SlideShare uma empresa Scribd logo
Deixis temporais, espaciais e pessoais<br />Fenómeno de referenciação que permite estabelecer a relação formal de enunciação de uma mensagem por um sujeito, nem espaço e num tempo determinado.<br />Pessoal – verbos na primeira pessoa, é assinalada através de pronomes pessoais e possessivos. Ex: eu, tu, nós, vós, você, eles, ela…<br />Temporais – locuções adverbiais temporais e tempos verbais. Ex: aqui, ai, cá, lá, ali, este, isto, aquilo/estudei, ficarei<br />Espaciais – locuções adverbiais de lugar, indicam o espaço da enunciação. Ex: hoje, tarde<br />Formação de Palavras<br />Derivação – quando se acrescenta um sufixo e prefixo e a palavra muda de classe. Ex: feliz/felizmente<br />Modificação – quando se acrescenta um sufixo e/ou prefixo e a palavra muda de classe. Ex: feliz/infelizmente <br />Composição - morfológica (antiga aglutinação), palavra perde sons, ex. aguardente; Morfossintáctivo (antiga justaposição), a palavra não perde sons, na sua maioria utiliza-se um hífen;<br />Empréstimo externo – usar uma palavra já existente para designar outra realidade. Ex. rato(animal) / rato (computador);<br />Empréstimo interno – usar uma palavra originária de outra língua. Ex. croissant, lingerie, mother board;<br />Sigla – uma palavra formada pela primeira letra de cada palavra que a constitui, as siglas podem ser acronimia. Ex. ONU, ESAG;<br />Amalgama – junção de duas palavras para designar outra realidade ex. informática (informação + automática) / sistemática (sistema + automática);<br />Acronimia - sigla com vogais Ex. SIC <br />Ordem directa e ordem inversa<br />Ordem directa (a mais vulgar)Ordem inversaSUJEITO + PREDICADOPREDICADO + SUJEITO<br />Actos Ilocutórios ou actos de falas<br />Quando falamos, realizamos uma actividade que tem como objectivo provocar alterações no nosso interlocutor, modificar um determinado estado de coisas. <br />Um ACTO DE FALA é precisamente uma acção verbal com uma intenção comunicativa: <br />Fazer perguntas; Dar ordens; Informar; Expressar opiniões; Ameaçar... <br />Os actos Ilocutórios podem ser directos ou indirectos. No primeiro caso, o locutor demonstra a intenção de levar o interlocutor a fazer algo. No segundo, o locutor procura formas menos evidentes de tentar fazer com que o seu interlocutor realize uma acção, ou seja, o objectivo a atingir não se prende com o significado literal e imediato da frase. ( Ex: Importas-te de me passar o sal?)<br />TIPOS DE ACTOS DE FALAOBJECTIVOSVERBOS E EXPRESSÕES QUE LHE ESTÃO ASSOCIADASASSERTIVOSTraduzem uma posição, uma verdade assumida pela pessoa que fala. Ex: Ele não é meu namorado. O locutor Afirma, nega, acredita, concorda, discorda, responde, informa, sugere, admite, confessa, acha (possível, necessário, incrível...) está convicta DECLARATIVOSExprimem uma realidade criada pelo próprio acto de fala. Ex: Declaro-vos marido e mulher. Vamos começar a experiência. O locutor Nomeia, declara, certifica ( está associado a actos oficiais, como casamento, reuniões, julgamentos...) EXPRESSIVOSExpressam sentimentos, emoções, estados de espírito da pessoa que fala. Ex: Gosto tanto de te ver contente! Parabéns! Desculpe. O locutor Gosta, ama, adora, detesta, agradece, felicita, lamenta, dá boas vindas, pede desculpas, elogia, acha bem ou mal (Uso frequente de expressões exclamativas) DIRECTIVOSPretendem conduzir o outro à realização de uma acção. Ex: Vem comigo ao cinema. Jantas em minha casa, hoje? O locutor Pergunta, convida, pede, implora, manda, obriga, aconselha, proíbe, avisa, ordena, desafia... COMPROMISSIVOSExprimem um compromisso assumido pela pessoa que fala. Ex: Estarei lá à hora marcada. Prometo não faltar ao encontro. O locutor Jura, promete, compromete-se, garante, assegura, afiança... (uso frequente do futuro) DECLARATIVOSASSERTIVOSPretendem exprimir o que deve ser ouvido como uma verdade a seguir, por ser reconhecida a autoridade de quem fala. Ex: Considero fundamental que faça a dieta.( Médico) O locutor Considera importante, fundamental, imprescindível ( relativamente ao outro) <br />Funções Sintácticas<br />Sujeito<br />Simples – composto por apenas uma grupo nominal ou pronome Ex. O João sai da escola / Eles vão ao cinema<br />Composto – constituído por mais do que um grupo nominal ou pronome Ex. Eu e a Alice vamos à escola / Ele e ela…<br />Nulo subentendido – Bati à janela / (eu) bati à janela; vamos a Lisboa / (nós) vamos a Lisboa;<br />Nulo indeterminado – batem à porta / Alguém bate à porta<br />Nulo expletivo – Aconteceu…/ chuveu…/ havia…/ fazer…<br />Predicado<br />Verbo + Complementos - Ex. A Maria acordou. / Ela escreveu um postal aos papéis. / É óptimos que possas vir a pé.<br />457517562865Complemento do verbo (impossível retira-lo, assim a frase não faz sentido)<br />Directo – “O quê?” – Ex. Ela escreveu uma carta aos pais / Ele comprou estas revistas<br />Indirecto – “A quem?” – Ex. Ela escreveu uma carta aos pais / A Mariana telefonou à avó<br />Preposicional – preposição + nome – Ex. O Luís foi a Faro / Ela pôs o livro na estante.<br />Agente da passiva – pela…/ por… Ex. Isto foi feito por mim / O assaltante foi preso pela polícia <br />Adverbial – desempenhada por um grupo adverbial Ex. O Aluno portou-se muito mal / O Luís mora aqui.<br />Modificador do verbo (pode retirar-se ou mudar-se do sitio)<br />Preposicional – utiliza-se uma preposição ou quantificador Ex. De certeza, ninguém o viu (modificador de frase)<br />Adverbial - utiliza-se um advérbio Ex. Ontem, o candidato discursou (modificador do grupo verbal)<br />Frásico – frase ligada ao verbo Ex. Antes que chegasses, lavei a loiça.<br />Predicativo<br />Do sujeito – atribui propriedades ao sujeito (verbos copulativos) Ex. A Gabriela é minha aluna /Eles pareciam felizes.<br />Do complemento directo – atribui propriedades ao complemento directo Ex. Os professores acham o aluno simpático / Eles tratavam a vizinha por avó.<br />Vocativo (Chama… pergunta…implora…)<br />Ex. Miguel, dás-me a bola? / O Cristiano, não me diga que se enganou outra vez.<br />Complemento do nome<br />Complemento preposicional do nome – Ex. A construção do edifício parece-me difícil.<br />Complemento frásico do nome – Ex. A necessidade de encontrar culpados levou a precipitação da policia.<br />Modificador do nome<br />Restritivo - (antigo atributo) normalmente aparece entre vírgulas. Ex. Os escuteiros, simpáticos, brincaram com as crianças. <br />Apositivo - (antigo aposto) Ex. Os escuteiros simpáticos brincaram com as crianças<br />4065070284727Relação entre palavras: Relações semânticas (do sentido)<br />Hiperónimo – genérico; (casa);<br />Hipónimo – especifico / exemplos; (tudo o que existe na casa)<br />Sinonímia – Equivalência (Feliz / Contente)<br />Antónima – Oposição; (Quente / Frio)<br />Relação entre palavras: Fonética e Gráfica / Semântica<br />Homónimas – (Palavras homónimas); som e grafia iguais; Ex. são (verbo) / corpo são<br />Homofonia – (Palavras homófonas); som igual, grafia diferente; Ex. hera / era<br />Homografia – (Palavras homógrafas); som diferente, grafia idêntica (os acentos não contam);<br />Paronímia – (Palavras parónimas); parecidas, difíceis de distinguir;<br />Figuras de Estilo<br />Anáfora – repetição no inicio de cada verso<br />Antítese – sentido contrário e difícil de definir, por vezes pode ser igual ao oximero e vice-versa<br />Oximero – oposição que não é prefeita<br />Comparação – consistem em estabelecer uma relação de semelhança através de uma palavra ou expressão comparativa ou de verbos a ela equivalentes “parecer”, “lembrar”, “sugerir”…<br />Enumeração – assindética com virgulas, sindética com “e”<br />Metáfora – comparação sem a partícula “como”,”parece”… “A vazante atinge o seu máximo. A casa é uma concha abandonada pela maré”<br />Paralelismo de construção – frases sintacticamente construídas da mesma forma <br />Anástrofe - rapariga alta / alta rapariga<br />Hipérbato – alteração das funções sintácticas<br />Personificação – consiste em atribuir características próprias de pessoas, a animais, coisas e ideias; “O vento geme”<br />Hipérbole – consiste no emprego de termos exagerados, para realçar determinada realidade; “Chove a potes”<br />Orações coordenativas e subordinativas<br />Orações não finitas – utilização de verbos com os tempos verbais no infinitivo (viver, estar, rir), gerúndio (falando, cantando, trabalhando) ou particípio passado (terminado, comprado);<br />Orações finitas – quaisquer outros tempos não utilizados nas orações não finitas;<br />Orações coordenadas (cada uma delas pode existir por si só e não depende de uma outra)<br />CopulativasRelação de adição. (e, nem, também, não só…mas tambémEx: Nós fomos passear e fomos ao cinema.AdversativasRelação de oposição ou contraste. (mas, porém, todavia, contudo)Ex: Eu comprei o jornal mas não o li.DisjuntivasIdeia de alternativa. (ou, nem…nem,, ora…ora)Ex: Ou comes, ou vês televisão.ConclusivasRelação de conclusão. (portanto, logo, pois, por conseguinte)Ex: Compraste o jornal, portanto, lê-o.ExplicativasExprime uma explicação. (pois)Ex: Estuda pois vais ter teste.<br />Orações subordinadas (dependentes de uma outra/ só pode existir uma subordinante)<br />SUBSTANTIVASCompletivasInterrogativasIndirectasCompletam o sentido da oração subordinante e são introduzidas por um elemento interrogativa. se, que, quem, como, onde,, quanto, ou por um elemento omisso.Ex: A minha perguntou-me se vinhas comigo.InfinitivasSão introduzidas por um verbo no infinitivo.Ex: Ele pretende mandar-me embora.RelativasSão introduzidas por um pronome relativo (quem, o que, onde, quando), podendo desempenhar a função sintáctica de sujeito, complemento directo, complemento indirecto, complemento oblíquo ou modificador do grupo verbal.Ex: Quem espera sempre alcança.ADJECTIVASRelativas explicativasIntroduzem uma informação adicional sobre o antecedente e desempenham a função sintáctica de modificadores apositivos.Ex: Sem ouvir o pai, que gritava, o rapaz afastou-se.Relativas restritivasRestringem a informação dada sobre o antecedente e desempenham a função sintáctica de modificadores restritivos.Ex: Pega no pão que está no armário.ADVERBIAISTemporaisEstabelecem uma relação temporal (quando, enquanto, antes que, depois…)Ex: Quando chegares, toca a campainha.CausaisExprimem um motivo (porque, visto que, já que…)Ex: Veste outro casaco, porque está frio.FinaisExprimem a intenção de realizar uma acção (se, a não ser que, salvo se…)Ex: Ela estuda para se preparar para o exame.CondicionaisExprimem a condição da realização da acção (se, anão ser que… salvo se…)Ex: Se estudasses mais, terias conseguido.ConcessivasExprimem algo que contrasta com a situação anterior (embora, ainda que, se bem que…)Ex: Embora esteja cansado, vou continuar a correr.ConsecutivasExprimem a consequência de um facto (que, tanto, tal, de tal modo que…)Ex: Foi tanto o barulho que todos acordaram.ComparativasEstabelecem uma comparação (como, assim como, bem como…)Ex: Aceita os relatos como verdadeiros.<br />Classes e Subclasses<br />NOME (ou substantivos)<br />PrópriosJosé, Tejo, Torres Novas…Animadosportugueses, cãoNão animadosPortugal, poesiaComunsrapaz, cidade, bola, rádioHumanosAna, raparigaNão humanosPortugal, peixe<br />2652959153811   <br />Nomes comunsConcretosLivro, homemAbstractosAmor verdadeColectivosBando, faunaContáveisLivro, lápisNão contáveisAmor, educação<br />DETERMINANTES <br />ArtigosDefinidosO, a, os, asIndefinidosUma, um, umas, unsDemonstrativosEste, esta, estes, estasAquele, aquela, aqueles, aquelasO outro, a outra, os outros, as outrasEsse, essa, esses, essasO mesmo, a mesma, os mesmos, as mesmas(o, a) tal, (os, as) taisPossessivosMeu, minha, meus, minhasTeu, tua, teus, tuasSeus, sua, seus, suasUm possuidorNosso, nossa, nossos, nossasVosso, vossa, vossos, vossasSeu, sua, seus, suasVários possuidores<br />QUANTIFICADORES<br />UniversaisTodo, toda, todos, todasNenhum, nenhuma, nenhuns, nenhumasQualquer, quaisquerAmbos, ambasCadaIndefinidos / existenciaisAlgum, alguma, alguns, algumasMuito, muita, muitos, muitasTanto, tanta, tantos, tantasVários, váriasCerto, certa, certos, certasPouco, pouca, poucos, poucasOutro, outra, outros, outrasBastanteRelativosQuanto, quanta, quantosCujo, cuja, cujos, cujasInterrogativosQuanto, quanta, quantos, quantas…?Qual, quais…?Que…?NumeraisCardinalUm, dois, três MúltiploDuplo, triploFraccionárioMeio, terço<br />ADEJECTIVOS (características atribuídas a um nome)<br />RelacionaisExpressa propriedades ligadas a um nome. Ex. Estudante universitárioQualificativosBonito, grande, pacienteNumerais Primeiro, segundo, centésimo<br />Afectivos biformesApresentam duas formas distintas para o masculino e para o feminino Ex. um rapaz corajoso/ uma rapariga corajosaAdjectivos uniformes Apresentam a mesma forma para os dois géneros, tanto para o masculino como para o feminino. Ex.um rapaz alegre/ uma rapariga alegre<br />PRONOME (em vez do nome)<br />PessoaisTónicosEu, tu, você, ele/ela, nós, vós, vocês, eles/elas; mim, ti, siAtónicosMe, te, se, nos, vos, lhe, lhes, o, a, os, asDemonstrativosEste, esta, estes, estasAquele, aquela, aqueles, aquelasO outro, a outra, os outros, as outrasO mesmo, a mesma, os mesmos, as mesmas(o, a) tal, (os, as) taisIsto, isso, aquilo, talO (ex. Tenho três vizinhos, O do rés-do-chão é simpático)PossessivosMeu, minha, meus, minhasTeu, tua, teus, tuasSeu, sua, seus, suas20993105962651218565431801692910223520Um possuidorNosso, nossa, nossos, nossasVosso, vossa, vossos, vossasSeu, sua, seus, suasVários possuidoresIndefinidosAlgum, alguma, alguns, algumasNenhum, nenhuma, nenhuns, nenhumaTodo, toda, todos, todasMuito, muita, muitos, muitasOutro, outra, outros, outrasPouco, pouca, poucos, poucasTanta, tanto, tantas, tantosQualquer, quaisquerAlguém, ninguém, nada, tudo, outremInterrogativosQual, quaisQuanto, quanta, quantos, quantas(o) que, quem (o) quêPorque, porquêComoOndeRelativosO qual, a qual, os quais, as quaisQuanto, quanta, quantos, quantasQueQuemOnde<br />VERBO<br />PALAVRAS CHAVE E/OU EXPRESSÕES<br />Pretérito perfeito – ontem + verbo<br />Pretérito imperfeito – antigamente + verbo<br />Pretérito mais que perfeito – tinha (composto) – antes de ontem + verbo<br />Futuro - amanha+ verbo<br />Conjuntivo – tenho medo que + verbo<br />ADEVÉRBIO<br />O João comeu demasiado.<br />A criança explicou minuciosamente o sucedido.<br />De negaçãoNãoAdjuntosLugarAbaixo, acima, adiante, aí, além, ali, aquém, aqui, atrás, através, cá, defronte, dentro, detrás, fora, junto, lá, longe, onde, perto…TempoAgora, ainda, amanha, antes, breve, cedo, depois, então, hoje, já, jamais, logo, nunca, ontem, outrora, sempre, tarde…ModoAssim, bem, debalde, depressa, devagar, mal melhor, pior e muitos dos advérbios terminados em –ment, como amavelmente, lentamente.DisjuntosCertamente, efectivamente, naturalmente, realmente, possivelmente, provavelmente, felizmente, infelizmente, fracamente, obviamente…Conectivos Assim, contrariamente, consequentemente, depois, especificamente, finalmente, melhor, nomeadamente, primeiramente, primeiro, seguidamente, segundo…<br />PREPOSIÇÃO<br />Palavras invariáveis que exprimem relações entre duas partes de uma oração que dependem uma da outra. <br />aanteapósatécomconformecontraconsoantededesdeduranteemexceptoentremediante paraperanteporsalvosemsegundosobsobretrás<br />Explicação:<br />Palavra invariável, pertencente a uma classe fechada de palavras, que pode ter como complemento quer frases, quer grupos nominais, quer advérbios, mas que obriga qualquer grupo nominal que ocorra como seu complemento a apresentar Caso oblíquo ((i), (ii)).<br /> Exemplos:<br />(i) Ele quer jogar [contra mim].<br />(ii) *Ele quer jogar [contra eu].<br />O seguinte conjunto de palavras é normalmente listado como constituindo o conjunto das preposições em Português:<br />a, ante, após, até, com, contra, de, desde, em, entre, para, perante, por, sem, sob, sobre, trás.<br /> <br />1. As preposições distinguem-se das conjunções subordinativas pelo facto de poderem ter um grupo nominal como seu complemento, o que não acontece com as conjunções subordinativas:<br />(i) [A   acreditar no João], o Miguel venceu a prova.<br />(ii) [A  Londres] irei certamente.<br /> <br />2. Algumas preposições podem ainda distinguir-se das conjunções subordinativas pelo facto de poderem co-ocorrer com conjunções subordinativas completivas (se co-ocorrem, não são, portanto, elementos da mesma classe):<br />(iii) Ele apercebeu-se [de [preposição] que [conjunção] o Pedro estava cansado].<br /> <br />3. Finalmente, e embora tanto preposições como conjunções coordenativas possam introduzir grupos nominais, o grupo nominal complemento de uma preposição apresenta Caso Oblíquo, enquanto o grupo nominal introduzido por uma conjunção coordenativa apresenta Caso nominativo:<br />(iv) O João [e [conjunção] eu] vamos hoje ao cinema.<br />(v) [A [preposição] mim] ninguém oferece nada.<br /> <br />4. Alguns verbos exigem que os / alguns dos seus complementos sejam grupos preposicionais cujo núcleo é uma preposição também ela escolhida pelo verbo (fenómeno a que se tem chamado quot;
regência de preposiçõesquot;
 pelos verbos):<br />(vi) ir a x, assistir a x<br />(vii) concordar com x, compactuar com x<br />(viii) gostar de x, duvidar de x<br />(ix) acreditar em x, morar em x<br />(x) distribuir x por y, dividir x por y<br /> <br />Contracção das preposições com artigos <br />PreposiçõesArtigos definidosArtigos indefinidosoaosasumumaunsumasaaoàaosàs----dedodadosdasdumdumadunsdumasemnonanosnasnumnumanunsnumasporpelopelapelospelas----<br />CONJUNÇÃO<br />          As conjunções são palavras invariáveis que servem para articular/ligar frases ou elementos semelhantes da mesma frase.<br />            Há dois tipos de conjunções: coordenativas e subordinativas.<br />Conjunções coordenativas – ligam dois elementos semelhantes da mesma frase ou duas frases da mesma natureza, independentes gramaticalmente mas entre as quais existe uma relação.<br />Ex. : Alguns rapazes e algumas raparigas foram ao cinema. / Hoje foram ao cinema, mas amanhã vão ao teatro.<br />Conjunções subordinativas – ligam duas frases, uma das quais está subordinada, ou seja, depende de outra. As conjunções subordinativas introduzem as frases subordinadas.<br />Ex. : Quando saíram, foram ao cinema.<br /> Ver tabela das orações página 4<br />INTERJEIÇÃO<br />Interjeições são palavras com que, de maneira espontânea, exprimimos vivamente as nossas emoções. São frequentes nas frases exclamativas e costumam ser acompanhadas de ponto de exclamação.<br />Ex. Ah! que grande asneira fizeste.<br />SurpresaAh! Oh! Ih! Olá! Olé! Ena! Chiça! Caramba! Diabo! Credo! Cáspita! Essa agora! Meu Deus!AplausoAh! Oh! Eia! Upa! Viva! Vamos! Coragem! Bravo! Bis! Apoiado! Força! Muito bem!AlegriaAh! Oh! ChamamentoÓ! Eh! Pst! Pchiu! Olá! Socorro! Ó da guarda! Aqui d´el-rei!DorAi! Ui! Ah! Oh! Ai de mim! Pobre de mim!<br />~ NOTAS ~<br />______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________<br />
Resumo da disciplina de Português - 10 Ano
Resumo da disciplina de Português - 10 Ano
Resumo da disciplina de Português - 10 Ano
Resumo da disciplina de Português - 10 Ano
Resumo da disciplina de Português - 10 Ano
Resumo da disciplina de Português - 10 Ano
Resumo da disciplina de Português - 10 Ano

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumoCantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumo
Gijasilvelitz 2
 
Sermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - ResumoSermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - Resumo
colegiomb
 
Modalidade do verbo
Modalidade do verboModalidade do verbo
Modalidade do verbo
Ana Martins
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
Helena Coutinho
 
Exp10 emp lp_007 atos ilocutorios
Exp10 emp lp_007 atos ilocutoriosExp10 emp lp_007 atos ilocutorios
Exp10 emp lp_007 atos ilocutorios
mariaric
 
Fenómenos fonéticos português 9º
Fenómenos fonéticos português 9ºFenómenos fonéticos português 9º
Fenómenos fonéticos português 9º
Felisbela da Silva
 
Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca
Lurdes Augusto
 
Atos de fala
Atos de falaAtos de fala
Atos de fala
António Fernandes
 
Cantigas de amor
Cantigas de amorCantigas de amor
Cantigas de amor
Helena Coutinho
 
Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"
gracacruz
 
Modificador restritivo e apositivo do nome
Modificador restritivo e apositivo do nomeModificador restritivo e apositivo do nome
Modificador restritivo e apositivo do nome
António Fernandes
 
Processos fonologicos
Processos fonologicosProcessos fonologicos
Processos fonologicos
ameliapadrao
 
Popper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcaçãoPopper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcação
Luis De Sousa Rodrigues
 
Modificadores
ModificadoresModificadores
Modificadores
gracacruz
 
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
InesTeixeiraDuarte
 
Canto vii est 78_97
Canto vii est 78_97Canto vii est 78_97
Canto vii est 78_97
Maria Teresa Soveral
 
Resumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anoResumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º ano
jorgina8
 
Formas de inferência válidas
Formas de inferência válidasFormas de inferência válidas
Formas de inferência válidas
Helena Serrão
 
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Lurdes Augusto
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
Ana Arminda Moreira
 

Mais procurados (20)

Cantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumoCantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumo
 
Sermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - ResumoSermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - Resumo
 
Modalidade do verbo
Modalidade do verboModalidade do verbo
Modalidade do verbo
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
 
Exp10 emp lp_007 atos ilocutorios
Exp10 emp lp_007 atos ilocutoriosExp10 emp lp_007 atos ilocutorios
Exp10 emp lp_007 atos ilocutorios
 
Fenómenos fonéticos português 9º
Fenómenos fonéticos português 9ºFenómenos fonéticos português 9º
Fenómenos fonéticos português 9º
 
Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca
 
Atos de fala
Atos de falaAtos de fala
Atos de fala
 
Cantigas de amor
Cantigas de amorCantigas de amor
Cantigas de amor
 
Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"
 
Modificador restritivo e apositivo do nome
Modificador restritivo e apositivo do nomeModificador restritivo e apositivo do nome
Modificador restritivo e apositivo do nome
 
Processos fonologicos
Processos fonologicosProcessos fonologicos
Processos fonologicos
 
Popper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcaçãoPopper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcação
 
Modificadores
ModificadoresModificadores
Modificadores
 
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
 
Canto vii est 78_97
Canto vii est 78_97Canto vii est 78_97
Canto vii est 78_97
 
Resumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anoResumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º ano
 
Formas de inferência válidas
Formas de inferência válidasFormas de inferência válidas
Formas de inferência válidas
 
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 

Destaque

Células: atividade prática
Células:  atividade práticaCélulas:  atividade prática
Células: atividade prática
Ana Castro
 
O nome da rosa (filme) trabalho
O nome da rosa (filme)   trabalhoO nome da rosa (filme)   trabalho
O nome da rosa (filme) trabalho
SousaLeitee
 
Revisões - teste global de Geologia (10º ano)
Revisões  - teste global de Geologia (10º ano)Revisões  - teste global de Geologia (10º ano)
Revisões - teste global de Geologia (10º ano)
Ana Castro
 
Cronicas
CronicasCronicas
Cronicas
kadjaxh
 
Guião Felizmente há Luar!
Guião Felizmente há Luar!Guião Felizmente há Luar!
Guião Felizmente há Luar!
Rui Oliveira
 
Crise de 1383 85
Crise de 1383 85Crise de 1383 85
Crise de 1383 85
Maria Gomes
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Gijasilvelitz 2
 
Português 10ºano
Português   10ºanoPortuguês   10ºano
Português 10ºano
MissManson
 
Fernão Lopes
Fernão LopesFernão Lopes
Fernão Lopes
Paula Oliveira Cruz
 
Funções sintáticas da frase
Funções sintáticas da fraseFunções sintáticas da frase
Funções sintáticas da frase
Vanda Marques
 
Funções sintáticas e modificadores
Funções sintáticas e modificadoresFunções sintáticas e modificadores
Funções sintáticas e modificadores
Margarida Tomaz
 

Destaque (11)

Células: atividade prática
Células:  atividade práticaCélulas:  atividade prática
Células: atividade prática
 
O nome da rosa (filme) trabalho
O nome da rosa (filme)   trabalhoO nome da rosa (filme)   trabalho
O nome da rosa (filme) trabalho
 
Revisões - teste global de Geologia (10º ano)
Revisões  - teste global de Geologia (10º ano)Revisões  - teste global de Geologia (10º ano)
Revisões - teste global de Geologia (10º ano)
 
Cronicas
CronicasCronicas
Cronicas
 
Guião Felizmente há Luar!
Guião Felizmente há Luar!Guião Felizmente há Luar!
Guião Felizmente há Luar!
 
Crise de 1383 85
Crise de 1383 85Crise de 1383 85
Crise de 1383 85
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
 
Português 10ºano
Português   10ºanoPortuguês   10ºano
Português 10ºano
 
Fernão Lopes
Fernão LopesFernão Lopes
Fernão Lopes
 
Funções sintáticas da frase
Funções sintáticas da fraseFunções sintáticas da frase
Funções sintáticas da frase
 
Funções sintáticas e modificadores
Funções sintáticas e modificadoresFunções sintáticas e modificadores
Funções sintáticas e modificadores
 

Semelhante a Resumo da disciplina de Português - 10 Ano

Resumo de portugues
Resumo de portuguesResumo de portugues
Resumo de portugues
Rita Pereira
 
verbos_formas verbais_vozes verbais2.pdf
verbos_formas verbais_vozes verbais2.pdfverbos_formas verbais_vozes verbais2.pdf
verbos_formas verbais_vozes verbais2.pdf
JULIANEDANCZUK
 
Verbos
VerbosVerbos
Verbos
whybells
 
7.5 verbos (estudo completo)
7.5   verbos (estudo completo)7.5   verbos (estudo completo)
7.5 verbos (estudo completo)
Ivana Mayrink
 
Português-Pronome
Português-PronomePortuguês-Pronome
Português-Pronome
Jaicinha
 
O Verbo
O VerboO Verbo
Classes de palavras
Classes de palavrasClasses de palavras
Classes de palavras
PreOnline
 
Revisão 9ºano
Revisão 9ºanoRevisão 9ºano
Revisão 9ºano
Lurdes Augusto
 
Verbos estrutura tempos
Verbos estrutura temposVerbos estrutura tempos
Verbos estrutura tempos
hildacocagermany
 
Revisão 9ºano último
Revisão 9ºano  últimoRevisão 9ºano  último
Revisão 9ºano último
Lurdes Augusto
 
Aula 3 lp em
Aula 3   lp emAula 3   lp em
Aula 3 lp em
Walney M.F
 
Regência+..
Regência+..Regência+..
Regência+..
Ana Flavia Barros
 
Português aula slide - gramatica
Português   aula slide - gramaticaPortuguês   aula slide - gramatica
Português aula slide - gramatica
WALTER ALENCAR DE SOUSA
 
7_ano_classes_palavras
7_ano_classes_palavras7_ano_classes_palavras
7_ano_classes_palavras
camposmelo
 
pt7_powerpoint_7_ano_classes_palavras.pptx
pt7_powerpoint_7_ano_classes_palavras.pptxpt7_powerpoint_7_ano_classes_palavras.pptx
pt7_powerpoint_7_ano_classes_palavras.pptx
letrascoloridas
 
Verbo
VerboVerbo
Aula_13___Verbo (1).pdf
Aula_13___Verbo (1).pdfAula_13___Verbo (1).pdf
Aula_13___Verbo (1).pdf
Ana Vaz
 
4_Aula_Verbo.pptx
4_Aula_Verbo.pptx4_Aula_Verbo.pptx
4_Aula_Verbo.pptx
tatianesouza923757
 
AnáLise SintáTica 3 Em
AnáLise SintáTica 3 EmAnáLise SintáTica 3 Em
AnáLise SintáTica 3 Em
Brenda Tacchelli
 
Portugues 2015
Portugues 2015Portugues 2015
Portugues 2015
Eduardo Araujo
 

Semelhante a Resumo da disciplina de Português - 10 Ano (20)

Resumo de portugues
Resumo de portuguesResumo de portugues
Resumo de portugues
 
verbos_formas verbais_vozes verbais2.pdf
verbos_formas verbais_vozes verbais2.pdfverbos_formas verbais_vozes verbais2.pdf
verbos_formas verbais_vozes verbais2.pdf
 
Verbos
VerbosVerbos
Verbos
 
7.5 verbos (estudo completo)
7.5   verbos (estudo completo)7.5   verbos (estudo completo)
7.5 verbos (estudo completo)
 
Português-Pronome
Português-PronomePortuguês-Pronome
Português-Pronome
 
O Verbo
O VerboO Verbo
O Verbo
 
Classes de palavras
Classes de palavrasClasses de palavras
Classes de palavras
 
Revisão 9ºano
Revisão 9ºanoRevisão 9ºano
Revisão 9ºano
 
Verbos estrutura tempos
Verbos estrutura temposVerbos estrutura tempos
Verbos estrutura tempos
 
Revisão 9ºano último
Revisão 9ºano  últimoRevisão 9ºano  último
Revisão 9ºano último
 
Aula 3 lp em
Aula 3   lp emAula 3   lp em
Aula 3 lp em
 
Regência+..
Regência+..Regência+..
Regência+..
 
Português aula slide - gramatica
Português   aula slide - gramaticaPortuguês   aula slide - gramatica
Português aula slide - gramatica
 
7_ano_classes_palavras
7_ano_classes_palavras7_ano_classes_palavras
7_ano_classes_palavras
 
pt7_powerpoint_7_ano_classes_palavras.pptx
pt7_powerpoint_7_ano_classes_palavras.pptxpt7_powerpoint_7_ano_classes_palavras.pptx
pt7_powerpoint_7_ano_classes_palavras.pptx
 
Verbo
VerboVerbo
Verbo
 
Aula_13___Verbo (1).pdf
Aula_13___Verbo (1).pdfAula_13___Verbo (1).pdf
Aula_13___Verbo (1).pdf
 
4_Aula_Verbo.pptx
4_Aula_Verbo.pptx4_Aula_Verbo.pptx
4_Aula_Verbo.pptx
 
AnáLise SintáTica 3 Em
AnáLise SintáTica 3 EmAnáLise SintáTica 3 Em
AnáLise SintáTica 3 Em
 
Portugues 2015
Portugues 2015Portugues 2015
Portugues 2015
 

Mais de Rui Oliveira

Estatutos - CRM Outeiro Grande, atualizado em 2024
Estatutos - CRM Outeiro Grande, atualizado em 2024Estatutos - CRM Outeiro Grande, atualizado em 2024
Estatutos - CRM Outeiro Grande, atualizado em 2024
Rui Oliveira
 
Regulamento Interno - CRM Outeiro Grande
Regulamento Interno  - CRM Outeiro GrandeRegulamento Interno  - CRM Outeiro Grande
Regulamento Interno - CRM Outeiro Grande
Rui Oliveira
 
Estatutos CRMOG - versão antiga
Estatutos CRMOG - versão antigaEstatutos CRMOG - versão antiga
Estatutos CRMOG - versão antiga
Rui Oliveira
 
Resumo - Visão Por Computador
Resumo - Visão Por Computador Resumo - Visão Por Computador
Resumo - Visão Por Computador
Rui Oliveira
 
Gestor de Filmes - Relatório Prático
Gestor de Filmes - Relatório PráticoGestor de Filmes - Relatório Prático
Gestor de Filmes - Relatório Prático
Rui Oliveira
 
Relatório Prático - Sistemas Eletrónicos
Relatório Prático - Sistemas EletrónicosRelatório Prático - Sistemas Eletrónicos
Relatório Prático - Sistemas Eletrónicos
Rui Oliveira
 
Apontamentos Arquitetura de Computadores 2
Apontamentos Arquitetura de Computadores 2 Apontamentos Arquitetura de Computadores 2
Apontamentos Arquitetura de Computadores 2
Rui Oliveira
 
Planeamento de uma prova no concurso - Robô Bombeiro
Planeamento de uma prova no concurso - Robô BombeiroPlaneamento de uma prova no concurso - Robô Bombeiro
Planeamento de uma prova no concurso - Robô Bombeiro
Rui Oliveira
 
Documento CAPITULO SETE - tópicos MEMORIAL DO CONVENTO
Documento CAPITULO SETE - tópicos MEMORIAL DO CONVENTODocumento CAPITULO SETE - tópicos MEMORIAL DO CONVENTO
Documento CAPITULO SETE - tópicos MEMORIAL DO CONVENTO
Rui Oliveira
 
Apresentação CAPITULO SETE - MEMORIAL DO CONVENTO
Apresentação CAPITULO SETE - MEMORIAL DO CONVENTOApresentação CAPITULO SETE - MEMORIAL DO CONVENTO
Apresentação CAPITULO SETE - MEMORIAL DO CONVENTO
Rui Oliveira
 
Teoria da Relatividade de NEWTON
Teoria da Relatividade de NEWTONTeoria da Relatividade de NEWTON
Teoria da Relatividade de NEWTON
Rui Oliveira
 
Sofbol em Portugal e no mundo
Sofbol em Portugal e no mundoSofbol em Portugal e no mundo
Sofbol em Portugal e no mundo
Rui Oliveira
 
A natação em portugal
A natação em portugalA natação em portugal
A natação em portugal
Rui Oliveira
 
1.5.coeficiente de viscosidade de um líquido
1.5.coeficiente de viscosidade de um líquido1.5.coeficiente de viscosidade de um líquido
1.5.coeficiente de viscosidade de um líquido
Rui Oliveira
 
Centenário de Nss. Sª de Lourdes
Centenário de Nss. Sª de Lourdes Centenário de Nss. Sª de Lourdes
Centenário de Nss. Sª de Lourdes Rui Oliveira
 
Corfebol em Portugal e no Mundo
Corfebol em Portugal e no MundoCorfebol em Portugal e no Mundo
Corfebol em Portugal e no Mundo
Rui Oliveira
 
1.2.Atrito cinético e estático
1.2.Atrito cinético e estático1.2.Atrito cinético e estático
1.2.Atrito cinético e estático
Rui Oliveira
 
1.1.Máquina de Atwood
1.1.Máquina de Atwood1.1.Máquina de Atwood
1.1.Máquina de Atwood
Rui Oliveira
 
Movimento circular
Movimento circularMovimento circular
Movimento circular
Rui Oliveira
 
Filarmónica XXI 1ªedição
Filarmónica XXI 1ªediçãoFilarmónica XXI 1ªedição
Filarmónica XXI 1ªedição
Rui Oliveira
 

Mais de Rui Oliveira (20)

Estatutos - CRM Outeiro Grande, atualizado em 2024
Estatutos - CRM Outeiro Grande, atualizado em 2024Estatutos - CRM Outeiro Grande, atualizado em 2024
Estatutos - CRM Outeiro Grande, atualizado em 2024
 
Regulamento Interno - CRM Outeiro Grande
Regulamento Interno  - CRM Outeiro GrandeRegulamento Interno  - CRM Outeiro Grande
Regulamento Interno - CRM Outeiro Grande
 
Estatutos CRMOG - versão antiga
Estatutos CRMOG - versão antigaEstatutos CRMOG - versão antiga
Estatutos CRMOG - versão antiga
 
Resumo - Visão Por Computador
Resumo - Visão Por Computador Resumo - Visão Por Computador
Resumo - Visão Por Computador
 
Gestor de Filmes - Relatório Prático
Gestor de Filmes - Relatório PráticoGestor de Filmes - Relatório Prático
Gestor de Filmes - Relatório Prático
 
Relatório Prático - Sistemas Eletrónicos
Relatório Prático - Sistemas EletrónicosRelatório Prático - Sistemas Eletrónicos
Relatório Prático - Sistemas Eletrónicos
 
Apontamentos Arquitetura de Computadores 2
Apontamentos Arquitetura de Computadores 2 Apontamentos Arquitetura de Computadores 2
Apontamentos Arquitetura de Computadores 2
 
Planeamento de uma prova no concurso - Robô Bombeiro
Planeamento de uma prova no concurso - Robô BombeiroPlaneamento de uma prova no concurso - Robô Bombeiro
Planeamento de uma prova no concurso - Robô Bombeiro
 
Documento CAPITULO SETE - tópicos MEMORIAL DO CONVENTO
Documento CAPITULO SETE - tópicos MEMORIAL DO CONVENTODocumento CAPITULO SETE - tópicos MEMORIAL DO CONVENTO
Documento CAPITULO SETE - tópicos MEMORIAL DO CONVENTO
 
Apresentação CAPITULO SETE - MEMORIAL DO CONVENTO
Apresentação CAPITULO SETE - MEMORIAL DO CONVENTOApresentação CAPITULO SETE - MEMORIAL DO CONVENTO
Apresentação CAPITULO SETE - MEMORIAL DO CONVENTO
 
Teoria da Relatividade de NEWTON
Teoria da Relatividade de NEWTONTeoria da Relatividade de NEWTON
Teoria da Relatividade de NEWTON
 
Sofbol em Portugal e no mundo
Sofbol em Portugal e no mundoSofbol em Portugal e no mundo
Sofbol em Portugal e no mundo
 
A natação em portugal
A natação em portugalA natação em portugal
A natação em portugal
 
1.5.coeficiente de viscosidade de um líquido
1.5.coeficiente de viscosidade de um líquido1.5.coeficiente de viscosidade de um líquido
1.5.coeficiente de viscosidade de um líquido
 
Centenário de Nss. Sª de Lourdes
Centenário de Nss. Sª de Lourdes Centenário de Nss. Sª de Lourdes
Centenário de Nss. Sª de Lourdes
 
Corfebol em Portugal e no Mundo
Corfebol em Portugal e no MundoCorfebol em Portugal e no Mundo
Corfebol em Portugal e no Mundo
 
1.2.Atrito cinético e estático
1.2.Atrito cinético e estático1.2.Atrito cinético e estático
1.2.Atrito cinético e estático
 
1.1.Máquina de Atwood
1.1.Máquina de Atwood1.1.Máquina de Atwood
1.1.Máquina de Atwood
 
Movimento circular
Movimento circularMovimento circular
Movimento circular
 
Filarmónica XXI 1ªedição
Filarmónica XXI 1ªediçãoFilarmónica XXI 1ªedição
Filarmónica XXI 1ªedição
 

Resumo da disciplina de Português - 10 Ano

  • 1. Deixis temporais, espaciais e pessoais<br />Fenómeno de referenciação que permite estabelecer a relação formal de enunciação de uma mensagem por um sujeito, nem espaço e num tempo determinado.<br />Pessoal – verbos na primeira pessoa, é assinalada através de pronomes pessoais e possessivos. Ex: eu, tu, nós, vós, você, eles, ela…<br />Temporais – locuções adverbiais temporais e tempos verbais. Ex: aqui, ai, cá, lá, ali, este, isto, aquilo/estudei, ficarei<br />Espaciais – locuções adverbiais de lugar, indicam o espaço da enunciação. Ex: hoje, tarde<br />Formação de Palavras<br />Derivação – quando se acrescenta um sufixo e prefixo e a palavra muda de classe. Ex: feliz/felizmente<br />Modificação – quando se acrescenta um sufixo e/ou prefixo e a palavra muda de classe. Ex: feliz/infelizmente <br />Composição - morfológica (antiga aglutinação), palavra perde sons, ex. aguardente; Morfossintáctivo (antiga justaposição), a palavra não perde sons, na sua maioria utiliza-se um hífen;<br />Empréstimo externo – usar uma palavra já existente para designar outra realidade. Ex. rato(animal) / rato (computador);<br />Empréstimo interno – usar uma palavra originária de outra língua. Ex. croissant, lingerie, mother board;<br />Sigla – uma palavra formada pela primeira letra de cada palavra que a constitui, as siglas podem ser acronimia. Ex. ONU, ESAG;<br />Amalgama – junção de duas palavras para designar outra realidade ex. informática (informação + automática) / sistemática (sistema + automática);<br />Acronimia - sigla com vogais Ex. SIC <br />Ordem directa e ordem inversa<br />Ordem directa (a mais vulgar)Ordem inversaSUJEITO + PREDICADOPREDICADO + SUJEITO<br />Actos Ilocutórios ou actos de falas<br />Quando falamos, realizamos uma actividade que tem como objectivo provocar alterações no nosso interlocutor, modificar um determinado estado de coisas. <br />Um ACTO DE FALA é precisamente uma acção verbal com uma intenção comunicativa: <br />Fazer perguntas; Dar ordens; Informar; Expressar opiniões; Ameaçar... <br />Os actos Ilocutórios podem ser directos ou indirectos. No primeiro caso, o locutor demonstra a intenção de levar o interlocutor a fazer algo. No segundo, o locutor procura formas menos evidentes de tentar fazer com que o seu interlocutor realize uma acção, ou seja, o objectivo a atingir não se prende com o significado literal e imediato da frase. ( Ex: Importas-te de me passar o sal?)<br />TIPOS DE ACTOS DE FALAOBJECTIVOSVERBOS E EXPRESSÕES QUE LHE ESTÃO ASSOCIADASASSERTIVOSTraduzem uma posição, uma verdade assumida pela pessoa que fala. Ex: Ele não é meu namorado. O locutor Afirma, nega, acredita, concorda, discorda, responde, informa, sugere, admite, confessa, acha (possível, necessário, incrível...) está convicta DECLARATIVOSExprimem uma realidade criada pelo próprio acto de fala. Ex: Declaro-vos marido e mulher. Vamos começar a experiência. O locutor Nomeia, declara, certifica ( está associado a actos oficiais, como casamento, reuniões, julgamentos...) EXPRESSIVOSExpressam sentimentos, emoções, estados de espírito da pessoa que fala. Ex: Gosto tanto de te ver contente! Parabéns! Desculpe. O locutor Gosta, ama, adora, detesta, agradece, felicita, lamenta, dá boas vindas, pede desculpas, elogia, acha bem ou mal (Uso frequente de expressões exclamativas) DIRECTIVOSPretendem conduzir o outro à realização de uma acção. Ex: Vem comigo ao cinema. Jantas em minha casa, hoje? O locutor Pergunta, convida, pede, implora, manda, obriga, aconselha, proíbe, avisa, ordena, desafia... COMPROMISSIVOSExprimem um compromisso assumido pela pessoa que fala. Ex: Estarei lá à hora marcada. Prometo não faltar ao encontro. O locutor Jura, promete, compromete-se, garante, assegura, afiança... (uso frequente do futuro) DECLARATIVOSASSERTIVOSPretendem exprimir o que deve ser ouvido como uma verdade a seguir, por ser reconhecida a autoridade de quem fala. Ex: Considero fundamental que faça a dieta.( Médico) O locutor Considera importante, fundamental, imprescindível ( relativamente ao outro) <br />Funções Sintácticas<br />Sujeito<br />Simples – composto por apenas uma grupo nominal ou pronome Ex. O João sai da escola / Eles vão ao cinema<br />Composto – constituído por mais do que um grupo nominal ou pronome Ex. Eu e a Alice vamos à escola / Ele e ela…<br />Nulo subentendido – Bati à janela / (eu) bati à janela; vamos a Lisboa / (nós) vamos a Lisboa;<br />Nulo indeterminado – batem à porta / Alguém bate à porta<br />Nulo expletivo – Aconteceu…/ chuveu…/ havia…/ fazer…<br />Predicado<br />Verbo + Complementos - Ex. A Maria acordou. / Ela escreveu um postal aos papéis. / É óptimos que possas vir a pé.<br />457517562865Complemento do verbo (impossível retira-lo, assim a frase não faz sentido)<br />Directo – “O quê?” – Ex. Ela escreveu uma carta aos pais / Ele comprou estas revistas<br />Indirecto – “A quem?” – Ex. Ela escreveu uma carta aos pais / A Mariana telefonou à avó<br />Preposicional – preposição + nome – Ex. O Luís foi a Faro / Ela pôs o livro na estante.<br />Agente da passiva – pela…/ por… Ex. Isto foi feito por mim / O assaltante foi preso pela polícia <br />Adverbial – desempenhada por um grupo adverbial Ex. O Aluno portou-se muito mal / O Luís mora aqui.<br />Modificador do verbo (pode retirar-se ou mudar-se do sitio)<br />Preposicional – utiliza-se uma preposição ou quantificador Ex. De certeza, ninguém o viu (modificador de frase)<br />Adverbial - utiliza-se um advérbio Ex. Ontem, o candidato discursou (modificador do grupo verbal)<br />Frásico – frase ligada ao verbo Ex. Antes que chegasses, lavei a loiça.<br />Predicativo<br />Do sujeito – atribui propriedades ao sujeito (verbos copulativos) Ex. A Gabriela é minha aluna /Eles pareciam felizes.<br />Do complemento directo – atribui propriedades ao complemento directo Ex. Os professores acham o aluno simpático / Eles tratavam a vizinha por avó.<br />Vocativo (Chama… pergunta…implora…)<br />Ex. Miguel, dás-me a bola? / O Cristiano, não me diga que se enganou outra vez.<br />Complemento do nome<br />Complemento preposicional do nome – Ex. A construção do edifício parece-me difícil.<br />Complemento frásico do nome – Ex. A necessidade de encontrar culpados levou a precipitação da policia.<br />Modificador do nome<br />Restritivo - (antigo atributo) normalmente aparece entre vírgulas. Ex. Os escuteiros, simpáticos, brincaram com as crianças. <br />Apositivo - (antigo aposto) Ex. Os escuteiros simpáticos brincaram com as crianças<br />4065070284727Relação entre palavras: Relações semânticas (do sentido)<br />Hiperónimo – genérico; (casa);<br />Hipónimo – especifico / exemplos; (tudo o que existe na casa)<br />Sinonímia – Equivalência (Feliz / Contente)<br />Antónima – Oposição; (Quente / Frio)<br />Relação entre palavras: Fonética e Gráfica / Semântica<br />Homónimas – (Palavras homónimas); som e grafia iguais; Ex. são (verbo) / corpo são<br />Homofonia – (Palavras homófonas); som igual, grafia diferente; Ex. hera / era<br />Homografia – (Palavras homógrafas); som diferente, grafia idêntica (os acentos não contam);<br />Paronímia – (Palavras parónimas); parecidas, difíceis de distinguir;<br />Figuras de Estilo<br />Anáfora – repetição no inicio de cada verso<br />Antítese – sentido contrário e difícil de definir, por vezes pode ser igual ao oximero e vice-versa<br />Oximero – oposição que não é prefeita<br />Comparação – consistem em estabelecer uma relação de semelhança através de uma palavra ou expressão comparativa ou de verbos a ela equivalentes “parecer”, “lembrar”, “sugerir”…<br />Enumeração – assindética com virgulas, sindética com “e”<br />Metáfora – comparação sem a partícula “como”,”parece”… “A vazante atinge o seu máximo. A casa é uma concha abandonada pela maré”<br />Paralelismo de construção – frases sintacticamente construídas da mesma forma <br />Anástrofe - rapariga alta / alta rapariga<br />Hipérbato – alteração das funções sintácticas<br />Personificação – consiste em atribuir características próprias de pessoas, a animais, coisas e ideias; “O vento geme”<br />Hipérbole – consiste no emprego de termos exagerados, para realçar determinada realidade; “Chove a potes”<br />Orações coordenativas e subordinativas<br />Orações não finitas – utilização de verbos com os tempos verbais no infinitivo (viver, estar, rir), gerúndio (falando, cantando, trabalhando) ou particípio passado (terminado, comprado);<br />Orações finitas – quaisquer outros tempos não utilizados nas orações não finitas;<br />Orações coordenadas (cada uma delas pode existir por si só e não depende de uma outra)<br />CopulativasRelação de adição. (e, nem, também, não só…mas tambémEx: Nós fomos passear e fomos ao cinema.AdversativasRelação de oposição ou contraste. (mas, porém, todavia, contudo)Ex: Eu comprei o jornal mas não o li.DisjuntivasIdeia de alternativa. (ou, nem…nem,, ora…ora)Ex: Ou comes, ou vês televisão.ConclusivasRelação de conclusão. (portanto, logo, pois, por conseguinte)Ex: Compraste o jornal, portanto, lê-o.ExplicativasExprime uma explicação. (pois)Ex: Estuda pois vais ter teste.<br />Orações subordinadas (dependentes de uma outra/ só pode existir uma subordinante)<br />SUBSTANTIVASCompletivasInterrogativasIndirectasCompletam o sentido da oração subordinante e são introduzidas por um elemento interrogativa. se, que, quem, como, onde,, quanto, ou por um elemento omisso.Ex: A minha perguntou-me se vinhas comigo.InfinitivasSão introduzidas por um verbo no infinitivo.Ex: Ele pretende mandar-me embora.RelativasSão introduzidas por um pronome relativo (quem, o que, onde, quando), podendo desempenhar a função sintáctica de sujeito, complemento directo, complemento indirecto, complemento oblíquo ou modificador do grupo verbal.Ex: Quem espera sempre alcança.ADJECTIVASRelativas explicativasIntroduzem uma informação adicional sobre o antecedente e desempenham a função sintáctica de modificadores apositivos.Ex: Sem ouvir o pai, que gritava, o rapaz afastou-se.Relativas restritivasRestringem a informação dada sobre o antecedente e desempenham a função sintáctica de modificadores restritivos.Ex: Pega no pão que está no armário.ADVERBIAISTemporaisEstabelecem uma relação temporal (quando, enquanto, antes que, depois…)Ex: Quando chegares, toca a campainha.CausaisExprimem um motivo (porque, visto que, já que…)Ex: Veste outro casaco, porque está frio.FinaisExprimem a intenção de realizar uma acção (se, a não ser que, salvo se…)Ex: Ela estuda para se preparar para o exame.CondicionaisExprimem a condição da realização da acção (se, anão ser que… salvo se…)Ex: Se estudasses mais, terias conseguido.ConcessivasExprimem algo que contrasta com a situação anterior (embora, ainda que, se bem que…)Ex: Embora esteja cansado, vou continuar a correr.ConsecutivasExprimem a consequência de um facto (que, tanto, tal, de tal modo que…)Ex: Foi tanto o barulho que todos acordaram.ComparativasEstabelecem uma comparação (como, assim como, bem como…)Ex: Aceita os relatos como verdadeiros.<br />Classes e Subclasses<br />NOME (ou substantivos)<br />PrópriosJosé, Tejo, Torres Novas…Animadosportugueses, cãoNão animadosPortugal, poesiaComunsrapaz, cidade, bola, rádioHumanosAna, raparigaNão humanosPortugal, peixe<br />2652959153811 <br />Nomes comunsConcretosLivro, homemAbstractosAmor verdadeColectivosBando, faunaContáveisLivro, lápisNão contáveisAmor, educação<br />DETERMINANTES <br />ArtigosDefinidosO, a, os, asIndefinidosUma, um, umas, unsDemonstrativosEste, esta, estes, estasAquele, aquela, aqueles, aquelasO outro, a outra, os outros, as outrasEsse, essa, esses, essasO mesmo, a mesma, os mesmos, as mesmas(o, a) tal, (os, as) taisPossessivosMeu, minha, meus, minhasTeu, tua, teus, tuasSeus, sua, seus, suasUm possuidorNosso, nossa, nossos, nossasVosso, vossa, vossos, vossasSeu, sua, seus, suasVários possuidores<br />QUANTIFICADORES<br />UniversaisTodo, toda, todos, todasNenhum, nenhuma, nenhuns, nenhumasQualquer, quaisquerAmbos, ambasCadaIndefinidos / existenciaisAlgum, alguma, alguns, algumasMuito, muita, muitos, muitasTanto, tanta, tantos, tantasVários, váriasCerto, certa, certos, certasPouco, pouca, poucos, poucasOutro, outra, outros, outrasBastanteRelativosQuanto, quanta, quantosCujo, cuja, cujos, cujasInterrogativosQuanto, quanta, quantos, quantas…?Qual, quais…?Que…?NumeraisCardinalUm, dois, três MúltiploDuplo, triploFraccionárioMeio, terço<br />ADEJECTIVOS (características atribuídas a um nome)<br />RelacionaisExpressa propriedades ligadas a um nome. Ex. Estudante universitárioQualificativosBonito, grande, pacienteNumerais Primeiro, segundo, centésimo<br />Afectivos biformesApresentam duas formas distintas para o masculino e para o feminino Ex. um rapaz corajoso/ uma rapariga corajosaAdjectivos uniformes Apresentam a mesma forma para os dois géneros, tanto para o masculino como para o feminino. Ex.um rapaz alegre/ uma rapariga alegre<br />PRONOME (em vez do nome)<br />PessoaisTónicosEu, tu, você, ele/ela, nós, vós, vocês, eles/elas; mim, ti, siAtónicosMe, te, se, nos, vos, lhe, lhes, o, a, os, asDemonstrativosEste, esta, estes, estasAquele, aquela, aqueles, aquelasO outro, a outra, os outros, as outrasO mesmo, a mesma, os mesmos, as mesmas(o, a) tal, (os, as) taisIsto, isso, aquilo, talO (ex. Tenho três vizinhos, O do rés-do-chão é simpático)PossessivosMeu, minha, meus, minhasTeu, tua, teus, tuasSeu, sua, seus, suas20993105962651218565431801692910223520Um possuidorNosso, nossa, nossos, nossasVosso, vossa, vossos, vossasSeu, sua, seus, suasVários possuidoresIndefinidosAlgum, alguma, alguns, algumasNenhum, nenhuma, nenhuns, nenhumaTodo, toda, todos, todasMuito, muita, muitos, muitasOutro, outra, outros, outrasPouco, pouca, poucos, poucasTanta, tanto, tantas, tantosQualquer, quaisquerAlguém, ninguém, nada, tudo, outremInterrogativosQual, quaisQuanto, quanta, quantos, quantas(o) que, quem (o) quêPorque, porquêComoOndeRelativosO qual, a qual, os quais, as quaisQuanto, quanta, quantos, quantasQueQuemOnde<br />VERBO<br />PALAVRAS CHAVE E/OU EXPRESSÕES<br />Pretérito perfeito – ontem + verbo<br />Pretérito imperfeito – antigamente + verbo<br />Pretérito mais que perfeito – tinha (composto) – antes de ontem + verbo<br />Futuro - amanha+ verbo<br />Conjuntivo – tenho medo que + verbo<br />ADEVÉRBIO<br />O João comeu demasiado.<br />A criança explicou minuciosamente o sucedido.<br />De negaçãoNãoAdjuntosLugarAbaixo, acima, adiante, aí, além, ali, aquém, aqui, atrás, através, cá, defronte, dentro, detrás, fora, junto, lá, longe, onde, perto…TempoAgora, ainda, amanha, antes, breve, cedo, depois, então, hoje, já, jamais, logo, nunca, ontem, outrora, sempre, tarde…ModoAssim, bem, debalde, depressa, devagar, mal melhor, pior e muitos dos advérbios terminados em –ment, como amavelmente, lentamente.DisjuntosCertamente, efectivamente, naturalmente, realmente, possivelmente, provavelmente, felizmente, infelizmente, fracamente, obviamente…Conectivos Assim, contrariamente, consequentemente, depois, especificamente, finalmente, melhor, nomeadamente, primeiramente, primeiro, seguidamente, segundo…<br />PREPOSIÇÃO<br />Palavras invariáveis que exprimem relações entre duas partes de uma oração que dependem uma da outra. <br />aanteapósatécomconformecontraconsoantededesdeduranteemexceptoentremediante paraperanteporsalvosemsegundosobsobretrás<br />Explicação:<br />Palavra invariável, pertencente a uma classe fechada de palavras, que pode ter como complemento quer frases, quer grupos nominais, quer advérbios, mas que obriga qualquer grupo nominal que ocorra como seu complemento a apresentar Caso oblíquo ((i), (ii)).<br /> Exemplos:<br />(i) Ele quer jogar [contra mim].<br />(ii) *Ele quer jogar [contra eu].<br />O seguinte conjunto de palavras é normalmente listado como constituindo o conjunto das preposições em Português:<br />a, ante, após, até, com, contra, de, desde, em, entre, para, perante, por, sem, sob, sobre, trás.<br /> <br />1. As preposições distinguem-se das conjunções subordinativas pelo facto de poderem ter um grupo nominal como seu complemento, o que não acontece com as conjunções subordinativas:<br />(i) [A   acreditar no João], o Miguel venceu a prova.<br />(ii) [A  Londres] irei certamente.<br /> <br />2. Algumas preposições podem ainda distinguir-se das conjunções subordinativas pelo facto de poderem co-ocorrer com conjunções subordinativas completivas (se co-ocorrem, não são, portanto, elementos da mesma classe):<br />(iii) Ele apercebeu-se [de [preposição] que [conjunção] o Pedro estava cansado].<br /> <br />3. Finalmente, e embora tanto preposições como conjunções coordenativas possam introduzir grupos nominais, o grupo nominal complemento de uma preposição apresenta Caso Oblíquo, enquanto o grupo nominal introduzido por uma conjunção coordenativa apresenta Caso nominativo:<br />(iv) O João [e [conjunção] eu] vamos hoje ao cinema.<br />(v) [A [preposição] mim] ninguém oferece nada.<br /> <br />4. Alguns verbos exigem que os / alguns dos seus complementos sejam grupos preposicionais cujo núcleo é uma preposição também ela escolhida pelo verbo (fenómeno a que se tem chamado quot; regência de preposiçõesquot; pelos verbos):<br />(vi) ir a x, assistir a x<br />(vii) concordar com x, compactuar com x<br />(viii) gostar de x, duvidar de x<br />(ix) acreditar em x, morar em x<br />(x) distribuir x por y, dividir x por y<br /> <br />Contracção das preposições com artigos <br />PreposiçõesArtigos definidosArtigos indefinidosoaosasumumaunsumasaaoàaosàs----dedodadosdasdumdumadunsdumasemnonanosnasnumnumanunsnumasporpelopelapelospelas----<br />CONJUNÇÃO<br />          As conjunções são palavras invariáveis que servem para articular/ligar frases ou elementos semelhantes da mesma frase.<br />            Há dois tipos de conjunções: coordenativas e subordinativas.<br />Conjunções coordenativas – ligam dois elementos semelhantes da mesma frase ou duas frases da mesma natureza, independentes gramaticalmente mas entre as quais existe uma relação.<br />Ex. : Alguns rapazes e algumas raparigas foram ao cinema. / Hoje foram ao cinema, mas amanhã vão ao teatro.<br />Conjunções subordinativas – ligam duas frases, uma das quais está subordinada, ou seja, depende de outra. As conjunções subordinativas introduzem as frases subordinadas.<br />Ex. : Quando saíram, foram ao cinema.<br /> Ver tabela das orações página 4<br />INTERJEIÇÃO<br />Interjeições são palavras com que, de maneira espontânea, exprimimos vivamente as nossas emoções. São frequentes nas frases exclamativas e costumam ser acompanhadas de ponto de exclamação.<br />Ex. Ah! que grande asneira fizeste.<br />SurpresaAh! Oh! Ih! Olá! Olé! Ena! Chiça! Caramba! Diabo! Credo! Cáspita! Essa agora! Meu Deus!AplausoAh! Oh! Eia! Upa! Viva! Vamos! Coragem! Bravo! Bis! Apoiado! Força! Muito bem!AlegriaAh! Oh! ChamamentoÓ! Eh! Pst! Pchiu! Olá! Socorro! Ó da guarda! Aqui d´el-rei!DorAi! Ui! Ah! Oh! Ai de mim! Pobre de mim!<br />~ NOTAS ~<br />______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________<br />