SlideShare uma empresa Scribd logo
MÉTODOS CONTRACEPTIVOS WWW.PORTALDASAULAS.COM.BR Corte Corte Corte
SISTEMAS GENITAIS Vulva Tuba uterina (de Falópio) ‏ Ovário Útero Ligamento Vagina em corte longitudinal Testículo Epidídimo Pênis Uretra Glândula bulbouretral Duto ejaculatório Próstata Vesícula seminal Duto deferente
GAMETOGÊNESE (ESPERMATOGÊNESE) ‏ Células germinativas (2n) ‏ Período germinativo Período de crescimento Período de maturação Período de diferenciação Espermatozóides Epidídimo (armazena espermatozóides) ‏ Túbulo seminífero Mitoses 2n Mitose 2n 2n Meiose n n n n n n n n n n 2n Crescimento sem divisão celular Testículo Espermatogônia Espermatócito I (2n) ‏ Espermatócitos II (n cromossomos duplicados) ‏ Espermátides   (n) ‏ Célula de Sertoli (em corte transversal) ‏
ESPERMIOGÊNESE HUMANA O complexo de Golgi concentra-se perto do núcleo. As mitocôndrias concentram-se na região próxima ao centríolo, que se transforma em flagelo. Espermatozóide Peça intermediária cauda cabeça Espermátide Núcleo Complexo de Golgi Mitocôndria Centríolo Início da formação do acrossomo Parte do citoplasma que será eliminada Início da formação do flagelo Acrossomo Mitocôndrias Núcleo
GAMETOGÊNESE (OVULOGÊNESE) ‏ Células germinativas (2n) ‏ Meiose II (só se completa se ocorre fecundação) ‏ São formados eventualmente Período germinativo Período de crescimento Período de maturação Corpos lúteos Folículo ovariano primário Ovulação Ovócito II Folículo maduro Ovário Ovogônias (2n) ‏ 2n Mitose Ovogônias (2n) ‏ 2n 2n Crescimento sem divisão celular Ovócito I (2n) ‏ Meiose I 2n Ovócito II (n cromossomos duplicados) ‏ n Primeiro corpúsculo polar  (n cromossomos duplicados) ‏ n n n corpúsculos polares (n) ‏ n n Óvulo (n) ‏
Foto ao microscópio eletrônico mostrando vários espermatozóides tentando penetrar em um ovócito II no momento da fecundação.  Esta foto permite mostrar as diferenças de tamanho entre ovócito II e espermatozóide.  Foto ao microscópio de luz.  A penetração do espermatozóide no ovócito II estimula a finalização da meiose. Há liberação do segundo glóbulo polar com posterior fusão dos pronúcleos haplóides masculino e feminino. FECUNDAÇÃO Foto ao microscópio eletrônico de varredura, colorida artificialmente, que documenta o momento em que o espermatozóide atinge a superfície do ovócito II. Zona pelúcida Acrossomo Núcleo Centríolo Flagelo Citoplasma do ovócito II Membrana de fecundação
[object Object],[object Object],MÉTODOS CONTRACEPTIVOS
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],MÉTODOS CONTRACEPTIVOS
MÉTODOS CONTRACEPTIVOS ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],MÉTODOS CONTRACEPTIVOS Corte Corte Corte
MÉTODOS COMPORTAMENTAIS ,[object Object],1  2  3  4  5   6  7  8   9 10 11 12 13   14   15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 É pouco eficaz se não for combinado com outros métodos, como  preservativos ou espermicidas, pois depende da abstenção  voluntária nos períodos férteis da mulher, onde a libido  (desejo sexual) se encontra em alta.
MÉTODOS COMPORTAMENTAIS Muco Cervical   baseia-se na identificação do período fértil pelas modificações cíclicas do muco cervical, observado no auto-exame e pela sensação por ele provocada na vagina e vulva. A observação da ausência ou presença do fluxo mucoso deve ser diária. O  muco cervical  aparece cerca de  2 a 3 dias depois da menstruação  e, inicialmente é pouco consistente e espesso. Logo antes da ovulação, ele atinge o chamado "ápice", em que fica bem grudento. 
Temperatura Basal MÉTODOS COMPORTAMENTAIS ,[object Object],[object Object]
Coito Interrompido Consiste em retirar o pênis do canal vaginal antes da ejaculação. MÉTODOS COMPORTAMENTAIS
Condom ou Camisinha Masculina Feminina MÉTODOS DE BARREIRA
[object Object],[object Object],[object Object],MÉTODOS DE BARREIRA Camisinha masculina
[object Object],[object Object],[object Object],MÉTODOS DE BARREIRA Camisinha feminina
Diafragma Cone flexível de látex ou silicone introduzido no fundo da vagina. MÉTODOS DE BARREIRA Por apresentar 6 tamanhos diferentes (de acordo com o tamanho do colo uterino),  deve ser indicado por um médico para uma adequação perfeita ao colo uterino.  Deve ser usado com espermicida.  Recomenda-se introduzir na vagina de 15 a 30 minutos antes da relação  sexual e só retirar 6 a 8 horas após a última relação sexual de penetração.
Diafragma MÉTODOS DE BARREIRA ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Desvantagens: Vantagens: 
Espermicidas Cremes vaginais com propriedades espermicidas para antes e depois do ato sexual. MÉTODOS DE BARREIRA Existem em várias apresentações de espermicidas:  cremes, geléias, supositórios, tabletes e espumas.
Espermicidas MÉTODOS DE BARREIRA ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Desvantagens: Vantagens: 
Anticoncepcional Hormonal Combinado Oral ,[object Object],[object Object],MÉTODOS HORMONAIS
Pílulas anticoncepcionais ,[object Object],Pílulas multifásicas:  toma-se uma pílula por dia, mas  existem pílulas  com diferentes dosagens , conforme a fase do ciclo. Por isso, podem ter dosagens mais baixas, e causam menos efeitos colaterais. São tomadas como as pílulas monofásicas, mas têm cores diferentes, de acordo com a dosagem e a fase do ciclo: não podem ser tomadas fora da ordem.   MÉTODOS HORMONAIS
Pílulas de baixa dosagem ou minipílulas :  contêm apenas um hormônio (geralmente progesterona); causando menos efeitos colaterais. São indicadas durante a amamentação, como uma garantia extra para a mulher. Devem ser tomadas todos os dias, sem interrupção, inclusive na menstruação.  Adesivos Transdérmicos Ex: Evra®.   MÉTODOS HORMONAIS
MÉTODOS HORMONAIS - PÍLULAS ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Desvantagens das pílulas:   Pode causar efeitos colaterais em algumas mulheres, como náusea, sensibilidade das mamas, ganho de peso ou retenção de água, alterações no humor, manchas na pele, dor de cabeça, aumento na pressão sangüínea.  Em algumas mulheres podem causar riscos à saúde. Desta forma, mulheres fumantes, com problemas cardíacos, com doenças do fígado e do coração, hipertensão, suspeita de gravidez, varizes, glaucoma, enxaqueca, derrame, ou obesidade não devem usar pílulas.  É menos efetiva quando tomada com algumas drogas. Certas medicações, especificamente antibióticos interferem na ação das pílulas, tornando o controle menos efetivo.  Uma falha no esquema de tomar a pílula pode cancelar ou diminuir a efetividade. MÉTODOS HORMONAIS
Pílulas do Dia Seguinte ou Pós-Coito MÉTODOS HORMONAIS A  Anticoncepção de Emergência (AE)  é um  uso alternativo de contracepção hormonal oral  (tomado antes de 72 horas após o coito), evitando-se a gestação após uma relação  sexual desprotegida.  Este contraceptivo contém o  levonorgestrel ,  que é um tipo de progesterona.  Nem sempre surte resultados e pode ter efeitos colaterais intensos.  Os sintomas mais comuns são náusea, dores abdominais, fadiga, dor de cabeça,  distúrbio no ciclo menstrual, tontura, e, em casos menos comuns, diarréia, vômito  e acnes. Índice de falha : Se usada até 24 horas da relação - 5%. Entre 25 e 48 horas - 15%. Entre 49 e 72 horas - 42%.
Pílulas do Dia Seguinte ou Pós-Coito MÉTODOS HORMONAIS Qual o mecanismo de ação da Anticoncepção de Emergência? R : O mecanismo de ação da AE é ponto de muito interesse tanto de  usuárias, como de provedores de saúde. Embora se acumulem  investigações científicas sobre o tema, o conhecimento das mulheres e  dos profissionais de saúde ainda é relativamente escasso. Isso colabora para que persistam diversas dúvidas, principalmente sobre o  risco de “efeito abortivo”. Portanto, o esclarecimento dos efeitos  anticonceptivos da AE é fundamental. Anticoncepção de Emergência Perguntas e Respostas para Profissionais de Saúde . Série Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos, Caderno n  3 Ministério da Saúde. Brasília – DF, 2005.
Pílulas do Dia Seguinte ou Pós-Coito MÉTODOS HORMONAIS Qual o mecanismo de ação da Anticoncepção de Emergência? R : Se utilizada na primeira fase do ciclo menstrual, antes do pico  do Hormônio Luteinizante (LH), a AE altera o desenvolvimento dos  folículos,  impedindo a ovulação ou a retardando por vários dias .  Na segunda fase do ciclo menstrual, após a ovulação, a AE atua por  outros mecanismos. Nesses casos, a AE  altera o transporte dos  espermatozóides e do óvulo nas trompas .  O mais importante é que a AE  modifica o muco cervical , tornando-o  espesso e hostil, impedindo ou dificultando a migração dos  espermatozóides do trato feminino até as trompas, em direção ao óvulo.  Anticoncepção de Emergência Perguntas e Respostas para Profissionais de Saúde . Série Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos, Caderno n  3 Ministério da Saúde. Brasília – DF, 2005
Injetáveis Mensal ou trimestral Implante sub-cutâneo (etonogestrel) MÉTODOS HORMONAIS
MÉTODOS HORMONAIS Implantes sub-cutâneos     ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Desvantagens: Vantagens: 
Quais as chances de que a injeção falhe?  A taxa de falha na injeção mensal varia de 0,1% a 0,6% ou seja, de cada mil mulheres que usam durante um ano, de uma a seis engravidam. A taxa de falha da injeção trimestral é de 0,3% ou seja, de cada mil mulheres que usam durante um ano, apenas três engravidam. MÉTODOS HORMONAIS Injetáveis ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Desvantagens: Vantagens: 
Nuvaring®:  é um anel vaginal contendo  Etonogestrel  e  Etinilestradiol  que é colocado na vagina no 5º dia da menstruação, permanecendo nesta posição durante três semanas. A maior vantagem é que a mulher não precisará tomar a pílula todo dia e nem esquecerá.  Outra vantagem é que os hormônios serão absorvidos diretamente pela circulação, evitando alguns efeitos colaterais desagradáveis da pílula oral. MÉTODOS HORMONAIS Anel vaginal
DIU - Mirena Trata-se de uma forma de DIU em forma de T com um reservatório que contém 52 mg de um hormônio chamado  levonogestrel . MÉTODOS HORMONAIS
Trata-se de uma pequena peça de plástico, em  polietileno , com uma parte recoberta de cobre em formato espiral, que é colocada pelo médico dentro do útero. O cobre bloqueia a atividade dos espermatozóides, dificultando seu acesso ao óvulo e evitando a gravidez com eficácia de 98%.  MÉTODOS INTRA-UTERINOS DIU
MÉTODOS INTRA-UTERINOS DIU ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Desvantagens: Vantagens:
MÉTODOS CIRÚRGICOS Vasectomia
MÉTODOS CIRÚRGICOS Vasectomia ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
MÉTODOS CIRÚRGICOS Laqueadura Tubária Corte Corte
MÉTODOS CIRÚRGICOS Laqueadura Tubária ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Fim

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistema Genital Masculino
Sistema Genital MasculinoSistema Genital Masculino
Sistema Genital Masculino
Marcia Regina
 
Aula 8º ano - Métodos contraceptivos e DSTs
Aula 8º ano - Métodos contraceptivos e DSTsAula 8º ano - Métodos contraceptivos e DSTs
Aula 8º ano - Métodos contraceptivos e DSTs
Leonardo Kaplan
 
Aula sobre sistema reprodutor feminino e masculino
Aula sobre   sistema reprodutor feminino e masculinoAula sobre   sistema reprodutor feminino e masculino
Aula sobre sistema reprodutor feminino e masculino
Marcionedes De Souza
 
Métodos contraceptivos
Métodos contraceptivosMétodos contraceptivos
Métodos contraceptivos
Carolina Correia
 
Sistema Reprodutor Feminino
Sistema Reprodutor FemininoSistema Reprodutor Feminino
Sistema Reprodutor Feminino
Gabriel Resende
 
Sistema Genital Feminino
Sistema Genital FemininoSistema Genital Feminino
Sistema Genital Feminino
Marcia Regina
 
Gravidez e desenvolvimento embrionário
Gravidez e desenvolvimento embrionárioGravidez e desenvolvimento embrionário
Gravidez e desenvolvimento embrionário
Isabel Lopes
 
8 ano sistema reprodutor masculino e feminino
8 ano sistema reprodutor masculino e feminino8 ano sistema reprodutor masculino e feminino
8 ano sistema reprodutor masculino e feminino
crisbassanimedeiros
 
Metodos contraceptivos
Metodos contraceptivosMetodos contraceptivos
Metodos contraceptivos
martins1977
 
fecundação, gravidez e início da vida
fecundação, gravidez e início da vida fecundação, gravidez e início da vida
fecundação, gravidez e início da vida
Isabel Lopes
 
Aula 2 Puberdade, hormônios e reprodução
Aula 2 Puberdade, hormônios e reproduçãoAula 2 Puberdade, hormônios e reprodução
Aula 2 Puberdade, hormônios e reprodução
Ana Filadelfi
 
Sistemas Reprodutores Feminino e Masculino
Sistemas Reprodutores Feminino e MasculinoSistemas Reprodutores Feminino e Masculino
Sistemas Reprodutores Feminino e Masculino
Pibid Biologia Cejad
 
Infecções Sexualmente Transmissíveis
Infecções Sexualmente TransmissíveisInfecções Sexualmente Transmissíveis
Infecções Sexualmente Transmissíveis
eborges
 
Sistema reprodutor masculino e feminino
Sistema reprodutor masculino e feminino Sistema reprodutor masculino e feminino
Sistema reprodutor masculino e feminino
AnaRita9
 
Doenças do Sistema Reprodutor Humano
Doenças do Sistema Reprodutor HumanoDoenças do Sistema Reprodutor Humano
Doenças do Sistema Reprodutor Humano
Paula Cristina
 
Aula 12 sistema reprodutor masculino e feminino - anatomia e fisiologia
Aula 12   sistema reprodutor masculino e feminino - anatomia e fisiologiaAula 12   sistema reprodutor masculino e feminino - anatomia e fisiologia
Aula 12 sistema reprodutor masculino e feminino - anatomia e fisiologia
Hamilton Nobrega
 
Prevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de Acao
Prevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de AcaoPrevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de Acao
Prevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de Acao
Alexandre Naime Barbosa
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveis
Edvaldo S. Júnior
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
guestbacc08
 
Reprodução humana - 8º ano
Reprodução humana - 8º anoReprodução humana - 8º ano
Reprodução humana - 8º ano
Governo do Estado do Rio Grande do Sul
 

Mais procurados (20)

Sistema Genital Masculino
Sistema Genital MasculinoSistema Genital Masculino
Sistema Genital Masculino
 
Aula 8º ano - Métodos contraceptivos e DSTs
Aula 8º ano - Métodos contraceptivos e DSTsAula 8º ano - Métodos contraceptivos e DSTs
Aula 8º ano - Métodos contraceptivos e DSTs
 
Aula sobre sistema reprodutor feminino e masculino
Aula sobre   sistema reprodutor feminino e masculinoAula sobre   sistema reprodutor feminino e masculino
Aula sobre sistema reprodutor feminino e masculino
 
Métodos contraceptivos
Métodos contraceptivosMétodos contraceptivos
Métodos contraceptivos
 
Sistema Reprodutor Feminino
Sistema Reprodutor FemininoSistema Reprodutor Feminino
Sistema Reprodutor Feminino
 
Sistema Genital Feminino
Sistema Genital FemininoSistema Genital Feminino
Sistema Genital Feminino
 
Gravidez e desenvolvimento embrionário
Gravidez e desenvolvimento embrionárioGravidez e desenvolvimento embrionário
Gravidez e desenvolvimento embrionário
 
8 ano sistema reprodutor masculino e feminino
8 ano sistema reprodutor masculino e feminino8 ano sistema reprodutor masculino e feminino
8 ano sistema reprodutor masculino e feminino
 
Metodos contraceptivos
Metodos contraceptivosMetodos contraceptivos
Metodos contraceptivos
 
fecundação, gravidez e início da vida
fecundação, gravidez e início da vida fecundação, gravidez e início da vida
fecundação, gravidez e início da vida
 
Aula 2 Puberdade, hormônios e reprodução
Aula 2 Puberdade, hormônios e reproduçãoAula 2 Puberdade, hormônios e reprodução
Aula 2 Puberdade, hormônios e reprodução
 
Sistemas Reprodutores Feminino e Masculino
Sistemas Reprodutores Feminino e MasculinoSistemas Reprodutores Feminino e Masculino
Sistemas Reprodutores Feminino e Masculino
 
Infecções Sexualmente Transmissíveis
Infecções Sexualmente TransmissíveisInfecções Sexualmente Transmissíveis
Infecções Sexualmente Transmissíveis
 
Sistema reprodutor masculino e feminino
Sistema reprodutor masculino e feminino Sistema reprodutor masculino e feminino
Sistema reprodutor masculino e feminino
 
Doenças do Sistema Reprodutor Humano
Doenças do Sistema Reprodutor HumanoDoenças do Sistema Reprodutor Humano
Doenças do Sistema Reprodutor Humano
 
Aula 12 sistema reprodutor masculino e feminino - anatomia e fisiologia
Aula 12   sistema reprodutor masculino e feminino - anatomia e fisiologiaAula 12   sistema reprodutor masculino e feminino - anatomia e fisiologia
Aula 12 sistema reprodutor masculino e feminino - anatomia e fisiologia
 
Prevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de Acao
Prevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de AcaoPrevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de Acao
Prevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de Acao
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveis
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
 
Reprodução humana - 8º ano
Reprodução humana - 8º anoReprodução humana - 8º ano
Reprodução humana - 8º ano
 

Destaque

MéTodos Contraceptivos
MéTodos ContraceptivosMéTodos Contraceptivos
MéTodos Contraceptivos
veronicasilva
 
Métodos Anticoncepcionais
Métodos AnticoncepcionaisMétodos Anticoncepcionais
Métodos Anticoncepcionais
fabiozb
 
Métodos Cotraceptivos.PPT
Métodos Cotraceptivos.PPTMétodos Cotraceptivos.PPT
Métodos Cotraceptivos.PPT
clara.abegao
 
Metodología Anticonceptiva
Metodología AnticonceptivaMetodología Anticonceptiva
Metodología Anticonceptiva
Instituto Juan Bosco de Huánuco
 
Métodos Contraceptivos....
Métodos Contraceptivos....Métodos Contraceptivos....
Métodos Contraceptivos....
Gabriela Bruno
 
Métodos anticonceptivos
Métodos anticonceptivosMétodos anticonceptivos
Métodos anticonceptivos
keila1586
 
Metodo Anticonceptivo
Metodo AnticonceptivoMetodo Anticonceptivo
Metodo Anticonceptivo
Rosina Estela
 
Métodos anticonceptivos copia
Métodos anticonceptivos   copiaMétodos anticonceptivos   copia
Métodos anticonceptivos copia
marinalba
 
Biologia – 12º Ano (ContracepçãO)
Biologia – 12º Ano (ContracepçãO)Biologia – 12º Ano (ContracepçãO)
Biologia – 12º Ano (ContracepçãO)
Nuno Correia
 
Métodos Contraceptivos
Métodos ContraceptivosMétodos Contraceptivos
Métodos Contraceptivos
Maria Carolina Esteves
 
Apresentação metodos anticoncepcionais
Apresentação metodos anticoncepcionaisApresentação metodos anticoncepcionais
Apresentação metodos anticoncepcionais
joao11batista
 
Birth Control Methods
Birth Control Methods Birth Control Methods
Birth Control Methods
Sorayalu
 
Métodos contraceptivos 9º ano
Métodos contraceptivos 9º anoMétodos contraceptivos 9º ano
Métodos contraceptivos 9º ano
Sofia Ribeiro
 
Birth control
Birth controlBirth control
Birth control
mdarling6
 
Métodos contracetivos
Métodos contracetivosMétodos contracetivos
Métodos contracetivos
Gerson Melo
 
Birth Control
Birth ControlBirth Control
Birth Control
Brandi Hoffman
 
Birth Control Methods
Birth Control Methods Birth Control Methods
Birth Control Methods
Sorayalu
 
METHODS OF CONTRACEPTION
METHODS OF CONTRACEPTION METHODS OF CONTRACEPTION
METHODS OF CONTRACEPTION
Aboubakr Elnashar
 
Contraception presentation
Contraception presentationContraception presentation
Contraception presentation
Juan Felipe Parra Rosas
 
Contraception ppt
Contraception pptContraception ppt
Contraception ppt
aobyle
 

Destaque (20)

MéTodos Contraceptivos
MéTodos ContraceptivosMéTodos Contraceptivos
MéTodos Contraceptivos
 
Métodos Anticoncepcionais
Métodos AnticoncepcionaisMétodos Anticoncepcionais
Métodos Anticoncepcionais
 
Métodos Cotraceptivos.PPT
Métodos Cotraceptivos.PPTMétodos Cotraceptivos.PPT
Métodos Cotraceptivos.PPT
 
Metodología Anticonceptiva
Metodología AnticonceptivaMetodología Anticonceptiva
Metodología Anticonceptiva
 
Métodos Contraceptivos....
Métodos Contraceptivos....Métodos Contraceptivos....
Métodos Contraceptivos....
 
Métodos anticonceptivos
Métodos anticonceptivosMétodos anticonceptivos
Métodos anticonceptivos
 
Metodo Anticonceptivo
Metodo AnticonceptivoMetodo Anticonceptivo
Metodo Anticonceptivo
 
Métodos anticonceptivos copia
Métodos anticonceptivos   copiaMétodos anticonceptivos   copia
Métodos anticonceptivos copia
 
Biologia – 12º Ano (ContracepçãO)
Biologia – 12º Ano (ContracepçãO)Biologia – 12º Ano (ContracepçãO)
Biologia – 12º Ano (ContracepçãO)
 
Métodos Contraceptivos
Métodos ContraceptivosMétodos Contraceptivos
Métodos Contraceptivos
 
Apresentação metodos anticoncepcionais
Apresentação metodos anticoncepcionaisApresentação metodos anticoncepcionais
Apresentação metodos anticoncepcionais
 
Birth Control Methods
Birth Control Methods Birth Control Methods
Birth Control Methods
 
Métodos contraceptivos 9º ano
Métodos contraceptivos 9º anoMétodos contraceptivos 9º ano
Métodos contraceptivos 9º ano
 
Birth control
Birth controlBirth control
Birth control
 
Métodos contracetivos
Métodos contracetivosMétodos contracetivos
Métodos contracetivos
 
Birth Control
Birth ControlBirth Control
Birth Control
 
Birth Control Methods
Birth Control Methods Birth Control Methods
Birth Control Methods
 
METHODS OF CONTRACEPTION
METHODS OF CONTRACEPTION METHODS OF CONTRACEPTION
METHODS OF CONTRACEPTION
 
Contraception presentation
Contraception presentationContraception presentation
Contraception presentation
 
Contraception ppt
Contraception pptContraception ppt
Contraception ppt
 

Semelhante a Metodos contraceptivos

metodos contraceptivos
metodos contraceptivosmetodos contraceptivos
metodos contraceptivos
AdrianaDriks
 
metodoscontraceptivos-111017103521-phpapp02 (1).pdf
metodoscontraceptivos-111017103521-phpapp02 (1).pdfmetodoscontraceptivos-111017103521-phpapp02 (1).pdf
metodoscontraceptivos-111017103521-phpapp02 (1).pdf
Samara165561
 
Métodos contracetivos
Métodos contracetivosMétodos contracetivos
Métodos contracetivos
Tânia Reis
 
Fecundação e métodos contracetivos
Fecundação e métodos contracetivosFecundação e métodos contracetivos
Fecundação e métodos contracetivos
luizinhovlr
 
Ciências
CiênciasCiências
ContracepçAo
ContracepçAoContracepçAo
Métodos 8°b
Métodos 8°bMétodos 8°b
Métodos 8°b
Rosário Souza
 
Métodos 8°b
Métodos 8°bMétodos 8°b
Métodos 8°b
Rosário Souza
 
Mc métodos contraceptivos
Mc   métodos contraceptivosMc   métodos contraceptivos
Mc métodos contraceptivos
Laurinda Lima
 
Metodos Contraceptivos [Guardado Automaticamente]
Metodos Contraceptivos [Guardado Automaticamente]Metodos Contraceptivos [Guardado Automaticamente]
Metodos Contraceptivos [Guardado Automaticamente]
gggg7777
 
Métodos Contraceptivos
Métodos ContraceptivosMétodos Contraceptivos
Métodos Contraceptivos
guest44df534
 
Sexualidade na adolescência
Sexualidade na adolescênciaSexualidade na adolescência
Sexualidade na adolescência
Ana Paula Silva
 
Planejamento familiar
Planejamento familiarPlanejamento familiar
Planejamento familiar
WAGNER OLIVEIRA
 
Ludmila oitavo ano - atividade pontuada - métodos
Ludmila   oitavo ano - atividade pontuada - métodosLudmila   oitavo ano - atividade pontuada - métodos
Ludmila oitavo ano - atividade pontuada - métodos
professoraludmila
 
Fecundação e métodos contraceptivos
Fecundação e métodos contraceptivosFecundação e métodos contraceptivos
Fecundação e métodos contraceptivos
Osmar Felipe
 
Apresenta..(1)
Apresenta..(1)Apresenta..(1)
Apresenta..(1)
guest5d7719
 
Métodos anticonceptivos ou anticoncepcionais
Métodos anticonceptivos ou anticoncepcionaisMétodos anticonceptivos ou anticoncepcionais
Métodos anticonceptivos ou anticoncepcionais
Liany Avila
 
Métodos Contraceptivos Química
Métodos Contraceptivos QuímicaMétodos Contraceptivos Química
Métodos Contraceptivos Química
Bruno
 
Métodos contraceptivos
Métodos contraceptivosMétodos contraceptivos
Métodos contraceptivos
Roberto Shinkai
 
Aula métodos contraceptivos
Aula métodos contraceptivosAula métodos contraceptivos
Aula métodos contraceptivos
Marcos Franco
 

Semelhante a Metodos contraceptivos (20)

metodos contraceptivos
metodos contraceptivosmetodos contraceptivos
metodos contraceptivos
 
metodoscontraceptivos-111017103521-phpapp02 (1).pdf
metodoscontraceptivos-111017103521-phpapp02 (1).pdfmetodoscontraceptivos-111017103521-phpapp02 (1).pdf
metodoscontraceptivos-111017103521-phpapp02 (1).pdf
 
Métodos contracetivos
Métodos contracetivosMétodos contracetivos
Métodos contracetivos
 
Fecundação e métodos contracetivos
Fecundação e métodos contracetivosFecundação e métodos contracetivos
Fecundação e métodos contracetivos
 
Ciências
CiênciasCiências
Ciências
 
ContracepçAo
ContracepçAoContracepçAo
ContracepçAo
 
Métodos 8°b
Métodos 8°bMétodos 8°b
Métodos 8°b
 
Métodos 8°b
Métodos 8°bMétodos 8°b
Métodos 8°b
 
Mc métodos contraceptivos
Mc   métodos contraceptivosMc   métodos contraceptivos
Mc métodos contraceptivos
 
Metodos Contraceptivos [Guardado Automaticamente]
Metodos Contraceptivos [Guardado Automaticamente]Metodos Contraceptivos [Guardado Automaticamente]
Metodos Contraceptivos [Guardado Automaticamente]
 
Métodos Contraceptivos
Métodos ContraceptivosMétodos Contraceptivos
Métodos Contraceptivos
 
Sexualidade na adolescência
Sexualidade na adolescênciaSexualidade na adolescência
Sexualidade na adolescência
 
Planejamento familiar
Planejamento familiarPlanejamento familiar
Planejamento familiar
 
Ludmila oitavo ano - atividade pontuada - métodos
Ludmila   oitavo ano - atividade pontuada - métodosLudmila   oitavo ano - atividade pontuada - métodos
Ludmila oitavo ano - atividade pontuada - métodos
 
Fecundação e métodos contraceptivos
Fecundação e métodos contraceptivosFecundação e métodos contraceptivos
Fecundação e métodos contraceptivos
 
Apresenta..(1)
Apresenta..(1)Apresenta..(1)
Apresenta..(1)
 
Métodos anticonceptivos ou anticoncepcionais
Métodos anticonceptivos ou anticoncepcionaisMétodos anticonceptivos ou anticoncepcionais
Métodos anticonceptivos ou anticoncepcionais
 
Métodos Contraceptivos Química
Métodos Contraceptivos QuímicaMétodos Contraceptivos Química
Métodos Contraceptivos Química
 
Métodos contraceptivos
Métodos contraceptivosMétodos contraceptivos
Métodos contraceptivos
 
Aula métodos contraceptivos
Aula métodos contraceptivosAula métodos contraceptivos
Aula métodos contraceptivos
 

Metodos contraceptivos

  • 2. SISTEMAS GENITAIS Vulva Tuba uterina (de Falópio) ‏ Ovário Útero Ligamento Vagina em corte longitudinal Testículo Epidídimo Pênis Uretra Glândula bulbouretral Duto ejaculatório Próstata Vesícula seminal Duto deferente
  • 3. GAMETOGÊNESE (ESPERMATOGÊNESE) ‏ Células germinativas (2n) ‏ Período germinativo Período de crescimento Período de maturação Período de diferenciação Espermatozóides Epidídimo (armazena espermatozóides) ‏ Túbulo seminífero Mitoses 2n Mitose 2n 2n Meiose n n n n n n n n n n 2n Crescimento sem divisão celular Testículo Espermatogônia Espermatócito I (2n) ‏ Espermatócitos II (n cromossomos duplicados) ‏ Espermátides (n) ‏ Célula de Sertoli (em corte transversal) ‏
  • 4. ESPERMIOGÊNESE HUMANA O complexo de Golgi concentra-se perto do núcleo. As mitocôndrias concentram-se na região próxima ao centríolo, que se transforma em flagelo. Espermatozóide Peça intermediária cauda cabeça Espermátide Núcleo Complexo de Golgi Mitocôndria Centríolo Início da formação do acrossomo Parte do citoplasma que será eliminada Início da formação do flagelo Acrossomo Mitocôndrias Núcleo
  • 5. GAMETOGÊNESE (OVULOGÊNESE) ‏ Células germinativas (2n) ‏ Meiose II (só se completa se ocorre fecundação) ‏ São formados eventualmente Período germinativo Período de crescimento Período de maturação Corpos lúteos Folículo ovariano primário Ovulação Ovócito II Folículo maduro Ovário Ovogônias (2n) ‏ 2n Mitose Ovogônias (2n) ‏ 2n 2n Crescimento sem divisão celular Ovócito I (2n) ‏ Meiose I 2n Ovócito II (n cromossomos duplicados) ‏ n Primeiro corpúsculo polar (n cromossomos duplicados) ‏ n n n corpúsculos polares (n) ‏ n n Óvulo (n) ‏
  • 6. Foto ao microscópio eletrônico mostrando vários espermatozóides tentando penetrar em um ovócito II no momento da fecundação. Esta foto permite mostrar as diferenças de tamanho entre ovócito II e espermatozóide. Foto ao microscópio de luz. A penetração do espermatozóide no ovócito II estimula a finalização da meiose. Há liberação do segundo glóbulo polar com posterior fusão dos pronúcleos haplóides masculino e feminino. FECUNDAÇÃO Foto ao microscópio eletrônico de varredura, colorida artificialmente, que documenta o momento em que o espermatozóide atinge a superfície do ovócito II. Zona pelúcida Acrossomo Núcleo Centríolo Flagelo Citoplasma do ovócito II Membrana de fecundação
  • 7.
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 12. MÉTODOS COMPORTAMENTAIS Muco Cervical baseia-se na identificação do período fértil pelas modificações cíclicas do muco cervical, observado no auto-exame e pela sensação por ele provocada na vagina e vulva. A observação da ausência ou presença do fluxo mucoso deve ser diária. O muco cervical aparece cerca de 2 a 3 dias depois da menstruação e, inicialmente é pouco consistente e espesso. Logo antes da ovulação, ele atinge o chamado "ápice", em que fica bem grudento. 
  • 13.
  • 14. Coito Interrompido Consiste em retirar o pênis do canal vaginal antes da ejaculação. MÉTODOS COMPORTAMENTAIS
  • 15. Condom ou Camisinha Masculina Feminina MÉTODOS DE BARREIRA
  • 16.
  • 17.
  • 18. Diafragma Cone flexível de látex ou silicone introduzido no fundo da vagina. MÉTODOS DE BARREIRA Por apresentar 6 tamanhos diferentes (de acordo com o tamanho do colo uterino), deve ser indicado por um médico para uma adequação perfeita ao colo uterino. Deve ser usado com espermicida. Recomenda-se introduzir na vagina de 15 a 30 minutos antes da relação sexual e só retirar 6 a 8 horas após a última relação sexual de penetração.
  • 19.
  • 20. Espermicidas Cremes vaginais com propriedades espermicidas para antes e depois do ato sexual. MÉTODOS DE BARREIRA Existem em várias apresentações de espermicidas: cremes, geléias, supositórios, tabletes e espumas.
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24. Pílulas de baixa dosagem ou minipílulas : contêm apenas um hormônio (geralmente progesterona); causando menos efeitos colaterais. São indicadas durante a amamentação, como uma garantia extra para a mulher. Devem ser tomadas todos os dias, sem interrupção, inclusive na menstruação. Adesivos Transdérmicos Ex: Evra®. MÉTODOS HORMONAIS
  • 25.
  • 26. Desvantagens das pílulas: Pode causar efeitos colaterais em algumas mulheres, como náusea, sensibilidade das mamas, ganho de peso ou retenção de água, alterações no humor, manchas na pele, dor de cabeça, aumento na pressão sangüínea. Em algumas mulheres podem causar riscos à saúde. Desta forma, mulheres fumantes, com problemas cardíacos, com doenças do fígado e do coração, hipertensão, suspeita de gravidez, varizes, glaucoma, enxaqueca, derrame, ou obesidade não devem usar pílulas. É menos efetiva quando tomada com algumas drogas. Certas medicações, especificamente antibióticos interferem na ação das pílulas, tornando o controle menos efetivo. Uma falha no esquema de tomar a pílula pode cancelar ou diminuir a efetividade. MÉTODOS HORMONAIS
  • 27. Pílulas do Dia Seguinte ou Pós-Coito MÉTODOS HORMONAIS A Anticoncepção de Emergência (AE) é um uso alternativo de contracepção hormonal oral (tomado antes de 72 horas após o coito), evitando-se a gestação após uma relação sexual desprotegida. Este contraceptivo contém o levonorgestrel , que é um tipo de progesterona. Nem sempre surte resultados e pode ter efeitos colaterais intensos. Os sintomas mais comuns são náusea, dores abdominais, fadiga, dor de cabeça, distúrbio no ciclo menstrual, tontura, e, em casos menos comuns, diarréia, vômito e acnes. Índice de falha : Se usada até 24 horas da relação - 5%. Entre 25 e 48 horas - 15%. Entre 49 e 72 horas - 42%.
  • 28. Pílulas do Dia Seguinte ou Pós-Coito MÉTODOS HORMONAIS Qual o mecanismo de ação da Anticoncepção de Emergência? R : O mecanismo de ação da AE é ponto de muito interesse tanto de usuárias, como de provedores de saúde. Embora se acumulem investigações científicas sobre o tema, o conhecimento das mulheres e dos profissionais de saúde ainda é relativamente escasso. Isso colabora para que persistam diversas dúvidas, principalmente sobre o risco de “efeito abortivo”. Portanto, o esclarecimento dos efeitos anticonceptivos da AE é fundamental. Anticoncepção de Emergência Perguntas e Respostas para Profissionais de Saúde . Série Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos, Caderno n  3 Ministério da Saúde. Brasília – DF, 2005.
  • 29. Pílulas do Dia Seguinte ou Pós-Coito MÉTODOS HORMONAIS Qual o mecanismo de ação da Anticoncepção de Emergência? R : Se utilizada na primeira fase do ciclo menstrual, antes do pico do Hormônio Luteinizante (LH), a AE altera o desenvolvimento dos folículos, impedindo a ovulação ou a retardando por vários dias . Na segunda fase do ciclo menstrual, após a ovulação, a AE atua por outros mecanismos. Nesses casos, a AE altera o transporte dos espermatozóides e do óvulo nas trompas . O mais importante é que a AE modifica o muco cervical , tornando-o espesso e hostil, impedindo ou dificultando a migração dos espermatozóides do trato feminino até as trompas, em direção ao óvulo. Anticoncepção de Emergência Perguntas e Respostas para Profissionais de Saúde . Série Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos, Caderno n  3 Ministério da Saúde. Brasília – DF, 2005
  • 30. Injetáveis Mensal ou trimestral Implante sub-cutâneo (etonogestrel) MÉTODOS HORMONAIS
  • 31.
  • 32.
  • 33. Nuvaring®: é um anel vaginal contendo Etonogestrel e Etinilestradiol que é colocado na vagina no 5º dia da menstruação, permanecendo nesta posição durante três semanas. A maior vantagem é que a mulher não precisará tomar a pílula todo dia e nem esquecerá. Outra vantagem é que os hormônios serão absorvidos diretamente pela circulação, evitando alguns efeitos colaterais desagradáveis da pílula oral. MÉTODOS HORMONAIS Anel vaginal
  • 34. DIU - Mirena Trata-se de uma forma de DIU em forma de T com um reservatório que contém 52 mg de um hormônio chamado levonogestrel . MÉTODOS HORMONAIS
  • 35. Trata-se de uma pequena peça de plástico, em polietileno , com uma parte recoberta de cobre em formato espiral, que é colocada pelo médico dentro do útero. O cobre bloqueia a atividade dos espermatozóides, dificultando seu acesso ao óvulo e evitando a gravidez com eficácia de 98%.  MÉTODOS INTRA-UTERINOS DIU
  • 36.
  • 38.
  • 39. MÉTODOS CIRÚRGICOS Laqueadura Tubária Corte Corte
  • 40.