SlideShare uma empresa Scribd logo
RomaHISTÓRIA
Roma: A Antiguidade clássicaRoma se localiza na Península Itálica, cujo solo é mais fértil que o da Península Balcânica (grega), tem costa pouco recortada ao contrário da Grécia.                                              Haviam diversos tipos de                                              habitantes, entre eles haviam                                             os gauleses, etruscos e latinos
Roma: A Antiguidade clássicaA origem de Roma  possui uma versão mítica para sua fundação que é contada pelo mito de Rômulo e Remo.
Roma: A Antiguidade clássicaSegundo essa lenda: Enéias, príncipe troiano (filho de Vênus), fugindo de sua cidade destruída pelos gregos, teria chegado ao Lácio e casado com a filha de um rei latino. Seus descendentes recém-nascidos, os gêmeos Rômulo e Remo, teriam sido jogados no Tibre, salvos e amamentados por uma loba e em seguida criados por camponeses. Conta a lenda que, quando fundaram Roma, Rômulo e Remo se desentenderam, tendo Rômulo matado Remo e se transformado no primeiro rei de Roma.
História (Roma)
Roma: Período da realezaMonarquia (753 a.C.  509 a.C)A Documentação desse período é muito precária, pois é a fase mais remota de Roma. Durante esse período o rei tinha funções executivas, judiciais e religiosas, mas seus poderes eram limitados pelo legislativo – o Senado (ou Conselho dos Anciãos), que tinham o direito de veto e de sanção das leis apresentadas pelo rei.
História (Roma)
Roma: Período da realezaA sociedade romana durante a monarquia era dividida em três classes básicas:Patrícios – considerados os cidadãos de Roma, possuíam gado e terra e constituíam a aristocracia romanaPlebeus – eram livres mais sem direitos políticos. Eram a classe de que obtinham-se a mão de obra.Escravos – recrutados entre os derrotados em guerras ou plebeus endividados, não tinham nenhum direito.
Roma: Período da repúblicaDeu-se a queda da monarquia sob o pretexto que o rei era etrusco e não respeitava a aristocracia patrícia.A queda da monarquia deu lugar a uma nova estrutura administrativa: a República. Onde o senado era o mais elevado poder da República romana.Os plebeus constituíam grande parte da população romana, mas viviam em total marginalização política, os plebeus exigiam direitos políticos.
Roma: Período da repúblicaDiante de sua força em Roma, os patrícios cederam, e os plebeus ganharam representação por meio de dois tribunos da plebe. Onde eles tinham o direito de vetar decisões do Senado, e sua pessoa era considerada intocável e inviolável. Mas após várias revoltas plebéias, os patrícios convocaram dez juristas para redigir um código de leis. O resultado foi a elaboração da “Lei das 12 tábuas” (primeira compilação escrita das leis romanas).
História (Roma)
Roma: Período da repúblicaDentre outras leis que favoreciam a classe plebéia, cabe destacar a “Lei de Canuleia”, que permitia o casamento entre patrícios e plebeus.
Roma: Período da repúblicaExpansão romana:Roma conquistou a Itália, por causa da necessidade de preservar o abastecimento de produtos essenciais e de pôr fim a ameaças regionais. Uma vez conquistada a Itália era preciso conquistar Cartago, pois impedia sua expansão.Guerras púnicas = ROMA X CARTAGO disputavam a Sicília. Vitória de Roma que dizimou Cartago em 146 a.C.
Roma: Período da repúblicaAs consequências dessa expansão foi:RiquezasAumento da escravidãoNovas classes.
PATRÍCIOSCLIENTESPLEBEUSESCRAVOS
Roma: Da República ao Alto ImpérioTibério Graco foi eleito um tribuno da plebe, propôs uma lei que limitava a posse de terras: ninguém poderia possuir mais de 310 acres. O Estado ficaria com as terras que ultrapassassem esse limite e as arrendaria aos cidadãos pobres que, assim, teriam uma ocupação. O senado opôs-se violentamente a tais medidas e, em meio a grande tumulto, Tibério e mais 300 adeptos foram assassinados.
História (Roma)
Roma: de República ao Alto ImpérioDez anos depois do assassinato de seu irmão Tibério, Caio Graco elegeu-se tribuno. Também criou leis para melhorar as condições de vida da plebe – como a Lei Frumentária, que determinava a distribuição de trigo aos plebeus, a preço mais baixo. Caio Graco acabou sendo perseguido e exigiu de um escravo que o matasse.
Tibério e Caio Graco.
Roma: de República ao Alto ImpérioGuerras Civis:Após a morte dos Graco, a crise romana se refletiu na formação de partidos: alguns, como os partidos aristocratas, preocupados com a manutenção da ordem existente: outros como os partidos populares, ansiando por reformas. Destacando-se o general Mário, defensor da plebe, e o general Sila, defensor dos conservadores. Mário foi eleito cônsul por seis vezes consecutivas, conseguindo transformar o exército, que era privilégio dos cidadãos, em um exército assalariados. Os soldados receberiam um soldo, uma participação nos espólios e, após 25 anos de carreira, um pedaço de terra.
Roma: de República ao Alto ImpérioCom a morte de Mário, e surgiu Sila, que estabeleceu uma ditadura militar, expulsando e perseguindo violentamente os antigos seguidores do seu rival Mário e desarticulando os grupos políticos populares. Sila, já velho, abdicou do poder, e o período que se seguiu foi de aparente calmaria.Sila   Mário
Roma: de República ao Alto ImpérioUm novo líder aristocrático, Pompeu, já despontava: conseguira abafar na Espanha uma revolta popular comandada por Sertório. Ao mesmo tempo, a revolta dos escravos liderada por Espártaco, projetou o general Crasso, que pôs fim ao levante. O prestígio militar alcançado por Pompeu e Crasso assegurou uma posição de destaque político romana, juntamente com o popular Júlio César. E o senado acabou elegendo esses três fortes candidatos ao Consulado.
Primeiro TriunviratoJúlio CésarPompeu
Primeiro TriunviratoCrasso morreu em combate na Pérsia.Pompeu ao obter título de cônsul único, destituiu Júlio César do comando militar da Gália. César ao receber esta mensagem senatorial de sua destituição, encontrava-se às margens do rio Rubicão. Partiu então para Roma com suas tropas para enfrentar Pompeu, vencendo-o somente em Farsálias, na Grécia.
Primeiro TriunviratoEnquanto isso, crescia no Egito a disputa pelo poder local entre o faraó Ptolomeu e Cleópatra. Júlio César desembarcou em Alexandria e apoiou Cleópatra, levantando-a ao poder. Posteriormente, Júlio César dirigiu-se para a Ásia Menor e aniquilou as tropas sírias inimigas. Retornando a Roma, foi proclamado ditador vitalício, em clara oposição ao Senado. A revolta senatorial culminou com uma conspiração dirigida por Cássio e Brutus. Em 15 de março de 44 a.C., em pleno Senado, César foi assassinado a punhaladas.
História (Roma)
História (Roma)
Primeiro TriunviratoSua morte gerou uma comoção popular, habilmente explorada por Marco Antônio, um dos grandes generais de Júlio César.
Segundo TriunviratoMarco Antônio, Otávio e Lépidos, os novos triúnviros, perseguiram e eliminaram opositores de César, enquanto nova crise se formava. Otávio, sobrinho de César, aproveitou-se da ausência de Marco Antônio, que se encontrava com Cleópatra, para ampliar seu poder. Anulou o poder de Lépido e declarou guerra a Marco Antônio. Na batalha naval, Otávio derrotou a frota de Marco Antônio e Cleópatra. Em Roma, o Senado conferiu a Otávio o título de princeps, o que abria caminho para o título de imperador. No futuro ele recebeu o título de imperador mesmo.
Alto ImpérioDe início essa etapa foi marcada pelo reinado de Otávio que agora chamava-se Augusto.Foi considerado o “Século de Ouro”.Foi um período de grandeza, de dinheiro.Augusto embelezou Roma com magníficas construções.Para “distrair” a população de seu governo, proporcionou grandes espetáculos de circo e distribuiu trigo ao povo. É dessa fase a prática do “Pão e Circo”.Foi nesse período também que nasceu Jesus Cristo.
História (Roma)
Baixo ImpérioO baixo império romano foi o período das crises, da anarquia e da conseqüente ruína de sua ordem política e social. Começou com a chamada “PAX ROMANA” que é caracterizada pela frase “Parar as conquistas para consolidar as fronteiras”, o imperador romano parou com as conquistas de território porque não estava conseguindo organizar seu reino por causa da rápida expansão
Baixo ImpérioMas a PAX romana teve um resultado negativo, sem as conquistas, houve a falta dos escravos e dinheiro. Foi nessa fase que surgiu o cristianismo, que só piorou a situação, o cristianismo foi adotado pela parcela de pessoas pobres pois prega uma vida eterna após a morte, porém o cristianismo é monoteísta indo em choque assim com o poder do Imperador.
Baixo ImpérioO imperador achou que a solução seria perseguir os cristãos, mas teve resultado inverso, houve grande aumento do cristianismo.Sem dinheiro, o império não podia pagar os soldados para trabalhar na proteção das fronteiras. Os soldados então deixam de trabalhar, tornando Roma vulnerável a invasões.Os bárbaros (povo vizinho) estavam sendo invadidos pelos “Hunos”, então os bárbaros fugiram para Roma. Dando assim o fim do Império Romano.
Baixo ImpérioEntretanto, em meio a essa decadência do Baixo Império Romano destacaram-se alguns governantes. Vejamos os mais importantes e suas realizações:DIOCLECIANO – criou a tetrarquia (4 imperadores)Perseguiu os cristãos.CONSTANTINO – criou “Edito de Milão” liberdade para os cristãos. (achou que assim o número de cristãos diminuiria).TEODÓSIO – torna o cristianismo oficial em Roma, rodo mundo era obrigado a ser cristão.Foi nesse momento que eles aboliram as olimpíadas, porque é um presente a Zeus, e o cristianismo é monoteísta. Ele dividiu Roma em: Ocidental e Oriental.
História (Roma)
Roma Oriental: BizântinoFoi o fim do Império Romano Ocidental por causa das invasões bárbaras. Mas a continuidade por mais ou menos 100 anos do Império Romano Oriental.Na Roma Bizantina, o imperador era a autoridade máxima, chefe do exército e da igreja, política e tudo... Dando destaque ao imperador Justiniano que conseguiu ampliar os territórios.Ele criou código de leis. (na verdade já existiam essas leis)A religião era o cristianismo.
Roma Oriental: BizântinoA disputa pelo poder entre o imperador e o papa resultou na divisão da igreja do Oriente, dando formação ao que conhecemos de Igreja católica e Ortodoxa.
Igreja CatólicaRoma Ocidental (ocupadas pelos bárbaros)É muito tradicionalO papa é autoridade máximaO celibato (casar virgem, não usar camisinha...) é obrigatórioA imagem de adoração é tridimensional, esculturas...
Igreja OrtodoxaRoma OrientalNão reconhecem a autoridade do papaO celibato é opcionalE as imagens são bidimensionais: pinturasPor causa do “culto a imagem” que é proibido.
Fim do império bizantino com a invasão dos turcos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O Império Romano
O Império RomanoO Império Romano
O Império Romano
HCA_10I
 
A civilização romana
A civilização romana  A civilização romana
A civilização romana
eb23ja
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
cattonia
 
Roma Antiga - monarquia, república e império romano
Roma Antiga - monarquia, república e império romanoRoma Antiga - monarquia, república e império romano
Roma Antiga - monarquia, república e império romano
Munis Pedro
 
Civilização Romana
Civilização RomanaCivilização Romana
Civilização Romana
Lucio Oliveira
 
Império Romano - Ens. Médio
Império Romano - Ens. MédioImpério Romano - Ens. Médio
Império Romano - Ens. Médio
Daniel Alves Bronstrup
 
1° ano E.M. - Antigo Egito
1° ano E.M. -  Antigo Egito1° ano E.M. -  Antigo Egito
1° ano E.M. - Antigo Egito
Daniel Alves Bronstrup
 
ROMA ANTIGA
ROMA ANTIGAROMA ANTIGA
ROMA ANTIGA
MARIANO C7S
 
O egito antigo
O egito antigoO egito antigo
O egito antigo
Espanhol Puríssimo
 
Império bizantino
Império bizantinoImpério bizantino
Império bizantino
alinemaiahistoria
 
Roma antiga resumo
Roma antiga resumoRoma antiga resumo
Roma antiga resumo
Gisele Finatti Baraglio
 
A crise no império romano
A crise no império romanoA crise no império romano
A crise no império romano
Nilton Silva Jardim Junior
 
Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
Douglas Barraqui
 
Roma
RomaRoma
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Nefer19
 
Povos germânicos
Povos germânicosPovos germânicos
Povos germânicos
Eduard Henry
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
Aulas de História
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
Janaína Tavares
 
Barbaros
BarbarosBarbaros
Barbaros
Lilian Larroca
 
1° ano aula slide - feudalismo
1° ano   aula slide - feudalismo1° ano   aula slide - feudalismo
1° ano aula slide - feudalismo
Daniel Alves Bronstrup
 

Mais procurados (20)

O Império Romano
O Império RomanoO Império Romano
O Império Romano
 
A civilização romana
A civilização romana  A civilização romana
A civilização romana
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
 
Roma Antiga - monarquia, república e império romano
Roma Antiga - monarquia, república e império romanoRoma Antiga - monarquia, república e império romano
Roma Antiga - monarquia, república e império romano
 
Civilização Romana
Civilização RomanaCivilização Romana
Civilização Romana
 
Império Romano - Ens. Médio
Império Romano - Ens. MédioImpério Romano - Ens. Médio
Império Romano - Ens. Médio
 
1° ano E.M. - Antigo Egito
1° ano E.M. -  Antigo Egito1° ano E.M. -  Antigo Egito
1° ano E.M. - Antigo Egito
 
ROMA ANTIGA
ROMA ANTIGAROMA ANTIGA
ROMA ANTIGA
 
O egito antigo
O egito antigoO egito antigo
O egito antigo
 
Império bizantino
Império bizantinoImpério bizantino
Império bizantino
 
Roma antiga resumo
Roma antiga resumoRoma antiga resumo
Roma antiga resumo
 
A crise no império romano
A crise no império romanoA crise no império romano
A crise no império romano
 
Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
 
Povos germânicos
Povos germânicosPovos germânicos
Povos germânicos
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
Barbaros
BarbarosBarbaros
Barbaros
 
1° ano aula slide - feudalismo
1° ano   aula slide - feudalismo1° ano   aula slide - feudalismo
1° ano aula slide - feudalismo
 

Semelhante a História (Roma)

Histria p-110515140939-phpapp01
Histria p-110515140939-phpapp01Histria p-110515140939-phpapp01
Histria p-110515140939-phpapp01
luzia Camilo lopes
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
Marco Silva
 
Roma
RomaRoma
2 roma
2 roma2 roma
2 roma
profrogerio1
 
Roma
RomaRoma
ROMA
ROMAROMA
Semi extensivo - frente 2 módulos 3 e 4
Semi extensivo - frente 2 módulos 3 e 4Semi extensivo - frente 2 módulos 3 e 4
Semi extensivo - frente 2 módulos 3 e 4
Lú Carvalho
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
Juliana_hst
 
Civilização romana
Civilização romanaCivilização romana
Civilização romana
maida marciano
 
Roma prof. andre teixeira
Roma prof. andre teixeiraRoma prof. andre teixeira
Roma prof. andre teixeira
Tâmara Almeida
 
roma-090501132521-phpapp02.pdf
roma-090501132521-phpapp02.pdfroma-090501132521-phpapp02.pdf
roma-090501132521-phpapp02.pdf
Elizeu filho
 
Roma 090501132521-phpapp02
Roma 090501132521-phpapp02Roma 090501132521-phpapp02
Roma 090501132521-phpapp02
luzia Camilo lopes
 
Roma antiga 2
Roma antiga 2Roma antiga 2
Roma antiga 2
Karoline Sena
 
Roma - República e início do Império
Roma - República e início do ImpérioRoma - República e início do Império
Roma - República e início do Império
Elaine Bogo Pavani
 
Koneski Aula império Romano
 Koneski Aula império Romano Koneski Aula império Romano
Koneski Aula império Romano
Tavinho Koneski Westphal
 
Antiguidade clássica roma 7ano
Antiguidade clássica roma 7anoAntiguidade clássica roma 7ano
Antiguidade clássica roma 7ano
Leonardo Caputo
 
Apresentaçãohistdir12
Apresentaçãohistdir12Apresentaçãohistdir12
Aula 03 roma
Aula 03   romaAula 03   roma
Roma antica civilização ocidental
Roma antica   civilização ocidentalRoma antica   civilização ocidental
Roma antica civilização ocidental
Murilo Benevides
 
Roma antiga-resumo-ilustrado
Roma antiga-resumo-ilustradoRoma antiga-resumo-ilustrado
Roma antiga-resumo-ilustrado
Marcio Cicchelli
 

Semelhante a História (Roma) (20)

Histria p-110515140939-phpapp01
Histria p-110515140939-phpapp01Histria p-110515140939-phpapp01
Histria p-110515140939-phpapp01
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
2 roma
2 roma2 roma
2 roma
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
ROMA
ROMAROMA
ROMA
 
Semi extensivo - frente 2 módulos 3 e 4
Semi extensivo - frente 2 módulos 3 e 4Semi extensivo - frente 2 módulos 3 e 4
Semi extensivo - frente 2 módulos 3 e 4
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
Civilização romana
Civilização romanaCivilização romana
Civilização romana
 
Roma prof. andre teixeira
Roma prof. andre teixeiraRoma prof. andre teixeira
Roma prof. andre teixeira
 
roma-090501132521-phpapp02.pdf
roma-090501132521-phpapp02.pdfroma-090501132521-phpapp02.pdf
roma-090501132521-phpapp02.pdf
 
Roma 090501132521-phpapp02
Roma 090501132521-phpapp02Roma 090501132521-phpapp02
Roma 090501132521-phpapp02
 
Roma antiga 2
Roma antiga 2Roma antiga 2
Roma antiga 2
 
Roma - República e início do Império
Roma - República e início do ImpérioRoma - República e início do Império
Roma - República e início do Império
 
Koneski Aula império Romano
 Koneski Aula império Romano Koneski Aula império Romano
Koneski Aula império Romano
 
Antiguidade clássica roma 7ano
Antiguidade clássica roma 7anoAntiguidade clássica roma 7ano
Antiguidade clássica roma 7ano
 
Apresentaçãohistdir12
Apresentaçãohistdir12Apresentaçãohistdir12
Apresentaçãohistdir12
 
Aula 03 roma
Aula 03   romaAula 03   roma
Aula 03 roma
 
Roma antica civilização ocidental
Roma antica   civilização ocidentalRoma antica   civilização ocidental
Roma antica civilização ocidental
 
Roma antiga-resumo-ilustrado
Roma antiga-resumo-ilustradoRoma antiga-resumo-ilustrado
Roma antiga-resumo-ilustrado
 

Mais de Giorgia Marrone

História idade média arábes
História idade média arábesHistória idade média arábes
História idade média arábes
Giorgia Marrone
 
História Idade Média Árabes
História Idade Média ÁrabesHistória Idade Média Árabes
História Idade Média Árabes
Giorgia Marrone
 
História Idade Média (Francos)
História Idade Média (Francos)História Idade Média (Francos)
História Idade Média (Francos)
Giorgia Marrone
 
Geografia cap. 19 a 30
Geografia cap. 19 a 30Geografia cap. 19 a 30
Geografia cap. 19 a 30
Giorgia Marrone
 
A Arte na pré-história brasileira
A Arte na pré-história brasileiraA Arte na pré-história brasileira
A Arte na pré-história brasileira
Giorgia Marrone
 
A Arte na Pré-História
A Arte na Pré-HistóriaA Arte na Pré-História
A Arte na Pré-História
Giorgia Marrone
 
A arte no egito
A arte no egitoA arte no egito
A arte no egito
Giorgia Marrone
 
Geografia cap 1 a 18
Geografia cap 1 a 18Geografia cap 1 a 18
Geografia cap 1 a 18
Giorgia Marrone
 
História (Grécia)
História (Grécia)História (Grécia)
História (Grécia)
Giorgia Marrone
 
Sociologia
SociologiaSociologia
Sociologia
Giorgia Marrone
 

Mais de Giorgia Marrone (10)

História idade média arábes
História idade média arábesHistória idade média arábes
História idade média arábes
 
História Idade Média Árabes
História Idade Média ÁrabesHistória Idade Média Árabes
História Idade Média Árabes
 
História Idade Média (Francos)
História Idade Média (Francos)História Idade Média (Francos)
História Idade Média (Francos)
 
Geografia cap. 19 a 30
Geografia cap. 19 a 30Geografia cap. 19 a 30
Geografia cap. 19 a 30
 
A Arte na pré-história brasileira
A Arte na pré-história brasileiraA Arte na pré-história brasileira
A Arte na pré-história brasileira
 
A Arte na Pré-História
A Arte na Pré-HistóriaA Arte na Pré-História
A Arte na Pré-História
 
A arte no egito
A arte no egitoA arte no egito
A arte no egito
 
Geografia cap 1 a 18
Geografia cap 1 a 18Geografia cap 1 a 18
Geografia cap 1 a 18
 
História (Grécia)
História (Grécia)História (Grécia)
História (Grécia)
 
Sociologia
SociologiaSociologia
Sociologia
 

Último

EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
CarolineSaback2
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptxVOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
mailabueno45
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 

Último (20)

EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptxVOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 

História (Roma)

  • 2. Roma: A Antiguidade clássicaRoma se localiza na Península Itálica, cujo solo é mais fértil que o da Península Balcânica (grega), tem costa pouco recortada ao contrário da Grécia. Haviam diversos tipos de habitantes, entre eles haviam os gauleses, etruscos e latinos
  • 3. Roma: A Antiguidade clássicaA origem de Roma possui uma versão mítica para sua fundação que é contada pelo mito de Rômulo e Remo.
  • 4. Roma: A Antiguidade clássicaSegundo essa lenda: Enéias, príncipe troiano (filho de Vênus), fugindo de sua cidade destruída pelos gregos, teria chegado ao Lácio e casado com a filha de um rei latino. Seus descendentes recém-nascidos, os gêmeos Rômulo e Remo, teriam sido jogados no Tibre, salvos e amamentados por uma loba e em seguida criados por camponeses. Conta a lenda que, quando fundaram Roma, Rômulo e Remo se desentenderam, tendo Rômulo matado Remo e se transformado no primeiro rei de Roma.
  • 6. Roma: Período da realezaMonarquia (753 a.C. 509 a.C)A Documentação desse período é muito precária, pois é a fase mais remota de Roma. Durante esse período o rei tinha funções executivas, judiciais e religiosas, mas seus poderes eram limitados pelo legislativo – o Senado (ou Conselho dos Anciãos), que tinham o direito de veto e de sanção das leis apresentadas pelo rei.
  • 8. Roma: Período da realezaA sociedade romana durante a monarquia era dividida em três classes básicas:Patrícios – considerados os cidadãos de Roma, possuíam gado e terra e constituíam a aristocracia romanaPlebeus – eram livres mais sem direitos políticos. Eram a classe de que obtinham-se a mão de obra.Escravos – recrutados entre os derrotados em guerras ou plebeus endividados, não tinham nenhum direito.
  • 9. Roma: Período da repúblicaDeu-se a queda da monarquia sob o pretexto que o rei era etrusco e não respeitava a aristocracia patrícia.A queda da monarquia deu lugar a uma nova estrutura administrativa: a República. Onde o senado era o mais elevado poder da República romana.Os plebeus constituíam grande parte da população romana, mas viviam em total marginalização política, os plebeus exigiam direitos políticos.
  • 10. Roma: Período da repúblicaDiante de sua força em Roma, os patrícios cederam, e os plebeus ganharam representação por meio de dois tribunos da plebe. Onde eles tinham o direito de vetar decisões do Senado, e sua pessoa era considerada intocável e inviolável. Mas após várias revoltas plebéias, os patrícios convocaram dez juristas para redigir um código de leis. O resultado foi a elaboração da “Lei das 12 tábuas” (primeira compilação escrita das leis romanas).
  • 12. Roma: Período da repúblicaDentre outras leis que favoreciam a classe plebéia, cabe destacar a “Lei de Canuleia”, que permitia o casamento entre patrícios e plebeus.
  • 13. Roma: Período da repúblicaExpansão romana:Roma conquistou a Itália, por causa da necessidade de preservar o abastecimento de produtos essenciais e de pôr fim a ameaças regionais. Uma vez conquistada a Itália era preciso conquistar Cartago, pois impedia sua expansão.Guerras púnicas = ROMA X CARTAGO disputavam a Sicília. Vitória de Roma que dizimou Cartago em 146 a.C.
  • 14. Roma: Período da repúblicaAs consequências dessa expansão foi:RiquezasAumento da escravidãoNovas classes.
  • 16. Roma: Da República ao Alto ImpérioTibério Graco foi eleito um tribuno da plebe, propôs uma lei que limitava a posse de terras: ninguém poderia possuir mais de 310 acres. O Estado ficaria com as terras que ultrapassassem esse limite e as arrendaria aos cidadãos pobres que, assim, teriam uma ocupação. O senado opôs-se violentamente a tais medidas e, em meio a grande tumulto, Tibério e mais 300 adeptos foram assassinados.
  • 18. Roma: de República ao Alto ImpérioDez anos depois do assassinato de seu irmão Tibério, Caio Graco elegeu-se tribuno. Também criou leis para melhorar as condições de vida da plebe – como a Lei Frumentária, que determinava a distribuição de trigo aos plebeus, a preço mais baixo. Caio Graco acabou sendo perseguido e exigiu de um escravo que o matasse.
  • 20. Roma: de República ao Alto ImpérioGuerras Civis:Após a morte dos Graco, a crise romana se refletiu na formação de partidos: alguns, como os partidos aristocratas, preocupados com a manutenção da ordem existente: outros como os partidos populares, ansiando por reformas. Destacando-se o general Mário, defensor da plebe, e o general Sila, defensor dos conservadores. Mário foi eleito cônsul por seis vezes consecutivas, conseguindo transformar o exército, que era privilégio dos cidadãos, em um exército assalariados. Os soldados receberiam um soldo, uma participação nos espólios e, após 25 anos de carreira, um pedaço de terra.
  • 21. Roma: de República ao Alto ImpérioCom a morte de Mário, e surgiu Sila, que estabeleceu uma ditadura militar, expulsando e perseguindo violentamente os antigos seguidores do seu rival Mário e desarticulando os grupos políticos populares. Sila, já velho, abdicou do poder, e o período que se seguiu foi de aparente calmaria.Sila Mário
  • 22. Roma: de República ao Alto ImpérioUm novo líder aristocrático, Pompeu, já despontava: conseguira abafar na Espanha uma revolta popular comandada por Sertório. Ao mesmo tempo, a revolta dos escravos liderada por Espártaco, projetou o general Crasso, que pôs fim ao levante. O prestígio militar alcançado por Pompeu e Crasso assegurou uma posição de destaque político romana, juntamente com o popular Júlio César. E o senado acabou elegendo esses três fortes candidatos ao Consulado.
  • 24. Primeiro TriunviratoCrasso morreu em combate na Pérsia.Pompeu ao obter título de cônsul único, destituiu Júlio César do comando militar da Gália. César ao receber esta mensagem senatorial de sua destituição, encontrava-se às margens do rio Rubicão. Partiu então para Roma com suas tropas para enfrentar Pompeu, vencendo-o somente em Farsálias, na Grécia.
  • 25. Primeiro TriunviratoEnquanto isso, crescia no Egito a disputa pelo poder local entre o faraó Ptolomeu e Cleópatra. Júlio César desembarcou em Alexandria e apoiou Cleópatra, levantando-a ao poder. Posteriormente, Júlio César dirigiu-se para a Ásia Menor e aniquilou as tropas sírias inimigas. Retornando a Roma, foi proclamado ditador vitalício, em clara oposição ao Senado. A revolta senatorial culminou com uma conspiração dirigida por Cássio e Brutus. Em 15 de março de 44 a.C., em pleno Senado, César foi assassinado a punhaladas.
  • 28. Primeiro TriunviratoSua morte gerou uma comoção popular, habilmente explorada por Marco Antônio, um dos grandes generais de Júlio César.
  • 29. Segundo TriunviratoMarco Antônio, Otávio e Lépidos, os novos triúnviros, perseguiram e eliminaram opositores de César, enquanto nova crise se formava. Otávio, sobrinho de César, aproveitou-se da ausência de Marco Antônio, que se encontrava com Cleópatra, para ampliar seu poder. Anulou o poder de Lépido e declarou guerra a Marco Antônio. Na batalha naval, Otávio derrotou a frota de Marco Antônio e Cleópatra. Em Roma, o Senado conferiu a Otávio o título de princeps, o que abria caminho para o título de imperador. No futuro ele recebeu o título de imperador mesmo.
  • 30. Alto ImpérioDe início essa etapa foi marcada pelo reinado de Otávio que agora chamava-se Augusto.Foi considerado o “Século de Ouro”.Foi um período de grandeza, de dinheiro.Augusto embelezou Roma com magníficas construções.Para “distrair” a população de seu governo, proporcionou grandes espetáculos de circo e distribuiu trigo ao povo. É dessa fase a prática do “Pão e Circo”.Foi nesse período também que nasceu Jesus Cristo.
  • 32. Baixo ImpérioO baixo império romano foi o período das crises, da anarquia e da conseqüente ruína de sua ordem política e social. Começou com a chamada “PAX ROMANA” que é caracterizada pela frase “Parar as conquistas para consolidar as fronteiras”, o imperador romano parou com as conquistas de território porque não estava conseguindo organizar seu reino por causa da rápida expansão
  • 33. Baixo ImpérioMas a PAX romana teve um resultado negativo, sem as conquistas, houve a falta dos escravos e dinheiro. Foi nessa fase que surgiu o cristianismo, que só piorou a situação, o cristianismo foi adotado pela parcela de pessoas pobres pois prega uma vida eterna após a morte, porém o cristianismo é monoteísta indo em choque assim com o poder do Imperador.
  • 34. Baixo ImpérioO imperador achou que a solução seria perseguir os cristãos, mas teve resultado inverso, houve grande aumento do cristianismo.Sem dinheiro, o império não podia pagar os soldados para trabalhar na proteção das fronteiras. Os soldados então deixam de trabalhar, tornando Roma vulnerável a invasões.Os bárbaros (povo vizinho) estavam sendo invadidos pelos “Hunos”, então os bárbaros fugiram para Roma. Dando assim o fim do Império Romano.
  • 35. Baixo ImpérioEntretanto, em meio a essa decadência do Baixo Império Romano destacaram-se alguns governantes. Vejamos os mais importantes e suas realizações:DIOCLECIANO – criou a tetrarquia (4 imperadores)Perseguiu os cristãos.CONSTANTINO – criou “Edito de Milão” liberdade para os cristãos. (achou que assim o número de cristãos diminuiria).TEODÓSIO – torna o cristianismo oficial em Roma, rodo mundo era obrigado a ser cristão.Foi nesse momento que eles aboliram as olimpíadas, porque é um presente a Zeus, e o cristianismo é monoteísta. Ele dividiu Roma em: Ocidental e Oriental.
  • 37. Roma Oriental: BizântinoFoi o fim do Império Romano Ocidental por causa das invasões bárbaras. Mas a continuidade por mais ou menos 100 anos do Império Romano Oriental.Na Roma Bizantina, o imperador era a autoridade máxima, chefe do exército e da igreja, política e tudo... Dando destaque ao imperador Justiniano que conseguiu ampliar os territórios.Ele criou código de leis. (na verdade já existiam essas leis)A religião era o cristianismo.
  • 38. Roma Oriental: BizântinoA disputa pelo poder entre o imperador e o papa resultou na divisão da igreja do Oriente, dando formação ao que conhecemos de Igreja católica e Ortodoxa.
  • 39. Igreja CatólicaRoma Ocidental (ocupadas pelos bárbaros)É muito tradicionalO papa é autoridade máximaO celibato (casar virgem, não usar camisinha...) é obrigatórioA imagem de adoração é tridimensional, esculturas...
  • 40. Igreja OrtodoxaRoma OrientalNão reconhecem a autoridade do papaO celibato é opcionalE as imagens são bidimensionais: pinturasPor causa do “culto a imagem” que é proibido.
  • 41. Fim do império bizantino com a invasão dos turcos.