SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
Baixar para ler offline
Programa de Saúde Mental no SUS: Os
centros de atenção psicossocial
Patrícia Prates
OS CAPS E A DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO EM SAÚDE MENTAL
CAPS : Centro de Atenção Psicossocial
 São instituições destinadas a acolher os pacientes com transtornos mentais,
estimular sua integração social e familiar, apoiá-los em suas iniciativas de
busca da autonomia, oferecer-lhes atendimento médico e psicológico.
 Sua característica principal é buscar integrá-los a um ambiente social e
cultural concreto, designado como seu “território”, o espaço da cidade onde
se desenvolve a vida quotidiana de usuários e familiares.
PORTARIA Nº 336/GM, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2002
Essa portaria reconheceu e ampliou o funcionamento e a complexidade dos
CAPS, que têm a missão de:
“Dar um atendimento diuturno às pessoas que sofrem com transtornos
mentais severos e persistentes, num dado território, oferecendo cuidados
clínicos e de reabilitação psicossocial, com o objetivo de substituir o modelo
hospitalocêntrico, evitando as internações e favorecendo o exercício da
cidadania e da inclusão social dos usuários e de suas famílias”.
TIPOS DE CAPS
PRINCÍPIOS DO CAPS
ACOLHIMENTO: Visa a recepção de forma humanizada e integral a
todos que procurem os serviços do CAPS.
VINCULO: a troca de afetos positivos utilizados como ações
terapêuticas.
RESPONSABILIDADE: promover ações preventivas, curativas e
reabilitadoras em seu sentido continuado, implicando na atenção
integral do usuário.
CONTRATO DE CUIDADOS: Refere aos direitos e deveres do usuário
e da família deste, na relação com a equipe de saúde mental,
através de elaboração e explicitação de um contrato terapêutico.
QUEM PODE SER ATENDIDO NOS CAPS?
Pessoas que apresentam intenso sofrimento psíquico, que lhes impossibilita de
viver e realizar seus projetos de vida, preferencialmente, pessoas com grave
comprometimento psíquico, incluindo os transtornos relacionados às substâncias
psicoativas (álcool e outras drogas) e também crianças e adolescentes com
transtornos mentais.
ATENDIMENTO PELO CAPS
Cada usuário do CAPS tem um projeto terapêutico individual, um conjunto de
atendimentos que respeite a sua particularidade, que personalize o
atendimento de cada pessoa na unidade e fora dela e proponha atividades
durante a permanência diária no serviço, segundo suas necessidades.
É preciso criar, observar, escutar, estar atento à complexidade da vida das
pessoas, que é maior que a doença ou o transtorno.
COMO É FEITA A DISTRIBUIÇÃO DE MEDICAMENTOS PARA OS
USUÁRIOS?
A necessidade de medicação de cada usuário do CAPS deve ser avaliada
constantemente com os profissionais do serviço.
OFICINAS TERAPÊUTICAS
Planejamento estratégico situacional
“A explosão do consumo de Ritalina no TDAH
(Transtorno do déficit de atenção e hiperatividade)”
O QUE É TDAH?
Define-se por níveis prejudiciais de desatenção, desorganização e
hiperatividade-impulsividade com impactos no campo educacional, de lazer,
familiar, social, profissional e pessoal.
DIAGNOSTICO DO TDAH
Avaliação comportamental
PROBLEMÁTICA
RITALINA
Aumenta a concentração de dopamina no Sistema Nervoso Central
(SNC), causando uma sensação de prazer.
Efeitos colaterais:
 Diminuição do apetite;
 Insônia, dor abdominal;
 Cefaleia;
 Tontura;
 Náuseas;
 Ansiedade;
 Irritabilidade;
 Propensão ao choro;
 Tiques nervosos;
 Falar pouco;
 Desinteresse;
 Tristeza;
 Olhar parado;
 Dependência;
 Efeitos cardiovasculares.
“EPIDEMIA DE DIAGNÓSTICOS”
COMERCIALIZAÇÃO
Em oito anos (de 2000 até 2008), a comercialização anual de caixas
de Ritalina passou de 71 mil para 1,147 milhões, sem contabilizar as
demandas revendidas clandestinamente no País.
ÁRVORE EXPLICATIVA
Causas
Consequências
Problema Central
O quê fazer ?
• Protocolos mais criteriosos para diagnóstico do TDAH.
• Programas de monitoramento, que envolvam treinamento de profissionais
da saúde para uniformizar os critérios relacionados à prescrição de
remédios.
• Ações para socializar informações sobre saúde com os usuários
• Palestras em escolas para esclarecer dúvidas dos professores quanto ao
encaminhamento de alunos com suspeita de TDAH.
REFERÊNCIAS
SAÚDE MENTAL. http://www.ccs.saude.gov.br/saude_mental/pdf/sm_sus.pdf
ENSAIO E CIÊNCIA.
http://www.pgsskroton.com.br/seer/index.php/ensaioeciencia/article/view/3852/3209
CARTILHA DE ORIENTAÇÃO
MENTALfile:///C:/Users/patricia/Downloads/cartilhadeorientaoemsademental-130924170454-
phpapp01.pdf
VARELLA, D. https://drauziovarella.com.br/dependencia-quimica/ritalina-contra-a-inquietacao-na-
vida-escolar/
USO DA RITALINA. http://quasesemquerertdah.blogspot.com.br/2013/12/uso-da-ritalina-no-
tdah.html
BBC.http://www.bbc.com/portuguese/geral-36497492
UNESP. http://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/127245/ISSN1984-9044-2012-11-
02-44-57.pdf?sequence=1&isAllowed=y
FSP. http://www1.folha.uol.com.br/fsp/saude/sd0412200901.htm
Obrigada!
Patrícia Prates

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Reforma psiquiátrica e política de saúde mental
Reforma psiquiátrica e  política de saúde mentalReforma psiquiátrica e  política de saúde mental
Reforma psiquiátrica e política de saúde mental
multicentrica
 
História da Luta Antimanicomial: recortes e contextualização
História da Luta Antimanicomial: recortes e contextualizaçãoHistória da Luta Antimanicomial: recortes e contextualização
História da Luta Antimanicomial: recortes e contextualização
Alexandre Simoes
 
Aula saúde mental I e II
Aula   saúde mental I e II Aula   saúde mental I e II
Aula saúde mental I e II
DaianeCampos19
 
História e histórias de loucura
História e histórias de loucuraHistória e histórias de loucura
História e histórias de loucura
Jorge Almeida
 
Conceito de saúde mental.
Conceito de saúde mental.Conceito de saúde mental.
Conceito de saúde mental.
Luciane Santana
 
Reforma Psiquiatrica
Reforma PsiquiatricaReforma Psiquiatrica
Reforma Psiquiatrica
fabiolarrossa
 

Mais procurados (20)

5093 palestra saude_mental_(3)
5093 palestra saude_mental_(3)5093 palestra saude_mental_(3)
5093 palestra saude_mental_(3)
 
Reforma psiquiátrica e política de saúde mental
Reforma psiquiátrica e  política de saúde mentalReforma psiquiátrica e  política de saúde mental
Reforma psiquiátrica e política de saúde mental
 
História da Luta Antimanicomial: recortes e contextualização
História da Luta Antimanicomial: recortes e contextualizaçãoHistória da Luta Antimanicomial: recortes e contextualização
História da Luta Antimanicomial: recortes e contextualização
 
Rede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mentalRede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mental
 
Aula saúde mental I e II
Aula   saúde mental I e II Aula   saúde mental I e II
Aula saúde mental I e II
 
Saúde Mental
Saúde Mental Saúde Mental
Saúde Mental
 
Saude mental aula 3
Saude mental aula 3Saude mental aula 3
Saude mental aula 3
 
Saúde mental no sus
Saúde mental no susSaúde mental no sus
Saúde mental no sus
 
Saúde mental
Saúde mentalSaúde mental
Saúde mental
 
Apresentação do caps
Apresentação do capsApresentação do caps
Apresentação do caps
 
Apresentação saude mental 1
Apresentação saude mental 1Apresentação saude mental 1
Apresentação saude mental 1
 
História e histórias de loucura
História e histórias de loucuraHistória e histórias de loucura
História e histórias de loucura
 
Caps slide
Caps slideCaps slide
Caps slide
 
Conceito de saúde mental.
Conceito de saúde mental.Conceito de saúde mental.
Conceito de saúde mental.
 
Saúde mental no sus (1)
Saúde mental no sus (1)Saúde mental no sus (1)
Saúde mental no sus (1)
 
Processo histórico da psiquiatria e da saúde mental
 Processo histórico da psiquiatria e da saúde mental Processo histórico da psiquiatria e da saúde mental
Processo histórico da psiquiatria e da saúde mental
 
Reforma Psiquiatrica
Reforma PsiquiatricaReforma Psiquiatrica
Reforma Psiquiatrica
 
História da psiquiatria aula 1
História da psiquiatria   aula 1História da psiquiatria   aula 1
História da psiquiatria aula 1
 
Aula emergencias psiquiatricas
Aula emergencias psiquiatricasAula emergencias psiquiatricas
Aula emergencias psiquiatricas
 
Aula Saúde Mental
Aula Saúde MentalAula Saúde Mental
Aula Saúde Mental
 

Destaque (9)

Proceso de abstraccion feudos y comercio
Proceso de abstraccion feudos y comercioProceso de abstraccion feudos y comercio
Proceso de abstraccion feudos y comercio
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
 
Aula do sus
Aula do susAula do sus
Aula do sus
 
Exame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde MentalExame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde Mental
 
Estigma la identidad deteriorada
Estigma la identidad deterioradaEstigma la identidad deteriorada
Estigma la identidad deteriorada
 
53292193 aula-de-meios-de-cultura
53292193 aula-de-meios-de-cultura53292193 aula-de-meios-de-cultura
53292193 aula-de-meios-de-cultura
 
Atenção à saúde no nível secundário e terciário
Atenção à saúde no nível secundário e terciárioAtenção à saúde no nível secundário e terciário
Atenção à saúde no nível secundário e terciário
 
Meio de cultura em microorganismos
Meio de cultura em microorganismosMeio de cultura em microorganismos
Meio de cultura em microorganismos
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
 

Semelhante a Programa de saúde mental no SUS

Saúde mental folder
Saúde mental folderSaúde mental folder
Saúde mental folder
Tatiane
 
sademental-230304202733-265eec07 (1).pptx
sademental-230304202733-265eec07 (1).pptxsademental-230304202733-265eec07 (1).pptx
sademental-230304202733-265eec07 (1).pptx
fosbass45
 
Residência Terapêutica - Holiste
Residência Terapêutica - HolisteResidência Terapêutica - Holiste
Residência Terapêutica - Holiste
Holiste Psiquiatria
 
5 assistência+de+enfermagem+ao+paciente+com+distúrbios+cardíacos
5 assistência+de+enfermagem+ao+paciente+com+distúrbios+cardíacos5 assistência+de+enfermagem+ao+paciente+com+distúrbios+cardíacos
5 assistência+de+enfermagem+ao+paciente+com+distúrbios+cardíacos
Edison Santos
 
enfermagempsiquiatrica-160804165253.pdf
enfermagempsiquiatrica-160804165253.pdfenfermagempsiquiatrica-160804165253.pdf
enfermagempsiquiatrica-160804165253.pdf
GlendaRegoSoares1
 

Semelhante a Programa de saúde mental no SUS (20)

Saúde mental folder
Saúde mental folderSaúde mental folder
Saúde mental folder
 
Holiste Psiquiatria - Excelência em Saúde Mental
Holiste Psiquiatria - Excelência em Saúde MentalHoliste Psiquiatria - Excelência em Saúde Mental
Holiste Psiquiatria - Excelência em Saúde Mental
 
CAPS.pptx
CAPS.pptxCAPS.pptx
CAPS.pptx
 
saúde mental e CAPS sua epistemologia e funcionamento
saúde mental e CAPS sua epistemologia e funcionamentosaúde mental e CAPS sua epistemologia e funcionamento
saúde mental e CAPS sua epistemologia e funcionamento
 
A real(idade) de saúde mental no sus
A real(idade) de saúde mental no susA real(idade) de saúde mental no sus
A real(idade) de saúde mental no sus
 
sademental-230304202733-265eec07 (1).pptx
sademental-230304202733-265eec07 (1).pptxsademental-230304202733-265eec07 (1).pptx
sademental-230304202733-265eec07 (1).pptx
 
SAÚDE MENTAL.pptx
SAÚDE MENTAL.pptxSAÚDE MENTAL.pptx
SAÚDE MENTAL.pptx
 
Residência Terapêutica - Holiste
Residência Terapêutica - HolisteResidência Terapêutica - Holiste
Residência Terapêutica - Holiste
 
Trabalho escrito caps
Trabalho escrito capsTrabalho escrito caps
Trabalho escrito caps
 
SAUDE MENTAL - caps (1) EVERSON (1).pdf
SAUDE MENTAL - caps (1) EVERSON (1).pdfSAUDE MENTAL - caps (1) EVERSON (1).pdf
SAUDE MENTAL - caps (1) EVERSON (1).pdf
 
5 assistência+de+enfermagem+ao+paciente+com+distúrbios+cardíacos
5 assistência+de+enfermagem+ao+paciente+com+distúrbios+cardíacos5 assistência+de+enfermagem+ao+paciente+com+distúrbios+cardíacos
5 assistência+de+enfermagem+ao+paciente+com+distúrbios+cardíacos
 
Apresentação sm -caminhos-cuidado_novo
Apresentação sm -caminhos-cuidado_novoApresentação sm -caminhos-cuidado_novo
Apresentação sm -caminhos-cuidado_novo
 
caps.pptx
caps.pptxcaps.pptx
caps.pptx
 
enfermagempsiquiatrica-160804165253.pdf
enfermagempsiquiatrica-160804165253.pdfenfermagempsiquiatrica-160804165253.pdf
enfermagempsiquiatrica-160804165253.pdf
 
AULA 1 SAUDE MENTAL.pptx
AULA 1 SAUDE MENTAL.pptxAULA 1 SAUDE MENTAL.pptx
AULA 1 SAUDE MENTAL.pptx
 
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
 
Saúde Mental no seu Contexto Geral tesouro o1.pptx
Saúde Mental no seu Contexto Geral tesouro o1.pptxSaúde Mental no seu Contexto Geral tesouro o1.pptx
Saúde Mental no seu Contexto Geral tesouro o1.pptx
 
Holiste Dia - Um novo espaço para um dia a dia melhor
Holiste Dia - Um novo espaço para um dia a dia melhorHoliste Dia - Um novo espaço para um dia a dia melhor
Holiste Dia - Um novo espaço para um dia a dia melhor
 
Planejamento Estratégico Digital - Holiste Psiquiatria
Planejamento Estratégico Digital - Holiste PsiquiatriaPlanejamento Estratégico Digital - Holiste Psiquiatria
Planejamento Estratégico Digital - Holiste Psiquiatria
 
AULA 1.pdf
AULA 1.pdfAULA 1.pdf
AULA 1.pdf
 

Mais de Patrícia Prates

Aflatoxinas e Ocratoxina A
Aflatoxinas e Ocratoxina AAflatoxinas e Ocratoxina A
Aflatoxinas e Ocratoxina A
Patrícia Prates
 
Controle da glicemia e estresse oxidativo
Controle da glicemia e estresse oxidativoControle da glicemia e estresse oxidativo
Controle da glicemia e estresse oxidativo
Patrícia Prates
 
Disfunção endotelial e doenças cardiovasculares
Disfunção endotelial e doenças cardiovascularesDisfunção endotelial e doenças cardiovasculares
Disfunção endotelial e doenças cardiovasculares
Patrícia Prates
 
Fertilização e reprodução
Fertilização e reproduçãoFertilização e reprodução
Fertilização e reprodução
Patrícia Prates
 

Mais de Patrícia Prates (18)

Portfólio Parasitologia Clínica
Portfólio Parasitologia ClínicaPortfólio Parasitologia Clínica
Portfólio Parasitologia Clínica
 
Púrpura trombocitopênica idiopática
Púrpura trombocitopênica idiopáticaPúrpura trombocitopênica idiopática
Púrpura trombocitopênica idiopática
 
Exposição ao Benzeno
Exposição ao BenzenoExposição ao Benzeno
Exposição ao Benzeno
 
Agentes infecciosos e automedicação
Agentes infecciosos e automedicaçãoAgentes infecciosos e automedicação
Agentes infecciosos e automedicação
 
Haemophylus ducreyi
Haemophylus ducreyiHaemophylus ducreyi
Haemophylus ducreyi
 
Controle de Qualidade - LAC
Controle de Qualidade - LACControle de Qualidade - LAC
Controle de Qualidade - LAC
 
Fundamentação teórica: Abortamento
Fundamentação teórica: AbortamentoFundamentação teórica: Abortamento
Fundamentação teórica: Abortamento
 
Microscopia Citopatologia Clínica
Microscopia Citopatologia ClínicaMicroscopia Citopatologia Clínica
Microscopia Citopatologia Clínica
 
ANATOMIA DO COLO UTERINO E PATOLOGIAS RELACIONADAS
ANATOMIA DO COLO UTERINO E PATOLOGIAS RELACIONADASANATOMIA DO COLO UTERINO E PATOLOGIAS RELACIONADAS
ANATOMIA DO COLO UTERINO E PATOLOGIAS RELACIONADAS
 
Mieloma Múltiplo
Mieloma MúltiploMieloma Múltiplo
Mieloma Múltiplo
 
Pancreatite
PancreatitePancreatite
Pancreatite
 
Aflatoxinas e Ocratoxina A
Aflatoxinas e Ocratoxina AAflatoxinas e Ocratoxina A
Aflatoxinas e Ocratoxina A
 
Síndrome de Turner
Síndrome de TurnerSíndrome de Turner
Síndrome de Turner
 
Controle da glicemia e estresse oxidativo
Controle da glicemia e estresse oxidativoControle da glicemia e estresse oxidativo
Controle da glicemia e estresse oxidativo
 
Disfunção endotelial e doenças cardiovasculares
Disfunção endotelial e doenças cardiovascularesDisfunção endotelial e doenças cardiovasculares
Disfunção endotelial e doenças cardiovasculares
 
Aterosclerose
AteroscleroseAterosclerose
Aterosclerose
 
Fertilização e reprodução
Fertilização e reproduçãoFertilização e reprodução
Fertilização e reprodução
 
Paragonimus westermani
Paragonimus westermaniParagonimus westermani
Paragonimus westermani
 

Último

ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
WendelldaLuz
 
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
TaniaN8
 

Último (10)

aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
 
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptxSlides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
 
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
 
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxanemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
 
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoFarmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
 
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptxAULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
 
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
 
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
 
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
 
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoEscala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
 

Programa de saúde mental no SUS

  • 1. Programa de Saúde Mental no SUS: Os centros de atenção psicossocial Patrícia Prates
  • 2. OS CAPS E A DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO EM SAÚDE MENTAL CAPS : Centro de Atenção Psicossocial  São instituições destinadas a acolher os pacientes com transtornos mentais, estimular sua integração social e familiar, apoiá-los em suas iniciativas de busca da autonomia, oferecer-lhes atendimento médico e psicológico.  Sua característica principal é buscar integrá-los a um ambiente social e cultural concreto, designado como seu “território”, o espaço da cidade onde se desenvolve a vida quotidiana de usuários e familiares.
  • 3. PORTARIA Nº 336/GM, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2002 Essa portaria reconheceu e ampliou o funcionamento e a complexidade dos CAPS, que têm a missão de: “Dar um atendimento diuturno às pessoas que sofrem com transtornos mentais severos e persistentes, num dado território, oferecendo cuidados clínicos e de reabilitação psicossocial, com o objetivo de substituir o modelo hospitalocêntrico, evitando as internações e favorecendo o exercício da cidadania e da inclusão social dos usuários e de suas famílias”.
  • 5. PRINCÍPIOS DO CAPS ACOLHIMENTO: Visa a recepção de forma humanizada e integral a todos que procurem os serviços do CAPS. VINCULO: a troca de afetos positivos utilizados como ações terapêuticas. RESPONSABILIDADE: promover ações preventivas, curativas e reabilitadoras em seu sentido continuado, implicando na atenção integral do usuário. CONTRATO DE CUIDADOS: Refere aos direitos e deveres do usuário e da família deste, na relação com a equipe de saúde mental, através de elaboração e explicitação de um contrato terapêutico.
  • 6. QUEM PODE SER ATENDIDO NOS CAPS? Pessoas que apresentam intenso sofrimento psíquico, que lhes impossibilita de viver e realizar seus projetos de vida, preferencialmente, pessoas com grave comprometimento psíquico, incluindo os transtornos relacionados às substâncias psicoativas (álcool e outras drogas) e também crianças e adolescentes com transtornos mentais.
  • 7. ATENDIMENTO PELO CAPS Cada usuário do CAPS tem um projeto terapêutico individual, um conjunto de atendimentos que respeite a sua particularidade, que personalize o atendimento de cada pessoa na unidade e fora dela e proponha atividades durante a permanência diária no serviço, segundo suas necessidades. É preciso criar, observar, escutar, estar atento à complexidade da vida das pessoas, que é maior que a doença ou o transtorno.
  • 8. COMO É FEITA A DISTRIBUIÇÃO DE MEDICAMENTOS PARA OS USUÁRIOS? A necessidade de medicação de cada usuário do CAPS deve ser avaliada constantemente com os profissionais do serviço.
  • 10. Planejamento estratégico situacional “A explosão do consumo de Ritalina no TDAH (Transtorno do déficit de atenção e hiperatividade)”
  • 11. O QUE É TDAH? Define-se por níveis prejudiciais de desatenção, desorganização e hiperatividade-impulsividade com impactos no campo educacional, de lazer, familiar, social, profissional e pessoal.
  • 14. RITALINA Aumenta a concentração de dopamina no Sistema Nervoso Central (SNC), causando uma sensação de prazer. Efeitos colaterais:  Diminuição do apetite;  Insônia, dor abdominal;  Cefaleia;  Tontura;  Náuseas;  Ansiedade;  Irritabilidade;  Propensão ao choro;  Tiques nervosos;  Falar pouco;  Desinteresse;  Tristeza;  Olhar parado;  Dependência;  Efeitos cardiovasculares.
  • 16. COMERCIALIZAÇÃO Em oito anos (de 2000 até 2008), a comercialização anual de caixas de Ritalina passou de 71 mil para 1,147 milhões, sem contabilizar as demandas revendidas clandestinamente no País.
  • 17.
  • 18.
  • 20. • Protocolos mais criteriosos para diagnóstico do TDAH. • Programas de monitoramento, que envolvam treinamento de profissionais da saúde para uniformizar os critérios relacionados à prescrição de remédios. • Ações para socializar informações sobre saúde com os usuários • Palestras em escolas para esclarecer dúvidas dos professores quanto ao encaminhamento de alunos com suspeita de TDAH.
  • 21. REFERÊNCIAS SAÚDE MENTAL. http://www.ccs.saude.gov.br/saude_mental/pdf/sm_sus.pdf ENSAIO E CIÊNCIA. http://www.pgsskroton.com.br/seer/index.php/ensaioeciencia/article/view/3852/3209 CARTILHA DE ORIENTAÇÃO MENTALfile:///C:/Users/patricia/Downloads/cartilhadeorientaoemsademental-130924170454- phpapp01.pdf VARELLA, D. https://drauziovarella.com.br/dependencia-quimica/ritalina-contra-a-inquietacao-na- vida-escolar/ USO DA RITALINA. http://quasesemquerertdah.blogspot.com.br/2013/12/uso-da-ritalina-no- tdah.html BBC.http://www.bbc.com/portuguese/geral-36497492 UNESP. http://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/127245/ISSN1984-9044-2012-11- 02-44-57.pdf?sequence=1&isAllowed=y FSP. http://www1.folha.uol.com.br/fsp/saude/sd0412200901.htm