SlideShare uma empresa Scribd logo
Teleconferência / Webcast     Almir Barbassa
Divulgação de Resultados       Diretor Financeiro e de Relações
      2º trimestre 2007        com Investidores
     (Legislação Societária)   14 de agosto de 2007
AVISO
As apresentações podem conter previsões acerca de eventos futuros. Tais previsões refletem apenas
expectativas dos administradores da Companhia. Os termos antecipa", "acredita", "espera", "prevê",
"pretende", "planeja", "projeta", "objetiva", "deverá", bem como outros termos similares, visam a identificar tais
previsões, as quais, evidentemente, envolvem riscos ou incertezas previstos ou não pela Companhia.
Portanto, os resultados futuros das operações da Companhia podem diferir das atuais expectativas, e o leitor
não deve se basear exclusivamente nas informações aqui contidas. A Companhia não se obriga a atualizar as
apresentações e previsões à luz de novas informações ou de seus desdobramentos futuros.


Investidores Norte-Americanos:
A SEC somente permite que as companhias de óleo e gás incluam em seus relatórios arquivados de reservas
provadas que a Companhia tenha comprovado por produção ou testes de formação conclusivos que sejam
viáveis econômica e legalmente nas condições econômicas e operacionais vigentes. Utilizamos alguns termos
nesta apresentação, tais como descobertas, que as orientações da SEC nos proíbem de usar em nossos
relatórios arquivados.




                                                                                                                     1
PRODUÇÃO NACIONAL DE ÓLEO E LGN



• Produção estável, refletindo o
                                                        Δ=-
                                                           0,6%
declínio natural dos campos                     1.800
maduros, compensados em parte                                     1.789
pela elevação da produção das
plataformas FPSO Rio de Janeiro,




                                      mil bpd
P-34 e FPSO Capixaba.
• 1T07 – Parada Programada da P-37
• 2T07 – Paradas Programadas: P-18,
P-07 e P-09 e parada não programada
na FPSO-Seillan. Além disso,
problemas operacionais em oleoduto
na UN-SEAL e nas plataformas
FPSO-Brasil e P-34, situações já
normalizadas.
                                                 1T07             2T07



                                                                          2
PREÇOS DE PETRÓLEO DO E&P

                                                                          69,5                         68,8
                                                             69,6


                                                 61,8
                        61,5                                             66,1
                                                             64,7                      59,7
                                     56,9       57,6                                            57,8   64,9
                          56,4
US$/bbl




                                                                         58,7
                                     52,7                    58,2                    56,1
          51,6                                                                                 54,8    57,0
                          54,2                    53,7
          49,3
                                                                                    48,7
          43,0                        46,1                                                    47,8




                 2T05     3T05      4T05         1T06         2T06         3T06       4T06      1T07   2T07
                            Preço médio de venda         Brent (média)         Cesta OPEP


  Aumento no preço médio de venda/transferência do óleo do E&P em linha com o mercado
  internacional.
                                                                                                              3
REFINO NO BRASIL E VENDAS NO MERCADO INTERNO

       Mil barris/dia                                                                                                                   %
                    93
                                                                                                                                               90
1. 9 50                                                                                              90
                                                 89                                                                             89
                        80                                                 85                                                   78
                                                                                                       77                                      80
               1.795                               79                      78
1. 8 0 0                                                                                      1.781                       1.796
                                            1.753 1.746
                                                                               1.711                                               1.709       70
                         1.684                                         1.696
                                                                                                        1.646
1. 6 50
                                                                                                                                               60



1. 50 0                                                                                                                                        50
                    2 T0 6                       3 T0 6                   4 T0 6                    1T 0 7                     2 T0 7
           Pr o d ução N acio nal d e D er ivad o s                                V o l ume d e V end as d e D er i vad o s

           U t il iz ação C ap aci d ad e N o minal - B r asi l ( %)               Par t i cip ação ó leo nacio nal na C ar g a Pr o cessad a ( %)



• Aumento na venda de derivados - principalmente diesel - devido à sazonalidade do consumo e à
expansão das atividades econômicas que têm uso intensivo de equipamentos agrícolas e rodoviários.

                                                                                                                                                 4
PREÇO MÉDIO DE REALIZAÇÃO - PMR

100
                                                   2T06                              1T07              2T07
                                                   Média                             Média             Média
                                                       81,8
80                                                                                                     82,4
                                                       70,6                            71,5            78,2
                                                       69,6
60                                                                                     68,8            68,7

                                                                                      57,7
40




20
 Mar-05     Jun-05    Sep-05     Dec-05       Mar-06          Jun-06      Sep-06   Dec-06     Mar-07       Jun-07

                                    PMR Brasil (US$/bbl)
                                    Preço Médio Brent (US$/bbl)
                                    PMR EUA (US$/bbl c/ vol. vend. no Brasil)


 • Aumento sazonal do PMR EUA em função da proximidade da temporada de férias americana;
 • Aumento do PMR Brasil confirma a política de alinhamento de preços internos aos internacionais no
 médio/ longo prazo, evitando o repasse da volatilidade de curto prazo;
                                                                                                               5
DEMONSTRATIVO DE RESULTADO 2T07 VS 1T07
                                                 1T07    2T07
                                                                                        41.798
          Receita Líquida                                                                         7,5%
                                                                                    38.894

                                                            24.489
                       CPV                                 23.692                                 3,4%
  R$ milhões




                                                14.190
                    EBITDA                                                                        29,1%
                                           10.993


 Lucro Operacional                       11.535                                                   34,4%
                                     8.582


               Lucro Líquido       6.800
                               4.131                                                              64,6%



• Aumento de 64,6% no lucro líquido do 2T-2007 em decorrência:
    • Aumento dos volumes vendidos no mercado interno e melhor PMR;
    • Maiores cotações do petróleo no mercado internacional;
    • Ausência dos gastos extraordinários ocorridos no 1T-2007 com repactuação do Plano Petros;
    • Benefício fiscal decorrente do provisionamento dos juros sobre capital próprio.

                                                                                                          6
ANÁLISE DAS DESPESAS OPERACIONAIS 2T07 VS 1T07

                                                        1T07        2T07
                                                                                     1.443
             Despesas de Vendas                                                                             2,0%
                                                                                    1.415

                                                                                      1.498
R$ milhões




                 Gerais e Admin.                                                        1.545               -3,0%

                                             391
             Custos Exploratórios                                                                           -40,3%
                                                       655

                                           323                                                              8,0%
                      Tributárias
                                          299

                                                                            1.239
                          Outras                                                                            -33,8%
                                                                                                   1.871


   • Custos Exploratórios: menores gastos no exterior, com sísmica no 2T-2007
   • Outras: Diminuição de quase 34% devido principalmente à ausência dos efeitos da repactuação do Plano
     Petros, ocorrido no 1T07


                                                                                                                     7
EVOLUÇÃO DO RESULTADO NO TRIMESTRE (2T07 VS 1T07)
             Exploração & Produção – Evolução do Lucro Operacional – R$ milhões

        1.800                   Produção Doméstica de Óleo, LGN e Condensado (mil bpd)                 1.789
                       2.122               31                220              15              50           10.024


    8.056




1T07 Lucro Oper.   Efeito Preço na   Efeito Volum e na   Efeito Custo   Efeito Volum e no   Despesas   2T07 Lucro Oper.
                       Receita            Receita        Médio no CPV          CPV           Operac.

• Aumento dos preços médios de venda/ transferência, acompanhando a evolução das
  cotações de petróleo no mercado internacional.
                                                                                                                          8
EVOLUÇÃO DO RESULTADO NO TRIMESTRE (2T07 VS 1T07)
               Abastecimento – Evolução do Lucro Operacional – R$ milhões

                                1.982          1.578


                                                            1.694
                 1.541


                                                                           90         3.358
   3.197




 1T07 Lucro   Efeito Preço   Efeito Volume Efeito Custo Efeito Volume   Despesas   2T07 Lucro
   Oper.       na Receita      na Receita Medio no CPV     no CPV        Operac.     Oper.


• Aumento do preço médio de realização de derivados, devido as cotações mais altas do petróleo
  no mercado internacional, maior volume vendido e realização de estoques formados a menores
  custos de aquisição que compensou parcialmente o aumento do custo médio.
                                                                                                 9
EXPORTAÇÃO LÍQUIDA DE PETRÓLEO E DERIVADOS

           Superávit Físico de 23 mil bpd e Déficit Financeiro de US$ 242 milhões no 2T07

        Exportação (mil barris/dia)                     Importação (mil barris/dia)

                     669     624      592                           540               569
           576                                             510
  548                                            442                        437
                      215                                           132               159
                              247                           137
            221                        271        88                         97
  281

                      454                                   373     408               410
            355               377                354                        340
  267                                  321



 2T06      3T06      4T06    1T07      2T07      2T06      3T06     4T06    1T07      2T07
                  Petróleo          Derivados


• Volume maior de importações de petróleo e derivados devido à elevação da demanda,
  especialmente por derivados leves.

                                                                                             10
EVOLUÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO – R$ milhões (2T07 VS 1T07)

        1.800                   Produção Doméstica de Óleo, LGN e Condensado (mil bpd)                             1.789
                      2.903           796          763                109              172                            6.800
                                                                                                     25




        4.131




        1T07 LL       Receita         CPV        Desp. Oper.    Desp. Fin., Não      Impostos   Part. acionistas      2T07 LL
                                                               Oper., Outros e Eq.               não control.
                                                                      Pat.


• Aumento da receita decorrente do aumento dos volumes vendidos no mercado interno e dos preços (atrelados às cotações
  internacionais do petróleo);
• Melhor estrutura de CPV pela realização de estoques formados a menores custos de aquisição no trimestre anterior,
  reduzindo o impacto negativo de custos mais altos no resultado;
• Diminuição das despesas operacionais decorrente da ausência dos efeitos da repactuação do Plano Petros (R$ 1 bilhão),
  ocorrido no 1T07;
• Redução no montante de impostos devido ao benefício fiscal decorrente do provisionamento de JCP (R$ 746 milhões).
                                                                                                                                11
ESTRUTURA DE CAPITAL

                                           Índices de Endividamento da Petrobras

                                       27%    28%                             R$ milhões                               30/06/2007 31/03/2007
                                                       27%
                 26%                                                          Endividamento de Curto
   26%
                            28%                                                       (1)                                   10.720        11.879
            24%                                                  27%          Prazo
                                                                              Endividamento de Longo
                                                                                      (1)                                   29.100        32.539
          20%                                                                 Prazo
  19% 23%                                              19%
                            18% 17%
                                                                 17%          Endividamento Total                           39.820        44.418
                                              16%

                                                                              Caixa e Aplic. Financeiras                    17.854        20.463

                                                                                                            (2)
                                                                              Endividamento Líquido                         21.966        23.955
set/05 dez/05 mar/06 jun/06            set/06 dez/06 mar/07 jun/07


                 End. Líq./Cap. Líq.     End. CP/End. Total

• Queda de 8% no endividamento líquido decorrente principalmente da geração líquida de caixa no período (R$ 2.948
milhões), mesmo considerando o crescimento expressivo de investimentos e o pagamento de dividendos, além do
reflexo da apreciação do Real sobre o endividamento.
  (1) Inclui endividamento contraído através de contratos de Leasing (R$ 1.980 milhões em 30.06.2007 e R$ 2.259 milhões em 31.03.2007).
  (2) Endividamento Total – Disponibilidades
                                                                                                                                               12
DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - CONSOLIDADO
                                                     R$ milhões
                                                         2T07                   1T07
      (=) Caixa Gerado pelas Atividades Operacionais        13.548                 7.493
       (-) Caixa Utilizado em Atividades de Investimento         (10.600)          (7.951)
       (=) Fluxo de Caixa Livre                                    2.948            (458)
       (-) Caixa Utilizado em Atividades de Financiamento         (5.557)          (6.908)
          Financiamentos                                          (3.958)          (1.035)
          Dividendos                                              (1.599)          (5.873)
       (=) Geração de Caixa no Período                            (2.609)          (7.366)
       Caixa no Início do Período                                20.463           27.829
       Caixa no Final do Período                                 17.854           20.463
•   Diminuição da disponibilidade de caixa principalmente devido ao pagamento de financiamentos.
•   Projeto Malhas - US$ 900 milhões
•   P-53 – US$ 190 milhões
•   P-51 – US$ 204 milhões
•   EVM – US$ 123 milhões
                                                                                               13
INVESTIMENTOS

                                         R$ milhões
                                                              1S07       %
              Investimentos Diretos                          17.030       86
              Exploração e produção                           9.092       45
              Abastecimento                                   2.856       14
              Gás e Energia                                     730        4
              Internacional                                   3.486       19
              Distribuição                                      547        3
              Corporativo                                       139        1
              Sociedades de Propósito Específico (SPEs)       2.596       13
              Empreendimentos em Negociação                     169        1
              Projetos Estruturados                             -        -
              Total de investimentos                         19.795      100



• Os investimentos do Sistema Petrobras atingiram o montante de R$ 19.795 milhões destacando-
  se a ampliação da capacidade futura de produção de petróleo e gás natural no país (R$ 9.092
  milhões) e no exterior (R$ 3.129 milhões)
                                                                                           14
CUSTOS DE EXTRAÇÃO SEM PARTICIPAÇÃO GOVERNAMENTAL
                                                                       Δ = 1,81% ou US$ 0,13
                                          Sem Partic. Gov.
     US$/bbl                                         7,24                 7,20                 7,33
                                6,64
           6,12




          2T06                 3T06                 4T06                 1T07                 2T07



• Aumento de 1,8% em função principalmente da apreciação do Real frente ao Dólar de 6%, incidente sobre a
  parcela dos gastos formados em moeda nacional;
• Descontando o efeito câmbio, o lifting cost unitário reduziu 3%, em função dos menores gastos com
  intervenções em poços e manutenções corretivas;
                                                                                                            15
CUSTOS DE EXTRAÇÃO COM PARTICIPAÇÃO GOVERNAMENTAL

                                                                            69,6     69,5                            68,8
          26                                       61,5             61,8                      59,7
                                                             56,9                                          57,8             60
                                            51,6
                                  47,5                                       17,5   18,1                            17,9
                       38,2                                         17,3                     17,6
                                                           16,1                                        16,2
                                                   15,2
US$/boe




          16                                13,9                                                                            40
               28,8                13,6
                        10,8                                                         11,5    10,4                 59%10,6
                                                            10,0    11,0     11,4
                                                                           65%                             9,0
                8,6                                 9,8                                              56%
                                   7,6    61%8,5                                                                            20
                            6,5
          6     5,2   60%
                                   6,0                       6,1     6,3     6,1     6,6      7,2          7,2       7,3
                            4,3              5,4    5,4                                                                     0
                3,4

               2003     2004       1T05     2T05   3T05     4T05    1T06     2T06   3T06     4T06      1T07         2T07
          -4                                                                                                                -20
                                                    Lifting Cost     Participação Gov.      Brent




   • Acréscimo da participação especial principalmente em decorrência do aumento nos preços
   médios de referência do petróleo nacional, atrelado as cotações internacionais de petróleo.

                                                                                                                                  16
CUSTOS DE REFINO NO BRASIL (US$bbl)

                                                                   Δ = 5,9% ou US$ 0,15
                               Custo de Refino no Brasil
                                           2,71                            2,69
                           2,48                            2,54

            2,07




           2T 06           3T 06           4T 06           1T 07          2T 07


• Aumento de 5,9% influenciado principalmente pelo efeito câmbio, parcialmente compensado pela
menor ocorrência de paradas programadas;
• Em Reais, decréscimo de 0,9%.
                                                                                            17
CUSTOS EM REAIS


              18                                                                             2,2
                                                 15,5             15,2
              16                14,3                                            14,5
              14   13,2
                                                                                             2,1




                                                                                                   Câmbio
  R$/barril




              12
              10
                                                                                             2
               8
                                       5,4              5,8              5,4           5,3
               6          4,6
               4                                                                             1,9
               2
               0                                                                             1,8
                     2T06         3T06             4T06             1T07          2T07

                                 Lifting Cost   Custo de Refino   Dolar Médio




• A evolução do lifting cost em Reais mostra estabilidade nos últimos trimestres.


                                                                                                            18
COMPARAÇÃO DE LUCRO LÍQUIDO 2T07 vs 1T07


  A Petrobras obteve o maior crescimento trimestral entre as Majors Oil Companies


               US$ bilhões                             1T07                  2T07               2T07/1T07
 Petrobras*                                                   2,01                  3,53              75,0%
 BP                                                           4,66                  7,38                58,1%
 Shell                                                        7,28                  8,67                19,0%
 Chevron                                                      4,72                  5,38                14,1%
 ExxonMobil                                                   9,28                10,26                 10,6%
 ConocoPhillips                                               3,55                  0,30               -91,5%




Fonte: Evaluate Energy e Petrobras
* Resultados Petrobras em R$ convertidos pelo dólar de fechamento dos períodos (1T07: R$ 2,050 e 2T07: R$ 1,926).


                                                                                                                    19
SESSÃO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS
  Visite nosso website: www.petrobras.com.br/ri
                    Para mais informações favor contactar:
                     Petróleo Brasileiro S.A – PETROBRAS
          Departamento de Relacionamento com Investidores
             Raul Adalberto de Campos– Gerente Executivo

                      E-mail: petroinvest@petrobras.com.br
                     Av. República do Chile, 65 – 22o andar
                            20031-912 – Rio de Janeiro, RJ
                            (55-21) 3224-1510 / 3224-9947




                                                              20
Plano de Negócios 2008-2012
José Sergio Gabrielli de Azevedo
Presidente

14 de Agosto de 2007
1
Aviso


    As apresentações podem conter previsões acerca de eventos futuros. Tais
    previsões refletem apenas expectativas dos administradores da Companhia.
    Os termos antecipa", "acredita", "espera", "prevê", "pretende", "planeja",
    "projeta", "objetiva", "deverá", bem como outros termos similares, visam a
    identificar tais previsões, as quais, evidentemente, envolvem riscos ou
    incertezas previstos ou não pela Companhia. Portanto, os resultados futuros
    das operações da Companhia podem diferir das atuais expectativas, e o
    leitor não deve se basear exclusivamente nas informações aqui contidas. A
    Companhia não se obriga a atualizar as apresentações e previsões à luz de
    novas informações ou de seus desdobramentos futuros.
    Aviso aos Investidores Norte-Americanos:
    A SEC somente permite que as companhias de óleo e gás incluam em seus
    relatórios arquivados reservas provadas      que a Companhia tenha
    comprovado por produção ou testes de formação conclusivos que sejam
    viáveis econômica e legalmente nas condições econômicas e operacionais
    vigentes. Utilizamos alguns termos nesta apresentação, tais como
    descobertas, que as orientações da SEC nos proíbem de usar em nossos
    relatórios arquivados.




2
Visão do Ambiente de Negócios em 2020




                           Transparência                   Crescimento
                                                           Econômico
                          Públicos     .
                                de
       Mudança Climática                    Energias
                              Interesse
          Pressões                         Mais Limpas          Brasil,
                        Responsabilidade                     China e Índia
         Ambientais          Social      Biocombustíveis




       Energia: Petróleo
                           Tecnologia
                                                                     ?
                                            Geopolítica
        e Gás Natural




3
Visão 2020 e Atributos

                             Visão 2020
        Seremos uma das cinco maiores empresas
       integradas de energia do mundo e a preferida
            pelos nossos públicos de interesse
                   Atributos da Visão 2020
     Nossa atuação se destacará por:

        • Forte presença internacional
        • Referência mundial em biocombustíveis
        • Excelência operacional, em gestão, recursos humanos e
          tecnologia
        • Rentabilidade
        • Referência em responsabilidade social e ambiental
        • Comprometimento com o desenvolvimento sustentável


4
Visão 2020 e Missão


                          Visão 2020
        Seremos uma das cinco maiores empresas
    integradas de energia do mundo e a preferida pelos
               nossos públicos de interesse

                           Missão
           Atuar de forma segura e rentável, com
         responsabilidade social e ambiental, nos
      mercados nacional e internacional, fornecendo
     produtos e serviços adequados às necessidades
            dos clientes e contribuindo para o
    desenvolvimento do Brasil e dos países onde atua.

5
Desafios de Gestão
     Novos Projetos Estratégicos com foco em:

    • Disciplina de Capital
       • Assegurar o retorno adequado do capital empregado
         nos vários segmentos de negócios da Companhia:
           • Busca de maior eficiência na implantação de projetos
             (Prazos e Custos);
           • Gestão de Estoques;
           • Redução de Custos Operacionais e Administrativos;
           • Gestão de Portfólio.

    • Recursos Humanos
       • Ser referência internacional, no segmento de energia,
         em gestão de pessoas, tendo seus empregados como
         seu maior valor.
6
Desafios de Gestão
        Novos Projetos Estratégicos com foco em:
    •   Responsabilidade Social
          • Ser referência internacional em responsabilidade social na
            gestão dos negócios, contribuindo para o desenvolvimento
            sustentável.
    •   Mudança Climática
          • Atingir patamares de excelência, na indústria de energia, quanto
            à redução da intensidade de emissões de gases de efeito estufa
            nos processos e produtos, contribuindo para a sustentabilidade
            do negócio e para a mitigação da mudança climática global.
    •   Tecnologia
          • Ser referência mundial em tecnologias que contribuam para o
            crescimento sustentável da Companhia nas indústrias de
            petróleo, de gás natural, petroquímica e de biocombustíveis.



7
Estratégias por Segmento de Negócio

                                                          Estratégia Corporativa
                                                 Comprometimento com o desenvolvimento sustentável
                                Crescimento                                                                      Responsabilidade
                                                                            Rentabilidade
                                 Integrado                                                                       Social e Ambiental

                                                                    Ampliar a atuação
Estratégia Corporativa




                           nos mercados-alvo de petróleo, derivados, petroquímico, gás e energia, biocombustíveis e distribuição,
                                            sendo referência mundial como uma empresa integrada de energia

                         Crescer produção      Expandir a atuação          Desenvolver e      Ampliar a atuação em      Atuar, globalmente, na
                            e reservas de         integrada em          liderar o mercado     petroquímica no Brasil      comercialização e
                          petróleo e gás, de          refino,            brasileiro de gás   e na América do Sul, de          logística de
                         forma sustentável,     comercialização,        natural e atuar de   forma integrada com os        biocombustíveis,
                         e ser reconhecida          logística e           forma integrada      demais negócios do       liderando a produção
                           pela excelência      distribuição com        nos mercados de       Sistema PETROBRAS         nacional de biodiesel
                            na atuação em       foco na Bacia do           gás e energia                                     e ampliando a
                                 E&P                 Atlântico           elétrica com foco                                  participação no
                                                                                 na                                       negócio de etanol
                                                                          América do Sul



                                                Excelência operacional, em gestão, recursos humanos e tecnologia


                                               Downstream                                                                  Biocombustíveis
                              E&P                                   Distribuição       Gás & Energia     Petroquímica
                                                 (RTC)

8                         Confidencial
Premissas Macroeconômicas



    Indicadores                                                 2007-2011                   2008-2012

    PIB – Mundo (% ao ano) – PPP                                     4,2                        4,3

    PIB – América Latina (% ao ano) – PPP (*)                        3,7                        3,9

    PIB – Brasil (% ao ano)                                          4,0                        4,0

    Taxa de Câmbio (R$/US$)                                         2,50                       2,18
                                                                                        Parametrizados pelos
                                                             Parametrizados pelos
                                                                                         preços do mercado
                                                              preços do mercado
    Preços de Derivados                                                                  internacional, sem
                                                         internacional, sem alteração
                                                                                        alteração nos preços
                                                             nos preços relativos
                                                                                               relativos




                     (*) PPP – paridade do poder de compra
9
Preços do Petróleo: Curvas do Brent




     60,0                                   Curva de Preços PN 2008/12
     50,0         55
                                 50
     40,0                                      45          35        35
                  40
     30,0                        35            35
                                              Curva de Preços PN 2007/11
     20,0

     10,0

      0,0
               2008          2009           2010       2011         2012

10
Plano de Investimentos: Distribuição por Segmento de Negócio
                                                    Período 2008-12
                                                  US$ 112,4 bilhões
                    58%
                                                                          13%

                               65,1                                             15,0




              1,5                                                                        97,4
                                        29,6
             2,6 2,6
       1%
        2%         4,3
                            6,7                                                                       87%
                                               26%
        2% 4%
                    6%                                                          Brasil   Internacional
     E&P                 RTC             G&E
     Petroquímica        Distribuição     Corporativo    Biocombustível


     • US$ 65,1 bilhões destinados ao E&P:
           • Exploração: US$ 13,8 bilhões
           • Produção: US$ 51,3 bilhões
11
11                                                                               Nota: Inclui Internacional
Plano de Investimentos

                                                                                 Valores em US$ Bilhões

                                                    Petrobras               Petrobras        Diferença
                    Segmento de Negócio
                                                     2007-11                 2008-12              (%)
            E&P                                        49,3                   65,1               32
            RTC                                       21,9*                   29,6               35
            G&E                                        7,3*                    6,7               -8

            Petroquímica                               3,3                     4,3               30

            Distribuição                               2,3                     2,6               13
            Biocombustível                             1,2                     1,5               25
            Corporativo                                1,8                     2,5               39

            Total                                      87,1                   112,4              29




       A previsão indica uma média anual de investimento no período 2008-12
                               de US$ 22,5 bilhões



12   * No Plano 2007-2011 contemplava os investimentos em biocombustíveis
Os resultados consolidados indicam um Conteúdo Nacional de 65%, levando a uma
     média anual de US$ 12,6 bilhões colocados junto ao mercado fornecedor local

                                                                       US$ bilhões
                                                   Colocação no
                                  Investimento
                                                     Mercado         Conteúdo
           Área de Negócio         Doméstico
                                                     Nacional       Nacional (%)
                                     2008-12
                                                     2008-12
           E&P                        54,6             29,5             54%
           Abastecimento              31,4             24,3             77%
           G&E                         6,6              5,0             76%
           Distribuição                2,5              2,4             100%
           Áreas Corporativas          2,3              1,9             80%
           Total                      97,4             63,1             65%




     A média anual de colocação no mercado nacional do Plano anterior, era cerca de US$ 10 bilhões




13
Da variação de 34% nos investimentos, US$ 13,3 bilhões (ou 16%) foi devida à
        incorporação de Novos Projetos
                  Novos Projetos
     • Exploração & Produção:
          • Exploração
          • Recuperação de Campos com Alto
          Grau Explotação
          • Suporte e Infra-estrutura
          • Plangás
     • Refino, Transporte e Comercialização:
          • Plangás Abast                                        Projetos Novos
                                                                Projetos Novos
     • Petroquímica                                Alteração da
                                                                     13.267
                                                     Alteração da
                                                  taxa de câmbio  US$ 13,267 bi Outros
          • Novas unidades COMPERJ
                                                Taxa de Câm bio
                                                  US$ 4,224 bi                  -2.435
                                                     4.224
             Taxa de câmbio              Melhoria do
     • Aumento de 5% no CAPEX em          grau de
       decorrência da alteração da       Definição
       premissa da taxa de câmbio          2.835

                                          Aumento de
                  Custos                  Custo ento de
                                           Aum
     • Aumento de custos (13%) em         US$ Custo bi
                                              10,912
       linha com o observado na                10.912
       indústria

                                                                                         PN 2007-11*
                                                                                           83.571


     * Valores referentes à 2008-2012
14
Segmento de Negócio E&P

     Crescer produção e reservas de petróleo e gás, de forma sustentável, e ser
                 reconhecida pela excelência na atuação em E&P
                Estratégias por Segmento de Negócios do PE 2020
     •Aumentar de forma sustentável a produção de petróleo, preservando a auto-
      suficiência nacional.

     •Garantir o acesso a reservas e produção de gás natural para assegurar o suprimento
      do mercado nacional.

     •Ampliar a atuação em áreas de grande potencial de E&P, onde a capacitação
      operacional, técnica e tecnológica represente diferencial competitivo.

     • Adotar práticas e novas tecnologias em áreas com alto grau de explotação com o
      objetivo de otimizar o fator de recuperação.

     •Fortalecer o posicionamento em águas profundas e ultra-profundas.

     • Desenvolver esforço exploratório em novas fronteiras para garantir uma relação
      reserva /produção sustentável.

     • Garantir elevada reposição de reservas, mantendo o Índice de Reposição de
15    Reservas (IRR) anual maior que 1.
Produção Total – Óleo & LGN e Gás Natural - Metas
             Mil boed

                                                                                   6,8% p.a.
                                                                                                 4.153
                                                                  7,2% p.a.
                                                                                  3.494
                                                                                                  1 8 3*
                                                                                                  5 1 5*
                                                                                    1 5 1*
                                                           2.298
                                  2.217                     101                     2 8 5*        643
       2.020                       96
            94                                              142                     637
                                   163
        168                         274                    277
        265


                                                                                                 2. 812
                                                         1, 778
                                                                                  2. 421
                                  1, 684
            1, 493




     2004                        2005                        2006                Meta 2012     P r evi são

      Ól eo + LGN B r asi l                     Gás N a t ur a l B r as i l                      2015

      Ól e o + LGN I nt er nac i ona l *        Gás N a t ur a l I nt e r na c i ona l



16                   * Inclui produção não consolidada
Oportunidades de crescimento da produção de E&P no Brasil garantem a
      sustentabilidade da auto-suficiência do País
                                 Produção de óleo, condensado e LGN

               2900
                                                                           2.812

               2700


               2500                                          2.421
                                                 2.374
                                      2.296
               2300           2.191
     Mil bpd




                                                                           2.337
                      2.050
               2100                                          2.170
                                                 2.101
                                      2.039
               1900           1.968
                      1.922

               1700


               1500
                      2008    2009    2010       2011        2012          2015

17
17                                            PN 2008-2012       Demanda
Segmento de Negócio E&P – Principais Projetos

                                          Projetos
      Exploração no Brasil e Exterior
      Desenvolvimento da Produção na Bacia de Campos: Roncador (P-52, P-54, P-55),
      Marlim Sul (P-51, P-56), Papa Terra, Maromba, Jubarte Fase II (P-57), Cachalote,
      Baleia Franca e Baleia Anã
      Desenvolvimento da Produção na Bacia de Santos: Mexilhão, Uruguá-Tambaú,
      Pirapitanga
      Desenvolvimento da Produção na Bacia do Espírito Santo: Golfinho e Peroá-
      Cangoá.
      Desenvolvimento da Produção de Campos das demais Bacias Brasileiras: (Pólo
      Juruá-Aracacanga, Manati, D. João Mar, Sergipe-Alagoas)
      Desenvolvimento da Produção nos Estados Unidos (Cascade, Chinook,
      Conttonwood)
      Desenvolvimento da Produção na Argentina, Nigéria (Akpo, Agbami), Angola,
      Venezuela, Colômbia e Turquia



                                  Total de US$ 65 bilhões

18
18
Metas Corporativas – Segmento E&P
       Custos de Extração


                              6,59
                                                                6,13
              5,72




                                     3,36                              3,52
     US$bbl




                     2,90




                2005             2006                           Meta 2012


                              Custo de Extração - Brasil
                              Custo de Extração Internacional




19
Segmento de Negócio de Downstream (Refino, Transporte e Comercialização)

         Expandir a atuação integrada em refino, comercialização, logística e
                     distribuição com foco na Bacia do Atlântico

               Estratégias por Segmento de Negócios do PE 2020

     •Aumentar a capacidade de refino no Brasil, processando o máximo de petróleo
      nacional produzido.

     •Expandir a capacidade de refino no País e no exterior, buscando o equilíbrio com o
      crescimento da produção de óleo da PETROBRAS.

     •Desenvolver o portfólio de produtos, serviços e tecnologias da PETROBRAS, com
      foco no cliente.

     •Aumentar as vendas de produtos e serviços, expandindo as atividades de
      comercialização, logística e processamento, no País e exterior.

     •Adequar o parque existente e as expansões de refino no País e exterior para
      atender aos padrões e tendências de qualidade de produtos dos mercados-alvo.

     • Desenvolver parcerias comerciais e logísticas em modais alternativos.
20
Mercado de Derivados de Petróleo no Brasil
      Mil bpd
     3000                                                                     2.732
                                                 a. a.
                                        2 ,9 %
                                                               2.337          345
     2500
                                     2.039                                    138
                                                               287
                  1.824
     2000                            228                       116
                  153                95                                       1105
                  110
     1500                                                      902
                                     779
                  706
     1000                                                                     173
                                                               129
                  76                 96                                       281
                                     282                       281
                  241
      500                                                      386            432
                  333                340
                  204                217                       237            257
         0
                  2006               2010                      2015           2020
                  GLP     Gasolina     Nafta             QAV    Diesel   OC   Outros
21
Investimentos em Downstream

        Investimentos de US$ 29,6 bilhões na área de Downstream....

             21%
                                                                   US$ milhões
                                  28%            Qualidade combustível 8.619
                                                 Conversão             3.938
                                                 Expansão              5.353

       8%                                        SMS                   1.083
                                                 Transporte Marit.     2.270
                                                 Dutos                 2.264
        8%                                       Outros                6.112
                                  13%
             4%


                    18%




22
O fluxo de produtos líquidos em 2012 demonstra o elevado grau de
 integração entre os segmentos de negócios no País e exterior
                                                                                               Mil bpd
Produção Internacional             Produção Brasil
                                                      114             Consumo de Derivados
        285**                           2.421
                                                                        no Brasil ** 2.170
 256*         29                 296   158    1.853




             Compra de Óleo no                                  Carga Processada
                Exterior 23
                                                                 no Brasil 2.061



                                                              Óleo                Derivados ***
    Carga Processada no Exterior
                                                               208                      5
                348
                                                            Importação             Exportação


     256
                                                       (*) Inclui produção não consolidada

   Vendas Internacionais de Óleo                       (**) Deduzida a parcela de biodiesel
                                                       (***) Exportação líquida de derivados
                762
Metas Corporativas – Segmento Downstream
       Custos de Refino

                                                              3,69




                             2,29                                    2,24
              1,90
                                    1,73
     US$bbl




                     1,30




                 2005           2006                          Meta 2012


                              Custo de Refino - Brasil
                              Custo de Refino Internacional




24
Metas Corporativas – Segmento Downstream

                             Carga Fresca Processada (Brasil e Exterior) e
                        Processamento de Petróleo Nacional no Brasil (mil bpd)

     3,500                                                                               3.007    96

                                                               2.409                        92
     3,000
                                                                                          348     91
     2,500                                                        90
               1.997                                            348                               86
     2,000      205
     1,500                                                                                        81
                       80                                                                 2,659
     1,000     1,792                                           2,061
                                                                                                  76
      500
        0                                                                                         71
               2008                                             2012                      2015


                        PN 2008-12 - Carga Fresca Processada - Internacional (mil bpd)
                        PN 2008-12 - Carga Fresca Processada - Brasil (mil bpd)
                        % de óleo doméstico processado




25
Segmento de Negócio de Distribuição

          Expandir a atuação integrada em refino, comercialização, logística e
                      distribuição com foco na Bacia do Atlântico
                Estratégias por Segmento de Negócios do PE 2020

     •Liderar o mercado brasileiro de distribuição de derivados de petróleo e
      biocombustíveis, com maximização do market-share, garantindo rentabilidade.

     •Fazer da marca PETROBRAS a preferida dos consumidores, oferecendo excelência
      na qualidade de produtos e serviços, tanto no Brasil como no exterior.

     •Ampliar a participação na distribuição de gás natural no Brasil, com foco nos
      maiores mercados.




26
Metas Corporativas – Segmento Distribuição



                          Participação da BR no Mercado (%)



                                                      41
                                                                     36
              31
                           24




                   2006                                       2012


                   Participação da BR no Mercado Global (%)

                   Participação da BR no Mercado Automotivo (%)




27
Segmento de Negócio de Petroquímica
     Ampliar a atuação em petroquímica no Brasil e na América do Sul , de forma
            integrada com os demais negócios do Sistema PETROBRAS


               Estratégias por Segmento de Negócios do PE 2020


     •Ampliar a atuação na 1a e 2a geração, aumentando a produção de petroquímicos,
      agregando valor aos produtos das refinarias do sistema, capturando sinergias entre
      produção de óleo, gás, refino e petroquímica.

     •Desenvolver novas tecnologias para a indústria química, com base na evolução
      tecnológica de craqueamento catalítico (FCC) petroquímico e em polímeros
      biodegradáveis e biopolímeros.




28
Principais Projetos: Segmento Petroquímico


                                   Principais Projetos
         COMPERJ - Unidade de Petroquímicos Básicos
         COMPERJ - Resinas Termoplásticas ( Polietileno, Polipropileno e PET)
         COMPERJ - Intermediários (Estireno, PTA e Etilenoglicol)
         Petroquímica Suape (PTA)
         Companhia Integrada Têxtil de Pernambuco – CITEP (POY)
         Petroquímica Argentina - PESA
         Outros Projetos Petroquímicos Internacional
         Petroquímica Paulínia - Polipropileno
         Complexo Acrílico
                        Total de investimentos: US$ 4,3 bilhões




29
29
Segmento de Negócio de Gás & Energia

      Desenvolver e liderar o mercado brasileiro de gás natural e atuar de forma
           integrada nos mercados de gás e energia elétrica com foco na
                                  América do Sul.

                Estratégias por Segmento de Negócios do PE 2020

     •Desenvolver e consolidar o negócio de gás natural no mercado brasileiro,
      assegurando flexibilidade e confiabilidade ao suprimento.

     •Atuar no negócio de GNL, de forma verticalizada e integrada, priorizando o
      atendimento do mercado do Cone Sul.

     •Consolidar o negócio de energia elétrica, de forma rentável, otimizando o portfólio
      de termelétricas.

     •Atuar na integração energética da América do Sul.

     •Explorar as oportunidades de geração de energia elétrica, a partir de biomassa,
      derivados e gás natural.

     •Promover o domínio de tecnologias necessárias a toda a cadeia de gás natural.
30
Mercado de Gás Natural no Brasil *

     160        Milhões de m3/dia
                                                       134                             134
     140
     120                                                                              31,1      GNL
                                           a.         43,9
                                         a.
     100                            4%
                                 19,
                                                                                      30,0      Bolívia
      80
                                                      42,1
      60               46,3
                                                                                                E&P
      40               16,2                                                           72,9
      20                                              48,0
                        24
       0                6,1
                      2006                            2012                        Oferta 2012

                        Termelétrica            Industrial          Outros usos
     (*) Considera despacho máximo das termelétricas.
     • Outros usos: veicular, residencial/comercial, refinarias e plantas de fertilizantes



31
Principais Projetos: Segmento Gás & Energia


                                 Principais Projetos
          Gasodutos: Gasene, Malhas Nordeste e Sudeste, Trecho Sul do
          Gasbol , Urucu-Coari-Manaus e Gasduc III

          GNL - Gás Natural Liquefeito

          Térmicas: Cubatão, Três Lagoas, Canoas e Termoaçu

          Usinas Eólicas

          G&E na Argentina e Demais Países

                        Total de investimentos US$ 6,7 bilhões




32
32
Metas Corporativas – Segmento G&E

           Volume de Vendas de Gás Natural Brasil – G&E*
                                                          3
                                   (milhões m /dia)

                                                              82
                                                 a .a .
                                        6 ,2 %
                             57




                           2008                               2012


     PN 2008-12 - Volume de Vendas de Gás Natural Brasil – G&E (milhões m3/dia)


       * Não inclui consumo Petrobras

33
Metas Corporativas – Segmento G&E

                         Vendas de Energia Elétrica – PETROBRAS
                           (TOTAL Brasil + Internacional) (MW médio)
      6.000                                                              5.439

      5.000                                                                      976


      4.000
                           3.070
      3.000                          118
                                                                         3.741
      2.000                2.234

      1.000
                            718                                           722
         0
                            2008                                         2012
                   PN 2008-12   -   Oportunidades de Expansão de Térmicas (MW médio)
                   PN 2008-12   -   Termelétricas e Co-geração - Brasil (MW médio)
                   PN 2008-12   -   Internacional (MW médio)
                   PN 2008-12   -   PETROBRAS (TOTAL Brasil + Internacional) (MW médio)
34
Segmento de Negócio de Biocombustíveis

        Atuar, globalmente, na comercialização e logística de biocombustíveis,
      liderando a produção nacional de biodiesel e ampliando a participação no
                                  negócio de etanol

               Estratégias por Segmento de Negócios do PE 2020

     •Ampliar a atuação no negócio etanol, participando da cadeia produtiva nacional
      para o desenvolvimento de mercados internacionais, com foco em logística e
      comercialização.
     •Desenvolver e liderar a produção nacional de biodiesel para atendimento ao
      mercado brasileiro e atuar em oportunidades de mercados externos.
     •Desenvolver tecnologias que assegurem a liderança mundial na produção de
      biocombustíveis, inclusive a partir de matérias-primas de baixo valor agregado
      (biomassa residual).




35
Principais Projetos: Segmento Biocombustíveis


                      Investimentos de US$ 1,5 bilhão

                                      4%


                          21%                         29%




                                     46%


                    Biodiesel   Dutos e Álcooldutos   Outros   H-Bio


36
36
Metas Corporativas – Segmento Biocombustíveis


                         Capacidade de Disponibilização de Biodiesel
                                                       3
                                             (mil m /ano)
     2.500                                                                    2.705          3.000

     2.000                                                                                   2.500

                                                                                             2.000
     1.500
                                                1.254                                        1.500
     1.000         844
                                                                                             1.000
                                                                              1.182
       500                                       938                                         500
                   329
         0                                                                                   0
                  2008                          2012                          2015
                   P N 2008-12 - Capacidade de Disponibilização de Biodiesel (mil m3/ ano)

                   M ercado Nacional de Biodiesel (mil m3/ ano)




37
Metas Corporativas – Segmento Biocombustíveis


                                Exportação de Etanol (Mil m 3)

     5.000                                                                4.750


     4.000

                                                         a   .
                                                      a.
     3.000
                                                 5%
                                              45,

     2.000


     1.000
                          500

        0
                          2008                                            2012


                                 PN 2008-12 - Exportação de Etanol (Mil m3)



38
Principais Indicadores Financeiros


                                                       Média          Média
     Indicadores
                                                    PN 2007-2011   PN 2008-2012

     Retorno sobre o Capital Empregado (ROCE) (%)       16             14

     Captação de Recursos por Financiamento LP
                                                        3,1            3,9
     (US$ Bilhão)

     Saldo de Caixa (final do ano) (US$ Bilhão)         3,5            3,1

     Dívida Líq. / Dívida Líq. + Patrimônio
                                                        25             20
     (Alavancagem Financeira) (%)

     Fluxo de Caixa Operacional Livre
                                                        1,5            1,4
     (US$ Bilhão)




39
Geração de Valor PN 2008-2012

                         Geração de Valor pelo EVA acumulado
                                    (US$ bilhões)

      110,0                                            103,1
      100,0
       90,0              81,5
       80,0
       70,0
       60,0
       50,0
       40,0
       30,0
       20,0
       10,0
        0,0
                   Período 2007-2012              Período 2007-2015




40
Fontes e Usos – PN 2008-2012



              (US$ 123,8 Bilhões)         (US$ 123,8 Bilhões)
                       19.4                       11.4
                      (15,7%)                     (9,2%)




                      104.4                       112.4
                     (84,3%)                     (90,8%)




                     2004-2010
               Recursos de Terceiros         Amort. Dívida
               Geração Própria               Investimentos

      No PN 2007-11 a necessidade de recursos de terceiros foi de 13%
41
Metas Corporativas de SMS


                                            Plano de Negócios 2008-2012
       Metas de SMS
                                               2008            2012

       Volume Máximo Admissível de
                                                694             601
       Vazamento (m3)

       Taxa de Freqüência de Acidentados
       com Afastamento (TFCA Composto)          0,68            0,50
       (Nº Acidentados / Milhão HHER)

       Percentual de Tempo Perdido (PTP)
                                                2,23            2,18
       Empregados Próprios (%)

       Total de Emissões Evitadas de
       Gases de Efeito Estufa (Milhões de       3,56            3,93
       Toneladas de CO2 Equivalente)



42
Metas Corporativas de RSA

     Metas de Responsabilidade Social e                       Plano de Negócios 2008-2012
     Ambiental                                                    2008           2012
     Imagem de Responsabilidade Social (%)                         78             81


     Imagem Corporativa (%)                                        82             83


     Imagem como Empresa de Energia                                71             77

     Capacitação em Responsabilidade Social e Ambiental (Nº
                                                                  65.049        185.783
     de horas)

     Comprometimento dos Empregados Quanto à RSA (%)               97             98


     Conhecimento dos Empregados Quanto à RSA (%)                  85             88

     Pontuação Ethos - Tema Valores, Transparência e
                                                                   342            344
     Governo (Número)

     Pontuação Ethos - Tema Comunidades (Número)                   341            344


     Pontuação Ethos - Tema Governo e Sociedade (Número)          339,5           344
43
Metas Corporativas de Recursos Humanos


                                                       Plano de Negócios 2008-2012
     Metas de Recursos Humanos
                                                          2008           2012

     Nível de Comprometimento com a Empresa (%)            79             83


     Índice de Satisfação dos Empregados – (ISE) (%)       69             73


     Índice de Competências de Gestão (ICG) (%)            80,4          82,3


     Índice de Competências Individuais (ICI) (%)          90,5          91,7


     Índice de Resultados Individuais (IRI) (%)            91,7          92,9




44
O Plano de Investimentos no Brasil demandará em média cerca de 917 mil
     postos totais, sendo 228 mil diretos




       Postos de Trabalho (Mil)                             Média Anual
                                                             2008-12

        Postos de Trabalho Diretos                              228

        Postos de Trabalho Indiretos (Cadeia Produtiva)         351
        Postos de Trabalho Indiretos (Efeito Renda)             338

        Postos de Trabalho Totais                               917




45
Efeito Macroeconômico

     O Valor Adicionado no País gerado pelas atividades da Petrobras
     acrescido do impacto na cadeia produtiva dos investimentos e dos gastos
     operacionais estão apresentados abaixo, representando em média, cerca
     de 10 % do PIB brasileiro
                                                             R$ Bilhões
                                                            Média Anual
     Valor Adicionado Gerado pela:
                                                             2008-2012
     Petrobras no País                                          141

     Cadeia Produtiva dos Investimentos                          50

     Cadeia Produtiva dos Gastos Operacionais                    55

     Total do Valor Adicionado                                  246




46

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação Webcast Plano de Negócios 2011-2015
Apresentação Webcast Plano de Negócios 2011-2015 Apresentação Webcast Plano de Negócios 2011-2015
Apresentação Webcast Plano de Negócios 2011-2015
Petrobras
 
Webcast 1T12
Webcast 1T12Webcast 1T12
Webcast 1T12
Petrobras
 
Divulgação de Resultados do 1o. trimestre de 2011 - IFRS
Divulgação de Resultados do 1o. trimestre de 2011 - IFRSDivulgação de Resultados do 1o. trimestre de 2011 - IFRS
Divulgação de Resultados do 1o. trimestre de 2011 - IFRS
Petrobras
 
Webcast 1T08
Webcast 1T08Webcast 1T08
Webcast 1T08
Petrobras
 
Webcast 3 t07_port
Webcast 3 t07_portWebcast 3 t07_port
Webcast 3 t07_port
Petrobras
 
Webcast 2T10 IFRS
Webcast 2T10 IFRSWebcast 2T10 IFRS
Webcast 2T10 IFRS
Petrobras
 
Webcast - 3º trimestre de 2012
Webcast - 3º trimestre de 2012Webcast - 3º trimestre de 2012
Webcast - 3º trimestre de 2012
Petrobras
 
Apresentação petrobras port 01 03-11
Apresentação petrobras port 01 03-11Apresentação petrobras port 01 03-11
Apresentação petrobras port 01 03-11
Petrobras
 
Fato Relevante: Plano de Negocios e Gestao - 2013-2017
Fato Relevante: Plano de Negocios e Gestao - 2013-2017Fato Relevante: Plano de Negocios e Gestao - 2013-2017
Fato Relevante: Plano de Negocios e Gestao - 2013-2017
Petrobras
 
Webcast 4T09
Webcast 4T09Webcast 4T09
Webcast 4T09
Petrobras
 
Webcast 2T13
Webcast 2T13Webcast 2T13
Webcast 2T13
Petrobras
 
Webcast sobre Resultados do 1T14
Webcast sobre Resultados do 1T14Webcast sobre Resultados do 1T14
Webcast sobre Resultados do 1T14
Petrobras
 
Webcast 3T13
Webcast 3T13Webcast 3T13
Webcast 3T13
Petrobras
 
Webcast 2009-2013
Webcast 2009-2013Webcast 2009-2013
Webcast 2009-2013
Petrobras
 
Webcast - 4º trimestre de 2012
Webcast - 4º trimestre de 2012Webcast - 4º trimestre de 2012
Webcast - 4º trimestre de 2012
Petrobras
 
Webcast 3T08
Webcast 3T08Webcast 3T08
Webcast 3T08
Petrobras
 
Webcast 3T09
Webcast 3T09Webcast 3T09
Webcast 3T09
Petrobras
 
Webcast sobre Resultados do 4º trimestre e exercício de 2013
Webcast sobre Resultados do 4º trimestre e exercício de 2013Webcast sobre Resultados do 4º trimestre e exercício de 2013
Webcast sobre Resultados do 4º trimestre e exercício de 2013
Petrobras
 
Webcast sobre o 1º trimestre de 2013
Webcast sobre o 1º trimestre de 2013Webcast sobre o 1º trimestre de 2013
Webcast sobre o 1º trimestre de 2013
Petrobras
 
Webcast 1T09
Webcast 1T09Webcast 1T09
Webcast 1T09
Petrobras
 

Mais procurados (20)

Apresentação Webcast Plano de Negócios 2011-2015
Apresentação Webcast Plano de Negócios 2011-2015 Apresentação Webcast Plano de Negócios 2011-2015
Apresentação Webcast Plano de Negócios 2011-2015
 
Webcast 1T12
Webcast 1T12Webcast 1T12
Webcast 1T12
 
Divulgação de Resultados do 1o. trimestre de 2011 - IFRS
Divulgação de Resultados do 1o. trimestre de 2011 - IFRSDivulgação de Resultados do 1o. trimestre de 2011 - IFRS
Divulgação de Resultados do 1o. trimestre de 2011 - IFRS
 
Webcast 1T08
Webcast 1T08Webcast 1T08
Webcast 1T08
 
Webcast 3 t07_port
Webcast 3 t07_portWebcast 3 t07_port
Webcast 3 t07_port
 
Webcast 2T10 IFRS
Webcast 2T10 IFRSWebcast 2T10 IFRS
Webcast 2T10 IFRS
 
Webcast - 3º trimestre de 2012
Webcast - 3º trimestre de 2012Webcast - 3º trimestre de 2012
Webcast - 3º trimestre de 2012
 
Apresentação petrobras port 01 03-11
Apresentação petrobras port 01 03-11Apresentação petrobras port 01 03-11
Apresentação petrobras port 01 03-11
 
Fato Relevante: Plano de Negocios e Gestao - 2013-2017
Fato Relevante: Plano de Negocios e Gestao - 2013-2017Fato Relevante: Plano de Negocios e Gestao - 2013-2017
Fato Relevante: Plano de Negocios e Gestao - 2013-2017
 
Webcast 4T09
Webcast 4T09Webcast 4T09
Webcast 4T09
 
Webcast 2T13
Webcast 2T13Webcast 2T13
Webcast 2T13
 
Webcast sobre Resultados do 1T14
Webcast sobre Resultados do 1T14Webcast sobre Resultados do 1T14
Webcast sobre Resultados do 1T14
 
Webcast 3T13
Webcast 3T13Webcast 3T13
Webcast 3T13
 
Webcast 2009-2013
Webcast 2009-2013Webcast 2009-2013
Webcast 2009-2013
 
Webcast - 4º trimestre de 2012
Webcast - 4º trimestre de 2012Webcast - 4º trimestre de 2012
Webcast - 4º trimestre de 2012
 
Webcast 3T08
Webcast 3T08Webcast 3T08
Webcast 3T08
 
Webcast 3T09
Webcast 3T09Webcast 3T09
Webcast 3T09
 
Webcast sobre Resultados do 4º trimestre e exercício de 2013
Webcast sobre Resultados do 4º trimestre e exercício de 2013Webcast sobre Resultados do 4º trimestre e exercício de 2013
Webcast sobre Resultados do 4º trimestre e exercício de 2013
 
Webcast sobre o 1º trimestre de 2013
Webcast sobre o 1º trimestre de 2013Webcast sobre o 1º trimestre de 2013
Webcast sobre o 1º trimestre de 2013
 
Webcast 1T09
Webcast 1T09Webcast 1T09
Webcast 1T09
 

Destaque

Webcast 4T08
Webcast 4T08Webcast 4T08
Webcast 4T08
Petrobras
 
Webcast 4 t09_port
Webcast 4 t09_portWebcast 4 t09_port
Webcast 4 t09_port
Petrobras
 
Webcast 4T07
Webcast 4T07Webcast 4T07
Webcast 4T07Petrobras
 
Webcast portugues final_atualizada
Webcast portugues final_atualizadaWebcast portugues final_atualizada
Webcast portugues final_atualizada
Petrobras
 
Webcast 1T10
Webcast 1T10Webcast 1T10
Webcast 1T10
Petrobras
 
Webcast 3T15
Webcast 3T15Webcast 3T15
Webcast 3T15
Petrobras
 
Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014
Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014
Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014
Petrobras
 
Webcast 2T15
Webcast 2T15Webcast 2T15
Webcast 2T15
Petrobras
 
Webcast 1T15
Webcast 1T15Webcast 1T15
Webcast 1T15
Petrobras
 

Destaque (9)

Webcast 4T08
Webcast 4T08Webcast 4T08
Webcast 4T08
 
Webcast 4 t09_port
Webcast 4 t09_portWebcast 4 t09_port
Webcast 4 t09_port
 
Webcast 4T07
Webcast 4T07Webcast 4T07
Webcast 4T07
 
Webcast portugues final_atualizada
Webcast portugues final_atualizadaWebcast portugues final_atualizada
Webcast portugues final_atualizada
 
Webcast 1T10
Webcast 1T10Webcast 1T10
Webcast 1T10
 
Webcast 3T15
Webcast 3T15Webcast 3T15
Webcast 3T15
 
Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014
Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014
Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014
 
Webcast 2T15
Webcast 2T15Webcast 2T15
Webcast 2T15
 
Webcast 1T15
Webcast 1T15Webcast 1T15
Webcast 1T15
 

Semelhante a Webcast: Divulgação de Resultados - 2º trimestre de 2007

Webcast4 t06port
Webcast4 t06portWebcast4 t06port
Webcast4 t06port
Petrobras
 
Webcast2 t06 port
Webcast2 t06 portWebcast2 t06 port
Webcast2 t06 port
Petrobras
 
Webcast 2T09
Webcast 2T09Webcast 2T09
Webcast 2T09
Petrobras
 
Webcast 2 t09
Webcast 2 t09Webcast 2 t09
Webcast 2 t09
Petrobras
 
Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port [modo de compatibi...
Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port [modo de compatibi...Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port [modo de compatibi...
Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port [modo de compatibi...
AES Eletropaulo
 
Cr2 out 2010
Cr2 out 2010Cr2 out 2010
Cr2 out 2010
SiteriCR2
 
Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port (final)
Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port (final)Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port (final)
Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port (final)
AES Eletropaulo
 
Apresentação cr2 fator real estate day 08-jun-11
Apresentação cr2 fator real estate day   08-jun-11Apresentação cr2 fator real estate day   08-jun-11
Apresentação cr2 fator real estate day 08-jun-11
SiteriCR2
 
Apresentação cr2 deutsche bank 01-jun-11
Apresentação cr2 deutsche bank   01-jun-11Apresentação cr2 deutsche bank   01-jun-11
Apresentação cr2 deutsche bank 01-jun-11
SiteriCR2
 
MMX resultado 2011 webcast
MMX resultado 2011 webcast MMX resultado 2011 webcast
MMX resultado 2011 webcast
mmxriweb
 
Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo - O Dia - FIRJAN - Qualificar e C...
Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo - O Dia - FIRJAN - Qualificar e C...Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo - O Dia - FIRJAN - Qualificar e C...
Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo - O Dia - FIRJAN - Qualificar e C...
Petrobras
 
Forum tendencias alianca Brasil
Forum tendencias alianca BrasilForum tendencias alianca Brasil
Forum tendencias alianca Brasil
Petrobras
 
Webcast: Divulgação de Resultados do 1º trimestre de 2006
Webcast: Divulgação de Resultados do 1º trimestre de 2006Webcast: Divulgação de Resultados do 1º trimestre de 2006
Webcast: Divulgação de Resultados do 1º trimestre de 2006
Petrobras
 
Gerente Executivo de E&P - José Formigli - O Desenvolvimento do Pré-Sal à l...
Gerente Executivo de E&P - José  Formigli  - O Desenvolvimento do Pré-Sal à l...Gerente Executivo de E&P - José  Formigli  - O Desenvolvimento do Pré-Sal à l...
Gerente Executivo de E&P - José Formigli - O Desenvolvimento do Pré-Sal à l...
Petrobras
 
Forum energia estadao
Forum energia estadaoForum energia estadao
Forum energia estadao
Petrobras
 
JBS - Divulgação dos Resultados do 1T09
JBS - Divulgação dos Resultados do 1T09JBS - Divulgação dos Resultados do 1T09
JBS - Divulgação dos Resultados do 1T09
BeefPoint
 
Apresentação dos Resultados do 1T09
Apresentação dos Resultados do 1T09Apresentação dos Resultados do 1T09
Apresentação dos Resultados do 1T09
JBS RI
 
Projetos para 2007 e Financiabilidade do PN 2007-11
Projetos para 2007 e Financiabilidade do PN 2007-11Projetos para 2007 e Financiabilidade do PN 2007-11
Projetos para 2007 e Financiabilidade do PN 2007-11
Petrobras
 
Resultados financeiros do 1º trimestre
Resultados financeiros do 1º trimestreResultados financeiros do 1º trimestre
Resultados financeiros do 1º trimestre
FatoseDados
 
Resultados financeiros do 2º trimestre
Resultados financeiros do 2º trimestreResultados financeiros do 2º trimestre
Resultados financeiros do 2º trimestre
FatoseDados
 

Semelhante a Webcast: Divulgação de Resultados - 2º trimestre de 2007 (20)

Webcast4 t06port
Webcast4 t06portWebcast4 t06port
Webcast4 t06port
 
Webcast2 t06 port
Webcast2 t06 portWebcast2 t06 port
Webcast2 t06 port
 
Webcast 2T09
Webcast 2T09Webcast 2T09
Webcast 2T09
 
Webcast 2 t09
Webcast 2 t09Webcast 2 t09
Webcast 2 t09
 
Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port [modo de compatibi...
Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port [modo de compatibi...Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port [modo de compatibi...
Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port [modo de compatibi...
 
Cr2 out 2010
Cr2 out 2010Cr2 out 2010
Cr2 out 2010
 
Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port (final)
Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port (final)Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port (final)
Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port (final)
 
Apresentação cr2 fator real estate day 08-jun-11
Apresentação cr2 fator real estate day   08-jun-11Apresentação cr2 fator real estate day   08-jun-11
Apresentação cr2 fator real estate day 08-jun-11
 
Apresentação cr2 deutsche bank 01-jun-11
Apresentação cr2 deutsche bank   01-jun-11Apresentação cr2 deutsche bank   01-jun-11
Apresentação cr2 deutsche bank 01-jun-11
 
MMX resultado 2011 webcast
MMX resultado 2011 webcast MMX resultado 2011 webcast
MMX resultado 2011 webcast
 
Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo - O Dia - FIRJAN - Qualificar e C...
Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo - O Dia - FIRJAN - Qualificar e C...Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo - O Dia - FIRJAN - Qualificar e C...
Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo - O Dia - FIRJAN - Qualificar e C...
 
Forum tendencias alianca Brasil
Forum tendencias alianca BrasilForum tendencias alianca Brasil
Forum tendencias alianca Brasil
 
Webcast: Divulgação de Resultados do 1º trimestre de 2006
Webcast: Divulgação de Resultados do 1º trimestre de 2006Webcast: Divulgação de Resultados do 1º trimestre de 2006
Webcast: Divulgação de Resultados do 1º trimestre de 2006
 
Gerente Executivo de E&P - José Formigli - O Desenvolvimento do Pré-Sal à l...
Gerente Executivo de E&P - José  Formigli  - O Desenvolvimento do Pré-Sal à l...Gerente Executivo de E&P - José  Formigli  - O Desenvolvimento do Pré-Sal à l...
Gerente Executivo de E&P - José Formigli - O Desenvolvimento do Pré-Sal à l...
 
Forum energia estadao
Forum energia estadaoForum energia estadao
Forum energia estadao
 
JBS - Divulgação dos Resultados do 1T09
JBS - Divulgação dos Resultados do 1T09JBS - Divulgação dos Resultados do 1T09
JBS - Divulgação dos Resultados do 1T09
 
Apresentação dos Resultados do 1T09
Apresentação dos Resultados do 1T09Apresentação dos Resultados do 1T09
Apresentação dos Resultados do 1T09
 
Projetos para 2007 e Financiabilidade do PN 2007-11
Projetos para 2007 e Financiabilidade do PN 2007-11Projetos para 2007 e Financiabilidade do PN 2007-11
Projetos para 2007 e Financiabilidade do PN 2007-11
 
Resultados financeiros do 1º trimestre
Resultados financeiros do 1º trimestreResultados financeiros do 1º trimestre
Resultados financeiros do 1º trimestre
 
Resultados financeiros do 2º trimestre
Resultados financeiros do 2º trimestreResultados financeiros do 2º trimestre
Resultados financeiros do 2º trimestre
 

Mais de Petrobras

Strategic Plan 2040 || Business and Management Plan 2019-2023
Strategic Plan 2040 || Business and Management Plan 2019-2023Strategic Plan 2040 || Business and Management Plan 2019-2023
Strategic Plan 2040 || Business and Management Plan 2019-2023
Petrobras
 
Plano Estratégico 2040 || Plano de Negócios e Gestão 2019-2023
Plano Estratégico 2040 || Plano de Negócios e Gestão 2019-2023Plano Estratégico 2040 || Plano de Negócios e Gestão 2019-2023
Plano Estratégico 2040 || Plano de Negócios e Gestão 2019-2023
Petrobras
 
Petrobras Overview - September 2018
Petrobras Overview - September 2018Petrobras Overview - September 2018
Petrobras Overview - September 2018
Petrobras
 
Apresentação Investor Day, São Paulo, 2018
Apresentação Investor Day, São Paulo, 2018Apresentação Investor Day, São Paulo, 2018
Apresentação Investor Day, São Paulo, 2018
Petrobras
 
Petrobras Investor Day - London 2018
Petrobras Investor Day - London 2018Petrobras Investor Day - London 2018
Petrobras Investor Day - London 2018
Petrobras
 
Sustentabilidade 2017
Sustentabilidade 2017Sustentabilidade 2017
Sustentabilidade 2017
Petrobras
 
Apresentacao png-2018-2022-webcast-ingles
Apresentacao png-2018-2022-webcast-inglesApresentacao png-2018-2022-webcast-ingles
Apresentacao png-2018-2022-webcast-ingles
Petrobras
 
Apresentação PNG 2018-2022
Apresentação PNG 2018-2022Apresentação PNG 2018-2022
Apresentação PNG 2018-2022
Petrobras
 
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day Nova York
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day Nova YorkApresentação de Pedro Parente no Investor Day Nova York
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day Nova York
Petrobras
 
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day Londres
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day LondresApresentação de Pedro Parente no Investor Day Londres
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day Londres
Petrobras
 
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day São Paulo
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day São PauloApresentação de Pedro Parente no Investor Day São Paulo
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day São Paulo
Petrobras
 
Visão Geral 2017 fevereiro
Visão Geral   2017 fevereiro Visão Geral   2017 fevereiro
Visão Geral 2017 fevereiro
Petrobras
 
Petrobras General Overview
Petrobras General OverviewPetrobras General Overview
Petrobras General Overview
Petrobras
 
Petrobras at a Glance
Petrobras at a GlancePetrobras at a Glance
Petrobras at a Glance
Petrobras
 
Visão Geral Petrobras
Visão Geral PetrobrasVisão Geral Petrobras
Visão Geral Petrobras
Petrobras
 
Strategic Plan and 2017-2021 Business & Management Plan
Strategic Plan and 2017-2021 Business & Management PlanStrategic Plan and 2017-2021 Business & Management Plan
Strategic Plan and 2017-2021 Business & Management Plan
Petrobras
 
Plano Estratégico e Plano de Negócios e Gestão 2017-2021
Plano Estratégico e Plano de Negócios e Gestão 2017-2021Plano Estratégico e Plano de Negócios e Gestão 2017-2021
Plano Estratégico e Plano de Negócios e Gestão 2017-2021
Petrobras
 
Plano de Negócios e Gestão 2015 – 2019
Plano de Negócios e Gestão 2015 – 2019 Plano de Negócios e Gestão 2015 – 2019
Plano de Negócios e Gestão 2015 – 2019
Petrobras
 
Webcast 1T16
Webcast 1T16Webcast 1T16
Webcast 1T16
Petrobras
 
Webcast 1Q16
Webcast 1Q16Webcast 1Q16
Webcast 1Q16
Petrobras
 

Mais de Petrobras (20)

Strategic Plan 2040 || Business and Management Plan 2019-2023
Strategic Plan 2040 || Business and Management Plan 2019-2023Strategic Plan 2040 || Business and Management Plan 2019-2023
Strategic Plan 2040 || Business and Management Plan 2019-2023
 
Plano Estratégico 2040 || Plano de Negócios e Gestão 2019-2023
Plano Estratégico 2040 || Plano de Negócios e Gestão 2019-2023Plano Estratégico 2040 || Plano de Negócios e Gestão 2019-2023
Plano Estratégico 2040 || Plano de Negócios e Gestão 2019-2023
 
Petrobras Overview - September 2018
Petrobras Overview - September 2018Petrobras Overview - September 2018
Petrobras Overview - September 2018
 
Apresentação Investor Day, São Paulo, 2018
Apresentação Investor Day, São Paulo, 2018Apresentação Investor Day, São Paulo, 2018
Apresentação Investor Day, São Paulo, 2018
 
Petrobras Investor Day - London 2018
Petrobras Investor Day - London 2018Petrobras Investor Day - London 2018
Petrobras Investor Day - London 2018
 
Sustentabilidade 2017
Sustentabilidade 2017Sustentabilidade 2017
Sustentabilidade 2017
 
Apresentacao png-2018-2022-webcast-ingles
Apresentacao png-2018-2022-webcast-inglesApresentacao png-2018-2022-webcast-ingles
Apresentacao png-2018-2022-webcast-ingles
 
Apresentação PNG 2018-2022
Apresentação PNG 2018-2022Apresentação PNG 2018-2022
Apresentação PNG 2018-2022
 
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day Nova York
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day Nova YorkApresentação de Pedro Parente no Investor Day Nova York
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day Nova York
 
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day Londres
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day LondresApresentação de Pedro Parente no Investor Day Londres
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day Londres
 
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day São Paulo
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day São PauloApresentação de Pedro Parente no Investor Day São Paulo
Apresentação de Pedro Parente no Investor Day São Paulo
 
Visão Geral 2017 fevereiro
Visão Geral   2017 fevereiro Visão Geral   2017 fevereiro
Visão Geral 2017 fevereiro
 
Petrobras General Overview
Petrobras General OverviewPetrobras General Overview
Petrobras General Overview
 
Petrobras at a Glance
Petrobras at a GlancePetrobras at a Glance
Petrobras at a Glance
 
Visão Geral Petrobras
Visão Geral PetrobrasVisão Geral Petrobras
Visão Geral Petrobras
 
Strategic Plan and 2017-2021 Business & Management Plan
Strategic Plan and 2017-2021 Business & Management PlanStrategic Plan and 2017-2021 Business & Management Plan
Strategic Plan and 2017-2021 Business & Management Plan
 
Plano Estratégico e Plano de Negócios e Gestão 2017-2021
Plano Estratégico e Plano de Negócios e Gestão 2017-2021Plano Estratégico e Plano de Negócios e Gestão 2017-2021
Plano Estratégico e Plano de Negócios e Gestão 2017-2021
 
Plano de Negócios e Gestão 2015 – 2019
Plano de Negócios e Gestão 2015 – 2019 Plano de Negócios e Gestão 2015 – 2019
Plano de Negócios e Gestão 2015 – 2019
 
Webcast 1T16
Webcast 1T16Webcast 1T16
Webcast 1T16
 
Webcast 1Q16
Webcast 1Q16Webcast 1Q16
Webcast 1Q16
 

Webcast: Divulgação de Resultados - 2º trimestre de 2007

  • 1. Teleconferência / Webcast Almir Barbassa Divulgação de Resultados Diretor Financeiro e de Relações 2º trimestre 2007 com Investidores (Legislação Societária) 14 de agosto de 2007
  • 2. AVISO As apresentações podem conter previsões acerca de eventos futuros. Tais previsões refletem apenas expectativas dos administradores da Companhia. Os termos antecipa", "acredita", "espera", "prevê", "pretende", "planeja", "projeta", "objetiva", "deverá", bem como outros termos similares, visam a identificar tais previsões, as quais, evidentemente, envolvem riscos ou incertezas previstos ou não pela Companhia. Portanto, os resultados futuros das operações da Companhia podem diferir das atuais expectativas, e o leitor não deve se basear exclusivamente nas informações aqui contidas. A Companhia não se obriga a atualizar as apresentações e previsões à luz de novas informações ou de seus desdobramentos futuros. Investidores Norte-Americanos: A SEC somente permite que as companhias de óleo e gás incluam em seus relatórios arquivados de reservas provadas que a Companhia tenha comprovado por produção ou testes de formação conclusivos que sejam viáveis econômica e legalmente nas condições econômicas e operacionais vigentes. Utilizamos alguns termos nesta apresentação, tais como descobertas, que as orientações da SEC nos proíbem de usar em nossos relatórios arquivados. 1
  • 3. PRODUÇÃO NACIONAL DE ÓLEO E LGN • Produção estável, refletindo o Δ=- 0,6% declínio natural dos campos 1.800 maduros, compensados em parte 1.789 pela elevação da produção das plataformas FPSO Rio de Janeiro, mil bpd P-34 e FPSO Capixaba. • 1T07 – Parada Programada da P-37 • 2T07 – Paradas Programadas: P-18, P-07 e P-09 e parada não programada na FPSO-Seillan. Além disso, problemas operacionais em oleoduto na UN-SEAL e nas plataformas FPSO-Brasil e P-34, situações já normalizadas. 1T07 2T07 2
  • 4. PREÇOS DE PETRÓLEO DO E&P 69,5 68,8 69,6 61,8 61,5 66,1 64,7 59,7 56,9 57,6 57,8 64,9 56,4 US$/bbl 58,7 52,7 58,2 56,1 51,6 54,8 57,0 54,2 53,7 49,3 48,7 43,0 46,1 47,8 2T05 3T05 4T05 1T06 2T06 3T06 4T06 1T07 2T07 Preço médio de venda Brent (média) Cesta OPEP Aumento no preço médio de venda/transferência do óleo do E&P em linha com o mercado internacional. 3
  • 5. REFINO NO BRASIL E VENDAS NO MERCADO INTERNO Mil barris/dia % 93 90 1. 9 50 90 89 89 80 85 78 77 80 1.795 79 78 1. 8 0 0 1.781 1.796 1.753 1.746 1.711 1.709 70 1.684 1.696 1.646 1. 6 50 60 1. 50 0 50 2 T0 6 3 T0 6 4 T0 6 1T 0 7 2 T0 7 Pr o d ução N acio nal d e D er ivad o s V o l ume d e V end as d e D er i vad o s U t il iz ação C ap aci d ad e N o minal - B r asi l ( %) Par t i cip ação ó leo nacio nal na C ar g a Pr o cessad a ( %) • Aumento na venda de derivados - principalmente diesel - devido à sazonalidade do consumo e à expansão das atividades econômicas que têm uso intensivo de equipamentos agrícolas e rodoviários. 4
  • 6. PREÇO MÉDIO DE REALIZAÇÃO - PMR 100 2T06 1T07 2T07 Média Média Média 81,8 80 82,4 70,6 71,5 78,2 69,6 60 68,8 68,7 57,7 40 20 Mar-05 Jun-05 Sep-05 Dec-05 Mar-06 Jun-06 Sep-06 Dec-06 Mar-07 Jun-07 PMR Brasil (US$/bbl) Preço Médio Brent (US$/bbl) PMR EUA (US$/bbl c/ vol. vend. no Brasil) • Aumento sazonal do PMR EUA em função da proximidade da temporada de férias americana; • Aumento do PMR Brasil confirma a política de alinhamento de preços internos aos internacionais no médio/ longo prazo, evitando o repasse da volatilidade de curto prazo; 5
  • 7. DEMONSTRATIVO DE RESULTADO 2T07 VS 1T07 1T07 2T07 41.798 Receita Líquida 7,5% 38.894 24.489 CPV 23.692 3,4% R$ milhões 14.190 EBITDA 29,1% 10.993 Lucro Operacional 11.535 34,4% 8.582 Lucro Líquido 6.800 4.131 64,6% • Aumento de 64,6% no lucro líquido do 2T-2007 em decorrência: • Aumento dos volumes vendidos no mercado interno e melhor PMR; • Maiores cotações do petróleo no mercado internacional; • Ausência dos gastos extraordinários ocorridos no 1T-2007 com repactuação do Plano Petros; • Benefício fiscal decorrente do provisionamento dos juros sobre capital próprio. 6
  • 8. ANÁLISE DAS DESPESAS OPERACIONAIS 2T07 VS 1T07 1T07 2T07 1.443 Despesas de Vendas 2,0% 1.415 1.498 R$ milhões Gerais e Admin. 1.545 -3,0% 391 Custos Exploratórios -40,3% 655 323 8,0% Tributárias 299 1.239 Outras -33,8% 1.871 • Custos Exploratórios: menores gastos no exterior, com sísmica no 2T-2007 • Outras: Diminuição de quase 34% devido principalmente à ausência dos efeitos da repactuação do Plano Petros, ocorrido no 1T07 7
  • 9. EVOLUÇÃO DO RESULTADO NO TRIMESTRE (2T07 VS 1T07) Exploração & Produção – Evolução do Lucro Operacional – R$ milhões 1.800 Produção Doméstica de Óleo, LGN e Condensado (mil bpd) 1.789 2.122 31 220 15 50 10.024 8.056 1T07 Lucro Oper. Efeito Preço na Efeito Volum e na Efeito Custo Efeito Volum e no Despesas 2T07 Lucro Oper. Receita Receita Médio no CPV CPV Operac. • Aumento dos preços médios de venda/ transferência, acompanhando a evolução das cotações de petróleo no mercado internacional. 8
  • 10. EVOLUÇÃO DO RESULTADO NO TRIMESTRE (2T07 VS 1T07) Abastecimento – Evolução do Lucro Operacional – R$ milhões 1.982 1.578 1.694 1.541 90 3.358 3.197 1T07 Lucro Efeito Preço Efeito Volume Efeito Custo Efeito Volume Despesas 2T07 Lucro Oper. na Receita na Receita Medio no CPV no CPV Operac. Oper. • Aumento do preço médio de realização de derivados, devido as cotações mais altas do petróleo no mercado internacional, maior volume vendido e realização de estoques formados a menores custos de aquisição que compensou parcialmente o aumento do custo médio. 9
  • 11. EXPORTAÇÃO LÍQUIDA DE PETRÓLEO E DERIVADOS Superávit Físico de 23 mil bpd e Déficit Financeiro de US$ 242 milhões no 2T07 Exportação (mil barris/dia) Importação (mil barris/dia) 669 624 592 540 569 576 510 548 442 437 215 132 159 247 137 221 271 88 97 281 454 373 408 410 355 377 354 340 267 321 2T06 3T06 4T06 1T07 2T07 2T06 3T06 4T06 1T07 2T07 Petróleo Derivados • Volume maior de importações de petróleo e derivados devido à elevação da demanda, especialmente por derivados leves. 10
  • 12. EVOLUÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO – R$ milhões (2T07 VS 1T07) 1.800 Produção Doméstica de Óleo, LGN e Condensado (mil bpd) 1.789 2.903 796 763 109 172 6.800 25 4.131 1T07 LL Receita CPV Desp. Oper. Desp. Fin., Não Impostos Part. acionistas 2T07 LL Oper., Outros e Eq. não control. Pat. • Aumento da receita decorrente do aumento dos volumes vendidos no mercado interno e dos preços (atrelados às cotações internacionais do petróleo); • Melhor estrutura de CPV pela realização de estoques formados a menores custos de aquisição no trimestre anterior, reduzindo o impacto negativo de custos mais altos no resultado; • Diminuição das despesas operacionais decorrente da ausência dos efeitos da repactuação do Plano Petros (R$ 1 bilhão), ocorrido no 1T07; • Redução no montante de impostos devido ao benefício fiscal decorrente do provisionamento de JCP (R$ 746 milhões). 11
  • 13. ESTRUTURA DE CAPITAL Índices de Endividamento da Petrobras 27% 28% R$ milhões 30/06/2007 31/03/2007 27% 26% Endividamento de Curto 26% 28% (1) 10.720 11.879 24% 27% Prazo Endividamento de Longo (1) 29.100 32.539 20% Prazo 19% 23% 19% 18% 17% 17% Endividamento Total 39.820 44.418 16% Caixa e Aplic. Financeiras 17.854 20.463 (2) Endividamento Líquido 21.966 23.955 set/05 dez/05 mar/06 jun/06 set/06 dez/06 mar/07 jun/07 End. Líq./Cap. Líq. End. CP/End. Total • Queda de 8% no endividamento líquido decorrente principalmente da geração líquida de caixa no período (R$ 2.948 milhões), mesmo considerando o crescimento expressivo de investimentos e o pagamento de dividendos, além do reflexo da apreciação do Real sobre o endividamento. (1) Inclui endividamento contraído através de contratos de Leasing (R$ 1.980 milhões em 30.06.2007 e R$ 2.259 milhões em 31.03.2007). (2) Endividamento Total – Disponibilidades 12
  • 14. DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - CONSOLIDADO R$ milhões 2T07 1T07 (=) Caixa Gerado pelas Atividades Operacionais 13.548 7.493 (-) Caixa Utilizado em Atividades de Investimento (10.600) (7.951) (=) Fluxo de Caixa Livre 2.948 (458) (-) Caixa Utilizado em Atividades de Financiamento (5.557) (6.908) Financiamentos (3.958) (1.035) Dividendos (1.599) (5.873) (=) Geração de Caixa no Período (2.609) (7.366) Caixa no Início do Período 20.463 27.829 Caixa no Final do Período 17.854 20.463 • Diminuição da disponibilidade de caixa principalmente devido ao pagamento de financiamentos. • Projeto Malhas - US$ 900 milhões • P-53 – US$ 190 milhões • P-51 – US$ 204 milhões • EVM – US$ 123 milhões 13
  • 15. INVESTIMENTOS R$ milhões 1S07 % Investimentos Diretos 17.030 86 Exploração e produção 9.092 45 Abastecimento 2.856 14 Gás e Energia 730 4 Internacional 3.486 19 Distribuição 547 3 Corporativo 139 1 Sociedades de Propósito Específico (SPEs) 2.596 13 Empreendimentos em Negociação 169 1 Projetos Estruturados - - Total de investimentos 19.795 100 • Os investimentos do Sistema Petrobras atingiram o montante de R$ 19.795 milhões destacando- se a ampliação da capacidade futura de produção de petróleo e gás natural no país (R$ 9.092 milhões) e no exterior (R$ 3.129 milhões) 14
  • 16. CUSTOS DE EXTRAÇÃO SEM PARTICIPAÇÃO GOVERNAMENTAL Δ = 1,81% ou US$ 0,13 Sem Partic. Gov. US$/bbl 7,24 7,20 7,33 6,64 6,12 2T06 3T06 4T06 1T07 2T07 • Aumento de 1,8% em função principalmente da apreciação do Real frente ao Dólar de 6%, incidente sobre a parcela dos gastos formados em moeda nacional; • Descontando o efeito câmbio, o lifting cost unitário reduziu 3%, em função dos menores gastos com intervenções em poços e manutenções corretivas; 15
  • 17. CUSTOS DE EXTRAÇÃO COM PARTICIPAÇÃO GOVERNAMENTAL 69,6 69,5 68,8 26 61,5 61,8 59,7 56,9 57,8 60 51,6 47,5 17,5 18,1 17,9 38,2 17,3 17,6 16,1 16,2 15,2 US$/boe 16 13,9 40 28,8 13,6 10,8 11,5 10,4 59%10,6 10,0 11,0 11,4 65% 9,0 8,6 9,8 56% 7,6 61%8,5 20 6,5 6 5,2 60% 6,0 6,1 6,3 6,1 6,6 7,2 7,2 7,3 4,3 5,4 5,4 0 3,4 2003 2004 1T05 2T05 3T05 4T05 1T06 2T06 3T06 4T06 1T07 2T07 -4 -20 Lifting Cost Participação Gov. Brent • Acréscimo da participação especial principalmente em decorrência do aumento nos preços médios de referência do petróleo nacional, atrelado as cotações internacionais de petróleo. 16
  • 18. CUSTOS DE REFINO NO BRASIL (US$bbl) Δ = 5,9% ou US$ 0,15 Custo de Refino no Brasil 2,71 2,69 2,48 2,54 2,07 2T 06 3T 06 4T 06 1T 07 2T 07 • Aumento de 5,9% influenciado principalmente pelo efeito câmbio, parcialmente compensado pela menor ocorrência de paradas programadas; • Em Reais, decréscimo de 0,9%. 17
  • 19. CUSTOS EM REAIS 18 2,2 15,5 15,2 16 14,3 14,5 14 13,2 2,1 Câmbio R$/barril 12 10 2 8 5,4 5,8 5,4 5,3 6 4,6 4 1,9 2 0 1,8 2T06 3T06 4T06 1T07 2T07 Lifting Cost Custo de Refino Dolar Médio • A evolução do lifting cost em Reais mostra estabilidade nos últimos trimestres. 18
  • 20. COMPARAÇÃO DE LUCRO LÍQUIDO 2T07 vs 1T07 A Petrobras obteve o maior crescimento trimestral entre as Majors Oil Companies US$ bilhões 1T07 2T07 2T07/1T07 Petrobras* 2,01 3,53 75,0% BP 4,66 7,38 58,1% Shell 7,28 8,67 19,0% Chevron 4,72 5,38 14,1% ExxonMobil 9,28 10,26 10,6% ConocoPhillips 3,55 0,30 -91,5% Fonte: Evaluate Energy e Petrobras * Resultados Petrobras em R$ convertidos pelo dólar de fechamento dos períodos (1T07: R$ 2,050 e 2T07: R$ 1,926). 19
  • 21. SESSÃO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS Visite nosso website: www.petrobras.com.br/ri Para mais informações favor contactar: Petróleo Brasileiro S.A – PETROBRAS Departamento de Relacionamento com Investidores Raul Adalberto de Campos– Gerente Executivo E-mail: petroinvest@petrobras.com.br Av. República do Chile, 65 – 22o andar 20031-912 – Rio de Janeiro, RJ (55-21) 3224-1510 / 3224-9947 20
  • 22. Plano de Negócios 2008-2012 José Sergio Gabrielli de Azevedo Presidente 14 de Agosto de 2007 1
  • 23. Aviso As apresentações podem conter previsões acerca de eventos futuros. Tais previsões refletem apenas expectativas dos administradores da Companhia. Os termos antecipa", "acredita", "espera", "prevê", "pretende", "planeja", "projeta", "objetiva", "deverá", bem como outros termos similares, visam a identificar tais previsões, as quais, evidentemente, envolvem riscos ou incertezas previstos ou não pela Companhia. Portanto, os resultados futuros das operações da Companhia podem diferir das atuais expectativas, e o leitor não deve se basear exclusivamente nas informações aqui contidas. A Companhia não se obriga a atualizar as apresentações e previsões à luz de novas informações ou de seus desdobramentos futuros. Aviso aos Investidores Norte-Americanos: A SEC somente permite que as companhias de óleo e gás incluam em seus relatórios arquivados reservas provadas que a Companhia tenha comprovado por produção ou testes de formação conclusivos que sejam viáveis econômica e legalmente nas condições econômicas e operacionais vigentes. Utilizamos alguns termos nesta apresentação, tais como descobertas, que as orientações da SEC nos proíbem de usar em nossos relatórios arquivados. 2
  • 24. Visão do Ambiente de Negócios em 2020 Transparência Crescimento Econômico Públicos . de Mudança Climática Energias Interesse Pressões Mais Limpas Brasil, Responsabilidade China e Índia Ambientais Social Biocombustíveis Energia: Petróleo Tecnologia ? Geopolítica e Gás Natural 3
  • 25. Visão 2020 e Atributos Visão 2020 Seremos uma das cinco maiores empresas integradas de energia do mundo e a preferida pelos nossos públicos de interesse Atributos da Visão 2020 Nossa atuação se destacará por: • Forte presença internacional • Referência mundial em biocombustíveis • Excelência operacional, em gestão, recursos humanos e tecnologia • Rentabilidade • Referência em responsabilidade social e ambiental • Comprometimento com o desenvolvimento sustentável 4
  • 26. Visão 2020 e Missão Visão 2020 Seremos uma das cinco maiores empresas integradas de energia do mundo e a preferida pelos nossos públicos de interesse Missão Atuar de forma segura e rentável, com responsabilidade social e ambiental, nos mercados nacional e internacional, fornecendo produtos e serviços adequados às necessidades dos clientes e contribuindo para o desenvolvimento do Brasil e dos países onde atua. 5
  • 27. Desafios de Gestão Novos Projetos Estratégicos com foco em: • Disciplina de Capital • Assegurar o retorno adequado do capital empregado nos vários segmentos de negócios da Companhia: • Busca de maior eficiência na implantação de projetos (Prazos e Custos); • Gestão de Estoques; • Redução de Custos Operacionais e Administrativos; • Gestão de Portfólio. • Recursos Humanos • Ser referência internacional, no segmento de energia, em gestão de pessoas, tendo seus empregados como seu maior valor. 6
  • 28. Desafios de Gestão Novos Projetos Estratégicos com foco em: • Responsabilidade Social • Ser referência internacional em responsabilidade social na gestão dos negócios, contribuindo para o desenvolvimento sustentável. • Mudança Climática • Atingir patamares de excelência, na indústria de energia, quanto à redução da intensidade de emissões de gases de efeito estufa nos processos e produtos, contribuindo para a sustentabilidade do negócio e para a mitigação da mudança climática global. • Tecnologia • Ser referência mundial em tecnologias que contribuam para o crescimento sustentável da Companhia nas indústrias de petróleo, de gás natural, petroquímica e de biocombustíveis. 7
  • 29. Estratégias por Segmento de Negócio Estratégia Corporativa Comprometimento com o desenvolvimento sustentável Crescimento Responsabilidade Rentabilidade Integrado Social e Ambiental Ampliar a atuação Estratégia Corporativa nos mercados-alvo de petróleo, derivados, petroquímico, gás e energia, biocombustíveis e distribuição, sendo referência mundial como uma empresa integrada de energia Crescer produção Expandir a atuação Desenvolver e Ampliar a atuação em Atuar, globalmente, na e reservas de integrada em liderar o mercado petroquímica no Brasil comercialização e petróleo e gás, de refino, brasileiro de gás e na América do Sul, de logística de forma sustentável, comercialização, natural e atuar de forma integrada com os biocombustíveis, e ser reconhecida logística e forma integrada demais negócios do liderando a produção pela excelência distribuição com nos mercados de Sistema PETROBRAS nacional de biodiesel na atuação em foco na Bacia do gás e energia e ampliando a E&P Atlântico elétrica com foco participação no na negócio de etanol América do Sul Excelência operacional, em gestão, recursos humanos e tecnologia Downstream Biocombustíveis E&P Distribuição Gás & Energia Petroquímica (RTC) 8 Confidencial
  • 30. Premissas Macroeconômicas Indicadores 2007-2011 2008-2012 PIB – Mundo (% ao ano) – PPP 4,2 4,3 PIB – América Latina (% ao ano) – PPP (*) 3,7 3,9 PIB – Brasil (% ao ano) 4,0 4,0 Taxa de Câmbio (R$/US$) 2,50 2,18 Parametrizados pelos Parametrizados pelos preços do mercado preços do mercado Preços de Derivados internacional, sem internacional, sem alteração alteração nos preços nos preços relativos relativos (*) PPP – paridade do poder de compra 9
  • 31. Preços do Petróleo: Curvas do Brent 60,0 Curva de Preços PN 2008/12 50,0 55 50 40,0 45 35 35 40 30,0 35 35 Curva de Preços PN 2007/11 20,0 10,0 0,0 2008 2009 2010 2011 2012 10
  • 32. Plano de Investimentos: Distribuição por Segmento de Negócio Período 2008-12 US$ 112,4 bilhões 58% 13% 65,1 15,0 1,5 97,4 29,6 2,6 2,6 1% 2% 4,3 6,7 87% 26% 2% 4% 6% Brasil Internacional E&P RTC G&E Petroquímica Distribuição Corporativo Biocombustível • US$ 65,1 bilhões destinados ao E&P: • Exploração: US$ 13,8 bilhões • Produção: US$ 51,3 bilhões 11 11 Nota: Inclui Internacional
  • 33. Plano de Investimentos Valores em US$ Bilhões Petrobras Petrobras Diferença Segmento de Negócio 2007-11 2008-12 (%) E&P 49,3 65,1 32 RTC 21,9* 29,6 35 G&E 7,3* 6,7 -8 Petroquímica 3,3 4,3 30 Distribuição 2,3 2,6 13 Biocombustível 1,2 1,5 25 Corporativo 1,8 2,5 39 Total 87,1 112,4 29 A previsão indica uma média anual de investimento no período 2008-12 de US$ 22,5 bilhões 12 * No Plano 2007-2011 contemplava os investimentos em biocombustíveis
  • 34. Os resultados consolidados indicam um Conteúdo Nacional de 65%, levando a uma média anual de US$ 12,6 bilhões colocados junto ao mercado fornecedor local US$ bilhões Colocação no Investimento Mercado Conteúdo Área de Negócio Doméstico Nacional Nacional (%) 2008-12 2008-12 E&P 54,6 29,5 54% Abastecimento 31,4 24,3 77% G&E 6,6 5,0 76% Distribuição 2,5 2,4 100% Áreas Corporativas 2,3 1,9 80% Total 97,4 63,1 65% A média anual de colocação no mercado nacional do Plano anterior, era cerca de US$ 10 bilhões 13
  • 35. Da variação de 34% nos investimentos, US$ 13,3 bilhões (ou 16%) foi devida à incorporação de Novos Projetos Novos Projetos • Exploração & Produção: • Exploração • Recuperação de Campos com Alto Grau Explotação • Suporte e Infra-estrutura • Plangás • Refino, Transporte e Comercialização: • Plangás Abast Projetos Novos Projetos Novos • Petroquímica Alteração da 13.267 Alteração da taxa de câmbio US$ 13,267 bi Outros • Novas unidades COMPERJ Taxa de Câm bio US$ 4,224 bi -2.435 4.224 Taxa de câmbio Melhoria do • Aumento de 5% no CAPEX em grau de decorrência da alteração da Definição premissa da taxa de câmbio 2.835 Aumento de Custos Custo ento de Aum • Aumento de custos (13%) em US$ Custo bi 10,912 linha com o observado na 10.912 indústria PN 2007-11* 83.571 * Valores referentes à 2008-2012 14
  • 36. Segmento de Negócio E&P Crescer produção e reservas de petróleo e gás, de forma sustentável, e ser reconhecida pela excelência na atuação em E&P Estratégias por Segmento de Negócios do PE 2020 •Aumentar de forma sustentável a produção de petróleo, preservando a auto- suficiência nacional. •Garantir o acesso a reservas e produção de gás natural para assegurar o suprimento do mercado nacional. •Ampliar a atuação em áreas de grande potencial de E&P, onde a capacitação operacional, técnica e tecnológica represente diferencial competitivo. • Adotar práticas e novas tecnologias em áreas com alto grau de explotação com o objetivo de otimizar o fator de recuperação. •Fortalecer o posicionamento em águas profundas e ultra-profundas. • Desenvolver esforço exploratório em novas fronteiras para garantir uma relação reserva /produção sustentável. • Garantir elevada reposição de reservas, mantendo o Índice de Reposição de 15 Reservas (IRR) anual maior que 1.
  • 37. Produção Total – Óleo & LGN e Gás Natural - Metas Mil boed 6,8% p.a. 4.153 7,2% p.a. 3.494 1 8 3* 5 1 5* 1 5 1* 2.298 2.217 101 2 8 5* 643 2.020 96 94 142 637 163 168 274 277 265 2. 812 1, 778 2. 421 1, 684 1, 493 2004 2005 2006 Meta 2012 P r evi são Ól eo + LGN B r asi l Gás N a t ur a l B r as i l 2015 Ól e o + LGN I nt er nac i ona l * Gás N a t ur a l I nt e r na c i ona l 16 * Inclui produção não consolidada
  • 38. Oportunidades de crescimento da produção de E&P no Brasil garantem a sustentabilidade da auto-suficiência do País Produção de óleo, condensado e LGN 2900 2.812 2700 2500 2.421 2.374 2.296 2300 2.191 Mil bpd 2.337 2.050 2100 2.170 2.101 2.039 1900 1.968 1.922 1700 1500 2008 2009 2010 2011 2012 2015 17 17 PN 2008-2012 Demanda
  • 39. Segmento de Negócio E&P – Principais Projetos Projetos Exploração no Brasil e Exterior Desenvolvimento da Produção na Bacia de Campos: Roncador (P-52, P-54, P-55), Marlim Sul (P-51, P-56), Papa Terra, Maromba, Jubarte Fase II (P-57), Cachalote, Baleia Franca e Baleia Anã Desenvolvimento da Produção na Bacia de Santos: Mexilhão, Uruguá-Tambaú, Pirapitanga Desenvolvimento da Produção na Bacia do Espírito Santo: Golfinho e Peroá- Cangoá. Desenvolvimento da Produção de Campos das demais Bacias Brasileiras: (Pólo Juruá-Aracacanga, Manati, D. João Mar, Sergipe-Alagoas) Desenvolvimento da Produção nos Estados Unidos (Cascade, Chinook, Conttonwood) Desenvolvimento da Produção na Argentina, Nigéria (Akpo, Agbami), Angola, Venezuela, Colômbia e Turquia Total de US$ 65 bilhões 18 18
  • 40. Metas Corporativas – Segmento E&P Custos de Extração 6,59 6,13 5,72 3,36 3,52 US$bbl 2,90 2005 2006 Meta 2012 Custo de Extração - Brasil Custo de Extração Internacional 19
  • 41. Segmento de Negócio de Downstream (Refino, Transporte e Comercialização) Expandir a atuação integrada em refino, comercialização, logística e distribuição com foco na Bacia do Atlântico Estratégias por Segmento de Negócios do PE 2020 •Aumentar a capacidade de refino no Brasil, processando o máximo de petróleo nacional produzido. •Expandir a capacidade de refino no País e no exterior, buscando o equilíbrio com o crescimento da produção de óleo da PETROBRAS. •Desenvolver o portfólio de produtos, serviços e tecnologias da PETROBRAS, com foco no cliente. •Aumentar as vendas de produtos e serviços, expandindo as atividades de comercialização, logística e processamento, no País e exterior. •Adequar o parque existente e as expansões de refino no País e exterior para atender aos padrões e tendências de qualidade de produtos dos mercados-alvo. • Desenvolver parcerias comerciais e logísticas em modais alternativos. 20
  • 42. Mercado de Derivados de Petróleo no Brasil Mil bpd 3000 2.732 a. a. 2 ,9 % 2.337 345 2500 2.039 138 287 1.824 2000 228 116 153 95 1105 110 1500 902 779 706 1000 173 129 76 96 281 282 281 241 500 386 432 333 340 204 217 237 257 0 2006 2010 2015 2020 GLP Gasolina Nafta QAV Diesel OC Outros 21
  • 43. Investimentos em Downstream Investimentos de US$ 29,6 bilhões na área de Downstream.... 21% US$ milhões 28% Qualidade combustível 8.619 Conversão 3.938 Expansão 5.353 8% SMS 1.083 Transporte Marit. 2.270 Dutos 2.264 8% Outros 6.112 13% 4% 18% 22
  • 44. O fluxo de produtos líquidos em 2012 demonstra o elevado grau de integração entre os segmentos de negócios no País e exterior Mil bpd Produção Internacional Produção Brasil 114 Consumo de Derivados 285** 2.421 no Brasil ** 2.170 256* 29 296 158 1.853 Compra de Óleo no Carga Processada Exterior 23 no Brasil 2.061 Óleo Derivados *** Carga Processada no Exterior 208 5 348 Importação Exportação 256 (*) Inclui produção não consolidada Vendas Internacionais de Óleo (**) Deduzida a parcela de biodiesel (***) Exportação líquida de derivados 762
  • 45. Metas Corporativas – Segmento Downstream Custos de Refino 3,69 2,29 2,24 1,90 1,73 US$bbl 1,30 2005 2006 Meta 2012 Custo de Refino - Brasil Custo de Refino Internacional 24
  • 46. Metas Corporativas – Segmento Downstream Carga Fresca Processada (Brasil e Exterior) e Processamento de Petróleo Nacional no Brasil (mil bpd) 3,500 3.007 96 2.409 92 3,000 348 91 2,500 90 1.997 348 86 2,000 205 1,500 81 80 2,659 1,000 1,792 2,061 76 500 0 71 2008 2012 2015 PN 2008-12 - Carga Fresca Processada - Internacional (mil bpd) PN 2008-12 - Carga Fresca Processada - Brasil (mil bpd) % de óleo doméstico processado 25
  • 47. Segmento de Negócio de Distribuição Expandir a atuação integrada em refino, comercialização, logística e distribuição com foco na Bacia do Atlântico Estratégias por Segmento de Negócios do PE 2020 •Liderar o mercado brasileiro de distribuição de derivados de petróleo e biocombustíveis, com maximização do market-share, garantindo rentabilidade. •Fazer da marca PETROBRAS a preferida dos consumidores, oferecendo excelência na qualidade de produtos e serviços, tanto no Brasil como no exterior. •Ampliar a participação na distribuição de gás natural no Brasil, com foco nos maiores mercados. 26
  • 48. Metas Corporativas – Segmento Distribuição Participação da BR no Mercado (%) 41 36 31 24 2006 2012 Participação da BR no Mercado Global (%) Participação da BR no Mercado Automotivo (%) 27
  • 49. Segmento de Negócio de Petroquímica Ampliar a atuação em petroquímica no Brasil e na América do Sul , de forma integrada com os demais negócios do Sistema PETROBRAS Estratégias por Segmento de Negócios do PE 2020 •Ampliar a atuação na 1a e 2a geração, aumentando a produção de petroquímicos, agregando valor aos produtos das refinarias do sistema, capturando sinergias entre produção de óleo, gás, refino e petroquímica. •Desenvolver novas tecnologias para a indústria química, com base na evolução tecnológica de craqueamento catalítico (FCC) petroquímico e em polímeros biodegradáveis e biopolímeros. 28
  • 50. Principais Projetos: Segmento Petroquímico Principais Projetos COMPERJ - Unidade de Petroquímicos Básicos COMPERJ - Resinas Termoplásticas ( Polietileno, Polipropileno e PET) COMPERJ - Intermediários (Estireno, PTA e Etilenoglicol) Petroquímica Suape (PTA) Companhia Integrada Têxtil de Pernambuco – CITEP (POY) Petroquímica Argentina - PESA Outros Projetos Petroquímicos Internacional Petroquímica Paulínia - Polipropileno Complexo Acrílico Total de investimentos: US$ 4,3 bilhões 29 29
  • 51. Segmento de Negócio de Gás & Energia Desenvolver e liderar o mercado brasileiro de gás natural e atuar de forma integrada nos mercados de gás e energia elétrica com foco na América do Sul. Estratégias por Segmento de Negócios do PE 2020 •Desenvolver e consolidar o negócio de gás natural no mercado brasileiro, assegurando flexibilidade e confiabilidade ao suprimento. •Atuar no negócio de GNL, de forma verticalizada e integrada, priorizando o atendimento do mercado do Cone Sul. •Consolidar o negócio de energia elétrica, de forma rentável, otimizando o portfólio de termelétricas. •Atuar na integração energética da América do Sul. •Explorar as oportunidades de geração de energia elétrica, a partir de biomassa, derivados e gás natural. •Promover o domínio de tecnologias necessárias a toda a cadeia de gás natural. 30
  • 52. Mercado de Gás Natural no Brasil * 160 Milhões de m3/dia 134 134 140 120 31,1 GNL a. 43,9 a. 100 4% 19, 30,0 Bolívia 80 42,1 60 46,3 E&P 40 16,2 72,9 20 48,0 24 0 6,1 2006 2012 Oferta 2012 Termelétrica Industrial Outros usos (*) Considera despacho máximo das termelétricas. • Outros usos: veicular, residencial/comercial, refinarias e plantas de fertilizantes 31
  • 53. Principais Projetos: Segmento Gás & Energia Principais Projetos Gasodutos: Gasene, Malhas Nordeste e Sudeste, Trecho Sul do Gasbol , Urucu-Coari-Manaus e Gasduc III GNL - Gás Natural Liquefeito Térmicas: Cubatão, Três Lagoas, Canoas e Termoaçu Usinas Eólicas G&E na Argentina e Demais Países Total de investimentos US$ 6,7 bilhões 32 32
  • 54. Metas Corporativas – Segmento G&E Volume de Vendas de Gás Natural Brasil – G&E* 3 (milhões m /dia) 82 a .a . 6 ,2 % 57 2008 2012 PN 2008-12 - Volume de Vendas de Gás Natural Brasil – G&E (milhões m3/dia) * Não inclui consumo Petrobras 33
  • 55. Metas Corporativas – Segmento G&E Vendas de Energia Elétrica – PETROBRAS (TOTAL Brasil + Internacional) (MW médio) 6.000 5.439 5.000 976 4.000 3.070 3.000 118 3.741 2.000 2.234 1.000 718 722 0 2008 2012 PN 2008-12 - Oportunidades de Expansão de Térmicas (MW médio) PN 2008-12 - Termelétricas e Co-geração - Brasil (MW médio) PN 2008-12 - Internacional (MW médio) PN 2008-12 - PETROBRAS (TOTAL Brasil + Internacional) (MW médio) 34
  • 56. Segmento de Negócio de Biocombustíveis Atuar, globalmente, na comercialização e logística de biocombustíveis, liderando a produção nacional de biodiesel e ampliando a participação no negócio de etanol Estratégias por Segmento de Negócios do PE 2020 •Ampliar a atuação no negócio etanol, participando da cadeia produtiva nacional para o desenvolvimento de mercados internacionais, com foco em logística e comercialização. •Desenvolver e liderar a produção nacional de biodiesel para atendimento ao mercado brasileiro e atuar em oportunidades de mercados externos. •Desenvolver tecnologias que assegurem a liderança mundial na produção de biocombustíveis, inclusive a partir de matérias-primas de baixo valor agregado (biomassa residual). 35
  • 57. Principais Projetos: Segmento Biocombustíveis Investimentos de US$ 1,5 bilhão 4% 21% 29% 46% Biodiesel Dutos e Álcooldutos Outros H-Bio 36 36
  • 58. Metas Corporativas – Segmento Biocombustíveis Capacidade de Disponibilização de Biodiesel 3 (mil m /ano) 2.500 2.705 3.000 2.000 2.500 2.000 1.500 1.254 1.500 1.000 844 1.000 1.182 500 938 500 329 0 0 2008 2012 2015 P N 2008-12 - Capacidade de Disponibilização de Biodiesel (mil m3/ ano) M ercado Nacional de Biodiesel (mil m3/ ano) 37
  • 59. Metas Corporativas – Segmento Biocombustíveis Exportação de Etanol (Mil m 3) 5.000 4.750 4.000 a . a. 3.000 5% 45, 2.000 1.000 500 0 2008 2012 PN 2008-12 - Exportação de Etanol (Mil m3) 38
  • 60. Principais Indicadores Financeiros Média Média Indicadores PN 2007-2011 PN 2008-2012 Retorno sobre o Capital Empregado (ROCE) (%) 16 14 Captação de Recursos por Financiamento LP 3,1 3,9 (US$ Bilhão) Saldo de Caixa (final do ano) (US$ Bilhão) 3,5 3,1 Dívida Líq. / Dívida Líq. + Patrimônio 25 20 (Alavancagem Financeira) (%) Fluxo de Caixa Operacional Livre 1,5 1,4 (US$ Bilhão) 39
  • 61. Geração de Valor PN 2008-2012 Geração de Valor pelo EVA acumulado (US$ bilhões) 110,0 103,1 100,0 90,0 81,5 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 Período 2007-2012 Período 2007-2015 40
  • 62. Fontes e Usos – PN 2008-2012 (US$ 123,8 Bilhões) (US$ 123,8 Bilhões) 19.4 11.4 (15,7%) (9,2%) 104.4 112.4 (84,3%) (90,8%) 2004-2010 Recursos de Terceiros Amort. Dívida Geração Própria Investimentos No PN 2007-11 a necessidade de recursos de terceiros foi de 13% 41
  • 63. Metas Corporativas de SMS Plano de Negócios 2008-2012 Metas de SMS 2008 2012 Volume Máximo Admissível de 694 601 Vazamento (m3) Taxa de Freqüência de Acidentados com Afastamento (TFCA Composto) 0,68 0,50 (Nº Acidentados / Milhão HHER) Percentual de Tempo Perdido (PTP) 2,23 2,18 Empregados Próprios (%) Total de Emissões Evitadas de Gases de Efeito Estufa (Milhões de 3,56 3,93 Toneladas de CO2 Equivalente) 42
  • 64. Metas Corporativas de RSA Metas de Responsabilidade Social e Plano de Negócios 2008-2012 Ambiental 2008 2012 Imagem de Responsabilidade Social (%) 78 81 Imagem Corporativa (%) 82 83 Imagem como Empresa de Energia 71 77 Capacitação em Responsabilidade Social e Ambiental (Nº 65.049 185.783 de horas) Comprometimento dos Empregados Quanto à RSA (%) 97 98 Conhecimento dos Empregados Quanto à RSA (%) 85 88 Pontuação Ethos - Tema Valores, Transparência e 342 344 Governo (Número) Pontuação Ethos - Tema Comunidades (Número) 341 344 Pontuação Ethos - Tema Governo e Sociedade (Número) 339,5 344 43
  • 65. Metas Corporativas de Recursos Humanos Plano de Negócios 2008-2012 Metas de Recursos Humanos 2008 2012 Nível de Comprometimento com a Empresa (%) 79 83 Índice de Satisfação dos Empregados – (ISE) (%) 69 73 Índice de Competências de Gestão (ICG) (%) 80,4 82,3 Índice de Competências Individuais (ICI) (%) 90,5 91,7 Índice de Resultados Individuais (IRI) (%) 91,7 92,9 44
  • 66. O Plano de Investimentos no Brasil demandará em média cerca de 917 mil postos totais, sendo 228 mil diretos Postos de Trabalho (Mil) Média Anual 2008-12 Postos de Trabalho Diretos 228 Postos de Trabalho Indiretos (Cadeia Produtiva) 351 Postos de Trabalho Indiretos (Efeito Renda) 338 Postos de Trabalho Totais 917 45
  • 67. Efeito Macroeconômico O Valor Adicionado no País gerado pelas atividades da Petrobras acrescido do impacto na cadeia produtiva dos investimentos e dos gastos operacionais estão apresentados abaixo, representando em média, cerca de 10 % do PIB brasileiro R$ Bilhões Média Anual Valor Adicionado Gerado pela: 2008-2012 Petrobras no País 141 Cadeia Produtiva dos Investimentos 50 Cadeia Produtiva dos Gastos Operacionais 55 Total do Valor Adicionado 246 46