SlideShare uma empresa Scribd logo
Teleconferência / Webcast                        Almir Barbassa
Divulgação de Resultados           Diretor Financeiro e de Relações
4º trimestre e exercício de 2006                    com Investidores
(Legislação Societária)                      14 de fevereiro de 2007
AVISO
As apresentações podem conter previsões acerca de eventos futuros. Tais previsões refletem apenas
expectativas dos administradores da Companhia. Os termos antecipa", "acredita", "espera", "prevê",
"pretende", "planeja", "projeta", "objetiva", "deverá", bem como outros termos similares, visam a identificar tais
previsões, as quais, evidentemente, envolvem riscos ou incertezas previstos ou não pela Companhia.
Portanto, os resultados futuros das operações da Companhia podem diferir das atuais expectativas, e o leitor
não deve se basear exclusivamente nas informações aqui contidas. A Companhia não se obriga a atualizar as
apresentações e previsões à luz de novas informações ou de seus desdobramentos futuros.


Investidores Norte-Americanos:
A SEC somente permite que as companhias de óleo e gás incluam em seus relatórios arquivados de reservas
provadas que a Companhia tenha comprovado por produção ou testes de formação conclusivos que sejam
viáveis econômica e legalmente nas condições econômicas e operacionais vigentes. Utilizamos alguns termos
nesta apresentação, tais como descobertas, que as orientações da SEC nos proíbem de usar em nossos
relatórios arquivados.




                                                                                                                     1
PRODUÇÃO NACIONAL DE ÓLEO E LGN


  5,6% de aumento no ano devido
  principalmente à entrada em
                                                          ,6%
  produção das plataformas:                             =5      1.778
                                                   Δ
  P-50 (Albacora Leste), em abril
  de 2006
                                                1.684




                                      mil bpd
  FPSO Capixaba (Golfinho), em maio
  de 2006
  P-34 (Jubarte), em dezembro
  de 2006



                                                2005            2006



                                                                        2
PRODUÇÃO TOTAL DE ÓLEO, LGN E GÁS NATURAL

    mil boed
                                                              %                   Δ= 1,4%            2.334
                                                      Δ = 3,5
                                                                               2.301

                                  2.278                 2.273
           2.256




           4T05                   1T06                   2T06                  3T06                   4T06


• Aumento da produção no 4T06 comparado ao trimestre anterior influenciado pela entrada em produção de novos poços
interligados à plataforma P-50 (Albacora Leste);
• No mesmo período a produção internacional apresentou queda na produção de óleo devido à parada por reivindicações
salariais na Argentina afetando a produção em alguns campos e na produção de gás em decorrência da menor demanda do gás
boliviano e da parada para conclusão de reparos nos dutos em San Antonio.

                                                                                                                          3
PREÇOS DE PETRÓLEO DO E&P
                US$/bbl               2005       2006          Δ
          Preço Médio de Venda        45,42      54,71       20,45%
              Brent (Média)           54,38      65,14       19,79%
                                                                                       69,62       69,49
                 Spread               8,96       10,43          -

                                                    61,53                    61,75                         59,68
US$/bbl




                                                                                         64,74   66,07
                                                     56,39      56,9
                                                                              57,59     58,20    58,69
                                       51,59                                                               56,08   US$ 10,98 bbl
                              47,83                  54,24          52,7      53,69
                44,00                   49,33                                                              48,70
                              44,19                             46,05
             39,70                       43,04

                            37,48
             35,11

                 4T04         1T05      2T05         3T05       4T05         1T06       2T06       3T06    4T06
                          Preço médio de venda               Brent (média)            Cesta OPEP



               O spread entre o preço médio do petróleo nacional e a cotação do Brent se manteve estável (US$ 10,80/bbl
                      no 3T06 e US$ 10,98/bbl no 4T06) apesar do movimento de baixa no mercado internacional
                                                                                                                                   4
REFINO NO BRASIL E VENDAS NO MERCADO INTERNO

  Mil barris/dia                                                                                                                                                           %
                89                                                                                                                                        89
                                                             93                                                                                                            90
 1. 9 5 0                             91
                                                                                       89
                                                                                                                                     87
                                                                                                               85                                                          80
                                       81                    80                                                                       80                   80
                  79                                                                        79
 1. 8 0 0                                                                                                      78
                                                                                                                                                                           70

                                  1. 8 12
 1. 6 5 0
                                                       1. 7 9 5                             1. 7 4 6                                                 1. 7 6 4              60
            1. 7 6 1
                                                                  1. 6 8 4       1. 7 5 3
                                                                                                                    1. 7 0 7   1. 7 3 5
                                                                                                         1. 6 9 6                                               1. 6 9 7
                                            1. 6 4 9
                       1. 6 3 5
                                                                                                                                          1. 6 4 4
 1. 5 0 0                                                                                                                                                                  50
                4 T0 5                1T 0 6               2 T0 6                    3 T0 6                  4 T0 6                2005                  2006
      Pr o d ução N aci o nal d e D er ivad o s                                                    V o lume d e V end as d e D er i vad o s
      U t il iz ação C ap acid ad e N o mi nal - B r asil ( %)                                     Par t i ci p ação ó leo naci o nal na C ar g a Pr o cessad a ( %)


Produção de derivados no 4T06 diminuiu                                        O volume de                           O ligeiro declínio da participação do óleo
em relação ao 3T06 em função paradas                                         vendas decresceu                       nacional se deveu às vantagens
programadas nas refinarias REVAP,                                            pela sazonalidade                      comerciais de processar maior
REFAP e REMAN, impactando também a                                           da demanda;                            quantidade de óleo leve, reduzindo a
utilização da capacidade;                                                                                           produção de óleo combustível.
                                                                                                                                                                                5
PREÇO MÉDIO DE REALIZAÇÃO - PMR
            US$/bbl         2005      2006        Δ
           PMR Brasil       58,58     70,92     21,07%

       Brent (Média)        54,38     65,14     19,79%           4T05                        3T06                   4T06
100         PMR EUA         65,14     75,52     15,93%           Média                       Média                  Média

                                                                 72,90                        81,83
80
                                                                 68,90                        72,28                  70,59

                                                                                                                     68,81
60                                                               56,90                        69,49
                                                                                                                     59,68

40



20
 dez/ 04          mar/ 05           jun/05            set / 05       dez/ 05   mar/ 06          jun/ 06       set / 06       dez/ 06
                        PMR Brasil (US$/ bbl)                                  Preço Médio Brent (US$/ bbl)
                        PMR EUA (US$/ bbl c/ vol. vend. no Brasil)



           No 4T06 nossos preços estiveram em linha com os preços praticados no mercado Americano.
                      Após o verão Americano os preços internacionais tenderam à baixa.
                                                                                                                                  6
DEMONSTRATIVO DE RESULTADO 4T06 VS 3T06

                                                3T 06      4T 06
                                                                                    41.041       - 5,4%
                 Receita Líquida                                                       43.363

                                                                26.696
                           CPV                                                                    -1,4%
                                                                27.066
  R$ milhões




                                          10.594
                        EBITDA                                                                  - 19,9%
                                              13.218

                                      7.829
               Lucro Operacional                                                                - 26,2%
                                          10.609

                                   5.200
                   Lucro Líquido                                                                - 26,6%
                                      7.085


• Queda de receita líquida devido à queda nos preços do petróleo (E&P) e de realização (Abast.) e menor
  volume de vendas no 4T06. O decréscimo do CPV não acompanhou a queda na receita em função da
  realização de estoques formados a custos mais elevados no 3T06 (critério de avaliação de estoques pelo
  custo médio);
• Elevação das despesas operacionais, especialmente Exploratórias e Gerais e Administrativas.
                                                                                                           7
ANÁLISE DAS DESPESAS OPERACIONAIS 4T06 VS 3T06

                                                     3T06      4T06
                                                                                  1.550           0,3%
             Despesas de Vendas
                                                                                  1.546

                                                                                          1.728   18,4%
R$ milhões




                 Gerais e Admin.
                                                                               1.459

                                                        818                                       54,0%
             Custos Exploratórios
                                              531

                                        356                                                       35,9%
                      Tributárias
                                     262

                                                                 1.059                            2,2%
                          Outras
                                                                1.036


• Despesas de vendas: ficou estável; apesar do decréscimo no volume total vendido no mercado interno,
  houve elevação dos volumes individuais de gasolina e diesel.
• Gerais e Adm.: maiores gastos com pessoal devido aumento da força de trabalho e ao acordo coletivo ;
• Custos Exploratórios: baixa de poços secos/sub-comerciais e atualização da provisão para abandono de
  área.
                                                                                                          8
EVOLUÇÃO DO RESULTADO NO TRIMESTRE (4T06 VS 3T06)

      Exploração & Produção – Evolução do Lucro Operacional – R$ milhões

   1.779                  Produção Doméstica de Óleo, LGN e Condensado (mil bpd)                                  1.823

           10.313          3.748


                                                             776            363           365
                                            796                                                         7.409




       3º Tri - 06 Lucro Efeito Preço na  Efeito Custo   Efeito Volume   Efeito Volume   Despesas   4º Tri - 06 Lucro
           Operac.           Receita     Médio no CPV      na Receita       no CPV        Operac.       Operac.




     O resultado operacional do E&P, 4T06, foi afetado particularmente pelo decréscimo nos
                         preços do petróleo no mercado internacional.
                                                                                                                          9
EVOLUÇÃO DO RESULTADO NO TRIMESTRE (4T06 VS 3T06)
                      Abastecimento – Evolução do Lucro Operacional – R$ milhões
                                                                        326            319
                                       4.191                                                        141           2.315
                                                       634


     1.533             3.557




3º Tri - 06 Lucro                                  Efeito Líquido   Efeito Volume Efeito Volume   Despesas   4º Tri - 06 Lucro
    Operac.                                                           na Receita     no CPV        Operac.       Operac.




                    Efeito Preço    Efeito Custo
                     na Receita    Médio no CPV
• O efeito da queda do PMR reduziu a receita do Abast em R$ 3.557 milhões;
• Os efeitos da queda de preços de transferência do E&P para o Abast e dos menores custos das operações offshore
  contribuíram para redução do custo médio (R$ 4.191 milhões).
• O efeito líquido de R$ 634 milhões reflete a utilização da realização de estoque formado a custos mais elevados no
  trimestre anterior.
                                                                                                                           10
EVOLUÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO – R$ milhões (4T06 VS 3T06)

      1.779                  Produção Doméstica de Óleo, LGN e Condensado (mil bpd)                                  1.823
         7.085     2.322


                                 370                                                       43
                                             828                          361
                                                                                                          63          5.200
                                                            640




         3T06 LL   Receita        CPV     Desp. Oper.   Desp. Fin., Não   Impostos   Part. acionistas      Part.      4T06 LL
                                                        Oper., Outros e               não control.      Empregados
                                                           Eq. Pat.

• Redução do lucro no 4T06 deveu-se, principalmente, aos menores preços médios de realização das
  exportações e dos derivados no mercado interno;
• A realização de estoque formado a custos mais elevados no trimestre anterior (critério de custo médio)
  impediu uma queda mais acentuada do CPV.
                                                                                                                                11
CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE NEGÓCIO PARA O LUCRO OPERACIONAL

     10.609        2.904                   4T05 vs. 3T05 (R$ milhões)
                                             327           45
                                 782                                   542          377           21          7.829




    3T06 Luc.       E&P         Abast.        G&E         Distr.      Inter.       Corp.         Elim.      4T06 Luc.
      Oper.                                                                                                   Oper.

Internacional: queda principalmente devido:                         G&E: melhoria em relação ao 3T06 em decorrência de:
• Redução das cotações internacionais do petróleo;                  • Aumento no lucro bruto, em função das melhores
• Menor volume comercializado na Argentina (greve dos petroleiros     margens na comercialização de energia;
   privados);                                                       • Reconhecimento da perda no trimestre anterior
• Menor volume vendido na Bolívia (reparo complementar no duto        decorrente do encerramento do contrato de hedge
   de San Antonio);                                                   para redução da volatilidade de preços do gás natural.
• Baixa de poços nos EUA, e gastos com sísmica na Arg. e EUA;
                                                                                                                        12
EXPORTAÇÃO LÍQUIDA DE PETRÓLEO E DERIVADOS

                      Superávit Físico de 128 mil bpd no 4T06 e 93 mil bpd no ano

        Exportação (mil barris/dia)                                   Importação (mil barris/dia)
                                                        669    559                                        540
                      581                 548    576
           523                 532                             109
                                                                             488     459           510
                                                        215            446                  442
                                                                             118                   137    132
 409                   246                        221                  94             115    88
            260                  270      281
  228
                                                               450
                                                        454                  370                          408
                                                                       352            344   354    373
                       335                        355
            263                 262       267
  181


 2004      2005       2006 1T06        2T06      3T06   4T06   2004   2005   2006   1T06    2T06   3T06    4T06

                    Petróleo                    Derivados

• O declínio da participação do óleo nacional na carga processada (devido às vantagens comerciais de
  processar maior quantidade de óleo leve, reduzindo a produção de óleo combustível) permitiu a elevação das
  exportações de petróleo pesado e a diminuição das exportações de óleo combustível;
• Em contrapartida houve elevação das importações de óleo leve e estabilidade na importação de derivados.
   2006 inclui exportações em andamento                                                                     13
Distribuição do Caixa e Aplicações Financeiras (R$ milhões)
                                                                                                                          1.600

  25.000
                                                                                                                          1.200


  15.000                                                                                                                  800
Caixa




                                                                                                                          400
        5.000

                                                                                                                          0
                      'jun/05        'set/05           'dez/05        'mar/06        'jun/06      'set/06       'dez/06
   (5.000)
 Var. Cambial*              Δ-5,5%             Δ5,3%             Δ-7,2%         Δ-0,4%         Δ0,5%        Δ-1,7%        (400)

(15.000)                                         Caixa
                                                 Fundos de Inv. DI / Tit. Públicos                                        (800)
                                                 Fundos de Inv. Cambial/ Exclusivos Cambial
                                                 No exterior
(25.000)                                         Receita Financeira                                                       (1.200)

        • Receita financeira reflete a posição do caixa indexada ao dólar como forma
        de hedge ao endividamento e aos custos dolarizados.


         * Dólar final de período                                                                                             14
ESTRUTURA DE CAPITAL

                                             Índices de Endividamento da Petrobras

        37%
                                                                               R$ milhões                         31/12/2006    31/12/2005
              32%                                                              Endividamento de
                                                                                               (1)                     13.074      11.116
                                              28%                              Curto Prazo
                                       26%            27%
                   26%                                                         Endividamento de
                             24%                                                                (1)                    33.531      37.126
                                                               28%             Longo Prazo
   20%                                 20%
                   19%                                                         Endividamento Total                     46.605      48.242
                             23%              18%
                                                      17%
                                                               16%
          19%                                                                  Caixa e Aplic.
                                                                                                                       27.829      23.417
                                                                               Financeiras
                                                                               Endividamento
mar/05 jun/05 set/05 dez/05 mar/06 jun/06 set/06 dez/06                                  (2)                           18.776      24.825
                                                                               Líquido
                 End. Líq./Cap. Líq.    End. CP/End. Total

                                             Queda no endividamento total e líquido:
                                   Forte geração de caixa operacional vem possibilitando a redução da
                                        dívida (recompra de títulos) e aumento do saldo de caixa

  (1)    Inclui endividamento contraído através de contratos de Leasing (R$ 2.540 em 31.12.2006 e R$ 3.300 em 31.12.2005).
  (2)    Endividamento Total – Disponibilidades
                                                                                                                                             15
DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - CONSOLIDADO



                                                                   R$ milhões
                                                                4T06              3T06
    (=) Caixa Gerado pelas Atividades Operacionais            13.244            10.209
    (-) Caixa Utilizado em Atividades de Investimento        (12.061)           (8.341)
    (=) Fluxo de Caixa Livre                                   1.183             1.868
    (-) Caixa Utilizado em Atividades de Financiamento         2.127               (62)
        Financiamentos                                         2.128               (60)
        Dividendos                                                (1)               (2)
    (=) Geração de Caixa no Período                            3.310             1.806
    Caixa no Início do Período                                24.519            22.713
    Caixa no Final do Período                                 27.829            24.519



                     Elevação de R$ 3,3 bilhões no caixa no trimestre.

                                                                                          16
INVESTIMENTOS



                                                           2006         %          2005         %         %
Investimentos Diretos                                  29.769         90      22.927         89          30
Exploração e produção                                  15.314         51      13.934         54          10
Abastecimento                                           4.181         13       3.286         13          27
Gás e Energia                                           1.566          5       1.527          6            3
Internacional                                           7.161         17       3.153         12         127
Distribuição                                              642          2         495          2          30
Corporativo                                               905          2         532          2          70
Sociedades de Propósito Específico (SPEs)               3.507          9       2.385         10          47
Empreendimentos em Negociação                             409          1         311          1          32
Projetos Estruturados                                       1        -            87        -            -
Total de investimentos                                 33.686        100      25.710        100          31



  Investindo prioritariamente no desenvolvimento da capacidade de produção de petróleo e gás natural,
     através de investimentos próprios e da estruturação de empreendimentos com parceiros.

                                                                                                               17
CUSTOS DE EXTRAÇÃO SEM PARTICIPAÇÃO GOVERNAMENTAL
                                                                 Δ = 9% ou US$ 0,60
                                                                                     7,24
                                    6,32                             6,64
 US$/bbl            6,07                             6,12




                    4T 05           1T06            2T06             3T06            4T06

                                      PRINCIPAIS CAUSAS

Maiores gastos com:
• Utilização de sondas;
• Serviços e materiais para manutenções;
• Reparos e intervenções em poços;
• Gastos com pessoal em função reajuste salarial;
• Custos unitários iniciais mais elevados dos projetos da FPSO-Capixaba em Golfinho e P-34 em Jubarte,
que tenderão a reduzir com aumento da produção.

                                                                                                         18
CUSTOS DE EXTRAÇÃO COM PARTICIPAÇÃO GOVERNAMENTAL

      26
                                                                61,5                61,8
                                                                                               69,6              59,7
                                                                          56,9                          69,5            60
                                                    51,6
                                          47,5                                                           18,1    17,6
                                                                                      17,3    17,5
                                                                           16,1
      16                         38,2                           15,2
                                                                                                                        40
US$/boe




                                          13,6      13,9
                      28,8
               24,8                                                                                 64% 11,5 59% 10,4
                                   10,7
                                                                          10,0    64% 11,0 65% 11,4
                           8,5            7,7 59% 8,4           9,7
                                                                                                                        20
                7,0
                                  6,4
          6               5,1
                4,0 57%
                                          6,0                              6,1       6,3       6,1      6,6      7,2
                                  4,3                5,4        5,4                                                     0
                3,0       3,4

               2002       2003    2004    1T05      2T05        3T05      4T05       1T06     2T06      3T06    4T06
          -4                                                                                                            -20
                                                 Lifting Cost          Participação Gov.        Brent


               Menor participação governamental no trimestre em função da diminuição dos preços médios de
                            referência do petróleo nacional, atrelados às cotações internacionais.

                                                                                                                        19
CUSTOS DE REFINO NO BRASIL (US$bbl)


                                                        Δ = 9% ou US$ 0,23
                                                                           2,71
                                                           2,48

         2,03                             2,07
                          1,90




         4T 05           1T 06           2T 06            3T 06           4T 06




  Aumento de 9% no 4T06 em relação ao período anterior refletindo o aumento dos gastos com
   pessoal em função do Acordo Coletivo de Trabalho 2006/2007 e das paradas programadas.
                                                                                         20
COMPARAÇÃO DE LUCRO LÍQUIDO 3T06 Vs 4T06 E 2006 Vs 2005
                  A Petrobras obteve o maior crescimento anual entre as majors...
                     US$ bilhões     2005        2006     2006/ 2005
                   Petrobras*            9,74       11,92      22,3%
                   Chevron              14,10       17,14     21,6%
                   ConocoPhillips       13,53       15,55     14,9%
                   Exxon                36,13       39,50       9,3%
                   Shell                25,31       25,44       0,5%
                   BP                   22,34       22,00      -1,5%
                   Média                                      11,2%
...mas no entanto teve seus resultados do 4T06 afetados pela queda do preço do Brent.
                             US$ bilhões                  3T06             4T06   4T06/3T06
                           Exxon                           10,49            10,25      -2,3%
                           Shell                            5,94             5,28    -11,1%
                           ConocoPhillips                   3,88             3,20    -17,5%
                           Chevron                          5,02             3,77    -24,8%
                           Petrobras*                       3,26             2,42     -25,8%
                           BP                               6,23             2,88    -53,8%
                           Média                                                     -22,5%
Fonte: Evaluate Energy
* Resultados Petrobras convertidos pelos dólares médios dos períodos em questão
                                                                                               21
SESSÃO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS
  Visite nosso website: www.petrobras.com.br/ri
                     Para mais informações favor contactar:
                     Petróleo Brasileiro S.A – PETROBRAS
          Departamento de Relacionamento com Investidores
             Raul Adalberto de Campos– Gerente Executivo

                       E-mail: petroinvest@petrobras.com.br
                      Av. República do Chile, 65 – 22o andar
                             20031-912 – Rio de Janeiro, RJ
                              (55-21) 3224-1510 / 3224-9947




                                                               22

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Webcast 2T12
Webcast 2T12Webcast 2T12
Webcast 2T12
Petrobras
 
Divulgação de Resultados do 3o. trimestre de 2011 - IFRS
Divulgação de Resultados do 3o. trimestre de 2011 - IFRSDivulgação de Resultados do 3o. trimestre de 2011 - IFRS
Divulgação de Resultados do 3o. trimestre de 2011 - IFRS
Petrobras
 
Divulgação de Resultados do 1o. trimestre de 2011 - IFRS
Divulgação de Resultados do 1o. trimestre de 2011 - IFRSDivulgação de Resultados do 1o. trimestre de 2011 - IFRS
Divulgação de Resultados do 1o. trimestre de 2011 - IFRS
Petrobras
 
Apresentação Webcast Plano de Negócios 2011-2015
Apresentação Webcast Plano de Negócios 2011-2015 Apresentação Webcast Plano de Negócios 2011-2015
Apresentação Webcast Plano de Negócios 2011-2015
Petrobras
 
Webcast 3T13
Webcast 3T13Webcast 3T13
Webcast 3T13
Petrobras
 
Webcast sobre Resultados do 4º trimestre e exercício de 2013
Webcast sobre Resultados do 4º trimestre e exercício de 2013Webcast sobre Resultados do 4º trimestre e exercício de 2013
Webcast sobre Resultados do 4º trimestre e exercício de 2013
Petrobras
 
Webcast 4T09
Webcast 4T09Webcast 4T09
Webcast 4T09
Petrobras
 
Webcast sobre o 1º trimestre de 2013
Webcast sobre o 1º trimestre de 2013Webcast sobre o 1º trimestre de 2013
Webcast sobre o 1º trimestre de 2013
Petrobras
 
Apresentação petrobras port 01 03-11
Apresentação petrobras port 01 03-11Apresentação petrobras port 01 03-11
Apresentação petrobras port 01 03-11
Petrobras
 
Webcast 2T10 IFRS
Webcast 2T10 IFRSWebcast 2T10 IFRS
Webcast 2T10 IFRS
Petrobras
 
Webcast sobre Resultados do 1T14
Webcast sobre Resultados do 1T14Webcast sobre Resultados do 1T14
Webcast sobre Resultados do 1T14
Petrobras
 
Webcast 1T15
Webcast 1T15Webcast 1T15
Webcast 1T15
Petrobras
 
Fato Relevante: Plano de Negocios e Gestao - 2013-2017
Fato Relevante: Plano de Negocios e Gestao - 2013-2017Fato Relevante: Plano de Negocios e Gestao - 2013-2017
Fato Relevante: Plano de Negocios e Gestao - 2013-2017
Petrobras
 
Webcast 1T08
Webcast 1T08Webcast 1T08
Webcast 1T08
Petrobras
 
Webcast 3T15
Webcast 3T15Webcast 3T15
Webcast 3T15
Petrobras
 
Webcast 3 t07_port
Webcast 3 t07_portWebcast 3 t07_port
Webcast 3 t07_port
Petrobras
 
Webcast 4T14
Webcast 4T14Webcast 4T14
Webcast 4T14
Petrobras
 
Webcast 3T09
Webcast 3T09Webcast 3T09
Webcast 3T09
Petrobras
 
Webcast - 3º trimestre de 2012
Webcast - 3º trimestre de 2012Webcast - 3º trimestre de 2012
Webcast - 3º trimestre de 2012
Petrobras
 
Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014
Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014
Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014
Petrobras
 

Mais procurados (20)

Webcast 2T12
Webcast 2T12Webcast 2T12
Webcast 2T12
 
Divulgação de Resultados do 3o. trimestre de 2011 - IFRS
Divulgação de Resultados do 3o. trimestre de 2011 - IFRSDivulgação de Resultados do 3o. trimestre de 2011 - IFRS
Divulgação de Resultados do 3o. trimestre de 2011 - IFRS
 
Divulgação de Resultados do 1o. trimestre de 2011 - IFRS
Divulgação de Resultados do 1o. trimestre de 2011 - IFRSDivulgação de Resultados do 1o. trimestre de 2011 - IFRS
Divulgação de Resultados do 1o. trimestre de 2011 - IFRS
 
Apresentação Webcast Plano de Negócios 2011-2015
Apresentação Webcast Plano de Negócios 2011-2015 Apresentação Webcast Plano de Negócios 2011-2015
Apresentação Webcast Plano de Negócios 2011-2015
 
Webcast 3T13
Webcast 3T13Webcast 3T13
Webcast 3T13
 
Webcast sobre Resultados do 4º trimestre e exercício de 2013
Webcast sobre Resultados do 4º trimestre e exercício de 2013Webcast sobre Resultados do 4º trimestre e exercício de 2013
Webcast sobre Resultados do 4º trimestre e exercício de 2013
 
Webcast 4T09
Webcast 4T09Webcast 4T09
Webcast 4T09
 
Webcast sobre o 1º trimestre de 2013
Webcast sobre o 1º trimestre de 2013Webcast sobre o 1º trimestre de 2013
Webcast sobre o 1º trimestre de 2013
 
Apresentação petrobras port 01 03-11
Apresentação petrobras port 01 03-11Apresentação petrobras port 01 03-11
Apresentação petrobras port 01 03-11
 
Webcast 2T10 IFRS
Webcast 2T10 IFRSWebcast 2T10 IFRS
Webcast 2T10 IFRS
 
Webcast sobre Resultados do 1T14
Webcast sobre Resultados do 1T14Webcast sobre Resultados do 1T14
Webcast sobre Resultados do 1T14
 
Webcast 1T15
Webcast 1T15Webcast 1T15
Webcast 1T15
 
Fato Relevante: Plano de Negocios e Gestao - 2013-2017
Fato Relevante: Plano de Negocios e Gestao - 2013-2017Fato Relevante: Plano de Negocios e Gestao - 2013-2017
Fato Relevante: Plano de Negocios e Gestao - 2013-2017
 
Webcast 1T08
Webcast 1T08Webcast 1T08
Webcast 1T08
 
Webcast 3T15
Webcast 3T15Webcast 3T15
Webcast 3T15
 
Webcast 3 t07_port
Webcast 3 t07_portWebcast 3 t07_port
Webcast 3 t07_port
 
Webcast 4T14
Webcast 4T14Webcast 4T14
Webcast 4T14
 
Webcast 3T09
Webcast 3T09Webcast 3T09
Webcast 3T09
 
Webcast - 3º trimestre de 2012
Webcast - 3º trimestre de 2012Webcast - 3º trimestre de 2012
Webcast - 3º trimestre de 2012
 
Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014
Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014
Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014
 

Destaque

Webcast 3T08
Webcast 3T08Webcast 3T08
Webcast 3T08
Petrobras
 
Webcast 4T08
Webcast 4T08Webcast 4T08
Webcast 4T08
Petrobras
 
Webcast 4 t09_port
Webcast 4 t09_portWebcast 4 t09_port
Webcast 4 t09_port
Petrobras
 
Webcast 4T07
Webcast 4T07Webcast 4T07
Webcast 4T07Petrobras
 
Webcast 1T10
Webcast 1T10Webcast 1T10
Webcast 1T10
Petrobras
 
Webcast portugues final_atualizada
Webcast portugues final_atualizadaWebcast portugues final_atualizada
Webcast portugues final_atualizada
Petrobras
 
Webcast 1T09
Webcast 1T09Webcast 1T09
Webcast 1T09
Petrobras
 
Webcast 2T15
Webcast 2T15Webcast 2T15
Webcast 2T15
Petrobras
 

Destaque (8)

Webcast 3T08
Webcast 3T08Webcast 3T08
Webcast 3T08
 
Webcast 4T08
Webcast 4T08Webcast 4T08
Webcast 4T08
 
Webcast 4 t09_port
Webcast 4 t09_portWebcast 4 t09_port
Webcast 4 t09_port
 
Webcast 4T07
Webcast 4T07Webcast 4T07
Webcast 4T07
 
Webcast 1T10
Webcast 1T10Webcast 1T10
Webcast 1T10
 
Webcast portugues final_atualizada
Webcast portugues final_atualizadaWebcast portugues final_atualizada
Webcast portugues final_atualizada
 
Webcast 1T09
Webcast 1T09Webcast 1T09
Webcast 1T09
 
Webcast 2T15
Webcast 2T15Webcast 2T15
Webcast 2T15
 

Semelhante a Webcast4 t06port

Webcast2 t06 port
Webcast2 t06 portWebcast2 t06 port
Webcast2 t06 port
Petrobras
 
Webcast: Divulgação de Resultados do 1º trimestre de 2006
Webcast: Divulgação de Resultados do 1º trimestre de 2006Webcast: Divulgação de Resultados do 1º trimestre de 2006
Webcast: Divulgação de Resultados do 1º trimestre de 2006
Petrobras
 
Webcast 2T09
Webcast 2T09Webcast 2T09
Webcast 2T09
Petrobras
 
Webcast 2 t09
Webcast 2 t09Webcast 2 t09
Webcast 2 t09
Petrobras
 
Relatório de Análise Setorial da Indústria Baiana - Edição 6 de 2012
Relatório de Análise Setorial da Indústria Baiana - Edição 6 de 2012Relatório de Análise Setorial da Indústria Baiana - Edição 6 de 2012
Relatório de Análise Setorial da Indústria Baiana - Edição 6 de 2012
Sistema FIEB
 
Forum tendencias alianca Brasil
Forum tendencias alianca BrasilForum tendencias alianca Brasil
Forum tendencias alianca Brasil
Petrobras
 
Apresentação 4T08
Apresentação 4T08Apresentação 4T08
Apresentação 4T08
BrasilEcodiesel
 
Apresentação de resultados 4 t08
Apresentação de resultados 4 t08Apresentação de resultados 4 t08
Apresentação de resultados 4 t08
BrasilEcodiesel
 
Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port (final)
Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port (final)Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port (final)
Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port (final)
AES Eletropaulo
 
Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port [modo de compatibi...
Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port [modo de compatibi...Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port [modo de compatibi...
Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port [modo de compatibi...
AES Eletropaulo
 
Projetos para 2007 e Financiabilidade do PN 2007-11
Projetos para 2007 e Financiabilidade do PN 2007-11Projetos para 2007 e Financiabilidade do PN 2007-11
Projetos para 2007 e Financiabilidade do PN 2007-11
Petrobras
 
Grendene - Apresentação XP Investimentos
Grendene - Apresentação XP InvestimentosGrendene - Apresentação XP Investimentos
Grendene - Apresentação XP Investimentos
Grendene
 
Apresentacao luciana 1302
Apresentacao luciana 1302 Apresentacao luciana 1302
Apresentacao luciana 1302
Petrobras
 
13 02-2008 Luciana Bastos de Freitas Rachid sobre perspectivas para o gás em...
13 02-2008 Luciana Bastos de Freitas Rachid sobre  perspectivas para o gás em...13 02-2008 Luciana Bastos de Freitas Rachid sobre  perspectivas para o gás em...
13 02-2008 Luciana Bastos de Freitas Rachid sobre perspectivas para o gás em...
Petrobras
 
Resultados financeiros do 1º trimestre
Resultados financeiros do 1º trimestreResultados financeiros do 1º trimestre
Resultados financeiros do 1º trimestre
FatoseDados
 
Resultados financeiros do 2º trimestre
Resultados financeiros do 2º trimestreResultados financeiros do 2º trimestre
Resultados financeiros do 2º trimestre
FatoseDados
 
Cr2 apresentação btg - jan-11 - final
Cr2   apresentação btg - jan-11 - finalCr2   apresentação btg - jan-11 - final
Cr2 apresentação btg - jan-11 - final
CR2
 
Cr2 apresentação btg - jan-11 - final
Cr2   apresentação btg - jan-11 - finalCr2   apresentação btg - jan-11 - final
Cr2 apresentação btg - jan-11 - final
SiteriCR2
 
Forum energia estadao
Forum energia estadaoForum energia estadao
Forum energia estadao
Petrobras
 
Roadshow Debêntures
Roadshow DebênturesRoadshow Debêntures
Roadshow Debêntures
CPFL RI
 

Semelhante a Webcast4 t06port (20)

Webcast2 t06 port
Webcast2 t06 portWebcast2 t06 port
Webcast2 t06 port
 
Webcast: Divulgação de Resultados do 1º trimestre de 2006
Webcast: Divulgação de Resultados do 1º trimestre de 2006Webcast: Divulgação de Resultados do 1º trimestre de 2006
Webcast: Divulgação de Resultados do 1º trimestre de 2006
 
Webcast 2T09
Webcast 2T09Webcast 2T09
Webcast 2T09
 
Webcast 2 t09
Webcast 2 t09Webcast 2 t09
Webcast 2 t09
 
Relatório de Análise Setorial da Indústria Baiana - Edição 6 de 2012
Relatório de Análise Setorial da Indústria Baiana - Edição 6 de 2012Relatório de Análise Setorial da Indústria Baiana - Edição 6 de 2012
Relatório de Análise Setorial da Indústria Baiana - Edição 6 de 2012
 
Forum tendencias alianca Brasil
Forum tendencias alianca BrasilForum tendencias alianca Brasil
Forum tendencias alianca Brasil
 
Apresentação 4T08
Apresentação 4T08Apresentação 4T08
Apresentação 4T08
 
Apresentação de resultados 4 t08
Apresentação de resultados 4 t08Apresentação de resultados 4 t08
Apresentação de resultados 4 t08
 
Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port (final)
Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port (final)Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port (final)
Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port (final)
 
Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port [modo de compatibi...
Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port [modo de compatibi...Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port [modo de compatibi...
Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port [modo de compatibi...
 
Projetos para 2007 e Financiabilidade do PN 2007-11
Projetos para 2007 e Financiabilidade do PN 2007-11Projetos para 2007 e Financiabilidade do PN 2007-11
Projetos para 2007 e Financiabilidade do PN 2007-11
 
Grendene - Apresentação XP Investimentos
Grendene - Apresentação XP InvestimentosGrendene - Apresentação XP Investimentos
Grendene - Apresentação XP Investimentos
 
Apresentacao luciana 1302
Apresentacao luciana 1302 Apresentacao luciana 1302
Apresentacao luciana 1302
 
13 02-2008 Luciana Bastos de Freitas Rachid sobre perspectivas para o gás em...
13 02-2008 Luciana Bastos de Freitas Rachid sobre  perspectivas para o gás em...13 02-2008 Luciana Bastos de Freitas Rachid sobre  perspectivas para o gás em...
13 02-2008 Luciana Bastos de Freitas Rachid sobre perspectivas para o gás em...
 
Resultados financeiros do 1º trimestre
Resultados financeiros do 1º trimestreResultados financeiros do 1º trimestre
Resultados financeiros do 1º trimestre
 
Resultados financeiros do 2º trimestre
Resultados financeiros do 2º trimestreResultados financeiros do 2º trimestre
Resultados financeiros do 2º trimestre
 
Cr2 apresentação btg - jan-11 - final
Cr2   apresentação btg - jan-11 - finalCr2   apresentação btg - jan-11 - final
Cr2 apresentação btg - jan-11 - final
 
Cr2 apresentação btg - jan-11 - final
Cr2   apresentação btg - jan-11 - finalCr2   apresentação btg - jan-11 - final
Cr2 apresentação btg - jan-11 - final
 
Forum energia estadao
Forum energia estadaoForum energia estadao
Forum energia estadao
 
Roadshow Debêntures
Roadshow DebênturesRoadshow Debêntures
Roadshow Debêntures
 

Mais de Petrobras

Strategic Plan 2040 || Business and Management Plan 2019-2023
Strategic Plan 2040 || Business and Management Plan 2019-2023Strategic Plan 2040 || Business and Management Plan 2019-2023
Strategic Plan 2040 || Business and Management Plan 2019-2023
Petrobras
 
Plano Estratégico 2040 || Plano de Negócios e Gestão 2019-2023
Plano Estratégico 2040 || Plano de Negócios e Gestão 2019-2023Plano Estratégico 2040 || Plano de Negócios e Gestão 2019-2023
Plano Estratégico 2040 || Plano de Negócios e Gestão 2019-2023
Petrobras
 
Petrobras Overview - September 2018
Petrobras Overview - September 2018Petrobras Overview - September 2018
Petrobras Overview - September 2018
Petrobras
 
Apresentação Investor Day, São Paulo, 2018
Apresentação Investor Day, São Paulo, 2018Apresentação Investor Day, São Paulo, 2018
Apresentação Investor Day, São Paulo, 2018
Petrobras
 
Petrobras Investor Day - London 2018
Petrobras Investor Day - London 2018Petrobras Investor Day - London 2018
Petrobras Investor Day - London 2018
Petrobras
 
Sustentabilidade 2017
Sustentabilidade 2017Sustentabilidade 2017
Sustentabilidade 2017
Petrobras
 
Apresentacao png-2018-2022-webcast-ingles
Apresentacao png-2018-2022-webcast-inglesApresentacao png-2018-2022-webcast-ingles
Apresentacao png-2018-2022-webcast-ingles
Petrobras
 
Apresentação PNG 2018-2022
Apresentação PNG 2018-2022Apresentação PNG 2018-2022
Apresentação PNG 2018-2022
Petrobras
 
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day Nova York
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day Nova YorkApresentação de Pedro Parente no Investor Day Nova York
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day Nova York
Petrobras
 
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day Londres
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day LondresApresentação de Pedro Parente no Investor Day Londres
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day Londres
Petrobras
 
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day São Paulo
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day São PauloApresentação de Pedro Parente no Investor Day São Paulo
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day São Paulo
Petrobras
 
Visão Geral 2017 fevereiro
Visão Geral   2017 fevereiro Visão Geral   2017 fevereiro
Visão Geral 2017 fevereiro
Petrobras
 
Petrobras General Overview
Petrobras General OverviewPetrobras General Overview
Petrobras General Overview
Petrobras
 
Petrobras at a Glance
Petrobras at a GlancePetrobras at a Glance
Petrobras at a Glance
Petrobras
 
Visão Geral Petrobras
Visão Geral PetrobrasVisão Geral Petrobras
Visão Geral Petrobras
Petrobras
 
Strategic Plan and 2017-2021 Business & Management Plan
Strategic Plan and 2017-2021 Business & Management PlanStrategic Plan and 2017-2021 Business & Management Plan
Strategic Plan and 2017-2021 Business & Management Plan
Petrobras
 
Plano Estratégico e Plano de Negócios e Gestão 2017-2021
Plano Estratégico e Plano de Negócios e Gestão 2017-2021Plano Estratégico e Plano de Negócios e Gestão 2017-2021
Plano Estratégico e Plano de Negócios e Gestão 2017-2021
Petrobras
 
Plano de Negócios e Gestão 2015 – 2019
Plano de Negócios e Gestão 2015 – 2019 Plano de Negócios e Gestão 2015 – 2019
Plano de Negócios e Gestão 2015 – 2019
Petrobras
 
Webcast 1T16
Webcast 1T16Webcast 1T16
Webcast 1T16
Petrobras
 
Webcast 1Q16
Webcast 1Q16Webcast 1Q16
Webcast 1Q16
Petrobras
 

Mais de Petrobras (20)

Strategic Plan 2040 || Business and Management Plan 2019-2023
Strategic Plan 2040 || Business and Management Plan 2019-2023Strategic Plan 2040 || Business and Management Plan 2019-2023
Strategic Plan 2040 || Business and Management Plan 2019-2023
 
Plano Estratégico 2040 || Plano de Negócios e Gestão 2019-2023
Plano Estratégico 2040 || Plano de Negócios e Gestão 2019-2023Plano Estratégico 2040 || Plano de Negócios e Gestão 2019-2023
Plano Estratégico 2040 || Plano de Negócios e Gestão 2019-2023
 
Petrobras Overview - September 2018
Petrobras Overview - September 2018Petrobras Overview - September 2018
Petrobras Overview - September 2018
 
Apresentação Investor Day, São Paulo, 2018
Apresentação Investor Day, São Paulo, 2018Apresentação Investor Day, São Paulo, 2018
Apresentação Investor Day, São Paulo, 2018
 
Petrobras Investor Day - London 2018
Petrobras Investor Day - London 2018Petrobras Investor Day - London 2018
Petrobras Investor Day - London 2018
 
Sustentabilidade 2017
Sustentabilidade 2017Sustentabilidade 2017
Sustentabilidade 2017
 
Apresentacao png-2018-2022-webcast-ingles
Apresentacao png-2018-2022-webcast-inglesApresentacao png-2018-2022-webcast-ingles
Apresentacao png-2018-2022-webcast-ingles
 
Apresentação PNG 2018-2022
Apresentação PNG 2018-2022Apresentação PNG 2018-2022
Apresentação PNG 2018-2022
 
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day Nova York
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day Nova YorkApresentação de Pedro Parente no Investor Day Nova York
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day Nova York
 
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day Londres
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day LondresApresentação de Pedro Parente no Investor Day Londres
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day Londres
 
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day São Paulo
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day São PauloApresentação de Pedro Parente no Investor Day São Paulo
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day São Paulo
 
Visão Geral 2017 fevereiro
Visão Geral   2017 fevereiro Visão Geral   2017 fevereiro
Visão Geral 2017 fevereiro
 
Petrobras General Overview
Petrobras General OverviewPetrobras General Overview
Petrobras General Overview
 
Petrobras at a Glance
Petrobras at a GlancePetrobras at a Glance
Petrobras at a Glance
 
Visão Geral Petrobras
Visão Geral PetrobrasVisão Geral Petrobras
Visão Geral Petrobras
 
Strategic Plan and 2017-2021 Business & Management Plan
Strategic Plan and 2017-2021 Business & Management PlanStrategic Plan and 2017-2021 Business & Management Plan
Strategic Plan and 2017-2021 Business & Management Plan
 
Plano Estratégico e Plano de Negócios e Gestão 2017-2021
Plano Estratégico e Plano de Negócios e Gestão 2017-2021Plano Estratégico e Plano de Negócios e Gestão 2017-2021
Plano Estratégico e Plano de Negócios e Gestão 2017-2021
 
Plano de Negócios e Gestão 2015 – 2019
Plano de Negócios e Gestão 2015 – 2019 Plano de Negócios e Gestão 2015 – 2019
Plano de Negócios e Gestão 2015 – 2019
 
Webcast 1T16
Webcast 1T16Webcast 1T16
Webcast 1T16
 
Webcast 1Q16
Webcast 1Q16Webcast 1Q16
Webcast 1Q16
 

Webcast4 t06port

  • 1. Teleconferência / Webcast Almir Barbassa Divulgação de Resultados Diretor Financeiro e de Relações 4º trimestre e exercício de 2006 com Investidores (Legislação Societária) 14 de fevereiro de 2007
  • 2. AVISO As apresentações podem conter previsões acerca de eventos futuros. Tais previsões refletem apenas expectativas dos administradores da Companhia. Os termos antecipa", "acredita", "espera", "prevê", "pretende", "planeja", "projeta", "objetiva", "deverá", bem como outros termos similares, visam a identificar tais previsões, as quais, evidentemente, envolvem riscos ou incertezas previstos ou não pela Companhia. Portanto, os resultados futuros das operações da Companhia podem diferir das atuais expectativas, e o leitor não deve se basear exclusivamente nas informações aqui contidas. A Companhia não se obriga a atualizar as apresentações e previsões à luz de novas informações ou de seus desdobramentos futuros. Investidores Norte-Americanos: A SEC somente permite que as companhias de óleo e gás incluam em seus relatórios arquivados de reservas provadas que a Companhia tenha comprovado por produção ou testes de formação conclusivos que sejam viáveis econômica e legalmente nas condições econômicas e operacionais vigentes. Utilizamos alguns termos nesta apresentação, tais como descobertas, que as orientações da SEC nos proíbem de usar em nossos relatórios arquivados. 1
  • 3. PRODUÇÃO NACIONAL DE ÓLEO E LGN 5,6% de aumento no ano devido principalmente à entrada em ,6% produção das plataformas: =5 1.778 Δ P-50 (Albacora Leste), em abril de 2006 1.684 mil bpd FPSO Capixaba (Golfinho), em maio de 2006 P-34 (Jubarte), em dezembro de 2006 2005 2006 2
  • 4. PRODUÇÃO TOTAL DE ÓLEO, LGN E GÁS NATURAL mil boed % Δ= 1,4% 2.334 Δ = 3,5 2.301 2.278 2.273 2.256 4T05 1T06 2T06 3T06 4T06 • Aumento da produção no 4T06 comparado ao trimestre anterior influenciado pela entrada em produção de novos poços interligados à plataforma P-50 (Albacora Leste); • No mesmo período a produção internacional apresentou queda na produção de óleo devido à parada por reivindicações salariais na Argentina afetando a produção em alguns campos e na produção de gás em decorrência da menor demanda do gás boliviano e da parada para conclusão de reparos nos dutos em San Antonio. 3
  • 5. PREÇOS DE PETRÓLEO DO E&P US$/bbl 2005 2006 Δ Preço Médio de Venda 45,42 54,71 20,45% Brent (Média) 54,38 65,14 19,79% 69,62 69,49 Spread 8,96 10,43 - 61,53 61,75 59,68 US$/bbl 64,74 66,07 56,39 56,9 57,59 58,20 58,69 51,59 56,08 US$ 10,98 bbl 47,83 54,24 52,7 53,69 44,00 49,33 48,70 44,19 46,05 39,70 43,04 37,48 35,11 4T04 1T05 2T05 3T05 4T05 1T06 2T06 3T06 4T06 Preço médio de venda Brent (média) Cesta OPEP O spread entre o preço médio do petróleo nacional e a cotação do Brent se manteve estável (US$ 10,80/bbl no 3T06 e US$ 10,98/bbl no 4T06) apesar do movimento de baixa no mercado internacional 4
  • 6. REFINO NO BRASIL E VENDAS NO MERCADO INTERNO Mil barris/dia % 89 89 93 90 1. 9 5 0 91 89 87 85 80 81 80 80 80 79 79 1. 8 0 0 78 70 1. 8 12 1. 6 5 0 1. 7 9 5 1. 7 4 6 1. 7 6 4 60 1. 7 6 1 1. 6 8 4 1. 7 5 3 1. 7 0 7 1. 7 3 5 1. 6 9 6 1. 6 9 7 1. 6 4 9 1. 6 3 5 1. 6 4 4 1. 5 0 0 50 4 T0 5 1T 0 6 2 T0 6 3 T0 6 4 T0 6 2005 2006 Pr o d ução N aci o nal d e D er ivad o s V o lume d e V end as d e D er i vad o s U t il iz ação C ap acid ad e N o mi nal - B r asil ( %) Par t i ci p ação ó leo naci o nal na C ar g a Pr o cessad a ( %) Produção de derivados no 4T06 diminuiu O volume de O ligeiro declínio da participação do óleo em relação ao 3T06 em função paradas vendas decresceu nacional se deveu às vantagens programadas nas refinarias REVAP, pela sazonalidade comerciais de processar maior REFAP e REMAN, impactando também a da demanda; quantidade de óleo leve, reduzindo a utilização da capacidade; produção de óleo combustível. 5
  • 7. PREÇO MÉDIO DE REALIZAÇÃO - PMR US$/bbl 2005 2006 Δ PMR Brasil 58,58 70,92 21,07% Brent (Média) 54,38 65,14 19,79% 4T05 3T06 4T06 100 PMR EUA 65,14 75,52 15,93% Média Média Média 72,90 81,83 80 68,90 72,28 70,59 68,81 60 56,90 69,49 59,68 40 20 dez/ 04 mar/ 05 jun/05 set / 05 dez/ 05 mar/ 06 jun/ 06 set / 06 dez/ 06 PMR Brasil (US$/ bbl) Preço Médio Brent (US$/ bbl) PMR EUA (US$/ bbl c/ vol. vend. no Brasil) No 4T06 nossos preços estiveram em linha com os preços praticados no mercado Americano. Após o verão Americano os preços internacionais tenderam à baixa. 6
  • 8. DEMONSTRATIVO DE RESULTADO 4T06 VS 3T06 3T 06 4T 06 41.041 - 5,4% Receita Líquida 43.363 26.696 CPV -1,4% 27.066 R$ milhões 10.594 EBITDA - 19,9% 13.218 7.829 Lucro Operacional - 26,2% 10.609 5.200 Lucro Líquido - 26,6% 7.085 • Queda de receita líquida devido à queda nos preços do petróleo (E&P) e de realização (Abast.) e menor volume de vendas no 4T06. O decréscimo do CPV não acompanhou a queda na receita em função da realização de estoques formados a custos mais elevados no 3T06 (critério de avaliação de estoques pelo custo médio); • Elevação das despesas operacionais, especialmente Exploratórias e Gerais e Administrativas. 7
  • 9. ANÁLISE DAS DESPESAS OPERACIONAIS 4T06 VS 3T06 3T06 4T06 1.550 0,3% Despesas de Vendas 1.546 1.728 18,4% R$ milhões Gerais e Admin. 1.459 818 54,0% Custos Exploratórios 531 356 35,9% Tributárias 262 1.059 2,2% Outras 1.036 • Despesas de vendas: ficou estável; apesar do decréscimo no volume total vendido no mercado interno, houve elevação dos volumes individuais de gasolina e diesel. • Gerais e Adm.: maiores gastos com pessoal devido aumento da força de trabalho e ao acordo coletivo ; • Custos Exploratórios: baixa de poços secos/sub-comerciais e atualização da provisão para abandono de área. 8
  • 10. EVOLUÇÃO DO RESULTADO NO TRIMESTRE (4T06 VS 3T06) Exploração & Produção – Evolução do Lucro Operacional – R$ milhões 1.779 Produção Doméstica de Óleo, LGN e Condensado (mil bpd) 1.823 10.313 3.748 776 363 365 796 7.409 3º Tri - 06 Lucro Efeito Preço na Efeito Custo Efeito Volume Efeito Volume Despesas 4º Tri - 06 Lucro Operac. Receita Médio no CPV na Receita no CPV Operac. Operac. O resultado operacional do E&P, 4T06, foi afetado particularmente pelo decréscimo nos preços do petróleo no mercado internacional. 9
  • 11. EVOLUÇÃO DO RESULTADO NO TRIMESTRE (4T06 VS 3T06) Abastecimento – Evolução do Lucro Operacional – R$ milhões 326 319 4.191 141 2.315 634 1.533 3.557 3º Tri - 06 Lucro Efeito Líquido Efeito Volume Efeito Volume Despesas 4º Tri - 06 Lucro Operac. na Receita no CPV Operac. Operac. Efeito Preço Efeito Custo na Receita Médio no CPV • O efeito da queda do PMR reduziu a receita do Abast em R$ 3.557 milhões; • Os efeitos da queda de preços de transferência do E&P para o Abast e dos menores custos das operações offshore contribuíram para redução do custo médio (R$ 4.191 milhões). • O efeito líquido de R$ 634 milhões reflete a utilização da realização de estoque formado a custos mais elevados no trimestre anterior. 10
  • 12. EVOLUÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO – R$ milhões (4T06 VS 3T06) 1.779 Produção Doméstica de Óleo, LGN e Condensado (mil bpd) 1.823 7.085 2.322 370 43 828 361 63 5.200 640 3T06 LL Receita CPV Desp. Oper. Desp. Fin., Não Impostos Part. acionistas Part. 4T06 LL Oper., Outros e não control. Empregados Eq. Pat. • Redução do lucro no 4T06 deveu-se, principalmente, aos menores preços médios de realização das exportações e dos derivados no mercado interno; • A realização de estoque formado a custos mais elevados no trimestre anterior (critério de custo médio) impediu uma queda mais acentuada do CPV. 11
  • 13. CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE NEGÓCIO PARA O LUCRO OPERACIONAL 10.609 2.904 4T05 vs. 3T05 (R$ milhões) 327 45 782 542 377 21 7.829 3T06 Luc. E&P Abast. G&E Distr. Inter. Corp. Elim. 4T06 Luc. Oper. Oper. Internacional: queda principalmente devido: G&E: melhoria em relação ao 3T06 em decorrência de: • Redução das cotações internacionais do petróleo; • Aumento no lucro bruto, em função das melhores • Menor volume comercializado na Argentina (greve dos petroleiros margens na comercialização de energia; privados); • Reconhecimento da perda no trimestre anterior • Menor volume vendido na Bolívia (reparo complementar no duto decorrente do encerramento do contrato de hedge de San Antonio); para redução da volatilidade de preços do gás natural. • Baixa de poços nos EUA, e gastos com sísmica na Arg. e EUA; 12
  • 14. EXPORTAÇÃO LÍQUIDA DE PETRÓLEO E DERIVADOS Superávit Físico de 128 mil bpd no 4T06 e 93 mil bpd no ano Exportação (mil barris/dia) Importação (mil barris/dia) 669 559 540 581 548 576 523 532 109 488 459 510 215 446 442 118 137 132 409 246 221 94 115 88 260 270 281 228 450 454 370 408 352 344 354 373 335 355 263 262 267 181 2004 2005 2006 1T06 2T06 3T06 4T06 2004 2005 2006 1T06 2T06 3T06 4T06 Petróleo Derivados • O declínio da participação do óleo nacional na carga processada (devido às vantagens comerciais de processar maior quantidade de óleo leve, reduzindo a produção de óleo combustível) permitiu a elevação das exportações de petróleo pesado e a diminuição das exportações de óleo combustível; • Em contrapartida houve elevação das importações de óleo leve e estabilidade na importação de derivados. 2006 inclui exportações em andamento 13
  • 15. Distribuição do Caixa e Aplicações Financeiras (R$ milhões) 1.600 25.000 1.200 15.000 800 Caixa 400 5.000 0 'jun/05 'set/05 'dez/05 'mar/06 'jun/06 'set/06 'dez/06 (5.000) Var. Cambial* Δ-5,5% Δ5,3% Δ-7,2% Δ-0,4% Δ0,5% Δ-1,7% (400) (15.000) Caixa Fundos de Inv. DI / Tit. Públicos (800) Fundos de Inv. Cambial/ Exclusivos Cambial No exterior (25.000) Receita Financeira (1.200) • Receita financeira reflete a posição do caixa indexada ao dólar como forma de hedge ao endividamento e aos custos dolarizados. * Dólar final de período 14
  • 16. ESTRUTURA DE CAPITAL Índices de Endividamento da Petrobras 37% R$ milhões 31/12/2006 31/12/2005 32% Endividamento de (1) 13.074 11.116 28% Curto Prazo 26% 27% 26% Endividamento de 24% (1) 33.531 37.126 28% Longo Prazo 20% 20% 19% Endividamento Total 46.605 48.242 23% 18% 17% 16% 19% Caixa e Aplic. 27.829 23.417 Financeiras Endividamento mar/05 jun/05 set/05 dez/05 mar/06 jun/06 set/06 dez/06 (2) 18.776 24.825 Líquido End. Líq./Cap. Líq. End. CP/End. Total Queda no endividamento total e líquido: Forte geração de caixa operacional vem possibilitando a redução da dívida (recompra de títulos) e aumento do saldo de caixa (1) Inclui endividamento contraído através de contratos de Leasing (R$ 2.540 em 31.12.2006 e R$ 3.300 em 31.12.2005). (2) Endividamento Total – Disponibilidades 15
  • 17. DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - CONSOLIDADO R$ milhões 4T06 3T06 (=) Caixa Gerado pelas Atividades Operacionais 13.244 10.209 (-) Caixa Utilizado em Atividades de Investimento (12.061) (8.341) (=) Fluxo de Caixa Livre 1.183 1.868 (-) Caixa Utilizado em Atividades de Financiamento 2.127 (62) Financiamentos 2.128 (60) Dividendos (1) (2) (=) Geração de Caixa no Período 3.310 1.806 Caixa no Início do Período 24.519 22.713 Caixa no Final do Período 27.829 24.519 Elevação de R$ 3,3 bilhões no caixa no trimestre. 16
  • 18. INVESTIMENTOS 2006 % 2005 % % Investimentos Diretos 29.769 90 22.927 89 30 Exploração e produção 15.314 51 13.934 54 10 Abastecimento 4.181 13 3.286 13 27 Gás e Energia 1.566 5 1.527 6 3 Internacional 7.161 17 3.153 12 127 Distribuição 642 2 495 2 30 Corporativo 905 2 532 2 70 Sociedades de Propósito Específico (SPEs) 3.507 9 2.385 10 47 Empreendimentos em Negociação 409 1 311 1 32 Projetos Estruturados 1 - 87 - - Total de investimentos 33.686 100 25.710 100 31 Investindo prioritariamente no desenvolvimento da capacidade de produção de petróleo e gás natural, através de investimentos próprios e da estruturação de empreendimentos com parceiros. 17
  • 19. CUSTOS DE EXTRAÇÃO SEM PARTICIPAÇÃO GOVERNAMENTAL Δ = 9% ou US$ 0,60 7,24 6,32 6,64 US$/bbl 6,07 6,12 4T 05 1T06 2T06 3T06 4T06 PRINCIPAIS CAUSAS Maiores gastos com: • Utilização de sondas; • Serviços e materiais para manutenções; • Reparos e intervenções em poços; • Gastos com pessoal em função reajuste salarial; • Custos unitários iniciais mais elevados dos projetos da FPSO-Capixaba em Golfinho e P-34 em Jubarte, que tenderão a reduzir com aumento da produção. 18
  • 20. CUSTOS DE EXTRAÇÃO COM PARTICIPAÇÃO GOVERNAMENTAL 26 61,5 61,8 69,6 59,7 56,9 69,5 60 51,6 47,5 18,1 17,6 17,3 17,5 16,1 16 38,2 15,2 40 US$/boe 13,6 13,9 28,8 24,8 64% 11,5 59% 10,4 10,7 10,0 64% 11,0 65% 11,4 8,5 7,7 59% 8,4 9,7 20 7,0 6,4 6 5,1 4,0 57% 6,0 6,1 6,3 6,1 6,6 7,2 4,3 5,4 5,4 0 3,0 3,4 2002 2003 2004 1T05 2T05 3T05 4T05 1T06 2T06 3T06 4T06 -4 -20 Lifting Cost Participação Gov. Brent Menor participação governamental no trimestre em função da diminuição dos preços médios de referência do petróleo nacional, atrelados às cotações internacionais. 19
  • 21. CUSTOS DE REFINO NO BRASIL (US$bbl) Δ = 9% ou US$ 0,23 2,71 2,48 2,03 2,07 1,90 4T 05 1T 06 2T 06 3T 06 4T 06 Aumento de 9% no 4T06 em relação ao período anterior refletindo o aumento dos gastos com pessoal em função do Acordo Coletivo de Trabalho 2006/2007 e das paradas programadas. 20
  • 22. COMPARAÇÃO DE LUCRO LÍQUIDO 3T06 Vs 4T06 E 2006 Vs 2005 A Petrobras obteve o maior crescimento anual entre as majors... US$ bilhões 2005 2006 2006/ 2005 Petrobras* 9,74 11,92 22,3% Chevron 14,10 17,14 21,6% ConocoPhillips 13,53 15,55 14,9% Exxon 36,13 39,50 9,3% Shell 25,31 25,44 0,5% BP 22,34 22,00 -1,5% Média 11,2% ...mas no entanto teve seus resultados do 4T06 afetados pela queda do preço do Brent. US$ bilhões 3T06 4T06 4T06/3T06 Exxon 10,49 10,25 -2,3% Shell 5,94 5,28 -11,1% ConocoPhillips 3,88 3,20 -17,5% Chevron 5,02 3,77 -24,8% Petrobras* 3,26 2,42 -25,8% BP 6,23 2,88 -53,8% Média -22,5% Fonte: Evaluate Energy * Resultados Petrobras convertidos pelos dólares médios dos períodos em questão 21
  • 23. SESSÃO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS Visite nosso website: www.petrobras.com.br/ri Para mais informações favor contactar: Petróleo Brasileiro S.A – PETROBRAS Departamento de Relacionamento com Investidores Raul Adalberto de Campos– Gerente Executivo E-mail: petroinvest@petrobras.com.br Av. República do Chile, 65 – 22o andar 20031-912 – Rio de Janeiro, RJ (55-21) 3224-1510 / 3224-9947 22