Cultura da melancia

1.232 visualizações

Publicada em

Aprenda a cultivar melancia de uma forma muito fácil.

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.232
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
161
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cultura da melancia

  1. 1. Elaborado por mim
  2. 2. A FOLHA
  3. 3. A FLOR
  4. 4.  Abrem logo ao aparecer do sol;  O estigma encontra-se aberto o dia todo;  As flores fecham a tarde;
  5. 5. Flor masc. Flor fem. Pólen
  6. 6. O FRUTO
  7. 7. O PÉ
  8. 8. MELANCIA É originária da das regiões quentes da África, sendo hoje cosmopolita. Foi inicialmente introduzida no Brasil por escravos, que semeavam no meio das plantas de milho. Durante a Guerra Civil americana as cultivares norte-americanas foram introduzidas por agricultores sulistas, que se fixaram em Americana-SP.
  9. 9.  Produz ramos, que podem alcançar até 3 m;  Limbo das folhas profundamente recortados;  Apresentam gavinhas;  Sistema radicular intenso;  Hábito de florescimento monóico;  Frutos globulares ou alongados;  Apresentam polpa vermelha;  Ciclo de vida varia de 80 a 110 dias;  Contém 95% de água;
  10. 10.  Espécie pouco tolerante a baixas temperaturas;  Tipicamente de clima quente;  Tolera temperaturas amenas, durante o dia ou noite;  Umidade elevada afeta na qualidade da polpa; CLIMA E ÉPOCA DE PLANTIO
  11. 11.  Sob clima frio e úmido, o sabor torna-se mais pobre;  Produção mais eficaz a baixas altitudes;  Maior produção em temperaturas entre: 20 e 34 °C;  Temperaturas superiores a 35 °C prejudicam a floração.
  12. 12. Descrição (°C) Congelamento 0 Paralisação vegetativa 11 - 13 Germinação mínima 16 Floração ótima 20 - 21 Desenvolvimento ótimo 23 - 28 Maturação do fruto 23 - 28 Fonte: Embrapa
  13. 13.  Atualmente estão ocorrendo mudanças com a introdução de Híbridos;  Plantas mais vigorosas;  Resistencia a um maior n° de doenças;  Ciclo de colheita mais precoce;  Maior n° de flores femininas;  Alta uniformidade nas plantas e no frutos. CULTIVARES
  14. 14.  Porém há várias outras espécies de cultivares como:  Crimson Sweet;  BRS Opara;  Fairfax;
  15. 15. Crimson Sweet  Ciclo de 75 a 85 dias;  Massa 10 a 13 Kg;  Formato globular;  Resistencia a Antracnose e Fusarium.
  16. 16. BRS Opara  Ciclo de 75 a 85 dias;  Massa de até 11 a 13Kg;  Formato elíptico;  Resistencia a Oídio.
  17. 17. Fairfax  Ciclo de 85 a 90 dias;  Massa de 13 a 18 Kg;  Formato alongado;  Resistencia a Antracnose e Fusarium raça 0.
  18. 18.  As cultivares podem também ser agrupadas em 4 grupos:  Grupo Globular;  Grupo das Mini-melancias;  Grupo sem semente;  Grupo alongado; CULTIVARES
  19. 19.  Cultivar típica norte-americana: Crimson Sweet;  Melancias de casca rajada com coloração verde-clara e verde-escura;  Frutos com 10 a 13 Kg;  Polpa de boa qualidade;  Cultivar mais preferida pelo consumidor. Grupo Globular
  20. 20.  Atualmente introduzida no Brasil a cultivar Híbrida;  Produz frutos com 2 a 3 Kg;  Apresentam maior adensamento (até 10.000 plantas por ha). Grupo das Mini-melancias
  21. 21.  São Híbridos auto-estéreis;  Produzem melancias globulares;  Frutos sem sementes;  Massa de 5 a 8 Kg;  Exige plantio de outra cultivar nas proximidades. Grupo sem Semente
  22. 22.  Cultivar típica norte-americana: Charleston Gray;  Produz frutos cilíndricos;  Casca verde-clara com finas estrias mais escuras;  Produz frutos grandes: 12 a 15 Kg. Grupo Alongado
  23. 23.  Adapta-se melhor a solos de textura média;  Produz bem a uma faixa de pH de 5,0 a 6,2;  SB: 60 a 70%; Solo e Adubação
  24. 24.  Fazer aração não muito profunda;  Aplicar calcário 2 a 3 meses antes do plantio;  Irrigar a área 3 a 4 dias antes do plantio;  Aplicação de P resulta em maior produtividade e tamanho do fruto;  Aplicação de K eleva o teor de açúcares nos frutos;
  25. 25.  A aplicação de esterco de aviário e de currais nos sulcos de plantio semanas antes da semeadura são indispensáveis (10 t/ha);  Solos com fertilidade baixa seguem as seguintes doses de macronutrientes (Kg/ha): N: 30-40 P2O5: 200-350 K2O:60-100
  26. 26.  A adubação pode ser complementada aplicando-se (Kg/ha): N: 80-100 K2O: 50-80  Sugere-se o parcelamento de K em três aplicações;
  27. 27.  A germinação e a emergência são favorecidas pela imersão das sementes em saquinhos de pano durante 12 a 18 horas em água.  A semeadura em sulcos abertos é mais utilizada por grandes produtores;  Quando efetuada manualmente coloca-se de 2 a 3 sementes por vez e para Híbridos de 1 a 2 sementes; Implantação da Cultura
  28. 28.  A planta é pouco tolerante ao transplante;  Há olericultores que formam mudas em copinhos de jornal;  12 cm de altura X 8 cm de diâmetro;  Essas dimensões permitem que as plantas sejam transplantadas com 2-3 folhas definitivas;
  29. 29.  Podem ser formados em casa de vegetação;  As mudas podem ser produzidas em bandejas de isopor com 128 células e com 60 mm de profundidade;
  30. 30.  O espaçamento em relação as cultivares tradicionais são: 200-300 cm X 100-150 cm  Para melancias alongadas usa-se o espaçamento: 200 cm X 150 cm O espaçamento das cultivares tradicionais permitem plantar até 6.000 plantas por ha.
  31. 31.  Desbaste de plântulas com 2-3 folhas definitivas;  Raleamento de frutos;  Manter a planta livre de frutos um raio de 50 a 100 cm;  Normalmente deixa-se 2-3 frutinhos por planta; Tratos Culturais
  32. 32.  Quando a cultura é praticada em período seco a irrigação é indispensável;  O teor de água útil nas raízes deve ser mantido em 90%;  Na fase final o fornecimento de água deve ser reduzido;  As melancias podem ser irrigadas no sulco de plantio, por aspersão ou por gotejamento;
  33. 33.  Pode-se efetuar a penteação;  As capinas devem ser superficiais;  É importante manter a cultura livre de plantas daninhas até o fechamento das ramas;
  34. 34.  Podridão-apical - mancha negra e seca na extremidade estilar do fruto – é causada pela deficiência de Ca. A calagem é uma das formas de oferecer Ca.  Na fase de acabamento dos frutos, excesso de água no solo pode causar o fendilhamento da casca, além de ocasionar a produção de frutos insípidos. Anomalias Fisiológicas
  35. 35.  Cancro-das-hastes;  Antracnose;  Oídio;  Fusariose;  Mosaico. Problemas Fitossanitários
  36. 36. Cancro-das-hastes  Causada pelo fungo Mycosphaerella melonis.  Nas folhas há crestamento gomoso;  Nos frutos ocorrem lesões necróticas escuras, com goma;  T° amenas e alta pluviosidade favorecem a doença.
  37. 37. Controle  Utilizar sementes sadias e isentas do fitopatógeno;  Fungicidas sistêmicos podem ser aplicados;  Rotacionar culturas com pastagens;  Evitar irrigação por aspersão;
  38. 38. Antracnose  Causada pelo fungo Colletotrichum gloeosporioides;  Ocasiona mancha parda nos frutos, com centro deprimido, que pode se tornar rosa;  Nas folhas ocorrem manchas escuras e circulares;  Altas T° e pluviosidade são favoráveis a ocorrência desse patógeno;
  39. 39. Controle  Uso de cultivar resistente;  Uso de sementes sadias;  Fungicidas sistêmicos podem ser aplicados;  Evitar irrigação por aspersão;  Rotacionar culturas;  Utilização de produtos químicos como: Oxicloreto de cobre e Tiofanato metílico;
  40. 40. Oídio  Causada pelo fungo Erysiphe cichoracearum;  Manchas brancas pulverulentas na parte inferior das folhas e nos ramos novos;  Em condições favoráveis o fungo pode cobrir toda a planta;  As folhas muito atacadas atrofiam e morrem.
  41. 41. Controle  Usar sementes sadias;  Rotacionar cultura com pastagens;  Evitar irrigação por aspersão;  Usar fungicidas a base de Enxofre, Tiofanato Metilico, Benomyl e Foltep;  Eliminar restos culturais.
  42. 42. Fusariose  Doença provocada pelo fungo Fusarium.  Pode permanecer no solo por até 10 anos;  Em plantas novas, pode causar podridão generalizada;  Em plantas velhas pode causar amarelecimento e murcha das folhas;
  43. 43. Controle  Retirada de sementes de frutos sadios;  Eliminação das plantas com os primeiros sintomas;  Rotação de cultura;  Evitar irrigação por aspersão;
  44. 44. Mosaico  Causada pelo vírus-do-mosaico-da-melancia.  As folhas ficam deformadas e manchadas de amarelo e verde-claro;  Redução do tamanho dos frutos;  As flores ficam anormalizadas e não frutificam.
  45. 45. Controle  Produzir melancia distante de plantas hospedeiras de vetores de viroses;  Rotacionar culturas;  Utilizar sementes de boa qualidade;
  46. 46.  Em geral ocorre aos 70-90 das;  Frutos devem ser colhidos no ponto exato de maturação;  A produtividade em culturas tecnicamente conduzidas, variam de 40 a 55 t/ha;  Durante a colheita e a pós-colheita devem ser evitados choques, danos mecânicos ou exposição a luz solar; Colheita e Comercialização
  47. 47. Classificação PEQUENA < 6 Kg MÉDIA > 6 Kg E < 9 Kg GRANDE > 9 Kg
  48. 48.  Antioxidante: o licopeno da melancia proporciona uma ação que impede a produção de radicais libres, os quais produzem uma reação que produz danos a nível celular.  Tensão arterial: ajuda a equilibrar o sistema circulatório, tudo isso graças às suas sustâncias nutritivas. Medicina
  49. 49.  Hidrata: a melancia é um fruto com 95% de água, pelo qual, ao comê-la você estará hidratando seu corpo.  Emagrece: o conteúdo de calorias da melancia é muito baixo, sendo de 20 calorias para cada 100 gramas de melancia.
  50. 50.  Limpa os intestinos: pela sua quantidade de fibra ajuda no processo digestivo e faz com que seja mais fácil eliminar as fezes.  Tensão arterial: ajuda a equilibrar o sistema circulatório, tudo isso graças às suas sustâncias nutritivas.
  51. 51.  Cada 100 gramas de melancia contém:  22 calorias;  0,5 g de proteínas;  6 mg de cálcio;  7 mg de fósforo;  0,2 mg de ferro;  23 mg de vitamina A;  0,02 mg de vitamina B1;  0,03 mg de vitamina B2;  5 mg de vitamina C.
  52. 52. Acondicionamento  Devem ser acondicionadas de modo que fiquem protegidas;  Em geral são apresentadas em embalagens (caixas de transporte);  Empilhamento dos frutos.
  53. 53. Transporte
  54. 54. Comercialização
  55. 55. Você já viu???
  56. 56. Referências http://hortas.info/como-plantar-melancia https://www.google.com.br/search?q=Crimson+Sweet&rlz=1C1 GGGE_pt-BRBR619BR620&oq=Crimson+Sweet&aqs=chrome..69 i57j0l5.2707j0j8&sourceid=chrome&es_sm=122&ie=UTF-8 http://sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br/FontesHTML/Mel ancia/SistemaProducaoMelancia/mercado.htm
  57. 57. http://sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br/FontesHTML/Mel ancia/SistemaProducaoMelancia/mercado.htm http://sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br/FontesHTML/Mel ancia/SistemaProducaoMelancia/solos.htm#preparo https://www.google.com.br/search?q=o+que+%C3%A9+crestea mento+gomoso&rlz=1C1GGGE_pt- BRBR619BR620&oq=o+que+%C3%A9+cresteamento+gomoso&a qs=chrome..69i57.8707j0j7&sourceid=chrome&es_sm=122&ie= UTF-8#q=o+que+%C3%A9+crestamento+gomoso https://www.google.com.br/search?q=Mycosphaerella+melonis +na+melancia&rlz=1C1GGGE_pt-BRBR619BR620&es_sm=122&b iw=1280&bih=675&tbm=isch&tbo=u&source=univ&sa=X&ved=0 CC8QsARqFQoTCN3_88PFuMgCFcyFkAodaS4D5A#imgrc=HjGfIe_ 5OwlU4M%3A

×