SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS
UNIDADE CAMPANHA
A ESCRITA IDEOGRÁFICA
Alan Lucas, Daniela Nogueira,
Jaíne Silva, Michele Braz e Nara
Jerusa.
Prof.ª Dr.ª Carla Maria Nogueira
de Carvalho.
Campanha, março de 2017
2
Alan Lucas, Daniela Nogueira, Jaíne Silva, Michele Braz e Nara Jerusa.
A ESCRITA IDEOGRÁFICA
Seminário apresentado pelos
acadêmicos: Alan Lucas, Daniela
Nogueira, Jaíne Silva, Michele Braz
e Nara Jerusa como exigência da
disciplina Fundamentos da
Alfabetização e Letramento do
curso de Licenciatura em
Pedagogia da Universidade do
Estado de Minas Gerais, Unidade
Campanha sob a orientação da
Prof.ª Dr.ª Carla Maria Nogueira de
Carvalho.
Campanha, março de 2017
3
RESUMO
O presente trabalho busca desenvolver a parte histórica da escrita, suas
características, o seu funcionamento. Por volta de 3000 a.C. o Oriente Médio era
tomado por dois sistemas: a escrita ideográfica suméria, já em transformação e a
escrita emergente egípcia do tipo consonantal. A evolução da escrita suméria gerou o
sistema silábico e os dois sistemas permaneceram. Mantinham ainda o caráter
ideográfico para neutralizar as variações de pronúncia. Por outro lado, para uma maior
facilidade da escrita e leitura o aspecto gráfico da escrita sofreu fortes mudanças
tendendo à simplificação das mesmas.
Sendo assim a língua humana se organiza em dois planos: o do conteúdo
(significado) e da expressão (significante). O primeiro plano está relacionado ao
sentido das coisas e o segundo se relaciona ao som. As primeiras formas de escrita
surgiram no plano do conteúdo, as escritas pictórica e ideográfica. Embora seja muito
parecidas, o que difere a escrita ideográfica da pictórica é que a escrita ideográfica é
conceitual, enquanto a pictórica é icônica.
A escrita ideográfica consiste em um sistema de escrita que se manifesta
através de ideogramas como símbolos gráficos ou desenhos (signos pictóricos),
formando caracteres separados e representando objetos, ideias ou palavras
completas, associados aos sons com tais objetos ou ideias são nomeados no
respectivo idioma.
Nos últimos anos, a escrita ideográfica invadiu o mundo moderno, não só na
comunicação externa de avisos e de informações, como até mesmo nos jornais. Hoje,
ao lado de uma sinopse de um filme, aparecem figuras de rostos alegres, tristes ou
apenas sérios para mostrar uma avaliação sobre o valor do filme. Não poderia
escrever apenas bom, regular, ruim? Por que a preferência pela escrita ideográfica?
Certamente, isto tem a ver com facilidade e a rapidez de leitura que a escrita
ideográfica proporciona.
Palavras-chave: História da Escrita, Ideografia, Letramento, e Alfabetização.
4
SUMÁRIO
RESUMO...................................................................................................................... 3
INTRODUÇÃO.............................................................................................................. 5
História da Escrita......................................................................................................... 6
A invenção da Escrita Cuneiforme – as escritas ideográficas ....................................... 6
O sistema de escrita ideográfico................................................................................. 10
A Escrita Ideográfica................................................................................................... 11
O Funcionamento da Escrita Ideográfica .................................................................... 12
Carecterísticas da Escrita Ideográfica........................................................................ 12
Considerações Finais ................................................................................................ 14
Referências Bibliográficas ......................................................................................... 15
5
Introdução
A escrita, que surgiu nos últimos 30.000 dos 1.500.000 anos do homem na
terra não foi criada por uma só pessoa, mas sim uma atividade coletiva. Somente
depois, com os romanos é que surge a escrita. A língua oral veio muito antes da
escrita, que, marcando a formação das primeiras cidades, representa o início da
civilização. A escrita veio pela ideia de usar sinais gráficos para representar palavras e
não apenas objetos materiais do mundo.
Nesse ponto surge a distinção do desenho para com a escrita, sendo um a
referência aos seres do mundo e o outro as palavras, sons, ligados à linguagem oral.
Para representar os seres do mundo o desenho precisa ser figurativo, mas para
representar as palavras deve ser uma convenção que seja de conhecimento
compartilhado. A representação divide-se então em dois modos: o dos significados
das palavras e o dos sons das mesmas. São dois tipos básicos de escrita: a
ideográfica e a fonográfica, sendo que a segunda é representada pelas formas
convencionais, não figurativas e permite leitura fácil em diferentes línguas. Como os
sons das palavras variam de língua para língua, a escrita fonográfica só serve para
uma língua.
A língua humana se organiza em dois planos: o do conteúdo (também
chamado do significado) e da expressão (do significante). O plano do conteúdo está
relacionado ao sentido das coisas, enquanto o plano da expressão está ligado ao som.
Falar uma língua é precisamente esta capacidade de juntar o som e o sentido.
As primeiras formas de escrita surgiram no plano do conteúdo, as escritas
pictórica e ideográfica. Mais tarde, surgiram as escritas no plano da expressão, a
silábica e a alfabética. Embora sejam muito parecidas, o que difere a escrita
ideográfica da pictórica é que a escrita ideográfica é conceitual, enquanto a pictórica é
icônica. A escrita representada por desenhos evoluiu para escrita ideográfica, que
surgiu na Suméria entre 3.150 a.C. e 3.000 a.C.; esta escrita era representada por
sinais.
A escrita ideográfica caracteriza segunda fase do desenvolvimento da
linguagem escrita. Nesse tipo de grafia ocorria uma mistura entre desenhos e
símbolos. O desenho foi a forma que o homem primitivo encontrou para se comunicar,
e um desenho possuía vários significados. O sol poderia representar que o dia estava
ensolarado, mas também que estava dia ou ainda, brilhante.
O funcionamento da escrita ideográfica e dos outros sistemas de escrita se dá
no fato que a leitura é motivada, ou seja, “quem escreve, diferentemente, por exemplo,
de quem desenha, pede ao leitor que interprete o que está escrito, não pelo puro
prazer de fazê-lo, mas para realizar algo que a escrita indica” (CAGLIARI,1996, p.105).
Quando essa leitura não é motivada, ela passa a ser decifração dos símbolos
(ideogramas, palavras...).
Os ideogramas (símbolos gráficos utilizados no sistema de escrita ideográfico)
não devem ser apenas decifrados mecanicamente; o leitor deve chegar à motivação,
ou seja, interpretar o significado do que está escrito e enquadrar esses elementos no
seu mundo cultural e social.
Se esses símbolos não forem interpretados e relacionados à fala não serão
considerados uma forma de escrita. Por isso a importância da motivação. Motivação
essa que se originou no momento em que a escrita começou a ter como função
6
informar o leitor a respeito de alguma coisa, mas essa não é sua única função e nem
sempre a principal.
Atualmente ainda existem países que utilizam a escrita ideográfica em seu cotidiano
como, por exemplo, a China e o Japão. Os caracteres dessa podem significar letras,
palavras e até mesmo expressões.
História da Escrita
Embora haja um estudo fragmentado da escrita, isto é, um estudo atrelado às
classificações que procuram agrupar diferentes sistemas de escritas, conforme sua
natureza e o grau de seu desenvolvimento obtido por cada uma delas é preciso
estabelecer que tais classificações – mesmo sendo verdadeiramente úteis – devem
ser vistas com cautela. Somente trata-se de uma conveniência didática e não uma
divisão que demarque, de modo rígido e inalterável, as categorias da escrita.
Ao referirmos à escrita ideográfica, mais desenvolvida em relação à escrita
figurativa, capaz de transmitir abstrações, ideias e conceitos vinculados aos seus
respectivos objetos. O símbolo individual é denominado ideograma, muito semelhante
à escrita figurativa. É considerada uma escrita pura, encontrada entre os habitantes da
América do Norte e Central, da África, da Polinésia e da Austrália e Sibéria.
A invenção da Escrita Cuneiforme – as escritas ideográficas
A descoberta da escrita modifica a história de ALGUNS povos. O uso da escrita
pictográfica é passa a dar lugar a uma variação mais complexa: a escrita Ideográfica.
Segundo Ricardo Sérgio (2007).
Consiste num sistema de escrita que se manifesta através de "ideogramas":
símbolo gráfico ou desenho (signos pictóricos) formando caracteres separados e
representando objetos, ideias ou palavras completas, associados aos sons com que
tais objetos ou ideias são nomeados no respectivo idioma. (SÉRGIO, 2007)
A escrita ideográfica utiliza-se de desenhos como signos, ideogramas, que
indicam cada um uma ideia que se quer expressar, assim se você que dizer: O sol
nasce depois do vale, haverá um signo (desenho) ou conjunto deles para sol
nascente, outro para “depois” e um outro para vale. Em chinês tradicional essa frase
seria escrito dessa forma (GOOGLE TRADUTOR, 2017):
太陽升起後,從山谷
Tradução: Depois que o sol se levantou do vale
Onde 太陽升起 significa o Sol nasce. 後 significa depois, e finalmente 從山谷
significa do vale.
O nome vale sozinho significaria 谷. Observe que se trata de um signo,
símbolo, desenho que um dia deve ter sido semelhante ao desenho de um vale, forma
geográfica muito comum no Japão e na China.
A primeira escrita ideográfica conhecida, porém foi a Cuneiforme surgida na
Mesopotâmia e criada pelo povo Sumério. O cuneiforme é um tipo de escrita gravada
em blocos de argila frescos através de um instrumento em forma de cunha e que
depois eram cozidos para endurecer. Ela surgiu à primeira vez em um sitio
arqueológico de uma antiga cidade mesopotâmica chamada Uruk. Ali os arqueólogos
encontraram uma pequena tabua contendo inscrições de pequenos desenhos, signos
7
que transmitiam uma mensagem. Logo se descobriu outras tabuas com inscrições
semelhantes por todo o Iraque, pais onde se situa a antiga Mesopotâmia.
Figura 1: escrita cuneiforme em tabuleta de barro
Fonte: https://goo.gl/NKIstm
O Cuneiforme era uma forma ideográfica de escrita onde os sumérios criaram
uma serie de símbolos que se assemelhavam aos objetos que queriam representar,
assim o desenho de um sol representaria o próprio astro representado. Com o passar
do tempo e com o uso, os símbolos foram sofrendo modificações e se tornando cada
vez mais abstratos e simplificados. Como a os sumérios utilizavam a escrita
principalmente para transações comerciais às modificações podem sugerir a
necessidade de que a escrita torna-se mais rápida e prática. A figura a baixo mostra a
evolução de dois ideogramas cuneiformes ao longo do tempo.
Figura 2: Escrita pictográfica à cuneiforme  evolução da escrita
Fonte: https://goo.gl/G7w0jS
Mas além de modificações na forma como era representada a ideia, começou a
surgir uma forma silábica da escrita onde símbolos eram agrupados para formar
nomes próprios devido ao som semelhantes a estes nomes. Assim dois ou mais
símbolos que tinham na pronúncia som semelhante ao nome de alguém poderiam ser
agrupados para representar a própria pessoa.
Outra modificação surgiu na forma como eram feitas as gravações no barro.
Os primeiros ideogramas eram gravados em tabuletas de argila, em
sequências verticais de escrita com um estilete feito de cana que gravava traços
verticais, horizontais e oblíquos. Até então duas novidades tornaram o processo mais
rápido e fácil: as pessoas começaram a escrever em sequências horizontais
(rotacionando os ideogramas no processo), e um novo estilete em cunha inclinada
passou a ser usado para empurrar o barro, enquanto produzia sinais em forma de
8
cunha. Ajustando a posição relativa da tabuleta ao estilete, o escritor poderia usar uma
única ferramenta para fazer uma grande variedade de signos. (WIKIPÉDIA, 2017)
A pesa de ser uma criação suméria a escrita cuneiforme foi também utilizada
pelos povos “acadianos, babilônicos, elamitas, hititas e assírios e adaptada para
escrever em seus próprios idiomas” (idem, 2017).
Além das escritas Cuneiforme e Chinesa outras escritas surgiram e que
também apresentam a característica de serem ideográficas, entre eles os hieróglifos
egípcios e as escritas maia e asteca. Confira o quadro informativo baseado em dados
de a enciclopédia italiana.
Povo Escrita
Maias
Figura 3: Escrita Maia
“Quando os espanhóis aportaram na
península de Yucatán, descobriram
entre os maias inscrições que não
entenderam. (...) Seus sinais gráficos
tendiam para um completo e perfeito
sistema alfabético ou silábico. Sua
escrita era ideográfica (parecida com
a dos egípcios):os sinais
reproduziam ideias completas, não
apenas sons ou sílabas. Contudo,
junto aos ideogramas já começavam
a surgir os “determinativos”
(incluídos no próprio ideograma)”.
(ENCICLOPÉDIA CONHECER,
1972).
Astecas
Figura 4: escrita asteca
Possuíam “uma escrita parcialmente
fonética, embora predominantemente
ideográfica. Os astecas escreviam
sobre peles de cervo ou numa
espécie de papel fabricado com
fibras d agave; (...) Com a vinda dos
invasores espanhóis, porém, foi
destruída a maior parte desse
precioso acervo”.
“Os documentos são difíceis de
interpretar. Geralmente contem
desenhos de características próprias
e inconfundíveis, legendas e
comentários escritos pelo sistema
ideográfico, ideogramas que podem
ser lidos foneticamente. Além disso,
as cores representam papel de
grande importância: um desenho
reproduzindo um líquido escorrendo,
em vermelho, indica sangue, e em
azul, indica água. Para a
representação dos nomes próprios,
usavam o sistema fonético. O exame
9
detalhado dos documentos
recolhidos (os quais são conhecidos
por “códices”) revela as impressões
de um sistema que ensaiava os
passos intermediários na direção de
uma escrita perfeita. A invasão
espanhola frustrou a tentativa dos
ameríndios nesse sentido.”
(ENCICLOPÉDIA CONHECER,
1972).
Chineses
Figura 5: escrita chinesa
“enquanto nas línguas ocidentais o
alfabeto é formado por letras, com as
quais se compõe palavras, o chinês
possui sinais gráficos chamados
ideogramas. Ou seja, cada sinal
exprime uma ideia ou até uma frase
inteira. Existem aproximadamente 60
mil ideograma comuns que podem
ser combinados de milhões de
maneiras”. (ENCICLOPÉDIA
CONHECER, 1972).
Egípcios
Figura 6: Hieróglifos egípcios
“os sinais inspiravam-se na flora e na
fauna do país, bem como em
instrumentos de trabalho. A princípio
essa escrita não passava de motivos
gráficos desenhados artisticamente,
reproduzindo o real. Com o tempo,
porém, o mesmo desenho adquiriu
outros sentidos: simbólico
(designando abstrações: ações
efetuadas pelo objeto ou ideias que
evocava); fonético (representando
palavras de que o mesmo som
participasse); silábico (usando-se
objetos expressos por palavras de
uma sílaba para formar as
polissilábicas); e, por fim, e muito
mais tarde – alfabético (vinte e
quatro sinais passando a representar
letras)”.
(...)
“Os Hieróglifos (do grego, hieros =
sagrado, e glyphein ou graphein =
escrita) somente forma decifrados
nos começos do século XIX.”
(...)
10
O sistema de escrita ideográfico1
Caracterizado pela escrita em desenhos chamados ideogramas, que, ao longo
da história, foram perdendo alguns traços mais representativos das figuras retratadas
e tornaram-se, posteriormente, uma mera convenção da escrita.
Tal sistema é visto como o mais primitivo que o sistema de escrita fonográfico
por ser historicamente o primeiro a surgir, mas basta ver como exemplo, o caso da
língua chinesa que até os dias atuais utiliza esse sistema como forma escrita. É
possível vermos no dia-a-dia esse sistema de escrita em conjunto com o sistema
alfabético (as letras).
Por exemplo, quando observamos placas de trânsito, os números, os avisos
nas estações de metrô, nas rodoviárias, as indicações no banheiro. Tudo isso para
constatarmos que a ideia de escrita primitiva é errônea e preconceituosa. Ocorre que
em nossa cultura ocidental, a diferença entre a escrita ideográfica com a escrita com
as letras está no seu uso e na sua função.
Quanto aos avisos e placas de trânsito, é mais prático e funcional utilizar o
sistema ideográfico para tornar mais eficiente à percepção dos motoristas e também
dos pedestres.
Assim sendo, interpretação não precisa ser literal no sistema ideográfico, basta
a captação da ideia básica por parte do leitor daquilo que o escritor quer transmitir.
1
Sistema de escrita denominado por Diringer (1971, p. 24) como escrita analítica de transição,
incluindo as escritas as escritas analíticas do Médio Oriente antigo, como o cuneiforme dos
sumérios e o hieróglifo egípcio.
“Os hieróglifos escreviam-se vertical
e horizontalmente; neste último caso,
se os animais desenhados olhassem
à esquerda, a leitura deveria ser da
direita para a esquerda e vice-versa.
As palavras não eram separadas;
mas ao final de cada uma agregava-
se um sinal determinativo – como
síntese do termo”.
Figura 8: placa de trânsito
Fonte: https://goo.gl/zJLfFW
Figura 7: aviso
Fonte: https://goo.gl/j9Vpdh
11
As escritas ideográficas mais importantes são a da mesopotâmia (suméria), a
egípcia (também chamada de hieroglífica), as escritas da região do mar Egeu (escrita
de Creta) e a chinesa (de onde provém a escrita japonesa).
A Escrita Ideográfica
Os primeiros registros de escrita surgiram há cerca de 6000 anos, no Oriente
Médio. Muitas das escritas antigas tinham caráter pictográfico, sendo alguns exemplos
às inscrições em cavernas e parte dos hieróglifos do Egito Antigo. Apesar de ser muito
útil, esse tipo de escrita tinha as suas limitações; havia coisas que não podiam ser
desenhadas, como por exemplo, dor, alegria, medo, azul, quente, norte, etc. Assim, a
escrita pictográfica acabou evoluindo para outro tipo de escrita: a ideográfica.
Embora sejam muito parecidas, as escritas pictórica e ideográfica (também
chamada logográfica) se diferenciam uma da outra por ser uma de caráter icônico e
outra de caráter conceitual. Ou seja, enquanto na escrita ideográfica é preciso fazer
um desenho da coisa que se quer representar, na escrita ideográfica basta um
símbolo signifique a ideia da coisa, sem necessariamente ser parecido ou ter a forma
dela.
Assim, enquanto na escrita pictórica se representava, por exemplo, o Sol desta
forma:
Figura 9: Sol
Na escrita ideográfica, poderia ser representado desta maneira, como mostra
esse ideograma chinês:
Figura 10: Ideograma chinês – representando o Sol
Além disso, na escrita ideográfica um ideograma pode significar muito mais que
a própria coisa que se pretende representar, dependendo da forma em que é colocado
numa sequência. Por exemplo, o ideograma de sol pode significar também luz,
claridade, calor, dia, quente, e vários outros conceitos relacionados ao sol, ou seja, ao
conceito original. O problema deste tipo de escrita é a infinidade de conceitos a serem
representados, tornando-a de difícil aprendizado.
12
A escrita ideográfica é considerada uma escrita pura, encontrada entre
habitantes da América do Norte e Central, África, Polinésia, Austrália e Sibéria.
Embora se acredite que as escritas dos antigos mesopotâmicos, egípcios,
cretenses e hititas sejam ideográficas, na verdade se trata de uma escrita analítica de
transição, pois embora tenham começado ideográficas apresentavam também
elementos fonéticos, e ambos as formas conviviam de várias maneiras.
O Funcionamento da Escrita Ideográfica
A escrita ideográfica “Consiste num sistema de escrita que se manifesta
através de “ideogramas”: símbolo gráfico ou desenho (signos pictóricos) formando
caracteres separados e representando objetos, ideias ou palavras completas,
associados aos sons com que tais objetos ou ideias são nomeados no respectivo
idioma.” (SÉRGIO, 2007)
No início, a escrita traduzia somente ideias (imagens) e não sons. Entretanto,
para traduzir ideias abstratas, cuja transcrição gráfica era impossível, os chineses
recorreram aos símbolos (ideogramas) de objetos concretos, correspondente na língua
falada, a uma palavra com o mesmo som. Deste modo, introduziram elementos
fonéticos na escrita ideográfica. Os desenhos foram perdendo alguns traços da figura
retratada e tornaram uma simples convenção de escrita.
Os sistemas ideográficos em geral tiveram sua origem numa escrita pictórica,
cujas formas lembravam coisas do conhecimento do escritor e do leitor. Na própria
combinação de caracteres pictóricos surgiu a possibilidade de escrita motivada
foneticamente através desse mesmo processo, tornando a relação pictórica cada vez,
mais fraca, e a relação fonográfica cada vez mais forte. (CAGLIARI,1996)
Então, o caráter fonográfico da escrita ideográfica quando relacionado ao
nosso sistema de escrita, pode representar as sílabas. E quanto ao caráter semântico
que a escrita ideográfica tem, pode representar as palavras. A escrita ideográfica traz
significados mais abrangentes que os outros sistemas de escrita.
Figura 11: Ideogramas chineses – representando: Sonho, Tranquilidade e Vida.
Características escrita ideográfica
A escrita ideográfica é um sistema que se manifesta através de ideogramas,
símbolos gráficos ou desenhos (signos pictóricos) formando caracteres separados e
representando objetos, ideias ou palavras.
Alguns exemplos de escrita ideográfica, e uns dos primeiros sistemas de
escrita, são os caracteres chineses e japoneses. Os ideogramas são inscritos,
separadamente, num quadrado imaginário, dispostos em colunas e lidos de cima para
13
baixo a partir da direita. Na forma tradicional, os caracteres eram traçados a pincel. O
emprego da pena de escrever deu aos signos um aspecto anguloso.
No início a escrita traduzia somente ideia (imagens) e não sons. Entretanto,
para traduzir ideias abstratas, cuja transcrição gráfica era impossível, os chineses
recorreram aos símbolos (ideogramas) de objetos concretos, correspondente na língua
falada, a uma palavra com o mesmo som. Deste modo, introduziram elementos
fonéticos na escrita ideográfica.
Fica claro, que na escrita ideográfica, existe a necessidade de um vasto
número de diferentes símbolos. No período Shang (1766-1122 a.C.) havia cerca de
2.500; hoje em dia há aproximadamente 50 mil. Isto torna a escrita muito difícil de ser
aprendida. No entanto, apresenta uma vantagem significativa: a escrita pode ser lida
independentemente da língua falada. Na China, com uma população falando
diferentes dialetos, este recurso mostrou-se de grande valia.
Devido à resistência prolongada da China e Japão a influências externas, as
escritas chinesa e japonesa alteram-se muito pouco na sua essência. Desde que
foram desenvolvidas nunca evoluíram para outra forma de escrita, permanecendo não
alfabéticas até hoje.
Em nossa escrita, usamos alguns símbolos ideográficos. O caso mais notável é
a nossa representação dos números: [0] lê-se zero, [1] lê se um, [2] lê-se dois e assim
por diante. Observe que com apenas um sinal gráfico representamos uma palavra
inteira que nos dá uma ideia completa.
As abreviaturas de nossa ortografia também podem ser consideradas
símbolos ideográficos: [a.C.] lê-se antes de Cristo. / [V.S.a] lê-se Vossa Senhoria –
[Adv.] lê-se advogado. Note que abreviatura pode representar uma palavra ou uma
locução. Nesse caso, o somatório de letras da abreviatura é que compõe o símbolo
ideográfico.
Figura 12: Escrita Ideográfica
Fonte: https://goo.gl/VPsnFQ
14
Considerações Finais
O desenvolvimento do processo de comunicação surgiu em momentos
diferentes. A junção da escrita, da imagem e da fala ampliou a possibilidade de
comunicação social. A comunicação faz a sociedade circular com informações e ideias
a partir da língua falada e da escrita.
A imagem foi o primeiro manifesto de representação de um objeto pelo homem.
O desejo de obtenção em alguma coisa – objeto, alimento, conhecimento – fez com
que o desejo fosse revelado, no caso, a imagem representativa de algo. A
autenticidade da criação da imagem mostrava a revelação de um desejo exato de uma
pessoa representante de um grupo. Com o desenvolvimento de técnicas, passou a ser
a tradução de uma ideia.
A fala é uma extensão do corpo humano. A necessidade de tradução e troca de
experiência se fez necessária para a sobrevivência. Os sentidos do corpo humano
ajudam nesta tradução junto com a visão, o tato, o paladar, o olfato e a audição. Com
todos os sentidos, a necessidade de sobrevivência se sobressaiu e se tornou forte.
Juntamente com outros corpos humanos, a sobrevivência fez com a sociedade se
conhecesse, o meio onde a aquela “tribo” vive. Assim, cada “tribo” tem seu jeito de
agir, de expressar e sentir. Com o alfabeto fonético, a sociedade permite o bom
convívio entre si de acordo com leis escritas. O alfabeto foi inserido na civilização
como parte do tempo.
A escrita ideográfica nasceu na Mesopotâmia. Na fase inicial de
desenvolvimento, a imagem representava um objeto. O pictograma se tornou uma
representação de combinação de imagens para se referir a uma palavra. Com
estímulo social e comercial, a escrita se juntou com a fala.
Com a junção, o alfabeto grego formou uma ligação entre o cérebro com os
sons produzidos pela língua, de forma que o leitor entenda seu significado.
O sistema alfabético transformou a língua independente da escrita e obteve
influência política, social e técnica.
A primeira finalidade é a de manter informações, logo, era usada para contar
bens materiais e comerciais. Assim que usada para se comunicar, se tornou uma
técnica de troca e circulação de ideias e informações.
A comunicação foi desenvolvida em momentos diferentes. Com a sua junção,
permitiu a comunicação da sociedade em si junto com outras. Cada sociedade
desenvolveu sua forma de fala e escrita. Com permissão de comunicação tecnologia,
é possível a tradução de uma língua para outra.
Assim que a técnica foi dominada, surgiu o texto como forma de leitura. Como
meio de comunicação, ajudou a formar a caligrafia. As crianças usam o desenho como
forma de contar uma longa história ainda que não saibam escrever com letras. E
essas vivências devem ser aproveitadas pelo professor para observar as marcas
individuais de cada um e refletir com seus alunos as múltiplas possibilidades de
escrita, aproveitando para diferenciar a fala, a escrita e o desenho e esclarecer a
importância de cada um.
15
Bibliografia
BATELLI, Flavia Macedo. Imagem, escrita e fala: primórdios da comunicação na
sociedade. 2011.
CAGLIARI, Luís Carlos. A escrita no século XXI (ou talvez, além disso). Disponível
em: <http://www.unicamp.br/iel/memoria/projetos/ensaios/ensaio28.html> acessos em
23 mar 2017.
___________________. A origem do alfabeto. Paulistana, São Paulo, 2009, 108.
___________________. Alfabetização & Linguística. Scipione, São Paulo, 1994.
CALENDÁRIOS dos mais e astecas. In: Enciclopédia Conhecer. Vol. II, pg. 314.
Editora Abril Cultural. São Paulo (1972).
DA SILVA, Marcelo. Da escrita ideográfica aos emoticons: um estudo à luz da
historiografia linguística. 2011.
DE CASTRO GOMES, Eduardo. A escrita na História da humanidade.
DE LIMA DANTAS, Márcio; DE AMORIM, Francisco Freire. Fenollosa: da exegese
do ideograma às vanguardas. Revista Texto Poético, 2013, 14.14.
DE OLIVEIRA, Marco Antônio. Conhecimento lingüístico e apropriação do sistema
de escrita. 2005.
DO CARMO XAVIER, Gláucia. Significante e significado no processo de
alfabetização e letramento: contribuições de Saussure. Cadernos CESPUC de
Pesquisa, 2015, 1.25: 87-102.
FÁTIMA, Alice. Aspectos culturais do uso do desenho reproduzido no processo
de alfabetização. 2012.
FERNANDES, Priscila Dantas; DE OLIVEIRA, Kecia Karine Santos. Reflexões Sobre
A Escrita A Partir De Textos Produzidos Por Crianças Em Fase De Alfabetização.
GOOGLE tradutor. Disponível em: <http://translate.google.com.br/.> acessos em 25
de mar 2017.
HAUTRIVE, Giovana Medianeira Fracari; DE SOUZA, Edna Márcia. A escrita da
língua de sinais como meio natural para a alfabetização de crianças surdas.
Revista Educação Especial, 2010, 23.37: 181-194.
LEAL, Pedro Germano. O espelho dos hieróglifos: da ruína das letras egípcias à
sua reinvenção quimérica entre os séc. XV e XVII, 2008. 206 f.
MARUYAMA, Monica Lie. A aprendizagem do desenho e da escrita: uma
experiência com ideogramas japoneses no ensino fundamental. 2015.
MEYER-MINNEMANN, Klaus. Formas de escritura ideográfica en Li-Toy otros
poemas de José Juan Tablad. Nueva revista de filología hispánica, 1988, 36.1: 433-
453.
MIGLIARI, Mirella De Menezes. Do iconograma ao símbolo arbitrário: a evolução
da escrita e a Matriz Visual. Arcos Design, 2011, 6: 2-13.
16
SCLIAR-CABRAL, Leonor. Processos metonímicos na evolução do alfabeto.
Revista da ABRALIN, João Pessoa, 2007, 6.2: 23-39.
SÉRGIO, Ricardo. Os Sistemas de Escritas. Disponível em:
<http://www.recantodasletras.com.br/gramatica/370335>. acessos em 23 mar 2017.
SOUSA, Rogério. Os hieróglifos: a escrita da vida. E-fabulations: e-journal of
children's literature = E-fabulações: revista electrónica de literatura infantil, vol. 10, p.
19-24, 2013.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

FICHA DE ACOMPANHAMENTO NÍVEIS DE HIPÓTESE DE ESCRITA E LEITURA.docx
FICHA DE ACOMPANHAMENTO NÍVEIS DE HIPÓTESE DE ESCRITA E LEITURA.docxFICHA DE ACOMPANHAMENTO NÍVEIS DE HIPÓTESE DE ESCRITA E LEITURA.docx
FICHA DE ACOMPANHAMENTO NÍVEIS DE HIPÓTESE DE ESCRITA E LEITURA.docxvaniamorandi1
 
Plano de ensino religião
Plano de ensino  religiãoPlano de ensino  religião
Plano de ensino religiãosimonclark
 
Territórios educativos para a educação integral
Territórios educativos para a educação integralTerritórios educativos para a educação integral
Territórios educativos para a educação integralEducacaoIntegralPTC
 
Universo Simbólico Religioso
Universo Simbólico ReligiosoUniverso Simbólico Religioso
Universo Simbólico ReligiosoGabriela Almeida
 
Planejamento 3º ano ( 2ª série )
Planejamento   3º ano ( 2ª série )Planejamento   3º ano ( 2ª série )
Planejamento 3º ano ( 2ª série )silvinha331
 
CURRICULO EJA 3ª E 4ª ETAPA 2023.pdf
CURRICULO EJA 3ª E 4ª ETAPA 2023.pdfCURRICULO EJA 3ª E 4ª ETAPA 2023.pdf
CURRICULO EJA 3ª E 4ª ETAPA 2023.pdfGleici Licá
 
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃOINSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃOEdlauva Santos
 
Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento Adriana Pereira
 
ATIVIDADES religiao 6 ano.pdf
ATIVIDADES religiao 6 ano.pdfATIVIDADES religiao 6 ano.pdf
ATIVIDADES religiao 6 ano.pdfGilmarVasconcelos
 
Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.
Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.
Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.dilaina maria araujo maria
 
JOGOS PARA TRABALHAR OS NÍVEIS DE LEITURA E ESCRITA
JOGOS PARA TRABALHAR OS NÍVEIS DE LEITURA E ESCRITAJOGOS PARA TRABALHAR OS NÍVEIS DE LEITURA E ESCRITA
JOGOS PARA TRABALHAR OS NÍVEIS DE LEITURA E ESCRITAFabiana Lopes
 
Plano de habilidades e competências, ensino religioso
Plano de habilidades e competências, ensino religiosoPlano de habilidades e competências, ensino religioso
Plano de habilidades e competências, ensino religiosopibiduergsmontenegro
 

Mais procurados (20)

FICHA DE ACOMPANHAMENTO NÍVEIS DE HIPÓTESE DE ESCRITA E LEITURA.docx
FICHA DE ACOMPANHAMENTO NÍVEIS DE HIPÓTESE DE ESCRITA E LEITURA.docxFICHA DE ACOMPANHAMENTO NÍVEIS DE HIPÓTESE DE ESCRITA E LEITURA.docx
FICHA DE ACOMPANHAMENTO NÍVEIS DE HIPÓTESE DE ESCRITA E LEITURA.docx
 
Atividades inclusão (1)
Atividades  inclusão (1)Atividades  inclusão (1)
Atividades inclusão (1)
 
Plano de ensino religião
Plano de ensino  religiãoPlano de ensino  religião
Plano de ensino religião
 
Territórios educativos para a educação integral
Territórios educativos para a educação integralTerritórios educativos para a educação integral
Territórios educativos para a educação integral
 
Universo Simbólico Religioso
Universo Simbólico ReligiosoUniverso Simbólico Religioso
Universo Simbólico Religioso
 
Classificadores em Libras
Classificadores em LibrasClassificadores em Libras
Classificadores em Libras
 
Apresentação literatura surda
Apresentação literatura surdaApresentação literatura surda
Apresentação literatura surda
 
Planejamento 3º ano ( 2ª série )
Planejamento   3º ano ( 2ª série )Planejamento   3º ano ( 2ª série )
Planejamento 3º ano ( 2ª série )
 
CURRICULO EJA 3ª E 4ª ETAPA 2023.pdf
CURRICULO EJA 3ª E 4ª ETAPA 2023.pdfCURRICULO EJA 3ª E 4ª ETAPA 2023.pdf
CURRICULO EJA 3ª E 4ª ETAPA 2023.pdf
 
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃOINSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
 
Geografia 1º ano
Geografia 1º anoGeografia 1º ano
Geografia 1º ano
 
Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento
 
ATIVIDADES religiao 6 ano.pdf
ATIVIDADES religiao 6 ano.pdfATIVIDADES religiao 6 ano.pdf
ATIVIDADES religiao 6 ano.pdf
 
Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.
Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.
Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.
 
JOGOS PARA TRABALHAR OS NÍVEIS DE LEITURA E ESCRITA
JOGOS PARA TRABALHAR OS NÍVEIS DE LEITURA E ESCRITAJOGOS PARA TRABALHAR OS NÍVEIS DE LEITURA E ESCRITA
JOGOS PARA TRABALHAR OS NÍVEIS DE LEITURA E ESCRITA
 
Contos de Fadas em libras.pdf
Contos de Fadas em libras.pdfContos de Fadas em libras.pdf
Contos de Fadas em libras.pdf
 
Prova 7ano ensino religioso 2b pet 2
Prova 7ano ensino religioso 2b pet 2Prova 7ano ensino religioso 2b pet 2
Prova 7ano ensino religioso 2b pet 2
 
Plano de habilidades e competências, ensino religioso
Plano de habilidades e competências, ensino religiosoPlano de habilidades e competências, ensino religioso
Plano de habilidades e competências, ensino religioso
 
Relatório
RelatórioRelatório
Relatório
 
Plano de Aula de Artes.docx
Plano de Aula de Artes.docxPlano de Aula de Artes.docx
Plano de Aula de Artes.docx
 

Semelhante a Fundamentos da Alfabetização e Letramento | A Escrita Ideográfica

Artigo estágio da escrita infantil por simone helen drumond
Artigo estágio da escrita infantil por simone helen drumondArtigo estágio da escrita infantil por simone helen drumond
Artigo estágio da escrita infantil por simone helen drumondSimoneHelenDrumond
 
A aprendizagem da leitura e da escrita
A aprendizagem da leitura e da escritaA aprendizagem da leitura e da escrita
A aprendizagem da leitura e da escritaVando Marinho
 
INTRODUÇÃO À ALFABETIZAÇÃO INFANTIL.pdf
INTRODUÇÃO À ALFABETIZAÇÃO INFANTIL.pdfINTRODUÇÃO À ALFABETIZAÇÃO INFANTIL.pdf
INTRODUÇÃO À ALFABETIZAÇÃO INFANTIL.pdfAndrea491870
 
A Arte De Escrever 21616
A Arte De Escrever 21616A Arte De Escrever 21616
A Arte De Escrever 21616fatimamarrocos
 
A Arte de Escrever
A Arte de EscreverA Arte de Escrever
A Arte de Escreverkobe_2B
 
Comunicação e semiótica
Comunicação e semióticaComunicação e semiótica
Comunicação e semióticajepireslima
 
Curso introdução à alfabetização infantil
Curso introdução à alfabetização infantilCurso introdução à alfabetização infantil
Curso introdução à alfabetização infantilVanesa Silva
 
Unidade 3 meu
Unidade 3 meuUnidade 3 meu
Unidade 3 meuRosilane
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoLianeMagnolia
 
A importância da invasão da escrita
A importância da invasão da escrita A importância da invasão da escrita
A importância da invasão da escrita Paulo Martins
 
Gêneros presencial 1 dia
Gêneros presencial 1 diaGêneros presencial 1 dia
Gêneros presencial 1 diamgmegrupodois
 

Semelhante a Fundamentos da Alfabetização e Letramento | A Escrita Ideográfica (20)

Linguagem e alfabetização
Linguagem e alfabetizaçãoLinguagem e alfabetização
Linguagem e alfabetização
 
Artigo estágio da escrita infantil por simone helen drumond
Artigo estágio da escrita infantil por simone helen drumondArtigo estágio da escrita infantil por simone helen drumond
Artigo estágio da escrita infantil por simone helen drumond
 
A aprendizagem da leitura e da escrita
A aprendizagem da leitura e da escritaA aprendizagem da leitura e da escrita
A aprendizagem da leitura e da escrita
 
INTRODUÇÃO À ALFABETIZAÇÃO INFANTIL.pdf
INTRODUÇÃO À ALFABETIZAÇÃO INFANTIL.pdfINTRODUÇÃO À ALFABETIZAÇÃO INFANTIL.pdf
INTRODUÇÃO À ALFABETIZAÇÃO INFANTIL.pdf
 
A Arte De Escrever 21616
A Arte De Escrever 21616A Arte De Escrever 21616
A Arte De Escrever 21616
 
A Arte de Escrever
A Arte de EscreverA Arte de Escrever
A Arte de Escrever
 
A escrita
A escritaA escrita
A escrita
 
Linguagem e pensamento.pptx
Linguagem e pensamento.pptxLinguagem e pensamento.pptx
Linguagem e pensamento.pptx
 
Comunicação e semiótica
Comunicação e semióticaComunicação e semiótica
Comunicação e semiótica
 
Curso introdução à alfabetização infantil
Curso introdução à alfabetização infantilCurso introdução à alfabetização infantil
Curso introdução à alfabetização infantil
 
Unidade 3 meu
Unidade 3 meuUnidade 3 meu
Unidade 3 meu
 
Apostila português-2014-patrícia
Apostila português-2014-patríciaApostila português-2014-patrícia
Apostila português-2014-patrícia
 
Tp3
Tp3Tp3
Tp3
 
Tp3
Tp3Tp3
Tp3
 
Comunicação Aplicada B1
Comunicação Aplicada B1Comunicação Aplicada B1
Comunicação Aplicada B1
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
 
A importância da invasão da escrita
A importância da invasão da escrita A importância da invasão da escrita
A importância da invasão da escrita
 
Linguagem
LinguagemLinguagem
Linguagem
 
Gêneros presencial 1 dia
Gêneros presencial 1 diaGêneros presencial 1 dia
Gêneros presencial 1 dia
 
Psicogênese da língua escrita
Psicogênese da língua escrita Psicogênese da língua escrita
Psicogênese da língua escrita
 

Mais de LIMA, Alan Lucas de

SUPERDOTADOS: A História e Exclusão, os Conceitos, Características e Interven...
SUPERDOTADOS: A História e Exclusão, os Conceitos, Características e Interven...SUPERDOTADOS: A História e Exclusão, os Conceitos, Características e Interven...
SUPERDOTADOS: A História e Exclusão, os Conceitos, Características e Interven...LIMA, Alan Lucas de
 
Diversidade de Gênero na Gestão Escolar
Diversidade de Gênero na Gestão EscolarDiversidade de Gênero na Gestão Escolar
Diversidade de Gênero na Gestão EscolarLIMA, Alan Lucas de
 
Grêmio Estudantil na Gestão Escolar
Grêmio Estudantil na Gestão EscolarGrêmio Estudantil na Gestão Escolar
Grêmio Estudantil na Gestão EscolarLIMA, Alan Lucas de
 
PROCESSO DE CRIAÇÃO DAS PRIMEIRAS CRECHES BRASILEIRAS
PROCESSO DE CRIAÇÃO DAS PRIMEIRAS CRECHES BRASILEIRASPROCESSO DE CRIAÇÃO DAS PRIMEIRAS CRECHES BRASILEIRAS
PROCESSO DE CRIAÇÃO DAS PRIMEIRAS CRECHES BRASILEIRASLIMA, Alan Lucas de
 
SOCIOLOGIA E EDUCAÇÃO - CULTURA E SOCIEDADE
 SOCIOLOGIA E EDUCAÇÃO - CULTURA E SOCIEDADE SOCIOLOGIA E EDUCAÇÃO - CULTURA E SOCIEDADE
SOCIOLOGIA E EDUCAÇÃO - CULTURA E SOCIEDADELIMA, Alan Lucas de
 
PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E EDUCAÇÃO - HENRI WALLON: NATURALIDADE, PERÍOD...
PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E EDUCAÇÃO - HENRI WALLON: NATURALIDADE, PERÍOD...PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E EDUCAÇÃO - HENRI WALLON: NATURALIDADE, PERÍOD...
PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E EDUCAÇÃO - HENRI WALLON: NATURALIDADE, PERÍOD...LIMA, Alan Lucas de
 
FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL - ARTES PARA O PÚBLICO INFANTIL
FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL - ARTES PARA O PÚBLICO INFANTILFUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL - ARTES PARA O PÚBLICO INFANTIL
FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL - ARTES PARA O PÚBLICO INFANTILLIMA, Alan Lucas de
 
A EDUCAÇÃO REFORMA PROTESTANTE
A EDUCAÇÃO REFORMA PROTESTANTEA EDUCAÇÃO REFORMA PROTESTANTE
A EDUCAÇÃO REFORMA PROTESTANTELIMA, Alan Lucas de
 
SOCIOLOGIA E EDUCAÇÃO - CULTURA E SOCIEDADE
SOCIOLOGIA E EDUCAÇÃO - CULTURA E SOCIEDADESOCIOLOGIA E EDUCAÇÃO - CULTURA E SOCIEDADE
SOCIOLOGIA E EDUCAÇÃO - CULTURA E SOCIEDADELIMA, Alan Lucas de
 

Mais de LIMA, Alan Lucas de (12)

SUPERDOTADOS: A História e Exclusão, os Conceitos, Características e Interven...
SUPERDOTADOS: A História e Exclusão, os Conceitos, Características e Interven...SUPERDOTADOS: A História e Exclusão, os Conceitos, Características e Interven...
SUPERDOTADOS: A História e Exclusão, os Conceitos, Características e Interven...
 
Diversidade de Gênero na Gestão Escolar
Diversidade de Gênero na Gestão EscolarDiversidade de Gênero na Gestão Escolar
Diversidade de Gênero na Gestão Escolar
 
Grêmio Estudantil na Gestão Escolar
Grêmio Estudantil na Gestão EscolarGrêmio Estudantil na Gestão Escolar
Grêmio Estudantil na Gestão Escolar
 
MEMÓRIA: TIPOS E MECANISMOS
MEMÓRIA: TIPOS E MECANISMOSMEMÓRIA: TIPOS E MECANISMOS
MEMÓRIA: TIPOS E MECANISMOS
 
PROCESSO DE CRIAÇÃO DAS PRIMEIRAS CRECHES BRASILEIRAS
PROCESSO DE CRIAÇÃO DAS PRIMEIRAS CRECHES BRASILEIRASPROCESSO DE CRIAÇÃO DAS PRIMEIRAS CRECHES BRASILEIRAS
PROCESSO DE CRIAÇÃO DAS PRIMEIRAS CRECHES BRASILEIRAS
 
SOCIOLOGIA E EDUCAÇÃO - CULTURA E SOCIEDADE
 SOCIOLOGIA E EDUCAÇÃO - CULTURA E SOCIEDADE SOCIOLOGIA E EDUCAÇÃO - CULTURA E SOCIEDADE
SOCIOLOGIA E EDUCAÇÃO - CULTURA E SOCIEDADE
 
PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E EDUCAÇÃO - HENRI WALLON: NATURALIDADE, PERÍOD...
PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E EDUCAÇÃO - HENRI WALLON: NATURALIDADE, PERÍOD...PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E EDUCAÇÃO - HENRI WALLON: NATURALIDADE, PERÍOD...
PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E EDUCAÇÃO - HENRI WALLON: NATURALIDADE, PERÍOD...
 
FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL - ARTES PARA O PÚBLICO INFANTIL
FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL - ARTES PARA O PÚBLICO INFANTILFUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL - ARTES PARA O PÚBLICO INFANTIL
FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL - ARTES PARA O PÚBLICO INFANTIL
 
A EDUCAÇÃO REFORMA PROTESTANTE
A EDUCAÇÃO REFORMA PROTESTANTEA EDUCAÇÃO REFORMA PROTESTANTE
A EDUCAÇÃO REFORMA PROTESTANTE
 
MEMÓRIA: TIPO E MECANISMO
MEMÓRIA: TIPO E MECANISMOMEMÓRIA: TIPO E MECANISMO
MEMÓRIA: TIPO E MECANISMO
 
SOCIOLOGIA E EDUCAÇÃO - CULTURA E SOCIEDADE
SOCIOLOGIA E EDUCAÇÃO - CULTURA E SOCIEDADESOCIOLOGIA E EDUCAÇÃO - CULTURA E SOCIEDADE
SOCIOLOGIA E EDUCAÇÃO - CULTURA E SOCIEDADE
 
HENRI WALLON
HENRI WALLONHENRI WALLON
HENRI WALLON
 

Último

Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzAlexandrePereira818171
 

Último (20)

Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
 

Fundamentos da Alfabetização e Letramento | A Escrita Ideográfica

  • 1. UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS UNIDADE CAMPANHA A ESCRITA IDEOGRÁFICA Alan Lucas, Daniela Nogueira, Jaíne Silva, Michele Braz e Nara Jerusa. Prof.ª Dr.ª Carla Maria Nogueira de Carvalho. Campanha, março de 2017
  • 2. 2 Alan Lucas, Daniela Nogueira, Jaíne Silva, Michele Braz e Nara Jerusa. A ESCRITA IDEOGRÁFICA Seminário apresentado pelos acadêmicos: Alan Lucas, Daniela Nogueira, Jaíne Silva, Michele Braz e Nara Jerusa como exigência da disciplina Fundamentos da Alfabetização e Letramento do curso de Licenciatura em Pedagogia da Universidade do Estado de Minas Gerais, Unidade Campanha sob a orientação da Prof.ª Dr.ª Carla Maria Nogueira de Carvalho. Campanha, março de 2017
  • 3. 3 RESUMO O presente trabalho busca desenvolver a parte histórica da escrita, suas características, o seu funcionamento. Por volta de 3000 a.C. o Oriente Médio era tomado por dois sistemas: a escrita ideográfica suméria, já em transformação e a escrita emergente egípcia do tipo consonantal. A evolução da escrita suméria gerou o sistema silábico e os dois sistemas permaneceram. Mantinham ainda o caráter ideográfico para neutralizar as variações de pronúncia. Por outro lado, para uma maior facilidade da escrita e leitura o aspecto gráfico da escrita sofreu fortes mudanças tendendo à simplificação das mesmas. Sendo assim a língua humana se organiza em dois planos: o do conteúdo (significado) e da expressão (significante). O primeiro plano está relacionado ao sentido das coisas e o segundo se relaciona ao som. As primeiras formas de escrita surgiram no plano do conteúdo, as escritas pictórica e ideográfica. Embora seja muito parecidas, o que difere a escrita ideográfica da pictórica é que a escrita ideográfica é conceitual, enquanto a pictórica é icônica. A escrita ideográfica consiste em um sistema de escrita que se manifesta através de ideogramas como símbolos gráficos ou desenhos (signos pictóricos), formando caracteres separados e representando objetos, ideias ou palavras completas, associados aos sons com tais objetos ou ideias são nomeados no respectivo idioma. Nos últimos anos, a escrita ideográfica invadiu o mundo moderno, não só na comunicação externa de avisos e de informações, como até mesmo nos jornais. Hoje, ao lado de uma sinopse de um filme, aparecem figuras de rostos alegres, tristes ou apenas sérios para mostrar uma avaliação sobre o valor do filme. Não poderia escrever apenas bom, regular, ruim? Por que a preferência pela escrita ideográfica? Certamente, isto tem a ver com facilidade e a rapidez de leitura que a escrita ideográfica proporciona. Palavras-chave: História da Escrita, Ideografia, Letramento, e Alfabetização.
  • 4. 4 SUMÁRIO RESUMO...................................................................................................................... 3 INTRODUÇÃO.............................................................................................................. 5 História da Escrita......................................................................................................... 6 A invenção da Escrita Cuneiforme – as escritas ideográficas ....................................... 6 O sistema de escrita ideográfico................................................................................. 10 A Escrita Ideográfica................................................................................................... 11 O Funcionamento da Escrita Ideográfica .................................................................... 12 Carecterísticas da Escrita Ideográfica........................................................................ 12 Considerações Finais ................................................................................................ 14 Referências Bibliográficas ......................................................................................... 15
  • 5. 5 Introdução A escrita, que surgiu nos últimos 30.000 dos 1.500.000 anos do homem na terra não foi criada por uma só pessoa, mas sim uma atividade coletiva. Somente depois, com os romanos é que surge a escrita. A língua oral veio muito antes da escrita, que, marcando a formação das primeiras cidades, representa o início da civilização. A escrita veio pela ideia de usar sinais gráficos para representar palavras e não apenas objetos materiais do mundo. Nesse ponto surge a distinção do desenho para com a escrita, sendo um a referência aos seres do mundo e o outro as palavras, sons, ligados à linguagem oral. Para representar os seres do mundo o desenho precisa ser figurativo, mas para representar as palavras deve ser uma convenção que seja de conhecimento compartilhado. A representação divide-se então em dois modos: o dos significados das palavras e o dos sons das mesmas. São dois tipos básicos de escrita: a ideográfica e a fonográfica, sendo que a segunda é representada pelas formas convencionais, não figurativas e permite leitura fácil em diferentes línguas. Como os sons das palavras variam de língua para língua, a escrita fonográfica só serve para uma língua. A língua humana se organiza em dois planos: o do conteúdo (também chamado do significado) e da expressão (do significante). O plano do conteúdo está relacionado ao sentido das coisas, enquanto o plano da expressão está ligado ao som. Falar uma língua é precisamente esta capacidade de juntar o som e o sentido. As primeiras formas de escrita surgiram no plano do conteúdo, as escritas pictórica e ideográfica. Mais tarde, surgiram as escritas no plano da expressão, a silábica e a alfabética. Embora sejam muito parecidas, o que difere a escrita ideográfica da pictórica é que a escrita ideográfica é conceitual, enquanto a pictórica é icônica. A escrita representada por desenhos evoluiu para escrita ideográfica, que surgiu na Suméria entre 3.150 a.C. e 3.000 a.C.; esta escrita era representada por sinais. A escrita ideográfica caracteriza segunda fase do desenvolvimento da linguagem escrita. Nesse tipo de grafia ocorria uma mistura entre desenhos e símbolos. O desenho foi a forma que o homem primitivo encontrou para se comunicar, e um desenho possuía vários significados. O sol poderia representar que o dia estava ensolarado, mas também que estava dia ou ainda, brilhante. O funcionamento da escrita ideográfica e dos outros sistemas de escrita se dá no fato que a leitura é motivada, ou seja, “quem escreve, diferentemente, por exemplo, de quem desenha, pede ao leitor que interprete o que está escrito, não pelo puro prazer de fazê-lo, mas para realizar algo que a escrita indica” (CAGLIARI,1996, p.105). Quando essa leitura não é motivada, ela passa a ser decifração dos símbolos (ideogramas, palavras...). Os ideogramas (símbolos gráficos utilizados no sistema de escrita ideográfico) não devem ser apenas decifrados mecanicamente; o leitor deve chegar à motivação, ou seja, interpretar o significado do que está escrito e enquadrar esses elementos no seu mundo cultural e social. Se esses símbolos não forem interpretados e relacionados à fala não serão considerados uma forma de escrita. Por isso a importância da motivação. Motivação essa que se originou no momento em que a escrita começou a ter como função
  • 6. 6 informar o leitor a respeito de alguma coisa, mas essa não é sua única função e nem sempre a principal. Atualmente ainda existem países que utilizam a escrita ideográfica em seu cotidiano como, por exemplo, a China e o Japão. Os caracteres dessa podem significar letras, palavras e até mesmo expressões. História da Escrita Embora haja um estudo fragmentado da escrita, isto é, um estudo atrelado às classificações que procuram agrupar diferentes sistemas de escritas, conforme sua natureza e o grau de seu desenvolvimento obtido por cada uma delas é preciso estabelecer que tais classificações – mesmo sendo verdadeiramente úteis – devem ser vistas com cautela. Somente trata-se de uma conveniência didática e não uma divisão que demarque, de modo rígido e inalterável, as categorias da escrita. Ao referirmos à escrita ideográfica, mais desenvolvida em relação à escrita figurativa, capaz de transmitir abstrações, ideias e conceitos vinculados aos seus respectivos objetos. O símbolo individual é denominado ideograma, muito semelhante à escrita figurativa. É considerada uma escrita pura, encontrada entre os habitantes da América do Norte e Central, da África, da Polinésia e da Austrália e Sibéria. A invenção da Escrita Cuneiforme – as escritas ideográficas A descoberta da escrita modifica a história de ALGUNS povos. O uso da escrita pictográfica é passa a dar lugar a uma variação mais complexa: a escrita Ideográfica. Segundo Ricardo Sérgio (2007). Consiste num sistema de escrita que se manifesta através de "ideogramas": símbolo gráfico ou desenho (signos pictóricos) formando caracteres separados e representando objetos, ideias ou palavras completas, associados aos sons com que tais objetos ou ideias são nomeados no respectivo idioma. (SÉRGIO, 2007) A escrita ideográfica utiliza-se de desenhos como signos, ideogramas, que indicam cada um uma ideia que se quer expressar, assim se você que dizer: O sol nasce depois do vale, haverá um signo (desenho) ou conjunto deles para sol nascente, outro para “depois” e um outro para vale. Em chinês tradicional essa frase seria escrito dessa forma (GOOGLE TRADUTOR, 2017): 太陽升起後,從山谷 Tradução: Depois que o sol se levantou do vale Onde 太陽升起 significa o Sol nasce. 後 significa depois, e finalmente 從山谷 significa do vale. O nome vale sozinho significaria 谷. Observe que se trata de um signo, símbolo, desenho que um dia deve ter sido semelhante ao desenho de um vale, forma geográfica muito comum no Japão e na China. A primeira escrita ideográfica conhecida, porém foi a Cuneiforme surgida na Mesopotâmia e criada pelo povo Sumério. O cuneiforme é um tipo de escrita gravada em blocos de argila frescos através de um instrumento em forma de cunha e que depois eram cozidos para endurecer. Ela surgiu à primeira vez em um sitio arqueológico de uma antiga cidade mesopotâmica chamada Uruk. Ali os arqueólogos encontraram uma pequena tabua contendo inscrições de pequenos desenhos, signos
  • 7. 7 que transmitiam uma mensagem. Logo se descobriu outras tabuas com inscrições semelhantes por todo o Iraque, pais onde se situa a antiga Mesopotâmia. Figura 1: escrita cuneiforme em tabuleta de barro Fonte: https://goo.gl/NKIstm O Cuneiforme era uma forma ideográfica de escrita onde os sumérios criaram uma serie de símbolos que se assemelhavam aos objetos que queriam representar, assim o desenho de um sol representaria o próprio astro representado. Com o passar do tempo e com o uso, os símbolos foram sofrendo modificações e se tornando cada vez mais abstratos e simplificados. Como a os sumérios utilizavam a escrita principalmente para transações comerciais às modificações podem sugerir a necessidade de que a escrita torna-se mais rápida e prática. A figura a baixo mostra a evolução de dois ideogramas cuneiformes ao longo do tempo. Figura 2: Escrita pictográfica à cuneiforme  evolução da escrita Fonte: https://goo.gl/G7w0jS Mas além de modificações na forma como era representada a ideia, começou a surgir uma forma silábica da escrita onde símbolos eram agrupados para formar nomes próprios devido ao som semelhantes a estes nomes. Assim dois ou mais símbolos que tinham na pronúncia som semelhante ao nome de alguém poderiam ser agrupados para representar a própria pessoa. Outra modificação surgiu na forma como eram feitas as gravações no barro. Os primeiros ideogramas eram gravados em tabuletas de argila, em sequências verticais de escrita com um estilete feito de cana que gravava traços verticais, horizontais e oblíquos. Até então duas novidades tornaram o processo mais rápido e fácil: as pessoas começaram a escrever em sequências horizontais (rotacionando os ideogramas no processo), e um novo estilete em cunha inclinada passou a ser usado para empurrar o barro, enquanto produzia sinais em forma de
  • 8. 8 cunha. Ajustando a posição relativa da tabuleta ao estilete, o escritor poderia usar uma única ferramenta para fazer uma grande variedade de signos. (WIKIPÉDIA, 2017) A pesa de ser uma criação suméria a escrita cuneiforme foi também utilizada pelos povos “acadianos, babilônicos, elamitas, hititas e assírios e adaptada para escrever em seus próprios idiomas” (idem, 2017). Além das escritas Cuneiforme e Chinesa outras escritas surgiram e que também apresentam a característica de serem ideográficas, entre eles os hieróglifos egípcios e as escritas maia e asteca. Confira o quadro informativo baseado em dados de a enciclopédia italiana. Povo Escrita Maias Figura 3: Escrita Maia “Quando os espanhóis aportaram na península de Yucatán, descobriram entre os maias inscrições que não entenderam. (...) Seus sinais gráficos tendiam para um completo e perfeito sistema alfabético ou silábico. Sua escrita era ideográfica (parecida com a dos egípcios):os sinais reproduziam ideias completas, não apenas sons ou sílabas. Contudo, junto aos ideogramas já começavam a surgir os “determinativos” (incluídos no próprio ideograma)”. (ENCICLOPÉDIA CONHECER, 1972). Astecas Figura 4: escrita asteca Possuíam “uma escrita parcialmente fonética, embora predominantemente ideográfica. Os astecas escreviam sobre peles de cervo ou numa espécie de papel fabricado com fibras d agave; (...) Com a vinda dos invasores espanhóis, porém, foi destruída a maior parte desse precioso acervo”. “Os documentos são difíceis de interpretar. Geralmente contem desenhos de características próprias e inconfundíveis, legendas e comentários escritos pelo sistema ideográfico, ideogramas que podem ser lidos foneticamente. Além disso, as cores representam papel de grande importância: um desenho reproduzindo um líquido escorrendo, em vermelho, indica sangue, e em azul, indica água. Para a representação dos nomes próprios, usavam o sistema fonético. O exame
  • 9. 9 detalhado dos documentos recolhidos (os quais são conhecidos por “códices”) revela as impressões de um sistema que ensaiava os passos intermediários na direção de uma escrita perfeita. A invasão espanhola frustrou a tentativa dos ameríndios nesse sentido.” (ENCICLOPÉDIA CONHECER, 1972). Chineses Figura 5: escrita chinesa “enquanto nas línguas ocidentais o alfabeto é formado por letras, com as quais se compõe palavras, o chinês possui sinais gráficos chamados ideogramas. Ou seja, cada sinal exprime uma ideia ou até uma frase inteira. Existem aproximadamente 60 mil ideograma comuns que podem ser combinados de milhões de maneiras”. (ENCICLOPÉDIA CONHECER, 1972). Egípcios Figura 6: Hieróglifos egípcios “os sinais inspiravam-se na flora e na fauna do país, bem como em instrumentos de trabalho. A princípio essa escrita não passava de motivos gráficos desenhados artisticamente, reproduzindo o real. Com o tempo, porém, o mesmo desenho adquiriu outros sentidos: simbólico (designando abstrações: ações efetuadas pelo objeto ou ideias que evocava); fonético (representando palavras de que o mesmo som participasse); silábico (usando-se objetos expressos por palavras de uma sílaba para formar as polissilábicas); e, por fim, e muito mais tarde – alfabético (vinte e quatro sinais passando a representar letras)”. (...) “Os Hieróglifos (do grego, hieros = sagrado, e glyphein ou graphein = escrita) somente forma decifrados nos começos do século XIX.” (...)
  • 10. 10 O sistema de escrita ideográfico1 Caracterizado pela escrita em desenhos chamados ideogramas, que, ao longo da história, foram perdendo alguns traços mais representativos das figuras retratadas e tornaram-se, posteriormente, uma mera convenção da escrita. Tal sistema é visto como o mais primitivo que o sistema de escrita fonográfico por ser historicamente o primeiro a surgir, mas basta ver como exemplo, o caso da língua chinesa que até os dias atuais utiliza esse sistema como forma escrita. É possível vermos no dia-a-dia esse sistema de escrita em conjunto com o sistema alfabético (as letras). Por exemplo, quando observamos placas de trânsito, os números, os avisos nas estações de metrô, nas rodoviárias, as indicações no banheiro. Tudo isso para constatarmos que a ideia de escrita primitiva é errônea e preconceituosa. Ocorre que em nossa cultura ocidental, a diferença entre a escrita ideográfica com a escrita com as letras está no seu uso e na sua função. Quanto aos avisos e placas de trânsito, é mais prático e funcional utilizar o sistema ideográfico para tornar mais eficiente à percepção dos motoristas e também dos pedestres. Assim sendo, interpretação não precisa ser literal no sistema ideográfico, basta a captação da ideia básica por parte do leitor daquilo que o escritor quer transmitir. 1 Sistema de escrita denominado por Diringer (1971, p. 24) como escrita analítica de transição, incluindo as escritas as escritas analíticas do Médio Oriente antigo, como o cuneiforme dos sumérios e o hieróglifo egípcio. “Os hieróglifos escreviam-se vertical e horizontalmente; neste último caso, se os animais desenhados olhassem à esquerda, a leitura deveria ser da direita para a esquerda e vice-versa. As palavras não eram separadas; mas ao final de cada uma agregava- se um sinal determinativo – como síntese do termo”. Figura 8: placa de trânsito Fonte: https://goo.gl/zJLfFW Figura 7: aviso Fonte: https://goo.gl/j9Vpdh
  • 11. 11 As escritas ideográficas mais importantes são a da mesopotâmia (suméria), a egípcia (também chamada de hieroglífica), as escritas da região do mar Egeu (escrita de Creta) e a chinesa (de onde provém a escrita japonesa). A Escrita Ideográfica Os primeiros registros de escrita surgiram há cerca de 6000 anos, no Oriente Médio. Muitas das escritas antigas tinham caráter pictográfico, sendo alguns exemplos às inscrições em cavernas e parte dos hieróglifos do Egito Antigo. Apesar de ser muito útil, esse tipo de escrita tinha as suas limitações; havia coisas que não podiam ser desenhadas, como por exemplo, dor, alegria, medo, azul, quente, norte, etc. Assim, a escrita pictográfica acabou evoluindo para outro tipo de escrita: a ideográfica. Embora sejam muito parecidas, as escritas pictórica e ideográfica (também chamada logográfica) se diferenciam uma da outra por ser uma de caráter icônico e outra de caráter conceitual. Ou seja, enquanto na escrita ideográfica é preciso fazer um desenho da coisa que se quer representar, na escrita ideográfica basta um símbolo signifique a ideia da coisa, sem necessariamente ser parecido ou ter a forma dela. Assim, enquanto na escrita pictórica se representava, por exemplo, o Sol desta forma: Figura 9: Sol Na escrita ideográfica, poderia ser representado desta maneira, como mostra esse ideograma chinês: Figura 10: Ideograma chinês – representando o Sol Além disso, na escrita ideográfica um ideograma pode significar muito mais que a própria coisa que se pretende representar, dependendo da forma em que é colocado numa sequência. Por exemplo, o ideograma de sol pode significar também luz, claridade, calor, dia, quente, e vários outros conceitos relacionados ao sol, ou seja, ao conceito original. O problema deste tipo de escrita é a infinidade de conceitos a serem representados, tornando-a de difícil aprendizado.
  • 12. 12 A escrita ideográfica é considerada uma escrita pura, encontrada entre habitantes da América do Norte e Central, África, Polinésia, Austrália e Sibéria. Embora se acredite que as escritas dos antigos mesopotâmicos, egípcios, cretenses e hititas sejam ideográficas, na verdade se trata de uma escrita analítica de transição, pois embora tenham começado ideográficas apresentavam também elementos fonéticos, e ambos as formas conviviam de várias maneiras. O Funcionamento da Escrita Ideográfica A escrita ideográfica “Consiste num sistema de escrita que se manifesta através de “ideogramas”: símbolo gráfico ou desenho (signos pictóricos) formando caracteres separados e representando objetos, ideias ou palavras completas, associados aos sons com que tais objetos ou ideias são nomeados no respectivo idioma.” (SÉRGIO, 2007) No início, a escrita traduzia somente ideias (imagens) e não sons. Entretanto, para traduzir ideias abstratas, cuja transcrição gráfica era impossível, os chineses recorreram aos símbolos (ideogramas) de objetos concretos, correspondente na língua falada, a uma palavra com o mesmo som. Deste modo, introduziram elementos fonéticos na escrita ideográfica. Os desenhos foram perdendo alguns traços da figura retratada e tornaram uma simples convenção de escrita. Os sistemas ideográficos em geral tiveram sua origem numa escrita pictórica, cujas formas lembravam coisas do conhecimento do escritor e do leitor. Na própria combinação de caracteres pictóricos surgiu a possibilidade de escrita motivada foneticamente através desse mesmo processo, tornando a relação pictórica cada vez, mais fraca, e a relação fonográfica cada vez mais forte. (CAGLIARI,1996) Então, o caráter fonográfico da escrita ideográfica quando relacionado ao nosso sistema de escrita, pode representar as sílabas. E quanto ao caráter semântico que a escrita ideográfica tem, pode representar as palavras. A escrita ideográfica traz significados mais abrangentes que os outros sistemas de escrita. Figura 11: Ideogramas chineses – representando: Sonho, Tranquilidade e Vida. Características escrita ideográfica A escrita ideográfica é um sistema que se manifesta através de ideogramas, símbolos gráficos ou desenhos (signos pictóricos) formando caracteres separados e representando objetos, ideias ou palavras. Alguns exemplos de escrita ideográfica, e uns dos primeiros sistemas de escrita, são os caracteres chineses e japoneses. Os ideogramas são inscritos, separadamente, num quadrado imaginário, dispostos em colunas e lidos de cima para
  • 13. 13 baixo a partir da direita. Na forma tradicional, os caracteres eram traçados a pincel. O emprego da pena de escrever deu aos signos um aspecto anguloso. No início a escrita traduzia somente ideia (imagens) e não sons. Entretanto, para traduzir ideias abstratas, cuja transcrição gráfica era impossível, os chineses recorreram aos símbolos (ideogramas) de objetos concretos, correspondente na língua falada, a uma palavra com o mesmo som. Deste modo, introduziram elementos fonéticos na escrita ideográfica. Fica claro, que na escrita ideográfica, existe a necessidade de um vasto número de diferentes símbolos. No período Shang (1766-1122 a.C.) havia cerca de 2.500; hoje em dia há aproximadamente 50 mil. Isto torna a escrita muito difícil de ser aprendida. No entanto, apresenta uma vantagem significativa: a escrita pode ser lida independentemente da língua falada. Na China, com uma população falando diferentes dialetos, este recurso mostrou-se de grande valia. Devido à resistência prolongada da China e Japão a influências externas, as escritas chinesa e japonesa alteram-se muito pouco na sua essência. Desde que foram desenvolvidas nunca evoluíram para outra forma de escrita, permanecendo não alfabéticas até hoje. Em nossa escrita, usamos alguns símbolos ideográficos. O caso mais notável é a nossa representação dos números: [0] lê-se zero, [1] lê se um, [2] lê-se dois e assim por diante. Observe que com apenas um sinal gráfico representamos uma palavra inteira que nos dá uma ideia completa. As abreviaturas de nossa ortografia também podem ser consideradas símbolos ideográficos: [a.C.] lê-se antes de Cristo. / [V.S.a] lê-se Vossa Senhoria – [Adv.] lê-se advogado. Note que abreviatura pode representar uma palavra ou uma locução. Nesse caso, o somatório de letras da abreviatura é que compõe o símbolo ideográfico. Figura 12: Escrita Ideográfica Fonte: https://goo.gl/VPsnFQ
  • 14. 14 Considerações Finais O desenvolvimento do processo de comunicação surgiu em momentos diferentes. A junção da escrita, da imagem e da fala ampliou a possibilidade de comunicação social. A comunicação faz a sociedade circular com informações e ideias a partir da língua falada e da escrita. A imagem foi o primeiro manifesto de representação de um objeto pelo homem. O desejo de obtenção em alguma coisa – objeto, alimento, conhecimento – fez com que o desejo fosse revelado, no caso, a imagem representativa de algo. A autenticidade da criação da imagem mostrava a revelação de um desejo exato de uma pessoa representante de um grupo. Com o desenvolvimento de técnicas, passou a ser a tradução de uma ideia. A fala é uma extensão do corpo humano. A necessidade de tradução e troca de experiência se fez necessária para a sobrevivência. Os sentidos do corpo humano ajudam nesta tradução junto com a visão, o tato, o paladar, o olfato e a audição. Com todos os sentidos, a necessidade de sobrevivência se sobressaiu e se tornou forte. Juntamente com outros corpos humanos, a sobrevivência fez com a sociedade se conhecesse, o meio onde a aquela “tribo” vive. Assim, cada “tribo” tem seu jeito de agir, de expressar e sentir. Com o alfabeto fonético, a sociedade permite o bom convívio entre si de acordo com leis escritas. O alfabeto foi inserido na civilização como parte do tempo. A escrita ideográfica nasceu na Mesopotâmia. Na fase inicial de desenvolvimento, a imagem representava um objeto. O pictograma se tornou uma representação de combinação de imagens para se referir a uma palavra. Com estímulo social e comercial, a escrita se juntou com a fala. Com a junção, o alfabeto grego formou uma ligação entre o cérebro com os sons produzidos pela língua, de forma que o leitor entenda seu significado. O sistema alfabético transformou a língua independente da escrita e obteve influência política, social e técnica. A primeira finalidade é a de manter informações, logo, era usada para contar bens materiais e comerciais. Assim que usada para se comunicar, se tornou uma técnica de troca e circulação de ideias e informações. A comunicação foi desenvolvida em momentos diferentes. Com a sua junção, permitiu a comunicação da sociedade em si junto com outras. Cada sociedade desenvolveu sua forma de fala e escrita. Com permissão de comunicação tecnologia, é possível a tradução de uma língua para outra. Assim que a técnica foi dominada, surgiu o texto como forma de leitura. Como meio de comunicação, ajudou a formar a caligrafia. As crianças usam o desenho como forma de contar uma longa história ainda que não saibam escrever com letras. E essas vivências devem ser aproveitadas pelo professor para observar as marcas individuais de cada um e refletir com seus alunos as múltiplas possibilidades de escrita, aproveitando para diferenciar a fala, a escrita e o desenho e esclarecer a importância de cada um.
  • 15. 15 Bibliografia BATELLI, Flavia Macedo. Imagem, escrita e fala: primórdios da comunicação na sociedade. 2011. CAGLIARI, Luís Carlos. A escrita no século XXI (ou talvez, além disso). Disponível em: <http://www.unicamp.br/iel/memoria/projetos/ensaios/ensaio28.html> acessos em 23 mar 2017. ___________________. A origem do alfabeto. Paulistana, São Paulo, 2009, 108. ___________________. Alfabetização & Linguística. Scipione, São Paulo, 1994. CALENDÁRIOS dos mais e astecas. In: Enciclopédia Conhecer. Vol. II, pg. 314. Editora Abril Cultural. São Paulo (1972). DA SILVA, Marcelo. Da escrita ideográfica aos emoticons: um estudo à luz da historiografia linguística. 2011. DE CASTRO GOMES, Eduardo. A escrita na História da humanidade. DE LIMA DANTAS, Márcio; DE AMORIM, Francisco Freire. Fenollosa: da exegese do ideograma às vanguardas. Revista Texto Poético, 2013, 14.14. DE OLIVEIRA, Marco Antônio. Conhecimento lingüístico e apropriação do sistema de escrita. 2005. DO CARMO XAVIER, Gláucia. Significante e significado no processo de alfabetização e letramento: contribuições de Saussure. Cadernos CESPUC de Pesquisa, 2015, 1.25: 87-102. FÁTIMA, Alice. Aspectos culturais do uso do desenho reproduzido no processo de alfabetização. 2012. FERNANDES, Priscila Dantas; DE OLIVEIRA, Kecia Karine Santos. Reflexões Sobre A Escrita A Partir De Textos Produzidos Por Crianças Em Fase De Alfabetização. GOOGLE tradutor. Disponível em: <http://translate.google.com.br/.> acessos em 25 de mar 2017. HAUTRIVE, Giovana Medianeira Fracari; DE SOUZA, Edna Márcia. A escrita da língua de sinais como meio natural para a alfabetização de crianças surdas. Revista Educação Especial, 2010, 23.37: 181-194. LEAL, Pedro Germano. O espelho dos hieróglifos: da ruína das letras egípcias à sua reinvenção quimérica entre os séc. XV e XVII, 2008. 206 f. MARUYAMA, Monica Lie. A aprendizagem do desenho e da escrita: uma experiência com ideogramas japoneses no ensino fundamental. 2015. MEYER-MINNEMANN, Klaus. Formas de escritura ideográfica en Li-Toy otros poemas de José Juan Tablad. Nueva revista de filología hispánica, 1988, 36.1: 433- 453. MIGLIARI, Mirella De Menezes. Do iconograma ao símbolo arbitrário: a evolução da escrita e a Matriz Visual. Arcos Design, 2011, 6: 2-13.
  • 16. 16 SCLIAR-CABRAL, Leonor. Processos metonímicos na evolução do alfabeto. Revista da ABRALIN, João Pessoa, 2007, 6.2: 23-39. SÉRGIO, Ricardo. Os Sistemas de Escritas. Disponível em: <http://www.recantodasletras.com.br/gramatica/370335>. acessos em 23 mar 2017. SOUSA, Rogério. Os hieróglifos: a escrita da vida. E-fabulations: e-journal of children's literature = E-fabulações: revista electrónica de literatura infantil, vol. 10, p. 19-24, 2013.