SlideShare uma empresa Scribd logo
www.innoscience.com.br
inovação
www.innoscience.com.br
2
Lentes de inovação
Técnicas de
ideação
www.innoscience.com.br
3
Lentes de
Inovação
www.innoscience.com.br
Uma frustração ou necessidade não atendida do cliente pode servir de base para
uma nova oportunidade de negócio
O que olhar?
Necessidades reveladas ou não reveladas
4
www.innoscience.com.br
Padrão de tendências com potencial de mudar substancialmente as regras
competitivas da estrutura de todo o setor abrindo novas oportunidades. Deve-se
observar as descontinuidades em curso e antecipar-se às grandes tendências que
podem transformar o ambiente de negócios.
ECONÔMICAS TECNOLÓGICAS SOCIAIS E ECOLÓGICAS POLÍTICAS E REGULATÓRIAS
Descontinuidades
5
Fonte: Innoscience
O que olhar?
www.innoscience.com.br
Regras arraigadas de cada setor que direcionam a forma como ocorre o negócio e, ao
longo do tempo, deixam de ser analisadas.
MIMETISMO COMPETITIVO
Produtos, serviços ou modelos de
negócio lançados no mercado e que
geram bons resultados, são copiados
pelas demais empresas do setor.
Rever definições sobre produto, serviço ou
modelo de negócio
Rever aquilo que realmente é mais essencial
Questionar premissas básicas e enxergar
diferentes definições
Questionar e criar novos modelos de
negócio para capturar valor por inovações
Ortodoxias
MIMETISMO COMPETITIVO É NECESSÁRIO
6
Fonte: Innoscience
O que olhar?
www.innoscience.com.br
Conjunto único ou raro de habilidades, conhecimentos e experiência que agrega
valor ao cliente e um diferencial sobre a concorrência
PERCEPÇÃO DE SUAS HABILIDADES:
Segmento de lojas de discos de música
Setor de refrigerantes, telefonia móvel, aviação
comercial
Setor e celulose
Setor de biotecnologia e energia renovável
Competências
7
Fonte: Innoscience
O que olhar?
www.innoscience.com.br
SETORES ANÁLOGOS:
Pegar velhas ideias e colocar para novas pessoas, espaços ou, ainda, recombinar
novas ideias de distintas formas. Encontre novos espaços para fixar suas ideias.
Encontre outras ideias para combinar com as suas.
Analogias
8
Fonte: Innoscience adaptado de Sutton.
O que olhar?
www.innoscience.com.br
DESTRAVE RESTRIÇÕES DE CONSUMO:
ACESSO: Lojas de rua, quiosques em aeroporto, agentes autônomos de investimento,
internet
TEMPO: Alternativas de acesso mais fáceis, reduzindo o tempo de transação e ganho de
conhecimento, diminuindo – assim – o tempo de aprendizado
CONHECIMENTO: Cursos gratuitos para milhares de não investidores
RECURSOS: Menores valores de corretagem
A maior corretora independente do
Brasil.
Inovação: Modelo de Negócio
Restrições de Consumo
9
Fonte: Innoscience
O que olhar?
www.innoscience.com.br
SEGREDOS PARA INOVAR:
Fontes primárias de ideias
Clientes
CLIENTES ATUAIS
Além de ouvir os clientes, interpretar seus sinais menos evidentes
Compreender o contexto de consumo e suas características
Interagir com clientes em seu contexto de consumo
Vivenciar situações que os clientes vivenciam com seus produtos e serviços
10
Fonte: Innoscience
Quem olhar?
www.innoscience.com.br
3ª Camada
2ª
Camada
1ª Camada
Seu mercado
1º camada: “Logo serão” não clientes que estão no limite
do seu mercado esperando pra entrar
2ª camada: “Refugando” não clientes que conscientemente
escolhem contra seu setor
3ª camada: “Não explorados” não clientes que estão em
mercados distantes do seu
Seu mercado: Não clientes que consomem outras
alternativas disponíveis no mercado
Não Clientes
11
Fonte: Innoscience adaptado de Chan Kin.
Quem olhar?
www.innoscience.com.br
xINOVAÇÃO DE USUÁRIO: o desenvolvedor espera se beneficiar por seu USO.
INOVAÇÃO DE FABRICANTE: o desenvolvedor espera se beneficiar por sua VENDA.
Lead Users
12
Fonte: Eric Von Hippel.
Quem olhar?
www.innoscience.com.br
TARGET USERS
Tempo
Os métodos tradicionais baseiam-se em
"Encontre uma necessidade e preencha-a"
(Usuários-alvo proporcionam necessidades;
Fabricantes desenvolvem soluções)
Novos métodos baseiam-se na
descoberta / no incentivo
e na comercialização de soluções
desenvolvido pelos próprios usuários
NECESSIDADE E MERCADO:
CURVA DO CICLO DE VIDA
Fonte: 15.356: The Lead User idea generation method – Eric Von Hippel
Lead Users
13
Quem olhar?
www.innoscience.com.br
Innovativeness
Diagrama baseado em: Rogers, E. M. Diagram Diffusion of InnovationsDiffusion
Innovations. .
New York: Free Press, p. 182.
Innovators
2,5%
Early-Adopters
13,5% 34%
Early-Majority
34%
Later-Majority
16%
Laggards
Lead Users
14
Quem olhar?
www.innoscience.com.br
Fonte: Von Hippel, 1988. The sources of innovation – Chapter 8:
Predicting the source of innovation: Lead users (pp. 102-122)
O lead user encara as necessidades gerais, porém, muito antes do mercado.
Posicionado para beneficiar significativamente através da solução de problemas.
Identificar tendências
Identificar lead users
Analisar insight
Testar conceito
METODOLOGIA Somente as inovações de Lead Users formam a
base para novos produtos e serviços de valor
para fabricantes. Lead Users são usuários que:
• Têm necessidades de pressupor as demandas
gerais do mercado.
• Esperam obter grandes benefícios de uma
solução para suas necessidades (Tais usuários
estão mais propensos a inovar – Necessidade é
a mãe da invenção!”)
Lead Users
15
Quem olhar?
www.innoscience.com.br
16
Técnicas de
Ideação
www.innoscience.com.br
Se afastar das
soluções óbvias e
aumentar o
potencial de
inovação
Aproveitar a
perspectiva
coletiva e as
qualidades do
time
Descobrir áreas
de exploração
inesperadas
Criar fluxo (volume)
e flexibilidade
(variedade) nas
suas opções de
inovação
Tirar as soluções
óbvias da cabeça
e direcionar o
time além delas
OBJETIVO
Explorar um vasto espaço de soluções,
usando desse “armazém de ideias” para
futuramente criar protótipos e testar com os
usuários
Ter grande quantidade de ideias
Haver diversidade dentro dessas ideias
OBJETIVO
A geração de ideias é um processo estruturado e proativo de propor
novas abordagens, sendo um momento onde é importante a irradiação
de ideias e não o foco.
O que fazer para ter melhores ideias?
17
www.innoscience.com.br
COMO FAZER UM BRAINSTORMING EFICIENTE:
Fonte: Revista Você S/A – Edição 181 Jun/13
COMECE COM O
PROBLEMA
1
QUEM E PARA QUÊ2
AMBIENTE
FAVORÁVEL
3
INSPIRE-SE4
IDEIAS NASCEM NA
MENTE
5
DISCUSSÃO
COLETIVA
6
ABRA A TORNEIRA
DE IDEIAS
7
IDEIAS SELVAGENS8
Brainstorming
18
www.innoscience.com.br
O Que Fazer O Que Não Fazer
1
2
3
4
Busque Quantidade e use os Insights
Seja Visual e Use os Post Its
Construa sobre as ideias dos outros
Abrir espaço para todos falarem
5 Encoraje ideias ousadas
6 Desligue sua parte avaliativa
7 Uma conversa por vez
1
2
3
4
Gastar todo tempo discutindo 1 única ideia
Escrever ideias genéricas como
“Monitoramento”, “Sustentabilidade” que
não são ideias mas conceitos ou títulos
Avaliar as ideias geradas
Realizar conversas em paralelo
5 Propor ideias já existentes
6
Buscar apenas ideias prontas para
executar
7
Utilizar o celular dentro da sala de
ideação
O que fazer para ter melhores ideias?
Fonte: Via expressa para o sucesso em inovação
19
www.innoscience.com.br
O SCAMPER desenvolve a flexibilidade, no
sentido de levar a pessoa a mudar o seu
ponto de vista para tentar resolver o
problema.
REVERTER:
 Dá para mudar os papeis?
 É possível trocar os
componentes?
 Serve outra sequência?
 Dá para mudar o programa?
 É possível transpor a causa e o
efeito?
ELIMINAR:
 Pode-se ter menos partes?
 Dá para condensar?
 É possível ser mais leve?
 O que dá para fazer sem isso?
 É possível ser mais curto?
Scamper
Fonte: Via expressa para o sucesso em inovação
20
www.innoscience.com.br
O SCAMPER desenvolve a flexibilidade, no
sentido de levar a pessoa a mudar o seu
ponto de vista para tentar resolver o
problema.
SUBSTITUIR:
 Que outros ingredientes podem
ser colocados?
 É possível usar outra forma de
energia?
 Dá para fazer em outro lugar?
 Não pode ser cantada em outro
tom de voz?
 Um outro processo leva ao
mesmo resultado?
COMBINAR:
 É possível ter uma outra liga?
 Em conjunto, como fica?
 Dá para combinar as unidades?
 É possível juntar todas as ideias?
 Essas finalidades (intenções)
levam ao mesmo objetivo?
Scamper
Fonte: Via expressa para o sucesso em inovação
21
www.innoscience.com.br
O SCAMPER desenvolve a flexibilidade, no
sentido de levar a pessoa a mudar o seu
ponto de vista para tentar resolver o
problema.
MODIFICAR:
 É possível maximizar?
 Dá para minimizar?
 O que é possível agregar?
 A cor ou a forma, ou ainda o
material pode ser outro?
 É possível ter uma maior
frequência?
 Pode-se ter outro sabor
(forma)?
ADAPTAR:
 Que outra ideia isso sugere?
 O que poderia ser copiado?
 Como o passado poderia servir
de parâmetro para o presente?
 O que mais é parecido com isso?
 Do que (ou de quem) se poderia
adaptar isso?
Scamper
Fonte: Via expressa para o sucesso em inovação
22
www.innoscience.com.br
O SCAMPER desenvolve a flexibilidade, no sentido de
levar a pessoa a mudar o seu ponto de vista para tentar
resolver o problema.
Fonte: Via expressa para o sucesso em inovação
REARRANJAR:
 Os opostos levam a bons
resultados?
 Já olhou o lado contrário?
 Tentou o movimento no sentido
contrário?
 Já pensou em mudar o layout
(disposição)?
 Que tal mudar o ritmo?
OUTROS USOS:
 Existem outras formas de uso?
 É possível mudar o contexto?
 Daria para modificar o peso
para permitir outra utilização?
 Com outra estrutura,
aumentam as opções de
trabalho?
 Com outra embalagem, dá
para ser um “artefato de
cozinha”?
Scamper
23

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Governança e Inovação
Governança e InovaçãoGovernança e Inovação
8 simples passos para inovar de forma revolucionaria
8 simples passos para inovar de forma revolucionaria8 simples passos para inovar de forma revolucionaria
8 simples passos para inovar de forma revolucionaria
Innoscience Consultoria em Gestão da Inovação
 
Mitos, Metodos e Melhores Praticas
Mitos, Metodos e Melhores PraticasMitos, Metodos e Melhores Praticas
Mitos, Metodos e Melhores Praticas
Innoscience Consultoria em Gestão da Inovação
 
Feira do empreededorismo
Feira do empreededorismoFeira do empreededorismo
Aula gestão da inovação
Aula gestão da inovaçãoAula gestão da inovação
Aula gestão da inovação
Lara Rocha Garcia
 
Inovação e produtividade em tempos de crise
Inovação e produtividade em tempos de criseInovação e produtividade em tempos de crise
Inovação e produtividade em tempos de crise
Innoscience Consultoria em Gestão da Inovação
 
Conheça a Innoscience
Conheça a InnoscienceConheça a Innoscience
PMEs x Startups: Como inovar mais e melhor?
PMEs x Startups: Como inovar mais e melhor?PMEs x Startups: Como inovar mais e melhor?
PMEs x Startups: Como inovar mais e melhor?
Innoscience Consultoria em Gestão da Inovação
 
Inovação sem fronteiras
Inovação sem fronteiras   Inovação sem fronteiras
Workshop de Inovação - AMCHAM - SP
Workshop de Inovação - AMCHAM - SPWorkshop de Inovação - AMCHAM - SP
Workshop de Inovação - AMCHAM - SP
innoscience_
 
Fundamentos da inovação
Fundamentos da inovaçãoFundamentos da inovação
Fundamentos da inovação
innoscience_
 
Conceito de Inovação
Conceito de InovaçãoConceito de Inovação
Utilização de startups e agentes externos à empresa para inovação
Utilização de startups e agentes externos à empresa para inovaçãoUtilização de startups e agentes externos à empresa para inovação
Utilização de startups e agentes externos à empresa para inovação
Innoscience Consultoria em Gestão da Inovação
 
Amcham cubo
Amcham cuboAmcham cubo
WOW
WOWWOW
Aula 04 - Inovação e Criatividade
Aula 04 - Inovação e CriatividadeAula 04 - Inovação e Criatividade
Aula 04 - Inovação e Criatividade
Gustavo Zanotto
 
A Bíblia da Inovação
A Bíblia da InovaçãoA Bíblia da Inovação
A Bíblia da Inovação
Serge Rehem
 
Gestão empresarial aula 5 inovação
Gestão empresarial aula 5 inovaçãoGestão empresarial aula 5 inovação
Gestão empresarial aula 5 inovação
Vicente Willians Nunes
 
Ferramentas de inovação aberta
Ferramentas de inovação abertaFerramentas de inovação aberta
Ferramentas de inovação aberta
Inventta
 
Inovação no Setor Público
Inovação no Setor PúblicoInovação no Setor Público
Inovação no Setor Público
Innoscience Consultoria em Gestão da Inovação
 

Mais procurados (20)

Governança e Inovação
Governança e InovaçãoGovernança e Inovação
Governança e Inovação
 
8 simples passos para inovar de forma revolucionaria
8 simples passos para inovar de forma revolucionaria8 simples passos para inovar de forma revolucionaria
8 simples passos para inovar de forma revolucionaria
 
Mitos, Metodos e Melhores Praticas
Mitos, Metodos e Melhores PraticasMitos, Metodos e Melhores Praticas
Mitos, Metodos e Melhores Praticas
 
Feira do empreededorismo
Feira do empreededorismoFeira do empreededorismo
Feira do empreededorismo
 
Aula gestão da inovação
Aula gestão da inovaçãoAula gestão da inovação
Aula gestão da inovação
 
Inovação e produtividade em tempos de crise
Inovação e produtividade em tempos de criseInovação e produtividade em tempos de crise
Inovação e produtividade em tempos de crise
 
Conheça a Innoscience
Conheça a InnoscienceConheça a Innoscience
Conheça a Innoscience
 
PMEs x Startups: Como inovar mais e melhor?
PMEs x Startups: Como inovar mais e melhor?PMEs x Startups: Como inovar mais e melhor?
PMEs x Startups: Como inovar mais e melhor?
 
Inovação sem fronteiras
Inovação sem fronteiras   Inovação sem fronteiras
Inovação sem fronteiras
 
Workshop de Inovação - AMCHAM - SP
Workshop de Inovação - AMCHAM - SPWorkshop de Inovação - AMCHAM - SP
Workshop de Inovação - AMCHAM - SP
 
Fundamentos da inovação
Fundamentos da inovaçãoFundamentos da inovação
Fundamentos da inovação
 
Conceito de Inovação
Conceito de InovaçãoConceito de Inovação
Conceito de Inovação
 
Utilização de startups e agentes externos à empresa para inovação
Utilização de startups e agentes externos à empresa para inovaçãoUtilização de startups e agentes externos à empresa para inovação
Utilização de startups e agentes externos à empresa para inovação
 
Amcham cubo
Amcham cuboAmcham cubo
Amcham cubo
 
WOW
WOWWOW
WOW
 
Aula 04 - Inovação e Criatividade
Aula 04 - Inovação e CriatividadeAula 04 - Inovação e Criatividade
Aula 04 - Inovação e Criatividade
 
A Bíblia da Inovação
A Bíblia da InovaçãoA Bíblia da Inovação
A Bíblia da Inovação
 
Gestão empresarial aula 5 inovação
Gestão empresarial aula 5 inovaçãoGestão empresarial aula 5 inovação
Gestão empresarial aula 5 inovação
 
Ferramentas de inovação aberta
Ferramentas de inovação abertaFerramentas de inovação aberta
Ferramentas de inovação aberta
 
Inovação no Setor Público
Inovação no Setor PúblicoInovação no Setor Público
Inovação no Setor Público
 

Semelhante a Técnicas para desenvolver inovação

Guia modelagem-negocios
Guia modelagem-negociosGuia modelagem-negocios
Guia modelagem-negocios
Pedro de Oliveira
 
Aula inovação tecnológica
Aula inovação tecnológicaAula inovação tecnológica
Aula inovação tecnológica
Chemo
 
HackerSpace - A inovação ganhou_espaço
HackerSpace - A inovação ganhou_espaçoHackerSpace - A inovação ganhou_espaço
HackerSpace - A inovação ganhou_espaço
Hackerspace3
 
Está na Hora Certa de Empreender? com Frederico Lacerda
Está na Hora Certa de Empreender? com Frederico LacerdaEstá na Hora Certa de Empreender? com Frederico Lacerda
Está na Hora Certa de Empreender? com Frederico Lacerda
Easyaula
 
Gestão Empreendedora (17/09/2013)
Gestão Empreendedora (17/09/2013)Gestão Empreendedora (17/09/2013)
Gestão Empreendedora (17/09/2013)
Alessandro Almeida
 
Bb palestra 10.08
Bb palestra 10.08Bb palestra 10.08
Bb palestra 10.08
kleber.torres
 
Bb out/2008
Bb out/2008Bb out/2008
Bb out/2008
kleber.torres
 
Laboratório Criatividade - Inovação e Marketing com propósito
Laboratório Criatividade - Inovação e Marketing com propósitoLaboratório Criatividade - Inovação e Marketing com propósito
Laboratório Criatividade - Inovação e Marketing com propósito
Juliana Feitosa Andrade
 
Cria - Inovação
Cria - InovaçãoCria - Inovação
Cria - Inovação
criaglobal
 
Workshop Business Design Inventta
Workshop Business Design InventtaWorkshop Business Design Inventta
Workshop Business Design Inventta
Inventta
 
Comp org inovacao
Comp org inovacaoComp org inovacao
Comp org inovacao
Sayurï Yamane
 
Identificação e avaliação de oportunidades
Identificação e avaliação de oportunidadesIdentificação e avaliação de oportunidades
Identificação e avaliação de oportunidades
Felipe Pereira
 
The Best Pitch
The Best PitchThe Best Pitch
Artigo designthinking
Artigo designthinkingArtigo designthinking
Artigo designthinking
Gustavo de Boer
 
Design thinking: uma nova abordagem para inovação
Design thinking: uma nova abordagem para inovaçãoDesign thinking: uma nova abordagem para inovação
Design thinking: uma nova abordagem para inovação
Luiz Bonini
 
Palestra "Como podemos inovar?"
Palestra "Como podemos inovar?" Palestra "Como podemos inovar?"
Palestra "Como podemos inovar?"
Rafaela Sanzi
 
Open innovation sebrae mg
Open innovation sebrae mgOpen innovation sebrae mg
Open innovation sebrae mg
Flávio Moreira
 
Ebook inovacao Corporativa
Ebook inovacao CorporativaEbook inovacao Corporativa
Ebook inovacao Corporativa
Sergio Calura
 
Economia Criativa Inovação e Negocios - ESPM
Economia Criativa Inovação e Negocios - ESPMEconomia Criativa Inovação e Negocios - ESPM
Economia Criativa Inovação e Negocios - ESPM
Nei Grando
 
Estratratégia Empreendedora Moderna - Rony Lussari
Estratratégia Empreendedora Moderna - Rony LussariEstratratégia Empreendedora Moderna - Rony Lussari
Estratratégia Empreendedora Moderna - Rony Lussari
Rony Lussari
 

Semelhante a Técnicas para desenvolver inovação (20)

Guia modelagem-negocios
Guia modelagem-negociosGuia modelagem-negocios
Guia modelagem-negocios
 
Aula inovação tecnológica
Aula inovação tecnológicaAula inovação tecnológica
Aula inovação tecnológica
 
HackerSpace - A inovação ganhou_espaço
HackerSpace - A inovação ganhou_espaçoHackerSpace - A inovação ganhou_espaço
HackerSpace - A inovação ganhou_espaço
 
Está na Hora Certa de Empreender? com Frederico Lacerda
Está na Hora Certa de Empreender? com Frederico LacerdaEstá na Hora Certa de Empreender? com Frederico Lacerda
Está na Hora Certa de Empreender? com Frederico Lacerda
 
Gestão Empreendedora (17/09/2013)
Gestão Empreendedora (17/09/2013)Gestão Empreendedora (17/09/2013)
Gestão Empreendedora (17/09/2013)
 
Bb palestra 10.08
Bb palestra 10.08Bb palestra 10.08
Bb palestra 10.08
 
Bb out/2008
Bb out/2008Bb out/2008
Bb out/2008
 
Laboratório Criatividade - Inovação e Marketing com propósito
Laboratório Criatividade - Inovação e Marketing com propósitoLaboratório Criatividade - Inovação e Marketing com propósito
Laboratório Criatividade - Inovação e Marketing com propósito
 
Cria - Inovação
Cria - InovaçãoCria - Inovação
Cria - Inovação
 
Workshop Business Design Inventta
Workshop Business Design InventtaWorkshop Business Design Inventta
Workshop Business Design Inventta
 
Comp org inovacao
Comp org inovacaoComp org inovacao
Comp org inovacao
 
Identificação e avaliação de oportunidades
Identificação e avaliação de oportunidadesIdentificação e avaliação de oportunidades
Identificação e avaliação de oportunidades
 
The Best Pitch
The Best PitchThe Best Pitch
The Best Pitch
 
Artigo designthinking
Artigo designthinkingArtigo designthinking
Artigo designthinking
 
Design thinking: uma nova abordagem para inovação
Design thinking: uma nova abordagem para inovaçãoDesign thinking: uma nova abordagem para inovação
Design thinking: uma nova abordagem para inovação
 
Palestra "Como podemos inovar?"
Palestra "Como podemos inovar?" Palestra "Como podemos inovar?"
Palestra "Como podemos inovar?"
 
Open innovation sebrae mg
Open innovation sebrae mgOpen innovation sebrae mg
Open innovation sebrae mg
 
Ebook inovacao Corporativa
Ebook inovacao CorporativaEbook inovacao Corporativa
Ebook inovacao Corporativa
 
Economia Criativa Inovação e Negocios - ESPM
Economia Criativa Inovação e Negocios - ESPMEconomia Criativa Inovação e Negocios - ESPM
Economia Criativa Inovação e Negocios - ESPM
 
Estratratégia Empreendedora Moderna - Rony Lussari
Estratratégia Empreendedora Moderna - Rony LussariEstratratégia Empreendedora Moderna - Rony Lussari
Estratratégia Empreendedora Moderna - Rony Lussari
 

Mais de Innoscience Consultoria em Gestão da Inovação

Governança da inovação
Governança da inovaçãoGovernança da inovação
Webinar Tendências da Gestão da Inovação no Brasil e Portugal
Webinar Tendências da Gestão da Inovação no Brasil e PortugalWebinar Tendências da Gestão da Inovação no Brasil e Portugal
Webinar Tendências da Gestão da Inovação no Brasil e Portugal
Innoscience Consultoria em Gestão da Inovação
 
Corporate Venture
Corporate VentureCorporate Venture
Inovação sem fronteiras
Inovação sem fronteirasInovação sem fronteiras
Ontario health presentation
Ontario health presentationOntario health presentation
Experimentação 2.0
Experimentação 2.0  Experimentação 2.0
Como Startups e Grandes Empresas podem colaborar para inovar mais e melhor?
Como Startups e Grandes Empresas podem colaborar para inovar mais e melhor?Como Startups e Grandes Empresas podem colaborar para inovar mais e melhor?
Como Startups e Grandes Empresas podem colaborar para inovar mais e melhor?
Innoscience Consultoria em Gestão da Inovação
 
Os 5 Papéis do Chief Innovation Office (CIO)
Os 5 Papéis do Chief Innovation Office (CIO)Os 5 Papéis do Chief Innovation Office (CIO)
Os 5 Papéis do Chief Innovation Office (CIO)
Innoscience Consultoria em Gestão da Inovação
 
Técnicas para desenvolver inovação
Técnicas para desenvolver inovaçãoTécnicas para desenvolver inovação
Técnicas para desenvolver inovação
Innoscience Consultoria em Gestão da Inovação
 

Mais de Innoscience Consultoria em Gestão da Inovação (9)

Governança da inovação
Governança da inovaçãoGovernança da inovação
Governança da inovação
 
Webinar Tendências da Gestão da Inovação no Brasil e Portugal
Webinar Tendências da Gestão da Inovação no Brasil e PortugalWebinar Tendências da Gestão da Inovação no Brasil e Portugal
Webinar Tendências da Gestão da Inovação no Brasil e Portugal
 
Corporate Venture
Corporate VentureCorporate Venture
Corporate Venture
 
Inovação sem fronteiras
Inovação sem fronteirasInovação sem fronteiras
Inovação sem fronteiras
 
Ontario health presentation
Ontario health presentationOntario health presentation
Ontario health presentation
 
Experimentação 2.0
Experimentação 2.0  Experimentação 2.0
Experimentação 2.0
 
Como Startups e Grandes Empresas podem colaborar para inovar mais e melhor?
Como Startups e Grandes Empresas podem colaborar para inovar mais e melhor?Como Startups e Grandes Empresas podem colaborar para inovar mais e melhor?
Como Startups e Grandes Empresas podem colaborar para inovar mais e melhor?
 
Os 5 Papéis do Chief Innovation Office (CIO)
Os 5 Papéis do Chief Innovation Office (CIO)Os 5 Papéis do Chief Innovation Office (CIO)
Os 5 Papéis do Chief Innovation Office (CIO)
 
Técnicas para desenvolver inovação
Técnicas para desenvolver inovaçãoTécnicas para desenvolver inovação
Técnicas para desenvolver inovação
 

Técnicas para desenvolver inovação

  • 4. www.innoscience.com.br Uma frustração ou necessidade não atendida do cliente pode servir de base para uma nova oportunidade de negócio O que olhar? Necessidades reveladas ou não reveladas 4
  • 5. www.innoscience.com.br Padrão de tendências com potencial de mudar substancialmente as regras competitivas da estrutura de todo o setor abrindo novas oportunidades. Deve-se observar as descontinuidades em curso e antecipar-se às grandes tendências que podem transformar o ambiente de negócios. ECONÔMICAS TECNOLÓGICAS SOCIAIS E ECOLÓGICAS POLÍTICAS E REGULATÓRIAS Descontinuidades 5 Fonte: Innoscience O que olhar?
  • 6. www.innoscience.com.br Regras arraigadas de cada setor que direcionam a forma como ocorre o negócio e, ao longo do tempo, deixam de ser analisadas. MIMETISMO COMPETITIVO Produtos, serviços ou modelos de negócio lançados no mercado e que geram bons resultados, são copiados pelas demais empresas do setor. Rever definições sobre produto, serviço ou modelo de negócio Rever aquilo que realmente é mais essencial Questionar premissas básicas e enxergar diferentes definições Questionar e criar novos modelos de negócio para capturar valor por inovações Ortodoxias MIMETISMO COMPETITIVO É NECESSÁRIO 6 Fonte: Innoscience O que olhar?
  • 7. www.innoscience.com.br Conjunto único ou raro de habilidades, conhecimentos e experiência que agrega valor ao cliente e um diferencial sobre a concorrência PERCEPÇÃO DE SUAS HABILIDADES: Segmento de lojas de discos de música Setor de refrigerantes, telefonia móvel, aviação comercial Setor e celulose Setor de biotecnologia e energia renovável Competências 7 Fonte: Innoscience O que olhar?
  • 8. www.innoscience.com.br SETORES ANÁLOGOS: Pegar velhas ideias e colocar para novas pessoas, espaços ou, ainda, recombinar novas ideias de distintas formas. Encontre novos espaços para fixar suas ideias. Encontre outras ideias para combinar com as suas. Analogias 8 Fonte: Innoscience adaptado de Sutton. O que olhar?
  • 9. www.innoscience.com.br DESTRAVE RESTRIÇÕES DE CONSUMO: ACESSO: Lojas de rua, quiosques em aeroporto, agentes autônomos de investimento, internet TEMPO: Alternativas de acesso mais fáceis, reduzindo o tempo de transação e ganho de conhecimento, diminuindo – assim – o tempo de aprendizado CONHECIMENTO: Cursos gratuitos para milhares de não investidores RECURSOS: Menores valores de corretagem A maior corretora independente do Brasil. Inovação: Modelo de Negócio Restrições de Consumo 9 Fonte: Innoscience O que olhar?
  • 10. www.innoscience.com.br SEGREDOS PARA INOVAR: Fontes primárias de ideias Clientes CLIENTES ATUAIS Além de ouvir os clientes, interpretar seus sinais menos evidentes Compreender o contexto de consumo e suas características Interagir com clientes em seu contexto de consumo Vivenciar situações que os clientes vivenciam com seus produtos e serviços 10 Fonte: Innoscience Quem olhar?
  • 11. www.innoscience.com.br 3ª Camada 2ª Camada 1ª Camada Seu mercado 1º camada: “Logo serão” não clientes que estão no limite do seu mercado esperando pra entrar 2ª camada: “Refugando” não clientes que conscientemente escolhem contra seu setor 3ª camada: “Não explorados” não clientes que estão em mercados distantes do seu Seu mercado: Não clientes que consomem outras alternativas disponíveis no mercado Não Clientes 11 Fonte: Innoscience adaptado de Chan Kin. Quem olhar?
  • 12. www.innoscience.com.br xINOVAÇÃO DE USUÁRIO: o desenvolvedor espera se beneficiar por seu USO. INOVAÇÃO DE FABRICANTE: o desenvolvedor espera se beneficiar por sua VENDA. Lead Users 12 Fonte: Eric Von Hippel. Quem olhar?
  • 13. www.innoscience.com.br TARGET USERS Tempo Os métodos tradicionais baseiam-se em "Encontre uma necessidade e preencha-a" (Usuários-alvo proporcionam necessidades; Fabricantes desenvolvem soluções) Novos métodos baseiam-se na descoberta / no incentivo e na comercialização de soluções desenvolvido pelos próprios usuários NECESSIDADE E MERCADO: CURVA DO CICLO DE VIDA Fonte: 15.356: The Lead User idea generation method – Eric Von Hippel Lead Users 13 Quem olhar?
  • 14. www.innoscience.com.br Innovativeness Diagrama baseado em: Rogers, E. M. Diagram Diffusion of InnovationsDiffusion Innovations. . New York: Free Press, p. 182. Innovators 2,5% Early-Adopters 13,5% 34% Early-Majority 34% Later-Majority 16% Laggards Lead Users 14 Quem olhar?
  • 15. www.innoscience.com.br Fonte: Von Hippel, 1988. The sources of innovation – Chapter 8: Predicting the source of innovation: Lead users (pp. 102-122) O lead user encara as necessidades gerais, porém, muito antes do mercado. Posicionado para beneficiar significativamente através da solução de problemas. Identificar tendências Identificar lead users Analisar insight Testar conceito METODOLOGIA Somente as inovações de Lead Users formam a base para novos produtos e serviços de valor para fabricantes. Lead Users são usuários que: • Têm necessidades de pressupor as demandas gerais do mercado. • Esperam obter grandes benefícios de uma solução para suas necessidades (Tais usuários estão mais propensos a inovar – Necessidade é a mãe da invenção!”) Lead Users 15 Quem olhar?
  • 17. www.innoscience.com.br Se afastar das soluções óbvias e aumentar o potencial de inovação Aproveitar a perspectiva coletiva e as qualidades do time Descobrir áreas de exploração inesperadas Criar fluxo (volume) e flexibilidade (variedade) nas suas opções de inovação Tirar as soluções óbvias da cabeça e direcionar o time além delas OBJETIVO Explorar um vasto espaço de soluções, usando desse “armazém de ideias” para futuramente criar protótipos e testar com os usuários Ter grande quantidade de ideias Haver diversidade dentro dessas ideias OBJETIVO A geração de ideias é um processo estruturado e proativo de propor novas abordagens, sendo um momento onde é importante a irradiação de ideias e não o foco. O que fazer para ter melhores ideias? 17
  • 18. www.innoscience.com.br COMO FAZER UM BRAINSTORMING EFICIENTE: Fonte: Revista Você S/A – Edição 181 Jun/13 COMECE COM O PROBLEMA 1 QUEM E PARA QUÊ2 AMBIENTE FAVORÁVEL 3 INSPIRE-SE4 IDEIAS NASCEM NA MENTE 5 DISCUSSÃO COLETIVA 6 ABRA A TORNEIRA DE IDEIAS 7 IDEIAS SELVAGENS8 Brainstorming 18
  • 19. www.innoscience.com.br O Que Fazer O Que Não Fazer 1 2 3 4 Busque Quantidade e use os Insights Seja Visual e Use os Post Its Construa sobre as ideias dos outros Abrir espaço para todos falarem 5 Encoraje ideias ousadas 6 Desligue sua parte avaliativa 7 Uma conversa por vez 1 2 3 4 Gastar todo tempo discutindo 1 única ideia Escrever ideias genéricas como “Monitoramento”, “Sustentabilidade” que não são ideias mas conceitos ou títulos Avaliar as ideias geradas Realizar conversas em paralelo 5 Propor ideias já existentes 6 Buscar apenas ideias prontas para executar 7 Utilizar o celular dentro da sala de ideação O que fazer para ter melhores ideias? Fonte: Via expressa para o sucesso em inovação 19
  • 20. www.innoscience.com.br O SCAMPER desenvolve a flexibilidade, no sentido de levar a pessoa a mudar o seu ponto de vista para tentar resolver o problema. REVERTER:  Dá para mudar os papeis?  É possível trocar os componentes?  Serve outra sequência?  Dá para mudar o programa?  É possível transpor a causa e o efeito? ELIMINAR:  Pode-se ter menos partes?  Dá para condensar?  É possível ser mais leve?  O que dá para fazer sem isso?  É possível ser mais curto? Scamper Fonte: Via expressa para o sucesso em inovação 20
  • 21. www.innoscience.com.br O SCAMPER desenvolve a flexibilidade, no sentido de levar a pessoa a mudar o seu ponto de vista para tentar resolver o problema. SUBSTITUIR:  Que outros ingredientes podem ser colocados?  É possível usar outra forma de energia?  Dá para fazer em outro lugar?  Não pode ser cantada em outro tom de voz?  Um outro processo leva ao mesmo resultado? COMBINAR:  É possível ter uma outra liga?  Em conjunto, como fica?  Dá para combinar as unidades?  É possível juntar todas as ideias?  Essas finalidades (intenções) levam ao mesmo objetivo? Scamper Fonte: Via expressa para o sucesso em inovação 21
  • 22. www.innoscience.com.br O SCAMPER desenvolve a flexibilidade, no sentido de levar a pessoa a mudar o seu ponto de vista para tentar resolver o problema. MODIFICAR:  É possível maximizar?  Dá para minimizar?  O que é possível agregar?  A cor ou a forma, ou ainda o material pode ser outro?  É possível ter uma maior frequência?  Pode-se ter outro sabor (forma)? ADAPTAR:  Que outra ideia isso sugere?  O que poderia ser copiado?  Como o passado poderia servir de parâmetro para o presente?  O que mais é parecido com isso?  Do que (ou de quem) se poderia adaptar isso? Scamper Fonte: Via expressa para o sucesso em inovação 22
  • 23. www.innoscience.com.br O SCAMPER desenvolve a flexibilidade, no sentido de levar a pessoa a mudar o seu ponto de vista para tentar resolver o problema. Fonte: Via expressa para o sucesso em inovação REARRANJAR:  Os opostos levam a bons resultados?  Já olhou o lado contrário?  Tentou o movimento no sentido contrário?  Já pensou em mudar o layout (disposição)?  Que tal mudar o ritmo? OUTROS USOS:  Existem outras formas de uso?  É possível mudar o contexto?  Daria para modificar o peso para permitir outra utilização?  Com outra estrutura, aumentam as opções de trabalho?  Com outra embalagem, dá para ser um “artefato de cozinha”? Scamper 23