Tales - Formação de palavras com gabarito

718 visualizações

Publicada em

Material com questões de concursos e vestibulares sobre processos de formação de palavras, com gabarito ao final.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
718
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
35
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
32
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Tales - Formação de palavras com gabarito

  1. 1. FORMAÇÃO DE PALAVRAS emlinguagem.blogspot.com CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | emlinguagem.blogspot.com | jasonrplima@hotmail.com 1 Professor Jason Lima 01 - (UFTM MG) Leia a charge. (www.acharge.com.br.) A charge ironiza a) a velocidade na cobrança de impostos do cidadão brasileiro. O título contém um substantivo formado por hibridismo. b) a carga tributária que recai sobre o cidadão brasileiro. O título contém um substantivo composto a partir de “imposto” e do radical grego “-metro”. c) o método de cobrança de impostos do cidadão brasileiro. O título contém um substantivo composto a partir dos substantivos “imposto” e “metro”. d) a falta de dinheiro do cidadão brasileiro. O título contém um substantivo derivado de “imposto” com o acréscimo do sufixo “-metro”. e) a intensidade dos impostos cobrados do cidadão brasileiro. O título contém um substantivo formado a partir de um verbo. 02 - (IBMEC) Paralimpíadas é a mãe Certamente eu descobriria no Google, mas me deu preguiça de pesquisar e, além disso, não tem importância saber quem inventou essa palavra grotesca, que agora a gente ouve nos noticiários de televisão e lê nos jornais. O surpreendente não é a invenção, pois sempre houve besteiras desse tipo, bastando lembrar os que se empenharam em não jogarmos futebol, mas ludopédio ou podobálio. O impressionante é a quase universalidade da adoção dessa palavra (ainda não vi se ela colou em Portugal, mas tenho dúvidas; os portugueses são bem mais ciosos de nossa língua do que nós), cujo uso parece ter sido objeto de um decreto imperial e faz pensar em por que não classificamos isso imediatamente como uma aberração deseducadora, desnecessária e inaceitável, além de subserviente a ditames saídos não se sabe de que cabeça desmiolada ou que interesse obscuro. Imagino que temos autonomia para isso e, se não temos, deveríamos ter, pois jornal, telejornal e radiojornal implicam deveres sérios em relação à língua. Sua escrita e sua fala são imitadas e tidas como padrão e essa responsabilidade não pode ser encarada de forma leviana. Que cretinice é essa? Que quer dizer essa palavra, cuja formação não tem nada a ver com nossa língua? Faz muitos e muitos anos, o então ministro do Trabalho, Antônio Magri, usou a palavra "imexível" e foi gozado a torto e a direito, até porque ele não era bem um intelectual e era visto como um alvo fácil. Mas, no neologismo que talvez tenha criado, aplicou perfeitamente as regras de derivação da língua e o vocábulo resultante não está nada "errado", tanto assim que hoje é encontrado em dicionários e tem uso corrente. Já o vi empregado muitas vezes, sem alusão ao ex-ministro. Infutucável, inesculhambável e impaquerável, por exemplo, são palavras que não se acham no dicionário, mas qualquer falante da língua as entende, pois estão dentro do espírito da língua, exprimem bem o que se pretende com seu uso e constituem derivações perfeitamente legítimas. Por que será que aceitamos sem discutir uma excrescência como "paralimpíada"? (João Ubaldo Ribeiro, O Estado de S. Paulo, 23/09/2012) O que motivou a indignação do autor com a palavra “paralimpíadas” foi o(a): a) imposição da palavra, formada por um mecanismo que dispensa elementos conhecidos da língua. b) aceitação irrestrita do termo por parte da mídia, especialmente pela televisão. c) fato de que, ao contrário do neologismo “imexível”, a palavra não foi incorporada aos dicionários. d) tentativa de resgatar palavras arcaicas tal como se fossem decretos imperiais. e) recusa à adoção do neologismo pelos portugueses, cuja atitude revela-se conservadora. 03 - (UNIFESP SP) Examine a tira. (Folha de S.Paulo, 26.12.2011.) O efeito de humor na situação apresentada decorre do fato de a personagem, no segundo quadrinho, considerar que “carinho” e “caro” sejam vocábulos
  2. 2. FORMAÇÃO DE PALAVRAS emlinguagem.blogspot.com CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | emlinguagem.blogspot.com | jasonrplima@hotmail.com 2 Professor Jason Lima a) derivados de um mesmo verbo. b) híbridos. c) derivados de vocábulos distintos. d) cognatos. e) formados por composição. 04 - (UFRN) Os fragmentos textuais abaixo foram extraídos de crônicas de Luis Fernando Veríssimo (2001). Aquele em que o termo sublinhado constitui uma onomatopeia é: a) “Originalmente, portanto, „tintim por tintim‟ indicava um pagamento feito minuciosamente, moeda por moeda.” (Tintim, p. 64) b) “Plúmbeo devia ser o barulho que um corpo faz ao cair na água.” (Defenestração, p. 60) c) “Depois de dizer „quatrilhão‟ você tem que pular para trás, senão ele esmaga os seus pés.” (Pudor, p. 70-71) d) “É dizer „Sílfide‟ e ficar vendo suas evoluções no ar, como as de uma borboleta.” (Pudor, p. 69) 05 - (UNIFOR CE) Em relação aos vocábulos filósofo e teólogo é correto afirmar que: a) são exemplos de hibridismo, em que se unem radicais, um de origem grega e outro de origem latina, respectivamente. b) o primeiro é formado por radicais de origem latina e o segundo, por radicais de origem grega. c) são, ambos, exemplos de composição por aglutinação, em que os dois elementos de origem diversa se fundem, para formar uma nova palavra. d) ambos são formados pela junção de dois radicais de origem grega. e) ambos são formados pela junção de dois radicais de origem latina. 06 - (FUVEST SP) Os atuais simuladores de vôo militares estão em condições não apenas de exibir uma imagem "realista" da paisagem sobrevoada, mas também de confrontá-la com a ...... obtida dos radares. O termo que preenche adequadamente a lacuna no texto é a) iconologia. b) iconoclastia. c) iconografia. d) iconofilia. e) iconolatria. 07 - (FUVEST SP) Transforma-se o amador na cousa amada, por virtude do muito imaginar; não tenho, logo, mais que desejar, pois em mim tenho a parte desejada. Se nela está minh‟alma transformada, que mais deseja o corpo de alcançar? Em si somente pode descansar, pois consigo tal alma está liada. Mas esta linda e pura semidéia, que, como um acidente em seu sujeito, assi co a alma minha se conforma, está no pensamento como idéia: e o vivo e puro amor de que sou feito, como a matéria simples busca a forma. (Camões, ed. A.J. da Costa Pimpão) O prefixo presente em semideia tem o mesmo valor semântico do prefixo que há em: a) hipotensão. b) perífrase. c) anfiteatro. d) subalterno. e) hemisfério. 08 - (FUVEST SP) Sinha Vitória falou assim, mas Fabiano resmungou, franziu a testa, achando a frase extravagante. Aves matarem bois e cabras, que lembrança! Olhou a mulher, desconfiado, julgou que ela estivesse tresvariando. (Graciliano Ramos, Vidas secas) O prefixo assinalado em “tresvariando” traduz idéia de: a) substituição. b) contigüidade. c) privação. d) inferioridade. e) intensidade. 09 - (UNIFOR CE) A série em que os vocábulos são formados pelo mesmo processo é: a) enciclopédia - historietas - heróis b) página - panorama - acordados c) cachecol - restaurante - conhecimento d) memória - certeza - realidade e) inseparáveis - desconhecidos - desparafusando 10 - (UNIFOR CE) O prefixo de origem grega que se encontra na palavra metamorfose tem seu correspondente, de origem latina, com o mesmo sentido em: a) revolver. b) envelhecer. c) transformação. d) despregada. e) ignorada. 11 - (UNIFICADO RJ) Os vocábulos aprimorar e encerrar classifica-se, quanto ao processo de formação de palavras, respectivamente, em:
  3. 3. FORMAÇÃO DE PALAVRAS emlinguagem.blogspot.com CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | emlinguagem.blogspot.com | jasonrplima@hotmail.com 3 Professor Jason Lima a) parassíntese / prefixação. b) parassíntese / parassíntese. c) prefixação / parassíntese. d) sufixação / prefixação e sufixação. e) prefixação e sufixação / prefixação. 12 - (INTEGRADO RJ) O que se indica nos parênteses NÃO está correto na opção: a) bordado (vogal temática). b) esforço-me (desinência número-pessoal). c) desenrolando (característica de gerúndio). d) imperceptível (derivado parassintético). e) meia-idade (composto por justaposição). 13 - (UFRRJ) O prefixo da palavra em destaque na oração "ao TRANSPOR a porta para a rua..." tem, respectivamente, o significado de a) movimento através de. b) movimento em torno. c) posição além do limite. d) movimento para além de. e) movimento intermitente. 14 - (ITA SP) Assinale a opção que apresenta somente palavras formadas por derivação parassintética: a) desvalorização, avistar, resfriado, infelizmente. b) expropriar, entortar, amanhecer, desalmado, ensurdecer. c) escolarização, antiinflação, retrospectivo, comilão, corpanzil. d) desigualdade, endurecer, alfabetizar, abençoar, chuviscar. e) administração, entretela, contrabalançar, semicondutor, relembrar. 15 - (UEL PR) O vocábulo PRÉ-HISTÓRIA é formado por a) derivação prefixal, somente. b) derivação sufixal, somente. c) derivação prefixal e sufixal. d) composição por justaposição. e) composição por aglutinação. 16 - (PUC RJ) Indique a palavra resultante do mesmo processo de formação que "término" a) Fim. b) Processo. c) Ganho. d) Caso. e) Motivo. 17 - (UFC CE) No período: "Vim do sertão, fedelhozinho ainda, bestaloide, mas hipersensível.", há, em fedelhozinho, dois sufixos de ___________, um deles expressa idéia de _____________; em bestaloide há um sufixo que indica __________, carregado de conotação depreciativa e, em hipersensível, um ___________ prefixal. Assinale a opção que preenche corretamente as lacunas do período. a) aumentativo, depreciação, aspecto de, superlativo. b) diminutivo, afetividade, semelhante a, superlativo. c) diminutivo, depreciação, forma de, aumentativo. d) diminutivo, afetividade, aspecto de, aumentativo. e) aumentativo, ironia, semelhante a, aumentativo. 18 - (PUC SP) Assinale a alternativa em que todas as palavras apresentam o mesmo valor semântico de INTER (ou entre), em "Internet", e INTRA (ou intro), em "intranet". a) internacional/entrever introduzir/intraduzível b) intercâmbio/interferência intrafegável/intramuros c) interação/interlocutor intramuscular/introvertido d) intervalo/interno intra-uterino/intransigente e) interlíngua/interface intransitável/intramedular 19 - (UFLA MG) Em: "... é um instinto inelutável, uma força espontânea...", classifique o processo de formação da palavra INELUTÁVEL: a) derivação prefixal. b) composição por justaposição. c) derivação regressiva. d) composição por aglutinação. e) derivação parassintética. 20 - (UFPE) Identifique a série em que todas as palavras se iniciam com um prefixo de sentido idêntico ao do prefixo 'in', em 'incrível'. a) desembarque; incalculável; ignição b) indiscreta; imemorável; incoativo c) irreparável; indexada; incoerente d) desconhecido; injetável; ateu e) atípico; inapto; ignoto
  4. 4. FORMAÇÃO DE PALAVRAS emlinguagem.blogspot.com CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | emlinguagem.blogspot.com | jasonrplima@hotmail.com 4 Professor Jason Lima 21 - (PUC SP) Está presente, no texto, o processo de formação de palavras por derivação imprópria. Assinale a alternativa em que ocorre tal processo. a) A ética, como morada humana, não é algo pronto e constituído de uma só vez. b) O ser humano está sempre tornando habitável a casa que constituiu para si. c) ... tudo aquilo que ajuda a tornar melhor o ambiente. d) Na ética, há o permanente e o mutável. e) A casa, nos seus mais diferentes estilos, deverá ser habitável. 22 - (UFSM RS) Na redação de suas cartas, os leitores empregaram palavras formadas com o auxílio de afixos. Em qual delas há um sufixo que significa "de maneira", "de modo"? a) instigante. b) comportamento. c) compreensão. d) rivalidade. e) infinitamente. 23 - (UFPE) Assinale a série de palavras cujos prefixos indicam negação, como em 'ilógico'. a) inaproveitável / irremovível / irromper b) invalidar / inativo / ingerir c) irrestrito / improfícuo / imberbe d) ateu / incoercível / imerso e) incriminar / imiscuir / imanente TEXTOS: Comuns à questão: 24 Fonte: HAGAR – Folha de S. Paulo, Ilustrada E 9, 17/08/2006. Fonte: CHICO B. - Folha de S. Paulo, Ilustrada E 11, 25/08/2006. 24 - (UEL PR) As onomatopeias da segunda tira referem-se, respectivamente, a: a) Escarro, pancada e soco. b) Beijo, afago e escarro. c) Escarro, afago e revide. d) Bocejo, escarro e estouro. e) Beijo, soco, grito de guerra. TEXTO: 2 - Comum à questão: 25 Medicina dos Humores e Símbolos 01 Assim como as outras ciências, a Medicina não escapou ao mito da estagnação medieval. Nas obras que 02 ainda alimentam esse clichê, lê-se que a Medicina passou quase mil anos num sono profundo, entre a Antigüidade e 03 o Renascimento. Os indícios que sustentam essa conclusão convergem em alguns aspectos: a ausência de invenções 04 espetaculares e de médicos excepcionais, a feitiçaria onipresente e a influência da Igreja sobre as ciências. A 05 Medicina era domínio de monges, filósofos e charlatães. 06 Ainda hoje, nossa visão da Idade Média permanece impregnada dessas idéias, que se baseiam, no 07 entanto, num ponto de vista moderno: em vez de serem colocadas na perspectiva da época, as ciências são avaliadas 08 tomando como parâmetro os critérios atuais. Assim a crítica segundo a qual a Igreja teria exercido uma 09 dominação aniquiladora do progresso é típica de uma sociedade laica. Para os cristãos da Idade Média, ao contrário, não 10 existia alternativa: eles acreditavam que os judeus, os pagãos e os hereges estavam condenados às penas do 11 inferno. A Medicina medieval era praticada na base de uma fé jamais colocada em questão e encontrava seu lugar 12 numa visão de mundo inteiramente religiosa. A Medicina era
  5. 5. FORMAÇÃO DE PALAVRAS emlinguagem.blogspot.com CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | emlinguagem.blogspot.com | jasonrplima@hotmail.com 5 Professor Jason Lima mais uma filosofia da Natureza que uma ciência da 13 Natureza, no sentido moderno do termo. 14 Ora, sem as bibliotecas monásticas, o trabalho dos monges copistas e o interesse que os eruditos 15 eclesiásticos demonstravam pela terapêutica, os escritos antigos de famosos médicos romanos, gregos ou árabes estariam 16 perdidos. Depois da queda do Império Romano, apenas os religiosos sabiam ler e escrever e dominavam a 17 língua erudita européia, o latim. Dessa forma, a Igreja permitia a continuidade da cultura e a sobrevivência da filosofia 18 antiga  e pagã. 19 Para o cristão devoto, a saúde e a salvação estavam alegoricamente ligadas: a Medicina cuidava do 20 corpo que perecia, e a religião, da alma imortal. O médico tinha de reconhecer as doenças e buscar tratá- las pelos 21 meios terrestres. Só se ele atingisse seus limites é que deveria ceder lugar _____ ajuda religiosa. 22 Os autores religiosos davam, assim, um grande valor _____ saúde do corpo, pois a “carne fraca” do 23 ditado era particularmente vulnerável à influência do Maligno. A representação mais popular do Cristo médico mostra 24 as curas milagrosas do Novo Testamento e legitima assim a intervenção dos médicos em caso de doença (quando 25 ela não era um ato divino irreversível). A existência de plantas medicinais provava, ao crente, que o Criador tinha 26 previsto sua utilização para o alívio e a cura. Ao contrário de um preconceito bastante difundido, uma fé inabalável 27 não impedia que se adotasse uma conduta ativa e pragmática para resolver os problemas que surgiam: como hoje, 28 os homens da Idade Média tentavam fazer tudo o que estava _____ seu alcance para facilitar a vida aqui na Terra e 29 preservar a saúde. Texto adaptado de RIHA, Ortrun. Scientific American Brasil. Especial História, n.1. 25 - (FFFCMPA RS) Sobre os adjetivos irreversível (linha 25) e inabalável (linha 26), considere as assertivas abaixo. I. Ambos apresentam o mesmo sufixo, mas prefixos diferentes. II. Ambos têm uma única forma para os dois gêneros gramaticais do Português. III. O processo que ambos sofreram em sua composição poderia ser aplicado aos verbos reconhecer e alcançar. Quais são corretas? a) Apenas I b) Apenas II c) Apenas I e III d) Apenas II e III e) I, II e III TEXTO: 3 - Comum à questão: 26 Dentro do politicovil André Petry Tudo já indicava que estamos cada vez mais distantes da política e mais próximos da politicalha, mas a tragédia de Congonhas jogou uma luz intensa sobre essa deformação nacional. A politiquice pós-tragédia dividiu Brasília em dois bandos. Os politiqueiros do governo torcem para que a principal explicação do desastre seja um defeito no avião ou erro do piloto, aliviando a barra governista. Os politiquetes da oposição fazem figa para que a pista de Congonhas seja a grande culpada, o que compromete o governo. Como as investigações iniciais sugerem que o problema principal ocorreu na cabine do avião, e não na pista do aeroporto, politiquinhos governistas talvez se sintam autorizados a voltar a brincar de top, top, top. Essa versão amesquinhada da política não é exclusividade brasileira, mas nas democracias mais maduras os politicastros ao menos se empenham em esconder seus impulsos. Aqui, as coisas estão mais debochadas. É impressionante a incapacidade dos nossos politicantes de fazer a política grande, nobre, a política que, apesar de todas as divergências, leva em conta que, afinal, vivemos todos juntos. Mas nossos politicóides são indiferentes a esse projeto de bem comum. Vulgarizam-se tanto que se apartaram do sentimento brasileiro médio, que se espantou de verdade, se chocou de verdade com o avião explodindo, se solidarizou de verdade com o drama das famílias. O senhor Marco Aurélio “Top, Top, Top” Garcia é exemplo dessa alienação. Filmado, como ele diz, de “forma clandestina”, Garcia mostrou preocupar-se menos com a comoção nacional e mais com o impacto eleitoral da tragédia. Coisa de politiquilho. Com o mesmo alheamento, o presidente Lula sumiu por três dias depois do maior acidente aéreo do país, tal como fazem os oposicionistas na hora em que são postos à prova. José Serra desapareceu quando o PCC colocou São Paulo de joelhos. Agora, como Congonhas não é obra sua, Serra aparece em Congonhas. E Lula, como Congonhas é obra sua, some de Congonhas, some de Porto Alegre e cancela visitas a toda região Sul do país, exatamente para onde deveria viajar se vencesse a covardia da politicagem, se deixasse de fazer politicócoras. Com politicalhões assim, corremos o risco de ficar numa situação algo parecida com a condição a que o nazismo relegou suas vítimas, conforme a formulação de Hannah Arendt: não eram considerados seres humanos, apenas futuros cadáveres. Basta de politicoveiros. Precisamos de políticos. In: Revista Veja. Edição 2019, 1º de agosto de 2007, p. 86.
  6. 6. FORMAÇÃO DE PALAVRAS emlinguagem.blogspot.com CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | emlinguagem.blogspot.com | jasonrplima@hotmail.com 6 Professor Jason Lima 26 - (UFOP MG) Assinale a alternativa que apresenta palavras compostas por aglutinação. a) politicovil / politicastros / politicócoras / politicoveiros b) politicoveiros / politiquilho / politiqueiros / politicalha c) politicóides / politiquice / politicagem / politiquetes d) politicastros / politicoveiros / politiquinhos / politiquilho TEXTO: 4 - Comum à questão: 27 TEXTO III (....) 1 “Os ruralistas defendem a proposta - o projeto de lei (PL) que muda substancialmente a porcentagem de autorização para derrubada de vegetação nativa em propriedades privadas na Amazônia - , alegando que a lei, Se aprovada, vai 5 incentivar a adesão dos fazendeiros à legislação ambiental e, dessa forma, garantir a sobrevivência de metade da biodiversidade amazônica. A verdade, porém, é que, num ecossistema frágil como o amazônico, ninguém sabe quanto de biodiversidade resistiria se 50% dela fosse 10 destruída. conforme a floresta encolhe, diminuem o volume de chuvas e a capacidade de a vegetação reter água. Com isso, a mata fica cada vez mais seca e vulnerável à ação do calor e do fogo.” ARAIA, Eduardo , Projeto de lei pode significar, no prazo de algumas décadas, o fim da Floresta Amazônica. 28/05/2008. www.terra.com.br/isto é/sumarios. Acesso em 04/08/08. 27 - (UFCG PB) Julgue certas (C) ou erradas (E) as assertivas abaixo em relação às palavras “biodiversidade” (l.9) e “ecossistema”(l.8) utilizadas no texto III: I. Apresentam, em sua constituição, radicais gregos que significam respectivamente “vida” e “casa”. II. São palavras formadas pelo processo de composição por justaposição. III. Apresentam radicais latinos e gregos que significam respectivamente vida e ambiente. IV. São palavras formadas pelo processo de prefixação e sufixação com a presença de radicais eruditos. A seqüência correta é: a) CCEE. b) CECE. c) ECEC. d) CECC. e) EECE. TEXTO: 5 - Comum à questão: 28 01 Grande parte de nossas decisões é tomada de 02 maneira mais ou menos automática. Esse processo 03 é guiado pelo valor que se dá às diversas experiências 04 do passado. Se uma pessoa desperta boas emoções 05 em mim, toda vez que eu a encontrar vou reviver 06 uma memória que se divide em dois aspectos: 07 o cognitivo (quem é essa pessoa) e o emocional 08 (é alguém de quem eu gosto). Não há memória ou 09 tomada de decisões neutras, sem emoção. 10 Na verdade, nada é mais essencial para a identidade 11 de uma pessoa do que o conjunto de experiências 12 armazenadas em sua mente. Por isso, o que 13 mais distingue a memória humana é a capacidade 14 de ter uma autobiografia. Cada um de nós sabe quando 15 nascemos, quem são nossos pais, nossos amigos, 16 quais são nossas preferências, o que já realizamos 17 na vida… Enfim, qual é nossa história. Um chimpanzé 18 ou um cão têm isso de forma limitada; sua memória 19 não possui a mesma riqueza de detalhes e 20 abrangência. Essa diferença é amplificada pela linguagem, 21 que codifica memórias não verbais em formas 22 verbais, expandindo enormemente tudo o que o 23 ser humano é capaz de memorizar. 24 Cada vez que a memória decai, e conforme a idade 25 isso ocorre em maior ou menor grau, perde-se 26 um pouco da interação com o mundo. Mas a ciência 27 vem avançando no conhecimento dos mecanismos da 28 memória e de como fazer para preservá-la. Pesquisas 29 recentes permitem vislumbrar o dia em que será realidade 30 a manipulação da memória humana. (...) 31 A neurociência é um campo tão promissor que, nos 32 Estados Unidos, um quinto do financiamento em pesquisas 33 médicas do governo federal vai para as tentativas 34 de compreender os mecanismos do cérebro. E os 35 estudos sobre a memória têm lugar destacado nesse 36 esforço científico. Afinal, mantê-la em perfeito funcionamento 37 tornou-se preocupação central nas sociedades 38 modernas, na qual dois fenômenos desafiam: a exposição 39 a uma carga diária excessiva de informações, 40 que o cérebro precisa processar, selecionar e, se relevantes, 41 reter para uso futuro; e o aumento da expectativa 42 de vida, que se traduz em uma população mais 43 vulnerável a distúrbios associados à perda de memória. Texto redigido com base em informações publicadas na revista Veja, 13 de janeiro, 2010. 28 - (PUC RS) Analise as informações a seguir e preencha os parênteses com V (verdadeiro) ou F (falso). Caso o leitor não conheça a palavra “neurociência” (ref.31), ele pode chegar ao sentido aproximado
  7. 7. FORMAÇÃO DE PALAVRAS emlinguagem.blogspot.com CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | emlinguagem.blogspot.com | jasonrplima@hotmail.com 7 Professor Jason Lima ( ) decompondo a palavra em seus elementos constitutivos e observando o que cada um significa. ( ) buscando pistas do seu significado no conteúdo do parágrafo anterior. ( ) identificando a classe gramatical e a função sintática dessa palavra no contexto. ( ) relacionando a palavra com outras do mesmo campo de significação, como “cérebro”, “estudos sobre a memória”, “esforço científico”. A sequência correta de preenchimento dos parênteses, de cima para baixo, é a) V – V – V – F b) V – V – F – V c) V – F – V – F d) F – F – V – V e) F – V – F – V TEXTO: 6 - Comum à questão: 29 A morte do jangadeiro Pe. Antônio Tomás Ao sopro do terral abrindo a vela Na esteira azul das águas arrastada, Segue veloz a intrépida jangada, Entre os uivos do mar que se encapela. Prudente, o jangadeiro se acautela Contra os mil acidentes da jornada; Fazem-lhe, entanto, guerra encarniçada O vento, a chuva, os raios, a procela. Súbito, um raio o prostra e, furioso, Da jangada o despeja na água escura E, em brancos véus de espuma, desdiloso Envolve e traga a onda intumescida, Dando-lhe, assim, mortalha e sepultura O mesmo mar que o pão lhe dera em vida. 29 - (UNIFOR CE) Assinale, de acordo com o soneto do Pe. Antônio Tomás, a alternativa em que o vocábulo onomatopaico traduz, no texto, o perigo, a traição e a ferocidade do mar diante da frágil embarcação: a) Raios. b) Uivos. c) Véus. d) Acidentes. e) Mortalha. TEXTO: 7 - Comum à questão: 30 Sua excelência [O ministro] vinha absorvido e tangido por uma chusma de sentimentos atinentes a si mesmo que quase lhe falavam a um tempo na consciência: orgulho, força, valor, satisfação própria etc. etc. Não havia um negativo, não havia nele uma dúvida; todo ele estava embriagado de certeza de seu valor intrínseco, das suas qualidades extraordinárias e excepcionais de condutor dos povos. A respeitosa atitude de todos e a deferência universal que o cercavam, reafirmadas tão eloquentemente naquele banquete, eram nada mais, nada menos que o sinal da convicção dos povos de ser ele o resumo do país, vendo nele o solucionador das suas dificuldades presentes e o agente eficaz do seu futuro e constante progresso. Na sua ação repousavam as pequenas esperanças dos humildes e as desmarcadas ambições dos ricos. Era tal o seu inebriamento que chegou a esquecer as coisas feias do seu ofício... Ele se julgava, e só o que lhe parecia grande entrava nesse julgamento. As obscuras determinações das coisas, acertadamente, haviam-no erguido até ali, e mais alto levá-lo-iam, visto que, só ele, ele só e unicamente, seria capaz de fazer o país chegar ao destino que os antecedentes dele impunham. (Lima Barreto. Os bruzundangas. Porto Alegre: L&PM, 1998, pp. 15-6) 30 - (FGV ) A palavra que apresenta, em sua formação, um prefixo e um sufixo formador de adjetivo é: a) esperanças. b) sentimentos. c) unicamente. d) respeitosas. e) extraordinárias. TEXTO: 8 - Comum à questão: 31 01 Descobri aos 13 anos que o que me dava prazer nas leituras não era a beleza das frases, mas a doença delas. Comuniquei ao Padre Ezequiel, um meu Preceptor, 05 esse gosto esquisito. Eu pensava que fosse um sujeito escaleno. - Gostar de fazer defeitos na frase é muito saudável, o Padre me disse. [...] 10 Há que apenas saber errar bem o seu idioma.
  8. 8. FORMAÇÃO DE PALAVRAS emlinguagem.blogspot.com CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | emlinguagem.blogspot.com | jasonrplima@hotmail.com 8 Professor Jason Lima Esse Padre Ezequiel foi o meu primeiro professor de agramática. Manoel de Barros, “Poema VII” 31 - (MACK SP) O valor do prefixo da palavra agramática encontra-se também em: a) anagrama. b) acrópole. c) adjunto. d) amoral. e) análise. TEXTO: 9 - Comum à questão: 32 Volta às origens. Conheça trechos das versões originais das histórias Bia Reis − O Estado de S. Paulo 01 Animais que falam, princesas que sofrem, 02 reis e rainhas, fadas madrinhas, gigantes. As 03 histórias se passam em um lugar longínquo, 04 muitas começam com “era uma vez” e os 05 personagens têm nomes simples, às vezes 06 apelidos. E, como se fosse mágica, o leitor 07 mergulha em um mundo onde tudo é possível: um 08 pé de feijão pode crescer até o céu e um tapete, 09 voar. 10 Conforme atravessaram os séculos, os contos 11 de fadas foram ganhando nova roupagem. A 12 narrativa central permaneceu, mas, em geral, eles 13 se tornaram mais leves, açucarados. Na versão 14 original de Chapeuzinho Vermelho, por exemplo, 15 o Lobo come a Vovó e a menina − e não há nem 16 sombra dos caçadores. 17 O mesmo aconteceu com a história da Rainha 18 Má que tenta a todo custo acabar com a vida da 19 enteada, apontada pelo Espelho como a mulher 20 mais bela do reino. Criado entre os séculos 16 e 21 17, o conto foi reescrito pelos irmãos Jacob 22 (1785-1863) e Wilhelm Grimm (1786-1859) e 23 ganhou o mundo com a versão de Walt Disney 24 para o cinema, em 1937. Mas, nesse caso, foi o 25 americano quem colocou o açúcar. 26 Na versão dos irmãos Grimm de Branca de 27 Neve, cujo texto está sendo relançado pela 28 Geração Editorial, após receber do caçador 29 pulmões e fígado de um javali, a madrasta pede ao 30 cozinheiro que ferva os órgãos e os come 31 pensando que fossem da moça. 32 A Rainha Má tenta matar a enteada não uma, 33 mas três vezes. Primeiro, vai à casa dos sete anões 34 e, disfarçada de vendedora, oferece laços para 35 espartilho. Branca de Neve deixa que a senhora 36 coloque a fita, e ela a aperta com tanta força que 37 faz a garota desmaiar. Depois, a rainha tenta 38 matá-la com um pente envenenado para, 39 finalmente, lançar mão de sua estratégia mais 40 conhecida: a maçã cheia de veneno. 41 O fim da história também é mais dramático. 42 Não há o famoso beijo e o “então viveram felizes 43 para sempre”. Branca de Neve volta à vida 44 quando, ao ser carregada pelos servos do príncipe, 45 um deles tropeça e, com o solavanco, um pedaço 46 de maçã envenenada sai da garganta da moça. 47 A madrasta é convidada para o casamento de 48 Branca de Neve com o príncipe, e os dois se 49 vingam da rainha cruel fazendo com que ela calce 50 sapatos de ferro aquecidos sobre carvões em brasa 51 e dance. (...) (Texto adaptado. Disponível em: <http://www.estadao.com.br/noticias/ impresso,volta-as-origens -conheca-trechos-das-versoes-originais- das- historias,897511,0. htm>. Publicado em 08/07/2012. Acesso em 15/08/2012) 32 - (UEM PR) Assinale o que for correto em relação à flexão e à formação de palavras no texto. 01. Os vocábulos “reescrito” (linha 21), “relançado” (Ref. 27) e “receber” (Ref. 28) têm em comum o prefixo “re-”, que indica repetição. 02. No vocábulo “açucarados” (Ref. 13), o sufixo “- ado” forma um adjetivo a partir do substantivo “açúcar”. 04. O vocábulo “envenenado” (Ref. 38) é formado a partir de “envenenar”, em que há adição simultânea de prefixo e de sufixo: en + veneno + ar. 08. Em “Animais que falam” (Ref. 1), a desinência número-pessoal “-m” indica que se trata de forma da terceira pessoa do plural. 16. O vocábulo “personagens” (Ref 5), embora possa ter referentes tanto do sexo masculino (“príncipe”, por exemplo) quanto do sexo feminino (“princesa”), é tratado pela autora do texto como sendo do gênero masculino pela anteposição do artigo “os”. 33 - (UNISA SP) Pelo processo de derivação, as palavras sofrem modificações incorporando diferentes sentidos. Assinale a alternativa em que as palavras em destaque, nas frases, resultantes do mesmo processo de formação, traduzem, respectivamente, sentido de admiração e de menosprezo. a) São Paulo, com todas as oportunidades que oferece, é mesmo uma cidadona. / Quadrilhas invadem restaurantes e roubam clientes em ondas de ataque em São Paulo: que cidadezinha violenta!
  9. 9. FORMAÇÃO DE PALAVRAS emlinguagem.blogspot.com CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | emlinguagem.blogspot.com | jasonrplima@hotmail.com 9 Professor Jason Lima b) As calçadas nas cidades europeias são planejadíssimas. / Como houve mudança na administração do bairro, a reforma da praça teve de ser replanejada. c) Algum coordenador de transportes tentou fazer uma viagenzinha curta que seja, num coletivo cheio, em dia de calor? / Moradora da periferia enfrenta uma rotina diária de mais de cinco horas dentro dos ônibus: é uma hiperviagem. d) Ele é um supercoordenador e deveria conhecer os problemas do trânsito. / A Prefeitura nomeou uma pessoa incompetente para administrar o trânsito, é um descoordenador. e) A variedade dos desenhos forma um mix desordenado de excrescência. / Que sorte temos nós, nossa cidade é harmoniosa, ordenadíssima! TEXTO: 11 - Comum à questão: 34 Articulista da Forbes ironiza o status que o brasileiro dá para o automóvel (1) Até a americana revista Forbes anda rindo da obsessão do brasileiro em encarar o automóvel como símbolo de status. No último sábado, o blog do colaborador Kenneth Rapoza, especialista nos chamados Bric´s (Brasil, Rússia, Índia e China), trouxe um artigo intitulado “O Jeep Grand Cherokee de ridículos 80 mil dólares do Brasil”. A tese do artigo: os brasileiros confundem qualidade com preço alto e se dispõem a pagar 189 mil reais (89.500 dólares) por um carro desses que, nos Estados Unidos, é só mais um carro comum. Por esse preço, ironiza Rapoza, “seria possível comprar três Grand Cherokees se esses brasileiros vivessem em Miami junto de seus amigos.” (2) O articulista lembra que a Chrysler lançará o Dodge Durango SUV, que nos Estados Unidos custa 54 mil reais, no Salão do Automóvel de São Paulo por 190 mil reais. “Um professor de escola primária do Bronx pode comprar um Durango. Ok, não um zero quilômetro, mas um de dois ou três anos, absolutamente bem conservado”, exemplifica, para mostrar que o carro supostamente não vale o quanto custa no País. (3) O autor salienta que o alto custo ocorre por conta da taxação de 50% em produtos importados e da ingenuidade do consumidor que acredita que um Cherokee tem o mesmo valor que um BMW X5 só porque tem o mesmo preço. “Desculpem, „Brazukas‟, mas não há nenhum status em um Toyota Corolla, Honda Civic, Jeep Grand ou Dodge Durango. Não sejam enganados pelo preço de etiqueta. Vocês definitivamente estão sendo roubados.” (4) E conclui o artigo: “Pensando dessa maneira, imagine que um amigo americano contasse que acabou de comprar um par de Havaianas de 150 dólares. Você diria que ele pagou demais. É claro que esses chinelos são sexy e chic, mas não valem 150 dólares. Quando o assunto é carro e seu status no Brasil, as camadas mais altas estão servindo Pitu e 51 em suas caipirinhas e pensando que é bebida de alta qualidade.” Disponível em: http://www.cartacapital.com.br/sociedade/articulista-da- forbes-ironiza-o-status-que-o-brasileiro-da-para-oautomovel. (Adaptado) 34 - (UPE) Quanto aos aspectos morfológicos e semânticos do vocabulário empregado no Texto, analise as proposições a seguir. I. O sufixo utilizado na formação da palavra “articulista” (2º parágrafo) tem o mesmo valor semântico daqueles presentes em palavras como “motorista” e “equilibrista”. II. O emprego do advérbio “supostamente” (2º parágrafo) invalida o argumento contido no trecho entre aspas no parágrafo. III. A forma verbal “salienta” (3º parágrafo), que serve para introduzir mais um comentário da revista Forbes, poderia ser substituída por “diz” sem nenhum prejuízo semântico ao trecho. IV. A formalidade da expressão “Brazucas” (3º parágrafo), em referência aos brasileiros, é legítima, tendo em vista se tratar de um texto da mídia impressa que prima pelo padrão formal da língua. V. A palavra “camadas” (4º parágrafo), no contexto em que aparece no Texto, poderia ser substituída por “classes” ou “grupos”, sem substanciais mudanças de sentido. Estão CORRETAS, apenas, a) I, II e IV. b) I e V. c) II e IV. d) II, III e V. e) III, IV e V. 35 - (Fac. de Ciências da Saúde de Barretos SP) Assinale a alternativa em que o primeiro termo é derivado com prefixo de sentido negativo e o segundo composto por justaposição. a) desonrado, joão-ninguém. b) humilhação, sussurra. c) afora, de supetão. d) urgência, arroz feijão. e) digestão, quebra da rotina.
  10. 10. FORMAÇÃO DE PALAVRAS emlinguagem.blogspot.com CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | emlinguagem.blogspot.com | jasonrplima@hotmail.com 10 Professor Jason Lima 36 - (Fac. Santa Marcelina SP) Em rever e secamente, observam-se dois processos de derivação muito comuns. Os mesmos tipos de formação de palavras se encontram destacados, respectivamente, na seguinte alternativa: a) Amâncio convidou os companheiros do ano; compareceram somente os pobres [...] b) Os brindes reapareceram. Visivelmente orgulhoso, o anfitrião se superava. c) Vasconcelos era muito rigoroso quando recebia gente em casa [...]. d) Alguns amigos do pai profetizavam nele uma glória da pátria [...]. e) O Vasconcelos quis festejar o exame do filho, com um jantar oferecido aos senhores examinadores [...]. TEXTO: 14 - Comum à questão: 37 No português, encontramos variedades históricas, tais como a representada na cantiga trovadoresca de João Garcia de Guilhade, ilustrada a seguir. Non chegou, madre, o meu amigo, e oje est o prazo saido! Ai, madre, moiro d‟amor! Non chegou, madre, o meu amado, e oje est o prazo passado! Ai, madre, moiro d‟amor! E oje est o prazo saido! Por que mentiu o desmentido? Ai, madre, moiro d‟amor! E oje, est o prazo passado! Por que mentiu o perjurado? Ai, madre, moiro d‟amor! 37 - (IFSP) Considerando a terceira estrofe, assinale a alternativa que apresenta uma palavra formada por parassíntese. a) desmentido b) prazo c) saido d) d´amor e) moiro GABARITO: 1) Gab: B 2) Gab: A 3) Gab: D 4) Gab: A 5) Gab: D 6) Gab: C 7) Gab: E 8) Gab: E 9) Gab: E 10) Gab: C 11) Gab: A 12) Gab: D 13) Gab: D 14) Gab: B 15) Gab: A 16) Gab: C 17) Gab: B 18) Gab: C 19) Gab:E 20) Gab:E 21) Gab: D 22) Gab: E 23) Gab: C 24) Gab: A 25) Gab: D 26) Gab: A 27) Gab: A 28) Gab: B 29) Gab: B 30) Gab: E 31) Gab: D 32) Gab: 30 33) Gab: A 34) Gab: B 35) Gab: A 36) Gab: B 37) Gab: A

×