SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
Baixar para ler offline
UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE
CENTRO DE SAÚDE E TECNOLOGIA RURAL
UNIDADE ACADÊMICA DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS
JAKELYNE SUÉLEN BEZERRA DE SOUSA
MALÁRIA
 Reino Protista
 Filo Apicomplexa
 Família Plasmodiidae
 Gênero Plasmodium
Plasmodium vivax
Plasmodium falciparum
Plasmodium malarie
Plasmodium ovale
Taxonomia
 Malária é uma doença infecciosa aguda ou crônica,
transmitida por mosquitos e provocada
por protozoários parasitários do género Plasmodium.
 É prevalente nos países de clima tropical e
subtropical. Também conhecida como sezão,
paludismo, maleita, febre terçã e febre quartã
Introdução
 Quatro espécies de Plasmodium parasitam o homem:
 falciparum, vivax, malariae e ovale
Agente Etiológico
 Os plasmódios variam individualmente em tamanho,
forma e aparência, de acordo com o seu estágio de
desenvolvimento e com suas características
específicas, podendo ser:
 Esporozoíto
 Forma exo-eritrocitica
 Merozoíto
 Formas eritrocíticas
 Microgameta
Morfologia e Hábitat
 Macrogameta
 Oocineto
 Oocisto
 O hábitat varia para cada fase do ciclo dos
plasmódios:
 No homem
 No inseto
Morfologia e Hábitat
 Mosquitos fêmea do gênero Anopheles , conhecidos
também como mosquito prego ou carapanã
 O homem é o único reservatório das espécies
causadoras de malária humana
Vetor e Reservatório
Anopheles darlingi
Modo de Transmissão
 A transmissão natural da malária ao homem se dá quando
fêmeas de mosquitos anofelinos (gênero Anopheles),
parasitadas com esporozoítos em suas glândulas
salivares, inoculam estas formas infectantes durante o
repasto sanguíneo.
 Vetorial
 Transfusão de sangue
 Compartilhamento de seringas
 Acidentes de laboratório
 Malária congênita
Modo de Transmissão
Ciclo Biológico dos Plasmódios
Patogenia e Sintomatologia
Destruição das hemácias
parasitadas
Produção de citocinas
(endoteliotoxicidade) e resposta
inflamatória sistêmica
Patogenia e Sintomatologia
Citoaderência e sequestro de eritrócitos infectados
com obstrução de fluxo microvascular
Deposição de imunocomplexos
 Febre intermitente
 Calafrios
 Dor de cabeça
 Dores musculares
 taquicardia
Quadro Clínico
 Tríade clássica: febre, calafrios e
sudorese
 Pode ser acompanhado por náuseas,
vômitos, cefaléia e mialgia
 Gravidade depende da espécie do
parasito, parasitemia, tempo de
doença, imunidade prévia do
paciente
 Maior gravidade em crianças,
gestantes e primoinfectados
Quadro Clínico
 Intensa debilidade física, náuseas e vômitos.
 Ao exame físico, o paciente apresenta-se pálido e com
baço palpável
Malária não-complicada
Órgãos/sistemas frequentemente acometidos
 Rins
 Pulmões
 Cérebro
 Fígado
 Hematológico
Malária Grave e complicada
Hemólise
Sintomas da Malária Complicada
Anemia
Edema Agudo de Pulmão
 Malária cerebral
 Insuficiência renal aguda
 Hipoglicemia
 Icterícia
 Hemoglobinúria
Sintomas da Malária Complicada
 40% da população mundial está sob risco de contrair a
malária.
 300-500 milhões de pessoas tornam-se infectadas e pelo
menos 1 milhão morrem POR ANO.
 200-300 crianças morrem em decorrência da malária POR
HORA.
 90% das mortes correspondem a crianças com menos de 5
anos moradoras das regiões da África sub-Saara.
Epidemiologia
Distribuição no Brasil e no mundo
Alto risco de
transmissão
Médio risco
de
transmissão
Baixo risco de
transmissão
Sem risco de
transmissão
Distribuição no Brasil e no mundo
 Clínico
 Laboratorial ( esfregaço ou gota espessa)
 Pcr
Diagnóstico
 Esfregaço delgado
Diagnóstico
Diagnóstico microscópico da malária
 Combate ao vetor
 Tratamento dos pacientes infectados
 Medidas individuais
 Vacinas (em desenvolvimento)
Profilaxia e Medidas de Controle
 P. falciparum : Artesunato + mefloquina
 P. vivax: Cloroquina + primaquina: adultos 15 mg e
crianças 5 mg
Tratamento
As doenças são os resultados
não só dos nossos atos, mas
também dos nossos
pensamentos
Mahatma Gandhi
Obrigada !!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Aula n° 4 leishmaniose
Aula n° 4   leishmanioseAula n° 4   leishmaniose
Aula n° 4 leishmaniose
 
Plasmodium
PlasmodiumPlasmodium
Plasmodium
 
Malaria
Malaria Malaria
Malaria
 
Leishmaniose visceral
Leishmaniose visceralLeishmaniose visceral
Leishmaniose visceral
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Aula 01   Introdução a MicrobiologiaAula 01   Introdução a Microbiologia
Aula 01 Introdução a Microbiologia
 
Malária
MaláriaMalária
Malária
 
Aula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia BásicaAula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia Básica
 
Plasmodium e malária
Plasmodium e  malária Plasmodium e  malária
Plasmodium e malária
 
Sarampo
SarampoSarampo
Sarampo
 
Plasmodium,malaria
Plasmodium,malaria Plasmodium,malaria
Plasmodium,malaria
 
Poliomielite
Poliomielite Poliomielite
Poliomielite
 
Seminário malária
Seminário maláriaSeminário malária
Seminário malária
 
Semninário Febre Amarela
Semninário Febre AmarelaSemninário Febre Amarela
Semninário Febre Amarela
 
Trabalho de chagas. power point
Trabalho de chagas. power pointTrabalho de chagas. power point
Trabalho de chagas. power point
 
Doenças causadas por protozoários
Doenças causadas por protozoáriosDoenças causadas por protozoários
Doenças causadas por protozoários
 
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris LumbricoidesAscaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
 
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saberIMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
 
Vacinas: mitos e verdades
Vacinas: mitos e verdadesVacinas: mitos e verdades
Vacinas: mitos e verdades
 

Destaque

Seminário - Tema: Malária
Seminário - Tema: MaláriaSeminário - Tema: Malária
Seminário - Tema: MaláriaAbnerZaquel
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose3a2011
 
Dr. Celso Ferreira Ramos Filho: "Cura funcional do HIV".
Dr. Celso Ferreira Ramos Filho: "Cura funcional do HIV".Dr. Celso Ferreira Ramos Filho: "Cura funcional do HIV".
Dr. Celso Ferreira Ramos Filho: "Cura funcional do HIV".Academia Nacional de Medicina
 
Dra. Ana Carolina Santelli: "Malária no Brasil. Perspectivas para seu controle."
Dra. Ana Carolina Santelli: "Malária no Brasil. Perspectivas para seu controle."Dra. Ana Carolina Santelli: "Malária no Brasil. Perspectivas para seu controle."
Dra. Ana Carolina Santelli: "Malária no Brasil. Perspectivas para seu controle."Academia Nacional de Medicina
 
Microbio reino protista_doenças_protozoários
Microbio reino protista_doenças_protozoáriosMicrobio reino protista_doenças_protozoários
Microbio reino protista_doenças_protozoáriosEdnaMMA
 
Toxoplasmose e a gravidez
Toxoplasmose e a gravidezToxoplasmose e a gravidez
Toxoplasmose e a gravidezRita Silva
 
Aula n° 6 toxoplasma
Aula n° 6   toxoplasmaAula n° 6   toxoplasma
Aula n° 6 toxoplasmaGildo Crispim
 
2EM #07 Protozoários (2016)
2EM #07 Protozoários (2016)2EM #07 Protozoários (2016)
2EM #07 Protozoários (2016)Professô Kyoshi
 
Doença de Chagas - um problema sanitário
Doença de Chagas - um problema sanitárioDoença de Chagas - um problema sanitário
Doença de Chagas - um problema sanitárioAline Vargas
 
Malária: Quadro clínico, diagnóstico e tratamento. Atualização
Malária: Quadro clínico, diagnóstico e tratamento. AtualizaçãoMalária: Quadro clínico, diagnóstico e tratamento. Atualização
Malária: Quadro clínico, diagnóstico e tratamento. AtualizaçãoYoan Rodriguez
 

Destaque (18)

Malária
MaláriaMalária
Malária
 
Seminário - Tema: Malária
Seminário - Tema: MaláriaSeminário - Tema: Malária
Seminário - Tema: Malária
 
Malaria
MalariaMalaria
Malaria
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
Dr. Celso Ferreira Ramos Filho: "Cura funcional do HIV".
Dr. Celso Ferreira Ramos Filho: "Cura funcional do HIV".Dr. Celso Ferreira Ramos Filho: "Cura funcional do HIV".
Dr. Celso Ferreira Ramos Filho: "Cura funcional do HIV".
 
Dra. Ana Carolina Santelli: "Malária no Brasil. Perspectivas para seu controle."
Dra. Ana Carolina Santelli: "Malária no Brasil. Perspectivas para seu controle."Dra. Ana Carolina Santelli: "Malária no Brasil. Perspectivas para seu controle."
Dra. Ana Carolina Santelli: "Malária no Brasil. Perspectivas para seu controle."
 
Microbio reino protista_doenças_protozoários
Microbio reino protista_doenças_protozoáriosMicrobio reino protista_doenças_protozoários
Microbio reino protista_doenças_protozoários
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 
Toxoplasmose e a gravidez
Toxoplasmose e a gravidezToxoplasmose e a gravidez
Toxoplasmose e a gravidez
 
Aula n° 6 toxoplasma
Aula n° 6   toxoplasmaAula n° 6   toxoplasma
Aula n° 6 toxoplasma
 
Malária
MaláriaMalária
Malária
 
Doenças de chagas
Doenças de chagasDoenças de chagas
Doenças de chagas
 
2EM #07 Protozoários (2016)
2EM #07 Protozoários (2016)2EM #07 Protozoários (2016)
2EM #07 Protozoários (2016)
 
Doença de Chagas - um problema sanitário
Doença de Chagas - um problema sanitárioDoença de Chagas - um problema sanitário
Doença de Chagas - um problema sanitário
 
Malaria aula
Malaria aulaMalaria aula
Malaria aula
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
Toxoplasmose
Toxoplasmose Toxoplasmose
Toxoplasmose
 
Malária: Quadro clínico, diagnóstico e tratamento. Atualização
Malária: Quadro clínico, diagnóstico e tratamento. AtualizaçãoMalária: Quadro clínico, diagnóstico e tratamento. Atualização
Malária: Quadro clínico, diagnóstico e tratamento. Atualização
 

Semelhante a Apresentação malária

Semelhante a Apresentação malária (20)

Aula 5 toxoplasma plasmódio
Aula 5 toxoplasma plasmódioAula 5 toxoplasma plasmódio
Aula 5 toxoplasma plasmódio
 
Malária e ancilostomíase
Malária e ancilostomíaseMalária e ancilostomíase
Malária e ancilostomíase
 
Malaria
Malaria Malaria
Malaria
 
AULA - 10 MALÁRIA.pptx
AULA - 10 MALÁRIA.pptxAULA - 10 MALÁRIA.pptx
AULA - 10 MALÁRIA.pptx
 
A malária - por Marco A. M. Menezes
A malária - por Marco A. M. MenezesA malária - por Marco A. M. Menezes
A malária - por Marco A. M. Menezes
 
Teníase e malária
Teníase e maláriaTeníase e malária
Teníase e malária
 
Aula 4 malaria e plassmodium
Aula 4   malaria e plassmodiumAula 4   malaria e plassmodium
Aula 4 malaria e plassmodium
 
ace conteudo.pptx
ace conteudo.pptxace conteudo.pptx
ace conteudo.pptx
 
Malária 3 c -
Malária  3 c -Malária  3 c -
Malária 3 c -
 
Aula n° 5 plasmodium
Aula n° 5  plasmodiumAula n° 5  plasmodium
Aula n° 5 plasmodium
 
Protistas
ProtistasProtistas
Protistas
 
Febre amarela (1)
Febre amarela (1)Febre amarela (1)
Febre amarela (1)
 
Malaria - Plasmodium
Malaria - PlasmodiumMalaria - Plasmodium
Malaria - Plasmodium
 
Malária
MaláriaMalária
Malária
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino ProtistaSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
 
Mielomas
MielomasMielomas
Mielomas
 
Malária
MaláriaMalária
Malária
 
DoençAs Causadas Por ProtozoáRios
DoençAs Causadas Por ProtozoáRiosDoençAs Causadas Por ProtozoáRios
DoençAs Causadas Por ProtozoáRios
 
2.protozooses3m
2.protozooses3m2.protozooses3m
2.protozooses3m
 
2.protozooses3m
2.protozooses3m2.protozooses3m
2.protozooses3m
 

Apresentação malária

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE SAÚDE E TECNOLOGIA RURAL UNIDADE ACADÊMICA DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS JAKELYNE SUÉLEN BEZERRA DE SOUSA MALÁRIA
  • 2.  Reino Protista  Filo Apicomplexa  Família Plasmodiidae  Gênero Plasmodium Plasmodium vivax Plasmodium falciparum Plasmodium malarie Plasmodium ovale Taxonomia
  • 3.  Malária é uma doença infecciosa aguda ou crônica, transmitida por mosquitos e provocada por protozoários parasitários do género Plasmodium.  É prevalente nos países de clima tropical e subtropical. Também conhecida como sezão, paludismo, maleita, febre terçã e febre quartã Introdução
  • 4.  Quatro espécies de Plasmodium parasitam o homem:  falciparum, vivax, malariae e ovale Agente Etiológico
  • 5.  Os plasmódios variam individualmente em tamanho, forma e aparência, de acordo com o seu estágio de desenvolvimento e com suas características específicas, podendo ser:  Esporozoíto  Forma exo-eritrocitica  Merozoíto  Formas eritrocíticas  Microgameta Morfologia e Hábitat
  • 6.  Macrogameta  Oocineto  Oocisto  O hábitat varia para cada fase do ciclo dos plasmódios:  No homem  No inseto Morfologia e Hábitat
  • 7.  Mosquitos fêmea do gênero Anopheles , conhecidos também como mosquito prego ou carapanã  O homem é o único reservatório das espécies causadoras de malária humana Vetor e Reservatório Anopheles darlingi
  • 8. Modo de Transmissão  A transmissão natural da malária ao homem se dá quando fêmeas de mosquitos anofelinos (gênero Anopheles), parasitadas com esporozoítos em suas glândulas salivares, inoculam estas formas infectantes durante o repasto sanguíneo.
  • 9.  Vetorial  Transfusão de sangue  Compartilhamento de seringas  Acidentes de laboratório  Malária congênita Modo de Transmissão
  • 10. Ciclo Biológico dos Plasmódios
  • 11. Patogenia e Sintomatologia Destruição das hemácias parasitadas Produção de citocinas (endoteliotoxicidade) e resposta inflamatória sistêmica
  • 12. Patogenia e Sintomatologia Citoaderência e sequestro de eritrócitos infectados com obstrução de fluxo microvascular Deposição de imunocomplexos
  • 13.  Febre intermitente  Calafrios  Dor de cabeça  Dores musculares  taquicardia Quadro Clínico
  • 14.  Tríade clássica: febre, calafrios e sudorese  Pode ser acompanhado por náuseas, vômitos, cefaléia e mialgia  Gravidade depende da espécie do parasito, parasitemia, tempo de doença, imunidade prévia do paciente  Maior gravidade em crianças, gestantes e primoinfectados Quadro Clínico
  • 15.  Intensa debilidade física, náuseas e vômitos.  Ao exame físico, o paciente apresenta-se pálido e com baço palpável Malária não-complicada
  • 16. Órgãos/sistemas frequentemente acometidos  Rins  Pulmões  Cérebro  Fígado  Hematológico Malária Grave e complicada
  • 17. Hemólise Sintomas da Malária Complicada Anemia Edema Agudo de Pulmão
  • 18.  Malária cerebral  Insuficiência renal aguda  Hipoglicemia  Icterícia  Hemoglobinúria Sintomas da Malária Complicada
  • 19.  40% da população mundial está sob risco de contrair a malária.  300-500 milhões de pessoas tornam-se infectadas e pelo menos 1 milhão morrem POR ANO.  200-300 crianças morrem em decorrência da malária POR HORA.  90% das mortes correspondem a crianças com menos de 5 anos moradoras das regiões da África sub-Saara. Epidemiologia
  • 20. Distribuição no Brasil e no mundo Alto risco de transmissão Médio risco de transmissão Baixo risco de transmissão Sem risco de transmissão
  • 22.  Clínico  Laboratorial ( esfregaço ou gota espessa)  Pcr Diagnóstico
  • 24.  Combate ao vetor  Tratamento dos pacientes infectados  Medidas individuais  Vacinas (em desenvolvimento) Profilaxia e Medidas de Controle
  • 25.  P. falciparum : Artesunato + mefloquina  P. vivax: Cloroquina + primaquina: adultos 15 mg e crianças 5 mg Tratamento
  • 26. As doenças são os resultados não só dos nossos atos, mas também dos nossos pensamentos Mahatma Gandhi Obrigada !!!