SlideShare uma empresa Scribd logo
Aula 13 – Verbo
Professor Guga Valente
Verbo é a
palavra que
expressa
ação,
estado e
fenômeno
da natureza
situados no
tempo.
Verbo
Quando se pratica uma ação, a palavra que representa essa ação
indicando o momento em que ela ocorre, é o verbo.
Ex.: (...) seu gabinete tem um sofá muito confortável. (ação presente)
Uma ideia de estado também pode ser localizada no tempo por meio de
um verbo.
Ex.: Gostou? É pele de contribuinte. (estado presente)
Uma ação ocorrida num determinado tempo também pode constituir-se
num fenômeno da natureza expresso por um verbo.
Ex.: Naquela noite trovejou muito. (ação passada fenômeno da
natureza)
Classificação dos verbos
Regulares
Nos verbos regulares, os radicais e as desinências verbais não apresentam
alterações, seguindo um modelo de conjugação regular. Observe abaixo a
conjugação do verbo falar, que é um verbo regular
Classificação dos verbos
Irregulares
Quando conjugamos um verbo e verificamos que ele sofre modificação no radical e
nas desinências verbais, esse verbo é irregular. Então, os verbos que não seguem
um modelo de conjugação são considerados irregulares.
Com a leitura das
conjugações ao lado,
verificamos que o verbo no
presente sofreu alteração no
seu radical. portanto, ele é
irregular. Observe que, para
identificar se um verbo é
regular ou irregular, você
deverá conjugá-lo no
presente ou no pretérito
perfeito do indicativo. Se
seguir o modelo dos verbos,
ele será regular; se sofrer
alteração no radical ou na
desinência, irregular.
Classificação dos verbos
Anômalos
Vimos que os verbos irregulares modificam o radical. Porém, alguns verbos recebem uma alteração maior, mais
intensa do que os irregulares. A esses verbos dá-se o nome de anômalos. Portanto, verbos anômalos são
aqueles que, na conjugação, possuem formas próprias e diferenciadas no radical e na desinência. Tais formas
são totalmente diferentes das do verbo regular. Veja o exemplo abaixo do verbo ser:
Classificação dos verbos
Defectivos
Verbo defectivo é o mesmo que imperfeito, defeituoso. Portanto, os verbos defectivos são os que
não apresentam todas as formas verbais na conjugação.
Abolir Reaver
Classificação dos verbos
Abundantes
O conjunto dos verbos irregulares que demonstram mais de uma forma de conjugação, ou melhor, que
apresentam duas ou mais formas que sejam equivalentes, diz respeito aos verbos abundantes.
Esse tipo de verbo é mais encontrado na forma do particípio, mas há incidências em outros tempos verbais.
Vejamos, abaixo, alguns exemplos.
Pessoas verbais
Além de expressar o tempo, o verbo expressa também as pessoas
gramaticais.
Exs.:
A mãe cantou para o filho. Eu vendi minha bicicleta.
3ª pessoa do singular 1ª pessoa do singular
Partiste no dia certo.
2ª pessoa do singular
Há, porém, uma forma em que o verbo não se refere a nenhuma pessoa gramatical:
é o infinitivo impessoal. A forma verbal cantou é do verbo cantar. A forma verbal
vendi é do verbo vender. A forma verbal partiste é do verbo partir.
Cantar, vender e partir representam o infinitivo do verbo.
As terminações do infinitivo são três: ar — er — ir. cant l ar — terminação AR vend l
er — terminação ER part l ir — terminação IR
Conjugações verbais
Na língua portuguesa, três vogais antecedem o "r" na terminação do infinitivo: a—
e/o— i. Essas vogais caracterizam a conjugação do verbo. Os verbos estão, portanto,
agrupados em três conjugações:
1ª conjugação (-AR) 2ª conjugação (-ER,
-OR)
3ª conjugação (-IR)
Cantar Poder Sumir
Amar Fazer Partir
Localizar Sobrepor Cair
Conjugações verbais
Observação:
O verbo pôr, assim como os seus derivados (compor,
repor, depor, supor etc.), pertence à 2ª conjugação,
porque na sua forma antiga a terminação era -er: poer. A
vogal e, apesar de haver desaparecido do infinitivo,
revela-se em algumas formas do verbo: põe, pões, põem
etc. Além disso, todos os verbos derivados de pôr
possuem a mesma terminação em todas as suas flexões.
Flexões verbais
O verbo é constituído, basicamente, de duas partes:
radical e terminações. Exemplo: verbo escrever
escrev o
escrev es
escrev e
escrev emos
escrev eis
escrev em
Radical: escrev – parte que contém a significação
básica do verbo.
Terminações: o, es, e, emos, eis, em – parte
variável do verbo.
Observação: Para se obter o radical de um verbo é
só colocá-lo na forma infinitiva e retirar a terminação
que caracteriza essa forma. Exemplo: desistiram –
infinitivo: desistir – radical: desist.
Flexões verbais
As terminações do verbo variam para indicar a pessoa, o número, o
tempo, o modo.
Exs.:
Na noite fria, um menino chora.
pessoa: 3ª; tempo: presente;
número: singular; modo: indicativo.
Naquele tempo, ouvíamos longas histórias.
pessoa: 1ª; tempo: pretérito imperfeito;
número: plural; modo: indicativo.
Observação: Conjugar um verbo é flexioná-lo em tempo, modo, número
e pessoa.
Pessoa e número verbais
O verbo varia em pessoa e número de acordo com as pessoas
gramaticais:
Singular Plural
Curt – o Curt – imos
Curt – es Curt – is
Curt – e Curt – em
Pessoa
1ª pessoa
2ª pessoa
3ª pessoa
Tempo e modo verbais
O fato expresso pelo verbo aparece sempre situado nos tempos
presente, passado ou futuro.
Além de o fato estar situado no tempo, ele também pode indicar:
certeza, dúvida e ordem.
As indicações de certeza, dúvida e ordem são determinadas pelos modos
verbais. São, portanto, três os modos verbais:
• exprime um fato certo, uma certeza. Modo Indicativo
• exprime um fato possível, duvidoso, hipotético. Modo Subjuntivo
• exprime uma ordem, um conselho, um pedido. Modo Imperativo
Tempos do modo indicativo
No modo indicativo, a ação verbal pode aparecer nos
seguintes tempos:
— Presente
— Pretérito: - perfeito
- imperfeito
- mais-que-perfeito
— Futuro: - do presente
- do pretérito
Tempos do modo indicativo
Presente: Expressa um fato atual;
Exs.:
Eu faço a minha história.
Não deixem que percam o foco.
Elas veem o que esses homens estão fazendo.
Tempos do modo indicativo
Pretérito imperfeito: expressa um fato passado não concluído.
Exs.:
Quando eu era criança, íamos à pizzaria no centro a pé. Morávamos
na Vila Nova, e a segurança pública não era problema para nossa
família. Éramos pobres, mas muito felizes.
Tempos do modo indicativo
Pretérito perfeito: expressa um fato passado concluído.
Tempos do modo indicativo
Pretérito mais-que-perfeito: expressa um fato passado anterior a
outro fato passado.
Exs.:
Obama acabara de chegar quando recebeu as boas-vindas do
presidente africano.
Naquele tempo, deixáramos tudo para trás para virmos morar aqui.
Tempos do modo indicativo
• Futuro do Presente: expressa um fato futuro em relação a um
momento presente.
Exs.:
Morrerei sem saber metade do que gostaria.
Os fiscais saberão o que fazer quando abordarem os golpistas.
“O povo não é bobo, não reelegerá ninguém de novo!”
Tempos do modo indicativo
Futuro do Pretérito: expressa um fato futuro em relação a um
momento passado.
Exs.:
Para a recepção, viriam duzentas pessoas.
Eu iria ao cinema hoje, se tivesse dinheiro 
Far-se-iam necessários dois leões de chácara na entrada da festa.
Tempos do modo subjuntivo
No modo subjuntivo, a ação verbal pode aparecer nos
seguintes tempos:
— presente
— pretérito imperfeito
— futuro
Tempos do modo subjuntivo
Presente: expressa um fato atual exprimindo possibilidade.
Ex.:
Espero que o tempo passe
Espero que a semana acabe
Pra que eu possa te ver de novo
Espero que o tempo voe
Para que você retorne
Pra que eu possa te abraçar
E te beijar
De novo
Tempos do modo subjuntivo
Pretérito imperfeito: expressa um fato no passado dependente de
outro fato passado.
Ex.:
Se eu soubesse disso, teria resolvido o problema mais rápido.
Caso elas quisessem sair, já teriam se arrumado há muito tempo.
Tempos do modo subjuntivo
Futuro: expressa um fato futuro relacionado a outro fato futuro.
Quando eu falar com a Maria, isso será resolvido.
Quando ele tomar os remédios, os sintomas melhorarão.
Quando ela tiver o dinheiro, irá comprar um carro.
Formas do modo imperativo
Ao indicar ordem, conselho, sugestão, pedido, o fato verbal
pode expressar negação ou afirmação. São, portanto, duas as
formas do imperativo:
— imperativo negativo: Não falem alto.
— imperativo afirmativo: Falai tu mais alto.
OBSERVAÇÃO
O imperativo não possui a 1ª pessoa do singular, pois não se
prevê a ordem, o pedido ou o conselho a si mesmo.
Vozes verbais
As vozes verbais são a forma como os verbos se apresentam na oração a fim de
determinar se o sujeito pratica ou recebe a ação. As vozes verbais, ou vozes do
verbo, podem ser de três tipos: ativa, passiva ou reflexiva.
Voz ativa
Na voz ativa o sujeito é agente, ou seja, pratica a ação.
Exs.:
Bia tomou o café da manhã logo cedo.
Aspiramos a casa toda.
Já fiz o trabalho.
Vozes verbais
Voz passiva
Na voz passiva o sujeito é paciente e, assim, não pratica, mas recebe a ação. A voz
passiva pode ser analítica ou sintética.
A voz passiva analítica é formada por:
Sujeito paciente + verbo auxiliar (ser, estar, ficar, entre outros) + verbo principal da
ação conjugado no particípio + agente da passiva.
Exs.:
O café da manhã foi tomado por Bia logo cedo.
A casa toda foi aspirada por nós.
O trabalho foi feito por mim.
Vozes verbais
A voz passiva sintética, também chamada de voz passiva pronominal (devido ao uso
do pronome se) é formada por:
Verbo conjugado na 3.ª pessoa (no singular ou no plural) + pronome apassivador "se"
+ sujeito paciente.
Exs.:
Tomou-se o café da manhã logo cedo.
Aspirou-se a casa toda.
Já se fez o trabalho.
Vozes verbais
Voz reflexiva
Na voz reflexiva o sujeito é agente e paciente ao mesmo tempo, uma vez que o
sujeito pratica e recebe a ação.
A voz reflexiva é formada por:
Verbo na voz ativa + pronome oblíquo (me, te, se, nos, vos), que serve de objeto
direto ou, por vezes, de objeto indireto, e representa a mesma pessoa que o sujeito.
Exs.:
Atropelou-se em sua próprias palavras.
Partiu-se todo naquela luta de MMA.
Olhei-me ao espelho.
Vozes verbais
Voz reflexiva recíproca
A voz reflexiva também pode ser recíproca. Isso acontece quando o verbo reflexivo
indica reciprocidade, ou seja, quando dois ou mais sujeitos praticam a ação, ao
mesmo tempo que também são pacientes.
Exs.:
Eu, meus irmãos e meus primos damo-nos bastante bem.
Os dias e as noites passam-se sem que haja qualquer novidade.
Sofia e Lucas amam-se.
Vozes verbais e sua conversão
Geralmente, por uma questão de estilo, podemos transpor orações que têm a voz
verbal ativa para orações que têm a voz verbal passiva.
Ao fazer a transposição, o sujeito da voz ativa torna-se o agente da passiva e o
objeto direto da voz ativa torna-se o sujeito da voz passiva.
Exemplo na voz ativa: Aspiramos a casa toda.
Sujeito da ativa: Nós (oculto)
Verbo: Aspiramos (transitivo direto)
Objeto direto: a casa toda.
Vozes verbais e sua conversão
Exemplo na voz ativa: Aspiramos a casa toda.
Sujeito da ativa: Nós (oculto)
Verbo: Aspiramos (transitivo direto)
Objeto direto: a casa toda.
Exemplo na voz passiva: A casa toda foi aspirada por nós.
Sujeito: A casa toda
Verbo auxiliar: foi
Verbo principal: aspirada
Agente da passiva: por nós.
Vozes verbais e sua conversão
Observe que o verbo auxiliar foi está no mesmo tempo verbal que o
verbo aspiramos estava na oração cuja voz é ativa. O verbo aspiramos na oração cuja
voz é passiva está no particípio.
Assim, a oração transposta para a voz passiva é formada da seguinte forma:
Sujeito + verbo auxiliar (ser, estar, ficar, entre outros) conjugado no mesmo tempo
verbal que o verbo principal da oração na voz ativa + verbo principal da ação
conjugado no particípio + agente da passiva.
É importante lembrar que somente os verbos transitivos admitem transposição de
voz. Isso porque uma vez que os verbos intransitivos não necessitam de
complemento, não têm objeto que seja transposto em sujeito.
Formas nominais do verbo
O verbo possui formas que são nominais. Chamam-se nominais
porque por si só elas não expressam nem o tempo nem o modo
verbal. Além disso, em determinados contextos, assumem a função
de substantivos, adjetivos ou verbos.
Exs.:
Vamos jantar? O jantar está servido.
verbo substantivo
Ela já havia preparado o trabalho quando chegamos.
verbo
Ele está preparado para o exame.
adjetivo
Formas nominais do verbo
As formas nominais do verbo são três: infinitivo, gerúndio e
particípio.
• O infinitivo pode ser:
impessoal — quando não se refere às pessoas do discurso:
Ter ou não ter dá na mesma.
pessoal — quando se refere às pessoas do discurso. Neste caso.
não é flexionado na 1ª e 3ª pessoas do singular e flexionado nas
demais:
falar (eu) — não flexionado falarmos (nós) — flexionado
falares (tu) — flexionado falardes (vós) — flexionado
falar (ele) — não flexionado falarem (eles) — flexionado
Formas nominais do verbo
As terminações das formas nominais do verbo são:
• Infinitivo impessoal: cantar – vender – partir
• Gerúndio: cantando – vendendo – partindo
• Particípio: cantado – vendido – partido
Formação dos tempos simples
Para a conjugação verbal, utiliza-se um paradigma, isto
é, um modelo de conjugação baseado em tempos
primitivso e tempos derivados. Esse paradigma auxilia
na conjugação até de alguns verbos irregulares,
excluindo a necessidade de memorização: basta que se
saibam os tempos primitivos (presente e pretérito
perfeito do indicativo e a forma nominal do infinitivo
impessoal) e que se sigam as orientações. Como regra
geral, observam-se os dois tempos primitivos: se houver
irregularidade neles, haverá também em seus tempos
derivados.
Tempos derivados do presente do
indicativo
PRESENTE DO INDICATIVO PRESENTE DO SUBJUNTIVO
Fal – o Fal + e
Falas Fal + es
Fala Fal + e
Falamos Fal + emos
Falais Fal + eis
Falam Fal + em
1ª CONJUGAÇÃO - AR
Tempos derivados do presente do
indicativo
PRESENTE DO INDICATIVO PRESENTE DO SUBJUNTIVO
Vend – o Vend + a
Vendes Vend + as
Vende Vend + a
Vendemos Vend + amos
Vendeis Vend + ais
Vendem Vend + am
2ª CONJUGAÇÃO – ER e OR
Tempos derivados do presente do
indicativo
PRESENTE DO INDICATIVO PRESENTE DO SUBJUNTIVO
Sorri – o Sorri + a
Sorris Sorri + as
Sorri Sorri + a
Sorrimos Sorrí + amos
Sorríeis Sorrí + eis
Sorriem Sorri + em
3ª CONJUGAÇÃO – IR
Tempos derivados do presente do
indicativo
PRESENTE DO
INDICATIVO
PRESENTE DO
SUBJUNTIVO
IMPERATIVO
AFIRMATIVO
Penso Pens + e Ø
Pensa – s Pensa tu
Pensa Pens + e Pense você
Pensamos Pens + emos Pensemos nós
Pensai – s Pensai vós
Pensam Pens + em Pensem vocês
Tempos derivados do presente do
indicativo
A conjugação do imperativo negativo é igual à do
presente do subjuntivo, acrescida do advérbio de
negação: Não penses tu, não pense você, não
pensemos nós, não penseis vós, não pensem vocês.
Se um verbo for irregular ou defectivo no presente do indicativo, ele também
o será nos tempos derivados.
Exemplos:
Caber (irregular): Presente do indicativo: caibo, cabes, cabe, cabemos, cabeis,
cabem.
Presente do subjuntivo: caiba, caibas, caiba, caibamos, caibais, caibam.
Imperativo afirmativo: Ø, cabe, caiba, caibamos, cabei, caibam.
Colorir (defectivo): Presente do indicativo: Ø, colores, colore, colorimos,
coloríeis, colorem.
Presente do subjuntivo: Ø
Imperativo afirmativo: Ø, colore, Ø, Ø, colori, Ø.
• Os verbos trazer, dizer e fazer podem perder também a vogal temática –e
na segunda pessoa do singular do imperativo afirmativo.
• Os verbos haver, estar, ser, ter, vir, pôr e ir não seguem esse paradigma.
Tempos derivados do pretérito
perfeito do indicativo
Com base no pretérito perfeito do indicativo, formam-se o pretérito mais-que-
perfeito do indicativo, o imperfeito do subjuntivo e o futuro do subjuntivo.
Toma-se como partida a segunda pessoa do singular e subtrai-se a desinência –
ste, acrescentando as terminações a seguir:
• Pretérito mais-que-perfeito do indicativo: -ra, -ras, -ra, -remos, -reis, -ram.
• Pretérito imperfeito do subjuntivo: -sse, -sses, -sse, -ssemos, -sseis, -ssem.
• Futuro do subjuntivo: -r, -res, -r, -rmos, -rdes, -rem.
Tempos derivados do pretérito
perfeito do indicativo
TEMPO PRIMITIVO
PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO
Soube
Soube-ste
Soube
Soubemos
Soubestes
Souberam
Tempos derivados do pretérito
perfeito do indicativo
TEMPOS DERIVADOS
Pretérito mais-que-
perfeito do indicativo
Pretérito imperfeito do
subjuntivo
Futuro do subjuntivo
Soubera Soubesse Souber
Souberas Soubesses Souberes
Soubera Soubesse Souber
Soubéramos Soubéssemos Soubermos
Soubéreis Soubésseis Souberdes
Souberam Soubessem Souberem
Formas nominais e tempos
derivados do infinitivo impessoal
As demais formas verbais e nominais derivam do infinitivo impessoal, que é a forma
primitiva de qualquer verbo. Deve-se, pois, subtrair a desinência de infinitivo (-r) e
acrescentar as terminações a seguir.
• Pretérito imperfeito do indicativo: -va, -vas, -va, -vamos, -veis, -vam (para os verbos
da primeira conjugação) e -a, -as, -a, -amos, -eis, -am (para os verbos da segunda e
terceira conjugações).
• Futuro do presente do indicativo: -rei, -rás, -rá, -remos, -reis, -rão.
• Futuro do pretérito do indicativo: -ria, -rias, -ria, -ríamos, -ríeis, -ríam.
• Infinitivo impessoal: -r, -res, -r, -rmos, -rdes, -rem.
• Gerúndio: -ndo
• Particípio regular: -do
PRETÉRITO IMPERFEITO DO
INDICATIVO
FUTURO DO PRESENTE DO
INDICATIVO
FUTURO DO PRETÉRITO DO
INDICATIVO
Estudava Estudarei Estudaria
Estudavas Estudarás Estudarias
Estudava Estudará Estudaria
Estudávamos Estudaremos Estudaríamos
Estudáveis Estudareis Estudaríeis
Estudavam Estudarão Estudariam
INFINITIVO PESSOAL GERÚNDIO PARTICÍPIO REGULAR
Estudar
Estudares
Estudar Estudando Estudado
Estudarmos
Estudardes
Estudarem
ESTUDA-R

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Aula_13___Verbo (1).pdf

VERBO.pptx
VERBO.pptxVERBO.pptx
O verbo 2ºciclo natalina
O verbo 2ºciclo  natalinaO verbo 2ºciclo  natalina
O verbo 2ºciclo natalina
NMBQ
 
Tempos verbais dicas
Tempos verbais dicasTempos verbais dicas
Tempos verbais dicas
Fabiana Arthur
 
O Verbo
O VerboO Verbo
Os verbos
Os verbosOs verbos
Os verbos
Uratinai Ketlis
 
aula verbo
aula verboaula verbo
A classe dos verbos 1 gt
A classe dos verbos 1 gtA classe dos verbos 1 gt
A classe dos verbos 1 gt
Cristina Fontes
 
Revisão 9ºano último
Revisão 9ºano  últimoRevisão 9ºano  último
Revisão 9ºano último
Lurdes Augusto
 
Revisão 9ºano
Revisão 9ºanoRevisão 9ºano
Revisão 9ºano
Lurdes Augusto
 
Verbos estrutura tempos
Verbos estrutura temposVerbos estrutura tempos
Verbos estrutura tempos
hildacocagermany
 
Verbo
VerboVerbo
VERBOS - ANÁLISE MORFOLÓGICA DA LÍNGUA PORTUGUESA
VERBOS - ANÁLISE MORFOLÓGICA DA LÍNGUA PORTUGUESAVERBOS - ANÁLISE MORFOLÓGICA DA LÍNGUA PORTUGUESA
VERBOS - ANÁLISE MORFOLÓGICA DA LÍNGUA PORTUGUESA
BerlaPaiva
 
Capítulo – verbo
Capítulo  – verboCapítulo  – verbo
Capítulo – verbo
Lucas Jansen
 
Aula 10
Aula 10Aula 10
Aula 10
gsbq
 
Aula 10
Aula 10Aula 10
Aula 10
gsbq
 
Verbos
Verbos  Verbos
Verbos
Juliana Mota
 
www.AulasParticularesApoio.Com - Português - Verbos
www.AulasParticularesApoio.Com - Português -  Verboswww.AulasParticularesApoio.Com - Português -  Verbos
www.AulasParticularesApoio.Com - Português - Verbos
ApoioAulas ParticularesCom
 
Aula 12 verbo i
Aula 12   verbo iAula 12   verbo i
Aula 12 verbo i
Jonatas Carlos
 
Slides Estudo dos Verbos para Concursos e Vestibulares
Slides Estudo dos Verbos para Concursos e VestibularesSlides Estudo dos Verbos para Concursos e Vestibulares
Slides Estudo dos Verbos para Concursos e Vestibulares
Thaysa Cavalcante
 
Verbos 2
Verbos 2Verbos 2
Verbos 2
Aportuguesando
 

Semelhante a Aula_13___Verbo (1).pdf (20)

VERBO.pptx
VERBO.pptxVERBO.pptx
VERBO.pptx
 
O verbo 2ºciclo natalina
O verbo 2ºciclo  natalinaO verbo 2ºciclo  natalina
O verbo 2ºciclo natalina
 
Tempos verbais dicas
Tempos verbais dicasTempos verbais dicas
Tempos verbais dicas
 
O Verbo
O VerboO Verbo
O Verbo
 
Os verbos
Os verbosOs verbos
Os verbos
 
aula verbo
aula verboaula verbo
aula verbo
 
A classe dos verbos 1 gt
A classe dos verbos 1 gtA classe dos verbos 1 gt
A classe dos verbos 1 gt
 
Revisão 9ºano último
Revisão 9ºano  últimoRevisão 9ºano  último
Revisão 9ºano último
 
Revisão 9ºano
Revisão 9ºanoRevisão 9ºano
Revisão 9ºano
 
Verbos estrutura tempos
Verbos estrutura temposVerbos estrutura tempos
Verbos estrutura tempos
 
Verbo
VerboVerbo
Verbo
 
VERBOS - ANÁLISE MORFOLÓGICA DA LÍNGUA PORTUGUESA
VERBOS - ANÁLISE MORFOLÓGICA DA LÍNGUA PORTUGUESAVERBOS - ANÁLISE MORFOLÓGICA DA LÍNGUA PORTUGUESA
VERBOS - ANÁLISE MORFOLÓGICA DA LÍNGUA PORTUGUESA
 
Capítulo – verbo
Capítulo  – verboCapítulo  – verbo
Capítulo – verbo
 
Aula 10
Aula 10Aula 10
Aula 10
 
Aula 10
Aula 10Aula 10
Aula 10
 
Verbos
Verbos  Verbos
Verbos
 
www.AulasParticularesApoio.Com - Português - Verbos
www.AulasParticularesApoio.Com - Português -  Verboswww.AulasParticularesApoio.Com - Português -  Verbos
www.AulasParticularesApoio.Com - Português - Verbos
 
Aula 12 verbo i
Aula 12   verbo iAula 12   verbo i
Aula 12 verbo i
 
Slides Estudo dos Verbos para Concursos e Vestibulares
Slides Estudo dos Verbos para Concursos e VestibularesSlides Estudo dos Verbos para Concursos e Vestibulares
Slides Estudo dos Verbos para Concursos e Vestibulares
 
Verbos 2
Verbos 2Verbos 2
Verbos 2
 

Mais de Ana Vaz

MAPA_EMédio_1 Ano do EM_LINGUAGENS 2024.pdf
MAPA_EMédio_1 Ano do EM_LINGUAGENS 2024.pdfMAPA_EMédio_1 Ano do EM_LINGUAGENS 2024.pdf
MAPA_EMédio_1 Ano do EM_LINGUAGENS 2024.pdf
Ana Vaz
 
Aula 2 – O que é Literatura.pptx
Aula 2 – O que é Literatura.pptxAula 2 – O que é Literatura.pptx
Aula 2 – O que é Literatura.pptx
Ana Vaz
 
Figuras de linguagem.pdf
Figuras de linguagem.pdfFiguras de linguagem.pdf
Figuras de linguagem.pdf
Ana Vaz
 
4-19-08-L-portuguesa-Grau-comparativo-do-adjetivo-Casa.pdf
4-19-08-L-portuguesa-Grau-comparativo-do-adjetivo-Casa.pdf4-19-08-L-portuguesa-Grau-comparativo-do-adjetivo-Casa.pdf
4-19-08-L-portuguesa-Grau-comparativo-do-adjetivo-Casa.pdf
Ana Vaz
 
Conto de mistério 6º ano.pptx
Conto de mistério 6º ano.pptxConto de mistério 6º ano.pptx
Conto de mistério 6º ano.pptx
Ana Vaz
 
7ano_Transitividade Verbal.pptx
7ano_Transitividade Verbal.pptx7ano_Transitividade Verbal.pptx
7ano_Transitividade Verbal.pptx
Ana Vaz
 
8º-ano-B-Viagem-ao-centro-da-terra-1.pdf
8º-ano-B-Viagem-ao-centro-da-terra-1.pdf8º-ano-B-Viagem-ao-centro-da-terra-1.pdf
8º-ano-B-Viagem-ao-centro-da-terra-1.pdf
Ana Vaz
 
ESTRUTURA E PROCESSOS DE FORMAÇÃO DAS PALAVRAS.pptx
ESTRUTURA E PROCESSOS DE FORMAÇÃO DAS PALAVRAS.pptxESTRUTURA E PROCESSOS DE FORMAÇÃO DAS PALAVRAS.pptx
ESTRUTURA E PROCESSOS DE FORMAÇÃO DAS PALAVRAS.pptx
Ana Vaz
 
Concordância verbal.pptx
Concordância verbal.pptxConcordância verbal.pptx
Concordância verbal.pptx
Ana Vaz
 
Orações coordenadas.ppt
Orações coordenadas.pptOrações coordenadas.ppt
Orações coordenadas.ppt
Ana Vaz
 
aula inglês 2º ANO.pptx
aula inglês 2º ANO.pptxaula inglês 2º ANO.pptx
aula inglês 2º ANO.pptx
Ana Vaz
 
5. Fisiologia Respiratória.pptx
5. Fisiologia Respiratória.pptx5. Fisiologia Respiratória.pptx
5. Fisiologia Respiratória.pptx
Ana Vaz
 
03 Códigos de Cura Grabovoi.pdf
03 Códigos de Cura Grabovoi.pdf03 Códigos de Cura Grabovoi.pdf
03 Códigos de Cura Grabovoi.pdf
Ana Vaz
 
TEATRO - Texto teatral gênero, enredo, diálogos, monólogos.ppt
TEATRO - Texto teatral gênero, enredo, diálogos, monólogos.pptTEATRO - Texto teatral gênero, enredo, diálogos, monólogos.ppt
TEATRO - Texto teatral gênero, enredo, diálogos, monólogos.ppt
Ana Vaz
 
aula1-141201213923-conversion-gate01.pdf
aula1-141201213923-conversion-gate01.pdfaula1-141201213923-conversion-gate01.pdf
aula1-141201213923-conversion-gate01.pdf
Ana Vaz
 
variedades_linguisticas.ppt
variedades_linguisticas.pptvariedades_linguisticas.ppt
variedades_linguisticas.ppt
Ana Vaz
 

Mais de Ana Vaz (16)

MAPA_EMédio_1 Ano do EM_LINGUAGENS 2024.pdf
MAPA_EMédio_1 Ano do EM_LINGUAGENS 2024.pdfMAPA_EMédio_1 Ano do EM_LINGUAGENS 2024.pdf
MAPA_EMédio_1 Ano do EM_LINGUAGENS 2024.pdf
 
Aula 2 – O que é Literatura.pptx
Aula 2 – O que é Literatura.pptxAula 2 – O que é Literatura.pptx
Aula 2 – O que é Literatura.pptx
 
Figuras de linguagem.pdf
Figuras de linguagem.pdfFiguras de linguagem.pdf
Figuras de linguagem.pdf
 
4-19-08-L-portuguesa-Grau-comparativo-do-adjetivo-Casa.pdf
4-19-08-L-portuguesa-Grau-comparativo-do-adjetivo-Casa.pdf4-19-08-L-portuguesa-Grau-comparativo-do-adjetivo-Casa.pdf
4-19-08-L-portuguesa-Grau-comparativo-do-adjetivo-Casa.pdf
 
Conto de mistério 6º ano.pptx
Conto de mistério 6º ano.pptxConto de mistério 6º ano.pptx
Conto de mistério 6º ano.pptx
 
7ano_Transitividade Verbal.pptx
7ano_Transitividade Verbal.pptx7ano_Transitividade Verbal.pptx
7ano_Transitividade Verbal.pptx
 
8º-ano-B-Viagem-ao-centro-da-terra-1.pdf
8º-ano-B-Viagem-ao-centro-da-terra-1.pdf8º-ano-B-Viagem-ao-centro-da-terra-1.pdf
8º-ano-B-Viagem-ao-centro-da-terra-1.pdf
 
ESTRUTURA E PROCESSOS DE FORMAÇÃO DAS PALAVRAS.pptx
ESTRUTURA E PROCESSOS DE FORMAÇÃO DAS PALAVRAS.pptxESTRUTURA E PROCESSOS DE FORMAÇÃO DAS PALAVRAS.pptx
ESTRUTURA E PROCESSOS DE FORMAÇÃO DAS PALAVRAS.pptx
 
Concordância verbal.pptx
Concordância verbal.pptxConcordância verbal.pptx
Concordância verbal.pptx
 
Orações coordenadas.ppt
Orações coordenadas.pptOrações coordenadas.ppt
Orações coordenadas.ppt
 
aula inglês 2º ANO.pptx
aula inglês 2º ANO.pptxaula inglês 2º ANO.pptx
aula inglês 2º ANO.pptx
 
5. Fisiologia Respiratória.pptx
5. Fisiologia Respiratória.pptx5. Fisiologia Respiratória.pptx
5. Fisiologia Respiratória.pptx
 
03 Códigos de Cura Grabovoi.pdf
03 Códigos de Cura Grabovoi.pdf03 Códigos de Cura Grabovoi.pdf
03 Códigos de Cura Grabovoi.pdf
 
TEATRO - Texto teatral gênero, enredo, diálogos, monólogos.ppt
TEATRO - Texto teatral gênero, enredo, diálogos, monólogos.pptTEATRO - Texto teatral gênero, enredo, diálogos, monólogos.ppt
TEATRO - Texto teatral gênero, enredo, diálogos, monólogos.ppt
 
aula1-141201213923-conversion-gate01.pdf
aula1-141201213923-conversion-gate01.pdfaula1-141201213923-conversion-gate01.pdf
aula1-141201213923-conversion-gate01.pdf
 
variedades_linguisticas.ppt
variedades_linguisticas.pptvariedades_linguisticas.ppt
variedades_linguisticas.ppt
 

Último

ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
EdimaresSilvestre
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
y6zh7bvphf
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FredFringeFringeDola
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 

Último (20)

ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 

Aula_13___Verbo (1).pdf

  • 1. Aula 13 – Verbo Professor Guga Valente
  • 2. Verbo é a palavra que expressa ação, estado e fenômeno da natureza situados no tempo.
  • 3. Verbo Quando se pratica uma ação, a palavra que representa essa ação indicando o momento em que ela ocorre, é o verbo. Ex.: (...) seu gabinete tem um sofá muito confortável. (ação presente) Uma ideia de estado também pode ser localizada no tempo por meio de um verbo. Ex.: Gostou? É pele de contribuinte. (estado presente) Uma ação ocorrida num determinado tempo também pode constituir-se num fenômeno da natureza expresso por um verbo. Ex.: Naquela noite trovejou muito. (ação passada fenômeno da natureza)
  • 4. Classificação dos verbos Regulares Nos verbos regulares, os radicais e as desinências verbais não apresentam alterações, seguindo um modelo de conjugação regular. Observe abaixo a conjugação do verbo falar, que é um verbo regular
  • 5. Classificação dos verbos Irregulares Quando conjugamos um verbo e verificamos que ele sofre modificação no radical e nas desinências verbais, esse verbo é irregular. Então, os verbos que não seguem um modelo de conjugação são considerados irregulares. Com a leitura das conjugações ao lado, verificamos que o verbo no presente sofreu alteração no seu radical. portanto, ele é irregular. Observe que, para identificar se um verbo é regular ou irregular, você deverá conjugá-lo no presente ou no pretérito perfeito do indicativo. Se seguir o modelo dos verbos, ele será regular; se sofrer alteração no radical ou na desinência, irregular.
  • 6. Classificação dos verbos Anômalos Vimos que os verbos irregulares modificam o radical. Porém, alguns verbos recebem uma alteração maior, mais intensa do que os irregulares. A esses verbos dá-se o nome de anômalos. Portanto, verbos anômalos são aqueles que, na conjugação, possuem formas próprias e diferenciadas no radical e na desinência. Tais formas são totalmente diferentes das do verbo regular. Veja o exemplo abaixo do verbo ser:
  • 7. Classificação dos verbos Defectivos Verbo defectivo é o mesmo que imperfeito, defeituoso. Portanto, os verbos defectivos são os que não apresentam todas as formas verbais na conjugação. Abolir Reaver
  • 8. Classificação dos verbos Abundantes O conjunto dos verbos irregulares que demonstram mais de uma forma de conjugação, ou melhor, que apresentam duas ou mais formas que sejam equivalentes, diz respeito aos verbos abundantes. Esse tipo de verbo é mais encontrado na forma do particípio, mas há incidências em outros tempos verbais. Vejamos, abaixo, alguns exemplos.
  • 9. Pessoas verbais Além de expressar o tempo, o verbo expressa também as pessoas gramaticais. Exs.: A mãe cantou para o filho. Eu vendi minha bicicleta. 3ª pessoa do singular 1ª pessoa do singular Partiste no dia certo. 2ª pessoa do singular Há, porém, uma forma em que o verbo não se refere a nenhuma pessoa gramatical: é o infinitivo impessoal. A forma verbal cantou é do verbo cantar. A forma verbal vendi é do verbo vender. A forma verbal partiste é do verbo partir. Cantar, vender e partir representam o infinitivo do verbo. As terminações do infinitivo são três: ar — er — ir. cant l ar — terminação AR vend l er — terminação ER part l ir — terminação IR
  • 10. Conjugações verbais Na língua portuguesa, três vogais antecedem o "r" na terminação do infinitivo: a— e/o— i. Essas vogais caracterizam a conjugação do verbo. Os verbos estão, portanto, agrupados em três conjugações: 1ª conjugação (-AR) 2ª conjugação (-ER, -OR) 3ª conjugação (-IR) Cantar Poder Sumir Amar Fazer Partir Localizar Sobrepor Cair
  • 11. Conjugações verbais Observação: O verbo pôr, assim como os seus derivados (compor, repor, depor, supor etc.), pertence à 2ª conjugação, porque na sua forma antiga a terminação era -er: poer. A vogal e, apesar de haver desaparecido do infinitivo, revela-se em algumas formas do verbo: põe, pões, põem etc. Além disso, todos os verbos derivados de pôr possuem a mesma terminação em todas as suas flexões.
  • 12. Flexões verbais O verbo é constituído, basicamente, de duas partes: radical e terminações. Exemplo: verbo escrever escrev o escrev es escrev e escrev emos escrev eis escrev em Radical: escrev – parte que contém a significação básica do verbo. Terminações: o, es, e, emos, eis, em – parte variável do verbo. Observação: Para se obter o radical de um verbo é só colocá-lo na forma infinitiva e retirar a terminação que caracteriza essa forma. Exemplo: desistiram – infinitivo: desistir – radical: desist.
  • 13. Flexões verbais As terminações do verbo variam para indicar a pessoa, o número, o tempo, o modo. Exs.: Na noite fria, um menino chora. pessoa: 3ª; tempo: presente; número: singular; modo: indicativo. Naquele tempo, ouvíamos longas histórias. pessoa: 1ª; tempo: pretérito imperfeito; número: plural; modo: indicativo. Observação: Conjugar um verbo é flexioná-lo em tempo, modo, número e pessoa.
  • 14. Pessoa e número verbais O verbo varia em pessoa e número de acordo com as pessoas gramaticais: Singular Plural Curt – o Curt – imos Curt – es Curt – is Curt – e Curt – em Pessoa 1ª pessoa 2ª pessoa 3ª pessoa
  • 15. Tempo e modo verbais O fato expresso pelo verbo aparece sempre situado nos tempos presente, passado ou futuro. Além de o fato estar situado no tempo, ele também pode indicar: certeza, dúvida e ordem. As indicações de certeza, dúvida e ordem são determinadas pelos modos verbais. São, portanto, três os modos verbais: • exprime um fato certo, uma certeza. Modo Indicativo • exprime um fato possível, duvidoso, hipotético. Modo Subjuntivo • exprime uma ordem, um conselho, um pedido. Modo Imperativo
  • 16. Tempos do modo indicativo No modo indicativo, a ação verbal pode aparecer nos seguintes tempos: — Presente — Pretérito: - perfeito - imperfeito - mais-que-perfeito — Futuro: - do presente - do pretérito
  • 17. Tempos do modo indicativo Presente: Expressa um fato atual; Exs.: Eu faço a minha história. Não deixem que percam o foco. Elas veem o que esses homens estão fazendo.
  • 18. Tempos do modo indicativo Pretérito imperfeito: expressa um fato passado não concluído. Exs.: Quando eu era criança, íamos à pizzaria no centro a pé. Morávamos na Vila Nova, e a segurança pública não era problema para nossa família. Éramos pobres, mas muito felizes.
  • 19. Tempos do modo indicativo Pretérito perfeito: expressa um fato passado concluído.
  • 20. Tempos do modo indicativo Pretérito mais-que-perfeito: expressa um fato passado anterior a outro fato passado. Exs.: Obama acabara de chegar quando recebeu as boas-vindas do presidente africano. Naquele tempo, deixáramos tudo para trás para virmos morar aqui.
  • 21. Tempos do modo indicativo • Futuro do Presente: expressa um fato futuro em relação a um momento presente. Exs.: Morrerei sem saber metade do que gostaria. Os fiscais saberão o que fazer quando abordarem os golpistas. “O povo não é bobo, não reelegerá ninguém de novo!”
  • 22. Tempos do modo indicativo Futuro do Pretérito: expressa um fato futuro em relação a um momento passado. Exs.: Para a recepção, viriam duzentas pessoas. Eu iria ao cinema hoje, se tivesse dinheiro  Far-se-iam necessários dois leões de chácara na entrada da festa.
  • 23. Tempos do modo subjuntivo No modo subjuntivo, a ação verbal pode aparecer nos seguintes tempos: — presente — pretérito imperfeito — futuro
  • 24. Tempos do modo subjuntivo Presente: expressa um fato atual exprimindo possibilidade. Ex.: Espero que o tempo passe Espero que a semana acabe Pra que eu possa te ver de novo Espero que o tempo voe Para que você retorne Pra que eu possa te abraçar E te beijar De novo
  • 25. Tempos do modo subjuntivo Pretérito imperfeito: expressa um fato no passado dependente de outro fato passado. Ex.: Se eu soubesse disso, teria resolvido o problema mais rápido. Caso elas quisessem sair, já teriam se arrumado há muito tempo.
  • 26. Tempos do modo subjuntivo Futuro: expressa um fato futuro relacionado a outro fato futuro. Quando eu falar com a Maria, isso será resolvido. Quando ele tomar os remédios, os sintomas melhorarão. Quando ela tiver o dinheiro, irá comprar um carro.
  • 27. Formas do modo imperativo Ao indicar ordem, conselho, sugestão, pedido, o fato verbal pode expressar negação ou afirmação. São, portanto, duas as formas do imperativo: — imperativo negativo: Não falem alto. — imperativo afirmativo: Falai tu mais alto. OBSERVAÇÃO O imperativo não possui a 1ª pessoa do singular, pois não se prevê a ordem, o pedido ou o conselho a si mesmo.
  • 28. Vozes verbais As vozes verbais são a forma como os verbos se apresentam na oração a fim de determinar se o sujeito pratica ou recebe a ação. As vozes verbais, ou vozes do verbo, podem ser de três tipos: ativa, passiva ou reflexiva. Voz ativa Na voz ativa o sujeito é agente, ou seja, pratica a ação. Exs.: Bia tomou o café da manhã logo cedo. Aspiramos a casa toda. Já fiz o trabalho.
  • 29. Vozes verbais Voz passiva Na voz passiva o sujeito é paciente e, assim, não pratica, mas recebe a ação. A voz passiva pode ser analítica ou sintética. A voz passiva analítica é formada por: Sujeito paciente + verbo auxiliar (ser, estar, ficar, entre outros) + verbo principal da ação conjugado no particípio + agente da passiva. Exs.: O café da manhã foi tomado por Bia logo cedo. A casa toda foi aspirada por nós. O trabalho foi feito por mim.
  • 30. Vozes verbais A voz passiva sintética, também chamada de voz passiva pronominal (devido ao uso do pronome se) é formada por: Verbo conjugado na 3.ª pessoa (no singular ou no plural) + pronome apassivador "se" + sujeito paciente. Exs.: Tomou-se o café da manhã logo cedo. Aspirou-se a casa toda. Já se fez o trabalho.
  • 31. Vozes verbais Voz reflexiva Na voz reflexiva o sujeito é agente e paciente ao mesmo tempo, uma vez que o sujeito pratica e recebe a ação. A voz reflexiva é formada por: Verbo na voz ativa + pronome oblíquo (me, te, se, nos, vos), que serve de objeto direto ou, por vezes, de objeto indireto, e representa a mesma pessoa que o sujeito. Exs.: Atropelou-se em sua próprias palavras. Partiu-se todo naquela luta de MMA. Olhei-me ao espelho.
  • 32. Vozes verbais Voz reflexiva recíproca A voz reflexiva também pode ser recíproca. Isso acontece quando o verbo reflexivo indica reciprocidade, ou seja, quando dois ou mais sujeitos praticam a ação, ao mesmo tempo que também são pacientes. Exs.: Eu, meus irmãos e meus primos damo-nos bastante bem. Os dias e as noites passam-se sem que haja qualquer novidade. Sofia e Lucas amam-se.
  • 33. Vozes verbais e sua conversão Geralmente, por uma questão de estilo, podemos transpor orações que têm a voz verbal ativa para orações que têm a voz verbal passiva. Ao fazer a transposição, o sujeito da voz ativa torna-se o agente da passiva e o objeto direto da voz ativa torna-se o sujeito da voz passiva. Exemplo na voz ativa: Aspiramos a casa toda. Sujeito da ativa: Nós (oculto) Verbo: Aspiramos (transitivo direto) Objeto direto: a casa toda.
  • 34. Vozes verbais e sua conversão Exemplo na voz ativa: Aspiramos a casa toda. Sujeito da ativa: Nós (oculto) Verbo: Aspiramos (transitivo direto) Objeto direto: a casa toda. Exemplo na voz passiva: A casa toda foi aspirada por nós. Sujeito: A casa toda Verbo auxiliar: foi Verbo principal: aspirada Agente da passiva: por nós.
  • 35. Vozes verbais e sua conversão Observe que o verbo auxiliar foi está no mesmo tempo verbal que o verbo aspiramos estava na oração cuja voz é ativa. O verbo aspiramos na oração cuja voz é passiva está no particípio. Assim, a oração transposta para a voz passiva é formada da seguinte forma: Sujeito + verbo auxiliar (ser, estar, ficar, entre outros) conjugado no mesmo tempo verbal que o verbo principal da oração na voz ativa + verbo principal da ação conjugado no particípio + agente da passiva. É importante lembrar que somente os verbos transitivos admitem transposição de voz. Isso porque uma vez que os verbos intransitivos não necessitam de complemento, não têm objeto que seja transposto em sujeito.
  • 36. Formas nominais do verbo O verbo possui formas que são nominais. Chamam-se nominais porque por si só elas não expressam nem o tempo nem o modo verbal. Além disso, em determinados contextos, assumem a função de substantivos, adjetivos ou verbos. Exs.: Vamos jantar? O jantar está servido. verbo substantivo Ela já havia preparado o trabalho quando chegamos. verbo Ele está preparado para o exame. adjetivo
  • 37. Formas nominais do verbo As formas nominais do verbo são três: infinitivo, gerúndio e particípio. • O infinitivo pode ser: impessoal — quando não se refere às pessoas do discurso: Ter ou não ter dá na mesma. pessoal — quando se refere às pessoas do discurso. Neste caso. não é flexionado na 1ª e 3ª pessoas do singular e flexionado nas demais: falar (eu) — não flexionado falarmos (nós) — flexionado falares (tu) — flexionado falardes (vós) — flexionado falar (ele) — não flexionado falarem (eles) — flexionado
  • 38. Formas nominais do verbo As terminações das formas nominais do verbo são: • Infinitivo impessoal: cantar – vender – partir • Gerúndio: cantando – vendendo – partindo • Particípio: cantado – vendido – partido
  • 39. Formação dos tempos simples Para a conjugação verbal, utiliza-se um paradigma, isto é, um modelo de conjugação baseado em tempos primitivso e tempos derivados. Esse paradigma auxilia na conjugação até de alguns verbos irregulares, excluindo a necessidade de memorização: basta que se saibam os tempos primitivos (presente e pretérito perfeito do indicativo e a forma nominal do infinitivo impessoal) e que se sigam as orientações. Como regra geral, observam-se os dois tempos primitivos: se houver irregularidade neles, haverá também em seus tempos derivados.
  • 40. Tempos derivados do presente do indicativo PRESENTE DO INDICATIVO PRESENTE DO SUBJUNTIVO Fal – o Fal + e Falas Fal + es Fala Fal + e Falamos Fal + emos Falais Fal + eis Falam Fal + em 1ª CONJUGAÇÃO - AR
  • 41. Tempos derivados do presente do indicativo PRESENTE DO INDICATIVO PRESENTE DO SUBJUNTIVO Vend – o Vend + a Vendes Vend + as Vende Vend + a Vendemos Vend + amos Vendeis Vend + ais Vendem Vend + am 2ª CONJUGAÇÃO – ER e OR
  • 42. Tempos derivados do presente do indicativo PRESENTE DO INDICATIVO PRESENTE DO SUBJUNTIVO Sorri – o Sorri + a Sorris Sorri + as Sorri Sorri + a Sorrimos Sorrí + amos Sorríeis Sorrí + eis Sorriem Sorri + em 3ª CONJUGAÇÃO – IR
  • 43. Tempos derivados do presente do indicativo PRESENTE DO INDICATIVO PRESENTE DO SUBJUNTIVO IMPERATIVO AFIRMATIVO Penso Pens + e Ø Pensa – s Pensa tu Pensa Pens + e Pense você Pensamos Pens + emos Pensemos nós Pensai – s Pensai vós Pensam Pens + em Pensem vocês
  • 44. Tempos derivados do presente do indicativo A conjugação do imperativo negativo é igual à do presente do subjuntivo, acrescida do advérbio de negação: Não penses tu, não pense você, não pensemos nós, não penseis vós, não pensem vocês.
  • 45. Se um verbo for irregular ou defectivo no presente do indicativo, ele também o será nos tempos derivados. Exemplos: Caber (irregular): Presente do indicativo: caibo, cabes, cabe, cabemos, cabeis, cabem. Presente do subjuntivo: caiba, caibas, caiba, caibamos, caibais, caibam. Imperativo afirmativo: Ø, cabe, caiba, caibamos, cabei, caibam. Colorir (defectivo): Presente do indicativo: Ø, colores, colore, colorimos, coloríeis, colorem. Presente do subjuntivo: Ø Imperativo afirmativo: Ø, colore, Ø, Ø, colori, Ø. • Os verbos trazer, dizer e fazer podem perder também a vogal temática –e na segunda pessoa do singular do imperativo afirmativo. • Os verbos haver, estar, ser, ter, vir, pôr e ir não seguem esse paradigma.
  • 46. Tempos derivados do pretérito perfeito do indicativo Com base no pretérito perfeito do indicativo, formam-se o pretérito mais-que- perfeito do indicativo, o imperfeito do subjuntivo e o futuro do subjuntivo. Toma-se como partida a segunda pessoa do singular e subtrai-se a desinência – ste, acrescentando as terminações a seguir: • Pretérito mais-que-perfeito do indicativo: -ra, -ras, -ra, -remos, -reis, -ram. • Pretérito imperfeito do subjuntivo: -sse, -sses, -sse, -ssemos, -sseis, -ssem. • Futuro do subjuntivo: -r, -res, -r, -rmos, -rdes, -rem.
  • 47. Tempos derivados do pretérito perfeito do indicativo TEMPO PRIMITIVO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO Soube Soube-ste Soube Soubemos Soubestes Souberam
  • 48. Tempos derivados do pretérito perfeito do indicativo TEMPOS DERIVADOS Pretérito mais-que- perfeito do indicativo Pretérito imperfeito do subjuntivo Futuro do subjuntivo Soubera Soubesse Souber Souberas Soubesses Souberes Soubera Soubesse Souber Soubéramos Soubéssemos Soubermos Soubéreis Soubésseis Souberdes Souberam Soubessem Souberem
  • 49. Formas nominais e tempos derivados do infinitivo impessoal As demais formas verbais e nominais derivam do infinitivo impessoal, que é a forma primitiva de qualquer verbo. Deve-se, pois, subtrair a desinência de infinitivo (-r) e acrescentar as terminações a seguir. • Pretérito imperfeito do indicativo: -va, -vas, -va, -vamos, -veis, -vam (para os verbos da primeira conjugação) e -a, -as, -a, -amos, -eis, -am (para os verbos da segunda e terceira conjugações). • Futuro do presente do indicativo: -rei, -rás, -rá, -remos, -reis, -rão. • Futuro do pretérito do indicativo: -ria, -rias, -ria, -ríamos, -ríeis, -ríam. • Infinitivo impessoal: -r, -res, -r, -rmos, -rdes, -rem. • Gerúndio: -ndo • Particípio regular: -do
  • 50. PRETÉRITO IMPERFEITO DO INDICATIVO FUTURO DO PRESENTE DO INDICATIVO FUTURO DO PRETÉRITO DO INDICATIVO Estudava Estudarei Estudaria Estudavas Estudarás Estudarias Estudava Estudará Estudaria Estudávamos Estudaremos Estudaríamos Estudáveis Estudareis Estudaríeis Estudavam Estudarão Estudariam INFINITIVO PESSOAL GERÚNDIO PARTICÍPIO REGULAR Estudar Estudares Estudar Estudando Estudado Estudarmos Estudardes Estudarem ESTUDA-R