SlideShare uma empresa Scribd logo
Professora Elaine
ORGANIZAÇÃO  DA  REPÚBLICA
PATRÍCIOS Eram os ricos proprietários de terras e os únicos com direitos políticos.
LUTAS  DA  PLEBE Lei das Doze Tábuas  - em 450 a.C., que constituiu um dos  fundamentos do direito romano. (leis escritas) Lei Canuléia  - que garantiu direitos civis iguais, permitindo o casamento entre patrícios e plebeus. Lei Licínia  - aboliu a escravidão por dívida e permitiu aos plebeus o uso do  ager publicus  (terras do Estado). Plebeus enriquecidos teriam acesso aos cargos públicos. Lei Ogúlnia  - permitiu o acesso dos plebeus aos colégios sacerdotais e ao consulado Lei Hortência –  direito da plebe votar em plebiscito independente do Senado. Em 494 a.C, os plebeus se retiraram para o Monte Sagrado exigindo a criação de um cargo político controlado exclusivamente por plebeus. Em resposta o Senado criou a magistratura do  Tribunato da Plebe : o tribuno poderia vetar leis que contrariassem os interesses dos plebeus. Após uma série de revoltas, várias conquistas foram obtidas pela plebe:
GUERRAS  PÚNICAS (Roma x Cartago) (272-265 a.C) As Guerras Púnicas foram uma série de três guerras entre a República Romana e a República de Cartago, cidade-estado fenícia, no período entre 264 a.C. e 146 a.C..
Batalha de Zama, A  Primeira Guerra Púnica  (264 - 241a.C.) deveu-se a uma questão relacionada com o controle da Sicília. Os romanos venceram e passaram a receber  indenizações além de assumirem o controle sobre as ilhas da Sicília, da Sardenha e de Córsega.  Na  Segunda Guerra Púnica  foi causada pelo ressentimento dos romano com a  expansão de Cartago na Península Ibérica e com a destruição de Sagunto (aliada de Roma). Aníbal Barca, general cartaginês, formou um grande exército, cruzou os Alpes e atacou os romanos na Itália, sobre os quais obteve importantes vitórias, mas não os derrotou de forma definitiva. Cartago foi atacada por Cipião, o Africano que derrotou Aníbal em Zama. Roma apossou-se de territórios na Península Ibérica e os cartagineses foram obrigados a repassar todas as embarcações militares aos romanos.  Na  Terceira Guerra Púnica  (149 - 146 a. C.) Cartago atacou um aliado de Roma, o rei Masinissa da Numídia Oriental. Os discursos do senador Catão incitou os romanos contra os cartagineses. Um exército romano cercou Cartago durante dois anos. Os romanos acabaram por tomar a cidade e destrui-la.
EXPANSÃO ROMANA Com a vitória definitiva nessa guerra, Roma empreendeu o processo expansionista que a transformou em um império. Em 197 a.C., os romanos conquistaram a Macedônia; em 189 a.C., a Síria; em 146 a.C., a Grécia; e em 30 a.C., o Egito. O Mar Mediterrâneo, a partir de então, passou a ser chamado pelos romanos de “mare nostrum” (mar nosso). Roma transformou-se na maior potência política, militar e econômica da Antigüidade. As regiões dominadas, transformadas em províncias foram  obrigadas a pagar altos impostos.
 
O expansionismo romano teve profundos efeitos sobre a sua sociedade, dentre os quais podemos destacar: •  Grande afluxo de riquezas para Roma, proveniente das áreas conquistadas; •  Grande aumento do número de escravos, que passaram a ser a base da mão-de-obra romana; •  Ruína das pequenas propriedades, impossibilitadas de concorrerem com a produção dos grandes latifúndios trabalhados por escravos; •  êxodo rural, visto que os camponeses não tinham condições de permanecer no campo e dirigiam-se para a cidade. Nela sobreviviam em condições miseráveis, sendo quase sempre manipulados pela elite romana; •  Aparecimento de novos grupos sociais ligados à expansão comercial, como mercadores e banqueiros (chamados de “homens novos”). CONSEQUÊNCIAS DA EXPANSÃO
OS IRMÃOS GRACO Os Gracos entraram para a História como grandes reformadores que tentaram proporcionar melhores condições de vida às camadas mais pobres da sociedade romana. Em 133 a.C.,  Tibério Graco  foi eleito tribuno da plebe e conseguiu a aprovação de uma lei que delimitava a extensão das terras da nobreza (125 ha) e permitia a distribuição de terras públicas aos menos favorecidos. Tibério foi, no ano seguinte a sua posse, assassinado junto a mais outros 500 políticos que apoiavam o processo de redistribuição de terras. Caio Graco,  em seu segundo mandato como tribuno, em 123 a.C., decidiu retomar o projeto de reforma agrária de seu falecido irmão.  Conseguiu a aprovação da Lei Frumentária, que reduziu o valor de revenda do trigo para pessoas mais pobres. Acusado de tentar aplicar um golpe de Estado, Caio Graco foge para o Monte Aventino onde ordenou que um de seus escravos o matasse.
ESPÁRTACO Espártaco organizou uma grande revolta de escravos que lutava pelo fim da condição servil e melhores condições de vida.  O  Senado nomeou o general Licínio Crasso para combater os escravos com um poderoso destacamento de dez legiões.   O exército conseguiu vencer o levante de escravos e para coibir outras possíveis revoltas, crucificou seis mil rebeldes sobreviventes ao longo da via Ápia, uma das estradas que dava acesso a Roma.
 
TRANSIÇÃO PARA O IMPÉRIO Mário e Sila  – Nos consulados de Mário e Sila, o primeiro estabeleceu o pagamento de salário aos soldados, o que levou à entrada de pessoas pobres no exército e diminuiu os privilégios da aristocracia. Em função de sua política, Mário foi assassinado pelos seguidores de Sila, com a ajuda do Senado. Primeiro Triunvirato  – Pompeu e Crasso foram nomeados para o consulado e juntando-se a Júlio César, formaram o primeiro Triunvirato. Pompeu ficou responsável por Roma e o Ocidente; Crasso ficou responsável pelo  Oriente e Júlio César era responsável pela Gália.  Após a morte de Crasso em campanha militar, Pompeu deu um golpe de Estado com o apoio do Senado que o nomeou cônsul e declarou César inimigo do Estado. Júlio César estava em campanha (vitoriosa) contra os gauleses mas dirigiu-se para Roma e venceu Pompeu na Farsália.
SENADO ROMANO
JVLIVS CAESAR Caricatura do assassinato de Júlio César  Em 47 a.C, César assumiu o poder como ditador, por um ano, por dez anos e depois por toda a vida. Em seu governo concedeu cidadania aos aliados de Roma,  determinou a realização de reformas no calendário, limitou os poderes dos  governos das províncias.  Em virtude de uma conspiração, César foi assassinado em 44 a.C por um grupo de senadores que acreditavam agir em defesa da República. Júlio César
SEGUNDO TRIUNVIRATO Após a morte de César, formou-se o Segundo triunvirato, composto por Lépido, Marco Antônio e Otávio. Lépido foi mandado para a África, Marco Antônio para o Egito. Otávio empreendeu uma disputa pelo poder destituindo Lépido e enfrentando Marco Antônio que foi derrotado na Batalha de Actium. Em 27 a.C o Senado concedeu a Otávio o título de  Augusto  que significa  divino.  Era o fim da República e o início do Império em Roma.
IMPÉRIO ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
DINASTIAS Tibério  casou-se com Julia, filha de Augusto. Regularizou a economia pela redução dos gastos públicos, reduziu o poder do Senado, exilou a comunidade judaica e determinou o fim dos duelos de gladiadores. Após a tentativa de golpe de estado organizada pelo seu principal conselheiro,  Lúcio Sejano , submeteu Roma a um regime de terror mas não combateu a corrupção e permitiu a libertinagem. Adotou  Calígula  como filho e sucessor.  Dinastia Julio-Claudiana  (14-68) Calígula  acreditava no terror como arma de poder e gostava de ser odiado: dizia: "Oderint dum metuant!" (que odeiem enquanto tremem de medo), referindo-se ao povo. Impostos altíssimos,  gastos exorbitantes e a total falta de controle marcaram o seu reinado. Tomava as posses de suas vítimas e não admitia ser contrariado em nada. Nomeou seu cavalo Incitatus como senador e sacerdote romano.
Cláudio  era um figura ímpar. Gago e coxo desde a infância, tornou-se intelectual e escreveu mais de 70 livros. Cláudio foi o primeiro imperador romano a receber o título de Caesar. César transformou-se em um título pelo qual os mais altos comandantes da nação romana passaram a ser chamados desde então. Cláudio morreu envenenado aos 64 anos por sua esposa, Agripina que planejou tornar seu filho Domitius (Nero) herdeiro do trono no lugar do filho de Cláudio, Britânico. Cinicamente, Nero endeusou Cláudio após sua morte.  Entrou para o mundo “vulgar” da encenação, participou das corridas de carruagens, assassinou sua esposa para se casar com sua amante Popéia (que depois foi morta por ele a pontapés quando estava grávida).  Foi acusado do incêndio que destruiu Roma em 64 d.C e colocou a culpa nos cristãos. Ele também mandou assassinar milhares de cristãos no Coliseu, submergindo seus corpos no alcatrão ou usando-os como velas humanas. Com todas as forças em contra e planos para derrotar seu governo, aos 30 anos de idade Nero se suicidou. Nero  se tornou soberano de Roma aos 17 anos. Gostava mais das artes e dos jogos sexuais do que governar.
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Alto Império Baixo Império Otávio Augusto 27aC Edito de Milão (Constantino) 313dC Queda de Roma 476dC Diáspora dos judeus 70dC Edito de Caracala (cidadania) 212dC

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
Dirair
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Expansão marítima européia
Expansão marítima européiaExpansão marítima européia
Expansão marítima européia
edna2
 
Roma
RomaRoma
Crise do feudalismo: as transformações no sistema feudal
Crise do feudalismo: as transformações no sistema feudalCrise do feudalismo: as transformações no sistema feudal
Crise do feudalismo: as transformações no sistema feudal
Douglas Barraqui
 
9. revolução inglesa
9. revolução inglesa9. revolução inglesa
9. revolução inglesa
José Augusto Fiorin
 
História (Roma)
História (Roma)História (Roma)
História (Roma)
Giorgia Marrone
 
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados Nacionais
Douglas Barraqui
 
1° ano - Grécia Antiga
1° ano -  Grécia Antiga1° ano -  Grécia Antiga
1° ano - Grécia Antiga
Daniel Alves Bronstrup
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
Janaína Tavares
 
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
Nefer19
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
Alê Maldonado
 
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º AnoOs Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
Nefer19
 
O egito antigo
O egito antigoO egito antigo
O egito antigo
Espanhol Puríssimo
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
Douglas Barraqui
 
A Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonialA Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonial
Alex Ferreira dos Santos
 
o primeiro reinado (1822-1831)
o primeiro reinado (1822-1831)o primeiro reinado (1822-1831)
o primeiro reinado (1822-1831)
Colégio Basic e Colégio Imperatrice
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
Marcia Fernandes
 
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma AntigaRevisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Janaína Bindá
 
Expansão Marítima
Expansão MarítimaExpansão Marítima
Expansão Marítima
Aulas de História
 

Mais procurados (20)

Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Roma Antiga
 
Expansão marítima européia
Expansão marítima européiaExpansão marítima européia
Expansão marítima européia
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Crise do feudalismo: as transformações no sistema feudal
Crise do feudalismo: as transformações no sistema feudalCrise do feudalismo: as transformações no sistema feudal
Crise do feudalismo: as transformações no sistema feudal
 
9. revolução inglesa
9. revolução inglesa9. revolução inglesa
9. revolução inglesa
 
História (Roma)
História (Roma)História (Roma)
História (Roma)
 
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados Nacionais
 
1° ano - Grécia Antiga
1° ano -  Grécia Antiga1° ano -  Grécia Antiga
1° ano - Grécia Antiga
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º AnoOs Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
 
O egito antigo
O egito antigoO egito antigo
O egito antigo
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
 
A Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonialA Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonial
 
o primeiro reinado (1822-1831)
o primeiro reinado (1822-1831)o primeiro reinado (1822-1831)
o primeiro reinado (1822-1831)
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma AntigaRevisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
 
Expansão Marítima
Expansão MarítimaExpansão Marítima
Expansão Marítima
 

Destaque

A realeza de jesus
A realeza de jesusA realeza de jesus
A realeza de jesus
Edemilson G Souza
 
As três Revelações
As três RevelaçõesAs três Revelações
As três Revelações
Graça Maciel
 
Não vim destruir a Lei - Cap.I do OESE
Não vim destruir a Lei - Cap.I do OESENão vim destruir a Lei - Cap.I do OESE
Não vim destruir a Lei - Cap.I do OESE
Paula Kloser
 
Não vim destruir a lei-Marcelo do N. Rodrigues-CEM
Não vim destruir a lei-Marcelo do N. Rodrigues-CEMNão vim destruir a lei-Marcelo do N. Rodrigues-CEM
Não vim destruir a lei-Marcelo do N. Rodrigues-CEM
Marcelo do Nascimento Rodrigues
 
As 3 revelações
As 3 revelaçõesAs 3 revelações
As 3 revelações
Maxuel Alves
 
Fenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persasFenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persas
Douglas Barraqui
 
Grecia antiga - Profº Mauricio
Grecia antiga - Profº MauricioGrecia antiga - Profº Mauricio
Grecia antiga - Profº Mauricio
Mauricio da Silva
 
Egito
EgitoEgito
Cruzadinha - A Grécia Antiga
Cruzadinha  - A Grécia AntigaCruzadinha  - A Grécia Antiga
Cruzadinha - A Grécia Antiga
Mary Alvarenga
 
Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
Douglas Barraqui
 
Grécia Antiga - PAS
Grécia Antiga - PASGrécia Antiga - PAS
Grécia Antiga - PAS
Elaine Bogo Pavani
 
Grecia
Grecia Grecia
Civilização Greco-Romana - De Minos à Homero
Civilização Greco-Romana - De Minos à HomeroCivilização Greco-Romana - De Minos à Homero
Civilização Greco-Romana - De Minos à Homero
Luiz Valentim
 
Mesopotâmia
MesopotâmiaMesopotâmia
Mesopotâmia
Douglas Barraqui
 
Sistemas Jurídicos Grecia y Roma
Sistemas Jurídicos Grecia y RomaSistemas Jurídicos Grecia y Roma
Sistemas Jurídicos Grecia y Roma
Abbie Ulrich
 
Egito Antigo (6º Ano - 2016)
Egito Antigo (6º Ano - 2016)Egito Antigo (6º Ano - 2016)
Egito Antigo (6º Ano - 2016)
Nefer19
 
Capítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e lei
Capítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e leiCapítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e lei
Capítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e lei
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Cap. 1 NãO Vim Destruir A Lei
Cap. 1 NãO Vim Destruir A LeiCap. 1 NãO Vim Destruir A Lei
Cap. 1 NãO Vim Destruir A Lei
Cavalcante Melo Junior Eudes
 
PPT - Civilização Grega
PPT - Civilização GregaPPT - Civilização Grega
PPT - Civilização Grega
josafaslima
 
Egito Antigo: Nilo, economia e sociedade
Egito Antigo: Nilo, economia e sociedadeEgito Antigo: Nilo, economia e sociedade
Egito Antigo: Nilo, economia e sociedade
Carlos Pinheiro
 

Destaque (20)

A realeza de jesus
A realeza de jesusA realeza de jesus
A realeza de jesus
 
As três Revelações
As três RevelaçõesAs três Revelações
As três Revelações
 
Não vim destruir a Lei - Cap.I do OESE
Não vim destruir a Lei - Cap.I do OESENão vim destruir a Lei - Cap.I do OESE
Não vim destruir a Lei - Cap.I do OESE
 
Não vim destruir a lei-Marcelo do N. Rodrigues-CEM
Não vim destruir a lei-Marcelo do N. Rodrigues-CEMNão vim destruir a lei-Marcelo do N. Rodrigues-CEM
Não vim destruir a lei-Marcelo do N. Rodrigues-CEM
 
As 3 revelações
As 3 revelaçõesAs 3 revelações
As 3 revelações
 
Fenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persasFenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persas
 
Grecia antiga - Profº Mauricio
Grecia antiga - Profº MauricioGrecia antiga - Profº Mauricio
Grecia antiga - Profº Mauricio
 
Egito
EgitoEgito
Egito
 
Cruzadinha - A Grécia Antiga
Cruzadinha  - A Grécia AntigaCruzadinha  - A Grécia Antiga
Cruzadinha - A Grécia Antiga
 
Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
 
Grécia Antiga - PAS
Grécia Antiga - PASGrécia Antiga - PAS
Grécia Antiga - PAS
 
Grecia
Grecia Grecia
Grecia
 
Civilização Greco-Romana - De Minos à Homero
Civilização Greco-Romana - De Minos à HomeroCivilização Greco-Romana - De Minos à Homero
Civilização Greco-Romana - De Minos à Homero
 
Mesopotâmia
MesopotâmiaMesopotâmia
Mesopotâmia
 
Sistemas Jurídicos Grecia y Roma
Sistemas Jurídicos Grecia y RomaSistemas Jurídicos Grecia y Roma
Sistemas Jurídicos Grecia y Roma
 
Egito Antigo (6º Ano - 2016)
Egito Antigo (6º Ano - 2016)Egito Antigo (6º Ano - 2016)
Egito Antigo (6º Ano - 2016)
 
Capítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e lei
Capítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e leiCapítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e lei
Capítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e lei
 
Cap. 1 NãO Vim Destruir A Lei
Cap. 1 NãO Vim Destruir A LeiCap. 1 NãO Vim Destruir A Lei
Cap. 1 NãO Vim Destruir A Lei
 
PPT - Civilização Grega
PPT - Civilização GregaPPT - Civilização Grega
PPT - Civilização Grega
 
Egito Antigo: Nilo, economia e sociedade
Egito Antigo: Nilo, economia e sociedadeEgito Antigo: Nilo, economia e sociedade
Egito Antigo: Nilo, economia e sociedade
 

Semelhante a Roma - República e início do Império

Apresentaçãohistdir12
Apresentaçãohistdir12Apresentaçãohistdir12
ROMA ANTIGA.pdf
ROMA ANTIGA.pdfROMA ANTIGA.pdf
ROMA ANTIGA.pdf
GEILSONJOSEDASILVA
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Histria p-110515140939-phpapp01
Histria p-110515140939-phpapp01Histria p-110515140939-phpapp01
Histria p-110515140939-phpapp01
luzia Camilo lopes
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
Carlos Zaranza
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
Carlos Zaranza
 
C:\fakepath\aula i imperio_romano
C:\fakepath\aula i imperio_romanoC:\fakepath\aula i imperio_romano
C:\fakepath\aula i imperio_romano
Professor Duda - História
 
Aula i imperio_romano
Aula i imperio_romanoAula i imperio_romano
Aula i imperio_romano
Professor Duda - História
 
ImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano BlogImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano Blog
vaniareginahistoria1
 
ImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano BlogImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano Blog
vaniareginahistoria1
 
ImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano BlogImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano Blog
vaniareginahistoria1
 
Roma antiga
Roma  antigaRoma  antiga
Roma antiga
Luciana Soares
 
Civilização romana
Civilização romanaCivilização romana
Civilização romana
maida marciano
 
Roma antiga 2
Roma antiga 2Roma antiga 2
Roma antiga 2
Karoline Sena
 
Roma Antiga - Antiguidade Clássica II
Roma Antiga - Antiguidade Clássica IIRoma Antiga - Antiguidade Clássica II
Roma Antiga - Antiguidade Clássica II
Valéria Shoujofan
 
Aula I Imperio Romano
Aula I Imperio RomanoAula I Imperio Romano
Aula I Imperio Romano
guest12728e
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
Hope Anjo
 
Aula 03 roma
Aula 03   romaAula 03   roma
Roma antiga da república ao império
Roma antiga   da república ao impérioRoma antiga   da república ao império
Roma antiga da república ao império
Nelia Salles Nantes
 
Império Romano - Resumo.
Império Romano - Resumo.Império Romano - Resumo.
Império Romano - Resumo.
Élen Vanessa Silva
 

Semelhante a Roma - República e início do Império (20)

Apresentaçãohistdir12
Apresentaçãohistdir12Apresentaçãohistdir12
Apresentaçãohistdir12
 
ROMA ANTIGA.pdf
ROMA ANTIGA.pdfROMA ANTIGA.pdf
ROMA ANTIGA.pdf
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Roma Antiga
 
Histria p-110515140939-phpapp01
Histria p-110515140939-phpapp01Histria p-110515140939-phpapp01
Histria p-110515140939-phpapp01
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
C:\fakepath\aula i imperio_romano
C:\fakepath\aula i imperio_romanoC:\fakepath\aula i imperio_romano
C:\fakepath\aula i imperio_romano
 
Aula i imperio_romano
Aula i imperio_romanoAula i imperio_romano
Aula i imperio_romano
 
ImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano BlogImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano Blog
 
ImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano BlogImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano Blog
 
ImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano BlogImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano Blog
 
Roma antiga
Roma  antigaRoma  antiga
Roma antiga
 
Civilização romana
Civilização romanaCivilização romana
Civilização romana
 
Roma antiga 2
Roma antiga 2Roma antiga 2
Roma antiga 2
 
Roma Antiga - Antiguidade Clássica II
Roma Antiga - Antiguidade Clássica IIRoma Antiga - Antiguidade Clássica II
Roma Antiga - Antiguidade Clássica II
 
Aula I Imperio Romano
Aula I Imperio RomanoAula I Imperio Romano
Aula I Imperio Romano
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
Aula 03 roma
Aula 03   romaAula 03   roma
Aula 03 roma
 
Roma antiga da república ao império
Roma antiga   da república ao impérioRoma antiga   da república ao império
Roma antiga da república ao império
 
Império Romano - Resumo.
Império Romano - Resumo.Império Romano - Resumo.
Império Romano - Resumo.
 

Mais de Elaine Bogo Pavani

Primeira Guerra Mundial e Revolução Russa
Primeira Guerra Mundial e Revolução RussaPrimeira Guerra Mundial e Revolução Russa
Primeira Guerra Mundial e Revolução Russa
Elaine Bogo Pavani
 
Renascimento, Reforma e Mercantilismo
Renascimento, Reforma e MercantilismoRenascimento, Reforma e Mercantilismo
Renascimento, Reforma e Mercantilismo
Elaine Bogo Pavani
 
República velha
República velhaRepública velha
República velha
Elaine Bogo Pavani
 
Revisão pas.2pptx
Revisão pas.2pptxRevisão pas.2pptx
Revisão pas.2pptx
Elaine Bogo Pavani
 
Revisão – pas.1pptx
Revisão – pas.1pptxRevisão – pas.1pptx
Revisão – pas.1pptx
Elaine Bogo Pavani
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
Elaine Bogo Pavani
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
Elaine Bogo Pavani
 
Revisão vestibular 2010
Revisão vestibular 2010Revisão vestibular 2010
Revisão vestibular 2010
Elaine Bogo Pavani
 
Nova República
Nova RepúblicaNova República
Nova República
Elaine Bogo Pavani
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
Elaine Bogo Pavani
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
Elaine Bogo Pavani
 
De Juscelino a Jango
De Juscelino a JangoDe Juscelino a Jango
De Juscelino a Jango
Elaine Bogo Pavani
 
Era Vargas
Era VargasEra Vargas
Era Vargas
Elaine Bogo Pavani
 
Brasil ColôNia
Brasil ColôNiaBrasil ColôNia
Brasil ColôNia
Elaine Bogo Pavani
 
Segunda Guerra Mundial
Segunda Guerra MundialSegunda Guerra Mundial
Segunda Guerra Mundial
Elaine Bogo Pavani
 
Guerra Civil Espanhola/Crise 29
Guerra Civil Espanhola/Crise 29Guerra Civil Espanhola/Crise 29
Guerra Civil Espanhola/Crise 29
Elaine Bogo Pavani
 

Mais de Elaine Bogo Pavani (16)

Primeira Guerra Mundial e Revolução Russa
Primeira Guerra Mundial e Revolução RussaPrimeira Guerra Mundial e Revolução Russa
Primeira Guerra Mundial e Revolução Russa
 
Renascimento, Reforma e Mercantilismo
Renascimento, Reforma e MercantilismoRenascimento, Reforma e Mercantilismo
Renascimento, Reforma e Mercantilismo
 
República velha
República velhaRepública velha
República velha
 
Revisão pas.2pptx
Revisão pas.2pptxRevisão pas.2pptx
Revisão pas.2pptx
 
Revisão – pas.1pptx
Revisão – pas.1pptxRevisão – pas.1pptx
Revisão – pas.1pptx
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
Revisão vestibular 2010
Revisão vestibular 2010Revisão vestibular 2010
Revisão vestibular 2010
 
Nova República
Nova RepúblicaNova República
Nova República
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
De Juscelino a Jango
De Juscelino a JangoDe Juscelino a Jango
De Juscelino a Jango
 
Era Vargas
Era VargasEra Vargas
Era Vargas
 
Brasil ColôNia
Brasil ColôNiaBrasil ColôNia
Brasil ColôNia
 
Segunda Guerra Mundial
Segunda Guerra MundialSegunda Guerra Mundial
Segunda Guerra Mundial
 
Guerra Civil Espanhola/Crise 29
Guerra Civil Espanhola/Crise 29Guerra Civil Espanhola/Crise 29
Guerra Civil Espanhola/Crise 29
 

Roma - República e início do Império

  • 2. ORGANIZAÇÃO DA REPÚBLICA
  • 3. PATRÍCIOS Eram os ricos proprietários de terras e os únicos com direitos políticos.
  • 4. LUTAS DA PLEBE Lei das Doze Tábuas - em 450 a.C., que constituiu um dos fundamentos do direito romano. (leis escritas) Lei Canuléia - que garantiu direitos civis iguais, permitindo o casamento entre patrícios e plebeus. Lei Licínia - aboliu a escravidão por dívida e permitiu aos plebeus o uso do ager publicus (terras do Estado). Plebeus enriquecidos teriam acesso aos cargos públicos. Lei Ogúlnia - permitiu o acesso dos plebeus aos colégios sacerdotais e ao consulado Lei Hortência – direito da plebe votar em plebiscito independente do Senado. Em 494 a.C, os plebeus se retiraram para o Monte Sagrado exigindo a criação de um cargo político controlado exclusivamente por plebeus. Em resposta o Senado criou a magistratura do Tribunato da Plebe : o tribuno poderia vetar leis que contrariassem os interesses dos plebeus. Após uma série de revoltas, várias conquistas foram obtidas pela plebe:
  • 5. GUERRAS PÚNICAS (Roma x Cartago) (272-265 a.C) As Guerras Púnicas foram uma série de três guerras entre a República Romana e a República de Cartago, cidade-estado fenícia, no período entre 264 a.C. e 146 a.C..
  • 6. Batalha de Zama, A Primeira Guerra Púnica (264 - 241a.C.) deveu-se a uma questão relacionada com o controle da Sicília. Os romanos venceram e passaram a receber indenizações além de assumirem o controle sobre as ilhas da Sicília, da Sardenha e de Córsega. Na Segunda Guerra Púnica foi causada pelo ressentimento dos romano com a expansão de Cartago na Península Ibérica e com a destruição de Sagunto (aliada de Roma). Aníbal Barca, general cartaginês, formou um grande exército, cruzou os Alpes e atacou os romanos na Itália, sobre os quais obteve importantes vitórias, mas não os derrotou de forma definitiva. Cartago foi atacada por Cipião, o Africano que derrotou Aníbal em Zama. Roma apossou-se de territórios na Península Ibérica e os cartagineses foram obrigados a repassar todas as embarcações militares aos romanos. Na Terceira Guerra Púnica (149 - 146 a. C.) Cartago atacou um aliado de Roma, o rei Masinissa da Numídia Oriental. Os discursos do senador Catão incitou os romanos contra os cartagineses. Um exército romano cercou Cartago durante dois anos. Os romanos acabaram por tomar a cidade e destrui-la.
  • 7. EXPANSÃO ROMANA Com a vitória definitiva nessa guerra, Roma empreendeu o processo expansionista que a transformou em um império. Em 197 a.C., os romanos conquistaram a Macedônia; em 189 a.C., a Síria; em 146 a.C., a Grécia; e em 30 a.C., o Egito. O Mar Mediterrâneo, a partir de então, passou a ser chamado pelos romanos de “mare nostrum” (mar nosso). Roma transformou-se na maior potência política, militar e econômica da Antigüidade. As regiões dominadas, transformadas em províncias foram obrigadas a pagar altos impostos.
  • 8.  
  • 9. O expansionismo romano teve profundos efeitos sobre a sua sociedade, dentre os quais podemos destacar: • Grande afluxo de riquezas para Roma, proveniente das áreas conquistadas; • Grande aumento do número de escravos, que passaram a ser a base da mão-de-obra romana; • Ruína das pequenas propriedades, impossibilitadas de concorrerem com a produção dos grandes latifúndios trabalhados por escravos; • êxodo rural, visto que os camponeses não tinham condições de permanecer no campo e dirigiam-se para a cidade. Nela sobreviviam em condições miseráveis, sendo quase sempre manipulados pela elite romana; • Aparecimento de novos grupos sociais ligados à expansão comercial, como mercadores e banqueiros (chamados de “homens novos”). CONSEQUÊNCIAS DA EXPANSÃO
  • 10. OS IRMÃOS GRACO Os Gracos entraram para a História como grandes reformadores que tentaram proporcionar melhores condições de vida às camadas mais pobres da sociedade romana. Em 133 a.C., Tibério Graco foi eleito tribuno da plebe e conseguiu a aprovação de uma lei que delimitava a extensão das terras da nobreza (125 ha) e permitia a distribuição de terras públicas aos menos favorecidos. Tibério foi, no ano seguinte a sua posse, assassinado junto a mais outros 500 políticos que apoiavam o processo de redistribuição de terras. Caio Graco, em seu segundo mandato como tribuno, em 123 a.C., decidiu retomar o projeto de reforma agrária de seu falecido irmão. Conseguiu a aprovação da Lei Frumentária, que reduziu o valor de revenda do trigo para pessoas mais pobres. Acusado de tentar aplicar um golpe de Estado, Caio Graco foge para o Monte Aventino onde ordenou que um de seus escravos o matasse.
  • 11. ESPÁRTACO Espártaco organizou uma grande revolta de escravos que lutava pelo fim da condição servil e melhores condições de vida. O Senado nomeou o general Licínio Crasso para combater os escravos com um poderoso destacamento de dez legiões. O exército conseguiu vencer o levante de escravos e para coibir outras possíveis revoltas, crucificou seis mil rebeldes sobreviventes ao longo da via Ápia, uma das estradas que dava acesso a Roma.
  • 12.  
  • 13. TRANSIÇÃO PARA O IMPÉRIO Mário e Sila – Nos consulados de Mário e Sila, o primeiro estabeleceu o pagamento de salário aos soldados, o que levou à entrada de pessoas pobres no exército e diminuiu os privilégios da aristocracia. Em função de sua política, Mário foi assassinado pelos seguidores de Sila, com a ajuda do Senado. Primeiro Triunvirato – Pompeu e Crasso foram nomeados para o consulado e juntando-se a Júlio César, formaram o primeiro Triunvirato. Pompeu ficou responsável por Roma e o Ocidente; Crasso ficou responsável pelo Oriente e Júlio César era responsável pela Gália. Após a morte de Crasso em campanha militar, Pompeu deu um golpe de Estado com o apoio do Senado que o nomeou cônsul e declarou César inimigo do Estado. Júlio César estava em campanha (vitoriosa) contra os gauleses mas dirigiu-se para Roma e venceu Pompeu na Farsália.
  • 15. JVLIVS CAESAR Caricatura do assassinato de Júlio César Em 47 a.C, César assumiu o poder como ditador, por um ano, por dez anos e depois por toda a vida. Em seu governo concedeu cidadania aos aliados de Roma, determinou a realização de reformas no calendário, limitou os poderes dos governos das províncias. Em virtude de uma conspiração, César foi assassinado em 44 a.C por um grupo de senadores que acreditavam agir em defesa da República. Júlio César
  • 16. SEGUNDO TRIUNVIRATO Após a morte de César, formou-se o Segundo triunvirato, composto por Lépido, Marco Antônio e Otávio. Lépido foi mandado para a África, Marco Antônio para o Egito. Otávio empreendeu uma disputa pelo poder destituindo Lépido e enfrentando Marco Antônio que foi derrotado na Batalha de Actium. Em 27 a.C o Senado concedeu a Otávio o título de Augusto que significa divino. Era o fim da República e o início do Império em Roma.
  • 17.
  • 18. DINASTIAS Tibério casou-se com Julia, filha de Augusto. Regularizou a economia pela redução dos gastos públicos, reduziu o poder do Senado, exilou a comunidade judaica e determinou o fim dos duelos de gladiadores. Após a tentativa de golpe de estado organizada pelo seu principal conselheiro, Lúcio Sejano , submeteu Roma a um regime de terror mas não combateu a corrupção e permitiu a libertinagem. Adotou Calígula como filho e sucessor. Dinastia Julio-Claudiana (14-68) Calígula acreditava no terror como arma de poder e gostava de ser odiado: dizia: "Oderint dum metuant!" (que odeiem enquanto tremem de medo), referindo-se ao povo. Impostos altíssimos, gastos exorbitantes e a total falta de controle marcaram o seu reinado. Tomava as posses de suas vítimas e não admitia ser contrariado em nada. Nomeou seu cavalo Incitatus como senador e sacerdote romano.
  • 19. Cláudio era um figura ímpar. Gago e coxo desde a infância, tornou-se intelectual e escreveu mais de 70 livros. Cláudio foi o primeiro imperador romano a receber o título de Caesar. César transformou-se em um título pelo qual os mais altos comandantes da nação romana passaram a ser chamados desde então. Cláudio morreu envenenado aos 64 anos por sua esposa, Agripina que planejou tornar seu filho Domitius (Nero) herdeiro do trono no lugar do filho de Cláudio, Britânico. Cinicamente, Nero endeusou Cláudio após sua morte. Entrou para o mundo “vulgar” da encenação, participou das corridas de carruagens, assassinou sua esposa para se casar com sua amante Popéia (que depois foi morta por ele a pontapés quando estava grávida). Foi acusado do incêndio que destruiu Roma em 64 d.C e colocou a culpa nos cristãos. Ele também mandou assassinar milhares de cristãos no Coliseu, submergindo seus corpos no alcatrão ou usando-os como velas humanas. Com todas as forças em contra e planos para derrotar seu governo, aos 30 anos de idade Nero se suicidou. Nero se tornou soberano de Roma aos 17 anos. Gostava mais das artes e dos jogos sexuais do que governar.
  • 20.