Retrospectiva Prospectiva: Efeitos temporários duradouros
08 de Outubro de 2013
O título desse relatório sugere a continui...
cotação R$/US$ e a Treasury de 10 anos apontam para a cotação do real entre 2,20/US$ e
2,25/US$ enquanto o yield anual do ...
Há triggers tipicamente bear que vêm dos riscos fiscais nos EUA. A falta de acerto entre
democratas e republicanos quanto ...
relação ao cenário de referência, o qual embute a Selic 0,75% superior à equivalente no
cenário de referência e o real lev...
Disclaimers
Este relatório foi preparado pelo Banco Pine S.A. (“Banco PINE”), instituição financeira validamente existente...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Efeitos Temporários Duradouros | Retrospectiva Prospectiva: Comentários Mensais de Economia e Negócios

188 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
188
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Efeitos Temporários Duradouros | Retrospectiva Prospectiva: Comentários Mensais de Economia e Negócios

  1. 1. Retrospectiva Prospectiva: Efeitos temporários duradouros 08 de Outubro de 2013 O título desse relatório sugere a continuidade em setembro e, muito provavelmente, em outubro dos efeitos da postergação do tapering (que significa a desaceleração da compra de títulos pelo Fed) sobre os preços dos ativos nos EUA e no resto do mundo. Além disso, o foco das atenções encontra-se nos EUA devido não só à postergação do tapering, mas também em função de todo o imbróglio gerado pelo impasse fiscal em setembro e o consequente shutdown (paralisação) do governo norte-americano no início de outubro. Para começar, vale a pena notar que os efeitos dos dois eventos sobre os yields das notas e dos títulos do tesouro norte-americano, bem como sobre o spread do CDS (Credit Default Swap) de 5 anos são assimétricos. Focando primeiramente no Treasury de 10 anos, o seu yield literalmente desabou de 2,9% em meados de setembro para perto de 2,6% tanto no final do mês passado quanto no início de outubro. Como isso ocorreu a despeito do shutdown do governo, é fácil concluir que a atenção dos investidores, no médio prazo está direcionada ao início do tapering, enquanto que, no curtíssimo prazo, ela está voltada para o shutdown e para a necessidade do aumento do teto de endividamento do tesouro norte-americano. A prova dos nove dessa assimetria temporal de riscos e preferências dos investidores sobre os yields da dívida pública norte-americana surge atualmente na elevação do juro anual da nota de 1 mês emitida pelo tesouro, o qual subiu de 0% para 0,13% entre meados de setembro e a primeira semana de outubro. Similarmente, o spread do CDS de 5 anos dos EUA, cuja oscilação mede o risco de fiscal e de solvência do governo no curto prazo, aumentou de 25 para 45 pontos-base durante o mesmo período. Portanto, de olho no adiamento do tapering, na revisão do Fed das projeções de crescimento econômico e desemprego (ver abaixo) e na desistência de Lawrence Summers (que foi secretário do tesouro no governo Clinton, ex-presidente do Conselho Econômico Nacional do governo Obama e é claramente hawkish quando comparado a Janet Yellen, provável substituta de Bernanke) à presidência do Fed, os yields do ramo mais longo da curva norte- americana de juros devem permanecer relativamente baixos. EUA: novas projeções do Fed para as principais variáveis macro Fonte: Federal Reserve Com relação à tabela acima, nós ainda contamos com pelo menos mais uma revisão para baixo das projeções do Fed para as variáveis de atividade econômica. A nossa expectativa repousa na surpresa negativa com os resultados da criação de vagas de trabalho nos EUA (payroll) em agosto (os dados de setembro ainda não foram divulgados devido ao shutdown), apesar de o crescimento real trimestral (anualizado) do PIB norte-americano no 2T13 ter sido revisado de 1,7% para 2,5%, o que estimularia a criação de vagas de trabalho no passado recente e no futuro próximo. Portanto, a história para agosto e a perspectiva para o 3T13 não parece seguir uma trajetória linear. De fato, a taxa de desemprego, que é um índice menos volátil do que o payroll, tem sido pouco confiável como indicador de melhora do emprego, já que ela tem caído mais como resultado da redução da população economicamente ativa (PEA), que é um efeito da menor procura por emprego, do que da menor criação de vagas de trabalho (o que reflete a queda da população ocupada, PO). Uma simulação simples, mantida a PEA constante, confirma que a taxa de desemprego estaria em 8,3% ao invés de 7,4%. Portanto, o Fed deve postergar o início do tapering para o 1T14 e/ou adotá-lo em dezembro com um discurso claudicante ou dependente dos dados. Esse resultado é muito importante para manter o real relativamente valorizado, perto de 2,20/US$, pelo menos no curto prazo. De fato, a correlação e a aderência estatística entre a set/13 2013 2014 2015 2016 Longo prazo PIB 2,0 - 2,3 ↓ 2,9 - 3,1 ↓ 3,0 - 3,5 2,5 - 3,3 2,1 - 2,5 Desemprego 7,1 - 7,3 ↓ 6,4 - 6,8 ↓ 5,9 - 6,2 ↑ 5,4 - 5,9 5,2 - 6,0 PCE 1,1 - 1,2 ↑ 1,3 - 1,8 ↓ 1,6 - 2,0 1,7 - 2,0 2,0 Core PCE 1,2 - 1,3 1,5 - 1,7 ↓ 1,7 - 2,0 1,9 - 2,0 -
  2. 2. cotação R$/US$ e a Treasury de 10 anos apontam para a cotação do real entre 2,20/US$ e 2,25/US$ enquanto o yield anual do Treasury de 10 anos permanecer entre 2,65% e 2,70%. Yield do Treasury de 10 anos x R$/US$: 05/13 a 10/13 (dados diários) Fonte: Bloomberg; elaboração: PINE Macro & Commodities Research É verdade também que o anúncio dos leilões de swap cambial e de linhas (em US$) com compromisso de recompra, conduzidos pelo banco central do Brasil, totalizando US$55 bilhões no 2S13, ajuda muito a valorização recente do real rumo a 2,20/US$-2,25/US$. No entanto, a redução dos prêmios implícitos tanto na desvalorização do real quanto na melhora do risco Brasil concomitantes à redução da curva de estrutura a termo de juros nos EUA concorre sobremaneira para a apreciação da taxa de câmbio no Brasil, ainda mais quando se compara a valorização do real com uma cesta representativa de moedas. De fato, descontados os efeitos concentrados no excesso de aversão ao risco Brasil, o lugar certo do real seria entre 2,30/US$ e 2,35/US$. Juntem-se a isso as agressivas intervenções do banco central brasileiro no mercado de câmbio, obtém-se a cotação do real entre 2,20/US$ e 2,25/US$ observada recentemente. Real x moedas de países selecionados: 05/13 a 10/13 (dados diários) 1,5 1,7 1,9 2,1 2,3 2,5 2,7 2,9 3,1 1,9 2,0 2,1 2,2 2,3 2,4 2,5 jan/13 fev/13 mar/13 abr/13 mai/13 jun/13 jul/13 ago/13 set/13 out/13 R$ / US$ (esq.) Treasury 10A (dir.) y= 0,2988x + 1,4777 R² = 0,8362 1,95 2,05 2,15 2,25 2,35 2,45 2,55 1,7 2,2 2,7 3,2 R$/US$ Treasury 10 anos (taxa) 90 95 100 105 110 115 120 125 mai/13 jun/13 jul/13 ago/13 set/13 out/13 02/maio/2013 = 100 Austrália Chile Colômbia Euro Coréia México Turquia A. do Sul Fonte: Bloomberg; elaboração: PINE Macro & Commodities Research
  3. 3. Há triggers tipicamente bear que vêm dos riscos fiscais nos EUA. A falta de acerto entre democratas e republicanos quanto à postergação da condução da reforma no sistema de saúde defendida por Barack Obama (o chamado Obamacare, que perfaz pouco menos de 1,0% do PIB) tende a esticar o shutdown governamental. Além disso, o que é mais importante, a paralisação do governo e o impasse político associado tendem a atrapalhar a aprovação rápida (em outubro) do aumento do teto de endividamento do tesouro norte-americano. Atualmente, o governo capta recursos do mercado sob regime especial, dado que o endividamento efetivo está em 104% do PIB e que o teto permitido é igual a 98% do PIB. Esses dois elementos podem produzir aumento de volatilidade da curva de juros nos EUA e devem manter o dólar menos valorizado com relação a uma cesta relevante de moedas. A sobrevivência temporária do shutdown pode subtrair alguns pontos percentuais do crescimento do PIB norte-americanos no 4T13. Cálculos diversos apontam que cada semana de paralisação reduziria 0,15% do crescimento anualizado trimestral do PIB real norte- americano. De acordo com a tabela abaixo, se o shutdown durasse quatro semanas, o impacto sobre a expansão real do PIB trimestral anualizado seria relevante, mas pouco afetaria o crescimento econômico anual. Em todo o caso, a demora na solução do impasse fiscal implicaria revisões adicionais pelo Fed do crescimento real do PIB para baixo que, mesmo que pequenas, mantêm a curva de juros contida nos EUA e a cesta de moedas, incluindo o real, relativamente mais valorizada. Nesse contexto, a taxa de câmbio brasileira permaneceria entre R$2,20/US$ e R$2,25/US$ em outubro, convergindo para R$2,32/US$ até o final do ano. As frustrações com uma das concessões rodoviárias em setembro e com os interessados no leilão de Libra, que geraria R$15 bilhões em receitas extraordinárias para o governo originados do prêmio do leilão são forças que embutimos em nossas simulações para projetarmos a cotação do real em 12/2013 igual a 2,32/US$. EUA: efeitos do shutdown sobre o PIB trimestral e anual em 2013 Fonte: BEA; elaboração: PINE Macro & Commodities Research Finalmente, o real menos desvalorizado responde pela redução nos choques de inflação, mantendo a nossa projeção para o IPCA em 5,8% em 2013 e 6,0% no ano que vem. Isso significa que o banco central brasileiro elevaria a Selic até a nossa projeção igual a 10% até o final do ano e a manteria nesse patamar até o final do ano que vem? O último relatório de inflação do BCB levanta algumas suspeitas importantes na manutenção dos juros em 10% em 2014. No relatório, o BCB reafirmou a necessidade de manter-se “especialmente vigilante” com o cenário inflacionário, tendo em vista o seu nível elevado e a necessidade de combater sua persistência para o futuro relevante. É claro que isso é suficiente para mantemos nossa avaliação sobre a necessidade de pelo menos 100 pontos-base adicionais da Selic. No entanto, algumas passagens do documento sugerem, a nosso ver, que o terreno para o fim do ciclo está sendo preparado para uma Selic de pelo menos 10%. Em primeiro lugar, é interessante notar que as estimativas se deterioraram apenas para 2014, com redução do IPCA projetado para 2013. No cenário de referência, que manteve o real em 2,35/US$ e a Selic em 9,0% em todo horizonte, o IPCA acumulado em 2013 e 2014 passaria de 6,0% e 5,4% para 5,8% e 5,7%, respectivamente. Já no cenário de mercado, com o real ainda mais depreciado (2,40/US$ ao final de 2014, por exemplo) e o juro básico em 9,75% no final do ano que vem, o IPCA permaneceria em 5,8% no ano e passaria de 5,2% para 5,7% no ano que vem. Em outras palavras, a piora do cenário de inflação no cenário de mercado em Sem shutdown Com shutdown Sem shutdown Com shutdown PIB real nível PIB real nível PIB real t/t ann. PIB real t/t ann. mar/12 15.382 15.382 jun/12 15.428 15.428 1,2% 1,2% set/12 15.534 15.534 2,8% 2,8% dez/12 15.540 15.540 0,1% 0,1% mar/13 15.584 15.584 1,1% 1,1% jun/13 15.680 15.680 2,5% 2,5% set/13 15.777 15.777 2,50% 2,50% dez/13 15.874 15.851 2,50% 1,90% PIB real anual 15.729 15.723 1,67% 1,63%
  4. 4. relação ao cenário de referência, o qual embute a Selic 0,75% superior à equivalente no cenário de referência e o real levemente mais desvalorizado, é significativa e surpreendente. Por isso, o vértice mais curto, mais líquido e mais relevante da curva doméstica de juros futuros tem se elevado, embutindo atualmente 160 pontos-base de aumento da Selic em relação ao seu valor corrente (9,0%), o que equivale a 60 pontos-base a mais em comparação ao nosso cenário (Selic igual a 10% até o final do ano e ao longo de 2014). Aqui vale uma pausa: a inflação de 2014 nesse nível preocupa per se; no entanto, ao considerarmos que (i) Tombini deixou claro em aparições públicas que a “meta implícita” do BC é levar a inflação de 2014 para patamares inferiores à inflação de 2013, assim como a desse ano para algo abaixo dos 5,84% de 2012, que (ii) para atingir os 5,7% de 2014 (menores que os 5,8% projetados para esse ano), necessitar-se-ia de uma Selic de ‘pelo menos’ 9,75%, supondo-se uma depreciação do real menos acentuada em relação aos parâmetros do cenário de referência (R$2,35/US$) e de mercado (R$2,40/US$), e que (iii) o IPCA projetado retorna para 5,4% no 3T15, devemos concluir que os modelos do BC não sugerem a necessidade de um ciclo muito mais extenso. Assim, três conclusões emergem: (a) já que 5,7% de inflação projetada ao consumidor em 2014 é praticamente igual a 5,8% estimada para 2013 e uma vez que a “meta” do BC é trazer o IPCA de cada ano para um patamar inferior ao do ano anterior, 9,75% de Selic parece um nível relativamente pequeno de juro básico para assegurar uma trajetória de convergência decrescente da inflação anual; (b) por isso, é difícil contar com a melhora (queda) da curva doméstica de juros por conta do cenário interno. De fato, a sua queda recente (há pouco mais de três semanas) de deveu muito mais à postergação do tapering nos EUA do que à perspectiva de melhora da inflação no curto prazo; (c) o BC deve atuar muito mais sobre o câmbio (vendendo dólares no mercado à vista e futuro de divisas) do que sobre a Selic se quiser evitar que ela seja majorada para patamares muito superores a 10% no final de 2013 e ao longo de 2014. Em segundo lugar, a avaliação do COPOM sobre a interação com a política fiscal segue bastante otimista. Para o comitê, a geração de superávits primários em patamares próximos aos observados recentemente gerariam impulsos fiscais “de magnitude desprezível”. Ou seja, seus impactos sobre a demanda agregada são limitados, e, de acordo com o próprio documento, “criam-se condições para que o balanço do setor público se desloque para a zona de neutralidade no horizonte relevante para a política monetária”. A questão é controversa, mas o que interessa é o recado do BC: diferente de boa parte do mercado, que claramente atribui um prêmio de risco pela condução fiscal atual, o colegiado não vê a necessidade de um ciclo de Selic mais amplo imposto pela redução do superávit primário. Por fim, apesar de permanecer confiante na intensificação do crescimento econômico daqui para frente - inclusive pela surpresa positiva com o PIB do 2T13 – e, em seu cenário base, trabalhar com expansão do PIB mais alinhada com o crescimento econômico potencial no futuro relevante, o BC revisou o crescimento deste ano de 2,7% para 2,5%, mantendo essa taxa de crescimento até o 2T14. Apesar de projetarmos o crescimento do PIB potencial entre 2,0% e 2,5% - em linha com a manutenção do pleno emprego dos fatores de produção e com o elevado (e persistente) patamar de inflação observado recentemente -, o documento sugere um maior otimismo do BC com o PIB potencial brasileiro e, nesse sentido, um hiato do produto que daria suporte a uma política monetária menos apertada. De fato, o documento afirma que “antecipam-se desenvolvimentos que tendem a contribuir para o arrefecimento de riscos originados no mercado de trabalho”, que tenderiam a “suavizar a dinâmica dos salários de um modo geral”. Considerando os pontos destacados acima, nós não alterarmos nossa projeção de Selic ao final de 2013, em 10,0% ao ano. Marco Antonio Maciel Economista-chefe Pine Marco Antonio Caruso Economista Pine
  5. 5. Disclaimers Este relatório foi preparado pelo Banco Pine S.A. (“Banco PINE”), instituição financeira validamente existente de acordo com as leis da República Federativa do Brasil. PINE Securities USA LLC (“PINE US”), broker-dealer registrada na U.S. Securities and Exchange Commission e membro da Financial Industry Regulatory Authority and the Securities Investor Protection Corporation, está distribuindo este relatório nos Estados Unidos da América. A PINE US é uma afiliada do Banco PINE. A PINE US assume total responsabilidade por este relatório sob a lei dos Estados Unidos da América. Qualquer norte-americano que receber este relatório e desejar efetuar qualquer transação com valores mobiliários abordado neste relatório deve fazê-lo com PINE no +1-646-398-6900, 645 Madison Avenue, New York, NY 10022. Qualquer referência ao PINE inclui, também, Banco PINE e PINE US, conforme aplicável. Este relatório é para distribuição apenas nas circunstâncias permitidas pela lei aplicável. Este relatório não é dirigido a você se o PINE for proibido ou restringido por qualquer legislação ou regulamentação em qualquer jurisdição. Você deve se certificar antes da leitura que o PINE é permitido para fornecer este material sobre investimentos pra você no âmbito da legislação e regulamentos aplicáveis. Nada neste relatório constitui indicação de que a estratégia de investimento ou recomendações aqui citadas são adequadas ao perfil do destinatário ou apropriadas as circunstâncias individuais do destinatário e tampouco constituem uma recomendação pessoal. Este relatório possui caráter informativo, não constitui material promocional e não foi produzido como uma solicitação de compra ou venda de qualquer ativo ou instrumentos financeiros relacionados em qualquer jurisdição. Os dados que aparecem nos gráficos referem-se ao passado, a rentabilidade obtida no passado, não representando garantia de rentabilidade futura. Os preços e demais informações contidas neste relatório são críveis e dignos de confiança na data de publicação do mesmo e foram obtidas de uma, ou mais, das fontes a seguir descritas: (i) fontes expressas ao lado da informação; (ii) preço de cotação no principal mercado regulado do valor mobiliário em questão; (iii) fontes públicas confiáveis; ou (iv) base de dados do PINE. Todas as informações aqui contidas foram obtidas de fontes públicas, as quais acreditamos serem confiáveis e de boa fé a partir da data em que este relatório foi emitido. Nenhuma garantia ou declaração, tanto expressa quanto implícita, é provida em relação à exatidão, abrangência ou confiabilidade das informações aqui contidas, com exceção das informações referentes ao PINE, suas subsidiárias e afiliadas. Também não tem o intuito de ser uma declaração completa ou um resumo sobre os ativos, mercados ou estratégias abordadas no documento. Em todos os casos, investidores devem conduzir suas próprias investigações e análises antes de proceder ou deixar de proceder qualquer ação relacionada aos valores mobiliários analisados neste relatório. O PINE não praticou atividades de formador de mercado de valores mobiliários da companhia objeto, no momento em que este relatório foi publicado. Ademais, o PINE não se responsabiliza assim como não garante que os investidores irão obter lucros. PINE tampouco irá dividir qualquer ganho de investimentos com os investidores assim como não irá aceitar qualquer passivo causado por perdas. Investimentos envolvem riscos e os investidores devem ter prudência ao tomar suas decisões de investimento. O PINE não tem obrigações fiduciárias com os destinatários deste relatório e, ao divulgá-lo, não apresenta capacidade fiduciária. O presente relatório não deve ser considerado pelos destinatários como um substituto para o exercício do seu próprio julgamento. Opiniões, estimativas e projeções expressas aqui constituem o julgamento atual do analista responsável pelo conteúdo deste relatório na data na qual foi preparada e por isso, está sujeito a mudanças sem aviso e pode diferir ou ser contrário a opiniões expressas por outras áreas de negócios ou grupos do PINE e suas afiliadas ou subsidiárias como resultado do uso de diferentes hipóteses e critérios. Preços e disponibilidade de instrumentos financeiros são apenas indicativos e estão sujeitos a mudanças sem aviso. A análise contida aqui é baseada em diversas hipóteses. Diferentes hipóteses podem ter resultados substancialmente diferentes. Os analistas responsáveis pela preparação deste relatório podem interagir com a mesa de operações, mesa de vendas e outros departamentos, com o intuito de reunir, sintetizar e interpretar informações de mercado. O PINE não está sob a obrigação de atualizar ou manter atualizada a informação contida neste relatório. O PINE confia no uso de barreira de informação para controlar o fluxo de informação contida em uma ou mais áreas dentro do PINE, em outras áreas, unidades, grupos e filiadas do PINE. A remuneração do analista responsável pelo relatório é determinada pela direção do departamento de pesquisa e pelos diretores seniores do PINE. A remuneração do analista não é baseada mas pode ser relacionada às receitas do PINE como um todo, incluindo área de investimentos, vendas e operações. Os ativos de dívida mencionados neste relatório podem não estar disponíveis para venda em todas as jurisdições ou para certas categorias de investidores. Opções, derivativos e futuros não são adequados a todos os investidores e a negociação desses tipos de instrumentos é considerada arriscada. Hipotecas e ativos lastreados em títulos de crédito podem envolver alto grau de risco e podem ser altamente voláteis em resposta às taxas de juros ou outras variáveis de mercado. Performance passada não é indicação de resultado futuro. Se um instrumento financeiro é cotado em uma moeda que não a do investidor, mudanças nas taxas de câmbio podem afetar de forma adversa o valor, o preço ou o retorno proveniente de qualquer ativo mencionado nesse documento e o leitor deve considerar o risco relacionado ao descasamento de moedas. Este relatório não leva em consideração objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades especiais de nenhum investidor em particular. Investidores devem buscar orientação financeira baseada em suas particularidades antes de tomar qualquer decisão de investimento baseadas nas informações aqui contidas. Para recomendações de investimento, execução de ordens de negociação ou outras funções correlacionadas, os clientes devem contatar seus representantes de vendas locais. O PINE, suas empresa afiliadas, subsidiárias, seus funcionários, diretores e agentes não se responsabilizam e não aceitam nenhum passivo oriundo de perda ou prejuízo eventualmente provocado pelo uso de parte ou da integralidade do presente relatório. Qualquer preço apresentado neste relatório possui caráter informativo e não representa avaliação individual do valor de mercado do ativo ou outro instrumento. Não há garantias de que qualquer transação pode ou pôde ter sido efetuada nos preços apresentados neste relatório. Os preços eventualmente apresentados não necessariamente representam os preços contábeis internos ou os preços teóricos provenientes de avaliação por modelos do PINE e podem estar baseados em premissas específicas. Premissas específicas assumidas pelo PINE ou por terceiros podem ter resultados substancialmente diferentes. Este relatório não pode ser reproduzido ou distribuído por qualquer outra pessoa, parcialmente ou em sua totalidade, sem o prévio consentimento por escrito do PINE. Informações adicionais acerca dos instrumentos financeiros mencionados nesta apresentação estão disponíveis sob consulta. O PINE e suas afiliadas têm acordos para gerenciar conflitos de interesses que possam surgir entre eles e seus respectivos clientes e entre seus clientes diversos. O PINE e suas afiliadas estão envolvidas em uma gama completa de serviços financeiros e relacionados, incluindo bancário e a prestação de serviços de investimento. Assim, o PINE ou suas afiliadas podem ter um interesse material ou um conflito de interesse em qualquer dos serviços prestados aos clientes pelo PINE ou suas afiliadas. As áreas de negócio dentro do PINE e entre suas afiliadas operam independentemente uma das outras e restringem o acesso a determinado indivíduo responsável pelo tratamento dos assuntos do cliente a determinadas áreas da informação, onde este é necessário para gerenciar conflitos de interesses ou interesses materiais. Certificação de Analistas Os analistas responsáveis pela elaboração deste relatório de análise são certificados e as opiniões aqui expressadas refletem exclusivamente suas opiniões pessoais, sendo que as opiniões sobre qualquer dos emissores ou valores mobiliários analisados neste relatório foram preparadas de forma autônoma e independente.

×