SlideShare uma empresa Scribd logo
1
O BRASIL RUMO À DEPRESSÃO ECONÔMICA E À MUDANÇA
POLÍTICA E SOCIAL?
Fernando Alcoforado*
Pode-se afirmar que o Brasil já vive uma estagflação que se caracteriza por baixo
crescimento econômico e alta inflação. Em 2012 o crescimento econômico do Brasil foi
pífio (menos de 1%). Para gerar crescimento econômico, o governo federal tem
estimulado o consumo reduzindo impostos e juros com a intenção de fazer as famílias
consumirem. O Brasil com esta política faz o que se denomina voo de galinha porque
não há incremento no investimento. E a inflação oficial do governo, mesmo com toda
maquiagem que ele vem fazendo para forçá-la para baixo, superou o teto da meta de
6,5% ao ano. O centro desta meta que é de 4,50% ao ano já foi esquecido faz tempo.
Sobre a inflação, é importante observar que se trata de um conceito econômico que
representa o aumento de preços dos produtos num determinado país ou região, durante
um período. Num processo inflacionário o poder de compra da moeda cai. Quem
geralmente perde mais são os trabalhadores mais pobres que não conseguem investir o
dinheiro em aplicações que lhe garantam a correção inflacionária. Pode-se citar como
causas da inflação a emissão exagerada e descontrolada de dinheiro por parte do
governo, a demanda por produtos (aumento no consumo) maior do que a capacidade de
produção do país e o aumento nos custos de produção (máquinas, matéria-prima, mão
de obra) dos produtos. No momento atual, as causas da inflação no Brasil resultam,
sobretudo, da incapacidade da produção para fazer frente à demanda e ao aumento dos
custos de produção, especialmente da elevação do valor das máquinas, matérias-primas
e insumos importados resultante do aumento do dólar em relação ao real.
Para incentivar o consumo e combater a inflação, o governo brasileiro vem adotando a
política de desoneração de preços de determinados produtos. Ressalte-se que na história
econômica mundial não há registro de sucesso nesta tentativa de conter processos
inflacionários atacando diretamente os preços. Não é difícil concluir que mais um fiasco
se avizinha. A desoneração de preços não produzirá efeitos significativos na redução da
inflação porque representa uma redução pontual de um conjunto de preços, enquanto a
inflação é, por definição, o aumento persistente do nível geral de preços. Na prática,
portanto, os efeitos da desoneração se manifestarão por um período muito curto, em
alterar os fundamentos do processo inflacionário. São medidas que atacam os sintomas
(preços) , sem considerar os fatores que impulsionam o aumento dos preços.
Mesmo que a redução do custo com tributos seja repassada para o consumidor com a
política de desoneração de preços em vigor, o máximo que se obtém é um alívio
temporário no ritmo do aumento de preços. Se o desequilíbrio que está por trás do
processo inflacionário não for corrigido, a inflação retomará seu curso anterior. Com
essa medida o governo perde receitas fiscais em uma empreitada condenada ao fracasso
total porque gera distorção na alocação de recursos. Seria melhor política reduzir de
forma horizontal a carga tributária e investir na melhoria da educação, saúde e
infraestrutura do País.
A estagflação que atinge a economia brasileira reúne dois problemas simultaneamente:
recessão e inflação. Considera-se que uma recessão se instala quando é registrada uma
queda no Produto Interno Bruto (PIB) durante dois trimestres consecutivos indicando
2
que a demanda decresceu no mercado ou mercados e a existência de capacidade ociosa
generalizada. É preciso comparar o crescimento do PIB com o crescimento da
capacidade produtiva das empresas. Existem diversos fatores capazes de provocar uma
recessão. De modo geral, é possível dizer que a recessão acontece quando a maioria dos
setores da economia entra em declínio. Ao lado disso, acontece a perda de confiança dos
agentes econômicos que leva a um adiamento de decisões, tanto de investimento, por
parte das empresas, como da compra de bens duráveis, por parte das famílias. Com isso,
entra-se num ciclo em que as pessoas deixam de gastar e as companhias deixam de
produzir. Pode-se afirmar que, no Brasil, a estagflação já se instalou porque a maioria
dos setores econômicos está estagnada ou em declínio e há perda de confiança nos
agentes econômicos como demonstram as perdas no valor das ações do BOVESPA em
2013 (15%).
A etapa seguinte à estagflação, a depressão da economia brasileira, deverá acontecer se
for mantida a política econômica atual do governo brasileiro. Ressalte-se que uma
depressão econômica é caracterizada por um estado agravado de recessão, ou seja, um
longo período de desemprego em massa, falência de empresas, baixos níveis de
produção e investimentos, etc. como vem acontecendo nos Estados Unidos, União
Europeia e Japão. As maiores depressões econômicas da história foram as de 1815,
1873, 1929 e, a mais recente, de 2008 com a eclosão da crise econômica mundial que
está afetando os Estados Unidos e o resto do mundo. Entre elas, a mais grave, sem
dúvida, foi a depressão de 1929. Se não houver uma mudança de rumo da economia
brasileira, a recessão se aprofundará com a queda vertiginosa da demanda, um quadro
incontrolável de desemprego em massa, a falência generalizada de empresas (em
especial da indústria), baixos níveis de produção e de investimentos. Nessas
circunstâncias, a depressão se instalará no Brasil que passará a enfrentar os mesmos
problemas dos Estados Unidos, União Europeia e Japão.
Um fato que é importante destacar é o de que o comércio exterior, sobretudo com a
China, é que vem compensando a falta de dinamismo do mercado interno brasileiro. No
entanto, a situação brasileira no comércio exterior começou a se agravar a partir de
2013. A balança comercial de março registrou superávit de US$ 164 milhões, o pior
resultado para o mês nos últimos 12 anos e 92% a menos do que em março de 2012. No
acumulado de 2013 o déficit já chega a US$ 5,2 bilhões, um recorde histórico,
considerando a série iniciada em 1993. As exportações tiveram leve alta de 1,6% em
comparação com março de 2012, chegando a US$ 19,3 bilhões, mas as importações
tiveram alta de 12%, chegando a US$ 19,2 bilhões . Na projeção do Banco Central, as
exportações brasileiras crescerão 9% em 2013 para US$ 265 bilhões e as importações
terão alta de 12%, chegando a US$ 249 bilhões. O resultado será um superávit de US$
15 bilhões. Mas o maior problema é a balança de serviços e rendas, que inclui a remessa
de lucros e dividendos que se tornou fortemente deficitária no Brasil.
O Brasil vem batendo recordes negativos em transações correntes desde 2008. Em
2012, o saldo ficou negativo em US$ 54,3 bilhões. Em fevereiro foram remetidos para o
exterior, US$ 2,7 bilhões, o triplo do verificado em fevereiro de 2012. A conta de
serviços ficou negativa em US$ 3,2 bilhões e a balança comercial registrou déficit de
US$ 1,3 bilhão . Portanto a projeção de superávit comercial para 2013 está estimando
reversão do resultado negativo até fevereiro. Os brasileiros gastaram US$ 1,9 bilhão no
exterior em fevereiro, a marca mais alta já registrada para o mês, indicando que os
brasileiros estão gastando como nunca no exterior. No acumulado de 2013, o saldo
3
negativo já está em US$ 18 bilhões. Para março, a projeção do Banco Central é de
déficit de US$ 6,3 bilhões. A situação é extremamente preocupante. O Brasil tem
reservas internacionais atualmente de US$ 377 bilhões, o que permite tranquilidade para
a economia no curto prazo, mas a situação persistindo por muito tempo pode ficar
insustentável a médio e longo prazo.
Além de o Brasil vivenciar a crise final do modelo neoliberal implantado desde o
governo FHC, a incompetência administrativa do governo federal é patente em todos os
seus atos praticados. O que se constata hoje, na prática, é o governo federal atuando
como bombeiro tentando apagar incêndios que se disseminam continuamente na
economia e que tende a se espraiar para ao âmbito social. O agravamento da crise
econômica no Brasil terá forte rebatimento no plano social com o incremento dos
movimentos de massa, muitos deles espontâneos, como os que acontecem no momento
em São Paulo e outras cidades do País contra o aumento das passagens nos sistemas de
transporte. Na medida em que o governo federal mantenha sua política econômica
restritiva ao crescimento econômico e demonstra ser incapaz de combater a inflação, o
desemprego que tende a crescer continuamente e a perda do poder aquisitivo da
população resultante da inflação atuarão como combustível para a expansão dos
movimentos sociais. O Brasil vive provavelmente o início de uma nova etapa de luta
dos movimentos sociais que poderão mudar o status quo e contribuir para a construção
de novos rumos para a política e economia brasileira.
*Fernando Alcoforado, 73, engenheiro e doutor em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Regional
pela Universidade de Barcelona, professor universitário e consultor nas áreas de planejamento estratégico,
planejamento empresarial, planejamento regional e planejamento de sistemas energéticos, é autor dos
livros Globalização (Editora Nobel, São Paulo, 1997), De Collor a FHC- O Brasil e a Nova (Des)ordem
Mundial (Editora Nobel, São Paulo, 1998), Um Projeto para o Brasil (Editora Nobel, São Paulo, 2000),
Os condicionantes do desenvolvimento do Estado da Bahia (Tese de doutorado. Universidade de
Barcelona, http://www.tesisenred.net/handle/10803/1944, 2003), Globalização e Desenvolvimento
(Editora Nobel, São Paulo, 2006), Bahia- Desenvolvimento do Século XVI ao Século XX e Objetivos
Estratégicos na Era Contemporânea (EGBA, Salvador, 2008), The Necessary Conditions of the
Economic and Social Development- The Case of the State of Bahia (VDM Verlag Dr. Müller
Aktiengesellschaft & Co. KG, Saarbrücken, Germany, 2010), Aquecimento Global e Catástrofe
Planetária (P&A Gráfica e Editora, Salvador, 2010), Amazônia Sustentável- Para o progresso do Brasil e
combate ao aquecimento global (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2011) e
Os Fatores Condicionantes do Desenvolvimento Econômico e Social (Editora CRV, Curitiba, 2012), entre
outros.S

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Boletim 50 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 50 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 50 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 50 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
economiaufes
 
Boletim 49 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 49 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 49 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 49 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
economiaufes
 
QUADRO_CONJUNTURAL_NO_ÂMBITO_MUNICIPAL
QUADRO_CONJUNTURAL_NO_ÂMBITO_MUNICIPALQUADRO_CONJUNTURAL_NO_ÂMBITO_MUNICIPAL
QUADRO_CONJUNTURAL_NO_ÂMBITO_MUNICIPAL
Daniel Veras, PhD
 
Inserção Externa, Crescimento e Padrões de Consumo na Economia Brasileira
Inserção Externa,  Crescimento e Padrões de Consumo na Economia BrasileiraInserção Externa,  Crescimento e Padrões de Consumo na Economia Brasileira
Inserção Externa, Crescimento e Padrões de Consumo na Economia Brasileira
Grupo de Economia Política IE-UFRJ
 
Poticas neoliberais no brasil
Poticas neoliberais no brasilPoticas neoliberais no brasil
Poticas neoliberais no brasil
Funvic - Fundação de Ensino de Mococa
 
Boletim 25 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 25 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 25 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 25 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
economiaufes
 
Boletim 52 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 52 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 52 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 52 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
economiaufes
 
O brasil rumo à depressão econômica
O brasil rumo à depressão econômicaO brasil rumo à depressão econômica
O brasil rumo à depressão econômica
Fernando Alcoforado
 
Ameaças ao desenvolvimento do brasil e como superá las
Ameaças ao desenvolvimento do brasil e como superá lasAmeaças ao desenvolvimento do brasil e como superá las
Ameaças ao desenvolvimento do brasil e como superá las
Fernando Alcoforado
 
Boletim de Conjuntura n. 54
Boletim de Conjuntura n. 54Boletim de Conjuntura n. 54
Boletim de Conjuntura n. 54
economiaufes
 
Boletim 57 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 57 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 57 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 57 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
economiaufes
 
CI - 2011 - perspectivas econômicas para 2011
CI - 2011 - perspectivas econômicas para 2011CI - 2011 - perspectivas econômicas para 2011
CI - 2011 - perspectivas econômicas para 2011
Delta Economics & Finance
 
CI - 2007 - perspectivas econômicas para 2007
CI - 2007 - perspectivas econômicas para 2007CI - 2007 - perspectivas econômicas para 2007
CI - 2007 - perspectivas econômicas para 2007
Delta Economics & Finance
 
A crise econômica no brasil
A crise econômica no brasilA crise econômica no brasil
A crise econômica no brasil
Diego Guilherme
 
Para reativar a economia, o governo deve atuar como o grande indutor do desen...
Para reativar a economia, o governo deve atuar como o grande indutor do desen...Para reativar a economia, o governo deve atuar como o grande indutor do desen...
Para reativar a economia, o governo deve atuar como o grande indutor do desen...
Fernando Alcoforado
 
CI - 2010 - perspectivas econômicas para 2010
CI - 2010 - perspectivas econômicas para 2010CI - 2010 - perspectivas econômicas para 2010
CI - 2010 - perspectivas econômicas para 2010
Delta Economics & Finance
 
Retrospectiva Prospectiva: Ajustes e Complicações
Retrospectiva Prospectiva: Ajustes e ComplicaçõesRetrospectiva Prospectiva: Ajustes e Complicações
Retrospectiva Prospectiva: Ajustes e Complicações
Banco Pine
 
Boletim 45 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 45 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 45 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 45 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
economiaufes
 
Não ao ajuste econômico recessivo do governo michel temer
Não ao ajuste econômico recessivo do governo michel temerNão ao ajuste econômico recessivo do governo michel temer
Não ao ajuste econômico recessivo do governo michel temer
Fernando Alcoforado
 
Boletim 44 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 44 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 44 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 44 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
economiaufes
 

Mais procurados (20)

Boletim 50 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 50 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 50 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 50 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
 
Boletim 49 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 49 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 49 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 49 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
 
QUADRO_CONJUNTURAL_NO_ÂMBITO_MUNICIPAL
QUADRO_CONJUNTURAL_NO_ÂMBITO_MUNICIPALQUADRO_CONJUNTURAL_NO_ÂMBITO_MUNICIPAL
QUADRO_CONJUNTURAL_NO_ÂMBITO_MUNICIPAL
 
Inserção Externa, Crescimento e Padrões de Consumo na Economia Brasileira
Inserção Externa,  Crescimento e Padrões de Consumo na Economia BrasileiraInserção Externa,  Crescimento e Padrões de Consumo na Economia Brasileira
Inserção Externa, Crescimento e Padrões de Consumo na Economia Brasileira
 
Poticas neoliberais no brasil
Poticas neoliberais no brasilPoticas neoliberais no brasil
Poticas neoliberais no brasil
 
Boletim 25 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 25 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 25 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 25 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
 
Boletim 52 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 52 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 52 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 52 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
 
O brasil rumo à depressão econômica
O brasil rumo à depressão econômicaO brasil rumo à depressão econômica
O brasil rumo à depressão econômica
 
Ameaças ao desenvolvimento do brasil e como superá las
Ameaças ao desenvolvimento do brasil e como superá lasAmeaças ao desenvolvimento do brasil e como superá las
Ameaças ao desenvolvimento do brasil e como superá las
 
Boletim de Conjuntura n. 54
Boletim de Conjuntura n. 54Boletim de Conjuntura n. 54
Boletim de Conjuntura n. 54
 
Boletim 57 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 57 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 57 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 57 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
 
CI - 2011 - perspectivas econômicas para 2011
CI - 2011 - perspectivas econômicas para 2011CI - 2011 - perspectivas econômicas para 2011
CI - 2011 - perspectivas econômicas para 2011
 
CI - 2007 - perspectivas econômicas para 2007
CI - 2007 - perspectivas econômicas para 2007CI - 2007 - perspectivas econômicas para 2007
CI - 2007 - perspectivas econômicas para 2007
 
A crise econômica no brasil
A crise econômica no brasilA crise econômica no brasil
A crise econômica no brasil
 
Para reativar a economia, o governo deve atuar como o grande indutor do desen...
Para reativar a economia, o governo deve atuar como o grande indutor do desen...Para reativar a economia, o governo deve atuar como o grande indutor do desen...
Para reativar a economia, o governo deve atuar como o grande indutor do desen...
 
CI - 2010 - perspectivas econômicas para 2010
CI - 2010 - perspectivas econômicas para 2010CI - 2010 - perspectivas econômicas para 2010
CI - 2010 - perspectivas econômicas para 2010
 
Retrospectiva Prospectiva: Ajustes e Complicações
Retrospectiva Prospectiva: Ajustes e ComplicaçõesRetrospectiva Prospectiva: Ajustes e Complicações
Retrospectiva Prospectiva: Ajustes e Complicações
 
Boletim 45 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 45 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 45 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 45 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
 
Não ao ajuste econômico recessivo do governo michel temer
Não ao ajuste econômico recessivo do governo michel temerNão ao ajuste econômico recessivo do governo michel temer
Não ao ajuste econômico recessivo do governo michel temer
 
Boletim 44 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 44 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 44 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 44 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
 

Destaque

SHAIK KHADAR BASHA (3)
SHAIK KHADAR BASHA (3)SHAIK KHADAR BASHA (3)
SHAIK KHADAR BASHA (3)
Khadar Basha
 
Os desafios da ucrânia
Os desafios da ucrâniaOs desafios da ucrânia
Os desafios da ucrânia
Fernando Alcoforado
 
Appvision
AppvisionAppvision
Appvision
redeagleera
 
Comunicacion. concepto, origen, importancia.
Comunicacion. concepto, origen, importancia.Comunicacion. concepto, origen, importancia.
Comunicacion. concepto, origen, importancia.
Gringuita Palacio
 
Escolar salud mental ruu
Escolar salud mental ruuEscolar salud mental ruu
Escolar salud mental ruu
daalvale
 
Simposio de evaluacion
Simposio de evaluacionSimposio de evaluacion
Simposio de evaluacion
leili26
 
Mobile Jedi Mind Tricks: Master the Multi-Screen Universe
Mobile Jedi Mind Tricks: Master the Multi-Screen UniverseMobile Jedi Mind Tricks: Master the Multi-Screen Universe
Mobile Jedi Mind Tricks: Master the Multi-Screen Universe
MobileMoxie
 
Geolocalización en el aula
Geolocalización en el aulaGeolocalización en el aula
Geolocalización en el aula
Juanfra Álvarez Herrero
 
Aula invertida
Aula invertidaAula invertida
Aula invertida
Gabriel Lopez Millan
 
Plan clase etnias de colombia.
Plan clase   etnias de colombia.Plan clase   etnias de colombia.
Plan clase etnias de colombia.
jesusdelosrios
 
El funcionamiento de la economía
El funcionamiento de la economíaEl funcionamiento de la economía
El funcionamiento de la economía
jlorentemartos
 
Pontificia universidad catolica del ecuador sede esmeraldas
Pontificia universidad catolica del ecuador sede esmeraldasPontificia universidad catolica del ecuador sede esmeraldas
Pontificia universidad catolica del ecuador sede esmeraldas
Buenaventura_Joselin
 

Destaque (12)

SHAIK KHADAR BASHA (3)
SHAIK KHADAR BASHA (3)SHAIK KHADAR BASHA (3)
SHAIK KHADAR BASHA (3)
 
Os desafios da ucrânia
Os desafios da ucrâniaOs desafios da ucrânia
Os desafios da ucrânia
 
Appvision
AppvisionAppvision
Appvision
 
Comunicacion. concepto, origen, importancia.
Comunicacion. concepto, origen, importancia.Comunicacion. concepto, origen, importancia.
Comunicacion. concepto, origen, importancia.
 
Escolar salud mental ruu
Escolar salud mental ruuEscolar salud mental ruu
Escolar salud mental ruu
 
Simposio de evaluacion
Simposio de evaluacionSimposio de evaluacion
Simposio de evaluacion
 
Mobile Jedi Mind Tricks: Master the Multi-Screen Universe
Mobile Jedi Mind Tricks: Master the Multi-Screen UniverseMobile Jedi Mind Tricks: Master the Multi-Screen Universe
Mobile Jedi Mind Tricks: Master the Multi-Screen Universe
 
Geolocalización en el aula
Geolocalización en el aulaGeolocalización en el aula
Geolocalización en el aula
 
Aula invertida
Aula invertidaAula invertida
Aula invertida
 
Plan clase etnias de colombia.
Plan clase   etnias de colombia.Plan clase   etnias de colombia.
Plan clase etnias de colombia.
 
El funcionamiento de la economía
El funcionamiento de la economíaEl funcionamiento de la economía
El funcionamiento de la economía
 
Pontificia universidad catolica del ecuador sede esmeraldas
Pontificia universidad catolica del ecuador sede esmeraldasPontificia universidad catolica del ecuador sede esmeraldas
Pontificia universidad catolica del ecuador sede esmeraldas
 

Semelhante a O brasil rumo à depressão econômica e à mudança politica e social

O DESASTRE ECONÔMICO DO BRASIL COM O GOVERNO BOLSONARO
O DESASTRE ECONÔMICO DO BRASIL COM O GOVERNO BOLSONAROO DESASTRE ECONÔMICO DO BRASIL COM O GOVERNO BOLSONARO
O DESASTRE ECONÔMICO DO BRASIL COM O GOVERNO BOLSONARO
FernandoAlcoforado1
 
O desastroso governo dilma rousseff
O desastroso governo dilma rousseffO desastroso governo dilma rousseff
O desastroso governo dilma rousseff
Fernando Alcoforado
 
Aula 1 - Introdução à Economia
Aula 1 - Introdução à Economia Aula 1 - Introdução à Economia
Aula 1 - Introdução à Economia
Souza Neto
 
Pec 241 ameaça o desenvolvimento do brasil
Pec 241 ameaça o desenvolvimento do brasilPec 241 ameaça o desenvolvimento do brasil
Pec 241 ameaça o desenvolvimento do brasil
Fernando Alcoforado
 
Brasil rumo à falência e à convulsão social
Brasil rumo à falência e à convulsão socialBrasil rumo à falência e à convulsão social
Brasil rumo à falência e à convulsão social
Fernando Alcoforado
 
Boletim 54 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 54 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 54 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 54 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
economiaufes
 
Atualidades p bnb aula 03
Atualidades p bnb   aula 03Atualidades p bnb   aula 03
Atualidades p bnb aula 03
IraniceInacio
 
Pec 241 do governo michel temer ameaça o futuro do brasil
Pec 241 do governo michel temer ameaça o futuro do brasilPec 241 do governo michel temer ameaça o futuro do brasil
Pec 241 do governo michel temer ameaça o futuro do brasil
Fernando Alcoforado
 
Boletim 48 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 48 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 48 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 48 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
economiaufes
 
Brasil país sem rumo
Brasil país sem rumoBrasil país sem rumo
Brasil país sem rumo
Fernando Alcoforado
 
Relatório economia 2011
Relatório economia 2011Relatório economia 2011
Relatório economia 2011
hasaverus
 
Boletim 35 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 35 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 35 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 35 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
economiaufes
 
O fiasco econômico do governo temer
O fiasco econômico do governo temerO fiasco econômico do governo temer
O fiasco econômico do governo temer
Fernando Alcoforado
 
Economia
Economia Economia
Boletim 40 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 40 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 40 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 40 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
economiaufes
 
O medo venceu a esperança
O medo venceu a esperançaO medo venceu a esperança
O medo venceu a esperança
Fernando Alcoforado
 
Comércio exterior e transição da economia ( Governo Lula)
Comércio exterior e transição da economia ( Governo Lula)Comércio exterior e transição da economia ( Governo Lula)
Comércio exterior e transição da economia ( Governo Lula)
Pâmela Nogueira da Silva
 
Boletim 53 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 53 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 53 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 53 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
economiaufes
 
Cenário Econômico Brasileiro e Global 2022 Pós COVID.pdf
Cenário Econômico Brasileiro e Global 2022 Pós COVID.pdfCenário Econômico Brasileiro e Global 2022 Pós COVID.pdf
Cenário Econômico Brasileiro e Global 2022 Pós COVID.pdf
Fabio Castelo Branco
 
A Incerteza na Economia
A Incerteza na EconomiaA Incerteza na Economia
A Incerteza na Economia
Matheus Albergaria
 

Semelhante a O brasil rumo à depressão econômica e à mudança politica e social (20)

O DESASTRE ECONÔMICO DO BRASIL COM O GOVERNO BOLSONARO
O DESASTRE ECONÔMICO DO BRASIL COM O GOVERNO BOLSONAROO DESASTRE ECONÔMICO DO BRASIL COM O GOVERNO BOLSONARO
O DESASTRE ECONÔMICO DO BRASIL COM O GOVERNO BOLSONARO
 
O desastroso governo dilma rousseff
O desastroso governo dilma rousseffO desastroso governo dilma rousseff
O desastroso governo dilma rousseff
 
Aula 1 - Introdução à Economia
Aula 1 - Introdução à Economia Aula 1 - Introdução à Economia
Aula 1 - Introdução à Economia
 
Pec 241 ameaça o desenvolvimento do brasil
Pec 241 ameaça o desenvolvimento do brasilPec 241 ameaça o desenvolvimento do brasil
Pec 241 ameaça o desenvolvimento do brasil
 
Brasil rumo à falência e à convulsão social
Brasil rumo à falência e à convulsão socialBrasil rumo à falência e à convulsão social
Brasil rumo à falência e à convulsão social
 
Boletim 54 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 54 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 54 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 54 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
 
Atualidades p bnb aula 03
Atualidades p bnb   aula 03Atualidades p bnb   aula 03
Atualidades p bnb aula 03
 
Pec 241 do governo michel temer ameaça o futuro do brasil
Pec 241 do governo michel temer ameaça o futuro do brasilPec 241 do governo michel temer ameaça o futuro do brasil
Pec 241 do governo michel temer ameaça o futuro do brasil
 
Boletim 48 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 48 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 48 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 48 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
 
Brasil país sem rumo
Brasil país sem rumoBrasil país sem rumo
Brasil país sem rumo
 
Relatório economia 2011
Relatório economia 2011Relatório economia 2011
Relatório economia 2011
 
Boletim 35 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 35 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 35 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 35 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
 
O fiasco econômico do governo temer
O fiasco econômico do governo temerO fiasco econômico do governo temer
O fiasco econômico do governo temer
 
Economia
Economia Economia
Economia
 
Boletim 40 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 40 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 40 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 40 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
 
O medo venceu a esperança
O medo venceu a esperançaO medo venceu a esperança
O medo venceu a esperança
 
Comércio exterior e transição da economia ( Governo Lula)
Comércio exterior e transição da economia ( Governo Lula)Comércio exterior e transição da economia ( Governo Lula)
Comércio exterior e transição da economia ( Governo Lula)
 
Boletim 53 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 53 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 53 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 53 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
 
Cenário Econômico Brasileiro e Global 2022 Pós COVID.pdf
Cenário Econômico Brasileiro e Global 2022 Pós COVID.pdfCenário Econômico Brasileiro e Global 2022 Pós COVID.pdf
Cenário Econômico Brasileiro e Global 2022 Pós COVID.pdf
 
A Incerteza na Economia
A Incerteza na EconomiaA Incerteza na Economia
A Incerteza na Economia
 

Mais de Fernando Alcoforado

O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO   O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
Fernando Alcoforado
 
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIENL'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
Fernando Alcoforado
 
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
Fernando Alcoforado
 
AQUECIMENTO GLOBAL, MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE HU...
AQUECIMENTO GLOBAL, MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE HU...AQUECIMENTO GLOBAL, MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE HU...
AQUECIMENTO GLOBAL, MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE HU...
Fernando Alcoforado
 
GLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTH
GLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTHGLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTH
GLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTH
Fernando Alcoforado
 
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...
Fernando Alcoforado
 
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIALINONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
Fernando Alcoforado
 
CITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGE
CITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGECITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGE
CITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGE
Fernando Alcoforado
 
INUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL
INUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBALINUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL
INUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL
Fernando Alcoforado
 
CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022
CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022 CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022
CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022
Fernando Alcoforado
 
CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...
CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...
CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...
Fernando Alcoforado
 
CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...
CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...
CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...
Fernando Alcoforado
 
COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...
COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...
COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...
Fernando Alcoforado
 
COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...
COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...
COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...
Fernando Alcoforado
 
THE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLD
THE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLDTHE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLD
THE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLD
Fernando Alcoforado
 
LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE
LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE
LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE
Fernando Alcoforado
 
A GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDO
A GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDOA GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDO
A GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDO
Fernando Alcoforado
 
O TARIFAÇO DE ENERGIA É SINAL DE INCOMPETÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL NO PLANEJAM...
O TARIFAÇO DE ENERGIA É SINAL DE INCOMPETÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL NO PLANEJAM...O TARIFAÇO DE ENERGIA É SINAL DE INCOMPETÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL NO PLANEJAM...
O TARIFAÇO DE ENERGIA É SINAL DE INCOMPETÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL NO PLANEJAM...
Fernando Alcoforado
 
LES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUEL
LES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUELLES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUEL
LES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUEL
Fernando Alcoforado
 
SOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZIL
SOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZILSOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZIL
SOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZIL
Fernando Alcoforado
 

Mais de Fernando Alcoforado (20)

O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO   O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
 
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIENL'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
 
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
 
AQUECIMENTO GLOBAL, MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE HU...
AQUECIMENTO GLOBAL, MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE HU...AQUECIMENTO GLOBAL, MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE HU...
AQUECIMENTO GLOBAL, MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE HU...
 
GLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTH
GLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTHGLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTH
GLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTH
 
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...
 
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIALINONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
 
CITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGE
CITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGECITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGE
CITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGE
 
INUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL
INUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBALINUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL
INUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL
 
CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022
CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022 CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022
CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022
 
CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...
CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...
CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...
 
CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...
CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...
CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...
 
COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...
COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...
COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...
 
COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...
COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...
COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...
 
THE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLD
THE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLDTHE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLD
THE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLD
 
LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE
LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE
LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE
 
A GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDO
A GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDOA GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDO
A GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDO
 
O TARIFAÇO DE ENERGIA É SINAL DE INCOMPETÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL NO PLANEJAM...
O TARIFAÇO DE ENERGIA É SINAL DE INCOMPETÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL NO PLANEJAM...O TARIFAÇO DE ENERGIA É SINAL DE INCOMPETÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL NO PLANEJAM...
O TARIFAÇO DE ENERGIA É SINAL DE INCOMPETÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL NO PLANEJAM...
 
LES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUEL
LES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUELLES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUEL
LES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUEL
 
SOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZIL
SOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZILSOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZIL
SOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZIL
 

O brasil rumo à depressão econômica e à mudança politica e social

  • 1. 1 O BRASIL RUMO À DEPRESSÃO ECONÔMICA E À MUDANÇA POLÍTICA E SOCIAL? Fernando Alcoforado* Pode-se afirmar que o Brasil já vive uma estagflação que se caracteriza por baixo crescimento econômico e alta inflação. Em 2012 o crescimento econômico do Brasil foi pífio (menos de 1%). Para gerar crescimento econômico, o governo federal tem estimulado o consumo reduzindo impostos e juros com a intenção de fazer as famílias consumirem. O Brasil com esta política faz o que se denomina voo de galinha porque não há incremento no investimento. E a inflação oficial do governo, mesmo com toda maquiagem que ele vem fazendo para forçá-la para baixo, superou o teto da meta de 6,5% ao ano. O centro desta meta que é de 4,50% ao ano já foi esquecido faz tempo. Sobre a inflação, é importante observar que se trata de um conceito econômico que representa o aumento de preços dos produtos num determinado país ou região, durante um período. Num processo inflacionário o poder de compra da moeda cai. Quem geralmente perde mais são os trabalhadores mais pobres que não conseguem investir o dinheiro em aplicações que lhe garantam a correção inflacionária. Pode-se citar como causas da inflação a emissão exagerada e descontrolada de dinheiro por parte do governo, a demanda por produtos (aumento no consumo) maior do que a capacidade de produção do país e o aumento nos custos de produção (máquinas, matéria-prima, mão de obra) dos produtos. No momento atual, as causas da inflação no Brasil resultam, sobretudo, da incapacidade da produção para fazer frente à demanda e ao aumento dos custos de produção, especialmente da elevação do valor das máquinas, matérias-primas e insumos importados resultante do aumento do dólar em relação ao real. Para incentivar o consumo e combater a inflação, o governo brasileiro vem adotando a política de desoneração de preços de determinados produtos. Ressalte-se que na história econômica mundial não há registro de sucesso nesta tentativa de conter processos inflacionários atacando diretamente os preços. Não é difícil concluir que mais um fiasco se avizinha. A desoneração de preços não produzirá efeitos significativos na redução da inflação porque representa uma redução pontual de um conjunto de preços, enquanto a inflação é, por definição, o aumento persistente do nível geral de preços. Na prática, portanto, os efeitos da desoneração se manifestarão por um período muito curto, em alterar os fundamentos do processo inflacionário. São medidas que atacam os sintomas (preços) , sem considerar os fatores que impulsionam o aumento dos preços. Mesmo que a redução do custo com tributos seja repassada para o consumidor com a política de desoneração de preços em vigor, o máximo que se obtém é um alívio temporário no ritmo do aumento de preços. Se o desequilíbrio que está por trás do processo inflacionário não for corrigido, a inflação retomará seu curso anterior. Com essa medida o governo perde receitas fiscais em uma empreitada condenada ao fracasso total porque gera distorção na alocação de recursos. Seria melhor política reduzir de forma horizontal a carga tributária e investir na melhoria da educação, saúde e infraestrutura do País. A estagflação que atinge a economia brasileira reúne dois problemas simultaneamente: recessão e inflação. Considera-se que uma recessão se instala quando é registrada uma queda no Produto Interno Bruto (PIB) durante dois trimestres consecutivos indicando
  • 2. 2 que a demanda decresceu no mercado ou mercados e a existência de capacidade ociosa generalizada. É preciso comparar o crescimento do PIB com o crescimento da capacidade produtiva das empresas. Existem diversos fatores capazes de provocar uma recessão. De modo geral, é possível dizer que a recessão acontece quando a maioria dos setores da economia entra em declínio. Ao lado disso, acontece a perda de confiança dos agentes econômicos que leva a um adiamento de decisões, tanto de investimento, por parte das empresas, como da compra de bens duráveis, por parte das famílias. Com isso, entra-se num ciclo em que as pessoas deixam de gastar e as companhias deixam de produzir. Pode-se afirmar que, no Brasil, a estagflação já se instalou porque a maioria dos setores econômicos está estagnada ou em declínio e há perda de confiança nos agentes econômicos como demonstram as perdas no valor das ações do BOVESPA em 2013 (15%). A etapa seguinte à estagflação, a depressão da economia brasileira, deverá acontecer se for mantida a política econômica atual do governo brasileiro. Ressalte-se que uma depressão econômica é caracterizada por um estado agravado de recessão, ou seja, um longo período de desemprego em massa, falência de empresas, baixos níveis de produção e investimentos, etc. como vem acontecendo nos Estados Unidos, União Europeia e Japão. As maiores depressões econômicas da história foram as de 1815, 1873, 1929 e, a mais recente, de 2008 com a eclosão da crise econômica mundial que está afetando os Estados Unidos e o resto do mundo. Entre elas, a mais grave, sem dúvida, foi a depressão de 1929. Se não houver uma mudança de rumo da economia brasileira, a recessão se aprofundará com a queda vertiginosa da demanda, um quadro incontrolável de desemprego em massa, a falência generalizada de empresas (em especial da indústria), baixos níveis de produção e de investimentos. Nessas circunstâncias, a depressão se instalará no Brasil que passará a enfrentar os mesmos problemas dos Estados Unidos, União Europeia e Japão. Um fato que é importante destacar é o de que o comércio exterior, sobretudo com a China, é que vem compensando a falta de dinamismo do mercado interno brasileiro. No entanto, a situação brasileira no comércio exterior começou a se agravar a partir de 2013. A balança comercial de março registrou superávit de US$ 164 milhões, o pior resultado para o mês nos últimos 12 anos e 92% a menos do que em março de 2012. No acumulado de 2013 o déficit já chega a US$ 5,2 bilhões, um recorde histórico, considerando a série iniciada em 1993. As exportações tiveram leve alta de 1,6% em comparação com março de 2012, chegando a US$ 19,3 bilhões, mas as importações tiveram alta de 12%, chegando a US$ 19,2 bilhões . Na projeção do Banco Central, as exportações brasileiras crescerão 9% em 2013 para US$ 265 bilhões e as importações terão alta de 12%, chegando a US$ 249 bilhões. O resultado será um superávit de US$ 15 bilhões. Mas o maior problema é a balança de serviços e rendas, que inclui a remessa de lucros e dividendos que se tornou fortemente deficitária no Brasil. O Brasil vem batendo recordes negativos em transações correntes desde 2008. Em 2012, o saldo ficou negativo em US$ 54,3 bilhões. Em fevereiro foram remetidos para o exterior, US$ 2,7 bilhões, o triplo do verificado em fevereiro de 2012. A conta de serviços ficou negativa em US$ 3,2 bilhões e a balança comercial registrou déficit de US$ 1,3 bilhão . Portanto a projeção de superávit comercial para 2013 está estimando reversão do resultado negativo até fevereiro. Os brasileiros gastaram US$ 1,9 bilhão no exterior em fevereiro, a marca mais alta já registrada para o mês, indicando que os brasileiros estão gastando como nunca no exterior. No acumulado de 2013, o saldo
  • 3. 3 negativo já está em US$ 18 bilhões. Para março, a projeção do Banco Central é de déficit de US$ 6,3 bilhões. A situação é extremamente preocupante. O Brasil tem reservas internacionais atualmente de US$ 377 bilhões, o que permite tranquilidade para a economia no curto prazo, mas a situação persistindo por muito tempo pode ficar insustentável a médio e longo prazo. Além de o Brasil vivenciar a crise final do modelo neoliberal implantado desde o governo FHC, a incompetência administrativa do governo federal é patente em todos os seus atos praticados. O que se constata hoje, na prática, é o governo federal atuando como bombeiro tentando apagar incêndios que se disseminam continuamente na economia e que tende a se espraiar para ao âmbito social. O agravamento da crise econômica no Brasil terá forte rebatimento no plano social com o incremento dos movimentos de massa, muitos deles espontâneos, como os que acontecem no momento em São Paulo e outras cidades do País contra o aumento das passagens nos sistemas de transporte. Na medida em que o governo federal mantenha sua política econômica restritiva ao crescimento econômico e demonstra ser incapaz de combater a inflação, o desemprego que tende a crescer continuamente e a perda do poder aquisitivo da população resultante da inflação atuarão como combustível para a expansão dos movimentos sociais. O Brasil vive provavelmente o início de uma nova etapa de luta dos movimentos sociais que poderão mudar o status quo e contribuir para a construção de novos rumos para a política e economia brasileira. *Fernando Alcoforado, 73, engenheiro e doutor em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Regional pela Universidade de Barcelona, professor universitário e consultor nas áreas de planejamento estratégico, planejamento empresarial, planejamento regional e planejamento de sistemas energéticos, é autor dos livros Globalização (Editora Nobel, São Paulo, 1997), De Collor a FHC- O Brasil e a Nova (Des)ordem Mundial (Editora Nobel, São Paulo, 1998), Um Projeto para o Brasil (Editora Nobel, São Paulo, 2000), Os condicionantes do desenvolvimento do Estado da Bahia (Tese de doutorado. Universidade de Barcelona, http://www.tesisenred.net/handle/10803/1944, 2003), Globalização e Desenvolvimento (Editora Nobel, São Paulo, 2006), Bahia- Desenvolvimento do Século XVI ao Século XX e Objetivos Estratégicos na Era Contemporânea (EGBA, Salvador, 2008), The Necessary Conditions of the Economic and Social Development- The Case of the State of Bahia (VDM Verlag Dr. Müller Aktiengesellschaft & Co. KG, Saarbrücken, Germany, 2010), Aquecimento Global e Catástrofe Planetária (P&A Gráfica e Editora, Salvador, 2010), Amazônia Sustentável- Para o progresso do Brasil e combate ao aquecimento global (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2011) e Os Fatores Condicionantes do Desenvolvimento Econômico e Social (Editora CRV, Curitiba, 2012), entre outros.S