Apresentação Denise de Pasqual - Tendências Consultoria Econômica

1.525 visualizações

Publicada em

Economista com graduação pela Universidade de São Paulo, pós-graduação em economia do setor financeiro pela Fipe-USP e em administração pela FGV-SP, atuou como pesquisadora na Fipe e no Iesp (1992-1994). É sócia da Tendências Consultoria, onde é responsável também pelo relacionamento com cliente. 

Publicada em: Negócios
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.525
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
199
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação Denise de Pasqual - Tendências Consultoria Econômica

  1. 1. Cenários regionais de renda por classes sociais 2010-2011 1o Congresso Nacional Mercados Emergentes Denise de Pasqual 10 de novembro de 2010
  2. 2. 2 Brasil se recuperou rapidamente da crise. Após a queda de 0,2% do PIB em 2009, a nossa expectativa para o crescimento de 2010 é de 7,2%. Para 2011, projetamos continuidade do bom desempenho, com crescimento de 4,8%. A economia brasileira apresentou ligeira desaceleração no segundo trimestre, devido a antecipação de consumo e produção. Vendas no varejo, crédito às famílias e mercado de trabalho apresentaram crescimento significativo, mas a produção industrial apenas retornou ao período pré-crise. Ainda assim, há riscos de pressão inflacionária. No entanto, o principal risco a este cenário positivo é a má condução da política fiscal. Brasil – Quadro macroeconômico atual
  3. 3. 33 • Ocupação já está acima do nível pré-crise. Desaceleração nos últimos meses reflete desaceleração da economia. • Durante a crise o desemprego subiu menos que o esperado pela estabilidade da População Economicamente Ativa (PEA). Em 2010, a recuperação do emprego veio com crescimento da PEA, limitando queda da taxa de desemprego. • Projetamos taxa de desemprego 6,9% para 2010, 6,3% para 2011. Mercado de trabalho Fonte: IBGE (projeção Tendências) Número de Ocupados - Dados Dessazonalizados 20.000 20.500 21.000 21.500 22.000 22.500 23.000 jan/07 jul/07 jan/08 jul/08 jan/09 jul/09 jan/10 jul/10 jan/11 jul/11 Projeções Taxa de desem prego - IBGE 9,9% 10,0% 9,3% 7,9% 8,1% 6,9% 6,3% 6,2% 4,0% 5,0% 6,0% 7,0% 8,0% 9,0% 10,0% 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012
  4. 4. 44 • Renda e massa salarial seguem em trajetória de expansão. • Para 2010, projetamos 3,5% para a renda real, 3,4% para a ocupação e 7,2% para a massa. • Para 2011, projetamos 3,2% para a renda real, 2,9% para a ocupação e 5,8% para a massa. Renda Fonte: IBGE (projeção Tendências) 1100 1150 1200 1250 1300 1350 1400 1450 1500 mar/02 set/02 mar/03 set/03 mar/04 set/04 mar/05 set/05 mar/06 set/06 mar/07 set/07 mar/08 set/08 mar/09 set/09 mar/10 set/10 mar/11 set/11 90 100 110 120 130 140 Rendimento médio real Massa salarial real P 3,6% 5,2% 5,1% 6,4% 6,2% 7,4% 3,1% 7,2% 5,8% 4,8% 5,1% -3,9% -3,9% -5,0% 2,1% 2,4% 4,4% 3,5% 3,9% 2,4% 3,5% 2,6% -2,4% -2,2% -4,1% 3,2% -0,6% 2,8% -6,0% -4,0% -2,0% 0,0% 2,0% 4,0% 6,0% 8,0% 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Massa Renda P
  5. 5. 5 • Em agosto as vendas cresceram 2,0%, após alta de 0,4% em julho. Patamar atual está 12,2% acima do mesmo mês do ano anterior e 15,7% acima de setembro/08. • Para 2010 projetamos alta de 11,4% e para 2011 alta de 7,1%, reflexo das boas condições no mercado de trabalho, do crédito e o alto patamar da confiança do consumidor. Consumo Fonte: IBGE (projeção Tendências) Vendas no varejo (dessaz.) 90 100 110 120 130 140 150 160 170 180 190 jan-00 jul-00 jan-01 jul-01 jan-02 jul-02 jan-03 jul-03 jan-04 jul-04 jan-05 jul-05 jan-06 jul-06 jan-07 jul-07 jan-08 jul-08 jan-09 jul-09 jan-10 jul-10 jan-11 jul-11 P Índice PMC Ampliado 90 110 130 150 170 190 jan-03 jan-04 jan-05 jan-06 jan-07 jan-08 jan-09 jan-10
  6. 6. 6Consumo Fonte: IBGE (projeção Tendências) • Principais condicionantes do bom desempenho, em 2010, são o mercado de trabalho em alta e o crédito farto. •Para 2011, o arrefecimento da taxa de crescimento se dá pela base de comparação elevada. Vendas no comércio - bens não-duráveis - com ajuste sazonal 90 100 110 120 130 140 150 160 170 180 jan-00 jul-00 jan-01 jul-01 jan-02 jul-02 jan-03 jul-03 jan-04 jul-04 jan-05 jul-05 jan-06 jul-06 jan-07 jul-07 jan-08 jul-08 jan-09 jul-09 jan-10 jul-10 jan-11 jul-11 P Não-duráveis (Var% 12m) 0% 2% 4% 6% 8% 10% 12% jan/07 mai/07 set/07 jan/08 mai/08 set/08 jan/09 mai/09 set/09 jan/10 mai/10 set/10 jan/11 mai/11 set/11 Média 07: 6,5% Média 08: 5,2% Média 09: 8,6% Média 10: 9,9% Média 11: 7,4%
  7. 7. 7 Tópicos Cenário por classes de renda – Brasil Renda média (implícita) por classes Massa de renda por classes Número de famílias por classes Prêmio salarial por grupos de escolaridade
  8. 8. 8 Fonte: IBGE N S SE CO NE PIB: 5% Renda: 6% Pop.: 8% Participações das regiões no PIB, na Renda e na População do Brasil PIB: 13% Renda: 17% Pop.: 28% PIB: 9% Renda: 9% Pop.: 7% PIB: 56% Renda: 51% Pop.: 42%PIB: 17% Renda: 18% Pop.: 15%
  9. 9. 9 Metodologia Classe D e E Famílias com rendimento mensal de até R$ 1.443 Classe C Famílias com renda entre R$ 1.443 e R$ 3.464 Classe B Famílias com renda entre R$ 3.464 e R$ 10.796 Estratificação por classe de renda obedece um critério arbitrário, dada a ausência de um critério oficial ou usualmente aceito Classe A Famílias com rendimento superior a R$ 10.796 Obs: foram consideradas apenas as famílias com renda (renda > 0) Faixa de renda por classe – a preços de Set/09
  10. 10. 10 Distribuição das classes sociais no Brasil No total de famílias brasileiras - 2008 Na massa de renda total - 2008 59,4% 27,9% 11,1% 1,7% Classe A Classe B Classe C Classe D e E (até R$ 1.443) (R$ 1.443 e R$ 3.464) (R$ 3.464 e R$ 10.796) (acima de R$ 10.796) 78,6% 15,4% 5,1% 0,9% Nordeste 68,9% 23,0% 7,4% 0,7% Norte 49,0% 35,1% 14,2% 1,7% Sul 50,3% 33,6% 14,1% 2,0% Sudeste 56,1% 28,1% 12,8% 3,0% Centro-Oeste 23,1% 30,3% 31,4% 15,1% 41,1% 24,6% 21,7% 12,6% Nordeste 34,5% 31,6% 25,9% 8,0% Norte 18,0% 33,8% 34,9% 13,3% Sul 18,1% 31,8% 34,3% 15,9% Sudeste 20,0% 27,0% 32,9% 25,2% Centro-Oeste
  11. 11. 11 Tópicos Renda média (implícita) por classes Massa de renda por classes Número de famílias por classes Prêmio salarial por grupos de escolaridade Cenário por classes de renda – Brasil
  12. 12. 12 Escolaridade média por classes de renda Participações dos grupos de qualificações por classes de renda Grupos de educação em anos de estudo Fundamental 1º ciclo: até 4 anos Fundamental 2º ciclo: 5 a 8 anos Médio: 9 a 11 anos Superior: mais de 12 anos Brasil 2007 58,3 34,3 16,3 8,7 22,0 22,7 15,7 9,5 17,5 31,2 30,8 19,3 11,9 37,2 62,6 2,3 Classe D_E Classe C Classe B Classe A até fund. 1º ciclo fund. 2º ciclo ensino médio ensino superior • Estudos mostram que pouco menos da metade da desigualdade salarial no Brasil decorre da desigualdade no nível de escolaridade entre os trabalhadores • Praticamente não há profissionais com ensino superior nas classes D/E, ao passo que a classe A é praticamente dominada (62,6%) por profissionais com esse nível de formação • Prêmio por escolaridade é uma variação importante nos cenários por classes de renda
  13. 13. 13 Prêmio salarial* por grupos de qualificação - Brasil Prêmio do ensino fund. vem se reduzindo continuamente, (de cerca de 40% no início década de 90 para 13% em 2008) Para os próximos anos, o prêmio deve passar a sofrer redução apenas marginal Da 5ª a 8ª série X até 4ª série do ens. fund.* Ens. Méd. X 5ª a 8ª série do ens. fund.* Ensino superior X Ensino médio* Prêmio salarial: diferença de rendimento médio entre cada grupo de trabalhadores. *Média móvel 3 anos. Brasil 0% 10% 20% 30% 40% 50% 1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 Brasil 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% 1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 Brasil 80% 90% 100% 110% 120% 130% 1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 Prêmio para ensino médio vem se reduzindo lentamente, mas ainda é relativamente elevado (43% em 2008) Esperamos uma redução, para cerca de 36% em 2014, considerando o maior acesso a esse nível de ensino no Brasil Prêmio para nível superior é muito elevado (mais de 100%) e mostra apenas discreta redução Esperamos leve redução (para 99% em 2014, dada a elevada demanda por profissionais mais qualificados que o crescimento econômico deverá exigir
  14. 14. 14 Tópicos Cenário por classes de renda – Brasil Renda média (implícita) por classes Massa de renda total por classes Número de famílias por classes Prêmio salarial por grupos de escolaridade
  15. 15. 15 Fonte: IBGE. *Projeção: Tendências. **Inclui renda trabalho, INSS e Bolsa-Família. Massa total** – taxa % anual – Brasil 2010-2011 Classe A ainda deverá mostrar as taxas de crescimento mais elevadas, apesar do baixo crescimento em 2007, 2008 e 2009. Classe D/E mostra discreta evolução da massa de renda devido a migração de famílias para a classe C Ano 2005 2006 2007 2008 2009 2010* 2011* Classe D e E 6,9% 1,3% -0,3% 1,5% 2,4% 0,9% 3,8% Classe C 4,4% 16,3% 7,1% 8,9% 4,1% 7,6% 6,9% Classe B 6,6% 6,3% 7,6% 10,5% 2,6% 7,5% 6,2% Classe A 16,4% 16,1% 1,5% 3,4% 3,6% 8,7% 9,1% Total 7,4% 9,1% 4,4% 6,7% 3,2% 6,2% 6,3%
  16. 16. 16 Fonte: IBGE. *Projeção: Tendências. ** Inclui renda trabalho, INSS e Bolsa-Família. Massa total** – variação absoluta em R$ Bi – Brasil 2010-11 em termos absolutos, a maior injeção de renda deverá ocorrer na classe C. A classe B também deverá mostrar altas injeções de recursos, apesar de terem menor taxa de crescimento que a classe A Ano Massa R$bi 2009 2005 2006 2007 2008 2009 2010* 2011* Classe D e E 286,9 17,7 3,5 (0,8) 4,2 6,7 2,5 10,9 Classe C 377,2 11,3 43,6 22,1 29,7 15,0 28,8 28,0 Classe B 385,0 18,3 18,8 23,9 35,7 9,7 28,7 25,8 Classe A 186,0 20,7 23,8 2,6 5,9 6,4 16,2 18,4 Total 1235,1 68,0 89,6 47,7 75,5 37,8 76,2 83,1
  17. 17. 17 Massa de renda real** – Brasil Fonte: IBGE. *Projeção: Tendências. **Inclui renda trabalho, INSS e Bolsa-Família. Participações das classes sociais na massa de renda total Redução da partic. de 23,2% (2009) para 21,5% (2011) Ganho de partic. de 15,1% (2009) para 15,8% (2011) Relativa estabilidade na participação 2003 2009 2011* 27,0% 23,2% 21,5% 27,6% 30,5% 31,1% 30,3% 31,2% 31,5% 15,2% 15,1% 15,8% Brasil Classe D e E Classe C Classe B Classe A '
  18. 18. 18 Tópicos Massa de renda por classes Número de famílias por classes Prêmio salarial por grupos de escolaridade Cenário por classes de renda – Brasil Renda média (implícita) por classes
  19. 19. 19 Número de famílias – Brasil Fonte: IBGE. *Projeção: Tendências. 2010-2011 deverá continuar ocorrendo migração de famílias para classes mais altas, mas num ritmo lento Ano 2005 2006 2007 2008 2009 2010* 2011* Classe D e E 2,3% -3,0% -2,9% -0,6% 0,2% -0,1% 0,1% Classe C 3,6% 16,3% 7,6% 9,0% 4,3% 5,1% 6,3% Classe B 8,6% 3,5% 9,1% 10,2% 4,1% 7,2% 6,4% Classe A 15,0% 15,6% 3,1% 0,7% 3,5% 6,4% 7,6% Total 3,3% 2,1% 1,0% 3,1% 1,8% 2,5% 2,5%
  20. 20. 20 Número de famílias – Brasil Fonte: IBGE. *Projeção: Tendências. Em termos absolutos, o maior crescimento no número de famílias ocorre na classe C, tanto em 2010 quanto em 2011. Em seguida, o destaque é a classe B Cerca de 100 mil famílias por ano devem migrar da classe D/E para classe C Ano Famílias (mil) 2009 2005 2006 2007 2008 2009 2010* 2011* Classe D e E 35.122 834 (1.117) (1.034) (216) 80 (29) 30 Classe C 17.147 423 1.963 1.060 1.353 704 883 1.127 Classe B 6.824 416 187 498 606 267 489 466 Classe A 1.018 107 128 30 7 35 65 83 Total 60.111 1.781 1.161 553 1.751 1.087 1.503 1.510
  21. 21. 21 Número de famílias – Brasil Proporção das famílias por classes de renda Fonte: IBGE. *Projeção: Tendências. Migração de famílias para classes mais altas 2003 2009 2011* 68,5% 58,4% 55,6% 21,1% 28,5% 30,3% 9,0% 11,4% 12,3% 1,5% 1,7% 1,8% Brasil Classe D e E Classe C Classe B Classe A ' '' ' '
  22. 22. 22 Tópicos Cenário por classes de renda – Regiões Número de famílias por classes
  23. 23. 23 Número de famílias – Norte Fonte: IBGE. *Projeção: Tendências. Taxas médias de crescimento Ano 2005 2006 2007 2008 2009 2010* 2011* Classe D e E 6,8% 22,5% -4,0% 1,4% 3,7% 2,5% 3,2% Classe C 2,1% 33,7% 13,7% 13,4% 2,6% 4,6% 5,5% Classe B 3,4% 20,6% 12,4% 11,9% 4,0% 4,6% 6,9% Classe A 24,2% 5,5% 22,8% -11,6% 23,0% 8,1% 8,6% Total 5,8% 24,2% 0,5% 4,5% 3,6% 3,1% 4,1% 5,7% 2,5% 3,2% 12,5% 4,6% 5,5% 10,3% 4,6% 6,9% 11,8% 8,1% 8,6% Méd. 05-09 2010 2011 Classe D e E Classe C Classe B Classe A linha tracejada: média N
  24. 24. 24 Número de famílias – Nordeste Fonte: IBGE. *Projeção: Tendências. Ano 2005 2006 2007 2008 2009 2010* 2011* Classe D e E 1,1% 0,8% -0,7% 1,5% 1,3% 0,9% 1,1% Classe C 5,7% 25,5% 9,0% 13,4% 6,8% 5,8% 6,0% Classe B 10,1% 4,6% 13,1% 8,1% 13,1% 7,4% 6,7% Classe A -9,3% 39,5% 3,5% 15,4% 3,8% 5,8% 6,5% Total 1,9% 3,9% 1,2% 3,6% 2,8% 2,1% 2,3% 0,8% 0,9% 1,1% 11,9% 5,8% 6,0% 9,7% 7,4% 6,7% 9,4% 5,8% 6,5% Méd. 05-09 2010 2011 Classe D e E Classe C Classe B Classe A linha tracejada: média NE Taxas médias de crescimento
  25. 25. 25 Número de famílias – Sudeste Fonte: IBGE. *Projeção: Tendências. Ano 2005 2006 2007 2008 2009 2010* 2011* Classe D e E 2,8% -5,5% -4,8% -1,2% -0,5% -0,6% -1,1% Classe C 4,8% 13,6% 6,1% 8,5% 3,6% 5,5% 7,0% Classe B 8,6% 3,5% 7,9% 8,9% 1,5% 7,9% 7,3% Classe A 25,1% 11,2% -2,9% -1,6% 1,7% 6,2% 8,5% Total 4,4% 1,1% 0,1% 3,2% 1,2% 2,8% 3,2% -1,9% -0,6% -1,1% 7,2% 5,5% 7,0% 6,1% 7,9% 7,3% 6,2% 6,2% 8,5% Méd. 05-09 2010 2011 Classe D e E Classe C Classe B Classe A linha tracejada: média SE Taxas médias de crescimento
  26. 26. 26 Número de famílias – Sul Fonte: IBGE. *Projeção: Tendências. Ano 2005 2006 2007 2008 2009 2010* 2011* Classe D e E 1,8% -5,4% -2,9% -3,8% -3,2% -1,3% -1,6% Classe C 1,4% 16,6% 8,1% 5,3% 4,4% 4,6% 5,4% Classe B 8,0% 2,1% 8,1% 13,8% 5,7% 6,9% 4,4% Classe A 5,8% 13,5% 8,6% -1,9% 8,8% 8,6% 7,4% Total 2,4% 1,9% 2,2% 1,5% 0,9% 2,2% 2,1% -2,7% -1,3% -1,6% 7,0% 4,6% 5,4% 7,5% 6,9% 4,4% 6,8% 8,6% 7,4% Méd. 05-09 2010 2011 Classe D e E Classe C Classe B Classe A linha tracejada: média S Taxas médias de crescimento
  27. 27. 27 Número de famílias – Centro-Oeste Fonte: IBGE. *Projeção: Tendências. Ano 2005 2006 2007 2008 2009 2010* 2011* Classe D e E 1,2% -1,7% -1,2% -3,9% 0,9% 0,2% 0,4% Classe C -0,1% 18,5% 9,9% 10,3% 5,2% 5,7% 4,6% Classe B 11,9% 1,6% 12,4% 12,6% 3,4% 5,4% 4,2% Classe A 9,6% 23,2% 20,5% 1,8% -0,3% 5,0% 5,7% Total 2,1% 3,5% 3,5% 1,9% 2,4% 2,6% 2,3% -0,9% 0,2% 0,4% 8,6% 5,7% 4,6% 8,3% 5,4% 4,2% 10,6% 5,0% 5,7% Méd. 05-09 2010 2011 Classe D e E Classe C Classe B Classe A linha tracejada: média CO Taxas médias de crescimento
  28. 28. 28 Rua Estados Unidos, 498, 01427-000, São Paulo, SP Tel 55-11 3052-3311, Fax 55-11-3884-9022 tendencias@tendencias,com,br www,tendencias,com,br

×