SlideShare uma empresa Scribd logo
A
Organização
Dinâmica
do
Jogo de
Futebol

Curso de Treinadores de Futebol

Técnico-Táctica – Miguel Cardoso
UEFA B – Maio 2010
JOGO
JOGADORES

Acção Conjugada Individual
Missões Tácticas Individuais

Cooperação simultânea ou sequencial
Lógica de dimensão…
- Sectorial
- Intersectorial

A Organização Dinâmica do Jogo
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Lógica de dimensão…
Sectorial

Sectorial e Intersectorial

Agrupam-se um pequeno número de jogadores, os quais têm
a tarefas básicas idênticas, assegurando, em última análise, a
estabilização e o reforçamento das suas atitudes e
comportamentos táctico-técnicos individuais e, a sua
sincronização com os outros colegas do mesmo sector.

Intersectorial
Articulação dos diferentes sectores da equipa (defensivo,
médio e ofensivo) nos quais se procura evitar que cada sector
se concentre somente nas suas tarefas tácticas e,
simultaneamente, percam a noção da funcionalidade geral da
equipa.

Quanto maior for a desarticulação
intersectorial maior a permeabilidade da
equipa às acções dos adversários!

A Organização Dinâmica do Jogo
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Divisão de funções tácticas
específicas para cada
jogador

Jogo - Treino

Reagrupamento das acções
individuais em sectores de
jogo

Em função de um MODELO DE JOGO…
Dos objectivos estratégicos do jogo…
Dos contextos situacionais momentâneos deste…

Os jogadores possam assumir comportamentos
táctico-técnicos de segurança, de equilíbrio entre
risco e a segurança e de risco!!!

A Organização Dinâmica do Jogo

Sincronização das acções
individuais numa dimensão
colectiva
O que se pretende com este
“Sistema Metodológico”?
Concretização de formas superiores de coordenação
Articulação sectorial e intersectorial
Movimentação coerente e global da equipa
Sincronização temporal dos comportamentos dos jogadores
Criação constante de um amplo leque opcional
Cada comportamento individual tenha sentido colectivo
Afinação dos tempos de resolução mental e de execução motora
Rentabilização dos esforços de carácter físico

A Organização Dinâmica do Jogo
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Métodos de Jogo
A sua natureza deriva de várias premissas…
Coordenação unitária dos jogadores que constituem a equipa - Conjugação de esforços
dos vários elementos da equipa com o intuito de responder colectiva e eficazmente a
todas as contextualidades situacionais que o jogo de futebol em si encerra…

Divisão de tarefas e funções tácticas – Estas devem ser compreendidas e assimiladas
por todos, isto é, que cada um entenda as suas e as dos seus companheiros.

Unidade de compreensão, da atitude e da acção – Necessidade de cada jogador
sincronizar os seus comportamentos, em função da resolução das situações de jogo,
estando simultaneamente consciente das suas acções e das dos seus companheiros,
por forma, que cada comportamento tenha uma intenção, um ritmo, um tempo e uma
eficácia na resolução.
resolução.

Estabelecimento de princípios directores e orientadores – A forma geral de
organização do ataque e da defesa dentro do Modelo de Jogo da equipa, desenvolve
mecanismos directores e orientadores de participação, entreajuda, equilíbrio,
simplificação, racionalização.

A Organização Dinâmica do Jogo
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Métodos de Jogo
Cada equipa ao aplicar um determinado método de jogo expressa um tempo
e um ritmo que determinam diversos aspectos:
A variação sequencial da velocidade de execução dos procedimentos táctico-técnicos individuais e
colectivos quer do âmbito ofensivo como defensivo.
O conhecimento dos espaços de jogo, onde e como os aplicar de forma
metódica e sistemática, com vista a assegurar o sucesso de cada iniciativa.
O uso do factor surpresa por forma a tirar vantagens, que derivam dos
desequilíbrios pontuais e temporários da organização ofensiva ou
defensiva da equipa adversária.
A conduzir a equipa adversária a entrar em crise de raciocínio táctico, o
que determinará uma análise, uma tomada de decisão e um
comportamento incorrectos para a resolução das diferentes situações de
jogo.
A jogar convenientemente com os diferentes graus de segurança e de
risco, na resolução das situações de jogo. Criando de forma constante e
consistente alterações estruturais na organização da equipa adversária.
O impor variabilidade nas situações de jogo para que a equipa adversária
responda estratégica, táctica e tecnicamente de modo desfasado em
função dos momentos mais propícios para a sua aplicação.
Métodos de Jogo
Contra-ataque
Ataque rápido
Ataque posicional
MJO compostos

Métodos de Jogo Defensivo
Visam uma coordenação eficaz das acções dos
jogadores que constituem a equipa, por forma
a criar as condições mais favoráveis para
concretizar os objectivos da defesa, isto é, a
recuperação da posse da bola e a protecção da
baliza.

Métodos de Jogo Ofensivo
Visam uma coordenação eficaz das acções dos
jogadores que constituem a equipa, por forma
a criar as situações mais favoráveis para
concretizar os objectivos do ataque da equipa
em consonância com os objectivos do jogo – o
golo.

Defesa Individual
Defesa Zona
Defesa mista
Defesa zona pressionante

A Organização Dinâmica do Jogo
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Processo Ofensivo
CONCEITO
O processo ofensivo representa uma das duas fases fundamentais do jogo de futebol, sendo
objectivamente determinado, pela equipa que se encontra de posse de bola, com vista à
obtenção do golo, sem cometer infracções às leis do jogo.

Quando determinada equipa está de posse de bola, para além
de poder concretizar o objectivo o golo, poderá:
1.

Controlar o ritmo específico do jogo.

2. Criar condições por forma a surpreender os adversários.
3. Obrigar os adversários a passarem por longos períodos sem a
posse da bola.
4. Concretizar a recuperação física de companheiros.

A Organização Dinâmica do Jogo
Processo Ofensivo
OBJECTIVOS

A posse da bola não é um fim em si e torna-se
utópica, se não for conscientemente considerada
como o primeiro passo indispensável no processo
ofensivo, sendo condição "sine qua non" para a
concretização dos seus objectivos fundamentais.
fundamentais

Progressão/finalização - Após a recuperação da posse da
bola, o objectivo fundamental da equipa é o de progredir
em direcção à baliza adversária, de uma forma rápida e
eficaz, evitando-se ao máximo a interrupção deste processo.

Contínua instabilidade da equipa adversária
Orientação das acções técnico-tácticas específicas do jogo numa direcção
definida
Criação de condições para a obtenção do golo

A Organização Dinâmica do Jogo
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Processo Ofensivo
Manutenção da posse da bola - A concretização deste objectivo significa evitar o risco
irracional presente em alguns jogadores, que em diferentes circunstâncias do jogo perdem,
de forma extemporânea, a posse da bola pondo assim em causa todo um esforço colectivo,
que determinou a sua recuperação. A maximização deste objectivo pressupõe a/o:

Resolver os diferentes contextos situacionais, avaliando-os em
função do binómio risco/segurança
Quebrar o ritmo do jogo adversário
Manter a iniciativa do jogo

A Organização Dinâmica do Jogo
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Processo Ofensivo
ETAPAS
CONSTRUÇÃO DO PROCESSO OFENSIVO

Procura assegurar o
deslocamento da bola da
zona de recuperação para as
áreas vitais do terreno de
jogo.

CARACTERÍSTICAS ESSENCIAIS
1. É a fase do ataque mais fácil e frequentemente observável despendendo-se
igualmente maior tempo para a sua concretização.
2. Consta de circulações, combinações e acções tácticas individuais e colectivas
visando a progressão da bola para as zonas propícias à finalização.
3. A circulação da bola pelos vários jogadores é realizada de uma forma contínua,
fluente e eficaz, evitando-se ao máximo a sua interrupção.
4. Procura-se criar de forma continua ou pontual situações de instabilidade na
organização defensiva adversária.

A Organização Dinâmica do Jogo
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
CRIAÇÃO DE SITUAÇÕES DE FINALIZAÇÃO

CARACTERÍSTICAS ESSENCIAIS

É a etapa que visa
fundamentalmente
assegurar nas zonas
predominantes de
finalização os pressupostos
mais vantajosos para a
concretização imediata do
objectivo do jogo.

1. É nesta etapa do ataque que culminam as combinações "mais ricas" do
ponto de vista táctico, pois, só assim é possível provocar as roturas necessárias
à implementação da fase de finalização.

2. Esta etapa concentra-se num espaço de jogo onde afluem um grande número
de jogadores requerendo por parte dos atacantes um maior risco e uma maior
eficácia na execução das acções técnico-tácticas
3. É fundamental que se observem acções que exprimam uma grande
mobilidade por forma a criar, explorar e a ocupar espaços vitais de jogo.
4. É nesta etapa do processo ofensivo que se procura e se
provoca situações de jogo que levem os defesas a errar e a
cometer infracções.

A Organização Dinâmica do Jogo
FINALIZAÇÃO

Esta fase do processo
ofensivo é objectivada
pela acção técnicotáctica individual
(remate) que culmina
todo o trabalho da
equipa com vista à
obtenção do golo.

CARACTERÍSTICAS ESSENCIAIS

1. Desenrola-se numa zona restrita do terreno de jogo, onde a
pressão dos adversários é elevada e o espaço de realização é
diminuta.

2. As condições de execução técnico-táctica exigem uma precisão
e um ritmo elevados, em que a espontaneidade, a determinação
e a criatividade são as componentes mais evidentes desta etapa
do ataque.

3. A responsabilidade do jogador que objectiva esta fase
do jogo, reside no facto de ter de valorizar
individualmente aquilo que foi construído através do
esforço colectivo.

A Organização Dinâmica do Jogo
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Métodos do Jogo Ofensivo
4

CONTRACONTRA-ATAQUE
CARACTERÍSTICAS ESSENCIAIS
1. Rápida transição das atitudes e comportamentos técnico-tácticos individuais e
colectivos, da fase defensiva para a fase ofensiva do jogo, logo após a
recuperação da posse da bola.
2. Elevada velocidade de transição da zona do campo onde se efectuou a
recuperação da posse da bola, às zonas predominantes de finalização.
3. Máxima (a mais elevada) cadência-ritmo de circulação da bola e dos jogadores.
4. Simplicidade do processo ofensivo, implicando um reduzido número de
jogadores que intervêm directamente sobre a bola, executando comportamentos
técnico-tácticos fundamentalmente pelo lado do risco
5. Execução de respostas técnico-tácticas em condições favoráveis em termos de
tempo e espaço, cuja direcção tem como alvo a baliza adversária.
6. Impedir a equipa adversária, devido à velocidade deste método
ofensivo, em dispôr do tempo necessário para poder evoluir para
uma organização mais estável e coesa do seu método defensivo.

A Organização Dinâmica do Jogo

1
3
2
7. Obriga a aplicação de métodos defensivos, em que os jogadores se posicionam e se
concentram muito perto da sua grande área. Este facto provoca na equipa adversária, quando
em processo ofensivo, uma falsa sensação de domínio de jogo levando os jogadores, a "subir"
no terreno para colmatar o desequilíbrio existente e a recrutar um maior número de jogadores
para cumprirem o objectivo do ataque. Em consequência desta acção, criam-se grandes espaços
de jogo, entre a última linha defensiva e a baliza, espaços esses que poderão ser utilizados para
a aplicação eficaz do CONTRA-ATAQUE.

ASPECTOS FAVORÁVEIS
1. Cria sucessivamente condições de instabilidade do processo defensivo adversário,
devido à rápida transição de atitudes e comportamentos da fase defensiva para a
fase ofensiva e à elevada velocidade de transição da zona de recuperação da posse
da bola para as zonas predominantes de finalização.
2. Transmite à equipa adversária, quando eficazmente utilizado, um elevado nível de
insegurança. Assim, decorrido algum tempo observa-se, que um só atacante
"prende" a atenção de dois ou mais adversários
3. Provoca um elevado desgaste técnico-táctico, físico e principalmente psicológico
aos adversários, cuja função táctica é marcar os atacantes que relançam e suportam
fundamentalmente este método ofensivo
4. Aumenta as dificuldades de marcação dos atacantes, pois a maioria dos
deslocamentos neste método ofensivo, executam-se de trás para a frente da linha da
bola, o que torna as situações mais delicadas em termos defensivos

A Organização Dinâmica do Jogo
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
ASPECTOS FAVORÁVEIS (cont.)

5. Eleva a capacidade de iniciativa, improvisação e
criatividade dos jogadores, que devido à sua grande
liberdade de acção podem valorizar e explorar amplamente
as suas capacidades individuais.

6. Usufrui de condições favoráveis em termos de espaço. A
criação e utilização eficaz destes espaços leva a uma
constante
modificação
do
ângulo
de
ataque,
consequentemente provoca uma constante instabilidade da
organização da defesa adversária, sempre que este conceito
táctico se verifica.
7. Dificulta ou mesmo impossibilita a equipa adversária a
contra-atacar ou atacar rapidamente, logo após a
recuperação da posse da bola, visto haver um grande número
de jogadores atrás da linha da bola, mantendo um rígido e
eficaz equilíbrio defensivo.

A Organização Dinâmica do Jogo
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
ASPECTOS DESFAVORÁVEIS
1. Possibilidade de se observar constantes e rápidas perdas da posse da bola,
devido à elevada velocidade de execução técnico-táctica, assim uma falha
individual pode comprometer de imediato a continuidade do processo
ofensivo e criar situações difíceis de resolução.
2. Elevado carácter individualizado das acções, pois em que quase todas as
situações de jogo, os jogadores encontram-se em igualdade ou inferioridade
numérica.
3. Diminui a coesão e aumenta a permeabilidade da organização ofensiva, devido a não haver uma mútua
cobertura nas situações de jogo.
4. Contribui para um rápido desgaste físico dos jogadores sobre quem recaem fundamentalmente a construção
do ataque da equipa

5. Necessidade de se utilizar métodos defensivos em que se verifica uma grande concentração de jogadores
perto da sua própria baliza, o que: (i) determina uma maior perigosidade na recuperação da posse da bola e,
(ii) quando a equipa sai para o contra-ataque diminui-se a coesão e homogeneidade da equipa.

6. Impõe um elevado espírito de sacrifício e paciência, pois sem estes atributos,
dificilmente haverá efectividade deste método ofensivo

A Organização Dinâmica do Jogo
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
QUESTÕES DE OPERACIONALIZAÇÃO
1. Preparar a equipa para preparar e conduzir o processo defensivo no sentido
da recuperação da bola ser feito nas zonas do campo pretendidas.
2. Definição clara do espaço ocupado pelo bloco-equipa – Onde defendemos?
3. Fazer a equipa perceber as zonas e os momentos onde e em que deverá
intensificar a pressão face ao eventual maior interesse de “roubar a bola”.
4. Fazer perceber a necessidade de aproveitar eventuais vantagens de espaço,
número de jogadores e tempo (per si ou em simultâneo).
5. Perceber que o contra-ataque pode ser “planeado” (quando segue um
conjunto de movimentações estabelecidas por rotinas ofensivas) ou “livre”
(quando acontece no aproveitamento das condições dadas circunstancialmente
pelo adversário).
6. Salientar que a execução de um contra-ataque não implica desorganização da equipa que o realiza ou
incapacidade estrutural de fazer face equilibradamente à perda da bola.
7. Preparar a equipa psicologicamente para a utilização deste MJO…
8. Perceber que há jogadores mais “habilitados” para a utilização deste MJO…

EXERCÍCIOS DE TREINO DO CONTRA-ATAQUE

A Organização Dinâmica do Jogo
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Métodos do Jogo Ofensivo
ATAQUE RÁPIDO
As características fundamentais do ataque rápido são as mesmas
que foram referidas para o contra-ataque.
A diferença estabelece-se fundamentalmente no facto do contra-ataque procurar assegurar as condições
mais favoráveis para preparar a fase de finalização, antes da defesa contrária se organizar de forma efectiva.

O ataque rápido, terá de preparar a fase de finalização já com a equipa adversária organizada
eficientemente no seu método defensivo.

Observa-se os mesmos pressupostos referidos para o contra-ataque, especialmente no que diz respeito, à
rápida transição da zona de recuperação da posse da bola para as zonas predominantes de finalização, com
uma preparação mais demorada e laboriosa da etapa de criação e da finalização.

As vantagens e as desvantagens deste método ofensivo, são fundamentalmente as
mesmas que foram referidas para o contra-ataque.

A Organização Dinâmica do Jogo
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Métodos do Jogo Ofensivo
5
6
8

ATAQUE POSICIONAL

4
7

1

3

2

CARACTERÍSTICAS ESSENCIAIS
1. Eleva-se o tempo de elaboração da fase de construção do processo ofensivo, em que a
maior ou menor velocidade de transição da zona de recuperação da posse da bola às zonas
predominantes de finalização, é sempre consequência do nível de organização da equipa
em processo ofensivo e da equipa em processo defensivo.
2. Pressupõe-se a utilização de um grande número de jogadores e de acções técnicotácticas para concretizar os objectivos do ataque. Neste sentido, a equipa joga
constantemente numa organização que evidencia um bloco homogéneo e compacto,
devido a permanentes acções de cobertura ofensiva, especialmente, aos jogadores que
intervêm directamente sobre a bola.

3. Impõe-se que as atitudes e os comportamentos individuais
e colectivos dos jogadores nas situações momentâneas de
jogo, são resolvidas pelo lado do seguro, fundamentalmente
na de construção do processo ofensivo. Sendo preferível
acções "a mais", ou seja, que não resolvam eficazmente a
situação de jogo, do que acções que possam provocar a perda
da bola extemporaneamente.

A Organização Dinâmica do Jogo
CARACTERÍSTICAS ESSENCIAIS (CONT.)
4. Criam-se constantemente as condições mais favoráveis, em termos de tempo, de espaço e
número, para uma simples, eficaz e segura resposta táctica em função das situações de jogo.
5. Estabelece-se constantemente um equilíbrio dinâmico da organização do método ofensivo, devido à
utilização de acções técnico-tácticas de compensação e permutação, na procura permanente de uma
ocupação racional do espaço de jogo.
6. Possibilita-se a aplicação de métodos defensivo pressionantes que evidenciam a preocupação da
recuperação da posse da bola em zonas longe da sua própria baliza

ASPECTOS FAVORÁVEIS
1. Possibilita que a organização ofensiva reflicta continuamente
um bloco homogéneo e compacto.
2. Diminui a possibilidade de se perder a posse da bola de uma
forma extemporânea, ao se optar por soluções tácticas pelo lado
do seguro.
3. Estabelece que as falhas individuais possam ser prontamente
corrigidas pelos companheiros, devido à contínua execução de
acções de cobertura ofensiva, construindo-se assim, um elevado
grau de solidariedade.

A Organização Dinâmica do Jogo
ASPECTOS FAVORÁVEIS (CONT.)
4. Proporciona uma melhor divisão dos esforços produzidos pela equipa, não existindo a sobrecarga
de uns jogadores em detrimento de outros.
5. Permite muitas situações de superioridade numérica no centro do jogo ofensivo, devido ao
deslocamento de um ou mais jogadores para um certo espaço vital de jogo.
6. Pode determinar, devido ao tempo que normalmente este método ofensivo dura, que os adversários
entrem em crise de raciocínio táctico.

ASPECTOS DESFAVORÁVEIS
1. Possibilita, devido ao tempo necessário para a elaboração da fase de
construção do ataque, que a equipa adversária pode estabelecer uma
organização defensiva consistente
2. Implica por parte dos jogadores atacantes uma percepção e leitura
constantes das situações de jogo e a antecipar as acções técnico-tácticas
dos defesas.
3. Requer a execução constante de acções que
visam o reequilíbrio da organização da equipa
(compensações-permutações)

A Organização Dinâmica do Jogo
ASPECTOS DESFAVORÁVEIS
4. Perspectiva a resolução táctica das situações de jogo pelo lado da segurança. Em alguns casos,
perde-se a possibilidade de se aproveitar uma excelente situação de jogo para isolar um
companheiro e resolver rapidamente a acção ofensiva.
5. Estabelece a possibilidade, devido ao processo ofensivo desenrolar-se frequentemente em espaços
reduzidos, que a equipa adversária se concentre nesses espaços facilitando as acções de marcação
6. Diminui a eficácia do método defensivo, se não se corrigir rapidamente os possíveis desequilíbrios na
organização da equipa, logo após a perda da posse da bola.

QUESTÕES DE OPERACIONALIZAÇÃO
1. Necessidade clara de solicitação permanente de pressupostos de
cultura táctica – necessidade de os criar!
2. Que tipo de jogadores para este método de jogo? Nas diferentes
posições e em cada uma delas em particular?
3. Que tipo de Transição Defensiva poderá ser feita face ao
posicionamento da equipa?

A Organização Dinâmica do Jogo
QUESTÕES DE OPERACIONALIZAÇÃO
4. Definição clara do espaço ocupado pelo bloco-equipa – Onde defendemos?

5. Fazer perceber a necessidade de criar permanentes equilíbrios face ao grande número de jogadores
envolvidos na preparação do ataque e na criação das situações de finalização.
6. Necessidade de criar uma identidade em termos de entendimento e operacionalização do ataquer rápido
que crie uma base de soluções, aberta à integração de “soluções de contingência”.
7. Preparar a equipa psicologicamente para a utilização deste MJO…
8. Que tipo de finalizações serão mais frequentes?
9. …

EXERCÍCIOS DE TREINO DO ATAQUE POSICIONAL

A Organização Dinâmica do Jogo
QUE CONCEPÇÕES DE JOGO ESTÃO SUBJACENTES À UTILIZAÇÃO DOS
DIFERENTES MÉTODOS DE JOGO OFENSIVO?

CONTRA-ATAQUE E ATAQUE RÁPIDO
Filosofia de jogo directo que é caracterizada pela orientação sistemática dos
comportamentos técnico-tácticos em direcção à baliza contrária e pela transposição
rápida do centro do jogo para as zonas predominantes de finalização.
Esta concepção de jogo exprime uma atitude positiva – isto é, “jogar para ganhar”. É
condicionada pela intenção de marcar golos e não pelo medo de perder a posse da
bola.

Dados recolhidos através da observação de jogos de nível internacional (Hughes, 1990;
Castelo, 1994) permitem constatar que 7 em cada 8 golos (87%) resultam de processos
ofensivos muito breves (com 5 ou menos passes). Esta constatação leva-nos a uma
conclusão muito simples e muito lógica: “no futebol existe uma fórmula ganhadora
assente no jogo directo”. Se queremos ganhar os jogos devemos jogar, sempre que
possível, em direcção à baliza adversária tentando construir as situações de finalização
com o máximo de 5 passes (Hughes, 1990).

A Organização Dinâmica do Jogo
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
ATAQUE POSICIONAL

Filosofia de jogo indirecto, “apoiado”, de posse da bola, caracterizada pela preponderância da fase de
construção do processo ofensivo através de uma laboriosa e metódica progressão da bola em direcção
à baliza adversária.
Muitas equipas de nível internacional utilizam, como estratégia ofensiva predominante, o ataque
indirecto, o ataque posicional.
Os seus jogadores, laboriosa, segura e pacientemente, procuram conduzir o centro do jogo para a zona de
finalização para, uma vez aí, tentarem construir as situações de finalização.
Esta concepção de jogo, quando aplicada de forma sistemática e exclusiva, pode exprimir uma atitude
negativa e que é a seguinte: “jogar para não perder – enquanto tivermos a posse da bola, a equipa adversária
não pode fazer golo” (Hughes, 1990).

Mas como é que tudo isto
funciona na prática???

A Organização Dinâmica do Jogo
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Na prática, constata-se que um grande número de processos ofensivos apresentam
características de dois ou mais métodos…
E se após a recuperação da bola na sua zona defensiva, uma determinada equipa passa, de forma
muito simples e muito rápida, para a zona de finalização (contra-ataque) para, uma vez aí e devido à
capacidade de organização defensiva evidenciada pela equipa adversária, ter que temporizar e
reorganizar as suas acções ofensivas de forma mais elaborada, mais lenta e mais segura
(características do ataque posicional)?!

Mas o contrário também pode ser observado… A equipa, após a recuperação da
bola, começa por executar, com lentidão e segurança, um conjunto de acções
individuais e colectivas para, de repente, aumentar o ritmo e a velocidade de
execução dos comportamentos técnico-tácticos procurando atingir as zonas
predominantes de finalização o mais rapidamente possível (ataque rápido ou
contra-ataque).

A Organização Dinâmica do Jogo
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Métodos de Jogo
Ofensivo

Neste contexto, além dos métodos
de jogo ofensivo de base, podemos
considerar a existência de métodos
de jogo ofensivo compostos…

Contra-ataque passando a ataque posicional

Métodos de Jogo Ofensivo
Ataque rápido passando a ataque posicional
Ataque posicional passando a ataque rápido

A Organização Dinâmica do Jogo
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
A Organização Dinâmica do Jogo
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
PROCESSO OFENSIVO
ASPECTOS FUNDAMENTAIS

Criar um sentido e mentalidade colectiva - A funcionalidade de uma equipa de futebol passa
inabalavelmente pela interligação e o ajustamento dos comportamentos simultâneos dos jogadores
em função das contigências e do desenvolvimento contextual das situações de jogo.

Existência de uma compreensão elementar de base - Se um jogador deixa a sua
posição e funções específicas de base num determinado momento da partida, para ocupar a
posição e as funções específicas de um outro companheiro, deverá este último, o mais
rapidamente possível voltar, não à sua posição e funções de base, mas antes ocupar o lugar
deixado livre pelo companheiro que o ajudou. Mudam assim momentâneamente de posição e
funções específicas, mas nunca de responsabilidades, organização e solidariedade.

Criar condições para que cada jogador possa optar por uma entre
diferentes respostas tácticas possíveis - A resolução de cada situação de jogo
deverá resultar da mútua responsabilidade de todos os jogadores da equipa, dando a
todos eles a possibilidade de decidirem e executarem entre várias opções a resposta
táctica a que lhes parecem ser a mais adaptada e ajustada relativamente à situação.

A Organização Dinâmica do Jogo
Processo Defensivo
CONCEITO
O processo defensivo representa uma das duas fase fundamentais do jogo de futebol, na qual
uma equipa luta para entrar na posse da bola, com vista à realização de acções ofensivas,
sem cometer infracções e sem permitir que a equipa adversária obtenha golo.

A fase defensiva consubstancia-se na base
de acções de marcação, que em última
análise, traduzem a presença física do defesa
sobre o atacante, visando a tomada de todas
as disposições para os neutralizar, em
qualquer momento do jogo, empregando os
meios lícitos à sua disposição (incluindo
naturalmente o contacto físico).

A Organização Dinâmica do Jogo
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Processo Defensivo
OBJECTIVOS

O objectivo básico da
defesa é de restringir o
tempo e o espaço disponível
dos atacantes, mantendo-os
sob pressão e negando-lhes
a possibilidade de poder
progredir no terreno de jogo.

Recuperação da posse da bola

Uma atitude fundamental - Não sendo possível atacar a baliza
adversária, uma vez que a equipa não se encontra de posse de bola,
dever-se-á "atacar a bola" de modo a recuperá-la ou a retardar o
processo ofensivo adversário.
Comportamentos técnico-tácticos - Caracterizados pela procura de
desapossar, o mais rapidamente possível, os adversários da bola.

A Organização Dinâmica do Jogo
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Processo Defensivo
Defesa da Baliza - A impossibilidade de recuperar de imediato a posse da bola ou de

estancar (parar) a progressão do processo ofensivo adversário, deriva de um de dois
factores:
À capacidade da equipa em processo ofensivo ultrapassar os diferentes e variados
problemas (obstáculos) que lhe vão sendo sucessivamente colocados.
À incapacidade organizativa momentânea da equipa em fase defensiva, fazer face
aos diferentes e variados problemas postos pelas situações de jogo criados pelo
processo ofensivo.

A surpresa criada pelas
acções ofensivas e o risco
delas poderem terminar na
Maior simplicidade das acções técnico-tácticas sem bola.
concretização de golos,
reflectem a desvantagem do
Grande número de processos que permitem a
processo defensivo.
recuperação da posse da bola.

VANTAGENS E DESVANTAGENS

Colocação concentrada dos jogadores num certo espaço
de jogo, estabelecendo uma melhor entreajuda dos
jogadores.

A Organização Dinâmica do Jogo
Processo Defensivo
ETAPAS
EQUILÍBRIO DEFENSIVO (2 momentos)

1. No desenrolar do processo ofensivo da própria
equipa Através de medidas preventivas
asseguradas por um ou mais jogadores, que se
colocam e agem na retaguarda dos adversários
(em fase defensiva) que não estão directamente
implicados nas acções que determinam a
possibilidade de finalização.

2. Após a perda da posse da bola - Através da rápida reacção de todos os jogadores da equipa que se
deslocam: (1) em direcção à bola e ao atacante que a possui, (2) em direcção aos espaços vitais de jogo e, (3)
aos adversários que possam dar de imediato uma continuidade efectiva do processo ofensivo da sua equipa.

OBJECTIVOS
1. Entrar de novo na sua posse por forma a reorganizar o ataque.
2. Impedir o relançamento do processo ofensivo adversário e,
em especial, que este renuncie ao contra-ataque/ataque rápido.
3. Ganhar o tempo suficiente para que todos os jogadores se
possam enquadrar no dispositivo defensivo da equipa.

A Organização Dinâmica do Jogo
RECUPERAÇÃO DEFENSIVA

ACÇÕES FUNDAMENTAIS

Começa nos momentos logo após a
impossibilidade de recuperar imediatamente a
posse da bola ou de evitar a progressão do
ataque do adversário na sua fase inicial, através
das acções que consubstanciam a fase de
equilíbrio defensivo e dura até à ocupação do
dispositivo defensivo previamente preconizado
pela equipa.

1. Marcar espaços e atacantes durante o deslocamento dos defesas em recuperação defensiva.
2. Interpôr-se rapidamente entre o atacante e a própria baliza.
3. Obstaculizar constantemente a acção dos atacantes.
4. Entreajuda estabelecida e coordenada pelos vários defesas.

DEFESA PROPRIAMENTE DITA
Esta constitui-se como a fase principal da defesa.
Pressupõe a ocupação, por parte de todos os
jogadores, do dispositivo defensivo previamente
preconizado pela equipa.

A Organização Dinâmica do Jogo
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
CARACTERÍSTICAS
FUNDAMENTAIS DEFESAS
MODERNAS

Tirar parte da iniciativa ao
processo ofensivo

No deslocamento coordenado dos jogadores dentro dos seus sectores da equipa, em direcção ao
centro do jogo: (1) procurando reduzir o espaço onde os seus adversários podem desenvolver as
suas acções, (2) tentar recuperar a bola em espaços longe da sua própria baliza e, (3) procurar
beneficiar da lei do fora-de-jogo.
Na variação sequêncial da execução dos comportamentos técnico-tácticos individuais e colectivos
de marcação sobre os adversários, por forma que a ordem, o espaço e a velocidade sejam
imprevisíveis aos olhos dos adversários.
No aumento da pressão e agressividade na marcação sobre o atacante de posse de bola e dos
companheiros que possam dar continuidade ao processo ofensivo de forma eficiente, isto é, obrigálos a terem respostas tácticas cujas direcções sejam para o lado ou para trás (em direcção à sua
própria baliza).
Na colocação em profundidade de 1 ou 2 jogadores que não se empenhem directamente na luta
pela recuperação da posse da bola, mas que assumam atitudes e comportamentos técnico-tácticos
de preparação do ataque da sua equipa logo que esta recupere a posse da bola.
Na condução dos adversários com e sem a posse da bola para espaços menos
perigosos ou onde beneficiem de situações de superioridade numérica, diminuindo
assim: (1) os ângulos de passe ou de remate, (2) o número de jogadores a quem a
bola possa ser passada eficazmente e, (3) tornar o jogo ofensivo previsível.

A Organização Dinâmica do Jogo
Ter um carácter construtivo

MJD

Carácter destrutivo do processo ofensivo
adversário.
Base fundamental pela qual se deve construir o
seu processo ofensivo logo após a recuperação da
posse da bola.

As probabilidades da acção ofensiva
culminar em finalização, dependem em
larga medida das circunstâncias em que
ocorreu a recuperação da posse da bola.

É fundamental construir-se situações de treino
que potenciem uma recuperação “modelar” da
posse da bola por forma a que os seus efeitos de
carácter positivo se possam repercutir durante a
fase ofensiva que dai resulta. A defesa não deve
limitar-se à réplica a dar ao adversário, pelo
contrário, deverá ripostar sempre por forma a
obrigar o ataque a preocupar-se igualmente com a
protecção da sua própria baliza. É disto que consta
o carácter agressivo das defesas modernas.

A Organização Dinâmica do Jogo
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Métodos do Jogo Defensivo
Método de Defesa Individual
CARACTERÍSTICAS ESSENCIAIS
1. Aplica, em todos os momentos do jogo, a lei do um contra um.
2. Estabelece que cada atacante é marcado por um defesa que o importuna sem cessar, evitando que este
receba a bola sob quaisquer circunstâncias (respeito pelo princípio da contenção).
3. Fundamenta situações de igualdade numérica a todo o momento, evidenciando uma maior agressividade
quando a acção se aproxima da baliza.
4. Desenvolve a responsabilização individual ao mais alto grau. Assim, em qualquer momento podemos
observar qual ou quais os jogadores que foram fundamentais na resolução ou não da situação de jogo.
5. Utiliza primordialmente os fundamentos individuais defensivos inerentes ao princípio da contenção,
senão não há eficácia.
6. Necessita de uma elevada capacidade física de todos os jogadores por
forma a reagirem constantemente aos deslocamentos dos seus adversários
mantendo-os sob pressão.

A Organização Dinâmica do Jogo
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
CARACTERÍSTICAS ESSENCIAIS (cont.)
7. Recruta elevados níveis de atenção selectiva, especialmente sobre o atacante que o defesa deverá
marcar de modo constante.
8. Evidencia a necessidade de elevados níveis de sacríficio e abnegação, pois sem estes atributos este
método defensivo não tem eficácia.

ASPECTOS FAVORÁVEIS
1. Possibilidade de se anular um jogador de grande capacidade técnicotáctica por um jogador de menores recursos, compensados por outras
características, tais como a perseverância, o empenho e a vontade.
2. Estabelece missões facilmente compreendidas no plano táctico, por
parte dos jogadores, pois cada um pode concentrar a sua atenção e
esforço num só adversário, numa só missão.
3. Transmite, quando é eficazmente aplicado, uma autoconfiança de
extrema importância no desenrolar do jogo, porque a defesa ganha mais
duelos de jogo do que perde.
4. Provoca um desgaste técnico-táctico, físico e principalmente
psicológico aos jogadores sujeitos a este tipo de marcação, pois estão
sujeitos de forma continua a uma marcação impediedosa.

A Organização Dinâmica do Jogo
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
ASPECTOS FAVORÁVEIS (cont.)
5. Reduz a iniciativa do adversário que está sob influência deste tipo de
marcação, pois nunca tem espaço e tempo para exprimir as suas
capacidades técnico-tácticas.
6. Consegue-se sempre um certo equilíbrio numérico em qualquer
situação momentânea de jogo e em qualquer espaço.
7. Potencializa-se a sua eficácia quando utilizado. Logo, após a equipa
ter conseguido o golo, aumenta-se assim, o carácter perturbador da
situação.

ASPECTOS DESFAVORÁVEIS
1. Contextualiza situações muito difíceis de ultrapassar quando se
verifica a falha individual de um defesa, podendo assim comprometer
de imediato toda a organização defensiva.
2. Determina um rápido desgaste físico, pois o defesa deverá reagir constantemente às
movimentações do seu adversário directo
3. Estabelece a possibilidade se criar e explorar espaços livres em zonas vitais do
terreno de jogo, em consequência de roturas devido a falhas individuais.

A Organização Dinâmica do Jogo
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
ASPECTOS DESFAVORÁVEIS (cont.)
4. Limita o jogo ofensivo da equipa, pois depende largamente do defesa que a conquistou e do
adversário directo que a perdeu.
5. Diminui a iniciativa, criatividade e a improvisação do jogador em termos defensivos, pois minimiza as
suas missões tácticas.
6. Reduz a coesão e aumenta a permeabilidade da organização defensiva devido ao não cumprimento de
um dos princípios específico da defesa - cobertura defensiva.
7. Possibilidade de existir um maior número de contactos físicos,
que poderão traduzir-se por um maior número de infracções às leis
do jogo.

Método de Defesa à Zona
CARACTERÍSTICAS ESSENCIAIS
1. Aplica, na maioria das
situações de jogo a lei do todos
contra um.

2. Atribui a cada jogador a
responsabilidade por uma certa
zona do campo, o qual intervém
desde que aí penetre: a bola, o
adversário de posse de bola e o
adversário sem bola

3. Evidencia uma primeira
linha defensiva, que se forma
em função do
posicionamento da bola
forçando os adversários a ter
que a contornar.
Simultaneamente organiza-se
uma outra linha defensiva
que assegura a cobertura
permanente à primeira linha.

A Organização Dinâmica do Jogo
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
4. Estabelece continua e
permanentemente acções técnicotácticas colectivas com o objectivo
de uma entreajuda permanente.

5. Poderá utilizar a
denominada “defesa
em linha” tentando
tirar partido da lei do
fora-de-jogo.

ASPECTOS FAVORÁVEIS
1. Delimita o posicionamento dos defesas, os quais gozam da facilidade de ver a sua acção limitada a um
determinado espaço (zona) que lhe é familiar, pois não abandonam os seus postos habituais de marcação.
2. Reduz largamente o desgaste físico e psicológico comparativamente aos métodos individuais
3. Obriga os atacantes adversários a terem de executar acções em direcções alternativas relativamente à
baliza adversária, devido à continua existência de duas linhas defensivas
4. Aumenta a dificuldade de se criar, explorar e ocupar espaços vitais de jogo.
5. Correcção pronta das falhas individuais pelos companheiros, devido à contínua execução de cobertura
defensiva.
6. Proporciona um melhor aproveitamento das qualidades técnico-tácticas-físicas dos
jogadores.

A Organização Dinâmica do Jogo
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
ASPECTOS DESFAVORÁVEIS
1. Cria condições que facilitam a possibilidade dos atacantes evidenciarem
uma maior capacidade de iniciativa, particularmente quando se deslocam de
um para outro espaço de marcação.
2. Permite situações de superioridade numérica ofensiva, pois poder-se-á
verificar a entrada simultânea de 2 ou mais jogadores numa determinada
zona de marcação de um defesa.
3. Desenvolve as dificuldades inerentes em definir, com exactidão, os limites
das respectivas zonas de marcação respeitantes a cada defesa e as inibições
que daí possam advir.
4. Impõe um elevado sentido de sacrifício, pois sem isso dificilmente haverá
efectividade.
5. Estabelece elevados níveis de insegurança se não existir uma sincronização
colectiva correcta.

6. Compartimenta o método defensivo, que determina sempre uma maior
permeabilidade do sistema.

A Organização Dinâmica do Jogo
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Método de Defesa à Zona

As duas equipas estão a
defender à zona, o que dá
tempo e espaço ao adversário
para pensar!

Conceito de Marcação como ponto de partida…
Acompanhar muito de perto e
passo a passo a deslocação de um
jogador adversário no campo,
impedindo ou condicionando as
suas jogadas…

Marcação – a acção táctica que os
jogadores da equipa que não possui a
bola realizam sobre os seus adversários,
com o intuíto prioritário de evitar que
estes entrem em contacto com a mesma,
ou de o fazer nas piores condições
possíveis… (López Ramos, 1995)

A Organização Dinâmica do Jogo
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Marcação – Marcação – conjunto de
acções técnico-tácticas individuais de
natureza defensiva, desenvolvidas no
absoluto respeito pelos princípios
defensivos, que visam a anulação a
anulação e cobertura dos espaços livres.
Os comportamentos técnico-tácticos de
marcação manifestam-se através de um
posicionamento em função da bola, dos
adversários, dos companheiros e da
baliza. (Queiróz, 1993)

É da coordenação
colectiva que depende,
em última análise a
eficácia das acções de
«marcação»!

Podemos dizer que face à diferenciada importância dada às diferentes referências
alvo da «marcação» e no ênfase que se coloca em cada uma das referencias de
posicionamento, que há diferentes concepções para a organização defensiva!!!

O modo como o treinador perspectiva a organização
defensiva da sua equipa está intimamente relacionado com
a sua interpretação do conceito de marcação!!!

A Organização Dinâmica do Jogo
CONSIDERAÇÕES
Tentativa colectiva de encurtar (em profundidade) e estreitar (em largura) o espaço de jogo e assim
conseguir-se superioridade numérica junto à bola.
Ocupação inteligente dos espaços mais valiosos e que nos permite, por arrastamento, controlar os
adversários.
Quando se defende à zona, o jogador adversário em
posse deve ter a noção de estar a jogar contra 11 jogadores,
pois a equipa comporta-se como um todo… apenas possível
com uma referência de posicionamento comum a todos os
jogadores da equipa – a bola.

Comportamentos
TácticoTáctico-técnicos
(TÁCTICA COORDENA TODA A
EQUIPA E CADA UM DOS
JOGADORES)

Então como é que é feito o
roubo da bola?

Os jogadores devem manter-se sempre perfilados na
direcção do portador da bola para estarem em condições,
primeiro, de reduzir o espaço junto ao portador da bola
(apenas com a intenção de o levar a fazer um passe). Para
que, depois, se o passe acontecer, os jogadores se
movimentem rapidamente, um com a intenção de se
antecipar (contando com a cobertura dos respantes
companheiros da linha) e os outros fechando as saídas
próximas de passe…

A Organização Dinâmica do Jogo
O objectivo é «fazer o terreno de jogo mais pequeno», por isso, ao
mesmo tempo que se deve pressionar o jogador adversário com bola,
os restantes defesas devem deslocar-se rapidamente em direcção á
zona onde se encontra a bola e tentar manter uma distância de
separação constante em relação aos companheiros. A ideia é que,
durante o trabalho defensivo, os jogadores pareçam unidos ao centro
do jogo por uma cinta elástica – Equilíbrio na organização defensiva.
Esta forma de defender requer comunicação e visão de jogo por parte
dos jogadores, os quais terão de saber o que sucede ao seu redor,
bem como à volta do portador da bola.

CONCLUSÕES
1. Os espaços são a grande referência-alvo de marcação.
2. A grande preocupação é fechar como equipa os espaços de jogo mais valiosos (os espaços mais próximos
da bola) para assim condicionar a equipa adversária.
3. A posição da bola e, em função desta, a posição dos companheiros são as grandes referencias de
posicionamento.
4. Cada jogador, de forma coordenada com os companheiros, deve fechar
diferentes espaços de acordo com a posição da bola.

A Organização Dinâmica do Jogo
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
5. A existência permanente de um sistema de coberturas sucessivas, conseguido pelo
escalonamento das diferentes linhas.
6. Importante pressionar o portador da bola para este se ver condicionado em termos de tempo e
espaço para pensar e executar.
7. É a ocupação cuidada e inteligente dos espaços mais valiosos que permite, por arrastamento, controlar
os adversários sem bola.
8. Qualquer marcação próxima a um adversário sem bola é sempre circunstancial e consequência dessa
ocupação espacial racional.

Trata-se de conseguir um «padrão defensivo colectivo», complexo,
mas principalmente dinâmico, adaptativo, compacto, homogéneo e
solidário.

Coesão Defensiva

A Organização Dinâmica do Jogo
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Método de Defesa Misto
CARACTERÍSTICAS ESSENCIAIS
1. Sintetiza de forma global o método defensivo à zona e o método defensivo individual.
2. Desenvolve uma marcação ao atacante que evolui numa determinada zona do terreno de jogo,
continuando mesmo que este progrida para outra zona, que não é da responsabilidade do defesa. Neste
caso, só depois do atacante se desfazer da bola ou outro companheiro assumir as suas funções, é que o
defesa poderá (consoante a situação de jogo) voltar para a sua zona de marcação.
3. Acentua as acções de cobertura defensiva ao 1º defesa (contenção) tornando-as mais rigorosas que no
método à zona. Assim, verifica-se que os outros defesas se posicionam em função da acção do companheiro
que marca o adversário de posse de bola e de outros atacantes, que possam evoluir na sua zona de marcação
os quais poderão de imediato dar continuidade ao processo ofensivo adversário.

ASPECTOS FAVORÁVEIS
1. Oferece uma excelente segurança defensiva.
2. Dificulta a criação de situações de
superioridade numérica por parte dos
atacantes.

A Organização Dinâmica do Jogo
ASPECTOS FAVORÁVEIS (cont.)
3. Permite a possibilidade permanente de execução de compensações-permutações.
4. Aumenta a iniciativa e criatividade dos defesas possibilitando-os de sair da sua zona de marcação
para outra, marcando o atacante numa posição vital.

ASPECTOS DESFAVORÁVEIS

1. Requer a leitura constante das situações de jogo
e a antecipação das acções técnico-tácticas dos
atacantes.
2. Determina a necessidade de um grande espírito
de solidariedade e um alto grau de
responsabilidade individual.
3. Obriga os defesas a jogarem em certas zonas, às
quais estão menos habituados.
4. Diminui, em certas circunstâncias a eficácia do
método ofensivo da equipa.

A Organização Dinâmica do Jogo
A Zona “Pressionante”
1. Relacionado com a criação de superioridade numérica e o
constrangimento espaço-temporal (característicos da defesa zona) está
também o Pressing
Pressing.
2. Inovação no futebol (Arrigo Sachi) – utilização da zona incorporando o pressing, criando
uma zona agressiva – “Zona Pressionante” ou “Zona Pressing”.
3. Pode ser feita “onde e quando a equipa desejar” (bloco mais ou menos subido)…
4. O que sobressai da intenção de se fazer uma “zona pressionante” é a procura da bola, a
procura do erro adversário para recuperar a bola, o mesmo é dizer, querer atacar (“faz da
defesa a arte de atacar, Maturana).
5. Pressing – Definições página 49
6. Relação “Defesa à Zona” e “Pressing” – Não se consegue fazer pressão sem reduzir os espaços e tentar
criar superioridade numérica na zona da bola, sob risco de ficar desequilibrado!

A Organização Dinâmica do Jogo

A Defesa à Zona através da qual dominamos os espaços mais
Zona,
adequados em função da bola, e a Pressão Defensiva que trata
Defensiva,
de aproveitar o domínio e a redução dos espaços para pressionar
o portador da bola e os atacantes que o apoiam, são dois
aspectos que devem estar intimamente relacionados em
qualquer organização defensiva!!!
7. Pressão alta – Tentativa colectiva de recuperar a bola o mais à frente possível. Nunca um acto
isolado de um jogador, por isso a equipa tem de ser curta, de jogar com os sectores próximos
uns dos outros, com grande entreajuda, e tem de arriscar atrás, com a defesa avançada no
terreno (Tadeia, 2003).
8. Que Transição Defensiva? – Reduzir o espaço em função da bola e, se possível, pressionar a bola.
9. Fuga à Zona Pressing – Jogar para trás ou procura das costas da linha defensiva…

À semelhança do que acontece na
Defesa à Zona, na Zona
Pressionante a grande preocupação
é fechar os espaços de jogo mais
valiosos. A diferença está na
agressividade com que se atacam
esses espaços e o portador da bola.
No fundo, trata-se de colocar a
equipa adversária e, em particular
o jogador em posse da bola, sob
forte constrangimento espaçotemporal para desse modo induzir
o erro e a recuperar. E recupera-la
para poder atacar.

A Organização Dinâmica do Jogo
Método de Defesa Zona Pressionante
CARACTERÍSTICAS ESSENCIAIS
1. Estabelece uma marcação rigorosa ao adversário de posse de bola, no qual o
defesa deve demonstrar agressividade na tentativa da sua recuperação ou para
obrigá-lo a cometer erros no plano técnico-táctico.
2. Permite a cada defesa evoluir na sua zona de marcação, mas deverá deslocar-se para outras zonas
concentrando-se nos espaços de jogo próximo da bola.
3. Impõe de forma continua a marcação agressiva a zonas e jogadores adversários que possam dar
continuidade ao processo ofensivo. Para se obter uma maior concentração defensiva, diminui-se a pressão
exercida aos atacantes que estejam posicionados em espaços longe da bola.
4. Conduz o ataque adversário para um espaço de jogo próprio onde predomina a melhor capacidade da
equipa em termos de recuperação da posse da bola.
5. Concentração e homogeneidade da organização defensiva, independentemente do deslocamento da bola.
6. Constante comunicação verbal entre os jogadores, fundamentalmente quando os
atacantes adversários conseguem mudar o ângulo de ataque, levando a bola para
outro espaço de jogo.
7. Elevado espírito de equipa, coordenação e solidariedade.

A Organização Dinâmica do Jogo
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
ASPECTOS FAVORÁVEIS
1. Proporciona muitas situações de recuperação da posse da bola que derivam das acções dos defesas
no seu conjunto.
2. Diminui o espaço de jogo, à volta da posição da bola criando-se as condições mais favoráveis para a
sua recuperação.
3. Cria continuamente situações de superioridade numérica nos vários momentos do jogo.
4. Diminui a iniciativa dos adversários, forçando-os a cometer erros no plano técnico-táctico, que
normalmente não ocorrem,
5. Permite à organização defensiva jogar num bloco homogéneo e compacto.
6. Dificulta a criação, exploração e utilização de espaços livres no ataque adversário, especialmente nas
zonas à volta da bola e nas zonas vitais do terreno de jogo.
7. Estabelece uma solidariedade efectiva entre os defesas, verificando-se a cobertura permanente dos
comportamentos técnico-tácticos na procura da recuperação da bola.
8. Impossibilita a existência de linhas de passe em direcção à baliza, obrigando os adversários a
jogarem para o lado ou para trás.
9. Determina que o recuo defensivo seja realizado sempre em função
da progressão possível do processo ofensivo, não se recuando pelo
simples facto de se recuar.

A Organização Dinâmica do Jogo
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
ASPECTOS FAVORÁVEIS (cont.)
10. Aumenta a iniciativa e criatividade dos defesas de acordo com a sua velocidade e habilidade.
11. Extremamente eficaz contra equipas, cuja organização ofensiva é lenta e sem ritmo ou com
dificuldades de condição física.

ASPECTOS DESFAVORÁVEIS
1. Dificuldades em se estabilizar a organização defensiva, se a bola circular rapidamente de um para outro
corredor de jogo
2. Requer uma leitura constante das situações momentâneas de jogo, obrigando a antecipar as acções técnicotácticas dos atacantes.
3. Impõe a execução constante de acções de compensações podendo em alguns casos, não haver o tempo
necessário para um reequilíbrio eficaz
4. Necessita de um elevado espírito de equipa e trabalho árduo
5. Criam-se grandes espaços de jogo entre o último defesa e o guarda-redes, devido ao facto de o recuo
defensivo ser efectuado em função da progressão da bola.
6. Excesso de agressividade sobre o atacante de posse de bola ou sobre que
podem traduzir-se num maior número de infracções às Leis do jogo.

A Organização Dinâmica do Jogo
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
ASPECTOS DESFAVORÁVEIS (cont.)
7. Dificuldades de fazer uma rápida transição defesa/ataque, devido às grandes concentrações de
jogadores em processo ofensivo e defensivo
8. Impõe-se uma elevada capacidade física dos jogadores para que se possa adoptar e aplicar este método
defensivo.

PROCESSO DEFENSIVO – Aspectos Fundamentais
1. Criar um sentido e mentalidade colectiva
2. Continuidade da acção
3. Combinação eficiente das diferentes
tarefas tácticas dos jogadores em fase
defensiva
4. Na fase defensiva do jogo o problema
de um é o problema de todos

A Organização Dinâmica do Jogo
TRANSIÇÕES
1. Quais são os Momentos do Jogo?
2. O que é uma Transição Defensiva?
3. O que é uma Transição Ofensiva?
4. Não confundir Transições com Métodos de Jogo e seus Princípios!!!
5. Que linguagem quando se fala sobre estas questões? Somos técnicos!!!
6. Transições há sempre que se ganha ou perde a bola… Podem é ser feitas de várias maneiras!
7. Diferentes Princípios de Transição podem privilegiar a utilização de um
ou outro Método de Jogo!
8. O Modelo de Jogo, seus Princípios e os Momentos
do Jogo.

A Organização Dinâmica do Jogo
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
OBRIGADO!

A Organização Dinâmica do Jogo
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sessões De Treino Do Ajax
Sessões  De Treino Do AjaxSessões  De Treino Do Ajax
Sessões De Treino Do Ajax
Rafael Hackbarth
 
Modelo de jogo
Modelo de jogoModelo de jogo
Modelo de jogo
carlosmoreira
 
O Ensino do Futebol
O Ensino do FutebolO Ensino do Futebol
O Ensino do Futebol
Fundação Real Madrid
 
treino
 treino treino
treino
Hugo Ferreira
 
João Aroso - Periodização do Treino no Futebol
João Aroso - Periodização do Treino no FutebolJoão Aroso - Periodização do Treino no Futebol
João Aroso - Periodização do Treino no Futebol
Fundação Real Madrid
 
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de FutebolProgramação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Fundação Real Madrid
 
Observação e Análise de Jogo
Observação e Análise de JogoObservação e Análise de Jogo
Observação e Análise de Jogo
Fundação Real Madrid
 
Sl Benfica modelo de jogo para a formação
Sl Benfica modelo de jogo para a formaçãoSl Benfica modelo de jogo para a formação
Sl Benfica modelo de jogo para a formação
Mário Torres
 
Periodizacao tactica um modelo de treino jose gu ilherme oliveira
Periodizacao tactica um modelo de treino   jose gu ilherme oliveiraPeriodizacao tactica um modelo de treino   jose gu ilherme oliveira
Periodizacao tactica um modelo de treino jose gu ilherme oliveira
Bruno Comelli
 
Futebol 7
Futebol 7Futebol 7
Futebol 7
carlosmoreira
 
Periodização Tática - Morfociclo padrão: pelas entranhas do processo
Periodização Tática - Morfociclo padrão: pelas entranhas do processoPeriodização Tática - Morfociclo padrão: pelas entranhas do processo
Periodização Tática - Morfociclo padrão: pelas entranhas do processo
Rodrigo Saldanha
 
Construção de um Estilo (Modelo) de Jogo
Construção de um Estilo (Modelo) de JogoConstrução de um Estilo (Modelo) de Jogo
Construção de um Estilo (Modelo) de Jogo
Fundação Real Madrid
 
Modelo de Formação do "Pequeno" Jogador
Modelo de Formação do "Pequeno" JogadorModelo de Formação do "Pequeno" Jogador
Modelo de Formação do "Pequeno" Jogador
Fundação Real Madrid
 
Microciclo Semanal
Microciclo SemanalMicrociclo Semanal
Microciclo Semanal
Marcus Vinicius S. Sant'Anna
 
Aquecimento_padrão_Futebol_Formação
Aquecimento_padrão_Futebol_FormaçãoAquecimento_padrão_Futebol_Formação
Aquecimento_padrão_Futebol_Formação
Marco Pereira
 
Exemplo modelo de jogo
Exemplo modelo de jogoExemplo modelo de jogo
Exemplo modelo de jogo
Sérgio Santos
 
Periodização Táctica - Carlos Carvalhal
Periodização Táctica - Carlos CarvalhalPeriodização Táctica - Carlos Carvalhal
Periodização Táctica - Carlos Carvalhal
Fundação Real Madrid
 
Modelo de Jogo do Treinador Rui Quinta
Modelo de Jogo do Treinador Rui QuintaModelo de Jogo do Treinador Rui Quinta
Modelo de Jogo do Treinador Rui Quinta
Fundação Real Madrid
 
Esquema futebol Básico
Esquema futebol BásicoEsquema futebol Básico
Esquema futebol Básico
Pedro Martins
 
Modelo de Jogo - Lusitano FC 2011/2012
Modelo de Jogo - Lusitano FC 2011/2012Modelo de Jogo - Lusitano FC 2011/2012
Modelo de Jogo - Lusitano FC 2011/2012
Fundação Real Madrid
 

Mais procurados (20)

Sessões De Treino Do Ajax
Sessões  De Treino Do AjaxSessões  De Treino Do Ajax
Sessões De Treino Do Ajax
 
Modelo de jogo
Modelo de jogoModelo de jogo
Modelo de jogo
 
O Ensino do Futebol
O Ensino do FutebolO Ensino do Futebol
O Ensino do Futebol
 
treino
 treino treino
treino
 
João Aroso - Periodização do Treino no Futebol
João Aroso - Periodização do Treino no FutebolJoão Aroso - Periodização do Treino no Futebol
João Aroso - Periodização do Treino no Futebol
 
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de FutebolProgramação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
 
Observação e Análise de Jogo
Observação e Análise de JogoObservação e Análise de Jogo
Observação e Análise de Jogo
 
Sl Benfica modelo de jogo para a formação
Sl Benfica modelo de jogo para a formaçãoSl Benfica modelo de jogo para a formação
Sl Benfica modelo de jogo para a formação
 
Periodizacao tactica um modelo de treino jose gu ilherme oliveira
Periodizacao tactica um modelo de treino   jose gu ilherme oliveiraPeriodizacao tactica um modelo de treino   jose gu ilherme oliveira
Periodizacao tactica um modelo de treino jose gu ilherme oliveira
 
Futebol 7
Futebol 7Futebol 7
Futebol 7
 
Periodização Tática - Morfociclo padrão: pelas entranhas do processo
Periodização Tática - Morfociclo padrão: pelas entranhas do processoPeriodização Tática - Morfociclo padrão: pelas entranhas do processo
Periodização Tática - Morfociclo padrão: pelas entranhas do processo
 
Construção de um Estilo (Modelo) de Jogo
Construção de um Estilo (Modelo) de JogoConstrução de um Estilo (Modelo) de Jogo
Construção de um Estilo (Modelo) de Jogo
 
Modelo de Formação do "Pequeno" Jogador
Modelo de Formação do "Pequeno" JogadorModelo de Formação do "Pequeno" Jogador
Modelo de Formação do "Pequeno" Jogador
 
Microciclo Semanal
Microciclo SemanalMicrociclo Semanal
Microciclo Semanal
 
Aquecimento_padrão_Futebol_Formação
Aquecimento_padrão_Futebol_FormaçãoAquecimento_padrão_Futebol_Formação
Aquecimento_padrão_Futebol_Formação
 
Exemplo modelo de jogo
Exemplo modelo de jogoExemplo modelo de jogo
Exemplo modelo de jogo
 
Periodização Táctica - Carlos Carvalhal
Periodização Táctica - Carlos CarvalhalPeriodização Táctica - Carlos Carvalhal
Periodização Táctica - Carlos Carvalhal
 
Modelo de Jogo do Treinador Rui Quinta
Modelo de Jogo do Treinador Rui QuintaModelo de Jogo do Treinador Rui Quinta
Modelo de Jogo do Treinador Rui Quinta
 
Esquema futebol Básico
Esquema futebol BásicoEsquema futebol Básico
Esquema futebol Básico
 
Modelo de Jogo - Lusitano FC 2011/2012
Modelo de Jogo - Lusitano FC 2011/2012Modelo de Jogo - Lusitano FC 2011/2012
Modelo de Jogo - Lusitano FC 2011/2012
 

Semelhante a A Organização Dinâmica do Jogo de Futebol

A Construção de uma Dinâmica
A Construção de uma DinâmicaA Construção de uma Dinâmica
A Construção de uma Dinâmica
Fundação Real Madrid
 
Meios de ensino treino do jogo de futebol
Meios de ensino treino do jogo de futebolMeios de ensino treino do jogo de futebol
Meios de ensino treino do jogo de futebol
moko25
 
Implantação e Caraterização de um Modelo de Jogo
Implantação e Caraterização de um Modelo de JogoImplantação e Caraterização de um Modelo de Jogo
Implantação e Caraterização de um Modelo de Jogo
Fundação Real Madrid
 
Futebol 7
Futebol 7Futebol 7
Futebol 7
carlosmoreira
 
A mpb, um meio, não um fim joão carlos costa (fcp & fcdef-up) 2004
A mpb, um meio, não um fim   joão carlos costa (fcp & fcdef-up) 2004A mpb, um meio, não um fim   joão carlos costa (fcp & fcdef-up) 2004
A mpb, um meio, não um fim joão carlos costa (fcp & fcdef-up) 2004
João Carlos Costa
 
Jogo ofensivo
Jogo ofensivoJogo ofensivo
Jogo ofensivo
Fernando Farias
 
Thesis of Pedro Moutinho Vieira of Attack-Defense vs Youth-Senior in Professi...
Thesis of Pedro Moutinho Vieira of Attack-Defense vs Youth-Senior in Professi...Thesis of Pedro Moutinho Vieira of Attack-Defense vs Youth-Senior in Professi...
Thesis of Pedro Moutinho Vieira of Attack-Defense vs Youth-Senior in Professi...
Pedro Moutinho Vieira 🇵🇹
 
Thesis of Pedro Moutinho Vieira - Transition Attack- Defense vs Youth-Senior ...
Thesis of Pedro Moutinho Vieira - Transition Attack- Defense vs Youth-Senior ...Thesis of Pedro Moutinho Vieira - Transition Attack- Defense vs Youth-Senior ...
Thesis of Pedro Moutinho Vieira - Transition Attack- Defense vs Youth-Senior ...
Pedro Moutinho Vieira 🇵🇹
 
Futsal Sistema de jogo e noção de marcação
Futsal Sistema de jogo e noção de marcaçãoFutsal Sistema de jogo e noção de marcação
Futsal Sistema de jogo e noção de marcação
Ivo Volmir Ribas
 
Documento orientador slb hóquei em patins
Documento orientador   slb hóquei em patinsDocumento orientador   slb hóquei em patins
Documento orientador slb hóquei em patins
Luis Sénica
 
Projecto _os luvinhas
Projecto  _os luvinhasProjecto  _os luvinhas
Projecto _os luvinhas
Marco Pereira
 
Colocação de função táctica do guarda-redes (defesa do espaço)
Colocação de função táctica do guarda-redes (defesa do espaço)Colocação de função táctica do guarda-redes (defesa do espaço)
Colocação de função táctica do guarda-redes (defesa do espaço)
Pedro Ferrer
 
TÁTICA NO FUTEBOL (2).pptx fundamentos importantes técnicos da modalidade
TÁTICA NO FUTEBOL (2).pptx fundamentos importantes técnicos da modalidadeTÁTICA NO FUTEBOL (2).pptx fundamentos importantes técnicos da modalidade
TÁTICA NO FUTEBOL (2).pptx fundamentos importantes técnicos da modalidade
TavaresJana
 
Metodologia do Ensino de Futsal e futebol
Metodologia do Ensino de Futsal e futebolMetodologia do Ensino de Futsal e futebol
Metodologia do Ensino de Futsal e futebol
DaniloAlmeida442192
 
Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.
Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.
Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.
Pedro Ferrer
 
Pafd modulo futebol invariantes do jogo
Pafd   modulo futebol invariantes do jogoPafd   modulo futebol invariantes do jogo
Pafd modulo futebol invariantes do jogo
Vitor Henriques
 
O Jogo Coletivo e a Integração das Referências
O Jogo Coletivo e a Integração das ReferênciasO Jogo Coletivo e a Integração das Referências
O Jogo Coletivo e a Integração das Referências
Leandro Zago
 
Programação e Periodização do Treino em Futebol
Programação e Periodização do Treino em FutebolProgramação e Periodização do Treino em Futebol
Programação e Periodização do Treino em Futebol
Fundação Real Madrid
 
Trabalho de Treino das Capacidades Motora e Técnico Tácticas - Passe na manut...
Trabalho de Treino das Capacidades Motora e Técnico Tácticas - Passe na manut...Trabalho de Treino das Capacidades Motora e Técnico Tácticas - Passe na manut...
Trabalho de Treino das Capacidades Motora e Técnico Tácticas - Passe na manut...
Rui Horta
 
Blog 3º artigo - especificidade no treinamento -sistema - 1-4-4-2
Blog   3º artigo - especificidade no treinamento -sistema - 1-4-4-2Blog   3º artigo - especificidade no treinamento -sistema - 1-4-4-2
Blog 3º artigo - especificidade no treinamento -sistema - 1-4-4-2
Rafael Hackbarth
 

Semelhante a A Organização Dinâmica do Jogo de Futebol (20)

A Construção de uma Dinâmica
A Construção de uma DinâmicaA Construção de uma Dinâmica
A Construção de uma Dinâmica
 
Meios de ensino treino do jogo de futebol
Meios de ensino treino do jogo de futebolMeios de ensino treino do jogo de futebol
Meios de ensino treino do jogo de futebol
 
Implantação e Caraterização de um Modelo de Jogo
Implantação e Caraterização de um Modelo de JogoImplantação e Caraterização de um Modelo de Jogo
Implantação e Caraterização de um Modelo de Jogo
 
Futebol 7
Futebol 7Futebol 7
Futebol 7
 
A mpb, um meio, não um fim joão carlos costa (fcp & fcdef-up) 2004
A mpb, um meio, não um fim   joão carlos costa (fcp & fcdef-up) 2004A mpb, um meio, não um fim   joão carlos costa (fcp & fcdef-up) 2004
A mpb, um meio, não um fim joão carlos costa (fcp & fcdef-up) 2004
 
Jogo ofensivo
Jogo ofensivoJogo ofensivo
Jogo ofensivo
 
Thesis of Pedro Moutinho Vieira of Attack-Defense vs Youth-Senior in Professi...
Thesis of Pedro Moutinho Vieira of Attack-Defense vs Youth-Senior in Professi...Thesis of Pedro Moutinho Vieira of Attack-Defense vs Youth-Senior in Professi...
Thesis of Pedro Moutinho Vieira of Attack-Defense vs Youth-Senior in Professi...
 
Thesis of Pedro Moutinho Vieira - Transition Attack- Defense vs Youth-Senior ...
Thesis of Pedro Moutinho Vieira - Transition Attack- Defense vs Youth-Senior ...Thesis of Pedro Moutinho Vieira - Transition Attack- Defense vs Youth-Senior ...
Thesis of Pedro Moutinho Vieira - Transition Attack- Defense vs Youth-Senior ...
 
Futsal Sistema de jogo e noção de marcação
Futsal Sistema de jogo e noção de marcaçãoFutsal Sistema de jogo e noção de marcação
Futsal Sistema de jogo e noção de marcação
 
Documento orientador slb hóquei em patins
Documento orientador   slb hóquei em patinsDocumento orientador   slb hóquei em patins
Documento orientador slb hóquei em patins
 
Projecto _os luvinhas
Projecto  _os luvinhasProjecto  _os luvinhas
Projecto _os luvinhas
 
Colocação de função táctica do guarda-redes (defesa do espaço)
Colocação de função táctica do guarda-redes (defesa do espaço)Colocação de função táctica do guarda-redes (defesa do espaço)
Colocação de função táctica do guarda-redes (defesa do espaço)
 
TÁTICA NO FUTEBOL (2).pptx fundamentos importantes técnicos da modalidade
TÁTICA NO FUTEBOL (2).pptx fundamentos importantes técnicos da modalidadeTÁTICA NO FUTEBOL (2).pptx fundamentos importantes técnicos da modalidade
TÁTICA NO FUTEBOL (2).pptx fundamentos importantes técnicos da modalidade
 
Metodologia do Ensino de Futsal e futebol
Metodologia do Ensino de Futsal e futebolMetodologia do Ensino de Futsal e futebol
Metodologia do Ensino de Futsal e futebol
 
Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.
Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.
Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.
 
Pafd modulo futebol invariantes do jogo
Pafd   modulo futebol invariantes do jogoPafd   modulo futebol invariantes do jogo
Pafd modulo futebol invariantes do jogo
 
O Jogo Coletivo e a Integração das Referências
O Jogo Coletivo e a Integração das ReferênciasO Jogo Coletivo e a Integração das Referências
O Jogo Coletivo e a Integração das Referências
 
Programação e Periodização do Treino em Futebol
Programação e Periodização do Treino em FutebolProgramação e Periodização do Treino em Futebol
Programação e Periodização do Treino em Futebol
 
Trabalho de Treino das Capacidades Motora e Técnico Tácticas - Passe na manut...
Trabalho de Treino das Capacidades Motora e Técnico Tácticas - Passe na manut...Trabalho de Treino das Capacidades Motora e Técnico Tácticas - Passe na manut...
Trabalho de Treino das Capacidades Motora e Técnico Tácticas - Passe na manut...
 
Blog 3º artigo - especificidade no treinamento -sistema - 1-4-4-2
Blog   3º artigo - especificidade no treinamento -sistema - 1-4-4-2Blog   3º artigo - especificidade no treinamento -sistema - 1-4-4-2
Blog 3º artigo - especificidade no treinamento -sistema - 1-4-4-2
 

Mais de Fundação Real Madrid

O Guarda-Redes no Futebol - Sérgio Ferreira
O Guarda-Redes no Futebol - Sérgio FerreiraO Guarda-Redes no Futebol - Sérgio Ferreira
O Guarda-Redes no Futebol - Sérgio Ferreira
Fundação Real Madrid
 
Club Brugge - Youth Development
Club Brugge - Youth DevelopmentClub Brugge - Youth Development
Club Brugge - Youth Development
Fundação Real Madrid
 
"The Roadmap to International Success" - FFA National Curriculum 2013
"The Roadmap to International Success" - FFA National Curriculum 2013"The Roadmap to International Success" - FFA National Curriculum 2013
"The Roadmap to International Success" - FFA National Curriculum 2013
Fundação Real Madrid
 
Periodização - Prolongamento do estado de forma
Periodização - Prolongamento do estado de formaPeriodização - Prolongamento do estado de forma
Periodização - Prolongamento do estado de forma
Fundação Real Madrid
 
Football Conditioning - FFA
Football Conditioning - FFAFootball Conditioning - FFA
Football Conditioning - FFA
Fundação Real Madrid
 
Periodização Tática x Periodização Convencional
Periodização Tática x Periodização ConvencionalPeriodização Tática x Periodização Convencional
Periodização Tática x Periodização Convencional
Fundação Real Madrid
 
New Zealand FA Development Framework
New Zealand FA Development FrameworkNew Zealand FA Development Framework
New Zealand FA Development Framework
Fundação Real Madrid
 
Technical Report and Statistics - FIFA World Cup Brazil 2014
Technical Report and Statistics - FIFA World Cup Brazil 2014Technical Report and Statistics - FIFA World Cup Brazil 2014
Technical Report and Statistics - FIFA World Cup Brazil 2014
Fundação Real Madrid
 
Periodização Tática - Pressupostos e Fundamentos (2014)
Periodização Tática - Pressupostos e Fundamentos (2014)Periodização Tática - Pressupostos e Fundamentos (2014)
Periodização Tática - Pressupostos e Fundamentos (2014)
Fundação Real Madrid
 
FUNino: Horst Wein
FUNino: Horst WeinFUNino: Horst Wein
FUNino: Horst Wein
Fundação Real Madrid
 
Reunião de Preparação para o Jogo
Reunião de Preparação para o JogoReunião de Preparação para o Jogo
Reunião de Preparação para o Jogo
Fundação Real Madrid
 
The FA: Tesco Skills 5-11's
The FA:  Tesco Skills 5-11'sThe FA:  Tesco Skills 5-11's
The FA: Tesco Skills 5-11's
Fundação Real Madrid
 
LIVERPOOL FC - Training Drills
LIVERPOOL FC - Training DrillsLIVERPOOL FC - Training Drills
LIVERPOOL FC - Training Drills
Fundação Real Madrid
 
TACTICAL PERIODIZATION - Mourinho's Secret
TACTICAL PERIODIZATION - Mourinho's SecretTACTICAL PERIODIZATION - Mourinho's Secret
TACTICAL PERIODIZATION - Mourinho's Secret
Fundação Real Madrid
 
German Football Association - Talent Development
German Football Association - Talent DevelopmentGerman Football Association - Talent Development
German Football Association - Talent Development
Fundação Real Madrid
 
DFB - Youth Development Programme
DFB - Youth Development Programme DFB - Youth Development Programme
DFB - Youth Development Programme
Fundação Real Madrid
 
Belgium Youth Development
Belgium Youth DevelopmentBelgium Youth Development
Belgium Youth Development
Fundação Real Madrid
 
Pep Guardiola - Sesiones de Entrenamiento
Pep Guardiola - Sesiones de EntrenamientoPep Guardiola - Sesiones de Entrenamiento
Pep Guardiola - Sesiones de Entrenamiento
Fundação Real Madrid
 
AC Milan Methodology
AC Milan MethodologyAC Milan Methodology
AC Milan Methodology
Fundação Real Madrid
 
Liverpool FC - Coaching Manual
Liverpool FC - Coaching ManualLiverpool FC - Coaching Manual
Liverpool FC - Coaching Manual
Fundação Real Madrid
 

Mais de Fundação Real Madrid (20)

O Guarda-Redes no Futebol - Sérgio Ferreira
O Guarda-Redes no Futebol - Sérgio FerreiraO Guarda-Redes no Futebol - Sérgio Ferreira
O Guarda-Redes no Futebol - Sérgio Ferreira
 
Club Brugge - Youth Development
Club Brugge - Youth DevelopmentClub Brugge - Youth Development
Club Brugge - Youth Development
 
"The Roadmap to International Success" - FFA National Curriculum 2013
"The Roadmap to International Success" - FFA National Curriculum 2013"The Roadmap to International Success" - FFA National Curriculum 2013
"The Roadmap to International Success" - FFA National Curriculum 2013
 
Periodização - Prolongamento do estado de forma
Periodização - Prolongamento do estado de formaPeriodização - Prolongamento do estado de forma
Periodização - Prolongamento do estado de forma
 
Football Conditioning - FFA
Football Conditioning - FFAFootball Conditioning - FFA
Football Conditioning - FFA
 
Periodização Tática x Periodização Convencional
Periodização Tática x Periodização ConvencionalPeriodização Tática x Periodização Convencional
Periodização Tática x Periodização Convencional
 
New Zealand FA Development Framework
New Zealand FA Development FrameworkNew Zealand FA Development Framework
New Zealand FA Development Framework
 
Technical Report and Statistics - FIFA World Cup Brazil 2014
Technical Report and Statistics - FIFA World Cup Brazil 2014Technical Report and Statistics - FIFA World Cup Brazil 2014
Technical Report and Statistics - FIFA World Cup Brazil 2014
 
Periodização Tática - Pressupostos e Fundamentos (2014)
Periodização Tática - Pressupostos e Fundamentos (2014)Periodização Tática - Pressupostos e Fundamentos (2014)
Periodização Tática - Pressupostos e Fundamentos (2014)
 
FUNino: Horst Wein
FUNino: Horst WeinFUNino: Horst Wein
FUNino: Horst Wein
 
Reunião de Preparação para o Jogo
Reunião de Preparação para o JogoReunião de Preparação para o Jogo
Reunião de Preparação para o Jogo
 
The FA: Tesco Skills 5-11's
The FA:  Tesco Skills 5-11'sThe FA:  Tesco Skills 5-11's
The FA: Tesco Skills 5-11's
 
LIVERPOOL FC - Training Drills
LIVERPOOL FC - Training DrillsLIVERPOOL FC - Training Drills
LIVERPOOL FC - Training Drills
 
TACTICAL PERIODIZATION - Mourinho's Secret
TACTICAL PERIODIZATION - Mourinho's SecretTACTICAL PERIODIZATION - Mourinho's Secret
TACTICAL PERIODIZATION - Mourinho's Secret
 
German Football Association - Talent Development
German Football Association - Talent DevelopmentGerman Football Association - Talent Development
German Football Association - Talent Development
 
DFB - Youth Development Programme
DFB - Youth Development Programme DFB - Youth Development Programme
DFB - Youth Development Programme
 
Belgium Youth Development
Belgium Youth DevelopmentBelgium Youth Development
Belgium Youth Development
 
Pep Guardiola - Sesiones de Entrenamiento
Pep Guardiola - Sesiones de EntrenamientoPep Guardiola - Sesiones de Entrenamiento
Pep Guardiola - Sesiones de Entrenamiento
 
AC Milan Methodology
AC Milan MethodologyAC Milan Methodology
AC Milan Methodology
 
Liverpool FC - Coaching Manual
Liverpool FC - Coaching ManualLiverpool FC - Coaching Manual
Liverpool FC - Coaching Manual
 

A Organização Dinâmica do Jogo de Futebol

  • 1. A Organização Dinâmica do Jogo de Futebol Curso de Treinadores de Futebol Técnico-Táctica – Miguel Cardoso UEFA B – Maio 2010
  • 2. JOGO JOGADORES Acção Conjugada Individual Missões Tácticas Individuais Cooperação simultânea ou sequencial Lógica de dimensão… - Sectorial - Intersectorial A Organização Dinâmica do Jogo Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 3. Lógica de dimensão… Sectorial Sectorial e Intersectorial Agrupam-se um pequeno número de jogadores, os quais têm a tarefas básicas idênticas, assegurando, em última análise, a estabilização e o reforçamento das suas atitudes e comportamentos táctico-técnicos individuais e, a sua sincronização com os outros colegas do mesmo sector. Intersectorial Articulação dos diferentes sectores da equipa (defensivo, médio e ofensivo) nos quais se procura evitar que cada sector se concentre somente nas suas tarefas tácticas e, simultaneamente, percam a noção da funcionalidade geral da equipa. Quanto maior for a desarticulação intersectorial maior a permeabilidade da equipa às acções dos adversários! A Organização Dinâmica do Jogo Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 4. Divisão de funções tácticas específicas para cada jogador Jogo - Treino Reagrupamento das acções individuais em sectores de jogo Em função de um MODELO DE JOGO… Dos objectivos estratégicos do jogo… Dos contextos situacionais momentâneos deste… Os jogadores possam assumir comportamentos táctico-técnicos de segurança, de equilíbrio entre risco e a segurança e de risco!!! A Organização Dinâmica do Jogo Sincronização das acções individuais numa dimensão colectiva
  • 5. O que se pretende com este “Sistema Metodológico”? Concretização de formas superiores de coordenação Articulação sectorial e intersectorial Movimentação coerente e global da equipa Sincronização temporal dos comportamentos dos jogadores Criação constante de um amplo leque opcional Cada comportamento individual tenha sentido colectivo Afinação dos tempos de resolução mental e de execução motora Rentabilização dos esforços de carácter físico A Organização Dinâmica do Jogo Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 6. Métodos de Jogo A sua natureza deriva de várias premissas… Coordenação unitária dos jogadores que constituem a equipa - Conjugação de esforços dos vários elementos da equipa com o intuito de responder colectiva e eficazmente a todas as contextualidades situacionais que o jogo de futebol em si encerra… Divisão de tarefas e funções tácticas – Estas devem ser compreendidas e assimiladas por todos, isto é, que cada um entenda as suas e as dos seus companheiros. Unidade de compreensão, da atitude e da acção – Necessidade de cada jogador sincronizar os seus comportamentos, em função da resolução das situações de jogo, estando simultaneamente consciente das suas acções e das dos seus companheiros, por forma, que cada comportamento tenha uma intenção, um ritmo, um tempo e uma eficácia na resolução. resolução. Estabelecimento de princípios directores e orientadores – A forma geral de organização do ataque e da defesa dentro do Modelo de Jogo da equipa, desenvolve mecanismos directores e orientadores de participação, entreajuda, equilíbrio, simplificação, racionalização. A Organização Dinâmica do Jogo Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 7. Métodos de Jogo Cada equipa ao aplicar um determinado método de jogo expressa um tempo e um ritmo que determinam diversos aspectos: A variação sequencial da velocidade de execução dos procedimentos táctico-técnicos individuais e colectivos quer do âmbito ofensivo como defensivo. O conhecimento dos espaços de jogo, onde e como os aplicar de forma metódica e sistemática, com vista a assegurar o sucesso de cada iniciativa. O uso do factor surpresa por forma a tirar vantagens, que derivam dos desequilíbrios pontuais e temporários da organização ofensiva ou defensiva da equipa adversária. A conduzir a equipa adversária a entrar em crise de raciocínio táctico, o que determinará uma análise, uma tomada de decisão e um comportamento incorrectos para a resolução das diferentes situações de jogo. A jogar convenientemente com os diferentes graus de segurança e de risco, na resolução das situações de jogo. Criando de forma constante e consistente alterações estruturais na organização da equipa adversária. O impor variabilidade nas situações de jogo para que a equipa adversária responda estratégica, táctica e tecnicamente de modo desfasado em função dos momentos mais propícios para a sua aplicação.
  • 8. Métodos de Jogo Contra-ataque Ataque rápido Ataque posicional MJO compostos Métodos de Jogo Defensivo Visam uma coordenação eficaz das acções dos jogadores que constituem a equipa, por forma a criar as condições mais favoráveis para concretizar os objectivos da defesa, isto é, a recuperação da posse da bola e a protecção da baliza. Métodos de Jogo Ofensivo Visam uma coordenação eficaz das acções dos jogadores que constituem a equipa, por forma a criar as situações mais favoráveis para concretizar os objectivos do ataque da equipa em consonância com os objectivos do jogo – o golo. Defesa Individual Defesa Zona Defesa mista Defesa zona pressionante A Organização Dinâmica do Jogo Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 9. Processo Ofensivo CONCEITO O processo ofensivo representa uma das duas fases fundamentais do jogo de futebol, sendo objectivamente determinado, pela equipa que se encontra de posse de bola, com vista à obtenção do golo, sem cometer infracções às leis do jogo. Quando determinada equipa está de posse de bola, para além de poder concretizar o objectivo o golo, poderá: 1. Controlar o ritmo específico do jogo. 2. Criar condições por forma a surpreender os adversários. 3. Obrigar os adversários a passarem por longos períodos sem a posse da bola. 4. Concretizar a recuperação física de companheiros. A Organização Dinâmica do Jogo
  • 10. Processo Ofensivo OBJECTIVOS A posse da bola não é um fim em si e torna-se utópica, se não for conscientemente considerada como o primeiro passo indispensável no processo ofensivo, sendo condição "sine qua non" para a concretização dos seus objectivos fundamentais. fundamentais Progressão/finalização - Após a recuperação da posse da bola, o objectivo fundamental da equipa é o de progredir em direcção à baliza adversária, de uma forma rápida e eficaz, evitando-se ao máximo a interrupção deste processo. Contínua instabilidade da equipa adversária Orientação das acções técnico-tácticas específicas do jogo numa direcção definida Criação de condições para a obtenção do golo A Organização Dinâmica do Jogo Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 11. Processo Ofensivo Manutenção da posse da bola - A concretização deste objectivo significa evitar o risco irracional presente em alguns jogadores, que em diferentes circunstâncias do jogo perdem, de forma extemporânea, a posse da bola pondo assim em causa todo um esforço colectivo, que determinou a sua recuperação. A maximização deste objectivo pressupõe a/o: Resolver os diferentes contextos situacionais, avaliando-os em função do binómio risco/segurança Quebrar o ritmo do jogo adversário Manter a iniciativa do jogo A Organização Dinâmica do Jogo Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 12. Processo Ofensivo ETAPAS CONSTRUÇÃO DO PROCESSO OFENSIVO Procura assegurar o deslocamento da bola da zona de recuperação para as áreas vitais do terreno de jogo. CARACTERÍSTICAS ESSENCIAIS 1. É a fase do ataque mais fácil e frequentemente observável despendendo-se igualmente maior tempo para a sua concretização. 2. Consta de circulações, combinações e acções tácticas individuais e colectivas visando a progressão da bola para as zonas propícias à finalização. 3. A circulação da bola pelos vários jogadores é realizada de uma forma contínua, fluente e eficaz, evitando-se ao máximo a sua interrupção. 4. Procura-se criar de forma continua ou pontual situações de instabilidade na organização defensiva adversária. A Organização Dinâmica do Jogo Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 13. CRIAÇÃO DE SITUAÇÕES DE FINALIZAÇÃO CARACTERÍSTICAS ESSENCIAIS É a etapa que visa fundamentalmente assegurar nas zonas predominantes de finalização os pressupostos mais vantajosos para a concretização imediata do objectivo do jogo. 1. É nesta etapa do ataque que culminam as combinações "mais ricas" do ponto de vista táctico, pois, só assim é possível provocar as roturas necessárias à implementação da fase de finalização. 2. Esta etapa concentra-se num espaço de jogo onde afluem um grande número de jogadores requerendo por parte dos atacantes um maior risco e uma maior eficácia na execução das acções técnico-tácticas 3. É fundamental que se observem acções que exprimam uma grande mobilidade por forma a criar, explorar e a ocupar espaços vitais de jogo. 4. É nesta etapa do processo ofensivo que se procura e se provoca situações de jogo que levem os defesas a errar e a cometer infracções. A Organização Dinâmica do Jogo
  • 14. FINALIZAÇÃO Esta fase do processo ofensivo é objectivada pela acção técnicotáctica individual (remate) que culmina todo o trabalho da equipa com vista à obtenção do golo. CARACTERÍSTICAS ESSENCIAIS 1. Desenrola-se numa zona restrita do terreno de jogo, onde a pressão dos adversários é elevada e o espaço de realização é diminuta. 2. As condições de execução técnico-táctica exigem uma precisão e um ritmo elevados, em que a espontaneidade, a determinação e a criatividade são as componentes mais evidentes desta etapa do ataque. 3. A responsabilidade do jogador que objectiva esta fase do jogo, reside no facto de ter de valorizar individualmente aquilo que foi construído através do esforço colectivo. A Organização Dinâmica do Jogo Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 15. Métodos do Jogo Ofensivo 4 CONTRACONTRA-ATAQUE CARACTERÍSTICAS ESSENCIAIS 1. Rápida transição das atitudes e comportamentos técnico-tácticos individuais e colectivos, da fase defensiva para a fase ofensiva do jogo, logo após a recuperação da posse da bola. 2. Elevada velocidade de transição da zona do campo onde se efectuou a recuperação da posse da bola, às zonas predominantes de finalização. 3. Máxima (a mais elevada) cadência-ritmo de circulação da bola e dos jogadores. 4. Simplicidade do processo ofensivo, implicando um reduzido número de jogadores que intervêm directamente sobre a bola, executando comportamentos técnico-tácticos fundamentalmente pelo lado do risco 5. Execução de respostas técnico-tácticas em condições favoráveis em termos de tempo e espaço, cuja direcção tem como alvo a baliza adversária. 6. Impedir a equipa adversária, devido à velocidade deste método ofensivo, em dispôr do tempo necessário para poder evoluir para uma organização mais estável e coesa do seu método defensivo. A Organização Dinâmica do Jogo 1 3 2
  • 16. 7. Obriga a aplicação de métodos defensivos, em que os jogadores se posicionam e se concentram muito perto da sua grande área. Este facto provoca na equipa adversária, quando em processo ofensivo, uma falsa sensação de domínio de jogo levando os jogadores, a "subir" no terreno para colmatar o desequilíbrio existente e a recrutar um maior número de jogadores para cumprirem o objectivo do ataque. Em consequência desta acção, criam-se grandes espaços de jogo, entre a última linha defensiva e a baliza, espaços esses que poderão ser utilizados para a aplicação eficaz do CONTRA-ATAQUE. ASPECTOS FAVORÁVEIS 1. Cria sucessivamente condições de instabilidade do processo defensivo adversário, devido à rápida transição de atitudes e comportamentos da fase defensiva para a fase ofensiva e à elevada velocidade de transição da zona de recuperação da posse da bola para as zonas predominantes de finalização. 2. Transmite à equipa adversária, quando eficazmente utilizado, um elevado nível de insegurança. Assim, decorrido algum tempo observa-se, que um só atacante "prende" a atenção de dois ou mais adversários 3. Provoca um elevado desgaste técnico-táctico, físico e principalmente psicológico aos adversários, cuja função táctica é marcar os atacantes que relançam e suportam fundamentalmente este método ofensivo 4. Aumenta as dificuldades de marcação dos atacantes, pois a maioria dos deslocamentos neste método ofensivo, executam-se de trás para a frente da linha da bola, o que torna as situações mais delicadas em termos defensivos A Organização Dinâmica do Jogo Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 17. ASPECTOS FAVORÁVEIS (cont.) 5. Eleva a capacidade de iniciativa, improvisação e criatividade dos jogadores, que devido à sua grande liberdade de acção podem valorizar e explorar amplamente as suas capacidades individuais. 6. Usufrui de condições favoráveis em termos de espaço. A criação e utilização eficaz destes espaços leva a uma constante modificação do ângulo de ataque, consequentemente provoca uma constante instabilidade da organização da defesa adversária, sempre que este conceito táctico se verifica. 7. Dificulta ou mesmo impossibilita a equipa adversária a contra-atacar ou atacar rapidamente, logo após a recuperação da posse da bola, visto haver um grande número de jogadores atrás da linha da bola, mantendo um rígido e eficaz equilíbrio defensivo. A Organização Dinâmica do Jogo Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 18. ASPECTOS DESFAVORÁVEIS 1. Possibilidade de se observar constantes e rápidas perdas da posse da bola, devido à elevada velocidade de execução técnico-táctica, assim uma falha individual pode comprometer de imediato a continuidade do processo ofensivo e criar situações difíceis de resolução. 2. Elevado carácter individualizado das acções, pois em que quase todas as situações de jogo, os jogadores encontram-se em igualdade ou inferioridade numérica. 3. Diminui a coesão e aumenta a permeabilidade da organização ofensiva, devido a não haver uma mútua cobertura nas situações de jogo. 4. Contribui para um rápido desgaste físico dos jogadores sobre quem recaem fundamentalmente a construção do ataque da equipa 5. Necessidade de se utilizar métodos defensivos em que se verifica uma grande concentração de jogadores perto da sua própria baliza, o que: (i) determina uma maior perigosidade na recuperação da posse da bola e, (ii) quando a equipa sai para o contra-ataque diminui-se a coesão e homogeneidade da equipa. 6. Impõe um elevado espírito de sacrifício e paciência, pois sem estes atributos, dificilmente haverá efectividade deste método ofensivo A Organização Dinâmica do Jogo Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 19. QUESTÕES DE OPERACIONALIZAÇÃO 1. Preparar a equipa para preparar e conduzir o processo defensivo no sentido da recuperação da bola ser feito nas zonas do campo pretendidas. 2. Definição clara do espaço ocupado pelo bloco-equipa – Onde defendemos? 3. Fazer a equipa perceber as zonas e os momentos onde e em que deverá intensificar a pressão face ao eventual maior interesse de “roubar a bola”. 4. Fazer perceber a necessidade de aproveitar eventuais vantagens de espaço, número de jogadores e tempo (per si ou em simultâneo). 5. Perceber que o contra-ataque pode ser “planeado” (quando segue um conjunto de movimentações estabelecidas por rotinas ofensivas) ou “livre” (quando acontece no aproveitamento das condições dadas circunstancialmente pelo adversário). 6. Salientar que a execução de um contra-ataque não implica desorganização da equipa que o realiza ou incapacidade estrutural de fazer face equilibradamente à perda da bola. 7. Preparar a equipa psicologicamente para a utilização deste MJO… 8. Perceber que há jogadores mais “habilitados” para a utilização deste MJO… EXERCÍCIOS DE TREINO DO CONTRA-ATAQUE A Organização Dinâmica do Jogo Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 20. Métodos do Jogo Ofensivo ATAQUE RÁPIDO As características fundamentais do ataque rápido são as mesmas que foram referidas para o contra-ataque. A diferença estabelece-se fundamentalmente no facto do contra-ataque procurar assegurar as condições mais favoráveis para preparar a fase de finalização, antes da defesa contrária se organizar de forma efectiva. O ataque rápido, terá de preparar a fase de finalização já com a equipa adversária organizada eficientemente no seu método defensivo. Observa-se os mesmos pressupostos referidos para o contra-ataque, especialmente no que diz respeito, à rápida transição da zona de recuperação da posse da bola para as zonas predominantes de finalização, com uma preparação mais demorada e laboriosa da etapa de criação e da finalização. As vantagens e as desvantagens deste método ofensivo, são fundamentalmente as mesmas que foram referidas para o contra-ataque. A Organização Dinâmica do Jogo Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 21. Métodos do Jogo Ofensivo 5 6 8 ATAQUE POSICIONAL 4 7 1 3 2 CARACTERÍSTICAS ESSENCIAIS 1. Eleva-se o tempo de elaboração da fase de construção do processo ofensivo, em que a maior ou menor velocidade de transição da zona de recuperação da posse da bola às zonas predominantes de finalização, é sempre consequência do nível de organização da equipa em processo ofensivo e da equipa em processo defensivo. 2. Pressupõe-se a utilização de um grande número de jogadores e de acções técnicotácticas para concretizar os objectivos do ataque. Neste sentido, a equipa joga constantemente numa organização que evidencia um bloco homogéneo e compacto, devido a permanentes acções de cobertura ofensiva, especialmente, aos jogadores que intervêm directamente sobre a bola. 3. Impõe-se que as atitudes e os comportamentos individuais e colectivos dos jogadores nas situações momentâneas de jogo, são resolvidas pelo lado do seguro, fundamentalmente na de construção do processo ofensivo. Sendo preferível acções "a mais", ou seja, que não resolvam eficazmente a situação de jogo, do que acções que possam provocar a perda da bola extemporaneamente. A Organização Dinâmica do Jogo
  • 22. CARACTERÍSTICAS ESSENCIAIS (CONT.) 4. Criam-se constantemente as condições mais favoráveis, em termos de tempo, de espaço e número, para uma simples, eficaz e segura resposta táctica em função das situações de jogo. 5. Estabelece-se constantemente um equilíbrio dinâmico da organização do método ofensivo, devido à utilização de acções técnico-tácticas de compensação e permutação, na procura permanente de uma ocupação racional do espaço de jogo. 6. Possibilita-se a aplicação de métodos defensivo pressionantes que evidenciam a preocupação da recuperação da posse da bola em zonas longe da sua própria baliza ASPECTOS FAVORÁVEIS 1. Possibilita que a organização ofensiva reflicta continuamente um bloco homogéneo e compacto. 2. Diminui a possibilidade de se perder a posse da bola de uma forma extemporânea, ao se optar por soluções tácticas pelo lado do seguro. 3. Estabelece que as falhas individuais possam ser prontamente corrigidas pelos companheiros, devido à contínua execução de acções de cobertura ofensiva, construindo-se assim, um elevado grau de solidariedade. A Organização Dinâmica do Jogo
  • 23. ASPECTOS FAVORÁVEIS (CONT.) 4. Proporciona uma melhor divisão dos esforços produzidos pela equipa, não existindo a sobrecarga de uns jogadores em detrimento de outros. 5. Permite muitas situações de superioridade numérica no centro do jogo ofensivo, devido ao deslocamento de um ou mais jogadores para um certo espaço vital de jogo. 6. Pode determinar, devido ao tempo que normalmente este método ofensivo dura, que os adversários entrem em crise de raciocínio táctico. ASPECTOS DESFAVORÁVEIS 1. Possibilita, devido ao tempo necessário para a elaboração da fase de construção do ataque, que a equipa adversária pode estabelecer uma organização defensiva consistente 2. Implica por parte dos jogadores atacantes uma percepção e leitura constantes das situações de jogo e a antecipar as acções técnico-tácticas dos defesas. 3. Requer a execução constante de acções que visam o reequilíbrio da organização da equipa (compensações-permutações) A Organização Dinâmica do Jogo
  • 24. ASPECTOS DESFAVORÁVEIS 4. Perspectiva a resolução táctica das situações de jogo pelo lado da segurança. Em alguns casos, perde-se a possibilidade de se aproveitar uma excelente situação de jogo para isolar um companheiro e resolver rapidamente a acção ofensiva. 5. Estabelece a possibilidade, devido ao processo ofensivo desenrolar-se frequentemente em espaços reduzidos, que a equipa adversária se concentre nesses espaços facilitando as acções de marcação 6. Diminui a eficácia do método defensivo, se não se corrigir rapidamente os possíveis desequilíbrios na organização da equipa, logo após a perda da posse da bola. QUESTÕES DE OPERACIONALIZAÇÃO 1. Necessidade clara de solicitação permanente de pressupostos de cultura táctica – necessidade de os criar! 2. Que tipo de jogadores para este método de jogo? Nas diferentes posições e em cada uma delas em particular? 3. Que tipo de Transição Defensiva poderá ser feita face ao posicionamento da equipa? A Organização Dinâmica do Jogo
  • 25. QUESTÕES DE OPERACIONALIZAÇÃO 4. Definição clara do espaço ocupado pelo bloco-equipa – Onde defendemos? 5. Fazer perceber a necessidade de criar permanentes equilíbrios face ao grande número de jogadores envolvidos na preparação do ataque e na criação das situações de finalização. 6. Necessidade de criar uma identidade em termos de entendimento e operacionalização do ataquer rápido que crie uma base de soluções, aberta à integração de “soluções de contingência”. 7. Preparar a equipa psicologicamente para a utilização deste MJO… 8. Que tipo de finalizações serão mais frequentes? 9. … EXERCÍCIOS DE TREINO DO ATAQUE POSICIONAL A Organização Dinâmica do Jogo
  • 26. QUE CONCEPÇÕES DE JOGO ESTÃO SUBJACENTES À UTILIZAÇÃO DOS DIFERENTES MÉTODOS DE JOGO OFENSIVO? CONTRA-ATAQUE E ATAQUE RÁPIDO Filosofia de jogo directo que é caracterizada pela orientação sistemática dos comportamentos técnico-tácticos em direcção à baliza contrária e pela transposição rápida do centro do jogo para as zonas predominantes de finalização. Esta concepção de jogo exprime uma atitude positiva – isto é, “jogar para ganhar”. É condicionada pela intenção de marcar golos e não pelo medo de perder a posse da bola. Dados recolhidos através da observação de jogos de nível internacional (Hughes, 1990; Castelo, 1994) permitem constatar que 7 em cada 8 golos (87%) resultam de processos ofensivos muito breves (com 5 ou menos passes). Esta constatação leva-nos a uma conclusão muito simples e muito lógica: “no futebol existe uma fórmula ganhadora assente no jogo directo”. Se queremos ganhar os jogos devemos jogar, sempre que possível, em direcção à baliza adversária tentando construir as situações de finalização com o máximo de 5 passes (Hughes, 1990). A Organização Dinâmica do Jogo Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 27. ATAQUE POSICIONAL Filosofia de jogo indirecto, “apoiado”, de posse da bola, caracterizada pela preponderância da fase de construção do processo ofensivo através de uma laboriosa e metódica progressão da bola em direcção à baliza adversária. Muitas equipas de nível internacional utilizam, como estratégia ofensiva predominante, o ataque indirecto, o ataque posicional. Os seus jogadores, laboriosa, segura e pacientemente, procuram conduzir o centro do jogo para a zona de finalização para, uma vez aí, tentarem construir as situações de finalização. Esta concepção de jogo, quando aplicada de forma sistemática e exclusiva, pode exprimir uma atitude negativa e que é a seguinte: “jogar para não perder – enquanto tivermos a posse da bola, a equipa adversária não pode fazer golo” (Hughes, 1990). Mas como é que tudo isto funciona na prática??? A Organização Dinâmica do Jogo Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 28. Na prática, constata-se que um grande número de processos ofensivos apresentam características de dois ou mais métodos… E se após a recuperação da bola na sua zona defensiva, uma determinada equipa passa, de forma muito simples e muito rápida, para a zona de finalização (contra-ataque) para, uma vez aí e devido à capacidade de organização defensiva evidenciada pela equipa adversária, ter que temporizar e reorganizar as suas acções ofensivas de forma mais elaborada, mais lenta e mais segura (características do ataque posicional)?! Mas o contrário também pode ser observado… A equipa, após a recuperação da bola, começa por executar, com lentidão e segurança, um conjunto de acções individuais e colectivas para, de repente, aumentar o ritmo e a velocidade de execução dos comportamentos técnico-tácticos procurando atingir as zonas predominantes de finalização o mais rapidamente possível (ataque rápido ou contra-ataque). A Organização Dinâmica do Jogo Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 29. Métodos de Jogo Ofensivo Neste contexto, além dos métodos de jogo ofensivo de base, podemos considerar a existência de métodos de jogo ofensivo compostos… Contra-ataque passando a ataque posicional Métodos de Jogo Ofensivo Ataque rápido passando a ataque posicional Ataque posicional passando a ataque rápido A Organização Dinâmica do Jogo Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 30. A Organização Dinâmica do Jogo Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 31. PROCESSO OFENSIVO ASPECTOS FUNDAMENTAIS Criar um sentido e mentalidade colectiva - A funcionalidade de uma equipa de futebol passa inabalavelmente pela interligação e o ajustamento dos comportamentos simultâneos dos jogadores em função das contigências e do desenvolvimento contextual das situações de jogo. Existência de uma compreensão elementar de base - Se um jogador deixa a sua posição e funções específicas de base num determinado momento da partida, para ocupar a posição e as funções específicas de um outro companheiro, deverá este último, o mais rapidamente possível voltar, não à sua posição e funções de base, mas antes ocupar o lugar deixado livre pelo companheiro que o ajudou. Mudam assim momentâneamente de posição e funções específicas, mas nunca de responsabilidades, organização e solidariedade. Criar condições para que cada jogador possa optar por uma entre diferentes respostas tácticas possíveis - A resolução de cada situação de jogo deverá resultar da mútua responsabilidade de todos os jogadores da equipa, dando a todos eles a possibilidade de decidirem e executarem entre várias opções a resposta táctica a que lhes parecem ser a mais adaptada e ajustada relativamente à situação. A Organização Dinâmica do Jogo
  • 32. Processo Defensivo CONCEITO O processo defensivo representa uma das duas fase fundamentais do jogo de futebol, na qual uma equipa luta para entrar na posse da bola, com vista à realização de acções ofensivas, sem cometer infracções e sem permitir que a equipa adversária obtenha golo. A fase defensiva consubstancia-se na base de acções de marcação, que em última análise, traduzem a presença física do defesa sobre o atacante, visando a tomada de todas as disposições para os neutralizar, em qualquer momento do jogo, empregando os meios lícitos à sua disposição (incluindo naturalmente o contacto físico). A Organização Dinâmica do Jogo Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 33. Processo Defensivo OBJECTIVOS O objectivo básico da defesa é de restringir o tempo e o espaço disponível dos atacantes, mantendo-os sob pressão e negando-lhes a possibilidade de poder progredir no terreno de jogo. Recuperação da posse da bola Uma atitude fundamental - Não sendo possível atacar a baliza adversária, uma vez que a equipa não se encontra de posse de bola, dever-se-á "atacar a bola" de modo a recuperá-la ou a retardar o processo ofensivo adversário. Comportamentos técnico-tácticos - Caracterizados pela procura de desapossar, o mais rapidamente possível, os adversários da bola. A Organização Dinâmica do Jogo Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 34. Processo Defensivo Defesa da Baliza - A impossibilidade de recuperar de imediato a posse da bola ou de estancar (parar) a progressão do processo ofensivo adversário, deriva de um de dois factores: À capacidade da equipa em processo ofensivo ultrapassar os diferentes e variados problemas (obstáculos) que lhe vão sendo sucessivamente colocados. À incapacidade organizativa momentânea da equipa em fase defensiva, fazer face aos diferentes e variados problemas postos pelas situações de jogo criados pelo processo ofensivo. A surpresa criada pelas acções ofensivas e o risco delas poderem terminar na Maior simplicidade das acções técnico-tácticas sem bola. concretização de golos, reflectem a desvantagem do Grande número de processos que permitem a processo defensivo. recuperação da posse da bola. VANTAGENS E DESVANTAGENS Colocação concentrada dos jogadores num certo espaço de jogo, estabelecendo uma melhor entreajuda dos jogadores. A Organização Dinâmica do Jogo
  • 35. Processo Defensivo ETAPAS EQUILÍBRIO DEFENSIVO (2 momentos) 1. No desenrolar do processo ofensivo da própria equipa Através de medidas preventivas asseguradas por um ou mais jogadores, que se colocam e agem na retaguarda dos adversários (em fase defensiva) que não estão directamente implicados nas acções que determinam a possibilidade de finalização. 2. Após a perda da posse da bola - Através da rápida reacção de todos os jogadores da equipa que se deslocam: (1) em direcção à bola e ao atacante que a possui, (2) em direcção aos espaços vitais de jogo e, (3) aos adversários que possam dar de imediato uma continuidade efectiva do processo ofensivo da sua equipa. OBJECTIVOS 1. Entrar de novo na sua posse por forma a reorganizar o ataque. 2. Impedir o relançamento do processo ofensivo adversário e, em especial, que este renuncie ao contra-ataque/ataque rápido. 3. Ganhar o tempo suficiente para que todos os jogadores se possam enquadrar no dispositivo defensivo da equipa. A Organização Dinâmica do Jogo
  • 36. RECUPERAÇÃO DEFENSIVA ACÇÕES FUNDAMENTAIS Começa nos momentos logo após a impossibilidade de recuperar imediatamente a posse da bola ou de evitar a progressão do ataque do adversário na sua fase inicial, através das acções que consubstanciam a fase de equilíbrio defensivo e dura até à ocupação do dispositivo defensivo previamente preconizado pela equipa. 1. Marcar espaços e atacantes durante o deslocamento dos defesas em recuperação defensiva. 2. Interpôr-se rapidamente entre o atacante e a própria baliza. 3. Obstaculizar constantemente a acção dos atacantes. 4. Entreajuda estabelecida e coordenada pelos vários defesas. DEFESA PROPRIAMENTE DITA Esta constitui-se como a fase principal da defesa. Pressupõe a ocupação, por parte de todos os jogadores, do dispositivo defensivo previamente preconizado pela equipa. A Organização Dinâmica do Jogo Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 37. CARACTERÍSTICAS FUNDAMENTAIS DEFESAS MODERNAS Tirar parte da iniciativa ao processo ofensivo No deslocamento coordenado dos jogadores dentro dos seus sectores da equipa, em direcção ao centro do jogo: (1) procurando reduzir o espaço onde os seus adversários podem desenvolver as suas acções, (2) tentar recuperar a bola em espaços longe da sua própria baliza e, (3) procurar beneficiar da lei do fora-de-jogo. Na variação sequêncial da execução dos comportamentos técnico-tácticos individuais e colectivos de marcação sobre os adversários, por forma que a ordem, o espaço e a velocidade sejam imprevisíveis aos olhos dos adversários. No aumento da pressão e agressividade na marcação sobre o atacante de posse de bola e dos companheiros que possam dar continuidade ao processo ofensivo de forma eficiente, isto é, obrigálos a terem respostas tácticas cujas direcções sejam para o lado ou para trás (em direcção à sua própria baliza). Na colocação em profundidade de 1 ou 2 jogadores que não se empenhem directamente na luta pela recuperação da posse da bola, mas que assumam atitudes e comportamentos técnico-tácticos de preparação do ataque da sua equipa logo que esta recupere a posse da bola. Na condução dos adversários com e sem a posse da bola para espaços menos perigosos ou onde beneficiem de situações de superioridade numérica, diminuindo assim: (1) os ângulos de passe ou de remate, (2) o número de jogadores a quem a bola possa ser passada eficazmente e, (3) tornar o jogo ofensivo previsível. A Organização Dinâmica do Jogo
  • 38. Ter um carácter construtivo MJD Carácter destrutivo do processo ofensivo adversário. Base fundamental pela qual se deve construir o seu processo ofensivo logo após a recuperação da posse da bola. As probabilidades da acção ofensiva culminar em finalização, dependem em larga medida das circunstâncias em que ocorreu a recuperação da posse da bola. É fundamental construir-se situações de treino que potenciem uma recuperação “modelar” da posse da bola por forma a que os seus efeitos de carácter positivo se possam repercutir durante a fase ofensiva que dai resulta. A defesa não deve limitar-se à réplica a dar ao adversário, pelo contrário, deverá ripostar sempre por forma a obrigar o ataque a preocupar-se igualmente com a protecção da sua própria baliza. É disto que consta o carácter agressivo das defesas modernas. A Organização Dinâmica do Jogo Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 39. Métodos do Jogo Defensivo Método de Defesa Individual CARACTERÍSTICAS ESSENCIAIS 1. Aplica, em todos os momentos do jogo, a lei do um contra um. 2. Estabelece que cada atacante é marcado por um defesa que o importuna sem cessar, evitando que este receba a bola sob quaisquer circunstâncias (respeito pelo princípio da contenção). 3. Fundamenta situações de igualdade numérica a todo o momento, evidenciando uma maior agressividade quando a acção se aproxima da baliza. 4. Desenvolve a responsabilização individual ao mais alto grau. Assim, em qualquer momento podemos observar qual ou quais os jogadores que foram fundamentais na resolução ou não da situação de jogo. 5. Utiliza primordialmente os fundamentos individuais defensivos inerentes ao princípio da contenção, senão não há eficácia. 6. Necessita de uma elevada capacidade física de todos os jogadores por forma a reagirem constantemente aos deslocamentos dos seus adversários mantendo-os sob pressão. A Organização Dinâmica do Jogo Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 40. CARACTERÍSTICAS ESSENCIAIS (cont.) 7. Recruta elevados níveis de atenção selectiva, especialmente sobre o atacante que o defesa deverá marcar de modo constante. 8. Evidencia a necessidade de elevados níveis de sacríficio e abnegação, pois sem estes atributos este método defensivo não tem eficácia. ASPECTOS FAVORÁVEIS 1. Possibilidade de se anular um jogador de grande capacidade técnicotáctica por um jogador de menores recursos, compensados por outras características, tais como a perseverância, o empenho e a vontade. 2. Estabelece missões facilmente compreendidas no plano táctico, por parte dos jogadores, pois cada um pode concentrar a sua atenção e esforço num só adversário, numa só missão. 3. Transmite, quando é eficazmente aplicado, uma autoconfiança de extrema importância no desenrolar do jogo, porque a defesa ganha mais duelos de jogo do que perde. 4. Provoca um desgaste técnico-táctico, físico e principalmente psicológico aos jogadores sujeitos a este tipo de marcação, pois estão sujeitos de forma continua a uma marcação impediedosa. A Organização Dinâmica do Jogo Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 41. ASPECTOS FAVORÁVEIS (cont.) 5. Reduz a iniciativa do adversário que está sob influência deste tipo de marcação, pois nunca tem espaço e tempo para exprimir as suas capacidades técnico-tácticas. 6. Consegue-se sempre um certo equilíbrio numérico em qualquer situação momentânea de jogo e em qualquer espaço. 7. Potencializa-se a sua eficácia quando utilizado. Logo, após a equipa ter conseguido o golo, aumenta-se assim, o carácter perturbador da situação. ASPECTOS DESFAVORÁVEIS 1. Contextualiza situações muito difíceis de ultrapassar quando se verifica a falha individual de um defesa, podendo assim comprometer de imediato toda a organização defensiva. 2. Determina um rápido desgaste físico, pois o defesa deverá reagir constantemente às movimentações do seu adversário directo 3. Estabelece a possibilidade se criar e explorar espaços livres em zonas vitais do terreno de jogo, em consequência de roturas devido a falhas individuais. A Organização Dinâmica do Jogo Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 42. ASPECTOS DESFAVORÁVEIS (cont.) 4. Limita o jogo ofensivo da equipa, pois depende largamente do defesa que a conquistou e do adversário directo que a perdeu. 5. Diminui a iniciativa, criatividade e a improvisação do jogador em termos defensivos, pois minimiza as suas missões tácticas. 6. Reduz a coesão e aumenta a permeabilidade da organização defensiva devido ao não cumprimento de um dos princípios específico da defesa - cobertura defensiva. 7. Possibilidade de existir um maior número de contactos físicos, que poderão traduzir-se por um maior número de infracções às leis do jogo. Método de Defesa à Zona CARACTERÍSTICAS ESSENCIAIS 1. Aplica, na maioria das situações de jogo a lei do todos contra um. 2. Atribui a cada jogador a responsabilidade por uma certa zona do campo, o qual intervém desde que aí penetre: a bola, o adversário de posse de bola e o adversário sem bola 3. Evidencia uma primeira linha defensiva, que se forma em função do posicionamento da bola forçando os adversários a ter que a contornar. Simultaneamente organiza-se uma outra linha defensiva que assegura a cobertura permanente à primeira linha. A Organização Dinâmica do Jogo Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 43. 4. Estabelece continua e permanentemente acções técnicotácticas colectivas com o objectivo de uma entreajuda permanente. 5. Poderá utilizar a denominada “defesa em linha” tentando tirar partido da lei do fora-de-jogo. ASPECTOS FAVORÁVEIS 1. Delimita o posicionamento dos defesas, os quais gozam da facilidade de ver a sua acção limitada a um determinado espaço (zona) que lhe é familiar, pois não abandonam os seus postos habituais de marcação. 2. Reduz largamente o desgaste físico e psicológico comparativamente aos métodos individuais 3. Obriga os atacantes adversários a terem de executar acções em direcções alternativas relativamente à baliza adversária, devido à continua existência de duas linhas defensivas 4. Aumenta a dificuldade de se criar, explorar e ocupar espaços vitais de jogo. 5. Correcção pronta das falhas individuais pelos companheiros, devido à contínua execução de cobertura defensiva. 6. Proporciona um melhor aproveitamento das qualidades técnico-tácticas-físicas dos jogadores. A Organização Dinâmica do Jogo Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 44. ASPECTOS DESFAVORÁVEIS 1. Cria condições que facilitam a possibilidade dos atacantes evidenciarem uma maior capacidade de iniciativa, particularmente quando se deslocam de um para outro espaço de marcação. 2. Permite situações de superioridade numérica ofensiva, pois poder-se-á verificar a entrada simultânea de 2 ou mais jogadores numa determinada zona de marcação de um defesa. 3. Desenvolve as dificuldades inerentes em definir, com exactidão, os limites das respectivas zonas de marcação respeitantes a cada defesa e as inibições que daí possam advir. 4. Impõe um elevado sentido de sacrifício, pois sem isso dificilmente haverá efectividade. 5. Estabelece elevados níveis de insegurança se não existir uma sincronização colectiva correcta. 6. Compartimenta o método defensivo, que determina sempre uma maior permeabilidade do sistema. A Organização Dinâmica do Jogo Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 45. Método de Defesa à Zona As duas equipas estão a defender à zona, o que dá tempo e espaço ao adversário para pensar! Conceito de Marcação como ponto de partida… Acompanhar muito de perto e passo a passo a deslocação de um jogador adversário no campo, impedindo ou condicionando as suas jogadas… Marcação – a acção táctica que os jogadores da equipa que não possui a bola realizam sobre os seus adversários, com o intuíto prioritário de evitar que estes entrem em contacto com a mesma, ou de o fazer nas piores condições possíveis… (López Ramos, 1995) A Organização Dinâmica do Jogo Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 46. Marcação – Marcação – conjunto de acções técnico-tácticas individuais de natureza defensiva, desenvolvidas no absoluto respeito pelos princípios defensivos, que visam a anulação a anulação e cobertura dos espaços livres. Os comportamentos técnico-tácticos de marcação manifestam-se através de um posicionamento em função da bola, dos adversários, dos companheiros e da baliza. (Queiróz, 1993) É da coordenação colectiva que depende, em última análise a eficácia das acções de «marcação»! Podemos dizer que face à diferenciada importância dada às diferentes referências alvo da «marcação» e no ênfase que se coloca em cada uma das referencias de posicionamento, que há diferentes concepções para a organização defensiva!!! O modo como o treinador perspectiva a organização defensiva da sua equipa está intimamente relacionado com a sua interpretação do conceito de marcação!!! A Organização Dinâmica do Jogo
  • 47. CONSIDERAÇÕES Tentativa colectiva de encurtar (em profundidade) e estreitar (em largura) o espaço de jogo e assim conseguir-se superioridade numérica junto à bola. Ocupação inteligente dos espaços mais valiosos e que nos permite, por arrastamento, controlar os adversários. Quando se defende à zona, o jogador adversário em posse deve ter a noção de estar a jogar contra 11 jogadores, pois a equipa comporta-se como um todo… apenas possível com uma referência de posicionamento comum a todos os jogadores da equipa – a bola. Comportamentos TácticoTáctico-técnicos (TÁCTICA COORDENA TODA A EQUIPA E CADA UM DOS JOGADORES) Então como é que é feito o roubo da bola? Os jogadores devem manter-se sempre perfilados na direcção do portador da bola para estarem em condições, primeiro, de reduzir o espaço junto ao portador da bola (apenas com a intenção de o levar a fazer um passe). Para que, depois, se o passe acontecer, os jogadores se movimentem rapidamente, um com a intenção de se antecipar (contando com a cobertura dos respantes companheiros da linha) e os outros fechando as saídas próximas de passe… A Organização Dinâmica do Jogo
  • 48. O objectivo é «fazer o terreno de jogo mais pequeno», por isso, ao mesmo tempo que se deve pressionar o jogador adversário com bola, os restantes defesas devem deslocar-se rapidamente em direcção á zona onde se encontra a bola e tentar manter uma distância de separação constante em relação aos companheiros. A ideia é que, durante o trabalho defensivo, os jogadores pareçam unidos ao centro do jogo por uma cinta elástica – Equilíbrio na organização defensiva. Esta forma de defender requer comunicação e visão de jogo por parte dos jogadores, os quais terão de saber o que sucede ao seu redor, bem como à volta do portador da bola. CONCLUSÕES 1. Os espaços são a grande referência-alvo de marcação. 2. A grande preocupação é fechar como equipa os espaços de jogo mais valiosos (os espaços mais próximos da bola) para assim condicionar a equipa adversária. 3. A posição da bola e, em função desta, a posição dos companheiros são as grandes referencias de posicionamento. 4. Cada jogador, de forma coordenada com os companheiros, deve fechar diferentes espaços de acordo com a posição da bola. A Organização Dinâmica do Jogo Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 49. 5. A existência permanente de um sistema de coberturas sucessivas, conseguido pelo escalonamento das diferentes linhas. 6. Importante pressionar o portador da bola para este se ver condicionado em termos de tempo e espaço para pensar e executar. 7. É a ocupação cuidada e inteligente dos espaços mais valiosos que permite, por arrastamento, controlar os adversários sem bola. 8. Qualquer marcação próxima a um adversário sem bola é sempre circunstancial e consequência dessa ocupação espacial racional. Trata-se de conseguir um «padrão defensivo colectivo», complexo, mas principalmente dinâmico, adaptativo, compacto, homogéneo e solidário. Coesão Defensiva A Organização Dinâmica do Jogo Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 50. Método de Defesa Misto CARACTERÍSTICAS ESSENCIAIS 1. Sintetiza de forma global o método defensivo à zona e o método defensivo individual. 2. Desenvolve uma marcação ao atacante que evolui numa determinada zona do terreno de jogo, continuando mesmo que este progrida para outra zona, que não é da responsabilidade do defesa. Neste caso, só depois do atacante se desfazer da bola ou outro companheiro assumir as suas funções, é que o defesa poderá (consoante a situação de jogo) voltar para a sua zona de marcação. 3. Acentua as acções de cobertura defensiva ao 1º defesa (contenção) tornando-as mais rigorosas que no método à zona. Assim, verifica-se que os outros defesas se posicionam em função da acção do companheiro que marca o adversário de posse de bola e de outros atacantes, que possam evoluir na sua zona de marcação os quais poderão de imediato dar continuidade ao processo ofensivo adversário. ASPECTOS FAVORÁVEIS 1. Oferece uma excelente segurança defensiva. 2. Dificulta a criação de situações de superioridade numérica por parte dos atacantes. A Organização Dinâmica do Jogo
  • 51. ASPECTOS FAVORÁVEIS (cont.) 3. Permite a possibilidade permanente de execução de compensações-permutações. 4. Aumenta a iniciativa e criatividade dos defesas possibilitando-os de sair da sua zona de marcação para outra, marcando o atacante numa posição vital. ASPECTOS DESFAVORÁVEIS 1. Requer a leitura constante das situações de jogo e a antecipação das acções técnico-tácticas dos atacantes. 2. Determina a necessidade de um grande espírito de solidariedade e um alto grau de responsabilidade individual. 3. Obriga os defesas a jogarem em certas zonas, às quais estão menos habituados. 4. Diminui, em certas circunstâncias a eficácia do método ofensivo da equipa. A Organização Dinâmica do Jogo
  • 52. A Zona “Pressionante” 1. Relacionado com a criação de superioridade numérica e o constrangimento espaço-temporal (característicos da defesa zona) está também o Pressing Pressing. 2. Inovação no futebol (Arrigo Sachi) – utilização da zona incorporando o pressing, criando uma zona agressiva – “Zona Pressionante” ou “Zona Pressing”. 3. Pode ser feita “onde e quando a equipa desejar” (bloco mais ou menos subido)… 4. O que sobressai da intenção de se fazer uma “zona pressionante” é a procura da bola, a procura do erro adversário para recuperar a bola, o mesmo é dizer, querer atacar (“faz da defesa a arte de atacar, Maturana). 5. Pressing – Definições página 49 6. Relação “Defesa à Zona” e “Pressing” – Não se consegue fazer pressão sem reduzir os espaços e tentar criar superioridade numérica na zona da bola, sob risco de ficar desequilibrado! A Organização Dinâmica do Jogo A Defesa à Zona através da qual dominamos os espaços mais Zona, adequados em função da bola, e a Pressão Defensiva que trata Defensiva, de aproveitar o domínio e a redução dos espaços para pressionar o portador da bola e os atacantes que o apoiam, são dois aspectos que devem estar intimamente relacionados em qualquer organização defensiva!!!
  • 53. 7. Pressão alta – Tentativa colectiva de recuperar a bola o mais à frente possível. Nunca um acto isolado de um jogador, por isso a equipa tem de ser curta, de jogar com os sectores próximos uns dos outros, com grande entreajuda, e tem de arriscar atrás, com a defesa avançada no terreno (Tadeia, 2003). 8. Que Transição Defensiva? – Reduzir o espaço em função da bola e, se possível, pressionar a bola. 9. Fuga à Zona Pressing – Jogar para trás ou procura das costas da linha defensiva… À semelhança do que acontece na Defesa à Zona, na Zona Pressionante a grande preocupação é fechar os espaços de jogo mais valiosos. A diferença está na agressividade com que se atacam esses espaços e o portador da bola. No fundo, trata-se de colocar a equipa adversária e, em particular o jogador em posse da bola, sob forte constrangimento espaçotemporal para desse modo induzir o erro e a recuperar. E recupera-la para poder atacar. A Organização Dinâmica do Jogo
  • 54. Método de Defesa Zona Pressionante CARACTERÍSTICAS ESSENCIAIS 1. Estabelece uma marcação rigorosa ao adversário de posse de bola, no qual o defesa deve demonstrar agressividade na tentativa da sua recuperação ou para obrigá-lo a cometer erros no plano técnico-táctico. 2. Permite a cada defesa evoluir na sua zona de marcação, mas deverá deslocar-se para outras zonas concentrando-se nos espaços de jogo próximo da bola. 3. Impõe de forma continua a marcação agressiva a zonas e jogadores adversários que possam dar continuidade ao processo ofensivo. Para se obter uma maior concentração defensiva, diminui-se a pressão exercida aos atacantes que estejam posicionados em espaços longe da bola. 4. Conduz o ataque adversário para um espaço de jogo próprio onde predomina a melhor capacidade da equipa em termos de recuperação da posse da bola. 5. Concentração e homogeneidade da organização defensiva, independentemente do deslocamento da bola. 6. Constante comunicação verbal entre os jogadores, fundamentalmente quando os atacantes adversários conseguem mudar o ângulo de ataque, levando a bola para outro espaço de jogo. 7. Elevado espírito de equipa, coordenação e solidariedade. A Organização Dinâmica do Jogo Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 55. ASPECTOS FAVORÁVEIS 1. Proporciona muitas situações de recuperação da posse da bola que derivam das acções dos defesas no seu conjunto. 2. Diminui o espaço de jogo, à volta da posição da bola criando-se as condições mais favoráveis para a sua recuperação. 3. Cria continuamente situações de superioridade numérica nos vários momentos do jogo. 4. Diminui a iniciativa dos adversários, forçando-os a cometer erros no plano técnico-táctico, que normalmente não ocorrem, 5. Permite à organização defensiva jogar num bloco homogéneo e compacto. 6. Dificulta a criação, exploração e utilização de espaços livres no ataque adversário, especialmente nas zonas à volta da bola e nas zonas vitais do terreno de jogo. 7. Estabelece uma solidariedade efectiva entre os defesas, verificando-se a cobertura permanente dos comportamentos técnico-tácticos na procura da recuperação da bola. 8. Impossibilita a existência de linhas de passe em direcção à baliza, obrigando os adversários a jogarem para o lado ou para trás. 9. Determina que o recuo defensivo seja realizado sempre em função da progressão possível do processo ofensivo, não se recuando pelo simples facto de se recuar. A Organização Dinâmica do Jogo Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 56. ASPECTOS FAVORÁVEIS (cont.) 10. Aumenta a iniciativa e criatividade dos defesas de acordo com a sua velocidade e habilidade. 11. Extremamente eficaz contra equipas, cuja organização ofensiva é lenta e sem ritmo ou com dificuldades de condição física. ASPECTOS DESFAVORÁVEIS 1. Dificuldades em se estabilizar a organização defensiva, se a bola circular rapidamente de um para outro corredor de jogo 2. Requer uma leitura constante das situações momentâneas de jogo, obrigando a antecipar as acções técnicotácticas dos atacantes. 3. Impõe a execução constante de acções de compensações podendo em alguns casos, não haver o tempo necessário para um reequilíbrio eficaz 4. Necessita de um elevado espírito de equipa e trabalho árduo 5. Criam-se grandes espaços de jogo entre o último defesa e o guarda-redes, devido ao facto de o recuo defensivo ser efectuado em função da progressão da bola. 6. Excesso de agressividade sobre o atacante de posse de bola ou sobre que podem traduzir-se num maior número de infracções às Leis do jogo. A Organização Dinâmica do Jogo Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 57. ASPECTOS DESFAVORÁVEIS (cont.) 7. Dificuldades de fazer uma rápida transição defesa/ataque, devido às grandes concentrações de jogadores em processo ofensivo e defensivo 8. Impõe-se uma elevada capacidade física dos jogadores para que se possa adoptar e aplicar este método defensivo. PROCESSO DEFENSIVO – Aspectos Fundamentais 1. Criar um sentido e mentalidade colectiva 2. Continuidade da acção 3. Combinação eficiente das diferentes tarefas tácticas dos jogadores em fase defensiva 4. Na fase defensiva do jogo o problema de um é o problema de todos A Organização Dinâmica do Jogo
  • 58. TRANSIÇÕES 1. Quais são os Momentos do Jogo? 2. O que é uma Transição Defensiva? 3. O que é uma Transição Ofensiva? 4. Não confundir Transições com Métodos de Jogo e seus Princípios!!! 5. Que linguagem quando se fala sobre estas questões? Somos técnicos!!! 6. Transições há sempre que se ganha ou perde a bola… Podem é ser feitas de várias maneiras! 7. Diferentes Princípios de Transição podem privilegiar a utilização de um ou outro Método de Jogo! 8. O Modelo de Jogo, seus Princípios e os Momentos do Jogo. A Organização Dinâmica do Jogo Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 59. OBRIGADO! A Organização Dinâmica do Jogo Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010