SEMINÁRIO: A ANTROPOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA VISÃO HOLISTICA DA PEDAGOGIA ATUAL

3.594 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.594
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
244
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
106
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

SEMINÁRIO: A ANTROPOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA VISÃO HOLISTICA DA PEDAGOGIA ATUAL

  1. 1. SEMINÁRIO: A ANTROPOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA VISÃO HOLISTICA DA PEDAGOGIA ATUAL Prof. Msc. Márcio Gonçalves dos Santos Mestrado em Educação UNIEUBRA
  2. 2. Por uma Antropologia da Educação no Brasil • A obra em destaque soma-se a outras poucas obras presentes no cenário nacional a respeito de antropologia e educação. A temática ainda não alcança pleno sucesso, quer no campo da antropologia, quer no campo da educação, voltadas para os temas mais tradicionais de atuação de suas próprias áreas.
  3. 3. • Contudo, cada vez mais, a antropologia está presente nos temas tratados na educação e nas exigências que advêm das políticas nacionais de educação (LDB; PCN) e das políticas de diversidade (Leis 10.639/03 e 11.645/08) que hoje regem o fazer educativo e impõem novas exigências no âmbito das práticas pedagógicas, com implicações na formação de professores e educadores brasileiros. Por isso tudo, em boa hora, a Coleção Temas & Educação, da Autêntica Editora, coloca em circulação Antropologia & Educação.
  4. 4. • Os autores, doutores em antropologia, unem esforços no sentido de “ampliar o significado da antropologia como forma de educação”, como afirmam na contracapa do livro, e entendem que a obra contempla “a educação para além dos limites físicos da escola”. • Nesse aspecto, esse é um de seus pontos fortes, ao tratar de questões como a pluralidade cultural e outros assuntos relevantes no campo pedagógico. Relevante, também, a organização da obra em capítulos que, facilmente, introduzem o leitor leigo ou o estudante iniciático das Ciências Sociais, da Educação ou de outra área, no debate pretendido.
  5. 5. • A obra compreende um texto de apresentação, uma introdução à antropologia como educação e quatro capítulos. A partir dessa organização, torna-se possível compreender as características centrais da ciência antropológica no seu percurso histórico (Capítulo I), em termos da teoria e da prática do seu fazer científico (Capítulo II), e destacar a centralidade do conceito de cultura e sua razão de ser no estudo das sociedades humanas (Capítulo III).
  6. 6. • A unidade dos capítulos citados complementa-se com o Capítulo IV, no qual se discutem as possibilidades de uma antropologia da educação; nele há, talvez, um debate iniciado, mas ainda a ser construído. • Encerra-se a obra com informações preciosas de fontes multimídia, de importância significativa a todos que se dedicam à educação, sejam estes professores, gestores, pesquisadores, estudantes ou outros interessados.
  7. 7. • A partir dessa apreciação geral, cabe situar alguns debates que o conteúdo tratado suscita no campo educacional e, com ele, contribuir mais um passo para a construção de uma Antropologia da Educação no Brasil, como já defendia a Profa. Dra. Aracy Lopes da Silva e como tenho defendido em meus próprios trabalhos. • Chamo a atenção para o texto de apresentação da obra, “Algumas palavras sobre a cultura e a educação”, do Prof. Carlos Rodrigues Brandão, expoente da antropologia brasileira e, em particular, do debate antropológico em educação.
  8. 8. • Brandão, ao situar-nos, a nós, seres humanos, como produto da relação entre a natureza e a cultura, afirma que “somos seres naturais” e que “sobre a natureza que nos é dada, construímo-nos a nós mesmos e aos nossos mundos”. Como seres humanos, como sujeitos sociais.
  9. 9. • A ideia de construção é de fundamental importância, na medida em que é a partir dela que nos fazemos como seres sociais, que não apenas nominam fatos e coisas, mas que se diferenciam do mundo animal. Diferenciam-se não somente porque sabem e sentem como esses, mas porque “sabemos que sabemos, e nos sabemos sabendo (ou não sabendo); e nos sentimos sabendo e nos sabemos sentindo.”
  10. 10. • Aqui, segundo Brandão, a educação, assim como a cultura, se faz “absolutamente íntima, interativa, inclusiva”. O autor deduz, então, que • a educação é – como tudo o mais que é humano e é criação de seres humanos – uma dimensão, uma esfera interativa e interligada a outras, um elo, uma trama (no bom sentido da palavra) na teia de símbolos e saberes, de sentidos e significados, como também de códigos, de instituições que configuram uma cultura, uma pluralidade interconectada (não raro, entre acordos e conflitos) de culturas e entre culturas, situadas em uma ou entre várias sociedades. (p. 12).
  11. 11. •A relação entre educação e cultura é, assim, fundante e fundamental nas sociedades humanas, posto que ambas envolvem o ensinar e aprender em todas as dimensões da vida social. Nesse sentido, hoje, “no presente e complexo momento de história que compartimos”, cabenos, segundo Brandão, responder: “qual a função, a missão e o alcance da educação?” (p. 15). • Esse o desafio de uma antropologia da educação no Brasil, que está por fazer.
  12. 12. • Por estar ainda em construção é que a “Introdução à antropologia como educação” se faz necessária. • Nela não apenas se situa a postura dos autores em termos da antropologia e da educação, mas também se abre uma janela de indagações preciosas que aqui se registram como contribuição ao pensamento dessa antropologia diferenciada. Para os autores, a obra é uma contribuição para pensar a “antropologia como forma de educação”, e “a educação só é possível como prática antropológica” (p. 17).
  13. 13. • Compreendem, assim, para além do campo acadêmico e disciplinar da antropologia em termos de alteridade, que esta se faz “uma forma de produzir um sentido humanista a nossas experiências no mundo da vida cotidiana”, em razão de sua natureza interdisciplinar; da conquista de sua própria trajetória histórica, tal como é referida no Capítulo I; de sua natureza epistemológica (Capítulo II) e de sua perspectiva no tempo (Capítulo III), que conduz à defesa de que “a antropologia é uma forma de educação” e que “uma boa educação exige uma prática antropológica” (Capítulo IV).
  14. 14. • A questão que merece ser apontada aqui é: poderia (seria possível) ser qualquer prática antropológica? Certamente não. • Nesse sentido, o Capítulo I, “A modernidade da Antropologia”, ao situar o nascimento dessa ciência e seu contexto entre os séculos XIX e XX (Ciências Clássicas e Modernas) até os tempos atuais, com o advento da pós-modernidade, será uma tentativa de responder a questão acima. Do conjunto de dados apresentados, importa destacar um dos movimentos da antropologia como “ciência aplicada”, ciência de serviço, constituída entre 1920 e 1940.
  15. 15. • Trata-se de uma ciência voltada para a prática e de natureza instrumental, que permitiu intenso diálogo com os sistemas políticos da época e, em particular, com a educação, configurando uma antropologia da educação e da criança, logo após a Primeira Guerra Mundial (p. 45). • O contexto dessa antropologia da educação é bem descrito pelos autores; contudo, falta fundamental para alavancar a compreensão de outra antropologia da educação ou de uma antropologia e uma educação, hoje, mais compreensivas e críticas, que venham a se constituir no Brasil, em termos de teoria e prática.
  16. 16. • Não seria o caso de dizer que essa história nada pode acrescentar a uma educação para a diversidade, em que a pluralidade do mundo social deve ser admitida como direito dos povos, tal como se requisita hoje. • A contribuição da antropologia, com sua teoria e sua prática, iluminada por sua própria transformação histórica em uma ciência mais compreensiva e crítica, faz-se fundamental. • Diz de um fazer antropológico que é, a um só tempo, transformado e transformador, e não apenas por assumir uma concepção mais humanista, tal como dizem os autores.
  17. 17. • O humanismo também pode ser uma armadilha na defesa dos chamados outros, quando apenas ideologia e não valor, inclusive por sua capacidade de responder à natureza instrumental e técnica da própria educação moderna. • A antropologia é uma ciência do “fazer-fazendo”, que se constrói pela crítica constante de seus próprios passos, uma ciência que “aprende-e-ensina”, ao mesmo tempo que “ensina-e-aprende”.
  18. 18. • Por essa razão, coloca-se como mais-valia no campo educacional, desafiada pela ruptura entre ensino e aprendizagem, seja dos que ensinam, seja dos que aprendem. • O desafio no qual o fazer antropológico, sua prática e seu suporte teórico são fundamentais na educação diz respeito a re-unir ensinoaprendizagem, tornando-se um aprender ensinando e um ensinar aprendendo. • Por esse arrazoado, fica a dúvida: falar de uma antropologia da educação no Brasil seria pensar uma “educação antropológica” (p. 19).
  19. 19. • Em pauta, o humanismo ideológico presente na educação que herdamos, também presente no histórico da disciplina e que, muitas vezes, para os menos avisados, opera apenas como uma ideologia geral e abstrata, pouco construtiva e transformadora. • Aqui, o debate em torno do “Sentido da etnografia”, Capítulo II da obra, por pertinência e alcance, pode permitir a construção de uma antropologia da educação ou de uma antropologia e uma educação no Brasil que sejam críticas. Aparentemente, esse é o caminhar dos autores.
  20. 20. • A etnografia abordada a partir de uma concepção fenomenológica de ciência e, portanto, não apenas como modos de fazer, mas também como teoria do conhecimento, abre um panorama significativo para pensar a unidade teoria e prática desse campo científico. • A “viagem” dos autores no tempo e no espaço, no entanto, parece um pouco exaustiva, detalhista, com relatos breves de trabalhos de campo pioneiros, e distancia-se do conteúdo tratado no capítulo anterior.
  21. 21. • Talvez por sua abordagem, a compreensão metodológica das viagens, do viajar como parte do campo epistemológico, ou seja, “uma viagem do olhar” ( p. 69), parece ficar restrita aos sentidos e, no que pese a excelência do texto de Roberto Cardoso, recuperado pelos autores, não avança o tanto que poderia.
  22. 22. • Por outro lado, não é suficiente afirmar o trabalho de campo como “uma experiência educativa completa” (p. 78), já que muitas pesquisas que se dizem etnográficas, em particular na educação, não chegam propriamente a sê-lo e sequer dimensionam o estar em campo como sendo muito mais do que estar com nossos sujeitos. • Estar lá diz respeito, principalmente, às bases epistemológicas que nos conformam como pesquisadores; mas diz, sobretudo, de nós como sujeitos sociais, partícipes de uma dada realidade que é histórica e datada.
  23. 23. • Nesse caso, como realidade política que é, não pode desconhecer a cultura que nos envolve. O fato exige perceber a cultura não apenas como sentido e significado, senão como mediação2, ou seja, como um campo político de muitas possibilidades. • Aqui, o desafio do Capítulo III ao propor-se ao debate desse conceito central na ciência antropológica. • O Capítulo III – “Cultura como teoria e método” – dedica-se a historiar a constituição paradigmática do conceito de cultura no interior da modernidade.
  24. 24. • O texto transita entre tempos e espaços diversos, contextualizando os muitos sentidos do conceito em suas vertentes teóricas, porém deixa em branco o debate do final do século XX entre modernos e pós-modernos, em relação à validade do conceito e/ou sua revisão. • Um pouco desse debate poderia fornecer ao leitor informações preciosas com respeito ao próprio conceito e sua legitimidade forjada na modernidade e colocar em tela a emergência de um novo campo – os Estudos Culturais – e sua influência nas pesquisas em educação.
  25. 25. • Essa questão exige ser ainda explorada, de modo a revalidar a antropologia como ciência da modernidade que tem muito a dizer no campo da educação e muito a dizer no tocante à realidade plural das sociedades modernas. • Finalmente, o Capítulo IV – “Para uma antropologia da educação” – é aquele que busca retomar a antropologia e a educação no quadro das ciências humanas e sociais e é, também, o que parece compor a unidade entre a Introdução e o Capítulo I.
  26. 26. • O tripé forma o escopo mais consistente da obra, no pensar dos autores, de uma antropologia da educação (avalizada e complementada pela excelente apresentação), na medida em que os demais capítulos permanecem no descrever do percurso histórico da ciência antropológica desde os mais remotos tempos e, com isso, distancia-se do que o título da obra propõe como seu centro: a própria antropologia da educação.
  27. 27. • Esta última, presente e ausente por vazios decorrentes dessa boa intenção dos autores – informar exaustivamente o leitor a respeito da antropologia, das correntes e dos autores – , destaca- se no capítulo por sua particularidade: o diálogo com a educação.

×