SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
COESÃO TEXTUAL
EXERCITANDO O APRENDIZADO
 Urubus e sabiás – Rubem Alves
 "(1) Tudo aconteceu numa terra distante, no tempo em que os bichos falavam... (2) Os urubus, aves por
natureza becadas, ______ sem grandes dotes para o canto, decidiram que, _____ contra a natureza eles
haveriam de se tornar grandes cantores. (3) E _____ _____ fundaram escolas e importaram professores,
gargarejaram dó-ré-mi-fá, mandaram imprimir diplomas, _____ fizeram competições entre si, _____ ver quais
deles seriam os mais importantes e teriam a permissão para mandar nos outros. (4) ____________ eles
organizaram concursos e se deram nomes pomposos, e o sonho de cada urubuzinho, instrutor em início de
carreira, era se tornar um respeitável urubu titular, a quem todos chamam de Vossa Excelência. (5) Tudo ia
muito bem ________ a doce tranquilidade da hierarquia dos urubus foi estremecida. (6) A floresta foi invadida
por bandos de pintassilgos tagarelas, _____ brincavam com os canários e faziam serenatas para os sabiás... (7)
Os velhos urubus entortaram o bico, o rancor encrespou a testa, ____ eles convocaram pintassilgos, sabiás e
canários para um inquérito.
 (8) “_ Onde estão os documentos dos seus concursos?”
 (9) ____ as pobres aves se olharam perplexas, ______ nunca haviam imaginado que tais coisas houvessem.
(10) Não haviam passado por escolas de canto, _______ o canto nascera com elas. (11) ____ nunca
apresentaram um diploma ______ provar que sabiam cantar, _______ cantavam simplesmente...(12)
“_ Não, ______ não pode ser. Cantar sem a titulação devida é um desrespeito à ordem.”
(13) ______ os urubus, em uníssono, expulsaram da floresta os passarinhos que cantavam sem alvarás...(14)
MORAL: Em terra de urubus diplomados não se houve canto de sabiá."
Coesão sequencial por conexão
 Expressa a interdependência semântica existente entre uma sentença e
outra por meio de pausas e conectores - estes não só unem as partes do
discurso como também norteiam a argumentação.
 Urubus e Sabiás – Rubem Alves
 Tudo aconteceu numa terra distante, no tempo em que os bichos falavam... Os urubus, aves por natureza
becadas, mas sem grandes dotes para o canto, decidiram que, mesmo contra a natureza eles haveriam de se
tornar grandes cantores. E para isto fundaram escolas e importaram professores, gargarejaram dó-ré-mi-fá,
mandaram imprimir diplomas, e fizeram competições entre si, para ver quais deles seriam os mais
importantes e teriam a permissão para mandar nos outros. Foi assim que eles organizaram concursos e se
deram nomes pomposos, e o sonho de cada urubuzinho, instrutor em início de carreira, era se tornar um
respeitável urubu titular, a quem todos chamam de Vossa Excelência. Tudo ia muito bem até que a doce
tranquilidade da hierarquia dos urubus foi estremecida. A floresta foi invadida por bandos de pintassilgos
tagarelas, que brincavam com os canários e faziam serenatas para os sabiás... Os velhos urubus entortaram o
bico, o rancor encrespou a testa , e eles convocaram pintassilgos, sabiás e canários para um inquérito.
— Onde estão os documentos dos seus concursos?
 E as pobres aves se olharam perplexas, porque nunca haviam imaginado que tais coisas houvessem. Não
haviam passado por escolas de canto, porque o canto nascera com elas. E nunca apresentaram um diploma
para provar que sabiam cantar, mas cantavam simplesmente...
— Não, assim não pode ser. Cantar sem a titulação devida é um desrespeito à ordem.
E os urubus, em uníssono, expulsaram da floresta os passarinhos que cantavam sem alvarás...
MORAL: Em terra de urubus diplomados não se houve canto de sabiá."

O texto acima foi extraído do livro "Estórias de quem gosta de ensinar — O fim dos Vestibulares", editora
Ars Poetica — São Paulo, 1995, pág. 81
A) Em (1), temos “Tudo aconteceu...”. O
termo em destaque se refere a quê?
Tudo aconteceu numa terra distante, no tempo em que
os bichos falavam...
B) O que foi que aconteceu numa terra distante,
no tempo em que os bichos falavam?
C) Se em (3) tivéssemos a palavra isto ocupando o
espaço em branco, de modo que tivéssemos a
seguinte frase: “E para isto fundaram escolas...”. O
referido pronome faz referência a quê?
 (..) Os urubus, aves por natureza becadas, mas sem grandes
dotes para o canto, decidiram que, mesmo contra a natureza
eles haveriam de se tornar grandes cantores. E para isto
fundaram escolas e importaram professores, gargarejaram dó-
ré-mi-fá, mandaram imprimir diplomas, e fizeram competições
entre si, para ver quais deles seriam os mais importantes e
teriam a permissão para mandar nos outros (...)
D)Ainda em (3), qual (is) é(são) o(s) sujeito(s) dos
verbos fundaram, importaram, gargarejaram,
mandaram, fizeram?
Os urubus, aves por natureza becadas, mas sem grandes dotes
para o canto, decidiram que, mesmo contra a natureza eles
haveriam de se tornar grandes cantores. E para isto fundaram
escolas e importaram professores, gargarejaram dó-ré-mi-fá,
mandaram imprimir diplomas, e fizeram competições entre si,
para ver quais deles seriam os mais importantes e teriam a
permissão para mandar nos outros.
E) Ainda em (3), o sujeito de "teriam" é o mesmo
apresentado na resposta anterior?
Os urubus, aves por natureza becadas, mas sem grandes dotes
para o canto, decidiram que, mesmo contra a natureza eles
haveriam de se tornar grandes cantores. E para isto fundaram
escolas e importaram professores, gargarejaram dó-ré-mi-fá,
mandaram imprimir diplomas, e fizeram competições entre si,
para ver quais deles seriam os mais importantes e teriam a
permissão para mandar nos outros.
F) Novamente em (3), temos “ver quais deles
seriam os mais importantes”. O termo em destaque
se refere a quê ou a quem? E quem são os outros?
Os urubus, aves por natureza becadas, mas sem grandes dotes
para o canto, decidiram que, mesmo contra a natureza eles
haveriam de se tornar grandes cantores. E para isto fundaram
escolas e importaram professores, gargarejaram dó-ré-mi-fá,
mandaram imprimir diplomas, e fizeram competições entre si,
para ver quais deles seriam os mais importantes e teriam a
permissão para mandar nos outros.
G) Qual é o referente de eles em (4)?
Foi assim que eles organizaram concursos e se
deram nomes pomposos, e o sonho de cada
urubuzinho, instrutor em início de carreira, era se
tornar um respeitável urubu titular, a quem todos
chamam de Vossa Excelência.
H) Em (5) tem-se novamente a palavra tudo: “Tudo
ia muito bem...” Essa segunda ocorrência do termo
tem o mesmo sentido da primeira? Justifique.
Foi assim que eles organizaram concursos e se
deram nomes pomposos, e o sonho de cada
urubuzinho, instrutor em início de carreira, era se
tornar um respeitável urubu titular, a quem todos
chamam de Vossa Excelência. Tudo ia muito bem até
que a doce tranquilidade da hierarquia dos urubus foi
estremecida.
I) Em (7), a quem se refere o pronome eles? E seus
em (8)?
Os velhos urubus entortaram o bico, o rancor
encrespou a testa , e eles convocaram pintassilgos,
sabiás e canários para um inquérito.
— Onde estão os documentos dos seus concursos?
J) Quais são as pobres aves de que se fala
em (9)?
Os velhos urubus entortaram o bico, o rancor encrespou a testa , e eles
convocaram pintassilgos, sabiás e canários para um inquérito.
— Onde estão os documentos dos seus concursos?
E as pobres aves se olharam perplexas, porque nunca haviam imaginado
que tais coisas houvessem.
K) Em (9), a quê se refere a expressão tais coisas?
Os velhos urubus entortaram o bico, o rancor encrespou a testa , e eles
convocaram pintassilgos, sabiás e canários para um inquérito.
— Onde estão os documentos dos seus concursos?
E as pobres aves se olharam perplexas, porque nunca haviam
imaginado que tais coisas houvessem.
L) Elas, em (10), refere-se a pobres aves ou a tais
coisas? Justifique
E as pobres aves se olharam perplexas, porque nunca haviam
imaginado que tais coisas houvessem. Não haviam passado
por escolas de canto, porque o canto nascera com elas. E
nunca apresentaram um diploma para provar que sabiam
cantar, mas cantavam simplesmente...
M) De que passarinhos se fala em (13)?
E os urubus, em uníssono, expulsaram da floresta os
passarinhos que cantavam sem alvarás...

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Expressoes modalizadoras gqm_26_04 (1)
Expressoes modalizadoras gqm_26_04 (1)Expressoes modalizadoras gqm_26_04 (1)
Expressoes modalizadoras gqm_26_04 (1)Moises Ribeiro
 
Sequência didática Marcio Barcelos
Sequência didática Marcio BarcelosSequência didática Marcio Barcelos
Sequência didática Marcio BarcelosMarcio Braz Silva
 
Caricatura x Charge x Cartum x História em Quadrinho
Caricatura x Charge x Cartum x História em Quadrinho Caricatura x Charge x Cartum x História em Quadrinho
Caricatura x Charge x Cartum x História em Quadrinho Valeria Nunes
 
68 exercícios de crase com gabarito
68 exercícios de crase com gabarito68 exercícios de crase com gabarito
68 exercícios de crase com gabaritoFatima Ali
 
Contos populares
Contos populares Contos populares
Contos populares mdufpa
 
Prova língua portuguesa - reportagem, conto e poesia
Prova língua portuguesa - reportagem, conto e poesia Prova língua portuguesa - reportagem, conto e poesia
Prova língua portuguesa - reportagem, conto e poesia Rosana Gonzales
 
JOGO_ Dominó dos Sujeitos.pdf
JOGO_ Dominó dos Sujeitos.pdfJOGO_ Dominó dos Sujeitos.pdf
JOGO_ Dominó dos Sujeitos.pdfssuser2c24931
 
Jose lins do rego: Caracteristicas
Jose lins do rego: CaracteristicasJose lins do rego: Caracteristicas
Jose lins do rego: CaracteristicasLourdinas
 
Poema e poesia - 7º ano.pdf
Poema e poesia - 7º ano.pdfPoema e poesia - 7º ano.pdf
Poema e poesia - 7º ano.pdfCaroline Assis
 
Aula Divertida: Jogo dos Advérbios
Aula Divertida: Jogo dos AdvérbiosAula Divertida: Jogo dos Advérbios
Aula Divertida: Jogo dos AdvérbiosAndrea Alves
 
142686437 exercicios-sobre-flexao-dos-adjetivos
142686437 exercicios-sobre-flexao-dos-adjetivos142686437 exercicios-sobre-flexao-dos-adjetivos
142686437 exercicios-sobre-flexao-dos-adjetivosKênia Machado
 
Exercícios sobre tipos de discurso
Exercícios sobre tipos de discursoExercícios sobre tipos de discurso
Exercícios sobre tipos de discursoma.no.el.ne.ves
 

Mais procurados (20)

Adélia Prado
Adélia PradoAdélia Prado
Adélia Prado
 
Expressoes modalizadoras gqm_26_04 (1)
Expressoes modalizadoras gqm_26_04 (1)Expressoes modalizadoras gqm_26_04 (1)
Expressoes modalizadoras gqm_26_04 (1)
 
Sequência didática Marcio Barcelos
Sequência didática Marcio BarcelosSequência didática Marcio Barcelos
Sequência didática Marcio Barcelos
 
Caricatura x Charge x Cartum x História em Quadrinho
Caricatura x Charge x Cartum x História em Quadrinho Caricatura x Charge x Cartum x História em Quadrinho
Caricatura x Charge x Cartum x História em Quadrinho
 
Carta de leitor
Carta de leitorCarta de leitor
Carta de leitor
 
Gabaritooo 8 ano
Gabaritooo 8 anoGabaritooo 8 ano
Gabaritooo 8 ano
 
68 exercícios de crase com gabarito
68 exercícios de crase com gabarito68 exercícios de crase com gabarito
68 exercícios de crase com gabarito
 
Contos populares
Contos populares Contos populares
Contos populares
 
Prova língua portuguesa - reportagem, conto e poesia
Prova língua portuguesa - reportagem, conto e poesia Prova língua portuguesa - reportagem, conto e poesia
Prova língua portuguesa - reportagem, conto e poesia
 
Mas, mais, más
Mas, mais, másMas, mais, más
Mas, mais, más
 
JOGO_ Dominó dos Sujeitos.pdf
JOGO_ Dominó dos Sujeitos.pdfJOGO_ Dominó dos Sujeitos.pdf
JOGO_ Dominó dos Sujeitos.pdf
 
Jose lins do rego: Caracteristicas
Jose lins do rego: CaracteristicasJose lins do rego: Caracteristicas
Jose lins do rego: Caracteristicas
 
D11 (5º ano l.p.)
D11 (5º ano   l.p.)D11 (5º ano   l.p.)
D11 (5º ano l.p.)
 
Poema e poesia - 7º ano.pdf
Poema e poesia - 7º ano.pdfPoema e poesia - 7º ano.pdf
Poema e poesia - 7º ano.pdf
 
Aula Divertida: Jogo dos Advérbios
Aula Divertida: Jogo dos AdvérbiosAula Divertida: Jogo dos Advérbios
Aula Divertida: Jogo dos Advérbios
 
142686437 exercicios-sobre-flexao-dos-adjetivos
142686437 exercicios-sobre-flexao-dos-adjetivos142686437 exercicios-sobre-flexao-dos-adjetivos
142686437 exercicios-sobre-flexao-dos-adjetivos
 
Crase
CraseCrase
Crase
 
O narrador exercícios
O narrador exercíciosO narrador exercícios
O narrador exercícios
 
Variação linguística 1
Variação linguística 1Variação linguística 1
Variação linguística 1
 
Exercícios sobre tipos de discurso
Exercícios sobre tipos de discursoExercícios sobre tipos de discurso
Exercícios sobre tipos de discurso
 

Destaque

Aula leit e produção de texto
Aula leit e produção de textoAula leit e produção de texto
Aula leit e produção de textokatia melo
 
9_ano_caderno_educacinal_lingua portuguesa_professor_1bim
9_ano_caderno_educacinal_lingua portuguesa_professor_1bim9_ano_caderno_educacinal_lingua portuguesa_professor_1bim
9_ano_caderno_educacinal_lingua portuguesa_professor_1bimmarilene lúcia rosa
 
Coesão e coerencia
Coesão e coerenciaCoesão e coerencia
Coesão e coerenciasilnog
 
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIAAULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIAaulasdejornalismo
 
Respostas das questões do livro texto
Respostas das questões do livro textoRespostas das questões do livro texto
Respostas das questões do livro textomarioferreiraneto
 
Leitura e interpretacao_de_textos
Leitura e interpretacao_de_textosLeitura e interpretacao_de_textos
Leitura e interpretacao_de_textosMarcos Ataide
 

Destaque (10)

Caderno de atividades
Caderno de atividadesCaderno de atividades
Caderno de atividades
 
Slides coesao textual
Slides coesao textualSlides coesao textual
Slides coesao textual
 
Aula leit e produção de texto
Aula leit e produção de textoAula leit e produção de texto
Aula leit e produção de texto
 
Coesão Textual
Coesão TextualCoesão Textual
Coesão Textual
 
9_ano_caderno_educacinal_lingua portuguesa_professor_1bim
9_ano_caderno_educacinal_lingua portuguesa_professor_1bim9_ano_caderno_educacinal_lingua portuguesa_professor_1bim
9_ano_caderno_educacinal_lingua portuguesa_professor_1bim
 
Coesao e-coerencia
Coesao e-coerenciaCoesao e-coerencia
Coesao e-coerencia
 
Coesão e coerencia
Coesão e coerenciaCoesão e coerencia
Coesão e coerencia
 
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIAAULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
 
Respostas das questões do livro texto
Respostas das questões do livro textoRespostas das questões do livro texto
Respostas das questões do livro texto
 
Leitura e interpretacao_de_textos
Leitura e interpretacao_de_textosLeitura e interpretacao_de_textos
Leitura e interpretacao_de_textos
 

Semelhante a Revisão com base na atividade coesão

Apresentação spaece de português para 5 ano
Apresentação spaece de português para 5 anoApresentação spaece de português para 5 ano
Apresentação spaece de português para 5 anosezalpina1
 
Aula 3 fatores de textualidade (1)
Aula 3   fatores de textualidade (1)Aula 3   fatores de textualidade (1)
Aula 3 fatores de textualidade (1)WalterNeyAdosSantos
 
Intertextualidade e Paráfrase
Intertextualidade e ParáfraseIntertextualidade e Paráfrase
Intertextualidade e ParáfraseJomari
 
Oficina ensino fundamental II 12 de maio 2015
Oficina ensino fundamental II 12 de maio 2015Oficina ensino fundamental II 12 de maio 2015
Oficina ensino fundamental II 12 de maio 2015Fabiana Esteves
 
Sequencia didatica-saci-perere-pnaic-doc-140705233955-phpapp02
Sequencia didatica-saci-perere-pnaic-doc-140705233955-phpapp02Sequencia didatica-saci-perere-pnaic-doc-140705233955-phpapp02
Sequencia didatica-saci-perere-pnaic-doc-140705233955-phpapp02Vanderlita Gomes B Marquetti
 
Trabalho de didática - Fábulas by Doug.Albert
Trabalho de didática - Fábulas by Doug.AlbertTrabalho de didática - Fábulas by Doug.Albert
Trabalho de didática - Fábulas by Doug.AlbertDoug Petrova
 
Aventura das Letras LP 2.º ano
Aventura das Letras LP 2.º anoAventura das Letras LP 2.º ano
Aventura das Letras LP 2.º anoSousa Martins
 
Sujeito E Predicado
Sujeito E PredicadoSujeito E Predicado
Sujeito E Predicadoguest7174ad
 
Abi comicos registos_estilo
Abi comicos registos_estiloAbi comicos registos_estilo
Abi comicos registos_estiloAlbina Dinis
 

Semelhante a Revisão com base na atividade coesão (20)

AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO 2º CICLO - 4º BIMESTRE
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO 2º CICLO - 4º BIMESTREAVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO 2º CICLO - 4º BIMESTRE
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO 2º CICLO - 4º BIMESTRE
 
Apresentação spaece de português para 5 ano
Apresentação spaece de português para 5 anoApresentação spaece de português para 5 ano
Apresentação spaece de português para 5 ano
 
Simulado spaece 1º ano
Simulado spaece 1º anoSimulado spaece 1º ano
Simulado spaece 1º ano
 
Aula 3 fatores de textualidade (1)
Aula 3   fatores de textualidade (1)Aula 3   fatores de textualidade (1)
Aula 3 fatores de textualidade (1)
 
Intertextualidade e Paráfrase
Intertextualidade e ParáfraseIntertextualidade e Paráfrase
Intertextualidade e Paráfrase
 
Oficina ensino fundamental II 12 de maio 2015
Oficina ensino fundamental II 12 de maio 2015Oficina ensino fundamental II 12 de maio 2015
Oficina ensino fundamental II 12 de maio 2015
 
Sequencia didatica-saci-perere-pnaic-doc-140705233955-phpapp02
Sequencia didatica-saci-perere-pnaic-doc-140705233955-phpapp02Sequencia didatica-saci-perere-pnaic-doc-140705233955-phpapp02
Sequencia didatica-saci-perere-pnaic-doc-140705233955-phpapp02
 
Poema de mil faces
Poema de mil facesPoema de mil faces
Poema de mil faces
 
SIMULADO SARESP - Língua Portuguesa
SIMULADO SARESP - Língua PortuguesaSIMULADO SARESP - Língua Portuguesa
SIMULADO SARESP - Língua Portuguesa
 
Ativ. férias 1º ano
Ativ. férias 1º anoAtiv. férias 1º ano
Ativ. férias 1º ano
 
Avestruz
AvestruzAvestruz
Avestruz
 
SARESP Prova por-8 ef-manha
SARESP Prova por-8 ef-manhaSARESP Prova por-8 ef-manha
SARESP Prova por-8 ef-manha
 
Trabalho de didática - Fábulas by Doug.Albert
Trabalho de didática - Fábulas by Doug.AlbertTrabalho de didática - Fábulas by Doug.Albert
Trabalho de didática - Fábulas by Doug.Albert
 
Simulado 01 novo
Simulado 01 novoSimulado 01 novo
Simulado 01 novo
 
D 102
D 102 D 102
D 102
 
Portugues (1)
Portugues (1)Portugues (1)
Portugues (1)
 
Avl22 140221085311-phpapp01
Avl22 140221085311-phpapp01Avl22 140221085311-phpapp01
Avl22 140221085311-phpapp01
 
Aventura das Letras LP 2.º ano
Aventura das Letras LP 2.º anoAventura das Letras LP 2.º ano
Aventura das Letras LP 2.º ano
 
Sujeito E Predicado
Sujeito E PredicadoSujeito E Predicado
Sujeito E Predicado
 
Abi comicos registos_estilo
Abi comicos registos_estiloAbi comicos registos_estilo
Abi comicos registos_estilo
 

Mais de Renally Arruda

Sequencia pibid 2015.2
Sequencia pibid 2015.2 Sequencia pibid 2015.2
Sequencia pibid 2015.2 Renally Arruda
 
Peça teatral representação da paraíba
Peça teatral representação da paraíbaPeça teatral representação da paraíba
Peça teatral representação da paraíbaRenally Arruda
 
Entrevistas a membros da comunidade quilombola grilo
Entrevistas a membros da comunidade quilombola griloEntrevistas a membros da comunidade quilombola grilo
Entrevistas a membros da comunidade quilombola griloRenally Arruda
 
Esquema para realização da entrevista
Esquema para realização da entrevistaEsquema para realização da entrevista
Esquema para realização da entrevistaRenally Arruda
 
Caderno de atividades.2015.2
Caderno de atividades.2015.2Caderno de atividades.2015.2
Caderno de atividades.2015.2Renally Arruda
 
QUIZ MEMÓRIAS LITERÁRIAS
QUIZ MEMÓRIAS LITERÁRIASQUIZ MEMÓRIAS LITERÁRIAS
QUIZ MEMÓRIAS LITERÁRIASRenally Arruda
 
Gênero memórias literárias
Gênero memórias literáriasGênero memórias literárias
Gênero memórias literáriasRenally Arruda
 
Análise das-perguntas versão final
Análise das-perguntas versão finalAnálise das-perguntas versão final
Análise das-perguntas versão finalRenally Arruda
 
O gênero textual entrevista
O gênero textual   entrevistaO gênero textual   entrevista
O gênero textual entrevistaRenally Arruda
 
Artigo de opinião dos alunos versão final
Artigo de opinião dos alunos versão finalArtigo de opinião dos alunos versão final
Artigo de opinião dos alunos versão finalRenally Arruda
 
Revisao produção pibid
Revisao produção pibidRevisao produção pibid
Revisao produção pibidRenally Arruda
 
Slide sobre coerencia pibid
Slide sobre coerencia pibidSlide sobre coerencia pibid
Slide sobre coerencia pibidRenally Arruda
 
Slide sobre coerência pibid
Slide sobre coerência pibidSlide sobre coerência pibid
Slide sobre coerência pibidRenally Arruda
 

Mais de Renally Arruda (20)

Módulo 2015.2
Módulo 2015.2 Módulo 2015.2
Módulo 2015.2
 
Sequencia pibid 2015.2
Sequencia pibid 2015.2 Sequencia pibid 2015.2
Sequencia pibid 2015.2
 
Memórias literárias
Memórias literáriasMemórias literárias
Memórias literárias
 
Peça teatral representação da paraíba
Peça teatral representação da paraíbaPeça teatral representação da paraíba
Peça teatral representação da paraíba
 
Entrevistas a membros da comunidade quilombola grilo
Entrevistas a membros da comunidade quilombola griloEntrevistas a membros da comunidade quilombola grilo
Entrevistas a membros da comunidade quilombola grilo
 
Esquema para realização da entrevista
Esquema para realização da entrevistaEsquema para realização da entrevista
Esquema para realização da entrevista
 
Caderno de atividades.2015.2
Caderno de atividades.2015.2Caderno de atividades.2015.2
Caderno de atividades.2015.2
 
QUIZ MEMÓRIAS LITERÁRIAS
QUIZ MEMÓRIAS LITERÁRIASQUIZ MEMÓRIAS LITERÁRIAS
QUIZ MEMÓRIAS LITERÁRIAS
 
Vamos ler
Vamos lerVamos ler
Vamos ler
 
Textualização
TextualizaçãoTextualização
Textualização
 
Slides maquetes
Slides maquetesSlides maquetes
Slides maquetes
 
Gênero memórias literárias
Gênero memórias literáriasGênero memórias literárias
Gênero memórias literárias
 
Análise das-perguntas versão final
Análise das-perguntas versão finalAnálise das-perguntas versão final
Análise das-perguntas versão final
 
O gênero textual entrevista
O gênero textual   entrevistaO gênero textual   entrevista
O gênero textual entrevista
 
Artigo de opinião dos alunos versão final
Artigo de opinião dos alunos versão finalArtigo de opinião dos alunos versão final
Artigo de opinião dos alunos versão final
 
Revisao produção pibid
Revisao produção pibidRevisao produção pibid
Revisao produção pibid
 
Slide sobre coerencia pibid
Slide sobre coerencia pibidSlide sobre coerencia pibid
Slide sobre coerencia pibid
 
O jogo da vida
O jogo da vidaO jogo da vida
O jogo da vida
 
Quem sabe mais
Quem sabe maisQuem sabe mais
Quem sabe mais
 
Slide sobre coerência pibid
Slide sobre coerência pibidSlide sobre coerência pibid
Slide sobre coerência pibid
 

Último

O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 

Último (20)

O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 

Revisão com base na atividade coesão

  • 2.  Urubus e sabiás – Rubem Alves  "(1) Tudo aconteceu numa terra distante, no tempo em que os bichos falavam... (2) Os urubus, aves por natureza becadas, ______ sem grandes dotes para o canto, decidiram que, _____ contra a natureza eles haveriam de se tornar grandes cantores. (3) E _____ _____ fundaram escolas e importaram professores, gargarejaram dó-ré-mi-fá, mandaram imprimir diplomas, _____ fizeram competições entre si, _____ ver quais deles seriam os mais importantes e teriam a permissão para mandar nos outros. (4) ____________ eles organizaram concursos e se deram nomes pomposos, e o sonho de cada urubuzinho, instrutor em início de carreira, era se tornar um respeitável urubu titular, a quem todos chamam de Vossa Excelência. (5) Tudo ia muito bem ________ a doce tranquilidade da hierarquia dos urubus foi estremecida. (6) A floresta foi invadida por bandos de pintassilgos tagarelas, _____ brincavam com os canários e faziam serenatas para os sabiás... (7) Os velhos urubus entortaram o bico, o rancor encrespou a testa, ____ eles convocaram pintassilgos, sabiás e canários para um inquérito.  (8) “_ Onde estão os documentos dos seus concursos?”  (9) ____ as pobres aves se olharam perplexas, ______ nunca haviam imaginado que tais coisas houvessem. (10) Não haviam passado por escolas de canto, _______ o canto nascera com elas. (11) ____ nunca apresentaram um diploma ______ provar que sabiam cantar, _______ cantavam simplesmente...(12) “_ Não, ______ não pode ser. Cantar sem a titulação devida é um desrespeito à ordem.” (13) ______ os urubus, em uníssono, expulsaram da floresta os passarinhos que cantavam sem alvarás...(14) MORAL: Em terra de urubus diplomados não se houve canto de sabiá."
  • 3. Coesão sequencial por conexão  Expressa a interdependência semântica existente entre uma sentença e outra por meio de pausas e conectores - estes não só unem as partes do discurso como também norteiam a argumentação.
  • 4.  Urubus e Sabiás – Rubem Alves  Tudo aconteceu numa terra distante, no tempo em que os bichos falavam... Os urubus, aves por natureza becadas, mas sem grandes dotes para o canto, decidiram que, mesmo contra a natureza eles haveriam de se tornar grandes cantores. E para isto fundaram escolas e importaram professores, gargarejaram dó-ré-mi-fá, mandaram imprimir diplomas, e fizeram competições entre si, para ver quais deles seriam os mais importantes e teriam a permissão para mandar nos outros. Foi assim que eles organizaram concursos e se deram nomes pomposos, e o sonho de cada urubuzinho, instrutor em início de carreira, era se tornar um respeitável urubu titular, a quem todos chamam de Vossa Excelência. Tudo ia muito bem até que a doce tranquilidade da hierarquia dos urubus foi estremecida. A floresta foi invadida por bandos de pintassilgos tagarelas, que brincavam com os canários e faziam serenatas para os sabiás... Os velhos urubus entortaram o bico, o rancor encrespou a testa , e eles convocaram pintassilgos, sabiás e canários para um inquérito. — Onde estão os documentos dos seus concursos?  E as pobres aves se olharam perplexas, porque nunca haviam imaginado que tais coisas houvessem. Não haviam passado por escolas de canto, porque o canto nascera com elas. E nunca apresentaram um diploma para provar que sabiam cantar, mas cantavam simplesmente... — Não, assim não pode ser. Cantar sem a titulação devida é um desrespeito à ordem. E os urubus, em uníssono, expulsaram da floresta os passarinhos que cantavam sem alvarás... MORAL: Em terra de urubus diplomados não se houve canto de sabiá."  O texto acima foi extraído do livro "Estórias de quem gosta de ensinar — O fim dos Vestibulares", editora Ars Poetica — São Paulo, 1995, pág. 81
  • 5. A) Em (1), temos “Tudo aconteceu...”. O termo em destaque se refere a quê? Tudo aconteceu numa terra distante, no tempo em que os bichos falavam...
  • 6. B) O que foi que aconteceu numa terra distante, no tempo em que os bichos falavam?
  • 7. C) Se em (3) tivéssemos a palavra isto ocupando o espaço em branco, de modo que tivéssemos a seguinte frase: “E para isto fundaram escolas...”. O referido pronome faz referência a quê?  (..) Os urubus, aves por natureza becadas, mas sem grandes dotes para o canto, decidiram que, mesmo contra a natureza eles haveriam de se tornar grandes cantores. E para isto fundaram escolas e importaram professores, gargarejaram dó- ré-mi-fá, mandaram imprimir diplomas, e fizeram competições entre si, para ver quais deles seriam os mais importantes e teriam a permissão para mandar nos outros (...)
  • 8. D)Ainda em (3), qual (is) é(são) o(s) sujeito(s) dos verbos fundaram, importaram, gargarejaram, mandaram, fizeram? Os urubus, aves por natureza becadas, mas sem grandes dotes para o canto, decidiram que, mesmo contra a natureza eles haveriam de se tornar grandes cantores. E para isto fundaram escolas e importaram professores, gargarejaram dó-ré-mi-fá, mandaram imprimir diplomas, e fizeram competições entre si, para ver quais deles seriam os mais importantes e teriam a permissão para mandar nos outros.
  • 9. E) Ainda em (3), o sujeito de "teriam" é o mesmo apresentado na resposta anterior? Os urubus, aves por natureza becadas, mas sem grandes dotes para o canto, decidiram que, mesmo contra a natureza eles haveriam de se tornar grandes cantores. E para isto fundaram escolas e importaram professores, gargarejaram dó-ré-mi-fá, mandaram imprimir diplomas, e fizeram competições entre si, para ver quais deles seriam os mais importantes e teriam a permissão para mandar nos outros.
  • 10. F) Novamente em (3), temos “ver quais deles seriam os mais importantes”. O termo em destaque se refere a quê ou a quem? E quem são os outros? Os urubus, aves por natureza becadas, mas sem grandes dotes para o canto, decidiram que, mesmo contra a natureza eles haveriam de se tornar grandes cantores. E para isto fundaram escolas e importaram professores, gargarejaram dó-ré-mi-fá, mandaram imprimir diplomas, e fizeram competições entre si, para ver quais deles seriam os mais importantes e teriam a permissão para mandar nos outros.
  • 11. G) Qual é o referente de eles em (4)? Foi assim que eles organizaram concursos e se deram nomes pomposos, e o sonho de cada urubuzinho, instrutor em início de carreira, era se tornar um respeitável urubu titular, a quem todos chamam de Vossa Excelência.
  • 12. H) Em (5) tem-se novamente a palavra tudo: “Tudo ia muito bem...” Essa segunda ocorrência do termo tem o mesmo sentido da primeira? Justifique. Foi assim que eles organizaram concursos e se deram nomes pomposos, e o sonho de cada urubuzinho, instrutor em início de carreira, era se tornar um respeitável urubu titular, a quem todos chamam de Vossa Excelência. Tudo ia muito bem até que a doce tranquilidade da hierarquia dos urubus foi estremecida.
  • 13. I) Em (7), a quem se refere o pronome eles? E seus em (8)? Os velhos urubus entortaram o bico, o rancor encrespou a testa , e eles convocaram pintassilgos, sabiás e canários para um inquérito. — Onde estão os documentos dos seus concursos?
  • 14. J) Quais são as pobres aves de que se fala em (9)? Os velhos urubus entortaram o bico, o rancor encrespou a testa , e eles convocaram pintassilgos, sabiás e canários para um inquérito. — Onde estão os documentos dos seus concursos? E as pobres aves se olharam perplexas, porque nunca haviam imaginado que tais coisas houvessem.
  • 15. K) Em (9), a quê se refere a expressão tais coisas? Os velhos urubus entortaram o bico, o rancor encrespou a testa , e eles convocaram pintassilgos, sabiás e canários para um inquérito. — Onde estão os documentos dos seus concursos? E as pobres aves se olharam perplexas, porque nunca haviam imaginado que tais coisas houvessem.
  • 16. L) Elas, em (10), refere-se a pobres aves ou a tais coisas? Justifique E as pobres aves se olharam perplexas, porque nunca haviam imaginado que tais coisas houvessem. Não haviam passado por escolas de canto, porque o canto nascera com elas. E nunca apresentaram um diploma para provar que sabiam cantar, mas cantavam simplesmente...
  • 17. M) De que passarinhos se fala em (13)? E os urubus, em uníssono, expulsaram da floresta os passarinhos que cantavam sem alvarás...