SlideShare uma empresa Scribd logo
DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS


4º trimestre e exercício de 2009 (legislação societária)




Teleconferência / Webcast

José Sergio Gabrielli de Azevedo
Presidente

24 de Março de 2010




                                                           1
AVISO



As apresentações podem conter previsões acerca            Aviso aos Investidores Norte-
de eventos futuros. Tais previsões refletem apenas        Americanos:
expectativas dos administradores da Companhia.
Os termos “antecipa", "acredita", "espera", "prevê",      A SEC somente permite que as companhias
"pretende", "planeja", "projeta", "objetiva", "deverá",   de óleo e gás incluam em seus relatórios
bem como outros termos similares, visam a                 arquivados reservas provadas         que a
identificar tais previsões, as quais, evidentemente,      Companhia tenha comprovado por produção
envolvem riscos ou incertezas previstos ou não            ou testes de formação conclusivos que sejam
pela Companhia. Portanto, os resultados futuros           viáveis econômica e legalmente nas condições
das operações da Companhia podem diferir das              econômicas e operacionais vigentes.
atuais expectativas, e o leitor não deve se basear        Utilizamos alguns termos nesta apresentação,
exclusivamente nas informações aqui contidas. A           tais como descobertas, que as orientações da
Companhia não se obriga a atualizar as                    SEC nos proíbem de usar em nossos relatórios
apresentações e previsões à luz de novas                  arquivados.
informações ou de seus desdobramentos futuros.
Os valores informados para 2009 em diante são
estimativas ou metas.




                                                                                                         2
REPOSIÇÃO SEGUE TRAJETÓRIA SUSTENTADA
PRODUÇÃO DE RESERVAS 2010:
Reservas brasileiras são repostas a 17 anos consecutivos
DE CRESCIMENTO

Bilhões boe

                  Reservas Brasil                                Reservas Internacionais
        14,093                 oração
                                      :    14,169
                        Incorp boe
         2,124           861 M
                               M            2,113
                        Pro
                           d
                       785 ução:
                           MM
                              boe
                                                                 0,992
                       IRR: 110%                                  0,495
                                                                                      0,696
        11,969         R/P: 18 anos        12,056                                      0,203

                                                                  0,497                0,493
          2008                              2009                  2008                 2009
         Pétroleo e LGN                   Gás Natural           Petróleo e LGN        Gás Natural


 o 18 anos de reservas por produção no Brasil, 8 anos de reserva por produção internacional
 o Pré-Sal da Bacia do Espírito Santo contribuiu com reservas de 182 milhões. As descobertas do Pré-Sal
   da Bacia de Santos estão em avaliação, portanto, ainda não são consideradas reservas provadas.
 o Redução das reservas internacionais devido à proibição de registro das reservas por empresas privadas
   na Bolívia.
                                                                                                           3
PRODUÇÃO SEGUE TRAJETÓRIA SUSTENTADA
PRODUÇÃO 2009:
Segue trajetória sustentada de crescimento
DE CRESCIMENTO
Mil boed

                    Produção Total                                Produção Nacional
                                                                               +5%      2.288
                        +5%         2.526                        2.176
            2.400                                                                       317
             224                     238                          321



            2.176                   2.288                        1.855                 1.971



            2008                     2009                         2008                  2009
           Nacional            Internacional                  Petróleo e LGN         Gás Natural

   o Incremento de 6% na produção nacional de petróleo devido ao aumento na produção de plataformas
     (P-52, P-54 e P-53) e entrada em operação de 5 novas unidades
   o Crescimento de 6% na produção internacional devido ao aumento da produção dos campos de Akpo
     e Agbami na Nigéria
   o Produção de gás natural limitada pela demanda nacional

                                                                                                      4
PRODUÇÃO 2010 ÇÃO 2010:
METAS DE PRODU
Entrada de novos sistemas e aumento do fator de recuperação
      1º TRIMESTRE            2º TRIMESTRE                  3º TRIMESTRE           4º TRIMESTRE
                                                                                                               Gás

                                                                                 Piloto de TUPI                Óleo pesado
   TLD Tiro e Sidon       Uruguá Tambaú                      Mexilhão
     20 mil bpd                                                                   100 mil bpdI
                        10 milhões de m3/dia           15 milhões de m3/dia                                    Pré sal
                                                                                5 milhões m3/dia
                             35 mil bpd

                            Cachalote e                                        TLD Tupi Nordeste
                          Baleia Franca                                            30 mil bpd
                            100 mil bpd
                        3,2 milhões m3/dia


                              TLD Guará
                              30 mil bpd



                                               200                                71
                         79




          2.050                                                  2.171                               2.100




       META 2009        Diferença             Diferença        Meta 2010      Postergação          Nova Meta
                       Meta 2009 –           Meta 2010 –        Ajustada      de projetos            2010
                      Produção 2009          Meta 2009         (PN 09-13)
                                             (PN 09-13)

                                                                                                                         5
ABASTECIMENTO:
Investimentos em qualidade e expansão
    Investimentos do Abastecimento em 2009                                           Produção de Derivados (mil bpd)
                 R$ 17,3 bilhões                                              1.787                                1.823
                                                                                 153                                    159
                                           Qualidade                             65                                     74

                                                                                 255                                    243
                                           Complexidade
        30%                                                                      136                                    143
                    34%                                                                                                 135
                                                                                 142
                                           Novos projetos*
                                                                                                                        331
         2%                                                                     343
                   9%
                                           Logística
           25%
                                           Outros                               694                                     737

   Ativos em construção (US$ bi)
       2008          2009                                                       2008                                    2009
                                                             Diesel     Gasolina       GLP   Nafta   Óleo combustível      QAV   Outros
     US$ 11,9     US$ 22,7

   o Aumento de 6,2% na produção de diesel e redução de 5% na produção de óleo combustível
   o Redução do volume de importação de diesel em 6 milhões de barris

   ○ Aumento de 178% no volume de petróleos ácidos e ultra-ácidos processados

   ○ Grandes investimentos para melhorar a qualidade dos combustíveis

   ○ Início da produção do Diesel S-50 em 3 refinarias (REDUC, REPLAN e REGAP)

   ○ 1 nova unidade de Hidrotratamento e 2 novas de Propeno
                                                                                                                                          6
                          * Inclui RNEST, Comperj, Petroquímica de Suape e Plangás
VENDA DE DERIVADOS E GÁS NATURAL 2009:
Cresce a venda no mercado interno
                           Derivados                                              Gás Natural
                                          +2%
                                  1.810            1.849
                   1.762
Mil barris/dia




                   434            492              489
                                                                           311
                   211            222              212                                    244     247
                   364            327              366


                   753            769              782


                  4T08           3T09             4T09                   4T08         3T09      4T09

                 Diesel    Gasolina        GLP      Outros



         o Aumento na venda de diesel em razão da recuperação da economia nacional (importações reduziram
           em 43%)
         o Crescimento da venda de gasolina devido à perda de competitividade do etanol
         o Manutenção da venda de gás natural em níveis reduzidos devido à menor demanda termoelétrica

                                                                                                            7
INVERSÃO DO PERFIL DA BALANÇA COMERCIAL DA COMPANHIA

(mil barris/dia)
                                                                                                        Derivados
                                2008                                             2009                   Petróleo

           673                                                      705
                                   571                                                549
                                                                    227
           234
                                   197                                                152


           439                                                      478                                 156
                                   373             102                                397



       Exportação            Importação        Exportação       Exportação         Importação        Exportação
                                                 Líquida                                               Líquida



          Volume Financeiro (US$ Milhões)                   o Crescimento de 5% da produção de petróleo no
                                                              Brasil e redução de 23% no volume total de
            - US$ 927                      + US$ 2.874        derivados     importados     geraram     superávit
                                                              volumétrico de 156 mil bpd na balança comercial
        22.173         21.246
                                          12.327   15.201   o Programa de Maximização de Diesel contribuiu
                                                              para a redução de 43% das importações de Diesel

                                                            o Reversão do saldo financeiro, a favor da Cia., foi de
                   2008                         2009          US$ 3,8 bilhões no comparativo 2009/2008
                      Importação           Exportação

                                                                                                                      8
VENDAS DE ENERGIA E BIOCOMBUTÍVEIS


    Venda de Biocombustíveis                                Venda de Energia Elétrica
                 Mil boe/dia                                              MW médio

                +34%           125                                           +23%    1.721
         93                                                        1.401

                               98
         74

         19                    27

        2008                   2009                                2008              2009
          Biodiesel             Álcool




 o Venda de bicombustíveis cresce 34% em função da mudança no percentual obrigatório de mistura do
   biodiesel no diesel (indo de 3% para 4%)
 o Crescimento de 23% na venda de energia elétrica em função das vendas de curto prazo (balanço)
   superiores às realizadas em 2008, devido a recuperação de lastro das termelétricas
 o Realização de diversos Leilões de curto prazo para venda de gás natural




                                                                                                     9
CONSOLIDAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DE GÁS NATURAL E PRODUÇÃO
DE ENERGIA

o Consolidação da infra-estrutura de transporte de
  gás natural e de geração de energia elétrica.
  Destaque para:
      Gasoduto Urucu-Coari-Manaus e Gasoduc
         III – 844 KM de extensão e capacidade de
         44,1 milhões de m3/dia de GN
      o   Terminais de regaseificação de GNL da
          Bahia de Guanabara e Pecém - 27
          Milhões de m3/dia
      o   Desenvolvimento do Projeto de Gás
          Natural   Liquefeito     e   Embarcado:
          Desenvolvimento do projeto de FEED –
          Pólo Pré Sal na bacia de Santos.
o Maior flexibilidade na oferta de gás:
      o   Novas modalidades da venda de GN e
          energia elétrica por meio de contratos de
          curto prazo e acordos comerciais no
          mercado secundário de gás permite
          venda média de 4,7 Milhões de M3/dia de
          GM em 9 leilões

o Diversificação da sua carteira de geração
  concluindo seu primeiro ciclo de investimentos




                                                           10
CUSTOS:
Bem sucedida política de otimização de custos

  Contratação
  o Nova licitação de serviços e equipamentos da Refinaria Abreu e Lima
    economia de R$ 7 bilhões
  o Renegociação de preço dos 8 cascos dos FPSOs para o pré-sal e dos FPSOs
    de Guará e Tupi Nordeste
  o Nova licitação das plataformas P-61 e P-63   redução de US$ 420 milhões
  o Estratégia de contratação para novas sondas de perfuração

  Projeto                                                                           Contratação




                                                                    Otimização de
  o 8 FPSOs replicantes para o pré-sal




                                                                       Custos
  o P-56 clone da P-51                                                                Projeto
  o Realocação do FPSO Capixaba de Golfinho para o Parque das
    Baleias
                                                                                      Cultura
  Cultura Corporativa
  o Redução de R$ 750 milhões em gastos administrativos
  o 6 mil sugestões recebidas dos empregados



                                                                                                  11
IMPACTO DOS PREÇOS EM 2009:
 Volatilidade dos preços internacionais, estabilidade dos preços no mercado doméstico

                                                                                                                                                Média 2009
                               Petróleo Petrobras (US$/bbl)    Brent (US$/bbl)            270




                                                                                 R$/bbl
                                      121                                                                                                PMR Petrobras: 157,77
   120,00                                     115
                                                                                                                                             PMR EUA: 130,06
                                      105                                                 220
   100,00                      97
                         89             101
                                86                                                        170
US$/bbl




          80,00
                    75    77                                              75
                                                                    68
                                                                                                         Média 2008
                                                                          70
                                                              59                          120
          60,00     64                                              64
                                                    55
                                                                                                     PMR EUA: 194,71
                                                              49
                                               48        44                                70
          40,00
                                                                                                  PMR Petrobras: 176,41
                                                         32

          20,00                                                                            20
                  3T07 4T07 1T08 2T08 3T08 4T08 1T09 2T09 3T09 4T09                         jun-07 set-07 dez-07 mar-08 jun-08 set-08 dez-08 mar-09 jun-09 set-09 dez-09



             o Aumento das cotações da commodity, maiores volumes exportados e redução do desconto entre óleo
               leve/pesado beneficiaram o resultado de 2009.
             o PMR Petrobras, em Reais, estável, apesar da volatilidade de curto prazo
             o Convergência dos preços dos derivados no mercado doméstico e internacional no longo prazo
             o Margens do refino positivas em 2009, contribuindo para o bom resultado do Abastecimento (receita
               estável, menores custos)

                                                                                                                                                                      12
LUCRO OPERACIONAL 2009:
Controle de custos garante estabilidade do Lucro Operacional
                                                                                                                                     (R$ MILHÕES)


        45.950                      (32.408)                          32.586                                   -                 46.128




        Jan-Dez/ 08                 Receita                                                             Despesas                  Jan-Dez/ 09
                                                                           CPV                         Operacionais           Lucro Operacional (1)
    Lucro Operacional (1)        Operacional Líq.



   o Queda na ROL foi função dos menores preços do óleo (2008: R$ 149,80; 2009:R$ 104,88) e do PMR
     dos derivados (2008: R$ 176,41; 2009:R$ 157,77)
   o Forte redução do CPV com menor custo de extração com Part. Governamental e redução dos preços
     do óleo e dos derivados importados
   o Excluindo a despesa extraordinária com a PE de Marlim (R$ 2,065 bi), Lucro Operacional cresceria,
     aproximadamente, 5%


                                                                                                                                                 13
                            (1) Lucro operacional antes do resultado financeiro, da equivalência patrimonial e dos impostos
LUCRO LÍQUIDO 2009:
Pequeno declínio em grande parte devido a variações cambiais
                                                                                                                                    (R$ MILHÕES)


                        178               (5.967)                                      5.985                  (4.992)
        32.988                                                                                                                28.982
                                                                    790




        2008             Lucro              Resultado           Part. Invest.                                 Part. Acion.      2009
                                                                                        Impostos
      Lucro Líq.     Operacional (1)        Financeiro          Relevantes                                   Não Control. e   Lucro Líq.
                                                                                                               Part. dos
                                                                                                              Empregados



o Reversão do movimento do câmbio (2008: desvalorização de 32%; 2009: valorização de 26%) e aumento de
  dívida indexada à variação da moeda levaram à piora do resultado financeiro
o Part. Inv. Relevantes refletiu melhores resultados do setor petroquímico (R$ 682 milhões) e internacional
  (R$ 127 milhões)
o Redução do IR/CSLL devido ao menor lucro, aumento do resultado em unidades no exterior com taxas
  diferenciadas de imposto e prejuízo de algumas controladas
o Participação de Acionistas não controladores refletiu ganhos cambiais sobre dívida de projetos estruturados

                                                                                                                                             14
                           (1) Lucro operacional antes do resultado financeiro, da equivalência patrimonial e dos impostos
ENDIVIDAMENTO MANTIDO DENTRO DA META

                                                              R$ Bilhões       31/12/2009   30/9/2009   31/12/2008
                                                31%
                                                            Endividamento de
                                                                                  15,3        10,6         13,9
                                                              Curto Prazo
                26%
 26%
                                       28%                  Endividamento de
                             28%                                                  85,0        79,6         50,8
                                                              Longo Prazo
                22%
 21%                                                         Endividamento
                           19%                                                   100,3        90,2         64,7
                                                                 Total
                                                            Disponibilidades      28,8        30,1         15,9
                                       12%
                                                 15%         Endividamento
                                                                                  71,5        60,1         48,8
                                                                Líquido
                                                                 Dívida
                                                                                  1,2X        1,1X         0,9X
                                                             líquida/Ebitda


                                                              US$ Bilhões      30/12/2009   30/9/2009   31/12/2008
31/12/2008                 30/6/2009          31/12/2009     Endividamento
                                                                                  57,6        50,7         27,7
                                                                 Total
             Div. Liq/Cap. Liq               Div. CP/Div.




    o Perfil do endividamento melhorou : longo prazo,a custos competitivos e fontes diversificadas
    o Nível de alavancagem mantido dentro da faixa ótima de 25% a 35%


                                                                                                                  15
MELHORA DO PERFIL DA DÍVIDA

                              Evolução do Endividamento
                2007 - R$ 39,74 bilhões               2009 - R$ 100,33 bilhões


                                                                     15%
                     23%
                                       Curto Prazo

                                       Longo Prazo
              77%
                                                              85%




        Perfil Amortização Dívida Longo Prazo           o Aumento do endividamento para
  80                                                      financiamento de investimentos de
  70                                                      longo prazo
                                                73%
  60    60%
                                                        o Aumento do endividamento de LP com
  50                                                      maior concentração nas amortizações
  40                                                      acima de 08 anos
  30   40%                                              o Prazo Médio alcançou 7,46 anos em
  20                                            27%       2009 contra 4,21 em 2008
       2007     Até 05 anos2008   > 08 anos   2009


                                                                                            16
FLUXO DE CAIXA E CAPACIDADE DE ENDIVIDAMENTO SUSTENTAM
CRESCIMENTO DOS INVESTIMENTOS
      R$ milhões                           Jan‐Dez 2008      Jan‐Dez 2009                4T09
      Caixa Inicial                           13.071             15.889                 30.088
      Geração Operacional                     49.952             51.838                 13.658
      Investimento                            (53.425)          (70.280)                (19.658)
      Fluxo de Caixa Líquido                  (3.473)           (18.442)                (6.000)
      Dividendos Pagos                        (6.213)           (15.440)                (5.605)
      Financiamentos Líquidos                 11.837             47.067                 10.080
      Caixa Final                             15.889             28.796                 28.796

     Brent (US$/bbl)                            97                 62                     75
     Taxa de câmbio (R$/US$)                   1,84               2,00                   1,74


o Apesar da queda dos preços das commodities no mercado internacional, caixa gerado pelas atividades
  operacionais cresceu 4% em 2009
o Elevação do volume de investimentos foi acompanhado pelo aumento de financiamentos
o Caixa robusto ao término de 2009 e expectativa de expressivo resultado operacional em 2010 sustentam
  a manutenção dos investimentos no ano

                                                                                                         17
IMPLANTAÇÃO DOS INVESTIMENTOS E PAN 2010

      Investimentos 2009                     Plano Anual de Negócios 2010
        R$ 70,7 bilhões                25%             R$ 88,547 bilhões
        0,6
                 3,8
                                                      0,9
                                                             2,6
       6,8
                                                  6,2                      E&P
                                                                           Abastecimento
                       31,6
                                                8,1
     10,5
                                                                           Gas e Energia
                                                                   36,7
                                                                           Internacional
              17,4
                                                                           Distribuição
                                                      34,0
                                                                           Outros



             EBITDA (em R$ bilhões)
            57                   60




            2008                2009

                                                                                           18
PLANO DE NEGÓCIOS 2010 - 2014


  INVESTIMENTO 2010 – 2014 ENTRE US$ 200 A US$ 220 BILHÕES:


PRINCÍPIOS A SEREM OBSERVADOS
  o Alavancagem Líquida entre 25% e 35%
  o Índice Dívida Líquida / EBITDA máximo de 2,5x
  o Manutenção dos retornos dos Investimentos nos diferentes segmentos


PREMISSAS RELEVANTES PARA AS PROJEÇÕES
  o Curva do Petróleo Brent – tendência ascendente
  o Capitalização da Empresa – valor e momento de efetivação
  o Necessidade de Financiamento para o novo Plano Estratégico 2010-2014



                                                                           19
PANORAMA DOS CUSTOS DA INDÚSTRIA:
Nova tendência de crescimento frente a recuperação da economia

                                   ÍNDICE DO CUSTO DE CAPITAL DO E&P
                                   ÍNDICE DO CUSTO OPERAC. DO E&P
                                   ÍNDICE DO CUSTO DE CAPITAL DO ABAST.
                                                                          3T08
                                                                           230



                                                                          4T08
                                                                                             4T10
    Índice de custo (2000=100)




                                                                           221
                                                                                              211
                                                                          3T08       4T09
                                                                           187        201
                                                                                      4T09   4T10
                                                                                 1T09
                                                                                       172    176
                                                                                  170




                                                                                                    20
                                 Fonte: IHS CERA – Março 2010
SIMULAÇÃO DE FINACIABILIDADE:
Tendência ascendente do Petróleo e Capitalização garantem financiabilidade




                         Simulação de Financiabilidade
 Exercício dos minoritários na capitalização (US$ bilhões)   15     25
 Investimento 2010 - 2014                                    200    220
 Preços do petróleo (US$ brent)                              64     77
                         Exercício de Financiabilidade
 Alavancagem Líquida                                         32%    27%
 Dívida Líquida/EBITDA                                        2,2    1,6




                                                                             21
PLANO DE NEGÓCIOS 2010 - 2014

Aprovação de Projetos, totalizando até R$ 265 bilhões, que estarão
presentes na carteira de investimento para o período 2011 – 2014,
sendo:
        E&P – R$ 163,6 bilhões            ABAST - R$ 80,5 bilhões
        G&E - R$ 20,2 bilhões             PBIO - R$ 430 milhões
Principais Projetos:
 o Expressivo investimento no pré-sal sem descontinuar o investimento no pós-sal,
   incluindo a manutenção da auto-suficiência em óleo e investimentos em infra-
   estrutura para o pré-sal
 o Investimentos na Ampliação e Modernização do Parque de Refino
 o Desenvolvimento de Projetos Petroquímicos e Fertilizantes
 o Investimentos em Alcooldutos
 o Expansão da malha de gasodutos e Investimentos em GNL
 o Novos projetos em Energia


                                                                                22
NOTÍCIAS:
PRÉ-SAL - Intensificam-se os esforços exploratórios no cluster de santos
o A produção do poço de Teste de Longa Duração (TLD)
  se mantém estável em torno de 20 mbpd
o 2 poços sendo perfurados: um ao Norte de Tupi (Tupi
  O/A) e um ao Norte de Guará
o 1 poço sendo perfurado para a ANP ao Norte de Iara
o Poço de Guará testando e conclusão do teste de Tupi
  NE com produtividade média de 30 mil bpd
o A expectativa é de que 11 novos poços sejam perfurados
  nesta região ao longo de 2010
                                                                 Parati
                                                                                                  Iara
o Licitações em andamento:
(i) FPSO para um segundo              piloto   no   BM-S-11
    (ainda em definição)                                                              IracemaTupi NE
(ii) 8 cascos p/ o Pólo Pré-Sal                                             Tupi O/A
(iii) FPSO para o piloto de Guará
                                                                                        Tupi
                                                                                                          Júpiter
                                                                        Guará
                                                                        Norte

                                           Bem-te-vi          Carioca                           Tupi 660
                                                                                    Tupi Sul
                                                              Iguaçu
                                                         Abaré              Guará
                                                                                               Tupi 646      Poços Perfurados
                                                                                                             Perfurando para ANP
                                                       Azulão     Guarani
                                                                                                             Perfurando
                                    Caramba
                                                                                                             Completando / testando
                                                                                                                                  23

                                                                                                                    TLD
                                                                                                                                23
NOTÍCIAS:
Novo marco regulatório e capitalização
                           o Depende da definição das áreas
                           o Uma perfuração em andamento e
  Valoração dos              uma programada
      barris               o Avaliação por 2 certificadoras Indep.
                           o Possibilidade de reajuste                 Resultados da 
                                                                        capitalização
                           o AINDA NÃO DETERMINADO
                                                                      o Acesso a 
                                                                      o Acesso a 
   Tamanho da              o Variáveis consideradas: valor dos          reservas
                                                                         reservas
   capitalização             barris    +      necessidade        de
                             financiamento + estrutura de capital     o Robustez 
                                                                      o Robustez 
                           o Comitê     especial    de   acionistas
                                                                        financeira
                                                                        financeira
                             minoritários
 Transparência e           o Direito de subscrição a todos os         o Participação 
                                                                      o Participação 
                             acionistas.                                de todos os 
                                                                        de todos os 
    equidade               o Transparência    na    divulgação   de     acionistas 
                                                                        acionistas 
                             informação
                                                                        numa 
                                                                        numa 
                           o 4 Projetos aprovados na Câmara             empresa de 
                                                                        empresa de 
                              (capitalização, nova empresa, fundo       maior porte e 
                                                                        maior porte e 
                              social e partilha de produção)
   Cronograma                                                           com mais 
                                                                        com mais 
                           o Regime Urgência: Senado teria até
                              45 dias para aprovar, modificar ou
                                                                        oportunidades
                                                                        oportunidades
                              rejeitar. Caso modifique volta p/ a
                              Câmara
                           o Previsão de tempo p/ implantação: 60
                              a 90 dias após a aprovação final
                                                                                         24
TRAMITAÇÃO DO PL 5941/09 (CAPITALIZAÇÃO):
A partir da chegada no senado federal considerando urgência constitucional



                                                   25 dias                 o Projeto é Distribuído para as Comissões e Aberto o Prazo
                                                                             para Emendas 2
                                                                           o Após encerramento do prazo para emendas haverá votação
                                                                             dos pareceres dos relatores nas comissões e envio dos
                                                                             relatórios das comissões para o plenário
    Chegada ao Senado,                   Leitura de Mensagem
    Leitura do Projeto e                 Presidencial Solicitando                                   Inclusão na                Votação no
    Despacho1                            Regime de Urgência                                         Ordem do Dia               Plenário
                                         Constitucional Art.64 C.F.                                 do Plenário

                                               22/03/10                  até 35 dias                                                      06/05/10
                                                                          após 45 dias, a pauta fica sobrestada


                                                   17/05/10
                                               Apreciação e          até 10 dias       Volta para a                          Aprovado
                                                votação das                            Câmara
                                                alterações                                                                   com alteração

                                                                                                         até 15 dias úteis
                                                             até 15 dias úteis         Vai à sanção         Art 66 CF
                                                                Art 66 CF              Presidencial                           Aprovado
                                                                            04/06/10                    27/05/10


                                                                                                                              Rejeitado
                                                                                                 Arquivado
1   Distribuição para as Comissões

2   As emendas são apresentadas na CCJ

                                                                                                                                                     25
RECUPERAÇÃO DO VALOR DE MERCADO DA COMPANHIA
US$ bilhões
 31/12/2009




                       -20,3%          99,6%           13,0%          24,2%             2,8%          14,7%
                 350
                         324
                 300


                 250
                                         199
                 200                                     181             181
                                                                                        154             150
                 150


                 100


                  50


                   0

                 450
                          406
                 400

                 350
  31/12/2008




                 300

                 250

                 200                                     160             146             150
                 150
                                                                                                         131
                                         100
                 100

                  50




               o Melhora das expectativas contribuiu para a elevação dos Valores de Mercado das principais Companhias
                 de Óleo e Gás
               o Dentre as peers, recibos da Petrobras foram os que apresentaram a maior valorização no ano

                                                                                                                                 26
                                                                                                              Fonte: Bloomberg
CAPEX 2009 E ESTIMATIVAS PARA 2010

         50.000


         45.000


         40.000


         35.000


         30.000
US$ MM




         25.000
                                                                                                                                                                                   Média
                                                                                                                                                                                   2009 s/
         20.000                                                                                                                                                                    Petrobras
                                                                                                                                                                                   Média
         15.000                                                                                                                                                                    2010 s/
                                                                                                                                                                                   Petrobras
         10.000                                                                                                                                                                    (-5%)

          5.000


             0
                                                                                                                *
                     2009
                            2010


                                   2009
                                          2010


                                                 2009
                                                        2010


                                                               2009
                                                                      2010


                                                                             2009
                                                                                    2010


                                                                                           2009
                                                                                                  2010


                                                                                                         2009
                                                                                                                    2010


                                                                                                                           2009
                                                                                                                                  2010


                                                                                                                                         2009
                                                                                                                                                2010


                                                                                                                                                       2009
                                                                                                                                                              2010


                                                                                                                                                                     2009
                                                                                                                                                                            2010
    Fonte: Evaluate Energy e Relatórios das Empresas
    * Para o cálculo do Capex da Petrobras de 2010, de R$ 88,5 Bi, utilizou-se a taxa de câmbio de 1,87 R$/US$ (premissa Petrobras para 2010). Para
    2009 resultado preliminar em USGAAP – Não auditado

                                                                                                                                                                                        27
Informações:
Relações com Investidores
+55 11 3224-1510
petroinvest@petrobras.com.br




                               28
EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO:
Menores preços de venda explicam redução do lucro líquido
                                                                                                    (R$ MILHÕES)


       57.232          (33.093)




                                                        3.050            (1.195)         (1.711)      29.972
                                       5.689




    Jan-Dez/08     Efeito Preço    Efeito Custo   Efeito Volume   Efeito Volume no  Despesas        Jan-Dez/09
   Lucro Operac.    na Receita    médio no CPV      na Receita           CPV       Operacionais    Lucro Operac.


o Queda da receita explicada pela redução de 30% no preço do óleo e de 44% no gás transferidos
o Crescimento de 5% da produção doméstica de óleo e gás se refletiu em maior volume vendido
o Redução de 17% do Lifting Cost com Part. Gov. contribuiu para a redução do CPV
o Desconsiderando a despesa extraordinária com a PE no campo de Marlim, despesas operacionais teriam
  apresentado queda

                                                                                                               29
ABASTECIMENTO:
Elevação das vendas e menores custos de importação ditam ótimo resultado
                                                                                                     (R$ MILHÕES)

                                                     2.240         (2.203)
                                    53.457                                           234          20.482




   (4.598)




                   (28.648)
    Jan-Dez/08     Efeito Preço    Efeito Custo   Efeito Volume   Efeito Volume no  Despesas         Jan-Dez/09
   Lucro Operac.    na Receita    médio no CPV      na Receita           CPV       Operacionais     Lucro Operac.


o Menores preços de exportação e do PMR no mercado doméstico levaram à redução da receita
o Forte redução do custo de aquisição do óleo nacional e dos derivados importados e menor custo médio dos
  estoques se refletiu na brusca queda do CPV do Abastecimento
o Aumento de 6% na produção de diesel com redução nas importações em 6 milhões de barris
o Margem operacional em 2009 atingiu 14%, enquanto em 2008 foi de -3%

                                                                                                                30
GÁS & ENERGIA:
Ganho de margens, apesar da retração da demanda doméstica
                                                                                                   (R$ MILHÕES)




                                                     (2.879)                            546        1.541
                                        3.388
                                                                      2.497




     (529)



                      (1.482)

    Jan-Dez/08     Efeito Preço    Efeito Custo   Efeito Volume   Efeito Volume no  Despesas       Jan-Dez/09
   Lucro Operac.    na Receita    médio no CPV      na Receita           CPV       Operacionais   Lucro Operac.



o Menores volumes de venda de gás (queda de 19%) e redução de preços (diminuição de 7%) acompanhada
  pela mesma tendência em energia elétrica promoveram a queda na receita
o Forte redução dos Custos de Aquisição do Gás doméstico, importado e de energia elétrica determinaram a
  melhora da margem bruta do segmento (de 11% para 28%)
o A conclusão da infraestrutura para escoamento do gás evitou penalidades por falha do fornecimento,
  contribuindo para a reversão do resultado do segmento em 2009

                                                                                                              31
DISTRIBUIÇÃO:
Ampliação da participação de mercado e maiores volumes de vendas
                                                  7.401             (6.786)                       (R$ MILHÕES)




                                                                                     (318)
     1.833          (4.887)                                                                      2.035
                                   4.792




   Jan-Dez/08     Efeito Preço    Efeito Custo   Efeito Volume   Efeito Volume no  Despesas       Jan-Dez/09
  Lucro Operac.    na Receita    médio no CPV      na Receita           CPV       Operacionais   Lucro Operac.


o Queda do Preço de venda mais que compensada pelo aumento do volume de vendas (+13%) e pela maior
  participação de mercado, refletindo a aquisição da Alvo Distribuidora (2008: 34,9%; 2009: 38,6%)
o Maiores gastos com vendas e despesas gerais e administrativas acarretaram na elevação das despesas
  operacionais


                                                                                                             32
INTERNACIONAL:
Ganho de produção acompanhado por melhores margens de refino
                                                                                                   (R$ MILHÕES)


                                                                    (1.025)         1.146         813




                                                      1.452
   (1.294)




                     (2.748)           3.282

    Jan-Dez/08     Efeito Preço    Efeito Custo   Efeito Volume   Efeito Volume no  Despesas       Jan-Dez/09
   Lucro Operac.    na Receita    médio no CPV      na Receita           CPV       Operacionais   Lucro Operac.


o Queda dos preços das commodities negociadas no exterior (óleo:-15%;gás:-26%) foram parcialmente
  compensadas pelo aumento da produção em Agbami (jul08) e início da produção em Akpo (mar09)
o Contribuiu para a redução do CPV os menores preços de aquisição e as melhores margens de refino nas
  operações nos EUA e no Japão
o Redução das perdas com ajustes no valor de mercado dos estoques (- 261mi) e melhor resultado com a
  provisão para o valor recuperável dos ativos (2008:-330mi; 2009:+7mi) explicam menores despesas e
  ganhos de margens operacionais

                                                                                                              33

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Webcast 3T08
Webcast 3T08Webcast 3T08
Webcast 3T08
Petrobras
 
Divulgação de Resultados do 1o. trimestre de 2011 - IFRS
Divulgação de Resultados do 1o. trimestre de 2011 - IFRSDivulgação de Resultados do 1o. trimestre de 2011 - IFRS
Divulgação de Resultados do 1o. trimestre de 2011 - IFRS
Petrobras
 
Webcast sobre Resultados do 1T14
Webcast sobre Resultados do 1T14Webcast sobre Resultados do 1T14
Webcast sobre Resultados do 1T14
Petrobras
 
Webcast 1T08
Webcast 1T08Webcast 1T08
Webcast 1T08
Petrobras
 
Webcast 3 t07_port
Webcast 3 t07_portWebcast 3 t07_port
Webcast 3 t07_port
Petrobras
 
Webcast: Resultados do 2º trimestre de 2008
Webcast: Resultados do 2º trimestre de 2008Webcast: Resultados do 2º trimestre de 2008
Webcast: Resultados do 2º trimestre de 2008
Petrobras
 
Webcast: Divulgação de Resultados - 1º trimestre de 2007
Webcast: Divulgação de Resultados - 1º trimestre de 2007Webcast: Divulgação de Resultados - 1º trimestre de 2007
Webcast: Divulgação de Resultados - 1º trimestre de 2007
Petrobras
 
Webcast 4T08
Webcast 4T08Webcast 4T08
Webcast 4T08
Petrobras
 
Webcast 1T12
Webcast 1T12Webcast 1T12
Webcast 1T12
Petrobras
 
Webcast4 t06port
Webcast4 t06portWebcast4 t06port
Webcast4 t06port
Petrobras
 
Webcast 1T09
Webcast 1T09Webcast 1T09
Webcast 1T09
Petrobras
 
Webcast - 3º trimestre de 2012
Webcast - 3º trimestre de 2012Webcast - 3º trimestre de 2012
Webcast - 3º trimestre de 2012
Petrobras
 
Webcast - 4º trimestre de 2012
Webcast - 4º trimestre de 2012Webcast - 4º trimestre de 2012
Webcast - 4º trimestre de 2012
Petrobras
 
Webcast 2T12
Webcast 2T12Webcast 2T12
Webcast 2T12
Petrobras
 
Webcast 3 t06
Webcast 3 t06Webcast 3 t06
Webcast 3 t06
Petrobras
 
Webcast 2T13
Webcast 2T13Webcast 2T13
Webcast 2T13
Petrobras
 
Webcast sobre Resultados do 4º trimestre e exercício de 2013
Webcast sobre Resultados do 4º trimestre e exercício de 2013Webcast sobre Resultados do 4º trimestre e exercício de 2013
Webcast sobre Resultados do 4º trimestre e exercício de 2013
Petrobras
 
Apresentação Webcast Plano de Negócios 2011-2015
Apresentação Webcast Plano de Negócios 2011-2015 Apresentação Webcast Plano de Negócios 2011-2015
Apresentação Webcast Plano de Negócios 2011-2015
Petrobras
 
Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014
Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014
Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014
Petrobras
 
Webcast: Divulgação de Resultados - 2º trimestre de 2007
Webcast: Divulgação de Resultados - 2º trimestre de 2007Webcast: Divulgação de Resultados - 2º trimestre de 2007
Webcast: Divulgação de Resultados - 2º trimestre de 2007
Petrobras
 

Mais procurados (20)

Webcast 3T08
Webcast 3T08Webcast 3T08
Webcast 3T08
 
Divulgação de Resultados do 1o. trimestre de 2011 - IFRS
Divulgação de Resultados do 1o. trimestre de 2011 - IFRSDivulgação de Resultados do 1o. trimestre de 2011 - IFRS
Divulgação de Resultados do 1o. trimestre de 2011 - IFRS
 
Webcast sobre Resultados do 1T14
Webcast sobre Resultados do 1T14Webcast sobre Resultados do 1T14
Webcast sobre Resultados do 1T14
 
Webcast 1T08
Webcast 1T08Webcast 1T08
Webcast 1T08
 
Webcast 3 t07_port
Webcast 3 t07_portWebcast 3 t07_port
Webcast 3 t07_port
 
Webcast: Resultados do 2º trimestre de 2008
Webcast: Resultados do 2º trimestre de 2008Webcast: Resultados do 2º trimestre de 2008
Webcast: Resultados do 2º trimestre de 2008
 
Webcast: Divulgação de Resultados - 1º trimestre de 2007
Webcast: Divulgação de Resultados - 1º trimestre de 2007Webcast: Divulgação de Resultados - 1º trimestre de 2007
Webcast: Divulgação de Resultados - 1º trimestre de 2007
 
Webcast 4T08
Webcast 4T08Webcast 4T08
Webcast 4T08
 
Webcast 1T12
Webcast 1T12Webcast 1T12
Webcast 1T12
 
Webcast4 t06port
Webcast4 t06portWebcast4 t06port
Webcast4 t06port
 
Webcast 1T09
Webcast 1T09Webcast 1T09
Webcast 1T09
 
Webcast - 3º trimestre de 2012
Webcast - 3º trimestre de 2012Webcast - 3º trimestre de 2012
Webcast - 3º trimestre de 2012
 
Webcast - 4º trimestre de 2012
Webcast - 4º trimestre de 2012Webcast - 4º trimestre de 2012
Webcast - 4º trimestre de 2012
 
Webcast 2T12
Webcast 2T12Webcast 2T12
Webcast 2T12
 
Webcast 3 t06
Webcast 3 t06Webcast 3 t06
Webcast 3 t06
 
Webcast 2T13
Webcast 2T13Webcast 2T13
Webcast 2T13
 
Webcast sobre Resultados do 4º trimestre e exercício de 2013
Webcast sobre Resultados do 4º trimestre e exercício de 2013Webcast sobre Resultados do 4º trimestre e exercício de 2013
Webcast sobre Resultados do 4º trimestre e exercício de 2013
 
Apresentação Webcast Plano de Negócios 2011-2015
Apresentação Webcast Plano de Negócios 2011-2015 Apresentação Webcast Plano de Negócios 2011-2015
Apresentação Webcast Plano de Negócios 2011-2015
 
Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014
Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014
Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014
 
Webcast: Divulgação de Resultados - 2º trimestre de 2007
Webcast: Divulgação de Resultados - 2º trimestre de 2007Webcast: Divulgação de Resultados - 2º trimestre de 2007
Webcast: Divulgação de Resultados - 2º trimestre de 2007
 

Semelhante a Webcast 4 t09_port

Apresentação Apimec do 4º trimestre e do Exercício de 2009 em BR GAAP
Apresentação Apimec do 4º trimestre e do Exercício de 2009 em BR GAAPApresentação Apimec do 4º trimestre e do Exercício de 2009 em BR GAAP
Apresentação Apimec do 4º trimestre e do Exercício de 2009 em BR GAAP
Petrobras
 
Webcast 1T10
Webcast 1T10Webcast 1T10
Webcast 1T10
Petrobras
 
Apresentação petrobras port 01 03-11
Apresentação petrobras port 01 03-11Apresentação petrobras port 01 03-11
Apresentação petrobras port 01 03-11
Petrobras
 
Webcast portugues finalrev
Webcast portugues finalrevWebcast portugues finalrev
Webcast portugues finalrev
Petrobras
 
Webcast portugues final
Webcast portugues finalWebcast portugues final
Webcast portugues final
Petrobras
 
09.11.2009 Apresentação do Diretor Financeiro e de Relações com Investidores...
09.11.2009  Apresentação do Diretor Financeiro e de Relações com Investidores...09.11.2009  Apresentação do Diretor Financeiro e de Relações com Investidores...
09.11.2009 Apresentação do Diretor Financeiro e de Relações com Investidores...
Petrobras
 
Apresentação sobre o balanço do 3º trimestre
Apresentação sobre o balanço do 3º trimestre Apresentação sobre o balanço do 3º trimestre
Apresentação sobre o balanço do 3º trimestre
FatoseDados
 
Resultados financeiros do 1º trimestre
Resultados financeiros do 1º trimestreResultados financeiros do 1º trimestre
Resultados financeiros do 1º trimestre
FatoseDados
 
Resultados financeiros do 1º trimestre
Resultados financeiros do 1º trimestreResultados financeiros do 1º trimestre
Resultados financeiros do 1º trimestre
FatoseDados
 
Resultados financeiros do 2º trimestre
Resultados financeiros do 2º trimestreResultados financeiros do 2º trimestre
Resultados financeiros do 2º trimestre
FatoseDados
 
Estrategia, Crescimento e Resultados - Petrobras - Ativa
Estrategia, Crescimento e Resultados - Petrobras - AtivaEstrategia, Crescimento e Resultados - Petrobras - Ativa
Estrategia, Crescimento e Resultados - Petrobras - Ativa
Ativa Corretora
 
Webcast 2009-2013
Webcast 2009-2013Webcast 2009-2013
Webcast 2009-2013
Petrobras
 
Petrobras Plano Estategico 2009 2013
Petrobras Plano Estategico 2009 2013Petrobras Plano Estategico 2009 2013
Petrobras Plano Estategico 2009 2013
Marcos Gomes de Melo
 
21.10.2009 Apresentação do Presidente José Sergio Habrielli de Azevedo “A Pe...
21.10.2009  Apresentação do Presidente José Sergio Habrielli de Azevedo “A Pe...21.10.2009  Apresentação do Presidente José Sergio Habrielli de Azevedo “A Pe...
21.10.2009 Apresentação do Presidente José Sergio Habrielli de Azevedo “A Pe...
Petrobras
 
XIV CBE - MESA 6 - José gutman - 25 outubro 2012
XIV CBE - MESA 6 - José gutman - 25 outubro 2012XIV CBE - MESA 6 - José gutman - 25 outubro 2012
XIV CBE - MESA 6 - José gutman - 25 outubro 2012
CBE2012
 
Projetos para 2007 e Financiabilidade do PN 2007-11
Projetos para 2007 e Financiabilidade do PN 2007-11Projetos para 2007 e Financiabilidade do PN 2007-11
Projetos para 2007 e Financiabilidade do PN 2007-11
Petrobras
 
20.10.2009 Apresentação do Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo “A Pet...
20.10.2009 Apresentação do Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo “A Pet...20.10.2009 Apresentação do Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo “A Pet...
20.10.2009 Apresentação do Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo “A Pet...
Petrobras
 
Edição 30 - Petrobras em Ações - n° 01/2009
Edição 30 - Petrobras em Ações - n° 01/2009Edição 30 - Petrobras em Ações - n° 01/2009
Edição 30 - Petrobras em Ações - n° 01/2009
Petrobras
 
Exportações de Bicombustíveis - 2008
Exportações de Bicombustíveis - 2008Exportações de Bicombustíveis - 2008
Exportações de Bicombustíveis - 2008
ProjetoBr
 
Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo - O Dia - FIRJAN - Qualificar e C...
Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo - O Dia - FIRJAN - Qualificar e C...Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo - O Dia - FIRJAN - Qualificar e C...
Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo - O Dia - FIRJAN - Qualificar e C...
Petrobras
 

Semelhante a Webcast 4 t09_port (20)

Apresentação Apimec do 4º trimestre e do Exercício de 2009 em BR GAAP
Apresentação Apimec do 4º trimestre e do Exercício de 2009 em BR GAAPApresentação Apimec do 4º trimestre e do Exercício de 2009 em BR GAAP
Apresentação Apimec do 4º trimestre e do Exercício de 2009 em BR GAAP
 
Webcast 1T10
Webcast 1T10Webcast 1T10
Webcast 1T10
 
Apresentação petrobras port 01 03-11
Apresentação petrobras port 01 03-11Apresentação petrobras port 01 03-11
Apresentação petrobras port 01 03-11
 
Webcast portugues finalrev
Webcast portugues finalrevWebcast portugues finalrev
Webcast portugues finalrev
 
Webcast portugues final
Webcast portugues finalWebcast portugues final
Webcast portugues final
 
09.11.2009 Apresentação do Diretor Financeiro e de Relações com Investidores...
09.11.2009  Apresentação do Diretor Financeiro e de Relações com Investidores...09.11.2009  Apresentação do Diretor Financeiro e de Relações com Investidores...
09.11.2009 Apresentação do Diretor Financeiro e de Relações com Investidores...
 
Apresentação sobre o balanço do 3º trimestre
Apresentação sobre o balanço do 3º trimestre Apresentação sobre o balanço do 3º trimestre
Apresentação sobre o balanço do 3º trimestre
 
Resultados financeiros do 1º trimestre
Resultados financeiros do 1º trimestreResultados financeiros do 1º trimestre
Resultados financeiros do 1º trimestre
 
Resultados financeiros do 1º trimestre
Resultados financeiros do 1º trimestreResultados financeiros do 1º trimestre
Resultados financeiros do 1º trimestre
 
Resultados financeiros do 2º trimestre
Resultados financeiros do 2º trimestreResultados financeiros do 2º trimestre
Resultados financeiros do 2º trimestre
 
Estrategia, Crescimento e Resultados - Petrobras - Ativa
Estrategia, Crescimento e Resultados - Petrobras - AtivaEstrategia, Crescimento e Resultados - Petrobras - Ativa
Estrategia, Crescimento e Resultados - Petrobras - Ativa
 
Webcast 2009-2013
Webcast 2009-2013Webcast 2009-2013
Webcast 2009-2013
 
Petrobras Plano Estategico 2009 2013
Petrobras Plano Estategico 2009 2013Petrobras Plano Estategico 2009 2013
Petrobras Plano Estategico 2009 2013
 
21.10.2009 Apresentação do Presidente José Sergio Habrielli de Azevedo “A Pe...
21.10.2009  Apresentação do Presidente José Sergio Habrielli de Azevedo “A Pe...21.10.2009  Apresentação do Presidente José Sergio Habrielli de Azevedo “A Pe...
21.10.2009 Apresentação do Presidente José Sergio Habrielli de Azevedo “A Pe...
 
XIV CBE - MESA 6 - José gutman - 25 outubro 2012
XIV CBE - MESA 6 - José gutman - 25 outubro 2012XIV CBE - MESA 6 - José gutman - 25 outubro 2012
XIV CBE - MESA 6 - José gutman - 25 outubro 2012
 
Projetos para 2007 e Financiabilidade do PN 2007-11
Projetos para 2007 e Financiabilidade do PN 2007-11Projetos para 2007 e Financiabilidade do PN 2007-11
Projetos para 2007 e Financiabilidade do PN 2007-11
 
20.10.2009 Apresentação do Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo “A Pet...
20.10.2009 Apresentação do Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo “A Pet...20.10.2009 Apresentação do Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo “A Pet...
20.10.2009 Apresentação do Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo “A Pet...
 
Edição 30 - Petrobras em Ações - n° 01/2009
Edição 30 - Petrobras em Ações - n° 01/2009Edição 30 - Petrobras em Ações - n° 01/2009
Edição 30 - Petrobras em Ações - n° 01/2009
 
Exportações de Bicombustíveis - 2008
Exportações de Bicombustíveis - 2008Exportações de Bicombustíveis - 2008
Exportações de Bicombustíveis - 2008
 
Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo - O Dia - FIRJAN - Qualificar e C...
Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo - O Dia - FIRJAN - Qualificar e C...Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo - O Dia - FIRJAN - Qualificar e C...
Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo - O Dia - FIRJAN - Qualificar e C...
 

Mais de Petrobras

Strategic Plan 2040 || Business and Management Plan 2019-2023
Strategic Plan 2040 || Business and Management Plan 2019-2023Strategic Plan 2040 || Business and Management Plan 2019-2023
Strategic Plan 2040 || Business and Management Plan 2019-2023
Petrobras
 
Plano Estratégico 2040 || Plano de Negócios e Gestão 2019-2023
Plano Estratégico 2040 || Plano de Negócios e Gestão 2019-2023Plano Estratégico 2040 || Plano de Negócios e Gestão 2019-2023
Plano Estratégico 2040 || Plano de Negócios e Gestão 2019-2023
Petrobras
 
Petrobras Overview - September 2018
Petrobras Overview - September 2018Petrobras Overview - September 2018
Petrobras Overview - September 2018
Petrobras
 
Apresentação Investor Day, São Paulo, 2018
Apresentação Investor Day, São Paulo, 2018Apresentação Investor Day, São Paulo, 2018
Apresentação Investor Day, São Paulo, 2018
Petrobras
 
Petrobras Investor Day - London 2018
Petrobras Investor Day - London 2018Petrobras Investor Day - London 2018
Petrobras Investor Day - London 2018
Petrobras
 
Sustentabilidade 2017
Sustentabilidade 2017Sustentabilidade 2017
Sustentabilidade 2017
Petrobras
 
Apresentacao png-2018-2022-webcast-ingles
Apresentacao png-2018-2022-webcast-inglesApresentacao png-2018-2022-webcast-ingles
Apresentacao png-2018-2022-webcast-ingles
Petrobras
 
Apresentação PNG 2018-2022
Apresentação PNG 2018-2022Apresentação PNG 2018-2022
Apresentação PNG 2018-2022
Petrobras
 
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day Nova York
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day Nova YorkApresentação de Pedro Parente no Investor Day Nova York
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day Nova York
Petrobras
 
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day Londres
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day LondresApresentação de Pedro Parente no Investor Day Londres
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day Londres
Petrobras
 
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day São Paulo
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day São PauloApresentação de Pedro Parente no Investor Day São Paulo
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day São Paulo
Petrobras
 
Visão Geral 2017 fevereiro
Visão Geral   2017 fevereiro Visão Geral   2017 fevereiro
Visão Geral 2017 fevereiro
Petrobras
 
Petrobras General Overview
Petrobras General OverviewPetrobras General Overview
Petrobras General Overview
Petrobras
 
Petrobras at a Glance
Petrobras at a GlancePetrobras at a Glance
Petrobras at a Glance
Petrobras
 
Visão Geral Petrobras
Visão Geral PetrobrasVisão Geral Petrobras
Visão Geral Petrobras
Petrobras
 
Strategic Plan and 2017-2021 Business & Management Plan
Strategic Plan and 2017-2021 Business & Management PlanStrategic Plan and 2017-2021 Business & Management Plan
Strategic Plan and 2017-2021 Business & Management Plan
Petrobras
 
Plano Estratégico e Plano de Negócios e Gestão 2017-2021
Plano Estratégico e Plano de Negócios e Gestão 2017-2021Plano Estratégico e Plano de Negócios e Gestão 2017-2021
Plano Estratégico e Plano de Negócios e Gestão 2017-2021
Petrobras
 
Plano de Negócios e Gestão 2015 – 2019
Plano de Negócios e Gestão 2015 – 2019 Plano de Negócios e Gestão 2015 – 2019
Plano de Negócios e Gestão 2015 – 2019
Petrobras
 
Webcast 1T16
Webcast 1T16Webcast 1T16
Webcast 1T16
Petrobras
 
Webcast 1Q16
Webcast 1Q16Webcast 1Q16
Webcast 1Q16
Petrobras
 

Mais de Petrobras (20)

Strategic Plan 2040 || Business and Management Plan 2019-2023
Strategic Plan 2040 || Business and Management Plan 2019-2023Strategic Plan 2040 || Business and Management Plan 2019-2023
Strategic Plan 2040 || Business and Management Plan 2019-2023
 
Plano Estratégico 2040 || Plano de Negócios e Gestão 2019-2023
Plano Estratégico 2040 || Plano de Negócios e Gestão 2019-2023Plano Estratégico 2040 || Plano de Negócios e Gestão 2019-2023
Plano Estratégico 2040 || Plano de Negócios e Gestão 2019-2023
 
Petrobras Overview - September 2018
Petrobras Overview - September 2018Petrobras Overview - September 2018
Petrobras Overview - September 2018
 
Apresentação Investor Day, São Paulo, 2018
Apresentação Investor Day, São Paulo, 2018Apresentação Investor Day, São Paulo, 2018
Apresentação Investor Day, São Paulo, 2018
 
Petrobras Investor Day - London 2018
Petrobras Investor Day - London 2018Petrobras Investor Day - London 2018
Petrobras Investor Day - London 2018
 
Sustentabilidade 2017
Sustentabilidade 2017Sustentabilidade 2017
Sustentabilidade 2017
 
Apresentacao png-2018-2022-webcast-ingles
Apresentacao png-2018-2022-webcast-inglesApresentacao png-2018-2022-webcast-ingles
Apresentacao png-2018-2022-webcast-ingles
 
Apresentação PNG 2018-2022
Apresentação PNG 2018-2022Apresentação PNG 2018-2022
Apresentação PNG 2018-2022
 
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day Nova York
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day Nova YorkApresentação de Pedro Parente no Investor Day Nova York
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day Nova York
 
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day Londres
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day LondresApresentação de Pedro Parente no Investor Day Londres
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day Londres
 
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day São Paulo
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day São PauloApresentação de Pedro Parente no Investor Day São Paulo
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day São Paulo
 
Visão Geral 2017 fevereiro
Visão Geral   2017 fevereiro Visão Geral   2017 fevereiro
Visão Geral 2017 fevereiro
 
Petrobras General Overview
Petrobras General OverviewPetrobras General Overview
Petrobras General Overview
 
Petrobras at a Glance
Petrobras at a GlancePetrobras at a Glance
Petrobras at a Glance
 
Visão Geral Petrobras
Visão Geral PetrobrasVisão Geral Petrobras
Visão Geral Petrobras
 
Strategic Plan and 2017-2021 Business & Management Plan
Strategic Plan and 2017-2021 Business & Management PlanStrategic Plan and 2017-2021 Business & Management Plan
Strategic Plan and 2017-2021 Business & Management Plan
 
Plano Estratégico e Plano de Negócios e Gestão 2017-2021
Plano Estratégico e Plano de Negócios e Gestão 2017-2021Plano Estratégico e Plano de Negócios e Gestão 2017-2021
Plano Estratégico e Plano de Negócios e Gestão 2017-2021
 
Plano de Negócios e Gestão 2015 – 2019
Plano de Negócios e Gestão 2015 – 2019 Plano de Negócios e Gestão 2015 – 2019
Plano de Negócios e Gestão 2015 – 2019
 
Webcast 1T16
Webcast 1T16Webcast 1T16
Webcast 1T16
 
Webcast 1Q16
Webcast 1Q16Webcast 1Q16
Webcast 1Q16
 

Webcast 4 t09_port

  • 1. DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 4º trimestre e exercício de 2009 (legislação societária) Teleconferência / Webcast José Sergio Gabrielli de Azevedo Presidente 24 de Março de 2010 1
  • 2. AVISO As apresentações podem conter previsões acerca Aviso aos Investidores Norte- de eventos futuros. Tais previsões refletem apenas Americanos: expectativas dos administradores da Companhia. Os termos “antecipa", "acredita", "espera", "prevê", A SEC somente permite que as companhias "pretende", "planeja", "projeta", "objetiva", "deverá", de óleo e gás incluam em seus relatórios bem como outros termos similares, visam a arquivados reservas provadas que a identificar tais previsões, as quais, evidentemente, Companhia tenha comprovado por produção envolvem riscos ou incertezas previstos ou não ou testes de formação conclusivos que sejam pela Companhia. Portanto, os resultados futuros viáveis econômica e legalmente nas condições das operações da Companhia podem diferir das econômicas e operacionais vigentes. atuais expectativas, e o leitor não deve se basear Utilizamos alguns termos nesta apresentação, exclusivamente nas informações aqui contidas. A tais como descobertas, que as orientações da Companhia não se obriga a atualizar as SEC nos proíbem de usar em nossos relatórios apresentações e previsões à luz de novas arquivados. informações ou de seus desdobramentos futuros. Os valores informados para 2009 em diante são estimativas ou metas. 2
  • 3. REPOSIÇÃO SEGUE TRAJETÓRIA SUSTENTADA PRODUÇÃO DE RESERVAS 2010: Reservas brasileiras são repostas a 17 anos consecutivos DE CRESCIMENTO Bilhões boe Reservas Brasil Reservas Internacionais 14,093 oração : 14,169 Incorp boe 2,124 861 M M 2,113 Pro d 785 ução: MM boe 0,992 IRR: 110% 0,495 0,696 11,969 R/P: 18 anos 12,056 0,203 0,497 0,493 2008 2009 2008 2009 Pétroleo e LGN Gás Natural Petróleo e LGN Gás Natural o 18 anos de reservas por produção no Brasil, 8 anos de reserva por produção internacional o Pré-Sal da Bacia do Espírito Santo contribuiu com reservas de 182 milhões. As descobertas do Pré-Sal da Bacia de Santos estão em avaliação, portanto, ainda não são consideradas reservas provadas. o Redução das reservas internacionais devido à proibição de registro das reservas por empresas privadas na Bolívia. 3
  • 4. PRODUÇÃO SEGUE TRAJETÓRIA SUSTENTADA PRODUÇÃO 2009: Segue trajetória sustentada de crescimento DE CRESCIMENTO Mil boed Produção Total Produção Nacional +5% 2.288 +5% 2.526 2.176 2.400 317 224 238 321 2.176 2.288 1.855 1.971 2008 2009 2008 2009 Nacional Internacional Petróleo e LGN Gás Natural o Incremento de 6% na produção nacional de petróleo devido ao aumento na produção de plataformas (P-52, P-54 e P-53) e entrada em operação de 5 novas unidades o Crescimento de 6% na produção internacional devido ao aumento da produção dos campos de Akpo e Agbami na Nigéria o Produção de gás natural limitada pela demanda nacional 4
  • 5. PRODUÇÃO 2010 ÇÃO 2010: METAS DE PRODU Entrada de novos sistemas e aumento do fator de recuperação 1º TRIMESTRE 2º TRIMESTRE 3º TRIMESTRE 4º TRIMESTRE Gás Piloto de TUPI Óleo pesado TLD Tiro e Sidon Uruguá Tambaú Mexilhão 20 mil bpd 100 mil bpdI 10 milhões de m3/dia 15 milhões de m3/dia Pré sal 5 milhões m3/dia 35 mil bpd Cachalote e TLD Tupi Nordeste Baleia Franca 30 mil bpd 100 mil bpd 3,2 milhões m3/dia TLD Guará 30 mil bpd 200 71 79 2.050 2.171 2.100 META 2009 Diferença Diferença Meta 2010 Postergação Nova Meta Meta 2009 – Meta 2010 – Ajustada de projetos 2010 Produção 2009 Meta 2009 (PN 09-13) (PN 09-13) 5
  • 6. ABASTECIMENTO: Investimentos em qualidade e expansão Investimentos do Abastecimento em 2009 Produção de Derivados (mil bpd) R$ 17,3 bilhões 1.787 1.823 153 159 Qualidade 65 74 255 243 Complexidade 30% 136 143 34% 135 142 Novos projetos* 331 2% 343 9% Logística 25% Outros 694 737 Ativos em construção (US$ bi) 2008 2009 2008 2009 Diesel Gasolina GLP Nafta Óleo combustível QAV Outros US$ 11,9 US$ 22,7 o Aumento de 6,2% na produção de diesel e redução de 5% na produção de óleo combustível o Redução do volume de importação de diesel em 6 milhões de barris ○ Aumento de 178% no volume de petróleos ácidos e ultra-ácidos processados ○ Grandes investimentos para melhorar a qualidade dos combustíveis ○ Início da produção do Diesel S-50 em 3 refinarias (REDUC, REPLAN e REGAP) ○ 1 nova unidade de Hidrotratamento e 2 novas de Propeno 6 * Inclui RNEST, Comperj, Petroquímica de Suape e Plangás
  • 7. VENDA DE DERIVADOS E GÁS NATURAL 2009: Cresce a venda no mercado interno Derivados Gás Natural +2% 1.810 1.849 1.762 Mil barris/dia 434 492 489 311 211 222 212 244 247 364 327 366 753 769 782 4T08 3T09 4T09 4T08 3T09 4T09 Diesel Gasolina GLP Outros o Aumento na venda de diesel em razão da recuperação da economia nacional (importações reduziram em 43%) o Crescimento da venda de gasolina devido à perda de competitividade do etanol o Manutenção da venda de gás natural em níveis reduzidos devido à menor demanda termoelétrica 7
  • 8. INVERSÃO DO PERFIL DA BALANÇA COMERCIAL DA COMPANHIA (mil barris/dia) Derivados 2008 2009 Petróleo 673 705 571 549 227 234 197 152 439 478 156 373 102 397 Exportação Importação Exportação Exportação Importação Exportação Líquida Líquida Volume Financeiro (US$ Milhões) o Crescimento de 5% da produção de petróleo no Brasil e redução de 23% no volume total de - US$ 927 + US$ 2.874 derivados importados geraram superávit volumétrico de 156 mil bpd na balança comercial 22.173 21.246 12.327 15.201 o Programa de Maximização de Diesel contribuiu para a redução de 43% das importações de Diesel o Reversão do saldo financeiro, a favor da Cia., foi de 2008 2009 US$ 3,8 bilhões no comparativo 2009/2008 Importação Exportação 8
  • 9. VENDAS DE ENERGIA E BIOCOMBUTÍVEIS Venda de Biocombustíveis Venda de Energia Elétrica Mil boe/dia MW médio +34% 125 +23% 1.721 93 1.401 98 74 19 27 2008 2009 2008 2009 Biodiesel Álcool o Venda de bicombustíveis cresce 34% em função da mudança no percentual obrigatório de mistura do biodiesel no diesel (indo de 3% para 4%) o Crescimento de 23% na venda de energia elétrica em função das vendas de curto prazo (balanço) superiores às realizadas em 2008, devido a recuperação de lastro das termelétricas o Realização de diversos Leilões de curto prazo para venda de gás natural 9
  • 10. CONSOLIDAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DE GÁS NATURAL E PRODUÇÃO DE ENERGIA o Consolidação da infra-estrutura de transporte de gás natural e de geração de energia elétrica. Destaque para: Gasoduto Urucu-Coari-Manaus e Gasoduc III – 844 KM de extensão e capacidade de 44,1 milhões de m3/dia de GN o Terminais de regaseificação de GNL da Bahia de Guanabara e Pecém - 27 Milhões de m3/dia o Desenvolvimento do Projeto de Gás Natural Liquefeito e Embarcado: Desenvolvimento do projeto de FEED – Pólo Pré Sal na bacia de Santos. o Maior flexibilidade na oferta de gás: o Novas modalidades da venda de GN e energia elétrica por meio de contratos de curto prazo e acordos comerciais no mercado secundário de gás permite venda média de 4,7 Milhões de M3/dia de GM em 9 leilões o Diversificação da sua carteira de geração concluindo seu primeiro ciclo de investimentos 10
  • 11. CUSTOS: Bem sucedida política de otimização de custos Contratação o Nova licitação de serviços e equipamentos da Refinaria Abreu e Lima economia de R$ 7 bilhões o Renegociação de preço dos 8 cascos dos FPSOs para o pré-sal e dos FPSOs de Guará e Tupi Nordeste o Nova licitação das plataformas P-61 e P-63 redução de US$ 420 milhões o Estratégia de contratação para novas sondas de perfuração Projeto Contratação Otimização de o 8 FPSOs replicantes para o pré-sal Custos o P-56 clone da P-51 Projeto o Realocação do FPSO Capixaba de Golfinho para o Parque das Baleias Cultura Cultura Corporativa o Redução de R$ 750 milhões em gastos administrativos o 6 mil sugestões recebidas dos empregados 11
  • 12. IMPACTO DOS PREÇOS EM 2009: Volatilidade dos preços internacionais, estabilidade dos preços no mercado doméstico Média 2009 Petróleo Petrobras (US$/bbl) Brent (US$/bbl) 270 R$/bbl 121 PMR Petrobras: 157,77 120,00 115 PMR EUA: 130,06 105 220 100,00 97 89 101 86 170 US$/bbl 80,00 75 77 75 68 Média 2008 70 59 120 60,00 64 64 55 PMR EUA: 194,71 49 48 44 70 40,00 PMR Petrobras: 176,41 32 20,00 20 3T07 4T07 1T08 2T08 3T08 4T08 1T09 2T09 3T09 4T09 jun-07 set-07 dez-07 mar-08 jun-08 set-08 dez-08 mar-09 jun-09 set-09 dez-09 o Aumento das cotações da commodity, maiores volumes exportados e redução do desconto entre óleo leve/pesado beneficiaram o resultado de 2009. o PMR Petrobras, em Reais, estável, apesar da volatilidade de curto prazo o Convergência dos preços dos derivados no mercado doméstico e internacional no longo prazo o Margens do refino positivas em 2009, contribuindo para o bom resultado do Abastecimento (receita estável, menores custos) 12
  • 13. LUCRO OPERACIONAL 2009: Controle de custos garante estabilidade do Lucro Operacional (R$ MILHÕES) 45.950 (32.408) 32.586 - 46.128 Jan-Dez/ 08 Receita Despesas Jan-Dez/ 09 CPV Operacionais Lucro Operacional (1) Lucro Operacional (1) Operacional Líq. o Queda na ROL foi função dos menores preços do óleo (2008: R$ 149,80; 2009:R$ 104,88) e do PMR dos derivados (2008: R$ 176,41; 2009:R$ 157,77) o Forte redução do CPV com menor custo de extração com Part. Governamental e redução dos preços do óleo e dos derivados importados o Excluindo a despesa extraordinária com a PE de Marlim (R$ 2,065 bi), Lucro Operacional cresceria, aproximadamente, 5% 13 (1) Lucro operacional antes do resultado financeiro, da equivalência patrimonial e dos impostos
  • 14. LUCRO LÍQUIDO 2009: Pequeno declínio em grande parte devido a variações cambiais (R$ MILHÕES) 178 (5.967) 5.985 (4.992) 32.988 28.982 790 2008 Lucro Resultado Part. Invest. Part. Acion. 2009 Impostos Lucro Líq. Operacional (1) Financeiro Relevantes Não Control. e Lucro Líq. Part. dos Empregados o Reversão do movimento do câmbio (2008: desvalorização de 32%; 2009: valorização de 26%) e aumento de dívida indexada à variação da moeda levaram à piora do resultado financeiro o Part. Inv. Relevantes refletiu melhores resultados do setor petroquímico (R$ 682 milhões) e internacional (R$ 127 milhões) o Redução do IR/CSLL devido ao menor lucro, aumento do resultado em unidades no exterior com taxas diferenciadas de imposto e prejuízo de algumas controladas o Participação de Acionistas não controladores refletiu ganhos cambiais sobre dívida de projetos estruturados 14 (1) Lucro operacional antes do resultado financeiro, da equivalência patrimonial e dos impostos
  • 15. ENDIVIDAMENTO MANTIDO DENTRO DA META R$ Bilhões 31/12/2009 30/9/2009 31/12/2008 31% Endividamento de 15,3 10,6 13,9 Curto Prazo 26% 26% 28% Endividamento de 28% 85,0 79,6 50,8 Longo Prazo 22% 21% Endividamento 19% 100,3 90,2 64,7 Total Disponibilidades 28,8 30,1 15,9 12% 15% Endividamento 71,5 60,1 48,8 Líquido Dívida 1,2X 1,1X 0,9X líquida/Ebitda US$ Bilhões 30/12/2009 30/9/2009 31/12/2008 31/12/2008 30/6/2009 31/12/2009 Endividamento 57,6 50,7 27,7 Total Div. Liq/Cap. Liq Div. CP/Div. o Perfil do endividamento melhorou : longo prazo,a custos competitivos e fontes diversificadas o Nível de alavancagem mantido dentro da faixa ótima de 25% a 35% 15
  • 16. MELHORA DO PERFIL DA DÍVIDA Evolução do Endividamento 2007 - R$ 39,74 bilhões 2009 - R$ 100,33 bilhões 15% 23% Curto Prazo Longo Prazo 77% 85% Perfil Amortização Dívida Longo Prazo o Aumento do endividamento para 80 financiamento de investimentos de 70 longo prazo 73% 60 60% o Aumento do endividamento de LP com 50 maior concentração nas amortizações 40 acima de 08 anos 30 40% o Prazo Médio alcançou 7,46 anos em 20 27% 2009 contra 4,21 em 2008 2007 Até 05 anos2008 > 08 anos 2009 16
  • 17. FLUXO DE CAIXA E CAPACIDADE DE ENDIVIDAMENTO SUSTENTAM CRESCIMENTO DOS INVESTIMENTOS R$ milhões Jan‐Dez 2008 Jan‐Dez 2009 4T09 Caixa Inicial 13.071 15.889 30.088 Geração Operacional 49.952 51.838 13.658 Investimento (53.425) (70.280) (19.658) Fluxo de Caixa Líquido (3.473) (18.442) (6.000) Dividendos Pagos (6.213) (15.440) (5.605) Financiamentos Líquidos 11.837 47.067 10.080 Caixa Final 15.889 28.796 28.796 Brent (US$/bbl) 97 62 75 Taxa de câmbio (R$/US$) 1,84 2,00 1,74 o Apesar da queda dos preços das commodities no mercado internacional, caixa gerado pelas atividades operacionais cresceu 4% em 2009 o Elevação do volume de investimentos foi acompanhado pelo aumento de financiamentos o Caixa robusto ao término de 2009 e expectativa de expressivo resultado operacional em 2010 sustentam a manutenção dos investimentos no ano 17
  • 18. IMPLANTAÇÃO DOS INVESTIMENTOS E PAN 2010 Investimentos 2009 Plano Anual de Negócios 2010 R$ 70,7 bilhões 25% R$ 88,547 bilhões 0,6 3,8 0,9 2,6 6,8 6,2 E&P Abastecimento 31,6 8,1 10,5 Gas e Energia 36,7 Internacional 17,4 Distribuição 34,0 Outros EBITDA (em R$ bilhões) 57 60 2008 2009 18
  • 19. PLANO DE NEGÓCIOS 2010 - 2014 INVESTIMENTO 2010 – 2014 ENTRE US$ 200 A US$ 220 BILHÕES: PRINCÍPIOS A SEREM OBSERVADOS o Alavancagem Líquida entre 25% e 35% o Índice Dívida Líquida / EBITDA máximo de 2,5x o Manutenção dos retornos dos Investimentos nos diferentes segmentos PREMISSAS RELEVANTES PARA AS PROJEÇÕES o Curva do Petróleo Brent – tendência ascendente o Capitalização da Empresa – valor e momento de efetivação o Necessidade de Financiamento para o novo Plano Estratégico 2010-2014 19
  • 20. PANORAMA DOS CUSTOS DA INDÚSTRIA: Nova tendência de crescimento frente a recuperação da economia ÍNDICE DO CUSTO DE CAPITAL DO E&P ÍNDICE DO CUSTO OPERAC. DO E&P ÍNDICE DO CUSTO DE CAPITAL DO ABAST. 3T08 230 4T08 4T10 Índice de custo (2000=100) 221 211 3T08 4T09 187 201 4T09 4T10 1T09 172 176 170 20 Fonte: IHS CERA – Março 2010
  • 21. SIMULAÇÃO DE FINACIABILIDADE: Tendência ascendente do Petróleo e Capitalização garantem financiabilidade Simulação de Financiabilidade Exercício dos minoritários na capitalização (US$ bilhões) 15 25 Investimento 2010 - 2014 200 220 Preços do petróleo (US$ brent) 64 77 Exercício de Financiabilidade Alavancagem Líquida 32% 27% Dívida Líquida/EBITDA 2,2 1,6 21
  • 22. PLANO DE NEGÓCIOS 2010 - 2014 Aprovação de Projetos, totalizando até R$ 265 bilhões, que estarão presentes na carteira de investimento para o período 2011 – 2014, sendo: E&P – R$ 163,6 bilhões ABAST - R$ 80,5 bilhões G&E - R$ 20,2 bilhões PBIO - R$ 430 milhões Principais Projetos: o Expressivo investimento no pré-sal sem descontinuar o investimento no pós-sal, incluindo a manutenção da auto-suficiência em óleo e investimentos em infra- estrutura para o pré-sal o Investimentos na Ampliação e Modernização do Parque de Refino o Desenvolvimento de Projetos Petroquímicos e Fertilizantes o Investimentos em Alcooldutos o Expansão da malha de gasodutos e Investimentos em GNL o Novos projetos em Energia 22
  • 23. NOTÍCIAS: PRÉ-SAL - Intensificam-se os esforços exploratórios no cluster de santos o A produção do poço de Teste de Longa Duração (TLD) se mantém estável em torno de 20 mbpd o 2 poços sendo perfurados: um ao Norte de Tupi (Tupi O/A) e um ao Norte de Guará o 1 poço sendo perfurado para a ANP ao Norte de Iara o Poço de Guará testando e conclusão do teste de Tupi NE com produtividade média de 30 mil bpd o A expectativa é de que 11 novos poços sejam perfurados nesta região ao longo de 2010 Parati Iara o Licitações em andamento: (i) FPSO para um segundo piloto no BM-S-11 (ainda em definição) IracemaTupi NE (ii) 8 cascos p/ o Pólo Pré-Sal Tupi O/A (iii) FPSO para o piloto de Guará Tupi Júpiter Guará Norte Bem-te-vi Carioca Tupi 660 Tupi Sul Iguaçu Abaré Guará Tupi 646 Poços Perfurados Perfurando para ANP Azulão Guarani Perfurando Caramba Completando / testando 23 TLD 23
  • 24. NOTÍCIAS: Novo marco regulatório e capitalização o Depende da definição das áreas o Uma perfuração em andamento e Valoração dos uma programada barris o Avaliação por 2 certificadoras Indep. o Possibilidade de reajuste Resultados da  capitalização o AINDA NÃO DETERMINADO o Acesso a  o Acesso a  Tamanho da o Variáveis consideradas: valor dos reservas reservas capitalização barris + necessidade de financiamento + estrutura de capital o Robustez  o Robustez  o Comitê especial de acionistas financeira financeira minoritários Transparência e o Direito de subscrição a todos os o Participação  o Participação  acionistas. de todos os  de todos os  equidade o Transparência na divulgação de acionistas  acionistas  informação numa  numa  o 4 Projetos aprovados na Câmara empresa de  empresa de  (capitalização, nova empresa, fundo maior porte e  maior porte e  social e partilha de produção) Cronograma com mais  com mais  o Regime Urgência: Senado teria até 45 dias para aprovar, modificar ou oportunidades oportunidades rejeitar. Caso modifique volta p/ a Câmara o Previsão de tempo p/ implantação: 60 a 90 dias após a aprovação final 24
  • 25. TRAMITAÇÃO DO PL 5941/09 (CAPITALIZAÇÃO): A partir da chegada no senado federal considerando urgência constitucional 25 dias o Projeto é Distribuído para as Comissões e Aberto o Prazo para Emendas 2 o Após encerramento do prazo para emendas haverá votação dos pareceres dos relatores nas comissões e envio dos relatórios das comissões para o plenário Chegada ao Senado, Leitura de Mensagem Leitura do Projeto e Presidencial Solicitando Inclusão na Votação no Despacho1 Regime de Urgência Ordem do Dia Plenário Constitucional Art.64 C.F. do Plenário 22/03/10 até 35 dias 06/05/10 após 45 dias, a pauta fica sobrestada 17/05/10 Apreciação e até 10 dias Volta para a Aprovado votação das Câmara alterações com alteração até 15 dias úteis até 15 dias úteis Vai à sanção Art 66 CF Art 66 CF Presidencial Aprovado 04/06/10 27/05/10 Rejeitado Arquivado 1 Distribuição para as Comissões 2 As emendas são apresentadas na CCJ 25
  • 26. RECUPERAÇÃO DO VALOR DE MERCADO DA COMPANHIA US$ bilhões 31/12/2009 -20,3% 99,6% 13,0% 24,2% 2,8% 14,7% 350 324 300 250 199 200 181 181 154 150 150 100 50 0 450 406 400 350 31/12/2008 300 250 200 160 146 150 150 131 100 100 50 o Melhora das expectativas contribuiu para a elevação dos Valores de Mercado das principais Companhias de Óleo e Gás o Dentre as peers, recibos da Petrobras foram os que apresentaram a maior valorização no ano 26 Fonte: Bloomberg
  • 27. CAPEX 2009 E ESTIMATIVAS PARA 2010 50.000 45.000 40.000 35.000 30.000 US$ MM 25.000 Média 2009 s/ 20.000 Petrobras Média 15.000 2010 s/ Petrobras 10.000 (-5%) 5.000 0 * 2009 2010 2009 2010 2009 2010 2009 2010 2009 2010 2009 2010 2009 2010 2009 2010 2009 2010 2009 2010 2009 2010 Fonte: Evaluate Energy e Relatórios das Empresas * Para o cálculo do Capex da Petrobras de 2010, de R$ 88,5 Bi, utilizou-se a taxa de câmbio de 1,87 R$/US$ (premissa Petrobras para 2010). Para 2009 resultado preliminar em USGAAP – Não auditado 27
  • 28. Informações: Relações com Investidores +55 11 3224-1510 petroinvest@petrobras.com.br 28
  • 29. EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO: Menores preços de venda explicam redução do lucro líquido (R$ MILHÕES) 57.232 (33.093) 3.050 (1.195) (1.711) 29.972 5.689 Jan-Dez/08 Efeito Preço Efeito Custo Efeito Volume Efeito Volume no Despesas Jan-Dez/09 Lucro Operac. na Receita médio no CPV na Receita CPV Operacionais Lucro Operac. o Queda da receita explicada pela redução de 30% no preço do óleo e de 44% no gás transferidos o Crescimento de 5% da produção doméstica de óleo e gás se refletiu em maior volume vendido o Redução de 17% do Lifting Cost com Part. Gov. contribuiu para a redução do CPV o Desconsiderando a despesa extraordinária com a PE no campo de Marlim, despesas operacionais teriam apresentado queda 29
  • 30. ABASTECIMENTO: Elevação das vendas e menores custos de importação ditam ótimo resultado (R$ MILHÕES) 2.240 (2.203) 53.457 234 20.482 (4.598) (28.648) Jan-Dez/08 Efeito Preço Efeito Custo Efeito Volume Efeito Volume no Despesas Jan-Dez/09 Lucro Operac. na Receita médio no CPV na Receita CPV Operacionais Lucro Operac. o Menores preços de exportação e do PMR no mercado doméstico levaram à redução da receita o Forte redução do custo de aquisição do óleo nacional e dos derivados importados e menor custo médio dos estoques se refletiu na brusca queda do CPV do Abastecimento o Aumento de 6% na produção de diesel com redução nas importações em 6 milhões de barris o Margem operacional em 2009 atingiu 14%, enquanto em 2008 foi de -3% 30
  • 31. GÁS & ENERGIA: Ganho de margens, apesar da retração da demanda doméstica (R$ MILHÕES) (2.879) 546 1.541 3.388 2.497 (529) (1.482) Jan-Dez/08 Efeito Preço Efeito Custo Efeito Volume Efeito Volume no Despesas Jan-Dez/09 Lucro Operac. na Receita médio no CPV na Receita CPV Operacionais Lucro Operac. o Menores volumes de venda de gás (queda de 19%) e redução de preços (diminuição de 7%) acompanhada pela mesma tendência em energia elétrica promoveram a queda na receita o Forte redução dos Custos de Aquisição do Gás doméstico, importado e de energia elétrica determinaram a melhora da margem bruta do segmento (de 11% para 28%) o A conclusão da infraestrutura para escoamento do gás evitou penalidades por falha do fornecimento, contribuindo para a reversão do resultado do segmento em 2009 31
  • 32. DISTRIBUIÇÃO: Ampliação da participação de mercado e maiores volumes de vendas 7.401 (6.786) (R$ MILHÕES) (318) 1.833 (4.887) 2.035 4.792 Jan-Dez/08 Efeito Preço Efeito Custo Efeito Volume Efeito Volume no Despesas Jan-Dez/09 Lucro Operac. na Receita médio no CPV na Receita CPV Operacionais Lucro Operac. o Queda do Preço de venda mais que compensada pelo aumento do volume de vendas (+13%) e pela maior participação de mercado, refletindo a aquisição da Alvo Distribuidora (2008: 34,9%; 2009: 38,6%) o Maiores gastos com vendas e despesas gerais e administrativas acarretaram na elevação das despesas operacionais 32
  • 33. INTERNACIONAL: Ganho de produção acompanhado por melhores margens de refino (R$ MILHÕES) (1.025) 1.146 813 1.452 (1.294) (2.748) 3.282 Jan-Dez/08 Efeito Preço Efeito Custo Efeito Volume Efeito Volume no Despesas Jan-Dez/09 Lucro Operac. na Receita médio no CPV na Receita CPV Operacionais Lucro Operac. o Queda dos preços das commodities negociadas no exterior (óleo:-15%;gás:-26%) foram parcialmente compensadas pelo aumento da produção em Agbami (jul08) e início da produção em Akpo (mar09) o Contribuiu para a redução do CPV os menores preços de aquisição e as melhores margens de refino nas operações nos EUA e no Japão o Redução das perdas com ajustes no valor de mercado dos estoques (- 261mi) e melhor resultado com a provisão para o valor recuperável dos ativos (2008:-330mi; 2009:+7mi) explicam menores despesas e ganhos de margens operacionais 33