www.fee.rs.gov.br
2016: o ano da
recuperação?
Caxias do Sul,
28 de setembro de 2015
www.fee.rs.gov.br
 Cenário Econômico Nacional
 O que nos trouxe a essa situação econômica?
 O esgotamento do modelo.
 ...
www.fee.rs.gov.br
Fonte: IBGE. FMI. *Zona do Euro.
PIB – Brasil
(Var. % anual)
Sinais de
esgotamento
do modelo?
6,0
5,0
-0...
www.fee.rs.gov.br
Fonte: IBGE.
Sinais de
esgotamento
do modelo?
PIB – Brasil
(Var. % anual)
2,1% a.a.4,5% a.a.
0,8% a.a.
6...
www.fee.rs.gov.br
Fonte: IBGE.
PIB – Brasil
(Var. % anual)
 Intervenção Estatal
O que caracterizava esse
modelo?
 Preços...
www.fee.rs.gov.br
Fonte: IBGE.
IPCA – Preços Administrados
(Var.% em 12 meses)
 Intervenção Estatal
O que caracterizava e...
www.fee.rs.gov.br
Fonte: IBGE.
Sistema Financeiro Público
(Em % do PIB)
 Intervenção Estatal
O que caracterizava esse
mod...
www.fee.rs.gov.br
Fonte: IBGE.
Crédito Total
(Part. %)
 Intervenção Estatal
O que caracterizava esse
modelo?
 Preços
 I...
www.fee.rs.gov.br
Fonte: IBGE.
 Intervenção Estatal
O que caracterizava esse
modelo?
Desonerações Fiscais
(Em R$ milhões)...
www.fee.rs.gov.br
Fonte: IBGE.
 Intervenção Estatal
O que caracterizava esse
modelo?
 Automotivo
 Petróleo, Gás e Naval...
www.fee.rs.gov.br
Fonte: IBGE.
 Intervenção Estatal
O que caracterizava esse
modelo?
 Preços
 Investimentos
 Gestão mi...
www.fee.rs.gov.br
Fonte: IBGE.
PIB – Brasil
(Part.% do Governo)
 Intervenção Estatal
O que caracterizava esse
modelo?
 O...
www.fee.rs.gov.br
Fonte: IBGE.
Dívida Bruta – Governo Federal
(Part.% do PIB)
 Intervenção Estatal
O que caracterizava es...
www.fee.rs.gov.br
Fonte: IBGE.
Resultado Primário
(Part.% do PIB)
 Intervenção Estatal
O que caracterizava esse
modelo?
...
www.fee.rs.gov.br
Fonte: IBGE.
O que caracterizava esse
modelo?
2,9% 3,0%
-0,8%
jan/06
ago/06
mar/07
out/07
mai/08
dez/08
...
www.fee.rs.gov.br
14,3% 14,0%
Receitas Despesas
Fonte: IBGE.
O que caracterizava esse
modelo?
E não foi por falta de arrec...
www.fee.rs.gov.br
Fonte: IBGE.
O que caracterizava esse
modelo?
Rendimento x Imposto de Renda
(ago/2002=100)
151,0
100
202...
www.fee.rs.gov.br
89,8
146,0
set/02
ago/03
jul/04
jun/05
mai/06
abr/07
mar/08
fev/09
jan/10
dez/10
nov/11
out/12
set/13
ag...
www.fee.rs.gov.br
Fonte: IBGE. FMI. *Zona do Euro.
Mas, o modelo
era novo?
O que caracterizava esse
modelo?
 Foi o nosso ...
www.fee.rs.gov.br
 Cenário Econômico Nacional
 O que nos trouxe a essa situação econômica?
 O esgotamento do modelo.
 ...
www.fee.rs.gov.br
Rendimento médio real
(Var. % anual)
 Inflação e juros altos
Há diversos problemas na
economia
Fonte: I...
www.fee.rs.gov.br
 Inflação e juros altos
 Incertezas de consumidores
e investidores
Há diversos problemas na
economia
F...
www.fee.rs.gov.br
 Inflação e juros altos
 Incertezas de consumidores
e investidores
Há diversos problemas na
economia
F...
www.fee.rs.gov.br
 Inflação e juros altos
 Incertezas de consumidores
e investidores
Há diversos problemas na
economia
F...
www.fee.rs.gov.br
Endividamento das Famílias
((% médio em relação à renda acum. em 12 meses )
 Inflação e juros altos
 I...
www.fee.rs.gov.br
 Cenário Econômico Nacional
 O que nos trouxe a essa situação econômica?
 O esgotamento do modelo.
 ...
www.fee.rs.gov.br
Há muito o que temer
Fonte: IBGE. Relatório Focus*(24/08).
 Desaceleração econômica
na China
 Mudança ...
www.fee.rs.gov.br
2015 2016
Desenvolvidos 2,1% 2,4%
EUA 2,5% 3,0%
Europa* 1,5% 1,7%
Emergentes 4,2% 4,7%
China 6,8% 6,3%
A...
www.fee.rs.gov.br
Há muito o que temer
Fonte: IBGE. Relatório Focus*(24/08).
 Desaceleração econômica
na China
PIB Brasil...
www.fee.rs.gov.br
2016: O ano da recuperação?
 Estamos diante de um ciclo perverso
Queda da
renda
Queda da
demanda
Queda ...
www.fee.rs.gov.br
2016: O ano da recuperação?
 Estamos diante de um ciclo perverso
Queda da
renda
Queda da
demanda
Queda ...
www.fee.rs.gov.br
2016: O ano da recuperação?
 Estamos diante de um ciclo perverso
 Para romper esse ciclo é preciso:
 ...
www.fee.rs.gov.br
Fundação de Economia e Estatística
Siegfried Emanuel Heuser
Diretoria
Presidente: Igor Alexandre Clement...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

2016: O ano da recuperação?

927 visualizações

Publicada em

Palestra sobre economia brasileira proferida pelo Presidente da FEE, Igor Morais, na reunião-janta do Sindicato das Indústrias de Material Plástico do Nordeste Gaúcho (Simplás), realizada no dia 28 de setembro em Caxias do Sul.

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
927
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
47
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Template de capa
    Em coletivas, a capa deve conter o nome do Núcleo e do Centro realizador da pesquisa. A equipe é listada na página final.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Inserir Núcleo e Centro. Após, nome do apresentador e email. Por fim, nome da equipe (quando houver).
  • 2016: O ano da recuperação?

    1. 1. www.fee.rs.gov.br 2016: o ano da recuperação? Caxias do Sul, 28 de setembro de 2015
    2. 2. www.fee.rs.gov.br  Cenário Econômico Nacional  O que nos trouxe a essa situação econômica?  O esgotamento do modelo.  Como estamos?  Uma economia fraca.  Quais os riscos e para onde vamos?  Nova década perdida?
    3. 3. www.fee.rs.gov.br Fonte: IBGE. FMI. *Zona do Euro. PIB – Brasil (Var. % anual) Sinais de esgotamento do modelo? 6,0 5,0 -0,2 7,6 3,9 1,8 2,7 0,1 -2,8 -1,0 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015*2016*
    4. 4. www.fee.rs.gov.br Fonte: IBGE. Sinais de esgotamento do modelo? PIB – Brasil (Var. % anual) 2,1% a.a.4,5% a.a. 0,8% a.a. 6,0 5,0 -0,2 7,6 3,9 1,8 2,7 0,1 -2,8 -1,0 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015*2016*
    5. 5. www.fee.rs.gov.br Fonte: IBGE. PIB – Brasil (Var. % anual)  Intervenção Estatal O que caracterizava esse modelo?  Preços  Investimentos  Gestão microeconômica  Uso dos bancos públicos para gerar “desenvolvimento” 6,0 5,0 -0,2 7,6 3,9 1,8 2,7 0,1 -2,8 -1,0 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015*2016*
    6. 6. www.fee.rs.gov.br Fonte: IBGE. IPCA – Preços Administrados (Var.% em 12 meses)  Intervenção Estatal O que caracterizava esse modelo? 1,0 16,0 7,7 jan-00 jan-00 jan-00 jan-00 jan-00 jan-00 jan-00 fev-00 fev-00 fev-00 fev-00 fev-00 mar-00 mar-00 mar-00 mar-00 mar-00 mar-00 mar-00 abr-00 abr-00 Monitorados Livres  Preços  Investimentos  Gestão microeconômica  Uso dos bancos públicos para gerar “desenvolvimento”
    7. 7. www.fee.rs.gov.br Fonte: IBGE. Sistema Financeiro Público (Em % do PIB)  Intervenção Estatal O que caracterizava esse modelo? 0,9 9,8 jun.08 jun.15  A maior parte é BNDES  R$ 519 bilhões em estoque  Preços  Investimentos  Gestão microeconômica  Uso dos bancos públicos para gerar “desenvolvimento”
    8. 8. www.fee.rs.gov.br Fonte: IBGE. Crédito Total (Part. %)  Intervenção Estatal O que caracterizava esse modelo?  Preços  Investimentos  Gestão microeconômica  Uso dos bancos públicos para gerar “desenvolvimento” 62,2 66,0 58,6 56,0 44,7 37,8 34,0 40,9 45,2 55,3 jan/03 jun/03 nov/03 abr/04 set/04 fev/05 jul/05 dez/05 mai/06 out/06 mar/07 ago/07 jan/08 jun/08 nov/08 abr/09 set/09 fev/10 jul/10 dez/10 mai/11 out/11 mar/12 ago/12 jan/13 jun/13 nov/13 abr/14 set/14 fev/15 jul/15 Bancos Privados Banco Públicos
    9. 9. www.fee.rs.gov.br Fonte: IBGE.  Intervenção Estatal O que caracterizava esse modelo? Desonerações Fiscais (Em R$ milhões) 3.095 44.393 76.258 109.255 113.116 77.168 2011 2012 2013 2014 2015 2016 Desde 2011 foram 205 desonerações fiscais das mais diversas  Preços  Investimentos  Gestão microeconômica  Uso dos bancos públicos para gerar “desenvolvimento”
    10. 10. www.fee.rs.gov.br Fonte: IBGE.  Intervenção Estatal O que caracterizava esse modelo?  Automotivo  Petróleo, Gás e Naval  Bens de capital  TIC e complexo eletroeletrônico  Complexo da saúde  Defesa, automotivo e espacial  Celulose e papel  Energias renováveis  Indústria da mineração  Metalurgia  Higiene pessoal e perfumaria  Indústria química  Construção Civil e + 6... 308 reuniões de conselho em 4 anos 1 reunião a cada 3 dias úteis  Preços  Investimentos  Gestão microeconômica  Uso dos bancos públicos para gerar “desenvolvimento”
    11. 11. www.fee.rs.gov.br Fonte: IBGE.  Intervenção Estatal O que caracterizava esse modelo?  Preços  Investimentos  Gestão microeconômica  Uso dos bancos públicos para gerar “desenvolvimento” Produção Industrial - transformação (Número índice) 100 117,9 93,0 115,6 109,2 118,9 110,9 99,4 jan/05 jun/05 nov/05 abr/06 set/06 fev/07 jul/07 dez/07 mai/08 out/08 mar/09 ago/09 jan/10 jun/10 nov/10 abr/11 set/11 fev/12 jul/12 dez/12 mai/13 out/13 mar/14 ago/14 jan/15 jun/15  A indústria voltou ao mesmo nível de produção de 2005!!  São 10 anos de estagnação…
    12. 12. www.fee.rs.gov.br Fonte: IBGE. PIB – Brasil (Part.% do Governo)  Intervenção Estatal O que caracterizava esse modelo?  O estado cresceu….. 19.6% 19.8% 18.2% 20.1% 1ºT97 3ºT98 1ºT00 3ºT01 1ºT03 3ºT04 1ºT06 3ºT07 1ºT09 3ºT10 1ºT12 3ºT13  Preços  Investimentos  Gestão microeconômica  Uso dos bancos públicos para gerar “desenvolvimento”
    13. 13. www.fee.rs.gov.br Fonte: IBGE. Dívida Bruta – Governo Federal (Part.% do PIB)  Intervenção Estatal O que caracterizava esse modelo? 61,13 51,29 64,57 dez/06 jun/07 dez/07 jun/08 dez/08 jun/09 dez/09 jun/10 dez/10 jun/11 dez/11 jun/12 dez/12 jun/13 dez/13 jun/14 dez/14 jun/15  E precisou de financiamento  O estado cresceu…..  Preços  Investimentos  Gestão microeconômica  Uso dos bancos públicos para gerar “desenvolvimento”
    14. 14. www.fee.rs.gov.br Fonte: IBGE. Resultado Primário (Part.% do PIB)  Intervenção Estatal O que caracterizava esse modelo?  Em um cenário de descontrole fiscal 2,9% 3,0% -0,8% jan/06 ago/06 mar/07 out/07 mai/08 dez/08 jul/09 fev/10 set/10 abr/11 nov/11 jun/12 jan/13 ago/13 mar/14 out/14 mai/15 Sobrava R$ 120 bilhões  O estado cresceu…..  Preços  Investimentos  Gestão microeconômica  Uso dos bancos públicos para gerar “desenvolvimento”  E precisou de financiamento
    15. 15. www.fee.rs.gov.br Fonte: IBGE. O que caracterizava esse modelo? 2,9% 3,0% -0,8% jan/06 ago/06 mar/07 out/07 mai/08 dez/08 jul/09 fev/10 set/10 abr/11 nov/11 jun/12 jan/13 ago/13 mar/14 out/14 mai/15  É o maior resultado negativo do Plano Real  O Governo Central gastou R$ 43 bilhões a mais do que arrecadou… Resultado Primário (Part.% do PIB)  Intervenção Estatal  Em um cenário de descontrole fiscal  O estado cresceu…..  Preços  Investimentos  Gestão microeconômica  Uso dos bancos públicos para gerar “desenvolvimento”  E precisou de financiamento
    16. 16. www.fee.rs.gov.br 14,3% 14,0% Receitas Despesas Fonte: IBGE. O que caracterizava esse modelo? E não foi por falta de arrecadação…. Em % do PIB 17,2% 15,0% Receitas Despesas 18,4% 18,7% Receitas Despesas 1997: Havia certo equilíbrio entre receitas e despesas.... 2003: A diferença chegava a R$ 39 bilhões.... 2014: É a primeira vez no Plano Real que as despesas são maiores...  Intervenção Estatal  Em um cenário de descontrole fiscal  O estado cresceu…..  Preços  Investimentos  Gestão microeconômica  Uso dos bancos públicos para gerar “desenvolvimento”  E precisou de financiamento
    17. 17. www.fee.rs.gov.br Fonte: IBGE. O que caracterizava esse modelo? Rendimento x Imposto de Renda (ago/2002=100) 151,0 100 202,1 ago/02 jul/03 jun/04 mai/05 abr/06 mar/07 fev/08 jan/09 dez/09 nov/10 out/11 set/12 ago/13 jul/14 jun/15 Rendimento médio real IR PF + trabalho  Enquanto a rendimento médio real cresceu 51% acima da inflação, a arrecadação de IR PF + trabalho aumentou 102%.  Intervenção Estatal  Em um cenário de descontrole fiscal  O estado cresceu…..  Preços  Investimentos  Gestão microeconômica  Uso dos bancos públicos para gerar “desenvolvimento”  E precisou de financiamento
    18. 18. www.fee.rs.gov.br 89,8 146,0 set/02 ago/03 jul/04 jun/05 mai/06 abr/07 mar/08 fev/09 jan/10 dez/10 nov/11 out/12 set/13 ago/14 jul/15 Fonte: IBGE. O que caracterizava esse modelo? Pessoal Ocupado x Imposto de Renda (razão)  A arrecadação de IR PF + trabalho também cresce em relação ao pessoal ocupado.  Atualmente está 46% maior que 12 anos atrás…  Intervenção Estatal  Em um cenário de descontrole fiscal  O estado cresceu…..  Preços  Investimentos  Gestão microeconômica  Uso dos bancos públicos para gerar “desenvolvimento”  E precisou de financiamento
    19. 19. www.fee.rs.gov.br Fonte: IBGE. FMI. *Zona do Euro. Mas, o modelo era novo? O que caracterizava esse modelo?  Foi o nosso 3º ciclo “desenvolvimentista”  1930-1964  1964-1980  2003-?
    20. 20. www.fee.rs.gov.br  Cenário Econômico Nacional  O que nos trouxe a essa situação econômica?  O esgotamento do modelo.  Como estamos?  Uma economia fraca.  Quais os riscos e para onde vamos?  Nova década perdida?
    21. 21. www.fee.rs.gov.br Rendimento médio real (Var. % anual)  Inflação e juros altos Há diversos problemas na economia Fonte: IBGE. Relatório Focus*(24/08). -2,76% 5,70% -0,01% out/04 jul/05 abr/06 jan/07 out/07 jul/08 abr/09 jan/10 out/10 jul/11 abr/12 jan/13 out/13 jul/14 abr/15  A pressão inflacionária reduz a renda real do trabalhador.  É a primeira vez em uma década que isso acontece.
    22. 22. www.fee.rs.gov.br  Inflação e juros altos  Incertezas de consumidores e investidores Há diversos problemas na economia Fonte: IBGE. Relatório Focus*(24/08). Índice de confiança do consumidor (Nº índice – base fixa = média 2003) 109 94,7 127,8 82,0 jan/07 jul/07 jan/08 jul/08 jan/09 jul/09 jan/10 jul/10 jan/11 jul/11 jan/12 jul/12 jan/13 jul/13 jan/14 jul/14 jan/15 jul/15 Média do período: 110,8
    23. 23. www.fee.rs.gov.br  Inflação e juros altos  Incertezas de consumidores e investidores Há diversos problemas na economia Fonte: IBGE. Relatório Focus*(24/08). 88,5 74,7 76,5 69,0 74,8 104,1 mar/09 jun/09 set/09 dez/09 mar/10 jun/10 set/10 dez/10 mar/11 jun/11 set/11 dez/11 mar/12 jun/12 set/12 dez/12 mar/13 jun/13 set/13 dez/13 mar/14 jun/14 set/14 dez/14 mar/15 jun/15 Medo do desemprego (Nº índice – base fixa = média 2003) +39,2%
    24. 24. www.fee.rs.gov.br  Inflação e juros altos  Incertezas de consumidores e investidores Há diversos problemas na economia Fonte: IBGE. Relatório Focus*(24/08). Venda do Comércio (Var.% em 12 meses) -1,9 -2,9 5,8 9,0 5,5 10,2 5,9 10,4 7,4 3,4 -1,0 mar/03 jul/03 nov/03 mar/04 jul/04 nov/04 mar/05 jul/05 nov/05 mar/06 jul/06 nov/06 mar/07 jul/07 nov/07 mar/08 jul/08 nov/08 mar/09 jul/09 nov/09 mar/10 jul/10 nov/10 mar/11 jul/11 nov/11 mar/12 jul/12 nov/12 mar/13 jul/13 nov/13 mar/14 jul/14 nov/14 mar/15 jul/15  É primeira queda desde 2003.
    25. 25. www.fee.rs.gov.br Endividamento das Famílias ((% médio em relação à renda acum. em 12 meses )  Inflação e juros altos  Incertezas de consumidores e investidores  Famílias e governo endividados Há diversos problemas na economia Fonte: IBGE. Relatório Focus*(24/08). 20,5 23,7 27,3 31,7 34,0 37,8 41,1 43,1 44,8 45,7 46,3 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 *2015  Incertezas políticas
    26. 26. www.fee.rs.gov.br  Cenário Econômico Nacional  O que nos trouxe a essa situação econômica?  O esgotamento do modelo.  Como estamos?  Uma economia fraca.  Quais os riscos e para onde vamos?  Nova década perdida?
    27. 27. www.fee.rs.gov.br Há muito o que temer Fonte: IBGE. Relatório Focus*(24/08).  Desaceleração econômica na China  Mudança na política monetária nos EUA PIB Brasil e Preço das Commodities (Variação % em 12 meses) -3,8 -10,91,4 -0,9 -2,0 -1,0 0,0 1,0 2,0 3,0 4,0 5,0 6,0 7,0 8,0 9,0 -30,0 -20,0 -10,0 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 I III I III I III I III I III I III I III I III I III I III I III I III I III I III I III I 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 Commodities (ex combustíveis) PIB Período da “bonança”
    28. 28. www.fee.rs.gov.br 2015 2016 Desenvolvidos 2,1% 2,4% EUA 2,5% 3,0% Europa* 1,5% 1,7% Emergentes 4,2% 4,7% China 6,8% 6,3% Am. Latina 0,5% 1,7% Há muito o que temer Fonte: IBGE. Relatório Focus*(24/08).  Desaceleração econômica na China PIB – Mundial (Var. % anual)  Mudança na política monetária nos EUA  Mas, mesmo assim, a perspectiva mundial é positiva Mundo 3,3% 3,8%
    29. 29. www.fee.rs.gov.br Há muito o que temer Fonte: IBGE. Relatório Focus*(24/08).  Desaceleração econômica na China PIB Brasil – Previsão (Var. % anual)  Mudança na política monetária nos EUA  Mas, mesmo assim, a perspectiva mundial é positiva 2015: Devemos ter a maior retração econômica do Plano Real. 2016: Crise essa que deve se estender para os próximos 12 meses. 2017: E ainda com baixo crescimento em 2017. 2,48 -2,78 02/01/2014 06/02/2014 17/03/2014 23/04/2014 29/05/2014 04/07/2014 08/08/2014 12/09/2014 17/10/2014 21/11/2014 29/12/2014 03/02/2015 12/03/2015 17/04/2015 26/05/2015 01/07/2015 05/08/2015 10/09/2015 3,00 -1,00 02/01/2014 03/02/2014 07/03/2014 08/04/2014 13/05/2014 12/06/2014 15/07/2014 14/08/2014 15/09/2014 15/10/2014 14/11/2014 16/12/2014 19/01/2015 20/02/2015 24/03/2015 27/04/2015 28/05/2015 30/06/2015 30/07/2015 31/08/2015 3,00 1,03 02/01/2014 03/02/2014 07/03/2014 08/04/2014 13/05/2014 12/06/2014 15/07/2014 14/08/2014 15/09/2014 15/10/2014 14/11/2014 16/12/2014 19/01/2015 20/02/2015 24/03/2015 27/04/2015 28/05/2015 30/06/2015 30/07/2015 31/08/2015  Enquanto que o Brasil deve experimentar anos difíceis
    30. 30. www.fee.rs.gov.br 2016: O ano da recuperação?  Estamos diante de um ciclo perverso Queda da renda Queda da demanda Queda das vendas Queda na produção Aumenta o desemprego Piora expectativas Maior inadimplência Reduz crédito Inflação alta Juros altos Problemas fiscais Reduz investimento Ajuste fiscal Cai a arrecadação
    31. 31. www.fee.rs.gov.br 2016: O ano da recuperação?  Estamos diante de um ciclo perverso Queda da renda Queda da demanda Queda das vendas Queda na produção Aumenta o desemprego Piora expectativas Maior inadimplência Reduz crédito Inflação alta Juros altos Problemas fiscais Reduz investimento Ajuste fiscal Cai a arrecadação
    32. 32. www.fee.rs.gov.br 2016: O ano da recuperação?  Estamos diante de um ciclo perverso  Para romper esse ciclo é preciso:  Governo resgatar a confiança dos agentes econômicos  O ajuste fiscal tem que vir pelo controle de gastos  A nossa agenda de reformas estruturais foi esquecida.
    33. 33. www.fee.rs.gov.br Fundação de Economia e Estatística Siegfried Emanuel Heuser Diretoria Presidente: Igor Alexandre Clemente de Morais Diretor Técnico: Martinho Roberto Lazzari Diretora Administrativa: Nóra Angela Gundlach Kraemer Rua Duque de Caxias, 1691 Centro Histórico, Porto Alegre CEP: 90010-283 (51) 3216.9000 Assessoria Econômica Bruno Breyer Caldas Guilherme Stein Jéfferson Colombo Mariana Bartels Vanessa Neumann Sulzbach Estagiárias: Luciane Machim Vieira Andréa Vieira Presidente Igor Morais

    ×