Redescobrindopaulo4

406 visualizações

Publicada em

Cartas de Paulo

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
406
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
26
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Redescobrindopaulo4

  1. 1. Pr. Brian Kibuuka
  2. 2. Antes da Conversã o Conversã o Viagens Missionári as Redescobrindo Paulo...
  3. 3. 4Romano s Cartas Pastorai s Coríntios Redescobrindo Paulo...
  4. 4. PAULO E O IMPÉRIO: LENDO AS CARTAS DE PAULO EM SEU CONTEXTO
  5. 5. CONFERÊNCIA I - PAULO E O IMPÉRIO: LENDO AS CARTAS DE PAULO EM SEU CONTEXTO
  6. 6.  Leste: Capadócia  Norte: Ponto e Bitínia e Montes da Paflagônia  Oeste: Ásia Menor  Sul: Lícia e Panfília (eventualmente unida à Cilícia) e Montes Tauro  Cidade Principal: Ancira (hoje Ancara, capital da Turquia)  Rios: Hális, Sangário
  7. 7. GALÁCIA Cidades • Suas principais cidades eram Távio, Pessino e Ancira (Ancara). Domínio Romano - Etnarquia • Durante as guerras civis romanas do primeiro século a.C, o príncipe gálata Amintas adquiriu um grande domínio que, por favor de Augusto, teve a permissão de reter. • O "reino da Galácia" compreendia, além da Galácia propriamente dita, partes da Frígia, Licaônia, Isauria, Pisídia, Panfília e Cilícia ocidental. • Em 25 a.C, o reino de Amintas passou para as mãos dos romanos. Domínio Romano • A administração de alguns dos territórios que Amintas havia adquirido estava sujeito a flutuação (em meados dos anos 40, a Cilícia ocidental, com parte da Licaônia, pertenciam ao reino de Antíoco de Comagene). • Mas no todo a área do domínio de Amintas compreendia a província romana da Galácia.
  8. 8. CORINTO
  9. 9. CORINTO Primórdios • Sua maior fama ocorrera sob Periandro (c. 625-583 a.C), mas depois de sobreviver a muitas guerras, acabou finalmente como vítima dos romanos. Destruição pelos romanos • Por causa do importante papel desempenhado por Corinto na guerra aos romanos, como cidade participante da Liga da Acaia, o cônsul Múmio incendiou e arrasou a cidade, matou seus homens e vendeu suas mulheres e crianças como escravos (146 a.C). Anexação à Macedônia • A Acaia tornou-se parte da província da Macedônia; a própria Corinto, embora não fosse abandonada de todo, tornou-se insignificante pelos cem anos seguintes. Refundação por Júlio César • Em 44 a.C. ela foi fundada de novo como colônia por Júlio César, que lhe deu o nome de "Colônia Laus Julia Corinthiensis — Corinto, o Louvor de Júlio―. Em 27 a.C, Augusto separou a Acaia da Macedônia e fez de Corinto a cidade capital. A nova província foi colocada sob o governo do senado. Sendo província senatorial, era governada por um procônsul.
  10. 10. GALÁCIA Nova Anexação à Macedônia • Em 44 d.C. houve o início de novo período de união e separação entre a Macedônia e a Acaia. A reputação de Corinto • A prosperidade voltou e, com ela, a reputação de perversidade, embora se deva questionar se de fato Corinto era pior do que qualquer outra cidade portuária do leste do Mediterrâneo. A propaganda ateniense • Há uma suspeita de que a má propaganda ateniense tinha algo que ver com a fama de Corinto quanto à licenciosidade: com frequência os frutos do comércio sofrem a inveja dos que se dedicam à cultura intelectual. A tradição latina • No entanto, não se pode negar que Corinto era uma cidade em que "ninguém senão os mais fortes conseguem sobreviver" (Horácio, Epístolas 1.17.36).
  11. 11. ROMA  Plínio, o velho, dissera de Roma que ela excedera em tamanho todas as cidades do mundo (História Natural 3.66s.), e teriam experimentado, nas palavras de Horácio, "a fumaça e a riqueza e o barulho de Roma", a capital e eixo do império (Odes 3.29.12).  ―Sou um cidadão romano‖ – Cícero, discurso contra Verres (Cic. In Ver. 5.2.147)  A associação entre ser cidadão e ser romano é uma das mais fortes relações de identidade que se pode notar no mundo romano.  NICOLET, C. O cidadão e o político. In: GIARDINA, A. O homem romano. Lisboa: Presença, 1992. p. 22. ―Humildes ou poderosos, governados por assembleias ou por magistrados eleitos anualmente e por um senado, ou por um príncipe vitalício (ao lado do qual, aliás, continuam a existir as antigas instituições), nenhuma hesitação é possível: cada romano é um cidadão, e todo aquele que possua ou adquira o ―direito de cidadania‖, a ―cidadania‖ romana, é automaticamente romano‖.  A civilização romana, senhora do Mediterrâneo, tratava os demais povos por meio de relações clientelares. Seu expansionismo fundamentava-se pela sua auto-imagem de
  12. 12. O PATRONATO  Dionísio de Halicarnasso, em sua História Antiga de Roma (Antiquitates Romanae), 2.9 ―Rômulo, depois que distinguiu os poderosos dos humildes, deu leis de acordo com aquilo, e dispôs o que cada grupo devia fazer. Os patrícios deviam realizar as funções religiosas, desempenhar os cargos, administrar justiça e dirigir com ele os assuntos públicos, dedicando- se ao que concernia à cidade. Os plebeus estavam excluídos de todo o anterior por serem desprovidos de experiência nestas ocupações e por não ter tempo para elas por causa de sua escassez de meios: deviam cultivar a terra, criar gado e dedicar-se a ofícios lucrativos (...) Aos patrícios entregou os plebeus como ‗depósito‘, ordenando que cada plebeu escolhesse aquele que quisesse como patrono (...) Rômulo prestigiou a relação com um nome adequado, chamando patronato a esta proteção dos pobres e humildes; deu a uns e outros funções úteis, fazendo desta mútua dependência algo benéfico e social.‖
  13. 13. PATRONATO
  14. 14. • ou pobres por circunstância, que não tinham dinheiro mas que não eram detentores das mazelas comuns aos outros pobres • cuja condição refletia uma índole do espírito. • tinham recursos para participar dos collegia, e que podiam votar, ou ofereciam algum benefício aos seus patronos. • não fazia sentido ser bom com quem não tinha como retribuir. OS CLIENTES
  15. 15. Officium do Cliente • Salutatio • Saudar o patrono • Commendatio • Recomendar o patrono • Suffragatio • Votar no parono • Representar o cliente • Sportula • originalmente uma cesta com uma refeição • uma quantia em dinheiro DEVERES DE PATRONOS E CLIENTES
  16. 16. O SACERDOTADO • Deuses e homens estavam sempre interagindo na urbs, presentes nos rituais, nos templos, nos jogos, nos eventos públicos. Religião Romana e Civilidade • Os deuses são, antes de tudo, protetores que se devem agradar devidamente, numa relação de troca. O Valor Social das Divindades • A relação dos romanos com seus deuses assemelha-se à relação que os homens devem manter com os reis ou patronos, seguindo o modelo das relações políticas e sociais então vigentes (VEYNE, 1989, p. 204). Religiosidade e Patronato • A religião romana tinha uma face privada e uma outra pública. Dimensões da Religião Romana
  17. 17. RELIGIÃO PRIVADA
  18. 18. RELIGIÃO PÚBLICA
  19. 19. • a paz e a prosperidade de Roma dependiam da vigilância dos deuses • traria derrotas militares, epidemias ou catástrofes naturais • Religio versus superstitio • Ligada ao Imperador • pater familiae • pontifex maximus • princeps OS CLIENTES
  20. 20. Religião Cívica • Obrigações públicas • Cultos e celebrações cívicas • Obrigações privadas • Cultos e celebrações cívicas alternativas RELIGIÃO CÍVICA E CRISTÃ
  21. 21. PRESSUPOSTOS 1. Não há na época de Paulo a ideia de ―direita‖ e ―esquerda‖. 2. A separação atual entre religião e política não fazia sentido no Mundo Antigo. 3. Há ―alusões‖ e ―ecos‖ em Paulo do seu contexto de enunciação
  22. 22. PRESSUPOSTOS 1. O Império Romano estendeu ao mundo os antigos ideais da República: liberdade e justiça 2. Augusto acabou com a guerra civil, estabeleceu a paz e foi chamado de ―Salvador‖. 3. Liberdade, justiça e paz eram os temas da propaganda imperial. 4. O nome dado aos valores positivos trazidos pelo imperador era ―Evangelho‖. 5. A máquina de guerra romana punia brutalmente rebeliões. 6. O imperador romano era chamado de ―Filho de Deus‖ nas províncias orientais.
  23. 23. ROMANOS Rm 12.1 • Rogo-vos, pois, irmãos, pelas misericórdias de Deus, que apresenteis o vosso corpo por sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. Rm 12.2 • E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus. Rm 12.4 • Porque assim como num só corpo temos muitos membros, mas nem todos os membros têm a mesma função…
  24. 24. CORÍNTIOS 11-12
  25. 25. EFÉSIOS
  26. 26. Pr. Brian Kibuuka

×