Aula 04 - Teoria Funcionalista

13.970 visualizações

Publicada em

Inspira-se nos estudos sociais estrutural-funcionalistas, que concebem a sociedade como um conjunto de sistemas interligados que dão suporte às estruturas sociais.
Do ponto de vista programático, a Teoria Funcionalista desloca o interesse dos EFEITOS da comunicação de massa para as FUNÇÕES por eles exercidas.
Concentra o interesse, também, na existência “normal” da comunicação de massa na sociedade – não mais nas ações da propaganda que permearam os estudos anteriores.

Publicada em: Educação
1 comentário
18 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
13.970
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
425
Comentários
1
Gostaram
18
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 04 - Teoria Funcionalista

  1. 1. Teorias da Comunicação Teoria Funcionalista da Comunicação Prof. Ms. Elizeu Silva
  2. 2. TEORIA FUNCIONALISTA DA COMUNICAÇÃO Inspira-se nos estudos sociais estrutural-funcionalistas, que concebem a sociedade como um conjunto de sistemas interligados que dão suporte às estruturas sociais.
  3. 3. TEORIA FUNCIONALISTA DA COMUNICAÇÃO Do ponto de vista programático, a Teoria Funcionalista desloca o interesse dos EFEITOS da comunicação de massa para as FUNÇÕES por eles exercidas. Concentra o interesse, também, na existência “normal” da comunicação de massa na sociedade – não mais nas ações da propaganda que permearam os estudos anteriores.
  4. 4. TEORIA FUNCIONALISTA DA COMUNICAÇÃO Interessa-se pela dinâmica do sistema social e o papel desempenhado pelas comunicações de massa. Para a teoria estrutural-funcionalista, o equilíbrio do edifício social depende das relações funcionais que indivíduos e subsistemas ativam no seu conjunto.
  5. 5. TEORIA FUNCIONALISTA DA COMUNICAÇÃO A lógica que regulamenta os fenômenos sociais é constituída por relações de funcionalidade que presidem à solução de quatro problemas fundamentais, ou imperativos funcionais, que todo o sistema social deve enfrentar: a) A manutenção do modelo e o controle das tensões. b) A adaptação ao ambiente.
  6. 6. TEORIA FUNCIONALISTA DA COMUNICAÇÃO c) A perseguição de objetivos (defesa do território, aumento da produtividade etc.) d) A integração. (Deve existir fidelidade entre os elementos de um sistema e fidelidade ao próprio sistema no seu conjunto).
  7. 7. TEORIA FUNCIONALISTA DA COMUNICAÇÃO Por exemplo, no que respeita ao problema da manutenção do esquema de valores, o subsistema das comunicações de massa é funcional, na medida em que desempenha parcialmente a tarefa de realçar e reforçar os modelos de comportamento existentes no sistema social.
  8. 8. TEORIA FUNCIONALISTA DA COMUNICAÇÃO Os subsistemas podem ser disfuncionais na medida em que constituírem obstáculos à satisfação de alguns dos imperativos funcionais. A função se diferencia do propósito: enquanto este implica um elemento subjetivo associado à intenção do indivíduo que age, a função é entendida como consequência objetiva da ação.
  9. 9. TEORIA FUNCIONALISTA DA COMUNICAÇÃO Em relação à sociedade, a difusão de informação desempenha duas funções: a) Alerta aos cidadãos ante ameaças e perigos imprevistos. b) Fornece instrumentos para certas atividades quotidianas institucionalizadas na sociedade, como, as trocas econômicas, etc.
  10. 10. TEORIA FUNCIONALISTA DA COMUNICAÇÃO Em relação ao indivíduo, e no que diz respeito à “mera existência” dos meios de comunicação de massa, ou seja, independentemente da sua ordem institucional e organizativa, são observadas três outras funções: a) Atribuição de posição social e de prestígio às pessoas e aos grupos que são objeto de atenção por parte dos mass media. Legitimação de pessoas, grupos e tendências sociais.
  11. 11. TEORIA FUNCIONALISTA DA COMUNICAÇÃO b) Reforço do prestígio daqueles que se identificam com a necessidade, e o valor socialmente difundido, de serem cidadãos bem informados. c) Reforço das normas sociais e da ética vigente na sociedade. “É claro que os meios de comunicação de massa servem para confirmar as normas sociais, denunciando os seus desvios à opinião pública”. Lazarsfeld & Merton, 1948)
  12. 12. TEORIA FUNCIONALISTA DA COMUNICAÇÃO Disfunções: No nível da sociedade: Os fluxos informativos que circulam livremente podem ameaçar a estrutura fundamental da própria sociedade. No nível dos indivíduos: Difusão de notícias alarmantes (sobre perigos naturais ou tensões sociais) pode provocar reações de pânico em vez de reações de vigilância consciente*. (Orson Welles)
  13. 13. TEORIA FUNCIONALISTA DA COMUNICAÇÃO Disfunções: No nível individual: O excesso de informações poder conduzir a um debruçar-se para o mundo particular, para a esfera das experiências e relações próprias. Disfunção narcotizante.
  14. 14. TEORIA FUNCIONALISTA DA COMUNICAÇÃO • Se se passar da análise funcional dos mass media, avaliados independentemente de serem parte da estrutura social e económica, para a análise da ordem institucional e proprietária dos próprios meios, individualizam-se outras funções como, por exemplo, a de contribuírem para o conformismo. • “O impulso para o conformismo exercido pelos meios de comunicação de massa deriva não só de tudo o que neles é dito mas, mais ainda, de tudo o que não dizem”.
  15. 15. TEORIA FUNCIONALISTA DA COMUNICAÇÃO Melvin de Fleur (1970) particulariza a capacidade de resistência do sistema dos mass media aos ataques, às críticas e às tentativas de elevar a baixa qualidade cultural e estética da produção de comunicações de massa.
  16. 16. MODELO DE LASSWELL Bibliografia recomendada HOHLFELDT, Antonio; MARTINO, Luiz C.; FRANÇA, Vera Veiga. Teorias da Comunicação – conceitos, escolas e tendências. 11ª edição, ed. Vozes, Petrópolis, 2011 MCQUAIL, Denis. Teoria da comunicação de massas. Lisboa, Fund. Calouste Gulbenkian, 2003 RÜDIGER, Francisco. As teorias da comunicação. Porto Alegre, editora Penso, 2011 WOLF, Mauro. Teorias da Comunicação. 5ª edição, Lisboa, Editorial Presença, 1999

×