Avaliação da aprendizagem escolar

7.934 visualizações

Publicada em

0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.934
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.782
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
229
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Avaliação da aprendizagem escolar

  1. 1. LUCKESI, Cipriano C.
  2. 2.  Para o autor as práticas escolares se realizam dentro de um modelo teórico que pressupõe a educação como um mecanismo de conservação e reprodução da sociedade.  O autoritarismo é o elemento necessário para a garantia desse modelo social.  É preciso colocar a avaliação escolar a serviço de uma pedagogia que entenda a educação como instrumento de transformação social.  Portanto, a avaliação no Brasil, hoje, está a serviço de uma pedagogia dominante que, por sua vez, serve a um modelo social dominante, denominado liberal conservador.
  3. 3. Origem desse modelo: Surgiu da estratificação dos empreendimentos transformadores que culminaram com a revolução Francesa. A burguesia foi revolucionária em sua fase de ascensão, quando se uniu às classes populares na sua luta contra o clero e a nobreza. Após chegar ao poder, em 1789, tornou-se reacionária e conservadora. Contudo, os ideais de liberdade e igualdade Perante a lei tornaram-se valores de nossa sociedade. Cada indivíduo tem o direito, com seu próprio esforço,livremente e sob a lei, de buscar sua auto-realização, por meio da
  4. 4.  Pedagogia Tradicional: centrada no intelecto, na transmissão do conteúdo e na pessoa do professor;  Pedagogia renovada ou escolanovista: centrada nos sentimentos, na individualidade;  Pedagogia tecnicista: centrada na exarcebação dos meios técnicos de transmissão e apreensão dos conteúdos e no rendimento.
  5. 5.  Todas essa traduções daquele modelo social tentam produzir, sem conseguir, a equalização social, valor intrínseco à nossa sociedade. Mas a equalização social só poderia ocorrer num outro modelo social. Portanto, essas três pedagogias não podem propor nem exercitar tentativas de transformação. A culpa é dos pobres !!!!
  6. 6. No seio da prática social conservadora, foi-se formulando uma nova pedagogia, em que igualdade entre os homens e sua liberdade se traduzissem em concretude histórica. A Pedagogia libertadora fundada por Paulo Freire. A Pedagogia Libertadora é marcada pela ideia de que a emancipação das camadas populares se dá em um processo de conscientização cultural e político, além dos muros da escola.
  7. 7. A Pedagogia Libertária é centrada na ideia de que a escola deve ser um instrumento de conscientização e organização política dos educandos. A Pedagogia dos conteúdos socioculturais, representada pelo grupo do professor Dermeval Saviani. Essa é centrada na ideia de igualdade de oprtunidades para todos no processo de educação, e na compreensão de que a prática educacional se faz pela assimilação dos conteúdos de conhecimentos sistematizados pela humanidade, no contexto de uma prática social. O primeiro grupo de pedagogias tem por objetivo a domestificação. O segundo, a
  8. 8.  Conceito:  Avaliação é um juízo de valor, uma afirmação qualitativa sobre um objeto, a partir de critérios pré-estabelecidos.  Esse julgamento se faz com base nos caracteres relevantes da realidade do objeto avaliado. Portanto, apesar de qualitativo, o julgamento não será inteiramente subjetivo.  A avaliação conduz, ainda, a uma tomada de decisão ou de posição sobre o objeto avaliado(um posicionamento de “não indiferença”).  Esses elementos, compõem a compreensão constitutiva da avaliação que, na prática escolar, dá-se sob o arbítrio da autoridade pedagógica.
  9. 9.  A atual prática da avaliação estipulou, como função do ato de avaliar, a classificação e não o diagnóstico, como deveria ser.  Ou seja, o juízo de valor, que teria a função de possibilitar uma nova tomada de decisão, passa a ter função estática de classificar um ser humano histórico num padrão definitivamente determinado, estigmatizado.  O ato de avaliar deixa, assim, de servir como pausa para pensar a prática pedagógica, constituindo-se num instrumento estático, freador do crescimento e autoritário.
  10. 10. - Nas mãos do professor, avaliação passou a desempenhar também o papel disciplinador de condutas sociais, bem como uma forma de enquadrar os alunos dentro da normatividades sociais estabelecidas. - Temos, portanto a dependência psicológica do professor, definindo o que é relevante ou não.
  11. 11.  Para romper com esse estado de coisas, é preciso romper com o modelo de sociedade e com a pedagogia que o traduz.  Resgatar o significado dialógico da avaliação não significa exigir menos!!!!!
  12. 12.  A visão culposa do erro, na escola, tem conduzido ao uso permanente do castigo como forma de correção, tomando a valiação como suporte de decisão. No entanto, uma visão sadia do erro possibilita sua utilização de forma construtiva.
  13. 13.  Vamos Lembrar!Brasil!  No sul, era comum os professores baterem com régua nos alunos;  No nordeste a palmatória era comum;  Com o passar do tempo os castigos foram perdendo o caráter de agressão física e tornando- se mais sutis, mas não desprovidos de violência.
  14. 14. Muitos alunos internalizam a submissão !!!
  15. 15. A prática do castigo decorre de uma concepção de que as condutas de um sujeito que não correspondem a um determinado padrão preestabelecido merecem ser castigadas, a fim de que ele não repita o erro e aprenda a conduta correta. A culpa está na raiz do castigo, sendo o erro sempre fonte de condenação.
  16. 16.  A solução insatisfatória de um problema só pode ser considerada um erro quando se tem uma forma correta de resolve-los. Sem padrão não há erro. No caso da atividade escolar pode ocorrer o erro na manifestação da conduta aprendida, uma vez que já se tenha o padrão dos conhecimentos e habilidades a serem aprendidas
  17. 17.  Experiência é o nome que todo mundo dá aos próprios erros. Oscar Wilde  O importante é a lembrança dos erros, que nos permite não cometer sempre os mesmos. O verdadeiro tesouro do homem é o tesouro dos seus erros, a larga experiência... José Ortega y Gasset  O fato de não se chegar à uma solução bem- sucedida indica um novo passo a ser dado. Ela deve ser usada positivamente na busca pela solução pretendida.  Se houver castigo, não há reorientação!
  18. 18.  A avaliação não deveria servir de fonte de decisão sobre o castigo- instrumento de ameaça e disciplinamento da personalidade dos educandos-, mas de decisão sobre os caminhos do crescimento sadio e feliz.
  19. 19. -Democratização do ensino implica, antes de tudo, democratização do acesso a educação escolar. Uma necessidade da vida urbana(Coversar sobre lazer, cultura e economia); -Permanência; -Qualidade. (Refletir se as práticas de avaliação tem contribuído para esse fatores)
  20. 20.  Após um período de aulas e exercícios, denominado unidade de ensino, os professores formulam testes, para utilizar como mecanismo pelo qual o professor solicita aos alunos a manifestação das condutas.  O professor formula o seu instrumento de valiação a partir de algumas variáveis: conteúdos efetivamente ensinados, conteúdos que o professor não ensinou, testes mais difíceis, indisciplina e uma certa “patologia magisterial”, que afirma que o professor não pode aprovar todos os alunos.
  21. 21.  Entende-se por avaliação um juízo de qualidade sobre dados relevantes, tendo em vista uma tomada de decisão.  Alguns professores julgam ao bel-prazer do seu estado de humor.  Assim o processo de avaliação torna-se meramente classificatório, impedindo o avanço dos alunos.  A PRÁTICA CLASSIFICATÓRIA É ANTIDEMOCRÁTICA!!!!
  22. 22.  A avaliação deverá ser assumida como um “instrumento de compreensão do estágio de aprendizagem em que está o aluno, tendo em vista tomar decisões satisfatórias para que possa avançar em seu processo de aprendizagem”.  A avaliação deve ser instrumento auxiliar da aprendizagem e não instrumento de reprovação ou aprovação.
  23. 23.  O processo de verificação se configura pela observação, análise e síntese dos dados que delimitam o objeto. A verificação se encerra no momento em que se chega à conclusão de que determinado objeto tem determinada configuração.  O ato de avaliar implica coleta, análise e síntese dos dados; é acrescido de uma atribuição de valor ou qualidade, que se processa a partir da comparação da configuração do objeto avaliado com um determinado padrão de qualidade previamente estabelecida. Ela ultrapassa a configuração do objeto, exigindo decisão sobre ele.  Verificação congela, avaliação direciona numa trilha din^miva de ação.
  24. 24.  A avaliação deve ser praticada como uma atribuição de qualidade aos resultados da aprendizagem.  Ao avaliar, o professor deverá: - coletar, analisar e sistematizar, de forma mais objetiva, as manifestações dos alunos; - Atribuir uma qualidade a essa manifestação da aprendizagem, a partir de um padrão preestabelecido pela comunidade escola; - A partir dessa qualificação, tomar uma decisão sobre as condutas docentes e discente a serem seguidas. Tendo em vista a reorientação imediata da aprendizagem, caso se mostre insatisfatória, e o encaminhamento dos alunos para as etapas subseqüentes.
  25. 25. FIM

×