SlideShare uma empresa Scribd logo
A Construção de uma Dinâmica…

Curso de Treinadores de Futebol

Técnico-Táctica – Miguel Cardoso
UEFA B – Maio 2010
Evolução do Futebol

Abordagem diferente

Interpretar…
Treinar…
Jogar…

Evolução do Jogo

Evolução do processo de preparação/treino

A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Futebol de “Ontem”

Treino de “Ontem”

Futebol de “Hoje”

Treino de “Hoje”

Futebol de “Amanhã”

Treino de “Amanhã”

A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Treinador de “Ontem”

Jogador de “Ontem”

Treinador de “Hoje”

Jogador de “Hoje”

Treinador de “Amanhã”

Jogador de “Amanhã”

A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
A qualidade e a consistência das acções
de jogo dependem não apenas da
existência de jogadores com elevado
potencial, mas também, cada vez mais,
da intervenção de treinadores que
possuam elevadas capacidades para
liderar, planear e programar um trabalho
sólido e racional (Garganta, 1999)

A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
TREINADOR
EQUIPA TÉCNICA

Criar condições para o
máximo Rendimento

Desportivo dos seus
jogadores e da equipa!

Definir

Orientar

Controlar
A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
ESPAÇOS DE ACÇÃO DO TREINADOR

Planificação

Programação
Planeamento

Operacionalização

A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Planificação
Plano Hipotético

Descrição antecipada (gráfica ou
mental) do processo - progressão,
variações do lugar e das demais
condições do treino.

Plano Concreto

Programação
Determinação da estratégia, do
conteúdo e da forma de
construção do processo de treino.

A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Programação
1 – Análise do Meio
2 – Informações gerais sobre os atletas
3 – Análise do Nível de Jogo e dos Jogadores
4 – Análise do Calendário Competitivo
5 – Selecção dos Meios e Métodos de treino a aplicar

DESCANSO

6 – Definição do Modelo de Equipa

Sistema(s) Táctico(s)
Métodos de Jogo
Princípios Orientadores
Esquemas Tácticos

A Construção de uma Dinâmica
O nosso MJ não é definido por
ninguém, faz parte da nossa
cultura…

Quem define o
vosso MJ?

A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Será possível partirmos
para um projecto sem
uma ideia?!

A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
O que queremos…
que

Uma “Equipa em que em
Equipa”
todos os momentos do
jogo/fases do jogo, os
jogadores pensem e
executem do mesmo
modo, em consonância
com o MJA

O Futebol assume-se
como um fenómeno
complexo, logo
verificamos que é
fundamental a criação de
um Modelo de Jogo como
concepção tendo em
conta a “natureza
inquebrantável do jogo”
(Frade, 2004)

Exista uma só identificação táctica, com expressão
táctico-técnica individual e colectiva.

A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Modelo de Jogo – é a concepção de jogo idealizada pelo
treinador, no que diz respeito a um conjunto de factores
necessários para a organização dos processos ofensivos e
defensivos da equipa…
... reproduz de uma
forma metódica e
sistemática, todo o
sistema de relações que
se estabelecem entre os
diferentes elementos nas
diversas fases de jogo
(fase ofensiva, fase
defensiva e transições),
definindo as tarefas e os
comportamentos tácticotécnicos exigíveis aos
jogadores, em função dos
seus níveis de aptidão e
capacidade.

A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
É um conjunto de referências que devem acompanhar o treinador e
os jogadores em todos os momentos das suas intervenções e
acções…

...no planeamento!

...no jogo!
...no treino!

A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Todos os jogadores conheçam e saibam
fazer o que se refere às acções
ofensivas e defensivas, numa relação
permanente e ajustada entre eles, de
modo a garantir a eficácia não só
individual como colectiva.

Conheçam e executem de acordo com
os Princípios e sub-princípios definidos
pelo MJA para as 4 fases do jogo:
- Ataque

Transição para defesa

- Defesa

Transição para ataque

A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Estruturação das ≠ fases do jogo

Ajustado ao
clube, à
equipa e seu
nível de jogo e
aos jogadores

Importante na
periodização e
na planificação

Identificação colectiva –
potenciar o “Eu” e o “Nós”

A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
O que devemos fazer?
que

TREINAR “PARA UM JOGAR”.
JOGAR”.
NÃO UM JOGO QUALQUER!
O JOGO DO MODELO.
TREINAR O MODELO.

A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
«O mais importante numa
equipa é ter um
determinado modelo,
determinados princípios,
conhecêconhecê-los bem,
interpretáinterpretá-los bem,
independentemente de ser
utilizado este ou aquele
jogador. No fundo é treinar
aquilo a que se chama a
“organização de jogo”»
(Mourinho, 2005).

A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
•

Construção permanente do Jogar, pelo
entendimento de que “o MJ não se
restringe ao plano conceptual ou
ideológico do jogo ou seja, é um fenómeno
que se encontra em permanente
construção” (Gomes, 2006).

Avanços e recuos que a equipa apresenta no
domínio dos princípios do MJ.
Evolução para níveis de adaptação a princípios
estruturantes de maior complexidade do MJ.
Alterações necessárias ao MJ em função da
entrada/saída de jogadores e da especificidade
das suas características individuais.

A Construção de uma Dinâmica
A Construção de uma Dinâmica
Exemplo de Princípios de um MJA
“MODELO DE JOGO EVOLUÍDO”
Evolução no Futebol
O ritmo de jogo é cada vez mais elevado.
Fundamental a técnica (relação jogador/bola) em
velocidade para elevar o ritmo de jogo.
O jogo aéreo tem ganho maior importância.
Maior simplificação na construção do ataque, para
uma mais rápida aproximação à baliza.
A eficiência da defesa tem aumentado.
A importância dos organizadores/coordenadores de
jogo é maior.
Esquemas tácticos (lances de bola parada) são
decisivos para o resultado final.

A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Característica Geral

CAPACIDADE DE IMPOR O SEU JOGO

Adoptar uma atitude agressiva permanente.

Provocar e espreitar os erros do adversário.

Provocar e tirar partido de mudanças bruscas do ritmo de jogo.

A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Características Específicas
PROCESSO DEFENSIVO – Limitar a iniciativa do adversário tentando
recuperar a posse de bola o mais rapidamente possível.
possível.
Participação de todos os jogadores e logo que se perde a posse
da bola.
Pressão sobre o portador da bola de acordo com o momento e
a zona onde se processa.
Fechar possíveis linhas de passe fundamentalmente em
profundidade.
Apoio permanente ao defensor directo (cobertura defensiva).
Criação de superioridade numérica nas zonas de disputa da bola.
Oscilações em função da bola tendentes a reduzir espaços de
penetração.

A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
PROCESSO DEFENSIVO - Acções e Métodos de Jogo a privilegiar
Marcação mais agressiva (sobre a zona da bola na perda e em todo o campo).
Pressing.
Coberturas defensivas.
Desarme em situações acrobáticas.
Métodos de Jogo – “Zona Pressing”…

PROCESSO DEFENSIVO - Objectivos
Condicionar a iniciativa ao adversário.
Não permitir (parar) o contra-ataque.
Permitir a nossa recuperação defensiva.
Obrigar o adversário a jogar mais longe.
Facilitar a nossa saída para o ataque.

A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Características Específicas
PROCESSO OFENSIVO – Impor o ritmo de jogo mais conveniente
procurando o golo com objectividade e variedade na progressão.
progressão.
Participação de todos os jogadores logo que se conquista a posse da bola
através de uma mudança brusca de actividade mental.
Fazer rapidamente a transição defesa/ataque com apoio
significativo: ao portador da bola, cobertura defensiva e criação de
linhas de passe em profundidade.
Manter o equilíbrio defensivo.

PROCESSO OFENSIVO - Acções e Métodos de Jogo a privilegiar
Condução de bola rápida e para a frente.
Finta em velocidade (resolver situações de 1x1).

A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Remate: sem preparação, exteriores e em situações acrobáticas (antecipações e
menor tempo de preparação).
Passe ao 1º toque, longo em largura e profundidade – utilizar os espaços e linhas de passe
longe da bola.
Impor um ritmo de jogo mais elevado e variado.
Métodos de Jogo – Contra-ataque e ataque rápido aumentam
importância.

PROCESSO OFENSIVO - Objectivos
Obrigar o adversário a entrar em crises de tempo.
Não permitir a recuperação defensiva do adversário.
Privilegiar a finalização.
Fazer oscilar o adversário na tentativa de criar espaços de
penetração.

A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
PRINCÍPIOS DE JOGO
Os princípios a cumprir durante as fases que ocorrem no jogo (ataque e defesa), são
referenciais muito importantes para o ensino/aprendizagem do futebol…
…da sua mais ou menos ajustada aplicação decorrem respectivamente a maior ou
menor qualidade e eficácia do jogo praticado.
O êxito do ataque e da defesa exige uma coordenação precisa
das acções dos jogadores, segundo princípios gerais e
específicos, comuns a qualquer modelo de jogo
Princípios
do Jogo.
Jogo.
O jogador estará em condições de percepcionar,
analisar e decidir-se por um comportamento o mais
adaptado possível às condições das situações de jogo.

A Construção de uma Dinâmica
A Construção de uma Dinâmica
O jogador em posse da
bola deverá ver se existe
possibilidade de finalizar
ou se tem espaço livre
de progressão para a
baliza contrária –
Penetração.

Em resposta à
penetração, a equipa
que defende deve fechar
de imediato a linha de
remate ou de
progressão para a baliza,
colocando um jogador
entre o portador da bola
e a baliza, criando uma
situação de 1x1 –
Contenção.

A situação de igualdade
numérica criada, não
deixa de implicar um
maior risco para a
equipa que defende.
Assim, esta deve
procurar criar
superioridade numérica,
através da inclusão de
um segundo defensor Cobertura Defensiva.

A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
A equipa que ataca,
dado que fica em
inferioridade numérica,
deve procurar
restabelecer o equilíbrio
fazendo apelo a um
segundo atacante e,
respeitando o segundo
princípio do ataque,
Cobertura Ofensiva,
tenta criar uma relação
de igualdade numérica
(2x2).

Esta situação de 2x2 é
menos vantajosa para o
ataque do que a de 1x1.
Justifica-se assim que o
2º atacante se afaste do
portador da bola de
forma a libertá-lo da
sobremarcação (cob.
def.), procurando
reconstituir a situação
de 1x1 – Mobilidade.

Entre estas duas
alternativas, compete à
defesa optar pela menos
perigosa. O segundo
defensor deve
acompanhar o segundo
atacante
restabelecendo, ainda
que em moldes frágeis,
situações de igualdade
numérica (1x1), através
do princípio do
Equilíbrio.

A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Em síntese…

Podemos referir que o ataque tem todo o
interesse em tornar o jogo mais aberto, com
maior amplitude, em largura e em profundidade,
em criar linhas de passe, de forma a obrigar a
defesa a flutuar e a ter maior dificuldade em criar
situações de superioridade numérica. Justifica-se
por isso aquele que se constitui como o 4º
princípio do ataque: Espaço.

Pelo contrário, à defesa compete restringir o
espaço disponível para jogar, diminuir a
amplitude do ataque, obrigando o adversário a
jogar em pequenos espaços, de forma a facilitar a
cobertura defensiva e a criação permanente de
situações de superioridade numérica. Explica-se
desta forma a Concentração enquanto quarto
princípio da defesa.

A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Contenção
Manter-se entre a bola e a baliza
de
os
oi
ap

Atender à velocidade e ao ângulo
aproximação ao atacante de posse da bola.

rr
co
in

apoios posicionados de forma correcta

t
en
m
ta
ec

Distância entre o defesa e o atacante.

os
ad
on
ci
si
po

Posicionamento de base.

e

Observar a bola – Ser paciente!

Retardar a acção do atacante
Ter a iniciativa!
Critério na relação desarme (risco) / temporização (segurança).
Determinação!
Em defesa baixa, agir sobre a bola para “aclarar a defesa”!

A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Cobertura Defensiva
Distância de Cobertura

A Comunicação

Em que zona do campo onde se verifica a
situação de jogo…

O jogador de cobertura defensiva
deverá comunicar com o companheiro
que nesse momento marca o
adversário de posse de bola,
informando-o da posição do
adversário, estimulando-o para a
condução deste para zonas menos
perigosas do campo ou encorajando-o
na execução do desarme.

Da capacidade técnico-táctica do jogador adversário.
Da velocidade dos defesas.

Do estado das superfícies do terreno de jogo e
as condições climatéricas.
Do deslocamento do jogador em coberura ofensiva.
2

O Ângulo de Cobertura

1

2

1

2

Ângulo de 45ª

Ter a iniciativa!

1
Atacante

Critério na relação desarme (risco) / temporização (segurança).
Determinação!

Atacante
Atacante conduzido para
corredor lateral!

Atacante
Atacante conduzido para
corredor central!

A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
SISTEMAS DE JOGO
O Sistema de Jogo ou o Dispositivo Táctico
representa o modo de colocação dos jogadores
sobre o terreno de jogo.
Esta colocação de base fundamental restabelece a
ordem e os equilíbrios nas várias zonas do campo,
servindo de ponto de partida para os
deslocamentos relativos dos jogadores, e para a
coordenação das acções individuais e colectivas.

Objectivos
Racionalização do Espaço de Jogo
Racionalização das potencialidades individuais dos jogadores
Estabelecimento de normas orientadoras

A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Análise Histórica
A Evolução…
Objectivo – Espectáculo – Sistemas “atrevidos”… “quando nós
temos a bola, atacamos; e quando eles têm a bola, defendemos”!!!
Em 1855, o Sheffield, primeiro clube inglês, jogava com 7
avançados, 1 médio, 2 defesas e 1 guarda-redes.

Sistema Clássico – Blackburn Olimpic

Regra do Fora de Jogo – Grandes alterações!!!

A Construção de uma Dinâmica
WM
Este era um sistema equilibrado e organizado.
Exprimia a superioridade do jogo colectivo sobre o
individual – Chave na evolução!
Grande período de expressão no mundo – anos 30 até anos
50 – Arsenal.
Potencial ofensivo fabuloso (5 jogadores em ataque) e uma
defesa cerrada…
Hungria invencível de 1950 a 1954 e Alemanha Campeã do
Mundo em 1954.

4:2:4
Espectacular porque tinha 4 AV e defesa jogava em linha!
O futebol tipicamente britânico, baseado no passe longo e de prevalência
física, cedeu lugar ao Futebol Arte servido pelo tecnicismo de jogadores dotados
de maior capacidade de improvisação e de mais apurada técnica individual.
Os 2 médios passaram a ter a dupla função (ofensiva e defensiva)
originando uma fase ofensiva com 6 jogadores e uma fase defensiva
com igual número, logo, a vantagem deste sistema situava-se na
rapidez de transformar um forte ataque numa forte defesa.

A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Catenaccio - Betão ou Ferrolho

Para compensar as falhas defensivas do 4.2.4, um
treinador italiano, chamado Helénio Herrera, concebeu
um sistema super reforçado ao nível da defesa através da
criação do posto de libero.

Problemas apontados a este sistema é o de neutralizar,
em parte, a lei do fora-de-jogo pois o jogador que actua
atrás do sector defensivo coloca em jogo qualquer
avançado que explore essa situação.

Este sistema exige uma grande disciplina e espírito de
cooperação de toda a equipa.

Inter de Milão, treinado por Helénio Herrera, ganhou a
Taça dos Clubes Campeões duas vezes seguidas, em1964
e 1965.

A Construção de uma Dinâmica
4:3:3
Esta disposição táctica derivada do 4:2:4 atingiu o auge no
Campeonato do Mundo de 1978 com os seus dois finalistas: a Argentina
e a Holanda.

A linha defensiva incluía 4 jogadores embora um tivesse
papel de libero.

Dirigíamo-nos para uma forma de futebol em que cada
jogador tinha simultaneamente uma missão defensiva e
ofensiva.

O objectivo desta alteração foi proporcionar uma
melhor distribuição de esforços, pois no 4:2:4 os dois
médios tinham uma missão deveras desgastante e difícil,
pois tinham de defender e quando recuperavam a bola
tinham que comandar a manobra de ataque.

O recuo de um avançado surgiu para possibilitar uma
melhor ocupação dos espaços.

A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Os Sistemas de Jogo Modernos

4:4:2 Clássico
4:4:2 Losango
4:3:3
4:1:4:1
4:2:3:1
4:1:3:2
5:2:3
3:5:2
…
A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Posicionamento Avançados – 2 ou 1/1

A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
3º DC como líbero ou trinco.

A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Médios em 1/2 ou 2/1.

A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Médios em 1/2 ou 2/1.de 4 ou em losango.
Médios em linha

A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
A Construção de uma Dinâmica
A Construção de uma Dinâmica
A Construção de uma Dinâmica
A Construção de uma Dinâmica
A Construção de uma Dinâmica
A Construção de uma Dinâmica
ESQUEMAS TÁCTICOS DEFENSIVOS
FUNDAMENTAL

Organização - Os ETD devem ser organizados, por forma a colocar os atacantes adversários
em condições desfavoráveis no desenvolvimento dos ETO, como nas situações subsequentes à sua
execução. Pressupõe sempre o estabelecimento de um dispositivo fixo, no qual os jogadores se
posicionam de forma pré-estabelecida. No entanto, deve igualmente ter um carácter espontâneo se
os atacantes conseguirem executá-lo rapidamente.

Disciplina individual e colectiva

- Os jogadores que participam nestes devem ter um
claro conhecimento das acções específicas da sua organização e das suas variantes (livres, pontapés de
canto, lançamentos da linha lateral, grandes penalidades, etc.), estar sempre preparados para assumir
na eventualidade as missões específicas do companheiro.

Concentração - Os lapsos de concentração são o maior problema
dos ETD. O tempo necessário para a execução das situações de bola parada
é o suficiente para se poder reajustar a posição, as distâncias e a
concentração psíquica dos jogadores por forma a prepararem a sua
resolução (procurar o adversário para marcar, ler a situação e antecipar as
soluções que os atacantes procuram efectuar). Todavia, se o dispositivo não
estiver totalmente concretizado, os defesas deverão efectuar um esquema
táctico defensivo, tendo um carácter espontâneo.

A Construção de uma Dinâmica
Princípios
Nos Livres Directos ou Indirectos
No meio-campo do terreno de jogo

Bloquear a trajectória directa da bola em direcção à baliza, por
forma a que o atacante tenha que utilizar uma linha diferente.
Obrigar o atacante a executar uma acção técnico-táctica mais
complexa, o que determinará igualmente uma recepção mais
difícil da bola por parte de um dos seus companheiros.
Temporizar o ataque adversário, ganhando algum tempo, que
deve ser utilizado na marcação dos atacantes posicionados em
profundidade e nos espaços vitais de jogo. Marcação
pressionante dos atacantes que eventualmente desenvolvam
deslocamentos ofensivos de rotura.

A Construção de uma Dinâmica

Um jogador deverá colocar-se
imediatamente entre a bola e a
baliza
Na zona defensiva

O perigo dos livres
(directos ou indirectos)
aumenta à medida que
estes são concedidos nas
proximidades da baliza.

IMPORTÂNCIA
BARREIRA

A rapidez de formação de uma barreira - A formação da barreira deve ser tão rápida quanto
possível, daí a necessidade de a sua construção ser previamente planeada e treinada.
Quem coordena a posição da barreira - Normalmente a coordenação da posição da barreira é feita
pelo guarda-redes com a ajuda de um companheiro, que se coloca perto da bola com as seguintes
intenções:

Ganhar o tempo suficiente para que os companheiros
formem a barreira e evitar que o livre seja executado
rapidamente.

Não deixar que a bola mude de posição para dar o correcto
ponto referencial ao seu guarda-redes para posicionamento da
barreira num ângulo ideal.

A Construção de uma Dinâmica
Número de jogadores que formam a Barreira

Da distância da posição da bola em relação à
baliza.
Do ângulo, ou seja, no corredor central, ou
corredores laterais.

entre 4 a 9 jogadores

2/3

2/3

1/2

1/2
3/4

4/5

3/4

2/3
1/2

A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Os jogadores que formam a barreira devem colocar-se uns ao lado
dos outros, constituindo um bloco homogéneo e coeso, em que o
afastamento das pernas deverá ser o suficiente para precaver a
possibilidade de a bola passar entre elas.
A formação da barreira deverá proteger um dos lados da baliza,
enquanto o guarda-redes deve assumir uma posição perto do meio da
baliza de forma: a possibilitar a visão da bola, a impedir que a bola
possa entrar pelo seu lado, e, espreitar a possibilidade de intervir no
lado da barreira.
Um dos jogadores coloca-se do lado de fora da trajectória directa
entre a posição da bola e o poste da baliza, por forma a evitar a
execução de remates que possam "rodear" a barreira.
O posicionamento dos jogadores da barreira é realizada em função da
sua altura. Assim, os jogadores mais altos deverão colocar-se e
proteger o ângulo da baliza contrária ao do posicionamento do
guarda-redes.
A barreira deverá dissolver-se só depois da execução do remate ou do
passe (consoante o esquema táctico ofensivo), ou seja, depois de
efectuado o primeiro toque na bola. Nos livres indirectos, um dos
jogadores da barreira, normalmente o mais rápido, é colocado por
dentro desta, saindo de imediato após o primeiro toque na bola
procurando diminuir o tempo e o espaço de execução técnico-táctica
ao atacante de posse de bola.

A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Nos livres indirectos dentro da grande área
Cobrir o máximo possível da baliza através da formação da barreira com todos os jogadores,
que muitas vezes (devido às leis do jogo) terão que posicionar-se em cima da linha de golo.
O guarda-redes deverá colocar-se à frente e ao centro da barreira.
Uma vez efectuado o primeiro toque na bola toda a barreira de forma coesa e homogénea
deve convergir em direcção à bola diminuindo assim o espaço e o tempo do atacante em
rematar.

Nos Pontapés de Canto
Posicionar um defesa à frente da trajectória da bola movendo-se activamente de forma a:
Perturbar o atacante na marcação do pontapé de canto.
Obrigar o atacante a executar um cruzamento mais difícil.
Marcar de imediato o atacante se o canto for curto, por forma a evitar que
este cruze para a grande área.

A Construção de uma Dinâmica
A posição do guarda-redes deve situar-se no meio da baliza de forma:
A observar a bola.
A trajectória da bola.
A situação dentro da grande área. Evitar que o seu
possível deslocamento em direcção ao primeiro
poste não seja obstruído.
No primeiro poste. Os pontapés de canto mais perigosos são os que são efectuados para o
primeiro poste, daí a necessidade de um especial cuidado no posicionamento dos defesas, neste
sentido, coloca-se:
Um defesa que poderá assumir um posicionamento perto do poste e
da linha de golo.
Dois defesas em que um destes poderá assumir um posicionamento à
frente do companheiro e o outro ao lado deste por forma a reforçar a
defesa neste espaço vital.
No segundo poste. Eventualmente posicionar um defesa perto do
segundo poste e em cima da linha de golo. Este jogador deverá ter o
máximo de atenção não só nos cruzamentos para esse espaço, como as
bolas que sejam desviadas do primeiro poste para trás.

A Construção de uma Dinâmica
A defesa do resto da pequena área deve ser assumida através da colocação, no
mínimo, de três jogadores que marcam o espaço e/ou os adversários aí
posicionados ou que para aí possam deslocar-se.

Lançamentos de Linha Lateral
Se o lançamento de linha lateral for executado perto da linha final, os defesas deverão assumir
os mesmos objectivos e pressupostos estabelecidos para o pontapé de canto.
Se o lançamento da linha lateral for efectuado no meio-campo:
Colocação de um defesa na trajectória directa do lançamento com a baliza por forma a perturbar
o atacante, obrigá-lo a executar uma acção técnico-táctica mais complexa, ou forçá-lo a efectuar
um passe de trajectória aérea para dar mais tempo aos companheiros de se readaptarem à
tarefa defensiva.
Marcação agressiva e premente dos atacantes que se posicionem em profundidade ou que
executem deslocamentos de rotura em direcção à grande área.
Os restantes atacantes que possam receber a bola devem ser marcados com um
pouco mais de espaço para que o defesa possa reagir e acompanhar
eficientemente o atacante, se este mudar de direcção.

A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Na Grande Penalidade

Na situação de grande penalidade quatro ou cinco defesas devem posicionar-se ao longo da
meia-lua da grande área por forma a concretizar os seguintes objectivos:
Repelir a bola no caso desta embater no poste ou na barra da baliza, ou pela defesa
incompleta do guarda-redes.
Evitar ou perturbar a acção dos restantes atacantes na sua possível intervenção sobre a bola.

A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
ESQUEMAS TÁCTICOS OFENSIVOS
OBJECTIVO
É assegurar as condições mais favoráveis à concretização
imediata do golo. Dos dados das análises do jogo de futebol,
concluí-se que entre 25 e os 50% das situações de finalização,
têm por base as soluções tácticas a partir de bola parada.

MEIOS
Os meios fundamentais para a concepção dos esquemas
tácticos, devem assegurar os seguintes aspectos:

Dispositivo fixo
… no qual os jogadores e a bola circulam de uma
forma pré-estabelecida. No entanto, deve
igualmente ter um carácter espontâneo e criador,
relacionando o nível de organização ofensiva e
defensiva, em função da situação momentânea de
jogo.

A Construção de uma Dinâmica
A execução dos esquemas tácticos ofensivos exige…
Jogador que repõe a bola: (1) um claro conhecimento da solução táctica e das suas variantes,
(2) uma reposição de bola no momento certo, articulado com a movimentação dos seus
companheiros e, (3) uma eficaz execução técnico-táctica de reposição da bola.
Jogadores que participam directamente no esquema táctico: (1) claro conhecimento da solução
táctica e as suas variantes, (2) coordenação eficaz do objectivo do seu comportamento e dos seus
companheiros e, (3) estar sempre preparado para a eventualidade de finalizar.
Aplicação de medidas preventivas para se minimizar o eventual risco de uma perda extemporânea
da posse da bola. Daqui se infere igualmente, a necessidades dos jogadores que não estão
directamente envolvidos nos esquemas tácticos, terem o conhecimento com a mesma exactidão e
responsabilidade, que os restantes companheiros.
Um tempo suficiente para se poderem reajustar as
posições, as distâncias e a concentração psíquica dos
jogadores, de forma a se prepararem para a sua
execução (não implica perder a oportunidade de repor
rapidamente a bola em jogo, mesmo que o dispositivo
fixo não esteja ainda totalmente concretizado, se daí se
tirar maiores vantagens de uma desconcentração dos
jogadores adversários e de uma organização defensiva
precária.

A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Princípios
Criar um "cenário" convincente que permita mobilizar a atenção, e por conseguinte, a
desconcentração de um ou vários adversários. Os defesas, ao desconhecerem as acções
individuais e colectivas que envolvem a concretização do esquema táctico, podem ser
induzidos em erros, centrando a sua atenção em outros elementos que lhes pareçam mais
prováveis de acontecer (surpresa).
Concretizar a solução táctica, através de
deslocamentos caracterizados pelo desenvolvimento
de procedimentos técnico-tácticos rápidos, com
mudanças de direcção e utilizando pequenas fintas de
simulação do verdadeiro sentido da corrida.
Utilizar acções de protecção (cortinas/écrans),
especialmente sobre: (i) o guarda-redes, para
aumentar a dificuldade de leitura da situação de jogo
e, (ii) jogador que irá executar a acção técnico-táctica,
encobrindo a partida e trajectória da bola.

A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Aproveitar uma menor concentração (atenção) dos defesas.
Isto determina, que os jogadores escalonados para as várias
soluções tácticas de bola parada, devem imediatamente
ocupar as suas posições dentro do dispositivo fixo, tentando
rentabilizar uma possível reposição rápida da bola em jogo,
beneficiando de uma menor atenção dos jogadores
adversários.
Colocar os atacantes em determinados espaços, com funções
que maximizem as suas potencialidades individuais, criandose as condições mais favoráveis para a sua exteriorização.
Colocar os defesas a uma certa distância (regulamentada
pelas leis do jogo), a qual determina que o problema da
pressão não seja equacionado, logo, o jogador que repõe a
bola poderá concentrar-se fundamentalmente no momento
mais favorável para a concretização da solução táctica.
Aplicar o mesmo esquema táctico poucas vezes durante o
mesmo jogo. Introduzir uma ou duas variantes na construção
dos esquemas tácticos.
Simular situações de "conflito" com os adversários e com o
árbitro, (posição da bola, distância da barreira, etc.), com o
intuito de mobilizar a atenção dos adversários para outros
pormenores de menor interesse.

A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Lançamentos de Linha Lateral
Executá-lo rapidamente - Se a concentração dos defesas diminui quando a bola sai do
terreno de jogo, é importante expô-los novamente à presença desta.
A única excepção a esta regra verifica-se quando se executa o lançamento de linha lateral
para/ou na zona ofensiva, necessitando-se de mais tempo para que os companheiros se
desloquem para posições mais avançadas, ou para entregar a bola ao especialista de passes
longos para dentro da área.
Executá-lo para um companheiro sem marcação.
Executá-lo em direcção à baliza adversária - O
lançamento da linha lateral deverá, sempre que
possível, ser executado em direcção à baliza
adversária. Existem todavia excepções a esta regra
como é o caso de a acção ser realizada na zona
ofensiva.
Executá-lo por forma que o companheiro possa recepcionar a bola
facilmente - O lançamento da linha lateral é, para todos os efeitos, um
passe. A bola deverá ser entregue com a mesma consideração que um
passe, ou seja, lançando-a para um espaço, e sob um ângulo, que
possibilite ao receptor um controlo fácil da bola.

A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Executá-lo criando um espaço suficiente - Os jogadores erram ao posicionar-se muito
perto do companheiro, ou ficam estáticos à espera da bola. Com efeito, estes devem
deslocar-se, afastando-se ou aproximando-se do companheiro que irá executar o
lançamento, criando assim grandes dificuldades de marcação aos defesas contrários.
Executado o lançamento o jogador deverá entrar rapidamente no jogo - Uma vez executado
o lançamento da linha lateral, o jogador deve deslocar-se imediatamente para dentro do
terreno de jogo, dando simultaneamente cobertura ao companheiro de posse de bola e
procurando criar superioridade numérica nessa zona do campo.

Livres Directos ou Indirectos

Livres fora da zona ofensiva
Têm uma possibilidade muito remota de se
conseguir golo através de uma execução
directa. Assim, o ênfase deve ser posto numa
execução rápida, para retirar vantagem de
qualquer lapso de concentração por parte dos
defesas.

A Construção de uma Dinâmica

São mais os golos marcados como
resultado de livres, que de pontapés de
canto
conjuntamente
com
os
lançamentos da linha lateral.
Livres dentro da zona ofensiva
A partir dos corredores laterais dever-se-á: (1) cruzar a bola para as "costas" da defesa, e, (2)
pressionar os defesas. O cruzamento apresenta dois aspectos importantes:
Jogador que executa a acção
A área alvo do cruzamento - É a área delimitada pela marca da
grande penalidade e pela linha da pequena área.
O cruzamento - Os melhores cruzamentos são aqueles que
tornam o trabalho dos defesas mais difícil. Isto significa que o
cruzamento deve ser executado para as "costas" da defesa,
colocando a bola com velocidade e a meia-altura.

Jogadores que se deslocam para a área alvo
O deslocamento antes do cruzamento - Enquanto os defesas
têm a tendência natural de se deslocarem em direcção à bola,
os atacantes deverão deslocar-se afastando-se destes. Isto põe
de imediato um grande problema defensivo, como ver a bola e
o atacante simultaneamente?

A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
O momento do deslocamento para o cruzamento - O deslocamento para a área alvo deve
ser retardada o mais possível para que o jogador não tenha que esperar pela vinda da bola.
Idealmente o atacante e a bola devem chegar à área alvo ao mesmo tempo.
O ângulo de deslocamento para o cruzamento - Quanto maior for o ângulo entre o
deslocamento do jogador e a trajectória da bola mais eficiente, será o contacto com a mesma.
O contacto com a bola - Se o deslocamento do atacante for executado no momento e num ângulo
correctos, o contacto com a bola torna-se a fase mais importante, a qual deve ser realizada na
metade superior da bola, para assegurar que esta não suba.

Livres dentro da zona ofensiva – Corredor central
Evitar em qualquer momento que o
guarda-redes veja a bola.
Utilizar dois ou mais jogadores para a
execução do livre, para que o
adversário não saiba quem vai marcar o
livre. Os atacantes aproximam-se da
bola a partir de diferentes ângulos,
podendo executar diferentes tipos de
remate.

A Construção de uma Dinâmica
Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
Pontapé de Canto
Cantos curtos - Objectivo fundamental é de concretizar superioridade numérica (2x1, 3x2)
nessa área do terreno de jogo, tomando vantagem das leis que obrigam os adversários a se
posicionarem no mínimo a 9,15 metros da bola. Esta vantagem é usada para arquitectar um
posicionamento mais perigoso perto da baliza adversária e num ângulo mais correcto,
tentando desorganizar a defesa. Contudo, os cantos curtos não são a maior fonte de golos, não
havendo grandes vantagens em ter superioridade numérica nessa parte do terreno de jogo.

Cantos longos - Existem dois tipos de cantos
que
dependem
fundamentalmente
da
trajectória da bola em direcção à baliza
adversária, e que podem ser: com "efeito" na
bola por dentro e com "efeito" na bola por fora.

Ocupação de espaços para finalização –
Fundamental a distribuição dos jogadores pelas
diferentes zonas de finalização, embora hajam,
consoante a criatividade do treinador, diversas
formas de encontrar posicionamentos dentro e
nas proximidades da área..

A Construção de uma Dinâmica

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

João Aroso - Periodização do Treino no Futebol
João Aroso - Periodização do Treino no FutebolJoão Aroso - Periodização do Treino no Futebol
João Aroso - Periodização do Treino no Futebol
Fundação Real Madrid
 
Carlo Ancelotti - Sessão de Treino 2014
Carlo Ancelotti - Sessão de Treino 2014Carlo Ancelotti - Sessão de Treino 2014
Carlo Ancelotti - Sessão de Treino 2014
Fundação Real Madrid
 
Modelo de Jogo do FC Bayern Munique
Modelo de Jogo do FC Bayern MuniqueModelo de Jogo do FC Bayern Munique
Modelo de Jogo do FC Bayern Munique
Fundação Real Madrid
 
Planificacao tática da pre temporada em equipes profissionais
Planificacao tática da pre temporada em equipes profissionaisPlanificacao tática da pre temporada em equipes profissionais
Planificacao tática da pre temporada em equipes profissionais
Futbol Tactico Brasil
 
Ajax Training Sessions
Ajax Training SessionsAjax Training Sessions
Ajax Training Sessions
Renato Moreira
 
Programação e Periodização do Treino em Futebol
Programação e Periodização do Treino em FutebolProgramação e Periodização do Treino em Futebol
Programação e Periodização do Treino em Futebol
Fundação Real Madrid
 
Periodização Tática - José Guilherme Oliveira
Periodização Tática - José Guilherme OliveiraPeriodização Tática - José Guilherme Oliveira
Periodização Tática - José Guilherme Oliveira
Fundação Real Madrid
 
Treinos em construção
Treinos em construçãoTreinos em construção
Treinos em construção
Humberto Bettencourt
 
Modelo de Jogo
Modelo de JogoModelo de Jogo
Modelo de Jogo
Leandro Zago
 
A bíblia de mourinho no fc porto
A bíblia de mourinho no fc portoA bíblia de mourinho no fc porto
A bíblia de mourinho no fc porto
raseslb
 
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de FutebolProgramação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Fundação Real Madrid
 
Dia Verde da Periodização Tática
Dia Verde da Periodização TáticaDia Verde da Periodização Tática
Dia Verde da Periodização Tática
Fundação Real Madrid
 
Organização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costa
Organização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costaOrganização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costa
Organização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costa
João Carlos Costa
 
Metodologia de trabalho no futebol: Rafael Fernandes
Metodologia de trabalho no futebol: Rafael FernandesMetodologia de trabalho no futebol: Rafael Fernandes
Metodologia de trabalho no futebol: Rafael Fernandes
Rafael Fernandes
 
treino
 treino treino
treino
Hugo Ferreira
 
Periodização Táctica - Carlos Carvalhal
Periodização Táctica - Carlos CarvalhalPeriodização Táctica - Carlos Carvalhal
Periodização Táctica - Carlos Carvalhal
Fundação Real Madrid
 
Meios de ensino treino do jogo de futebol
Meios de ensino treino do jogo de futebolMeios de ensino treino do jogo de futebol
Meios de ensino treino do jogo de futebol
moko25
 
Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo - Fases do Jogo
Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo - Fases do JogoSimplificação da Estrutura Complexa do Jogo - Fases do Jogo
Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo - Fases do Jogo
Fundação Real Madrid
 
Metodologia de Trabalho - José Mourinho
Metodologia de Trabalho - José MourinhoMetodologia de Trabalho - José Mourinho
Metodologia de Trabalho - José Mourinho
Leandro Zago
 
O Modelo de Jogo do Real Madrid de José Mourinho
O Modelo de Jogo do Real Madrid de José MourinhoO Modelo de Jogo do Real Madrid de José Mourinho
O Modelo de Jogo do Real Madrid de José Mourinho
Renato Moreira
 

Mais procurados (20)

João Aroso - Periodização do Treino no Futebol
João Aroso - Periodização do Treino no FutebolJoão Aroso - Periodização do Treino no Futebol
João Aroso - Periodização do Treino no Futebol
 
Carlo Ancelotti - Sessão de Treino 2014
Carlo Ancelotti - Sessão de Treino 2014Carlo Ancelotti - Sessão de Treino 2014
Carlo Ancelotti - Sessão de Treino 2014
 
Modelo de Jogo do FC Bayern Munique
Modelo de Jogo do FC Bayern MuniqueModelo de Jogo do FC Bayern Munique
Modelo de Jogo do FC Bayern Munique
 
Planificacao tática da pre temporada em equipes profissionais
Planificacao tática da pre temporada em equipes profissionaisPlanificacao tática da pre temporada em equipes profissionais
Planificacao tática da pre temporada em equipes profissionais
 
Ajax Training Sessions
Ajax Training SessionsAjax Training Sessions
Ajax Training Sessions
 
Programação e Periodização do Treino em Futebol
Programação e Periodização do Treino em FutebolProgramação e Periodização do Treino em Futebol
Programação e Periodização do Treino em Futebol
 
Periodização Tática - José Guilherme Oliveira
Periodização Tática - José Guilherme OliveiraPeriodização Tática - José Guilherme Oliveira
Periodização Tática - José Guilherme Oliveira
 
Treinos em construção
Treinos em construçãoTreinos em construção
Treinos em construção
 
Modelo de Jogo
Modelo de JogoModelo de Jogo
Modelo de Jogo
 
A bíblia de mourinho no fc porto
A bíblia de mourinho no fc portoA bíblia de mourinho no fc porto
A bíblia de mourinho no fc porto
 
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de FutebolProgramação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
 
Dia Verde da Periodização Tática
Dia Verde da Periodização TáticaDia Verde da Periodização Tática
Dia Verde da Periodização Tática
 
Organização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costa
Organização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costaOrganização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costa
Organização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costa
 
Metodologia de trabalho no futebol: Rafael Fernandes
Metodologia de trabalho no futebol: Rafael FernandesMetodologia de trabalho no futebol: Rafael Fernandes
Metodologia de trabalho no futebol: Rafael Fernandes
 
treino
 treino treino
treino
 
Periodização Táctica - Carlos Carvalhal
Periodização Táctica - Carlos CarvalhalPeriodização Táctica - Carlos Carvalhal
Periodização Táctica - Carlos Carvalhal
 
Meios de ensino treino do jogo de futebol
Meios de ensino treino do jogo de futebolMeios de ensino treino do jogo de futebol
Meios de ensino treino do jogo de futebol
 
Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo - Fases do Jogo
Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo - Fases do JogoSimplificação da Estrutura Complexa do Jogo - Fases do Jogo
Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo - Fases do Jogo
 
Metodologia de Trabalho - José Mourinho
Metodologia de Trabalho - José MourinhoMetodologia de Trabalho - José Mourinho
Metodologia de Trabalho - José Mourinho
 
O Modelo de Jogo do Real Madrid de José Mourinho
O Modelo de Jogo do Real Madrid de José MourinhoO Modelo de Jogo do Real Madrid de José Mourinho
O Modelo de Jogo do Real Madrid de José Mourinho
 

Destaque

UNIDAD IV FASES PARA LA CONSTRUCCION DEL MODELO DE JUEGO A TARVEZ DE LA ORGAN...
UNIDAD IV FASES PARA LA CONSTRUCCION DEL MODELO DE JUEGO A TARVEZ DE LA ORGAN...UNIDAD IV FASES PARA LA CONSTRUCCION DEL MODELO DE JUEGO A TARVEZ DE LA ORGAN...
UNIDAD IV FASES PARA LA CONSTRUCCION DEL MODELO DE JUEGO A TARVEZ DE LA ORGAN...
OCTAVIO ENRQIUE RIVERA BARROS
 
UNIDAD V ORGANIZACION ESTRUCTURAL DEL MODELO DE JUEGO A TRAVES DE SU ORGANI...
UNIDAD V  ORGANIZACION ESTRUCTURAL DEL MODELO DE JUEGO  A TRAVES DE SU ORGANI...UNIDAD V  ORGANIZACION ESTRUCTURAL DEL MODELO DE JUEGO  A TRAVES DE SU ORGANI...
UNIDAD V ORGANIZACION ESTRUCTURAL DEL MODELO DE JUEGO A TRAVES DE SU ORGANI...
OCTAVIO ENRQIUE RIVERA BARROS
 
UNIDAD I: FACTORES PARA LA ORGANIZACION DEL MODELO DE JUEGO EN EL FUTBOL
 UNIDAD I: FACTORES PARA LA ORGANIZACION DEL MODELO DE JUEGO EN EL FUTBOL UNIDAD I: FACTORES PARA LA ORGANIZACION DEL MODELO DE JUEGO EN EL FUTBOL
UNIDAD I: FACTORES PARA LA ORGANIZACION DEL MODELO DE JUEGO EN EL FUTBOL
OCTAVIO ENRQIUE RIVERA BARROS
 
Martens sample chapter
Martens sample chapterMartens sample chapter
Martens sample chapter
Kim McFarland
 
Porque tantas victorias jose mourinho
Porque tantas victorias   jose mourinhoPorque tantas victorias   jose mourinho
Porque tantas victorias jose mourinho
Rolando Gutierrez Palomares
 
Vitor pereira defensive organization
Vitor pereira   defensive organizationVitor pereira   defensive organization
Vitor pereira defensive organization
Nick Cowell
 
UNIDAD III MOMENTOS PARA LA CONSTRUCCION DEL MODELO DE JUEGO EN EL FUTBOL
UNIDAD III MOMENTOS PARA LA CONSTRUCCION DEL MODELO DE JUEGO EN EL FUTBOLUNIDAD III MOMENTOS PARA LA CONSTRUCCION DEL MODELO DE JUEGO EN EL FUTBOL
UNIDAD III MOMENTOS PARA LA CONSTRUCCION DEL MODELO DE JUEGO EN EL FUTBOL
OCTAVIO ENRQIUE RIVERA BARROS
 
GUIA METODOLOGICA DEL PROGRAMA DE FORMACION DEL BARCELONA F.C
GUIA METODOLOGICA DEL PROGRAMA DE FORMACION DEL BARCELONA F.CGUIA METODOLOGICA DEL PROGRAMA DE FORMACION DEL BARCELONA F.C
GUIA METODOLOGICA DEL PROGRAMA DE FORMACION DEL BARCELONA F.C
OCTAVIO ENRQIUE RIVERA BARROS
 
Atletico Madrid - 10 Match Tactical Analysis
Atletico Madrid - 10 Match Tactical AnalysisAtletico Madrid - 10 Match Tactical Analysis
Atletico Madrid - 10 Match Tactical Analysis
Kieran Smith
 
UNIDAD II PRINCIPIOS DE JUEGO PARA LA ORGANIZACION DEL MODELO DE JUEGO EN E E...
UNIDAD II PRINCIPIOS DE JUEGO PARA LA ORGANIZACION DEL MODELO DE JUEGO EN E E...UNIDAD II PRINCIPIOS DE JUEGO PARA LA ORGANIZACION DEL MODELO DE JUEGO EN E E...
UNIDAD II PRINCIPIOS DE JUEGO PARA LA ORGANIZACION DEL MODELO DE JUEGO EN E E...
OCTAVIO ENRQIUE RIVERA BARROS
 

Destaque (10)

UNIDAD IV FASES PARA LA CONSTRUCCION DEL MODELO DE JUEGO A TARVEZ DE LA ORGAN...
UNIDAD IV FASES PARA LA CONSTRUCCION DEL MODELO DE JUEGO A TARVEZ DE LA ORGAN...UNIDAD IV FASES PARA LA CONSTRUCCION DEL MODELO DE JUEGO A TARVEZ DE LA ORGAN...
UNIDAD IV FASES PARA LA CONSTRUCCION DEL MODELO DE JUEGO A TARVEZ DE LA ORGAN...
 
UNIDAD V ORGANIZACION ESTRUCTURAL DEL MODELO DE JUEGO A TRAVES DE SU ORGANI...
UNIDAD V  ORGANIZACION ESTRUCTURAL DEL MODELO DE JUEGO  A TRAVES DE SU ORGANI...UNIDAD V  ORGANIZACION ESTRUCTURAL DEL MODELO DE JUEGO  A TRAVES DE SU ORGANI...
UNIDAD V ORGANIZACION ESTRUCTURAL DEL MODELO DE JUEGO A TRAVES DE SU ORGANI...
 
UNIDAD I: FACTORES PARA LA ORGANIZACION DEL MODELO DE JUEGO EN EL FUTBOL
 UNIDAD I: FACTORES PARA LA ORGANIZACION DEL MODELO DE JUEGO EN EL FUTBOL UNIDAD I: FACTORES PARA LA ORGANIZACION DEL MODELO DE JUEGO EN EL FUTBOL
UNIDAD I: FACTORES PARA LA ORGANIZACION DEL MODELO DE JUEGO EN EL FUTBOL
 
Martens sample chapter
Martens sample chapterMartens sample chapter
Martens sample chapter
 
Porque tantas victorias jose mourinho
Porque tantas victorias   jose mourinhoPorque tantas victorias   jose mourinho
Porque tantas victorias jose mourinho
 
Vitor pereira defensive organization
Vitor pereira   defensive organizationVitor pereira   defensive organization
Vitor pereira defensive organization
 
UNIDAD III MOMENTOS PARA LA CONSTRUCCION DEL MODELO DE JUEGO EN EL FUTBOL
UNIDAD III MOMENTOS PARA LA CONSTRUCCION DEL MODELO DE JUEGO EN EL FUTBOLUNIDAD III MOMENTOS PARA LA CONSTRUCCION DEL MODELO DE JUEGO EN EL FUTBOL
UNIDAD III MOMENTOS PARA LA CONSTRUCCION DEL MODELO DE JUEGO EN EL FUTBOL
 
GUIA METODOLOGICA DEL PROGRAMA DE FORMACION DEL BARCELONA F.C
GUIA METODOLOGICA DEL PROGRAMA DE FORMACION DEL BARCELONA F.CGUIA METODOLOGICA DEL PROGRAMA DE FORMACION DEL BARCELONA F.C
GUIA METODOLOGICA DEL PROGRAMA DE FORMACION DEL BARCELONA F.C
 
Atletico Madrid - 10 Match Tactical Analysis
Atletico Madrid - 10 Match Tactical AnalysisAtletico Madrid - 10 Match Tactical Analysis
Atletico Madrid - 10 Match Tactical Analysis
 
UNIDAD II PRINCIPIOS DE JUEGO PARA LA ORGANIZACION DEL MODELO DE JUEGO EN E E...
UNIDAD II PRINCIPIOS DE JUEGO PARA LA ORGANIZACION DEL MODELO DE JUEGO EN E E...UNIDAD II PRINCIPIOS DE JUEGO PARA LA ORGANIZACION DEL MODELO DE JUEGO EN E E...
UNIDAD II PRINCIPIOS DE JUEGO PARA LA ORGANIZACION DEL MODELO DE JUEGO EN E E...
 

Semelhante a A Construção de uma Dinâmica

O Ensino do Futebol
O Ensino do FutebolO Ensino do Futebol
O Ensino do Futebol
Fundação Real Madrid
 
Coachidapp-eBook.pdf
Coachidapp-eBook.pdfCoachidapp-eBook.pdf
Coachidapp-eBook.pdf
Dinarte Duarte
 
Documento orientador slb hóquei em patins
Documento orientador   slb hóquei em patinsDocumento orientador   slb hóquei em patins
Documento orientador slb hóquei em patins
Luis Sénica
 
Implantação e Caraterização de um Modelo de Jogo
Implantação e Caraterização de um Modelo de JogoImplantação e Caraterização de um Modelo de Jogo
Implantação e Caraterização de um Modelo de Jogo
Fundação Real Madrid
 
Visao periferica_futebolmonografia
 Visao periferica_futebolmonografia Visao periferica_futebolmonografia
Visao periferica_futebolmonografia
Cassio Vieira
 
Observação e Análise de Jogo
Observação e Análise de JogoObservação e Análise de Jogo
Observação e Análise de Jogo
Fundação Real Madrid
 
Treinador joao paulo barros
Treinador joao paulo barrosTreinador joao paulo barros
Treinador joao paulo barros
Joao Paulo Barros Manoel
 
Etapas de Desenvolvimento do Jogador no Futebol ETNF- S15-20 Junho 2018 (1).pdf
Etapas de Desenvolvimento do Jogador no Futebol ETNF- S15-20 Junho 2018 (1).pdfEtapas de Desenvolvimento do Jogador no Futebol ETNF- S15-20 Junho 2018 (1).pdf
Etapas de Desenvolvimento do Jogador no Futebol ETNF- S15-20 Junho 2018 (1).pdf
LuisPereiraFo
 
Construindo uma forma de jogar guia de treino para iniciantes
Construindo uma forma de jogar   guia de treino para iniciantesConstruindo uma forma de jogar   guia de treino para iniciantes
Construindo uma forma de jogar guia de treino para iniciantes
Jarbas Rossatto
 
1a visita-técnica iabb-resumo
1a visita-técnica iabb-resumo1a visita-técnica iabb-resumo
1a visita-técnica iabb-resumo
Rodney Martins
 
Análise e observação - Importância para o treinador de guarda-redes.
Análise e observação - Importância para o treinador de guarda-redes.Análise e observação - Importância para o treinador de guarda-redes.
Análise e observação - Importância para o treinador de guarda-redes.
Pedro Ferrer
 
Ebook Modelo-de-Jogo-Periodizacao-Tatica.pdf
Ebook Modelo-de-Jogo-Periodizacao-Tatica.pdfEbook Modelo-de-Jogo-Periodizacao-Tatica.pdf
Ebook Modelo-de-Jogo-Periodizacao-Tatica.pdf
Dinarte Duarte
 
Planificacaotaticadapretemporadaemequipesprofissionais 121015090808-phpapp01
Planificacaotaticadapretemporadaemequipesprofissionais 121015090808-phpapp01Planificacaotaticadapretemporadaemequipesprofissionais 121015090808-phpapp01
Planificacaotaticadapretemporadaemequipesprofissionais 121015090808-phpapp01
Bruno Comelli
 
CIENCIA E A PRATICA - Analise-de-Desempenho.pdf
CIENCIA E A PRATICA - Analise-de-Desempenho.pdfCIENCIA E A PRATICA - Analise-de-Desempenho.pdf
CIENCIA E A PRATICA - Analise-de-Desempenho.pdf
Dinarte Duarte
 
A mpb, um meio, não um fim joão carlos costa (fcp & fcdef-up) 2004
A mpb, um meio, não um fim   joão carlos costa (fcp & fcdef-up) 2004A mpb, um meio, não um fim   joão carlos costa (fcp & fcdef-up) 2004
A mpb, um meio, não um fim joão carlos costa (fcp & fcdef-up) 2004
João Carlos Costa
 
TÁTICA NO FUTEBOL (2).pptx fundamentos importantes técnicos da modalidade
TÁTICA NO FUTEBOL (2).pptx fundamentos importantes técnicos da modalidadeTÁTICA NO FUTEBOL (2).pptx fundamentos importantes técnicos da modalidade
TÁTICA NO FUTEBOL (2).pptx fundamentos importantes técnicos da modalidade
TavaresJana
 
Metodologia do treino
Metodologia do treinoMetodologia do treino
Metodologia do treino
Bé Couto
 
2017_12_16_hackeando_a_empresa_com_esporte
2017_12_16_hackeando_a_empresa_com_esporte2017_12_16_hackeando_a_empresa_com_esporte
2017_12_16_hackeando_a_empresa_com_esporte
Carlos Sousa
 
Thesis of Pedro Moutinho Vieira of Attack-Defense vs Youth-Senior in Professi...
Thesis of Pedro Moutinho Vieira of Attack-Defense vs Youth-Senior in Professi...Thesis of Pedro Moutinho Vieira of Attack-Defense vs Youth-Senior in Professi...
Thesis of Pedro Moutinho Vieira of Attack-Defense vs Youth-Senior in Professi...
Pedro Moutinho Vieira 🇵🇹
 
Thesis of Pedro Moutinho Vieira - Transition Attack- Defense vs Youth-Senior ...
Thesis of Pedro Moutinho Vieira - Transition Attack- Defense vs Youth-Senior ...Thesis of Pedro Moutinho Vieira - Transition Attack- Defense vs Youth-Senior ...
Thesis of Pedro Moutinho Vieira - Transition Attack- Defense vs Youth-Senior ...
Pedro Moutinho Vieira 🇵🇹
 

Semelhante a A Construção de uma Dinâmica (20)

O Ensino do Futebol
O Ensino do FutebolO Ensino do Futebol
O Ensino do Futebol
 
Coachidapp-eBook.pdf
Coachidapp-eBook.pdfCoachidapp-eBook.pdf
Coachidapp-eBook.pdf
 
Documento orientador slb hóquei em patins
Documento orientador   slb hóquei em patinsDocumento orientador   slb hóquei em patins
Documento orientador slb hóquei em patins
 
Implantação e Caraterização de um Modelo de Jogo
Implantação e Caraterização de um Modelo de JogoImplantação e Caraterização de um Modelo de Jogo
Implantação e Caraterização de um Modelo de Jogo
 
Visao periferica_futebolmonografia
 Visao periferica_futebolmonografia Visao periferica_futebolmonografia
Visao periferica_futebolmonografia
 
Observação e Análise de Jogo
Observação e Análise de JogoObservação e Análise de Jogo
Observação e Análise de Jogo
 
Treinador joao paulo barros
Treinador joao paulo barrosTreinador joao paulo barros
Treinador joao paulo barros
 
Etapas de Desenvolvimento do Jogador no Futebol ETNF- S15-20 Junho 2018 (1).pdf
Etapas de Desenvolvimento do Jogador no Futebol ETNF- S15-20 Junho 2018 (1).pdfEtapas de Desenvolvimento do Jogador no Futebol ETNF- S15-20 Junho 2018 (1).pdf
Etapas de Desenvolvimento do Jogador no Futebol ETNF- S15-20 Junho 2018 (1).pdf
 
Construindo uma forma de jogar guia de treino para iniciantes
Construindo uma forma de jogar   guia de treino para iniciantesConstruindo uma forma de jogar   guia de treino para iniciantes
Construindo uma forma de jogar guia de treino para iniciantes
 
1a visita-técnica iabb-resumo
1a visita-técnica iabb-resumo1a visita-técnica iabb-resumo
1a visita-técnica iabb-resumo
 
Análise e observação - Importância para o treinador de guarda-redes.
Análise e observação - Importância para o treinador de guarda-redes.Análise e observação - Importância para o treinador de guarda-redes.
Análise e observação - Importância para o treinador de guarda-redes.
 
Ebook Modelo-de-Jogo-Periodizacao-Tatica.pdf
Ebook Modelo-de-Jogo-Periodizacao-Tatica.pdfEbook Modelo-de-Jogo-Periodizacao-Tatica.pdf
Ebook Modelo-de-Jogo-Periodizacao-Tatica.pdf
 
Planificacaotaticadapretemporadaemequipesprofissionais 121015090808-phpapp01
Planificacaotaticadapretemporadaemequipesprofissionais 121015090808-phpapp01Planificacaotaticadapretemporadaemequipesprofissionais 121015090808-phpapp01
Planificacaotaticadapretemporadaemequipesprofissionais 121015090808-phpapp01
 
CIENCIA E A PRATICA - Analise-de-Desempenho.pdf
CIENCIA E A PRATICA - Analise-de-Desempenho.pdfCIENCIA E A PRATICA - Analise-de-Desempenho.pdf
CIENCIA E A PRATICA - Analise-de-Desempenho.pdf
 
A mpb, um meio, não um fim joão carlos costa (fcp & fcdef-up) 2004
A mpb, um meio, não um fim   joão carlos costa (fcp & fcdef-up) 2004A mpb, um meio, não um fim   joão carlos costa (fcp & fcdef-up) 2004
A mpb, um meio, não um fim joão carlos costa (fcp & fcdef-up) 2004
 
TÁTICA NO FUTEBOL (2).pptx fundamentos importantes técnicos da modalidade
TÁTICA NO FUTEBOL (2).pptx fundamentos importantes técnicos da modalidadeTÁTICA NO FUTEBOL (2).pptx fundamentos importantes técnicos da modalidade
TÁTICA NO FUTEBOL (2).pptx fundamentos importantes técnicos da modalidade
 
Metodologia do treino
Metodologia do treinoMetodologia do treino
Metodologia do treino
 
2017_12_16_hackeando_a_empresa_com_esporte
2017_12_16_hackeando_a_empresa_com_esporte2017_12_16_hackeando_a_empresa_com_esporte
2017_12_16_hackeando_a_empresa_com_esporte
 
Thesis of Pedro Moutinho Vieira of Attack-Defense vs Youth-Senior in Professi...
Thesis of Pedro Moutinho Vieira of Attack-Defense vs Youth-Senior in Professi...Thesis of Pedro Moutinho Vieira of Attack-Defense vs Youth-Senior in Professi...
Thesis of Pedro Moutinho Vieira of Attack-Defense vs Youth-Senior in Professi...
 
Thesis of Pedro Moutinho Vieira - Transition Attack- Defense vs Youth-Senior ...
Thesis of Pedro Moutinho Vieira - Transition Attack- Defense vs Youth-Senior ...Thesis of Pedro Moutinho Vieira - Transition Attack- Defense vs Youth-Senior ...
Thesis of Pedro Moutinho Vieira - Transition Attack- Defense vs Youth-Senior ...
 

Mais de Fundação Real Madrid

O Guarda-Redes no Futebol - Sérgio Ferreira
O Guarda-Redes no Futebol - Sérgio FerreiraO Guarda-Redes no Futebol - Sérgio Ferreira
O Guarda-Redes no Futebol - Sérgio Ferreira
Fundação Real Madrid
 
Club Brugge - Youth Development
Club Brugge - Youth DevelopmentClub Brugge - Youth Development
Club Brugge - Youth Development
Fundação Real Madrid
 
Modelo de Formação do "Pequeno" Jogador
Modelo de Formação do "Pequeno" JogadorModelo de Formação do "Pequeno" Jogador
Modelo de Formação do "Pequeno" Jogador
Fundação Real Madrid
 
"The Roadmap to International Success" - FFA National Curriculum 2013
"The Roadmap to International Success" - FFA National Curriculum 2013"The Roadmap to International Success" - FFA National Curriculum 2013
"The Roadmap to International Success" - FFA National Curriculum 2013
Fundação Real Madrid
 
Periodização - Prolongamento do estado de forma
Periodização - Prolongamento do estado de formaPeriodização - Prolongamento do estado de forma
Periodização - Prolongamento do estado de forma
Fundação Real Madrid
 
Football Conditioning - FFA
Football Conditioning - FFAFootball Conditioning - FFA
Football Conditioning - FFA
Fundação Real Madrid
 
Periodização Tática x Periodização Convencional
Periodização Tática x Periodização ConvencionalPeriodização Tática x Periodização Convencional
Periodização Tática x Periodização Convencional
Fundação Real Madrid
 
New Zealand FA Development Framework
New Zealand FA Development FrameworkNew Zealand FA Development Framework
New Zealand FA Development Framework
Fundação Real Madrid
 
Technical Report and Statistics - FIFA World Cup Brazil 2014
Technical Report and Statistics - FIFA World Cup Brazil 2014Technical Report and Statistics - FIFA World Cup Brazil 2014
Technical Report and Statistics - FIFA World Cup Brazil 2014
Fundação Real Madrid
 
Periodização Tática - Pressupostos e Fundamentos (2014)
Periodização Tática - Pressupostos e Fundamentos (2014)Periodização Tática - Pressupostos e Fundamentos (2014)
Periodização Tática - Pressupostos e Fundamentos (2014)
Fundação Real Madrid
 
FUNino: Horst Wein
FUNino: Horst WeinFUNino: Horst Wein
FUNino: Horst Wein
Fundação Real Madrid
 
Reunião de Preparação para o Jogo
Reunião de Preparação para o JogoReunião de Preparação para o Jogo
Reunião de Preparação para o Jogo
Fundação Real Madrid
 
The FA: Tesco Skills 5-11's
The FA:  Tesco Skills 5-11'sThe FA:  Tesco Skills 5-11's
The FA: Tesco Skills 5-11's
Fundação Real Madrid
 
LIVERPOOL FC - Training Drills
LIVERPOOL FC - Training DrillsLIVERPOOL FC - Training Drills
LIVERPOOL FC - Training Drills
Fundação Real Madrid
 
TACTICAL PERIODIZATION - Mourinho's Secret
TACTICAL PERIODIZATION - Mourinho's SecretTACTICAL PERIODIZATION - Mourinho's Secret
TACTICAL PERIODIZATION - Mourinho's Secret
Fundação Real Madrid
 
German Football Association - Talent Development
German Football Association - Talent DevelopmentGerman Football Association - Talent Development
German Football Association - Talent Development
Fundação Real Madrid
 
DFB - Youth Development Programme
DFB - Youth Development Programme DFB - Youth Development Programme
DFB - Youth Development Programme
Fundação Real Madrid
 
Belgium Youth Development
Belgium Youth DevelopmentBelgium Youth Development
Belgium Youth Development
Fundação Real Madrid
 
Pep Guardiola - Sesiones de Entrenamiento
Pep Guardiola - Sesiones de EntrenamientoPep Guardiola - Sesiones de Entrenamiento
Pep Guardiola - Sesiones de Entrenamiento
Fundação Real Madrid
 
AC Milan Methodology
AC Milan MethodologyAC Milan Methodology
AC Milan Methodology
Fundação Real Madrid
 

Mais de Fundação Real Madrid (20)

O Guarda-Redes no Futebol - Sérgio Ferreira
O Guarda-Redes no Futebol - Sérgio FerreiraO Guarda-Redes no Futebol - Sérgio Ferreira
O Guarda-Redes no Futebol - Sérgio Ferreira
 
Club Brugge - Youth Development
Club Brugge - Youth DevelopmentClub Brugge - Youth Development
Club Brugge - Youth Development
 
Modelo de Formação do "Pequeno" Jogador
Modelo de Formação do "Pequeno" JogadorModelo de Formação do "Pequeno" Jogador
Modelo de Formação do "Pequeno" Jogador
 
"The Roadmap to International Success" - FFA National Curriculum 2013
"The Roadmap to International Success" - FFA National Curriculum 2013"The Roadmap to International Success" - FFA National Curriculum 2013
"The Roadmap to International Success" - FFA National Curriculum 2013
 
Periodização - Prolongamento do estado de forma
Periodização - Prolongamento do estado de formaPeriodização - Prolongamento do estado de forma
Periodização - Prolongamento do estado de forma
 
Football Conditioning - FFA
Football Conditioning - FFAFootball Conditioning - FFA
Football Conditioning - FFA
 
Periodização Tática x Periodização Convencional
Periodização Tática x Periodização ConvencionalPeriodização Tática x Periodização Convencional
Periodização Tática x Periodização Convencional
 
New Zealand FA Development Framework
New Zealand FA Development FrameworkNew Zealand FA Development Framework
New Zealand FA Development Framework
 
Technical Report and Statistics - FIFA World Cup Brazil 2014
Technical Report and Statistics - FIFA World Cup Brazil 2014Technical Report and Statistics - FIFA World Cup Brazil 2014
Technical Report and Statistics - FIFA World Cup Brazil 2014
 
Periodização Tática - Pressupostos e Fundamentos (2014)
Periodização Tática - Pressupostos e Fundamentos (2014)Periodização Tática - Pressupostos e Fundamentos (2014)
Periodização Tática - Pressupostos e Fundamentos (2014)
 
FUNino: Horst Wein
FUNino: Horst WeinFUNino: Horst Wein
FUNino: Horst Wein
 
Reunião de Preparação para o Jogo
Reunião de Preparação para o JogoReunião de Preparação para o Jogo
Reunião de Preparação para o Jogo
 
The FA: Tesco Skills 5-11's
The FA:  Tesco Skills 5-11'sThe FA:  Tesco Skills 5-11's
The FA: Tesco Skills 5-11's
 
LIVERPOOL FC - Training Drills
LIVERPOOL FC - Training DrillsLIVERPOOL FC - Training Drills
LIVERPOOL FC - Training Drills
 
TACTICAL PERIODIZATION - Mourinho's Secret
TACTICAL PERIODIZATION - Mourinho's SecretTACTICAL PERIODIZATION - Mourinho's Secret
TACTICAL PERIODIZATION - Mourinho's Secret
 
German Football Association - Talent Development
German Football Association - Talent DevelopmentGerman Football Association - Talent Development
German Football Association - Talent Development
 
DFB - Youth Development Programme
DFB - Youth Development Programme DFB - Youth Development Programme
DFB - Youth Development Programme
 
Belgium Youth Development
Belgium Youth DevelopmentBelgium Youth Development
Belgium Youth Development
 
Pep Guardiola - Sesiones de Entrenamiento
Pep Guardiola - Sesiones de EntrenamientoPep Guardiola - Sesiones de Entrenamiento
Pep Guardiola - Sesiones de Entrenamiento
 
AC Milan Methodology
AC Milan MethodologyAC Milan Methodology
AC Milan Methodology
 

A Construção de uma Dinâmica

  • 1. A Construção de uma Dinâmica… Curso de Treinadores de Futebol Técnico-Táctica – Miguel Cardoso UEFA B – Maio 2010
  • 2. Evolução do Futebol Abordagem diferente Interpretar… Treinar… Jogar… Evolução do Jogo Evolução do processo de preparação/treino A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 3. Futebol de “Ontem” Treino de “Ontem” Futebol de “Hoje” Treino de “Hoje” Futebol de “Amanhã” Treino de “Amanhã” A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 4. Treinador de “Ontem” Jogador de “Ontem” Treinador de “Hoje” Jogador de “Hoje” Treinador de “Amanhã” Jogador de “Amanhã” A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 5. A qualidade e a consistência das acções de jogo dependem não apenas da existência de jogadores com elevado potencial, mas também, cada vez mais, da intervenção de treinadores que possuam elevadas capacidades para liderar, planear e programar um trabalho sólido e racional (Garganta, 1999) A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 6. TREINADOR EQUIPA TÉCNICA Criar condições para o máximo Rendimento Desportivo dos seus jogadores e da equipa! Definir Orientar Controlar A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 7. ESPAÇOS DE ACÇÃO DO TREINADOR Planificação Programação Planeamento Operacionalização A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 8. Planificação Plano Hipotético Descrição antecipada (gráfica ou mental) do processo - progressão, variações do lugar e das demais condições do treino. Plano Concreto Programação Determinação da estratégia, do conteúdo e da forma de construção do processo de treino. A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 9. Programação 1 – Análise do Meio 2 – Informações gerais sobre os atletas 3 – Análise do Nível de Jogo e dos Jogadores 4 – Análise do Calendário Competitivo 5 – Selecção dos Meios e Métodos de treino a aplicar DESCANSO 6 – Definição do Modelo de Equipa Sistema(s) Táctico(s) Métodos de Jogo Princípios Orientadores Esquemas Tácticos A Construção de uma Dinâmica
  • 10. O nosso MJ não é definido por ninguém, faz parte da nossa cultura… Quem define o vosso MJ? A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 11. Será possível partirmos para um projecto sem uma ideia?! A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 12. O que queremos… que Uma “Equipa em que em Equipa” todos os momentos do jogo/fases do jogo, os jogadores pensem e executem do mesmo modo, em consonância com o MJA O Futebol assume-se como um fenómeno complexo, logo verificamos que é fundamental a criação de um Modelo de Jogo como concepção tendo em conta a “natureza inquebrantável do jogo” (Frade, 2004) Exista uma só identificação táctica, com expressão táctico-técnica individual e colectiva. A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 13. Modelo de Jogo – é a concepção de jogo idealizada pelo treinador, no que diz respeito a um conjunto de factores necessários para a organização dos processos ofensivos e defensivos da equipa… ... reproduz de uma forma metódica e sistemática, todo o sistema de relações que se estabelecem entre os diferentes elementos nas diversas fases de jogo (fase ofensiva, fase defensiva e transições), definindo as tarefas e os comportamentos tácticotécnicos exigíveis aos jogadores, em função dos seus níveis de aptidão e capacidade. A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 14. É um conjunto de referências que devem acompanhar o treinador e os jogadores em todos os momentos das suas intervenções e acções… ...no planeamento! ...no jogo! ...no treino! A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 15. Todos os jogadores conheçam e saibam fazer o que se refere às acções ofensivas e defensivas, numa relação permanente e ajustada entre eles, de modo a garantir a eficácia não só individual como colectiva. Conheçam e executem de acordo com os Princípios e sub-princípios definidos pelo MJA para as 4 fases do jogo: - Ataque Transição para defesa - Defesa Transição para ataque A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 16. Estruturação das ≠ fases do jogo Ajustado ao clube, à equipa e seu nível de jogo e aos jogadores Importante na periodização e na planificação Identificação colectiva – potenciar o “Eu” e o “Nós” A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 17. O que devemos fazer? que TREINAR “PARA UM JOGAR”. JOGAR”. NÃO UM JOGO QUALQUER! O JOGO DO MODELO. TREINAR O MODELO. A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 18. «O mais importante numa equipa é ter um determinado modelo, determinados princípios, conhecêconhecê-los bem, interpretáinterpretá-los bem, independentemente de ser utilizado este ou aquele jogador. No fundo é treinar aquilo a que se chama a “organização de jogo”» (Mourinho, 2005). A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 19. • Construção permanente do Jogar, pelo entendimento de que “o MJ não se restringe ao plano conceptual ou ideológico do jogo ou seja, é um fenómeno que se encontra em permanente construção” (Gomes, 2006). Avanços e recuos que a equipa apresenta no domínio dos princípios do MJ. Evolução para níveis de adaptação a princípios estruturantes de maior complexidade do MJ. Alterações necessárias ao MJ em função da entrada/saída de jogadores e da especificidade das suas características individuais. A Construção de uma Dinâmica
  • 20. A Construção de uma Dinâmica
  • 22. “MODELO DE JOGO EVOLUÍDO” Evolução no Futebol O ritmo de jogo é cada vez mais elevado. Fundamental a técnica (relação jogador/bola) em velocidade para elevar o ritmo de jogo. O jogo aéreo tem ganho maior importância. Maior simplificação na construção do ataque, para uma mais rápida aproximação à baliza. A eficiência da defesa tem aumentado. A importância dos organizadores/coordenadores de jogo é maior. Esquemas tácticos (lances de bola parada) são decisivos para o resultado final. A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 23. Característica Geral CAPACIDADE DE IMPOR O SEU JOGO Adoptar uma atitude agressiva permanente. Provocar e espreitar os erros do adversário. Provocar e tirar partido de mudanças bruscas do ritmo de jogo. A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 24. Características Específicas PROCESSO DEFENSIVO – Limitar a iniciativa do adversário tentando recuperar a posse de bola o mais rapidamente possível. possível. Participação de todos os jogadores e logo que se perde a posse da bola. Pressão sobre o portador da bola de acordo com o momento e a zona onde se processa. Fechar possíveis linhas de passe fundamentalmente em profundidade. Apoio permanente ao defensor directo (cobertura defensiva). Criação de superioridade numérica nas zonas de disputa da bola. Oscilações em função da bola tendentes a reduzir espaços de penetração. A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 25. PROCESSO DEFENSIVO - Acções e Métodos de Jogo a privilegiar Marcação mais agressiva (sobre a zona da bola na perda e em todo o campo). Pressing. Coberturas defensivas. Desarme em situações acrobáticas. Métodos de Jogo – “Zona Pressing”… PROCESSO DEFENSIVO - Objectivos Condicionar a iniciativa ao adversário. Não permitir (parar) o contra-ataque. Permitir a nossa recuperação defensiva. Obrigar o adversário a jogar mais longe. Facilitar a nossa saída para o ataque. A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 26. Características Específicas PROCESSO OFENSIVO – Impor o ritmo de jogo mais conveniente procurando o golo com objectividade e variedade na progressão. progressão. Participação de todos os jogadores logo que se conquista a posse da bola através de uma mudança brusca de actividade mental. Fazer rapidamente a transição defesa/ataque com apoio significativo: ao portador da bola, cobertura defensiva e criação de linhas de passe em profundidade. Manter o equilíbrio defensivo. PROCESSO OFENSIVO - Acções e Métodos de Jogo a privilegiar Condução de bola rápida e para a frente. Finta em velocidade (resolver situações de 1x1). A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 27. Remate: sem preparação, exteriores e em situações acrobáticas (antecipações e menor tempo de preparação). Passe ao 1º toque, longo em largura e profundidade – utilizar os espaços e linhas de passe longe da bola. Impor um ritmo de jogo mais elevado e variado. Métodos de Jogo – Contra-ataque e ataque rápido aumentam importância. PROCESSO OFENSIVO - Objectivos Obrigar o adversário a entrar em crises de tempo. Não permitir a recuperação defensiva do adversário. Privilegiar a finalização. Fazer oscilar o adversário na tentativa de criar espaços de penetração. A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 28. PRINCÍPIOS DE JOGO Os princípios a cumprir durante as fases que ocorrem no jogo (ataque e defesa), são referenciais muito importantes para o ensino/aprendizagem do futebol… …da sua mais ou menos ajustada aplicação decorrem respectivamente a maior ou menor qualidade e eficácia do jogo praticado. O êxito do ataque e da defesa exige uma coordenação precisa das acções dos jogadores, segundo princípios gerais e específicos, comuns a qualquer modelo de jogo Princípios do Jogo. Jogo. O jogador estará em condições de percepcionar, analisar e decidir-se por um comportamento o mais adaptado possível às condições das situações de jogo. A Construção de uma Dinâmica
  • 29. A Construção de uma Dinâmica
  • 30. O jogador em posse da bola deverá ver se existe possibilidade de finalizar ou se tem espaço livre de progressão para a baliza contrária – Penetração. Em resposta à penetração, a equipa que defende deve fechar de imediato a linha de remate ou de progressão para a baliza, colocando um jogador entre o portador da bola e a baliza, criando uma situação de 1x1 – Contenção. A situação de igualdade numérica criada, não deixa de implicar um maior risco para a equipa que defende. Assim, esta deve procurar criar superioridade numérica, através da inclusão de um segundo defensor Cobertura Defensiva. A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 31. A equipa que ataca, dado que fica em inferioridade numérica, deve procurar restabelecer o equilíbrio fazendo apelo a um segundo atacante e, respeitando o segundo princípio do ataque, Cobertura Ofensiva, tenta criar uma relação de igualdade numérica (2x2). Esta situação de 2x2 é menos vantajosa para o ataque do que a de 1x1. Justifica-se assim que o 2º atacante se afaste do portador da bola de forma a libertá-lo da sobremarcação (cob. def.), procurando reconstituir a situação de 1x1 – Mobilidade. Entre estas duas alternativas, compete à defesa optar pela menos perigosa. O segundo defensor deve acompanhar o segundo atacante restabelecendo, ainda que em moldes frágeis, situações de igualdade numérica (1x1), através do princípio do Equilíbrio. A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 32. Em síntese… Podemos referir que o ataque tem todo o interesse em tornar o jogo mais aberto, com maior amplitude, em largura e em profundidade, em criar linhas de passe, de forma a obrigar a defesa a flutuar e a ter maior dificuldade em criar situações de superioridade numérica. Justifica-se por isso aquele que se constitui como o 4º princípio do ataque: Espaço. Pelo contrário, à defesa compete restringir o espaço disponível para jogar, diminuir a amplitude do ataque, obrigando o adversário a jogar em pequenos espaços, de forma a facilitar a cobertura defensiva e a criação permanente de situações de superioridade numérica. Explica-se desta forma a Concentração enquanto quarto princípio da defesa. A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 33. Contenção Manter-se entre a bola e a baliza de os oi ap Atender à velocidade e ao ângulo aproximação ao atacante de posse da bola. rr co in apoios posicionados de forma correcta t en m ta ec Distância entre o defesa e o atacante. os ad on ci si po Posicionamento de base. e Observar a bola – Ser paciente! Retardar a acção do atacante Ter a iniciativa! Critério na relação desarme (risco) / temporização (segurança). Determinação! Em defesa baixa, agir sobre a bola para “aclarar a defesa”! A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 34. Cobertura Defensiva Distância de Cobertura A Comunicação Em que zona do campo onde se verifica a situação de jogo… O jogador de cobertura defensiva deverá comunicar com o companheiro que nesse momento marca o adversário de posse de bola, informando-o da posição do adversário, estimulando-o para a condução deste para zonas menos perigosas do campo ou encorajando-o na execução do desarme. Da capacidade técnico-táctica do jogador adversário. Da velocidade dos defesas. Do estado das superfícies do terreno de jogo e as condições climatéricas. Do deslocamento do jogador em coberura ofensiva. 2 O Ângulo de Cobertura 1 2 1 2 Ângulo de 45ª Ter a iniciativa! 1 Atacante Critério na relação desarme (risco) / temporização (segurança). Determinação! Atacante Atacante conduzido para corredor lateral! Atacante Atacante conduzido para corredor central! A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 35. SISTEMAS DE JOGO O Sistema de Jogo ou o Dispositivo Táctico representa o modo de colocação dos jogadores sobre o terreno de jogo. Esta colocação de base fundamental restabelece a ordem e os equilíbrios nas várias zonas do campo, servindo de ponto de partida para os deslocamentos relativos dos jogadores, e para a coordenação das acções individuais e colectivas. Objectivos Racionalização do Espaço de Jogo Racionalização das potencialidades individuais dos jogadores Estabelecimento de normas orientadoras A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 36. Análise Histórica A Evolução… Objectivo – Espectáculo – Sistemas “atrevidos”… “quando nós temos a bola, atacamos; e quando eles têm a bola, defendemos”!!! Em 1855, o Sheffield, primeiro clube inglês, jogava com 7 avançados, 1 médio, 2 defesas e 1 guarda-redes. Sistema Clássico – Blackburn Olimpic Regra do Fora de Jogo – Grandes alterações!!! A Construção de uma Dinâmica
  • 37. WM Este era um sistema equilibrado e organizado. Exprimia a superioridade do jogo colectivo sobre o individual – Chave na evolução! Grande período de expressão no mundo – anos 30 até anos 50 – Arsenal. Potencial ofensivo fabuloso (5 jogadores em ataque) e uma defesa cerrada… Hungria invencível de 1950 a 1954 e Alemanha Campeã do Mundo em 1954. 4:2:4 Espectacular porque tinha 4 AV e defesa jogava em linha! O futebol tipicamente britânico, baseado no passe longo e de prevalência física, cedeu lugar ao Futebol Arte servido pelo tecnicismo de jogadores dotados de maior capacidade de improvisação e de mais apurada técnica individual. Os 2 médios passaram a ter a dupla função (ofensiva e defensiva) originando uma fase ofensiva com 6 jogadores e uma fase defensiva com igual número, logo, a vantagem deste sistema situava-se na rapidez de transformar um forte ataque numa forte defesa. A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 38. Catenaccio - Betão ou Ferrolho Para compensar as falhas defensivas do 4.2.4, um treinador italiano, chamado Helénio Herrera, concebeu um sistema super reforçado ao nível da defesa através da criação do posto de libero. Problemas apontados a este sistema é o de neutralizar, em parte, a lei do fora-de-jogo pois o jogador que actua atrás do sector defensivo coloca em jogo qualquer avançado que explore essa situação. Este sistema exige uma grande disciplina e espírito de cooperação de toda a equipa. Inter de Milão, treinado por Helénio Herrera, ganhou a Taça dos Clubes Campeões duas vezes seguidas, em1964 e 1965. A Construção de uma Dinâmica
  • 39. 4:3:3 Esta disposição táctica derivada do 4:2:4 atingiu o auge no Campeonato do Mundo de 1978 com os seus dois finalistas: a Argentina e a Holanda. A linha defensiva incluía 4 jogadores embora um tivesse papel de libero. Dirigíamo-nos para uma forma de futebol em que cada jogador tinha simultaneamente uma missão defensiva e ofensiva. O objectivo desta alteração foi proporcionar uma melhor distribuição de esforços, pois no 4:2:4 os dois médios tinham uma missão deveras desgastante e difícil, pois tinham de defender e quando recuperavam a bola tinham que comandar a manobra de ataque. O recuo de um avançado surgiu para possibilitar uma melhor ocupação dos espaços. A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 40. Os Sistemas de Jogo Modernos 4:4:2 Clássico 4:4:2 Losango 4:3:3 4:1:4:1 4:2:3:1 4:1:3:2 5:2:3 3:5:2 … A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 41. Posicionamento Avançados – 2 ou 1/1 A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 42. A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 43. A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 44. A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 45. A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 46. A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 47. 3º DC como líbero ou trinco. A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 48. Médios em 1/2 ou 2/1. A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 49. Médios em 1/2 ou 2/1.de 4 ou em losango. Médios em linha A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 50. A Construção de uma Dinâmica
  • 51. A Construção de uma Dinâmica
  • 52. A Construção de uma Dinâmica
  • 53. A Construção de uma Dinâmica
  • 54. A Construção de uma Dinâmica
  • 56. ESQUEMAS TÁCTICOS DEFENSIVOS FUNDAMENTAL Organização - Os ETD devem ser organizados, por forma a colocar os atacantes adversários em condições desfavoráveis no desenvolvimento dos ETO, como nas situações subsequentes à sua execução. Pressupõe sempre o estabelecimento de um dispositivo fixo, no qual os jogadores se posicionam de forma pré-estabelecida. No entanto, deve igualmente ter um carácter espontâneo se os atacantes conseguirem executá-lo rapidamente. Disciplina individual e colectiva - Os jogadores que participam nestes devem ter um claro conhecimento das acções específicas da sua organização e das suas variantes (livres, pontapés de canto, lançamentos da linha lateral, grandes penalidades, etc.), estar sempre preparados para assumir na eventualidade as missões específicas do companheiro. Concentração - Os lapsos de concentração são o maior problema dos ETD. O tempo necessário para a execução das situações de bola parada é o suficiente para se poder reajustar a posição, as distâncias e a concentração psíquica dos jogadores por forma a prepararem a sua resolução (procurar o adversário para marcar, ler a situação e antecipar as soluções que os atacantes procuram efectuar). Todavia, se o dispositivo não estiver totalmente concretizado, os defesas deverão efectuar um esquema táctico defensivo, tendo um carácter espontâneo. A Construção de uma Dinâmica
  • 57. Princípios Nos Livres Directos ou Indirectos No meio-campo do terreno de jogo Bloquear a trajectória directa da bola em direcção à baliza, por forma a que o atacante tenha que utilizar uma linha diferente. Obrigar o atacante a executar uma acção técnico-táctica mais complexa, o que determinará igualmente uma recepção mais difícil da bola por parte de um dos seus companheiros. Temporizar o ataque adversário, ganhando algum tempo, que deve ser utilizado na marcação dos atacantes posicionados em profundidade e nos espaços vitais de jogo. Marcação pressionante dos atacantes que eventualmente desenvolvam deslocamentos ofensivos de rotura. A Construção de uma Dinâmica Um jogador deverá colocar-se imediatamente entre a bola e a baliza
  • 58. Na zona defensiva O perigo dos livres (directos ou indirectos) aumenta à medida que estes são concedidos nas proximidades da baliza. IMPORTÂNCIA BARREIRA A rapidez de formação de uma barreira - A formação da barreira deve ser tão rápida quanto possível, daí a necessidade de a sua construção ser previamente planeada e treinada. Quem coordena a posição da barreira - Normalmente a coordenação da posição da barreira é feita pelo guarda-redes com a ajuda de um companheiro, que se coloca perto da bola com as seguintes intenções: Ganhar o tempo suficiente para que os companheiros formem a barreira e evitar que o livre seja executado rapidamente. Não deixar que a bola mude de posição para dar o correcto ponto referencial ao seu guarda-redes para posicionamento da barreira num ângulo ideal. A Construção de uma Dinâmica
  • 59. Número de jogadores que formam a Barreira Da distância da posição da bola em relação à baliza. Do ângulo, ou seja, no corredor central, ou corredores laterais. entre 4 a 9 jogadores 2/3 2/3 1/2 1/2 3/4 4/5 3/4 2/3 1/2 A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 60. Os jogadores que formam a barreira devem colocar-se uns ao lado dos outros, constituindo um bloco homogéneo e coeso, em que o afastamento das pernas deverá ser o suficiente para precaver a possibilidade de a bola passar entre elas. A formação da barreira deverá proteger um dos lados da baliza, enquanto o guarda-redes deve assumir uma posição perto do meio da baliza de forma: a possibilitar a visão da bola, a impedir que a bola possa entrar pelo seu lado, e, espreitar a possibilidade de intervir no lado da barreira. Um dos jogadores coloca-se do lado de fora da trajectória directa entre a posição da bola e o poste da baliza, por forma a evitar a execução de remates que possam "rodear" a barreira. O posicionamento dos jogadores da barreira é realizada em função da sua altura. Assim, os jogadores mais altos deverão colocar-se e proteger o ângulo da baliza contrária ao do posicionamento do guarda-redes. A barreira deverá dissolver-se só depois da execução do remate ou do passe (consoante o esquema táctico ofensivo), ou seja, depois de efectuado o primeiro toque na bola. Nos livres indirectos, um dos jogadores da barreira, normalmente o mais rápido, é colocado por dentro desta, saindo de imediato após o primeiro toque na bola procurando diminuir o tempo e o espaço de execução técnico-táctica ao atacante de posse de bola. A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 61. Nos livres indirectos dentro da grande área Cobrir o máximo possível da baliza através da formação da barreira com todos os jogadores, que muitas vezes (devido às leis do jogo) terão que posicionar-se em cima da linha de golo. O guarda-redes deverá colocar-se à frente e ao centro da barreira. Uma vez efectuado o primeiro toque na bola toda a barreira de forma coesa e homogénea deve convergir em direcção à bola diminuindo assim o espaço e o tempo do atacante em rematar. Nos Pontapés de Canto Posicionar um defesa à frente da trajectória da bola movendo-se activamente de forma a: Perturbar o atacante na marcação do pontapé de canto. Obrigar o atacante a executar um cruzamento mais difícil. Marcar de imediato o atacante se o canto for curto, por forma a evitar que este cruze para a grande área. A Construção de uma Dinâmica
  • 62. A posição do guarda-redes deve situar-se no meio da baliza de forma: A observar a bola. A trajectória da bola. A situação dentro da grande área. Evitar que o seu possível deslocamento em direcção ao primeiro poste não seja obstruído. No primeiro poste. Os pontapés de canto mais perigosos são os que são efectuados para o primeiro poste, daí a necessidade de um especial cuidado no posicionamento dos defesas, neste sentido, coloca-se: Um defesa que poderá assumir um posicionamento perto do poste e da linha de golo. Dois defesas em que um destes poderá assumir um posicionamento à frente do companheiro e o outro ao lado deste por forma a reforçar a defesa neste espaço vital. No segundo poste. Eventualmente posicionar um defesa perto do segundo poste e em cima da linha de golo. Este jogador deverá ter o máximo de atenção não só nos cruzamentos para esse espaço, como as bolas que sejam desviadas do primeiro poste para trás. A Construção de uma Dinâmica
  • 63. A defesa do resto da pequena área deve ser assumida através da colocação, no mínimo, de três jogadores que marcam o espaço e/ou os adversários aí posicionados ou que para aí possam deslocar-se. Lançamentos de Linha Lateral Se o lançamento de linha lateral for executado perto da linha final, os defesas deverão assumir os mesmos objectivos e pressupostos estabelecidos para o pontapé de canto. Se o lançamento da linha lateral for efectuado no meio-campo: Colocação de um defesa na trajectória directa do lançamento com a baliza por forma a perturbar o atacante, obrigá-lo a executar uma acção técnico-táctica mais complexa, ou forçá-lo a efectuar um passe de trajectória aérea para dar mais tempo aos companheiros de se readaptarem à tarefa defensiva. Marcação agressiva e premente dos atacantes que se posicionem em profundidade ou que executem deslocamentos de rotura em direcção à grande área. Os restantes atacantes que possam receber a bola devem ser marcados com um pouco mais de espaço para que o defesa possa reagir e acompanhar eficientemente o atacante, se este mudar de direcção. A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 64. Na Grande Penalidade Na situação de grande penalidade quatro ou cinco defesas devem posicionar-se ao longo da meia-lua da grande área por forma a concretizar os seguintes objectivos: Repelir a bola no caso desta embater no poste ou na barra da baliza, ou pela defesa incompleta do guarda-redes. Evitar ou perturbar a acção dos restantes atacantes na sua possível intervenção sobre a bola. A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 65. ESQUEMAS TÁCTICOS OFENSIVOS OBJECTIVO É assegurar as condições mais favoráveis à concretização imediata do golo. Dos dados das análises do jogo de futebol, concluí-se que entre 25 e os 50% das situações de finalização, têm por base as soluções tácticas a partir de bola parada. MEIOS Os meios fundamentais para a concepção dos esquemas tácticos, devem assegurar os seguintes aspectos: Dispositivo fixo … no qual os jogadores e a bola circulam de uma forma pré-estabelecida. No entanto, deve igualmente ter um carácter espontâneo e criador, relacionando o nível de organização ofensiva e defensiva, em função da situação momentânea de jogo. A Construção de uma Dinâmica
  • 66. A execução dos esquemas tácticos ofensivos exige… Jogador que repõe a bola: (1) um claro conhecimento da solução táctica e das suas variantes, (2) uma reposição de bola no momento certo, articulado com a movimentação dos seus companheiros e, (3) uma eficaz execução técnico-táctica de reposição da bola. Jogadores que participam directamente no esquema táctico: (1) claro conhecimento da solução táctica e as suas variantes, (2) coordenação eficaz do objectivo do seu comportamento e dos seus companheiros e, (3) estar sempre preparado para a eventualidade de finalizar. Aplicação de medidas preventivas para se minimizar o eventual risco de uma perda extemporânea da posse da bola. Daqui se infere igualmente, a necessidades dos jogadores que não estão directamente envolvidos nos esquemas tácticos, terem o conhecimento com a mesma exactidão e responsabilidade, que os restantes companheiros. Um tempo suficiente para se poderem reajustar as posições, as distâncias e a concentração psíquica dos jogadores, de forma a se prepararem para a sua execução (não implica perder a oportunidade de repor rapidamente a bola em jogo, mesmo que o dispositivo fixo não esteja ainda totalmente concretizado, se daí se tirar maiores vantagens de uma desconcentração dos jogadores adversários e de uma organização defensiva precária. A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 67. Princípios Criar um "cenário" convincente que permita mobilizar a atenção, e por conseguinte, a desconcentração de um ou vários adversários. Os defesas, ao desconhecerem as acções individuais e colectivas que envolvem a concretização do esquema táctico, podem ser induzidos em erros, centrando a sua atenção em outros elementos que lhes pareçam mais prováveis de acontecer (surpresa). Concretizar a solução táctica, através de deslocamentos caracterizados pelo desenvolvimento de procedimentos técnico-tácticos rápidos, com mudanças de direcção e utilizando pequenas fintas de simulação do verdadeiro sentido da corrida. Utilizar acções de protecção (cortinas/écrans), especialmente sobre: (i) o guarda-redes, para aumentar a dificuldade de leitura da situação de jogo e, (ii) jogador que irá executar a acção técnico-táctica, encobrindo a partida e trajectória da bola. A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 68. Aproveitar uma menor concentração (atenção) dos defesas. Isto determina, que os jogadores escalonados para as várias soluções tácticas de bola parada, devem imediatamente ocupar as suas posições dentro do dispositivo fixo, tentando rentabilizar uma possível reposição rápida da bola em jogo, beneficiando de uma menor atenção dos jogadores adversários. Colocar os atacantes em determinados espaços, com funções que maximizem as suas potencialidades individuais, criandose as condições mais favoráveis para a sua exteriorização. Colocar os defesas a uma certa distância (regulamentada pelas leis do jogo), a qual determina que o problema da pressão não seja equacionado, logo, o jogador que repõe a bola poderá concentrar-se fundamentalmente no momento mais favorável para a concretização da solução táctica. Aplicar o mesmo esquema táctico poucas vezes durante o mesmo jogo. Introduzir uma ou duas variantes na construção dos esquemas tácticos. Simular situações de "conflito" com os adversários e com o árbitro, (posição da bola, distância da barreira, etc.), com o intuito de mobilizar a atenção dos adversários para outros pormenores de menor interesse. A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 69. Lançamentos de Linha Lateral Executá-lo rapidamente - Se a concentração dos defesas diminui quando a bola sai do terreno de jogo, é importante expô-los novamente à presença desta. A única excepção a esta regra verifica-se quando se executa o lançamento de linha lateral para/ou na zona ofensiva, necessitando-se de mais tempo para que os companheiros se desloquem para posições mais avançadas, ou para entregar a bola ao especialista de passes longos para dentro da área. Executá-lo para um companheiro sem marcação. Executá-lo em direcção à baliza adversária - O lançamento da linha lateral deverá, sempre que possível, ser executado em direcção à baliza adversária. Existem todavia excepções a esta regra como é o caso de a acção ser realizada na zona ofensiva. Executá-lo por forma que o companheiro possa recepcionar a bola facilmente - O lançamento da linha lateral é, para todos os efeitos, um passe. A bola deverá ser entregue com a mesma consideração que um passe, ou seja, lançando-a para um espaço, e sob um ângulo, que possibilite ao receptor um controlo fácil da bola. A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 70. Executá-lo criando um espaço suficiente - Os jogadores erram ao posicionar-se muito perto do companheiro, ou ficam estáticos à espera da bola. Com efeito, estes devem deslocar-se, afastando-se ou aproximando-se do companheiro que irá executar o lançamento, criando assim grandes dificuldades de marcação aos defesas contrários. Executado o lançamento o jogador deverá entrar rapidamente no jogo - Uma vez executado o lançamento da linha lateral, o jogador deve deslocar-se imediatamente para dentro do terreno de jogo, dando simultaneamente cobertura ao companheiro de posse de bola e procurando criar superioridade numérica nessa zona do campo. Livres Directos ou Indirectos Livres fora da zona ofensiva Têm uma possibilidade muito remota de se conseguir golo através de uma execução directa. Assim, o ênfase deve ser posto numa execução rápida, para retirar vantagem de qualquer lapso de concentração por parte dos defesas. A Construção de uma Dinâmica São mais os golos marcados como resultado de livres, que de pontapés de canto conjuntamente com os lançamentos da linha lateral.
  • 71. Livres dentro da zona ofensiva A partir dos corredores laterais dever-se-á: (1) cruzar a bola para as "costas" da defesa, e, (2) pressionar os defesas. O cruzamento apresenta dois aspectos importantes: Jogador que executa a acção A área alvo do cruzamento - É a área delimitada pela marca da grande penalidade e pela linha da pequena área. O cruzamento - Os melhores cruzamentos são aqueles que tornam o trabalho dos defesas mais difícil. Isto significa que o cruzamento deve ser executado para as "costas" da defesa, colocando a bola com velocidade e a meia-altura. Jogadores que se deslocam para a área alvo O deslocamento antes do cruzamento - Enquanto os defesas têm a tendência natural de se deslocarem em direcção à bola, os atacantes deverão deslocar-se afastando-se destes. Isto põe de imediato um grande problema defensivo, como ver a bola e o atacante simultaneamente? A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 72. O momento do deslocamento para o cruzamento - O deslocamento para a área alvo deve ser retardada o mais possível para que o jogador não tenha que esperar pela vinda da bola. Idealmente o atacante e a bola devem chegar à área alvo ao mesmo tempo. O ângulo de deslocamento para o cruzamento - Quanto maior for o ângulo entre o deslocamento do jogador e a trajectória da bola mais eficiente, será o contacto com a mesma. O contacto com a bola - Se o deslocamento do atacante for executado no momento e num ângulo correctos, o contacto com a bola torna-se a fase mais importante, a qual deve ser realizada na metade superior da bola, para assegurar que esta não suba. Livres dentro da zona ofensiva – Corredor central Evitar em qualquer momento que o guarda-redes veja a bola. Utilizar dois ou mais jogadores para a execução do livre, para que o adversário não saiba quem vai marcar o livre. Os atacantes aproximam-se da bola a partir de diferentes ângulos, podendo executar diferentes tipos de remate. A Construção de uma Dinâmica Curso Treinadores UEFA B – Braga 2010
  • 73. Pontapé de Canto Cantos curtos - Objectivo fundamental é de concretizar superioridade numérica (2x1, 3x2) nessa área do terreno de jogo, tomando vantagem das leis que obrigam os adversários a se posicionarem no mínimo a 9,15 metros da bola. Esta vantagem é usada para arquitectar um posicionamento mais perigoso perto da baliza adversária e num ângulo mais correcto, tentando desorganizar a defesa. Contudo, os cantos curtos não são a maior fonte de golos, não havendo grandes vantagens em ter superioridade numérica nessa parte do terreno de jogo. Cantos longos - Existem dois tipos de cantos que dependem fundamentalmente da trajectória da bola em direcção à baliza adversária, e que podem ser: com "efeito" na bola por dentro e com "efeito" na bola por fora. Ocupação de espaços para finalização – Fundamental a distribuição dos jogadores pelas diferentes zonas de finalização, embora hajam, consoante a criatividade do treinador, diversas formas de encontrar posicionamentos dentro e nas proximidades da área.. A Construção de uma Dinâmica