SlideShare uma empresa Scribd logo
Modelo de treino
AD Marco’09
20122012
Modelo de treino AD Marco’09 2012/13
Aspectos importantes:
O que é o exercício?
O exercício só é específico quando se vai ao encontro do que se
pretende, vai ao encontro da especificidade. O facto de ser uma variante pode
não ir ao encontro daquilo que pretendemos.
Não basta estar a realizar o exercício é necessário intervir.
O que fazer?
1º Definir objectivos para a semana
2º Definir objectivos para os diferentes dias
Como distribuir padrão face à quantidade de treinos por semana?
O que se deve privilegiar treinando 3 vezes por semana
Padrão semanal existe 4 temas diferentes em termos de abordagem do
processo de treino – recuperação específica; força especifica; resistência
especifica; velocidade especifica.
Tendo em consideração estes aspectos a semana foi estruturada com
uma determinada lógica que resulta desses tipos de esforço, existindo uma
alternância para que não sofremos as mesmas “cargas”.
Treinando quatro, duas ou três vezes temos sempre de ter esse padrão
em consideração.
Padrão de dinâmica de esforço com jogo ao domingo:
3
Modelo de treino AD Marco’09 2012/13
Especifico?
O que é ser especifico?
Para ser específico não basta realizar os exercícios, os mesmos têm de
conter princípios, subprincipios subsubprincipios…, objectivos comportamentais
do nosso modelo de jogo, agrupar as quatro dimensões (táctica, técnica, física
e psicológica) só assim é que o treino se torna específico.
Coerência em relação a uma concepção e a uma metodologia.
Modelo de jogo simbólico; representatividade das coisas.
Cultura dos detalhes – pormenores que são pormaiores (um mínimo
aspecto que nos escapa, que consideramos ser menos importante, pode por
vezes ser o motivo de uma “catástrofe” daí estarmos sempre atentos a tudo o
que se passa à nossa volta, ter sempre em atenção tudo o que fazemos
durante o processo de treino).
Cuidados a ter nos Treinos:
• Planeamento adequado ao que se pretende (reflexão e
escolha exercícios);
• Organização do treino (para reduzir perdas de tempo);
• Planeamento dos grupos de trabalho;
• Tempo de exercício e recuperação (diferentes níveis de
esforço: força, resistência, velocidade)
• Intensidade;
• Concentração;
4
Modelo de treino AD Marco’09 2012/13
• Atitude Competitiva (querer ganhar sempre… e fazer por
isso);
• Espirito de equipa;
• Responsabilidade.
Padrão de dinâmica de esforço para um microciclo de três treinos
(terça; quinta e sexta):
5
Modelo de treino AD Marco’09 2012/13
PADRÃO “RECUPERAÇÃO ATIVA”
•
Corrida lenta em diferentes direcções sem e com bola em constantes
diagonais, pois no jogo é o que acontece. Mudanças de direcção mas com um
ritmo muito inferior aquele que o jogo requisita.
• Exercícios de passe em triângulo e em losango com diferentes de
configuração. Incidir sobre o passe que está a falhar mais (exemplo: curto,
longo…).
• Exercícios de passe específicos (triângulo e losango).
- Passe forte para trabalhar a recepção
e concentração do jogador.
- Realizar exercício pela esquerda e
direita.
6
Modelo de treino AD Marco’09 2012/13
• Exercícios de passe inter-sectores (defesa e meio-campo).
- Mobilidade de jogadores;
- Pivot mexe, não recebe a bola para
abrir espaço para a entrada de um
médio do lado contrário da bola.
• Exercícios de passe inter-sectores (meio-campo e ataque).
- Troca de posição após passe;
- Recepção seguida de passe,
mantendo sempre ocupação dos
espaços/ posições.
Bola no pivot, troca de bola entre os jogadores dispostos em losango
com finalização 6x0.
• Exercício de passe inter-sectores D/MC e MC/Ataque
- Bola sai do GR, entra num jogadores
e depois circula na defesa, entrando de
seguida no MC;
- Treinar posicionalmente os jogadores;
- Realizar o exercício sem oposição e
numa segunda fase com oposição.
7
Passe, passe, roda com bola,
seguido condução.
Modelo de treino AD Marco’09 2012/13
- MC + Ataque (Laterais )
- Mudanças sistemáticas de corredor para
se manter um posicionamento correcto.
• Situação de 11xGR
.
- Introduzir bolas, jogadores
posicionam-se em função da bola que
está em jogo para fazer a transição;
- Fechar em função do local onde se
encontra a bola;
- Abrir e fechar tendo ou não a posse
de bola.
• Jogo das bandeirolas. Movimentações em função do espaço e local onde se
encontra a bola.
O aquecimento que devemos realizar antes dos jogos depende
fundamentalmente dos jogadores. Devemos tentar realizar exercícios que
apelem à concentração dos jogadores para o jogo.
8
Modelo de treino AD Marco’09 2012/13
PADRÃO “FORÇA ESPECIFICA”
“Força Especifica”
- Exercícios em espaços reduzidos, duração curta, pouco nº de
jogadores;
- Face aos nossos objectivos encontrar um conjunto de exercícios que
cumpram esses objectivos.
• “Força/Coordenação”
•
1 - O meiinho realiza-se com 5 jogadores para se disporem em losango.
Regras – todos os jogadores que passam têm de se deslocar para outra
posição. Dar 1 e 2 toques obrigatórios.
A existência do número de toques limitado aparece para dar mais tempo
ao jogador do meio para pressionar, bem como no caso de dois toques resolver
problemas que normalmente a um toque não acontece.
Períodos de tempo curtos.
Devemos impor regras para que exista um certo prazer ao fazer este tipo
de coisas (exemplo: se o jogador conseguir fazer túnel, dobra o numero de
vezes no meio, realizar 20 passes dobra numero de vezes jogador no meio).
2 – 4 equipas de 2 jogadores em que duas estão na periferia e duas
jogam dentro.
9
1 2
Modelo de treino AD Marco’09 2012/13
Posse de bola 6x2 em que os de jogadores de fora não podem entrar,
nem sair os jogadores com bola. Sem bola após recuperar trocam de posição.
Posse de bola e circulação; mobilidade constante; jogador sem bola
pode recuperar bola aos que estão fora do quadrado.
Os grupos devem ser formados segundo as relações que tem no jogo –
médios com médios; defesas com defesas…
• Organização em termos defensivos, ofensivos e transição.
Objectivo: posse e circulação de bola. Equipa utiliza os GR como apoio,
enquanto que os jogadores tentam ultrapassar a linha com bola dominada.
Dependendo do que queremos trabalhar, construção curta/construção longa
reduzimos ou alargamos o espaço e dirigimos o jogo. Este exercício aparece
para acontecer rápida leitura de jogo, rápida capacidade de decisão pelo facto
dos jogadores se encontrarem muito juntos.
• 3x3 + 6 apoios
Objectivo: treinar a pressão com duas dobras, lado interior e lado
exterior. Ter em consideração os aspectos ofensivos e defensivos.
10
Modelo de treino AD Marco’09 2012/13
Neste sentido, se estiver presente mais aspectos de circulação de bola,
dar atenção aos jogadores com posse de bola.
Se estiver presente mais aspectos defensivos, dar atenção aos
jogadores sem posse de bola.
O tempo a ter no exercício depende dos aspectos que estamos a querer
trabalhar bem como o modo como este se desenvolve.
Exercício de posse e pressão: 2x2 com 4 apoios
- Não deixar devolver ao mesmo apoio;
- Apoios em lados opostos;
- Devolver de 1ª;
•
Objectivo: transição defesa-ataque. Tirar a bola da zona de pressão par
um local sem pressão. Para os jogadores em superioridade numérica transição
ataque-defesa.
As setas aparecem para transmitir a ideia que devemos dar vários sentidos ao
jogo.
•
11
Modelo de treino AD Marco’09 2012/13
Objectivo: organização defensiva
Transição defesa-ataque para quem defende
Organização ofensiva e movimentações com transição ataque-defesa
quando sem bola.
Ter a preocupação de colocar as balizas pequenas numa situação que
permita gerar linha de passe quando no jogo.
•
Objectivo: sair a
jogar em pressão colocando a bola nas balizas pequenas.
O tempo do exercício depende das circunstâncias/objectivo.
• Trabalhar aspectos defensivos meio campo.
12
Modelo de treino AD Marco’09 2012/13
• Circulação no meio campo.
- Posicionamento dos jogadores no meio campo;
- Afastamento de jogadores;
- Manter os triângulos;
- Apoios vão permitir uma circulação muito elevada;
- Se queremos trabalhar pressão tiramos os apoios;
- Se queremos circulação de bola colocamos os apoios;
- A existência de apoios depende daquilo que
queremos trabalhar no exercício;
- Dimensões: 20x10 ou 40x20, dependendo do
objectivos.
• Organização da equipa no sector defensivo em inferioridade numérica
(Treinador ).
- O objectivo da defesa não é roubar a
bola, mas sim retardar a acção, para a
recuperar posteriormente, mas se for
possível rouba logo.
• Treino Holandês 7x7.
- Treinar circulação sobre pressão;
- Posse entre sectores;
- Organização defensiva com transição;
- A existência dos apoios é para de
existir muita pressão ter em quem
colocar a bola.
13
Modelo de treino AD Marco’09 2012/13
O segredo do treino e a constituição das equipas:
Exemplo:
Defesa+meio-campo – 1ª equipa;
Meio campo+ataque – 2ª equipa;
Defesa+meio-campo+ataque – 3ª equipa.
Equipas constituídas estrategicamente em função dos problemas que
irão surgir.
Explicar aos jogadores porque é que estão dispostos naquelas posições.
Cada equipa está a treinar coisas diferentes tendo o treinador de dirigir para o
que quer que apareça.
• Situação de jogo 8x8.
Organização ofensiva com transição (1ª equipa).
Organização defensiva em inferioridade numérica com transição - D+MC+2
atacantes (2ª equipa).
• Situação de jogo 10x10 no mesmo espaço do exercício anterior.
•
14
Jogo 7x7
Modelo de treino AD Marco’09 2012/13
Objectivo: jogo posicional com leitura rápida de forma a conseguir jogar
em espaço reduzido, um dois toques com rápida circulação de bola.
PADRÃO “RESISTÊNCIA ESPECIFICA”
• 11x0 – organização ofensiva. Para os atletas se identificarem com o
que pretendemos. Construção curta (defesa/meio campo/avançados) e
construção longa (defesa/avançados).
• 11x0 – organização ofensiva. Posicionamento em função do local onde
se encontra a bola.
• 10x7 – construção curta e longa com oposição em meio campo. Quem
está a atacar passar a bola com bola controlada.
• 10x10 com equipa no meio campo a defender. Equipa com bola sai a
jogar e a outra posiciona-se em função do local onde se encontra a bola.
15
Modelo de treino AD Marco’09 2012/13
• 10x10 (¾ de campo) transição ataque-defesa. Colocação de bolas
para que a transição seja feita d e determinada forma, em função daquilo que
pretendemos.
• Organização ofensiva colectiva;
Direccionar para as transições rápidas após perda bola.
• Organização defensiva com transições
- Equipa azul colocar a bola jogável nos jogadores de verde ou em balizas pequenas,
- Equipa descer de forma a deixar sair
a jogar;
- Após sair a jogar o nosso bloco
começa a direccionar o jogo para a
direita.
• Jogo 11x11 direccionado. Organização ofensiva com circulação.
16
Modelo de treino AD Marco’09 2012/13
Padrão “Velocidade Especifica”
•
- Bola circula sempre pelo espaço entre mecos, o
que leva à existência de uma grande mobilidade
de todos os jogadores;
- Leva a começar a preparar para os exercícios
seguintes.
• Movimentações ofensiva nos corredores laterais com movimentações.
- Insistir nos corredores laterais, pois a
equipa contra quem vamos jogar tem
grandes debilidades neste;
- Se essas debilidades existissem no
corredor central insistia-mos nesse.
• Situação de jogo 10x8. Organização ofensiva.
- Rectificar o fecho dos espaços
através das movimentações.
17
Modelo de treino AD Marco’09 2012/13
• Situação 11x10. Organização defensiva.
- Jogadores que defendem, impedir que o adversário saia a jogar.
18
Modelo de treino AD Marco’09 2012/13
Sair a jogar a partir do GR – posicionamento da
defesa para circulação de bola.
- Bola estando no lado direito, jogador
do lado esquerdo aproxima;
- Manter as diagonais.
A riqueza do exercício está na nossa intervenção, do modo como
pedimos os comportamentos aos jogadores, do modo como
operacionalizamos, isto é que vai permitir as adaptações dos jogadores. Não é
por dois treinadores utilizarem o mesmo exercício que vão ter sucesso.
Teremos de ter também em atenção os jogadores que temos, a sua
capacidade.
Os comportamentos que idealizamos só vão aparecendo com o
processo, é um processo contínuo. Os jogadores não têm a capacidade de
adquirir e de se adaptar a tais comportamentos num mês, se calhar é
necessário esperar mais algum tempo.
O processo é permanente e contínuo.
• Sair a jogar a partir do GR – posicionamento da defesa para a circulação
de bola com um ponta de lança.
- Importância do GR posicionar-se em
função da posição da bola;
- Afastar os centrais.
19
Modelo de treino AD Marco’09 2012/13
Temos de dar cultura de jogo, e os jogadores têm de perceber porque é que
fazem tais comportamentos. Se souberem quais os comportamentos correctos
e porque têm que ser assim, os erros diminuem.
• Sair a jogar a partir do GR – posicionamento da defesa para circulação
de bola com dois pontas de lança.
- Recuar laterais para sair a jogar;
- Centrais descem para abrir linhas
de passe nas laterais.
• Posicionamento de circulação na defesa para entrar no meio-campo
(4:1:2).
• Sair a jogar a partir do GR – saídas longas.
- Definir ocupação de posições após
entrada dos jogadores;
- Movimentações em função daquilo
que aparece, através de
movimentações e libertação de
espaços.
20
Modelo de treino AD Marco’09 2012/13
• Posicionamento de circulação na defesa e meio-campo para entrada no
ataque.
- ¾ de campo;
- Bola entra nos avançados sempre
pelo chão;
- Circulação de bola, entrada no sector
intermédio.
• Posicionamento para circulação no meio campo e ataque.
- A presença dos laterais funciona
como apoio para jogadores da linha
avançada circular a bola;
- Laterais estão presentes dependendo
da importância que têm no jogo, dos
comportamentos que se quer que
apareça.
• Circulação no meio campo para entrada e finalização no ataque.
- Movimentações pelo corredor central;
- Objectivo de criar espaços;
- Privilegiar zona central, se jogadores
da defesa fecharem utilizar os apoios.
• Circulação no meio campo para entrada e finalização no ataque 8x7.
21
Modelo de treino AD Marco’09 2012/13
• Circulação por toda a equipa 10x0.
• Circulação de bola com GR a servir de apoios
- Jogadores com bola passar uma linha com bola controlada ou através
de passe rasteiro para o GR;
- Muita importância do GR, pois deve estar sempre posicionado em
função da posição da bola.
• Circulação, criação de espaços 11x11 (¾ campo).
22
Modelo de treino AD Marco’09 2012/13
23
Reduzir Sem Empobrecer
Pragmatizar a Fraccionação
3ª Feira 4ª Feira 5ª Feira 6ª Feira Sábado
Probrematizar a Fraccionação
Organização do Jogo
Adaptação – adaptabilidade
(Hábito que se adquire na acção)
Princípio da Progressão – Princípio da Alternância – Princípio das Propensões
Frade (2004)
jogo
Inteireza Inquebrantável do jogo
RECUPERAÇÃOAQUISIÇÃORECUPERAÇÃO
(Des)integração dos Princípios
Sub e SubSubPrincípios em regime de
elevada tensão específica
Saltos
Quedas/Saltos
Cair/Levantar
Empurra/Remata
Skippings
O propósito seja em regime de elevada
tensão específica
++ Tensão
- Duração
+ Velocidade
+ Desgaste Emocional
++ Descontínuo
Contracções
Os propósitos (Grandes Momentos) em
regime de dinâmica específica
Grandes Princípios (4 Momentos)
+ Tensão
+ Duração
- Velocidade
+ Desgaste Emocional
- Descontínuo
Contracções
Os propósito (s), Sub e
SubSubprincípios em regime de
elevada velocidade de contracção
Sprint (s)
Estratégia
- Tensão
- Duração
++ Velocidade
- Desgaste Emocional
Contracções
Modelo de treino AD Marco’09 2012/13
NOSSA MANEIRA DE PENSAR
“Principio metodológico da coerência”
Adequar aquilo que estamos a fazer àquilo
que deve ser.
Excerto mourinho sobre jogo “Sporting vs Benfica”:
“No «flash interview» ouvi falar de quebras físicas e logo dei por mim a
pensar que a minha cruzada vai ser mesmo difícil. É que não consigo mesmo
que se perceba que isso não existe. A forma não é física. A forma é muito
mais que isso. O físico é o menos importante na abrangência da forma
desportiva. Sem organização e talento na exploração de um modelo de
jogo, as deficiências são explícitas, mas pouco têm a ver com a forma
física. E os nossos comentadores/repórteres, como quase sempre, continuam
a influenciar negativamente a opinião daqueles que, em suas casas, precisam
de ser orientados na sua capacidade de absorção ou entendimento do jogo”
(Mourinho, 2005).
Metodologia e não métodos
Desenvolvimento força; resistência…
O objectivo é o jogar
Concepção de jogo – cada um pode ter a sua, tem é de ser coerente com as
ideias que a sustentam.
24
Modelo de treino AD Marco’09 2012/13
Importância das linhas
Em todas as circunstanciais do jogo/treino, devemos ter em
consideração que este tipo de linhas esteja sempre presente, pois se
começarem a ser interiorizadas pelos jogadores começam mais facilmente a
compreender o jogo. Pois se não estiverem nas suas linhas faltam diagonais
para circular a bola.
Organização Estrutural Defensiva – jogo de posições → Dobras
1:4:3:3 e 1:4:4:2
Os jogadores ao se encontrarem posicionados nas linhas existem
sempre duas dobras. Só pelo posicionamento, pela junção de linhas permite
que isso aconteça.
As estruturas só pelo seu posicionamento potenciam determinados
comportamentos que permite uma eficaz organização ofensiva e organização
defensiva.
QUATRO MOMENTOS
• Organização ofensiva
• Transição ataque-defesa
• Organização defensiva
• Transição defesa-ataque
Principio: posse e circulação de bola
Objectivo geral: desorganizar e desequilibrar a estrutura defensiva do
adversário…
Objectivos parcelares:
I Momento: saídas curtas (1) ou longas (2) (3)
- Abrir a equipa em largura e em profundidade/ linhas transversais e
longitudinais;
- Iniciar a construção do processo ofensivo através do GR:
25
Modelo de treino AD Marco’09 2012/13
(1) - Sair a jogar através da defesa, com o objectivo da bola entrar no
meio campo de forma a se preparar o jogo;
(2) - Sair a jogar através da defesa de modo a que a bola entre no
ataque;
(3) - GR bate a bola para a entrada no ataque, em zonas estratégicas.
II Momento: criação de espaços
- Criar abertura de espaço na estrutura defensiva da equipa adversária,
que podem ser feitas colectiva ou individualmente.
III Momento: entrada dos espaços
- Entrada da bola no momento de desorganização nos espaços criados
na equipa adversária;
- Criar situações favoráveis para finalizar.
IV Momento: finalizar as oportunidades criadas
- Ocupação correcta dos espaços de finalização específicos da situação
(linhas de finalização);
- Aproveitar as situações criadas (timming de finalização).
Exemplo: entrada para finalizar nas três linhas mas em diagonal
Alguns Sub-Princípios
• Jogo de posição da equipa e dos jogadores (linhas transversais e
longitudinais);
o Colectivo; individual e sectorial
26
Linhas de
finalização
Modelo de treino AD Marco’09 2012/13
• Aberturas da equipa (linhas transversais e longitudinais);
• Mobilidade dos jogadores (troca posicional e/ou de linhas);
• Circulação em detrimento do transporte da bola;
• Variação do tipo de passe, curto e longo, e de corredores;
• Tipo e qualidade de passe.
27
Modelo de treino AD Marco’09 2012/13
ORGANIZAÇÃO DEFENSIVA
Principio: Defesa à zona Pressionante.
Objectivo geral:
Condicionar direccionar e pressionar a equipa adversaria com o objectivo de
provocar o erro e ganhar a posse de bola.
Objectivos parcelares:
I Momento: pressão para organização posicional
Pressionar o adversário com o objectivo de condicionar as suas acções
ofensivas para conseguirmos organizar posicionalmente a nossa equipa, em
termos de largura e profundidade.
- Fecho das linhas transversais e longitudinais.
Na Periodização Táctica não há soluções mas sim caminhos… “O
caminho faz-se caminhando”.
Não adianta termos os melhores exercícios se os jogadores não
perceberem porque é que se deve jogar assim.
Se eles perceberem e conseguirmos operacionalizar isso no treino,
apesar de os jogadores demorarem algum tempo a assimilar, com a insistência
vão começar a acreditar. Daí ser necessário perceber o porque das coisas.
II Momento: direccionar o adversário
- Condicionar e direccionar o adversário a jogar para onde queremos
jogar pela periferia da equipa, sobretudo pelos corredores laterais.
III Momento: pressão para ganhar
- Pressionar, toda a equipa em simultâneo, para provocar erro com o
ganhar a posse de bola.
28
Modelo de treino AD Marco’09 2012/13
IV Momento: ganhar bola
- Ganhar a posse da bola.
29
Modelo de treino AD Marco’09 2012/13
Exercícios para os diferentes momentos do jogo
Organização defensiva
• Situação para treinar meio campo
- 4x4+2 apoios;
- Jogo losangos MC.
A pressão tem de ter timmings, é pressionar para reduzir espaços, mas
não é um acto individual, mas sim colectivo. São todos os jogadores a
pressionar colectivamente, “não é reagir, mas sim agir”.
Organização defensiva da defesa (Bloco Baixo)
• Situação 6x4
- Só orientar a defesa;
- Colocar-nos por trás da defesa
estrategicamente para ver as posições
dos jogadores e corrigir.
Organização defensiva da defesa e pivot com transições
• Situação 6x5
30
Modelo de treino AD Marco’09 2012/13
Organização defensiva da defesa com transições (Bloco Intermédio)
• Situação 6x4 e 6x5
Organização defensiva do ataque, quando adversário sai a jogar
- Transição em profundidade ou para
organização defensiva;
- Jogadores a defender saem a jogar;
- Troca após golo da defesa (azuis)
entrando a outra equipa;
- Defesa mantém lugar.
Organização defensiva sectorial, pressão ao portador da bola, coberturas
interiores e exteriores, fecho de linhas (espaços).
•
- Pressão aos apoios.
31
Modelo de treino AD Marco’09 2012/13
• Situação 4x4 sem apoios (encurtar espaço)
Organização defensiva individual
• Situação 1x1 com duas balizas;
• Situação 2x2 com duas balizas
- dobras;
- coberturas;
- fechar linhas;
- relação entre os dois.
Organização defensiva em grupo em estrutura (sectorial), pressão
portador da bola, coberturas interiores e exteriores e fecho de linhas
(espaços)
• Situação 3x3 com duas balizas com apoios e numa segunda situação
3x3 sem apoios.
- Jogar em amplitude;
- Treinar a comunicação;
- Nota: Sem balizas é mais difícil, pois
é necessário uma maior concentração
para repor estruturas e sectores.
32
Modelo de treino AD Marco’09 2012/13
TRANSIÇÃO ATAQUE-DEFESA
Principio: pressionar o portador da bola e espaço circundante.
Objectivo geral:
Aproveitar a desorganização “ofensiva” da equipa adversária para ganhar a
posse de bola ou para nos organizar defensivamente.
Objectivos parcelares:
I Momento: Pressão para ganhar a bola.
II Momento: Pressão para organização
- Continuar a pressão ao portador da bola
(1) Dar tempo para as linhas, em largura e em profundidade, fecharem;
(2) Não permitir passes em profundidade;
(3) Não permitir tirar bola da zona de pressão.
III Momento: Organização Defensiva
- Estar organizado posicionalmente em termos defensivos.
TRANSIÇAO DEFESA-ATAQUE
Principio: Tirar bola da zona de Pressão.
Objectivo geral:
Tirar a bola da zona de pressão aproveitando a desorganização “defensiva” da
equipa adversária para criar oportunidades de golo (profundidade) ou para
iniciar a organização ofensiva.
Objectivos parcelares:
33
Modelo de treino AD Marco’09 2012/13
I Momento: Tirar bola da zona de Pressão
- Tirar a bola da zona de pressão, sempre que possível para 2ª estação.
II Momento: Aproveitar a Desorganização Defensiva do adversário
- Aproveitar, caso seja possível, a desorganização defensiva da equipa
adversária para dar profundidade ao jogo, mas sem correr riscos de perder a
bola.
III Momento: inicio da Organização Ofensiva
- Iniciar a organização ofensiva.
Exercícios:
• Transição defesa-ataque e ataque-defesa
- Ganha posse de bola, tira da zona de pressão
e passa para a 2ª estação utilizando os apoios
laterais;
- Exercício muito rico para a mudança de
atitude, com e sem posse de bola.
• Transições ( Defesa-Ataque; Ataque-Defesa)
- Jogadores apoiam sempre o ataque.
• Igual ao anterior mas com GR.
34
Modelo de treino AD Marco’09 2012/13
• Transição Defesa-Ataque (após recuperação no sector defensivo).
• Transição Defesa-Ataque (a partir do corredor central MC).
- Realizar nos 3 corredores com
posicionamento dos jogadores de fora
de acordo com o local onde está a bola.
• Transição após recuperação da bola pelo sector ofensivo.
35
Modelo de treino AD Marco’09 2012/13
• Transições ( Defesa-Ataque; Ataque-Defesa).
• Transições (direccionar com intervenção no jogo).
Devemos conseguir criar situações suficientemente abertas para que
não se criem automatismos, mas sim compreensão do jogo. Não dominar toda
a situação de maneira a que os problemas sejam sempre os mesmos, pois no
jogo isso não acontece. É necessário compreender o jogo para que perante as
situações/ problemas consigam responder de forma correcta, se adaptarem,
habituar os jogadores a ler a situação.
Devemos trabalhar PRINCIPIOS e não automatismos. Mas é preciso
perceber de jogo e dominar os exercícios, saber para que servem os mesmos.
Saber alertar os jogadores para os problemas que surgem tendo sempre em
atenção os nossos princípios, o princípio inerente ao exercício.
As coisas vão sendo construídas, indo ao encontro daquilo que
queremos. Não existem soluções mas sim caminhos. Operacionalizar as coisas
36
11x11
Modelo de treino AD Marco’09 2012/13
e reformular de acordo com o que está a acontecer. É sempre necessário é o
treinador acreditar no treino. É difícil de adquirir comportamentos complexos,
pois para que isso aconteça pode ser necessário meses, mas esses
comportamentos vão-se perdendo, a perda ocorre muito mais rápido que a
aquisição.
37

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A bíblia de mourinho no fc porto
A bíblia de mourinho no fc portoA bíblia de mourinho no fc porto
A bíblia de mourinho no fc porto
raseslb
 
SUB13 - Programação de Atividades (2012)
SUB13 - Programação de Atividades (2012)SUB13 - Programação de Atividades (2012)
SUB13 - Programação de Atividades (2012)
Leandro Zago
 
Defensive transition carlos carvalhal
Defensive transition   carlos carvalhalDefensive transition   carlos carvalhal
Defensive transition carlos carvalhal
Pedro Silva
 
Buildup 5v3 positional play
Buildup 5v3 positional playBuildup 5v3 positional play
Buildup 5v3 positional play
Jason Finley
 
MESOCICLO ATAQUE COMBINATIVO @ ANDRES RAMOS @ CADF DEPORTIVO
MESOCICLO ATAQUE COMBINATIVO @ ANDRES RAMOS @ CADF DEPORTIVOMESOCICLO ATAQUE COMBINATIVO @ ANDRES RAMOS @ CADF DEPORTIVO
MESOCICLO ATAQUE COMBINATIVO @ ANDRES RAMOS @ CADF DEPORTIVO
Yonanca.com Futbol Studio
 
Sl Benfica modelo de jogo para a formação
Sl Benfica modelo de jogo para a formaçãoSl Benfica modelo de jogo para a formação
Sl Benfica modelo de jogo para a formação
Mário Torres
 
96 juegos para el entrenamiento integrado de las acciones combinativas en el ...
96 juegos para el entrenamiento integrado de las acciones combinativas en el ...96 juegos para el entrenamiento integrado de las acciones combinativas en el ...
96 juegos para el entrenamiento integrado de las acciones combinativas en el ...
Ernesto Tello
 
Periodização Tática - Exercícios
Periodização Tática - ExercíciosPeriodização Tática - Exercícios
Periodização Tática - Exercícios
Leandro Zago
 
A Construção de uma Dinâmica
A Construção de uma DinâmicaA Construção de uma Dinâmica
A Construção de uma Dinâmica
Fundação Real Madrid
 
Modelo de Jogo - Lusitano FC 2011/2012
Modelo de Jogo - Lusitano FC 2011/2012Modelo de Jogo - Lusitano FC 2011/2012
Modelo de Jogo - Lusitano FC 2011/2012
Fundação Real Madrid
 
Aula pratica curso treinadores braga2007_nivel_i_joão carlos costa e joão bra...
Aula pratica curso treinadores braga2007_nivel_i_joão carlos costa e joão bra...Aula pratica curso treinadores braga2007_nivel_i_joão carlos costa e joão bra...
Aula pratica curso treinadores braga2007_nivel_i_joão carlos costa e joão bra...
João Carlos Costa
 
Exercicios de pressing e posse de bola
Exercicios de pressing e posse de bolaExercicios de pressing e posse de bola
Exercicios de pressing e posse de bola
Pedro Sousa
 
Caracterização do método de jogo ofensivo contra ataque no futebol
Caracterização do método de jogo ofensivo contra ataque no futebolCaracterização do método de jogo ofensivo contra ataque no futebol
Caracterização do método de jogo ofensivo contra ataque no futebol
Filipe Campos
 
Planificacao tática da pre temporada em equipes profissionais
Planificacao tática da pre temporada em equipes profissionaisPlanificacao tática da pre temporada em equipes profissionais
Planificacao tática da pre temporada em equipes profissionais
Futbol Tactico Brasil
 
Periodizacao tactica um modelo de treino jose gu ilherme oliveira
Periodizacao tactica um modelo de treino   jose gu ilherme oliveiraPeriodizacao tactica um modelo de treino   jose gu ilherme oliveira
Periodizacao tactica um modelo de treino jose gu ilherme oliveira
Bruno Comelli
 
Offensive transitions
Offensive transitionsOffensive transitions
Offensive transitions
Vítor Gouveia
 
Modelo de Jogo do Treinador Rui Quinta
Modelo de Jogo do Treinador Rui QuintaModelo de Jogo do Treinador Rui Quinta
Modelo de Jogo do Treinador Rui Quinta
Fundação Real Madrid
 
Rondos - Up Back Through
Rondos - Up Back ThroughRondos - Up Back Through
Rondos - Up Back Through
Inspire Coach Education
 
Carlo Ancelotti - Sessão de Treino 2014
Carlo Ancelotti - Sessão de Treino 2014Carlo Ancelotti - Sessão de Treino 2014
Carlo Ancelotti - Sessão de Treino 2014
Fundação Real Madrid
 
Entrenamientos 2005 2006 levante[1]
Entrenamientos 2005 2006 levante[1]Entrenamientos 2005 2006 levante[1]
Entrenamientos 2005 2006 levante[1]
WILLY FDEZ
 

Mais procurados (20)

A bíblia de mourinho no fc porto
A bíblia de mourinho no fc portoA bíblia de mourinho no fc porto
A bíblia de mourinho no fc porto
 
SUB13 - Programação de Atividades (2012)
SUB13 - Programação de Atividades (2012)SUB13 - Programação de Atividades (2012)
SUB13 - Programação de Atividades (2012)
 
Defensive transition carlos carvalhal
Defensive transition   carlos carvalhalDefensive transition   carlos carvalhal
Defensive transition carlos carvalhal
 
Buildup 5v3 positional play
Buildup 5v3 positional playBuildup 5v3 positional play
Buildup 5v3 positional play
 
MESOCICLO ATAQUE COMBINATIVO @ ANDRES RAMOS @ CADF DEPORTIVO
MESOCICLO ATAQUE COMBINATIVO @ ANDRES RAMOS @ CADF DEPORTIVOMESOCICLO ATAQUE COMBINATIVO @ ANDRES RAMOS @ CADF DEPORTIVO
MESOCICLO ATAQUE COMBINATIVO @ ANDRES RAMOS @ CADF DEPORTIVO
 
Sl Benfica modelo de jogo para a formação
Sl Benfica modelo de jogo para a formaçãoSl Benfica modelo de jogo para a formação
Sl Benfica modelo de jogo para a formação
 
96 juegos para el entrenamiento integrado de las acciones combinativas en el ...
96 juegos para el entrenamiento integrado de las acciones combinativas en el ...96 juegos para el entrenamiento integrado de las acciones combinativas en el ...
96 juegos para el entrenamiento integrado de las acciones combinativas en el ...
 
Periodização Tática - Exercícios
Periodização Tática - ExercíciosPeriodização Tática - Exercícios
Periodização Tática - Exercícios
 
A Construção de uma Dinâmica
A Construção de uma DinâmicaA Construção de uma Dinâmica
A Construção de uma Dinâmica
 
Modelo de Jogo - Lusitano FC 2011/2012
Modelo de Jogo - Lusitano FC 2011/2012Modelo de Jogo - Lusitano FC 2011/2012
Modelo de Jogo - Lusitano FC 2011/2012
 
Aula pratica curso treinadores braga2007_nivel_i_joão carlos costa e joão bra...
Aula pratica curso treinadores braga2007_nivel_i_joão carlos costa e joão bra...Aula pratica curso treinadores braga2007_nivel_i_joão carlos costa e joão bra...
Aula pratica curso treinadores braga2007_nivel_i_joão carlos costa e joão bra...
 
Exercicios de pressing e posse de bola
Exercicios de pressing e posse de bolaExercicios de pressing e posse de bola
Exercicios de pressing e posse de bola
 
Caracterização do método de jogo ofensivo contra ataque no futebol
Caracterização do método de jogo ofensivo contra ataque no futebolCaracterização do método de jogo ofensivo contra ataque no futebol
Caracterização do método de jogo ofensivo contra ataque no futebol
 
Planificacao tática da pre temporada em equipes profissionais
Planificacao tática da pre temporada em equipes profissionaisPlanificacao tática da pre temporada em equipes profissionais
Planificacao tática da pre temporada em equipes profissionais
 
Periodizacao tactica um modelo de treino jose gu ilherme oliveira
Periodizacao tactica um modelo de treino   jose gu ilherme oliveiraPeriodizacao tactica um modelo de treino   jose gu ilherme oliveira
Periodizacao tactica um modelo de treino jose gu ilherme oliveira
 
Offensive transitions
Offensive transitionsOffensive transitions
Offensive transitions
 
Modelo de Jogo do Treinador Rui Quinta
Modelo de Jogo do Treinador Rui QuintaModelo de Jogo do Treinador Rui Quinta
Modelo de Jogo do Treinador Rui Quinta
 
Rondos - Up Back Through
Rondos - Up Back ThroughRondos - Up Back Through
Rondos - Up Back Through
 
Carlo Ancelotti - Sessão de Treino 2014
Carlo Ancelotti - Sessão de Treino 2014Carlo Ancelotti - Sessão de Treino 2014
Carlo Ancelotti - Sessão de Treino 2014
 
Entrenamientos 2005 2006 levante[1]
Entrenamientos 2005 2006 levante[1]Entrenamientos 2005 2006 levante[1]
Entrenamientos 2005 2006 levante[1]
 

Destaque

Modelo
ModeloModelo
Modelo de Jogo - Defesa Zona - Comportamento com 4 Defesas
Modelo de Jogo - Defesa Zona - Comportamento com 4 DefesasModelo de Jogo - Defesa Zona - Comportamento com 4 Defesas
Modelo de Jogo - Defesa Zona - Comportamento com 4 Defesas
Saber Sobre o Saber Treinar
 
Modelo de jogo
Modelo de jogoModelo de jogo
Modelo de jogo
carlosmoreira
 
Esquemas tácticos
Esquemas tácticosEsquemas tácticos
Esquemas tácticos
Romao Meireles
 
Exercício de Passe-Formação
Exercício de Passe-FormaçãoExercício de Passe-Formação
Exercício de Passe-Formação
Valter Nascimento
 
Aquecimento Analítico1-Formação
Aquecimento Analítico1-FormaçãoAquecimento Analítico1-Formação
Aquecimento Analítico1-Formação
Valter Nascimento
 
Exercícios resistencia especifica pressing , pensamentos e acções rápidas
Exercícios resistencia especifica pressing , pensamentos e acções rápidasExercícios resistencia especifica pressing , pensamentos e acções rápidas
Exercícios resistencia especifica pressing , pensamentos e acções rápidas
Valter Nascimento
 
Sistematizaçao do exercicio
Sistematizaçao do exercicioSistematizaçao do exercicio
Sistematizaçao do exercicio
Marcelo Fernandes
 
Construção do Modelo de Jogo
Construção do Modelo de JogoConstrução do Modelo de Jogo
Construção do Modelo de Jogo
Valter Nascimento
 
Chelsea 2016-2017
Chelsea 2016-2017Chelsea 2016-2017
Chelsea 2016-2017
Valter Nascimento
 
Manual de metodologia entrenamiento
Manual de metodologia entrenamientoManual de metodologia entrenamiento
Manual de metodologia entrenamiento
Jaqueline Estrada Gonzalez
 
DVD "Aprender a Jogar no Jogo - Um guia para o Ensino do Futebol (I)"
DVD "Aprender a Jogar no Jogo - Um guia para o Ensino do Futebol (I)"DVD "Aprender a Jogar no Jogo - Um guia para o Ensino do Futebol (I)"
DVD "Aprender a Jogar no Jogo - Um guia para o Ensino do Futebol (I)"
Nuno Real
 
Aquecimento de jogo
Aquecimento de jogoAquecimento de jogo
Aquecimento de jogo
José Marques
 
Organização de Jogo
Organização de JogoOrganização de Jogo
Organização de Jogo
Fundação Real Madrid
 
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de FutebolProgramação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Fundação Real Madrid
 
Organização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costa
Organização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costaOrganização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costa
Organização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costa
João Carlos Costa
 
Introductioncloudcomputing 101205181758-phpapp01
Introductioncloudcomputing 101205181758-phpapp01Introductioncloudcomputing 101205181758-phpapp01
Introductioncloudcomputing 101205181758-phpapp01Tn' Rasyid
 
Cv hugues seraphin (2016.2017) - updated on 20.11.2016
Cv   hugues seraphin (2016.2017) - updated on 20.11.2016Cv   hugues seraphin (2016.2017) - updated on 20.11.2016
Cv hugues seraphin (2016.2017) - updated on 20.11.2016
University of Winchester (UK)
 
‘BONJOUR BLANC, A JOURNEY THROUGH HAITI’:
‘BONJOUR BLANC, A JOURNEY THROUGH HAITI’: ‘BONJOUR BLANC, A JOURNEY THROUGH HAITI’:
‘BONJOUR BLANC, A JOURNEY THROUGH HAITI’:
University of Winchester (UK)
 

Destaque (20)

Modelo
ModeloModelo
Modelo
 
Modelo de Jogo - Defesa Zona - Comportamento com 4 Defesas
Modelo de Jogo - Defesa Zona - Comportamento com 4 DefesasModelo de Jogo - Defesa Zona - Comportamento com 4 Defesas
Modelo de Jogo - Defesa Zona - Comportamento com 4 Defesas
 
Modelo de jogo
Modelo de jogoModelo de jogo
Modelo de jogo
 
Esquemas tácticos
Esquemas tácticosEsquemas tácticos
Esquemas tácticos
 
Exercício de Passe-Formação
Exercício de Passe-FormaçãoExercício de Passe-Formação
Exercício de Passe-Formação
 
Aquecimento Analítico1-Formação
Aquecimento Analítico1-FormaçãoAquecimento Analítico1-Formação
Aquecimento Analítico1-Formação
 
Exercícios resistencia especifica pressing , pensamentos e acções rápidas
Exercícios resistencia especifica pressing , pensamentos e acções rápidasExercícios resistencia especifica pressing , pensamentos e acções rápidas
Exercícios resistencia especifica pressing , pensamentos e acções rápidas
 
Sistematizaçao do exercicio
Sistematizaçao do exercicioSistematizaçao do exercicio
Sistematizaçao do exercicio
 
Construção do Modelo de Jogo
Construção do Modelo de JogoConstrução do Modelo de Jogo
Construção do Modelo de Jogo
 
Chelsea 2016-2017
Chelsea 2016-2017Chelsea 2016-2017
Chelsea 2016-2017
 
Manual de metodologia entrenamiento
Manual de metodologia entrenamientoManual de metodologia entrenamiento
Manual de metodologia entrenamiento
 
DVD "Aprender a Jogar no Jogo - Um guia para o Ensino do Futebol (I)"
DVD "Aprender a Jogar no Jogo - Um guia para o Ensino do Futebol (I)"DVD "Aprender a Jogar no Jogo - Um guia para o Ensino do Futebol (I)"
DVD "Aprender a Jogar no Jogo - Um guia para o Ensino do Futebol (I)"
 
Aquecimento de jogo
Aquecimento de jogoAquecimento de jogo
Aquecimento de jogo
 
Organização de Jogo
Organização de JogoOrganização de Jogo
Organização de Jogo
 
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de FutebolProgramação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
 
Organização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costa
Organização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costaOrganização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costa
Organização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costa
 
Introductioncloudcomputing 101205181758-phpapp01
Introductioncloudcomputing 101205181758-phpapp01Introductioncloudcomputing 101205181758-phpapp01
Introductioncloudcomputing 101205181758-phpapp01
 
Cv hugues seraphin (2016.2017) - updated on 20.11.2016
Cv   hugues seraphin (2016.2017) - updated on 20.11.2016Cv   hugues seraphin (2016.2017) - updated on 20.11.2016
Cv hugues seraphin (2016.2017) - updated on 20.11.2016
 
D3ak2011utama
D3ak2011utamaD3ak2011utama
D3ak2011utama
 
‘BONJOUR BLANC, A JOURNEY THROUGH HAITI’:
‘BONJOUR BLANC, A JOURNEY THROUGH HAITI’: ‘BONJOUR BLANC, A JOURNEY THROUGH HAITI’:
‘BONJOUR BLANC, A JOURNEY THROUGH HAITI’:
 

Semelhante a treino

Futebol 7
Futebol 7Futebol 7
Futebol 7
carlosmoreira
 
Futebol 7
Futebol 7Futebol 7
Futebol 7
carlosmoreira
 
Implantação e Caraterização de um Modelo de Jogo
Implantação e Caraterização de um Modelo de JogoImplantação e Caraterização de um Modelo de Jogo
Implantação e Caraterização de um Modelo de Jogo
Fundação Real Madrid
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
José Adauto Garcia
 
Planificacaotaticadapretemporadaemequipesprofissionais 121015090808-phpapp01
Planificacaotaticadapretemporadaemequipesprofissionais 121015090808-phpapp01Planificacaotaticadapretemporadaemequipesprofissionais 121015090808-phpapp01
Planificacaotaticadapretemporadaemequipesprofissionais 121015090808-phpapp01
Bruno Comelli
 
1a visita-técnica iabb-resumo
1a visita-técnica iabb-resumo1a visita-técnica iabb-resumo
1a visita-técnica iabb-resumo
Rodney Martins
 
Coachidapp-eBook.pdf
Coachidapp-eBook.pdfCoachidapp-eBook.pdf
Coachidapp-eBook.pdf
Dinarte Duarte
 
Pressão e Pressing
Pressão e PressingPressão e Pressing
Pressão e Pressing
Leandro Zago
 
Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo - Fases do Jogo
Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo - Fases do JogoSimplificação da Estrutura Complexa do Jogo - Fases do Jogo
Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo - Fases do Jogo
Fundação Real Madrid
 
A importância da comunicação para o guarda-redes.
A importância da comunicação para o guarda-redes.A importância da comunicação para o guarda-redes.
A importância da comunicação para o guarda-redes.
Pedro Ferrer
 
O treino sem baliza
O treino sem balizaO treino sem baliza
O treino sem baliza
José Marques
 
Tutorial TM.doc
Tutorial TM.docTutorial TM.doc
Tutorial TM.doc
MarcoFerreira693761
 
Métodos de Treino
Métodos de TreinoMétodos de Treino
Métodos de Treino
Fundação Real Madrid
 
pbola56_livro_prof_andebol.pdf
pbola56_livro_prof_andebol.pdfpbola56_livro_prof_andebol.pdf
pbola56_livro_prof_andebol.pdf
CarolinaPereira366876
 
O Jogo Coletivo e a Integração das Referências
O Jogo Coletivo e a Integração das ReferênciasO Jogo Coletivo e a Integração das Referências
O Jogo Coletivo e a Integração das Referências
Leandro Zago
 
Jogo Posicional.pdf
Jogo Posicional.pdfJogo Posicional.pdf
Jogo Posicional.pdf
LEONESSANTOS
 
Metodologia de Trabalho - José Mourinho
Metodologia de Trabalho - José MourinhoMetodologia de Trabalho - José Mourinho
Metodologia de Trabalho - José Mourinho
Leandro Zago
 
Princípios Operacionais de Transição
Princípios Operacionais de TransiçãoPrincípios Operacionais de Transição
Princípios Operacionais de Transição
Leandro Zago
 
Coerver Coaching: Relação com bola
Coerver Coaching: Relação com bolaCoerver Coaching: Relação com bola
Coerver Coaching: Relação com bola
Dário Pinto
 
A Pré-Época do Treinador de Gr
A Pré-Época do Treinador de GrA Pré-Época do Treinador de Gr
A Pré-Época do Treinador de Gr
José Marques
 

Semelhante a treino (20)

Futebol 7
Futebol 7Futebol 7
Futebol 7
 
Futebol 7
Futebol 7Futebol 7
Futebol 7
 
Implantação e Caraterização de um Modelo de Jogo
Implantação e Caraterização de um Modelo de JogoImplantação e Caraterização de um Modelo de Jogo
Implantação e Caraterização de um Modelo de Jogo
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
 
Planificacaotaticadapretemporadaemequipesprofissionais 121015090808-phpapp01
Planificacaotaticadapretemporadaemequipesprofissionais 121015090808-phpapp01Planificacaotaticadapretemporadaemequipesprofissionais 121015090808-phpapp01
Planificacaotaticadapretemporadaemequipesprofissionais 121015090808-phpapp01
 
1a visita-técnica iabb-resumo
1a visita-técnica iabb-resumo1a visita-técnica iabb-resumo
1a visita-técnica iabb-resumo
 
Coachidapp-eBook.pdf
Coachidapp-eBook.pdfCoachidapp-eBook.pdf
Coachidapp-eBook.pdf
 
Pressão e Pressing
Pressão e PressingPressão e Pressing
Pressão e Pressing
 
Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo - Fases do Jogo
Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo - Fases do JogoSimplificação da Estrutura Complexa do Jogo - Fases do Jogo
Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo - Fases do Jogo
 
A importância da comunicação para o guarda-redes.
A importância da comunicação para o guarda-redes.A importância da comunicação para o guarda-redes.
A importância da comunicação para o guarda-redes.
 
O treino sem baliza
O treino sem balizaO treino sem baliza
O treino sem baliza
 
Tutorial TM.doc
Tutorial TM.docTutorial TM.doc
Tutorial TM.doc
 
Métodos de Treino
Métodos de TreinoMétodos de Treino
Métodos de Treino
 
pbola56_livro_prof_andebol.pdf
pbola56_livro_prof_andebol.pdfpbola56_livro_prof_andebol.pdf
pbola56_livro_prof_andebol.pdf
 
O Jogo Coletivo e a Integração das Referências
O Jogo Coletivo e a Integração das ReferênciasO Jogo Coletivo e a Integração das Referências
O Jogo Coletivo e a Integração das Referências
 
Jogo Posicional.pdf
Jogo Posicional.pdfJogo Posicional.pdf
Jogo Posicional.pdf
 
Metodologia de Trabalho - José Mourinho
Metodologia de Trabalho - José MourinhoMetodologia de Trabalho - José Mourinho
Metodologia de Trabalho - José Mourinho
 
Princípios Operacionais de Transição
Princípios Operacionais de TransiçãoPrincípios Operacionais de Transição
Princípios Operacionais de Transição
 
Coerver Coaching: Relação com bola
Coerver Coaching: Relação com bolaCoerver Coaching: Relação com bola
Coerver Coaching: Relação com bola
 
A Pré-Época do Treinador de Gr
A Pré-Época do Treinador de GrA Pré-Época do Treinador de Gr
A Pré-Época do Treinador de Gr
 

treino

  • 1. Modelo de treino AD Marco’09 20122012
  • 2. Modelo de treino AD Marco’09 2012/13 Aspectos importantes: O que é o exercício? O exercício só é específico quando se vai ao encontro do que se pretende, vai ao encontro da especificidade. O facto de ser uma variante pode não ir ao encontro daquilo que pretendemos. Não basta estar a realizar o exercício é necessário intervir. O que fazer? 1º Definir objectivos para a semana 2º Definir objectivos para os diferentes dias Como distribuir padrão face à quantidade de treinos por semana? O que se deve privilegiar treinando 3 vezes por semana Padrão semanal existe 4 temas diferentes em termos de abordagem do processo de treino – recuperação específica; força especifica; resistência especifica; velocidade especifica. Tendo em consideração estes aspectos a semana foi estruturada com uma determinada lógica que resulta desses tipos de esforço, existindo uma alternância para que não sofremos as mesmas “cargas”. Treinando quatro, duas ou três vezes temos sempre de ter esse padrão em consideração. Padrão de dinâmica de esforço com jogo ao domingo: 3
  • 3. Modelo de treino AD Marco’09 2012/13 Especifico? O que é ser especifico? Para ser específico não basta realizar os exercícios, os mesmos têm de conter princípios, subprincipios subsubprincipios…, objectivos comportamentais do nosso modelo de jogo, agrupar as quatro dimensões (táctica, técnica, física e psicológica) só assim é que o treino se torna específico. Coerência em relação a uma concepção e a uma metodologia. Modelo de jogo simbólico; representatividade das coisas. Cultura dos detalhes – pormenores que são pormaiores (um mínimo aspecto que nos escapa, que consideramos ser menos importante, pode por vezes ser o motivo de uma “catástrofe” daí estarmos sempre atentos a tudo o que se passa à nossa volta, ter sempre em atenção tudo o que fazemos durante o processo de treino). Cuidados a ter nos Treinos: • Planeamento adequado ao que se pretende (reflexão e escolha exercícios); • Organização do treino (para reduzir perdas de tempo); • Planeamento dos grupos de trabalho; • Tempo de exercício e recuperação (diferentes níveis de esforço: força, resistência, velocidade) • Intensidade; • Concentração; 4
  • 4. Modelo de treino AD Marco’09 2012/13 • Atitude Competitiva (querer ganhar sempre… e fazer por isso); • Espirito de equipa; • Responsabilidade. Padrão de dinâmica de esforço para um microciclo de três treinos (terça; quinta e sexta): 5
  • 5. Modelo de treino AD Marco’09 2012/13 PADRÃO “RECUPERAÇÃO ATIVA” • Corrida lenta em diferentes direcções sem e com bola em constantes diagonais, pois no jogo é o que acontece. Mudanças de direcção mas com um ritmo muito inferior aquele que o jogo requisita. • Exercícios de passe em triângulo e em losango com diferentes de configuração. Incidir sobre o passe que está a falhar mais (exemplo: curto, longo…). • Exercícios de passe específicos (triângulo e losango). - Passe forte para trabalhar a recepção e concentração do jogador. - Realizar exercício pela esquerda e direita. 6
  • 6. Modelo de treino AD Marco’09 2012/13 • Exercícios de passe inter-sectores (defesa e meio-campo). - Mobilidade de jogadores; - Pivot mexe, não recebe a bola para abrir espaço para a entrada de um médio do lado contrário da bola. • Exercícios de passe inter-sectores (meio-campo e ataque). - Troca de posição após passe; - Recepção seguida de passe, mantendo sempre ocupação dos espaços/ posições. Bola no pivot, troca de bola entre os jogadores dispostos em losango com finalização 6x0. • Exercício de passe inter-sectores D/MC e MC/Ataque - Bola sai do GR, entra num jogadores e depois circula na defesa, entrando de seguida no MC; - Treinar posicionalmente os jogadores; - Realizar o exercício sem oposição e numa segunda fase com oposição. 7 Passe, passe, roda com bola, seguido condução.
  • 7. Modelo de treino AD Marco’09 2012/13 - MC + Ataque (Laterais ) - Mudanças sistemáticas de corredor para se manter um posicionamento correcto. • Situação de 11xGR . - Introduzir bolas, jogadores posicionam-se em função da bola que está em jogo para fazer a transição; - Fechar em função do local onde se encontra a bola; - Abrir e fechar tendo ou não a posse de bola. • Jogo das bandeirolas. Movimentações em função do espaço e local onde se encontra a bola. O aquecimento que devemos realizar antes dos jogos depende fundamentalmente dos jogadores. Devemos tentar realizar exercícios que apelem à concentração dos jogadores para o jogo. 8
  • 8. Modelo de treino AD Marco’09 2012/13 PADRÃO “FORÇA ESPECIFICA” “Força Especifica” - Exercícios em espaços reduzidos, duração curta, pouco nº de jogadores; - Face aos nossos objectivos encontrar um conjunto de exercícios que cumpram esses objectivos. • “Força/Coordenação” • 1 - O meiinho realiza-se com 5 jogadores para se disporem em losango. Regras – todos os jogadores que passam têm de se deslocar para outra posição. Dar 1 e 2 toques obrigatórios. A existência do número de toques limitado aparece para dar mais tempo ao jogador do meio para pressionar, bem como no caso de dois toques resolver problemas que normalmente a um toque não acontece. Períodos de tempo curtos. Devemos impor regras para que exista um certo prazer ao fazer este tipo de coisas (exemplo: se o jogador conseguir fazer túnel, dobra o numero de vezes no meio, realizar 20 passes dobra numero de vezes jogador no meio). 2 – 4 equipas de 2 jogadores em que duas estão na periferia e duas jogam dentro. 9 1 2
  • 9. Modelo de treino AD Marco’09 2012/13 Posse de bola 6x2 em que os de jogadores de fora não podem entrar, nem sair os jogadores com bola. Sem bola após recuperar trocam de posição. Posse de bola e circulação; mobilidade constante; jogador sem bola pode recuperar bola aos que estão fora do quadrado. Os grupos devem ser formados segundo as relações que tem no jogo – médios com médios; defesas com defesas… • Organização em termos defensivos, ofensivos e transição. Objectivo: posse e circulação de bola. Equipa utiliza os GR como apoio, enquanto que os jogadores tentam ultrapassar a linha com bola dominada. Dependendo do que queremos trabalhar, construção curta/construção longa reduzimos ou alargamos o espaço e dirigimos o jogo. Este exercício aparece para acontecer rápida leitura de jogo, rápida capacidade de decisão pelo facto dos jogadores se encontrarem muito juntos. • 3x3 + 6 apoios Objectivo: treinar a pressão com duas dobras, lado interior e lado exterior. Ter em consideração os aspectos ofensivos e defensivos. 10
  • 10. Modelo de treino AD Marco’09 2012/13 Neste sentido, se estiver presente mais aspectos de circulação de bola, dar atenção aos jogadores com posse de bola. Se estiver presente mais aspectos defensivos, dar atenção aos jogadores sem posse de bola. O tempo a ter no exercício depende dos aspectos que estamos a querer trabalhar bem como o modo como este se desenvolve. Exercício de posse e pressão: 2x2 com 4 apoios - Não deixar devolver ao mesmo apoio; - Apoios em lados opostos; - Devolver de 1ª; • Objectivo: transição defesa-ataque. Tirar a bola da zona de pressão par um local sem pressão. Para os jogadores em superioridade numérica transição ataque-defesa. As setas aparecem para transmitir a ideia que devemos dar vários sentidos ao jogo. • 11
  • 11. Modelo de treino AD Marco’09 2012/13 Objectivo: organização defensiva Transição defesa-ataque para quem defende Organização ofensiva e movimentações com transição ataque-defesa quando sem bola. Ter a preocupação de colocar as balizas pequenas numa situação que permita gerar linha de passe quando no jogo. • Objectivo: sair a jogar em pressão colocando a bola nas balizas pequenas. O tempo do exercício depende das circunstâncias/objectivo. • Trabalhar aspectos defensivos meio campo. 12
  • 12. Modelo de treino AD Marco’09 2012/13 • Circulação no meio campo. - Posicionamento dos jogadores no meio campo; - Afastamento de jogadores; - Manter os triângulos; - Apoios vão permitir uma circulação muito elevada; - Se queremos trabalhar pressão tiramos os apoios; - Se queremos circulação de bola colocamos os apoios; - A existência de apoios depende daquilo que queremos trabalhar no exercício; - Dimensões: 20x10 ou 40x20, dependendo do objectivos. • Organização da equipa no sector defensivo em inferioridade numérica (Treinador ). - O objectivo da defesa não é roubar a bola, mas sim retardar a acção, para a recuperar posteriormente, mas se for possível rouba logo. • Treino Holandês 7x7. - Treinar circulação sobre pressão; - Posse entre sectores; - Organização defensiva com transição; - A existência dos apoios é para de existir muita pressão ter em quem colocar a bola. 13
  • 13. Modelo de treino AD Marco’09 2012/13 O segredo do treino e a constituição das equipas: Exemplo: Defesa+meio-campo – 1ª equipa; Meio campo+ataque – 2ª equipa; Defesa+meio-campo+ataque – 3ª equipa. Equipas constituídas estrategicamente em função dos problemas que irão surgir. Explicar aos jogadores porque é que estão dispostos naquelas posições. Cada equipa está a treinar coisas diferentes tendo o treinador de dirigir para o que quer que apareça. • Situação de jogo 8x8. Organização ofensiva com transição (1ª equipa). Organização defensiva em inferioridade numérica com transição - D+MC+2 atacantes (2ª equipa). • Situação de jogo 10x10 no mesmo espaço do exercício anterior. • 14 Jogo 7x7
  • 14. Modelo de treino AD Marco’09 2012/13 Objectivo: jogo posicional com leitura rápida de forma a conseguir jogar em espaço reduzido, um dois toques com rápida circulação de bola. PADRÃO “RESISTÊNCIA ESPECIFICA” • 11x0 – organização ofensiva. Para os atletas se identificarem com o que pretendemos. Construção curta (defesa/meio campo/avançados) e construção longa (defesa/avançados). • 11x0 – organização ofensiva. Posicionamento em função do local onde se encontra a bola. • 10x7 – construção curta e longa com oposição em meio campo. Quem está a atacar passar a bola com bola controlada. • 10x10 com equipa no meio campo a defender. Equipa com bola sai a jogar e a outra posiciona-se em função do local onde se encontra a bola. 15
  • 15. Modelo de treino AD Marco’09 2012/13 • 10x10 (¾ de campo) transição ataque-defesa. Colocação de bolas para que a transição seja feita d e determinada forma, em função daquilo que pretendemos. • Organização ofensiva colectiva; Direccionar para as transições rápidas após perda bola. • Organização defensiva com transições - Equipa azul colocar a bola jogável nos jogadores de verde ou em balizas pequenas, - Equipa descer de forma a deixar sair a jogar; - Após sair a jogar o nosso bloco começa a direccionar o jogo para a direita. • Jogo 11x11 direccionado. Organização ofensiva com circulação. 16
  • 16. Modelo de treino AD Marco’09 2012/13 Padrão “Velocidade Especifica” • - Bola circula sempre pelo espaço entre mecos, o que leva à existência de uma grande mobilidade de todos os jogadores; - Leva a começar a preparar para os exercícios seguintes. • Movimentações ofensiva nos corredores laterais com movimentações. - Insistir nos corredores laterais, pois a equipa contra quem vamos jogar tem grandes debilidades neste; - Se essas debilidades existissem no corredor central insistia-mos nesse. • Situação de jogo 10x8. Organização ofensiva. - Rectificar o fecho dos espaços através das movimentações. 17
  • 17. Modelo de treino AD Marco’09 2012/13 • Situação 11x10. Organização defensiva. - Jogadores que defendem, impedir que o adversário saia a jogar. 18
  • 18. Modelo de treino AD Marco’09 2012/13 Sair a jogar a partir do GR – posicionamento da defesa para circulação de bola. - Bola estando no lado direito, jogador do lado esquerdo aproxima; - Manter as diagonais. A riqueza do exercício está na nossa intervenção, do modo como pedimos os comportamentos aos jogadores, do modo como operacionalizamos, isto é que vai permitir as adaptações dos jogadores. Não é por dois treinadores utilizarem o mesmo exercício que vão ter sucesso. Teremos de ter também em atenção os jogadores que temos, a sua capacidade. Os comportamentos que idealizamos só vão aparecendo com o processo, é um processo contínuo. Os jogadores não têm a capacidade de adquirir e de se adaptar a tais comportamentos num mês, se calhar é necessário esperar mais algum tempo. O processo é permanente e contínuo. • Sair a jogar a partir do GR – posicionamento da defesa para a circulação de bola com um ponta de lança. - Importância do GR posicionar-se em função da posição da bola; - Afastar os centrais. 19
  • 19. Modelo de treino AD Marco’09 2012/13 Temos de dar cultura de jogo, e os jogadores têm de perceber porque é que fazem tais comportamentos. Se souberem quais os comportamentos correctos e porque têm que ser assim, os erros diminuem. • Sair a jogar a partir do GR – posicionamento da defesa para circulação de bola com dois pontas de lança. - Recuar laterais para sair a jogar; - Centrais descem para abrir linhas de passe nas laterais. • Posicionamento de circulação na defesa para entrar no meio-campo (4:1:2). • Sair a jogar a partir do GR – saídas longas. - Definir ocupação de posições após entrada dos jogadores; - Movimentações em função daquilo que aparece, através de movimentações e libertação de espaços. 20
  • 20. Modelo de treino AD Marco’09 2012/13 • Posicionamento de circulação na defesa e meio-campo para entrada no ataque. - ¾ de campo; - Bola entra nos avançados sempre pelo chão; - Circulação de bola, entrada no sector intermédio. • Posicionamento para circulação no meio campo e ataque. - A presença dos laterais funciona como apoio para jogadores da linha avançada circular a bola; - Laterais estão presentes dependendo da importância que têm no jogo, dos comportamentos que se quer que apareça. • Circulação no meio campo para entrada e finalização no ataque. - Movimentações pelo corredor central; - Objectivo de criar espaços; - Privilegiar zona central, se jogadores da defesa fecharem utilizar os apoios. • Circulação no meio campo para entrada e finalização no ataque 8x7. 21
  • 21. Modelo de treino AD Marco’09 2012/13 • Circulação por toda a equipa 10x0. • Circulação de bola com GR a servir de apoios - Jogadores com bola passar uma linha com bola controlada ou através de passe rasteiro para o GR; - Muita importância do GR, pois deve estar sempre posicionado em função da posição da bola. • Circulação, criação de espaços 11x11 (¾ campo). 22
  • 22. Modelo de treino AD Marco’09 2012/13 23 Reduzir Sem Empobrecer Pragmatizar a Fraccionação 3ª Feira 4ª Feira 5ª Feira 6ª Feira Sábado Probrematizar a Fraccionação Organização do Jogo Adaptação – adaptabilidade (Hábito que se adquire na acção) Princípio da Progressão – Princípio da Alternância – Princípio das Propensões Frade (2004) jogo Inteireza Inquebrantável do jogo RECUPERAÇÃOAQUISIÇÃORECUPERAÇÃO (Des)integração dos Princípios Sub e SubSubPrincípios em regime de elevada tensão específica Saltos Quedas/Saltos Cair/Levantar Empurra/Remata Skippings O propósito seja em regime de elevada tensão específica ++ Tensão - Duração + Velocidade + Desgaste Emocional ++ Descontínuo Contracções Os propósitos (Grandes Momentos) em regime de dinâmica específica Grandes Princípios (4 Momentos) + Tensão + Duração - Velocidade + Desgaste Emocional - Descontínuo Contracções Os propósito (s), Sub e SubSubprincípios em regime de elevada velocidade de contracção Sprint (s) Estratégia - Tensão - Duração ++ Velocidade - Desgaste Emocional Contracções
  • 23. Modelo de treino AD Marco’09 2012/13 NOSSA MANEIRA DE PENSAR “Principio metodológico da coerência” Adequar aquilo que estamos a fazer àquilo que deve ser. Excerto mourinho sobre jogo “Sporting vs Benfica”: “No «flash interview» ouvi falar de quebras físicas e logo dei por mim a pensar que a minha cruzada vai ser mesmo difícil. É que não consigo mesmo que se perceba que isso não existe. A forma não é física. A forma é muito mais que isso. O físico é o menos importante na abrangência da forma desportiva. Sem organização e talento na exploração de um modelo de jogo, as deficiências são explícitas, mas pouco têm a ver com a forma física. E os nossos comentadores/repórteres, como quase sempre, continuam a influenciar negativamente a opinião daqueles que, em suas casas, precisam de ser orientados na sua capacidade de absorção ou entendimento do jogo” (Mourinho, 2005). Metodologia e não métodos Desenvolvimento força; resistência… O objectivo é o jogar Concepção de jogo – cada um pode ter a sua, tem é de ser coerente com as ideias que a sustentam. 24
  • 24. Modelo de treino AD Marco’09 2012/13 Importância das linhas Em todas as circunstanciais do jogo/treino, devemos ter em consideração que este tipo de linhas esteja sempre presente, pois se começarem a ser interiorizadas pelos jogadores começam mais facilmente a compreender o jogo. Pois se não estiverem nas suas linhas faltam diagonais para circular a bola. Organização Estrutural Defensiva – jogo de posições → Dobras 1:4:3:3 e 1:4:4:2 Os jogadores ao se encontrarem posicionados nas linhas existem sempre duas dobras. Só pelo posicionamento, pela junção de linhas permite que isso aconteça. As estruturas só pelo seu posicionamento potenciam determinados comportamentos que permite uma eficaz organização ofensiva e organização defensiva. QUATRO MOMENTOS • Organização ofensiva • Transição ataque-defesa • Organização defensiva • Transição defesa-ataque Principio: posse e circulação de bola Objectivo geral: desorganizar e desequilibrar a estrutura defensiva do adversário… Objectivos parcelares: I Momento: saídas curtas (1) ou longas (2) (3) - Abrir a equipa em largura e em profundidade/ linhas transversais e longitudinais; - Iniciar a construção do processo ofensivo através do GR: 25
  • 25. Modelo de treino AD Marco’09 2012/13 (1) - Sair a jogar através da defesa, com o objectivo da bola entrar no meio campo de forma a se preparar o jogo; (2) - Sair a jogar através da defesa de modo a que a bola entre no ataque; (3) - GR bate a bola para a entrada no ataque, em zonas estratégicas. II Momento: criação de espaços - Criar abertura de espaço na estrutura defensiva da equipa adversária, que podem ser feitas colectiva ou individualmente. III Momento: entrada dos espaços - Entrada da bola no momento de desorganização nos espaços criados na equipa adversária; - Criar situações favoráveis para finalizar. IV Momento: finalizar as oportunidades criadas - Ocupação correcta dos espaços de finalização específicos da situação (linhas de finalização); - Aproveitar as situações criadas (timming de finalização). Exemplo: entrada para finalizar nas três linhas mas em diagonal Alguns Sub-Princípios • Jogo de posição da equipa e dos jogadores (linhas transversais e longitudinais); o Colectivo; individual e sectorial 26 Linhas de finalização
  • 26. Modelo de treino AD Marco’09 2012/13 • Aberturas da equipa (linhas transversais e longitudinais); • Mobilidade dos jogadores (troca posicional e/ou de linhas); • Circulação em detrimento do transporte da bola; • Variação do tipo de passe, curto e longo, e de corredores; • Tipo e qualidade de passe. 27
  • 27. Modelo de treino AD Marco’09 2012/13 ORGANIZAÇÃO DEFENSIVA Principio: Defesa à zona Pressionante. Objectivo geral: Condicionar direccionar e pressionar a equipa adversaria com o objectivo de provocar o erro e ganhar a posse de bola. Objectivos parcelares: I Momento: pressão para organização posicional Pressionar o adversário com o objectivo de condicionar as suas acções ofensivas para conseguirmos organizar posicionalmente a nossa equipa, em termos de largura e profundidade. - Fecho das linhas transversais e longitudinais. Na Periodização Táctica não há soluções mas sim caminhos… “O caminho faz-se caminhando”. Não adianta termos os melhores exercícios se os jogadores não perceberem porque é que se deve jogar assim. Se eles perceberem e conseguirmos operacionalizar isso no treino, apesar de os jogadores demorarem algum tempo a assimilar, com a insistência vão começar a acreditar. Daí ser necessário perceber o porque das coisas. II Momento: direccionar o adversário - Condicionar e direccionar o adversário a jogar para onde queremos jogar pela periferia da equipa, sobretudo pelos corredores laterais. III Momento: pressão para ganhar - Pressionar, toda a equipa em simultâneo, para provocar erro com o ganhar a posse de bola. 28
  • 28. Modelo de treino AD Marco’09 2012/13 IV Momento: ganhar bola - Ganhar a posse da bola. 29
  • 29. Modelo de treino AD Marco’09 2012/13 Exercícios para os diferentes momentos do jogo Organização defensiva • Situação para treinar meio campo - 4x4+2 apoios; - Jogo losangos MC. A pressão tem de ter timmings, é pressionar para reduzir espaços, mas não é um acto individual, mas sim colectivo. São todos os jogadores a pressionar colectivamente, “não é reagir, mas sim agir”. Organização defensiva da defesa (Bloco Baixo) • Situação 6x4 - Só orientar a defesa; - Colocar-nos por trás da defesa estrategicamente para ver as posições dos jogadores e corrigir. Organização defensiva da defesa e pivot com transições • Situação 6x5 30
  • 30. Modelo de treino AD Marco’09 2012/13 Organização defensiva da defesa com transições (Bloco Intermédio) • Situação 6x4 e 6x5 Organização defensiva do ataque, quando adversário sai a jogar - Transição em profundidade ou para organização defensiva; - Jogadores a defender saem a jogar; - Troca após golo da defesa (azuis) entrando a outra equipa; - Defesa mantém lugar. Organização defensiva sectorial, pressão ao portador da bola, coberturas interiores e exteriores, fecho de linhas (espaços). • - Pressão aos apoios. 31
  • 31. Modelo de treino AD Marco’09 2012/13 • Situação 4x4 sem apoios (encurtar espaço) Organização defensiva individual • Situação 1x1 com duas balizas; • Situação 2x2 com duas balizas - dobras; - coberturas; - fechar linhas; - relação entre os dois. Organização defensiva em grupo em estrutura (sectorial), pressão portador da bola, coberturas interiores e exteriores e fecho de linhas (espaços) • Situação 3x3 com duas balizas com apoios e numa segunda situação 3x3 sem apoios. - Jogar em amplitude; - Treinar a comunicação; - Nota: Sem balizas é mais difícil, pois é necessário uma maior concentração para repor estruturas e sectores. 32
  • 32. Modelo de treino AD Marco’09 2012/13 TRANSIÇÃO ATAQUE-DEFESA Principio: pressionar o portador da bola e espaço circundante. Objectivo geral: Aproveitar a desorganização “ofensiva” da equipa adversária para ganhar a posse de bola ou para nos organizar defensivamente. Objectivos parcelares: I Momento: Pressão para ganhar a bola. II Momento: Pressão para organização - Continuar a pressão ao portador da bola (1) Dar tempo para as linhas, em largura e em profundidade, fecharem; (2) Não permitir passes em profundidade; (3) Não permitir tirar bola da zona de pressão. III Momento: Organização Defensiva - Estar organizado posicionalmente em termos defensivos. TRANSIÇAO DEFESA-ATAQUE Principio: Tirar bola da zona de Pressão. Objectivo geral: Tirar a bola da zona de pressão aproveitando a desorganização “defensiva” da equipa adversária para criar oportunidades de golo (profundidade) ou para iniciar a organização ofensiva. Objectivos parcelares: 33
  • 33. Modelo de treino AD Marco’09 2012/13 I Momento: Tirar bola da zona de Pressão - Tirar a bola da zona de pressão, sempre que possível para 2ª estação. II Momento: Aproveitar a Desorganização Defensiva do adversário - Aproveitar, caso seja possível, a desorganização defensiva da equipa adversária para dar profundidade ao jogo, mas sem correr riscos de perder a bola. III Momento: inicio da Organização Ofensiva - Iniciar a organização ofensiva. Exercícios: • Transição defesa-ataque e ataque-defesa - Ganha posse de bola, tira da zona de pressão e passa para a 2ª estação utilizando os apoios laterais; - Exercício muito rico para a mudança de atitude, com e sem posse de bola. • Transições ( Defesa-Ataque; Ataque-Defesa) - Jogadores apoiam sempre o ataque. • Igual ao anterior mas com GR. 34
  • 34. Modelo de treino AD Marco’09 2012/13 • Transição Defesa-Ataque (após recuperação no sector defensivo). • Transição Defesa-Ataque (a partir do corredor central MC). - Realizar nos 3 corredores com posicionamento dos jogadores de fora de acordo com o local onde está a bola. • Transição após recuperação da bola pelo sector ofensivo. 35
  • 35. Modelo de treino AD Marco’09 2012/13 • Transições ( Defesa-Ataque; Ataque-Defesa). • Transições (direccionar com intervenção no jogo). Devemos conseguir criar situações suficientemente abertas para que não se criem automatismos, mas sim compreensão do jogo. Não dominar toda a situação de maneira a que os problemas sejam sempre os mesmos, pois no jogo isso não acontece. É necessário compreender o jogo para que perante as situações/ problemas consigam responder de forma correcta, se adaptarem, habituar os jogadores a ler a situação. Devemos trabalhar PRINCIPIOS e não automatismos. Mas é preciso perceber de jogo e dominar os exercícios, saber para que servem os mesmos. Saber alertar os jogadores para os problemas que surgem tendo sempre em atenção os nossos princípios, o princípio inerente ao exercício. As coisas vão sendo construídas, indo ao encontro daquilo que queremos. Não existem soluções mas sim caminhos. Operacionalizar as coisas 36 11x11
  • 36. Modelo de treino AD Marco’09 2012/13 e reformular de acordo com o que está a acontecer. É sempre necessário é o treinador acreditar no treino. É difícil de adquirir comportamentos complexos, pois para que isso aconteça pode ser necessário meses, mas esses comportamentos vão-se perdendo, a perda ocorre muito mais rápido que a aquisição. 37