SlideShare uma empresa Scribd logo

CAPS.pptx

CAPS

1 de 36
Baixar para ler offline
ENFERMAGEM EM
SAÚDE MENTAL
Curso técnico em Enfermagem
DOCENTE: JOICE LIMA
PARA VOCÊ OQUE É CAPS?
PRINCÍPIOS QUE REGEM A ASSISTENCIA Á SAUDE MENTAL
O SUS, instituído pelas Leis Federais 8.080/1990 e 8.142/1990, tem o
horizonte do Estado democrático e de cidadania plena como
determinantes de “saúde como direito de todos e dever de Estado”.
Previsto na Constituição Federal de 1988. Esse sistema alicerça-se nos
princípios de acesso universal, público e gratuito às ações e serviços de
saúde.
• Integralidade das ações, cuidando do indivíduo como um todo e não
como um amontoado de partes, gerando promoção da saúde, a
prevenção de doenças, o tratamento e a reabilitação
• Equidade como o dever de atender igualmente o direito de cada um,
respeitando suas diferenças.
Descentralização dos recursos de saúde, garantindo cuidado de boa
qualidade o mais próximo dos usuários que dele necessitam.
Controle social exercido pelos Conselhos Municipais, Estaduais e
Nacional de Saúde com representação dos usuários, trabalhadores,
organizações da sociedade civil e instituições formadoras.
OS CAPS E A DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO EM SAÚDE MENTAL
Os CAPS são instituições destinadas
• Acolher os pacientes com transtornos mentais.
• Estimular sua integração social e familiar.
• Apoiá-los em suas iniciativas de busca da autonomia.
• Oferecer-lhes atendimento médico e psicológico.
A característica principal do CAPS é buscar integrá-los a um ambiente social e
cultural concreto, designado como seu “território”.
• Os CAPS constituem a principal estratégia do processo de reforma psiquiátrica.

Recomendados

Rede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mentalRede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mentalAroldo Gavioli
 
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...Aroldo Gavioli
 
Enfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatricaEnfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatricaJose Roberto
 
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...Aroldo Gavioli
 
Apresentação do caps
Apresentação do capsApresentação do caps
Apresentação do capsAdriana Emidio
 
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e PsiquiatriaO papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e PsiquiatriaAliny Lima
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1Eduardo Gomes da Silva
 
AULA 12 - PROGRANA NACIONAL DE SAUDE MENTAL.pptx
AULA 12 - PROGRANA NACIONAL DE SAUDE MENTAL.pptxAULA 12 - PROGRANA NACIONAL DE SAUDE MENTAL.pptx
AULA 12 - PROGRANA NACIONAL DE SAUDE MENTAL.pptxVanessaAlvesDeSouza4
 
5 assistência+de+enfermagem+ao+paciente+com+distúrbios+cardíacos
5 assistência+de+enfermagem+ao+paciente+com+distúrbios+cardíacos5 assistência+de+enfermagem+ao+paciente+com+distúrbios+cardíacos
5 assistência+de+enfermagem+ao+paciente+com+distúrbios+cardíacosEdison Santos
 
Reforma Psiquiatrica
Reforma PsiquiatricaReforma Psiquiatrica
Reforma Psiquiatricafabiolarrossa
 
As origens da reforma sanitária e do Sistema Único de Saúde
As origens da reforma sanitária e do Sistema Único de SaúdeAs origens da reforma sanitária e do Sistema Único de Saúde
As origens da reforma sanitária e do Sistema Único de SaúdeKarynne Alves do Nascimento
 
Processo histórico da psiquiatria e da saúde mental
 Processo histórico da psiquiatria e da saúde mental Processo histórico da psiquiatria e da saúde mental
Processo histórico da psiquiatria e da saúde mentalLorena Albuquerque Vieira
 
Aula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátricaAula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátricaAroldo Gavioli
 
Saúde mental no sus os centros de atenção psicossocial
Saúde mental no sus   os centros de atenção psicossocialSaúde mental no sus   os centros de atenção psicossocial
Saúde mental no sus os centros de atenção psicossocialArley Melo
 
Programa de saúde mental no SUS
Programa de saúde mental no SUSPrograma de saúde mental no SUS
Programa de saúde mental no SUSPatrícia Prates
 
5093 palestra saude_mental_(3)
5093 palestra saude_mental_(3)5093 palestra saude_mental_(3)
5093 palestra saude_mental_(3)Ana Ferraz
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Will Nunes
 

Mais procurados (20)

Enfermagem Domicilar
Enfermagem DomicilarEnfermagem Domicilar
Enfermagem Domicilar
 
Assistencia domiciliar
Assistencia domiciliarAssistencia domiciliar
Assistencia domiciliar
 
História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1
 
História da psiquiatria aula 1
História da psiquiatria   aula 1História da psiquiatria   aula 1
História da psiquiatria aula 1
 
Saúde mental no sus
Saúde mental no susSaúde mental no sus
Saúde mental no sus
 
Saúde Mental
Saúde Mental Saúde Mental
Saúde Mental
 
AULA 12 - PROGRANA NACIONAL DE SAUDE MENTAL.pptx
AULA 12 - PROGRANA NACIONAL DE SAUDE MENTAL.pptxAULA 12 - PROGRANA NACIONAL DE SAUDE MENTAL.pptx
AULA 12 - PROGRANA NACIONAL DE SAUDE MENTAL.pptx
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
 
5 assistência+de+enfermagem+ao+paciente+com+distúrbios+cardíacos
5 assistência+de+enfermagem+ao+paciente+com+distúrbios+cardíacos5 assistência+de+enfermagem+ao+paciente+com+distúrbios+cardíacos
5 assistência+de+enfermagem+ao+paciente+com+distúrbios+cardíacos
 
As Políticas Nacionais em Relação à Saúde Mental
As Políticas Nacionais em Relação à Saúde MentalAs Políticas Nacionais em Relação à Saúde Mental
As Políticas Nacionais em Relação à Saúde Mental
 
Reforma Psiquiatrica
Reforma PsiquiatricaReforma Psiquiatrica
Reforma Psiquiatrica
 
As origens da reforma sanitária e do Sistema Único de Saúde
As origens da reforma sanitária e do Sistema Único de SaúdeAs origens da reforma sanitária e do Sistema Único de Saúde
As origens da reforma sanitária e do Sistema Único de Saúde
 
Processo histórico da psiquiatria e da saúde mental
 Processo histórico da psiquiatria e da saúde mental Processo histórico da psiquiatria e da saúde mental
Processo histórico da psiquiatria e da saúde mental
 
Aula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátricaAula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátrica
 
Saúde mental no sus os centros de atenção psicossocial
Saúde mental no sus   os centros de atenção psicossocialSaúde mental no sus   os centros de atenção psicossocial
Saúde mental no sus os centros de atenção psicossocial
 
Programa de saúde mental no SUS
Programa de saúde mental no SUSPrograma de saúde mental no SUS
Programa de saúde mental no SUS
 
5093 palestra saude_mental_(3)
5093 palestra saude_mental_(3)5093 palestra saude_mental_(3)
5093 palestra saude_mental_(3)
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
A história da loucura
A história da loucuraA história da loucura
A história da loucura
 
Manual do caps
Manual do capsManual do caps
Manual do caps
 

Semelhante a CAPS.pptx

Serviço Social e Saúde Mental
Serviço Social e Saúde MentalServiço Social e Saúde Mental
Serviço Social e Saúde MentalCarol Alves
 
Sm sus.pdf caps saude mental iraja-noite
Sm sus.pdf caps saude mental iraja-noiteSm sus.pdf caps saude mental iraja-noite
Sm sus.pdf caps saude mental iraja-noiteEdison Santos
 
O cuidado em saúde mental
O cuidado em saúde mentalO cuidado em saúde mental
O cuidado em saúde mentalIasmin Castro
 
Apresentação sm -caminhos-cuidado_novo
Apresentação sm -caminhos-cuidado_novoApresentação sm -caminhos-cuidado_novo
Apresentação sm -caminhos-cuidado_novoAndré Oliveira
 
SAUDE MENTAL - caps (1) EVERSON (1).pdf
SAUDE MENTAL - caps (1) EVERSON (1).pdfSAUDE MENTAL - caps (1) EVERSON (1).pdf
SAUDE MENTAL - caps (1) EVERSON (1).pdfEversonCampos3
 
A atuação do Assistente Social no CAPS
A atuação do Assistente Social no CAPSA atuação do Assistente Social no CAPS
A atuação do Assistente Social no CAPSIsabela Ferreira
 
Saúde mental folder
Saúde mental folderSaúde mental folder
Saúde mental folderTatiane
 
Aula saúde-da-família[1][1]
Aula saúde-da-família[1][1]Aula saúde-da-família[1][1]
Aula saúde-da-família[1][1]Monica Mamedes
 
AULA 1 SAUDE MENTAL.pptx
AULA 1 SAUDE MENTAL.pptxAULA 1 SAUDE MENTAL.pptx
AULA 1 SAUDE MENTAL.pptxkenia244003
 
PSICOLOGIA APLICADA AÞ_ SAAÞ_DE.pptx
PSICOLOGIA APLICADA AÞ_ SAAÞ_DE.pptxPSICOLOGIA APLICADA AÞ_ SAAÞ_DE.pptx
PSICOLOGIA APLICADA AÞ_ SAAÞ_DE.pptxrosemendes2001hotmai
 

Semelhante a CAPS.pptx (20)

caps.pptx
caps.pptxcaps.pptx
caps.pptx
 
Trabalho escrito caps
Trabalho escrito capsTrabalho escrito caps
Trabalho escrito caps
 
Caps slide
Caps slideCaps slide
Caps slide
 
A real(idade) de saúde mental no sus
A real(idade) de saúde mental no susA real(idade) de saúde mental no sus
A real(idade) de saúde mental no sus
 
Serviço Social e Saúde Mental
Serviço Social e Saúde MentalServiço Social e Saúde Mental
Serviço Social e Saúde Mental
 
Sm sus.pdf caps saude mental iraja-noite
Sm sus.pdf caps saude mental iraja-noiteSm sus.pdf caps saude mental iraja-noite
Sm sus.pdf caps saude mental iraja-noite
 
Apresentação raps aurora - copia
Apresentação raps  aurora - copiaApresentação raps  aurora - copia
Apresentação raps aurora - copia
 
O cuidado em saúde mental
O cuidado em saúde mentalO cuidado em saúde mental
O cuidado em saúde mental
 
Apresentação sm -caminhos-cuidado_novo
Apresentação sm -caminhos-cuidado_novoApresentação sm -caminhos-cuidado_novo
Apresentação sm -caminhos-cuidado_novo
 
SAUDE MENTAL - caps (1) EVERSON (1).pdf
SAUDE MENTAL - caps (1) EVERSON (1).pdfSAUDE MENTAL - caps (1) EVERSON (1).pdf
SAUDE MENTAL - caps (1) EVERSON (1).pdf
 
A atuação do Assistente Social no CAPS
A atuação do Assistente Social no CAPSA atuação do Assistente Social no CAPS
A atuação do Assistente Social no CAPS
 
Saúde mental folder
Saúde mental folderSaúde mental folder
Saúde mental folder
 
Aula saúde-da-família[1][1]
Aula saúde-da-família[1][1]Aula saúde-da-família[1][1]
Aula saúde-da-família[1][1]
 
Raps mental tchê
Raps mental tchêRaps mental tchê
Raps mental tchê
 
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
 
Jornal (3)
Jornal (3)Jornal (3)
Jornal (3)
 
Sp4 hupe-psf
Sp4 hupe-psfSp4 hupe-psf
Sp4 hupe-psf
 
SAÚDE MENTAL.pptx
SAÚDE MENTAL.pptxSAÚDE MENTAL.pptx
SAÚDE MENTAL.pptx
 
AULA 1 SAUDE MENTAL.pptx
AULA 1 SAUDE MENTAL.pptxAULA 1 SAUDE MENTAL.pptx
AULA 1 SAUDE MENTAL.pptx
 
PSICOLOGIA APLICADA AÞ_ SAAÞ_DE.pptx
PSICOLOGIA APLICADA AÞ_ SAAÞ_DE.pptxPSICOLOGIA APLICADA AÞ_ SAAÞ_DE.pptx
PSICOLOGIA APLICADA AÞ_ SAAÞ_DE.pptx
 

Último

Guia de Vigilância em Saúde 6 ed. vol.1
Guia de Vigilância em  Saúde 6 ed. vol.1Guia de Vigilância em  Saúde 6 ed. vol.1
Guia de Vigilância em Saúde 6 ed. vol.1MarciaFigueiredodeSo
 
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...bibygmachadodesouza
 
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdfamazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdfdaianebarbosaribeiro
 
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a RecuperaçãoVencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperaçãodouglasmeira456
 
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdf
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdfNR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdf
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdfMariadeFtimaUchoas
 
Segurança com Explosivos na Mineração.ppt
Segurança com Explosivos na Mineração.pptSegurança com Explosivos na Mineração.ppt
Segurança com Explosivos na Mineração.pptRodineiGoncalves
 

Último (6)

Guia de Vigilância em Saúde 6 ed. vol.1
Guia de Vigilância em  Saúde 6 ed. vol.1Guia de Vigilância em  Saúde 6 ed. vol.1
Guia de Vigilância em Saúde 6 ed. vol.1
 
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
 
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdfamazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
 
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a RecuperaçãoVencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
 
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdf
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdfNR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdf
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdf
 
Segurança com Explosivos na Mineração.ppt
Segurança com Explosivos na Mineração.pptSegurança com Explosivos na Mineração.ppt
Segurança com Explosivos na Mineração.ppt
 

CAPS.pptx

  • 1. ENFERMAGEM EM SAÚDE MENTAL Curso técnico em Enfermagem DOCENTE: JOICE LIMA
  • 2. PARA VOCÊ OQUE É CAPS?
  • 3. PRINCÍPIOS QUE REGEM A ASSISTENCIA Á SAUDE MENTAL O SUS, instituído pelas Leis Federais 8.080/1990 e 8.142/1990, tem o horizonte do Estado democrático e de cidadania plena como determinantes de “saúde como direito de todos e dever de Estado”. Previsto na Constituição Federal de 1988. Esse sistema alicerça-se nos princípios de acesso universal, público e gratuito às ações e serviços de saúde.
  • 4. • Integralidade das ações, cuidando do indivíduo como um todo e não como um amontoado de partes, gerando promoção da saúde, a prevenção de doenças, o tratamento e a reabilitação • Equidade como o dever de atender igualmente o direito de cada um, respeitando suas diferenças.
  • 5. Descentralização dos recursos de saúde, garantindo cuidado de boa qualidade o mais próximo dos usuários que dele necessitam. Controle social exercido pelos Conselhos Municipais, Estaduais e Nacional de Saúde com representação dos usuários, trabalhadores, organizações da sociedade civil e instituições formadoras.
  • 6. OS CAPS E A DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO EM SAÚDE MENTAL Os CAPS são instituições destinadas • Acolher os pacientes com transtornos mentais. • Estimular sua integração social e familiar. • Apoiá-los em suas iniciativas de busca da autonomia. • Oferecer-lhes atendimento médico e psicológico. A característica principal do CAPS é buscar integrá-los a um ambiente social e cultural concreto, designado como seu “território”. • Os CAPS constituem a principal estratégia do processo de reforma psiquiátrica.
  • 7. OS CAPS NA REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL • O Território não é apenas uma área geográfica. • Território é constituído fundamentalmente pelas pessoas que nele habitam, com seus conflitos, seus interesses, seus amigos, seus vizinhos, sua família, suas instituições, seus cenários (igreja, cultos, escola, trabalho, praças de recreação etc.).
  • 8. RECURSOS PARA CONSTRUIR A REDE É essa noção de território que busca organizar uma rede de atenção às pessoas que sofrem com transtornos mentais e suas famílias, amigos e interessados. • Recursos Afetivos (relações pessoais, familiares, amigos etc.); • Recursos Sanitários (serviços de saúde), • Recursos Sociais (moradia, trabalho, escola, esporte etc.) • Recursos Econômicos (dinheiro, previdência etc.); • Recursos culturais, religiosos e de lazer Potencializam as equipes de saúde nos esforços de cuidado e reabilitação psicossocial.
  • 9. A PROGRAMA NACIONAL DE SAÚDE MENTAL - PNSM do MS preconiza redes de cuidados territorializadas, através de atuação transversal com outras políticas específicas. Podendo construir vínculos sociais (família, igreja, trabalho, clubes de lazer, organizações civis e outras) no ambiente onde vivem (SOUZA, 2011).
  • 10. QUANDO SURGIU OS CAPS? • O primeiro Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) do Brasil foi inaugurado em março de 1987, na cidade de São Paulo: Centro de Atenção Psicossocial Professor Luiz da Rocha Cerqueira, conhecido como CAPS da Rua Itapeva.
  • 11. • Os serviços de saúde mental surgem em vários municípios do país e vão se consolidando como dispositivos eficazes na diminuição de internações e na mudança do modelo assistencial. • Os NAPS/CAPS foram criados oficialmente a partir da Portaria GM 224/92. • Foram definidos como unidades de saúde locais/regionalizadas. • Oferecem atendimento de cuidados intermediários entre o regime ambulatorial e a internação hospitalar. • Possuem um ou dois turnos de quatro horas, por equipe multiprofissional.
  • 12. • Assim como os NAPS (Núcleos de Atenção Psicossocial), os CERSAMs (Centros de Referência em Saúde Mental), são atualmente regulamentados pela Portaria nº 336/GM, de 19 de fevereiro de 2002 e integram a rede do Sistema Único de Saúde, o SUS. Essa portaria reconheceu e ampliou o funcionamento e a complexidade dos CAPS, com a missão de: • Dar um atendimento diuturno às pessoas que sofrem com transtornos mentais severos e persistentes; • Oferecer cuidados clínicos e de reabilitação psicossocial; Objetivando substituir o modelo hospitalocêntrico, evitando as internações e favorecendo o exercício da cidadania e da inclusão social dos usuários e de suas famílias.
  • 13. O QUE É UM CAPS? • Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) ou Núcleo de Atenção Psicossocial é um serviço de saúde aberto e comunitário do Sistema Único de Saúde (SUS). • Lugar de referência e tratamento para pessoas que sofrem com transtornos mentais, psicoses, neuroses graves e demais quadros, cuja severidade e/ou persistência justifiquem sua permanência num dispositivo de cuidado intensivo, comunitário, personalizado.
  • 14. • O objetivo dos CAPS é oferecer atendimento à população de sua área de abrangência, realizando o acompanhamento clínico e a reinserção social dos usuários pelo acesso ao trabalho, lazer, exercício dos direitos civis e fortalecimento dos laços familiares e comunitários. • Serviço de atendimento de saúde mental criado para ser substitutivo às internações em hospitais psiquiátricos.
  • 15. OQUE OS CAPS VISAM? • Prestar atendimento em regime de atenção diária; • Gerenciar os projetos terapêuticos oferecendo cuidado clínico eficiente • Promover a inserção social dos usuários; • Organizar a rede de serviços de saúde mental de seu território, dando suporte e supervisionando a atenção à saúde mental na rede básica PSF e PACS; • Coordenar junto com o gestor local as atividades de supervisão de unidades hospitalares psiquiátricas que atuem no seu território; • Manter atualizada a listagem dos pacientes de sua região que utilizam medicamentos para a saúde mental.
  • 16. Os CAPS devem contar com espaço próprio e adequadamente preparado para atender à sua demanda específica, sendo capazes de oferecer um ambiente continente e estruturado. RECURSOS FÍSICOS: • Consultórios para atividades individuais (consultas entrevistas, terapias); • Salas para atividades grupais; • Espaço de convivência;
  • 17. • Oficinas; • Refeitório (o CAPS deve ter capacidade para oferecer refeições de acordo com o tempo de permanência de cada paciente na unidade); • Sanitários; • Área externa para oficinas, recreação e esportes.
  • 18. • As práticas realizadas nos CAPS se caracterizam por ocorrerem em ambiente aberto, acolhedor e inserido na cidade, no bairro. • Os projetos desses serviços, muitas vezes, ultrapassam a própria estrutura física, em busca da rede de suporte social, potencializadora de suas ações, preocupando-se com o sujeito e sua singularidade, sua história, sua cultura e sua vida quotidiana.
  • 19. QUEM PODE SER ATENDIDO NOS CAPS? • Aquelas que apresentam intenso sofrimento psíquico, que lhes impossibilita de viver e realizar seus projetos de vida. • Pessoas com grave comprometimento psíquico, incluindo os transtornos relacionados às substâncias psicoativas (álcool e outras drogas) e também crianças e adolescentes com transtornos mentais. • Os usuários dos CAPS podem ter tido uma longa história de internações psiquiátricas, podem nunca ter sido internados ou podem já ter sido atendidos em outros serviços de saúde (ambulatório, hospital-dia, consultórios etc.)
  • 20. COMO SE FAZ PARA SER ATENDIDO NOS CAPS? • O usuário para ser atendido em um CAPS procura diretamente esse serviço ou é encaminhado pelo PSF - Estratégia de Saúde da Família também por qualquer serviço de saúde. • A pessoa pode ir sozinha ou acompanhada, devendo procurar, preferencialmente, o CAPS que atende à região onde mora.
  • 21. O TRATAMENTO NO CAPS • Todo o trabalho desenvolvido no CAPS deverá ser realizado em um “meio terapêutico”, tanto as sessões individuais ou grupais como a convivência no serviço têm finalidade terapêutica. • Ao iniciar o acompanhamento no CAPS se traça um projeto terapêutico com o usuário • O profissional que o acolheu no serviço passará a ser uma referência para ele e poderá seguir sendo o que chamamos de Terapeuta de Referência (TR).
  • 22. Dependendo do projeto terapêutico do usuário do serviço, o CAPS poderá oferecer, conforme as determinações da Portaria GM 336/02: • Atendimento Intensivo: trata-se de atendimento diário • Atendimento Semi-Intensivo: nessa modalidade de atendimento, o usuário pode ser atendido até 12 dias no mês. • Atendimento Não-Intensivo: oferecido quando a pessoa não precisa de suporte contínuo da equipe para viver em seu território podendo ser atendido até três dias no mês
  • 23. ATIVIDADES TERAPÊUTICAS QUE O CAPS PODE OFERECER • Os CAPS podem oferecer diferentes tipos de atividades terapêuticas que vão além do uso de consultas e de medicamentos. • É preciso criar, observar, escutar, estar atento à complexidade da vida das pessoas, que é maior que a doença ou o transtorno. • É necessário definir atividades, como estratégias terapêuticas, que podem promover saúde entre as pessoas: técnicos, usuários, familiares e comunidade. Todos precisam estar envolvidos nessa estratégia.
  • 24. Algumas dessas atividades são feitas em grupo, outras são individuais, outras destinadas às famílias, outras são comunitárias. Uma pessoa atendida em um CAPS, tem acesso a vários recursos terapêuticos: • Atendimento individual: Prescrição de medicamentos, psicoterapia, orientação. • Atendimento em grupo: Oficinas terapêuticas, oficinas expressivas, oficinas geradoras de renda, oficinas de alfabetização, oficinas culturais, grupos terapêuticos, atividades esportivas, atividades de suporte social, grupos de leitura e debate, grupos de confecção de jornal. • Atendimento para a família: Atendimento ao grupo de familiares, atendimento individualizado a familiares, visitas domiciliares, atividades de ensino, atividades de lazer com familiares.
  • 25. • Atividades comunitárias: Atividades desenvolvidas em conjunto com associações de bairro e outras instituições, a integração do serviço e do usuário com a família, comunidade e a sociedade em geral. • Assembléias ou Reuniões de Organização do Serviço: É uma atividade, preferencialmente semanal, que reúne técnicos, usuários, familiares e outros convidados, que juntos discutem, avaliam e propõem encaminhamentos para o serviço.
  • 26. DISTRIBUIÇÃO DE MEDICAMENTOS PARA OS USUÁRIOS • A necessidade de medicação de cada usuário do CAPS deve ser avaliada constantemente com os profissionais do serviço. • Os CAPS podem organizar a rotina de distribuição de medicamentos e/ou assessorar usuários e familiares quanto à sua aquisição e administração, observando-se o uso diferenciado e de acordo com o diagnóstico e com o projeto terapêutico de cada um.
  • 27. TODOS OS CAPS SÃO IGUAIS? • Os CAPS são diferentes: • CAPS I e CAPS II: São CAPS para atendimento diário de adultos, em sua população de abrangência, com transtornos mentais severos e persistentes. • CAPS III: São CAPS para atendimento diário e noturno de adultos, durante sete dias da semana, atendendo à população de referência com transtornos mentais severos e persistentes.
  • 28. CAPSi: CAPS para infância e adolescência, para atendimento diário a crianças e adolescentes com transtornos mentais. CAPSad: CAPS para usuários de álcool e drogas, para atendimento diário à população com transtornos decorrentes do uso e dependência de substâncias psicoativas, como álcool e outras drogas. Esse tipo de CAPS possui leitos de repouso com a finalidade exclusiva de tratamento de desintoxicação.
  • 29. O QUE SÃO OFICINAS TERAPÊUTICAS? • As oficinas terapêuticas são uma das principais formas de tratamento oferecido nos CAPS. • Os CAPS têm, freqüentemente, mais de um tipo de oficina terapêutica. Essas oficinas são atividades realizadas em grupo com a presença e orientação de um ou mais profissionais, monitores e/ou estagiários.
  • 30. • Nelas são realizadas vários tipos de atividades que podem ser definidas através do interesse dos usuários, das possibilidades dos técnicos do serviço, e das necessidades. • Tendo em vista a maior integração social e familiar, a manifestação de sentimentos e problemas, o desenvolvimento de habilidades corporais, a realização de atividades produtivas, o exercício coletivo da cidadania.
  • 31. Tipos de oficinas terapêuticas • Oficinas Expressivas:  Expressão plástica: pintura, argila, desenho etc...  Expressão corporal: dança, ginástica e técnicas teatrais.  Expressão verbal: poesia, contos, leitura e redação de textos, e de letras de música.  Expressão musical: atividades musicais,  Expressão visual: fotografia, teatro.
  • 32. Oficinas geradoras de renda: servem como instrumento de geração de renda através do aprendizado de uma atividade específica, que pode ser igual ou diferente da profissão do usuário. As oficinas geradoras de renda podem ser de:  culinária,  marcenaria,  costura,  fotocópias,  venda de livros,  fabricação de velas,  artesanato em geral,  cerâmica,  bijuterias,  brechó, etc.
  • 33. • Oficinas de alfabetização: Esse tipo de oficina contribui para que os usuários que não tiveram acesso ou que não puderam permanecer na escola possam exercitar a escrita e a leitura, como um recurso importante na (re)construção da cidadania.
  • 34. De que forma os usuários, a equipe técnica, familiares e comunidade, podem contribuir para o funcionamento do CAPS? CONTRIBUIÇÃO PARAO FUNCIONAMENTO DO CAPS • O protagonismo dos usuários é fundamental para que se alcancem os objetivos dos CAPS, como dispositivos de promoção da saúde e da reabilitação psicossocial. • A equipe técnica pode favorecer do seu próprio projeto terapêutico através do Terapeuta de Referência, esse processo é fundamental, pois o usuário estará estabelecendo vínculos com o serviço e com os profissionais e estimulando-o a participar de forma ativa de seu tratamento e da construção de laços sociais.
  • 35. • Incentivar os familiares à participarem da melhor forma possível do quotidiano dos serviços é um objetivo do CAPS. Pois, muitas vezes, o elo mais próximo que os usuários têm. E por isso são pessoas muito importantes para o trabalho e tratamento do usuário. • A participação da comunidade é muito importante para a criação de uma rede de saúde mental, pois produzem um grande e variado conjunto de relações de trocas. As parcerias ajudam a toda a comunidade a reforçar seus laços sociais e afetivos, produzindo à inclusão social de seus membros usuários do CAPS.