SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 9
Baixar para ler offline
ÉTICA E BIOÉTICA
Professor: Cleanto S. Vieira
Aula 3 - A Ética moderna
ÉTICA E BIOÉTICA Aula 3 - A Ética moderna
A Ética na idade moderna – 1473 à 1789:
Entre os séculos XVI e XVIII, as discussões éticas
estiveram centralizadas no embate entre
racionalismo e empirismo (doutrina segundo a qual
todo conhecimento provém unicamente da
experiência, limitando-se ao que pode ser captado
do mundo externo, pelos sentidos, ou do mundo
subjetivo, pela introspecção).
A Idade Moderna foi à época da formação e
consolidação dos Estados Nacionais europeus,
precedendo a Revolução Francesa e Industrial,
quando a separação entre Estado e igreja tornou-se
definitiva, com a preponderância do
antropocentrismo e a aceleração do avanço da
Ciência.
Representantes de Estados Europeus na assinatura dos Tratados de Westfália, em outubro de 1648 - A guerra dos trinta anos “guerra
religiosa” que surgiu o conceito de raison d’état (razão de Estado), pela qual os interesses de um Estado soberano se sobrepunham a
quaisquer outros, inclusive aos da Igreja Católica. Ironicamente, quem elaborou este conceito foi um príncipe da Igreja, o cardeal Richelieu.
ÉTICA E BIOÉTICA Aula 3 - A Ética moderna
Foi também um período de transição para a
Idade Contemporânea, registrando
contradições de cunho ainda medieval e forte
influencia da religião na vida das pessoas.
Qualquer que seja a tendência teórica, a
ética passou a ser vista novamente voltada
para a busca da felicidade coletiva,
retomando seu sentido original grego,
vinculado com a política, compondo
orientações para a realização plena do
cidadão.
Luis XIV “O Rei sol” – “O
Estado sou eu” - Seu
reinado de 72 anos e 110
dias é o mais longo da
história de qualquer
monarca europeu na
história. – Reina de 14 de
Maio de 1643 até 1º de
Setembro de 1715
ÉTICA E BIOÉTICA Aula 3 - A Ética moderna
Diante de múltiplos caminhos para chegar a
eudaimonia (verdadeira felicidade), a ética foi
pensada como garantia de condições para que
o sujeito se aprimore por meios legítimos.
Onde entraria o Estado como fomentador e
garantidor de condições de condições
transformadoras, providenciando educação,
direitos individuais, justiça e subsistência.
Neste sentido, os preceitos religiosos
começaram a perder força, em uma tentativa
da ética se sobrepor a moral, universalizando
e discutindo princípios de convivência em
sociedade.
“Burgo” que cresce ao redor do castelo
ÉTICA E BIOÉTICA Aula 3 - A Ética moderna
O caminho da dúvida cartesiana conduziu Descartes
a estabelecer uma moral provisória, baseado em
recomendações como obedecer às leis e costumes
do país, mantendo a religião e a fé em Deus,
guiando-se pelas opiniões mais moderadas e aceitas
pela prática, evitando excessos e cultivando o bom
senso.
René Descartes – 1593 à 1650 “Os planos cartesianos”
René Descartes é considerado o Pai da filosofia moderna tendo
como sua obra magna “O discurso do método”. Frase “Penso logo
existo”.
Em primeiro lugar, existe uma defesa da ética
vinculada com as necessidades do Estado, estando
subordinada ao Direito.
Depois, uma normatização ética atrelada à razão,
obrigando o individuo a refletir e tomar decisões, sob
pena de entregar-se ao azar.
ÉTICA E BIOÉTICA Aula 3 - A Ética moderna
Outro racionalista, Baruch Spinoza, delineou com maior
precisão as questões éticas na obra Ethica, publicada em
1677.
Ele fixou como parâmetro de definição do que é bom ou mau
as necessidades e interesses humanos, inserindo a razão
como elemento capaz de frear as paixões, permitindo
alcançar prazer e felicidade.
Também para Spinoza, o amor intelectual a Deus é garantia
da virtude, esta definida como a própria felicidade advinda da
contemplação da totalidade do universo mental e físico,
através da natureza divina, sendo ela inata.
Baruch Spinoza – 1632 à 1677 -Obras: “Um breve tratado sobre Deus e o Homem”, “Princípios da
filosofia cartesiana”, “Tratado sobre a Religião e o Estado”.
ÉTICA E BIOÉTICA Aula 3 - A Ética moderna
O Empirismo:
Thomas Hobbes forneceu a base de sustentação para o Estado
Absolutista, ligando a monarquia com a vontade de Deus; mas
defendeu a ideia de que a natureza humana é desonesta,
solitária e violenta, expressa pela máxima “O homem é o lobo
do homem”.
Como consequência seria necessário organizar a sociedade,
estabelecendo um contrato social para eliminar a guerra de todos
contra todos, fortalecendo o Estado para reprimir a maldade
humana.
A implicação ética está fixada no cidadão, que para integrar-se à
sociedade, precisa refletir sobre si mesmo e seu papel coletivo.
Thomas Robbes – 1588 à 1679
Obras: “Leviatã” (autoridade inquestionável), “Elementos de Lei e do Cidadão”
(trata a questão da relação entre a Igreja e o Estado).
ÉTICA E BIOÉTICA Aula 3 - A Ética moderna
John Locke retomou o conceito de contrato social como limitador do poder
absoluto da autoridade, promovendo a felicidade através da garantia de
liberdade individual restrita.
David Hume também complementou a concepção de Hobbes, afirmando que
as ideias inatas não existiam, sendo regras compostas pela experiência,
exigindo a padronização de comportamentos éticos a partir daquilo que fosse
útil e prazeroso para a maioria.
Portanto, a ética moderna, a despeito de ainda vinculada com a religião,
começou a tentar sobrepujar a moral, resgatando discussões presentes
na antiguidade, avançando alguns passos rumo à vinculação com a
liberdade.
Entretanto, foi pensada como instrumento de sustentação do poder do Estado
perante a vida coletiva e individual.
REFERÊNCIAS
ARISTÓTELES. A ética; textos selecionados. São Paulo: Edipro, 2003.
BENTHAM, Jeremy. Uma introdução aos princípios da moral e da legislação. São
Paulo: Abril Cultural, 1974.
HUME, David. Ensaios morais, políticos e literários. São Paulo: Abril Cultural, 1973.
KANT, Immanuel. Fundamentação da metafísica dos costumes. São Paulo: Abril
Cultural, 1974.
MACIEL JR, A. Pré-socráticos: a invenção da razão. São Paulo: Odysseus, 2007.
PLATÃO. A república. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2000.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

O racionalismo
O racionalismoO racionalismo
O racionalismo
 
Filosofia moderna
Filosofia modernaFilosofia moderna
Filosofia moderna
 
Filosofia 04 - Filosofia Medieval
Filosofia 04 - Filosofia MedievalFilosofia 04 - Filosofia Medieval
Filosofia 04 - Filosofia Medieval
 
História da Filosofia
História da FilosofiaHistória da Filosofia
História da Filosofia
 
Ciência antiga e medieval
Ciência antiga e medievalCiência antiga e medieval
Ciência antiga e medieval
 
Antropologia filosofica
Antropologia filosoficaAntropologia filosofica
Antropologia filosofica
 
Platão
PlatãoPlatão
Platão
 
Aula 06 filosofia escolástica
Aula 06   filosofia escolásticaAula 06   filosofia escolástica
Aula 06 filosofia escolástica
 
Para que serve a filosofia
Para que serve a filosofiaPara que serve a filosofia
Para que serve a filosofia
 
3 Descartes
3 Descartes 3 Descartes
3 Descartes
 
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: SofistasAula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
Fé e razão, uma conversa entre a ciência e a religião
Fé e razão, uma conversa entre a ciência e a religiãoFé e razão, uma conversa entre a ciência e a religião
Fé e razão, uma conversa entre a ciência e a religião
 
Platão e a teoria das ideias
Platão e a teoria das ideiasPlatão e a teoria das ideias
Platão e a teoria das ideias
 
Santo Agostinho
Santo AgostinhoSanto Agostinho
Santo Agostinho
 
Filosofia Socrática
Filosofia SocráticaFilosofia Socrática
Filosofia Socrática
 
Carta sobre a felicidade (a Meneceu) Epicuro
Carta sobre a felicidade (a Meneceu) EpicuroCarta sobre a felicidade (a Meneceu) Epicuro
Carta sobre a felicidade (a Meneceu) Epicuro
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
 
5 filosofia e ciencia
5 filosofia e ciencia 5 filosofia e ciencia
5 filosofia e ciencia
 
Os pré-socráticos
Os pré-socráticosOs pré-socráticos
Os pré-socráticos
 

Semelhante a Ética e bioética - ética moderna - cap 1 aula 3

História da Igreja II: Aula 8: Movimentos Racionalistas
História da Igreja II: Aula 8: Movimentos RacionalistasHistória da Igreja II: Aula 8: Movimentos Racionalistas
História da Igreja II: Aula 8: Movimentos RacionalistasAndre Nascimento
 
Filo 25 tp augusto
Filo 25 tp augustoFilo 25 tp augusto
Filo 25 tp augustoalemisturini
 
Renascimento, Iluminismo, Romantismo E Liberalismo
Renascimento, Iluminismo, Romantismo E LiberalismoRenascimento, Iluminismo, Romantismo E Liberalismo
Renascimento, Iluminismo, Romantismo E LiberalismoLuci Bonini
 
Relação entre filosofia e democracia
Relação entre filosofia e democraciaRelação entre filosofia e democracia
Relação entre filosofia e democraciaLeandro Kadota
 
Racionalismo, empirismo e iluminismo rafalela 24 tp
Racionalismo, empirismo e iluminismo rafalela 24 tpRacionalismo, empirismo e iluminismo rafalela 24 tp
Racionalismo, empirismo e iluminismo rafalela 24 tpalemisturini
 
Humanismo, Jusnaturalismo, Criticismo E Deontologia
Humanismo, Jusnaturalismo, Criticismo E DeontologiaHumanismo, Jusnaturalismo, Criticismo E Deontologia
Humanismo, Jusnaturalismo, Criticismo E DeontologiaLuci Bonini
 
Racionalismo alessandra 21 mp
Racionalismo alessandra 21 mpRacionalismo alessandra 21 mp
Racionalismo alessandra 21 mpalemisturini
 
SLIDES_Aula 03- DIREITO MODERNO.ppt
SLIDES_Aula 03- DIREITO MODERNO.pptSLIDES_Aula 03- DIREITO MODERNO.ppt
SLIDES_Aula 03- DIREITO MODERNO.pptClaudiaSiano
 
A pré história da sociologia
A pré história da sociologiaA pré história da sociologia
A pré história da sociologiaDiego Brelaz
 
Ideias revolucionárias dos séculos XVII e XVIII
Ideias revolucionárias dos séculos XVII e XVIIIIdeias revolucionárias dos séculos XVII e XVIII
Ideias revolucionárias dos séculos XVII e XVIIIeduardodemiranda
 
Atividade discursiva ava john locke
Atividade discursiva ava john lockeAtividade discursiva ava john locke
Atividade discursiva ava john lockePitágoras
 
Racionalismo, empirismo e iluminismo roberta elisa vicari 22 mp
Racionalismo, empirismo e iluminismo roberta elisa vicari 22 mpRacionalismo, empirismo e iluminismo roberta elisa vicari 22 mp
Racionalismo, empirismo e iluminismo roberta elisa vicari 22 mpalemisturini
 
Introdução à Filosofia - Patrística e Escolástica, Eacionalismo e Empirismo
Introdução à Filosofia - Patrística e Escolástica, Eacionalismo e EmpirismoIntrodução à Filosofia - Patrística e Escolástica, Eacionalismo e Empirismo
Introdução à Filosofia - Patrística e Escolástica, Eacionalismo e EmpirismoDiego Sampaio
 
linha do tempo filosofia antiga, medieval,
linha do tempo filosofia antiga, medieval,linha do tempo filosofia antiga, medieval,
linha do tempo filosofia antiga, medieval,lianebarreto982
 

Semelhante a Ética e bioética - ética moderna - cap 1 aula 3 (20)

História da Igreja II: Aula 8: Movimentos Racionalistas
História da Igreja II: Aula 8: Movimentos RacionalistasHistória da Igreja II: Aula 8: Movimentos Racionalistas
História da Igreja II: Aula 8: Movimentos Racionalistas
 
Filo 25 tp augusto
Filo 25 tp augustoFilo 25 tp augusto
Filo 25 tp augusto
 
Renascimento, Iluminismo, Romantismo E Liberalismo
Renascimento, Iluminismo, Romantismo E LiberalismoRenascimento, Iluminismo, Romantismo E Liberalismo
Renascimento, Iluminismo, Romantismo E Liberalismo
 
Relação entre filosofia e democracia
Relação entre filosofia e democraciaRelação entre filosofia e democracia
Relação entre filosofia e democracia
 
Racionalismo, empirismo e iluminismo rafalela 24 tp
Racionalismo, empirismo e iluminismo rafalela 24 tpRacionalismo, empirismo e iluminismo rafalela 24 tp
Racionalismo, empirismo e iluminismo rafalela 24 tp
 
Humanismo, Jusnaturalismo, Criticismo E Deontologia
Humanismo, Jusnaturalismo, Criticismo E DeontologiaHumanismo, Jusnaturalismo, Criticismo E Deontologia
Humanismo, Jusnaturalismo, Criticismo E Deontologia
 
Racionalismo alessandra 21 mp
Racionalismo alessandra 21 mpRacionalismo alessandra 21 mp
Racionalismo alessandra 21 mp
 
SLIDES_Aula 03- DIREITO MODERNO.ppt
SLIDES_Aula 03- DIREITO MODERNO.pptSLIDES_Aula 03- DIREITO MODERNO.ppt
SLIDES_Aula 03- DIREITO MODERNO.ppt
 
São tomas de aquino
São tomas de aquinoSão tomas de aquino
São tomas de aquino
 
FILOSOFIA MODERNA.pdf
FILOSOFIA MODERNA.pdfFILOSOFIA MODERNA.pdf
FILOSOFIA MODERNA.pdf
 
Política.pdf
Política.pdfPolítica.pdf
Política.pdf
 
A pré história da sociologia
A pré história da sociologiaA pré história da sociologia
A pré história da sociologia
 
Ideias revolucionárias dos séculos XVII e XVIII
Ideias revolucionárias dos séculos XVII e XVIIIIdeias revolucionárias dos séculos XVII e XVIII
Ideias revolucionárias dos séculos XVII e XVIII
 
Resumo O Iluminismo
Resumo O IluminismoResumo O Iluminismo
Resumo O Iluminismo
 
Resumo oiluminismo
Resumo oiluminismoResumo oiluminismo
Resumo oiluminismo
 
Atividade discursiva ava john locke
Atividade discursiva ava john lockeAtividade discursiva ava john locke
Atividade discursiva ava john locke
 
Racionalismo, empirismo e iluminismo roberta elisa vicari 22 mp
Racionalismo, empirismo e iluminismo roberta elisa vicari 22 mpRacionalismo, empirismo e iluminismo roberta elisa vicari 22 mp
Racionalismo, empirismo e iluminismo roberta elisa vicari 22 mp
 
Introdução à Filosofia - Patrística e Escolástica, Eacionalismo e Empirismo
Introdução à Filosofia - Patrística e Escolástica, Eacionalismo e EmpirismoIntrodução à Filosofia - Patrística e Escolástica, Eacionalismo e Empirismo
Introdução à Filosofia - Patrística e Escolástica, Eacionalismo e Empirismo
 
linha do tempo filosofia antiga, medieval,
linha do tempo filosofia antiga, medieval,linha do tempo filosofia antiga, medieval,
linha do tempo filosofia antiga, medieval,
 
éTica na história
éTica na históriaéTica na história
éTica na história
 

Mais de Cleanto Santos Vieira

Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
Hidroterapia - crio tapping - Aula 8Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
Hidroterapia - crio tapping - Aula 8Cleanto Santos Vieira
 
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7Cleanto Santos Vieira
 
Termoterapia ultra-som - capítulo 14
Termoterapia   ultra-som - capítulo 14Termoterapia   ultra-som - capítulo 14
Termoterapia ultra-som - capítulo 14Cleanto Santos Vieira
 
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16Cleanto Santos Vieira
 
Fototerapia - infravermelho - cap 13
 Fototerapia - infravermelho - cap 13 Fototerapia - infravermelho - cap 13
Fototerapia - infravermelho - cap 13Cleanto Santos Vieira
 
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12 Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12 Cleanto Santos Vieira
 
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11Cleanto Santos Vieira
 
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10Cleanto Santos Vieira
 
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9Cleanto Santos Vieira
 
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18Cleanto Santos Vieira
 
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17Cleanto Santos Vieira
 
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2 Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2 Cleanto Santos Vieira
 
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...Cleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizadosPrimeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizadosCleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leitoPrimeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leitoCleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgênciaPrimeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgênciaCleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...Cleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismoPrimeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismoCleanto Santos Vieira
 

Mais de Cleanto Santos Vieira (20)

Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
Hidroterapia - crio tapping - Aula 8Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
 
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
 
Termoterapia ultra-som - capítulo 14
Termoterapia   ultra-som - capítulo 14Termoterapia   ultra-som - capítulo 14
Termoterapia ultra-som - capítulo 14
 
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
 
Fototerapia - infravermelho - cap 13
 Fototerapia - infravermelho - cap 13 Fototerapia - infravermelho - cap 13
Fototerapia - infravermelho - cap 13
 
Fototerapia - laser - capítulo 15
 Fototerapia - laser - capítulo 15 Fototerapia - laser - capítulo 15
Fototerapia - laser - capítulo 15
 
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12 Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
 
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
 
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
 
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
 
Hidroterapia introdução - aula 1
Hidroterapia   introdução - aula 1Hidroterapia   introdução - aula 1
Hidroterapia introdução - aula 1
 
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
 
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
 
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2 Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
 
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
 
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizadosPrimeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
 
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leitoPrimeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
 
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgênciaPrimeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
 
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
 
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismoPrimeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
 

Ética e bioética - ética moderna - cap 1 aula 3

  • 1. ÉTICA E BIOÉTICA Professor: Cleanto S. Vieira Aula 3 - A Ética moderna
  • 2. ÉTICA E BIOÉTICA Aula 3 - A Ética moderna A Ética na idade moderna – 1473 à 1789: Entre os séculos XVI e XVIII, as discussões éticas estiveram centralizadas no embate entre racionalismo e empirismo (doutrina segundo a qual todo conhecimento provém unicamente da experiência, limitando-se ao que pode ser captado do mundo externo, pelos sentidos, ou do mundo subjetivo, pela introspecção). A Idade Moderna foi à época da formação e consolidação dos Estados Nacionais europeus, precedendo a Revolução Francesa e Industrial, quando a separação entre Estado e igreja tornou-se definitiva, com a preponderância do antropocentrismo e a aceleração do avanço da Ciência. Representantes de Estados Europeus na assinatura dos Tratados de Westfália, em outubro de 1648 - A guerra dos trinta anos “guerra religiosa” que surgiu o conceito de raison d’état (razão de Estado), pela qual os interesses de um Estado soberano se sobrepunham a quaisquer outros, inclusive aos da Igreja Católica. Ironicamente, quem elaborou este conceito foi um príncipe da Igreja, o cardeal Richelieu.
  • 3. ÉTICA E BIOÉTICA Aula 3 - A Ética moderna Foi também um período de transição para a Idade Contemporânea, registrando contradições de cunho ainda medieval e forte influencia da religião na vida das pessoas. Qualquer que seja a tendência teórica, a ética passou a ser vista novamente voltada para a busca da felicidade coletiva, retomando seu sentido original grego, vinculado com a política, compondo orientações para a realização plena do cidadão. Luis XIV “O Rei sol” – “O Estado sou eu” - Seu reinado de 72 anos e 110 dias é o mais longo da história de qualquer monarca europeu na história. – Reina de 14 de Maio de 1643 até 1º de Setembro de 1715
  • 4. ÉTICA E BIOÉTICA Aula 3 - A Ética moderna Diante de múltiplos caminhos para chegar a eudaimonia (verdadeira felicidade), a ética foi pensada como garantia de condições para que o sujeito se aprimore por meios legítimos. Onde entraria o Estado como fomentador e garantidor de condições de condições transformadoras, providenciando educação, direitos individuais, justiça e subsistência. Neste sentido, os preceitos religiosos começaram a perder força, em uma tentativa da ética se sobrepor a moral, universalizando e discutindo princípios de convivência em sociedade. “Burgo” que cresce ao redor do castelo
  • 5. ÉTICA E BIOÉTICA Aula 3 - A Ética moderna O caminho da dúvida cartesiana conduziu Descartes a estabelecer uma moral provisória, baseado em recomendações como obedecer às leis e costumes do país, mantendo a religião e a fé em Deus, guiando-se pelas opiniões mais moderadas e aceitas pela prática, evitando excessos e cultivando o bom senso. René Descartes – 1593 à 1650 “Os planos cartesianos” René Descartes é considerado o Pai da filosofia moderna tendo como sua obra magna “O discurso do método”. Frase “Penso logo existo”. Em primeiro lugar, existe uma defesa da ética vinculada com as necessidades do Estado, estando subordinada ao Direito. Depois, uma normatização ética atrelada à razão, obrigando o individuo a refletir e tomar decisões, sob pena de entregar-se ao azar.
  • 6. ÉTICA E BIOÉTICA Aula 3 - A Ética moderna Outro racionalista, Baruch Spinoza, delineou com maior precisão as questões éticas na obra Ethica, publicada em 1677. Ele fixou como parâmetro de definição do que é bom ou mau as necessidades e interesses humanos, inserindo a razão como elemento capaz de frear as paixões, permitindo alcançar prazer e felicidade. Também para Spinoza, o amor intelectual a Deus é garantia da virtude, esta definida como a própria felicidade advinda da contemplação da totalidade do universo mental e físico, através da natureza divina, sendo ela inata. Baruch Spinoza – 1632 à 1677 -Obras: “Um breve tratado sobre Deus e o Homem”, “Princípios da filosofia cartesiana”, “Tratado sobre a Religião e o Estado”.
  • 7. ÉTICA E BIOÉTICA Aula 3 - A Ética moderna O Empirismo: Thomas Hobbes forneceu a base de sustentação para o Estado Absolutista, ligando a monarquia com a vontade de Deus; mas defendeu a ideia de que a natureza humana é desonesta, solitária e violenta, expressa pela máxima “O homem é o lobo do homem”. Como consequência seria necessário organizar a sociedade, estabelecendo um contrato social para eliminar a guerra de todos contra todos, fortalecendo o Estado para reprimir a maldade humana. A implicação ética está fixada no cidadão, que para integrar-se à sociedade, precisa refletir sobre si mesmo e seu papel coletivo. Thomas Robbes – 1588 à 1679 Obras: “Leviatã” (autoridade inquestionável), “Elementos de Lei e do Cidadão” (trata a questão da relação entre a Igreja e o Estado).
  • 8. ÉTICA E BIOÉTICA Aula 3 - A Ética moderna John Locke retomou o conceito de contrato social como limitador do poder absoluto da autoridade, promovendo a felicidade através da garantia de liberdade individual restrita. David Hume também complementou a concepção de Hobbes, afirmando que as ideias inatas não existiam, sendo regras compostas pela experiência, exigindo a padronização de comportamentos éticos a partir daquilo que fosse útil e prazeroso para a maioria. Portanto, a ética moderna, a despeito de ainda vinculada com a religião, começou a tentar sobrepujar a moral, resgatando discussões presentes na antiguidade, avançando alguns passos rumo à vinculação com a liberdade. Entretanto, foi pensada como instrumento de sustentação do poder do Estado perante a vida coletiva e individual.
  • 9. REFERÊNCIAS ARISTÓTELES. A ética; textos selecionados. São Paulo: Edipro, 2003. BENTHAM, Jeremy. Uma introdução aos princípios da moral e da legislação. São Paulo: Abril Cultural, 1974. HUME, David. Ensaios morais, políticos e literários. São Paulo: Abril Cultural, 1973. KANT, Immanuel. Fundamentação da metafísica dos costumes. São Paulo: Abril Cultural, 1974. MACIEL JR, A. Pré-socráticos: a invenção da razão. São Paulo: Odysseus, 2007. PLATÃO. A república. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2000.