivo, argumentativo, injuntivo, info rmativo e jaculatórios (Marcuschi, 2005). Gêneros: (natureza sociocomunicativa) abarcam desde os mais tradicionais até os modernos (hipertexto) e são em número infinito.
  • 34. CONHECIMENTOS PRÉVIOS LINGUÍSTICOS Conhecimentos sobre a língua nativa e sobre outras línguas favorecem a leitura.
  • 35. Conhecimentos de mundo • Também chamados de enciclopédicos • Adquiridos sócio culturalmente por meio experiência e vivência • Armazenados na memória em blocos denominados modelos cognitivos. Koch e Travaglia (1999), citam alguns exemplos de modelos cognitivos: a) Frames: rótulos. Ex: carnaval (confete, serpentina, desfile, escola de samba, fantasia, baile, mulatas. Apesar de não haver qualquer ordenação lógica entre esses conhecimentos, eles vêm á tona quando acionados.
  • 36. Quais seriam os frames para Alfabetização? Alfabetização
  • 37. b) Esquemas: armazenados em sequência temporal ou causal. Ex: Conhecimentos de como pôr um eletrodoméstico em funcionamento, a rotina de um dia na vida de um cidadão . c) Planos: armazenados na memória e que têm a ver com o modo de agir para atingir determinado objetivo. Ex: por exemplo, como vencer uma partida de xadrez . c) Scripts: Conjunto de conhecimentos sobre modos estereotipados de agir. Ex: os rituais religiosos (batismo, casamento, missa), as fórmulas de cortesia, as práxis jurídicas, etc.
  • 39. Conclui-se que: “Um texto assemelha-se a um iceberg: explícito é apenas uma pequena parte daquilo que fica submerso, ou seja, implícito.” Koch e Travaglia (1997.p.65):
  • 40. PRESSUPOSTOS DA LEITURA “[...] ler é um processo no qual o leitor realiza um trabalho ativo de compreensão e interpretação do texto. (PCN, 1998, p. 69). No processo de interpretar as informações estão no texto No de compreender, elas estão na cabeça de cada leitor.
  • 41. Paulino et al (2001): leitura passa, necessária e simultaneamente, por: a) uma teoria do conhecimento b) uma psicologia/psicanálise c) uma sociologia d) uma pedagogia e) uma teoria da linguagem f) uma análise do discurso g) uma teoria literária
  • 42. a) Ler pressupõe uma teoria do conhecimento • o autor não é o dono absoluto do texto. • O leitor é também produtor de sentidos, coautor. • Ler é um ato produtivo pois o texto é recriado, reconstruído pelo leitor, nem sempre como o autor desejava. • No momento da leitura o leitor está em trabalho intelectual tanto no plano social quanto no plano individual.
  • 44. B) Ler pressupõe uma pedagogia • A leitura se desenvolve num processo de ensino aprendizagem que faz parte não só da escola, mas também da vida do cidadão num constante processo de troca. Processo é movimento contínuo. Impossível precisar início e fim
  • 45. É na escola que a leitura da palavra escrita ocorre com maior frequência e de forma diversificada, abrangendo vários níveis do conhecimento e exteriorização das emoções e da criatividade.
  • 46. É preciso “ensinar a ler” e não “mandar ler”. A escola é a instância, por excelência, de ensino. pela mediação do professor, pela interação com os colegas, por ser um lugar de reflexão sobre o mundo letrado
  • 47. e) Ler pressupõe uma teoria da linguagem Por uma questão política e social o alfabetizador deve sempre levar em conta os elementos da comunicação, cada com suas especificidades.
  • 48. Os discursos precisam ser analisados pois: • O sentido de uma palavra não existe em si mesmo. • Uma mesma palavra, em diferentes contextos e/ou ditas por pessoas diferentes, assume sentidos diferentes.
  • 49. O sentido de uma palavra não existe em si mesmo. Ele é determinado pelas posições ideológicas colocadas em jogo no processo histórico no qual as palavras são produzidas. "Não te amo mais. que Estarei mentindo dizendo Alimento um grande amor que Sinto cada vez mais que Ainda te quero como Já te esqueci! sempre quis E jamais usarei a frase Tenho certeza que Eu te amo! Nada foi em vão Sinto, mas tenho que dizer Sinto dentro de mim que a verdade Você não significa nada É tarde demais..." Não poderia dizer mais
  • 50.
  • 51.
  • 52.
  • 53. A escolha de bons autores e de metodologias adequadas são fatores determinantes para que as crianças tenham prazer de ler literatura
  • 54.