SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO – UFRPE
       DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA RURAL – DTR
  PROGª DE GRADUAÇÃO EM ENGª AGRÍCOLA & AMBIENTAL




CONTROLE AMBIENTAL
               DA ÁGUA
             José Marcelo Cordeiro Possas
           E-mail : jmcpossas@yahoo.com.br
DISTRIBUIÇÃO DA ÁGUA NO PLANETA
As águas superficiais apesar
             ÁGUA SALGADA – 97%
                                                de ser a menor parcela
                                                disponível é de onde se retira a
                                                maior quantidade d’água para
                                                as mais diversas finalidades e
                                                é onde são lançados os
                                                resíduos dessa utilização.
                             ÁGUA DOCE – 0,6%
    GELO – 2,4%




50% Disponível                                      ÁGUAS SUB.
                                                       97%
50% Indisponível
(há ± 800m de profund.)


                                                             ÁGUAS SUP.
                                                                3%
A ciência que trata da água na Terra chama-se  HIDROLOGIA
BACIA HIDROGRÁFICA
unidade de estudo do ciclo hidrológico
ÁGUA: conceitos básicos, fundamentos
              e importância
 A água é um recurso natural e está presente em toda a
natureza nos estados sólido, líquido e gasoso;

 É parte integrante dos seres vivos e essencial a vida;

 No homem representa cerca de 60% de seu peso, nas
plantas atinge 90% e em certos animais aquáticos pode
atingir até 98%;

 Fator de produção de bens de consumo e produtos
agrícolas;

 É a única substância que o estado sólido é menos denso
que o estado líquido.
Percentuais de uso dos recursos hídricos
                         no Mundo e no Brasil
             consumo
             doméstico            MUNDO
                8%

indústria
  23%




                                   69%
                               agricultura


                                                       BRASIL
DISTRIBUIÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS,
            SUPERFÍCIE E POPULAÇÃO NO BRASIL


  80
         68,5                                                                             Rec. Hídricos
  70
                                                                                          Superfície
  60
                                                                                          População
  50            45,3
                                                                                  42,65
% 40
                                                                                                         28,91
  30
                                     18,8                                                         18,3
  20                          15,7                           15,05
                                                                           10,8
  10                   6,98                 6,41   6,5 6,8           6,0
                                                                                            3,3
   0
            Norte             Centro-Oeste             Sul            Sudeste                Nordeste

Fonte: www.mma.gov.br/port/srh (Manual de Consumo Sustentável, 2002)
USOS MÚLTIPLOS DA ÁGUA

 Abastecimento público;
 Abastecimento industrial;
 Atividades agropastoris;
 Preservação da fauna e da flora;
 Recreação e lazer;
 Geração de energia elétrica;
 Navegação;
 Diluição e transporte de efluente.
Consumo de água para diversas
           atividades industriais

• Para fabricar 1 carro são necessários 400.000 L de água;
• Para 1 litro de combustível são necessários 18 L de água;
• Para fabricar 1 telefone celular são necessários 1.300 L de
  água;
• Para a produção de 1 kg de papel são necessários de 30 a
  200 L de água;
• Para 1 litro de cerveja são necessários de 4 a 12 L de
  água;
• Para a produção de 1 kg de leite em pó ou de queijo são
  necessários de 3 a 5 L de água.
POLUIÇÃO DAS ÁGUAS

  Alteração das características físicas, químicas e
  biológicas, que prejudicam um ou mais de seus
  usos preestabelecidos.




 CLASSIFICAÇÃO DOS CORPOS DE ÁGUA

“Resolução CONAMA N° 357 de 17 /03/ 2005”.
1. Poluição Natural


 Ocorre devido ao arraste pelas águas das chuvas:

 De partículas orgânicas e inorgânicas do solo;
 Resíduos de animais silvestres;
 Resíduos de folhas e galhos da vegetação.



Dificilmente altera a qualidade da água para seu
uso mais nobre e pode ser utilizada para
abastecimento público após simples desinfecção.
2. Poluição Produzida por Esgotos Domésticos

    A Alteração das características dos corpos d’água será maior ou
    menor em função do grau de tratamento dos esgotos domésticos.

Esgotos domésticos de uma área urbanizada = Σ (residências, comércio, industria)


 Principal preocupação com o meio ambiente: matéria orgânica,
 microorganismos patogênicos, concentração de fósforo e nitrogênio.


                Domicílios atendidos por rede coletora de esgoto
                       REGIÃO                   PERCENTUAL
                       Sudeste                       71,4
                      Nordeste                       16,3
                        Norte                        7,3
            Fonte: IBGE, 1998
3. Poluição Produzida por Efluentes Industriais

As atividades industriais geram efluentes com caracte-
rísticas qualitativas e quantitativas bastante diversificada.

                     Características Quantitativas
         FONTE DE DESPEJOS           VOLUME POR ATIVIDADE
       Esgoto doméstico                 120 a 160 L / hab.dia
       Abatedouro bovino                1.500 a 2.000 L / boi
       Abatedouro avícola                  17 a 20 L / ave
       Fabricação de cerveja                8 L / L cerveja
       Fabricação de queijos               20 l / kg queijo
       Fabricação de leite                   1 L / L leite
       Fabricação de couro              800 a 1.000 L / couro
       Fabricação de papel              50 a 100 L / kg papel
3. Poluição Produzida por Efluentes Industriais

                          Características Quantitativas
       FONTE DE DESPEJOS                EQUIVALENTE POPULACIONAL
  Abatedouro bovino                                55 hab. / boi
  Abatedouro avícola                           200 hab. / 1000 aves
  Fabricação de cerveja                        175 hab. / m³ cerveja
  Fabricação de queijos                          2 hab. / kg queijo
  Fabricação de leite                           20 hab / 100 L leite
  Fabricação de couro                          40 hab. / pele bovina
  Fabricação de papel                            460 hab. / t papel



                   carga DBO INDUST [kg/d]
              EP =
                        0,054 [kg/d]
4. Poluição Produzida por Drenagens
       de Áreas Urbanas e Agrícolas

Nas áreas urbanas os materiais acumulados
nas valas e bueiros são arrastados pelas águas
pluviais quando da ocorrência de chuvas.

↓ LIMPEZA PÚBLICA             ↑ POLUIÇÃO


Em áreas agrícolas, os efeitos da poluição
dependem muito das práticas utilizadas em
cada região e da época do ano.
EFEITOS DA POLUIÇÃO DA ÁGUAS


O lançamento de efluentes líquidos, tratados ou
não, provocam alterações nas características
dos corpos d’água.


A utilização do corpo d’água poderá ser
inviabilizada dependendo da intensidade da
carga poluidora e a finalidade da água.
EFEITOS DA POLUIÇÃO DA ÁGUAS

Abastecimento Público
• Contaminação microbiológica
esgotos: doenças de veiculação hídrica;

• Qualidade das águas dos mananciais
dependendo dos poluentes lançados a montante
de uma captação para abastecimento e da
capacidade da ETA e cuidados tomados pelos
técnicos, a água, mesmo tratada, pode causar
efeitos nocivos sobre a saúde do homem;

• Encarecimento do tratamento → A poluição dos mananciais leva a
busca de novas fontes, gerando maiores gastos no transporte da água
bem como na utilização de uma maior quantidade de produtos que
serão necessários para o seu tratamento.
EFEITOS DA POLUIÇÃO DA ÁGUAS
Abastecimento Industrial
• Limitação para uso em determinadas indústrias
• Operação e manutenção de caldeiras

Indústria da Pesca

Navegação

Agricultura e Pecuária
Contaminação do leite e hortaliças

Recreação
PROCESSOS DE TRATAMENTO
     DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS


Um sistema de tratamento de águas residuárias
é constituído por uma série de operações e
processos (físicos, químicos e biológicos) que
são empregados para remoção de substâncias
indesejáveis da água ou para transformação em
outras formas aceitáveis.
Processos Físicos
São utilizados para separar sólidos em suspensão nas
águas residuárias.
  • Remoção de sólidos grosseiros;
  • Remoção de sólidos sedimentares;
  • Remoção de sólidos flutuantes;
  • Remoção de umidade de lodo.
                    Dispositivos:
                     Grades de limpeza (manual ou mecanizada);
                     Caixas de areia simples ou aeradas;
                     Tanques de retenção de materiais flutuantes;
                     Decantadores;
                     Leito de secagem de lodo.
Processos Químicos

São processos em que a utilização de produtos
químicos são necessário para aumentar a eficiência da
remoção de um elemento ou substância que causam
cor, turbidez, odor, etc.

         Os principais são:
         • Coagulação-floculação;
         • Precipitação química;
         • Oxidação;
         • Cloração;
         • Neutralização ou correção do pH.
Processos Biológicos

São aqueles que dependem da ação de
microorganismos (aeróbios ou anaeróbios).

 Os mais usuais são:
 • Lodo ativado e suas variações;
 • Filtros biológicos anaeróbios ou aeróbios;
 • Lagoas aeradas;
 • Lagoas de estabilização facultativas e anaeróbias;
 • Digestores anaeróbios de fluxo ascendente.
CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE TRATAMENTO

       ƒ(material a ser removido, eficiência de remoção)
1. Tratamento Preliminar
       Tem a finalidade de remover sólidos grosseiros e é aplicado a
  qualquer tipo de água residuária.

2. Tratamento Primário
       É mais apropriado para águas residuárias de natureza orgânica.
       Finalidade: remover resíduos finos em suspensão nos efluentes.

3. Tratamento Secundário
       É utilizado para depurar águas residuárias por processos
  biológicos. Finalidade: reduzir o teor de matéria orgânica solúvel
  nos despejos.
CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE TRATAMENTO

4. Tratamento Terciário

        Estágio mais avançado e visa remover substâncias não
  eliminadas nos tratamentos anteriores (nutrientes, microorganismos
  patogênicos, etc).
5. Tratamento de Lodos

       Visa a desidratação ou adequação para disposição final de
  qualquer tipo de lodo.

6. Tratamento Físico-Químico

        Basicamente utilizado em águas residuárias de natureza
  inorgânica, visa a remoção de sólidos em todas as suas formas e a
  alteração das características físico-químicas das águas residuárias.
REÚSO DA ÁGUA

“A não ser que exista uma grande disponibilidade,
nenhuma água de boa qualidade deve ser utilizada
para usos que tolerem águas de qualidade inferior”.
CONSELHO ECONÔMICO DAS NAÇÕES UNIDAS, 1985


        O reaproveitamento ou reúso da água ou ainda, o uso
        de águas residuárias é o processo pelo qual a água,
        tratada ou não, é reutilizada para o mesmo ou outro
        fim.

Dentro dessa ótica, os esgotos tratados têm um papel
fundamental no planejamento e na gestão sustentável
dos recursos hídricos como um substituto para o uso
de águas destinadas a fins agrícolas e de irrigação,
entre outros.
QUALIDADE DA ÁGUA:
        PRINCIPAIS OBJETIVOS

 Avaliar a evolução da qualidade das águas
interiores dos rios e reservatórios;

 Propiciar o levantamento das áreas prioritárias
para o controle da poluição das águas;

 Identificar trechos de rios onde a qualidade da
água possa estar pior, possibilitando ações
preventivas.
Índice de Qualidade da Água - IQA

 A partir de estudos realizados pela National Sanitation Foundation
 dos EUA (1970), a CETESB adaptou e desenvolveu o IQA, que
 vem sendo utilizado para analisar a qualidade das águas em SP.
                          IQA = [0,100]
               n          qi: qualidade do i-ésimo parâmetro [0,100],

IQA = ∏ q            wi   obtido da respectiva “curva média de variação de qualidade”;
                     i    wi: peso correspondente ao i-ésimo parâmetro [0,1].
              i =1        Atribuído em função da sua importância para a conformação
                          global de qualidade.
                          n: número de variáveis que entram no cálculo do IQA

  n

 ∑W =1
 i =1
          i
Curvas Médias de Variação de Qualidade das Águas
Avaliação da Qualidade da Água

            A partir do cálculo efetuado, pode-se
            determinar a qualidade das águas
            brutas, que é indicada pelo IQA,
            variando numa escala de 0 a 100,
            representado na Tabela abaixo:
Outros Parâmetros Utilizados na
  Avaliação da Qualidade das Águas

Parâmetros Tóxicos

Cádmio, Bário, Chumbo, Cobre,        Cromo,
Níquel, Mercúrio, Zinco, Fenóis.

  Demais Parâmetros

  Ferro Total, Manganês, Cloreto, DQO,
  Surfatantes, Nitrogênio Nitrato, Nitrogênio
  Nitrito, Amônia, Nitrogênio Kjeldahl Total,
  Ortofosfato Solúvel, Condutividade, Coloração.
EXERCÍCIO  IQA
Após análise realizada em laboratório das amostras de água coletada em um
determinado rio, obtiveram-se os seguintes resultados:
Coliformes F. = 2400/100mL; pH = 8,6; DBO = 4,6 mg/L; Nitogênio Tot. = 2 mg/L
                                 8,6
Fósforo Tot. = 0,2 mg/L; ∆T = 1°C; Turbidez = 10 UFT; Resíduo Tot. = 1800mg/L
e OD = 17 % sat.
Pede-se: Classificar a qualidade da água do rio segundo a CETESB (IQA).


    1° PASSO

    Identificar qi no gráfico através do
    valor do respectivo parâmetro;


      para pH = 8,6  q2 = 67
EXERCÍCIO  IQA
 2° PASSO

 Com todos os valores de q obtidos, calcular o IQA associando cada
 valor de q ao seu respectivo peso;                 n
                                         I Q A = ∏qiw i
Ord.   q     W                                     i =1
 1     15   0,15
                        IQA = 150,15 x 670,12 x 650,1 x 800,1 x 900,1
 2     67   0,12
                             x 900,1 x 740,08 x 320,08 x 100,17
 3     65    0,1
 4     80    0,1     3° PASSO
 5     90    0,1   CLASSIFICAR
 6     90    0,1
 7     74   0,08    IQA = 39,6
 8     32   0,08
 9     10   0,17
CONSIDERAÇÕES FINAIS
 O índice (IQA), apesar de fornecer uma avaliação
 integrada, jamais substituirá uma avaliação detalhada da
 qualidade das águas de uma determinada bacia
 hidrográfica.
OUTROS ÍNDICES UTILIZADOS PELA CETESB
• IAP - Índice de Qualidade das Águas Brutas para Fins de Abastecimento
Público;

• ISTO – Índice de Substâncias Tóxicas e Organolépticas

• IVA -Índices de Qualidade das Águas para Proteção da Vida Aquática e de
Comunidades Aquáticas

• IPMCA – Índice de Variáveis Mínimas para a Preservação da Vida Aquática

• ICF -Índice da Comunidade Fitoplanctônica

• IB -Índice de Balneabilidade
CONSIDERAÇÕES FINAIS

Dentre toda a água do planeta, as superficiais são as
que se apresentam em menor quantidade, mesmo assim
são as mais utilizadas pelo homem para as mais diversas
atividades, como abastecimento humano e destino final
dos dejetos (em sua maior quantidade sem tratamento
algum).

Se uma atitude séria não for tomada logo para reverter
essa situação, em breve não importará a quantidade de
dinheiro que se tenha, pois não haverá alimentos para
serem vendidos.
“Quando o poço seca
é que sabemos realmente o valor da água”
            Benjamín Franklin, 1727




OBRIGADO!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 05 - Considerações projeto eta - tecnica tratamento 25.08
Aula 05 - Considerações projeto eta - tecnica tratamento 25.08Aula 05 - Considerações projeto eta - tecnica tratamento 25.08
Aula 05 - Considerações projeto eta - tecnica tratamento 25.08
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Qualidade da água
Qualidade da águaQualidade da água
Qualidade da água
Wanessa de Castro
 
Aula 3 dimensionamento tratamento preliminar 2
Aula 3   dimensionamento tratamento preliminar 2Aula 3   dimensionamento tratamento preliminar 2
Aula 3 dimensionamento tratamento preliminar 2
Giovanna Ortiz
 
Aula 1 exercício
Aula 1   exercícioAula 1   exercício
Aula 1 exercício
Giovanna Ortiz
 
A História do Saneamento Básico
A História do Saneamento BásicoA História do Saneamento Básico
A História do Saneamento Básico
eloambiental
 
Sabões e detergentes
Sabões e detergentesSabões e detergentes
Sabões e detergentes
arceariane87
 
fibras
fibras fibras
Tratamento anaeróbio esgoto
Tratamento anaeróbio esgotoTratamento anaeróbio esgoto
Tratamento anaeróbio esgoto
Movimento Verde
 
Analise de agua
Analise de aguaAnalise de agua
Analise de agua
Douglas Alves
 
Tipos de àgua
Tipos de àguaTipos de àgua
Tipos de àgua
Leonardo Fernandes
 
Aula 6 lagoas de estabilização e lagoas facultativas
Aula 6 lagoas de estabilização e lagoas facultativasAula 6 lagoas de estabilização e lagoas facultativas
Aula 6 lagoas de estabilização e lagoas facultativas
Giovanna Ortiz
 
Aula 02 - Caracterização das águas
Aula 02 - Caracterização das águasAula 02 - Caracterização das águas
Aula 02 - Caracterização das águas
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Tratamento de efluentes industriais
Tratamento de efluentes industriaisTratamento de efluentes industriais
Tratamento de efluentes industriais
Edir Leite Freire
 
Aula 07 - Tecnicas de tratamento - parte 3 - 08.09
Aula 07 - Tecnicas de tratamento - parte 3 - 08.09Aula 07 - Tecnicas de tratamento - parte 3 - 08.09
Aula 07 - Tecnicas de tratamento - parte 3 - 08.09
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Modelagem da Qualidade de Água 1
Modelagem da Qualidade de Água 1Modelagem da Qualidade de Água 1
Modelagem da Qualidade de Água 1
Danilo Max
 
Aula 8 dimensionamento de lodos ativados
Aula 8   dimensionamento de lodos ativadosAula 8   dimensionamento de lodos ativados
Aula 8 dimensionamento de lodos ativados
Giovanna Ortiz
 
Seminario saneamento básico Lei 11.445/2007
Seminario saneamento básico Lei 11.445/2007Seminario saneamento básico Lei 11.445/2007
Seminario saneamento básico Lei 11.445/2007
Nathy Oliveira
 
Aula 2 caracterização qualitativa esgoto
Aula 2   caracterização qualitativa esgotoAula 2   caracterização qualitativa esgoto
Aula 2 caracterização qualitativa esgoto
Giovanna Ortiz
 
MMP - Minimamente processados
MMP - Minimamente processadosMMP - Minimamente processados
MMP - Minimamente processados
Márcio José Salvestro
 
coleta e transporte de esgoto - Tsutiya
coleta e transporte de esgoto - Tsutiya coleta e transporte de esgoto - Tsutiya
coleta e transporte de esgoto - Tsutiya
Brunela Dos Santos Neves
 

Mais procurados (20)

Aula 05 - Considerações projeto eta - tecnica tratamento 25.08
Aula 05 - Considerações projeto eta - tecnica tratamento 25.08Aula 05 - Considerações projeto eta - tecnica tratamento 25.08
Aula 05 - Considerações projeto eta - tecnica tratamento 25.08
 
Qualidade da água
Qualidade da águaQualidade da água
Qualidade da água
 
Aula 3 dimensionamento tratamento preliminar 2
Aula 3   dimensionamento tratamento preliminar 2Aula 3   dimensionamento tratamento preliminar 2
Aula 3 dimensionamento tratamento preliminar 2
 
Aula 1 exercício
Aula 1   exercícioAula 1   exercício
Aula 1 exercício
 
A História do Saneamento Básico
A História do Saneamento BásicoA História do Saneamento Básico
A História do Saneamento Básico
 
Sabões e detergentes
Sabões e detergentesSabões e detergentes
Sabões e detergentes
 
fibras
fibras fibras
fibras
 
Tratamento anaeróbio esgoto
Tratamento anaeróbio esgotoTratamento anaeróbio esgoto
Tratamento anaeróbio esgoto
 
Analise de agua
Analise de aguaAnalise de agua
Analise de agua
 
Tipos de àgua
Tipos de àguaTipos de àgua
Tipos de àgua
 
Aula 6 lagoas de estabilização e lagoas facultativas
Aula 6 lagoas de estabilização e lagoas facultativasAula 6 lagoas de estabilização e lagoas facultativas
Aula 6 lagoas de estabilização e lagoas facultativas
 
Aula 02 - Caracterização das águas
Aula 02 - Caracterização das águasAula 02 - Caracterização das águas
Aula 02 - Caracterização das águas
 
Tratamento de efluentes industriais
Tratamento de efluentes industriaisTratamento de efluentes industriais
Tratamento de efluentes industriais
 
Aula 07 - Tecnicas de tratamento - parte 3 - 08.09
Aula 07 - Tecnicas de tratamento - parte 3 - 08.09Aula 07 - Tecnicas de tratamento - parte 3 - 08.09
Aula 07 - Tecnicas de tratamento - parte 3 - 08.09
 
Modelagem da Qualidade de Água 1
Modelagem da Qualidade de Água 1Modelagem da Qualidade de Água 1
Modelagem da Qualidade de Água 1
 
Aula 8 dimensionamento de lodos ativados
Aula 8   dimensionamento de lodos ativadosAula 8   dimensionamento de lodos ativados
Aula 8 dimensionamento de lodos ativados
 
Seminario saneamento básico Lei 11.445/2007
Seminario saneamento básico Lei 11.445/2007Seminario saneamento básico Lei 11.445/2007
Seminario saneamento básico Lei 11.445/2007
 
Aula 2 caracterização qualitativa esgoto
Aula 2   caracterização qualitativa esgotoAula 2   caracterização qualitativa esgoto
Aula 2 caracterização qualitativa esgoto
 
MMP - Minimamente processados
MMP - Minimamente processadosMMP - Minimamente processados
MMP - Minimamente processados
 
coleta e transporte de esgoto - Tsutiya
coleta e transporte de esgoto - Tsutiya coleta e transporte de esgoto - Tsutiya
coleta e transporte de esgoto - Tsutiya
 

Semelhante a Gestão amb. da água

Poluição e sobreexploração da água doce
Poluição e sobreexploração da água docePoluição e sobreexploração da água doce
Poluição e sobreexploração da água doce
Miguel Monteiro
 
Poluição e sobreexploração da água doce
Poluição e sobreexploração da água docePoluição e sobreexploração da água doce
Poluição e sobreexploração da água doce
Miguel Monteiro
 
Água Na Propriedade Rural - Tratamento de água e esgoto na propriedade rural
Água Na Propriedade Rural - Tratamento de água e esgoto na propriedade ruralÁgua Na Propriedade Rural - Tratamento de água e esgoto na propriedade rural
Água Na Propriedade Rural - Tratamento de água e esgoto na propriedade rural
marcelo otenio
 
Atualidade Brasil - Agua - Blog do Prof. Marco Aurelio Gondim - www.mgondim.b...
Atualidade Brasil - Agua - Blog do Prof. Marco Aurelio Gondim - www.mgondim.b...Atualidade Brasil - Agua - Blog do Prof. Marco Aurelio Gondim - www.mgondim.b...
Atualidade Brasil - Agua - Blog do Prof. Marco Aurelio Gondim - www.mgondim.b...
Marco Aurélio Gondim
 
Qualidade de água em Industria de laticínio
Qualidade de água em Industria de laticínioQualidade de água em Industria de laticínio
Qualidade de água em Industria de laticínio
marcelo otenio
 
Prévia do seminário
Prévia do seminárioPrévia do seminário
Prévia do seminário
VanlisaPinheiro
 
Prévia do seminário
Prévia do seminárioPrévia do seminário
Prévia do seminário
VanlisaPinheiro
 
Prévia do seminário
Prévia do seminárioPrévia do seminário
Prévia do seminário
VanlisaPinheiro
 
Prévia do seminário
Prévia do seminárioPrévia do seminário
Prévia do seminário
VanlisaPinheiro
 
Prévia do seminário
Prévia do seminárioPrévia do seminário
Prévia do seminário
VanlisaPinheiro
 
Educação ambiental
Educação ambientalEducação ambiental
Educação ambiental
Renato Nunes
 
Manejo de resíduos em sistemas de produção de leite: limpeza hidráulica dos ...
Manejo de resíduos em sistemas de produção de leite:  limpeza hidráulica dos ...Manejo de resíduos em sistemas de produção de leite:  limpeza hidráulica dos ...
Manejo de resíduos em sistemas de produção de leite: limpeza hidráulica dos ...
marcelo otenio
 
Agua
AguaAgua
Recursos Hídricos
Recursos HídricosRecursos Hídricos
Recursos Hídricos
verasanches
 
recursos hídricos, geografia
recursos hídricos, geografiarecursos hídricos, geografia
recursos hídricos, geografia
Nilton Goulart
 
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
João Boos Boos
 
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
João Boos Boos
 
material_6969a6ad2a.ppt
material_6969a6ad2a.pptmaterial_6969a6ad2a.ppt
material_6969a6ad2a.ppt
Nuno Melo
 
Saneamento básico dra anaíza
Saneamento básico dra anaízaSaneamento básico dra anaíza
Saneamento básico dra anaíza
ecoaplicada
 
Manejo de Dejetos (Semana dae Integração Tecnológica)
Manejo de Dejetos (Semana dae Integração Tecnológica)Manejo de Dejetos (Semana dae Integração Tecnológica)
Manejo de Dejetos (Semana dae Integração Tecnológica)
marcelo otenio
 

Semelhante a Gestão amb. da água (20)

Poluição e sobreexploração da água doce
Poluição e sobreexploração da água docePoluição e sobreexploração da água doce
Poluição e sobreexploração da água doce
 
Poluição e sobreexploração da água doce
Poluição e sobreexploração da água docePoluição e sobreexploração da água doce
Poluição e sobreexploração da água doce
 
Água Na Propriedade Rural - Tratamento de água e esgoto na propriedade rural
Água Na Propriedade Rural - Tratamento de água e esgoto na propriedade ruralÁgua Na Propriedade Rural - Tratamento de água e esgoto na propriedade rural
Água Na Propriedade Rural - Tratamento de água e esgoto na propriedade rural
 
Atualidade Brasil - Agua - Blog do Prof. Marco Aurelio Gondim - www.mgondim.b...
Atualidade Brasil - Agua - Blog do Prof. Marco Aurelio Gondim - www.mgondim.b...Atualidade Brasil - Agua - Blog do Prof. Marco Aurelio Gondim - www.mgondim.b...
Atualidade Brasil - Agua - Blog do Prof. Marco Aurelio Gondim - www.mgondim.b...
 
Qualidade de água em Industria de laticínio
Qualidade de água em Industria de laticínioQualidade de água em Industria de laticínio
Qualidade de água em Industria de laticínio
 
Prévia do seminário
Prévia do seminárioPrévia do seminário
Prévia do seminário
 
Prévia do seminário
Prévia do seminárioPrévia do seminário
Prévia do seminário
 
Prévia do seminário
Prévia do seminárioPrévia do seminário
Prévia do seminário
 
Prévia do seminário
Prévia do seminárioPrévia do seminário
Prévia do seminário
 
Prévia do seminário
Prévia do seminárioPrévia do seminário
Prévia do seminário
 
Educação ambiental
Educação ambientalEducação ambiental
Educação ambiental
 
Manejo de resíduos em sistemas de produção de leite: limpeza hidráulica dos ...
Manejo de resíduos em sistemas de produção de leite:  limpeza hidráulica dos ...Manejo de resíduos em sistemas de produção de leite:  limpeza hidráulica dos ...
Manejo de resíduos em sistemas de produção de leite: limpeza hidráulica dos ...
 
Agua
AguaAgua
Agua
 
Recursos Hídricos
Recursos HídricosRecursos Hídricos
Recursos Hídricos
 
recursos hídricos, geografia
recursos hídricos, geografiarecursos hídricos, geografia
recursos hídricos, geografia
 
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
 
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
 
material_6969a6ad2a.ppt
material_6969a6ad2a.pptmaterial_6969a6ad2a.ppt
material_6969a6ad2a.ppt
 
Saneamento básico dra anaíza
Saneamento básico dra anaízaSaneamento básico dra anaíza
Saneamento básico dra anaíza
 
Manejo de Dejetos (Semana dae Integração Tecnológica)
Manejo de Dejetos (Semana dae Integração Tecnológica)Manejo de Dejetos (Semana dae Integração Tecnológica)
Manejo de Dejetos (Semana dae Integração Tecnológica)
 

Último

Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
EdimaresSilvestre
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Pastor Robson Colaço
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Militao Ricardo
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 

Gestão amb. da água

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO – UFRPE DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA RURAL – DTR PROGª DE GRADUAÇÃO EM ENGª AGRÍCOLA & AMBIENTAL CONTROLE AMBIENTAL DA ÁGUA José Marcelo Cordeiro Possas E-mail : jmcpossas@yahoo.com.br
  • 3. As águas superficiais apesar ÁGUA SALGADA – 97% de ser a menor parcela disponível é de onde se retira a maior quantidade d’água para as mais diversas finalidades e é onde são lançados os resíduos dessa utilização. ÁGUA DOCE – 0,6% GELO – 2,4% 50% Disponível ÁGUAS SUB. 97% 50% Indisponível (há ± 800m de profund.) ÁGUAS SUP. 3%
  • 4. A ciência que trata da água na Terra chama-se  HIDROLOGIA
  • 5. BACIA HIDROGRÁFICA unidade de estudo do ciclo hidrológico
  • 6. ÁGUA: conceitos básicos, fundamentos e importância  A água é um recurso natural e está presente em toda a natureza nos estados sólido, líquido e gasoso;  É parte integrante dos seres vivos e essencial a vida;  No homem representa cerca de 60% de seu peso, nas plantas atinge 90% e em certos animais aquáticos pode atingir até 98%;  Fator de produção de bens de consumo e produtos agrícolas;  É a única substância que o estado sólido é menos denso que o estado líquido.
  • 7. Percentuais de uso dos recursos hídricos no Mundo e no Brasil consumo doméstico MUNDO 8% indústria 23% 69% agricultura BRASIL
  • 8. DISTRIBUIÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS, SUPERFÍCIE E POPULAÇÃO NO BRASIL 80 68,5 Rec. Hídricos 70 Superfície 60 População 50 45,3 42,65 % 40 28,91 30 18,8 18,3 20 15,7 15,05 10,8 10 6,98 6,41 6,5 6,8 6,0 3,3 0 Norte Centro-Oeste Sul Sudeste Nordeste Fonte: www.mma.gov.br/port/srh (Manual de Consumo Sustentável, 2002)
  • 9. USOS MÚLTIPLOS DA ÁGUA  Abastecimento público;  Abastecimento industrial;  Atividades agropastoris;  Preservação da fauna e da flora;  Recreação e lazer;  Geração de energia elétrica;  Navegação;  Diluição e transporte de efluente.
  • 10. Consumo de água para diversas atividades industriais • Para fabricar 1 carro são necessários 400.000 L de água; • Para 1 litro de combustível são necessários 18 L de água; • Para fabricar 1 telefone celular são necessários 1.300 L de água; • Para a produção de 1 kg de papel são necessários de 30 a 200 L de água; • Para 1 litro de cerveja são necessários de 4 a 12 L de água; • Para a produção de 1 kg de leite em pó ou de queijo são necessários de 3 a 5 L de água.
  • 11. POLUIÇÃO DAS ÁGUAS Alteração das características físicas, químicas e biológicas, que prejudicam um ou mais de seus usos preestabelecidos. CLASSIFICAÇÃO DOS CORPOS DE ÁGUA “Resolução CONAMA N° 357 de 17 /03/ 2005”.
  • 12.
  • 13. 1. Poluição Natural Ocorre devido ao arraste pelas águas das chuvas:  De partículas orgânicas e inorgânicas do solo;  Resíduos de animais silvestres;  Resíduos de folhas e galhos da vegetação. Dificilmente altera a qualidade da água para seu uso mais nobre e pode ser utilizada para abastecimento público após simples desinfecção.
  • 14. 2. Poluição Produzida por Esgotos Domésticos A Alteração das características dos corpos d’água será maior ou menor em função do grau de tratamento dos esgotos domésticos. Esgotos domésticos de uma área urbanizada = Σ (residências, comércio, industria) Principal preocupação com o meio ambiente: matéria orgânica, microorganismos patogênicos, concentração de fósforo e nitrogênio. Domicílios atendidos por rede coletora de esgoto REGIÃO PERCENTUAL Sudeste 71,4 Nordeste 16,3 Norte 7,3 Fonte: IBGE, 1998
  • 15. 3. Poluição Produzida por Efluentes Industriais As atividades industriais geram efluentes com caracte- rísticas qualitativas e quantitativas bastante diversificada. Características Quantitativas FONTE DE DESPEJOS VOLUME POR ATIVIDADE Esgoto doméstico 120 a 160 L / hab.dia Abatedouro bovino 1.500 a 2.000 L / boi Abatedouro avícola 17 a 20 L / ave Fabricação de cerveja 8 L / L cerveja Fabricação de queijos 20 l / kg queijo Fabricação de leite 1 L / L leite Fabricação de couro 800 a 1.000 L / couro Fabricação de papel 50 a 100 L / kg papel
  • 16. 3. Poluição Produzida por Efluentes Industriais Características Quantitativas FONTE DE DESPEJOS EQUIVALENTE POPULACIONAL Abatedouro bovino 55 hab. / boi Abatedouro avícola 200 hab. / 1000 aves Fabricação de cerveja 175 hab. / m³ cerveja Fabricação de queijos 2 hab. / kg queijo Fabricação de leite 20 hab / 100 L leite Fabricação de couro 40 hab. / pele bovina Fabricação de papel 460 hab. / t papel carga DBO INDUST [kg/d] EP = 0,054 [kg/d]
  • 17. 4. Poluição Produzida por Drenagens de Áreas Urbanas e Agrícolas Nas áreas urbanas os materiais acumulados nas valas e bueiros são arrastados pelas águas pluviais quando da ocorrência de chuvas. ↓ LIMPEZA PÚBLICA ↑ POLUIÇÃO Em áreas agrícolas, os efeitos da poluição dependem muito das práticas utilizadas em cada região e da época do ano.
  • 18. EFEITOS DA POLUIÇÃO DA ÁGUAS O lançamento de efluentes líquidos, tratados ou não, provocam alterações nas características dos corpos d’água. A utilização do corpo d’água poderá ser inviabilizada dependendo da intensidade da carga poluidora e a finalidade da água.
  • 19. EFEITOS DA POLUIÇÃO DA ÁGUAS Abastecimento Público • Contaminação microbiológica esgotos: doenças de veiculação hídrica; • Qualidade das águas dos mananciais dependendo dos poluentes lançados a montante de uma captação para abastecimento e da capacidade da ETA e cuidados tomados pelos técnicos, a água, mesmo tratada, pode causar efeitos nocivos sobre a saúde do homem; • Encarecimento do tratamento → A poluição dos mananciais leva a busca de novas fontes, gerando maiores gastos no transporte da água bem como na utilização de uma maior quantidade de produtos que serão necessários para o seu tratamento.
  • 20. EFEITOS DA POLUIÇÃO DA ÁGUAS Abastecimento Industrial • Limitação para uso em determinadas indústrias • Operação e manutenção de caldeiras Indústria da Pesca Navegação Agricultura e Pecuária Contaminação do leite e hortaliças Recreação
  • 21.
  • 22. PROCESSOS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS Um sistema de tratamento de águas residuárias é constituído por uma série de operações e processos (físicos, químicos e biológicos) que são empregados para remoção de substâncias indesejáveis da água ou para transformação em outras formas aceitáveis.
  • 23. Processos Físicos São utilizados para separar sólidos em suspensão nas águas residuárias. • Remoção de sólidos grosseiros; • Remoção de sólidos sedimentares; • Remoção de sólidos flutuantes; • Remoção de umidade de lodo. Dispositivos:  Grades de limpeza (manual ou mecanizada);  Caixas de areia simples ou aeradas;  Tanques de retenção de materiais flutuantes;  Decantadores;  Leito de secagem de lodo.
  • 24. Processos Químicos São processos em que a utilização de produtos químicos são necessário para aumentar a eficiência da remoção de um elemento ou substância que causam cor, turbidez, odor, etc. Os principais são: • Coagulação-floculação; • Precipitação química; • Oxidação; • Cloração; • Neutralização ou correção do pH.
  • 25. Processos Biológicos São aqueles que dependem da ação de microorganismos (aeróbios ou anaeróbios). Os mais usuais são: • Lodo ativado e suas variações; • Filtros biológicos anaeróbios ou aeróbios; • Lagoas aeradas; • Lagoas de estabilização facultativas e anaeróbias; • Digestores anaeróbios de fluxo ascendente.
  • 26. CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE TRATAMENTO ƒ(material a ser removido, eficiência de remoção) 1. Tratamento Preliminar Tem a finalidade de remover sólidos grosseiros e é aplicado a qualquer tipo de água residuária. 2. Tratamento Primário É mais apropriado para águas residuárias de natureza orgânica. Finalidade: remover resíduos finos em suspensão nos efluentes. 3. Tratamento Secundário É utilizado para depurar águas residuárias por processos biológicos. Finalidade: reduzir o teor de matéria orgânica solúvel nos despejos.
  • 27. CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE TRATAMENTO 4. Tratamento Terciário Estágio mais avançado e visa remover substâncias não eliminadas nos tratamentos anteriores (nutrientes, microorganismos patogênicos, etc). 5. Tratamento de Lodos Visa a desidratação ou adequação para disposição final de qualquer tipo de lodo. 6. Tratamento Físico-Químico Basicamente utilizado em águas residuárias de natureza inorgânica, visa a remoção de sólidos em todas as suas formas e a alteração das características físico-químicas das águas residuárias.
  • 28. REÚSO DA ÁGUA “A não ser que exista uma grande disponibilidade, nenhuma água de boa qualidade deve ser utilizada para usos que tolerem águas de qualidade inferior”. CONSELHO ECONÔMICO DAS NAÇÕES UNIDAS, 1985 O reaproveitamento ou reúso da água ou ainda, o uso de águas residuárias é o processo pelo qual a água, tratada ou não, é reutilizada para o mesmo ou outro fim. Dentro dessa ótica, os esgotos tratados têm um papel fundamental no planejamento e na gestão sustentável dos recursos hídricos como um substituto para o uso de águas destinadas a fins agrícolas e de irrigação, entre outros.
  • 29.
  • 30. QUALIDADE DA ÁGUA: PRINCIPAIS OBJETIVOS  Avaliar a evolução da qualidade das águas interiores dos rios e reservatórios;  Propiciar o levantamento das áreas prioritárias para o controle da poluição das águas;  Identificar trechos de rios onde a qualidade da água possa estar pior, possibilitando ações preventivas.
  • 31. Índice de Qualidade da Água - IQA A partir de estudos realizados pela National Sanitation Foundation dos EUA (1970), a CETESB adaptou e desenvolveu o IQA, que vem sendo utilizado para analisar a qualidade das águas em SP. IQA = [0,100] n qi: qualidade do i-ésimo parâmetro [0,100], IQA = ∏ q wi obtido da respectiva “curva média de variação de qualidade”; i wi: peso correspondente ao i-ésimo parâmetro [0,1]. i =1 Atribuído em função da sua importância para a conformação global de qualidade. n: número de variáveis que entram no cálculo do IQA n ∑W =1 i =1 i
  • 32. Curvas Médias de Variação de Qualidade das Águas
  • 33. Avaliação da Qualidade da Água A partir do cálculo efetuado, pode-se determinar a qualidade das águas brutas, que é indicada pelo IQA, variando numa escala de 0 a 100, representado na Tabela abaixo:
  • 34. Outros Parâmetros Utilizados na Avaliação da Qualidade das Águas Parâmetros Tóxicos Cádmio, Bário, Chumbo, Cobre, Cromo, Níquel, Mercúrio, Zinco, Fenóis. Demais Parâmetros Ferro Total, Manganês, Cloreto, DQO, Surfatantes, Nitrogênio Nitrato, Nitrogênio Nitrito, Amônia, Nitrogênio Kjeldahl Total, Ortofosfato Solúvel, Condutividade, Coloração.
  • 35. EXERCÍCIO  IQA Após análise realizada em laboratório das amostras de água coletada em um determinado rio, obtiveram-se os seguintes resultados: Coliformes F. = 2400/100mL; pH = 8,6; DBO = 4,6 mg/L; Nitogênio Tot. = 2 mg/L 8,6 Fósforo Tot. = 0,2 mg/L; ∆T = 1°C; Turbidez = 10 UFT; Resíduo Tot. = 1800mg/L e OD = 17 % sat. Pede-se: Classificar a qualidade da água do rio segundo a CETESB (IQA). 1° PASSO Identificar qi no gráfico através do valor do respectivo parâmetro; para pH = 8,6  q2 = 67
  • 36. EXERCÍCIO  IQA 2° PASSO Com todos os valores de q obtidos, calcular o IQA associando cada valor de q ao seu respectivo peso; n I Q A = ∏qiw i Ord. q W i =1 1 15 0,15 IQA = 150,15 x 670,12 x 650,1 x 800,1 x 900,1 2 67 0,12 x 900,1 x 740,08 x 320,08 x 100,17 3 65 0,1 4 80 0,1 3° PASSO 5 90 0,1 CLASSIFICAR 6 90 0,1 7 74 0,08 IQA = 39,6 8 32 0,08 9 10 0,17
  • 37. CONSIDERAÇÕES FINAIS O índice (IQA), apesar de fornecer uma avaliação integrada, jamais substituirá uma avaliação detalhada da qualidade das águas de uma determinada bacia hidrográfica. OUTROS ÍNDICES UTILIZADOS PELA CETESB • IAP - Índice de Qualidade das Águas Brutas para Fins de Abastecimento Público; • ISTO – Índice de Substâncias Tóxicas e Organolépticas • IVA -Índices de Qualidade das Águas para Proteção da Vida Aquática e de Comunidades Aquáticas • IPMCA – Índice de Variáveis Mínimas para a Preservação da Vida Aquática • ICF -Índice da Comunidade Fitoplanctônica • IB -Índice de Balneabilidade
  • 38. CONSIDERAÇÕES FINAIS Dentre toda a água do planeta, as superficiais são as que se apresentam em menor quantidade, mesmo assim são as mais utilizadas pelo homem para as mais diversas atividades, como abastecimento humano e destino final dos dejetos (em sua maior quantidade sem tratamento algum). Se uma atitude séria não for tomada logo para reverter essa situação, em breve não importará a quantidade de dinheiro que se tenha, pois não haverá alimentos para serem vendidos.
  • 39. “Quando o poço seca é que sabemos realmente o valor da água” Benjamín Franklin, 1727 OBRIGADO!