SlideShare uma empresa Scribd logo
COLÉGIO ESTADUAL AGRÍCOLA JOSÉ SOARES JÚNIOR
PLANEJAMENTO E PROJETOS
PROFESSOR ROBSON MENDES
PROJETO VIVA O CAMARÃO
DO SÍTIO DOS MILAGRES
JALMACIRA MELLO SILVA DA PAIXÃO
ITABORAÍ, 27 DE NOVEMBRO DE 2013
Projeto Viva o Camarão do Sítio dos Milagres
Jalmacira Mello da Silva Pimentel
27/11
2013
2
PROJETO VIVA O CAMARÃO DOS SÍTIOS DOS MILAGRES
INTRODUÇÃO
O marco para a criação de camarões foi o processo de larvicultu-
ra em laboratórios. A evolução das tecnologias de reprodução foi es-
sencial para a evolução dos cultivos em grandes escalas nos mais va-
riados países. Atualmente pode se dizer que quase 30% de todo ca-
marão comercializado no mundo é oriundo de cultivo. As principais
vantagens para o produtor de camarão são: curta duração dos culti-
vos, altos preços do
produto no mercado e
condições climáticas
favoráveis para o culti-
vo. Dessa forma a cria-
ção de camarão é, sem
dúvida, uma atividade
de alto retorno econô-
mico, porém é essencial
(como em qualquer ou-
tra criação) os rígidos
controle de custos e
decisões técnicas de
qual melhor sistema de produção de acordo com cada propriedade.
O camarão-d’água-doce é um crustáceo tão exótico quanto des-
conhecido. Muitas vezes confundido com a lagosta, por causa do seu
tamanho, ainda é pouco consumido no mundo. Estima-se que a pro-
dução global não ultrapasse 450 mil toneladas por ano, volume equi-
valente a 20% da produção total de camarão marinho. Entre os atuais
produtores, há quem acredite em um futuro promissor para a carcini-
cultura de água-doce.
Segundo pesquisa realizada pela Universidade Federal do Para-
ná, em Curitiba, o camarão-d’água-doce tem 30% menos colesterol,
se comparado ao camarão marinho. Sem contar que para pescar um
Fig. 1 – O que acontece no Sítio dos Milagres
Projeto Viva o Camarão do Sítio dos Milagres
Jalmacira Mello da Silva Pimentel
27/11
2013
3
quilo desse tipo de camarão, outros seis quilos de organismos mari-
nhos são mortos acidentalmente. Nos supermercados e peixarias, um
quilo de camarão-d’água-doce pode custar até R$ 30,00.
JUSTIFICATIVA
O Sítio dos Milagres está localizado na Estrada Rio Frio, 22 –
Monjolos – São Gonçalo – RJ. O Sítio dos Milagres é uma proprieda-
de voltada para a atividade de fazenda agropecuária. Sendo assim a
criação de cama-
rão de água doce
vem de encontro
com os objetivos e
metas delineados
para o Sítio. É im-
portante mencio-
nar a característi-
ca de cunho social
que a propriedade
possui. Sendo as-
sim parte do que é
produzido no Sítio
é revertido em be-
nefício para os
mais necessitados da sociedade. E dessa forma, a atividade de cria-
ção de camarão também terá parte do lucro revertido para o bem es-
tar social.
Fig. 2 – O que acontece no Sítio dos Milagres
Projeto Viva o Camarão do Sítio dos Milagres
Jalmacira Mello da Silva Pimentel
27/11
2013
4
OBJETIVO
Como objetivo o Projeto Viva o Camarão do Sítio dos Milagres vi-
sa a aquisição de camarões na fase de pós-larvas para processo de
engorda e posterior abate para venda direta ao consumidor.
META
Produzir 1000Kg de camarão por ano, para venda direta ao con-
sumidor, através dos eventos do Sítio dos Milagres.
CARACTERÍSTICAS DA ÁREA
São Gonçalo é o município onde o Projeto Viva o Camarão do
Sítio dos Milagres será desenvolvido. Pela classificação de Köppen, o
clima na região é do tipo Tropical Com Chuvas de Verão. Pelo mapa
climático do IBGE, o clima é o Tropical Brasil Central, Quente e Semi-
úmido, com até 3 meses secos.
No verão, compreendido entre novembro e março, o calor e a
umidade são elevadas e a região é sujeita a alta pluviometria com for-
tes chuvas.
No inverno, todos os parâmetros se reduzem (umidade, tempera-
tura e pluviometria), especialmente nos meses de junho e agosto.
A Pluviometria e os ventos e, portanto, a sensação térmica é in-
fluenciada pela Serra do Mar que segura as massas de ar, ocasio-
nando a maior pluviometria na região e pela Serra do lagarto (divisa
com Maricá), que segura os ventos e provocando uma região de baixa
pressão, ampliando a sensação térmica no verão.
Projeto Viva o Camarão do Sítio dos Milagres
Jalmacira Mello da Silva Pimentel
27/11
2013
5
A temperatura
média mensal
varia até 7ºC en-
tre o verão e o
inverno, com am-
plitudes térmicas
médias de 10 a
15ºC. O aumento
da temperatura
média e das má-
ximas, durante o
período de verão,
amplifica a de-
manda de água.
No entanto o
Sítio dos Mila-
gres, onde se desenvolverá o Projeto Viva O Camarão do Sítio dos
Milagres, possui peculiaridades climáticas, pois qualquer que seja o
calor que faça durante as horas do dia, à noite e de madrugada a
temperatura sempre cai de maneira considerável, chegando a fazer
4ºC em algumas madrugadas de inverno.
SEMOVENTES
O camarão-da-malásia (Macrobrachium rosenbergii) é um cama-
rão de água-doce da família dos paleninídeos. Também chamado de
"lagostim de água doce" e "gigante da Malásia", é uma das espécies
mais procuradas para cultivo.
Fig. 3 – O que acontece no Sítio dos Milagres
Projeto Viva o Camarão do Sítio dos Milagres
Jalmacira Mello da Silva Pimentel
27/11
2013
6
Esse camarão tem a carne suave e textura delicada. Aceita facil-
mente todo tipo de temperos e ervas aromática e contém menos iodo
e sal que os camarões de água salgada.
O camarão-da-malásia possui características que o tornam bas-
tante adequado o para o cultivo, tais como: taxa de crescimento relati-
vamente rápida; comportamento não agressivo; resistência às varia-
ções do meio; agradável ao paladar, resistência à doenças.
Como o Projeto não contempla a produção de larvas. Serão ad-
quiridos indivíduos na fase de pós-larvas para serem introduzidos no
tanque de engorda.
SISTEMA DE CRIAÇÃO
O cultivo de camarões se dará em um viveiro escavado no solo,
com dimensão de 1000m2
, utilizando-se uma densidade de até 10
ind./m², com controle de qualidade de água, oferta de rações específi-
cas para o camarão, realização de biometrias, despescas seletivas e
totais e controle de produção, podendo a produtividade ultrapassar a
meta de 1000kg por ano.
Fig. 4 – O que acontece no Sítio dos Milagres.
Projeto Viva o Camarão do Sítio dos Milagres
Jalmacira Mello da Silva Pimentel
27/11
2013
7
ÍNDICES ZOOTÉCNICOS
Temperatura – em torno dos 28°C
Água - Os Viveiros serão abastecidos com água de açude. E uti-
lização de Gigogas para filtragem e oxigenação da água.
Parâmetros físico-químicos:
 pH entre 7,0 e 8,4
 OD > 5 ppm
 TºC entre 20 e 30ºC
 Dureza entre 60 e 120 mg/l (CaCO3)
 Fe < 2.0 ppm
 NO2 < 1,0 ppm
 Odor nenhum
 Coliformes fecais: ausência
Fig. 5 – O que acontece no Sítio dos Milagres.
Projeto Viva o Camarão do Sítio dos Milagres
Jalmacira Mello da Silva Pimentel
27/11
2013
8
MANEJO
Ração -
considerando a
adoção do sis-
tema de cultivo
semi-intensivo, a
frequência ali-
mentar reco-
mendável é de
duas refeições
ao dia, às 7h e
às 18h.
Uma boa
ração deve
apresentar as
seguintes características bromatológicas:
 Proteína bruta entre 25 - 30%
 Carboidratos (açúcares) entre 30 - 40%
 Gorduras entre 06 - 08%
 Fibras entre 06 - 08%
 Outros (Cinzas) entre 08 - 10%
 Umidade até 10 %
 Relação Ca/P entre 2.5 / 1 %
A tabela a seguir apresenta a quantidade diária de ração reco-
mendada nos dois primeiros meses de cultivo.
1ª quinzena - 05 kg/ha
2ª quinzena - 07 kg/ha
3ª quinzena - 08 kg/ha
4ª quinzena - 10 kg/há
Após os dois primeiros meses de cultivo a oferta diária de ração
passa a ser de 5% da biomassa total de camarões do viveiro, dimi-
nuindo para 4% no 5º mês e 3% no 6º mês.
Fig. 6 – O que acontece no Sítio dos Milagres.
Projeto Viva o Camarão do Sítio dos Milagres
Jalmacira Mello da Silva Pimentel
27/11
2013
9
A partir do 4º ou 5º mês de engorda iniciam-se as despescas se-
letivas com redes, encerrando-se ao término do 6º ou 7º mês com a
despesca total (final).
Há necessidade da realização de choque térmico IMEDIATO À
DESPESCA e utilização de solução de hipoclorito de sódio para a as-
sepsia do produto.
É feita a embalagem do produto em bandejas de isopor e filme de
PVC e em seguida a estocagem.
INSTALACÕES
 Um tanque, de 1000m2,
escavado no solo, com profundidade
de 1,5m, relação comprimento largura de 50mX20m, fundo plano,
com pequena inclinação no sentido da drenagem, com paredes
inclinadas, num ângulo de 45° e cobertas com vegetação rasteira.
 Um tanque de 500m2
para ser utilizado como berçário.
Fig. 7 – O que acontece no Sítio dos Milagres.
Projeto Viva o Camarão do Sítio dos Milagres
Jalmacira Mello da Silva Pimentel
27/11
2013
10
 Abastecimento de água por meio de um açude e um poço. Tan-
to o abastecimento da água quanto a drenagem se dará através
de tubo de PVC. E uma tela junto a fonte de abastecimento pro-
tegerá os camarões de predadores oportunos.
 Tapagem com sombrite.
EQUIPAMENTOS
Alguns equipamentos são listados a seguir:
 Refratômetro ou Condutivímetro;
 “timer”;
 termômetro;
 bombas de água;
Fig. 8 – O que acontece no Sítio dos Milagres.
Projeto Viva o Camarão do Sítio dos Milagres
Jalmacira Mello da Silva Pimentel
27/11
2013
11
 oxímetro;
 termostatos;
 pHmetro;
 aquecedores;
 kits de NO2 e NH3;
 gerador;
 microscópio;
 liquidificador;
 balanças;
 freezer;
 lupa;
 geladeira.
 compressores;
 Baldes;
 Telas;
 Béckers;
 placa de petri;
 pipetas;
 sifonadore.
 Redes.
Fig. 9 – O que acontece no Sítio dos Milagres.
Projeto Viva o Camarão do Sítio dos Milagres
Jalmacira Mello da Silva Pimentel
27/11
2013
12
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Atualmente o kilo do camarão pode ser comprado pelo consumi-
dor, na região do Grande Rio, por uma quantia que pode chegar em
torno dos R$30,00. Camarões da Malásia na fase pós-larvas podem
ser comprados no Estado do Espírito Santo pela quantia de R$80,00
o mileiro e R$60,00 acima de 5000 unidades. A criação de Camarão
da Malásia é um empreendimento bem lucrativo, e viável mesmo nos
moldes modestos do Projeto Viva o Camarão do Sítio dos Milagres. O
camarão-da-malásia possui características que o tornam bastante
adequado o para o cultivo, tais como: taxa de crescimento relativa-
mente rápida; comportamento não agressivo; resistência às variações
do meio; agradável ao paladar, resistência à doenças. Segundo Por-
tella (2009), o camarão da Malásia é um alimento de alto valor nutrici-
onal. Com tais características somadas as atividades de cunho social
do Sítio dos Milagres, o Projeto Viva o Camarão do Sítio dos Milagres
é uma verdadeira receita de sucesso.
Fig. 10 – O que acontece no Sítio dos Milagres.
Projeto Viva o Camarão do Sítio dos Milagres
Jalmacira Mello da Silva Pimentel
27/11
2013
13
REFERÊNCIAS
PORTELLA, C.G. (2009). Tecnologia pós-despesca dos camarões
de água doce Macrobrachium rosenbergii e Macrobrachium ama-
zonicum. Tese de doutorado. UNESP. Jaboticabal.
http://www.caunesp.unesp.br/publicacoes/dissertacoes_teses/teses/T
ese%20Carolina%20De%20Gasperi%20Portella.pdf
http://www.novonegocio.com.br/criacoes/como-montar-uma-criacao-
de-camarao/
MENDES, R. (org.) (2013). Apostila sobre criação de camarão, utiliza-
da nas aulas de ZOOTECNIA, durante o IV bimestre de 2013. Colégio
Estadual Agrícola José Soares Júnior. Itaboraí. RJ.
DUARTE, Marcos (?). Carcinicultura – Criação de camarões.
http://www.infoescola.com/zootecnia/carcinicultura-criacao-de-
camaroes/
www.slideshare.net/paulobergmann/plano-silvestre-sade-itaborai-
projeto1
VALENTI, W.C. 2002. Situação atual, perspectivas e novas tecnologi-
as para produção de camarões de água doce. In: Simpósio Brasileiro
de Aqüicultura, 12o, Goiânia, 2002. Anais...p. 99-106
CAVALCANTI, J.R.M; OLIVEIRA, S. M.; MAIA FLHO,
M.A.; GUERRA,
C.A.M.; SOUZA, E.S. (?). Cultivo de camarão de água doce. IPA. Per-
nambuco. http://www.ipa.br/resp56.php
Chácara Feliz. Criação de Camarão da Malásia
http://www.camaraodeaguadoce.com.br/site/
Projeto Viva o Camarão do Sítio dos Milagres
Jalmacira Mello da Silva Pimentel
27/11
2013
14
Popov, D. (2013). Camarão dos pés a Cabeça.
http://revistadinheirorural.terra.com.br/secao/agronegocios/camarao-
dos-pes-cabeca
________ (2005). Tecnologia de produção do camarão da Malásia.
Manual de carcinicultura de água doce. SEBRAE/ES.
http://201.2.114.147/bds/bds.nsf/879BC1F11B3D1E40032570EB0050
F67D/$File/Manual_carcinicultura.pdf

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Leguminosas nativas: o uso da biodiversidade do Cerrado na produção pecuária
Leguminosas nativas: o uso da biodiversidade do Cerrado na produção pecuáriaLeguminosas nativas: o uso da biodiversidade do Cerrado na produção pecuária
Leguminosas nativas: o uso da biodiversidade do Cerrado na produção pecuária
Daniel Staciarini Corrêa
 
Sao joaquim 21 03-13 fundamentos pecuaria a base de pasto spies
Sao joaquim 21 03-13 fundamentos pecuaria a base de pasto spiesSao joaquim 21 03-13 fundamentos pecuaria a base de pasto spies
Sao joaquim 21 03-13 fundamentos pecuaria a base de pasto spies
Reprotec
 
Palestra Podas do Cafeeiro (Como e quando fazer) Alysson Vilela Fagundes – E...
Palestra Podas do Cafeeiro (Como e quando fazer)  Alysson Vilela Fagundes – E...Palestra Podas do Cafeeiro (Como e quando fazer)  Alysson Vilela Fagundes – E...
Palestra Podas do Cafeeiro (Como e quando fazer) Alysson Vilela Fagundes – E...
Revista Cafeicultura
 
Peixes
PeixesPeixes
Abc da agricultura preservação e uso da caatinga 2
Abc da agricultura preservação e uso da caatinga 2Abc da agricultura preservação e uso da caatinga 2
Abc da agricultura preservação e uso da caatinga 2
Lenildo Araujo
 
Vitrine Tecnológica DBO - Capítulo 6
Vitrine Tecnológica DBO - Capítulo 6Vitrine Tecnológica DBO - Capítulo 6
Vitrine Tecnológica DBO - Capítulo 6
Tiago de Jesus Costa
 
Tomazielo - Planejamento e conduçao modificada patrocinio 29 09
Tomazielo - Planejamento e conduçao modificada patrocinio 29 09Tomazielo - Planejamento e conduçao modificada patrocinio 29 09
Tomazielo - Planejamento e conduçao modificada patrocinio 29 09
Revista Cafeicultura
 
Projeto o leite da fazenda sítio dos milagres
Projeto o leite da fazenda sítio dos milagresProjeto o leite da fazenda sítio dos milagres
Projeto o leite da fazenda sítio dos milagres
Liliam Da Paixão
 
Abc da agricultura barraginhas agua de chuva para todos
Abc da agricultura barraginhas agua de chuva para todosAbc da agricultura barraginhas agua de chuva para todos
Abc da agricultura barraginhas agua de chuva para todos
Lenildo Araujo
 
Trabalho Gestão ambiental
Trabalho Gestão ambientalTrabalho Gestão ambiental
Trabalho Gestão ambiental
paulosergiok5
 
Aula 2 princípios do manejo de pastagem
Aula 2   princípios do manejo de pastagemAula 2   princípios do manejo de pastagem
Aula 2 princípios do manejo de pastagem
Paulo Adami
 
Palestra_Ulisses
Palestra_UlissesPalestra_Ulisses
Palestra_Ulisses
Reprotec
 
Potencialidad del Campo Natural - Nabinger
Potencialidad del Campo Natural - NabingerPotencialidad del Campo Natural - Nabinger
Potencialidad del Campo Natural - Nabinger
Pastizalesdelconosur
 
Palestra manejo de pastagens TecnoPasto
Palestra manejo de pastagens TecnoPastoPalestra manejo de pastagens TecnoPasto
Palestra manejo de pastagens TecnoPasto
Josmar Almeida Junior
 
Fenicafé 2014 inovação na poda do cafeeiro roberto tomazielo
Fenicafé 2014 inovação na poda do cafeeiro   roberto tomazieloFenicafé 2014 inovação na poda do cafeeiro   roberto tomazielo
Fenicafé 2014 inovação na poda do cafeeiro roberto tomazielo
Revista Cafeicultura
 
Intens.vs.semi2
Intens.vs.semi2Intens.vs.semi2
Intens.vs.semi2
Lucas Cesar
 
Manejo da nutrição do cafeeiro para podas fenicafé 2015 alysson fagundes
Manejo da nutrição do cafeeiro para podas   fenicafé 2015 alysson fagundesManejo da nutrição do cafeeiro para podas   fenicafé 2015 alysson fagundes
Manejo da nutrição do cafeeiro para podas fenicafé 2015 alysson fagundes
Revista Cafeicultura
 
Policultivo Lambari x Camarão de Água Doce: Resultados de Pesquisas
Policultivo Lambari x Camarão de Água Doce: Resultados de PesquisasPolicultivo Lambari x Camarão de Água Doce: Resultados de Pesquisas
Policultivo Lambari x Camarão de Água Doce: Resultados de Pesquisas
Agricultura Sao Paulo
 
Orientaçoes sustentabilidade cafeicultura
Orientaçoes sustentabilidade cafeiculturaOrientaçoes sustentabilidade cafeicultura
Orientaçoes sustentabilidade cafeicultura
Vandelino Dias Junior
 
[Palestra] Armindo Kichel: Manejo de Pastangem
[Palestra] Armindo Kichel: Manejo de Pastangem[Palestra] Armindo Kichel: Manejo de Pastangem
[Palestra] Armindo Kichel: Manejo de Pastangem
AgroTalento
 

Mais procurados (20)

Leguminosas nativas: o uso da biodiversidade do Cerrado na produção pecuária
Leguminosas nativas: o uso da biodiversidade do Cerrado na produção pecuáriaLeguminosas nativas: o uso da biodiversidade do Cerrado na produção pecuária
Leguminosas nativas: o uso da biodiversidade do Cerrado na produção pecuária
 
Sao joaquim 21 03-13 fundamentos pecuaria a base de pasto spies
Sao joaquim 21 03-13 fundamentos pecuaria a base de pasto spiesSao joaquim 21 03-13 fundamentos pecuaria a base de pasto spies
Sao joaquim 21 03-13 fundamentos pecuaria a base de pasto spies
 
Palestra Podas do Cafeeiro (Como e quando fazer) Alysson Vilela Fagundes – E...
Palestra Podas do Cafeeiro (Como e quando fazer)  Alysson Vilela Fagundes – E...Palestra Podas do Cafeeiro (Como e quando fazer)  Alysson Vilela Fagundes – E...
Palestra Podas do Cafeeiro (Como e quando fazer) Alysson Vilela Fagundes – E...
 
Peixes
PeixesPeixes
Peixes
 
Abc da agricultura preservação e uso da caatinga 2
Abc da agricultura preservação e uso da caatinga 2Abc da agricultura preservação e uso da caatinga 2
Abc da agricultura preservação e uso da caatinga 2
 
Vitrine Tecnológica DBO - Capítulo 6
Vitrine Tecnológica DBO - Capítulo 6Vitrine Tecnológica DBO - Capítulo 6
Vitrine Tecnológica DBO - Capítulo 6
 
Tomazielo - Planejamento e conduçao modificada patrocinio 29 09
Tomazielo - Planejamento e conduçao modificada patrocinio 29 09Tomazielo - Planejamento e conduçao modificada patrocinio 29 09
Tomazielo - Planejamento e conduçao modificada patrocinio 29 09
 
Projeto o leite da fazenda sítio dos milagres
Projeto o leite da fazenda sítio dos milagresProjeto o leite da fazenda sítio dos milagres
Projeto o leite da fazenda sítio dos milagres
 
Abc da agricultura barraginhas agua de chuva para todos
Abc da agricultura barraginhas agua de chuva para todosAbc da agricultura barraginhas agua de chuva para todos
Abc da agricultura barraginhas agua de chuva para todos
 
Trabalho Gestão ambiental
Trabalho Gestão ambientalTrabalho Gestão ambiental
Trabalho Gestão ambiental
 
Aula 2 princípios do manejo de pastagem
Aula 2   princípios do manejo de pastagemAula 2   princípios do manejo de pastagem
Aula 2 princípios do manejo de pastagem
 
Palestra_Ulisses
Palestra_UlissesPalestra_Ulisses
Palestra_Ulisses
 
Potencialidad del Campo Natural - Nabinger
Potencialidad del Campo Natural - NabingerPotencialidad del Campo Natural - Nabinger
Potencialidad del Campo Natural - Nabinger
 
Palestra manejo de pastagens TecnoPasto
Palestra manejo de pastagens TecnoPastoPalestra manejo de pastagens TecnoPasto
Palestra manejo de pastagens TecnoPasto
 
Fenicafé 2014 inovação na poda do cafeeiro roberto tomazielo
Fenicafé 2014 inovação na poda do cafeeiro   roberto tomazieloFenicafé 2014 inovação na poda do cafeeiro   roberto tomazielo
Fenicafé 2014 inovação na poda do cafeeiro roberto tomazielo
 
Intens.vs.semi2
Intens.vs.semi2Intens.vs.semi2
Intens.vs.semi2
 
Manejo da nutrição do cafeeiro para podas fenicafé 2015 alysson fagundes
Manejo da nutrição do cafeeiro para podas   fenicafé 2015 alysson fagundesManejo da nutrição do cafeeiro para podas   fenicafé 2015 alysson fagundes
Manejo da nutrição do cafeeiro para podas fenicafé 2015 alysson fagundes
 
Policultivo Lambari x Camarão de Água Doce: Resultados de Pesquisas
Policultivo Lambari x Camarão de Água Doce: Resultados de PesquisasPolicultivo Lambari x Camarão de Água Doce: Resultados de Pesquisas
Policultivo Lambari x Camarão de Água Doce: Resultados de Pesquisas
 
Orientaçoes sustentabilidade cafeicultura
Orientaçoes sustentabilidade cafeiculturaOrientaçoes sustentabilidade cafeicultura
Orientaçoes sustentabilidade cafeicultura
 
[Palestra] Armindo Kichel: Manejo de Pastangem
[Palestra] Armindo Kichel: Manejo de Pastangem[Palestra] Armindo Kichel: Manejo de Pastangem
[Palestra] Armindo Kichel: Manejo de Pastangem
 

Semelhante a Viva o camarao

Projeto viva o camarão do sítio dos milagres
Projeto viva o camarão do sítio dos milagresProjeto viva o camarão do sítio dos milagres
Projeto viva o camarão do sítio dos milagres
Liliam Da Paixão
 
Contours Global - PCH Nova Aurora
Contours Global - PCH Nova AuroraContours Global - PCH Nova Aurora
Contours Global - PCH Nova Aurora
Cleuber Carlos Nascimento
 
347 comocriar (1)
347 comocriar (1)347 comocriar (1)
347 comocriar (1)
Agricultura Sao Paulo
 
Gestão amb. da água
Gestão amb. da águaGestão amb. da água
Gestão amb. da água
Marcelo Possas
 
Cartilha cultivo de_tilápias_em_gaiolas
Cartilha cultivo de_tilápias_em_gaiolasCartilha cultivo de_tilápias_em_gaiolas
Cartilha cultivo de_tilápias_em_gaiolas
Gilneydson Nunes de Almeida
 
projeto de suinocultura (trabalho do curso de técnico agrícola)
projeto de suinocultura (trabalho do curso de técnico agrícola)projeto de suinocultura (trabalho do curso de técnico agrícola)
projeto de suinocultura (trabalho do curso de técnico agrícola)
Luis Deleprane
 
Rega das Culturas / Uso <eficiente da Água
Rega das Culturas / Uso <eficiente da ÁguaRega das Culturas / Uso <eficiente da Água
Rega das Culturas / Uso <eficiente da Água
Armindo Rosa
 
Planejamento Agronômico.pptx
Planejamento Agronômico.pptxPlanejamento Agronômico.pptx
Planejamento Agronômico.pptx
HailtonBarbosadosSan
 
SIG e sensoriamento remoto para a determinação do potencial da aqüicultura n...
SIG e sensoriamento remoto para a determinação do  potencial da aqüicultura n...SIG e sensoriamento remoto para a determinação do  potencial da aqüicultura n...
SIG e sensoriamento remoto para a determinação do potencial da aqüicultura n...
volcker
 
338481913-Projeto-de-Suinocultura.docx
338481913-Projeto-de-Suinocultura.docx338481913-Projeto-de-Suinocultura.docx
338481913-Projeto-de-Suinocultura.docx
MuluaFilipe
 
Uma palmeira exótica no cenário brasileiro - o coqueiro gigante. Vol.I
Uma palmeira exótica no cenário brasileiro - o coqueiro gigante. Vol.IUma palmeira exótica no cenário brasileiro - o coqueiro gigante. Vol.I
Uma palmeira exótica no cenário brasileiro - o coqueiro gigante. Vol.I
Liliam Da Paixão
 
ABC Cultivo de peixes
ABC Cultivo de peixesABC Cultivo de peixes
ABC Cultivo de peixes
Lenildo Araujo
 
A ciência no campo... 1º seminário são joaquim cassiano
A ciência no campo... 1º seminário são joaquim  cassianoA ciência no campo... 1º seminário são joaquim  cassiano
A ciência no campo... 1º seminário são joaquim cassiano
Reprotec
 
Processamento industrial e produtos da mandioca
Processamento industrial e produtos da mandiocaProcessamento industrial e produtos da mandioca
Processamento industrial e produtos da mandioca
Tiago Maboni Derlan
 
Pontal Verde-Azul
Pontal Verde-AzulPontal Verde-Azul
Pontal Verde-Azul
pontalverdeazul
 
Col (1)
Col (1)Col (1)
Col (1)
OkamiBR
 
1 serie lagoa
1 serie   lagoa1 serie   lagoa
1 serie lagoa
Daniel Marques
 
6º ano cap 13 a água e a vida
6º ano cap 13   a água e a vida6º ano cap 13   a água e a vida
6º ano cap 13 a água e a vida
ISJ
 
Projecto Porco Alentejano (Proj. Agro-Pec.)
Projecto Porco Alentejano (Proj. Agro-Pec.)Projecto Porco Alentejano (Proj. Agro-Pec.)
Projecto Porco Alentejano (Proj. Agro-Pec.)
David Quintino
 
74780 20080910014926
74780 2008091001492674780 20080910014926
74780 20080910014926
Francisco Carvalho
 

Semelhante a Viva o camarao (20)

Projeto viva o camarão do sítio dos milagres
Projeto viva o camarão do sítio dos milagresProjeto viva o camarão do sítio dos milagres
Projeto viva o camarão do sítio dos milagres
 
Contours Global - PCH Nova Aurora
Contours Global - PCH Nova AuroraContours Global - PCH Nova Aurora
Contours Global - PCH Nova Aurora
 
347 comocriar (1)
347 comocriar (1)347 comocriar (1)
347 comocriar (1)
 
Gestão amb. da água
Gestão amb. da águaGestão amb. da água
Gestão amb. da água
 
Cartilha cultivo de_tilápias_em_gaiolas
Cartilha cultivo de_tilápias_em_gaiolasCartilha cultivo de_tilápias_em_gaiolas
Cartilha cultivo de_tilápias_em_gaiolas
 
projeto de suinocultura (trabalho do curso de técnico agrícola)
projeto de suinocultura (trabalho do curso de técnico agrícola)projeto de suinocultura (trabalho do curso de técnico agrícola)
projeto de suinocultura (trabalho do curso de técnico agrícola)
 
Rega das Culturas / Uso <eficiente da Água
Rega das Culturas / Uso <eficiente da ÁguaRega das Culturas / Uso <eficiente da Água
Rega das Culturas / Uso <eficiente da Água
 
Planejamento Agronômico.pptx
Planejamento Agronômico.pptxPlanejamento Agronômico.pptx
Planejamento Agronômico.pptx
 
SIG e sensoriamento remoto para a determinação do potencial da aqüicultura n...
SIG e sensoriamento remoto para a determinação do  potencial da aqüicultura n...SIG e sensoriamento remoto para a determinação do  potencial da aqüicultura n...
SIG e sensoriamento remoto para a determinação do potencial da aqüicultura n...
 
338481913-Projeto-de-Suinocultura.docx
338481913-Projeto-de-Suinocultura.docx338481913-Projeto-de-Suinocultura.docx
338481913-Projeto-de-Suinocultura.docx
 
Uma palmeira exótica no cenário brasileiro - o coqueiro gigante. Vol.I
Uma palmeira exótica no cenário brasileiro - o coqueiro gigante. Vol.IUma palmeira exótica no cenário brasileiro - o coqueiro gigante. Vol.I
Uma palmeira exótica no cenário brasileiro - o coqueiro gigante. Vol.I
 
ABC Cultivo de peixes
ABC Cultivo de peixesABC Cultivo de peixes
ABC Cultivo de peixes
 
A ciência no campo... 1º seminário são joaquim cassiano
A ciência no campo... 1º seminário são joaquim  cassianoA ciência no campo... 1º seminário são joaquim  cassiano
A ciência no campo... 1º seminário são joaquim cassiano
 
Processamento industrial e produtos da mandioca
Processamento industrial e produtos da mandiocaProcessamento industrial e produtos da mandioca
Processamento industrial e produtos da mandioca
 
Pontal Verde-Azul
Pontal Verde-AzulPontal Verde-Azul
Pontal Verde-Azul
 
Col (1)
Col (1)Col (1)
Col (1)
 
1 serie lagoa
1 serie   lagoa1 serie   lagoa
1 serie lagoa
 
6º ano cap 13 a água e a vida
6º ano cap 13   a água e a vida6º ano cap 13   a água e a vida
6º ano cap 13 a água e a vida
 
Projecto Porco Alentejano (Proj. Agro-Pec.)
Projecto Porco Alentejano (Proj. Agro-Pec.)Projecto Porco Alentejano (Proj. Agro-Pec.)
Projecto Porco Alentejano (Proj. Agro-Pec.)
 
74780 20080910014926
74780 2008091001492674780 20080910014926
74780 20080910014926
 

Mais de Liliam Da Paixão

Colcha de Retalhos Volume I Versão Corrigida
Colcha de Retalhos Volume I  Versão Corrigida Colcha de Retalhos Volume I  Versão Corrigida
Colcha de Retalhos Volume I Versão Corrigida
Liliam Da Paixão
 
Colcha de Retalhos - Volume I Versão Final
Colcha de Retalhos - Volume I  Versão FinalColcha de Retalhos - Volume I  Versão Final
Colcha de Retalhos - Volume I Versão Final
Liliam Da Paixão
 
Poesias e Canções
Poesias e Canções Poesias e Canções
Poesias e Canções
Liliam Da Paixão
 
Colcha de Retalhos
Colcha de RetalhosColcha de Retalhos
Colcha de Retalhos
Liliam Da Paixão
 
Terapia de família na cozinha - batatas e Carne de sol
Terapia de família na cozinha  - batatas e Carne de solTerapia de família na cozinha  - batatas e Carne de sol
Terapia de família na cozinha - batatas e Carne de sol
Liliam Da Paixão
 
Batatas e carne de sol
Batatas e carne de solBatatas e carne de sol
Batatas e carne de sol
Liliam Da Paixão
 
ACALME-SE
ACALME-SE ACALME-SE
ACALME-SE
Liliam Da Paixão
 
A Continuação do Disfarce
A Continuação do DisfarceA Continuação do Disfarce
A Continuação do Disfarce
Liliam Da Paixão
 
Receita para um arroz gostoso
Receita para um arroz gostosoReceita para um arroz gostoso
Receita para um arroz gostoso
Liliam Da Paixão
 
Terror em dezembro
Terror em dezembroTerror em dezembro
Terror em dezembro
Liliam Da Paixão
 
Psicanalise - Marco Revolucionario do Pensamento Moderno
Psicanalise - Marco Revolucionario do Pensamento ModernoPsicanalise - Marco Revolucionario do Pensamento Moderno
Psicanalise - Marco Revolucionario do Pensamento Moderno
Liliam Da Paixão
 
Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a Psicanálise
Liliam Da Paixão
 
Beijo Roubado ?
Beijo Roubado ?Beijo Roubado ?
Beijo Roubado ?
Liliam Da Paixão
 
Pimenta Nos Olhos Dos Outros É Refresco
Pimenta Nos Olhos Dos Outros É RefrescoPimenta Nos Olhos Dos Outros É Refresco
Pimenta Nos Olhos Dos Outros É Refresco
Liliam Da Paixão
 
RELATÓRIO DE CONCLUSÃO DO ESTÁGIO DE PRÁTICA DE ENSINO DE PSICOLOGIA
RELATÓRIO DE CONCLUSÃO DO ESTÁGIO DE PRÁTICA DE ENSINO DE PSICOLOGIARELATÓRIO DE CONCLUSÃO DO ESTÁGIO DE PRÁTICA DE ENSINO DE PSICOLOGIA
RELATÓRIO DE CONCLUSÃO DO ESTÁGIO DE PRÁTICA DE ENSINO DE PSICOLOGIA
Liliam Da Paixão
 
HTP E PALOGRÁFICO
HTP E PALOGRÁFICOHTP E PALOGRÁFICO
HTP E PALOGRÁFICO
Liliam Da Paixão
 
Projeto De Vida - Uma Família Feliz
Projeto De Vida - Uma Família FelizProjeto De Vida - Uma Família Feliz
Projeto De Vida - Uma Família Feliz
Liliam Da Paixão
 
O Enigna de Kasper Hauser + Guattari x Ciampa
O Enigna de Kasper Hauser + Guattari x CiampaO Enigna de Kasper Hauser + Guattari x Ciampa
O Enigna de Kasper Hauser + Guattari x Ciampa
Liliam Da Paixão
 
Conservação De Alimentos Por Irradiação
Conservação De Alimentos Por  IrradiaçãoConservação De Alimentos Por  Irradiação
Conservação De Alimentos Por Irradiação
Liliam Da Paixão
 
BEHAVIORISMO - LILIAM DA PAIXÃO
BEHAVIORISMO  -  LILIAM DA PAIXÃOBEHAVIORISMO  -  LILIAM DA PAIXÃO
BEHAVIORISMO - LILIAM DA PAIXÃO
Liliam Da Paixão
 

Mais de Liliam Da Paixão (20)

Colcha de Retalhos Volume I Versão Corrigida
Colcha de Retalhos Volume I  Versão Corrigida Colcha de Retalhos Volume I  Versão Corrigida
Colcha de Retalhos Volume I Versão Corrigida
 
Colcha de Retalhos - Volume I Versão Final
Colcha de Retalhos - Volume I  Versão FinalColcha de Retalhos - Volume I  Versão Final
Colcha de Retalhos - Volume I Versão Final
 
Poesias e Canções
Poesias e Canções Poesias e Canções
Poesias e Canções
 
Colcha de Retalhos
Colcha de RetalhosColcha de Retalhos
Colcha de Retalhos
 
Terapia de família na cozinha - batatas e Carne de sol
Terapia de família na cozinha  - batatas e Carne de solTerapia de família na cozinha  - batatas e Carne de sol
Terapia de família na cozinha - batatas e Carne de sol
 
Batatas e carne de sol
Batatas e carne de solBatatas e carne de sol
Batatas e carne de sol
 
ACALME-SE
ACALME-SE ACALME-SE
ACALME-SE
 
A Continuação do Disfarce
A Continuação do DisfarceA Continuação do Disfarce
A Continuação do Disfarce
 
Receita para um arroz gostoso
Receita para um arroz gostosoReceita para um arroz gostoso
Receita para um arroz gostoso
 
Terror em dezembro
Terror em dezembroTerror em dezembro
Terror em dezembro
 
Psicanalise - Marco Revolucionario do Pensamento Moderno
Psicanalise - Marco Revolucionario do Pensamento ModernoPsicanalise - Marco Revolucionario do Pensamento Moderno
Psicanalise - Marco Revolucionario do Pensamento Moderno
 
Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a Psicanálise
 
Beijo Roubado ?
Beijo Roubado ?Beijo Roubado ?
Beijo Roubado ?
 
Pimenta Nos Olhos Dos Outros É Refresco
Pimenta Nos Olhos Dos Outros É RefrescoPimenta Nos Olhos Dos Outros É Refresco
Pimenta Nos Olhos Dos Outros É Refresco
 
RELATÓRIO DE CONCLUSÃO DO ESTÁGIO DE PRÁTICA DE ENSINO DE PSICOLOGIA
RELATÓRIO DE CONCLUSÃO DO ESTÁGIO DE PRÁTICA DE ENSINO DE PSICOLOGIARELATÓRIO DE CONCLUSÃO DO ESTÁGIO DE PRÁTICA DE ENSINO DE PSICOLOGIA
RELATÓRIO DE CONCLUSÃO DO ESTÁGIO DE PRÁTICA DE ENSINO DE PSICOLOGIA
 
HTP E PALOGRÁFICO
HTP E PALOGRÁFICOHTP E PALOGRÁFICO
HTP E PALOGRÁFICO
 
Projeto De Vida - Uma Família Feliz
Projeto De Vida - Uma Família FelizProjeto De Vida - Uma Família Feliz
Projeto De Vida - Uma Família Feliz
 
O Enigna de Kasper Hauser + Guattari x Ciampa
O Enigna de Kasper Hauser + Guattari x CiampaO Enigna de Kasper Hauser + Guattari x Ciampa
O Enigna de Kasper Hauser + Guattari x Ciampa
 
Conservação De Alimentos Por Irradiação
Conservação De Alimentos Por  IrradiaçãoConservação De Alimentos Por  Irradiação
Conservação De Alimentos Por Irradiação
 
BEHAVIORISMO - LILIAM DA PAIXÃO
BEHAVIORISMO  -  LILIAM DA PAIXÃOBEHAVIORISMO  -  LILIAM DA PAIXÃO
BEHAVIORISMO - LILIAM DA PAIXÃO
 

Último

A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
alphabarros2
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 

Último (20)

A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 

Viva o camarao

  • 1. COLÉGIO ESTADUAL AGRÍCOLA JOSÉ SOARES JÚNIOR PLANEJAMENTO E PROJETOS PROFESSOR ROBSON MENDES PROJETO VIVA O CAMARÃO DO SÍTIO DOS MILAGRES JALMACIRA MELLO SILVA DA PAIXÃO ITABORAÍ, 27 DE NOVEMBRO DE 2013
  • 2. Projeto Viva o Camarão do Sítio dos Milagres Jalmacira Mello da Silva Pimentel 27/11 2013 2 PROJETO VIVA O CAMARÃO DOS SÍTIOS DOS MILAGRES INTRODUÇÃO O marco para a criação de camarões foi o processo de larvicultu- ra em laboratórios. A evolução das tecnologias de reprodução foi es- sencial para a evolução dos cultivos em grandes escalas nos mais va- riados países. Atualmente pode se dizer que quase 30% de todo ca- marão comercializado no mundo é oriundo de cultivo. As principais vantagens para o produtor de camarão são: curta duração dos culti- vos, altos preços do produto no mercado e condições climáticas favoráveis para o culti- vo. Dessa forma a cria- ção de camarão é, sem dúvida, uma atividade de alto retorno econô- mico, porém é essencial (como em qualquer ou- tra criação) os rígidos controle de custos e decisões técnicas de qual melhor sistema de produção de acordo com cada propriedade. O camarão-d’água-doce é um crustáceo tão exótico quanto des- conhecido. Muitas vezes confundido com a lagosta, por causa do seu tamanho, ainda é pouco consumido no mundo. Estima-se que a pro- dução global não ultrapasse 450 mil toneladas por ano, volume equi- valente a 20% da produção total de camarão marinho. Entre os atuais produtores, há quem acredite em um futuro promissor para a carcini- cultura de água-doce. Segundo pesquisa realizada pela Universidade Federal do Para- ná, em Curitiba, o camarão-d’água-doce tem 30% menos colesterol, se comparado ao camarão marinho. Sem contar que para pescar um Fig. 1 – O que acontece no Sítio dos Milagres
  • 3. Projeto Viva o Camarão do Sítio dos Milagres Jalmacira Mello da Silva Pimentel 27/11 2013 3 quilo desse tipo de camarão, outros seis quilos de organismos mari- nhos são mortos acidentalmente. Nos supermercados e peixarias, um quilo de camarão-d’água-doce pode custar até R$ 30,00. JUSTIFICATIVA O Sítio dos Milagres está localizado na Estrada Rio Frio, 22 – Monjolos – São Gonçalo – RJ. O Sítio dos Milagres é uma proprieda- de voltada para a atividade de fazenda agropecuária. Sendo assim a criação de cama- rão de água doce vem de encontro com os objetivos e metas delineados para o Sítio. É im- portante mencio- nar a característi- ca de cunho social que a propriedade possui. Sendo as- sim parte do que é produzido no Sítio é revertido em be- nefício para os mais necessitados da sociedade. E dessa forma, a atividade de cria- ção de camarão também terá parte do lucro revertido para o bem es- tar social. Fig. 2 – O que acontece no Sítio dos Milagres
  • 4. Projeto Viva o Camarão do Sítio dos Milagres Jalmacira Mello da Silva Pimentel 27/11 2013 4 OBJETIVO Como objetivo o Projeto Viva o Camarão do Sítio dos Milagres vi- sa a aquisição de camarões na fase de pós-larvas para processo de engorda e posterior abate para venda direta ao consumidor. META Produzir 1000Kg de camarão por ano, para venda direta ao con- sumidor, através dos eventos do Sítio dos Milagres. CARACTERÍSTICAS DA ÁREA São Gonçalo é o município onde o Projeto Viva o Camarão do Sítio dos Milagres será desenvolvido. Pela classificação de Köppen, o clima na região é do tipo Tropical Com Chuvas de Verão. Pelo mapa climático do IBGE, o clima é o Tropical Brasil Central, Quente e Semi- úmido, com até 3 meses secos. No verão, compreendido entre novembro e março, o calor e a umidade são elevadas e a região é sujeita a alta pluviometria com for- tes chuvas. No inverno, todos os parâmetros se reduzem (umidade, tempera- tura e pluviometria), especialmente nos meses de junho e agosto. A Pluviometria e os ventos e, portanto, a sensação térmica é in- fluenciada pela Serra do Mar que segura as massas de ar, ocasio- nando a maior pluviometria na região e pela Serra do lagarto (divisa com Maricá), que segura os ventos e provocando uma região de baixa pressão, ampliando a sensação térmica no verão.
  • 5. Projeto Viva o Camarão do Sítio dos Milagres Jalmacira Mello da Silva Pimentel 27/11 2013 5 A temperatura média mensal varia até 7ºC en- tre o verão e o inverno, com am- plitudes térmicas médias de 10 a 15ºC. O aumento da temperatura média e das má- ximas, durante o período de verão, amplifica a de- manda de água. No entanto o Sítio dos Mila- gres, onde se desenvolverá o Projeto Viva O Camarão do Sítio dos Milagres, possui peculiaridades climáticas, pois qualquer que seja o calor que faça durante as horas do dia, à noite e de madrugada a temperatura sempre cai de maneira considerável, chegando a fazer 4ºC em algumas madrugadas de inverno. SEMOVENTES O camarão-da-malásia (Macrobrachium rosenbergii) é um cama- rão de água-doce da família dos paleninídeos. Também chamado de "lagostim de água doce" e "gigante da Malásia", é uma das espécies mais procuradas para cultivo. Fig. 3 – O que acontece no Sítio dos Milagres
  • 6. Projeto Viva o Camarão do Sítio dos Milagres Jalmacira Mello da Silva Pimentel 27/11 2013 6 Esse camarão tem a carne suave e textura delicada. Aceita facil- mente todo tipo de temperos e ervas aromática e contém menos iodo e sal que os camarões de água salgada. O camarão-da-malásia possui características que o tornam bas- tante adequado o para o cultivo, tais como: taxa de crescimento relati- vamente rápida; comportamento não agressivo; resistência às varia- ções do meio; agradável ao paladar, resistência à doenças. Como o Projeto não contempla a produção de larvas. Serão ad- quiridos indivíduos na fase de pós-larvas para serem introduzidos no tanque de engorda. SISTEMA DE CRIAÇÃO O cultivo de camarões se dará em um viveiro escavado no solo, com dimensão de 1000m2 , utilizando-se uma densidade de até 10 ind./m², com controle de qualidade de água, oferta de rações específi- cas para o camarão, realização de biometrias, despescas seletivas e totais e controle de produção, podendo a produtividade ultrapassar a meta de 1000kg por ano. Fig. 4 – O que acontece no Sítio dos Milagres.
  • 7. Projeto Viva o Camarão do Sítio dos Milagres Jalmacira Mello da Silva Pimentel 27/11 2013 7 ÍNDICES ZOOTÉCNICOS Temperatura – em torno dos 28°C Água - Os Viveiros serão abastecidos com água de açude. E uti- lização de Gigogas para filtragem e oxigenação da água. Parâmetros físico-químicos:  pH entre 7,0 e 8,4  OD > 5 ppm  TºC entre 20 e 30ºC  Dureza entre 60 e 120 mg/l (CaCO3)  Fe < 2.0 ppm  NO2 < 1,0 ppm  Odor nenhum  Coliformes fecais: ausência Fig. 5 – O que acontece no Sítio dos Milagres.
  • 8. Projeto Viva o Camarão do Sítio dos Milagres Jalmacira Mello da Silva Pimentel 27/11 2013 8 MANEJO Ração - considerando a adoção do sis- tema de cultivo semi-intensivo, a frequência ali- mentar reco- mendável é de duas refeições ao dia, às 7h e às 18h. Uma boa ração deve apresentar as seguintes características bromatológicas:  Proteína bruta entre 25 - 30%  Carboidratos (açúcares) entre 30 - 40%  Gorduras entre 06 - 08%  Fibras entre 06 - 08%  Outros (Cinzas) entre 08 - 10%  Umidade até 10 %  Relação Ca/P entre 2.5 / 1 % A tabela a seguir apresenta a quantidade diária de ração reco- mendada nos dois primeiros meses de cultivo. 1ª quinzena - 05 kg/ha 2ª quinzena - 07 kg/ha 3ª quinzena - 08 kg/ha 4ª quinzena - 10 kg/há Após os dois primeiros meses de cultivo a oferta diária de ração passa a ser de 5% da biomassa total de camarões do viveiro, dimi- nuindo para 4% no 5º mês e 3% no 6º mês. Fig. 6 – O que acontece no Sítio dos Milagres.
  • 9. Projeto Viva o Camarão do Sítio dos Milagres Jalmacira Mello da Silva Pimentel 27/11 2013 9 A partir do 4º ou 5º mês de engorda iniciam-se as despescas se- letivas com redes, encerrando-se ao término do 6º ou 7º mês com a despesca total (final). Há necessidade da realização de choque térmico IMEDIATO À DESPESCA e utilização de solução de hipoclorito de sódio para a as- sepsia do produto. É feita a embalagem do produto em bandejas de isopor e filme de PVC e em seguida a estocagem. INSTALACÕES  Um tanque, de 1000m2, escavado no solo, com profundidade de 1,5m, relação comprimento largura de 50mX20m, fundo plano, com pequena inclinação no sentido da drenagem, com paredes inclinadas, num ângulo de 45° e cobertas com vegetação rasteira.  Um tanque de 500m2 para ser utilizado como berçário. Fig. 7 – O que acontece no Sítio dos Milagres.
  • 10. Projeto Viva o Camarão do Sítio dos Milagres Jalmacira Mello da Silva Pimentel 27/11 2013 10  Abastecimento de água por meio de um açude e um poço. Tan- to o abastecimento da água quanto a drenagem se dará através de tubo de PVC. E uma tela junto a fonte de abastecimento pro- tegerá os camarões de predadores oportunos.  Tapagem com sombrite. EQUIPAMENTOS Alguns equipamentos são listados a seguir:  Refratômetro ou Condutivímetro;  “timer”;  termômetro;  bombas de água; Fig. 8 – O que acontece no Sítio dos Milagres.
  • 11. Projeto Viva o Camarão do Sítio dos Milagres Jalmacira Mello da Silva Pimentel 27/11 2013 11  oxímetro;  termostatos;  pHmetro;  aquecedores;  kits de NO2 e NH3;  gerador;  microscópio;  liquidificador;  balanças;  freezer;  lupa;  geladeira.  compressores;  Baldes;  Telas;  Béckers;  placa de petri;  pipetas;  sifonadore.  Redes. Fig. 9 – O que acontece no Sítio dos Milagres.
  • 12. Projeto Viva o Camarão do Sítio dos Milagres Jalmacira Mello da Silva Pimentel 27/11 2013 12 CONSIDERAÇÕES FINAIS Atualmente o kilo do camarão pode ser comprado pelo consumi- dor, na região do Grande Rio, por uma quantia que pode chegar em torno dos R$30,00. Camarões da Malásia na fase pós-larvas podem ser comprados no Estado do Espírito Santo pela quantia de R$80,00 o mileiro e R$60,00 acima de 5000 unidades. A criação de Camarão da Malásia é um empreendimento bem lucrativo, e viável mesmo nos moldes modestos do Projeto Viva o Camarão do Sítio dos Milagres. O camarão-da-malásia possui características que o tornam bastante adequado o para o cultivo, tais como: taxa de crescimento relativa- mente rápida; comportamento não agressivo; resistência às variações do meio; agradável ao paladar, resistência à doenças. Segundo Por- tella (2009), o camarão da Malásia é um alimento de alto valor nutrici- onal. Com tais características somadas as atividades de cunho social do Sítio dos Milagres, o Projeto Viva o Camarão do Sítio dos Milagres é uma verdadeira receita de sucesso. Fig. 10 – O que acontece no Sítio dos Milagres.
  • 13. Projeto Viva o Camarão do Sítio dos Milagres Jalmacira Mello da Silva Pimentel 27/11 2013 13 REFERÊNCIAS PORTELLA, C.G. (2009). Tecnologia pós-despesca dos camarões de água doce Macrobrachium rosenbergii e Macrobrachium ama- zonicum. Tese de doutorado. UNESP. Jaboticabal. http://www.caunesp.unesp.br/publicacoes/dissertacoes_teses/teses/T ese%20Carolina%20De%20Gasperi%20Portella.pdf http://www.novonegocio.com.br/criacoes/como-montar-uma-criacao- de-camarao/ MENDES, R. (org.) (2013). Apostila sobre criação de camarão, utiliza- da nas aulas de ZOOTECNIA, durante o IV bimestre de 2013. Colégio Estadual Agrícola José Soares Júnior. Itaboraí. RJ. DUARTE, Marcos (?). Carcinicultura – Criação de camarões. http://www.infoescola.com/zootecnia/carcinicultura-criacao-de- camaroes/ www.slideshare.net/paulobergmann/plano-silvestre-sade-itaborai- projeto1 VALENTI, W.C. 2002. Situação atual, perspectivas e novas tecnologi- as para produção de camarões de água doce. In: Simpósio Brasileiro de Aqüicultura, 12o, Goiânia, 2002. Anais...p. 99-106 CAVALCANTI, J.R.M; OLIVEIRA, S. M.; MAIA FLHO, M.A.; GUERRA, C.A.M.; SOUZA, E.S. (?). Cultivo de camarão de água doce. IPA. Per- nambuco. http://www.ipa.br/resp56.php Chácara Feliz. Criação de Camarão da Malásia http://www.camaraodeaguadoce.com.br/site/
  • 14. Projeto Viva o Camarão do Sítio dos Milagres Jalmacira Mello da Silva Pimentel 27/11 2013 14 Popov, D. (2013). Camarão dos pés a Cabeça. http://revistadinheirorural.terra.com.br/secao/agronegocios/camarao- dos-pes-cabeca ________ (2005). Tecnologia de produção do camarão da Malásia. Manual de carcinicultura de água doce. SEBRAE/ES. http://201.2.114.147/bds/bds.nsf/879BC1F11B3D1E40032570EB0050 F67D/$File/Manual_carcinicultura.pdf