SlideShare uma empresa Scribd logo
DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS
2º trimestre de 2012 (legislação societária)
Teleconferência/Webcast
06 de Agosto de 2012
AVISO


 Estas apresentações podem conter previsões acerca
 de eventos futuros. Tais previsões refletem apenas
 expectativas dos administradores da Companhia
 sobre condições futuras da economia, além do setor
 de atuação, do desempenho e dos resultados
 financeiros da Companhia, dentre outros. Os termos        Aviso aos Investidores Norte-Americanos:
 “antecipa",      "acredita",     "espera",     "prevê",
 "pretende", "planeja", "projeta", "objetiva",             A SEC somente permite que as companhias de
 "deverá", bem como outros termos similares, visam         óleo e gás incluam em seus relatórios
 a identificar tais previsões, as quais, evidentemente,    arquivados reservas provadas que a Companhia
 envolvem riscos e incertezas previstos ou não pela        tenha comprovado por produção ou testes de
 Companhia e, consequentemente, não são garantias          formação conclusivos que sejam viáveis
 de resultados futuros da Companhia. Portanto, os          econômica e legalmente nas condições
 resultados futuros das operações da Companhia             econômicas e operacionais vigentes. Utilizamos
 podem diferir das atuais expectativas, e o leitor não     alguns termos nesta apresentação, tais como
 deve se basear exclusivamente nas informações             descobertas, que as orientações da SEC nos
 aqui contidas. A Companhia não se obriga a                proíbem de usar em nossos relatórios
 atualizar as apresentações e previsões à luz de           arquivados.
 novas informações ou de seus desdobramentos
 futuros. Os valores informados para 2012 em diante
 são estimativas ou metas.



                                                                                                            2
DESTAQUES OPERACIONAIS

» Divulgação do PNG 2012-2016 de US$ 236,5 bilhões, dos quais US$ 208,7 bilhões relativos a projetos em
  implantação e US$ 27,8 bilhões para projetos em avaliação (pressuposto de retorno e financiabilidade)

» Aumento nos preços do diesel (10%) e da gasolina (8%)

» Recorde no processamento de petróleo nas refinarias (2,01 milhões bpd)

» Avanços nas contratações e no desenvolvimento da
  indústria local:

      » Contratos de construção de 12 sondas nos
        estaleiros Brasfels (6) e Jurong Aracruz (6) pela
        Sete Brasil
      » Definição de novo parceiro tecnológico no Estaleiro
        Atlântico Sul
                                                                     P-55
      » Contratos para a construção e integração dos
        primeiros módulos topside de 8 FPSOs para                     Deck mating da P-55 concluído no Polo Naval do
        projetos do Pré-sal                                          Rio Grande. Manobra envolveu estrutura de 17 mil
                                                                           toneladas, a maior já feita no mundo
» Recebimento de 4 sondas estrangeiras no 2T12                                                                  P-56
                                                                                                                        3
RESULTADO 2T12

                          » Prejuízo de R$ 1,3 bilhão no 2T12 vs lucro líquido de R$ 9,2 bilhões no 1T12
                          » EBITDA de R$ 10,6 bilhões no 2T12 vs R$16,5 bilhões no 1T12

                                         Principais Fatores que Influenciaram o Resultado Negativo


    • Desvalorização cambial (impacto sobre endividamento e custos dolarizados)
    • Defasagem de preços dos derivados vendidos no Brasil
    • Queda na produção (paradas operacionais e Frade) e elevação dos custos de extração (início do PROEF*)
    • Baixas de poços secos/subcomerciais devido a atividades exploratórias, principalmente entre 2009 e 2012, em
      novas fronteiras
    • Maiores importações de GNL devido à elevação do consumo de gás natural pelas usinas termelétricas



           É menos provável que tais fatores se repitam em conjunto e com a mesma intensidade
                                         nos trimestres seguintes

                                                                                                              P-56
*PROEF – Programa de Aumento da Eficiência Operacional da Unidade de Operações da Bacia de Campos                    4
VARIAÇÃO CAMBIAL

     R$/US$                                                2011                                                                          2012
  2,30
                                              2T11                                                                     1T12                       2T12
  2,20                                      Média 1,60                                                               Média 1,77                 Média 1,96

  2,10                                                                                                                                                       2,05   2,03
                                                                                                                                                   1,98
  2,00

  1,90                                                                                                 1,84                              1,85
                                                                                         1,77   1,79          1,79                1,79
  1,80                                                                            1,74                                  1,72
           1,68 1,67          1,66
  1,70                                                                     1,60
                                     1,59      1,61      1,59
  1,60                                                          1,56
  0,00
      jan-11     fev-11 mar-11 abr-11 mai-11 jun-11             jul-11   ago-11 set-11 out-11 nov-11 dez-11   jan-12   fev-12 mar-12 abr-12 mai-12 jun-12           jul-12




      » A maior desvalorização do Real ao final do 2T12 acarretou Resultado Financeiro Líquido negativo de R$ 6,4 bilhões

      » A desvalorização média do Real ao longo do 2T12 afetou negativamente os principais itens de custo da Cia (extração de
        petróleo e participações governamentais, importação de petróleo, derivados, GNL e logística de derivados)

      » Porém, recentemente tem-se observado relativa estabilidade da cotação do dólar (contenção da escalada)



Fonte: Banco Central - PTAX
                                                                                                                                                                           5
PREÇOS DOMÉSTICO E INTERNACIONAL
                                                                                    2011                                                 2012
                                260                                                                                                                                    900
                                                                                                                                      Período de Formação dos
                                                                                  Preço Médio de Venda                                    Estoques do 2T12             800
                                240
                                                                                  Golfo Americano
                                                                                                                                                                       700




                                                                                                                                                                             Volumes Importados (Mil bbl / d)
                                220
Preço Médio de Venda (R$/bbl)




                                                                                                                                                                       600
                                200
                                                                                                                                                                       500
                                180
                                                                                                                               Preço Médio de Venda Brasil             400
                                160
                                                                                                                                                                       300
                                140
                                                                                                                                                                       200
                                120                                                                                                                                    100

                                100                                                                                                                                    0
                                       jan-11 fev-11 mar-11 abr-11 mai-11 jun-11 jul-11 ago-11 set-11 out-11 nov-11 dez-11 jan-12 fev-12 mar-12 abr-12 mai-12 jun-12



                                              PMR USGC (c/ volumes vendidos no Brasil)          PMR Brasil          Importação de Gasolina          Importação de Diesel

                                  » A formação dos estoques vendidos no 2T12 deu-se no período de maior defasagem de preços (mar-mai/12)

                                  » Redução da defasagem no final do período, em função da queda dos preços internacionais junto com os reajustes de preços
                                    de diesel e gasolina

                                                                                                                                                                                             6
PRODUÇÃO DE ÓLEO E LGN (BRASIL)

   mil bpd                                              2011                                                             2012
2.200                                       2T11                                                           1T12                    2T12
                                         Média: 2.018                                                   Média: 2.066            Média: 1.970
2.150
                                                                                                     2.110
                                                                                                              2.098
                                                                                             2.084
2.100    2.069
                                                                                     2.061
                         2.040                      2.047
2.050
                 2.020                                                      2.002                                                    1.989
                                                                                    2.001
2.000                            2.003      2.003                                                                1.993
                                                            1.968   1.963                                                   1.961              1.960
1.950
  50

        » Redução de 5% da produção no 2T12 vs 1T12 (- 96 mil bpd) em função, principalmente, de:
                  » Paradas operacionais (-54 mil bpd), queda da eficiência operacional (-18 mil bpd) e interrupção de Frade (-15 mil bpd)
                  » Declínio do potencial dos sistemas antigos tem se mantido dentro do esperado
        » No 2S12 entrada em operação de 2 novos sistemas:
                  » FPSO Cidade de Anchieta (Baleia Azul), capacidade de 100 mil bpd, em agosto
                  » FPSO Cidade de Itajaí (Baúna e Piracaba), capacidade de 80 mil bpd, em outubro
        » Manutenção da meta de produção para 2012 (estável em relação a 2011, +/-2%)
                 » Recuperação da produção somente no 4T12 (paradas programadas continuam no 3T12)
                                                                                                                                                       7
BALEIA AZUL (FPSO ANCHIETA):
                  CURVA S DE ACOMPANHAMENTO FÍSICO DO PROJETO COMPLETO
      100
                                                                                                 Entrada em Operação             Justif. 1
                     MARCOS DE IMPLANTAÇÃO
          90                                                                                     Prevista (EVTE): Jul/12
                   1 - Conclusão da Completação Mecânica do FPSO: (jun/12)
                   2 - Chegada do FPSO no Brasil (ago/12)                                                            Justif. 2
          80       3 - Obtenção da LO (ago/12)                                                                                        2        Entrada em Operação
                   4 - Início da produção de óleo (ago/12)                                                                                      Projetada: Ago/12
          70       5 - Início da exportação de gás (out/12)                                                                      1
                   6 - Início da injeção de água (dez/12)
          60
                                                                                                                                      4
% Acumulado




          50

          40         Acumulado até 30/06/2012:
                     Previsto: 84,7%
          30         Realizado: 78,2%


          20

          10


              0
                    set-09




                    set-10




                    set-11




                    set-12
                  mar-09

                  mai-09




                   out-09




                  mar-10

                  mai-10




                   out-10




                  mar-11

                  mai-11




                   out-11




                  mar-12

                  mai-12




                   out-12




                  mar-13

                  mai-13
                   fev-09




                   fev-10




                   fev-11




                   fev-12




                   fev-13
                  dez-08
                   jan-09




                     jul-10




                  dez-10




                  dez-11




                  dez-12
                  abr-09

                   jun-09
                     jul-09




                  dez-09
                  ago-09




                   jan-10


                  abr-10

                   jun-10

                  ago-10




                   jan-11


                  abr-11

                   jun-11
                     jul-11
                  ago-11




                   jan-12


                  abr-12

                   jun-12
                     jul-12
                  ago-12




                   jan-13


                  abr-13

                   jun-13
                     jul-13
                  ago-13
                  nov-08




                  nov-09




                  nov-10




                  nov-11




                  nov-12
                          Linha de Base                            Linha Base - PNG 12-16                      Realizado                        Projetado


              Justif. 1 - Desvio de Prazo: Desvio de 01 mês para o início da operação (1º   Justif. 2 - Desvio de Realização Física Acumulado: Avanço físico acumulado
              óleo) por conta de atraso nas obras de adaptação do FPSO Cidade de            abaixo da linha de base do EVTE por conta de atraso na campanha de construção
              Anchieta.                                                                     de poços do projeto e fabricação dos dutos flexíveis.

                                                                                                                                                                           8
                                                                                                                                                                           8
                                                                                                                                                            Confidencial
BAÚNA E PIRACABA (FPSO ITAJAÍ):
                CURVA S DE ACOMPANHAMENTO FÍSICO DO PROJETO COMPLETO
               100

                                                                                                                                                   Entrada em Operação
                90            MARCOS DE IMPLANTAÇÃO                                                                                                                                                                                                                                            5
                                                                                                                                                     Projetada: Out/12
                          1 - Obtenção da LP (jul/12)
                80                                                                                                               Entrada em Operação
                          2 - Obtenção da LI (ago/12)
                                                                                                                                 Prevista (EVTE): Jul/12
                          3- Chegada do FPSO na Locação (set/12)
                70                                                                                                                                                             Justif. 1
                          4 - Obtenção da LO (set/12)
                          5 - Conclusão do Projeto (ago/14)
                60
% Acumulado




                                                                                                                                                                                   2
                50                                                                                                                                 Justif. 2

                40            Acumulado até 30/06/2012:                                                                                                                                 3
                              Previsto: 55,6%                                                                                                                                  1
                30            Realizado: 43,1%

                20


                10


                 0
                     set-09




                                                                           set-10




                                                                                                                                 set-11




                                                                                                                                                                                        set-12




                                                                                                                                                                                                                                              set-13




                                                                                                                                                                                                                                                                                                    set-14
                                                mar-10

                                                         mai-10




                                                                                                      mar-11

                                                                                                               mai-11




                                                                                                                                                             mar-12

                                                                                                                                                                      mai-12




                                                                                                                                                                                                                   mar-13

                                                                                                                                                                                                                            mai-13




                                                                                                                                                                                                                                                                         mar-14

                                                                                                                                                                                                                                                                                  mai-14
                                                                  jul-10




                                                                                                                        jul-11




                                                                                                                                                                               jul-12




                                                                                                                                                                                                                                     jul-13




                                                                                                                                                                                                                                                                                           jul-14
                                       jan-10




                                                                                             jan-11




                                                                                                                                                    jan-12




                                                                                                                                                                                                          jan-13




                                                                                                                                                                                                                                                                jan-14




                                                                                                                                                                                                                                                                                                                      jan-15
                              nov-09




                                                                                    nov-10




                                                                                                                                          nov-11




                                                                                                                                                                                                 nov-12




                                                                                                                                                                                                                                                       nov-13




                                                                                                                                                                                                                                                                                                             nov-14
                                         Linha de Base                                                              Linha Base - PNG 12-16                                                                     Realizado                                                          Projetado

                                                                                                                                                                Justif. 2 - Desvio de Realização Física Acumulado: Atraso de 12,48% na realização
              Justif. 1 - Desvio de Prazo: O atraso de 3 meses na entrada em operação
                                                                                                                                                                física até 30/jun/12 devido a atrasos na construção do FPSO (0,21%), atraso na
              deve-se a postergação da data de chegada da UEP na Locação ocasionada
                                                                                                                                                                completação de poços de Baúna (7,81%), postergação recebimento materiais de
              pela baixa performance das obras no estaleiro Jurong em Cingapura, em
                                                                                                                                                                interligação (1,55%), postergação da pré-ancoragem e desembolso taxa de
              especial de completação mecânica e comissionamento dos sistemas da UEP.
                                                                                                                                                                mobilização UEP (2,93%) e levantamento ambiental não previsto 0,02%.
                                                                                                                                                                                                                                                                                                                               9
                                                                                                                                                                                                                                                                                                                               9
                                                                                                                                                                                                                                                                                           Confidencial
CUSTO DE EXTRAÇÃO

                   (R$/Barril)


                                          65,11   » Gastos com intervenções em poços e engenharia
                     60,04       61,73
  55,14    54,11                                    submarina subiram 35%, de R$ 1.024 milhões no 1T12
                                                    para R$ 1.385 milhões no 2T12, principalmente pelo maior
                                          38,48     número de unidades e de dias das sondas alocadas às
                        37,57    39,03
  34,21    31,80                                    atividades de manutenção (de 443 para 760 dias na Bacia
                                                    de Campos)

                                                  » Essa elevação de atividades e dispêndios deve-se ao
  20,93    22,31        22,47    22,70    26,63     PROEF. A recuperação da eficiência operacional da UO-BC
                                                    se verificará a partir do 4T12
  2T11     3T11         4T11     1T12     2T12    » Participação Governamental: redução da parcela devido à
                                                    menor produção de blocos que pagam maiores alíquotas
      Part. Governam.       Custo de Extração       de participações especiais




                                                                                                            10
                                                                                                           10
BAIXA DE POÇOS SECOS DE ATIVIDADES
  EXPLORATÓRIAS
                                                    Baixa de Poços Secos
R$ milhão
3.500
3.000
                                                                                                                             2.737
2.500
2.000
1.500
1.000                                                                                                          896
                         561      572       577                                                  615                  536
        473                                                                415        528
  500            174                                 274        229                                     204
    0
        1T09      2T09     3T09    4T09     1T10     2T10       3T10       4T10       1T11       2T11   3T11   4T11   1T12     2T12
 -500



                                             Poços secos/abandonados e não econômicos (subcomerciais)


  » Foram baixados 41 poços no 2T12, cuja perfuração ocorreu principalmente entre 2009 e 2012, a maioria em áreas de nova
    fronteira:

            » Atividades em novas fronteiras implicam em Índice de Sucesso menor do que o alcançado com o Pré-Sal nos últimos
              anos, maiores custos de logística e, consequentemente, maior lançamento de custos associados à baixa de poços
              secos/subcomerciais



                                                                                                                                     11
POÇOS BAIXADOS 2T12



                                                              Ceará
                                                        (Nova descoberta)




                        41 poços
    » Por evento gerador da baixa
    21 secos, 8 subcomerciais, 9 projetos cancelados,
    2 abandonados e 1 acidente mecânico
    » Por área exploratória
    13 no Pós-Sal, 15 Terrestres, 2 no Pré-Sal e
    11 projetos cancelados ou abandonados


         Custo total: R$ 2,7 bilhões
         • 5 poços representam R$ 1,539 bilhão
           (57%)




                                                                            12
VENDAS DE DERIVADOS - BRASIL
                                     +6%

                                           +3%

                                                              » Crescimento de 6% na venda de derivados no
                                   2.168         2.237          comparativo 2T12/2T11:
                     2.118
                                    439           431              » Aumento de 16% no volume de gasolina devido à
                       441                                           elevação da frota e preços mais atraentes em
                                    214           228                relação ao etanol
                       227
mil barris/dia




                                                  557              » Aumento de 5% do volume de diesel devido a
                       481          545
                                                                     atividade de varejo

                                                               » Crescimento de 3% no comparativo 2T12/1T12,
                       969          970          1.021           conforme sazonalidade do consumo:

                                                                    » Volume incremental suprido pelas importações,
                                                                      principalmente de diesel, afetou negativamente
                       2T11        1T12          2T12                 as margens do Abastecimento
                 Diesel + QAV   Gasolina   GLP       Outros




                                                                                                                           13
                                                                                                            Confidencial
BALANÇA COMERCIAL


                          Exportações                            Importações                                 Saldo da Balança

                   703         714                                      764
                                                         721                          724
                                         554
(mil barris/dia)




                                                                       358            341
                                                         347
                   480         497
                                         351

                                                         374            406           383
                   223         217       203                                                        2T11             1T12       2T12

                   2T11        1T12     2T12            2T11           1T12          2T12
                                                                                                    -18
                                                                                                                     -50
                                          Óleo                     Derivados


                                                                                                                             -170
        » Menor produção de petróleo nacional levou à queda das exportações de petróleo no 2T12

        » O maior volume de óleo nacional processado no parque de refino também contribuiu para a menor exportação

        » Crescimento do consumo doméstico (diesel principalmente) demandou maior importação de derivados com margens negativas


                                                                                                                                    14
MAIOR DEMANDA TERMELÉTRICA -
       IMPORTAÇÃO DE GNL
                                   Demanda
                                                      2011                                                                               2012
   milhão m³/dia                     2T11                                                                                    1T12                   2T12
                                   Média: 64,0                                                                             Média: 67,2            Média: 79,4
 60
 50                                                                Não Térmico
 40
 30                                                                                                                                             26,5
                                                                                                                                                        23,8
                                                              Refinarias e Fafens                                                                               18,6
 20
 10                                                                                                                                      15,5
                                                                     Térmico                                                   11,6
                                                                                                                     8,1
  0
  jan/11     fev/11    mar/11 abr/11   mai/11    jun/11   jul/11     ago/11      set/11    out/11   nov/11 dez/11   jan/12    fev/12   mar/12 abr/12   mai/12    jun/12


                                   Oferta                                          »      Maior consumo termelétrico (+96% em relação ao 1T12) em razão
milhão m³/dia                                    +16%                                     da menor afluência verificada no 2T12
                                                          80,7                     »      Aumento da oferta de gás nacional e importado no 2T12, com
                      66,0             69,4                                               destaque para o GNL, para suprir o crescimento da demanda
                                                          44,4                            termelétrica
      Nacional        38,7             42,6
                                                                                   »      Aumento do PLD resultou em impacto negativo nas margens de
       Bolívia                                            27,2                            comercialização de energia
         GNL          25,7             26,2
                             1,6                0,7                  9,0
                                                                                   »      Redução da demanda térmica no final do 2T12 com o retorno dos
                      2T11             1T12               2T12                            reservatórios hidrelétricos

                                                                                                                                                                       15
PRODUÇÃO INTERNACIONAL
                                               Produção de Petróleo e Gás Natural
      mil boe/dia
                                                2011                                                           2012
270
                               2T11                                                            1T12                      2T12
260                          Média 227                                                       Média 239                 Média 240

                                                                   249
250                                                                      246                             246
                                                                                                                         244
              242                                                               242
                                                 241                                           238
240                                      236           237                                                                         237
                                                             238                                                 239
230     231                                                                            233
                    232           226                                                                                                        230
                          219

80
 Jan-11 Fev-11 Mar-11 Abr-11 Mai/11 Jun-11 Jul-11 Ago-11 Set-11 Out-11 Nov-11 Dez-11 Jan-12 Fev-12 Mar-12 Abr-12 Mai-12 Jun-12 Jul-12*
                                                                                                                                     Até 11 de julho
                                                                                                                                         19

        » Destaque para o ramp up da produção de Cascade, nos EUA

        » Menor volume de vendas na Nigéria devido à menor participação no campo de Akpo, pelo término da recuperação de
          custos passados

        » Menor preço das commodities no 2T12 ocasionou uma maior provisão para redução a valor de mercado dos
          estoques nos EUA e Japão (R$ 509 milhões)

        » Provisão referente ao acordo da Refinaria de Pasadena (R$ 140 milhões)


                                                                                                                                             16
RESULTADOS FINANCEIROS
LUCRO OPERACIONAL 2T12 VS 1T12
     (R$ milhões)
                               1.913
          11.771




                                                 (6.142)
                                                                      (292)                                  5.282
                                                                                        (1.968)




           1T12              Receita             CPV              Despesas de          Demais               2T12
     Lucro Operacional      de Vendas                           vendas, gerais e      despesas        Lucro Operacional
                                                                     adm.
» Redução do lucro operacional

      » Aumento na receita, devido ao crescimento da demanda no mercado interno (4%) e ao efeito da depreciação cambial
        sobre os preços das exportações

      » Aumento do CPV em função do maior volume de vendas no mercado doméstico, realização de estoques formados a
        custos mais elevados e efeito cambial sobre custos dolarizados

      » Crescimento das despesas exploratórias (+238% no comparativo 2T12/1T12) devido a baixas de poços secos e
        subcomerciais – exploração em novas fronteiras


                                                                                                                          18
LUCRO LÍQUIDO 2T12 VS 1T12
    (R$ milhões)

        9.214




                         (6.489)
                                                                           2.624             739
                                                                                                            (1.346)
                                         (6.872)
                                                           (562)


        1T12           Lucro           Resultado      Participações      Impostos      Lucro Atrib. aos  2T12
    Lucro Líquido    Operacional       Financeiro           em                          não Control. Lucro Líquido
                                                      Investimentos


» Prejuízo

      » Redução do lucro operacional

      » Despesa financeira de R$ 6,4 bilhões em função da depreciação cambial (11%) sobre o endividamento




                                                                                                                      19
EXPLORAÇÃO & PRODUÇÃO 2T12 VS 1T12

                                      Evolução do Lucro Operacional
                                                      (R$ milhões)


     18.846            1.213            (1.442)                               621
                                                          (902)                            (2.164)
                                                                                                           16.172




     1T12           Efeito preço     Efeito volume     Efeito custo    Efeito Volume     Despesas           2T12
   Resultado         na receita        na receita     médio no CPV        no CPV        Operacionais      Resultado
  Operacional                                                                                            Operacional


» Maiores preços de venda do petróleo nacional devido à depreciação cambial

» Menor produção de petróleo

» Aumento dos custos com manutenção e intervenções de poços parcialmente compensados pela redução de participações
  governamentais

» Crescimento das despesas com geologia, geofísica e baixa de poços secos ou sem viabilidade econômica


                                                                                                                       20
ABASTECIMENTO 2T12 VS 1T12

                                       Evolução do Lucro Operacional
                                                     (R$ milhões)




                         487

      (7.101)                            (272)
                                                                            53              150
                                                         (3.285)                                            (9.968)

      1T12         Efeito Preço na   Efeito Volume     Efeito Custo    Efeito Volume     Despesas           2T12
   Resultado           Receita         na Receita     Médio no CPV        no CPV        Operacionais      Resultado
   Operacional                                                                                           Operacional



» Aumento dos preços médios de venda somente no final do trimestre

» Menores exportações de óleo e derivados – produção direcionada para atender o mercado interno

» Elevação dos custos com aquisição/ transferência de petróleo e realização de estoques formados a custos mais elevados




                                                                                                                          21
PRODUÇÃO NACIONAL DE DERIVADOS

               Produção de derivados *                                                           Carga Processada e                                                             Custo de Refino
                                                                                                  Fator de Utilização                                                               (R$/bbl)


                            1.967           2.035
            1.894
                                             541                                                                1.884             1.927
                              519                                                              1.837



                                                             Carga processada (mil bpd)
             503




                                                                                                                                                    Fator de utilização (%)
                              165            175
             165
mil bpd




                              431            441
             394
                                                                                                                                                                              8,78
                                                                                               1.484            1.534             1.576                                                      +2%

             832              852            878                                                                                                                                                   7,68
                                                                                                                                                                                      7,54



             2T11            1T12           2T12                                              2T11              1T12               2T12                                       2T11    1T12         2T12
          Diesel + QAV     Gasolina   GLP           Outros                                Fator de Utilização     Petróleo Imp.     Petróleo Nac.


      » Aumento da produção de derivados em razão da maior carga fresca processada possibilitada pela maior disponibilidade
        operacional e maior utilização das unidades de conversão e qualidade

      » Parque de refino com maiores taxas de utilização, com recorde de processamento mensal em junho (98,7%)

      » Custo do refino em reais apresentou pequena elevação devido a maiores gastos com paradas de manutenção sem impacto
        na carga. O indicador em dólares caiu 8%

* Inclui produção de GLP pelo E&P                                                                                                                                                                           22
                                                                                                                                                                                             Confidencial
ENDIVIDAMENTO
                                                                             1
                                               Dívida Líq./EBITDA                               Endiv. Líq./Cap.Líq.2
                                                                                                                                         50%
      5,5
                                                                                                                           28%           40%
      4,5                                                 22%                      24%                 24%                               30%
      3,5                17%
                                                                                                                           2,46          20%
      2,5                                                                           1,66                1,61                             10%
                                                            1,41
      1,5                   1,07                                                                                                         0%
      0,5                                                                                                                                -10%
     -0,5                                                                                                                                -20%
                        2T11                            3T11                      4T11               1T12                  2T12



                       R$ Bilhões                                30/06/12        31/03/12
                                                                                            »     Fraco resultado do trimestre não reflete a
     Endividamento de Curto Prazo                                   17,7           18,0
                                                                                                  expectativa para os demais trimestres
     Endividamento de Longo Prazo                                  161,5          146,1
     Endividamento Total                                           179,2          164,1     »     Desinvestimentos continuam como planejado
     (-) Disponibilidades ajustadas3                                45,9           57,9
                                                                                            »     Nenhuma alteração nas estimativas e metas de
     = Endividamento Líquido                                       133,2          106,2
                                                                                                  alavancagem divulgadas no PNG 2012-2016
                      US$ Bilhões                                30/06/12        31/03/12
     Endividamento Líquido                                          65,9           58,3

1)    Endividamento Líquido / ((EBITDA 1T12 + EBITDA 2T12) x 2)
2)    Endividamento Líquido / (Endividamento Líquido + Patrimônio Líquido)
3)    Inclui títulos federais com vencimento superior a 90 dias
                                                                                                                                                 23
INVESTIMENTOS

             1S2011                                                       1S2012

        R$ 32,0 bilhões                                            R$ 38,7 bilhões
       (U$ 19,6 bilhões)                                          (US$ 20,7 bilhões)

           1% 1% 2%                                                1% 0% 2%

           6%                                                      5%
      6%                                                    5%




       38%                                                      34%




E&P   Abastecimento        G&E   Internacional   Distribuição         Biocombustível   Corporativo


                                                                                                     24
“Para finalizar, reitero a minha sólida convicção na posição
privilegiada da Petrobras na indústria de óleo e gás: nossas
reservas, nosso pessoal qualificado, nossos investimentos em P&D,
assim como nosso histórico de superação de desafios nos permitem
levar nossa Companhia a patamares de excelência que trarão
retornos consistentes para nossos acionistas.”



                         Presidente Maria das Graças Silva Foster
Informações:
Relacionamento com Investidores
+55 21 3224-1510
petroinvest@petrobras.com.br




                                  26

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Divulgação de Resultados do 1o. trimestre de 2011 - IFRS
Divulgação de Resultados do 1o. trimestre de 2011 - IFRSDivulgação de Resultados do 1o. trimestre de 2011 - IFRS
Divulgação de Resultados do 1o. trimestre de 2011 - IFRS
Petrobras
 
Webcast sobre Resultados do 1T14
Webcast sobre Resultados do 1T14Webcast sobre Resultados do 1T14
Webcast sobre Resultados do 1T14
Petrobras
 
Webcast - 3º trimestre de 2012
Webcast - 3º trimestre de 2012Webcast - 3º trimestre de 2012
Webcast - 3º trimestre de 2012
Petrobras
 
Webcast 1T12
Webcast 1T12Webcast 1T12
Webcast 1T12
Petrobras
 
Webcast - 4º trimestre de 2012
Webcast - 4º trimestre de 2012Webcast - 4º trimestre de 2012
Webcast - 4º trimestre de 2012
Petrobras
 
Apresentação petrobras port 01 03-11
Apresentação petrobras port 01 03-11Apresentação petrobras port 01 03-11
Apresentação petrobras port 01 03-11
Petrobras
 
Webcast: Resultados do 2º trimestre de 2008
Webcast: Resultados do 2º trimestre de 2008Webcast: Resultados do 2º trimestre de 2008
Webcast: Resultados do 2º trimestre de 2008
Petrobras
 
Fato Relevante: Plano de Negocios e Gestao - 2013-2017
Fato Relevante: Plano de Negocios e Gestao - 2013-2017Fato Relevante: Plano de Negocios e Gestao - 2013-2017
Fato Relevante: Plano de Negocios e Gestao - 2013-2017
Petrobras
 
Webcast 4T09
Webcast 4T09Webcast 4T09
Webcast 4T09
Petrobras
 
Webcast sobre o 1º trimestre de 2013
Webcast sobre o 1º trimestre de 2013Webcast sobre o 1º trimestre de 2013
Webcast sobre o 1º trimestre de 2013
Petrobras
 
Webcast 2T13
Webcast 2T13Webcast 2T13
Webcast 2T13
Petrobras
 
Webcast 3 t07_port
Webcast 3 t07_portWebcast 3 t07_port
Webcast 3 t07_port
Petrobras
 
Webcast sobre Resultados do 4º trimestre e exercício de 2013
Webcast sobre Resultados do 4º trimestre e exercício de 2013Webcast sobre Resultados do 4º trimestre e exercício de 2013
Webcast sobre Resultados do 4º trimestre e exercício de 2013
Petrobras
 
Webcast 1T08
Webcast 1T08Webcast 1T08
Webcast 1T08
Petrobras
 
Webcast 2T10 IFRS
Webcast 2T10 IFRSWebcast 2T10 IFRS
Webcast 2T10 IFRS
Petrobras
 
Webcast 3T13
Webcast 3T13Webcast 3T13
Webcast 3T13
Petrobras
 
Webcast 3T15
Webcast 3T15Webcast 3T15
Webcast 3T15
Petrobras
 
Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014
Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014
Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014
Petrobras
 
Webcast 2009-2013
Webcast 2009-2013Webcast 2009-2013
Webcast 2009-2013
Petrobras
 
Webcast 4T14
Webcast 4T14Webcast 4T14
Webcast 4T14
Petrobras
 

Mais procurados (20)

Divulgação de Resultados do 1o. trimestre de 2011 - IFRS
Divulgação de Resultados do 1o. trimestre de 2011 - IFRSDivulgação de Resultados do 1o. trimestre de 2011 - IFRS
Divulgação de Resultados do 1o. trimestre de 2011 - IFRS
 
Webcast sobre Resultados do 1T14
Webcast sobre Resultados do 1T14Webcast sobre Resultados do 1T14
Webcast sobre Resultados do 1T14
 
Webcast - 3º trimestre de 2012
Webcast - 3º trimestre de 2012Webcast - 3º trimestre de 2012
Webcast - 3º trimestre de 2012
 
Webcast 1T12
Webcast 1T12Webcast 1T12
Webcast 1T12
 
Webcast - 4º trimestre de 2012
Webcast - 4º trimestre de 2012Webcast - 4º trimestre de 2012
Webcast - 4º trimestre de 2012
 
Apresentação petrobras port 01 03-11
Apresentação petrobras port 01 03-11Apresentação petrobras port 01 03-11
Apresentação petrobras port 01 03-11
 
Webcast: Resultados do 2º trimestre de 2008
Webcast: Resultados do 2º trimestre de 2008Webcast: Resultados do 2º trimestre de 2008
Webcast: Resultados do 2º trimestre de 2008
 
Fato Relevante: Plano de Negocios e Gestao - 2013-2017
Fato Relevante: Plano de Negocios e Gestao - 2013-2017Fato Relevante: Plano de Negocios e Gestao - 2013-2017
Fato Relevante: Plano de Negocios e Gestao - 2013-2017
 
Webcast 4T09
Webcast 4T09Webcast 4T09
Webcast 4T09
 
Webcast sobre o 1º trimestre de 2013
Webcast sobre o 1º trimestre de 2013Webcast sobre o 1º trimestre de 2013
Webcast sobre o 1º trimestre de 2013
 
Webcast 2T13
Webcast 2T13Webcast 2T13
Webcast 2T13
 
Webcast 3 t07_port
Webcast 3 t07_portWebcast 3 t07_port
Webcast 3 t07_port
 
Webcast sobre Resultados do 4º trimestre e exercício de 2013
Webcast sobre Resultados do 4º trimestre e exercício de 2013Webcast sobre Resultados do 4º trimestre e exercício de 2013
Webcast sobre Resultados do 4º trimestre e exercício de 2013
 
Webcast 1T08
Webcast 1T08Webcast 1T08
Webcast 1T08
 
Webcast 2T10 IFRS
Webcast 2T10 IFRSWebcast 2T10 IFRS
Webcast 2T10 IFRS
 
Webcast 3T13
Webcast 3T13Webcast 3T13
Webcast 3T13
 
Webcast 3T15
Webcast 3T15Webcast 3T15
Webcast 3T15
 
Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014
Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014
Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014
 
Webcast 2009-2013
Webcast 2009-2013Webcast 2009-2013
Webcast 2009-2013
 
Webcast 4T14
Webcast 4T14Webcast 4T14
Webcast 4T14
 

Destaque

Webcast 1T15
Webcast 1T15Webcast 1T15
Webcast 1T15
Petrobras
 
Webcast 2T15
Webcast 2T15Webcast 2T15
Webcast 2T15
Petrobras
 
Webcast 1T16
Webcast 1T16Webcast 1T16
Webcast 1T16
Petrobras
 
Plano Estratégico e Plano de Negócios e Gestão 2017-2021
Plano Estratégico e Plano de Negócios e Gestão 2017-2021Plano Estratégico e Plano de Negócios e Gestão 2017-2021
Plano Estratégico e Plano de Negócios e Gestão 2017-2021
Petrobras
 
Webcast 4 t09_port
Webcast 4 t09_portWebcast 4 t09_port
Webcast 4 t09_port
Petrobras
 
Webcast 4T07
Webcast 4T07Webcast 4T07
Webcast 4T07Petrobras
 
Webcast 4T08
Webcast 4T08Webcast 4T08
Webcast 4T08
Petrobras
 
Webcast 1T10
Webcast 1T10Webcast 1T10
Webcast 1T10
Petrobras
 
Webcast 3T09
Webcast 3T09Webcast 3T09
Webcast 3T09
Petrobras
 

Destaque (9)

Webcast 1T15
Webcast 1T15Webcast 1T15
Webcast 1T15
 
Webcast 2T15
Webcast 2T15Webcast 2T15
Webcast 2T15
 
Webcast 1T16
Webcast 1T16Webcast 1T16
Webcast 1T16
 
Plano Estratégico e Plano de Negócios e Gestão 2017-2021
Plano Estratégico e Plano de Negócios e Gestão 2017-2021Plano Estratégico e Plano de Negócios e Gestão 2017-2021
Plano Estratégico e Plano de Negócios e Gestão 2017-2021
 
Webcast 4 t09_port
Webcast 4 t09_portWebcast 4 t09_port
Webcast 4 t09_port
 
Webcast 4T07
Webcast 4T07Webcast 4T07
Webcast 4T07
 
Webcast 4T08
Webcast 4T08Webcast 4T08
Webcast 4T08
 
Webcast 1T10
Webcast 1T10Webcast 1T10
Webcast 1T10
 
Webcast 3T09
Webcast 3T09Webcast 3T09
Webcast 3T09
 

Semelhante a Webcast 2T12

Gerente Executivo de E&P - José Formigli - O Desenvolvimento do Pré-Sal à l...
Gerente Executivo de E&P - José  Formigli  - O Desenvolvimento do Pré-Sal à l...Gerente Executivo de E&P - José  Formigli  - O Desenvolvimento do Pré-Sal à l...
Gerente Executivo de E&P - José Formigli - O Desenvolvimento do Pré-Sal à l...
Petrobras
 
Apresentação à Imprensa PN 2011-2015
Apresentação à Imprensa PN 2011-2015Apresentação à Imprensa PN 2011-2015
Apresentação à Imprensa PN 2011-2015
Petrobras
 
Presidente Jose Sergio Gabrielli de Azevedo - Os Novos Desafios do Pré-Sal - ...
Presidente Jose Sergio Gabrielli de Azevedo - Os Novos Desafios do Pré-Sal - ...Presidente Jose Sergio Gabrielli de Azevedo - Os Novos Desafios do Pré-Sal - ...
Presidente Jose Sergio Gabrielli de Azevedo - Os Novos Desafios do Pré-Sal - ...
Petrobras
 
Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo - Os investimentos da Petrobras e...
Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo - Os investimentos da Petrobras e...Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo - Os investimentos da Petrobras e...
Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo - Os investimentos da Petrobras e...
Petrobras
 
Projetos para 2007 e Financiabilidade do PN 2007-11
Projetos para 2007 e Financiabilidade do PN 2007-11Projetos para 2007 e Financiabilidade do PN 2007-11
Projetos para 2007 e Financiabilidade do PN 2007-11
Petrobras
 
Apresentação 4T12
Apresentação 4T12Apresentação 4T12
Apresentação 4T12
Braskem_RI
 
Sumatra eloi fernández
Sumatra eloi fernándezSumatra eloi fernández
Apresentação Eloi Fernández y Fernández – Diretor Geral – Organização Naciona...
Apresentação Eloi Fernández y Fernández – Diretor Geral – Organização Naciona...Apresentação Eloi Fernández y Fernández – Diretor Geral – Organização Naciona...
Apresentação Eloi Fernández y Fernández – Diretor Geral – Organização Naciona...
Fiesp Federação das Indústrias do Estado de SP
 
Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo - O Dia - FIRJAN - Qualificar e C...
Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo - O Dia - FIRJAN - Qualificar e C...Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo - O Dia - FIRJAN - Qualificar e C...
Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo - O Dia - FIRJAN - Qualificar e C...
Petrobras
 
Apresentação 2T12
Apresentação 2T12Apresentação 2T12
Apresentação 2T12
CCR Relações com Investidores
 
Apresentação dos Resultados de 2008
Apresentação dos Resultados de 2008Apresentação dos Resultados de 2008
Apresentação dos Resultados de 2008
JBS RI
 
Apresentação PNG 2018-2022
Apresentação PNG 2018-2022Apresentação PNG 2018-2022
Apresentação PNG 2018-2022
Petrobras
 
Palestra da Associação Brasileira de Grandes Consumidores Industriais de Ener...
Palestra da Associação Brasileira de Grandes Consumidores Industriais de Ener...Palestra da Associação Brasileira de Grandes Consumidores Industriais de Ener...
Palestra da Associação Brasileira de Grandes Consumidores Industriais de Ener...
Ampla Energia S.A.
 
Fato Relevante: Plano de Negócios 2012-2016
Fato Relevante: Plano de Negócios 2012-2016Fato Relevante: Plano de Negócios 2012-2016
Fato Relevante: Plano de Negócios 2012-2016
Petrobras
 
Apresentação aes eletropaulo_1_t11_port
Apresentação aes eletropaulo_1_t11_portApresentação aes eletropaulo_1_t11_port
Apresentação aes eletropaulo_1_t11_port
AES Eletropaulo
 
BRADESPAR - Relatório Anual 2011
BRADESPAR - Relatório Anual 2011BRADESPAR - Relatório Anual 2011
BRADESPAR - Relatório Anual 2011
MZ .
 
Fev 2009 Apresentação do Presidente, José Sergio Gabrielli de Azevedo - Fir...
Fev 2009   Apresentação do Presidente, José Sergio Gabrielli de Azevedo - Fir...Fev 2009   Apresentação do Presidente, José Sergio Gabrielli de Azevedo - Fir...
Fev 2009 Apresentação do Presidente, José Sergio Gabrielli de Azevedo - Fir...
Petrobras
 
Presidente Jose Sergio Gabrielli de Azevedo - Apresentação do Plano de Negóci...
Presidente Jose Sergio Gabrielli de Azevedo - Apresentação do Plano de Negóci...Presidente Jose Sergio Gabrielli de Azevedo - Apresentação do Plano de Negóci...
Presidente Jose Sergio Gabrielli de Azevedo - Apresentação do Plano de Negóci...
Petrobras
 
Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo - Apresentação do Plano de Negóci...
Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo - Apresentação do Plano de Negóci...Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo - Apresentação do Plano de Negóci...
Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo - Apresentação do Plano de Negóci...
Petrobras
 
Apresentacao luciana 1302
Apresentacao luciana 1302 Apresentacao luciana 1302
Apresentacao luciana 1302
Petrobras
 

Semelhante a Webcast 2T12 (20)

Gerente Executivo de E&P - José Formigli - O Desenvolvimento do Pré-Sal à l...
Gerente Executivo de E&P - José  Formigli  - O Desenvolvimento do Pré-Sal à l...Gerente Executivo de E&P - José  Formigli  - O Desenvolvimento do Pré-Sal à l...
Gerente Executivo de E&P - José Formigli - O Desenvolvimento do Pré-Sal à l...
 
Apresentação à Imprensa PN 2011-2015
Apresentação à Imprensa PN 2011-2015Apresentação à Imprensa PN 2011-2015
Apresentação à Imprensa PN 2011-2015
 
Presidente Jose Sergio Gabrielli de Azevedo - Os Novos Desafios do Pré-Sal - ...
Presidente Jose Sergio Gabrielli de Azevedo - Os Novos Desafios do Pré-Sal - ...Presidente Jose Sergio Gabrielli de Azevedo - Os Novos Desafios do Pré-Sal - ...
Presidente Jose Sergio Gabrielli de Azevedo - Os Novos Desafios do Pré-Sal - ...
 
Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo - Os investimentos da Petrobras e...
Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo - Os investimentos da Petrobras e...Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo - Os investimentos da Petrobras e...
Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo - Os investimentos da Petrobras e...
 
Projetos para 2007 e Financiabilidade do PN 2007-11
Projetos para 2007 e Financiabilidade do PN 2007-11Projetos para 2007 e Financiabilidade do PN 2007-11
Projetos para 2007 e Financiabilidade do PN 2007-11
 
Apresentação 4T12
Apresentação 4T12Apresentação 4T12
Apresentação 4T12
 
Sumatra eloi fernández
Sumatra eloi fernándezSumatra eloi fernández
Sumatra eloi fernández
 
Apresentação Eloi Fernández y Fernández – Diretor Geral – Organização Naciona...
Apresentação Eloi Fernández y Fernández – Diretor Geral – Organização Naciona...Apresentação Eloi Fernández y Fernández – Diretor Geral – Organização Naciona...
Apresentação Eloi Fernández y Fernández – Diretor Geral – Organização Naciona...
 
Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo - O Dia - FIRJAN - Qualificar e C...
Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo - O Dia - FIRJAN - Qualificar e C...Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo - O Dia - FIRJAN - Qualificar e C...
Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo - O Dia - FIRJAN - Qualificar e C...
 
Apresentação 2T12
Apresentação 2T12Apresentação 2T12
Apresentação 2T12
 
Apresentação dos Resultados de 2008
Apresentação dos Resultados de 2008Apresentação dos Resultados de 2008
Apresentação dos Resultados de 2008
 
Apresentação PNG 2018-2022
Apresentação PNG 2018-2022Apresentação PNG 2018-2022
Apresentação PNG 2018-2022
 
Palestra da Associação Brasileira de Grandes Consumidores Industriais de Ener...
Palestra da Associação Brasileira de Grandes Consumidores Industriais de Ener...Palestra da Associação Brasileira de Grandes Consumidores Industriais de Ener...
Palestra da Associação Brasileira de Grandes Consumidores Industriais de Ener...
 
Fato Relevante: Plano de Negócios 2012-2016
Fato Relevante: Plano de Negócios 2012-2016Fato Relevante: Plano de Negócios 2012-2016
Fato Relevante: Plano de Negócios 2012-2016
 
Apresentação aes eletropaulo_1_t11_port
Apresentação aes eletropaulo_1_t11_portApresentação aes eletropaulo_1_t11_port
Apresentação aes eletropaulo_1_t11_port
 
BRADESPAR - Relatório Anual 2011
BRADESPAR - Relatório Anual 2011BRADESPAR - Relatório Anual 2011
BRADESPAR - Relatório Anual 2011
 
Fev 2009 Apresentação do Presidente, José Sergio Gabrielli de Azevedo - Fir...
Fev 2009   Apresentação do Presidente, José Sergio Gabrielli de Azevedo - Fir...Fev 2009   Apresentação do Presidente, José Sergio Gabrielli de Azevedo - Fir...
Fev 2009 Apresentação do Presidente, José Sergio Gabrielli de Azevedo - Fir...
 
Presidente Jose Sergio Gabrielli de Azevedo - Apresentação do Plano de Negóci...
Presidente Jose Sergio Gabrielli de Azevedo - Apresentação do Plano de Negóci...Presidente Jose Sergio Gabrielli de Azevedo - Apresentação do Plano de Negóci...
Presidente Jose Sergio Gabrielli de Azevedo - Apresentação do Plano de Negóci...
 
Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo - Apresentação do Plano de Negóci...
Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo - Apresentação do Plano de Negóci...Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo - Apresentação do Plano de Negóci...
Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo - Apresentação do Plano de Negóci...
 
Apresentacao luciana 1302
Apresentacao luciana 1302 Apresentacao luciana 1302
Apresentacao luciana 1302
 

Mais de Petrobras

Strategic Plan 2040 || Business and Management Plan 2019-2023
Strategic Plan 2040 || Business and Management Plan 2019-2023Strategic Plan 2040 || Business and Management Plan 2019-2023
Strategic Plan 2040 || Business and Management Plan 2019-2023
Petrobras
 
Plano Estratégico 2040 || Plano de Negócios e Gestão 2019-2023
Plano Estratégico 2040 || Plano de Negócios e Gestão 2019-2023Plano Estratégico 2040 || Plano de Negócios e Gestão 2019-2023
Plano Estratégico 2040 || Plano de Negócios e Gestão 2019-2023
Petrobras
 
Petrobras Overview - September 2018
Petrobras Overview - September 2018Petrobras Overview - September 2018
Petrobras Overview - September 2018
Petrobras
 
Apresentação Investor Day, São Paulo, 2018
Apresentação Investor Day, São Paulo, 2018Apresentação Investor Day, São Paulo, 2018
Apresentação Investor Day, São Paulo, 2018
Petrobras
 
Petrobras Investor Day - London 2018
Petrobras Investor Day - London 2018Petrobras Investor Day - London 2018
Petrobras Investor Day - London 2018
Petrobras
 
Sustentabilidade 2017
Sustentabilidade 2017Sustentabilidade 2017
Sustentabilidade 2017
Petrobras
 
Apresentacao png-2018-2022-webcast-ingles
Apresentacao png-2018-2022-webcast-inglesApresentacao png-2018-2022-webcast-ingles
Apresentacao png-2018-2022-webcast-ingles
Petrobras
 
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day Nova York
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day Nova YorkApresentação de Pedro Parente no Investor Day Nova York
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day Nova York
Petrobras
 
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day Londres
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day LondresApresentação de Pedro Parente no Investor Day Londres
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day Londres
Petrobras
 
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day São Paulo
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day São PauloApresentação de Pedro Parente no Investor Day São Paulo
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day São Paulo
Petrobras
 
Visão Geral 2017 fevereiro
Visão Geral   2017 fevereiro Visão Geral   2017 fevereiro
Visão Geral 2017 fevereiro
Petrobras
 
Petrobras General Overview
Petrobras General OverviewPetrobras General Overview
Petrobras General Overview
Petrobras
 
Petrobras at a Glance
Petrobras at a GlancePetrobras at a Glance
Petrobras at a Glance
Petrobras
 
Visão Geral Petrobras
Visão Geral PetrobrasVisão Geral Petrobras
Visão Geral Petrobras
Petrobras
 
Strategic Plan and 2017-2021 Business & Management Plan
Strategic Plan and 2017-2021 Business & Management PlanStrategic Plan and 2017-2021 Business & Management Plan
Strategic Plan and 2017-2021 Business & Management Plan
Petrobras
 
Plano de Negócios e Gestão 2015 – 2019
Plano de Negócios e Gestão 2015 – 2019 Plano de Negócios e Gestão 2015 – 2019
Plano de Negócios e Gestão 2015 – 2019
Petrobras
 
Webcast 1Q16
Webcast 1Q16Webcast 1Q16
Webcast 1Q16
Petrobras
 
Webcast 4Q15
Webcast 4Q15Webcast 4Q15
Webcast 4Q15
Petrobras
 
Webcast 4T15
Webcast 4T15Webcast 4T15
Webcast 4T15
Petrobras
 
Webcast 3T15
Webcast 3T15Webcast 3T15
Webcast 3T15
Petrobras
 

Mais de Petrobras (20)

Strategic Plan 2040 || Business and Management Plan 2019-2023
Strategic Plan 2040 || Business and Management Plan 2019-2023Strategic Plan 2040 || Business and Management Plan 2019-2023
Strategic Plan 2040 || Business and Management Plan 2019-2023
 
Plano Estratégico 2040 || Plano de Negócios e Gestão 2019-2023
Plano Estratégico 2040 || Plano de Negócios e Gestão 2019-2023Plano Estratégico 2040 || Plano de Negócios e Gestão 2019-2023
Plano Estratégico 2040 || Plano de Negócios e Gestão 2019-2023
 
Petrobras Overview - September 2018
Petrobras Overview - September 2018Petrobras Overview - September 2018
Petrobras Overview - September 2018
 
Apresentação Investor Day, São Paulo, 2018
Apresentação Investor Day, São Paulo, 2018Apresentação Investor Day, São Paulo, 2018
Apresentação Investor Day, São Paulo, 2018
 
Petrobras Investor Day - London 2018
Petrobras Investor Day - London 2018Petrobras Investor Day - London 2018
Petrobras Investor Day - London 2018
 
Sustentabilidade 2017
Sustentabilidade 2017Sustentabilidade 2017
Sustentabilidade 2017
 
Apresentacao png-2018-2022-webcast-ingles
Apresentacao png-2018-2022-webcast-inglesApresentacao png-2018-2022-webcast-ingles
Apresentacao png-2018-2022-webcast-ingles
 
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day Nova York
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day Nova YorkApresentação de Pedro Parente no Investor Day Nova York
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day Nova York
 
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day Londres
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day LondresApresentação de Pedro Parente no Investor Day Londres
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day Londres
 
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day São Paulo
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day São PauloApresentação de Pedro Parente no Investor Day São Paulo
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day São Paulo
 
Visão Geral 2017 fevereiro
Visão Geral   2017 fevereiro Visão Geral   2017 fevereiro
Visão Geral 2017 fevereiro
 
Petrobras General Overview
Petrobras General OverviewPetrobras General Overview
Petrobras General Overview
 
Petrobras at a Glance
Petrobras at a GlancePetrobras at a Glance
Petrobras at a Glance
 
Visão Geral Petrobras
Visão Geral PetrobrasVisão Geral Petrobras
Visão Geral Petrobras
 
Strategic Plan and 2017-2021 Business & Management Plan
Strategic Plan and 2017-2021 Business & Management PlanStrategic Plan and 2017-2021 Business & Management Plan
Strategic Plan and 2017-2021 Business & Management Plan
 
Plano de Negócios e Gestão 2015 – 2019
Plano de Negócios e Gestão 2015 – 2019 Plano de Negócios e Gestão 2015 – 2019
Plano de Negócios e Gestão 2015 – 2019
 
Webcast 1Q16
Webcast 1Q16Webcast 1Q16
Webcast 1Q16
 
Webcast 4Q15
Webcast 4Q15Webcast 4Q15
Webcast 4Q15
 
Webcast 4T15
Webcast 4T15Webcast 4T15
Webcast 4T15
 
Webcast 3T15
Webcast 3T15Webcast 3T15
Webcast 3T15
 

Webcast 2T12

  • 1. DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 2º trimestre de 2012 (legislação societária) Teleconferência/Webcast 06 de Agosto de 2012
  • 2. AVISO Estas apresentações podem conter previsões acerca de eventos futuros. Tais previsões refletem apenas expectativas dos administradores da Companhia sobre condições futuras da economia, além do setor de atuação, do desempenho e dos resultados financeiros da Companhia, dentre outros. Os termos Aviso aos Investidores Norte-Americanos: “antecipa", "acredita", "espera", "prevê", "pretende", "planeja", "projeta", "objetiva", A SEC somente permite que as companhias de "deverá", bem como outros termos similares, visam óleo e gás incluam em seus relatórios a identificar tais previsões, as quais, evidentemente, arquivados reservas provadas que a Companhia envolvem riscos e incertezas previstos ou não pela tenha comprovado por produção ou testes de Companhia e, consequentemente, não são garantias formação conclusivos que sejam viáveis de resultados futuros da Companhia. Portanto, os econômica e legalmente nas condições resultados futuros das operações da Companhia econômicas e operacionais vigentes. Utilizamos podem diferir das atuais expectativas, e o leitor não alguns termos nesta apresentação, tais como deve se basear exclusivamente nas informações descobertas, que as orientações da SEC nos aqui contidas. A Companhia não se obriga a proíbem de usar em nossos relatórios atualizar as apresentações e previsões à luz de arquivados. novas informações ou de seus desdobramentos futuros. Os valores informados para 2012 em diante são estimativas ou metas. 2
  • 3. DESTAQUES OPERACIONAIS » Divulgação do PNG 2012-2016 de US$ 236,5 bilhões, dos quais US$ 208,7 bilhões relativos a projetos em implantação e US$ 27,8 bilhões para projetos em avaliação (pressuposto de retorno e financiabilidade) » Aumento nos preços do diesel (10%) e da gasolina (8%) » Recorde no processamento de petróleo nas refinarias (2,01 milhões bpd) » Avanços nas contratações e no desenvolvimento da indústria local: » Contratos de construção de 12 sondas nos estaleiros Brasfels (6) e Jurong Aracruz (6) pela Sete Brasil » Definição de novo parceiro tecnológico no Estaleiro Atlântico Sul P-55 » Contratos para a construção e integração dos primeiros módulos topside de 8 FPSOs para Deck mating da P-55 concluído no Polo Naval do projetos do Pré-sal Rio Grande. Manobra envolveu estrutura de 17 mil toneladas, a maior já feita no mundo » Recebimento de 4 sondas estrangeiras no 2T12 P-56 3
  • 4. RESULTADO 2T12 » Prejuízo de R$ 1,3 bilhão no 2T12 vs lucro líquido de R$ 9,2 bilhões no 1T12 » EBITDA de R$ 10,6 bilhões no 2T12 vs R$16,5 bilhões no 1T12 Principais Fatores que Influenciaram o Resultado Negativo • Desvalorização cambial (impacto sobre endividamento e custos dolarizados) • Defasagem de preços dos derivados vendidos no Brasil • Queda na produção (paradas operacionais e Frade) e elevação dos custos de extração (início do PROEF*) • Baixas de poços secos/subcomerciais devido a atividades exploratórias, principalmente entre 2009 e 2012, em novas fronteiras • Maiores importações de GNL devido à elevação do consumo de gás natural pelas usinas termelétricas É menos provável que tais fatores se repitam em conjunto e com a mesma intensidade nos trimestres seguintes P-56 *PROEF – Programa de Aumento da Eficiência Operacional da Unidade de Operações da Bacia de Campos 4
  • 5. VARIAÇÃO CAMBIAL R$/US$ 2011 2012 2,30 2T11 1T12 2T12 2,20 Média 1,60 Média 1,77 Média 1,96 2,10 2,05 2,03 1,98 2,00 1,90 1,84 1,85 1,77 1,79 1,79 1,79 1,80 1,74 1,72 1,68 1,67 1,66 1,70 1,60 1,59 1,61 1,59 1,60 1,56 0,00 jan-11 fev-11 mar-11 abr-11 mai-11 jun-11 jul-11 ago-11 set-11 out-11 nov-11 dez-11 jan-12 fev-12 mar-12 abr-12 mai-12 jun-12 jul-12 » A maior desvalorização do Real ao final do 2T12 acarretou Resultado Financeiro Líquido negativo de R$ 6,4 bilhões » A desvalorização média do Real ao longo do 2T12 afetou negativamente os principais itens de custo da Cia (extração de petróleo e participações governamentais, importação de petróleo, derivados, GNL e logística de derivados) » Porém, recentemente tem-se observado relativa estabilidade da cotação do dólar (contenção da escalada) Fonte: Banco Central - PTAX 5
  • 6. PREÇOS DOMÉSTICO E INTERNACIONAL 2011 2012 260 900 Período de Formação dos Preço Médio de Venda Estoques do 2T12 800 240 Golfo Americano 700 Volumes Importados (Mil bbl / d) 220 Preço Médio de Venda (R$/bbl) 600 200 500 180 Preço Médio de Venda Brasil 400 160 300 140 200 120 100 100 0 jan-11 fev-11 mar-11 abr-11 mai-11 jun-11 jul-11 ago-11 set-11 out-11 nov-11 dez-11 jan-12 fev-12 mar-12 abr-12 mai-12 jun-12 PMR USGC (c/ volumes vendidos no Brasil) PMR Brasil Importação de Gasolina Importação de Diesel » A formação dos estoques vendidos no 2T12 deu-se no período de maior defasagem de preços (mar-mai/12) » Redução da defasagem no final do período, em função da queda dos preços internacionais junto com os reajustes de preços de diesel e gasolina 6
  • 7. PRODUÇÃO DE ÓLEO E LGN (BRASIL) mil bpd 2011 2012 2.200 2T11 1T12 2T12 Média: 2.018 Média: 2.066 Média: 1.970 2.150 2.110 2.098 2.084 2.100 2.069 2.061 2.040 2.047 2.050 2.020 2.002 1.989 2.001 2.000 2.003 2.003 1.993 1.968 1.963 1.961 1.960 1.950 50 » Redução de 5% da produção no 2T12 vs 1T12 (- 96 mil bpd) em função, principalmente, de: » Paradas operacionais (-54 mil bpd), queda da eficiência operacional (-18 mil bpd) e interrupção de Frade (-15 mil bpd) » Declínio do potencial dos sistemas antigos tem se mantido dentro do esperado » No 2S12 entrada em operação de 2 novos sistemas: » FPSO Cidade de Anchieta (Baleia Azul), capacidade de 100 mil bpd, em agosto » FPSO Cidade de Itajaí (Baúna e Piracaba), capacidade de 80 mil bpd, em outubro » Manutenção da meta de produção para 2012 (estável em relação a 2011, +/-2%) » Recuperação da produção somente no 4T12 (paradas programadas continuam no 3T12) 7
  • 8. BALEIA AZUL (FPSO ANCHIETA): CURVA S DE ACOMPANHAMENTO FÍSICO DO PROJETO COMPLETO 100 Entrada em Operação Justif. 1 MARCOS DE IMPLANTAÇÃO 90 Prevista (EVTE): Jul/12 1 - Conclusão da Completação Mecânica do FPSO: (jun/12) 2 - Chegada do FPSO no Brasil (ago/12) Justif. 2 80 3 - Obtenção da LO (ago/12) 2 Entrada em Operação 4 - Início da produção de óleo (ago/12) Projetada: Ago/12 70 5 - Início da exportação de gás (out/12) 1 6 - Início da injeção de água (dez/12) 60 4 % Acumulado 50 40 Acumulado até 30/06/2012: Previsto: 84,7% 30 Realizado: 78,2% 20 10 0 set-09 set-10 set-11 set-12 mar-09 mai-09 out-09 mar-10 mai-10 out-10 mar-11 mai-11 out-11 mar-12 mai-12 out-12 mar-13 mai-13 fev-09 fev-10 fev-11 fev-12 fev-13 dez-08 jan-09 jul-10 dez-10 dez-11 dez-12 abr-09 jun-09 jul-09 dez-09 ago-09 jan-10 abr-10 jun-10 ago-10 jan-11 abr-11 jun-11 jul-11 ago-11 jan-12 abr-12 jun-12 jul-12 ago-12 jan-13 abr-13 jun-13 jul-13 ago-13 nov-08 nov-09 nov-10 nov-11 nov-12 Linha de Base Linha Base - PNG 12-16 Realizado Projetado Justif. 1 - Desvio de Prazo: Desvio de 01 mês para o início da operação (1º Justif. 2 - Desvio de Realização Física Acumulado: Avanço físico acumulado óleo) por conta de atraso nas obras de adaptação do FPSO Cidade de abaixo da linha de base do EVTE por conta de atraso na campanha de construção Anchieta. de poços do projeto e fabricação dos dutos flexíveis. 8 8 Confidencial
  • 9. BAÚNA E PIRACABA (FPSO ITAJAÍ): CURVA S DE ACOMPANHAMENTO FÍSICO DO PROJETO COMPLETO 100 Entrada em Operação 90 MARCOS DE IMPLANTAÇÃO 5 Projetada: Out/12 1 - Obtenção da LP (jul/12) 80 Entrada em Operação 2 - Obtenção da LI (ago/12) Prevista (EVTE): Jul/12 3- Chegada do FPSO na Locação (set/12) 70 Justif. 1 4 - Obtenção da LO (set/12) 5 - Conclusão do Projeto (ago/14) 60 % Acumulado 2 50 Justif. 2 40 Acumulado até 30/06/2012: 3 Previsto: 55,6% 1 30 Realizado: 43,1% 20 10 0 set-09 set-10 set-11 set-12 set-13 set-14 mar-10 mai-10 mar-11 mai-11 mar-12 mai-12 mar-13 mai-13 mar-14 mai-14 jul-10 jul-11 jul-12 jul-13 jul-14 jan-10 jan-11 jan-12 jan-13 jan-14 jan-15 nov-09 nov-10 nov-11 nov-12 nov-13 nov-14 Linha de Base Linha Base - PNG 12-16 Realizado Projetado Justif. 2 - Desvio de Realização Física Acumulado: Atraso de 12,48% na realização Justif. 1 - Desvio de Prazo: O atraso de 3 meses na entrada em operação física até 30/jun/12 devido a atrasos na construção do FPSO (0,21%), atraso na deve-se a postergação da data de chegada da UEP na Locação ocasionada completação de poços de Baúna (7,81%), postergação recebimento materiais de pela baixa performance das obras no estaleiro Jurong em Cingapura, em interligação (1,55%), postergação da pré-ancoragem e desembolso taxa de especial de completação mecânica e comissionamento dos sistemas da UEP. mobilização UEP (2,93%) e levantamento ambiental não previsto 0,02%. 9 9 Confidencial
  • 10. CUSTO DE EXTRAÇÃO (R$/Barril) 65,11 » Gastos com intervenções em poços e engenharia 60,04 61,73 55,14 54,11 submarina subiram 35%, de R$ 1.024 milhões no 1T12 para R$ 1.385 milhões no 2T12, principalmente pelo maior 38,48 número de unidades e de dias das sondas alocadas às 37,57 39,03 34,21 31,80 atividades de manutenção (de 443 para 760 dias na Bacia de Campos) » Essa elevação de atividades e dispêndios deve-se ao 20,93 22,31 22,47 22,70 26,63 PROEF. A recuperação da eficiência operacional da UO-BC se verificará a partir do 4T12 2T11 3T11 4T11 1T12 2T12 » Participação Governamental: redução da parcela devido à menor produção de blocos que pagam maiores alíquotas Part. Governam. Custo de Extração de participações especiais 10 10
  • 11. BAIXA DE POÇOS SECOS DE ATIVIDADES EXPLORATÓRIAS Baixa de Poços Secos R$ milhão 3.500 3.000 2.737 2.500 2.000 1.500 1.000 896 561 572 577 615 536 473 415 528 500 174 274 229 204 0 1T09 2T09 3T09 4T09 1T10 2T10 3T10 4T10 1T11 2T11 3T11 4T11 1T12 2T12 -500 Poços secos/abandonados e não econômicos (subcomerciais) » Foram baixados 41 poços no 2T12, cuja perfuração ocorreu principalmente entre 2009 e 2012, a maioria em áreas de nova fronteira: » Atividades em novas fronteiras implicam em Índice de Sucesso menor do que o alcançado com o Pré-Sal nos últimos anos, maiores custos de logística e, consequentemente, maior lançamento de custos associados à baixa de poços secos/subcomerciais 11
  • 12. POÇOS BAIXADOS 2T12 Ceará (Nova descoberta) 41 poços » Por evento gerador da baixa 21 secos, 8 subcomerciais, 9 projetos cancelados, 2 abandonados e 1 acidente mecânico » Por área exploratória 13 no Pós-Sal, 15 Terrestres, 2 no Pré-Sal e 11 projetos cancelados ou abandonados Custo total: R$ 2,7 bilhões • 5 poços representam R$ 1,539 bilhão (57%) 12
  • 13. VENDAS DE DERIVADOS - BRASIL +6% +3% » Crescimento de 6% na venda de derivados no 2.168 2.237 comparativo 2T12/2T11: 2.118 439 431 » Aumento de 16% no volume de gasolina devido à 441 elevação da frota e preços mais atraentes em 214 228 relação ao etanol 227 mil barris/dia 557 » Aumento de 5% do volume de diesel devido a 481 545 atividade de varejo » Crescimento de 3% no comparativo 2T12/1T12, 969 970 1.021 conforme sazonalidade do consumo: » Volume incremental suprido pelas importações, principalmente de diesel, afetou negativamente 2T11 1T12 2T12 as margens do Abastecimento Diesel + QAV Gasolina GLP Outros 13 Confidencial
  • 14. BALANÇA COMERCIAL Exportações Importações Saldo da Balança 703 714 764 721 724 554 (mil barris/dia) 358 341 347 480 497 351 374 406 383 223 217 203 2T11 1T12 2T12 2T11 1T12 2T12 2T11 1T12 2T12 -18 -50 Óleo Derivados -170 » Menor produção de petróleo nacional levou à queda das exportações de petróleo no 2T12 » O maior volume de óleo nacional processado no parque de refino também contribuiu para a menor exportação » Crescimento do consumo doméstico (diesel principalmente) demandou maior importação de derivados com margens negativas 14
  • 15. MAIOR DEMANDA TERMELÉTRICA - IMPORTAÇÃO DE GNL Demanda 2011 2012 milhão m³/dia 2T11 1T12 2T12 Média: 64,0 Média: 67,2 Média: 79,4 60 50 Não Térmico 40 30 26,5 23,8 Refinarias e Fafens 18,6 20 10 15,5 Térmico 11,6 8,1 0 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 jan/12 fev/12 mar/12 abr/12 mai/12 jun/12 Oferta » Maior consumo termelétrico (+96% em relação ao 1T12) em razão milhão m³/dia +16% da menor afluência verificada no 2T12 80,7 » Aumento da oferta de gás nacional e importado no 2T12, com 66,0 69,4 destaque para o GNL, para suprir o crescimento da demanda 44,4 termelétrica Nacional 38,7 42,6 » Aumento do PLD resultou em impacto negativo nas margens de Bolívia 27,2 comercialização de energia GNL 25,7 26,2 1,6 0,7 9,0 » Redução da demanda térmica no final do 2T12 com o retorno dos 2T11 1T12 2T12 reservatórios hidrelétricos 15
  • 16. PRODUÇÃO INTERNACIONAL Produção de Petróleo e Gás Natural mil boe/dia 2011 2012 270 2T11 1T12 2T12 260 Média 227 Média 239 Média 240 249 250 246 246 244 242 242 241 238 240 236 237 237 238 239 230 231 233 232 226 230 219 80 Jan-11 Fev-11 Mar-11 Abr-11 Mai/11 Jun-11 Jul-11 Ago-11 Set-11 Out-11 Nov-11 Dez-11 Jan-12 Fev-12 Mar-12 Abr-12 Mai-12 Jun-12 Jul-12* Até 11 de julho 19 » Destaque para o ramp up da produção de Cascade, nos EUA » Menor volume de vendas na Nigéria devido à menor participação no campo de Akpo, pelo término da recuperação de custos passados » Menor preço das commodities no 2T12 ocasionou uma maior provisão para redução a valor de mercado dos estoques nos EUA e Japão (R$ 509 milhões) » Provisão referente ao acordo da Refinaria de Pasadena (R$ 140 milhões) 16
  • 18. LUCRO OPERACIONAL 2T12 VS 1T12 (R$ milhões) 1.913 11.771 (6.142) (292) 5.282 (1.968) 1T12 Receita CPV Despesas de Demais 2T12 Lucro Operacional de Vendas vendas, gerais e despesas Lucro Operacional adm. » Redução do lucro operacional » Aumento na receita, devido ao crescimento da demanda no mercado interno (4%) e ao efeito da depreciação cambial sobre os preços das exportações » Aumento do CPV em função do maior volume de vendas no mercado doméstico, realização de estoques formados a custos mais elevados e efeito cambial sobre custos dolarizados » Crescimento das despesas exploratórias (+238% no comparativo 2T12/1T12) devido a baixas de poços secos e subcomerciais – exploração em novas fronteiras 18
  • 19. LUCRO LÍQUIDO 2T12 VS 1T12 (R$ milhões) 9.214 (6.489) 2.624 739 (1.346) (6.872) (562) 1T12 Lucro Resultado Participações Impostos Lucro Atrib. aos 2T12 Lucro Líquido Operacional Financeiro em não Control. Lucro Líquido Investimentos » Prejuízo » Redução do lucro operacional » Despesa financeira de R$ 6,4 bilhões em função da depreciação cambial (11%) sobre o endividamento 19
  • 20. EXPLORAÇÃO & PRODUÇÃO 2T12 VS 1T12 Evolução do Lucro Operacional (R$ milhões) 18.846 1.213 (1.442) 621 (902) (2.164) 16.172 1T12 Efeito preço Efeito volume Efeito custo Efeito Volume Despesas 2T12 Resultado na receita na receita médio no CPV no CPV Operacionais Resultado Operacional Operacional » Maiores preços de venda do petróleo nacional devido à depreciação cambial » Menor produção de petróleo » Aumento dos custos com manutenção e intervenções de poços parcialmente compensados pela redução de participações governamentais » Crescimento das despesas com geologia, geofísica e baixa de poços secos ou sem viabilidade econômica 20
  • 21. ABASTECIMENTO 2T12 VS 1T12 Evolução do Lucro Operacional (R$ milhões) 487 (7.101) (272) 53 150 (3.285) (9.968) 1T12 Efeito Preço na Efeito Volume Efeito Custo Efeito Volume Despesas 2T12 Resultado Receita na Receita Médio no CPV no CPV Operacionais Resultado Operacional Operacional » Aumento dos preços médios de venda somente no final do trimestre » Menores exportações de óleo e derivados – produção direcionada para atender o mercado interno » Elevação dos custos com aquisição/ transferência de petróleo e realização de estoques formados a custos mais elevados 21
  • 22. PRODUÇÃO NACIONAL DE DERIVADOS Produção de derivados * Carga Processada e Custo de Refino Fator de Utilização (R$/bbl) 1.967 2.035 1.894 541 1.884 1.927 519 1.837 Carga processada (mil bpd) 503 Fator de utilização (%) 165 175 165 mil bpd 431 441 394 8,78 1.484 1.534 1.576 +2% 832 852 878 7,68 7,54 2T11 1T12 2T12 2T11 1T12 2T12 2T11 1T12 2T12 Diesel + QAV Gasolina GLP Outros Fator de Utilização Petróleo Imp. Petróleo Nac. » Aumento da produção de derivados em razão da maior carga fresca processada possibilitada pela maior disponibilidade operacional e maior utilização das unidades de conversão e qualidade » Parque de refino com maiores taxas de utilização, com recorde de processamento mensal em junho (98,7%) » Custo do refino em reais apresentou pequena elevação devido a maiores gastos com paradas de manutenção sem impacto na carga. O indicador em dólares caiu 8% * Inclui produção de GLP pelo E&P 22 Confidencial
  • 23. ENDIVIDAMENTO 1 Dívida Líq./EBITDA Endiv. Líq./Cap.Líq.2 50% 5,5 28% 40% 4,5 22% 24% 24% 30% 3,5 17% 2,46 20% 2,5 1,66 1,61 10% 1,41 1,5 1,07 0% 0,5 -10% -0,5 -20% 2T11 3T11 4T11 1T12 2T12 R$ Bilhões 30/06/12 31/03/12 » Fraco resultado do trimestre não reflete a Endividamento de Curto Prazo 17,7 18,0 expectativa para os demais trimestres Endividamento de Longo Prazo 161,5 146,1 Endividamento Total 179,2 164,1 » Desinvestimentos continuam como planejado (-) Disponibilidades ajustadas3 45,9 57,9 » Nenhuma alteração nas estimativas e metas de = Endividamento Líquido 133,2 106,2 alavancagem divulgadas no PNG 2012-2016 US$ Bilhões 30/06/12 31/03/12 Endividamento Líquido 65,9 58,3 1) Endividamento Líquido / ((EBITDA 1T12 + EBITDA 2T12) x 2) 2) Endividamento Líquido / (Endividamento Líquido + Patrimônio Líquido) 3) Inclui títulos federais com vencimento superior a 90 dias 23
  • 24. INVESTIMENTOS 1S2011 1S2012 R$ 32,0 bilhões R$ 38,7 bilhões (U$ 19,6 bilhões) (US$ 20,7 bilhões) 1% 1% 2% 1% 0% 2% 6% 5% 6% 5% 38% 34% E&P Abastecimento G&E Internacional Distribuição Biocombustível Corporativo 24
  • 25. “Para finalizar, reitero a minha sólida convicção na posição privilegiada da Petrobras na indústria de óleo e gás: nossas reservas, nosso pessoal qualificado, nossos investimentos em P&D, assim como nosso histórico de superação de desafios nos permitem levar nossa Companhia a patamares de excelência que trarão retornos consistentes para nossos acionistas.” Presidente Maria das Graças Silva Foster
  • 26. Informações: Relacionamento com Investidores +55 21 3224-1510 petroinvest@petrobras.com.br 26