História de roma

2.161 visualizações

Publicada em

Elementos de História de Roma para aulas de Língua e Cultura Latina. Apoio a aula presencial.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.161
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
53
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

História de roma

  1. 1. História de Roma
  2. 2. Fundação e primeiros governantes• Conta a lenda que dois meninos amamentados por lobos, Rômulo e Remo, teriam sido os fundadores de Roma.• Historiadores mostram que a civilização latina surge da fusão de várias tribos de agricultores que viviam às margens do rio Tibre.• Aos poucos, houve expansão territorial, ampliando os domínios de Roma.• Rômulo, conforme as tradições, foi o primeiro dos monarcas romanos, em 753 a.C.
  3. 3. Fundação e primeiros governantes• Não há fontes seguras e dados precisos sobre o período monárquico de Roma. Ele dura de 753 a. C. a 510 a. C. Registra-se grande crescimento populacional e notável enriquecimento da aristocracia nesse período.• A organização política romana remonta à fundação da cidade, que já possuía o Senado. Havia grande força política das gens, grupos de parentesco. A família romana, centrada no paterfamilias, era o núcleo básico da sociedade.
  4. 4. Fundação e primeiros governantes• Segundo as tradições, seguem-se como reis Numa Pompílio, Túlio Hostílio, Anco Márcio. A monarquia romana não era hereditária.• Sucederam-nos Tarquínio I, Sérvio Túlio e Tarquínio II, que governaram com amplo apoio popular e distanciaram-se do Senado e da aristocracia.• O assassinato de Tarquínio II, em 509 a. C., marca o fim da Monarquia e início da República, com grande poder aos senadores e à aristocracia.
  5. 5. República• Em 509 a.C., Tarquínio II foi deposto, acusado de extrema tirania. Em seu lugar, assumiu Lúcio Bruto, dando início à República Romana. O poder ficou dividido entre as assembleias de cidadãos (com mandato de um ano) e o Senado (com membros vitalícios).• O regime funcionou com eficiência até o assassinato de Tibério Graco, em 133 a.C. Esse crime intensificou o rompimento entre o Senado e os populares, provocado pela desigualdade econômica crescente.
  6. 6. República• Em 82 a.C., Lúcio Sulla se tornou cônsul e empreendeu diversas perseguições políticas.• Após triunfos militares na Gália e na Alexandria, Júlio César conseguiu impor seu nome como cônsul, com plenos poderes, em 46 a.C., mas não empreendeu vinganças.• A ascensão de Júlio César marcava uma vitória política do povo contra os interesses do Senado, ligados à aristocracia. César foi assassinado em 44 a.C.
  7. 7. República• O filho adotivo de Júlio César, Caio Otaviano, reivindicando a herança política a que tinha direito, assumiu o poder, constituiu o Triunvirato, e perseguiu os assassinos de seu pai.• Eliminando Bruto e Cássio e seus companheiros de Triunvirato, passou a governar sozinho, com plenos poderes. Em 27 a.C. mudou seu nome para César Augusto, e iniciou o período do Império, de grande prosperidade.
  8. 8. Império• César Augusto foi um imperador de grandes conquistas militares e estabilidade política. Seu governo é considerado um tempo de paz, prosperidade e segurança. Governou até 14 d.C. Foi sucedido por Tibério (14 a 37 d. C.).• Calígula (37 a 41 d.C.) foi um imperador muito popular, mas também famoso por seus excessos. O imperador Claudio (41 a 54 d.C.) foi responsável pela invasão da Britânia, em 43 d.C., e por um governo de grande sucesso, apesar de suas limitações físicas.
  9. 9. Império• Nero (54 a 68) foi um imperador que criou grandes obras, como a Domus Aurea, monumento de extravagância e luxo. Teve apoio popular, mas forte rejeição no Senado. Empreendeu perseguições aos cristãos e foi visto como louco por seus adversários.• Trajano, o conquistador (98 a 117), foi o imperador que estendeu o Império Romano aos limites máximos de sua extensão. Também foi responsável por obras grandiosas.
  10. 10. Império• Adriano (117 a 138) foi responsável por suceder Trajano e manter o Império em suas máximas dimensões. Preocupou-se menos com a expansão e mais com a consolidação do Império. Fez muitas viagens por várias localidades. Voltou-se para a cultura grega. Criou um culto a Antínoo.• Cômodo, o gladiador (180 a 192 d.C.), foi um tirano centralizador. Tinha grande aptidão física. Sua figura inspirou o personagem homônimo no filme “O gladiador”, de Ridley Scott.
  11. 11. Decadência• Entre 230 e 260, o império Persa cresceu, ganhou força e conseguiu diversas vitórias contra os romanos. Nesse período, as atenções dos imperadores se voltaram quase exclusivamente aos problemas no leste, gerando insatisfação da aristocracia e problemas econômicos com o endividamento militar. Com isso, o Império Romano do Oriente (Leste) se fortaleceu, e houve disputa de poder com o Ocidente, que se sentiu negligenciado. Daí surgiu a tetrarquia.
  12. 12. Decadência• Constantino conseguiu unificar o Império, mas transferiu a sede para a cidade de Bizâncio, em 332. Depois de sua morte, houve novas disputas de poder.• A partir de 370, os bárbaros se fortaleceram, e suas invasões ocasionavam perda de impostos para o Império. Sem dinheiro para pagar os exércitos, os romanos perdiam ainda mais territórios.• Em determinado momento, era mais vantajoso para os donos de terra entrarem em acordo com os bárbaros que financiarem exércitos.
  13. 13. Decadência• Avito (455 a 456) tentou estabelecer acordos entre Roma e os bárbaros, mas era visto com muita desconfiança pela população, já que nascera na Gália.• O marco do fim do Império Romano do Ocidente é o ano de 476, com a deposição do imperador Rômulo Augusto. O Império Romano do Oriente, por sua vez, persistiu até o ano de 1453. Embora tenha sido parte do Império Romano, não manteve os mesmos padrões culturais.
  14. 14. Modo de vida• A erupção do vulcão Vesúvio, em 76, gerou uma chuva de pedras, seguida de chuva de gases tóxicos e poeira. Isso fez com que a cidade de Pompeia praticamente congelasse no tempo, possibilitando aos arquólogos recuperar com muita precisão o dia a dia das pessoas que ali viviam.• Em Pompeia, os muros das casas e das demais edificações serviam para comunicação via grafite, com diversos fins: propaganda política, classificados, recados pessoais etc.
  15. 15. Modo de vida• Pompeia tinha muitos bares e estalagens, famosos pela culinária, pelos vinhos e pela prostituição. A vida noturna consistia também de cantorias e danças.• O estádio (arena) de Pompeia era capaz de abrigar toda a população da cidade.• Os banhos públicos eram muito populares, sendo locais para atualizar as conversas, com bares, lanchonetes, ginásios, salões de beleza e exibições de espetáculos.
  16. 16. Modo de vida• As crianças (só os meninos) eram educadas ao ar livre. Não havia escolas.• As latrinas ficavam nas cozinhas. A maior parte da população vivia em pequenos cubículos, sem cozinha, e comia obrigatoriamente nas lanchonetes.• Os ricos eram os donos de terras, e os pobres tinham profissões diversas.• A iluminação noturna era precária e as ruas não possuíam sistemas de esgoto. As condições de vida eram muito precárias, com enorme mortalidade infantil.
  17. 17. Legado• O Direito Romano serviu de base para a constituição do Direito moderno.• As marcas da dominação e administração romana se fizeram presentes na grande maioria dos territórios subjugados pelo Império.• A arquitetura romana serviu de inspiração a diversos arquitetos modernos, inspirados principalmente na tradução da supremacia política demonstrada por essas obras.
  18. 18. Legado• Muitas das obras produzidas pelos governantes romanos são admiradas até hoje como monumentos da humanidade.• As disputas políticas e as lutas pelo poder na Roma antiga sempre foram temas constantes da literatura, inspirando obras de autores prestigiosos, como William Shakespeare e outros. O Cinema também frequentou sobejamente essa temática.
  19. 19. Legado• A língua latina deu origem a várias línguas modernas: português, espanhol, francês, italiano, romeno, catalão, e teve vocábulos incorporados por muitas outras línguas, como o inglês e o alemão.• O Latim permaneceu como língua de cultura por excelência durante toda a Idade Média.• A literatura latina produziu nomes de grande importância para a cultura universal, como Horácio, Catulo e Virgílio, entre outros.
  20. 20. Fontes• CORNELL, T.; MATTHEWS, J. Roma: legado de um Império. Volume 1. Madrid: Edições del Prado, 1996.• REVISTA BBC HISTÓRIA, ano 1, edição n. 3, São Paulo: Tríada, 1996.

×