Método Científico em 6 passos

620 visualizações

Publicada em

Guia sobre o método científico e sua importância.
Nesta apresentação, busquei expor a essência do método científico da forma mais objetiva possível. É uma abordagem rápida, com os conceitos principais. Ajude a divulgar a ciência e mostre esse conteúdo para seus amigos e colegas.

Publicada em: Ciências
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
620
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
389
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Método Científico em 6 passos

  1. 1. Método Científico em 6 passos Blog da Ciência por: Thiago Xavier
  2. 2. Método Científico O método científico é um manual de instruções que descreve “como fazer ciência”. É uma série de passos que ajudam a determinar se uma afirmação tem validade científica ou não. * Na literatura o número de passos varia. Aqui veremos a essência do método científico em 6 passos. 1. Observação 2. Questionamento 3. Hipótese 4. Experimentação 5. Análise 6. Conclusão
  3. 3. 1. Observação Observar a natureza, algum evento, o comportamento das pessoas ou qualquer que seja o seu objeto de estudo. O observador deve ser objetivo, se ater aos fatos e não se deixar influenciar por impressões ou intuições. A observação vai despertar a sua curiosidade, que vai levar a questionamentos.
  4. 4. 2. Questionamento Questione por que aquilo que você observou acontece. Suas perguntas serão seu guia numa espécie de formulação de um problema. A solução desse problema é onde queremos chegar com o uso do método científico. Questionamento e Observação estão muito interligados. A observação leva ao questionamento mas o questionamento também pode estimular observações.
  5. 5. 3. Hipótese Levante uma hipótese. Essa será a sua sugestão de solução do problema formulado durante o questionamento. É importante que essa hipótese seja testável e falseável. Ela será colocada a prova com experimentos. Entenda o que é falseabilidade no próximo slide.
  6. 6. Falseabilidade Precisamos de algumas definições antes de continuar Uma ideia ganha mais força quando outras pessoas validam que ela acontece/ funciona. Daí a importância de uma hipótese ser testável. Assim, temos a capacidade de verificá-la. Uma hipótese falseável é aquela que temos a possibilidade de considerar falsa. Segundo o exemplo do filósofo Alemão Karl Popper, a hipótese de que “todos os cisnes são brancos” é falseável. Basta encontrarmos um cisne negro para refutá-la.
  7. 7. 4. Experimentação Crie um ou mais experimentos controlados, cujos resultados esperados possam reforçar a sua hipótese.
  8. 8. 5. Análise Verifique bem os resultados dos experimentos. Analise os dados. Refaça as contas. Certifique-se de que não houve erro na interpretação das informações. Cuidado! Nosso cérebro tende a interpretar as informações de forma a reforçar hipóteses que julgamos corretas. É o que chamamos de viés da confirmação.
  9. 9. Lei, Hipótese e Teoria Veja + sobre lei, hipótese e teoria em http://blogdaciencia.com/teoria-x-hipotese/ Uma lei é a generalização de um conjunto de observações, não tendo sido encontrada nenhuma exceção a tais observações. Exemplo: Lei da Gravitação Universal As hipóteses são conjecturas, especulações, previsões sobre determinado fenômeno da natureza e como ele se comporta. As teorias são explicações bem fundamentadas para descrever eventos que ocorrem na natureza. Envolvem fatos, leis e hipóteses já testadas exaustivamente. Exemplo: Teoria da Evolução Mais algumas definições antes de continuar
  10. 10. 6. Conclusão Caso o experimento não tenha saído como esperado, tente entender o por quê e retorne ao passo 3. Ajuste a sua hipótese ou formule uma nova. E se os dados obtidos com o experimento comprovam a sua hipótese, chegamos à solução do problema. Sua ideia pode ser refinada, revisada por outros cientistas, ser publicada e até se tornar uma teoria.
  11. 11. O Método é de Todos O método científico é para todos, e não apenas para cientistas. Você pode usá-lo no seu dia a dia, mesmo que seja uma versão mais flexível. Assim, evitamos ser enganados e reafirmamos o nosso compromisso com a verdade. Lembre-se: contra fatos não há argumentos.
  12. 12. Referências • Science: The Definitive Visual Guide, DK • O Livro da Ciência, Editora Globo • BYNUM, William; Uma Breve História da Ciência, Editora L&PM • Simpatia Funciona? - Nerdologia
 https://www.youtube.com/watch?v=D3p0PRYBCPE • Origem da Vida e Método Científico - Descomplica
 https://www.youtube.com/watch?v=KgsIwVCe2H8 • O Método Científico e os Tipos de Pesquisa
 https://www.youtube.com/watch?v=ey9bTshV308 • Falseabilidade - Canal do Pirula
 https://www.youtube.com/watch?v=GJcvAFDW4k4
  13. 13. Referências Atribuições das imagens: • Foto Observação: visualhunt.com • Foto Questionamento: Josh Felise via unsplash.com • Foto Hipótese: pexels.com • Foto Experimentação: Horia Varlan via visualhunt.com • Foto Análise: pexels.com • Foto Conclusão: pexels.com Atribuições dos ícones: • Binoculars by Noe Araujo from the Noun Project • Question by Jardson Almeida from the Noun Project • Thought Bubble by Adriano Emerick from the Noun Project • Flask by Gregory Sujkowski from the Noun Project • Chart Analysis by Mark Shorter from the Noun Project • Declaration by Dominique Vicent from the Noun Project • Information by Guillaume Bahri from the Noun Project • Email by Leonides Delgado from the Noun Project
  14. 14. Obrigado! Blog da Ciência por: Thiago Xavier
  15. 15. Acompanhe o Blog da Ciência facebook.com/blogdaciencia twitter.com/blogdaciencia blogdaciencia.com contato@blogdaciencia.com O que achou desta apresentação? Seu feedback é sempre bem-vindo!

×