SlideShare uma empresa Scribd logo
Leandro Zago
Básica 2 – Princípios Operacionais de Transição
1. Transitando ou Transicionando entre o Ataque e a Defesa ?
“Temos ainda que caminhar bastante no entendimento, na
sistematização dessas coisas, no sentido de perceber as suas
conexões e de entender o Jogo como um fluxo
contínuo.” (Júlio Garganta)
Pertencente ao grupo dos Jogos Desportivos Coletivos (JDC), o futebol tem na sua
essência quatro momentos que estão presentes em qualquer partida que seja
disputada e que independem do nível, local ou idade dos praticantes (desde níveis
de formação até jogadores profissionais) envolvidos: defesa, transição defesa -
ataque, ataque e transição ataque – defesa. A natureza complexa e não linear do
jogo não permite que seja prevista a ordem em que esses quatro momentos irão
ocorrer, fazendo com que cada partida possua uma linha de progressão única que
vai se desenhando de acordo com as respostas coletivas das equipes e individuais
dos jogadores aos estímulos do jogo. Essa afirmação vem ao encontro do que
escreveu o professor Vítor Frade (2002), “não há nada mais construído que o jogar.
O jogar não é um fenômeno natural, mas construído”.
Ou seja, se o jogo vai sendo construído, e os dois momentos de transição são
inerentes a ele, temos a possibilidade de preparar nossa equipe durante o processo
de treinamento para realizá-las da forma como considerarmos mais adequado. Para
Amieiro (2005) “treinar é fabricar o jogar que se pretende”. Fica também
caracterizado que independente do nível de organização e se há realmente uma
organização a transição ocorrerá de forma mais ou menos elaborada.
Leandro Zago
2. Princípios Operacionais de Transição Defensiva
No momento da perda da posse de bola, a equipe já deve apresentar respostas
individuais e coletivas que estejam conjecturadas com seu modelo de jogo
independentemente do que este propõe. A ação pode variar, mas este alinhamento
com o modelo é fundamental para o êxito ao longo do decorrer da partida. A
resposta que todos os jogadores irão apresentar podem ser diferentes, mas
também devem respeitar princípios comuns a todos.
Ainda antes de organizar-se defensivamente, a transição ataque-defesa já deve
apresentar características dessa defesa e agir de modo a potencializar os efeitos da
mesma (Organização Defensiva).
Figura 1 – Princípios Operacionais de Transição Ataque – Defesa
As opções apresentadas na figura 1 surgirão primeiramente em conseqüência dos
comportamentos adquiridos (treinos e jogos) ou como resposta da equipe à
situação do jogo que ela está confrontando (necessidade de uma compreensão boa
do jogo).
Leandro Zago
3. Princípios Operacionais de Transição Ofensiva
Esses Princípios serão as referências que guiarão a equipe quando esta recupera a
posse de bola. Assim como os Princípios de Transição Defensiva, devem manter
relação indivisível com o modelo de jogo para que sua eficácia não seja
comprometida.
Figura 2 – Princípios Operacionais de Transição Defesa - Ataque
É importante que os dois momentos (1º e 2º momentos da figura acima)
mantenham uma relação também entre si, pois podem aumentar a chance de êxito
da equipe no jogo. Além disso, devem contribuir com a Organização Ofensiva
proporcionando ações em direção à ela, e nunca em contraposição.
Ressalta-se que mesmo com ações diferentes, os jogadores da mesma equipe
devem estar balizados pelos Princípios da equipe que regem a Transição Ofensiva
para que consigam cumprir a tarefa de forma coletiva.
Leandro Zago
4. Organizando os Princípios Operacionais de Transição
E para se treinar as transições defensivas e ofensivas são necessários princípios de
jogo bem estabelecidos. Quando recupera a bola, a equipe deve saber se é o
momento de contra atacar, tirar simplesmente a bola da zona de pressão ou
alternar entre ambos de acordo com o comportamento do adversário. Ao perder a
bola, deve-se definir referências para pressionar o portador da bola rapidamente,
reorganizar-se em linhas mais recuadas ou coordenar as duas respostas numa
análise rápida da situação que o jogo está propondo.
Essa coordenação tem que estar muito bem construída, porque a transição tem
como uma de suas características um pequeno tempo para a sua ocorrência não
permitindo na maioria das vezes que as dúvidas sejam solucionadas em tempo
hábil (veremos a variável tempo mais à frente) de resolver o problema.
Essa construção passa pela vivência em treino desses princípios desde os mais
básicos até os mais elaborados até que se atinjam modelos hierarquizados para
apresentar tais respostas dentro do jogo.
5. Os Princípios de Transição e a variável Tempo
Treinadores portugueses como José Mourinho e Jesualdo Ferreira concebem os
momentos de transição como fundamentais dentro do jogo de futebol. Jesualdo
considera que “as equipas terríveis (utiliza terrível para caracterizar equipes difíceis
de se enfrentar) são aquelas que diminuem o tempo entre o ganhar a bola e atacar
e entre o perder a bola e defender”. Vítor Frade (2002) afirma que para uma equipe
atacar com muitos jogadores sem tornar-se desequilibrada deve “dar particular
atenção aos timings de transição”. Nota-se nas falas de Jesualdo e Vítor Frade uma
preocupação com o tempo no sentido de duração do momento transitório. Assim,
na tarefa transição, observa-se o como fazer nos princípios anteriormente citados e
Leandro Zago
o quando fazer (entre o atacar e o defender e vice-versa) da forma mais rápida (e
para isso faz-se necessário coordenação coletiva) possível.
Construir uma forma de jogar que seja condizente com as necessidades de se
ganhar um jogo atuando de uma forma atrativa – porque para ser eficiente uma
equipe não precisa abrir mão de jogar bonito, muito pelo contrário – passa pela
sistematização de um processo de treinamento que contemple os quatro momentos
do jogo de forma integrada. O modelo de jogo adotado deve racionalizar que as
zonas em que busco recuperar a bola com maior freqüência devem estar
relacionadas com o tipo de organização ofensiva que pretendo utilizar e que a
forma como se realizam as transições defensivas e ofensivas permitem o melhor ou
pior funcionamento desse sistema integrado de ações que se sucedem sem uma
ordem definida. Por não possuir um comportamento linear, o jogador deve ser
capaz de interpretar os acontecimentos do jogo e aplicar uma resposta que esteja
baseada nos mesmos referenciais que o restante da sua equipe e isso só
acontecerá se durante o processo de treinamento os exercícios pelo grupo
vivenciados potencializarem esse sentido coletivo.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Amieiro, N. (2005) Defesa à Zona no Futebol: Um pretexto para refletir sobre o
jogar ... bem, ganhando! Edição do Autor. 2005.
Frade, V. (2002) Apontamentos das aulas de Metodologia Aplicada II, Opção de
Futebol. FCDEF-UP. Porto. Não publicado.
Leitão, R. A. A. (2009) Futebol: um jogo também de ocupação de espaço.
Universidade do Futebol.
Zago, L. C. (2008) O Sistema de transições no futebol. Universidade do Futebol.
Leandro Zago
Leitão, R. A. A. (2008) Mourinho e as transições ofensivas. Universidade do
Futebol.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Periodizacao tactica um modelo de treino jose gu ilherme oliveira
Periodizacao tactica um modelo de treino   jose gu ilherme oliveiraPeriodizacao tactica um modelo de treino   jose gu ilherme oliveira
Periodizacao tactica um modelo de treino jose gu ilherme oliveira
Bruno Comelli
 
Periodização Tática - Pressupostos e Fundamentos (2014)
Periodização Tática - Pressupostos e Fundamentos (2014)Periodização Tática - Pressupostos e Fundamentos (2014)
Periodização Tática - Pressupostos e Fundamentos (2014)
Fundação Real Madrid
 
João Aroso - Periodização do Treino no Futebol
João Aroso - Periodização do Treino no FutebolJoão Aroso - Periodização do Treino no Futebol
João Aroso - Periodização do Treino no Futebol
Fundação Real Madrid
 
Modelo de Jogo do Treinador Rui Quinta
Modelo de Jogo do Treinador Rui QuintaModelo de Jogo do Treinador Rui Quinta
Modelo de Jogo do Treinador Rui Quinta
Fundação Real Madrid
 
SUB13 - Programação de Atividades (2012)
SUB13 - Programação de Atividades (2012)SUB13 - Programação de Atividades (2012)
SUB13 - Programação de Atividades (2012)
Leandro Zago
 
Exemplo modelo de jogo
Exemplo modelo de jogoExemplo modelo de jogo
Exemplo modelo de jogo
Sérgio Santos
 
Modelo de Jogo
Modelo de Jogo  Modelo de Jogo
Modelo de Jogo
Claudio Roberto
 
treino
 treino treino
treino
Hugo Ferreira
 
Programação e Periodização do Treino em Futebol
Programação e Periodização do Treino em FutebolProgramação e Periodização do Treino em Futebol
Programação e Periodização do Treino em Futebol
Fundação Real Madrid
 
Periodização Táctica - Carlos Carvalhal
Periodização Táctica - Carlos CarvalhalPeriodização Táctica - Carlos Carvalhal
Periodização Táctica - Carlos Carvalhal
Fundação Real Madrid
 
Treinos em construção
Treinos em construçãoTreinos em construção
Treinos em construção
Humberto Bettencourt
 
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de FutebolProgramação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Fundação Real Madrid
 
Modelo de Jogo do FC Bayern Munique
Modelo de Jogo do FC Bayern MuniqueModelo de Jogo do FC Bayern Munique
Modelo de Jogo do FC Bayern Munique
Fundação Real Madrid
 
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de FutebolProgramação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Fundação Real Madrid
 
A Organização Dinâmica do Jogo de Futebol
A Organização Dinâmica do Jogo de FutebolA Organização Dinâmica do Jogo de Futebol
A Organização Dinâmica do Jogo de Futebol
Fundação Real Madrid
 
Preparar para o Jogo através do Jogo
Preparar para o Jogo através do JogoPreparar para o Jogo através do Jogo
Preparar para o Jogo através do Jogo
Eduardo Barros
 
Organização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costa
Organização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costaOrganização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costa
Organização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costa
João Carlos Costa
 
Concepção e Prática de Exercícios Específicos de Treino
Concepção e Prática de Exercícios Específicos de TreinoConcepção e Prática de Exercícios Específicos de Treino
Concepção e Prática de Exercícios Específicos de Treino
Fundação Real Madrid
 
Modelo de Jogo
Modelo de JogoModelo de Jogo
Modelo de Jogo
Leandro Zago
 
Plano de treino
Plano de treinoPlano de treino
Plano de treino
João Parreira
 

Mais procurados (20)

Periodizacao tactica um modelo de treino jose gu ilherme oliveira
Periodizacao tactica um modelo de treino   jose gu ilherme oliveiraPeriodizacao tactica um modelo de treino   jose gu ilherme oliveira
Periodizacao tactica um modelo de treino jose gu ilherme oliveira
 
Periodização Tática - Pressupostos e Fundamentos (2014)
Periodização Tática - Pressupostos e Fundamentos (2014)Periodização Tática - Pressupostos e Fundamentos (2014)
Periodização Tática - Pressupostos e Fundamentos (2014)
 
João Aroso - Periodização do Treino no Futebol
João Aroso - Periodização do Treino no FutebolJoão Aroso - Periodização do Treino no Futebol
João Aroso - Periodização do Treino no Futebol
 
Modelo de Jogo do Treinador Rui Quinta
Modelo de Jogo do Treinador Rui QuintaModelo de Jogo do Treinador Rui Quinta
Modelo de Jogo do Treinador Rui Quinta
 
SUB13 - Programação de Atividades (2012)
SUB13 - Programação de Atividades (2012)SUB13 - Programação de Atividades (2012)
SUB13 - Programação de Atividades (2012)
 
Exemplo modelo de jogo
Exemplo modelo de jogoExemplo modelo de jogo
Exemplo modelo de jogo
 
Modelo de Jogo
Modelo de Jogo  Modelo de Jogo
Modelo de Jogo
 
treino
 treino treino
treino
 
Programação e Periodização do Treino em Futebol
Programação e Periodização do Treino em FutebolProgramação e Periodização do Treino em Futebol
Programação e Periodização do Treino em Futebol
 
Periodização Táctica - Carlos Carvalhal
Periodização Táctica - Carlos CarvalhalPeriodização Táctica - Carlos Carvalhal
Periodização Táctica - Carlos Carvalhal
 
Treinos em construção
Treinos em construçãoTreinos em construção
Treinos em construção
 
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de FutebolProgramação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
 
Modelo de Jogo do FC Bayern Munique
Modelo de Jogo do FC Bayern MuniqueModelo de Jogo do FC Bayern Munique
Modelo de Jogo do FC Bayern Munique
 
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de FutebolProgramação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
 
A Organização Dinâmica do Jogo de Futebol
A Organização Dinâmica do Jogo de FutebolA Organização Dinâmica do Jogo de Futebol
A Organização Dinâmica do Jogo de Futebol
 
Preparar para o Jogo através do Jogo
Preparar para o Jogo através do JogoPreparar para o Jogo através do Jogo
Preparar para o Jogo através do Jogo
 
Organização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costa
Organização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costaOrganização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costa
Organização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costa
 
Concepção e Prática de Exercícios Específicos de Treino
Concepção e Prática de Exercícios Específicos de TreinoConcepção e Prática de Exercícios Específicos de Treino
Concepção e Prática de Exercícios Específicos de Treino
 
Modelo de Jogo
Modelo de JogoModelo de Jogo
Modelo de Jogo
 
Plano de treino
Plano de treinoPlano de treino
Plano de treino
 

Destaque

Princípios Estruturais e Operacionais de Ataque, Defesa e Transição
Princípios Estruturais e Operacionais de Ataque, Defesa e TransiçãoPrincípios Estruturais e Operacionais de Ataque, Defesa e Transição
Princípios Estruturais e Operacionais de Ataque, Defesa e Transição
Leandro Zago
 
O Goleiro inserido no Modelo de Jogo da Equipe
O Goleiro inserido no Modelo de Jogo da EquipeO Goleiro inserido no Modelo de Jogo da Equipe
O Goleiro inserido no Modelo de Jogo da Equipe
Leandro Zago
 
Exercícios - Conteúdos Táticos
Exercícios - Conteúdos TáticosExercícios - Conteúdos Táticos
Exercícios - Conteúdos Táticos
Leandro Zago
 
Sessões de Treinamento - Curso CBF (Nível B)
Sessões de Treinamento - Curso CBF (Nível B)Sessões de Treinamento - Curso CBF (Nível B)
Sessões de Treinamento - Curso CBF (Nível B)
Leandro Zago
 
O Processo de Treino e Jogo
O Processo de Treino e JogoO Processo de Treino e Jogo
O Processo de Treino e Jogo
Leandro Zago
 
Sessões De Treinamento FC Barcelona - Temporada 2002/03
Sessões De Treinamento   FC Barcelona - Temporada 2002/03Sessões De Treinamento   FC Barcelona - Temporada 2002/03
Sessões De Treinamento FC Barcelona - Temporada 2002/03
Rafael Hackbarth
 
El juego de posición (O Jogo de Posição)
El juego de posición (O Jogo de Posição)El juego de posición (O Jogo de Posição)
El juego de posición (O Jogo de Posição)
Leandro Zago
 
Palestra de Abertura - Pós Graduação (Estácio de Sá)
Palestra de Abertura - Pós Graduação (Estácio de Sá)Palestra de Abertura - Pós Graduação (Estácio de Sá)
Palestra de Abertura - Pós Graduação (Estácio de Sá)
Leandro Zago
 
Pressing - Iniciación
Pressing - Iniciación Pressing - Iniciación
Pressing - Iniciación
Diego Menino
 
José Mourinho - Modelo de jogo (FCP)
José Mourinho - Modelo de jogo (FCP)José Mourinho - Modelo de jogo (FCP)
José Mourinho - Modelo de jogo (FCP)
oscarbarbedofaria
 
El pressing
El pressingEl pressing
El pressing
ari rios cossio
 
Entrenando Para Jugar- PF.
Entrenando Para Jugar- PF.Entrenando Para Jugar- PF.
Entrenando Para Jugar- PF.
Rafael Alarcón Guerrero
 
Exercícios Pré-temporada 07-08 FC Barcelona
Exercícios Pré-temporada 07-08 FC BarcelonaExercícios Pré-temporada 07-08 FC Barcelona
Exercícios Pré-temporada 07-08 FC Barcelona
Prancheta Prancheta
 
Modelo de jogo
Modelo de jogoModelo de jogo
Modelo de jogo
carlosmoreira
 
Circulacion Y Pressing
Circulacion Y PressingCirculacion Y Pressing
Circulacion Y Pressing
Javier Graziottin Alonso
 
Sistemas De Juego Ofensivos Y Defensivos
Sistemas De Juego Ofensivos Y DefensivosSistemas De Juego Ofensivos Y Defensivos
Sistemas De Juego Ofensivos Y Defensivos
avs13
 
La preparación física? en el fútbol
La preparación física? en el fútbolLa preparación física? en el fútbol
La preparación física? en el fútbol
Toni Gordillo
 

Destaque (17)

Princípios Estruturais e Operacionais de Ataque, Defesa e Transição
Princípios Estruturais e Operacionais de Ataque, Defesa e TransiçãoPrincípios Estruturais e Operacionais de Ataque, Defesa e Transição
Princípios Estruturais e Operacionais de Ataque, Defesa e Transição
 
O Goleiro inserido no Modelo de Jogo da Equipe
O Goleiro inserido no Modelo de Jogo da EquipeO Goleiro inserido no Modelo de Jogo da Equipe
O Goleiro inserido no Modelo de Jogo da Equipe
 
Exercícios - Conteúdos Táticos
Exercícios - Conteúdos TáticosExercícios - Conteúdos Táticos
Exercícios - Conteúdos Táticos
 
Sessões de Treinamento - Curso CBF (Nível B)
Sessões de Treinamento - Curso CBF (Nível B)Sessões de Treinamento - Curso CBF (Nível B)
Sessões de Treinamento - Curso CBF (Nível B)
 
O Processo de Treino e Jogo
O Processo de Treino e JogoO Processo de Treino e Jogo
O Processo de Treino e Jogo
 
Sessões De Treinamento FC Barcelona - Temporada 2002/03
Sessões De Treinamento   FC Barcelona - Temporada 2002/03Sessões De Treinamento   FC Barcelona - Temporada 2002/03
Sessões De Treinamento FC Barcelona - Temporada 2002/03
 
El juego de posición (O Jogo de Posição)
El juego de posición (O Jogo de Posição)El juego de posición (O Jogo de Posição)
El juego de posición (O Jogo de Posição)
 
Palestra de Abertura - Pós Graduação (Estácio de Sá)
Palestra de Abertura - Pós Graduação (Estácio de Sá)Palestra de Abertura - Pós Graduação (Estácio de Sá)
Palestra de Abertura - Pós Graduação (Estácio de Sá)
 
Pressing - Iniciación
Pressing - Iniciación Pressing - Iniciación
Pressing - Iniciación
 
José Mourinho - Modelo de jogo (FCP)
José Mourinho - Modelo de jogo (FCP)José Mourinho - Modelo de jogo (FCP)
José Mourinho - Modelo de jogo (FCP)
 
El pressing
El pressingEl pressing
El pressing
 
Entrenando Para Jugar- PF.
Entrenando Para Jugar- PF.Entrenando Para Jugar- PF.
Entrenando Para Jugar- PF.
 
Exercícios Pré-temporada 07-08 FC Barcelona
Exercícios Pré-temporada 07-08 FC BarcelonaExercícios Pré-temporada 07-08 FC Barcelona
Exercícios Pré-temporada 07-08 FC Barcelona
 
Modelo de jogo
Modelo de jogoModelo de jogo
Modelo de jogo
 
Circulacion Y Pressing
Circulacion Y PressingCirculacion Y Pressing
Circulacion Y Pressing
 
Sistemas De Juego Ofensivos Y Defensivos
Sistemas De Juego Ofensivos Y DefensivosSistemas De Juego Ofensivos Y Defensivos
Sistemas De Juego Ofensivos Y Defensivos
 
La preparación física? en el fútbol
La preparación física? en el fútbolLa preparación física? en el fútbol
La preparación física? en el fútbol
 

Semelhante a Princípios Operacionais de Transição

Thesis of Pedro Moutinho Vieira of Attack-Defense vs Youth-Senior in Professi...
Thesis of Pedro Moutinho Vieira of Attack-Defense vs Youth-Senior in Professi...Thesis of Pedro Moutinho Vieira of Attack-Defense vs Youth-Senior in Professi...
Thesis of Pedro Moutinho Vieira of Attack-Defense vs Youth-Senior in Professi...
Pedro Moutinho Vieira 🇵🇹
 
Thesis of Pedro Moutinho Vieira - Transition Attack- Defense vs Youth-Senior ...
Thesis of Pedro Moutinho Vieira - Transition Attack- Defense vs Youth-Senior ...Thesis of Pedro Moutinho Vieira - Transition Attack- Defense vs Youth-Senior ...
Thesis of Pedro Moutinho Vieira - Transition Attack- Defense vs Youth-Senior ...
Pedro Moutinho Vieira 🇵🇹
 
O Jogo Coletivo e a Integração das Referências
O Jogo Coletivo e a Integração das ReferênciasO Jogo Coletivo e a Integração das Referências
O Jogo Coletivo e a Integração das Referências
Leandro Zago
 
Referências para a Ocupação do Espaço sem Bola
Referências para a Ocupação do Espaço sem BolaReferências para a Ocupação do Espaço sem Bola
Referências para a Ocupação do Espaço sem Bola
Leandro Zago
 
Transicao defesa ataque no Futebol
Transicao defesa ataque no FutebolTransicao defesa ataque no Futebol
Transicao defesa ataque no Futebol
Governo do Estado do Rio Grande do Sul
 
Transicao defesa ataque
Transicao defesa ataqueTransicao defesa ataque
Métodos de Treino
Métodos de TreinoMétodos de Treino
Métodos de Treino
Fundação Real Madrid
 
Coachidapp-eBook.pdf
Coachidapp-eBook.pdfCoachidapp-eBook.pdf
Coachidapp-eBook.pdf
Dinarte Duarte
 
Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.
Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.
Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.
Pedro Ferrer
 
Blog 3º artigo - especificidade no treinamento -sistema - 1-4-4-2
Blog   3º artigo - especificidade no treinamento -sistema - 1-4-4-2Blog   3º artigo - especificidade no treinamento -sistema - 1-4-4-2
Blog 3º artigo - especificidade no treinamento -sistema - 1-4-4-2
Rafael Hackbarth
 
Planificacaotaticadapretemporadaemequipesprofissionais 121015090808-phpapp01
Planificacaotaticadapretemporadaemequipesprofissionais 121015090808-phpapp01Planificacaotaticadapretemporadaemequipesprofissionais 121015090808-phpapp01
Planificacaotaticadapretemporadaemequipesprofissionais 121015090808-phpapp01
Bruno Comelli
 
O modelo de jogo
O modelo de jogoO modelo de jogo
Projecto _os luvinhas
Projecto  _os luvinhasProjecto  _os luvinhas
Projecto _os luvinhas
Marco Pereira
 
Práticas de jogo de prioridade tática defensiva II. Tática defensiva grupal 3.
Práticas de jogo de prioridade tática defensiva II. Tática defensiva grupal 3. Práticas de jogo de prioridade tática defensiva II. Tática defensiva grupal 3.
Práticas de jogo de prioridade tática defensiva II. Tática defensiva grupal 3.
Futbol Tactico Brasil
 
Pressão e Pressing
Pressão e PressingPressão e Pressing
Pressão e Pressing
Leandro Zago
 
Implantação e Caraterização de um Modelo de Jogo
Implantação e Caraterização de um Modelo de JogoImplantação e Caraterização de um Modelo de Jogo
Implantação e Caraterização de um Modelo de Jogo
Fundação Real Madrid
 
Futsal Sistema de jogo e noção de marcação
Futsal Sistema de jogo e noção de marcaçãoFutsal Sistema de jogo e noção de marcação
Futsal Sistema de jogo e noção de marcação
Ivo Volmir Ribas
 
Andebol 2 - O Ensino do Jogo dos 11 aos 14 anos
Andebol 2 - O Ensino do Jogo dos 11 aos 14 anosAndebol 2 - O Ensino do Jogo dos 11 aos 14 anos
Andebol 2 - O Ensino do Jogo dos 11 aos 14 anos
Tiago Cruz
 
Jogo ofensivo
Jogo ofensivoJogo ofensivo
Jogo ofensivo
Fernando Farias
 
Construindo uma forma de jogar guia de treino para iniciantes
Construindo uma forma de jogar   guia de treino para iniciantesConstruindo uma forma de jogar   guia de treino para iniciantes
Construindo uma forma de jogar guia de treino para iniciantes
Jarbas Rossatto
 

Semelhante a Princípios Operacionais de Transição (20)

Thesis of Pedro Moutinho Vieira of Attack-Defense vs Youth-Senior in Professi...
Thesis of Pedro Moutinho Vieira of Attack-Defense vs Youth-Senior in Professi...Thesis of Pedro Moutinho Vieira of Attack-Defense vs Youth-Senior in Professi...
Thesis of Pedro Moutinho Vieira of Attack-Defense vs Youth-Senior in Professi...
 
Thesis of Pedro Moutinho Vieira - Transition Attack- Defense vs Youth-Senior ...
Thesis of Pedro Moutinho Vieira - Transition Attack- Defense vs Youth-Senior ...Thesis of Pedro Moutinho Vieira - Transition Attack- Defense vs Youth-Senior ...
Thesis of Pedro Moutinho Vieira - Transition Attack- Defense vs Youth-Senior ...
 
O Jogo Coletivo e a Integração das Referências
O Jogo Coletivo e a Integração das ReferênciasO Jogo Coletivo e a Integração das Referências
O Jogo Coletivo e a Integração das Referências
 
Referências para a Ocupação do Espaço sem Bola
Referências para a Ocupação do Espaço sem BolaReferências para a Ocupação do Espaço sem Bola
Referências para a Ocupação do Espaço sem Bola
 
Transicao defesa ataque no Futebol
Transicao defesa ataque no FutebolTransicao defesa ataque no Futebol
Transicao defesa ataque no Futebol
 
Transicao defesa ataque
Transicao defesa ataqueTransicao defesa ataque
Transicao defesa ataque
 
Métodos de Treino
Métodos de TreinoMétodos de Treino
Métodos de Treino
 
Coachidapp-eBook.pdf
Coachidapp-eBook.pdfCoachidapp-eBook.pdf
Coachidapp-eBook.pdf
 
Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.
Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.
Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.
 
Blog 3º artigo - especificidade no treinamento -sistema - 1-4-4-2
Blog   3º artigo - especificidade no treinamento -sistema - 1-4-4-2Blog   3º artigo - especificidade no treinamento -sistema - 1-4-4-2
Blog 3º artigo - especificidade no treinamento -sistema - 1-4-4-2
 
Planificacaotaticadapretemporadaemequipesprofissionais 121015090808-phpapp01
Planificacaotaticadapretemporadaemequipesprofissionais 121015090808-phpapp01Planificacaotaticadapretemporadaemequipesprofissionais 121015090808-phpapp01
Planificacaotaticadapretemporadaemequipesprofissionais 121015090808-phpapp01
 
O modelo de jogo
O modelo de jogoO modelo de jogo
O modelo de jogo
 
Projecto _os luvinhas
Projecto  _os luvinhasProjecto  _os luvinhas
Projecto _os luvinhas
 
Práticas de jogo de prioridade tática defensiva II. Tática defensiva grupal 3.
Práticas de jogo de prioridade tática defensiva II. Tática defensiva grupal 3. Práticas de jogo de prioridade tática defensiva II. Tática defensiva grupal 3.
Práticas de jogo de prioridade tática defensiva II. Tática defensiva grupal 3.
 
Pressão e Pressing
Pressão e PressingPressão e Pressing
Pressão e Pressing
 
Implantação e Caraterização de um Modelo de Jogo
Implantação e Caraterização de um Modelo de JogoImplantação e Caraterização de um Modelo de Jogo
Implantação e Caraterização de um Modelo de Jogo
 
Futsal Sistema de jogo e noção de marcação
Futsal Sistema de jogo e noção de marcaçãoFutsal Sistema de jogo e noção de marcação
Futsal Sistema de jogo e noção de marcação
 
Andebol 2 - O Ensino do Jogo dos 11 aos 14 anos
Andebol 2 - O Ensino do Jogo dos 11 aos 14 anosAndebol 2 - O Ensino do Jogo dos 11 aos 14 anos
Andebol 2 - O Ensino do Jogo dos 11 aos 14 anos
 
Jogo ofensivo
Jogo ofensivoJogo ofensivo
Jogo ofensivo
 
Construindo uma forma de jogar guia de treino para iniciantes
Construindo uma forma de jogar   guia de treino para iniciantesConstruindo uma forma de jogar   guia de treino para iniciantes
Construindo uma forma de jogar guia de treino para iniciantes
 

Princípios Operacionais de Transição

  • 1. Leandro Zago Básica 2 – Princípios Operacionais de Transição 1. Transitando ou Transicionando entre o Ataque e a Defesa ? “Temos ainda que caminhar bastante no entendimento, na sistematização dessas coisas, no sentido de perceber as suas conexões e de entender o Jogo como um fluxo contínuo.” (Júlio Garganta) Pertencente ao grupo dos Jogos Desportivos Coletivos (JDC), o futebol tem na sua essência quatro momentos que estão presentes em qualquer partida que seja disputada e que independem do nível, local ou idade dos praticantes (desde níveis de formação até jogadores profissionais) envolvidos: defesa, transição defesa - ataque, ataque e transição ataque – defesa. A natureza complexa e não linear do jogo não permite que seja prevista a ordem em que esses quatro momentos irão ocorrer, fazendo com que cada partida possua uma linha de progressão única que vai se desenhando de acordo com as respostas coletivas das equipes e individuais dos jogadores aos estímulos do jogo. Essa afirmação vem ao encontro do que escreveu o professor Vítor Frade (2002), “não há nada mais construído que o jogar. O jogar não é um fenômeno natural, mas construído”. Ou seja, se o jogo vai sendo construído, e os dois momentos de transição são inerentes a ele, temos a possibilidade de preparar nossa equipe durante o processo de treinamento para realizá-las da forma como considerarmos mais adequado. Para Amieiro (2005) “treinar é fabricar o jogar que se pretende”. Fica também caracterizado que independente do nível de organização e se há realmente uma organização a transição ocorrerá de forma mais ou menos elaborada.
  • 2. Leandro Zago 2. Princípios Operacionais de Transição Defensiva No momento da perda da posse de bola, a equipe já deve apresentar respostas individuais e coletivas que estejam conjecturadas com seu modelo de jogo independentemente do que este propõe. A ação pode variar, mas este alinhamento com o modelo é fundamental para o êxito ao longo do decorrer da partida. A resposta que todos os jogadores irão apresentar podem ser diferentes, mas também devem respeitar princípios comuns a todos. Ainda antes de organizar-se defensivamente, a transição ataque-defesa já deve apresentar características dessa defesa e agir de modo a potencializar os efeitos da mesma (Organização Defensiva). Figura 1 – Princípios Operacionais de Transição Ataque – Defesa As opções apresentadas na figura 1 surgirão primeiramente em conseqüência dos comportamentos adquiridos (treinos e jogos) ou como resposta da equipe à situação do jogo que ela está confrontando (necessidade de uma compreensão boa do jogo).
  • 3. Leandro Zago 3. Princípios Operacionais de Transição Ofensiva Esses Princípios serão as referências que guiarão a equipe quando esta recupera a posse de bola. Assim como os Princípios de Transição Defensiva, devem manter relação indivisível com o modelo de jogo para que sua eficácia não seja comprometida. Figura 2 – Princípios Operacionais de Transição Defesa - Ataque É importante que os dois momentos (1º e 2º momentos da figura acima) mantenham uma relação também entre si, pois podem aumentar a chance de êxito da equipe no jogo. Além disso, devem contribuir com a Organização Ofensiva proporcionando ações em direção à ela, e nunca em contraposição. Ressalta-se que mesmo com ações diferentes, os jogadores da mesma equipe devem estar balizados pelos Princípios da equipe que regem a Transição Ofensiva para que consigam cumprir a tarefa de forma coletiva.
  • 4. Leandro Zago 4. Organizando os Princípios Operacionais de Transição E para se treinar as transições defensivas e ofensivas são necessários princípios de jogo bem estabelecidos. Quando recupera a bola, a equipe deve saber se é o momento de contra atacar, tirar simplesmente a bola da zona de pressão ou alternar entre ambos de acordo com o comportamento do adversário. Ao perder a bola, deve-se definir referências para pressionar o portador da bola rapidamente, reorganizar-se em linhas mais recuadas ou coordenar as duas respostas numa análise rápida da situação que o jogo está propondo. Essa coordenação tem que estar muito bem construída, porque a transição tem como uma de suas características um pequeno tempo para a sua ocorrência não permitindo na maioria das vezes que as dúvidas sejam solucionadas em tempo hábil (veremos a variável tempo mais à frente) de resolver o problema. Essa construção passa pela vivência em treino desses princípios desde os mais básicos até os mais elaborados até que se atinjam modelos hierarquizados para apresentar tais respostas dentro do jogo. 5. Os Princípios de Transição e a variável Tempo Treinadores portugueses como José Mourinho e Jesualdo Ferreira concebem os momentos de transição como fundamentais dentro do jogo de futebol. Jesualdo considera que “as equipas terríveis (utiliza terrível para caracterizar equipes difíceis de se enfrentar) são aquelas que diminuem o tempo entre o ganhar a bola e atacar e entre o perder a bola e defender”. Vítor Frade (2002) afirma que para uma equipe atacar com muitos jogadores sem tornar-se desequilibrada deve “dar particular atenção aos timings de transição”. Nota-se nas falas de Jesualdo e Vítor Frade uma preocupação com o tempo no sentido de duração do momento transitório. Assim, na tarefa transição, observa-se o como fazer nos princípios anteriormente citados e
  • 5. Leandro Zago o quando fazer (entre o atacar e o defender e vice-versa) da forma mais rápida (e para isso faz-se necessário coordenação coletiva) possível. Construir uma forma de jogar que seja condizente com as necessidades de se ganhar um jogo atuando de uma forma atrativa – porque para ser eficiente uma equipe não precisa abrir mão de jogar bonito, muito pelo contrário – passa pela sistematização de um processo de treinamento que contemple os quatro momentos do jogo de forma integrada. O modelo de jogo adotado deve racionalizar que as zonas em que busco recuperar a bola com maior freqüência devem estar relacionadas com o tipo de organização ofensiva que pretendo utilizar e que a forma como se realizam as transições defensivas e ofensivas permitem o melhor ou pior funcionamento desse sistema integrado de ações que se sucedem sem uma ordem definida. Por não possuir um comportamento linear, o jogador deve ser capaz de interpretar os acontecimentos do jogo e aplicar uma resposta que esteja baseada nos mesmos referenciais que o restante da sua equipe e isso só acontecerá se durante o processo de treinamento os exercícios pelo grupo vivenciados potencializarem esse sentido coletivo. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Amieiro, N. (2005) Defesa à Zona no Futebol: Um pretexto para refletir sobre o jogar ... bem, ganhando! Edição do Autor. 2005. Frade, V. (2002) Apontamentos das aulas de Metodologia Aplicada II, Opção de Futebol. FCDEF-UP. Porto. Não publicado. Leitão, R. A. A. (2009) Futebol: um jogo também de ocupação de espaço. Universidade do Futebol. Zago, L. C. (2008) O Sistema de transições no futebol. Universidade do Futebol.
  • 6. Leandro Zago Leitão, R. A. A. (2008) Mourinho e as transições ofensivas. Universidade do Futebol.