SlideShare uma empresa Scribd logo
REVISÃO PAS – UEM
BRASIL IMPÉRIO
Professora Ms. Elaine Angela Bogo Pavani
PRIMEIRO REINADO
 No dia 1° de dezembro de 1822, D. Pedro foi coroado primeiro imperador do
Brasil, com o título de D. Pedro I.
 Seu governo ficou conhecido como Primeiro Reinado, e durou de 1822 a 1831.
CONSTITUIÇÃO DE
1824
D. Pedro I entrou em confronto direto com a Assembléia responsável por
elaborar a primeira Constituição. O imperador mandou criar uma Constituição
que lhe agradasse, o que lhe trouxe desgaste político = Noite de Agonia.
O voto era censitário, ou seja, só podia votar ou se candidatar a cargos
públicos quem ganhasse uma renda mínima. O senado era vitalício.
Além dos três poderes usuais – Executivo, Legislativo e Judiciário – a
Constituição criava o Poder Moderador, feito especialmente para o imperador.
Este quarto poder permitia a ele nomear o ministério, dissolver a Assembléia e
nomear os presidentes das províncias.
A Constituição de 1824 foi a primeira na
História do país.
CRISE E ABDICAÇÃO DE D. PEDRO I
Em 1830, o jornalista Líbero Badaró, de oposição, foi morto a tiros. O
imperador foi o principal suspeito pelo crime.
O choque entre os partidários do imperador, e aqueles que eram contrários a
ele, tornava-se cada vez mais violento. As violentas brigas envolviam garrafas,
originando o termo Noites das Garrafadas.
Além disso, o imperador enfrentou um sério
problema com a sucessão do trono de Portugal após
a morte de D. João VI. Seu irmão, D. Miguel,
tentou tomar o poder, situação que preocupava D.
Pedro, obrigando-o a deixar o Brasil.
D. Pedro I renunciou em 1831. Voltou para Portugal
e deixou o trono para seu filho, Pedro de
Alcântara, que tinha apenas cinco anos de idade.
A popularidade do imperador estava em baixa e a situação se agravou após a
derrota na Guerra da Cisplatina e a morte de Frei Caneca ma Confederação do
Equador.
REGENCIA
TRINA
PROVISÓRIA
REGENCIA
UNA DE
ARAUJO LIMA
REGENCIA
UNA DE
PADRE FEIJÓ
REGENCIA
TRINA
PERMANENTE
REVOLTA
DOS MALÊS
REVOLUÇÃO
FARROUPILHA
CABANAGEM
BALAIADA
PERÍODO REGENCIAL
SABINADA
REVOLUÇÃO FARROUPILHA (1835 – 1845)
CAUSAS: altos impostos sobre o charque; discordância dos
participantes com o centralismo administrativo e político.
OBJETIVOS: Autonomia da província, formação de uma República
independente.
LÍDER FARRAPOS: Bento Gonçalves, David
Canabarro e Giuseppe Garibaldi, Anita
Garibaldi.
LÍDER LEGALISTA: Duque de Caxias
DESFECHO: após 10 anos de guerra, foi
assinada a Paz de Ponche Verde e concedida
a anistia aos rebeldes incorporando os
farrapos às tropas do governo
O GOLPE DA MAIORIDADE
Desde 1835, a idéia de antecipar a maioridade já havia surgido no
cenário político da Corte. Proprietários de escravos e de terras
estavam assustados com a experiência de descentralização ocorrida
durante o Período Regencial que resultara em tantas revoltas sociais.
O restabelecimento da autoridade monárquica era visto como a
solução para a crise política.
O movimento, liderado por Antônio Carlos de Andrada, transformou-se
num golpe palaciano, que terminou com a queda dos conservadores e a
volta dos liberais. D. Pedro foi coroado em 18 de julho de 1841. Era o
início do Segundo Reinado no Brasil.
"Nada mais se assemelha a um saquarema do que um luzia no poder."
(Holanda Cavalcanti)
Dois partidos se revezavam no poder: o partido chamado Liberal
(luzia) e o partido Conservador (saquarema), esvaziando qualquer
substância ideológica que eles pudessem ter ou que os tornasse
portadores de alternativas para o país.
O regime monárquico funcionava com
e para a elite dominante no Império,
que alimentava um sistema
parlamentar artificial e um processo
eleitoral altamente excludente.
No sistema brasileiro os representantes de todos os poderes eram
eleitos ou escolhidos de acordo com a vontade soberana do Imperador.
Parlamentarismo no Brasil Parlamentarismo inglês
Dois partidos se revezavam no poder: o partido chamado Liberal
(luzia) e o partido Conservador (saquarema), esvaziando qualquer
substância ideológica que eles pudessem ter ou que os tornasse
portadores de alternativas para o país.
A última revolta do império ocorreu em 1848, em Pernambuco. Após o
veto do Senado, dominado pelos conservadores, à indicação do liberal
pernambucano Antônio Chichorro da Gama a uma cadeira da Casa, a
ala exaltada do Partido Liberal do estado se rebelou.
Chamados de praieiros (pois a sede do seu jornal ficava na rua da
Praia), eles tomaram Olinda atacaram o Recife, mas, em 1849, foram
derrotados. O conflito seria encerrado definitivamente em 1850.
Principais exigências dos rebeldes
liberais:
- Liberdade de imprensa;
- Voto livre e universal;
- Garantia de trabalho;
- Extinção do poder Moderador;
-Nacionalização do comércio;
A expansão da lavoura cafeeira a partir da segunda metade do século
XIX deu novo impulso a economia agroexportadora, trazendo
prosperidade econômica ao país e favorecendo os grandes
proprietários rurais. A produção em larga escala do café começou no
Rio de Janeiro, nas regiões de Angra dos Reis, a partir de 1830. Em
seguida, as plantações se alastraram para o Vale do Rio Paraíba, a
partir daí a produção voltou-se para exportação.
Principais cidades: Vassouras, Valença e Barra Mansa.
Apogeu por volta de 1850 e declínio acentuado a partir de 1870.
Pouca tecnologia.
Desgaste dos solos.
Impossibilidade de continuar se expandindo para outras áreas.
Predomínio do trabalho escravo.
Transporte feito por tropas de mulas.
Mentalidade aristocrática: fazenda e escravos servem para se ter
poder sobre os homens.
Ganhos desperdiçados em consumo improdutivo.
Apoio ao regime monárquico.
Principais cidades: Bragança, Itú, Campinas, Sorocaba, Ribeirão
Preto, Bananal e Taubaté.
Expansão vigorosa a partir de 1850.
Alguma tecnologia: máquinas de beneficiamento.
Grande disponibilidade de terras para expansão.
Presença de trabalho escravo e também de imigrantes após 1880.
Transporte feito por estradas de ferro.
Mentalidade empresarial: o objetivo da propriedade é obter lucro.
Gestão moderna, os lucros eram reinvestidos na produção.
Apoio ao regime republicano.
Com a extinção do tráfico negreiro em 1850 (lei Euzébio de
Queiróz) os fazendeiros de café tiveram que encontrar uma
solução para suprir a falta de mão-de-obra; esta solução será
a importação de imigrantes europeus.
O pioneiro deste sistema foi o Senador
Nicolau de Campos Vergueiro, ainda em
1847, na sua fazenda Ibicaba, em
Limeira, na Província de São Paulo. O
imigrante trabalha à meia e reembolsa o
fazendeiro, após a primeira colheita, pela
viagem e outras despesas. A prática traz
as marcas da escravidão: coação, maus-
tratos, fraudes, venda de imigrantes via
pagamento da dívida.
O regime de parceria não obteve sucesso, em razão dos elevados juros
cobrados sobre as dívidas assumidas pelos colonos para trabalharem no Brasil,
os maus tratos recebidos e o baixo preço pago pelo café cultivado.
Com a aprovação da tarifa Alves Branco, em 1844,
que aumentou as taxas alfandegárias sobre os
artigos importados e o fim do tráfico negreiro, o
crescimento industrial foi bastante favorecido. Os
capitais destinados ao comércio de escravos
passaram a ser empregados em outros setores e,
com a vinda dos imigrantes e da consolidação do
trabalho assalariado, houve uma ampliação do
mercado consumidor.
O maior destaque industrial do período foi
Irineu Evangelista de Souza, o barão de Mauá.
Dirigiu inúmeros empreendimentos, tais como
bancos, companhias de gás, companhias de
navegação, estradas de ferro, fundição,
fábrica de velas. No campo das comunicações,
trabalhou na instalação de cabo submarino
ligando o Brasil à Europa.
O Paraguai segue um rumo próprio desde a
independência (1811). Herdeiro do império jesuíta,
sem saída para o mar, liga-se ao mundo pelo rio
Paraná. Quando a Argentina corta-lhe a saída
(1813) isola-se. Seu primeiro governante, José
Gaspar Rodrígues de Francia y Velasco, El
Supremo, ditador perpétuo, limita o comércio,
recusa relações diplomáticas, proíbe a riqueza,
castiga as elites, faz a reforma agrária das
Estâncias, promove o ensino público, erradicando o
analfabetismo.
Seu sucessor, Carlos Antonio López [1790- 1862], moderniza o país, abre o
comércio e embaixadas, firma (1850) um acordo de defesa mútua com o Uruguai.
O país prospera (fumo, mate, arroz, cana, gado): é o mais provido de ferrovias,
telégrafos e linhas de vapores na América do Sul.
O filho de Carlos López, Solano López, general aos 18
anos, educado em Paris, sucede-o em 1862. Descrito
pelos inimigos como monstro, louco, bárbaro, cínico alia
despotismo e ardor patriótico, fascina e tiraniza o povo.
Com seus interesses na região contrariados com a eleição do blanco Manuel
Oribe no Uruguai e sua aliança com Juan Manuel Ortiz Rosas, da Argentina, o
Brasil intervém militarmente na região. Alia-se a Frutuoso Rivera (colorado) no
Uruguai para derrotar Oribe e ao general argentino Urquiza para derrotar
Rosas. Ao final da guerra, com o apoio das tropas brasileiras, Rivera e Urquiza
são conduzidos ao poder.
Mas os blancos voltam ao poder em 1864 e as tropas brasileiras atacam o
Uruguai por mar e por terra. O Paraguai notifica ao Brasil (30/8/1864) que
"não pode se conservar indiferente" em face de uma invasão do Uruguai, "pois
ela destrói o equilíbrio político no Prata". Não há resposta. Em 1865, com o
auxílio das tropas brasileiras, o colorado Venâncio Flores derruba Aguirre e
assume o governo.
A iniciativa da ofensiva é do Paraguai. Solano López aprisiona, em Assunção ,o
navio brasileiro Marquês de Olinda . A seguir declara guerra ao Brasil. Envia
cinco barcos de guerra e uma coluna terrestre que ocupam todo o sul do Mato
Grosso até 1868.
Um pacto secreto Brasil-Argentina-
Uruguai (19 itens), é divulgado em 1866
na Inglaterra. Aliança, "ofensiva e
defensiva", prevê o uso de "todos os
meios de guerra“ até a derrubada de
López.
Outra expedição segue para o sul, toma
a província argentina de Corrientes e S.
Borja, Itaqui e Uruguaiana , no Rio
Grande do Sul. Por onde passa liberta os
escravos, que chegam a se rebelar.
A maior guerra da história do Brasil é também a mais mortífera das Américas.
Mata 158 mil brasileiros, 32 mil argentinos e uruguaios, 606 mil militares e civis
paraguaios.
Vive quatro fases:
[ 1] A ofensiva paraguaia, rechaçada em Riachuelo (1865);
[2] A árdua guerra de posições em torno da fortaleza de Humaitá (1868);
[3] A rápida ofensiva imperial até Assunção (1869);
[4] A caçada a López, ou Campanha da Cordilheira (1870).
O Paraguai perde 140 km² para Argentina e Brasil e quase todos os homens
adultos; a população só se recupera no século XX. As Estâncias e a ferrovia são
vendidas a estrangeiros.
Três correntes se definem...
A escravocrata, não almeja eternizar o sistema, mas um fim suave, ou
libertação com indenização.
A emancipacionista (que inclui dom Pedro) quer reformas graduais, moderadas,
sem afetar a lavoura.
A abolicionista exige libertação imediata, sem indenização.
A Campanha Abolicionista começou em 1879 e incluia poesia, música, teatro,
concertos, livros de ouro, bazares, quermesses, clube feminino, caravanas,
muita imprensa.
A "Lei Rio Branco“(1871), mais conhecida por "Lei do
Ventre Livre” estabelecia que os "ingênuos“ (nascidos
a partir da lei), ficassem em poder dos senhores de
suas mães até os oito anos de idade. A partir dessa
idade, os proprietários poderiam utilizar os seus
trabalhos até os 21 anos ou, então, receber uma
indenização, paga pelo governo, através de um fundo
de emancipação.
A Lei Saraiva Cotegipe (1885), mais conhecida como
"Lei dos Sexagenários" foi aprovada em 28 de
setembro de 1885. Ela declarou "livres" os escravos
com mais de 60 anos. Entretanto, eles deveriam
trabalhar mais cinco anos gratuitamente para o senhor
a título de indenização. A lei ainda estabelecia penas
para quem ajudasse escravos fugitivos.
Em 13 de maio de 1888, a Princesa Isabel assina a Lei
Áurea que proibe definitivamente a escravidão no
Brasil.
As relações entre a Igreja e o Império começaram a entrar em crise quando o
Frei Vital Maria, bispo de Olinda, decidiu colocar em prática, em 1872, a bula
Sylabbus, publicada pelo papa Pio IX oito anos antes. O documento proibia a
ligação entre católicos e maçons, amplamente praticada no país, inclusive pelos
principais personagens políticos do período.
Para agravar a situação, o bispo do Pará, D. Antonio Macedo Costa, imitou as
iniciativas de Frei Vital. D. Pedro, maçom e autoridade eclesiástica pelo poder
do padroado, ordena o fim da interdição. Os bispos negam, são presos,
condenados a trabalhos forçados. D. Pedro anistia os bispos e abafa o caso,
mas a Igreja não o perdoa.
A Questão Militar gira em torno do veto ao envolvimento de oficiais em
polêmicas públicas. O cel. Sena Madureira homenageia, na Escola de Tiro, o
jangadeiro-abolicionista Francisco José do Nascimento; é exonerado. Outro
artigo leva a dois dias de prisão o cel. Cunha Matos.
Sucedem-se as insubordinações, artigos, punições. O Marechal Deodoro, cada
vez mais envolvido, é exonerado, o que só eleva seu prestigio. A crise ressurge
com a punição de Benjamin Constant por um discurso (outubro de 1889) na
Escola Militar.
Ofertado pelo imperador aos oficiais do cruzador
chileno Almirante Cochrane, absorve em refinados
preparativos toda atenção da corte imperial.
Consome 800 kg de camarão. Mal sabiam o visconde
de Ouro Preto, o imperador e os convidados
ilustres que o baile, em vez de pavimentar a
suposta solidez do Império, marcaria o seu último.
Na madrugada de 14-15 de novembro, as unidades fiéis a Constant (20% do
total) se rebelam e marcham para o campo da Aclamação (hoje Praça da
República), com Deodoro no comando. O min. da Marinha, barão de Ladário,
troca tiros diante do prédio, no único episódio sangrento de 15 de novembro.
Deodoro diz aos ministros que o gabinete está dissolvido; podem todos ir para
casa, exceto Ouro Preto e o titular da Justiça, que ficam presos. Depois, desfila
a tropa pela cidade. Até aí não se fala em República. “O povo assistiu àquilo
bestializado, sem saber o que significava, julgando tratar-se de uma parada"
(Aristides Lobo, 18/11).
Revisão pas.2pptx
Revisão pas.2pptx
A ocupação do Norte do Estado do
Paraná se deu anos após a ocupação
do oeste e do Paraná Tradicional e está
associada principalmente a expansão
da cafeicultura paulista. A produção de
café no norte do estado se estendeu
por três regiões:
•Norte Velho (1890 à 1920) região que vai da divisa com São Paulo até
Cornélio Procópio. Formaram-se cidades como Santo Antonio da
Platina, Venceslau Brás, Cambará e Jacarezinho .
• Norte Novo – (1930 à 1950) conhecido como “Norte Britânico”, engloba
as cidades de Londrina, Cambé, Arapongas, Apucarana, Maringá,
Rolândia.
• Norte Novíssimo - nessa região o solo não era tão indicado para o
cultivo do café mas com o aumento das exportações as plantações se
estenderam de Londrina a Paranavaí entre 1920 e 1960. (Cianorte e
Umuarama, Paranavaí)
Revisão pas.2pptx
• No ano de 1770, a Capitania de Paranaguá foi
incorporada à capitania de São Paulo e passa a
ser a 5a. comarca com sede em Paranaguá.
• Os ideais emancipatórios surgiram por volta
de 1808, quando a Câmara de Paranaguá
resolveu enviar Pedro Joaquim Pereira de Sá à
corte de D. João para solicitar a criação de uma
nova unidade política.
• Em 1812, a sede da Comarca é transferida para Curitiba.
• Em 1821, o capitão Bento Viana, enfrentou publicamente o juiz de fora
Antônio Azevedo Melo e Costa e insistiu na necessidade da nomeação
imediata de um governo provisório: era a Conjuntura Separatista que
fracassou.
• Entre 1843 a 1853 ocorreu a fase parlamentar.
Destaque para o deputado Carneiro de Campos que
apresentou um projeto para elevar a 5a. Comarca à
condição de província.
•Em 1850, o senador Batista de Oliveira propõe uma
emenda ao projeto de emancipação da Comarca do Alto
Amazonas ampliando esse benefício à 5a comarca de São
Paulo.
•Parlamentares baianos e mineiros interessados em limitar a influência
política dos paulistas, mostraram-se favoráveis ao projeto. Além disso, o
negociado apoio dos curitibanos ao governo imperial, no episódio da
Revolução Farroupilha, contribuiu decisivamente para o nascimento
político da nova província.
• Outros homens, depois, deram continuidade a essa mesma luta,
merecendo destaque os nomes de Manuel Francisco Correia Júnior, de
Francisco de Paula Gomes e de João da Silva Machado, o Barão de
Antonina.
Os paulistas, percebendo
que o processo de
emancipação tornava-se
inevitável, condicionaram-no
à posse das regiões de
Iguape e Cananéia,
diminuindo a extensão do
litoral paranaense a apenas
90 Km.
Em 29 de agosto de 1853 a emancipação se
concretiza: o imperador D. Pedro II assina o
Decreto nº. 704 aprovando a instalação da
Província do Paraná, que foi oficializada em 19
de dezembro do mesmo ano. O baiano Zacarias
de Góes e Vasconcelos foi o primeiro presidente
nomeado na província.
O episódio mais célebre da Fortaleza da Ilha do Mel foi a luta, em 1850,
com o cruzador Cormorant da marinha inglesa. O H.M.S Cormorant
entrou na Baía de Paranaguá para aprisionar navios brasileiros
carregados de escravos trazidos da África. Era um cumprimento a lei Bill
Aberdeen de 1845 que permitia a perseguição de navios negreiros pela
marinha inglesa.
A 29 de junho de 1850, perto da Ilha da Cotinga, o Capitão Schomberg
aprisionou os brigues "Dona Ana" e "Sereia", bem como a galera
"Campeadora", quando já estavam de porões vazios.
Tal fato provocou a revolta dos
moradores locais, principalmente dos
jovens que viam tal ato como invasão
e desrespeito. Vinte e seis homens da
Vila saíram de Paranaguá em vários
botes e lanchas com destino à
Fortaleza da Ilha do Mel, levavando
tudo que se fizesse necessário para
colocar os canhões do Forte em ação.
Ainda no ano de 1850 o
governo aprovaria a Lei
Eusébio de Queiroz,
proibindo o tráfico de
escravos.
Foram 40 minutos de tiros, culminando com o Cormorant avariado em
uma das rodas de propulsão e um dos barcos a reboque também atingido.
O Capitão Schomberg não reagiu e saiu da linha de fogo do Forte,
abrigando-se para reparos na enseada em frente ao Morro das Conchas.
Ao prosseguir viagem o Capitão Schomberg mandou incendiar os dois
brigues, levando a reboque a galera "Campeadora".
O episódio “Cormorant” teve repercussão internacional. A Inglaterra,
exigiu reparos aos danos físicos e morais. A questão foi encerrada com
um pedido de desculpas do Brasil.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

2º ano - Período Regencial e Revoltas
2º ano - Período Regencial e Revoltas2º ano - Período Regencial e Revoltas
2º ano - Período Regencial e Revoltas
Daniel Alves Bronstrup
 
História (powerpoint) (1)
História (powerpoint) (1)História (powerpoint) (1)
História (powerpoint) (1)
FelipeMuradas
 
Primeiro Reinado - Ano 2014
Primeiro Reinado - Ano 2014Primeiro Reinado - Ano 2014
Primeiro Reinado - Ano 2014
Zeze Silva
 
O reinado de dom pedro II
O reinado de dom pedro IIO reinado de dom pedro II
O reinado de dom pedro II
Suelen Andreatti
 
Power Point De HistóRia
Power Point De HistóRiaPower Point De HistóRia
Power Point De HistóRia
guestde15028
 
História de Santa Catarina -parte 03
História de Santa Catarina -parte 03História de Santa Catarina -parte 03
História de Santa Catarina -parte 03
Daniel Alves Bronstrup
 
Brasil ImpéRio
Brasil ImpéRioBrasil ImpéRio
Brasil ImpéRio
ecsette
 
3° ano - Brasil Império - segundo reinado
3° ano - Brasil Império - segundo reinado3° ano - Brasil Império - segundo reinado
3° ano - Brasil Império - segundo reinado
Daniel Alves Bronstrup
 
Rep Velha Ate Suicidio
Rep Velha Ate SuicidioRep Velha Ate Suicidio
Rep Velha Ate Suicidio
Carlos Glufke
 
O Império Brasileiro - Prof. Medeiros
O Império Brasileiro - Prof. MedeirosO Império Brasileiro - Prof. Medeiros
O Império Brasileiro - Prof. Medeiros
João Medeiros
 
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
Daniel Alves Bronstrup
 
Primeiro Reinado e Regencias
Primeiro Reinado e RegenciasPrimeiro Reinado e Regencias
Primeiro Reinado e Regencias
Alexandre Protásio
 
Brasil Imperial - Profº Alexandre Morais
Brasil Imperial - Profº Alexandre MoraisBrasil Imperial - Profº Alexandre Morais
Brasil Imperial - Profº Alexandre Morais
Curso Livre Redação-Eliani Martins
 
REVOLUÇÃO PRAIEIRA Governo de Penambuco
REVOLUÇÃO PRAIEIRA Governo de PenambucoREVOLUÇÃO PRAIEIRA Governo de Penambuco
REVOLUÇÃO PRAIEIRA Governo de Penambuco
humberto145
 
Revolução Francesa e Era Napoleonica
Revolução Francesa e Era NapoleonicaRevolução Francesa e Era Napoleonica
Revolução Francesa e Era Napoleonica
Isabel Aguiar
 
2º ano - Brasil segundo reinado
2º ano - Brasil segundo reinado2º ano - Brasil segundo reinado
2º ano - Brasil segundo reinado
Daniel Alves Bronstrup
 
2ª licenciatura curso de história trabalho de slide brasil imperio
2ª licenciatura   curso de história trabalho de slide brasil imperio2ª licenciatura   curso de história trabalho de slide brasil imperio
2ª licenciatura curso de história trabalho de slide brasil imperio
Andréia Matos
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasil
Isabel Aguiar
 
Guerras, revoltas e revoluções brasileiras
Guerras, revoltas e revoluções brasileirasGuerras, revoltas e revoluções brasileiras
Guerras, revoltas e revoluções brasileiras
Rafael Ávila
 
Revoltas Emancipacionistas
Revoltas EmancipacionistasRevoltas Emancipacionistas
Revoltas Emancipacionistas
Valéria Shoujofan
 

Mais procurados (20)

2º ano - Período Regencial e Revoltas
2º ano - Período Regencial e Revoltas2º ano - Período Regencial e Revoltas
2º ano - Período Regencial e Revoltas
 
História (powerpoint) (1)
História (powerpoint) (1)História (powerpoint) (1)
História (powerpoint) (1)
 
Primeiro Reinado - Ano 2014
Primeiro Reinado - Ano 2014Primeiro Reinado - Ano 2014
Primeiro Reinado - Ano 2014
 
O reinado de dom pedro II
O reinado de dom pedro IIO reinado de dom pedro II
O reinado de dom pedro II
 
Power Point De HistóRia
Power Point De HistóRiaPower Point De HistóRia
Power Point De HistóRia
 
História de Santa Catarina -parte 03
História de Santa Catarina -parte 03História de Santa Catarina -parte 03
História de Santa Catarina -parte 03
 
Brasil ImpéRio
Brasil ImpéRioBrasil ImpéRio
Brasil ImpéRio
 
3° ano - Brasil Império - segundo reinado
3° ano - Brasil Império - segundo reinado3° ano - Brasil Império - segundo reinado
3° ano - Brasil Império - segundo reinado
 
Rep Velha Ate Suicidio
Rep Velha Ate SuicidioRep Velha Ate Suicidio
Rep Velha Ate Suicidio
 
O Império Brasileiro - Prof. Medeiros
O Império Brasileiro - Prof. MedeirosO Império Brasileiro - Prof. Medeiros
O Império Brasileiro - Prof. Medeiros
 
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
 
Primeiro Reinado e Regencias
Primeiro Reinado e RegenciasPrimeiro Reinado e Regencias
Primeiro Reinado e Regencias
 
Brasil Imperial - Profº Alexandre Morais
Brasil Imperial - Profº Alexandre MoraisBrasil Imperial - Profº Alexandre Morais
Brasil Imperial - Profº Alexandre Morais
 
REVOLUÇÃO PRAIEIRA Governo de Penambuco
REVOLUÇÃO PRAIEIRA Governo de PenambucoREVOLUÇÃO PRAIEIRA Governo de Penambuco
REVOLUÇÃO PRAIEIRA Governo de Penambuco
 
Revolução Francesa e Era Napoleonica
Revolução Francesa e Era NapoleonicaRevolução Francesa e Era Napoleonica
Revolução Francesa e Era Napoleonica
 
2º ano - Brasil segundo reinado
2º ano - Brasil segundo reinado2º ano - Brasil segundo reinado
2º ano - Brasil segundo reinado
 
2ª licenciatura curso de história trabalho de slide brasil imperio
2ª licenciatura   curso de história trabalho de slide brasil imperio2ª licenciatura   curso de história trabalho de slide brasil imperio
2ª licenciatura curso de história trabalho de slide brasil imperio
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasil
 
Guerras, revoltas e revoluções brasileiras
Guerras, revoltas e revoluções brasileirasGuerras, revoltas e revoluções brasileiras
Guerras, revoltas e revoluções brasileiras
 
Revoltas Emancipacionistas
Revoltas EmancipacionistasRevoltas Emancipacionistas
Revoltas Emancipacionistas
 

Destaque

Primeira Guerra Mundial e Revolução Russa
Primeira Guerra Mundial e Revolução RussaPrimeira Guerra Mundial e Revolução Russa
Primeira Guerra Mundial e Revolução Russa
Elaine Bogo Pavani
 
Por uma escravidão consciente - Gabarito Aulas Particulares
Por uma escravidão consciente - Gabarito Aulas ParticularesPor uma escravidão consciente - Gabarito Aulas Particulares
Por uma escravidão consciente - Gabarito Aulas Particulares
GabaritoAulasParticulares
 
Abolição & Imigração
Abolição & ImigraçãoAbolição & Imigração
Abolição & Imigração
Kelly Delfino
 
Eme portugueses contato brasil
Eme portugueses contato brasilEme portugueses contato brasil
Eme portugueses contato brasil
profcacocardozo
 
Renascimento, Reforma e Mercantilismo
Renascimento, Reforma e MercantilismoRenascimento, Reforma e Mercantilismo
Renascimento, Reforma e Mercantilismo
Elaine Bogo Pavani
 
De Juscelino a Jango
De Juscelino a JangoDe Juscelino a Jango
De Juscelino a Jango
Elaine Bogo Pavani
 
Revisão vestibular 2010
Revisão vestibular 2010Revisão vestibular 2010
Revisão vestibular 2010
Elaine Bogo Pavani
 
A representação do início do século xx através da novela lado a lado
A representação do início do século xx através da novela lado a ladoA representação do início do século xx através da novela lado a lado
A representação do início do século xx através da novela lado a lado
Profª Bruna Morrana
 
O cangaço
O cangaçoO cangaço
Ditadura militar anos de chumbo
Ditadura militar anos de chumboDitadura militar anos de chumbo
Ditadura militar anos de chumbo
Tarciso Heli Ferreira Júnior
 
A escravidão no brasil colônia
A escravidão no brasil colôniaA escravidão no brasil colônia
A escravidão no brasil colônia
Fatima Freitas
 
Revolução chinesa
Revolução chinesaRevolução chinesa
Revolução chinesa
Fatima Freitas
 
Peste Negra do sec.XIV
Peste Negra do sec.XIVPeste Negra do sec.XIV
Peste Negra do sec.XIV
Vagner Lin
 
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINAHIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
Douglas Barraqui
 
Guerra Civil Espanhola/Crise 29
Guerra Civil Espanhola/Crise 29Guerra Civil Espanhola/Crise 29
Guerra Civil Espanhola/Crise 29
Elaine Bogo Pavani
 
Revolução chinesa
Revolução chinesaRevolução chinesa
Revolução chinesa
Fernando Sergio Leão Castilho
 
Brasil nos anos 1920
Brasil nos anos 1920Brasil nos anos 1920
Brasil nos anos 1920
Valéria Shoujofan
 
A peste negra
A peste negraA peste negra
A peste negra
Profª Bruna Morrana
 
Nova República
Nova RepúblicaNova República
Nova República
Elaine Bogo Pavani
 
Independência da índia
Independência da índiaIndependência da índia
Independência da índia
Valéria Shoujofan
 

Destaque (20)

Primeira Guerra Mundial e Revolução Russa
Primeira Guerra Mundial e Revolução RussaPrimeira Guerra Mundial e Revolução Russa
Primeira Guerra Mundial e Revolução Russa
 
Por uma escravidão consciente - Gabarito Aulas Particulares
Por uma escravidão consciente - Gabarito Aulas ParticularesPor uma escravidão consciente - Gabarito Aulas Particulares
Por uma escravidão consciente - Gabarito Aulas Particulares
 
Abolição & Imigração
Abolição & ImigraçãoAbolição & Imigração
Abolição & Imigração
 
Eme portugueses contato brasil
Eme portugueses contato brasilEme portugueses contato brasil
Eme portugueses contato brasil
 
Renascimento, Reforma e Mercantilismo
Renascimento, Reforma e MercantilismoRenascimento, Reforma e Mercantilismo
Renascimento, Reforma e Mercantilismo
 
De Juscelino a Jango
De Juscelino a JangoDe Juscelino a Jango
De Juscelino a Jango
 
Revisão vestibular 2010
Revisão vestibular 2010Revisão vestibular 2010
Revisão vestibular 2010
 
A representação do início do século xx através da novela lado a lado
A representação do início do século xx através da novela lado a ladoA representação do início do século xx através da novela lado a lado
A representação do início do século xx através da novela lado a lado
 
O cangaço
O cangaçoO cangaço
O cangaço
 
Ditadura militar anos de chumbo
Ditadura militar anos de chumboDitadura militar anos de chumbo
Ditadura militar anos de chumbo
 
A escravidão no brasil colônia
A escravidão no brasil colôniaA escravidão no brasil colônia
A escravidão no brasil colônia
 
Revolução chinesa
Revolução chinesaRevolução chinesa
Revolução chinesa
 
Peste Negra do sec.XIV
Peste Negra do sec.XIVPeste Negra do sec.XIV
Peste Negra do sec.XIV
 
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINAHIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
 
Guerra Civil Espanhola/Crise 29
Guerra Civil Espanhola/Crise 29Guerra Civil Espanhola/Crise 29
Guerra Civil Espanhola/Crise 29
 
Revolução chinesa
Revolução chinesaRevolução chinesa
Revolução chinesa
 
Brasil nos anos 1920
Brasil nos anos 1920Brasil nos anos 1920
Brasil nos anos 1920
 
A peste negra
A peste negraA peste negra
A peste negra
 
Nova República
Nova RepúblicaNova República
Nova República
 
Independência da índia
Independência da índiaIndependência da índia
Independência da índia
 

Semelhante a Revisão pas.2pptx

Revisopas 2pptx-101126170357-phpapp01
Revisopas 2pptx-101126170357-phpapp01Revisopas 2pptx-101126170357-phpapp01
Revisopas 2pptx-101126170357-phpapp01
Zeze Silva
 
Brasil monárquico
Brasil monárquicoBrasil monárquico
Brasil monárquico
Marcela Marangon Ribeiro
 
A Partir Da Regencia Site
A Partir Da Regencia   SiteA Partir Da Regencia   Site
A Partir Da Regencia Site
Carlos Glufke
 
A Partir Da Regencia
A Partir Da RegenciaA Partir Da Regencia
A Partir Da Regencia
guest923616
 
Crtl V Crtl C
Crtl V Crtl CCrtl V Crtl C
Crtl V Crtl C
historiaduzentosedois
 
Aula 16 monarquia brasileira - 2° reinado
Aula 16   monarquia brasileira - 2° reinadoAula 16   monarquia brasileira - 2° reinado
Aula 16 monarquia brasileira - 2° reinado
Jonatas Carlos
 
O Segundo Reinado - D. Pedro II
O Segundo Reinado - D. Pedro IIO Segundo Reinado - D. Pedro II
O Segundo Reinado - D. Pedro II
Edilene Ruth Pereira
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
Edilene Ruth Pereira
 
Dom pedro ii
Dom pedro iiDom pedro ii
Dom pedro ii
esculaxoviske
 
Primeiro Reinado (25 03 2010)
Primeiro Reinado (25 03 2010)Primeiro Reinado (25 03 2010)
Primeiro Reinado (25 03 2010)
Luis
 
A independência na américa latina -1969- gen. flamarion b. lima
A independência na américa latina -1969- gen. flamarion b. limaA independência na américa latina -1969- gen. flamarion b. lima
A independência na américa latina -1969- gen. flamarion b. lima
Saulo Barreto
 
Regência e reinado
Regência e reinadoRegência e reinado
Regência e reinado
Estude Mais
 
3ão - Brasil Segundo Reinado
3ão - Brasil Segundo Reinado3ão - Brasil Segundo Reinado
3ão - Brasil Segundo Reinado
Daniel Alves Bronstrup
 
Brasil Regencial
Brasil RegencialBrasil Regencial
Brasil Regencial
eduardodemiranda
 
Segundo reinado
Segundo reinadoSegundo reinado
Segundo reinado
Juliana_hst
 
Brasil Império2018
Brasil Império2018Brasil Império2018
Brasil Império2018
Zeze Silva
 
2° ano Primeiro Reinado e Regências
2° ano   Primeiro Reinado e Regências2° ano   Primeiro Reinado e Regências
2° ano Primeiro Reinado e Regências
Daniel Alves Bronstrup
 
Slide(1) cópia
Slide(1)   cópiaSlide(1)   cópia
Slide(1) cópia
Dayala de Oliveira
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
Rodrigo HistóriaGeografia
 
História do brasil 8
História do brasil 8História do brasil 8
História do brasil 8
fernandacarolinestang
 

Semelhante a Revisão pas.2pptx (20)

Revisopas 2pptx-101126170357-phpapp01
Revisopas 2pptx-101126170357-phpapp01Revisopas 2pptx-101126170357-phpapp01
Revisopas 2pptx-101126170357-phpapp01
 
Brasil monárquico
Brasil monárquicoBrasil monárquico
Brasil monárquico
 
A Partir Da Regencia Site
A Partir Da Regencia   SiteA Partir Da Regencia   Site
A Partir Da Regencia Site
 
A Partir Da Regencia
A Partir Da RegenciaA Partir Da Regencia
A Partir Da Regencia
 
Crtl V Crtl C
Crtl V Crtl CCrtl V Crtl C
Crtl V Crtl C
 
Aula 16 monarquia brasileira - 2° reinado
Aula 16   monarquia brasileira - 2° reinadoAula 16   monarquia brasileira - 2° reinado
Aula 16 monarquia brasileira - 2° reinado
 
O Segundo Reinado - D. Pedro II
O Segundo Reinado - D. Pedro IIO Segundo Reinado - D. Pedro II
O Segundo Reinado - D. Pedro II
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
 
Dom pedro ii
Dom pedro iiDom pedro ii
Dom pedro ii
 
Primeiro Reinado (25 03 2010)
Primeiro Reinado (25 03 2010)Primeiro Reinado (25 03 2010)
Primeiro Reinado (25 03 2010)
 
A independência na américa latina -1969- gen. flamarion b. lima
A independência na américa latina -1969- gen. flamarion b. limaA independência na américa latina -1969- gen. flamarion b. lima
A independência na américa latina -1969- gen. flamarion b. lima
 
Regência e reinado
Regência e reinadoRegência e reinado
Regência e reinado
 
3ão - Brasil Segundo Reinado
3ão - Brasil Segundo Reinado3ão - Brasil Segundo Reinado
3ão - Brasil Segundo Reinado
 
Brasil Regencial
Brasil RegencialBrasil Regencial
Brasil Regencial
 
Segundo reinado
Segundo reinadoSegundo reinado
Segundo reinado
 
Brasil Império2018
Brasil Império2018Brasil Império2018
Brasil Império2018
 
2° ano Primeiro Reinado e Regências
2° ano   Primeiro Reinado e Regências2° ano   Primeiro Reinado e Regências
2° ano Primeiro Reinado e Regências
 
Slide(1) cópia
Slide(1)   cópiaSlide(1)   cópia
Slide(1) cópia
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
 
História do brasil 8
História do brasil 8História do brasil 8
História do brasil 8
 

Mais de Elaine Bogo Pavani

Grécia Antiga - PAS
Grécia Antiga - PASGrécia Antiga - PAS
Grécia Antiga - PAS
Elaine Bogo Pavani
 
República velha
República velhaRepública velha
República velha
Elaine Bogo Pavani
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
Elaine Bogo Pavani
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
Elaine Bogo Pavani
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
Elaine Bogo Pavani
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
Elaine Bogo Pavani
 
Era Vargas
Era VargasEra Vargas
Era Vargas
Elaine Bogo Pavani
 
Roma - República e início do Império
Roma - República e início do ImpérioRoma - República e início do Império
Roma - República e início do Império
Elaine Bogo Pavani
 
Brasil ColôNia
Brasil ColôNiaBrasil ColôNia
Brasil ColôNia
Elaine Bogo Pavani
 
Segunda Guerra Mundial
Segunda Guerra MundialSegunda Guerra Mundial
Segunda Guerra Mundial
Elaine Bogo Pavani
 

Mais de Elaine Bogo Pavani (10)

Grécia Antiga - PAS
Grécia Antiga - PASGrécia Antiga - PAS
Grécia Antiga - PAS
 
República velha
República velhaRepública velha
República velha
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Era Vargas
Era VargasEra Vargas
Era Vargas
 
Roma - República e início do Império
Roma - República e início do ImpérioRoma - República e início do Império
Roma - República e início do Império
 
Brasil ColôNia
Brasil ColôNiaBrasil ColôNia
Brasil ColôNia
 
Segunda Guerra Mundial
Segunda Guerra MundialSegunda Guerra Mundial
Segunda Guerra Mundial
 

Último

Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 

Último (20)

Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 

Revisão pas.2pptx

  • 1. REVISÃO PAS – UEM BRASIL IMPÉRIO Professora Ms. Elaine Angela Bogo Pavani
  • 2. PRIMEIRO REINADO  No dia 1° de dezembro de 1822, D. Pedro foi coroado primeiro imperador do Brasil, com o título de D. Pedro I.  Seu governo ficou conhecido como Primeiro Reinado, e durou de 1822 a 1831.
  • 3. CONSTITUIÇÃO DE 1824 D. Pedro I entrou em confronto direto com a Assembléia responsável por elaborar a primeira Constituição. O imperador mandou criar uma Constituição que lhe agradasse, o que lhe trouxe desgaste político = Noite de Agonia. O voto era censitário, ou seja, só podia votar ou se candidatar a cargos públicos quem ganhasse uma renda mínima. O senado era vitalício. Além dos três poderes usuais – Executivo, Legislativo e Judiciário – a Constituição criava o Poder Moderador, feito especialmente para o imperador. Este quarto poder permitia a ele nomear o ministério, dissolver a Assembléia e nomear os presidentes das províncias. A Constituição de 1824 foi a primeira na História do país.
  • 4. CRISE E ABDICAÇÃO DE D. PEDRO I Em 1830, o jornalista Líbero Badaró, de oposição, foi morto a tiros. O imperador foi o principal suspeito pelo crime. O choque entre os partidários do imperador, e aqueles que eram contrários a ele, tornava-se cada vez mais violento. As violentas brigas envolviam garrafas, originando o termo Noites das Garrafadas. Além disso, o imperador enfrentou um sério problema com a sucessão do trono de Portugal após a morte de D. João VI. Seu irmão, D. Miguel, tentou tomar o poder, situação que preocupava D. Pedro, obrigando-o a deixar o Brasil. D. Pedro I renunciou em 1831. Voltou para Portugal e deixou o trono para seu filho, Pedro de Alcântara, que tinha apenas cinco anos de idade. A popularidade do imperador estava em baixa e a situação se agravou após a derrota na Guerra da Cisplatina e a morte de Frei Caneca ma Confederação do Equador.
  • 5. REGENCIA TRINA PROVISÓRIA REGENCIA UNA DE ARAUJO LIMA REGENCIA UNA DE PADRE FEIJÓ REGENCIA TRINA PERMANENTE REVOLTA DOS MALÊS REVOLUÇÃO FARROUPILHA CABANAGEM BALAIADA PERÍODO REGENCIAL SABINADA
  • 6. REVOLUÇÃO FARROUPILHA (1835 – 1845) CAUSAS: altos impostos sobre o charque; discordância dos participantes com o centralismo administrativo e político. OBJETIVOS: Autonomia da província, formação de uma República independente. LÍDER FARRAPOS: Bento Gonçalves, David Canabarro e Giuseppe Garibaldi, Anita Garibaldi. LÍDER LEGALISTA: Duque de Caxias DESFECHO: após 10 anos de guerra, foi assinada a Paz de Ponche Verde e concedida a anistia aos rebeldes incorporando os farrapos às tropas do governo
  • 7. O GOLPE DA MAIORIDADE Desde 1835, a idéia de antecipar a maioridade já havia surgido no cenário político da Corte. Proprietários de escravos e de terras estavam assustados com a experiência de descentralização ocorrida durante o Período Regencial que resultara em tantas revoltas sociais. O restabelecimento da autoridade monárquica era visto como a solução para a crise política.
  • 8. O movimento, liderado por Antônio Carlos de Andrada, transformou-se num golpe palaciano, que terminou com a queda dos conservadores e a volta dos liberais. D. Pedro foi coroado em 18 de julho de 1841. Era o início do Segundo Reinado no Brasil.
  • 9. "Nada mais se assemelha a um saquarema do que um luzia no poder." (Holanda Cavalcanti) Dois partidos se revezavam no poder: o partido chamado Liberal (luzia) e o partido Conservador (saquarema), esvaziando qualquer substância ideológica que eles pudessem ter ou que os tornasse portadores de alternativas para o país. O regime monárquico funcionava com e para a elite dominante no Império, que alimentava um sistema parlamentar artificial e um processo eleitoral altamente excludente.
  • 10. No sistema brasileiro os representantes de todos os poderes eram eleitos ou escolhidos de acordo com a vontade soberana do Imperador. Parlamentarismo no Brasil Parlamentarismo inglês Dois partidos se revezavam no poder: o partido chamado Liberal (luzia) e o partido Conservador (saquarema), esvaziando qualquer substância ideológica que eles pudessem ter ou que os tornasse portadores de alternativas para o país.
  • 11. A última revolta do império ocorreu em 1848, em Pernambuco. Após o veto do Senado, dominado pelos conservadores, à indicação do liberal pernambucano Antônio Chichorro da Gama a uma cadeira da Casa, a ala exaltada do Partido Liberal do estado se rebelou. Chamados de praieiros (pois a sede do seu jornal ficava na rua da Praia), eles tomaram Olinda atacaram o Recife, mas, em 1849, foram derrotados. O conflito seria encerrado definitivamente em 1850. Principais exigências dos rebeldes liberais: - Liberdade de imprensa; - Voto livre e universal; - Garantia de trabalho; - Extinção do poder Moderador; -Nacionalização do comércio;
  • 12. A expansão da lavoura cafeeira a partir da segunda metade do século XIX deu novo impulso a economia agroexportadora, trazendo prosperidade econômica ao país e favorecendo os grandes proprietários rurais. A produção em larga escala do café começou no Rio de Janeiro, nas regiões de Angra dos Reis, a partir de 1830. Em seguida, as plantações se alastraram para o Vale do Rio Paraíba, a partir daí a produção voltou-se para exportação.
  • 13. Principais cidades: Vassouras, Valença e Barra Mansa. Apogeu por volta de 1850 e declínio acentuado a partir de 1870. Pouca tecnologia. Desgaste dos solos. Impossibilidade de continuar se expandindo para outras áreas. Predomínio do trabalho escravo. Transporte feito por tropas de mulas. Mentalidade aristocrática: fazenda e escravos servem para se ter poder sobre os homens. Ganhos desperdiçados em consumo improdutivo. Apoio ao regime monárquico.
  • 14. Principais cidades: Bragança, Itú, Campinas, Sorocaba, Ribeirão Preto, Bananal e Taubaté. Expansão vigorosa a partir de 1850. Alguma tecnologia: máquinas de beneficiamento. Grande disponibilidade de terras para expansão. Presença de trabalho escravo e também de imigrantes após 1880. Transporte feito por estradas de ferro. Mentalidade empresarial: o objetivo da propriedade é obter lucro. Gestão moderna, os lucros eram reinvestidos na produção. Apoio ao regime republicano.
  • 15. Com a extinção do tráfico negreiro em 1850 (lei Euzébio de Queiróz) os fazendeiros de café tiveram que encontrar uma solução para suprir a falta de mão-de-obra; esta solução será a importação de imigrantes europeus. O pioneiro deste sistema foi o Senador Nicolau de Campos Vergueiro, ainda em 1847, na sua fazenda Ibicaba, em Limeira, na Província de São Paulo. O imigrante trabalha à meia e reembolsa o fazendeiro, após a primeira colheita, pela viagem e outras despesas. A prática traz as marcas da escravidão: coação, maus- tratos, fraudes, venda de imigrantes via pagamento da dívida. O regime de parceria não obteve sucesso, em razão dos elevados juros cobrados sobre as dívidas assumidas pelos colonos para trabalharem no Brasil, os maus tratos recebidos e o baixo preço pago pelo café cultivado.
  • 16. Com a aprovação da tarifa Alves Branco, em 1844, que aumentou as taxas alfandegárias sobre os artigos importados e o fim do tráfico negreiro, o crescimento industrial foi bastante favorecido. Os capitais destinados ao comércio de escravos passaram a ser empregados em outros setores e, com a vinda dos imigrantes e da consolidação do trabalho assalariado, houve uma ampliação do mercado consumidor. O maior destaque industrial do período foi Irineu Evangelista de Souza, o barão de Mauá. Dirigiu inúmeros empreendimentos, tais como bancos, companhias de gás, companhias de navegação, estradas de ferro, fundição, fábrica de velas. No campo das comunicações, trabalhou na instalação de cabo submarino ligando o Brasil à Europa.
  • 17. O Paraguai segue um rumo próprio desde a independência (1811). Herdeiro do império jesuíta, sem saída para o mar, liga-se ao mundo pelo rio Paraná. Quando a Argentina corta-lhe a saída (1813) isola-se. Seu primeiro governante, José Gaspar Rodrígues de Francia y Velasco, El Supremo, ditador perpétuo, limita o comércio, recusa relações diplomáticas, proíbe a riqueza, castiga as elites, faz a reforma agrária das Estâncias, promove o ensino público, erradicando o analfabetismo. Seu sucessor, Carlos Antonio López [1790- 1862], moderniza o país, abre o comércio e embaixadas, firma (1850) um acordo de defesa mútua com o Uruguai. O país prospera (fumo, mate, arroz, cana, gado): é o mais provido de ferrovias, telégrafos e linhas de vapores na América do Sul.
  • 18. O filho de Carlos López, Solano López, general aos 18 anos, educado em Paris, sucede-o em 1862. Descrito pelos inimigos como monstro, louco, bárbaro, cínico alia despotismo e ardor patriótico, fascina e tiraniza o povo. Com seus interesses na região contrariados com a eleição do blanco Manuel Oribe no Uruguai e sua aliança com Juan Manuel Ortiz Rosas, da Argentina, o Brasil intervém militarmente na região. Alia-se a Frutuoso Rivera (colorado) no Uruguai para derrotar Oribe e ao general argentino Urquiza para derrotar Rosas. Ao final da guerra, com o apoio das tropas brasileiras, Rivera e Urquiza são conduzidos ao poder. Mas os blancos voltam ao poder em 1864 e as tropas brasileiras atacam o Uruguai por mar e por terra. O Paraguai notifica ao Brasil (30/8/1864) que "não pode se conservar indiferente" em face de uma invasão do Uruguai, "pois ela destrói o equilíbrio político no Prata". Não há resposta. Em 1865, com o auxílio das tropas brasileiras, o colorado Venâncio Flores derruba Aguirre e assume o governo.
  • 19. A iniciativa da ofensiva é do Paraguai. Solano López aprisiona, em Assunção ,o navio brasileiro Marquês de Olinda . A seguir declara guerra ao Brasil. Envia cinco barcos de guerra e uma coluna terrestre que ocupam todo o sul do Mato Grosso até 1868. Um pacto secreto Brasil-Argentina- Uruguai (19 itens), é divulgado em 1866 na Inglaterra. Aliança, "ofensiva e defensiva", prevê o uso de "todos os meios de guerra“ até a derrubada de López. Outra expedição segue para o sul, toma a província argentina de Corrientes e S. Borja, Itaqui e Uruguaiana , no Rio Grande do Sul. Por onde passa liberta os escravos, que chegam a se rebelar.
  • 20. A maior guerra da história do Brasil é também a mais mortífera das Américas. Mata 158 mil brasileiros, 32 mil argentinos e uruguaios, 606 mil militares e civis paraguaios. Vive quatro fases: [ 1] A ofensiva paraguaia, rechaçada em Riachuelo (1865); [2] A árdua guerra de posições em torno da fortaleza de Humaitá (1868); [3] A rápida ofensiva imperial até Assunção (1869); [4] A caçada a López, ou Campanha da Cordilheira (1870).
  • 21. O Paraguai perde 140 km² para Argentina e Brasil e quase todos os homens adultos; a população só se recupera no século XX. As Estâncias e a ferrovia são vendidas a estrangeiros.
  • 22. Três correntes se definem... A escravocrata, não almeja eternizar o sistema, mas um fim suave, ou libertação com indenização. A emancipacionista (que inclui dom Pedro) quer reformas graduais, moderadas, sem afetar a lavoura. A abolicionista exige libertação imediata, sem indenização. A Campanha Abolicionista começou em 1879 e incluia poesia, música, teatro, concertos, livros de ouro, bazares, quermesses, clube feminino, caravanas, muita imprensa.
  • 23. A "Lei Rio Branco“(1871), mais conhecida por "Lei do Ventre Livre” estabelecia que os "ingênuos“ (nascidos a partir da lei), ficassem em poder dos senhores de suas mães até os oito anos de idade. A partir dessa idade, os proprietários poderiam utilizar os seus trabalhos até os 21 anos ou, então, receber uma indenização, paga pelo governo, através de um fundo de emancipação. A Lei Saraiva Cotegipe (1885), mais conhecida como "Lei dos Sexagenários" foi aprovada em 28 de setembro de 1885. Ela declarou "livres" os escravos com mais de 60 anos. Entretanto, eles deveriam trabalhar mais cinco anos gratuitamente para o senhor a título de indenização. A lei ainda estabelecia penas para quem ajudasse escravos fugitivos. Em 13 de maio de 1888, a Princesa Isabel assina a Lei Áurea que proibe definitivamente a escravidão no Brasil.
  • 24. As relações entre a Igreja e o Império começaram a entrar em crise quando o Frei Vital Maria, bispo de Olinda, decidiu colocar em prática, em 1872, a bula Sylabbus, publicada pelo papa Pio IX oito anos antes. O documento proibia a ligação entre católicos e maçons, amplamente praticada no país, inclusive pelos principais personagens políticos do período. Para agravar a situação, o bispo do Pará, D. Antonio Macedo Costa, imitou as iniciativas de Frei Vital. D. Pedro, maçom e autoridade eclesiástica pelo poder do padroado, ordena o fim da interdição. Os bispos negam, são presos, condenados a trabalhos forçados. D. Pedro anistia os bispos e abafa o caso, mas a Igreja não o perdoa.
  • 25. A Questão Militar gira em torno do veto ao envolvimento de oficiais em polêmicas públicas. O cel. Sena Madureira homenageia, na Escola de Tiro, o jangadeiro-abolicionista Francisco José do Nascimento; é exonerado. Outro artigo leva a dois dias de prisão o cel. Cunha Matos. Sucedem-se as insubordinações, artigos, punições. O Marechal Deodoro, cada vez mais envolvido, é exonerado, o que só eleva seu prestigio. A crise ressurge com a punição de Benjamin Constant por um discurso (outubro de 1889) na Escola Militar.
  • 26. Ofertado pelo imperador aos oficiais do cruzador chileno Almirante Cochrane, absorve em refinados preparativos toda atenção da corte imperial. Consome 800 kg de camarão. Mal sabiam o visconde de Ouro Preto, o imperador e os convidados ilustres que o baile, em vez de pavimentar a suposta solidez do Império, marcaria o seu último.
  • 27. Na madrugada de 14-15 de novembro, as unidades fiéis a Constant (20% do total) se rebelam e marcham para o campo da Aclamação (hoje Praça da República), com Deodoro no comando. O min. da Marinha, barão de Ladário, troca tiros diante do prédio, no único episódio sangrento de 15 de novembro. Deodoro diz aos ministros que o gabinete está dissolvido; podem todos ir para casa, exceto Ouro Preto e o titular da Justiça, que ficam presos. Depois, desfila a tropa pela cidade. Até aí não se fala em República. “O povo assistiu àquilo bestializado, sem saber o que significava, julgando tratar-se de uma parada" (Aristides Lobo, 18/11).
  • 30. A ocupação do Norte do Estado do Paraná se deu anos após a ocupação do oeste e do Paraná Tradicional e está associada principalmente a expansão da cafeicultura paulista. A produção de café no norte do estado se estendeu por três regiões: •Norte Velho (1890 à 1920) região que vai da divisa com São Paulo até Cornélio Procópio. Formaram-se cidades como Santo Antonio da Platina, Venceslau Brás, Cambará e Jacarezinho . • Norte Novo – (1930 à 1950) conhecido como “Norte Britânico”, engloba as cidades de Londrina, Cambé, Arapongas, Apucarana, Maringá, Rolândia. • Norte Novíssimo - nessa região o solo não era tão indicado para o cultivo do café mas com o aumento das exportações as plantações se estenderam de Londrina a Paranavaí entre 1920 e 1960. (Cianorte e Umuarama, Paranavaí)
  • 32. • No ano de 1770, a Capitania de Paranaguá foi incorporada à capitania de São Paulo e passa a ser a 5a. comarca com sede em Paranaguá. • Os ideais emancipatórios surgiram por volta de 1808, quando a Câmara de Paranaguá resolveu enviar Pedro Joaquim Pereira de Sá à corte de D. João para solicitar a criação de uma nova unidade política. • Em 1812, a sede da Comarca é transferida para Curitiba. • Em 1821, o capitão Bento Viana, enfrentou publicamente o juiz de fora Antônio Azevedo Melo e Costa e insistiu na necessidade da nomeação imediata de um governo provisório: era a Conjuntura Separatista que fracassou.
  • 33. • Entre 1843 a 1853 ocorreu a fase parlamentar. Destaque para o deputado Carneiro de Campos que apresentou um projeto para elevar a 5a. Comarca à condição de província. •Em 1850, o senador Batista de Oliveira propõe uma emenda ao projeto de emancipação da Comarca do Alto Amazonas ampliando esse benefício à 5a comarca de São Paulo. •Parlamentares baianos e mineiros interessados em limitar a influência política dos paulistas, mostraram-se favoráveis ao projeto. Além disso, o negociado apoio dos curitibanos ao governo imperial, no episódio da Revolução Farroupilha, contribuiu decisivamente para o nascimento político da nova província. • Outros homens, depois, deram continuidade a essa mesma luta, merecendo destaque os nomes de Manuel Francisco Correia Júnior, de Francisco de Paula Gomes e de João da Silva Machado, o Barão de Antonina.
  • 34. Os paulistas, percebendo que o processo de emancipação tornava-se inevitável, condicionaram-no à posse das regiões de Iguape e Cananéia, diminuindo a extensão do litoral paranaense a apenas 90 Km. Em 29 de agosto de 1853 a emancipação se concretiza: o imperador D. Pedro II assina o Decreto nº. 704 aprovando a instalação da Província do Paraná, que foi oficializada em 19 de dezembro do mesmo ano. O baiano Zacarias de Góes e Vasconcelos foi o primeiro presidente nomeado na província.
  • 35. O episódio mais célebre da Fortaleza da Ilha do Mel foi a luta, em 1850, com o cruzador Cormorant da marinha inglesa. O H.M.S Cormorant entrou na Baía de Paranaguá para aprisionar navios brasileiros carregados de escravos trazidos da África. Era um cumprimento a lei Bill Aberdeen de 1845 que permitia a perseguição de navios negreiros pela marinha inglesa. A 29 de junho de 1850, perto da Ilha da Cotinga, o Capitão Schomberg aprisionou os brigues "Dona Ana" e "Sereia", bem como a galera "Campeadora", quando já estavam de porões vazios. Tal fato provocou a revolta dos moradores locais, principalmente dos jovens que viam tal ato como invasão e desrespeito. Vinte e seis homens da Vila saíram de Paranaguá em vários botes e lanchas com destino à Fortaleza da Ilha do Mel, levavando tudo que se fizesse necessário para colocar os canhões do Forte em ação.
  • 36. Ainda no ano de 1850 o governo aprovaria a Lei Eusébio de Queiroz, proibindo o tráfico de escravos. Foram 40 minutos de tiros, culminando com o Cormorant avariado em uma das rodas de propulsão e um dos barcos a reboque também atingido. O Capitão Schomberg não reagiu e saiu da linha de fogo do Forte, abrigando-se para reparos na enseada em frente ao Morro das Conchas. Ao prosseguir viagem o Capitão Schomberg mandou incendiar os dois brigues, levando a reboque a galera "Campeadora". O episódio “Cormorant” teve repercussão internacional. A Inglaterra, exigiu reparos aos danos físicos e morais. A questão foi encerrada com um pedido de desculpas do Brasil.