SlideShare uma empresa Scribd logo

Formacao paic

M
Milbrasil

Este documento descreve a agenda de uma formação de professores sobre o programa de alfabetização PAIC no Ceará. A agenda inclui apresentações sobre gêneros textuais como lendas e fábulas, atividades de leitura e produção de texto, e discussões sobre estratégias pedagógicas como a leitura compartilhada.

1 de 26
Baixar para ler offline
PROGRAMA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA – PAIC EIXO ALFABETIZAÇÃO VI FORMAÇÃO – 4ª ETAPA FORTALEZA, SETEMBRO DE 2008 LOCAL: HOTEL LISBOA
AGENDA DO DIA 01 – Apresentação da Agenda do Dia; 02 – Roda Literária: Lendas Regionais ou a História: Léo e Albertina 03 - Registro das ações – municípios; 04 – Leitura dos Objetivos da 4ª Etapa; 05 – Apresentação dos Materiais da 4ª Etapa; 06– Planilha/ Reflexão Teórica; 07 – Situação didática (Casos 1 e 2):  08 – Esquema Didático  09 - Avaliação da SEDUC; 10 – Encerramento.
LOBISOMEM O LOBO E O CORDEIRO LOBOS DE VERDADE LOBO GUARÁ
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
MATERIAIS DIDÁTICOS UTILIZADOS  NA 4ª ETAPA 1. LIVRO DE LEITURA: Lenda do Lobisomem, Fábula O Lobo e o Cordeiro;    Texto informativo sobre lobos e o Lobo-Guará. 2. CADERNO DE ATIVIDADES DO ALUNO: Atividades da 4ª etapa. 3. CARTAZES: CARTAZ 13 - Lenda do Lobisomem; CARTAZ 14 - Fábula o Lobo e o Cordeiro; CARTAZ 15 – Lobos de verdade CARTAZ 16 -  Lobo-Guará. 4. FICHAS DIDÁTICAS: FICHA 10 -  Gravura – Títulos/personagens - Letra de Forma; FICHA 11 -  Gravura – Títulos/personagens - Letra Cursiva; FICHA 12 -  Títulos - Letra de Forma; FICHA 13 -  Títulos - Letra Cursiva. 5. CARTELAS DIDÁTICAS -  cartelas de 5 a 10.
GÊNERO TEXTUAL:  LENDA CONCEITO : é uma narrativa de cunho popular que é transmitida, principalmente de forma oral, de geração para geração. As lendas não podem ser comprovadas cientificamente, pois são frutos da imaginação das pessoas que as criaram. FUNÇÃO : divertir, ensinar e fixar costumes e crenças de determinada região.  ESTRUTURA : Narrativa (introdução, desenvolvimento e conclusão).  SARAIVA, Juracy Assmann. Literatura e Alfabetização: do plano do choro ao plano da ação. Porto Alegre, 2001.
GÊNERO TEXTUAL:  FÁBULA CONCEITO : fábula, em sentido amplo, pode ser definida como uma narrativa curta com ações protagonizadas  por vegetais, objetos, animais e seres humanos, que apresenta uma moral implícita. FUNÇÃO : divertir e instruir. ESTRUTURA : 1 – Narrativa, também chamada de corpo em que revelam as ações realizadas pelos seres acima  citados; 2 – A moral, denominada de alma, que explicita o  ensinamento pretendido. SARAIVA, Juracy Assmann. Literatura e Alfabetização: do plano do choro ao plano da ação. Porto Alegre, 2001.
Esse  modelo de narrativa como objeto de leitura para crianças é recomendado, principalmente pela natureza alegórica de seu discurso e pela possibilidade de discussão sobre a moral, levando o leitor a questioná-la e relacioná-la com o mundo real.  Citamos como exemplo as Fábulas de Esopo (620-560), um escravo e contador de histórias que viveu na Grécia antiga: A raposa e as uvas; A tartaruga e a lebre; O vento norte e o vento sul; O menino que criava lobo; O lobo e o cordeiro. No Brasil quem recriou as fábulas foi Monteiro Lobato.
LEITURA COMPARTILHADA Leitura entre professor e aluno. Em alguns momentos da rotina de sala de aula, o/a professor/a pode ler junto com as crianças alguns textos (adivinhas, cantigas de roda, parlendas, quadrinhas, ou trava-línguas) que elas conheçam bastante, para que possam inferir a antecipar significados durante a leitura.
CARACTERÍSTICAS DA LEITURA COMPARTILHADA ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
CARACTERÍSTICAS QUALITATIVAS DAS PRÁTICAS DE LEITURA DE HISTÓRIA ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
REVISÃO E REESCRITA É através da reescrita que o autor aperfeiçoa sua produção. Ela,  resulta da autonomia que o texto escrito tem; diz respeito a toda a elaboração do texto.  Desse modo, a reescrita faz parte do processo de escrita, sendo uma prática essencial para o ensino da produção textual.  A reescrita é muitas vezes confundida com a revisão.  A revisão é a correção que ocorre durante a escrita do texto, e a reescritura é a que acontece depois do texto.  KÖCHE, Vanilda Salton; PAVANI, Cinara Ferreira; BOFF, Odete Maria Benetti. O processo de reescrita na disciplina de Língua Portuguesa Instrumental. Universidade de Caxias do Sul. Linguagem & Ensino, Vol. 7, No. 2, 2004 (141-164).
REESCRITA DE TEXTO   ,[object Object],[object Object],[object Object]
CONHECIMENTO PRÉVIO   A compreensão de um texto é um processo que se caracteriza pela utilização de conhecimento prévio. Em busca da construção do sentido do texto, o leitor utiliza vários níveis de conhecimentos adquirido ao longo de sua vida, como:  conhecimento lingüístico, conhecimento textual e conhecimento de mundo KLEIMAN, A. Texto e leitor: aspectos cognitivos da leitura.  São Paulo: Pontes, 2007.
O CONHECIMENTO LINGÜÍSTICO abrange o conhecimento sobre como pronunciar o português; conhecimento do vocabulário; regras da língua; e uso da língua.
O CONHECIMENTO TEXTUAL conhecimento sobre os diferentes tipos, gêneros textuais.
O CONHECIMENTO DE MUNDO Conhecimento adquirido tanto formalmente, na escola, como informalmente através de experiências e convívios na sociedade.  A ativação do conhecimento prévio permite o leitor fazer as inferências necessárias para relacionar as diferentes partes do texto num todo coerente. Sem o engajamento dos diversos conhecimentos não haverá compreensão.
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],BATISTA, Ângela; BOZZA, Sandra. Produção Textual: a voz e a vez do aluno na sociedade: sugestões de encaminhamento para produção textual no ensino fundamental. Cascavel, Assoeste, 2000.
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],BATISTA, Ângela; BOZZA, Sandra. Produção Textual: a voz e a vez do aluno na sociedade: sugestões de encaminhamento para produção textual no ensino fundamental. Cascavel, Assoeste, 2000.
FRASE Oi, gente! Que horror! Silêncio! Na escrita, a frase começa com letra maiúscula e termina com ponto. Na fala, a frase é demarcada pela entonação. CEREJA, W. R e MAGALHAES, T. C. Gramática: texto, reflexão e uso.São Paulo: Atual, 2004.
SITUAÇÃO DIDÁTICA ESTUDO DO CASO 1 Rafaela é professora do 1º ano e seus alunos estão começando a escrever histórias.  Rafaela : Olhem aqui, hoje eu trouxe uma história para eu ler para vocês (mostra o livro de leitura aberto na página 83).  É a lenda do lobisomem. Alguém conhece essa lenda? O que ela conta? Agora escutem (Rafaela lê a história aos seus alunos). Aluno : professora eu conheço de outro jeito.  Rafaela : Legal! Você pode contar pra gente? (O aluno conta a versão que conhece) Rafaela : Agora vocês abram o caderno na página 80 e escrevam a lenda do lobisomem do jeito que vocês souberem.
Aluna : Professora, eu esqueci a história. Como é mesmo heim? Aluno : Professora, como é que eu escrevo lobisomem? Rafaela:  Cada um vai pensar e escrever do jeito que souber. Agora comecem a escrever. Vou ficar aqui aguardando pela tarefa.  (Uma criança começa a chorar. Rafaela vai até a cadeira do aluno e pergunta o motivo do choro). Aluno:  Professora, eu não sei escrever e por isso não posso fazer a tarefa.  (Rafaela acolhe seu aluno e diz que ele está ali justamente para aprender a ler e a escrever e que ela o ajudará). Rafaela : É importante que você tente, pense nas letras que você acha que tem naquilo que você quer escrever. Estou aqui ao seu lado para ajudá-lo e você também pode pedir a ajuda de um amigo. Mas é  importante que você tente e pense sobre a lenda e sobre a forma de escrever. O que você quer escrever? Aluno:  lenda do lobisomem. Rafaela : lenda do lobisomem. Que letras você acha que tem nesse título?  Com o apoio de Rafaela, o menino se acalma e escreve: JROGEPIHENRO (lenda do lobisomem) (Ao final da atividade, Rafaela recebe os cadernos dos seus alunos para depois ler cada produção de texto).
[object Object],[object Object],[object Object]
ESTUDO DO CASO 2 A professora Ana quer trabalhar com seus alunos os conteúdos: segmentação e análise estrutural das palavras. Depois de ler a lenda do lobisomem, Ana escreve na lousa e lê para sua turma a seguinte frase: A LENDA DIZ QUE O LOBISOMEM É UM HOMEM QUE TODA SEXTA-FEIRA, À MEIA-NOITE, SE TRANSFORMA EM LOBISOMEM. Em seguida, Ana pede que seus alunos abram o caderno na página 81 para fazer as atividades A, B e C.
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]

Recomendados

57 atividades-de-lc3adngua-portuguesa-9c2ba-ano-ef-descritores
57 atividades-de-lc3adngua-portuguesa-9c2ba-ano-ef-descritores57 atividades-de-lc3adngua-portuguesa-9c2ba-ano-ef-descritores
57 atividades-de-lc3adngua-portuguesa-9c2ba-ano-ef-descritoresROZENILDACAMINHA
 
Apostando com o monstro sequência
Apostando com o monstro   sequênciaApostando com o monstro   sequência
Apostando com o monstro sequênciaNaysa Taboada
 
Aniversário do sr. alfabeto
Aniversário do sr. alfabetoAniversário do sr. alfabeto
Aniversário do sr. alfabetoCélia Reis
 
Ficha descritiva 1 ano 2 trimestre
Ficha descritiva 1 ano   2 trimestreFicha descritiva 1 ano   2 trimestre
Ficha descritiva 1 ano 2 trimestreNaysa Taboada
 
Quadro numérico
Quadro numéricoQuadro numérico
Quadro numéricoIsa ...
 
Matemática com números até 99
Matemática com números até 99Matemática com números até 99
Matemática com números até 99Isa ...
 
PROJETO INCLUSÃO E SOLIDARIEDADE, QUANDO INCLUIR É AMAR
PROJETO INCLUSÃO E SOLIDARIEDADE, QUANDO INCLUIR É AMARPROJETO INCLUSÃO E SOLIDARIEDADE, QUANDO INCLUIR É AMAR
PROJETO INCLUSÃO E SOLIDARIEDADE, QUANDO INCLUIR É AMARMilena Barbosa
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Questionario do livro A Rua do Marcelo
Questionario do livro A Rua do MarceloQuestionario do livro A Rua do Marcelo
Questionario do livro A Rua do MarceloGuntherSeibert1
 
A verdadeira história dos três porquinhos
A verdadeira  história dos três porquinhosA verdadeira  história dos três porquinhos
A verdadeira história dos três porquinhostlfleite
 
História um amor de confusão, de dulce rangel
História um amor de confusão, de dulce rangelHistória um amor de confusão, de dulce rangel
História um amor de confusão, de dulce rangelAndreá Perez Leinat
 
O carteiro-chegou-janet-e-allan-ahlberg
O carteiro-chegou-janet-e-allan-ahlbergO carteiro-chegou-janet-e-allan-ahlberg
O carteiro-chegou-janet-e-allan-ahlbergCarla Ferreira
 
Sequência Didática sobre o Livro: O camelo, o burro e a água
Sequência Didática sobre o Livro: O camelo, o burro e a águaSequência Didática sobre o Livro: O camelo, o burro e a água
Sequência Didática sobre o Livro: O camelo, o burro e a águaAndrea Alves
 
Trabalhando jornal e notícias
Trabalhando jornal e notíciasTrabalhando jornal e notícias
Trabalhando jornal e notíciasAndrea Alves
 
História na Lata: Qual a cor do amor?
História na Lata: Qual a cor do amor?História na Lata: Qual a cor do amor?
História na Lata: Qual a cor do amor?Alba Marilia
 
Escola ativa alfabetizacao - 2º ano
Escola ativa alfabetizacao - 2º anoEscola ativa alfabetizacao - 2º ano
Escola ativa alfabetizacao - 2º anoFabiana Esteves
 
A escolinha do mar, ruth rocha
A escolinha do mar, ruth rochaA escolinha do mar, ruth rocha
A escolinha do mar, ruth rochaemeicantinhodoceu
 

Mais procurados (20)

As flores-da-primavera-pdf
As flores-da-primavera-pdfAs flores-da-primavera-pdf
As flores-da-primavera-pdf
 
Rita, não Grita!
Rita, não Grita!Rita, não Grita!
Rita, não Grita!
 
Questionario do livro A Rua do Marcelo
Questionario do livro A Rua do MarceloQuestionario do livro A Rua do Marcelo
Questionario do livro A Rua do Marcelo
 
Viviana a rainha do pijama
Viviana a rainha do pijamaViviana a rainha do pijama
Viviana a rainha do pijama
 
A verdadeira história dos três porquinhos
A verdadeira  história dos três porquinhosA verdadeira  história dos três porquinhos
A verdadeira história dos três porquinhos
 
História um amor de confusão, de dulce rangel
História um amor de confusão, de dulce rangelHistória um amor de confusão, de dulce rangel
História um amor de confusão, de dulce rangel
 
Direitos crianças
Direitos criançasDireitos crianças
Direitos crianças
 
O Menino Marrom
O Menino MarromO Menino Marrom
O Menino Marrom
 
O carteiro-chegou-janet-e-allan-ahlberg
O carteiro-chegou-janet-e-allan-ahlbergO carteiro-chegou-janet-e-allan-ahlberg
O carteiro-chegou-janet-e-allan-ahlberg
 
Chapeuzinho amarelo
Chapeuzinho amareloChapeuzinho amarelo
Chapeuzinho amarelo
 
O cabelo de lele
O cabelo de leleO cabelo de lele
O cabelo de lele
 
Sequência Didática sobre o Livro: O camelo, o burro e a água
Sequência Didática sobre o Livro: O camelo, o burro e a águaSequência Didática sobre o Livro: O camelo, o burro e a água
Sequência Didática sobre o Livro: O camelo, o burro e a água
 
Livro novo bem me quer 2 ano competo
Livro novo bem me quer 2 ano competoLivro novo bem me quer 2 ano competo
Livro novo bem me quer 2 ano competo
 
Trabalhando jornal e notícias
Trabalhando jornal e notíciasTrabalhando jornal e notícias
Trabalhando jornal e notícias
 
História na Lata: Qual a cor do amor?
História na Lata: Qual a cor do amor?História na Lata: Qual a cor do amor?
História na Lata: Qual a cor do amor?
 
Escola ativa alfabetizacao - 2º ano
Escola ativa alfabetizacao - 2º anoEscola ativa alfabetizacao - 2º ano
Escola ativa alfabetizacao - 2º ano
 
Nicolau tinha uma ideia
Nicolau tinha uma ideiaNicolau tinha uma ideia
Nicolau tinha uma ideia
 
A escolinha do mar, ruth rocha
A escolinha do mar, ruth rochaA escolinha do mar, ruth rocha
A escolinha do mar, ruth rocha
 
Contos africanos
Contos africanosContos africanos
Contos africanos
 
Sítio do Pica Pau Amarelo - livro virtual
Sítio do Pica Pau Amarelo - livro virtualSítio do Pica Pau Amarelo - livro virtual
Sítio do Pica Pau Amarelo - livro virtual
 

Semelhante a Formacao paic

Sequencia didatica _fabulas
Sequencia didatica _fabulasSequencia didatica _fabulas
Sequencia didatica _fabulasProfessora Cida
 
Projeto Reescrevendo Fábulas e Lendas: Pequenos Leitores, Futuros Escritores.
Projeto Reescrevendo Fábulas e Lendas: Pequenos Leitores, Futuros Escritores.Projeto Reescrevendo Fábulas e Lendas: Pequenos Leitores, Futuros Escritores.
Projeto Reescrevendo Fábulas e Lendas: Pequenos Leitores, Futuros Escritores.Dinapaes
 
2- LER É DIFERENTE DE CONTAR.pptx
2- LER  É DIFERENTE DE CONTAR.pptx2- LER  É DIFERENTE DE CONTAR.pptx
2- LER É DIFERENTE DE CONTAR.pptxEvaMariaColaoRezende
 
Sequência didática: O Leão e o Ratinho
Sequência didática: O Leão e o RatinhoSequência didática: O Leão e o Ratinho
Sequência didática: O Leão e o RatinhoShirley Lauria
 
Sequência didática: O Leão e o Ratinho
Sequência didática: O Leão e o RatinhoSequência didática: O Leão e o Ratinho
Sequência didática: O Leão e o RatinhoShirley Lauria
 
Sequencia didática o leao e o ratinho 130929155459-phpapp01
Sequencia didática o leao e o ratinho 130929155459-phpapp01Sequencia didática o leao e o ratinho 130929155459-phpapp01
Sequencia didática o leao e o ratinho 130929155459-phpapp01Vanderlita Gomes B Marquetti
 
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadores
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadoresIi reunião alfabetização_eixos_norteadores
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadoresRosemary Batista
 
Apresentação Mara
Apresentação MaraApresentação Mara
Apresentação MaraMara Almeida
 
PROJETO LEITURA E ESCRITA 2012
PROJETO LEITURA E ESCRITA 2012PROJETO LEITURA E ESCRITA 2012
PROJETO LEITURA E ESCRITA 2012Ðouglas Rocha
 
Sequência gabriela 1
 Sequência gabriela 1 Sequência gabriela 1
Sequência gabriela 1Marisa Seara
 
Caderno de apoio a pratica pedagogica contos classicos mitologicos e modernos
Caderno de apoio a pratica pedagogica contos classicos mitologicos e modernosCaderno de apoio a pratica pedagogica contos classicos mitologicos e modernos
Caderno de apoio a pratica pedagogica contos classicos mitologicos e modernosvaldirnicioli1
 
ESCOLA MUNICIPAL CONSTÂNCIO LEITE DE MORAES
ESCOLA MUNICIPAL CONSTÂNCIO LEITE DE MORAESESCOLA MUNICIPAL CONSTÂNCIO LEITE DE MORAES
ESCOLA MUNICIPAL CONSTÂNCIO LEITE DE MORAESweleslima
 
Para PNAIC-Sequencia didática -1
Para PNAIC-Sequencia didática -1Para PNAIC-Sequencia didática -1
Para PNAIC-Sequencia didática -1Graça Sousa
 
Projeto Aquarela ApresentaçãO 2007
Projeto Aquarela  ApresentaçãO 2007Projeto Aquarela  ApresentaçãO 2007
Projeto Aquarela ApresentaçãO 2007Mara Almeida
 
Projeto Pedagogico
Projeto PedagogicoProjeto Pedagogico
Projeto Pedagogicoeudeszinho
 
Formação EPF 3o ano - 03 maio 2016suam
Formação EPF 3o ano - 03 maio 2016suamFormação EPF 3o ano - 03 maio 2016suam
Formação EPF 3o ano - 03 maio 2016suamDyone Andrade
 

Semelhante a Formacao paic (20)

Sequencia didatica _fabulas
Sequencia didatica _fabulasSequencia didatica _fabulas
Sequencia didatica _fabulas
 
Projeto Reescrevendo Fábulas e Lendas: Pequenos Leitores, Futuros Escritores.
Projeto Reescrevendo Fábulas e Lendas: Pequenos Leitores, Futuros Escritores.Projeto Reescrevendo Fábulas e Lendas: Pequenos Leitores, Futuros Escritores.
Projeto Reescrevendo Fábulas e Lendas: Pequenos Leitores, Futuros Escritores.
 
2- LER É DIFERENTE DE CONTAR.pptx
2- LER  É DIFERENTE DE CONTAR.pptx2- LER  É DIFERENTE DE CONTAR.pptx
2- LER É DIFERENTE DE CONTAR.pptx
 
Curso 7 classica
Curso 7 classicaCurso 7 classica
Curso 7 classica
 
Sequência didática: O Leão e o Ratinho
Sequência didática: O Leão e o RatinhoSequência didática: O Leão e o Ratinho
Sequência didática: O Leão e o Ratinho
 
Sequência didática: O Leão e o Ratinho
Sequência didática: O Leão e o RatinhoSequência didática: O Leão e o Ratinho
Sequência didática: O Leão e o Ratinho
 
Sequencia didática o leao e o ratinho 130929155459-phpapp01
Sequencia didática o leao e o ratinho 130929155459-phpapp01Sequencia didática o leao e o ratinho 130929155459-phpapp01
Sequencia didática o leao e o ratinho 130929155459-phpapp01
 
Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo
Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdoPráticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo
Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo
 
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadores
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadoresIi reunião alfabetização_eixos_norteadores
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadores
 
Generos textuais
Generos textuaisGeneros textuais
Generos textuais
 
Generos textuais
Generos textuaisGeneros textuais
Generos textuais
 
Apresentação Mara
Apresentação MaraApresentação Mara
Apresentação Mara
 
PROJETO LEITURA E ESCRITA 2012
PROJETO LEITURA E ESCRITA 2012PROJETO LEITURA E ESCRITA 2012
PROJETO LEITURA E ESCRITA 2012
 
Sequência gabriela 1
 Sequência gabriela 1 Sequência gabriela 1
Sequência gabriela 1
 
Caderno de apoio a pratica pedagogica contos classicos mitologicos e modernos
Caderno de apoio a pratica pedagogica contos classicos mitologicos e modernosCaderno de apoio a pratica pedagogica contos classicos mitologicos e modernos
Caderno de apoio a pratica pedagogica contos classicos mitologicos e modernos
 
ESCOLA MUNICIPAL CONSTÂNCIO LEITE DE MORAES
ESCOLA MUNICIPAL CONSTÂNCIO LEITE DE MORAESESCOLA MUNICIPAL CONSTÂNCIO LEITE DE MORAES
ESCOLA MUNICIPAL CONSTÂNCIO LEITE DE MORAES
 
Para PNAIC-Sequencia didática -1
Para PNAIC-Sequencia didática -1Para PNAIC-Sequencia didática -1
Para PNAIC-Sequencia didática -1
 
Projeto Aquarela ApresentaçãO 2007
Projeto Aquarela  ApresentaçãO 2007Projeto Aquarela  ApresentaçãO 2007
Projeto Aquarela ApresentaçãO 2007
 
Projeto Pedagogico
Projeto PedagogicoProjeto Pedagogico
Projeto Pedagogico
 
Formação EPF 3o ano - 03 maio 2016suam
Formação EPF 3o ano - 03 maio 2016suamFormação EPF 3o ano - 03 maio 2016suam
Formação EPF 3o ano - 03 maio 2016suam
 

Formacao paic

  • 1. PROGRAMA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA – PAIC EIXO ALFABETIZAÇÃO VI FORMAÇÃO – 4ª ETAPA FORTALEZA, SETEMBRO DE 2008 LOCAL: HOTEL LISBOA
  • 2. AGENDA DO DIA 01 – Apresentação da Agenda do Dia; 02 – Roda Literária: Lendas Regionais ou a História: Léo e Albertina 03 - Registro das ações – municípios; 04 – Leitura dos Objetivos da 4ª Etapa; 05 – Apresentação dos Materiais da 4ª Etapa; 06– Planilha/ Reflexão Teórica; 07 – Situação didática (Casos 1 e 2): 08 – Esquema Didático 09 - Avaliação da SEDUC; 10 – Encerramento.
  • 3. LOBISOMEM O LOBO E O CORDEIRO LOBOS DE VERDADE LOBO GUARÁ
  • 4.
  • 5. MATERIAIS DIDÁTICOS UTILIZADOS NA 4ª ETAPA 1. LIVRO DE LEITURA: Lenda do Lobisomem, Fábula O Lobo e o Cordeiro; Texto informativo sobre lobos e o Lobo-Guará. 2. CADERNO DE ATIVIDADES DO ALUNO: Atividades da 4ª etapa. 3. CARTAZES: CARTAZ 13 - Lenda do Lobisomem; CARTAZ 14 - Fábula o Lobo e o Cordeiro; CARTAZ 15 – Lobos de verdade CARTAZ 16 - Lobo-Guará. 4. FICHAS DIDÁTICAS: FICHA 10 - Gravura – Títulos/personagens - Letra de Forma; FICHA 11 - Gravura – Títulos/personagens - Letra Cursiva; FICHA 12 - Títulos - Letra de Forma; FICHA 13 - Títulos - Letra Cursiva. 5. CARTELAS DIDÁTICAS - cartelas de 5 a 10.
  • 6. GÊNERO TEXTUAL: LENDA CONCEITO : é uma narrativa de cunho popular que é transmitida, principalmente de forma oral, de geração para geração. As lendas não podem ser comprovadas cientificamente, pois são frutos da imaginação das pessoas que as criaram. FUNÇÃO : divertir, ensinar e fixar costumes e crenças de determinada região. ESTRUTURA : Narrativa (introdução, desenvolvimento e conclusão). SARAIVA, Juracy Assmann. Literatura e Alfabetização: do plano do choro ao plano da ação. Porto Alegre, 2001.
  • 7. GÊNERO TEXTUAL: FÁBULA CONCEITO : fábula, em sentido amplo, pode ser definida como uma narrativa curta com ações protagonizadas por vegetais, objetos, animais e seres humanos, que apresenta uma moral implícita. FUNÇÃO : divertir e instruir. ESTRUTURA : 1 – Narrativa, também chamada de corpo em que revelam as ações realizadas pelos seres acima citados; 2 – A moral, denominada de alma, que explicita o ensinamento pretendido. SARAIVA, Juracy Assmann. Literatura e Alfabetização: do plano do choro ao plano da ação. Porto Alegre, 2001.
  • 8. Esse modelo de narrativa como objeto de leitura para crianças é recomendado, principalmente pela natureza alegórica de seu discurso e pela possibilidade de discussão sobre a moral, levando o leitor a questioná-la e relacioná-la com o mundo real. Citamos como exemplo as Fábulas de Esopo (620-560), um escravo e contador de histórias que viveu na Grécia antiga: A raposa e as uvas; A tartaruga e a lebre; O vento norte e o vento sul; O menino que criava lobo; O lobo e o cordeiro. No Brasil quem recriou as fábulas foi Monteiro Lobato.
  • 9. LEITURA COMPARTILHADA Leitura entre professor e aluno. Em alguns momentos da rotina de sala de aula, o/a professor/a pode ler junto com as crianças alguns textos (adivinhas, cantigas de roda, parlendas, quadrinhas, ou trava-línguas) que elas conheçam bastante, para que possam inferir a antecipar significados durante a leitura.
  • 10.
  • 11.
  • 12. REVISÃO E REESCRITA É através da reescrita que o autor aperfeiçoa sua produção. Ela, resulta da autonomia que o texto escrito tem; diz respeito a toda a elaboração do texto. Desse modo, a reescrita faz parte do processo de escrita, sendo uma prática essencial para o ensino da produção textual. A reescrita é muitas vezes confundida com a revisão. A revisão é a correção que ocorre durante a escrita do texto, e a reescritura é a que acontece depois do texto. KÖCHE, Vanilda Salton; PAVANI, Cinara Ferreira; BOFF, Odete Maria Benetti. O processo de reescrita na disciplina de Língua Portuguesa Instrumental. Universidade de Caxias do Sul. Linguagem & Ensino, Vol. 7, No. 2, 2004 (141-164).
  • 13.
  • 14. CONHECIMENTO PRÉVIO A compreensão de um texto é um processo que se caracteriza pela utilização de conhecimento prévio. Em busca da construção do sentido do texto, o leitor utiliza vários níveis de conhecimentos adquirido ao longo de sua vida, como: conhecimento lingüístico, conhecimento textual e conhecimento de mundo KLEIMAN, A. Texto e leitor: aspectos cognitivos da leitura.  São Paulo: Pontes, 2007.
  • 15. O CONHECIMENTO LINGÜÍSTICO abrange o conhecimento sobre como pronunciar o português; conhecimento do vocabulário; regras da língua; e uso da língua.
  • 16. O CONHECIMENTO TEXTUAL conhecimento sobre os diferentes tipos, gêneros textuais.
  • 17. O CONHECIMENTO DE MUNDO Conhecimento adquirido tanto formalmente, na escola, como informalmente através de experiências e convívios na sociedade. A ativação do conhecimento prévio permite o leitor fazer as inferências necessárias para relacionar as diferentes partes do texto num todo coerente. Sem o engajamento dos diversos conhecimentos não haverá compreensão.
  • 18.
  • 19.
  • 20.
  • 21. FRASE Oi, gente! Que horror! Silêncio! Na escrita, a frase começa com letra maiúscula e termina com ponto. Na fala, a frase é demarcada pela entonação. CEREJA, W. R e MAGALHAES, T. C. Gramática: texto, reflexão e uso.São Paulo: Atual, 2004.
  • 22. SITUAÇÃO DIDÁTICA ESTUDO DO CASO 1 Rafaela é professora do 1º ano e seus alunos estão começando a escrever histórias. Rafaela : Olhem aqui, hoje eu trouxe uma história para eu ler para vocês (mostra o livro de leitura aberto na página 83). É a lenda do lobisomem. Alguém conhece essa lenda? O que ela conta? Agora escutem (Rafaela lê a história aos seus alunos). Aluno : professora eu conheço de outro jeito. Rafaela : Legal! Você pode contar pra gente? (O aluno conta a versão que conhece) Rafaela : Agora vocês abram o caderno na página 80 e escrevam a lenda do lobisomem do jeito que vocês souberem.
  • 23. Aluna : Professora, eu esqueci a história. Como é mesmo heim? Aluno : Professora, como é que eu escrevo lobisomem? Rafaela: Cada um vai pensar e escrever do jeito que souber. Agora comecem a escrever. Vou ficar aqui aguardando pela tarefa. (Uma criança começa a chorar. Rafaela vai até a cadeira do aluno e pergunta o motivo do choro). Aluno: Professora, eu não sei escrever e por isso não posso fazer a tarefa. (Rafaela acolhe seu aluno e diz que ele está ali justamente para aprender a ler e a escrever e que ela o ajudará). Rafaela : É importante que você tente, pense nas letras que você acha que tem naquilo que você quer escrever. Estou aqui ao seu lado para ajudá-lo e você também pode pedir a ajuda de um amigo. Mas é importante que você tente e pense sobre a lenda e sobre a forma de escrever. O que você quer escrever? Aluno: lenda do lobisomem. Rafaela : lenda do lobisomem. Que letras você acha que tem nesse título? Com o apoio de Rafaela, o menino se acalma e escreve: JROGEPIHENRO (lenda do lobisomem) (Ao final da atividade, Rafaela recebe os cadernos dos seus alunos para depois ler cada produção de texto).
  • 24.
  • 25. ESTUDO DO CASO 2 A professora Ana quer trabalhar com seus alunos os conteúdos: segmentação e análise estrutural das palavras. Depois de ler a lenda do lobisomem, Ana escreve na lousa e lê para sua turma a seguinte frase: A LENDA DIZ QUE O LOBISOMEM É UM HOMEM QUE TODA SEXTA-FEIRA, À MEIA-NOITE, SE TRANSFORMA EM LOBISOMEM. Em seguida, Ana pede que seus alunos abram o caderno na página 81 para fazer as atividades A, B e C.
  • 26.