SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 71
Baixar para ler offline
A Concepção de Gêneros e Tipologia
Textual
Tudo se reduz ao diálogo, à contraposição
dialógica enquanto centro.
Tudo é meio, o diálogo é o fim.
Uma só voz nada termina, nada resolve.
Duas vozes são o mínimo de vida.
(Mikhail Bakhtin).
“Por muito tempo, esses três tipos de texto reinaram absolutos nas
propostas de escrita. Consenso entre professores, essa maneira de ensinar
a escrever foi uma das principais responsáveis pela falta de proficiência
entre os estudantes.”
fonte nova escola - fevereiro/2009
4
O QUE É UM GÊNERO?
GÊNERO = TIPO DE TEXTO?
PARA INICIAR A REFLEXÃO
DUAS PERGUNTAS FUNDAMENTAIS
O que são gêneros???
Qual das figuras abaixo representa melhor o que são
gêneros? Justifique.
Leia a definição de nebulosa e faça um
paralelo com o gênero
 Nebulosa: falta de nitidez ou
clareza; confusão, nebulosidade
http://michaelis.uol.com.br
Qual dessas atividades você fez hoje?
No nosso dia a dia, à medida que nos comunicamos, fazemos uso de
gêneros, pois tudo o que falamos e escrevemos, todos os nossos
discursos têm a forma de textos que materializam, concretizam
gêneros diversos.
Basta sairmos de casa, encontrar um vizinho e cumprimentá-lo, para
estarmos engajados em uma interação que constitui o gênero
"cumprimento". Em seguida, quando buscamos informações sobre o
itinerário de um ônibus, estamos, novamente, envolvidos com um
gênero (cartaz), que informa e instrui.
Enfim, se pararmos para pensar, os gêneros estão, o tempo todo,
modelando nossas práticas comunicativas.
O Ensino de gêneros nas escolas ...
“passou a ecoar com mais força nos
programas e propostas curriculares oficiais
brasileiras a partir de 1997/1998, com sua
incorporação nos PCNs de língua
portuguesa”.
Rojo (2004, p. 11)
O conceito de gênero não é novidade no campo dos estudos da
linguagem. Na verdade, remonta, no mínimo, à antiguidade
clássica, com a distinção de três gêneros proposta por
Aristóteles no Livro I da Retórica:
• lírico -> poemas
• épico -> narrativas
• dramático -> teatro
A partir deste texto seminal de Aristóteles, a distinção de gêneros
atravessa a história dos estudos da linguagem, relacionada,
sobretudo, com o ensino de disciplinas como Retórica, Literatura,
Filosofia e Filologia, chegando a impactar até hoje disciplinas
relacionadas ao ensino de língua(s), como a Linguística Aplicada e a
Linguística.
No campo dos estudos linguísticos, semióticos e gramaticais, o estudo
dos gêneros de discurso ou textuais é mais recente, tendo acontecido
principalmente a partir da década de sessenta do século XX, com o
auge do estruturalismo, por um lado, e dos avanços teóricos da
Gramática de Texto e da Linguística Textual na década de setenta,
por outro
Mikhail Mikhailovich Bakhtin (1895-1975) foi um filósofo russo e
estudioso da linguagem
Nascido em Orel, localidade a sul de Moscovo, de família aristocrática
em decadência, cresceu entre Vínius e Odessa, cidades fronteiriças com
grande variedade de línguas e culturas. Mais tarde, estudou Filosofia e
Letras na Universidade de São Petersburgo, abordando em
profundidade a formação em filosofia alemã.
Um dos primeiros a
teorizar sobre o
conceito de gêneros
Uma das formulações mais conhecidas é a
de Mikhail Bakhtin (e todos os outros
autores partem dessa formulação), que
define os gêneros do discurso como tipos
relativamente estáveis de enunciados
que emergem, que são produzidos e
que circulam em uma determinada
esfera ou campo de atividades.
Bakhtin na sua obra Estética da criação verbal
(2003[1952-53/1979], p. 262) afirma:
“cada campo de utilização da língua elabora
seus tipos relativamente
estáveis de enunciados, os quais
denominamos gêneros do discurso”.
Esferas de atividade humana????
Na esfera de ação jurídica circulam textos como:
petição, sentença, acordão, despacho, etc.
Na esfera de ação religiosa, há a oração, a fórmula
sacramental, o sermão e assim por diante
17
POLÍTICA
escolar
científica
artística
cotidiana
jornalística
publicitária
Esferas de circulação de discursos na
escola
Publicitária
Anúncios
Campanhas...
Política
Leis
Discursos...
Artística
Músicas
Pinturas
Poemas
Contos...
Cotidiana
Cartas
Emails
Blogs
Discussões...
Científica
Artigos
Verbetes
Definições...
Jornalística
Notícias
Artigos
Editoriais...
Escolar
Instruções
Questões
Explicações...
GÊNEROS DO DISCURSO NA VIDA
“...cada esfera de utilização da língua
elabora seus tipos relativamente
estáveis de enunciados, sendo isso que
denominamos gêneros do discurso.”
(p. 279)
Atividade:
Pensando nas Esferas Sociais apresentadas, procure
lembrar-se de gêneros textuais presentes em cada uma
delas. Em seguida compartilhe suas conclusões.
a) Imprensa
b) Produção e Consumo
c) Publicidade
d) Política
e) Jurídica
f) Literatura
g) Ciência
Káti
a
Lom
ba
Bräk
ling
(2008
)
21
notícia (de jornal impresso, on line, de
TV, de rádio etc.), reportagem, carta de
leitor, fórum de leitor, editorial, artigo de
opinião, charge (web charge), crônica
jornalística, resenha crítica, tirinha,
entrevista, classificados, anúncio,
propaganda...
IMPRENSA
EXEMPLOS DE GÊNEROS
ORAIS E ESCRITOS
ESFERAS
SOCIAIS
Kátia Lomba Bräkling
(2008)
22
PRODUÇÃO
E
CONSUMO
rótulos, gêneros que
circulam em embalagens,
instruções de uso,
instruções de montagem,
regulamento, regras de
jogo, bula...
PUBLICIDADE
anúncio (tv, radio,
internet etc.),
propaganda (em várias
mídias), cartazes,
gêneros que circulam em
campanhas ...PCNP Jeanny Silva
ESCOLA
instrução/consigna,
tomada de notas,
seminário, verbete de
enciclopédia diálogo ou
discussão argumentativa,
relatório, resenha,
fichamento, relato de
experiências (científicas),
ensaio escolar, relato
histórico, teorema
PCNP Jeanny Silva
POLÍTICA
carta de reclamação,carta de
solicitação, carta
aberta,abaixo-assinado,
panfleto, discurso político (de
palanque),debate
JURÍDICA
discurso de defesa
(advocacia), discurso de
acusação (advocacia),
boletim de ocorrência,
depoimento,
procuração, leis, constituição,
declaração de direitos etc.
PCNP Jeanny Silva
LITERATURA
poema, conto popular,
conto maravilhoso, conto de
fadas, lenda, fábula,
narrativa de aventura,
narrativa de ficção
científica, narrativa de
enigma, romance noir,
crônica literária...
CIÊNCIA
artigo científico, projeto de
pesquisa, relatório de
pesquisa, conferência,
palestra, relato histórico,
debate...
PCNP Jeanny Silva
Assim, chegamos as primeiras conclusões
com respeito a gêneros:
• Cada esfera de troca social elabora tipos
relativamente estáveis de enunciados: os
gêneros.
•A escolha de um gênero se determina pela
ESFERA, as necessidades da temática, o
conjunto dos participantes e a vontade
enunciativa ou intenção do locutor.
Esfera e sua relação com o
contexto de produção
Contexto de produção – local, momento de
produção, emissor, receptor, instituição onde
se dá a interação, o papel social representado
pelos interlocutores, objetivos que se quer
atingir.
Mesmo que alguém domine bem uma língua, sentirá dificuldade de
participar de determinada esfera da comunicação se não tiver controle do
contexto de produção.
“Problemas musculares, tendência a inflamações e torsões,
enxaquecas e propensão a acidentes devido à impaciência
são os problemas a evitar. O melhor será se deixar levar
pela emoção, quase que se deixando levar pelos aspectos da
vida que têm mais a ver com imprecisão, com o caos, do
que com o racional e o lógico. Mais importante ainda: ao
invés de ações intempestivas, sentir, captar e receber serão
os caminhos mais curtos e certeiros nessa onda forte. ”
Que texto é
esse? É fácil
identificá-lo?
“Problemas musculares, tendência a inflamações e torsões,
enxaquecas e propensão a acidentes devido à impaciência são
os problemas a evitar. O melhor será se deixar levar pela
emoção, quase que se deixando levar pelos aspectos da vida
que têm mais a ver com imprecisão, com o caos, do que com
o racional e o lógico. Mais importante ainda: ao invés de
ações intempestivas, sentir, captar e receber serão os
caminhos mais curtos e certeiros nessa onda forte. ”
Sagitário - 22/11 a 21/12
Por seu absoluto conforto, por ser
também inteiramente
imperceptível. E isso é importante
para ela ...
Que texto é
esse? É fácil
identificá-lo?
ENFIM ....
Segundo a teoria bakhtiniana, produzir linguagem significa
produzir discursos: dizer alguma coisa a alguém, de
determinada forma, em determinado contexto histórico, em
determinada circunstância de interlocução. Assim, em cada
esfera (espaço de circulação de discurso ou situação) de
atividade social, utilizamos um tipo de linguagem de acordo
de acordo com o gênero de discurso específico, com regras
construídas socialmente ao longo da história e que foram
incorporadas por nós.
café
Atividade:
Se a história da Chapeuzinho
fosse verdade, como seria
contada na imprensa brasileira?
Dinâmica:
diferentes maneiras de contar
uma mesma história.
Cartaz da edição
especial
Já nas bancas
Na dinâmica percebemos
• Dependendo do contexto de produção
(programa da Hebe, Fantástico, revista globo
rural) surgem algumas mudanças no texto, tais
como:
• a) sentido das palavras (literal/figurado)
• b) entonação
• c) linguagem formal / informal
• d) etc
Essas características são definidas
pelo contexto de produção.
Esfera da
IMPRENSA
Reportagem →
Esfera da
PUBLICIDADE • Anúncio – Revista G Magazine, Caras
…
• Cartaz - Playboy
 Entrevista - Hebe
 Reportagem – Jornal Nacional, Revistas
Cláudia, Nova …
 Notícias - Datena, Jornal Agora, O Globo
De acordo com Marcuschi (2003), suporte é
um locus físico ou virtual com formato
específico que serve de base ou ambiente de
fixação do gênero materializado como texto.
40
ENTÃO, O QUE É UM GÊNERO?
Tipos relativamente estáveis de enunciado,
presentes em cada esfera da atividade
humana e sociohistoricamente construídos
(Bakhtin, 1992, p. 279)
De acordo com o Círculo Bakhtiniano, todo gênero está
ligado a uma campo ou esfera de atividade humana, a
partir da qual se constitui historicamente pela
estabilização de determinados enunciados. Esta
ligação com a esfera na qual são produzidos e na qual
circulam os enunciados aparece materializada no
gênero, que pode ser descrito pelas diferentes
dimensões que o constituem, todas relacionadas entre
si:
“O enunciado reflete as condições
específicas e as finalidades de cada uma
dessas esferas, não só por seu conteúdo
temático e por seu estilo verbal, ou seja pela
seleção operada nos recursos da língua –
recursos lexicais, fraseológicos e gramaticais
– mas também, e sobretudo, por sua construção
composicional”
(Bakhtin, 1992, p. 279)
43
• Conteúdo Temático
• Forma Composicional
• Estilo
ELEMENTOS QUE
CONSTITUEM UM GÊNERO
44
ESFERA
SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO
CONTEÚDO TEMÁTICO
GÊNERO ESTILO
FORMA COMPOSICIONAL
45
FORMA ou Construção Composicional
Forma(s) de organização geral dos
textos pertencentes àquele gênero
Partes típicas dos textos
pertencentes àquele gênero e suas
relações
Observe:
sur le port appartment spacieux de 90m2 résidence avez PISCINE, parkink e
GRUISSAN, France, Languedoc Roussillon - Aude.
Appartement, 5 pièce(s), Duplex, Cuisine indépendante, Salon, Salle à manger,
1 salle de bains, Loggia,
4-8 personnes, 90 m2, Mer : 700 m, MARBONNE : 10 Km
Lave-vaisselle, Lave-linge, Congélateur, Piscine dans résidence, Télévision,
Parking privatif
350 € - 750 €350750EURO / semaine - Disponible à partir du 18/04/2009. Court
séjour à partir de 3 jours
Détail + contact loueur – Afficher la carte – Référence 134079
Et toi, et toi,
Comme ça tu vas me tuer,
Ai si je te prends, ai ai si je te prends
Délicieuse, délicieux
Comme ça tu vas me tuer,
Ai si je te prends, ai ai si je te prends
Samedi soir en disco,
Le "people" à commencer à danser,
J'ai vu passer à la plus jolie fille,
J'ai pris courage,
Et j'étais lui parler
Et toi, oui toi,
Comme ça tu vas me tuer,
Ai si je te prends, ai ai si je te prends
Délicieuse, délicieux
Comme ça tu vas me tuer,
Ai si je te prends, ai ai si je te prends
En français
AI SE EU TE PEGO (FRANCÊS) - Michel Teló (letra e vídeo).wmv
ASSIM, A ORGANIZAÇÃO COMPOSICIONAL
É o modo de organizar o texto, de estruturá-lo.
Por exemplo: a carta trazem indicação do local e da
data em que foram escritos e o nome de quem escreve
e da pessoa para quem escreve
51
ESTILO
Seleção de recursos da língua:
fraseológicos;
lexicais;
gramaticais.
Marcas lingüísticas recorrentes.
54
O CONTEÚDO TEMÁTICO
O QUE PODE SER DIZÍVEL POR MEIO DE UM
GÊNERO
ASSUNTOS TÍPICOS DAQUELE GÊNERO
Conteúdo temático
O conteúdo temático não é o assunto específico de
um texto, refere-se a abordagem dos temas
(maneira pela qual o assunto é tratado no texto),
considerando o gênero.
A problemática gravidez precoce
De acordo com dados fornecidos pelo IBGE, desde 1980 o número de adolescentes entre
15 e 19 anos grávidas aumentou 15%. Significa que cerca de 700 mil meninas se tornam
mãe a cada ano no Brasil.
Acredita-se que este problema sócio-econômico esteja vinculado à falta de informação,
principalmente nas camadas mais desfavorecidas da sociedade, que são as que
apresentam maio índice de gravidez precoce. Porém, o governo promove campanhas
preventivas anualmente, comprovando que o problema não é a falta, mas o não uso da
informação. Os jovens atuais não têm perspectivas de um futuro melhor, pois suas vidas
são miseráveis. As pílulas anticoncepcionais[...]
A gravidez precoce gera efeitos negativos no país, devido a diversos fatores. Por causa
da gestação, jovens são obrigadas a deixar a escola para se dedicar ao mais novo filho.
No período que deveriam estar se qualificando para ingressar no mercado de trabalho,
trocam os livros pelas fraldas. Também é comum que haja a expulsão da menina de sua
casa, por falta de aceitação da família. Desta maneira, o problema passa para o governo,
que de certa forma irá sustentar a adolescente.
Na contramão do aumento do número de jovens grávidas […]
Portanto, o principal motivo da gravidez na adolescência é o não uso das informações,
devido a motivos econômicos e sociais. È importante destacar que […] os esportes e a
música, por exemplo. Outra solução é a melhora na distribuição dos
métodos anticoncepcionais nos postos de saúde, para que eles se tornem
acessíveis às camadas baixas da sociedade.
http://educacao.uol.com.br/bancoderedacoes/redacao/ult4657u213.jhtm
Estru-
tura
compo-
sicional:
Texto
dividid
o em
pará-
grafos
...
Conteúdo
temático
Estilo: utilização de conjunções, verbo em 3ª etc
Gênero:
Artigo de
opinião
GRAVIDEZ PRECOCE
Ter filho na adolescência
pode ser projeto de vida
da Folha Online, em Campinas
A falta de perspectiva dos adolescentes, principalmente os de classe média baixa, motiva o que a
médica chefe da Unidade de Adolescentes do Instituto da Criança do Hospital das Clínicas da USP
(Universidade de São Paulo), Maria Ignes Saito, identificada como projeto de vida, de realização
pessoal nos filhos.
"É como a escolaridade. Aqui mesmo na unidade conheço muitos adolescentes que têm a intenção
de estudar, mas como não existe meios de acesso, principalmente financeiros, o filho é
praticamente um diploma", explica.
A independência também pode ser um fator que leve o adolescente a ignorar os métodos
anticoncepcionais. "Uma menina que vive em um barraco com outros sete irmãos, por exemplo,
prefere engravidar e montar um barraco ao lado do de sua família e se tornar independente", diz
Maria Ignes.
A médica também critica a banalização da sexualidade na mídia e a ausência da família na
formação do adolescente. "Hoje vemos a televisão e a Internet educarem as crianças sem nenhum
contraponto que coloque uma orientação."
Para ela, faltam ainda políticas para a juventude. "Aqui na unidade temos uma política ampla
voltada para todos os aspectos do adolescente. Tratamos sobre atividade sexual, mas nossos índices
de gravidez são baixos."
A unidade tem hoje aproximadamente 500 adolescentes (52% de meninas) em idades que variam
de 12 a 19 anos, todos de classe média baixa.
http://www1.folha.uol.com.br/folha/equilibrio/gravidez_precoce-usp.shtml
Gênero:
Reportagem
Conteúdo temático
Estilo:
citação de pesquisas,
Comentários de
autoridades ..
Estrutura composicional: texto e imagem
Mal pude acreditar quando abri o exame
… estava grávida, a notícia caiu em mim
como uma porrada! Como iria contar aos
meus pais? Eu grávida com quinze anos!!?
E agora? Que foda!!!
Espero que o Marcelo fique feliz.
Juliana
12/08/09
Gênero:
Diário
Estilo:
verbos em 1ª pessoa, tom coloquial etc
Conteúdo temático:
Gravidez precoce
Estru-
tura
compos
icional:
Sem
preocu-
pação
com
paragr
a-fação,
texto
curto,
um
narrad
or etc
Perceba que para Bakhtin a utilização de
determinados recursos linguísticos na
composição dos enunciados de um dado gênero
se dá pela relação desse gênero com uma
determinada esfera das práticas sociais. Nesse
sentido, a forma composicional e o estilo se
articulam intimamente com o conteúdo
temático dos gêneros e todos os três são os
efeitos de seu vínculo historicamente
sedimentado com uma determinada esfera de
atividade ou prática social.
Conteúdo temático
Assunto do texto,
mensagem transmitida
Plano de composição
Estrutura formal do texto
Estilo
Vocabulário, estruturas frasais
e preferências gramaticais
Das considerações realizadas até agora, é
importante que você atente para este fato:
dentro de uma mesma esfera de atividade e de
um mesmo gênero de discurso, não somente
podemos encontrar processos de textualização
diferentes (diferentes formulações ou formas
composicionais dos textos enquadrados nesse
gênero), mas também diferentes posições
ideológicas, representadas nos textos, a partir
das quais os interlocutores enunciam, dando
lugar à produção de diferentes efeitos de
sentido.
62
ENTÃO, O QUE É UM
GÊNERO?
Os gêneros são produtos da cultura de
determinada sociedade. Constituídos
por certos conteúdos, além de estilo e
forma próprios, apresentam funções
sociais específicas. Tornam-se, desse
modo, modelos comunicativos que
permitem a interação social.
Exemplos de gêneros orais e escritos:
Conto maravilhoso
Fábula / Lenda
Narrativa de aventura
Narrativa de ficção científica
Biografia romanceada
Conto
Crônica Literária
Piada
Notícia
Etc
→ Atenção: Bakhtin não faz catálogos de gêneros.
Bakhtin insiste no fato de que os gêneros são
tipos relativamente estáveis de enunciados.
Sabe-se que os gêneros vão sofrendo modificações em
consequência do momento histórico em que estão
inseridos. Cada situação social dá origem a um gênero
com suas características peculiares. Levando-se em
consideração a infinidade de situações comunicativas
e que essas só são possíveis graças à utilização da
língua, pode-se perceber que infinitos também serão
os gêneros.
Esta imensa heterogeneidade fez com que Bakhtin
propusesse uma primeira grande “classificação”, dividindo os
gêneros do discurso em dois grupos: primários e secundários.
Os primários relacionam-se às situações comunicativas
cotidianas, espontâneas, informais e imediatas, como a carta,
o bilhete, o diálogo cotidiano. Os gêneros secundários,
geralmente mediados pela escrita, aparecem em situações
comunicativas mais complexas e elaboradas, como o teatro, o
romance, as teses científicas, etc. Tanto os gêneros primários
quanto os secundários possuem a mesma essência, em outras
palavras, ambos são compostos por fenômenos da mesma
natureza, os enunciados verbais. O que os diferencia é o nível
de complexidade em que se apresentam.
Bilhete é um
gênero primário
Romance é um gênero
secundário
Gênero textual é a mesma
coisa de tipo textual??
Ao fazer a transposição didática do
ensino de gêneros, alguns autores
(Marcuschi, Schneuwly,
Dolz)agruparam os gêneros conforme
suas características comuns em
tipologias textuais.
CAPACIDADES DE
LINGUAGEM DOMINANTE
(domínios sociais de comunicação)
AGRUPAMENTOS
(aspectos tipológicos) GÊNEROS TEXTUAIS (orais e escritos)
Refere-se à discussão de questões
sociais controversas, exige
sustentação, refutação e negociação
nas tomadas de posição
ARGUMENTAR
Debate; carta de leitor; carta de reclamação; carta de
solicitação; requerimento; mesa-redonda; editorial;
resenha crítica; abaixo-assinado; editorial; ensaio;
discurso de defesa ou acusação; dialogo
argumentativo; debate regrado público; anúncio
publicitário etc
Apresentação textual de diferentes
formas de saberes. Voltado à
construção e transmissão de saberes,
exige apresentação textual para
organização das ideias e dos
conceitos.
EXPOR
Conferências, palestras; resumo de texto expositivo;
seminário; verbete de enciclopédia; exposição oral;
relatório científico; texto expositivo em livro
didático; tomada de notas; textos “explicativos” etc
Refere-se as instruções e prescrições
de ações voltadas à regulação mútua
de comportamento. (Alguns autores
também classificam como injuntivo)
INSTRUIR
Instruções de montagem; receita; regulamentos; regras de
jogo; instruções de uso; comandos diversos; regimento;
mandamentos; cartazes (alguns tipos); bula; livros de
auto-ajuda; sermão religioso (alguns); tabelas; guia de
viagens; mapas etc
Voltado à cultura literária ficcional e a
recriação da realidade, caracteriza-se
pela intriga no campo do verossímil NARRAR
Lenda; romance; fábula; novela; contos (aventura, fadas,
terror, suspense …) cronica literária; adivinha, piada,
HQ; ficção científica; biografia romanceada; epopeia;
texto teatral, música etc
Representação pelo discurso de de
experiências vividas, situadas no
tempo e no espaço. Documentação
RELATAR
Notícia, reportagem; caso; diário íntimo; testemunho;
currículo; relato histórico; relatos (de viagem, de
aventura; policial etc); autobiografias; biografia; crônica
Vídeo: gêneros textuais ...
Retomar a atividade inicial
Para o 2º encontro:
Ler o texto de Schneulwy e
Dolz
Referências:
Dionisio, Angela Paiva; Machado, Anna Rachel; Bezerra,
Maria Auxiliadora; Gêneros Textuais e Ensino, 4ª Edição,
Editora Lucerna, Rio de Janeiro, 2005.
Schneuwly, Bernard e Dolz, Joaquim – Gêneros Orais e
Escritos na Escola, Editora Mercado de Letras, Campinas-
SP, 2004.
Revista Nova Escola, Como trabalhar com gêneros –
Editora Abril, Agosto de 2009.
Currículo do Estado de São Paulo – Linguagens, Códigos e
suas Tecnologias – Ensino Fundamental Ciclo II e Ensino
Médio.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aul 02 tipolo_e_gênero_textual
Aul 02 tipolo_e_gênero_textualAul 02 tipolo_e_gênero_textual
Aul 02 tipolo_e_gênero_textualmarcelocaxias
 
Gêneros
 Gêneros Gêneros
Gênerosilma05
 
Generos e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais pptGeneros e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais pptpnaicdertsis
 
Tipos textuais e gêneros textuais
Tipos textuais e gêneros textuaisTipos textuais e gêneros textuais
Tipos textuais e gêneros textuaisVera Pinho
 
O uso de gêneros textuais nas aulas de LE do Ensino Médio: refletindo e ressi...
O uso de gêneros textuais nas aulas de LE do Ensino Médio: refletindo e ressi...O uso de gêneros textuais nas aulas de LE do Ensino Médio: refletindo e ressi...
O uso de gêneros textuais nas aulas de LE do Ensino Médio: refletindo e ressi...Suellen Nascimento
 
Gêneros de discurso e gêneros de texto ppt
Gêneros de discurso e gêneros de texto pptGêneros de discurso e gêneros de texto ppt
Gêneros de discurso e gêneros de texto pptpnaicdertsis
 
Projeto - Módulo II Versão final - Gênero textual - tirinha
Projeto - Módulo II Versão final - Gênero textual - tirinhaProjeto - Módulo II Versão final - Gênero textual - tirinha
Projeto - Módulo II Versão final - Gênero textual - tirinhaAline Santana
 
Tirinha, gêneros e tipologia textual - Alunos CEV 2015 1°C
Tirinha, gêneros e tipologia textual -  Alunos CEV 2015 1°CTirinha, gêneros e tipologia textual -  Alunos CEV 2015 1°C
Tirinha, gêneros e tipologia textual - Alunos CEV 2015 1°CJefferson Barroso
 
Figuras de-linguagem
Figuras de-linguagemFiguras de-linguagem
Figuras de-linguagemPedro Barros
 
Gêneros textuais
Gêneros textuaisGêneros textuais
Gêneros textuaisnunesmaril
 

Mais procurados (19)

Aul 02 tipolo_e_gênero_textual
Aul 02 tipolo_e_gênero_textualAul 02 tipolo_e_gênero_textual
Aul 02 tipolo_e_gênero_textual
 
Gêneros textuais e
Gêneros textuais eGêneros textuais e
Gêneros textuais e
 
Gêneros textuais e ensino
Gêneros textuais e ensinoGêneros textuais e ensino
Gêneros textuais e ensino
 
Gêneros
 Gêneros Gêneros
Gêneros
 
Generos e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais pptGeneros e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais ppt
 
Tipos textuais e gêneros textuais
Tipos textuais e gêneros textuaisTipos textuais e gêneros textuais
Tipos textuais e gêneros textuais
 
O uso de gêneros textuais nas aulas de LE do Ensino Médio: refletindo e ressi...
O uso de gêneros textuais nas aulas de LE do Ensino Médio: refletindo e ressi...O uso de gêneros textuais nas aulas de LE do Ensino Médio: refletindo e ressi...
O uso de gêneros textuais nas aulas de LE do Ensino Médio: refletindo e ressi...
 
Slide pronto
Slide prontoSlide pronto
Slide pronto
 
Gêneros de discurso e gêneros de texto ppt
Gêneros de discurso e gêneros de texto pptGêneros de discurso e gêneros de texto ppt
Gêneros de discurso e gêneros de texto ppt
 
Gêneros textuais anos inicias
Gêneros textuais   anos iniciasGêneros textuais   anos inicias
Gêneros textuais anos inicias
 
Projeto - Módulo II Versão final - Gênero textual - tirinha
Projeto - Módulo II Versão final - Gênero textual - tirinhaProjeto - Módulo II Versão final - Gênero textual - tirinha
Projeto - Módulo II Versão final - Gênero textual - tirinha
 
Generos Textuais
Generos TextuaisGeneros Textuais
Generos Textuais
 
Tirinha, gêneros e tipologia textual - Alunos CEV 2015 1°C
Tirinha, gêneros e tipologia textual -  Alunos CEV 2015 1°CTirinha, gêneros e tipologia textual -  Alunos CEV 2015 1°C
Tirinha, gêneros e tipologia textual - Alunos CEV 2015 1°C
 
Escrita e interação
Escrita e interaçãoEscrita e interação
Escrita e interação
 
Figuras de-linguagem
Figuras de-linguagemFiguras de-linguagem
Figuras de-linguagem
 
Tipos e gêneros textuais
Tipos e gêneros textuaisTipos e gêneros textuais
Tipos e gêneros textuais
 
Tipos e gêneros textuais slides
Tipos e gêneros textuais slidesTipos e gêneros textuais slides
Tipos e gêneros textuais slides
 
Gêneros textuais
Gêneros textuaisGêneros textuais
Gêneros textuais
 
Planos textuais
Planos textuaisPlanos textuais
Planos textuais
 

Destaque

Tced sessão presencial 11_12
Tced sessão presencial 11_12Tced sessão presencial 11_12
Tced sessão presencial 11_12Pedro Almeida
 
A comunicação interna nas organizações
A comunicação interna nas organizaçõesA comunicação interna nas organizações
A comunicação interna nas organizaçõesElton Vianna
 
Comunicação nas organizações públicas
Comunicação nas organizações públicasComunicação nas organizações públicas
Comunicação nas organizações públicasPaulo Marquêz
 
UFCD_0633 Comunicação Empresarial Presencial e Telefónica
UFCD_0633 Comunicação Empresarial Presencial e TelefónicaUFCD_0633 Comunicação Empresarial Presencial e Telefónica
UFCD_0633 Comunicação Empresarial Presencial e TelefónicaManuais Formação
 
Ufcd 0398 gestão de reclamações - metodologias
Ufcd 0398 gestão de reclamações - metodologiasUfcd 0398 gestão de reclamações - metodologias
Ufcd 0398 gestão de reclamações - metodologiasManuais Formação
 
Comunicação nas empresas
Comunicação nas empresasComunicação nas empresas
Comunicação nas empresasBiotron Medical
 
Comunicação Interna
Comunicação InternaComunicação Interna
Comunicação InternaTEMA1
 
instrumentos de comunicação interna
instrumentos de comunicação internainstrumentos de comunicação interna
instrumentos de comunicação internaLorredana Pereira
 
Comunicação Interna
Comunicação InternaComunicação Interna
Comunicação InternaClaudio Toldo
 
Comunicação Organizacional - Aula 02
Comunicação Organizacional - Aula 02Comunicação Organizacional - Aula 02
Comunicação Organizacional - Aula 02Davi Rocha
 
Noções básicas de comunicação
Noções básicas de comunicaçãoNoções básicas de comunicação
Noções básicas de comunicaçãoFilipa Torres
 

Destaque (14)

Tced sessão presencial 11_12
Tced sessão presencial 11_12Tced sessão presencial 11_12
Tced sessão presencial 11_12
 
A comunicação interna nas organizações
A comunicação interna nas organizaçõesA comunicação interna nas organizações
A comunicação interna nas organizações
 
Comunicação nas organizações públicas
Comunicação nas organizações públicasComunicação nas organizações públicas
Comunicação nas organizações públicas
 
UFCD_0633 Comunicação Empresarial Presencial e Telefónica
UFCD_0633 Comunicação Empresarial Presencial e TelefónicaUFCD_0633 Comunicação Empresarial Presencial e Telefónica
UFCD_0633 Comunicação Empresarial Presencial e Telefónica
 
Ufcd 0398 gestão de reclamações - metodologias
Ufcd 0398 gestão de reclamações - metodologiasUfcd 0398 gestão de reclamações - metodologias
Ufcd 0398 gestão de reclamações - metodologias
 
Comunicação Eficaz 2
Comunicação Eficaz 2Comunicação Eficaz 2
Comunicação Eficaz 2
 
Comunicação nas empresas
Comunicação nas empresasComunicação nas empresas
Comunicação nas empresas
 
Comunicação Interna
Comunicação InternaComunicação Interna
Comunicação Interna
 
Comunicação interna: Ferramenta de Gestão
Comunicação interna: Ferramenta de GestãoComunicação interna: Ferramenta de Gestão
Comunicação interna: Ferramenta de Gestão
 
instrumentos de comunicação interna
instrumentos de comunicação internainstrumentos de comunicação interna
instrumentos de comunicação interna
 
Comunicação Interna
Comunicação InternaComunicação Interna
Comunicação Interna
 
Comunicação Organizacional - Aula 02
Comunicação Organizacional - Aula 02Comunicação Organizacional - Aula 02
Comunicação Organizacional - Aula 02
 
Noções básicas de comunicação
Noções básicas de comunicaçãoNoções básicas de comunicação
Noções básicas de comunicação
 
Elementos da comunicação
Elementos da comunicaçãoElementos da comunicação
Elementos da comunicação
 

Semelhante a Gêneros presencial 1 dia

Material oficinas inglês
Material oficinas inglêsMaterial oficinas inglês
Material oficinas inglêsFALE - UFMG
 
Pnaic unidade 5 gêneros reformulado - sevane
Pnaic unidade 5  gêneros reformulado - sevanePnaic unidade 5  gêneros reformulado - sevane
Pnaic unidade 5 gêneros reformulado - sevanetlfleite
 
Grupo 06 generos textuais grupo 06
Grupo 06 generos textuais  grupo 06Grupo 06 generos textuais  grupo 06
Grupo 06 generos textuais grupo 06silvia-9616
 
Intertextualidade genérica
Intertextualidade genéricaIntertextualidade genérica
Intertextualidade genéricaEdilson A. Souza
 
Generos textuais luís antônio marcuschi - Unidade 5
Generos textuais luís antônio marcuschi - Unidade 5Generos textuais luís antônio marcuschi - Unidade 5
Generos textuais luís antônio marcuschi - Unidade 5Bete Feliciano
 
Generos e tipos textuais
Generos e tipos textuaisGeneros e tipos textuais
Generos e tipos textuaisofpedagogica
 
Generostextuais 1227649741760018-9
Generostextuais 1227649741760018-9Generostextuais 1227649741760018-9
Generostextuais 1227649741760018-9Éric Santos
 
Gêneros textuais marcuschi
Gêneros textuais   marcuschiGêneros textuais   marcuschi
Gêneros textuais marcuschiSonia Nudelman
 
www.raiosdesabedoria.blogpot.com
www.raiosdesabedoria.blogpot.comwww.raiosdesabedoria.blogpot.com
www.raiosdesabedoria.blogpot.comsilvania-dias
 
http://www.raiosdesabedoria.blogspot.com
http://www.raiosdesabedoria.blogspot.comhttp://www.raiosdesabedoria.blogspot.com
http://www.raiosdesabedoria.blogspot.comsilvania-dias
 
www.raiosdesabedoria.blogspot.com
www.raiosdesabedoria.blogspot.comwww.raiosdesabedoria.blogspot.com
www.raiosdesabedoria.blogspot.comsilvania-dias
 

Semelhante a Gêneros presencial 1 dia (20)

Discurso
DiscursoDiscurso
Discurso
 
Material oficinas inglês
Material oficinas inglêsMaterial oficinas inglês
Material oficinas inglês
 
Pnaic unidade 5 gêneros reformulado - sevane
Pnaic unidade 5  gêneros reformulado - sevanePnaic unidade 5  gêneros reformulado - sevane
Pnaic unidade 5 gêneros reformulado - sevane
 
Grupo 06 generos textuais grupo 06
Grupo 06 generos textuais  grupo 06Grupo 06 generos textuais  grupo 06
Grupo 06 generos textuais grupo 06
 
Slides unidade 5
Slides unidade 5Slides unidade 5
Slides unidade 5
 
Slides unidade 5
Slides unidade 5Slides unidade 5
Slides unidade 5
 
Intertextualidade genérica
Intertextualidade genéricaIntertextualidade genérica
Intertextualidade genérica
 
Generos textuais luís antônio marcuschi - Unidade 5
Generos textuais luís antônio marcuschi - Unidade 5Generos textuais luís antônio marcuschi - Unidade 5
Generos textuais luís antônio marcuschi - Unidade 5
 
Tp3
Tp3Tp3
Tp3
 
Tp3
Tp3Tp3
Tp3
 
Generos e tipos textuais
Generos e tipos textuaisGeneros e tipos textuais
Generos e tipos textuais
 
Generostextuais 1227649741760018-9
Generostextuais 1227649741760018-9Generostextuais 1227649741760018-9
Generostextuais 1227649741760018-9
 
Gêneros textuais marcuschi
Gêneros textuais   marcuschiGêneros textuais   marcuschi
Gêneros textuais marcuschi
 
Slide ivan generos2
Slide ivan generos2Slide ivan generos2
Slide ivan generos2
 
Unidade 5 - parte 2
Unidade 5 - parte 2Unidade 5 - parte 2
Unidade 5 - parte 2
 
www.raiosdesabedoria.blogpot.com
www.raiosdesabedoria.blogpot.comwww.raiosdesabedoria.blogpot.com
www.raiosdesabedoria.blogpot.com
 
http://www.raiosdesabedoria.blogspot.com
http://www.raiosdesabedoria.blogspot.comhttp://www.raiosdesabedoria.blogspot.com
http://www.raiosdesabedoria.blogspot.com
 
Slides de taelp 2
Slides de taelp 2Slides de taelp 2
Slides de taelp 2
 
www.raiosdesabedoria.blogspot.com
www.raiosdesabedoria.blogspot.comwww.raiosdesabedoria.blogspot.com
www.raiosdesabedoria.blogspot.com
 
raios de sabedoria
raios de sabedoriaraios de sabedoria
raios de sabedoria
 

Último

APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdfLindinhaSilva1
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfKelly Mendes
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguaKelly Mendes
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitlerhabiwo1978
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 

Último (20)

APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 

Gêneros presencial 1 dia

  • 1. A Concepção de Gêneros e Tipologia Textual
  • 2. Tudo se reduz ao diálogo, à contraposição dialógica enquanto centro. Tudo é meio, o diálogo é o fim. Uma só voz nada termina, nada resolve. Duas vozes são o mínimo de vida. (Mikhail Bakhtin).
  • 3. “Por muito tempo, esses três tipos de texto reinaram absolutos nas propostas de escrita. Consenso entre professores, essa maneira de ensinar a escrever foi uma das principais responsáveis pela falta de proficiência entre os estudantes.” fonte nova escola - fevereiro/2009
  • 4. 4 O QUE É UM GÊNERO? GÊNERO = TIPO DE TEXTO? PARA INICIAR A REFLEXÃO DUAS PERGUNTAS FUNDAMENTAIS
  • 5. O que são gêneros??? Qual das figuras abaixo representa melhor o que são gêneros? Justifique.
  • 6. Leia a definição de nebulosa e faça um paralelo com o gênero  Nebulosa: falta de nitidez ou clareza; confusão, nebulosidade http://michaelis.uol.com.br
  • 7. Qual dessas atividades você fez hoje?
  • 8. No nosso dia a dia, à medida que nos comunicamos, fazemos uso de gêneros, pois tudo o que falamos e escrevemos, todos os nossos discursos têm a forma de textos que materializam, concretizam gêneros diversos. Basta sairmos de casa, encontrar um vizinho e cumprimentá-lo, para estarmos engajados em uma interação que constitui o gênero "cumprimento". Em seguida, quando buscamos informações sobre o itinerário de um ônibus, estamos, novamente, envolvidos com um gênero (cartaz), que informa e instrui. Enfim, se pararmos para pensar, os gêneros estão, o tempo todo, modelando nossas práticas comunicativas.
  • 9. O Ensino de gêneros nas escolas ... “passou a ecoar com mais força nos programas e propostas curriculares oficiais brasileiras a partir de 1997/1998, com sua incorporação nos PCNs de língua portuguesa”. Rojo (2004, p. 11)
  • 10. O conceito de gênero não é novidade no campo dos estudos da linguagem. Na verdade, remonta, no mínimo, à antiguidade clássica, com a distinção de três gêneros proposta por Aristóteles no Livro I da Retórica: • lírico -> poemas • épico -> narrativas • dramático -> teatro
  • 11. A partir deste texto seminal de Aristóteles, a distinção de gêneros atravessa a história dos estudos da linguagem, relacionada, sobretudo, com o ensino de disciplinas como Retórica, Literatura, Filosofia e Filologia, chegando a impactar até hoje disciplinas relacionadas ao ensino de língua(s), como a Linguística Aplicada e a Linguística. No campo dos estudos linguísticos, semióticos e gramaticais, o estudo dos gêneros de discurso ou textuais é mais recente, tendo acontecido principalmente a partir da década de sessenta do século XX, com o auge do estruturalismo, por um lado, e dos avanços teóricos da Gramática de Texto e da Linguística Textual na década de setenta, por outro
  • 12. Mikhail Mikhailovich Bakhtin (1895-1975) foi um filósofo russo e estudioso da linguagem Nascido em Orel, localidade a sul de Moscovo, de família aristocrática em decadência, cresceu entre Vínius e Odessa, cidades fronteiriças com grande variedade de línguas e culturas. Mais tarde, estudou Filosofia e Letras na Universidade de São Petersburgo, abordando em profundidade a formação em filosofia alemã. Um dos primeiros a teorizar sobre o conceito de gêneros
  • 13. Uma das formulações mais conhecidas é a de Mikhail Bakhtin (e todos os outros autores partem dessa formulação), que define os gêneros do discurso como tipos relativamente estáveis de enunciados que emergem, que são produzidos e que circulam em uma determinada esfera ou campo de atividades.
  • 14. Bakhtin na sua obra Estética da criação verbal (2003[1952-53/1979], p. 262) afirma: “cada campo de utilização da língua elabora seus tipos relativamente estáveis de enunciados, os quais denominamos gêneros do discurso”.
  • 15. Esferas de atividade humana????
  • 16. Na esfera de ação jurídica circulam textos como: petição, sentença, acordão, despacho, etc. Na esfera de ação religiosa, há a oração, a fórmula sacramental, o sermão e assim por diante
  • 18. Esferas de circulação de discursos na escola Publicitária Anúncios Campanhas... Política Leis Discursos... Artística Músicas Pinturas Poemas Contos... Cotidiana Cartas Emails Blogs Discussões... Científica Artigos Verbetes Definições... Jornalística Notícias Artigos Editoriais... Escolar Instruções Questões Explicações...
  • 19. GÊNEROS DO DISCURSO NA VIDA “...cada esfera de utilização da língua elabora seus tipos relativamente estáveis de enunciados, sendo isso que denominamos gêneros do discurso.” (p. 279)
  • 20. Atividade: Pensando nas Esferas Sociais apresentadas, procure lembrar-se de gêneros textuais presentes em cada uma delas. Em seguida compartilhe suas conclusões. a) Imprensa b) Produção e Consumo c) Publicidade d) Política e) Jurídica f) Literatura g) Ciência
  • 21. Káti a Lom ba Bräk ling (2008 ) 21 notícia (de jornal impresso, on line, de TV, de rádio etc.), reportagem, carta de leitor, fórum de leitor, editorial, artigo de opinião, charge (web charge), crônica jornalística, resenha crítica, tirinha, entrevista, classificados, anúncio, propaganda... IMPRENSA EXEMPLOS DE GÊNEROS ORAIS E ESCRITOS ESFERAS SOCIAIS
  • 22. Kátia Lomba Bräkling (2008) 22 PRODUÇÃO E CONSUMO rótulos, gêneros que circulam em embalagens, instruções de uso, instruções de montagem, regulamento, regras de jogo, bula... PUBLICIDADE anúncio (tv, radio, internet etc.), propaganda (em várias mídias), cartazes, gêneros que circulam em campanhas ...PCNP Jeanny Silva
  • 23. ESCOLA instrução/consigna, tomada de notas, seminário, verbete de enciclopédia diálogo ou discussão argumentativa, relatório, resenha, fichamento, relato de experiências (científicas), ensaio escolar, relato histórico, teorema PCNP Jeanny Silva
  • 24. POLÍTICA carta de reclamação,carta de solicitação, carta aberta,abaixo-assinado, panfleto, discurso político (de palanque),debate JURÍDICA discurso de defesa (advocacia), discurso de acusação (advocacia), boletim de ocorrência, depoimento, procuração, leis, constituição, declaração de direitos etc. PCNP Jeanny Silva
  • 25. LITERATURA poema, conto popular, conto maravilhoso, conto de fadas, lenda, fábula, narrativa de aventura, narrativa de ficção científica, narrativa de enigma, romance noir, crônica literária... CIÊNCIA artigo científico, projeto de pesquisa, relatório de pesquisa, conferência, palestra, relato histórico, debate... PCNP Jeanny Silva
  • 26. Assim, chegamos as primeiras conclusões com respeito a gêneros: • Cada esfera de troca social elabora tipos relativamente estáveis de enunciados: os gêneros. •A escolha de um gênero se determina pela ESFERA, as necessidades da temática, o conjunto dos participantes e a vontade enunciativa ou intenção do locutor.
  • 27. Esfera e sua relação com o contexto de produção Contexto de produção – local, momento de produção, emissor, receptor, instituição onde se dá a interação, o papel social representado pelos interlocutores, objetivos que se quer atingir.
  • 28. Mesmo que alguém domine bem uma língua, sentirá dificuldade de participar de determinada esfera da comunicação se não tiver controle do contexto de produção. “Problemas musculares, tendência a inflamações e torsões, enxaquecas e propensão a acidentes devido à impaciência são os problemas a evitar. O melhor será se deixar levar pela emoção, quase que se deixando levar pelos aspectos da vida que têm mais a ver com imprecisão, com o caos, do que com o racional e o lógico. Mais importante ainda: ao invés de ações intempestivas, sentir, captar e receber serão os caminhos mais curtos e certeiros nessa onda forte. ” Que texto é esse? É fácil identificá-lo?
  • 29. “Problemas musculares, tendência a inflamações e torsões, enxaquecas e propensão a acidentes devido à impaciência são os problemas a evitar. O melhor será se deixar levar pela emoção, quase que se deixando levar pelos aspectos da vida que têm mais a ver com imprecisão, com o caos, do que com o racional e o lógico. Mais importante ainda: ao invés de ações intempestivas, sentir, captar e receber serão os caminhos mais curtos e certeiros nessa onda forte. ” Sagitário - 22/11 a 21/12
  • 30. Por seu absoluto conforto, por ser também inteiramente imperceptível. E isso é importante para ela ... Que texto é esse? É fácil identificá-lo?
  • 31.
  • 32. ENFIM .... Segundo a teoria bakhtiniana, produzir linguagem significa produzir discursos: dizer alguma coisa a alguém, de determinada forma, em determinado contexto histórico, em determinada circunstância de interlocução. Assim, em cada esfera (espaço de circulação de discurso ou situação) de atividade social, utilizamos um tipo de linguagem de acordo de acordo com o gênero de discurso específico, com regras construídas socialmente ao longo da história e que foram incorporadas por nós.
  • 33. café
  • 34. Atividade: Se a história da Chapeuzinho fosse verdade, como seria contada na imprensa brasileira? Dinâmica: diferentes maneiras de contar uma mesma história.
  • 36.
  • 37. Na dinâmica percebemos • Dependendo do contexto de produção (programa da Hebe, Fantástico, revista globo rural) surgem algumas mudanças no texto, tais como: • a) sentido das palavras (literal/figurado) • b) entonação • c) linguagem formal / informal • d) etc Essas características são definidas pelo contexto de produção.
  • 38. Esfera da IMPRENSA Reportagem → Esfera da PUBLICIDADE • Anúncio – Revista G Magazine, Caras … • Cartaz - Playboy  Entrevista - Hebe  Reportagem – Jornal Nacional, Revistas Cláudia, Nova …  Notícias - Datena, Jornal Agora, O Globo
  • 39. De acordo com Marcuschi (2003), suporte é um locus físico ou virtual com formato específico que serve de base ou ambiente de fixação do gênero materializado como texto.
  • 40. 40 ENTÃO, O QUE É UM GÊNERO? Tipos relativamente estáveis de enunciado, presentes em cada esfera da atividade humana e sociohistoricamente construídos (Bakhtin, 1992, p. 279)
  • 41. De acordo com o Círculo Bakhtiniano, todo gênero está ligado a uma campo ou esfera de atividade humana, a partir da qual se constitui historicamente pela estabilização de determinados enunciados. Esta ligação com a esfera na qual são produzidos e na qual circulam os enunciados aparece materializada no gênero, que pode ser descrito pelas diferentes dimensões que o constituem, todas relacionadas entre si:
  • 42. “O enunciado reflete as condições específicas e as finalidades de cada uma dessas esferas, não só por seu conteúdo temático e por seu estilo verbal, ou seja pela seleção operada nos recursos da língua – recursos lexicais, fraseológicos e gramaticais – mas também, e sobretudo, por sua construção composicional” (Bakhtin, 1992, p. 279)
  • 43. 43 • Conteúdo Temático • Forma Composicional • Estilo ELEMENTOS QUE CONSTITUEM UM GÊNERO
  • 44. 44 ESFERA SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO CONTEÚDO TEMÁTICO GÊNERO ESTILO FORMA COMPOSICIONAL
  • 45. 45 FORMA ou Construção Composicional Forma(s) de organização geral dos textos pertencentes àquele gênero Partes típicas dos textos pertencentes àquele gênero e suas relações
  • 46. Observe: sur le port appartment spacieux de 90m2 résidence avez PISCINE, parkink e GRUISSAN, France, Languedoc Roussillon - Aude. Appartement, 5 pièce(s), Duplex, Cuisine indépendante, Salon, Salle à manger, 1 salle de bains, Loggia, 4-8 personnes, 90 m2, Mer : 700 m, MARBONNE : 10 Km Lave-vaisselle, Lave-linge, Congélateur, Piscine dans résidence, Télévision, Parking privatif 350 € - 750 €350750EURO / semaine - Disponible à partir du 18/04/2009. Court séjour à partir de 3 jours Détail + contact loueur – Afficher la carte – Référence 134079
  • 47. Et toi, et toi, Comme ça tu vas me tuer, Ai si je te prends, ai ai si je te prends Délicieuse, délicieux Comme ça tu vas me tuer, Ai si je te prends, ai ai si je te prends Samedi soir en disco, Le "people" à commencer à danser, J'ai vu passer à la plus jolie fille, J'ai pris courage, Et j'étais lui parler Et toi, oui toi, Comme ça tu vas me tuer, Ai si je te prends, ai ai si je te prends Délicieuse, délicieux Comme ça tu vas me tuer, Ai si je te prends, ai ai si je te prends
  • 48. En français AI SE EU TE PEGO (FRANCÊS) - Michel Teló (letra e vídeo).wmv
  • 49.
  • 50. ASSIM, A ORGANIZAÇÃO COMPOSICIONAL É o modo de organizar o texto, de estruturá-lo. Por exemplo: a carta trazem indicação do local e da data em que foram escritos e o nome de quem escreve e da pessoa para quem escreve
  • 51. 51 ESTILO Seleção de recursos da língua: fraseológicos; lexicais; gramaticais. Marcas lingüísticas recorrentes.
  • 52.
  • 53.
  • 54. 54 O CONTEÚDO TEMÁTICO O QUE PODE SER DIZÍVEL POR MEIO DE UM GÊNERO ASSUNTOS TÍPICOS DAQUELE GÊNERO
  • 55. Conteúdo temático O conteúdo temático não é o assunto específico de um texto, refere-se a abordagem dos temas (maneira pela qual o assunto é tratado no texto), considerando o gênero.
  • 56. A problemática gravidez precoce De acordo com dados fornecidos pelo IBGE, desde 1980 o número de adolescentes entre 15 e 19 anos grávidas aumentou 15%. Significa que cerca de 700 mil meninas se tornam mãe a cada ano no Brasil. Acredita-se que este problema sócio-econômico esteja vinculado à falta de informação, principalmente nas camadas mais desfavorecidas da sociedade, que são as que apresentam maio índice de gravidez precoce. Porém, o governo promove campanhas preventivas anualmente, comprovando que o problema não é a falta, mas o não uso da informação. Os jovens atuais não têm perspectivas de um futuro melhor, pois suas vidas são miseráveis. As pílulas anticoncepcionais[...] A gravidez precoce gera efeitos negativos no país, devido a diversos fatores. Por causa da gestação, jovens são obrigadas a deixar a escola para se dedicar ao mais novo filho. No período que deveriam estar se qualificando para ingressar no mercado de trabalho, trocam os livros pelas fraldas. Também é comum que haja a expulsão da menina de sua casa, por falta de aceitação da família. Desta maneira, o problema passa para o governo, que de certa forma irá sustentar a adolescente. Na contramão do aumento do número de jovens grávidas […] Portanto, o principal motivo da gravidez na adolescência é o não uso das informações, devido a motivos econômicos e sociais. È importante destacar que […] os esportes e a música, por exemplo. Outra solução é a melhora na distribuição dos métodos anticoncepcionais nos postos de saúde, para que eles se tornem acessíveis às camadas baixas da sociedade. http://educacao.uol.com.br/bancoderedacoes/redacao/ult4657u213.jhtm Estru- tura compo- sicional: Texto dividid o em pará- grafos ... Conteúdo temático Estilo: utilização de conjunções, verbo em 3ª etc Gênero: Artigo de opinião
  • 57. GRAVIDEZ PRECOCE Ter filho na adolescência pode ser projeto de vida da Folha Online, em Campinas A falta de perspectiva dos adolescentes, principalmente os de classe média baixa, motiva o que a médica chefe da Unidade de Adolescentes do Instituto da Criança do Hospital das Clínicas da USP (Universidade de São Paulo), Maria Ignes Saito, identificada como projeto de vida, de realização pessoal nos filhos. "É como a escolaridade. Aqui mesmo na unidade conheço muitos adolescentes que têm a intenção de estudar, mas como não existe meios de acesso, principalmente financeiros, o filho é praticamente um diploma", explica. A independência também pode ser um fator que leve o adolescente a ignorar os métodos anticoncepcionais. "Uma menina que vive em um barraco com outros sete irmãos, por exemplo, prefere engravidar e montar um barraco ao lado do de sua família e se tornar independente", diz Maria Ignes. A médica também critica a banalização da sexualidade na mídia e a ausência da família na formação do adolescente. "Hoje vemos a televisão e a Internet educarem as crianças sem nenhum contraponto que coloque uma orientação." Para ela, faltam ainda políticas para a juventude. "Aqui na unidade temos uma política ampla voltada para todos os aspectos do adolescente. Tratamos sobre atividade sexual, mas nossos índices de gravidez são baixos." A unidade tem hoje aproximadamente 500 adolescentes (52% de meninas) em idades que variam de 12 a 19 anos, todos de classe média baixa. http://www1.folha.uol.com.br/folha/equilibrio/gravidez_precoce-usp.shtml Gênero: Reportagem Conteúdo temático Estilo: citação de pesquisas, Comentários de autoridades .. Estrutura composicional: texto e imagem
  • 58. Mal pude acreditar quando abri o exame … estava grávida, a notícia caiu em mim como uma porrada! Como iria contar aos meus pais? Eu grávida com quinze anos!!? E agora? Que foda!!! Espero que o Marcelo fique feliz. Juliana 12/08/09 Gênero: Diário Estilo: verbos em 1ª pessoa, tom coloquial etc Conteúdo temático: Gravidez precoce Estru- tura compos icional: Sem preocu- pação com paragr a-fação, texto curto, um narrad or etc
  • 59. Perceba que para Bakhtin a utilização de determinados recursos linguísticos na composição dos enunciados de um dado gênero se dá pela relação desse gênero com uma determinada esfera das práticas sociais. Nesse sentido, a forma composicional e o estilo se articulam intimamente com o conteúdo temático dos gêneros e todos os três são os efeitos de seu vínculo historicamente sedimentado com uma determinada esfera de atividade ou prática social.
  • 60. Conteúdo temático Assunto do texto, mensagem transmitida Plano de composição Estrutura formal do texto Estilo Vocabulário, estruturas frasais e preferências gramaticais
  • 61. Das considerações realizadas até agora, é importante que você atente para este fato: dentro de uma mesma esfera de atividade e de um mesmo gênero de discurso, não somente podemos encontrar processos de textualização diferentes (diferentes formulações ou formas composicionais dos textos enquadrados nesse gênero), mas também diferentes posições ideológicas, representadas nos textos, a partir das quais os interlocutores enunciam, dando lugar à produção de diferentes efeitos de sentido.
  • 62. 62 ENTÃO, O QUE É UM GÊNERO? Os gêneros são produtos da cultura de determinada sociedade. Constituídos por certos conteúdos, além de estilo e forma próprios, apresentam funções sociais específicas. Tornam-se, desse modo, modelos comunicativos que permitem a interação social.
  • 63. Exemplos de gêneros orais e escritos: Conto maravilhoso Fábula / Lenda Narrativa de aventura Narrativa de ficção científica Biografia romanceada Conto Crônica Literária Piada Notícia Etc → Atenção: Bakhtin não faz catálogos de gêneros.
  • 64. Bakhtin insiste no fato de que os gêneros são tipos relativamente estáveis de enunciados. Sabe-se que os gêneros vão sofrendo modificações em consequência do momento histórico em que estão inseridos. Cada situação social dá origem a um gênero com suas características peculiares. Levando-se em consideração a infinidade de situações comunicativas e que essas só são possíveis graças à utilização da língua, pode-se perceber que infinitos também serão os gêneros.
  • 65. Esta imensa heterogeneidade fez com que Bakhtin propusesse uma primeira grande “classificação”, dividindo os gêneros do discurso em dois grupos: primários e secundários. Os primários relacionam-se às situações comunicativas cotidianas, espontâneas, informais e imediatas, como a carta, o bilhete, o diálogo cotidiano. Os gêneros secundários, geralmente mediados pela escrita, aparecem em situações comunicativas mais complexas e elaboradas, como o teatro, o romance, as teses científicas, etc. Tanto os gêneros primários quanto os secundários possuem a mesma essência, em outras palavras, ambos são compostos por fenômenos da mesma natureza, os enunciados verbais. O que os diferencia é o nível de complexidade em que se apresentam. Bilhete é um gênero primário Romance é um gênero secundário
  • 66. Gênero textual é a mesma coisa de tipo textual??
  • 67. Ao fazer a transposição didática do ensino de gêneros, alguns autores (Marcuschi, Schneuwly, Dolz)agruparam os gêneros conforme suas características comuns em tipologias textuais.
  • 68. CAPACIDADES DE LINGUAGEM DOMINANTE (domínios sociais de comunicação) AGRUPAMENTOS (aspectos tipológicos) GÊNEROS TEXTUAIS (orais e escritos) Refere-se à discussão de questões sociais controversas, exige sustentação, refutação e negociação nas tomadas de posição ARGUMENTAR Debate; carta de leitor; carta de reclamação; carta de solicitação; requerimento; mesa-redonda; editorial; resenha crítica; abaixo-assinado; editorial; ensaio; discurso de defesa ou acusação; dialogo argumentativo; debate regrado público; anúncio publicitário etc Apresentação textual de diferentes formas de saberes. Voltado à construção e transmissão de saberes, exige apresentação textual para organização das ideias e dos conceitos. EXPOR Conferências, palestras; resumo de texto expositivo; seminário; verbete de enciclopédia; exposição oral; relatório científico; texto expositivo em livro didático; tomada de notas; textos “explicativos” etc Refere-se as instruções e prescrições de ações voltadas à regulação mútua de comportamento. (Alguns autores também classificam como injuntivo) INSTRUIR Instruções de montagem; receita; regulamentos; regras de jogo; instruções de uso; comandos diversos; regimento; mandamentos; cartazes (alguns tipos); bula; livros de auto-ajuda; sermão religioso (alguns); tabelas; guia de viagens; mapas etc Voltado à cultura literária ficcional e a recriação da realidade, caracteriza-se pela intriga no campo do verossímil NARRAR Lenda; romance; fábula; novela; contos (aventura, fadas, terror, suspense …) cronica literária; adivinha, piada, HQ; ficção científica; biografia romanceada; epopeia; texto teatral, música etc Representação pelo discurso de de experiências vividas, situadas no tempo e no espaço. Documentação RELATAR Notícia, reportagem; caso; diário íntimo; testemunho; currículo; relato histórico; relatos (de viagem, de aventura; policial etc); autobiografias; biografia; crônica
  • 69. Vídeo: gêneros textuais ... Retomar a atividade inicial
  • 70. Para o 2º encontro: Ler o texto de Schneulwy e Dolz
  • 71. Referências: Dionisio, Angela Paiva; Machado, Anna Rachel; Bezerra, Maria Auxiliadora; Gêneros Textuais e Ensino, 4ª Edição, Editora Lucerna, Rio de Janeiro, 2005. Schneuwly, Bernard e Dolz, Joaquim – Gêneros Orais e Escritos na Escola, Editora Mercado de Letras, Campinas- SP, 2004. Revista Nova Escola, Como trabalhar com gêneros – Editora Abril, Agosto de 2009. Currículo do Estado de São Paulo – Linguagens, Códigos e suas Tecnologias – Ensino Fundamental Ciclo II e Ensino Médio.