Doença de Chagas
Um problema sanitário

Aline Santamgelo Vargas
Edimilson Cebin Ferraz
Paula Coelho
Sérgio Guterres
O que é?
Doença parasitária descoberta por Carlos Chagas em 1909,
também chamada de tripanossomísase americana.
É causada ...
Sintomatologia
Pode permanecer assintomática por anos.
Alguns dias após a picada pode haver febre, mal estar,
inapetência,...
Sintomatologia
Na fase crônica:
Pode ocorrer muitos anos depois da infecção
Geralmente o coração já está comprometido
Vári...
Formas de transmissão
Vetorial
O barbeiro é o principal vetor da doença, responsável por mais
de 50% dos casos, e habita 1...
Formas de transmissão
Transfusão de Sangue
Também pode se feita pela transfusão de sangue ou
transplante de órgãos, ou por...
Formas de transmissão
Vertical (placentária)
Não existem ainda medidas que evitem a transmissão vertical
do parasita, logo...
Formas de transmissão
Oral (ingestão de alimentos contaminados)
Há ainda casos recentes no Pará que podem estar ligados ao...
O parasita
Trypanosoma cruzi
Formas evolutivas:
Epimastigota
fica no tubo digestivo do vetor, não é infectante para os ver...
O parasita
Amastigota
O parasita
Tripomastigota
Cinetoplasto
Núcleo
Membrana
Flagelo
O parasita
Epimastigota
Vetores
Os vetores da doença de Chagas são animais pertencentes
ao Filo: Arthropoda, Classe: Insecta, Ordem Hemiptera,
Fam...
Vetores
Vetores

Triatoma infestans

Panstrongylus megistus

Rhodnius prolixus
Ciclo de vida
Controle
Saneamento básico
Melhoria das moradias
Vigilância epidemiológica
Conceito:
A Lei Orgânica da Saúde conceitua Vigilância Epidemiológica (VE) como
um conjunto de a...
Vigilância epidemiológica
Redução da transmissão natural:
Com a implementação dos controles de casos de doenças ocorridas,...
Vigilância epidemiológica
Controles e envolvimento da população:
Os controles são desenvolvidos pelo poder público com açõ...
Agradecemos por assistir!
Para se informar:
http://www.fiocruz.br/chagas/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?
tpl=home
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Doença de Chagas - um problema sanitário

2.157 visualizações

Publicada em

Apresentação da matéria de biologia do curso de pós graduação de Engenharia Ambiental e Saneamento Básico da Estácio de Sá Campus Praça XI.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.157
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
65
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Doença de Chagas - um problema sanitário

  1. 1. Doença de Chagas Um problema sanitário Aline Santamgelo Vargas Edimilson Cebin Ferraz Paula Coelho Sérgio Guterres
  2. 2. O que é? Doença parasitária descoberta por Carlos Chagas em 1909, também chamada de tripanossomísase americana. É causada pelo protozoário Trypanosoma cruzi, nomeado em homenagem a Oswaldo Cruz. Pode ser considerada uma antropozoonose, resultado de alterações humanas no meio ambiente. O ser humano foi incluído em seu ciclo acidentalmente ao invadir ecótopos naturais.
  3. 3. Sintomatologia Pode permanecer assintomática por anos. Alguns dias após a picada pode haver febre, mal estar, inapetência, sinais de inflamação, aumento do baço e fígado e distúrbios cardíacos. Na fase aguda: Chagoma Sinal de Romaña O tratamento ainda é possível Criança com sinal de Romaña
  4. 4. Sintomatologia Na fase crônica: Pode ocorrer muitos anos depois da infecção Geralmente o coração já está comprometido Várias manifestações clínicas como falta de ar, tonturas, taquicardia, braquicardia e inchaço nas pernas. Pode haver lesões em outros órgãos como fígado. Pode comprometer o sistema nervoso e linfático. Não há tratamento. Aumento do coração
  5. 5. Formas de transmissão Vetorial O barbeiro é o principal vetor da doença, responsável por mais de 50% dos casos, e habita 11 estados brasileiros que é infectado ao sugar o sangue de um organismo já infectado. No intestino do vetor tripomastigoto, que não se reproduz, desenvolve-se para epimastigoto que se reproduz.
  6. 6. Formas de transmissão Transfusão de Sangue Também pode se feita pela transfusão de sangue ou transplante de órgãos, ou por via placentária. Diversos programas de saúde em países latino-americanos procuram controlar a incidência e as de taxas de infecção do T. infestans foram reduzidas de 8,4% (1983) a 2,9% (em 1997).
  7. 7. Formas de transmissão Vertical (placentária) Não existem ainda medidas que evitem a transmissão vertical do parasita, logo a estratégia de controle da infecção congênita é centrada no diagnóstico precoce da infecção em recém-nascidos de mães infectadas e em tratamento específico imediato das crianças ao nascimento. Não se trata o Chagas durante a gravidez pois é difícil acompanhar eficazmente as reações do feto no útero e as crianças tratadas ao nascer tem altos índices de cura.
  8. 8. Formas de transmissão Oral (ingestão de alimentos contaminados) Há ainda casos recentes no Pará que podem estar ligados ao consumo de açaí, estão sendo pesquisados para comprovar essa ligação, pois a fruta pode ser tirada junto com o inseto transmissor e o preparo do alimento talvez não seja seguro. Para impedir a transmissão a cana e o açaí devem ser pasteurizados, como normalmente é feito nos produtos industrializados, porém não pelos vendedores de sucos artesanais. Em 2007 estimam que 37 contaminações por mal de Chagas ocorreram no Pará dessa forma.
  9. 9. O parasita Trypanosoma cruzi Formas evolutivas: Epimastigota fica no tubo digestivo do vetor, não é infectante para os vertebrados. É fusiforme e apresenta o cinetoplasto junto ao núcleo, há diferenciação para tripomastigotas metacíclicos na porção final do intestino e infecta os vertebrados. Possui flagelo e membrana ondulante. Amastigota após a penetração em vertebrados, modifica-se para amastigota multiplicativo, que é intracelular, sem organelas de locomoção, com pouco citoplasma e núcleo grande. O cinetoplasto encontra-se ao lado do núcleo e é um pouco menor. Está na fase crônica da doença. Tripomastigota fase extracelular, que circula no sangue. Apresenta flagelo e membrana
  10. 10. O parasita Amastigota
  11. 11. O parasita Tripomastigota Cinetoplasto Núcleo Membrana Flagelo
  12. 12. O parasita Epimastigota
  13. 13. Vetores Os vetores da doença de Chagas são animais pertencentes ao Filo: Arthropoda, Classe: Insecta, Ordem Hemiptera, Família: Reduvidae, Subfamília: Triatominae, vulgarmente conhecidos como barbeiros ou chupanças. Há em torno de 137 espécies descritas, porém poucas são vetores da doença, Triatoma infestans, T. dimidiata, T. sordida, T. brasiliensis, T. pseudomaculata, Panstrongylus megistus e Rhodnius prolixus.
  14. 14. Vetores
  15. 15. Vetores Triatoma infestans Panstrongylus megistus Rhodnius prolixus
  16. 16. Ciclo de vida
  17. 17. Controle Saneamento básico Melhoria das moradias
  18. 18. Vigilância epidemiológica Conceito: A Lei Orgânica da Saúde conceitua Vigilância Epidemiológica (VE) como um conjunto de ações que proporciona o conhecimento, a detecção ou prevenção de qualquer mudança nos fatores determinantes e condicionantes da saúde individual ou coletiva, com a finalidade de recomendar e adotar as medidas de prevenção e controle das doenças ou agravos. Estão restritas à área de doenças transmissíveis. http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/gve_7ed_web_atual.pdf
  19. 19. Vigilância epidemiológica Redução da transmissão natural: Com a implementação dos controles de casos de doenças ocorridas, através dos órgãos de saúde e a comunicação da ocorrência feita à autoridade sanitária por profissionais de saúde ou qualquer cidadão, para elaborar estratégias de intervenção tem controlado a transmissão natural no território nacional.
  20. 20. Vigilância epidemiológica Controles e envolvimento da população: Os controles são desenvolvidos pelo poder público com ações de combate diretamente nos locais possíveis de infecção, como a desinsetização, e a visita dos agentes às comunidades para fins de educação à preservação da saúde. A incidência do barbeiro também tem ações direcionadas, principalmente junto às populações ribeirinhas e de menor renda, cujas moradias à base do "adobe", são alvos perfeitos dos vetores.
  21. 21. Agradecemos por assistir! Para se informar: http://www.fiocruz.br/chagas/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm? tpl=home

×